segunda-feira, 14 de julho de 2008

UM DOS MANIFESTOS ANTI-GORDOS

A gordofobia é um tipo de preconceito que afeta muita gente. Não só os gordos e, principalmente - num mundo em que o que ainda se espera de uma mulher é que ela seja bonita - as gordas, mas a todos. As pessoas com peso “normal” têm medo de ficar gordas. Já há pesquisas nos EUA mostrando que meninas prefeririam perder os pais a engordar, e que gordos que conseguiram emagrecer prefeririam perder um braço ou uma perna a recuperar o peso. Vai aqui um exemplo do que é ódio aos gordos. Este pequeno artigo foi publicado num jornal estudantil da Universidade de Toronto (e eu achando que os canadenses são mais evoluídos que os americanos, e que universitários são menos tontos que alunos de segundo grau). A tradução é minha.

Dez Motivos porque não é ok ser gordo

1. Saúde pública – por que o resto de nós deveria pagar impostos mais altos para que você possa comer até morrer?

2. Ninguém gosta de você. Com exceção de, possivelmente, outras pessoas gordas.

3. Mesmo que você seja bem-sucedido, isso só quer dizer que você terá dinheiro suficiente para se tornar um viciado em drogas e se matar, como fez o Chris Farley [comediante americano gordo que morreu de overdose em 1997].

4. Porque eu não quero nunca mais ter que pensar em pessoas gordas.

5. Você não apenas assusta as crianças, como dá um mau exemplo.

6. Você estraga as fotos.

7. Você estraga ocasiões especiais.

8. Pensar em você fazendo sexo já arruina o dia de pelo menos 50% das pessoas que você conhece.

9. Porque só carros deveriam vir equipados com pneus. Esses pneus servem pra alguma coisa.

10. Porque é nojento pra c***lho.”

Ou seja, em poucas palavras, não é okay ser gordo porque o carinha não gosta de gordos. Basicamente. Ele não propõe nada, mas, se oferecesse propostas, elas não seriam do tipo “Bom, talvez eu tenha que parar de pensar e agir como quando tinha 3 anos e achava que o mundo girava ao meu redor”. Se houvesse proposta, elas seriam ou emagrecer (coisa que a maioria dos gordos no mundo passa a vida tentando), ou eliminação total dessa gente indesejável. Sério, tem gente que defende campos de concentração pra gordos.

Vamos lá rebater alguns desses argumentos (como alguns são baseados apenas em ódio, não em argumentos racionais, não podem ser rebatidos).

1. Saúde pública – nesse argumento que os gordos custam caro há contradições, assim como na idéia de que gordo morre cedo. Se é verdade que gordo vive menos (e não há provas incontestáveis disso), e se nunca o mundo esteve tão gordo como está atualmente, por que a expectativa de vida de praticamente todos os países não pára de aumentar? Mesmo com todos os avanços da ciência, a gente poderia supor que, se esse pressuposto fosse verdadeiro, esses 30% de pessoas com sobrepeso ou obesas afetariam a expectativa de vida de uma população como um todo. Outra contradição: se os gordos vivem menos, eles evidentemente gastam menos os recursos da saúde pública que as pessoas com peso normal. Não ficam velhos, que é quando mais se precisa de atendimento médico. Agora, vamos imaginar que sim, os gordos, além de morrer cedo, ainda abusam da saúde pública. Se a saúde é pública, não pode haver discriminação. É pra todos. E todas as doenças relacionadas com os gordos, como diabetes e pressão alta, bem, muitos magros têm também (e muitos gordos não têm – moi, por exemplo). Sem falar que muitos gordos são gordos por causa da sua herança genética, não porque “comem até morrer”. Quase todo mundo conhece magros que comem como um saco sem fundo e nunca engordam. E gordos que comem bem pouquinho, e nunca emagrecem.

2. Pois é, isso de “ninguém gosta de você” é o que pega mais. Uma menina gorda já cresce achando que morrerá solteira (mas não velha, ainda bem). E realmente é mais difícil pra uma gorda atrair muitos olhares. Mas, adivinha? Tá cheio de gorda bem-casada. Há gordas sozinhas, assim como há mulheres magras sozinhas. Mas sempre vai ter gente ou que não liga pra pessoa ser gorda, ou até gosta. Inclusive, muitas gordas que há por aí não estão acompanhadas por homens gordos. E outra novidade pro carinha que escreveu o manifesto anti-gordos: não são tantas as pessoas gordas que gostam de pessoas gordas. Se as mulheres gordas não se aceitam, vivem tentando mudar, se acham erradas, não vão considerar os gordos tão atrantes. Puxa, por que será que as gordas não se aceitam, num mundo que as aceita de braços tão abertos?

