quarta-feira, 13 de março de 2024

UM OSCAR PREVISÍVEL MAS FOFO

Antes de chegarmos ao Oscar 2025, melhor falar da edição deste ano, que aconteceu no domingo à noite, mais cedo que o normal, o que foi muito melhor. 

Foi uma cerimônia agradável, a meu ver. Chamar ex-vencedores do Oscar pra falar um pouquinho sobre cada concorrente nas categorias de atuação tinha tudo pra dar errado (no mínimo iria aumentar a duração da premiação), mas não é que deu certo?! Não achei piegas. Foi bonito ver a Rita Moreno discursar para a America Ferrera: "Seu monólogo poderoso em Barbie é talvez o momento mais comentado do filme mais comentado do ano passado", e elogiou a paixão com que a atriz (ícone entre fãs latinas) fez o monólogo.

Vários dos discursos de agradecimento dos vencedores também foram comoventes, como o da melhor coadjuvante do ano, Da'Vine Joy Randolph, que revelou: "Por tanto tempo eu quis ser diferente, e agora sou grata por ser eu mesma!" 

O de Jonathan Glazer, diretor de Zona de Interesse, que é sobre o holocausto, também foi tocante. Ele discursou contra o genocídio palestino cometido por Israel: "Estamos aqui como homens que refutam que o seu judaísmo e o holocausto sejam sequestrados por uma ocupação que leva conflito a tantos inocentes". Houve protestos fora do palco contra o massacre.

Jimmy Kimmel foi um apresentador mais ou menos, bem sem graça, mas que cresceu no final quando pareceu improvisar e respondeu a críticas que Donald Trump escreveu: "Não passou da sua hora de ir pra cadeia?" O público aplaudiu. 

O chiste com um tal de John Cena (eu não sabia quem era, tive que procurar: além de ator, é um dos maiores lutadores profissionais) nu tendo que entregar o prêmio de figurino foi legalzinho, assim como Schwarzenegger e Danny de Vito juntos desafiando Michael Keaton (os astros de Irmãos Gêmeos foram ambos vilões que tentaram derrotar Batman). 

O pior momento (longo e sem nenhuma graça) parece ter sido Melissa McCarthy e Octavia Spencer fazendo piada com esquilos da Disney e confundindo-os com strippers masculinos. O tipo de piada que já não é engraçado mesmo pra quem entende a referência. Às vezes o Oscar se esquece que metade do seu público é internacional. 

E o melhor momento da noite, disparado, foi Ryan Gosling cantando "I'm just Ken". Ele levantou o público. E foi fofo ver Greta Gerwig, Margot Robbie e Emma Stone cantando junto. 

Pois é, admito que fiquei feliz que a Emma ganhou melhor atriz. Nada contra a Lily Gladstone, bem pelo contrário, mas o papel de Emma em Pobres Criaturas foi um dos mais marcantes dos últimos anos. E assim a atriz de 35 anos ganhou seu segundo Oscar. Bom, quando a Jodie Foster fez isso três décadas atrás, eu imaginei que finalmente apareceria alguém para alcançar o recorde da Katherine Hepburn (quatro estatuetas), mas não foi isso que aconteceu. 

No final, o grande vencedor da noite previsivelmente foi Oppenheimer, com sete estatuetas, incluindo melhor filme, diretor para Christopher Nolan, ator para Cillian Murphy e ator coadjuvante para Robert Downey Jr. Mas Pobres Criaturas se saiu bem, terminando com quatro prêmios. Barbie só ganhou melhor canção (e inacreditavelmente não foi pra "I'm just Ken"; Billie Eilish se tornou a pessoa mais jovem -- só 22 anos -- a receber dois Oscars). Assassinos da Lua das Flores, Maestro e Vidas Passadas saíram de mãos abanando.

Sobre meu tradicional bolão do Oscar, não foi tão emocionante como eu previa. Perdi qualquer chance de levar o bolão pago bem cedo, e só acertei 13 em 19 categorias. Quem liderou e ganhou foi o Pedro, que é médico residente de medicina de família e comunidade em Minas, e que já havia participado duas vezes antes. Ele foi o único no bolão (tanto no pago quanto no grátis) que fez 17 pontos. Conseguiu acertar Zona de Interesse pra melhor som (todos nós chutamos Oppenheimer). 

