segunda-feira, 16 de agosto de 2010

HOMENS QUE ELEGEM FEMINISTAS O INIMIGO PÚBLICO NÚMERO 1

Fiz as anotações para este post um tempão atrás, no ano passado, mas não levei adiante. Só que aí um burraldo fez um comentário no meu blog que me lembrou delas. Ele chamou meu marido e os leitores que concordam comigo no blog de “manginas”, que é uma combinação de man, homem, com vagina. Homens com vagina. Como sabemos, a pior coisa que alguém pode ter é uma vagina. Não é à toa que, nos EUA, pussy é um insulto. Significa covarde, fracote. Só as mulheres são covardes e fracas. Homens são másculos, fortes. Não preciso nem falar que mangina é uma ofensa dirigida a homens que tratam bem às mulheres.
Pra completar, minha amiga Manu me emprestou a terceira temporada de Ally McBeal, que trata de um advogado, Billy, que se revolta contra a sua condição de respeitar as mulheres. Ele decide assumir que quer ter vários filhos com sua jovem esposa, e que ela deve abdicar de sua carreira para poder ficar em casa cuidando deles. E que ai dela se ela engordar algum quilo, porque sua mulher deve ser magra e linda full time. Ele entra numa organização masculina que ensina aos homens a ser mais sensíveis com as mulheres, mas que, no fundo, é um grupo de desabafo em que os participantes confessam que gostariam de ser venerados por suas esposas. A mulher de Billy, Georgia, não aceita suas condições, diz que o “novo Billy” a faz querer vomitar, e eles se separam. Até agora, não ouvi o termo mangina, mas eles usam bastante pussy-whipped, literalmente “chicoteado pela vagina”, destinado a homens que são comandados por suas esposas ou namoradas. Afinal, que uma mulher obedeça a todos os desejos do marido é o natural, o que se espera. Mas uma mulher tentar impor seus desejos vai contra tudo que deus criou.
Bom, as anotações que fiz são referentes a um blog americano asqueroso, que vê todas as mulheres como objetos sexuais que só querem o dinheiro dos caras e se dedica a dar dicas aos leitores sobre como enganar suas namoradas e nunca casar. É óbvio que o autor e seus comentaristas odeiam o feminismo acima de tudo, e veem homens que não pensam como eles como manginas. Nesse post em particular, o blogueiro faz uma enquete para escolher o Macho Beta (ao contrário do desejável, que é o Macho Alpha) do Mês, e quem ganha disparado é o noivo de uma feminista famosa, Jessica Valenti (do Feministing. Já falei sobre ela aqui, na ocasião em que ela foi absurdamente criticada por aparecer numa foto ao lado do Clinton). Jessica se casou no ano passado, e foi julgada por todos (por outras feministas, que não acham que casar na igreja é algo feminista, e por machistas que creem que uma mulher só pode ser feminista se for lésbica, feia e mal-amada).
Apesar dos comentários me deixarem com náusea, é importante entender como funciona a mentalidade de comunidades de homens que fazem de tudo para recuperar seu status de alpha male. Eles dizem que Jessica é feia, parece um homem, e que Andrew, seu noivo, não tem testículos ou está pra perdê-los já já. Que ela vai traí-lo dentro de pouco tempo para celebrar sua liberdade feminina. Que mulher que não adota o sobrenome do marido não deve casar, ponto, porque isso representa uma enorme falta de respeito. Que um homem casar com uma feminista (por definição deles, uma mulher que odeia homens) é como um negro casar com alguém da Ku Klux Klan. Que Jessica é uma lésbica que ainda não saiu do armário. Que Andrew é patético por ter 25 anos e casar-se com uma mulher de 30 (regra número 1 do machismo: sempre se case com mulheres jovens, quanto mais jovem, melhor, independente da idade do homem). Ou seja, o ódio contra a feminista e quem eles chamam de mangina é imenso. Algumas pérolas que selecionei (minha tradução):
- “Feminismo não tem valor nenhum, se é que já teve. As mulheres têm direitos iguais ou superiores aos homens em todas as áreas da sociedade”.
- “Eu transaria com ela, e bateria nela o tempo todo. E ela iria adorar”.
- “Odeio feministas mais que odeio Osama Bin Laden. Feministas destruíram mais vidas americanas que Al-Qaeda”.
- “A culpa é das mulheres e do feminismo pelas famílias não estarem mais juntas”.
- “Poucas criaturas são tão deploráveis quanto a feminista que envelhece. As novas pelo menos têm um valor fodável, mas quanto mais velhas elas ficam, mais acabadas, fedorentas, nojentas e repulsivas. Elas logo viram bruxas”.
- “Odeio feministas porque elas odeiam a cultura ocidental e querem que ela acabe”.
- “A maior fantasia de uma feminista é ser brutalmente estuprada por um homem de verdade que não seja suscetível a essa besteira feminista”.
- “Se eu pudesse, deportaria todas as feministas para diferentes países islâmicos para serem concubinas forçadas dos seus senhores muçulmanos”.
E por aí vai. Ao ler essas atrocidades, eu fico pensando: que diabos aconteceu com os EUA (não que reações dessas não existam no Brasil, mas não são tão organizadas)? Bom, nada. Essa raiva incontida dos homens contra as feministas existe desde a era vitoriana. Argumentos parecidos surgiram desde que as primeiras mulheres começaram a exigir direito a voto. É estranho, mas muitos homens se comportam como se estivessem em eterna disputa territorial. Pensam que qualquer conquista de uma minoria lhes tira um pedacinho de terra que é seu de herança.
Às vezes eu até esqueço que há tanto homem branco americano revoltado, sentindo-se acuado, cheio de raiva das mulheres (e das minorias em geral). Sabe o tipo que separa mulheres em duas categorias: “moças pra comer” e “moças pra casar”? Que acha que uma mulher que teve mais de dez parceiros na vida é uma vadia? (a média americana é uma mulher ter transado com três - não ao mesmo tempo, ok? Não três em uma semana ou em um mês. Na vida toda!). Que pensa que as mulheres querem cortar os testículos deles, emasculá-los? Que odeia que tantas esposas peçam o divórcio hoje em dia? Que acredita que mulher boa mesmo, de confiança, foi a mãe dele? (e isso se ela não se separou do pai do predestinado). Que acha que a onda politicamente correta está acabando com o mundo? Que acredita na ordem natural das coisas e que os machos agem como agem instintivamente? (golfinhos machos também estupram etc). Eu sempre me lembro da última cena de Ânsia de Amar (Carnal Knowledge), espécie de Perto Demais da década de 70, um filme com o Jack Nicholson. Eu era muito nova quando vi o filme pela primeira vez e não o entendi. Agora entendo. Jack faz um macho alfa, um homem mandão, arrogante, que se envolve com uma linda moça decorativa e submissa, transa com a namorada do seu melhor amigo, e no final termina incapaz de ter intimidade com mulheres. Ele tem que pagar uma prostituta pra lembrá-lo que ele é o cara e que nenhuma mulher presta. Só assim consegue ter uma ereção. É um final bem deprimente e sem esperança. Mas eu vejo esses carinhas zangados e na hora me vem essa imagem de Ânsia de Amar. Tanto ódio no coração dessa gente! Será que o feminismo trouxe tantas mudanças assim? O que o feminismo tirou deles pra que ficassem assim tão injuriadinhos? Uma mulher pegou o emprego dele? Ele tentou encoxar alguma garota no ônibus e levou uma bela de uma cotovelada? A mulher dele o deixou, levou os filhos, e agora ele tem que pagar pensão? Muitas moças o rejeitaram? Alguma riu do tamanho do pacote? O que foi tão traumático?
Susan Faludi comenta em Backlash que a maior parte das feministas na década de 70 achava que, com o tempo e os avanços das mulheres, os homens perderiam o rancor e abraçariam a causa pelos direitos iguais. Certamente falhamos nesse prognóstico.

76 comentários:

Mari Biddle disse...

Oi, Lola

passando para dizer que seu post esta' maravilhoso, as usual.

So' uma coisa me vem a cabeca: homens que elegem feministas o inimigo publico numero 1 sao muito mas muito medrosos. E o resultado desse medo ta ai.

Um beijo

Lord Anderson disse...

Lola, olha eu sinto dizer que isso não se restringe aos estados unidos.

Se um dia vc tiver estomago procupe por Central Masculinista no Google.

Vc vai encontrar uma central com varios sites (inclusive mantido por mulheres) que trazem todos esses termos (mangina, machos alfa, beta, etc) e todo esse odio contra feministas p/ o portugues.

Lord Anderson disse...

Sobre oq o feminismo tirou desses homens, talvez seja mais uma demonstração de incapacidade de assumir novos papeis.

