quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

A MISOGINIA QUE MATOU SOL NÃO É UM CASO ISOLADO

Tem um monte de coisa acontecendo e estou dando muitas entrevistas sobre o caso do gamer que matou Sol. Não estou dando conta! Mas a parte boa é que as/os jornalistas compartilham bastante informação que sabem comigo, e eu compartilho tudo com a delegada do caso. Afinal, todos nós queremos entender e ajudar a elucidar este terrível feminicídio.

Hoje publiquei um artigo na Carta Capital. Reproduzo parte dele aqui: 

Um crime hediondo e ao mesmo tempo aparentemente fútil e inexplicável ocorreu em São Paulo na última segunda à tarde, chocando o país: Guilherme, de 18 anos, matou uma colega gamer, Ingrid, apelido Sol, de 19 anos. Havia um mês que eles tinham se conhecido na internet. Ela foi à casa onde ele morava, e ele a matou com faca e espada. Filmou seu corpo ensanguentado e, no vídeo, exclamou “Olha que maravilha!” Ia se suicidar, mas foi convencido pelo irmão a se entregar à polícia. Está preso. 

Às 23:09 da noite de segunda, recebi um e-mail supostamente de Guilherme (de quem eu nunca tinha ouvido falar), com o título “Um ato louvável de Asmodeus”, com quatro links – três de vídeos curtos em que ele se orgulha de ter assassinado Sol, e um com um “livro” de 52 páginas – e um texto que já mostrei aqui.

Por que eu, uma professora universitária de meia idade que não entende nada de games, recebi tal email? 

Pode ser porque Guilherme tinha fé que eu divulgasse sua obra, já que, como ele escreveu, "para a minha pessoa o importante é toda a humanidade ler esse meu livro". Porém, mais provável é que, como tantos frequentadores de chans (fóruns anônimos) misóginos, ele me conhecia, de tanto que seus amigos virtuais falam de mim (nunca positivamente). 

Por ser ativista feminista e ter um blog desde 2008, há pelo menos uma década sou ameaçada e atacada por rapazes de extrema-direita que não odeiam apenas mulheres, mas também negros e pessoas LGBT. Odeiam o mundo, pra falar a verdade. Quase sempre levam vidas miseráveis, sem estudos, sem emprego, sem namorada, sustentados pelos pais, mais especificamente pela mãe. Sentem-se acolhidos em espaços tóxicos e anônimos, em que podem compartilhar seu ódio e fantasias. Uma recorrente é sequestrar alguma menina, prendê-la num porão, estuprá-la e torturá-la até a morte, só pela diversão, só pra demonstrar poder, só pra poder dizer “Olha que maravilha” pros confrades. Outra é cometer massacre numa escola. Engana-se quem pensa que são todos jovens como Guilherme, ou ainda mais novos. Há muito marmanjo de 30, 40 anos. 

Eu li o “livro” de Guilherme. É uma bobagem genérica em que ele se diz uma pessoa boa, planeja um “ataque contra o cristianismo”, sem entrar em detalhes, lamenta ser dependente da mãe, ao mesmo tempo que considera obrigação dela sustentá-lo, e deixa escapar seu rancor por não conhecer o pai biológico ("Se eu tivesse a capacidade de criar leis, uma das primeiras seria: Em caso de abandono de seu filho(a) você estará sujeito a pena perpétua a caminho da pena de morte. A justiça deveria exterminar todos os pais que abandonam seus filhos"). O que se vê no resto do livro é uma decepção amorosa muito grande ("Eu não amo ninguém, a única coisa que amo é a minha missão neste planeta"), um ódio à humanidade (“Eu odeio profundamente essa humanidade, se eu tivesse a capacidade, eu queimava todos, isso é um sonho, ver todos os humanos queimando e gritando, quando eu penso nisso eu me sinto muito bem"), o apreço pelos “soldados” “nesta caminhada” (“Se eles tivessem alguns recursos, como por exemplo armamento pesado, de fato a nossa comunidade daria início a terceira guerra mundial, com o intuito de exterminar a humanidade deste planeta, nós iria matar sem dó e nenhuma piedade"), e uma insistência que ele é mentalmente são ("Cheguei a um nível magnífico onde consigo manter o controle e o equilíbrio entre o meu cérebro e o meu emocional”). Sim, nota-se o nível magnífico de controle e equilíbrio.