Por email, ele me contou como fez as apostas: "Eu sempre tento deduzir o vencedor de acordo com as premiações anteriores de TV e sindicatos, que acho que é o que a maioria faz. As que ficam entre mais de um filme vou por intuição e pelo hype do filme no momento. Esse ano por exemplo achei possível Zona de Interesse ganhar som porque ganhou no Bafta e o filme se manteve em evidência nesse fim de temporada". Faz sentido. Parabéns, Pedro!

Douglas e Janaína vieram logo atrás, com 16 acertos. No bolão grátis cinco pessoas ficaram empatadas com 16: João Gabriel, Romário, Janaína, Sarah e Matheus. Parabéns também! 

Uns dez minutos depois do final do Oscar o super Júlio César já enviou as tabelas com todos os resultados, que você pode ver aqui. Obrigada a tds que participaram (exceto esses que ficam ganhando de mim)!
Resultado do bolão pago. Clique para ampliar

domingo, 10 de março de 2024

HORA DE ACOMPANHAR O OSCAR 2024

Pessoas queridas do meu tradicional bolão do Oscar, tá na hora! Ainda não sei onde vou ver a cerimônia, mas estarei aqui nos comentários pra atualizar sobre o bolão. Que tudo dê certo!

sábado, 9 de março de 2024

O OSCAR NÃO SERÁ EMOCIONANTE, MAS O BOLÃO PROMETE

- Vamulá, Lolinha!

Atenção que a cerimônia do Oscar amanhã começa um pouco mais cedo: às 20 horas. Que bom! Assim tem boas chances de acabar antes da madrugada.

Imagino que essa 96a edição não será muito emocionante. Oppenheimer é o franco favorito. A dúvida é quantas das 13 estatuetas a que foi indicado o filme de Christopher Nolan ganhará (filme, diretor, ator para Cillian Murphy, e fotografia estão quase certos). Também há outras barbadas, como ator coadjuvante para Robert Downey Jr (por Oppenheimer), atriz coadjuvante para Da'Vine Joy Randolph (por Os Rejeitados), e filme internacional para Zona de Interesse

Emocionante mesmo vai ser o meu tradicional bolão pago! Há quinze participantes, todos profissionais, muitos que entram no bolão há anos, e creio que quase todos já ganharam o bolão pelo menos uma vez. As apostas estão quase idênticas, com diferenças em duas ou três categorias. Já chuto que as categorias determinantes pra vitória no bolão serão duas: figurino e design de produção. Quem ganha, Barbie ou Pobres Criaturas (ou, ainda, Oppenheimer)? Roteiro Original e Adaptado também serão importantes, mas menos que animação (está entre Homem-Aranha e O Menino e a Garça) e efeitos visuais (entre Resistência e Godzilla). 

O Oscar de melhor atriz também está disputadíssimo, entre Lily Gladstone (por Assassinos da Lua das Flores) e Emma Stone (por Pobres Criaturas). Se Lily ganhar, será a primeira indígena americana a levar a estatueta. Ela está excelente e é a alma do filme de Scorsese, mas tem muito menos tempo de tela que Emma, tanto que quase foi indicada à coadjuvante. Parece que foi ontem que Emma recebeu seu Oscar (por La La Land), então talvez seja cedo demais pra uma segunda estatueta. Mas sem dúvida interpretar Bella Baxter é inesquecível e ousado. (Agora que notei que Lily e Emma tem pedra no sobrenome).

Bom, no bolão grátis há 59 participantes e eles costumam atirar em todas as direções. E sempre ganha alguém que depois se arrepende de não ter apostado no bolão pago! Vamos ver quem será este ano. 

Já falei que meus chutes no bolão pago estão iguaizinhos aos do Claudemir?! Então, se eu levar o bolão de R$ 375, não será sozinha (ano passado eu já tive que dividir com o Júlio César -- falando assim, nem parece que eu só o alcancei no finalzinho). 