A maioria dos homens (eu incluso) ainda é educada para o papel de provedor, basta ver como a ideia de perder o emprego e não ser capaz de sustentar a familia é dolorosa para os homens, ser chamdo de vagabundo, no sentido de não ter trabalho é uma ofensa muito seria para a maioria de nós.

Alem dia, caracteristicas como coragem, proteção, força, sexualidade ativa ainda é muito ligada ao conceito de virilidade.

(basta ver como o Edward de Crepusculo é ridicuralizado por não querem transa com a Bella, aonde ja se viu homem recusar sexo?)

E muitos simplesmente não sabem como viver ou reagir quando esses papeis não mais representam a realidade.
Até pq muitas mulheres ainda esperam essas atitudes dos homens.

Enfim, não é uma desculpa, muito menos uma justificativa, apenas um começo de uma analise.

Jux disse...

Loláxima!

Mas que... BARALHO MAL LAVADO!
Ontem mesmo achei algo que supostamente é um blog - de um cara que nunca vi/nem comi/nem ouço falar - em que ele tem inúmeros posts falando de feministas dentre outras idéias.

Dentre algumas pérolas (blérgh) estão cousas dos tipo:

"Feministas levam a sério a lógica de seus próprios argumentos?

“O risco de óbito por homicídio no Brasil em 2003 foi de 28 por 100 mil habitantes, sendo 12 vezes maior entre homens (53/100 mil) do que entre mulheres (4/100 mil).”

Fonte: Análise da mortalidade por homicídios no Brasil

Já que tem feministas que acham que a Lei Maria da Penha deve proteger exclusivamente as mulheres, já que elas são “vítimas preferenciais” da violência doméstica, PELA MESMA LÓGICA estas mesmas pessoas deveriam defender que se faça uma lei específica penalizando mais quem mata homens do que quem mata mulheres, afinal homens são as “vítimas preferenciais” de homicídio no país."

"Não existe feminista em navio que está afundando
Este texto é uma crítica ao feminismo em função de eu considerar este movimento social uma forma de sexismo. Portanto, este texto não é um apoio ao machismo, em relação ao qual tenho a mesma crítica: todo sexismo é condenável.

Homens e mulheres de todas as orientações sexuais são iguais em dignidade e deveriam ser iguais em direitos. Todos merecem ser felizes e devem ter o direito de buscar a felicidade do modo que bem entenderem, desde que não prejudiquem terceiros no processo.

Eu sou um defensor radical dos Direitos Humanos universais, inalienáveis, indivisíveis e interdependentes. Pessoas cujo discurso estimula o ódio ou o ressentimento com base em sexo ou orientação sexual, raça, credo, idade, etc. são meus inimigos ideológicos. Se estas pessoas gostarem do que eu escrevo, é porque não me entenderam . Eu quero construir um mundo em que todos se tratem com respeito fraterno."

E nesse texto em particular ele desfia um monte de barbaridades a respeito do feminismo, tais como:

Feminista é alguém que acha certo que o homem preste serviço militar obrigatório, mas que a mulher tem o direito de escolher se quer ou não prestar serviço militar.

Feminista é alguém que acha que a mulher tem que receber o mesmo salário do homem, mas que o homem tem a obrigação de pagar o restaurante, o motel e a gasolina. (...)

Tipo, esse texto teve 130 comentários (ok, digamos 65, pq os outros 65 foram as respostas dele)
E a MAIORIA dizendo "isso mesmo, feminista é um bando de vagabunda etc e tals")

Tipo, eu fico até com preguiça de responder a esse tipo de gente - meu sótão já recebeu uns 2 comentários meio nessa linha, de que o feminismo não tem razão de ser e de que machismo e feminismo são os mesmos lados da mesma moeda.

Cansa, viu?

P.S.: desculpa, mas me recuso a linkar o tal cidadão aqui no bloguinho. Quem quiser marca uma hora com a igreja googleana :P

Leticiabon disse...

Lola, estou totalmente chocada, não tinha noção dessa realidade não. Pior, esses caras desses blogs não são só contra o feminismo não, são contra AS MULHERES. De todo o jeito. Qual é a necessidade de pessoas criarem um blog para falar mal de feministas (mulheres)? Muito nojento!

L. Archilla disse...

Uma coisa que eu vinha sentindo vontade de falar e seu post me lembrou é o quanto os supostos homens liberais ainda têm crenças machistas arraigadas. Como vc deve imaginar, não costumo sair com reaças. A maioria das minhas amizades (e consequentemente, dos caras com quem saio) é formada por artistas, esquerdistas e progressistas em geral (menos os do Maluf). Percebo que a princípio exerço um certo fascínio nos homens. Em geral, eles se aproximam e em pouco tempo derramam elogios sobre como sou inteligente, divertida, gostosa, linda, independente (embora eu nem seja tudo isso, de fato, mas enfim, não vem ao caso), como sou diferente da maioria das mulheres, q tenho opinião, e bla bla bla. Tempos depois, quando a história começa a ficar séria, eles vêm com um discurso de que não gostam de namorar, sabe como é, são muito liberais, não curtem monogamia, etc. E em questão de meses estão namorando com outra pessoa. Essa pessoa, no geral, não tem nenhuma das características de personalidade que eles diziam adorar em mim. (E é fácil de descobrir, porque minha cidade não é tão grande assim). Isso quando o cara não emburra porque eu aviso que vou sair no dia em que ele não pode me acompanhar, ou porque não deixo ele pagar a conta inteira. Uma vez fiquei sabendo o que um desses caras estava dizendo por aí: que eu era linda, inteligente, e bla bla bla, mas não era "pra namorar". E esse cara era ator, frequentava boates alternativas, tinha amigos gays; quem via jurava que era super moderno. Um tempo depois soube que ele ia casar. Com uma atriz que na época que estávamos juntos, ele dizia que era gorda e interpretava mal. Acho que só esse caso já ilustra bem o que eu quero dizer.

Nossa, isso foi quase um guest post, não? Mas valeu o desabafo.

Giovanni Gouveia disse...

O medo é parecido com o de virar novos Louis XVI e Marie Antoinette, querem que as mulheres procurem bioches, quando não há pão, e que a busca incessante por pão é um ato de insubordinação injustificável.

Claro que o feminismo não quer a guilhotina de ninguém, a não ser do machismo opressor. Esse sim, tem que ser extirpado da sociedade, como qualquer tipo de opressão merece sê-lo


P.S. Os gringos são tão apavorados que preferem falar "C word", a ter que pronunciar...

Luisa Teresa disse...

Eu gostaria muito de ter ficado surpresa com o teor dos comentários, mas o único sentimento que me assoma é o nojo mesmo. Qual a necessidade desses fracassados, verdadeiros castrados mentais que não conseguem olhar para o lado e reconhecer a mulher como um ser humano? Mesmo convivendo em um círculo que se considera a "elite intelectual" (os estudantes de Direito da Universidade de Brasília), aquelas/es que se propõe a falar contra a discriminação às mulheres precisam ouvir cada m.... que às vezes o ânimo para continuar lutando quase falha...

Só me consola que, quando vou confrontar esses mini-trolls sozinhos, olho no olho, com uma voz calma e um sorriso no rosto, eles se encolhem de medo - a massa indiferente e o anonimato são os habitáts exclusivos desse tipo de criatura, que não consegue sustentar seu ódio e misoginia sem cair no ridículo quando está exposto, sozinho, pelo que é: um fóssil patético, um bebê chorão que quer o mal para a própria mãe.

Bruno Stern disse...

Acredito que a maioria esmagadora dos comentaristas dos blogs citados pela Lola e pela Jux não assinam seus nomes(ou algo que se assemelhe a um nome).

Geralmente na internet as posturas mais raivosas e reacionárias tendem a ser acompanhadas pelo anonimato.

Karen Lommez disse...

Estou passando mal, não tenho forças para comentar direito. Para mim essas reações são desesperadas, frente a um mundo em que as mulheres cada vez mais mostram a que vieram... bj

Lord Anderson disse...

Ah, e enquanto vc não cede a nossa chantagem, eu twitto seus posts e crio um marcador p/ eles ok?

Agora vou sempre twitter #escrevalola quando mencionar o blog.

Giovanni Gouveia disse...

Ah, pro desespero dos machistas:

Mulheres são maioria dos profissionais com doutorado:

http://www.mulherescomdilma.com.br/?p=6267&utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

aiaiai disse...

Pois é, lolinha...ainda temos um longo caminho até chegar a igualdade efetiva e ao desmoronamento do preconceito e ódio entre os sexos. Mas, o importante é que nós estamos fazendo a nossa parte e mostrando para as pessoas que dá para mudar esse cenário, né?

E quando a Dilma ganhar com mais de 70% dos votos no primeiro turno, vai ter uma avalanche desses machos desesperados!!!!

