quarta-feira, 12 de maio de 2021

LULA DISPARA NA PRIMEIRA PESQUISA DATAFOLHA DESDE QUE VOLTOU A SER ELEGÍVEL

Agora à noite saiu a mais recente pesquisa Datafolha, que deve ter deixado bastante gente desesperada, mas que colocou o país no módulo esperança. Eu tô sorrindo de orelha a orelha.

Falta muito tempo pras eleições do ano que vem, quase um ano e meio, e não sabemos sequer se o Brasil estará vivo até lá. Tudo pode acontecer. Mas esta pesquisa é especialmente importante por ser a primeira do Datafolha (um dos principais institutos do país) a ser realizada depois de Lula recuperar seus direitos políticos (em fevereiro). E também porque foi feita em campo, não mais por telefone, o que interfere nos resultados.

Pelo Datafolha, Lula tem chances de ganhar já no primeiro turno. Seus números são astronômicos: tem 41%, quase o dobro de Bolso, com 23%. Os candidatos a uma vaga de "terceira via" somam míseros 24% -- juntos (Sergio Moro derretendo tem 7%, Ciro Gomes, 6%, Luciano Huck, 4%, João Dória, 3%, Mandetta e Amoedo, 2% cada. Juntando esse bloco aos 23% de Bolso, o placar no momento é de Lula 41 x todos os outros 47. Bem próximo de uma vitória no primeiro turno!

No segundo turno, Lula teria 55% contra 32% de Bolso. Vitória tranquila! Ele também ganharia fácil qualquer outro. Já Bolso suaria pra derrotar Doria e perderia de Ciro.

Aliás, convém nem falar do Ciro. Até pouco tempo, eu e outras pessoas bem-humoradas o chamávamos de 12%. Porém, sua intenção de voto não para de cair. Na maior parte das pesquisas, ele está com 6%. Eu rio porque lembro da opinião dele e do PDT em geral quando Lula se tornou elegível -- que isso seria ótimo pro Ciro. Pois é. Ainda bem que eles são políticos, não analistas políticos. 

As boas notícias não acabaram aí. Lula também está com um índice de rejeição relativamente baixo, de 36%. Compare com os 54% de Bolso (pra mim é uma incógnita como apenas 54% digam que não votariam de jeito nenhum nesse traste). Lula ganharia de Bolso em todas as regiões do país. E até entre os evangélicos ele tem mais voto que o genocida (35% contra 34%, o que na realidade configura empate técnico).

O maridão estava dando aula de xadrez quando saiu a pesquisa, então só pude contar pra ele depois. A gente comemorou, se abraçou, deu pulinhos. E o maridão concluiu que, se é pra gente sonhar, vamos sonhar logo com Lula presidente e Boulos governador de SP. Já pensou? 

Vem logo, 2022!


terça-feira, 11 de maio de 2021

A ESDRÚXULA TESE DA LEGÍTIMA DEFESA DA HONRA NO FEMINICÍDIO

Publico hoje este guest post da feminista marxista e ativista ambiental Regiane Pimentel. E, aproveitando: assine a petição Nem Pense em Me Matar.

A tese da legítima defesa da honra remete ao Brasil Colonial, onde os homens podiam tirar a vida de suas companheiras com o argumento de que estavam cometendo um assassinato em nome de sua honra. É uma justificativa cruel e descabida para que homens se sentissem no direito, e com o amparo legal, para tirar a vida das esposas ou namoradas que os traíssem. É o crime passional sendo normalizado e legitimado pelo Estado. É a figura feminina sendo vista como propriedade, como objeto. É a mulher sendo colocada abaixo do direito à vida previsto na Constituição. 

O ato de matar a esposa infiel transformou-se historicamente em verdadeiro mérito do marido: o absurdo sendo normalizado. A vingança masculina sendo vista como lei. A honra masculina sendo legitimada como maior valor do que a própria vida da mulher.

Essa tese foi utilizada por muitos anos, e até nos dias de hoje, como estratégia jurídica para legitimar assassinatos de homens contra suas companheiras. Através dos movimentos feministas essa tese caiu em desuso, mas ainda assim era usada.

Como esquecer o caso do assassinato da Angela Diniz? Até hoje esse lastimável episódio é lembrado. O júri da época absolveu o seu assassino em nome da legítima defesa da honra.

Recentemente o STF decidiu que é inconstitucional a tese da legítima defesa da honra. Isso significa que o uso desse argumento será proibido em casos envolvendo feminicídios. A defesa não poderá mais usar essa estratagema tão cruel e macabra para justificar e perpetuar a violência doméstica e o feminicídio.