Se puder, apareça aqui amanhã nos comentários durante o Oscar, que estarei comentando algumas coisinhas (mais sobre o bolão que sobre o Oscar). Minha torcida é por Barbie, que corre o risco de só ganhar melhor canção (e provavelmente nem será para a incrível "I'm just Ken"). Injustiças da vida!
Tabela do bolão pago (clique aqui para ver a do grátis)

sexta-feira, 8 de março de 2024

BOLÃO ACABA HOJE ÀS 23:59; OSCAR É NO DOMINGO

- Você tá levando todos esses livros pra pesquisar pro bolão do Oscar?

Pessoas queridas, juro que eu iria fazer um post sobre o Dia Internacional da Mulher, mas ontem, por causa das fortes chuvas, fiquei sem internet o dia todo, e hoje está corrido. Ainda nem fiz as apostas do Oscar (mas vou fazer, claro).

E você, já fez? Clique aqui pra entrar no bolão pago, mande um pix de R$ 25 pra minha conta no Banco do Brasil (minha chave é meu email: lolaescreva@gmail.com), e envie o comprovante pra mim e pro Júlio César (jcaoalves@gmail.com). É só isso e você já está dentro, com motivos a mais pra torcer na cerimônia de domingo à noite.

Mas se você não quiser gastar R$ 25, tudo bem! É só entrar apenas no bolão grátis (você também pode entrar nos dois). Clique aqui pra dar seus chutes.

Amanhã o querido Júlio César vai enviar por email as tabelas com todas as apostas pra todo mundo que participou, e domingo à noite estarei aqui nos comentários do bloguinho pra acompanhar. Desconfio que vai haver várias apostas iguais... 

Pra que ninguém possa mudar as apostas, o bolão sempre se encerra na sexta à noite. Então você só tem até às 23h59 minutos pra entrar. Vamulá!
Minha carinha se eu não ganhar o bolão

quinta-feira, 7 de março de 2024

BOLÃO DO OSCAR: SÓ ATÉ AMANHÃ

- Calma, rapazes! Todo mundo ainda pode entrar no tradicional bolão da Lolinha!

A cerimônia será domingo à noite, mas o bolão do Oscar acaba amanhã às 23h59. Não deixe de entrar.
É muito fácil, sério! Para participar no bolão grátis, é só clicar aqui e chutar.
Pra participar do bolão pago (entre nos dois, vai!), Aí basta clicar aqui, fazer suas apostas, pagar R$ 25 (minha chave no pix é meu email: lolaescreva@gmail.com) e mandar o comprovante pra mim e pro Júlio César (jcaoalves@gmail.com). 
Pode ser o último bolão... 

- O quê?! Você só vai entrar no bolão grátis, seu ken-duro?!

segunda-feira, 4 de março de 2024

MINHA FELICIDADE SE EU GANHAR O BOLÃO DO OSCAR

E aí, gente ótima? Vamos participar do meu tradicional bolão do Oscar? A cerimônia é no próximo domingo à noite, mas pra entrar no bolão, é só até sexta, 8 de março, às 23:59. 

É super fácil entrar. Pra participar do bolão grátis, tudo que você tem que fazer é clicar aqui e adivinhar quem você acha que vai ganhar em cada categoria.

Pra participar do bolão pago também não tem segredo: clique aqui, faça suas apostas, envie um pix de R$ 25 pra minha conta no Banco do Brasil (minha chave é meu email: lolaescreva@gmail.com), e mande o comprovante pra mim e pro Júlio César (jcaoalves@gmail.com). Quem acertar mais leva o bolão.

Mas eu recomendo mesmo entrar nos dois, no grátis e no pago.

Do meu último post pra cá, acabei de ver todos os dez concorrentes a melhor filme. Faltava Vidas Passadas, Zona de Interesse e Pobres Criaturas. Gostei bastante dos três, não amei nenhum. Mas todos, a meu ver, são melhores que o franco favorito, Oppenheimer

Eu teria gostado mais de Pobres Criaturas se não tivesse lido o livro antes, imagino, que é mais ambíguo e interessante. Mas a cena de dança de Emma Stone e Mark Ruffalo é impecável (veja aqui). Não me canso de assisti-la. É a primeira vez que Bella dança na vida, e não é a primeira nem a última vez que Duncan tenta controlá-la. Li que os dois excelentes atores ensaiaram duas semanas pra fazer a cena.