Giovanni, não entendi o lance da C word?

Lord, adorei a ideia de criar um marcador para lola!

Pentacúspide disse...

Eu fui educado, como disse Lord, para ser o chefe da família. Não me vejo desempregado e a ser sustentado por uma mulher. Fazer o quê? Principalmente quando as mulheres por quem estou rodeado e tenho contacto esperam mesmo isso de mim: sustentá-las.

Duvido que sejam os homens os piores inimigos da mulher. Esses comentários e comentarista são só de pessoas cujos neurónios entram em curto-circuito quando pensam numa frase com mais de três predicados.

A mulher é a pior inimiga de si mesma. Eu tenho mais amigas do que amigos, e... diabos!... os comentários que eu ouço.

Convidas uma mulher a sair, ela ou fá-lo claramente ou através de subterfúgio, tenta saber a tua situação financeira, se vais ser ela a pagar o cinema e as contas dos restaurantes ou se vais ser tu. Parece normal ser o homem a sustentar a mulher, mas o contrário soa a absurdo.

A mulher educa as filhas a apanhar um bom filé, um homem capaz de ganhar dinheiro, e por causa dessa educação a filha acaba por se esquecer do que ela própria é e deseja ser e só tenta agarrar o seu "pão", e quando há concorrência é ela quem começa a falar mal das mulheres. E convenhamos, nós julgamos que vocês se conhecem melhor umas às outras do que nós a vocês, portanto acreditamos quando falam mal uma das outras... e falam muito.

Mas... fogo!... como é que o golfinho conesegue estuprar se não tem braços para agarrar a golfinha, apontar o dito-cujo e enfiar? Minha admiração para o golfinho, não exactamente pela violência da violação, mas simplesmente por conseguir violar.

Anônimo disse...

Minha avó dizia. "Quem muito abaixa, acaba mostrado a bunda" Foi isso que aconteceu com os homens, principalmente na época da contracultura. O homem pressionando pelo feminismo e pela contracultura, tentando parecer mais sensível, se perdeu e deixou de ser homem; agora estão bravinhos como idiotas. Não foi culpa das mulheres. As mulheres fizeram o que de deveriam ter feito a muito tempo. Foi culpa da fraqueza de personalidade dos homens.
Oliveira.

Lord Anderson disse...

Ah Penta...por favor....

"o pior inimigo da mulher é a propria mulher"

que cliche...

Eu tenho um monte de habitos e reações machistas, mas até eu ja superei essa.

E dizer que quem se reune p/ dessiminar odio de qualquer tipo não é ameaça é ser condescendente.

Esses caras que se sentem tão a vontade p/ pregar seu machismo podem muito bem passar da teoria a pratica, e não apenas em termos de violencia fisica, mas tb apoiando politicos e movimentos que possam empedir a ampliação dos seus direitos, ou mesmo lutar pelo retrocesso do ja conquistado.

Lord Anderson disse...

Aiaiai

Que bom que gostou.

Use tb por favor.

Vamos fazer a Lola famosa no twitter, ela querendo ou não ,ehehehe

Clara Gurgel disse...

Oliveira, vc fez a sua inscrição para o "Encontro de Blogueiros Progressistas"? Não?? Que pena! Adoraria ver vc "tea a tet" com a Lola...sairia de lá outro! Ou outra,né? Já que todo esse seu "pseudomachismo" pode ter um fundamento.

Pentacúspide disse...

Lord, os clichés são assim chamados porque são frases que praticamente todo o mundo conhece, usa e repete, mas não porque não sejam verdade. É certo que pode haver clichés mentirosos, mas quando me dizes que superaste todos os preconceitos machistas que te foi "injectado" pela educação e cultura, eu sei lá, mas só posso dizer, com todo o respeito, estás a mentir.

Pentacúspide disse...

E não creio ter dito que pessoas que disseminam vírus do género não são ameaças, da mesma forma que poderia dizer que kamikazes talibãs são só pessoas apanhadas pela religisiotite crónica.
Porém, também não disse que sejam ameaças. As pessoas que se espelham nessas palavras e usam-nas como princípios são sim ameaças, mas as palavras por si não são. Aliás a ti provocou irritação (?), a Leticiabon choque, a Luisa Teresa nojo, portanto não diria que sejam ameaçam as palavras, mas isso é apenas retórica.

Lord Anderson disse...

Penta

Eu nunca me considerei uma pessoa boa e pura que foi "infectada" por pessoas com ideias malvadas, mas tb sou um produto do meio que vivo e sim bastante influenciado por amigos, familia, midia, etc.

Eu já naturalezei muita coisa até aprender a pensar po mim mesmo e ver que nem tudo é (ou deveria ser) como me diziam.

Eu não me considero livre de preconceitos mas pelo menos aprendi a questionar minhas certezas e meus cliches p/ saber se eles tem base, ou são apenas repetição.

Lord Anderson disse...

Concordo que palavras apenas não representam perigo,mas como saber quando as palavras vão se tornar atos?

Vc conhece o movimento juventude paulista?

Tb começou com palavras, com pessoas se sentindo livre p/ defender seu preconceito, sem assumi-lo como tal.

Depois virou um manifesto e agora é um movimento politico.

Não acredito que vão longe, que conseguir espaço e influencia p/ se tornarem realmente uma ameaça, mas me reservo o direito de me preocupar sim.

O mesmo principio vale aqui. Me sentiria da mesma forma com relação a blogs que promovessem misandria.

Pentacúspide disse...

Pois, Lord, dificilmente se pode saber quando vão as palavras deixar de ser apenas isso e tornar-se actos.

Não sei da juventude paulista, não sou brasileiro e não vivo em brasil, sou alheio a 95% do que acontece lá. Mas acredito no teu exemplo. Porém duvido que as pessoas que aderiram a esse movimento fizeram-no apenas pelas palavras que ouviram, mas porque estavam predispostos a isso.

Eu sou preto, Lord, (nem sei por que estou a dizer isto), lido diariamente com discriminação até mesmo nos meios onde as pessoas dizem-se pensantes (universidades), e eu digo que não sou RACISTA.

(http://ashikodi.blogspot.com/2009_11_01_archive.html)

Mas ninguém, ninguém mesmo pode dizer-se isento de preconceitos, seja do que tipo for: raciais, sexuais, religiosos ou políticos. Minimizam-se os preconceitos, é-se muito mais aberto em relação a certas coisas que outras pessoas, mas... diz-me lá, Lord, se estivesses no Titanic, deixavas ir as mulheres primeiro? Se sim, diz-me outro porquê que não seja porque são mulheres.


Diz-me que nunca chamaste puta a uma mulher (não tem que ser directamente, pois eu já chamei a vária sem ser directamente)? Nunca criticaste a Paris Hilton (eu admiro-a)?

Não sou misógino, machista, talvez, se é machismo considerar que devo ceder lugar às senhoras, ajudar com o peso, pagar o jantar, ou avaliar as mulheres em "boa para casar", "boa para foder" e "boa para festas"; se isso é machismo, sou machista. E as mulheres que me avaliam também por esse mesmo padrão são machistas?

E quando digo que as mulheres são inimigas das mulheres não estou a usar palavras gratuitas (para confessar, até pensava estar a ser original até me dizeres ser um cliché).
Lord, numa casa MACHISTA, a mãe cuida dos filhos enquanto o homem vai trabalhar, logo é ela quem trata da educação, e como educa? Se tiver uma menina e um rapaz, ensina a menina a submeter-se ao rapaz; se tiver só rapaz, ensina-o a ser bruto como o pai; se tiver só menina, ensina-lhe a submissão e a pescar o homem que lhe garanta comida e dormida, e férias no estrangeiro.

Roberta disse...

Tá aí uma boa ideia de post Lola,relações entre as mulheres.
Adoro ler o que vc escreve,alias Lola,vc me converteu!
Eu não sabia porcaria nenhuma de feminismo até dois anos atras,um belo dia digitei feminismo no google e cai aqui,começei a ler seus posts meio com o pé atras,achava que feministas eram todas lesbicas,adorava "coisas de homem"(tipo filmes,livros,blogs todos feitos por homens)e fugia de coisas feitas por mulheres(devo admitir eu era super machista)achava que coisas feitas por mulheres(blogs por exemplo)eram de baixa qualidade(mas nunca me perguntava pq achava isso) ou só falavam de roupa e maquiagem.Eu nem dava uma chance!Aí sua escrita me fisgou,li um monte de posts seus sobre feminismo(me identifiquei,tudo o que eu sentia mas não tinha como expressar) e depois passei aos livros,eu baixei um punhado de livros feministas,naomi wolf,simone beauvoir.No orkut encontrei comunidades feitas por mulheres inteligentissimas como vc,tipo Feminismo e Libertação(passa lá:D)
Enfim,devo boa parte da minha consciencia feminista a vc

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Lola, já fiquei sabendo de uma meia dúzia de malucos que traduz exatamente coisas desse blog que você postou aí.
Realmente é patético. Mas o meu consolo, é que homens que gastam tanto tempo com esse tipo de coisa, querendo espalhar ódio contra mulheres, demonstram que, antes de tudo, não estão bem nem com eles mesmos, porque ninguém fica assim à toa.