É uma decisão que deveríamos estar comemorando, mas a verdade é que tal fato nem devia ser pauta no Supremo. Quero dizer, em pleno século 21 a nossa justiça ainda decide sobre algo tão arcaico, algo que já deveria há muito tempo não fazer mais parte das fases dos processos penais. Afinal, fere os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana, da proteção à vida e da igualdade de gênero.

É surreal saber que essa ferramenta tão imoral ainda poderia ser utilizada nos tribunais, sendo o nosso país um dos piores para uma mulher viver. Somos campeões de crimes de gênero, feminicídios e violência doméstica. Ser mulher nesse país é ter um alvo nas costas. E usar a traição conjugal como justificativa para tirar a vida de uma mulher demonstra como vivemos numa sociedade patriarcal e misógina. 

Somos o quinto país do mundo em índice de feminícidio. Mulheres são mortas só por serem mulheres, só pelo seu gênero, morrem por dizerem "não", por saírem de um relacionamento, por usarem roupas curtas.

O feminicida não pode ser acolhido pela sociedade e muito menos pela justiça. Essa tese da legítima defesa da honra é extremamente sexista e dava amparo legal a crimes violentos contra mulheres.

Saber que tal tese de "legítima defesa da honra" ainda era legal e usada nos tribunais é revoltante. Tramita na Câmara de Deputados um projeto de lei para reforçar o veto do STF à tese. Não consigo, como mulher, feminista e militante, comemorar a decisão da proibição. Só posso dizer: antes tarde do que nunca.

segunda-feira, 10 de maio de 2021

ACABOU A PACIÊNCIA COM O GOVERNO GENOCIDA E SEUS RIDÍCULOS SEGUIDORES

E eis que ficamos sabendo ontem, através de um furo de reportagem do Estadão, que Bolsonaro montou um esquema para comprar deputados do Centrão e assim se manter no poder. 

Custou apenas R$ 3 bilhões em emendas, o mesmo valor usado pra garantir as eleições no Congresso e a reforma da previdência. Desta vez, a maior parte desse dinheiro foi pra adquirir tratores superfaturados. E não só: de lambuja, os deputados também ganharam a ampliação da estatal Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba) para melhor contemplá-los.

Só pra efeito de comparação, o chamado mensalão do PT, que quase derrubou o governo em 2005, custou R$ 101 milhões para comprar deputados. Agora o preço ficou mais salgado: 3 bilhões. E isso no meio de uma pandemia, em que esse dinheiro poderia ser usado para adquirir vacinas contra a covid (assim salvando vidas) e pagar auxílio-emergencial. Não. O governo genocida preferiu comprar o Centrão. A mídia ainda está chamando a corrupção de "orçamento secreto", não de mensalão, Bolsolão ou tratoraço

Reproduzo aqui o ótimo artigo do correspondente Philipp Lichterbeck publicado no DW semana passada. Isso antes do novo escândalo desvendado pelo Estadão. Antes dos bolsonaristas descartarem as denúncias "daquele jornal comunista" (o Estadão!). 

No início, quando o bolsonarismo ainda era jovem, eu achava difícil ter paciência. Para mim, parecia absurdo, uma insanidade, que houvesse realmente brasileiros que quisessem tornar seu presidente um homem com tal biografia – sem méritos políticos, mas com muito barulho, que expressava publicamente fantasias violentas e tinha uma estranha propensão a falar constantemente de homossexuais.

Depois de quase 58 milhões de brasileiros terem discordado de mim, mudei minha postura. Eu queria entender o que havia acontecido. E comecei a ouvir bolsonaristas, acompanhando seus grupos e conversando com eles, sem sair imediatamente de mim quando eles apresentavam suas opiniões radicais e teorias grosseiras.

Essa fase, agora, acabou de vez. Quem pensa democrática e humanisticamente e leva a ciência mais a sério do que a religião; quem considera a solidariedade mais importante do que o egoísmo; quem acredita que a Floresta Amazônica vale mais a longo prazo do que as pastagens de gado e os campos de soja; quem não quer que o Brasil se torne um país cheio de gente armada; quem quer um Brasil que seja levado a sério internacionalmente; quem é contra a corrupção e as milícias; quem acredita que o Brasil deve tirar as consequências do desastre do coronavírus, que este governo causou e custou ao país quase meio milhão de vidas; quem, simplesmente, quer a civilização e o progresso em vez da barbárie e da regressão, não pode mais ter a mínima compreensão por esse movimento.