Por que Guilherme matou Sol? Não sabemos. Talvez só porque algum channer o desafiou a fazer isso. Talvez porque Sol “atravessou o seu caminho”, como ele disse. Tem toda pinta de ter sido premeditado.

Ontem recebi um outro email “denunciando” que o tal Crazychan que Guilherme menciona seria “um grupo de whatsapp liderado por um adolescente de 14 anos que atua pelo nickname de EPYSP. Este rapaz sonha em se tornar uma figura conhecida na internet, e então recruta as piores pessoas para o grupo dele: crianças de 10-12 anos, e faz com que elas consumam pornografia infantil e divulguem o dia inteiro no grupo de whatsapp dele". 

À noite, como que para complementar a descrição, um covarde me ligou para me ameaçar: se eu não tirasse a menção ao Crazychan do meu blog, ele iria me matar. Pedi pra falar com a mãe dele. Eu queria perguntar se ela sabe que seu filho passa a vida ameaçando mulheres na internet. 

Outra informação que tive, e que passei imediatamente à delegada que investiga o caso, refere-se a um post publicado no Firechan, uma extensão do Dogolachan (o criador desse chan foi preso em 2018 e condenado a 41 anos de prisão por vários crimes como racismo, terrorismo, associação criminosa e pedofilia). 

Um tal de “Ghostfag” se apresentou como mentor de Guilherme, que pensava que o jovem gamer iria cometer um ato terrorista como bombardear uma escola ou igreja em vez de matar uma “vadia e-girl”. Conta Ghostfag: “Decidi ajudar já que há tempos não temos um sacrifício decente ao recinto, qualquer tentativa de obter um pouco de sangue para destravar as engrenagens da máquina do ódio é sempre bem-vinda”. De acordo com o “mentor”, Guilherme parecia apaixonado por Sol, mas iria matá-la caso ela “desistisse” de cometer o ato na igreja com ele. 

Ghostfag termina: “Guilherme é nosso irmão, soldado que jamais deve ser esquecido! Tenho orgulho de poder participar de um momento tão lindo no recinto confrades, saibam que a luta continua, por mais que os tempos sejam obscuros a palavra de Kyo segue com força total na mente dos nossos jovens dogoleiros! Não há judeu, feminista ou esquerdista que possa nos deter”. 

Leia o restante do meu artigo na Carta Capital.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

GAMER MATA AMIGA E ME MANDA EMAIL COM VÍDEO

No meio de tanta tristeza, pois minha mãe está quase partindo, ontem à noite recebi três telefonemas anônimos com xingamentos e ameaças. Hoje de manhã fiquei duas horas e meia numa audiência online com uma delegada muito simpática pra denunciar ameaças de novembro e dezembro.

Ao acordar, vi um email (enviado via guerrillamail) com o título "Um ato louvável ira de Asmodeus", com quatro links (três pra vídeos que não vou abrir, muito menos compartilhar, e um para o "Meu dicionário"). Este é o email:

"Boa noite Lola, aqui quem fala é o Flash, conhecido como Guilherme pelos mais íntimos, possuímos pensamentos divergentes, mentes diferentes, minha mente é completamente diferente da sua, eu respeito isso, pessoas são diferentes, no fundo adquirimos o mesmo objetivo, mudar as pessoas, você vive pra isso, espalha sua psicologia tosca e eu vivo pensando no quanto eu odeio a humanidade, eu sinceramente nesses últimos anos, andei me abalando com minha namorada Eduarda, ela não me compreendia, eu peguei um ódio forte pelas mulheres nesses últimos anos da minha vida, toda esse drama que elas passam, toda essa melancolia, eu sinto nojo e ódio disso, eu quero ficar longe, ser um homem seguro e esperto, não sei se isso será mais possível, porém eu deixo pra você o meu livro com todos os dias que passei, pensando, lá eu falo tudo sobre mim e o porque fiz o que fiz, sinceramente não foi em vão, pessoas irão aprender com isso, só basta você ter uma linha de raciocínio parecida com a minha, claro que você é completamente contra, mas mesmo assim, entenda o meu lado, não sou um desesperado, sou alguém que pensa e compreende. 
Crazychan me ajudou, lá fiz amizades, meus amigos me apoiaram, um grande líder, Lucy, me apoiou, me mostrou o caminho que eu deveria seguir, fui trabalhando até conseguir comprar minha 9mm, finalmente fiz o que eu queria, agora estou fora de casa, pretendo continuar, coisas novas vão rolar pelos grupos da Crazychan, vou atualizando o pessoal. Boa noite. - Flash Asmodeus".