Roberta disse...

Alias,estes senhores que escrevem tais blogs(imagino seres meio espectrais,com barba de osama bin laden,desempregado,só de cueca na frente do pc,e ridiculo demais pra uma mulher em sã consciencia se interessar)são super inseguros,dá pra perceber isso na escrita deles,é algo meio desesperado,duvido que um homem assim vomite todos os seus "argumentos" na frente de uma mulher,na vida real,cara a cara.
Alias,duvido que esses caras possam ser conseiderados homens.
São só meninos mimados.

lola aronovich disse...

Mari, Lord Anderson e Laurinha: pois é, sei que existem blogs ultramachistas no Brasil tb. Mas eles copiam totalmente o que os blogs machistas americanos dizem. Tanto que mantem o termo “mangina”, não tem nem tradução. Eu fico impressionada que esses blogs tenham público. Um público até grande. E sim, são uns covardes. Na frente de uma mulher devem ser uns cordeirinhos. Mas quando estão anônimos, num ambiente de histeria coletiva, se transformam em alpha males de última geração. Argh.


Puxa, Roberta, que belo elogio! Obrigada mesmo. Fico feliz em saber que te influenciei de forma positiva. Eu acho que nunca fui machista, mas já falei besteiras como “me dou melhor com homem que com mulher”, “prefiro trabalhar com homem”, essas coisas. Mas isso dá um post...

Giovanni Gouveia disse...

aiaiai, não sei se lês inglês, mas:

http://www.urbandictionary.com/define.php?term=c-word

Giovanni Gouveia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel disse...

Feministasm me responda: Pq a Lei Maria da Penha só serve pra mulher vitima de violencia, não o homem? Mulheres são mais vitimas de violencia domestica? ok...homens sao mais vitimas de homicidio. Pq nao criar uma lei especial para homens então?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Lola, o que me dá até mais raiva é isso, a falsidade, dissimulação.
Se são tão "machos" assim (usando essa palavra na concepção machista mesmo de ter coragem, honra) então que saiam de trás dos computadores e saiam dizendo essas coisas na cara das mulheres com quem vivem, conversam, namoram, ficam e deixem a mulher escolher se realmente quer ficar ou conviver com um cara assim ou não.
Nada mais justo.
Ficam reclamando que mulheres são assim e são assado, mas quem dissimula, engana, não se assume claramente como é, não tem moral nenhuma pra reclamar de nada.
Se são realmente machões, seguindo esse estereótipo antigo, porque tanto medo de assinar postagens, colocar a foto em blogs, dar realmente a cara pra bater?
No dia em que fizerem isso, pelo menos serão vistos como pessoas sinceras e não como um bando de covardes, medrosos e chorões. Que descem a lenha em mulheres pelas costas, mas na frente delas se cagam de medo...
Você se assume como feminista e tanto se orgulha disso que põe foto, dá detalhes de sua vida... Por que eles não fazem o mesmo, se sentem orgulho pelas coisas que fazem?

aiaiai disse...

valeu giovanni...não sabia desse nome de vagina em inglês: cunt!

Ághata disse...

"Duvido que sejam os homens os piores inimigos da mulher. Esses comentários e comentarista são só de pessoas cujos neurónios entram em curto-circuito quando pensam numa frase com mais de três predicados."

É claro! Porque constatar que os homens é que são inimigos das mulheres já que são eles que estupram, matam, espancam e as vendem e consomem no tráfico sexual é coisa de gente burra mesmo.
Perspicaz mesmo é deduzir que na verdade são as próprias mulheres que são suas inimigas naturais já que elas que vivem falando mal de si mesmas!
(Eis porque todas essas comunidades e comentaristas raivosos e misóginos que Lola mencionou no texto são mulheres! Esse papo de 'Macho Alfa' é só para disfarçar a identidade sexual delas.)

"Pois, Lord, dificilmente se pode saber quando vão as palavras deixar de ser apenas isso e tornar-se actos."

Bora pro básico:
1º Palavras não surgem do nada. Ainda mais essas repletas de ódio que expressam os sentimentos e preconceitos das pessoas.

2º Ações são respaldadas pelos seus pensamentos, pelo que se vê, pelos seus valores.
Não há pessoas que matem gays por estas serem gays sem serem homofóbicas; ninguém maltrata uma pessoa por ela ser negra sem ser racista; e da mesma forma, ninguém discrimina uma mulher sem ser machista.
Óbvio, óbvio ululante!

Nem todo preconceituoso vai matar o alvo do seu ódio, mas o fato de sustentarem seus preconceitos é exatamente o que perpetua o ciclo vicioso da discriminação e violência.

lola aronovich disse...

Como assim, Aiaiai, não sabia? A palavra cunt tá em montes de filmes. É uma grande ofensa também. Note como, nos filmes, pra se ofender uma mulher, dizem “You cunt” (a mulher é apenas uma vagina, é só isso pra que ela serve). A palavra tb tem muito destaque num ótimo filme, Atonement (Desejo e Reparação). Lembra? E tb é o que o louco que divide o corredor de celas com o Hannibal Lecter diz pra Clarice, “I can smell your cunt”, em Silêncio dos Inocentes. O Hannibal diz pra ela, “I myself cannot”. E por aí vai.


Daniel, é verdade, homens são muito mais vítimas de homicídio que mulheres. Sabe o detalhe? Bem, tem dois: o primeiro é que são os próprios homens que matam os homens. Não são as mulheres que matam homens, certo? E também são os homens que matam as mulheres. O outro detalhe é que, no caso dos homicídios masculinos, os homens não são mortos por serem homens, mas por se envovelrem com tráfico de drogas, crimes, guerras, violência no trânsito, briga em bar etc etc. Já as mulheres em geral são mortas por seus companheiros ou ex-companheiros, que se acham donos delas. Não suportam que a mulher queira deixá-lo, ou que ande com outro homem. Ou seja: quer diminuir os homicídios? É só convencer o SEU gênero a parar de matar (e estuprar). Nós mulheres tb temos responsabilidade, porque tem alguma coisa muito errada na criação de vcs que faz vcs traduzirem “masculinidade” como “resolver tudo com violência”.

Ághata disse...

"Pq a Lei Maria da Penha só serve pra mulher vitima de violencia, não o homem?"

Porque a violência doméstica é um fenômeno que decorre do homem perceber a mulher como se fosse propriedade sua. Em virtude dos estereótipos de uma sociedade patriarcal, esses caras se acham no direito de humilhar, espancar, estuprar e matar suas esposas porque elas são 'suas' e devem se submeter a sua vontade. Vide o caso de Eloá. Aliás, analise qualquer caso de violência doméstica e verá está formula: homem mata mulher porque ela de alguma forma lhe contrariou (não quis abortar, não quis manter o relacionamento etc).

"Mulheres são mais vitimas de violencia domestica? ok...homens sao mais vitimas de homicidio. Pq nao criar uma lei especial para homens então?"

Sim, os homens são mais vítimas de homicício. Por isso que, quando são feitas campanhas governamentais e estaduais para diminuir a violência, a taxa de homicídios masculinos cai drasticamente (mas a taxa de homicídios de mulheres e a de crianças, por exemplo, não caem * quando caem, não é de forma significativa* porque o motivação dos seus homícios não está na violência urbana - que é o que leva os homens à morte).

Então, só pra ressaltar: a taxa alta de homicídios de homens não é consequência de uma 'discriminação contra homens ou ao ódio entre os homens'. São homens que matam homens não pelo fato deles serem homens.

À propósito, a taxa de homicídio feminina é bem baixa considerada a taxa de homicídios, mas, se eu não me engano, a taxa de mortalidade feminina aqui no Brasil é bem mais alta que a média mundial.

Ághata disse...

Ah, sim! Lembrei: a taxa de homicídios no Brasil vem caindo desde 2003!
[Vide o mapa da violência, edição 2010]

Temos menos homens morrendo desde 2003.

Mas, não se alteram homicídios de crianças e mulheres. Dado que fica invisível quando se analisa os homicídios de forma geral.

Isso porque as políticas e campanhas públicas contra a violência de forma geral não dão conta de diminuir a matança de crianças e mulheres.

Ághata disse...

Eita, Lolinha XD
Postei quase ao mesmo tempo que você!

Luisa Teresa disse...