O bolsonarismo tornou-se uma seita perigosa. Ele disse adeus à realidade e vive em um universo onde o presidente é um semideus. Ele pode fazer o que quiser, ele está sempre certo. E qualquer um que o critique vira inimigo.

O deputado Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do presidente, deixou claro o caminho que está sendo seguido: em direção à América Central. Ele elogiou Nayib Bukele, o homem forte de El Salvador, que já enviou soldados à Assembleia Legislativa para ameaçar os parlamentares. Bukele conseguiu a destituição de juízes da Suprema Corte e do procurador-geral da República por obstruir sua agenda.

Eduardo Bolsonaro retuitou um post de Bukele que dizia: "Estamos limpiando nuestra casa". Não importa que Bukele tenha mandado depor os juízes para impor um duro lockdown contra a pandemia (Eduardo, é claro, esconde esse fato). Mais uma vez, o pensamento autoritário e antidemocrático do bolsonarismo foi revelado como o núcleo deste movimento.

O bolsonarista já não é capaz de ver o mundo objetivamente. 2 + 2 não é 4 para ele, mas qualquer número que encaixe na narrativa bolsonarista. Se o ídolo afirma que o governo levou a pandemia a sério desde cedo e se esforçou para obter vacinas, acredita-se. Quando se apresenta citações e fatos que provam o contrário, se é ignorado. O semideus está sempre certo, não importa quão errado ele esteja. Não há mais nenhuma base para negociação com essas pessoas porque não há mais nada para negociar.

São pessoas que ainda afirmam que essa pandemia que parou o mundo inteiro foi inventada para prejudicar o semideus deles; que as mais de 400 mil mortes foram inventadas pela mídia. Portanto, se acham no direito de destruir as cruzes que foram erguidas para lembrar os mortos. Andam de metrô e em shoppings sem máscara, e se você chamar a atenção deles, se tornam violentos ou fazem piadas.

O potencial de violência inerente a este culto não deve ser subestimado. É possível supor que os caras que sacam armas para ameaçar outros no trânsito, por exemplo, votaram em Bolsonaro. Os guarda-costas de Bolsonaro tentam intimidar jornalistas com suas armas. Também não acho que seja meramente uma coincidência que o suspeito de matar o menino Henry Borel, o vereador Dr. Jairinho, seja bolsonarista. Ele foi eleito na onda bolsonarista, apesar de ser acusado de diversos crimes violentos que vão desde agressões contra mulheres e crianças até envolvimento com milícia e tortura de jornalistas. Quem votou nele aprovou essa violência.

No início, eu pensava que o bolsonarismo era uma reação radical, mas de alguma forma compreensível, aos enormes escândalos de corrupção que vieram à tona nos últimos anos e causaram indignação. Hoje é claro que o bolsonarismo nunca foi uma questão de combate à corrupção.

O bolsonarismo surgiu das entranhas da história brasileira, na qual os mais fortes sempre enriqueceram pela força e defendem esse status até hoje – também pela força, se necessário. E não é mais uma ameaça abstrata. Aqueles que acompanham os grupos bolsonaristas sabem que eles não aceitarão resultado que não seja a vitória bolsonarista nas eleições de 2022. É certeza para eles que a vitória de outro candidato só pode acontecer por meio de fraude eleitoral. A suposta prova: não há voto impresso. A narrativa já está definida antes da eleição e fornece a justificativa para uma possível explosão de obstruções e violência.

Quem ainda não se afastou do "mito" após dois anos e meio, com todos os absurdos e delírios diários, a destruição das instituições estatais e da Floresta Amazônica, o irracionalismo radical, a corrupção dentro da família B., e mais de 400 mil mortes por coronavírus, não pode mais ser ajudado. É uma perda de tempo dialogar com pessoas que justificam o injustificável.

sexta-feira, 7 de maio de 2021

GATOS DE MIAMI

Sexta-feira, muito trabalho, fim de semana próximo. Então deixo vocês com um diálogo recente entre o maridão e eu:

Eu: Se meu pai não tivesse me ensinado todos esses jogos, será que eu gostaria tanto assim de jogos?

Ele: Olha... Acho difícil.

Eu: Provavelmente não. Talvez eu nem soubesse jogar xadrez! E assim a gente nem teria se conhecido! Eu seria uma pessoa rica hoje!

Ele: Sem sombra de dúvida.