Não entendo como esses caras perturbados imaginam ter algum tipo de relacionamento comigo pra me enviar um email. Ainda bem que nossas mentes são completamente diferentes!

Só bem depois, agora no final da tarde, vi ao que se refere o email do lunático, de quem nunca ouvi falar. O rapaz, chamado Guilherme Alves Costa, 18 anos, obviamente um channer (membro de um chan, fóruns anônimos) e misógino, jogava Call of Duty junto com a estudante Ingrid Oliveira Bueno da Silva, 19 anos (apelido Sol) há um mês. Eles marcaram um encontro pela internet, e quando se encontraram na casa da mãe dele, em Pirituba, SP, ele a matou com uma faca e espada, filmou, espalhou o vídeo, rindo, e o seu "livro" de 52 páginas.

Ele afirmou que estava planejando o crime há duas semanas. Guilherme confessou o crime à polícia, está preso, e disse que matou Ingrid porque ela "atravessou seu caminho". O programa sensacionalista Balanço Geral falou do crime hoje de manhã. 

A comunidade gamer, bem conhecida pela misoginia, diz estar chocada com o caso. Espero que esteja mesmo. E que este feminicídio terrível abra debates no meio e faça os gamers também combaterem o ódio contra as mulheres.  

E sinto muito pelo assassinato de Sol! Mulheres, afastem-se de misóginos!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

AVISAMOS, GADO!

Talvez um dia eu me torne tão evoluída espiritualmente que eu perdoe as quase 58 milhões de pessoas que elegeram o pior presidente da história do Brasil. Mas, enquanto esse dia não chegar, enquanto estivermos testemunhando a total destruição do que já foi um belo país, só posso dizer: nós avisamos.
Mas não tinha como saber, não é mesmo?

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

JOVENS, A NOVA VOVÓ FALA SOBRE E FAZ SEXO

Publico um post que a historiadora (sem nunca ter sido) Tereza Raquel Pugliese escreveu aqui pro blog: 

Mocinhas e rapazes, saiam da sala, porque a vovó vai falar de sexo. Não vou dar aula de educação sexual, mas sim dizer que nós, as vovós, temos tesão, transamos e, oh! gozamos…

Pois é, se ficaram constrangidos, eu não! Recentemente no Twitter alguém fez um comentário sobre se sentir incomodada porque uma mulher estava sempre fazendo comentários sobre sexo -- e não era eu! Eu comprei a briga da moça que gosta de transar e parece ter mais de 60 anos.

Fiquei indignada com o que li, principalmente com os comentários das e dos jovens. Quer dizer então que nós que ultrapassamos os 50, 60, 70 anos não podemos mais expressar nossos desejos de namorar e transar? A vida acabou para nós?

Sim, nós mulheres maduras passamos pela menopausa, alterações hormonais, diversas questões físicas que às vezes podem ser muito complicadas, mas dá pra curtir, viver, amar, ser amada, tocar, ser tocada. 

Quem disse que sou obrigada a ficar parada em casa testando receitas novas no fogão, fazendo crochê como minha avó e minha mãe? Quero mais é continuar trabalhando, viajar sozinha ou acompanhada, se assim for minha decisão. Explorar os prazeres do meu corpo, independente da cor e forma que ele tenha -- magro, gordo, alto, baixo, com ou sem pelos, desde que ele me satisfaça, nada mais importa.

Sobre falsos moralismos, não me admira que as mais ácidas postagens à mulher de 60 tenham sido feitas por outras mulheres. Algumas ainda não conseguiram achar a beleza, aceitar a plenitude dos seus corpos, e parecem se ressentir daquelas que estão totais na maturidade e acham vulgar, absurdo expressar esse contentamento nosso.

Ser mulher nunca foi fácil. Ser mulher que se expressa é difícil, ainda mais uma mulher que se assume por inteiro, vivida, madura, completa, que somente quer viver sem pudores, livre de amarras, e expressar seu desejo…Mas ela não pode, porque já é velha, segundo regras nada ocultas de uma sociedade hipócrita e machista.