Um dos grandes problemas que eu vejo nessas criaturas machistas, ou até em "pessoas tentando manter a mente aberta", é que o feminismo é visto como essa grande dicotomia homens versus mulheres, mulher=bom e homem=ruim... (cahem, como faz o machismo, cahem)

O fato é que você tem uma forma de encarar a sociedade em que os valores atribuídos CULTURALMENTE aos homens os colocam com mais facilidade no papel do agressor, enquanto diz às meninas, desde pequenas, que devem ser passivas e submissas...

Assim, se há uma dicotomia, há aqueles que lutam contra isso, sejam mulheres, homens ou como quiserem denominar-se; e há aqueles que se sentem beneficiados pelo machismo, ou ameaçados pelas mudanças que começam a minimizá-lo - novamente, sejam homens ou mulheres.

Agora, é inegável que nessa história, quem é ameaçada, torturada psicologica ou até fisicamente, espancada e morta POR CAUSA dessa cultura é a mulher, ou aqueles que são identificados, de uma forma ou de outra, com características femininas.

Talvez daí venha a perplexidade do Penta ante as mulheres "machistas", aquelas que navegam com habilidade a cultura, pois é isso que foram educadas a fazer. Não se pode tirar a responsabilidade delas por isso, da mesma forma como não tiramos a responsabilidade do agressor em casos de violência doméstica - mas entendemos que, para além da reprovação moral (ou, no caso do agressor, da sanção criminal), há toda uma cultura de ódio por trás - que tenta, justamente, ser combatida por leis como a Maria da Penha.

Pentacúspide disse...

AGHATA: (…) constatar que os homens é que são inimigos das mulheres já que são eles que estupram, matam, espancam e as vendem e consomem no tráfico sexual é coisa de gente burra mesmo.

Uau! Só falta dizer que o mal do mundo é o homem e as mulheres, pobrezinhas!, são só vítimas inocentes. Fala a sério. Há pouco tempo no Haiti foram presas pessoas que tentavam traficar crianças aproveitando-se da confusão em que o país estava e haviam mulheres naquele trabalho. Vi uma reportagem sobre tráfico sexual, tiram mulheres Brasil e diversos países do terceiro mundo com promessa de trabalho para a Europa, e a abordagem muitas vezes era feita por mulheres, porque ninguém desconfia da mulher. Nunca ouviste falar de madames que gerem bordéis, proxenetas, são forçadas a geri-las por homens.
O estupro acontece não porque a pessoa é homem, mas porque é libidinosamente doente. Quando eu tinha 12 anos costumava ir à mãe de uma amiga, todos os meus colegas passaram nela, e éramos todos um bando de putos, isso não é violação? Eu sabia o que fazia, mas aos olhos da lei é violação. E os homens que são violados são-nos porque o violador odeia mulheres?
Podes ter razão no que queres defender, mas este teu argumento não convence. Tenta outro.

AGATHA: (…) o fato de sustentarem seus preconceitos é exatamente o que perpetua o ciclo vicioso da discriminação e violência.
(…)Não há pessoas que matem gays por estas serem gays sem serem homofóbicas (…).

Aceito a primeira tese, Ágata.
Entretanto, só quero apontar: pelas tuas frases não dirias que és preconceituosa em relação aos homens?
Já a segunda, não sei se devo. Na minha terra costumavam linchar violadores e pedófilo, e lincharam muitos; a lógica diz-me que por não ter havido apenas um linchamento, provavelmente alguns violadores lincharam outros antes de terem sido apanhados. Mas esse seria um caso de participar para não ser descoberto.
Outro caso, uma vez organizamos uma greve no liceu e dirigimo-nos para o ministério da educação, com gritos e reclamações, a certa altura já não podíamos controlar a greve, porque muitas pessoas entraram na fileira sem serem estudantes, sem se importarem com a causa, apenas porque havia fileira, e partiram a fazer actos de vandalismo, e nós fomos depois presos por encabeçamos a coisa. Esse é o caso de contágio massivo ou lá como se diz.

Pentacúspide disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pentacúspide disse...

LOLA: (…) no caso dos homicídios masculinos, os homens não são mortos por serem homens, mas por se envovelrem com tráfico de drogas, crimes, guerras, violência no trânsito, briga em bar etc etc. Já as mulheres em geral são mortas por seus companheiros ou ex-companheiros, que se acham donos delas.

Discordo que as mulheres sejam mortas por apenas serem mulheres. São mortas sim porque “machos” acham-se donos delas, e também apenas essa razão não basta, tem de haver circunstâncias. Os tipos da KKK saíam do bar e diziam, vamos matar uns preos, e iam, esses sim eram mortos por serem pretos. Uns parvalhões levantam-se e dizem vamos agredir os gays, e vão, sofrem porque são gays. Uns “machos” resolvem ir violar um mulher, aí sim, concordo, é violada porque é mulher (fazer o quê? Os gajos não eram gays, se fossem quem sofria era um homem).
Mas misóginos não se reúnem e dizem vamos lá matar mulheres.

E dizem que mulheres não violam. A história de José de Egipto, da Bíblia, não era um caso de violação por parte feminina?
A violência doméstica feminina é bem disfarçada, os homens que apanham das mulheres não se queixam, porque ficam com medo de serem considerados “maginas” (bem vindo o termo).
Houve um tempo em que o casamento dos meus pais não ia bem, a minha mãe chingava (é assim que se escreve?) o meu pai todo o santo dia, e ele, por ser calmo, só se limitava a ouvir até que ela se cansava, porque quando virava as costa e ia-se embora, a ladainha recomeçava quando voltava. Ele não fazia nada porque era a minha mãe, uma mulher, que lhe xingava, mas creio que se fosse outro mundo já tinha partido há muito para a violência. Porém, nem tudo dura para sempre, um dia acertou um soco na minha mãe, e eu, tinha 15, fui tomar parte, agarrei num pau para lutar com ele. A primeira vez que a minha namorada me xingou bem feio, eu entendi o quanto sofria o meu pai.

Violência não é propriedade de homem ou de mulher, mas sim do género humano.

No entanto, não nego sobre os misóginos, MACHISTAS, e o mundo masculinizado que rebaixa as mulheres, por isso há o dia da mulher. (considerações similares aqui: http://ashikodi.blogspot.com/2009/02/white-pride-reloaded.html).


Porém, a maneira como vocês a posição parece-me um tanto “extremista”(?).

lola aronovich disse...

Meu deus, Penta, como vc fala besteira! E ainda fala besteira com ar de autoridade! O pior tipo. Já passa da uma da manhã e não tenho tempo de responder às muitas bobagens que vc diz. Espero que alguma leitora seja paciente. Não espere vir aqui, falar o que vc quiser, e exigir ser respeitado. Falando o que quer, corre-se o risco de ouvir o que não quer.

Pentacúspide disse...

LUISA TERESA: Um dos grandes problemas que eu vejo nessas criaturas machistas, ou até em "pessoas tentando manter a mente aberta", é que o feminismo é visto como essa grande dicotomia homens versus mulheres, mulher=bom e homem=ruim...

Não vejo como não concordar quando falas de movimentos dicotómicos, porém não parece que apenas homens estabelecem essa comparação.

Se notares bem, machistas, simpatizantes e inquiridores não falaram que mulher=mal (embora eu já o tenha dito algumas vezes numa guerra de sexo, ou quando sou lixado por uma de vocês), mas ficaram chocados com os MACHISTAS. As únicas que atacaram o género masculino... bem, como disse "únicas", ficou resumido.

Sabes, o Direitos Humanos era chamados Diereito de Homens, até feministas terem reclamado e perguntado por que não Direito de Mulheres?

Ouvi falar de um grupo de feministas que queriam que a história de chama-se "HERstory", em vez de "HIStory", sem pensarem na origem latina da palavra. Exagero como este é que desfigura o feminismo, é como se se quisesse proceder simplesmente a mudança do "macho alfa", mas para uma mulher.

Pentacúspide disse...

Estou com insónia Lola, aqui já são cinco da manhã.

Estou aqui para aprender, não significando por isso que não vá expressar as minhas opiniões para poder poli-las.

Por não concordares com o que disses, para ti soa a besteira; se for essa a definição de besteira, então estamos no mesmo pé, pois o que eu contestei de ti pareceu-me besteira.

Isso quer dizer que não me é permitido mais comentar "besteiras"?

E, a sério, soo como uma autoridade? Uau!

aiaiai disse...

lolinha, agora vc vai para o tuiter: faça um avatar com as imagens lindas que o pessoal está criando. veja no abundacanalha:

http://abundacanalha.blogspot.com/

Carlinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlinha disse...

Penta,

Pq vc não vai encher o saco dos blogs de Portugal, hein?

Já bastam os machistas brasileiros e ainda vem vc, há mais de um oceano de distância, torrar nossa paciência.