Eu não vou precisar de ensaio nenhum pra fazer minha dancinha de felicidade caso eu ganhe o bolão (de preferência sozinha, desta vez). É só até sexta, tá? 

domingo, 25 de fevereiro de 2024

PARTICIPE DO QUE PODE SER MEU ÚLTIMO BOLÃO DO OSCAR

Desculpem o meu sumiço! Estou ocupadíssima com um monte de coisas. Mas algumas pessoas vieram me perguntar: este ano não vai ter meu tradicional bolão do Oscar?

Vai sim. Como é uma tradição que faço desde 1989 ou 90, sem parar, não vou ficar sem fazer agora. Mas talvez seja o último. Ou o último organizado aqui no bloguinho. Vamos ver.

O Júlio César, que organiza o bolão há tanto tempo (desde 2009, quando eu ainda morava em Joinville), também está ocupado, cursando mestrado em Maceió. Mas ele encontrou um tempinho na sua agenda pra preparar os dois formulários. Agora é com você que quiser participar. Pra entrar no bolão grátis, basta clicar aqui, fazer suas apostas e esperar, que no dia 9 de março, um sábado, enviaremos as tabelas.

Agora, se vc for corajosa/o e quiser mais emoção, recomendo entrar no meu bolão pago. Aí tem que clicar aqui, apostar, pagar R$ 25 (é só fazer um pix na minha conta no Banco do Brasil; minha chave é meu email: lolaescreva@gmail.com) e enviar o comprovante pra mim e pro Júlio César (jcaoalves@gmail.com). Quem acertar mais categorias ganha. Simples assim.

Só que tudo isso precisa ser feito até sexta-feira da outra semana, que este ano cairá no Dia Internacional da Mulher. A cerimônia do Oscar em si será domingo à noite, dia 10. E todo ano a gente encerra o bolão às 23:59 de sexta, pra dar tempo de organizar e enviar as tabelas.

E quanto aos filmes indicados, vocês estão acompanhando? Até agora, entre os que vi, o que mais gostei foi Barbie, disparado. Adorei Barbie! Dos dez nomeados a melhor filme, ainda não vi Vidas Passadas, Zona de Interesse e aquele que mais quero ver: Pobres Criaturas (pois li o romance ano passado e gostei muito). Mas vamos a uma listinha do melhor ao pior na minha opinião: Barbie, Assassinos da Lua das Flores, Ficção Americana, Anatomia de uma Queda, Os Rejeitados, Oppenheimer e Maestro. Não achei nenhum ruim (bem, Maestro é bem ruinzinho sim), mas eu não assistiria Oppenheimer de novo de jeito nenhum. E colocaria Segredos de um Escândalo (que achei muito bacana e original) no lugar de vários indicados fácil. 

E como fica a sua lista? Conta aí!

Ah, e alguém ainda se lembra do grande vencedor do ano passado, Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo? Duvido muito. Ganhou sete estatuetas. Meu bolão foi mais emocionante. Júlio liderou o bolão desde o começo, e no último prêmio consegui alcançá-lo e empatar com ele, e dividimos R$ 350. Pelo menos disso eu me lembro. Então entre no bolão pra curtir mais o Oscar.

E, pra terminar, ontem descobri algo fabuloso: uma celebridade que nasceu no mesmo dia, mês e ano que eu! Até hoje só conheci uma pessoa que nasceu junto comigo, digamos. Foi um enxadrista austríaco esquisitão que jurou que nunca tinha ouvido falar de ET (acho que ele estava tirando uma da minha cara: como alguém da minha geração pode não conhecer o famoso filme do Spielberg?). 

Tá, mas quem é a celebridade que nasceu em 6 de junho de 1967? O Paul Giamatti, brilhante como sempre, indicado por Os Rejeitados!