Quando nós mulheres poderemos finalmente ser donas do nosso corpo, da nossa voz, do nosso pensamento, do nosso tesão e gozo?

Muitas mulheres já estão quebrando as amarras da censura esdrúxula que existe por aí e dizendo: vivo, respiro, amo, danem-se! Meninos e meninas, acostumem-se: a nova vovó usa biquíni fio dental e, pasmem, quem sabe tenha mais de um namorado.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

BOLSO ARMA SUA MILÍCIA PARTICULAR POR DECRETO

Antes do Carnaval, Bolso editou normas para facilitar o acesso a armas e munições. Agora um cidadão autorizado pode adquirir seis armas de fogo cada (pra que alguém precisa de seis armas?!). 

É bom lembrar que a maior parte da população (acima de 70%) é contra a flexibilização das regras de porte de armas no Brasil e discorda da afirmação do presidente de que é preciso armar o cidadão. Já somos o país campeão mundial em homicídios com armas de fogo.

Mais de 80 organizações repudiaram os decretos. A campanha Não Somos Alvo lançou a mobilização As Armas que a Gente Precisa São as que Não Matam, visando pressionar o Congresso e o STF a barrar as medidas. 

Como todo mundo sabe, o decreto de Bolso é para armar as milícias, para que elas possam blindá-lo e atacar os opositores quando o genocida quiser dar um golpe, como fez Trump agora em janeiro, comandando a invasão ao Capitólio. Naquela explosiva reunião ministerial de abril último, o genocida afirmou: "Eu quero todo mundo armado. Que povo armado jamais será escravizado". 

O deputado bolsonarista marombado, preso ontem pela PF a mando do STF, já havia dito no ano passado: “Nosso trabalho é retirar esses do poder. Manter a governabilidade do presidente. Se o povo sair às ruas de fato, e resolver cercar o STF, o Parlamento... invadir mesmo, cercar lá e retirar na base da porrada". Mais claro que a intenção de armar os amigos do presida é promover um golpe de Estado, impossível.

Reproduzo aqui o manifesto que o Instituto Sou da Paz publicou na semana passada, com a chegada do Carnaval e do decreto: 

O Instituto Sou da Paz expressa indignação com os novos decretos que facilitam o acesso a armas de fogo. Novamente, o Governo Federal expressa seu desprezo pela ciência e sua falta de aptidão em dar respostas qualificadas aos maiores desafios do Brasil.

Algumas das mudanças trazidas preveem o aumento, de quatro para seis, do número máximo de armas de uso permitido para pessoas com Certificado de Registro de Arma de Fogo, a possibilidade de substituir o laudo de capacidade técnica – exigido pela legislação para colecionadores, atiradores e caçadores (CACs) por um “atestado de habitualidade” emitido por clubes ou entidades de tiro, a permissão para que atiradores e caçadores registrados comprem até 60 e 30 armas, respectivamente, sem necessidade de autorização expressa do Exército, além do aumento mil para 2 mil da quantidade de recargas de cartucho de calibre restrito que podem ser adquiridos por “desportistas” por ano.

Com esses decretos, já são mais de 30 atos normativos publicados nos dois últimos anos que levaram ao aumento recorde de armas em circulação no ano passado – contrariando todos os cientistas que dizem que mais armas em circulação no Brasil nos levarão a uma tragédia em perda de vidas e deterioração democrática. Dados preliminares de 2020 já indicam que houve um aumento nos homicídios mesmo em ano de intenso isolamento social. Este governo parece ter conseguido reverter a pequena queda que tivemos a partir de 2018 e conquistada a muito trabalho.

Além disso, o momento em que esses novos decretos são publicados é muito emblemático. Sexta-feira de um carnaval em que nossa festa identitária foi cancelada porque temos uma pandemia fora de controle e 230 mil famílias de luto pela falta de uma política nacional para gerir uma resposta coordenada. Um dia em que milhões de empresários refazem suas contas em busca de um milagre com a economia parada vendo avançar mais um ano sem turistas, mais um ano sem serviços. Um dia em que milhões de trabalhadores apertam os cintos vendo suas rendas sumirem com o país à espera de um milagre.

A única resposta que o Presidente da República conhece é liberar armas.