3. Essa eu não entendi. Só gordos morrem de overdose de drogas?

4. O carinha não quer mais pensar em pessoas gordas? Então o problema é dele, não delas.

5. Gordo assusta criança? Bom, criança mal-educada geralmente é aquela que aponta prum gordo (ou pra qualquer um fora do padrão) e grita pra mãe: “Por que essa pessoa é assim?!”. Essas crianças às vezes têm pais que apontam prum gordo e dizem: “Olha só, filhinha, se você comer doce demais, vai ficar assim”. E quanto a gordo ser mau exemplo, sei lá, eu não consigo imaginar uma criança olhando prum gordo e pensando: “Quero ser assim quando crescer!”. Estranho, eu sei, considerando como os gordos são bem tratados na nossa sociedade.

6 e 7. Gordos estragam fotos e ocasiões especiais – não sei o que falar disso, tirando que “estragar” é um termo pra lá de subjetivo.

8. Cuma? Será que só eu consigo olhar pra uma pessoa e não imaginá-la fazendo sexo? Tá certo que gorda é propriedade pública pra todo mundo criticar, mas eta pessoalzinho sem mais o que fazer se basta bater os olhos numa gorda pra pensar como ela deve ser transando. Se esse pensamento arruina o dia do sujeito, ele que não pense nisso, ué. E francamente, se o dia dele fica em ruínas após um pensamentozinho desses, ele já tava meio arruinado antes.

9. No original o sujeito diz que aviões vêm com flaps (abas?), mas não dá pra falar em português que gordos têm abas, então traduzi pra pneus. Ah, as pessoas “deveriam vir” em certos tamanhos, cores e formas! E se não vêm é porque têm algum defeito de fabricação. É só devolver pra fábrica trocar ou consertar. A frase do rapaz também remete à “utilidade” das coisas. Pneus ou abas em veículos de transporte são okay porque servem pra alguma coisa. Tanta coisa na vida não tem muita serventia e a gente gosta delas mesmo assim...

10. Gordos são nojentos – o carinha tem todo o direito de pensar assim. “Nojento” carece de maior definição, mas geralmente, quando alguém diz isso, quer dizer “sexualmente repulsivo”. Se um sujeito que não gosta de gordas já não deve perder seu tempo fantasiando como elas são na cama, tampouco deve transar com elas. Vai por mim: eu sobrevivo sem que um rapaz desses me deseje sexualmente. Será difícil, mas eu sou forte. E sabe o que pra mim é realmente nojento? Ódio e preconceito.

26 comentários:

cavaca disse...

Mas isso é coisa de gente muito limitada não é? Como deve ser o mundo idel para essas pessoas, todo mundo branco, rico, bonito e hetero! Ora...ora...ora. Até parece que querem simplificar a vida. Tá cheio de gente gorda por aí, e por toda a parte, e muitas vezes vivendo melhor e mais feliz do que as pessoas magras, ou ricas, ou heteras....Se um sujeito desses tem um problema da tiróide e acaba ficando gordo será que vai manter as mesmas opiniões!

Juliana disse...

Que cara estúpido! Não merece nem réplica!!

A questão da gordura às vezes esbarra na questão do bem estar (especialmente obesidade). Outro dia o Nizan Guanaes, que fez redução do estômago e emagreceu horrores, foi no Jô Soares e a alegria da vida dele era cruzar as pernas, não ficar entalado em assento de avião e poder se virar em banheiro de avião. Tudo bem, são futilidades, mas acho a questão do bem estar importante individualmente, quer dizer, cada um sabe do seu bem estar. Nessa de culto à beleza e ao padrão estético, sempre sofri certos preconceitos por ser baixinha, mas me resolvi bem com isso. Acredito que a vida seja muito mais difícil para um anão, assim como para um obeso. A diferença é que a obesidade às vezes tem solução, a naniquice, não.

Mas acho que o único e real problema com a gordura é a saúde. Continuo repetindo isso sem discordar em nada do que você diz, porque é uma lástima que hajam pessoas ignorantes e preconceituosas como esses que escrevem coisas absurdas como essas, se achando muito engraçados, mas há uma questão de saúde grave, especialmente com a gordura abdominal. E aí é que é terrível, porque conheço pessoas muito magras que têm muita barriga e isso acarreta, sim, problemas como hipertensão e probelmas cardíacos. Aí pode-se argumentar que qualquer um pode ter esses problemas, magro ou gordo, mas é como dizer que qualquer um pode ter câncer de pulmão, então eu vou fumar.