Agora que você já sabe dessa informação que certamente vai mudar sua vida, não deixe de entrar no bolão! Aliás, pode entrar nos dois, no grátis e no pago.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2024

OSCAR 2024 INDICAÇÕES E PREMIAÇÕES

Melhor filme

American Fiction

Anatomia de Uma Queda

Barbie

Os Rejeitados

Assassinos da Lua das Flores

Maestro

Oppenheimer

Vidas Passadas

Pobres Criaturas

Zona de Interesse


Melhor diretor

Justine Triet – Anatomia de Uma Queda

Martin Scorsese – Assassinos da Lua das Flores

Christopher Nolan – Oppenheimer

Yorgos Lanthimos – Pobres Criaturas

Jonathan Glazer – Zona de Interesse


Melhor ator
Bradley Cooper - Maestro
Colman Domingo - Rustin
Paul Giamatti - Os Rejeitados
Cillian Murphy - Oppenheimer
Jeffrey Wright - American Fiction

Melhor atriz
Annette Bening – Nyad
Lily Gladstone – Assassinos da Lua das Flores
Sandra Hüller – Anatomia de Uma Queda
Carey Mulligan – Maestro
Emma Stone – Pobres Criaturas

Melhor ator coadjuvante
Sterling K Brown - American Fiction
Robert De Niro - Assassinos da Lua das Flores
Robert Downey Jr. - Oppenheimer
Ryan Gosling - Barbie
Mark Ruffalo - Pobres Criaturas

Melhor atriz coadjuvante
Emily Blunt - Oppenheimer
Danielle Brooks - A Cor Púrpura
America Ferrera - Barbie
Jodie Foster - Nyad
Da’Vine Joy Randolph - Os Rejeitados

Melhor roteiro original
Anatomia de Uma Queda — Justin Triet, Arthur Harari
Os Rejeitados — David Hemingson
Maestro — Bradley Cooper, Josh Singer
Segredos de um Escândalo — Samy Burch, Alex Mechanik
Vidas Passadas — Celine Song

Melhor roteiro adaptado
American Fiction - Cord Jefferson
Barbie - Greta Gerwig, Noah Baumbach
Oppenheimer - Christopher Nolan
Pobres Criaturas - Tony McNamara
Zona de Interesse - Jonathan Glazer

Melhor edição
Anatomia de Uma Queda
Os Rejeitados
Assassinos da Lua das Flores
Oppenheimer
Pobres Criaturas

Melhor fotografia
O Conde
Assassinos da Lua das Flores
Maestro
Oppenheimer
Pobres Criaturas

Melhor design de produção
Barbie
Assassinos da Lua das Flores
Napoleão
Oppenheimer
Pobres Criaturas

Melhor design de figurino
Barbie
Assassinos da Lua das Flores
Napoleão
Oppenheimer
Pobres Criaturas

Melhor animação
O Menino e a Garça
Elementos
Nimona
Meu Amigo Robô
Homem-Aranha: Através do Aranhaverso

Melhor trilha original
American Fiction
Indiana Jones e a Relíquia do Destino
Assassinos da Lua das Flores
Oppenheimer
Pobres Criaturas

Melhor canção original
The Fire Inside - Flamin' Hot - O Sabor que Mudou a História
I’m Just Ken - Barbie
It Never Went Away - American Symphony
Wahzhazhe (A Song For My People) - Assassinos da Lua das Flores
What Was I Made For? - Barbie

Melhor maquiagem e penteados
Golda - A Mulher de Uma Nação
Maestro
Oppenheimer
Pobres Criaturas
A Sociedade da Neve

Melhor som
Resistência
Maestro
Missão: Impossível - Acerto de Contas Parte Um
Oppenheimer
Zona de Interesse

Melhores efeitos visuais
Resistência
Godzilla Minus One
Guardiões da Galáxia Vol. 3
Missão: Impossível - Acerto de Contas Parte Um
Napoleão

Melhor filme internacional
Io Capitano (Itália)
Perfect Days (Japão)
A Sociedade da Neve (Espanha)
Das Lehrerzimmer (The Teacher's Lounge, Alemanha)
Zona de Interesse (Reino Unido)

quarta-feira, 24 de janeiro de 2024

A NARRATIVA DA DIREITA PARA AS TENTATIVAS DE GOLPE NO BRASIL E NOS EUA

Como a extrema-direita está longe de ser enterrada, e como ela segue criando e espalhando suas versões mentirosas pro que aconteceu nos EUA em 6 de janeiro de 2021 e no Brasil em 8 de janeiro de 2023, vale muito ler a coluna de Natalia Viana, publicada na newsletter da Agência Pública. 