Eu: Eu talvez estivesse morando onde os ricos moram, tipo Miami! (Iglu mia pra mim. Eu continuo falando, agora com ele:) Aí eu teria gatos da Flórida, não esses gatos pobrinhos daqui! Não, meu lindo, eu nunca te trocaria por um gato de Miami. Mas é tudo uma questão de lugar e momento. Se você tivesse nascido uma semana antes, ou uma semana depois, você talvez nem estivesse aqui, e a gente não estaria aqui, juntinhos...

Silvinho, interrompendo, olhando pro Iglu: "Tudo que eu queria era comer, e tenho que aguentar essa conversinha de bêbado!"

Eu: Não fala pelos gatos!

quinta-feira, 6 de maio de 2021

POLÍCIA IMPEDE ADOLESCENTE DE REALIZAR MASSACRE EM ESCOLA DE CABO FRIO

Dois dias depois do massacre em Saudades, SC, e no mesmo dia em que as polícias civil e  militar protagonizaram uma chacina em Jacarezinho, um adolescente de 15 anos se preparava para cometer um atentado em escolas de Cabo Frio, região dos Lagos no Rio de Janeiro.

Segundo o delegado Carlos Eduardo Almeida, titular em Cabo Frio, o laboratório de crimes cibernéticos de Brasília enviou ontem à noite a informação de que um massacre poderia acontecer. Então a polícia civil foi hoje às 7 da manhã a locais apontados nos relatórios e encontrou o adolescente na casa dos pais, junto ao material que seria usado no atentado (botas nazistas, martelo, bombas caseiras, facas). Um caderno com ilustrações nazistas também foi apreendido. 

O adolescente assumiu que iria cometer o atentado, e a mãe obviamente ficou chocada. O rapaz foi internado por ameaça terrorista, pois precisa ser retirado do convívio social e receber ajuda psiquiátrica. A polícia seguirá investigando os lugares que o rapaz frequentava na internet e se agia sozinho. 

É exatamente isso que pedimos tanto que a polícia faça: que use a estrutura e a inteligência que tem para monitorar chans (fóruns anônimos) que são verdadeiros criadouros de terroristas misóginos e impedir que eles ajam. E que exista comunicação entre as várias polícias de cada estado.

Claro que, além da ação policial, é preciso um trabalho educativo para ver o que se passa na cabeça de meninos que são tão facilmente cooptados por grupos neonazistas. Os pais devem sempre conversar com os filhos, e deveria haver espaço nas escolas para diálogos francos contra os preconceitos. E é imprescindível que as plataformas na internet tenham responsabilidade sobre o que passam aos seus usuários. 

Ontem mesmo uma mãe me contou que tem um filho autista de 15 anos que adora história, o que o faz ver diversos vídeos no YouTube sobre o tema. Em pouco tempo, essa mãe notou que a plataforma direcionava seu filho a conteúdo fascista. O algoritmo do YT e os comentários nos vídeos o levavam a canais de extrema-direita, alguns muito violentos. Foi a partir daí que essa mãe passou a pesquisar e chegou ao meu nome, e passamos a nos seguir no Twitter. Isso foi um dia antes do massacre em Saudades.

Por sinal, quem me passou o link para uma das notícias sobre o caso em Cabo Frio foi um agente da Polícia Federal a quem envio denúncias. Muito obrigada!


quarta-feira, 5 de maio de 2021

FILHO DE PORTEIRO: "MEU LUGAR FOI CONQUISTADO E NÃO SERÁ DE MIM RETIRADO"

Semana passada o ministro mais nefasto e poderoso do pior governo de todos os tempos deu outra declaração preconceituosa. Criticou o Fies (que permite estudantes com renda familiar de um a três salário mínimos a financiarem mensalidades em universidades particulares) e manifestou todo seu pensamento elitista ao lamentar que o filho do porteiro tirou zero nas provas e mesmo assim ganhou bolsa. 

Além do preconceito de classe, Guedes dá mais uma mostra de sua ignorância. Primeiro que ninguém tira zero e ganha bolsa. Segundo que nem se trata de bolsa, mas de financiamento. Depois de formado, o estudante deve devolver (sem juros) o que foi investido nele. 

A declaração do banqueiro Guedes indignou muitos universitários que vieram de pais pobres e que, nos governos do PT, foram os primeiros de suas famílias a cursarem uma faculdade. Publico aqui o relato de Rodrigo Almeida, que hoje faz especialização em Educação Ambiental e Geografia do Semiárido no Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) e mestrado em Geografia pela Universidade do Estado do RN (UERN). E é filho de porteiro.