Mas, realmente, não gostar de pessoas gordas por fatores puramente estéticos e como querer que não existam loiros, morenos ou ruivos no planeta. Até não duvido que exista gente assim, já que tem quem não queria que existam negros e judeus (tá certo que os judeus não necessáriamente por razões estéticas, mas igual...).


Agora que estou lendo as tuas réplicas e vi que vc argumentou exatamente com o que eu não concordo "É pra todos. E todas as doenças relacionadas com os gordos, como diabetes e pressão alta, bem, muitos magros têm também (e muitos gordos não têm – moi, por exemplo)." -- sim, muitos magros também têm e nem todos os gordos têm, mas estão mais propensos. Como eu disse, é como dizer que muitos não-fumantes têm câncer de pulmão, enfizema, e muitas outras doenças tão freqüentemente relacionadas com o fumo; muitos fumantes fumam maços a vida toda e não têm nada. Isso é argumento forte o suficiente pra dizer que não há problemas em uma pessoa fumar? Que é super saudável?

"Sem falar que muitos gordos são gordos por causa da sua herança genética, não porque “comem até morrer”." -- com certeza!!!!!

O "ninguém gosta de você" parece que assombra pessoas de todas as classes, alturas, raças, tamanos,... até as que se enquadram no "padrão" podem ter sérios problemas de auto estima dependendo de como forem criadas.

"Pneus ou abas em veículos de transporte são okay porque servem pra alguma coisa. Tanta coisa na vida não tem muita serventia e a gente gosta delas mesmo assim..." -- e pneu em gente também pode ter utilidade e tem muita gente que gosta também.

Esse cara, sim, é nojento.

princesa disse...

Excelente o texto,como sempre.
Eu acho que essa gordofobia acontece porque moralizaram a "beleza",tipo,só é feio quem quer,então no racioncínio deles,se você não está nos padrões é porque você é relaxada.
Realmente é muito imbecilidade ¬¬

sbcarmo disse...

Oi, Lola.
Concordo com o que a Juliana disse. As vezes, pode não ser muito saudável ser gordo mas acredito que haja muito preconceito não só contra obesos, como contra negros, gays, baixinhos,deficientes, etc.
O padrão de beleza vigente(desde sempre), privilegia o branco, bonito e hetero(ultimamente temos o preconceito contra heteros, mas isso é uma outro história).
Vc mesma já disse em outro post, algo sobre a relatividade da beleza. Concordo, veja o velho ditado: "Quem ama o feio, bonito lhe parece!"
Cá entre nós, acho muita gente gorda/gordota/cheinha/fofa absolutamente linda.
Como diria o bom e velho Tio Ali:"Mulher boa, é mulher que enche uma cama!!!" Agora, há muitas "Giseles" por aí que fariam melhor figura se tivessem uns quilinhoa a mais.
Com relação ao manifesto, parece que o pessoal que vive aí no lado norte tem uns parafusos a menos. São só as pessoas mais preconceituosas e limitadas que eu já vi.Só conseguem olhar para o próprio umbigo e, tudo que está além, é fora de propósito, bizarro, estranho e repudiável.
É triste.

Valente disse...

Que horrivel!!!!!
Quando eu tinha 9 anos eu era gordinha todos ficavam no meu pé, um dia resolvi que ñ iria comer mais e isso fez eu ter uma doença mt grave que ate hj me persegue

lu disse...

meu, esse cara é muito limitado mesmo. na faculdade dele ele não deve ser muito bem amado.
se esse discurso dele refletisse ao pé-da-letra o de uma maioria, haveria uma KKK anti-gordas. o triste é saber que ele só está exagerando e explicitando um discurso que é generalizado e que costuma ficar implícito...

cynthia disse...

Manifestozinho ridículo, esse. Como diria minha mãe: esse povo precisa de trabalhar um pouco... tem de fazer alguma coisa que preste pra não ficar brincando de "oficina do diabo" e divulgando preconceitos.

Detesto esse discurso de pagar pela saúde pública, pois esconde o tom de dono da verdade: quem fala isso acha que tem o direito de dizer quem merece ser tratado pela saúde pública, como se fosse o único financiador do sistema. Megalomania e burrice combinadas dão nisso...

Mas o que me horroriza mesmo é a mentalidade de que é só parar de comer que a pessoa emagrece. Haja ignorância!!! Já comi 800 calorias por dia durante algum tempo, e não emagreci. O motivo? Problemas hormonais. Os médicos só descobriram beeem depois (já que tratam todo paciente como um comilão compulsivo e mentiroso) e não perceberam sinais claros de alterações nos exames. Pra piorar, acharam que o meu caderninho com as anotações de comida eram falsificados, pois era impossível eu comer aquele pouquinho, fazer academia e não emagrecer. Pra mim, isso é ignorância no mais alto grau.