Capitólio nos EUA e 8 de janeiro no Brasil seguem sendo objeto de disputa

Na semana [do primeiro aniversário da tentativa de golpe de 8 de janeiro de 2023], olhamos para um copo com um tanto de água e quase todo mundo viu ali um copo meio cheio. A pesquisa da Qaest sobre o 8 de janeiro quantificou: 89% dos brasileiros reprovam atos golpistas de 8 de janeiro e 6% aprovam. 

Encontrei só um colunista que viu ali um copo meio vazio, meu amigo Leonardo Sakamoto, a quem sempre acho prudente ouvir. Ele alertou que 6%, calculando assim meio por cima, cerca de 9,5 milhões de pessoas, é muita gente, uma “multidão que pode ajudar a desestabilizar a democracia através da propagação de mentiras, do bloqueio de estradas, da violência civil organizada”. 

Eu acrescentaria outro dado da pesquisa: há um ano, eram 94% os que diziam reprovar os atos, ou seja, existem aí possivelmente, sem contar a margem de erro, uns 8 milhões de brasileiros que passaram a achar que o golpismo era, sim, desejável e quiçá necessário. 

Prova de que o passado nunca é estanque e de que, quando carregado politicamente como foi nosso Capitólio abrazucado, seu significado e interpretação seguem em disputa. Como, aliás, o Capitólio original, ocorrido em 6 de janeiro de 2021 em Washington, e do qual a invasão da Praça dos Três Poderes foi apenas uma cópia, instigada, insuflada e, ao que tudo indica, orientada pelos mesmos mentores, tais como Steve Bannon, cuja coordenação com Eduardo Bolsonaro nós cansamos de demonstrar aqui na Agência Pública.  

Para marcar o 6 de janeiro em ano eleitoral, Joe Biden fez um duro discurso na sexta-feira anterior, afirmando que os republicanos “abandonaram a verdade e abandonaram a nossa democracia”. Foi seu primeiro grande discurso de campanha. No dia seguinte, marcando a data, o presidente americano postou no Twitter (ou “X”, vá lá) um vídeo que mostra Trump elogiando os golpistas do Capitólio, dizendo que “havia amor e unidade” entre os invasores. Assim, Biden demonstrou que pretende levar o atentado à democracia americana como mote principal da campanha. Os aliados de Trump, aparentemente, querem o mesmo.     

No mesmo dia, a newsletter de Steve Bannon, à qual eu, infelizmente, submetendo-me aos ossos do ofício, assino e leio, trouxe um artigo do ex-chefe de gabinete do Departamento de Defesa durante a administração Trump, Kash Patel, que dava o tom da linha que será adotada pela candidatura do republicano. Segundo ele, “a narrativa dos democratas sobre o 6 de janeiro está desmoronando, o Estado profundo [deep state] está na defensiva e há uma enorme operação para encobrir corrupção em andamento” – tudo porque o maior temor dos democratas, diz Patel, é a volta de Trump. 

Adotando um tom irônico, Patel finaliza o texto com uma pergunta: “Não há chance de o FBI e a mídia estarem conduzindo outra operação de desinformação para manipular as eleições desta vez usando mentiras e sobre a insurreição de 6 de janeiro, não é verdade?” 

O texto de Patel dá a senha: os trumpistas já estão preparando uma nova onda de mentiras sobre eleições manipuladas. Sim, veremos isso em 2024. 

O mesmo Patel apareceu no podcast de Steve Bannon em dezembro do ano passado explicando que a tchurma de Trump tem planos de perseguir todos aqueles que tentaram frear ou punir o atentado golpista – ele usa, de maneira sórdida, o argumento reverso de que são eles, na verdade, os guardiães da democracia.