Afff...

Carlinha disse...

Penta,

Leia um pouco mais sobre feminismo, antes de criticá-lo.

Vc está confundindo femismo com feminismo, criatura!

Fernanda disse...

Pois é, gente. Acho que devemos ter mais paciência com o Penta. Ele está falando do que conhece, do que escutou. Quer melhor oportunidade do que essa? Se ele realmente tiver disposto a ouvir e a aprender, quem sabe não desenvolva uma visão mais crítica e embasada sobre os assuntos dos quais estamos tratando?

Luisa Teresa disse...

Penta, quando você diz
"Se notares bem, machistas, simpatizantes e inquiridores não falaram que mulher=mal (embora eu já o tenha dito algumas vezes numa guerra de sexo, ou quando sou lixado por uma de vocês), mas ficaram chocados com os MACHISTAS. As únicas que atacaram o género masculino... bem, como disse "únicas", ficou resumido. "

está se esquecendo do próprio post da Lola - não estavam justamente falando dos "manginas" e "machos beta"...? E isso não são homens falando mal de homens?

O movimento das mulheres na história (querido, elas fizeram um trocadilho para evidenciar o quanto a história é vista apenas do ponto de vista masculino, não dá pra tirar uma licença poética da etimologia?), é a velha questão da ação afirmativa: existem várias formas de promover a igualdade. Uma é declarando a igualdade formal e fechando os olhos para a realidade, e a outra é encarando de frente as desigualdades, agindo para que elas diminuam. Esse movimento das mulheres na história, procurando fazer uma "história das mulheres", é justamente evidenciar o quanto a "história oficial", pretensamente neutra, é permeada por uma visão exclusivamente masculina, e da necessidade de uma inversão desse quadro.
Elas não estão propondo que, a partir do dia de hoje, os homens sejam todos apagados da história, que vire uma "herstory" em vez de "history", mas sim admitir que aquela feita até então é sim, exclusivista, e que algo precisa ser feito.

Ah sim, e outra coisa - "uma de vocês?" Nós quem? A Organização das Mulheres Revoltadas que São Contra Você? Procurei ao máximo, no que falei até agora, considerá-lo como um indivíduo pensante, com algumas noções um pouco distorcidas, mas disposto ao diálogo. Veja bem, um indivíduo, e não uma vaga ideia de "vocês".

Se algumas feministas atacam os homens, é quando eles apresentam comportamentos ou seguem linhas discursivas que elas consideram coniventes com o machismo - se fosse uma mulher aqui dizendo
"ai, suas feias mal-comidas, bom mesmo é ficar em casa, sem trabalhar, e vocês feministas tiraram isso de mim", você acha que não haverão reações contrárias veementes?

Luisa Teresa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luisandro disse...

nao sei o que é pior, esses reaças ou sites bobos tipo 'papo de homem'. Certos atitudes masculinas são sim naturais e instintivas, só que ao contrario dos animais nós temos códigos morais e penais e principalmente 'consciência' dos nossos atos. O fato do homem por natureza ser propenso a ter varias parceiras não quer dizer que do ponto de vista moral isso seja aceitável. Negar a natureza não faz ela desaparecer.

Pentacúspide disse...

Cara Luísa, eu tenho escrito MACHISTA e machista, considerando que o primeiro são os parvalhões referidos pelo post, e o segundo homens educados com atitudes protectoes e "cavalherescas"(?) diante de mulheres.

E quando disse "uma de vocês", bem confesso, devia ter usado outra expressão, porque esta ficou dúbia, porém queria simplesmente dizer "uma mulher".
Eu acredito e não acredito na acção afirmativa; acredito que sem ela as coisas podiam ser pior, e não acredito que ela realmente apaga as diferenças em vez de realçá-las. Há uma entrevista de Noam Chomski muito boa que descobri no blog de uma comentadora aqui, mas que agora não sei redeccionar, porém podes encontrá-la neste site (http://resistir.info/eua/entrevista_chomsky.html). Não digo que o que ele diz seja uma verdade absoluta, mas pelo menos concordo com ele.

E, as recções que eu critiquei aqui não são do tipo: "eu sou mulher, posso e devo" ou "não falem mal porque não me são superiores", mas dim do género "os homens é que são a causa primeira do mal, e são 'apenas' eles que promovem todo o mal contra a mulher. Soa-me ao mesmo que alguns militante dos Black Panthers que na sua luta contra o racismo incitavam o ódio à cor branca.

Ah, aproveito já para pedir desculpas ao Lord; embora eu tivesse sido indecoroso, mostrou-se superior e não rechaçou no mesmo tom.

Ághata disse...

Gente, femismo Não existe!

Não é uma questão de 'pobrezinhas'. É uma realidade.
Quando as mulheres aliciam outras no tráfico sexual, em geral, é porque ambas são prostitutas. Quando o tráfico sexual é Forçado Mesmo quem pratica são homens. Tanto que em qualquer campanha, panfleto ou palestra para mulheres para se protegerem contra o tráfico sexual é "estranhe propostas de casamento do nada para ir pro exterior", "não aceite trabalho no exterior sem tal e tal documento"... E os conselhos são voltados a tomar cuidado com homens mesmo.

Sinto muito que isso lhe revolte, mas é a realidade. Triste, né?

Agora, se quer falar de exceções, tudo bem, podemos mencionar o caso daquela dona de salão de cabelo russa (acho que era isso) que rendeu o assaltante que invadiu o salão, confinou ele por lá durante três dias e o violentou sexualmente e fraturou o órgão sexual dele.
É uma história horrorosa, mas é uma exceção. Ninguém vai justificar a ação desta mulher, ninguém vai dizer que ele 'pediu', 'provocou' ou 'propiciou' a violência.

Agora, se eu vou trabalhar com uma lei, com uma ação pública, ou copisa do gênero, não dá para me guiar pela exceção - por mais que se reconheça a violência, a brutalidade e a necessidade de impossibilitar até mesmo as violências excepcionais.

Não sei qual foi a do troço massivo aê.

Dizer que alguém é 'Extremista' é sua opinião e não serve de argumento algum, por minha vez, poderia dizer que você é 'simplista' e suas ideias não passam de senso comum de pessoas leigas que nuna estudaram tráfico de pessoas (uma reportagem? virou especialista!) ou violência social ou violência de gênero (ou qualquer tipo de violência pelo visto).

Ah, no sem exemplozinho:

Sim, homens podem se reuniar para matar gays - mas é claro que não vão fazer só isso, antes, costumam espancar, torturar e até mesmo violá-lo sexualmente (principalmente se é mulher).
E, sim, vão matar pessoas negras (e violentar mulheres negras).
Agora, com relação a mulheres vai ser diferente porque o tipo de ódio é diferente: se por um lado o hetero branco procura eliminar o gay ou negro, com relação as fêmeas ele procura Subjulgar (não, eu nem queria entrar na parte de distinguir o tipo de ódio pq achei que ia tá meio óbvio) até porque se o ódio à mulher fosse só na base de eliminá-la, a raça humana já teria acabado há muito tempo.
Então, se não pode eliminar, subjulga-se.
Aliás, essa é mais ou menos a mesma lógica com relação ao extermínio de alguns povos antigos.

Pentacúspide disse...

Ágata, vou repetir o que tenho tentado dizer: A VIOLÊNCIA É PRÓPRIO DOS HUMANOS E NÃO EXCLUSIVO DOS HOMENS.

Não tenta me convencer sobre a subjugação das mulheres, porque não cheguei a negá-la. Neguei foi que o homem mata a mulher apenas por esta ser mulher.

Parafraseando não me lembro quem: "O poder corrompe, (...)". O macho abusa porque é quem tem poder, e o poder leva a ideias iguais aos porcos de Orwell: "todos somos iguais, mas alguns são mais iguais que outros".
Muitas mulheres que tiveram poder não foram diferente dos machos, por exemplo, alguém que me disse ter lido a biografia de Catarina, a Grande, falou que ela dormia com mancebos e depois mandava-os matar.
Uma rainha angolana, chamada Ginga (cuja história conheci através de uma pessoa que estava a fazer um documentário sobre ela), também procedia da mesma maneira, tinha quantos homens quisesse e mandava matar que não lhe agradasse.

Não me digas que estou a falar outra vez de excepções, por serem duas mulheres num conjunto sempre dominado por homens. Pois o que quero dizer é: A VIOLÊNCIA É PRÓPRIO DOS HUMANOS E NÃO EXCLUSIVO DOS HOMENS.

L. Archilla disse...

O homem realmente não mata a mulher apenas por ser mulher. Mata porque ela queimou o feijão, porque ela olhou pra outro cara, porque quis terminar o relacionamento, porque pediu pensão pros filhos. Ou seja, dá na mesma.