Meu pai, ex-porteiro, atualmente servente de pedreiro e a minha mãe, dona de casa, sabem como agarrei as oportunidades que foram sendo apresentadas a mim durante os governos anteriores. Desde 2010, quando participei do PIBIC-Jr na Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA/RN), soube da importância de estar em uma Instituição de Ensino Superior (IES). Todos aqueles espaços da instituição me encantavam com aprendizados múltiplos e instigantes de saberes diversos. 

Nesse período acordava na mesma hora que meu pai chegava do trabalho como porteiro. Ele fazia questão de me acompanhar até o portão da instituição. Isso me fazia querer cada vez mais estar ali. Logo após esse período, ingressei na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) pelo curso de Licenciatura em Geografia no campus Mossoró. Ter que trabalhar pela manhã e durante tarde, estudar a noite, aproveitar a madrugada e os fins de semana para complementar o conhecimento fizeram parte dessa construção como cidadão consciente do lugar onde estou e onde quero chegar. 

Mesmo sem tempo, fiz questão de participar em projetos e programas institucionais na universidade. Agarrei todas as oportunidades para estudar. Nunca me imaginei com um diploma, mesmo sabendo que iria alcançá-lo, mas quando eu consegui e vi que tudo aquilo era real, isso me fez acessar outros espaços da universidade.  

Hoje estou vinculado ao curso de Especialização em Geografia do Semiárido e Educação Ambiental no Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) e também me encontro cursando Mestrado Acadêmico em Geografia na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), tendo como trabalho dissertativo os deslocamentos diários dos estudantes para cursar o ensino superior na cidade de Mossoró, RN. 

Essa característica se dá pela cidade ter diversas IES em sua tessitura urbana, sendo elas públicas (estadual e federal) e privadas, que foram contempladas com uma gama de programas e projetos que fizeram milhares de pessoas como eu estarem nos bancos das universidades: pobres, pretos, periféricos, filhos de donas de casas, faxineiras, pedreiros, porteiros, auxiliares de serviços gerais e todos aqueles que dão sustento à elite do atraso brasileira.

Guedes, o seu projeto de atraso não irá nos tirar do lugar que conquistamos durante anos. Vocês não irão mais arrancar nossos olhos, cortar nossos corpos, matar nossos irmãos, roubar nossas conquistas e nos ver calados, sem antes ter que nos enfrentar e lutar contra todos aqueles que nos criaram e nos deram asas.

Não, não quero voltar de onde saí, ministro. O meu lugar foi conquistado e não será de mim retirado! Faço um agradecimento especial aos meus pais (Maria Vanuza e Manoel Almeida). Ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff a minha eterna gratidão.

terça-feira, 4 de maio de 2021

O TERRÍVEL MASSACRE DE SAUDADES TEM LIGAÇÃO COM GRUPOS TERRORISTAS?

Hoje por volta das 10 da manhã Saudades, uma pequena cidade de 10 mil habitantes no Oeste de Santa Catarina, acompanhou cenas de terror: um rapaz de 18 anos invadiu à escola-creche Aquarela, onde estudavam bebês de 6 meses a 2 anos de idade, e matou três deles e duas professoras.

As primeiras informações diziam que o assassino, Fabiano Kipper Mai, usava uma adaga e tinha 14 anos. Depois houve a correção de que ele tem 18 anos e usou um facão. Mas ainda há muitas notícias desencontradas. O rapaz tentou se matar após o massacre e foi levado em estado grave ao hospital, perguntando quantas vítimas tinha feito. Ainda há uma outra criança que foi atingida. 

A primeira pessoa a ser esfaqueada foi a professora Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, que trabalhava há uma década na escola. Fabiano a seguiu até uma sala onde estavam quatro crianças e a agente educacional Mirla Renner, 20 anos, que, além de trabalhar na escola, era estudante de Engenharia Química na Udesc, em Pinhalzinho. Keli e dois bebês morreram no local. Mirla e outra criança foram levadas com vida ao hospital, mas não resistiram. Um delegado comentou o que aconteceu.

As informações que tenho até agora são as que estão nos sites. Uma leitora me enviou alguns áudios que circulam na região, mas não há nada de conclusivo. Num deles, uma mulher diz que Fabiano respondeu a um desafio de um jogo (Free Fire?) de "quem era o mais corajoso". Também circula o boato de que o pai do assassino se enforcou. 