“Nós vamos atrás e vamos encontrar os conspiradores – não apenas no governo, mas na mídia… vamos perseguir as pessoas na mídia que mentiram sobre cidadãos americanos, que ajudaram Joe Biden a manipular eleições presidenciais… Vamos atrás de vocês. Seja criminal ou civilmente, vamos descobrir isso. Estamos avisando. E Steve, é por isso que nos odeiam. É por isso que somos ‘tirânicos’. É por isso que somos ‘ditadores’… Porque vamos realmente usar a Constituição para processá-los por crimes dos quais disseram que sempre fomos culpados, mas nunca fomos.”

Poderia até parecer verborragia de algum fanático radical, mas uma reportagem do site Axios afirma que Patel está sendo cotado para uma posição de primeiro ou segundo escalão na política de defesa e segurança, se Trump for eleito. O quê, como sabemos, é uma possibilidade real nestes dias que abrem o ano de 2024.  

Por aqui, parece que por ora a narrativa em torno do 8 de janeiro não será objeto de disputa tão feroz, uma vez que a inelegibilidade de Jair Bolsonaro decretada pelo TSE parece, por ora, ter resolvido a questão. Além do fracasso da CPI do Golpe de tentar culpar o governo. 

No entanto, quem observa as redes sociais do ex-presidente não pode deixar de notar que a estratégia de desacreditar (e talvez reverter) essa inelegibilidade está sempre presente: há meses, quase todos os vídeos e fotos mostram Bolsonaro sendo recebido por pequenas multidões de fãs, demonstrando sua “enorme popularidade” (muitas aspas), em contraste com o que repetem ser a “impopularidade de Lula”. São frequentes comentários perguntando: onde estão os 60 milhões de eleitores de Lula”, por exemplo.   

No dia 6 de janeiro, Bolsonaro repostou no seu Twitter um vídeo do presidente do PCO, Rui Costa, para fomentar a narrativa de perseguição. “Presidente do PCO, Rui Costa Pimenta: ‘o único candidato capaz de derrotar o Lula é o Bolsonaro, por isso a perseguição…’, escreveu o ex-presidente. Dias antes, como mensagem de ano novo publicou também um videozinho caminhando pela Barra, no Rio, e evocando os batidíssimos versos bíblicos de João 8:32: “a verdade nos libertará”, uma alusão nada discreta à investigação judicial do 8 de Janeiro. 

Se é um fato que nenhum milagre vai salvar os golpistas – como demonstrou o discurso de Alexandre de Moraes e a nova ação da PF especificamente contra os mandantes no próprio dia 8 –, é fato também que há muita gente trabalhando para reduzir a aceitação popular ao fato de que houve, sim, uma tentativa de golpe de Estado. Como os mais de 400 membros e voluntários da Associação dos Familiares e Vítimas de 8 de Janeiro (Asfav) – retratada em reportagem da Pública [na primeira semana de janeiro], que decidiram ser indissociável a defesa dos seus entes queridos de atacar o STF pelo que chamam de “violações de direitos humanos” e de “prerrogativas dos advogados”. 

Não há como defender os seus familiares, ainda, sem negar que houve tentativa de golpe. E nessa toada a associação conseguiu portas abertas em gabinetes dos bolsonaristas no Congresso e a realização de algumas audiências públicas na Câmara e no Senado para discutir a situação dos presos. A morte de Cleriston Cunha, de 46 anos, que faleceu na Papuda em novembro, embora tivesse parecer de soltura expedido pela PGR, deu uma nova bandeira a essa turma. 

O que fica claro é que não há ainda uma versão final do que ocorreu em 8 de janeiro – afinal, ainda estamos descobrindo muita coisa – e nem a sociedade brasileira como um todo está convencida de que se tratou de uma tentativa de golpe de Estado. O que é grave. Porque demonstra que as bolhas informacionais seguem funcionando a toda e que, como sociedade, ainda não estamos na mesma página.   

E, claro: este é um ano eleitoral, quando a polarização, as cisões, os ataques virulentos e o pânico moral rendem dividendos em forma de votos.