E esse negócio de que mulheres agiriam da mesma maneira se estivessem no poder é tão relevante quanto saber que negros já escravizaram outros povos em alguns contextos que não têm nada a ver com o nosso.

Pentacúspide disse...

Lololol! Essa foi boa, Archilla. O primeiro parágrafo; vou copiar a frase.

Mas continuo a insistir: não se mata por se ser homem, mas por se ser psicopata ou qualquer outra coisa que não sei como os psicólogos o nomeiam.

E também não disse que a mulher no poder faria a mesma coisa, eu disse que mulheres no poder fizeram a mesma coisa. Tudo depende sempre de quem for o homem ou a mulher.

Amer H. disse...

Hey Lola, como está você? Conheci seu blog via Twitter e bem, gostaria de compartilhar algumas impressões que tenho.

Acredito que o problema não são as feministas em sua totalidade, mas AQUELAS que trazem má fama ao grupo.

Você sabe, aquela que prega que TODO O MAL DO MUNDO é culpa dos homens, que todo homem espanca a mulher, que todo homem abandona os filhos, que todo homem é canalha e quer oprimir a mulher... e por aí vai.

Eu sou homem e tenho uma opinião bem diferente de meu papel na sociedade: como homem eu devo ser leal aos meus princípios, leal aos meus amigos, ter valores morais bem definidos, defender aqueles que não podem fazer isso por si mesmos e ser gentil e decente com todos ao meu redor, sejam homens, mulheres, idosos ou crianças.

Sinceramente, me chateio em ver que muitas mulheres erguem essa bandeira do HOMEM NENHUM PRESTA, quando existem tantos que se esforçam pra serem pessoas decentes.

Entendo que algumas mulheres passaram por traumas terríveis nas mãos de homens, mas vejam só, todo mundo já passou por um trauma na vida. Você pode usar isso pra se aperfeiçoar como pessoa ou se lamentar e declarar guerra contra um inimigo que nem existe pelo resto da vida.

Sim, mulheres passam por muitas barras na vida, mas todos passamos, é a condição humana. Mas atribuir um peso maior ao seu sofrimento baseando-se em seu sexo não é uma atitude de quem busca igualdade.

Um dia lí em um artigo aqui, que "um homem é privilegiado por poder sair na rua a noite e correr o risco de apenas ser assaltado".

Ok, estupro é um crime abominável e eu dou graças a Deus que nenhuma mulher de meu convívio passou por isso... mas um comentário desses simplifica demais as coisas e desequilibra demais a balança, não?

Todos tem direito a uma opinião, defenderei isso até o dia de minha morte, mas assim como nem todas as feministas são "lésbicas de ultra esquerda que odeiam homens" nem todos os homens são animais peçonhentos que esperam a primeira oportunidade pra chutar a cabeça de uma mulher.

Agradeço o espaço. Um grande abraço.

Diana disse...

Duas coisas:

1 - a estupidez humana me deprime.

2 - Devo ser mesmo MUITO bondosa, gentil, otimista ou sei lá o que: toda vez que eu ouvia dizer que o pior inimigo da mulher era a mulher eu achava que era porque uma mulher machista é, de certa forma, bem mais danoso a causa do que um homem machista - porque tantas mulheres continuam a validar estas opiniões sexistas e que atrapalham o desenvolvimento de uma sociedade igualitária, através de seu endossamento do comportamento da pior espécie de homem e de seu contato formador gerando mais homens deste tipo.

Esqueci que as pessoas são mega simplistas e querem dizer "porque uma fala mal da outra" - COMO SE HOMEM NÃO FIZESSE ISSO!

Anyway, deprimente, mas excelente post.

Anônimo disse...

Não consigo loggar, mas aqui é o Penta, o pentalho Pentacúspide a apentalhar:



Fiquei bastante indignado quando descobri que existem penitenciárias femininas. Porra!, porque raio encarceram almas tão queridas como mulheres, ainda por cima, inocentes, o que se via nas acusações:

- mulher castra o marido, não apenas porque este tem pénis, mas ao mando do próprio porque ele andava a meter na empregada.

- mulher contrata criminosos para matar a amante do marido, ao mando deste;

- mulher desfigura o marido com água quente porque este o pediu como incentivo para não chegar bêbado em casa;

- mulher maltrata a própria mãe, vende-lhe a casa e fica-lhe com a reforma ao pedido de um homem qualquer;

Enfim, acusações várias e estúpidas, pois haviam sempre homens atrás de tudo.

lola aronovich disse...

Nossa, quanta besteira, Penta. Vc realmente vem fazendo jus ao apelido. Ninguém negou que existam penitenciárias femininas, ou que mulheres não cometem crimes. Mas, salvo raríssimas exceções, mulheres não estupram e não são pedófilos. Nos casos de violência doméstica, também existe muita mulher que apela pra violência e bate no marido. Acontece que muito raramente um homem vai parar numa cadeira de rodas ou num caixão por causa dessas agressões, o que não é nada incomum quando a vítima é mulher. Mas, já que vc falou em penitenciária, saiba que a enorme maioria das mulheres presas está lá por tráfico de drogas. Tem várias por furto tb. Por homicício, é bem difícil. Quando eu tinha 17 ou 18 anos, por aí, eu visitei a ala feminina do Carandiru para fazer uma reportagem pro jornal da escola. Entrevistei três mulheres, todas negras e muito pobres. As três já estavam presas há anos e ainda iriam ficar presas por muito mais tempo. E elas haviam sido condenadas por assassinato. Haviam assassinado seus maridos. A história das três era parecida, quase idêntica: o marido batia nelas, havia ameaçado matá-las (tinham marcas de espancamento pra provar), espancava as crianças. Não eram assassinatos premediados, era coisa como matar com o ferro de passar roupa, sabe? Elas pareciam arrependidas, mas totalmente conformadas com a situação. Não quero justificar a violência, só conheci o lado delas, não sou um júri, mas me deu a impressão que, se essas mulheres não fossem negras e pobres, teriam alegado legítima defesa e não estariam presas.

L. Archilla disse...

"Mas continuo a insistir: não se mata por se ser homem, mas por se ser psicopata ou qualquer outra coisa que não sei como os psicólogos o nomeiam."

Se se matasse apenas por sociopatia ou problema mental a gente viveria muito feliz, porque a parcela de pessoas portadoras de transtorno mental que matam é ínfima se comparada a assassinos em geral.

"E também não disse que a mulher no poder faria a mesma coisa, eu disse que mulheres no poder fizeram a mesma coisa."

Sim, as exceções, das quais já falaram aí. A cabeleireira russa, a Lorena não sei o quê, que cortou o pau do cara fora nos anos 80 ou 90,etc. É tão absurdo que, quando acontece, essas mulheres ganham fama mundial...

lola aronovich disse...

Amer H, sua mensagem é interessante. Quer dizer, ela é recorrente, mas vc foi educado, então vou respondê-la num post. Aguarde.


A L. Archilla é psicóloga, Penta, ela sabe do que fala. De fato, é ridículo achar que só psicopata mata. Ou que só homens com “transtornos libidinosos” (ou sei lá o termo que vc inventou) estupram. Seria ótimo se fosse assim. Aí não teríamos uma estatística tão assustadora como quase 30% das mulheres ter sido estuprada ou abusada sexualmente.

aiaiai disse...

eu vou aguardar ansiosa esse seu post resposta ao hammer, lola. Porque eu já tentei explicar montes de vezes para pessoas que tem o mesmo discurso dele e não consegui. Eles acham que é todo mundo igual e ponto...

mas sei que vc vai conseguir!!!!

Pentacúspide disse...

Lola, mesmo que fossem 10% as mulheres violadas já era um número assustador. Mas apresenta-me uma estatística que diga que 55% dos homens já violaram e eu dou-te razão em como os homens são violadores.

Eu não sou psicólogo, e li o perfil da Archila, mas se notares bem eu acrescentei "ou lá qualquer coisa como os psicólogos o chamam"; e quando eu falei aquele negócio de "libidinoso" diz-me que não percebeste a mensagem.

Mas, ok!, agora sei que o homícidio (ou devia dizer humanocídio?) não é exclusivo do psicopatas, e isso quer dizer o quê?, que é um característica inerente ao cromossoma Y?

E, pelo amor de deus, pára de chamar nome a quem não concorde contigo.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Lola, que bom que vc vai fazer um post sobre isso, sobre os comentários do Amber. Gostaria muito de ver um post seu sobre isso, essa idéia que muita gente tem que quem é feminista, militante ou não, enxerga todos os homens como inimigos ou não gosta de homens, ou é lésbica (não que isso queira dizer que lésbicas não gostam de homens. Elas só não gostam deles sexualmente falando; mas parece que muita gente tem essa idéia que elas são homossexuais por isso). Gostaria até de saber se você acha que essa má impressão que muita gente tem de feminismo, se dá devido a alguns discursos ou frases isoladas do feminismo mais radical ou separatista ou por causa do backlash, da mídia, do senso comum, ou qualquer outro motivo.