Mudando de assunto e encerrando o testamento, deixei um comentário lá no post sobre animações com um link que acho que você vai gostar.

Claudemir disse...

Lola vc ja viu esses trailers?

Burn After Reading

http://br.youtube.com/watch?v=VrU9lNo-yRc

007 - Quantum of Solace

http://br.youtube.com/watch?v=uWWEh3xZCPU&feature=related

Quem sabe voce poderia crí-crítica-los...

lola aronovich disse...

É o que acho também, Cavaca. Exigir que todas as pessoas sejam magras realmente não é muito diferente de querer que todos estejam dentro de um só padrão de "normatividade". E isso é fascista sim.


Ju, não sabia disso do Nizan Guanaes. Pelas poucas fotos que tinha visto dele, nunca me pareceu que ele fosse obeso mórbido. E só gente com índice de massa corpórea 40 poderia fazer cirurgia de redução de estômago. Mas rico pode qualquer coisa... Essa questão do bem-estar é muito relativa. Não conheço muita gente, gorda ou magra, que goste de andar de avião, porque os assentos estão cada vez menores e mais desconfortáveis. E não conheço muitos que gostem de ir ao banheiro em avião ou ônibus! E juro, isso não iria mudar se eu fosse 25 quilos mais magra! Imagino que vc, como baixinha, já sofreu bastante preconceito (e nesse caso pra homem é pior ser baixo!). Mas há diferenças grandes. Se vc é baixinha, o pessoal assume que é o seu tipo físico e que não há o que fazer. Vc nasceu assim, é genético. Taí uma coisa que o dinheiro (ainda) não pode comprar, altura. Mas se vc é gorda, todo mundo assume que vc ficou assim por opção (o que é uma besteira! Imagina se alguém vai QUERER ficar de um tamanho odiado pela sociedade!). Que vc come demais, não faz exercício, e, por se permitir ficar assim, é moralmente relaxada e só pode ser burra. A obesidade raramente tem solução, Ju. Dietas não funcionam. Em 95% dos casos, pessoas que perderam peso recuperam esse peso dentro de dois anos. Ninguém sabe ao certo o que realmente faz mal à saúde: ser gordo, ou esse efeito sanfona pelo qual todo gordo passa de emagrecer/engordar. Cirurgia pra redução de estômago, além de perigosas (há um índice alto de mortalidade, que ninguém menciona, é tabu, e o paciente pode ter problemas de saúdes muito piores que tinha com a obesidade - e pro resto da vida), geralmente não garantem um peso baixo (a pessoa volta a recuperar boa parte do peso após um tempo). Engordar e fumar não são parecidos, Ju. Assim como vc nasceu baixa (e eu também), muita gente nasce geneticamente programada pra ser gorda. Não é uma opção, em muitos casos. Eu e todos os gordos adoraríamos não ter gordura abdominal. Ninguém se orgulha disso. Mas temos. Tentamos de tudo e continuamos tendo. E aí? Por isso vou ter que passar a minha vida inteira fazendo dieta após dieta - sem resultado -, me considerando horrenda, sendo condenada pela sociedade, com tudo quanto é médico dizendo que vou morrer logo? I don't think so... Meus últimos 25 anos foram mais ou menos assim. Cansei! Agora quero me aceitar como sou, e não ficar tentando mudar o impossível. E se eu morrer cedo, paciência. Quero morrer feliz. Meu pai era magro, andava todo dia pro trabalho, se alimentava de forma super saudável, e morreu com 67 anos. Sinceramente, acho que vou viver mais.

lola aronovich disse...

É isso mesmo, Princesa. Vendeu-se a idéia de que só é feia quem quer. Que o dinheiro pode (e deve) comprar tudo. E como gordura está totalmente relacionada à feiúra, é fácil condenar as gordas. São desleixadas. Não se esforçam como devem. Não gastam todo o dinheiro que deveriam num "investimento" tão importante em suas vidas. Há pouquíssimos gordos na mídia. Mas há alguns, e eles são ricos. Jô, Faustão, Oprah Winfrey... Vai me dizer que esses já não gastaram um monte de dinheiro pra emagrecer? E como não conseguiram?! Só podem ser uns sem força de vontade mesmo!