Não consegue implementar um plano de segurança pública apoiando os estados e as instituições policiais em escala nacional? Publica decreto de armas. Não consegue dinamizar a economia metendo os pés pelas mãos dia sim dia não? Publica decreto de armas. Não consegue criar soluções de escala nacional para as milhões de crianças que estão há um ano quase sem estudar? Publica decreto de armas. Não consegue comprar vacinas de forma coordenada salvando vidas? Publica decreto de armas.

Nessa mórbida política de pão e circo, já nos tiraram o pão. Resta ver quem ainda consegue rir.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

BOA TARDE PRA QUEM SE IDENTIFICA COM ESTA IMAGEM

Ou você prefere Bolso sendo pintado como lixo tóxico e radioativo, um típico Chernobyl, também do grande Dinho Lascoski? E é de abril de 2019, antes da pandemia.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

UMA CPI PARA RESPONSABILIZAR OS GENOCIDAS

Reproduzo este texto de Daniel Dourado, médico e advogado sanitarista, pesquisador do Centro de Pesquisa em Direito Sanitário da USP e do Institut Droit et Santé da Universidade de Paris, publicado no fim de semana na Carta Capital

Na semana passada, foi protocolado no Senado o pedido de abertura da CPI da Covid-19 para investigar a atuação do governo Bolsonaro. Com o objetivo declarado de não se indispor com o governo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, já deixou claro que pretende se satisfazer com as declarações dadas pelo ministro Eduardo Pazuello na sessão temática da casa.

Mas a necessidade da CPI não se esgota nas explicações do ministro da Saúde. É essencial investigar as atitudes de Jair Bolsonaro.

A tragédia de Manaus, que representa o auge da violação do direito à saúde dos brasileiros, tem por si só elementos suficientes para a responsabilização do presidente. Poucas semanas antes do colapso em Manaus, a Câmara de Comércio Exterior elevou o imposto de importação sobre os cilindros de oxigênio (que estavam isentos desde março de 2020). Dias antes, os voos da FAB que abasteciam a cidade com cilindros deixaram de acontecer.

O governo foi alertado sobre a falta de oxigênio com antecedência. E o que fez Bolsonaro? Continuou divulgando o tal “tratamento precoce”, uma criação do seu governo para iludir o povo brasileiro.

Mas a CPI tem que ir além. Precisa apurar a campanha deliberada de Bolsonaro contra medidas sanitárias eficazes para controlar a propagação da epidemia no país, a pretexto de “salvar a economia” – como se houvesse economia a ser salva em meio a uma crise humanitária sem precedentes.

Também deve investigar o boicote à estratégia de vacinação (que, além de semear a desconfiança, colocou o Brasil no fim da fila para a compra de imunizantes) e o conflito com governos estaduais e municipais, minando a cooperação federativa quando ela era mais necessária.

Se o fizerem com o mínimo de interesse, os parlamentares vão mostrar à sociedade aquilo que eles já devem saber: Bolsonaro agiu consciente e voluntariamente contra o combate à Covid-19 para obter vantagens para si e prejudicar seus adversários. Cometeu inúmeros crimes de responsabilidade, propagando mentiras e desrespeitando direitos fundamentais dos cidadãos brasileiros.

Parece haver um consenso de que hoje não existem condições políticas para a abertura de um processo de impeachment. Falta mobilização popular para derrubar a popularidade do presidente e, principalmente, para impulsionar os acordos políticos necessários para organizar o que virá depois de Bolsonaro.

É justamente por isso que uma CPI é importante. Na situação atípica provocada pela Covid-19, que inviabiliza movimentos de rua, a investigação feita no Congresso pode trazer à tona os fatos que evidenciem que não é por acaso que o Brasil é o pior país do mundo na gestão da pandemia. Um dos papeis das CPIs é o de informar a sociedade e, em diferentes momentos da história brasileira, elas foram responsáveis por mudar consideravelmente a conjuntura política.

Pode soar otimista demais pensar que, logo agora que Bolsonaro fechou os acordos com o centrão, uma CPI seria capaz de transformar o cenário ao ponto de possibilitar o impeachment. Por outro lado, não parece haver ideias melhores no momento. O objetivo da CPI tem que ser chegar ao presidente.

Bolsonaro tem dado todos os avisos de que pretende impor sua escalada autoritária. Depois de tudo o que ele já fez, se o impeachment sequer for aberto, imaginem o que ele vai se sentir encorajado e fazer? Não podemos correr esse risco.