Recebi até agora três emails, dois através do servidor Protonmail (que desde fevereiro 2017 é responsável por 9 em cada 10 ameaças no Brasil a ativistas, políticos e celebridades), e um do Guerrillamail. O destinatário de um dos emails, "MatemDoloresAronovich", termina com "A próxima a ser morta será você, Jjabba. Já tô com o contato de um pé de pato aí de Fortaleza, se f*de aí!". 

Outro diz: "Olá, Lola. Você já deve estar sabendo do ato de um dos confrades da [chan que eu nunca ouvi falar] no município Saudades, no Oeste de SC, gostaríamos de deixar bem claro as nossas intenções quanto ao ato. Primeiramente, temos que ressaltar que fazemos de tudo pra honrar o nosso recinto, e qualquer ato é válido em vosso nome. Segundo, que nós somos treinados para agir sem remorso, não temos medo e não nos acovardamos, esse é apenas o primeiro de um dos atentados relacionados ao nome da [chan desconhecido], o camarada em questão era conhecido no nosso recinto como Charada, ele já organizava isso a pelo menos uns 6 meses porém não estava determinado realmente a por em prática seu plano, então alguns camaradas (um deles você já conhece por estar relacionado a [um chan que me mandou ameaças em fevereiro] e no caso SOL) resolveram encoraja-lo e ele certamente será bem recompensado por isso. Enfim, o charada é menor de idade e sabemos que não vai dar em muita coisa, é mais uma vitória para nós, e mais uma vitória espiritual para nosso camarada".

Como sabemos que Fabiano não é menor de idade, creio que podemos descartar as outras ridículas e covardes bravatas do email. 

O terceiro email diz: "Boa tarde, o que ocorreu hoje na manhã de terça-feira em uma escola de SC é apenas um exemplo de nossa fúria, fazemos parte de uma legião de soldados dispostos a matar e a morrer. Somos quase invisíveis na web, não subestime nos encontrar. O que estamos dispostos a fazer é exterminar LGBT's, mulheres, exclusivamente feministas, negros e esquerdistas. Cada um de nós morreremos como mártires, assim esperamos, este não foi o último atentado, isto nada mais é do que o que chamamos de 'Seleção Natural'. Temos todos os motivos para fazer isso, apenas estamos nos aprimorando. Kipper nosso mais novo herói nacional espero que alcance o paraíso, Death seu mentor lhe instruiu o caminho certo, Kipper um garoto inocente, introvertido e com tendências suicidas que acabou encontrando o caminho e conhecendo a verdade, hoje pode se intitular como um homem sancto e puro. Este é apenas o começo de nossa fúria".

Ou seja, o que não falta é fórum anônimo misógino reivindicando a autoria do massacre. Que os chans celebram a chacina na creche e saúdam Fabiano como novo herói, não há dúvida. Resta saber se algum deles ajudou a planejar o ataque. Encorajamentos genéricos para que rapazes que pensam em se matar cometam atentados (e só depois se matem ou sejam mortos pela polícia, o que se chama "suicide by cop") são frequentes nos chans. Esse tópico (abaixo, clique para ampliar), por exemplo, é de um chan em fevereiro.

Não sabemos se o massacre de hoje está ligado a outros. O dia 7 de abril marcou dez anos do massacre de Realengo (estou devendo um texto sobre isso). 
No dia 13 de março muitos incels (celibatários involuntários, vulgos mascus virjões) comemoraram dois anos do massacre de Suzano, que foi planejado num chan. Eu costumo dizer que, como felizmente não tivemos novos massacres em escolas -- até hoje -- de lá pra cá, os misóginos andavam frustrados, pois depois de Suzano, e com Bolsonaro eleito (um fascista que prometeu acesso fácil a armas de fogo), a expectativa deles é que haveria muitos atentados. 

Porém, 2021 parece ter começado com tudo. São pelo menos três casos terríveis em um curto espaço de tempo: o gamer que matou Sol em SP em fevereiro, o "amigo de longa data" que matou Patrícia em João Pessoa semana passada, e agora esse massacre na creche em SC. As polícias precisam investigar seriamente o perfil dos assassinos, os lugares que eles frequentavam na internet, as semelhanças entre os casos. 

E, como vivemos pedindo, as polícias precisam monitorar os chans, que há muito deixaram de ser apenas espaços anônimos em que os usuários trocam frustrações e imagens violentas e misóginas para se transformarem em criadouros de terroristas. Senão, casos hediondos como os de Realengo, Suzano e Saudades (que nome!) continuarão a se repetir. E ninguém fora os rambos da internet quer isso.