SbCarmo, faz uns 20 anos, no mínimo, que eu venho pensando: puxa, que bom que há muitos gordos nos EUA, porque isso significa que vão encontrar uma "cura" pra obesidade rapidinho! (se fosse na África ninguém estaria mexendo uma palha, mas como é nos EUA...). Certamente há muito dinheiro sendo gasto pra descobrir algum remédio realmente eficaz pra obesidade. E no entanto, 20 anos já se passaram, e nada. Aí todo mundo pensa: puxa, a indústria farmacêutica (que é a mesma, ou irmã, da de beleza) faz tanto, se esforça tanto, tão boazinha e altruísta, tadinha, pra trazer bem-estar (leia-se magreza) à população, e esses gordos estúpidos não colaboram. A culpa é deles, não da indústria, ou da sociedade que os discrimina. Eles merecem ser discriminados pra deixarem de ser burros! Pra mim, há um grave erro de lógica nesse pensamento dominante.

Liris Tribuzzi disse...

Eu e a balança brigamos desde que eu me conheço por gente. Agora a batalha e pra ganhar uns quilinhos. Já é a segunda desse tipo, só que dessa vez é mais tranquila. Recuperar coisa de dois ou três, não 12 ou 13 como já foi em outras épocas.

lola aronovich disse...

Valente, me espanta que vc tenha decidido parar de comer aos 9 anos e ninguém se manifestou contra! Eu não podia fazer o que me desse na telha aos 9 anos, não que eu me lembre. Mas, pra sociedade, é melhor uma mulher magra, mesmo doente, que uma gorda saudável. MUITO melhor. Pelo menos não dói aos olhos. Há muitos relatos de meninas anoréxicas que quase morreram, mas que conseguiram superar a doença. Aí engordaram de novo. E toda vez que contam pra alguém que tiveram 30 quilos a menos, todo mundo diz "Uau, parabéns! Que maravilha!", e a pessoa tem que dizer: "Eu tava doente, quase morri". E as pessoas mudam de assunto.
Dei uma passada no seu blog (é novo?), e fico feliz que vc já esteja consciente das imposições da sociedade, e de que como isso não é saudável, agora, quando ainda é jovem. Abração!


Exatamente, Lu. O discurso do carinha É o da maioria, só que um pouco mais exagerado. Até mais honesto, digamos. E pruma mulher ser gorda é muito mais condenável, porque ela está deixando de cumprir o seu papel decorativo, função primordial de qualquer mulher... Blergh, né?

lola aronovich disse...

É, Cynthia, isso de pagar pela saúde pública é incrível. Aqui nos EUA, onde parece que a maior parte da população é CONTRA saúde pública universal (e sério, não consigo imaginar qualquer outro país no mundo que seja contra), tem muito a questão do "merecimento", da "responsabilidade" por trás. A pessoa MERECE ter acesso à saúde? E, se decidem que não, ela deve morrer na rua? Quanto às gordas, já já vão ter que aceitar que sim, há mulheres que são gordas por herança genética. E que há gordas que não tem essa herança, mas não se esforçam o suficiente pra serem magras (ou mesmo que comem demais e não se exercitam). E aí, vão colocar rótulos de aceitação nas gordas? Essa, tadinha, nasceu assim, e é digna de pena? Essa outra ficou assim, e é digna de ódio? Ou vamos odiar e ter pena de ambas? Vamos só oferecer saúde pública à que nasceu assim?
Ninguém acredita que gorda possa comer pouco, praticar exercício e permanecer gorda. Vai contra uma certa lógica divina. E achar que médico é menos preconceituoso que o resto da população é pura ingenuidade. Médicos fazem parte de uma sociedade que discrimina. Não são uma classe à parte, pessoas iluminadas enviadas dos céus. Aliás, há pesquisas horríveis que mostram que uma porcentagem alta de médicos e enfermeiras tem NOJO de gordos. Nos EUA, gordas fazem menos exames de papanicolau que magras. Será que talvez, apenas talvez, isso tenha a ver com uma mortalidade mais alta pras gordas?
Vou lá ver a animação.

lola aronovich disse...

Clau, obrigada pelas dicas. Quantum of Solace, o trailer, já vi no cinema. O outro ainda não.


Li, boa sorte! Espero que um dia vc possa aposentar a balança, e não ter que se preocupar mais nem em engordar, nem em emagrecer.

Liris Tribuzzi disse...

Difícil, hein. Uma vez com disturbio psiquico alimentar, sempre com disturbio psiquico alimentar.

(Eu acho que isso nem tem cura, é mais controle mesmo, mesmo que não se tome mais remédio ou faça tratamento.)

Juliana disse...