Bjus.

Anônimo disse...

(Vou juntar meu comentário do post sobre a playboy com o assunto desse, haha)

Sabe, Lolinha. Meu futuro maridão trabalha numa loja que entre várias coisas vende revistas. E a nova playboy era MUITO esperada. Ele me contou, meio achando que tinha feito algo errado, que, enquanto todos pareciam muito interessados, ele voltou ao trabalho dizendo que "não era grande coisa".
Ele me adicionou, meio preocupado, sobre o fato de que vários dos colegas dele terem namoradas e esposas muito mais atraentes que a moça da capa, "mas nenhum deles parece dar o verdadeiro valor". Fico pensando no quanto esse status-quo da objetificação faz mal também pras relações homem-mulher. Quero dizer, se você tem, você quer o que o outro tem, como um brinquedo ou sei lá, um carro. Ou ao menos precisa fingir isso.
Ah, Lolinha... Mas se eu faço meu maridinho ver que ele é um feminista ele fica bravo! "Eu não tenho religião, alinhamento político nem nada assim, por que eu me entitularia desse jeito?"

carlos disse...

(nao acentuado propositalmente)
Boa noite a todas(os)

Permitam-me escrever neste blog pela primeira vez.
O link do machao e:
http://roissy.wordpress.com/2009/04/03/march-2009-beta-of-the-month/

Realmente trata-se de um troglodita de primeira.
Nesta questao em especial ele aponta para a patetica situacao de uma feminista que contraria tudo que disse anteriormente e se casa, e fica fazendo mil e uma racionalizacoes para justificar o vestido de noiva,a cerimonia etc.
O casamento e algo muito pessoal, acho eu, e fazia a moca (feminista ou nao) em questao melhor ficando calada.
Mas, olha, o cara pode ser um bocal, mas e engracado pra caramba!
Este site e entre humoristico (um humor meio negro, sem duvida) e radical , passando pelo debochado.
Mas ja vi alguns mais serios que levantam questoes que acho pertinentes. Por exemplo:
- Porque uma mulher que trabalha, independente, deve receber pensao apos uma separacao, e nao ha movimento feminista que discuta isso%%
- Porque e tao dificil para um homem obter a guarda dos filhos%%
- Porque mulheres que decidem assumir o papel ¨tradicional¨ de cuidar dos filhos e da casa sao vistas como submisas e seus maridos como opressores%%
Eu particularmente estou vivendo a ultima situacao: minha esposa, que ja foi diretora de escola e workahlic, decidiu parar com tudo para curtir a gravidez, e ter o direito de enjoar e sentir sono, etc.
Para sorte dela fui criado por um pai e mae (feminista) que me ensinaram, conscientemente ou nao, que o homem e o provedor ¨titular¨. Pelo menos enquanto a medicina nao descobrir uma maneira de o homem gestar um bebe. Isso nao quer dizer que nao a respeite ou que a oprima.
Acho que existe uma grande subversao de valores. Outro exemplo que posso dar e o de uma mulher da classe media que propaga aos 4 ventos que ¨nao sabe nem fritar um ovo¨ Muito chique, mas passando um atestado de debilidade mental, provavelmente para evitar a situacao de ser mandado para a cozinha. Eu sou homem, assumidamente ¨machista¨ em muitas questoes, mas pelo amor de Deus, saber cozinhar e um ato de sobrevivencia!
Enfim, acho que homens e mulheres sao diferentes e e isso que torna interessante a relacao.
Com relacao ao feminismo, acho que vem sendo massacrado pela constante exposicao na midia de figuras femininas extreamente sexualizadas e vulgarizadas.
Respeito o blog, e respeito o preparo intelectual das pessoas que aqui escrevem, mas se ha homens que elegem o feminismo o inimigo numero 1, o feminismo deveria eleger a midia como seu inimigo numero 1. Se nao acreditam, assistam videos de lady Gaga, Beyonce e me digam se e isso que as feministas almejaram quando o movimento surgiu.
Saudacoes!

coisas do cotidiano, ou não... disse...

Concordo com Carlos a questão da mídia ser o inimigo nº1. Ora, não há um dia que não se ligue a TV e não veja esses reality shows e não apareça mulheres mostrando a bunda, ou no orkut, meninas de 15 anos tirando fotos nuas pra ver se um dia a "playboy" as contrata, e terem comentários: humm, essa eu como, e depois serem sustendadas por ricassos.E também que muitos homens são iguais essas mulheres que acabei de citar: ficam o dia em academia tentando inchar seus músculos para pegar justamente essas que eu supracitei. É verdade que não podemos generalisar nada, porém, vale ressaltar que, independente do jeito que o homem seja (fútil, ignorante, preconceituoso, etc...) sempre teve e têm seus direitos garantidos pela lei e sociedade. Então não é porque a mulher é também fútil, ignorante, preconceituosa, etc. é que não vai ter seus direitos garantidos.
Essa questão que alguns homens citaram, de que o homem não suporta ficar sem um emprego etc. pois digo-lhes: isso não é de toda verdade. Tenho um tio, de 33 anos, com cinco muleques, e quem trabalha é minha tia: ele fica cuidando dos filhos e da casa... e adora fazer isso, ele odeia trabalhar fora. é vagabundo? não, pois cuidar de casa e filho é tão cansativo quanto. minha tia acha ruim? não. Meu namorado quando ficou desempregado (e ele mora em republica) quem deu o dinheiro pro aluguel e comida fui eu que tinha emprego, isso chama-se cooperação. tenho certeza que ele faria o mesmo.
Logo, penso que nas circunstâncias em que vivemos, tudo é relativo. Achei esse blog em uma comunidade machista do orkut, em que um "amigo" meu me passou: ele tem 30 anos e por ser feio e principalmente chato ao extremo nunca namorou com uma "gostosa" como ele sempre quis, então, ele coloca a culpa de TUDO nas mulheres. É simplesmente ridículo.

Marcio Baião disse...

Antes eu orava pedindo ao bom deus que xotas nunca aprendessem a falar...

A partir de agora eu tb oro pra que elas nunca aprendam a digitar...

forte abraço!

ammanda67 disse...

Já li o conteúdo de alguns blogs e comunidades masculinistas do orkut, e noto pelos comentários que as idéias partem de homens extremamente amargurados com sua "vida sentimental" e até mesmo profissional, culpam as mulheres por suas desventuras.
São muito imaturos. Não conheço uma pessoa independentemente do sexo que não tenham sofrido uma desilusão amorosa, a pessoa tem que saber dar a volta por cima, mas eles são uns frustados e culpam o feminismo por suas desilusões com as mulheres...lamentável.

Anônimo disse...

Iniciei um blog recentemente, desmascarando o feminismo e o comportamento deplorável da mulher moderna.

http://papodecidadao.blogspot.com/

Anônimo disse...

Comentem sobre a RM aqueles machinazistas

RH disse...

Vocês são o extremo oposto dessas caras do post.

Dois extremos nocivos.

E como eles, acham que estão certas.

O feminismo deixou de ser feminismo tem muito tempo.

Briguem a vontade, crianças. As coisas só vão se resolver quando não existir mais humanos.

Hayashi disse...

Francamente eu acho que é um asunto que tem que ser levado mais á sério pelo movimento feministas...porque é dele que saem os wellintons da vida.Está longe de ser imaturidade,ódio contra homens é repudiado,ódio contra mulher pode? é "imaturidade'?

E mais: a falta de um feminismo que exige punição pra crueldades machistas é que está propiciando que estas atrocidades se proliferem.A gente sempre fica naquela de "querer entender" e "ter pena dos machinhos ignorantes e infantis" enquanto eles estão por aí nos xingando,nos violentando,nos matando.

rodrigo disse...

Ola Lola tudo bem...?
Não va perder seu tempo com esses doentes, porque quanto mais você der moral e aumentar a historia mas eles irao inflar e falar asneiras e espalhar o ódio dos coraçoezinhos machucadinhos dos bebezinhos medrosos que eles são.
Eu como homem, não quero amordaçar minha companheira, não quero lhe castrar na sua individualidade e muito menos puni-la por não fazer isso por mim... muito pelo contrario eu a quero do meu lado , companheira e amiga em todos os momentos.
Mas na ótica deles isso é ser "mangina" seja la isso o que for,ser beta , fraco...quando na verdade isso é companheirismo e respeito coisa que eles não sabem o real sentido por que nunca compartilharam disso e pelo visto nunca mas nunca mesmo sentiram isso na vida.
O blog esta otimo nem escrito parabens.