Então, o Nizan Guanaes não era obeso mórbido mesmo não, mas ele disse que já tinha feito tudo quanto
era tipo de dieta e spa e nada adiantava. Como ele tem problema (cardíaco?) na família, resolveu entrar na faca,
claro que a grana é um fator importante. Sabe que outro dia vi em algum lugar que não só obesos mórbidos, mas
diabéticos também podem fazer a cirurgia? Parece que há casos em que a pessoa engordou POR CAUSA da diebetes (e não
o contrário, mas é a do tipo não-hereditário), fez a redução do estômago e ficaram curados da doença.
Mas a questão do avião só repeti o que ele falou. Claro que ninguém gosta, mas foi engraçado ele dizendo que adora
poder se virar em banheiro de avião, que antes tinha que decidir antes de entrar.

É, já ouvi falar que o efeito sanfona é terrível.

Qualquer tipo de cirurgia é perigosa, não estou necessariamente defendendo a redução do estômago, mas toda cirurgia
tem fator de risco.

Eu não quis dizer que ser gordo é que nem fumar, mas que dizer que certas doenças não estão relacionadas com
gordura é como dizer que outras não estão relacionadas com o cigarro. Claro que são duas coisas diferentes,
mas sou contra esse argumento que "muitos magros têm esse problema e muitos gordos não."

E, sim, o negócio é realmente a gente se aceitar como é. Sabemos que é um processo difícil, mas vale a pena.

Malena disse...

Oi Lola, eu de novo - quem mandou ser interessante? :-)

Eu sou gordota - visto 46 - meu marido veste 60. Sou judia, ele é meio judeu, mas daqueles que usa barba e tudo. Pra completar, vestimos o que dá na telha, e não ligamos muito pra estilo. Quer mais?

Moramos ao lado da Barra da Tijuca, reduto da aparência na cidade das aparências, que é o Rio.

Saímos, vamos à praia. As pessoas olhavam, mas eu olho de volta. Vivemos, enfim. Mas canso de ouvir de alunas que elas estão gordas e precisam emagrecer e a loucura está chegando aos meninos.

Dói perceber a polícia da aparência na molecada. Eles policiam até os pais, que policiam os filhos, acreditando que aquilo vai lhes redimir. Rá!

Lembro sempre do livro da Naomi Wolf e do pote de creme que a mulher comeria, porque está morta de fome e o pote diz que aquilo vai te nutrir. De quê, mesmo?

Olha, muito bom o seu blog. Posso adicioná-lo nas minhas Beruhkas?

Abraços!

lola aronovich disse...

É, Li, não sei se distúrbio alimentar tem cura. Mas o que é esse "psiquico" no meio? Assim, mesmo em tratamento, não dá pra desprezar a balança?


Ju, a operação de cirurgia de estômago, pelo que li, traz riscos bem maiores que os das cirurgias normais. A mortalidade pode chegar a 10%. É MUITA coisa. E tem mais: quando ela foi criada, na década de 70, era só pra quem tinha acima de peso x. A cada ano esse parâmetro vai baixando. E, pros ricos, como é o caso do Nizan, mesmo quem não é obeso mórbido (um termo horrível, convenhamos - afinal, ninguém fala de magreza mórbida), já está podendo fazer. Não acho que deve ser uma vida boa não poder comer mais que um copinho de café pro resto da vida (cuja expectativa de vida pós-cirurgia já é bem reduzida), além de montes de complicações, mas... Conheço algumas amigas (só conheço dois amigos que tenham feito, o resto é tudo amiga mesmo) que fizeram, e torço pra que elas não tenham muitos problemas. Depois que as pessoas fazem a cirurgia, vira mais ou menos um culto. Todos se recusam a falar mal, a expor as complicações... Existem algumas comunidades de gente que fez a cirurgia e tá com um monte de problemas (piores que quando eram obesas), e falam sobre isso. Mas quem conta tudo é caso raro. O que a gente vê é depoimento do tipo "a melhor coisa que já fiz na vida". E é raríssimo ver na mídia uma reportagem falando dos perigos e complicações da cirurgia...

lola aronovich disse...

Oi, Malena! Bem-vinda. Bom vc aparecer por aqui. Dei uma olhada rápida no seu blog, e deixei um comentário lá. Pelo que entendi, vc mora no Rio? Ah tá, vc fala aqui que mora na Barra da Tijuca. Deve ser um porre morar em lugar de rico, não?
Então, isso de vestir o que dá na telha, sem se preocupar com estilo, é bem a minha cara e a do maridão também. Pra mim roupa tem que ser confortável acima de tudo. Isso de fazer sacrifícios pra ficar mais bonita eu nunca fiz, nem quando eu era 25 quilos mais magra.
Legal que vc saia de casa e não liga pros olhares. Vc dá aula de Análise do Discurso? Pra mim, essa é a área mais interessante da Linguística. É que sou da área de Literatura...
O livro da Naomi Wolf é fantástico! Pena que não o li quinze anos atrás. Aliás, devia ser leitura obrigatória pra todas as meninas. Chega aos 13, 15 anos, lê o livro. Não sei se resolve, mas sem dúvida ajuda a entender a dominação.
Sim, por favor, me adiciona lá. E apareça sempre! Vamos manter um diálogo.
Abração.

Lolla Moon disse...

2. Ninguém gosta de você. Com exceção de, possivelmente, outras pessoas imbecis.

Sei lá, EU não gosto desse cara. Não interessa me que cor, tamanho ou modelo ele venha. Realmente um primor de mesquinhez e mente pequena. E me faz pensar se eu realmente quero viver num mundo cheio de gente assim. Lembrei dos bullies da minha infância, agora (eu não era gorda, mas era outras coisas que eles não gostavam/aceitavam).

Uma das coisas que mais me cansa nesse debate é assumir que TODO gordo come muito. Ok, uma boa parte come muito, sim - mas em geral o faz por compulsão (que é um fator psicológico), e não por prazer. E muitos nem comem tanto assim, mas têm um metabolismo parado. Se os magrelos tivessem que sobreviver à base de café e alface para manter o peso, a maioria acabaria engordando. Esse povo só é magro por SORTE genética.

As anoréxicas tendem a não fazer piada de gordo. Porque elas também têm uma desordem alimentar e sabem muito bem o que é ter uma relação problemática com a comida. Mas pra quem come um boi na janta e não passa de 55 quilos, é muito fácil xingar gordo de comilão e preguiçoso.

Sadie disse...

Lola, bom ler esse texto. Até os 15 anos, eu era vareta, totalmente tábua mesmo. Depois, engordei até chegar aos 4 kg acima do meu peso ideal. Fico super chateada porque eu não tenho nem estrutura física para engordar. Se eu ganhar 500g, aparecem estrias. E depois que você emagrece, elas não somem, nem nunca mais vão desaparecer.
A gordofobia é um movimento totalmente em voga no mundo e é terrível, mas eu não gosto também do oposto, a paranóia da anorexia. Hoje em dia, ninguém mais pode ser magrinho sem ser taxado de bulímico. Isso chateia, porque muita gente come de tudo e é magra naturalmente, como eu era. Mas a impressão que fica é que você vive de dieta ou vomita tudo depois de comer.

Vou dar um exemplo famoso: a Keira Knightley, as pessoas vivem enchendo o saco dela querendo saber sobre o peso, anorexia, etc. Sinceramente, acho que deve ser muito estressante estar numa coletiva promovendo Atonement e ter gente querendo saber se você come ou não. Pior ainda é saber que as publicam fotos terríveis suas na internet rindo do seu tipo físico, que pode muito bem ser natural, porque posso até estar errada, mas não acho que a Keira tenha nenhum tipo de distúrbio alimentar e mesmo que tenha, não me interessa. Acho que ficar perseguindo uma pessoa pela magreza é tão preconceituoso quanto perseguir pela gordura. Não vejo a menor diferença. Já vi muita magricelinha ser discriminada, e eu não fui na infância e no começo da adolescência por sorte. Tô dizendo isso porque existe gente no mundo que praticamente levanta a bandeira contra os magros e acha que todo mundo é anoréxico. Odeio radicalismo.

Sinceramente, não me incomoda o peso das pessoas. Algumas ficam mais bonitas com mais "carne", e outras são lindas bem magras. Eu gosto é de diversidade, não seria nada interessante viver num mundo em que fosse todo mundo gordo ou todo mundo magro, porque tem gente para gostar de tudo. O caso é que todo mundo tem um padrão ideal de beleza em mente para "assuntos amorosos". Às vezes, a vida surpreende e você acaba com alguém oposto ao planejado, mas geralmente, nós vamos ao encontro daquilo que nos agrada esteticamente. E aí existe uma variedade incrível de gostos. Tem pessoas que adoram gordos (uma amiga minha magérrima perdeu o namorado para uma garota 20 kg mais gorda do que ela), magros, loiros, morenos, ruivos, brancos, negros, asiáticos, etc. Graças a Deus que nem todo mundo pensa como o cara que escreveu esse texto.

lola aronovich disse...

Lolla, nem tinha reparado que vc havia comentado aqui. Eh, bullies sao tao antipaticos, ne? Eles tem um jeito de achar que o mundo eh so deles, e que quem nao eh da turminha nem deveria estar vivo.
Isso de que gordo come muito (e de forma errada) e nao se exercita de jeito nenhum eh o preconceito mais comum. Eh muito ruim alguem bater os olhos num gordo e, de cara, decretar que ele eh preguicoso, estupido (por nao ter forca de vontade pra emagrecer), comilao, solitario, e que vai morrer daqui a pouquinho. Esse "raio X" instantaneo que fazem dos gordos nao acontece com mais ninguem. Se a pessoa eh magra, ninguem liga se ela for sedentaria, preguicosa ou comer demais. Ela eh automaticamente saudavel...
Ontem estava lendo uns comentarios terriveis de anorexicas e bulimicas e como comecou o pessimo relacionamento delas com comida. Quase sempre com as maes...

lola aronovich disse...

Sadie, entendo o que vc diz, e tenho algumas amigas magras que se queixam de serem questionadas o tempo todo. Eh um tal de "Vc nao come?", "por que vc nao engorda?", "vc ta doente?" e tal. Isso nao eh muito comum com os homens. Eh que ha toda uma cultura que faz de nos, mulheres, propriedade publica. Estamos sempre em exposicao pra sermos avaliadas fisicamente, e todo mundo opina. Mas a gordofobia e a anorexia estao ligadas, nao acha? Quanto mais se fala em "epidemia de obesidade", mais aumentam os casos de anorexia, porque as meninas ficam cada vez mais cedo paranoicas em engordar. Nao sei quantos obesos morbidos existem, e quantas anorexicas. E eh muito dificil estabelecer a mortandade de cada grupo. No caso das anorexicas, as meninas morrem porque param de comer mesmo (e muitas vezes se suicidam). No caso do obeso morbido, se ele morrer de, sei la, pneumonia, pode ter certeza que os medicos vao dizer que ele morreu por ser gordo.
Muitas anorexicas acabam morrendo, ou senao dependem de tratamento que pode durar a vida toda. Mas obviamente que nem toda menina magra eh anorexica, assim como nem toda gorda eh sedentaria e esta mal de saude. Acho pessimo perseguir qualquer pessoa por qualquer motivo, o que inclui, logico, o seu tipo fisico.
E nao acho que a Keira Knightley seja anorexica, bulimica, ou qualquer coisa. Ela eh naturalmente magra.
So que ha uma falha na sua logica. Nao eh a mesma coisa ser discriminada por ser magra e por ser gorda. Porque ser magra EH o padrao de beleza, e ser gorda eh tudo que eh abominado nesse padrao. 99,9% das atrizes sao muito magras. Varias devem ser naturalmente magras, mas varias tambem devem fazer mil e um sacrificios pra manter um corpo socialmente aceitavel. Nao ha diversidade alguma na midia. Mal existem gordas. Sabe, eh mais ou menos como dizer que um negro que usa uma camisa escrito "100% negro" esta sendo tao racista quando o branco que usa uma camisa escrito "100% branco". Nao eh a mesma coisa mesmo! A gente sempre tem que ver qual o lado discriminado.
Mas sim, eh otimo que as pessoas pensem diferente. Eu acho que existe amor pra todos os tipos, mas sinto que, com essas obsessoes que a gente vive, isso vai se complicar cada vez mais.

Anônimo disse...

que HORROR esse texto

Ed_ Maura disse...

Preconceituoso e mau carater. Resume esse carinha sem noçao.

KarlinhaRocha disse...

Não joguem pedra em mim, mas participando como observadora de um grupo de pessoas que tentava emagrecer tanto os tutores quanto os participantes acreditavam que não existe essa de gordo feliz, que isso é desculpa para tentar diminuir a força das ofensas de outros. Você discorda e se sente realmente feliz? Eu vivo o extremo oposto disso, luto contra episódios de compulsão alimentar e a possibilidade de engordar. E para mim engordar realmente e uma das piores coisas que poderia acontecer na minha vida (em relação a outros, cada um faz o que quer da própria vida, não tenho preconceito contra gordos, mas tenho contra minhas próprias gorduras, o que é direito meu, como é direito de cada um escolher ser gordo ou não escolher, mas se aceitar). E, não conheço gordo que come pouco e é gordo, conheço gordo que apenas acha que come pouco, mas come muito mais que um eutrófico ou uma pessoa magra e diz que come pouco. Mas, sim, já ouvi muito esse discurso, bastou passar um dia com a pessoa e descobrir que no conceito dela bala, Biscoitinho, paçoca, doce de leite e etc., não são comida, não contam como refeição. E a porção pequena das pessoas gordas normalmente é igual ou maior que a minha que como bastante por ser compulsiva.