sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

ODEIO BRASILEIROS QUE ODEIAM O BRASIL

Comentário anônimo deixado no Estadão sobre o caso da brasileira agredida por skinheads na Suíça:
Que imagem vai pro buraco? A nossa imagem se encontra no buraco há pelo menos 200 anos, isso aqui já era, De Gaulle na década de 60 já dizia que esse lixo chamado Brasil não era um país sério. A atitude dessa medonha e da familia dela só vem ratificar. Esqueça imagem de brasileiro lá fora, somos a escória do mundo. E ainda vem o pateta mor da nação falar que o país é respeitado, COISA NENHUMA, o mundo respeita as riquezas naturais, pois o povo não vale nada, vejam, temos toda a matéria prima disponível por aqui, mas não conseguimos produzir nada de elevado valor...lixo de país.

Você não faz ideia como um comentário desses (é bem o tipo de leitor que escreve pros grandes jornais: ou pra criticar o Lula, ou pra criticar os 84% da população que aprova o Lula) me deixa indignada. Eu não me considero patriota, não caio nessa de achar que tudo que é brasileiro é bom, e só torço pra nossa seleção na Copa do Mundo se ela me inspira confiança. Mas esse oposto, de crer que tudo que vem do Brasil não presta, é simplesmente absurdo. Chamar o próprio país em que se vive de lixo denota uma autoestima baixíssima. E é uma baixa autoestima própria, individual, consigo mesmo, que tem menos a ver com o país e mais com a pessoa.
Não quero repetir o bordão do “ame-o ou deixe-o”. Podemos e devemos criticar o país onde moramos, mas no comentário anônimo (típico dos da Turma do Santiago) não há crítica alguma. Apenas uma “constatação” de que o Brasil é um lixo e de que o povo daqui não vale nada. Não é exatamente uma opinião científica, é? Mas é a mesma opinião de gente que ficou extasiada com a "proposta" do juiz goiano de que os votos dos cidadãos instruídos deveriam valer mais que o dos não-instruídos. Porque isso de que todos são iguais perante à lei é tão século 18, né?
Essas pessoas que dizem essas asneiras têm acesso a jornal e à internet. S
ão classe média. Se odeiam tanto o Brasil e os brasileiros, e se têm recursos para se mudar prum outro país, por que ficar aqui tendo uma existência miserável junto com tanta gente imprestável? Juro, eu poderia morar num outro país, se quisesse. Houve uma época em que eu até tive fantasias com a Austrália. Meu inglês é fluente, eu e o maridão gastamos pouco, poderíamos ser felizes em qualquer lugar. Mas eu gosto muito daqui. Gosto do clima, gosto das pessoas, gosto do custo de vida, gosto da língua, e minha existência aqui é muito boa. Pra quê mudar? Fora isso, eu morei um ano nos EUA, país rico, poderoso, desenvolvido, e vi que eles têm um monte de problemas também. Que aquela ladainha de que “país de primeiro mundo é outra coisa” é isso mesmo, uma ladainha, dita por gente com complexo de inferioridade que provavelmente nunca morou longe daqui.
O anônimo também parece ser ignorante quanto a nossa imagem lá fora. Brasileiro é um dos povos mais bem-vistos do planeta. É só falar que você é do Brasil que o pessoal em geral (descontando-se os skinheads) abre um sorriso. Isso até na Argentina! Mesmo quem não conhece nada daqui automaticamente associa o Brasil com praia, calor, carnaval, futebol e mulheres bonitas. Essa última parte, a de mulheres bonitas, eu não acho positiva, mas já escrevi um artigo chamado “Antes bumbum que cassetete do mundo”. Imagina que maravilha ser associado a um país imperalista que invade territórios e declara guerras o tempo todo, como Israel e os EUA do Bush. Ou alguém falar Bolívia e Colômbia e a primeira coisa que vêm à nossa cabeça é cocaína. Ou falar África do Sul, e a gente só pensar no apartheid. Ou mesmo, no caso da Espanha, associar o país com algo horrendo como touradas. Obviamente que a Espanha é muito mais que touradas, Bolívia e Colômbia são muito mais que a coca, África do Sul é muito mais que apartheid. Assim como o Brasil é muito mais que carnaval e futebol. Mas, se eu tiver que escolher, prefiro que o meu país continue associado a símbolos pacíficos, não a coisas bélicas.
Nos EUA todo mundo pensa que a gente fala espanhol, embora isso tenha mais a ver com a ignorância americana e seu desprezo pelo resto do mundo que com a gente. Mas temos a imagem de pessoas simpáticas e felizes. Não entendo como isso é ruim.
Sei lá, essa turma do “no Brasil nada presta” parece americano de direita torcendo pra que a crise se agrave e que o Obama afunde de vez os EUA pra que os republicanos possam voltar ao poder. Esses se dizem patriotas! Estão torcendo pelo pior cenário possível por amor ao país... Suponho que seja essa a explicação pra esses brasileiros que odeiam o Brasil. Isso ou a eterna sensação de serem tão especiais que foram nascer logo no lugar errado. Deviam ter nascido loirinhos num país que os merece.

84 comentários:

Flávia Durante disse...

hahahahahahah, eu me divirto com essas coisas. isso q é baixa estima!

na verdade ando com saco cheio do brasil, até gostaria de morar fora 1 ano, mas esse tipo de comentário me dá ânsia!!! *rsss

Gustavo C. disse...

Olá.. achei seu blog através do Pensar Enlouquece, e fui longe lendo seus posts anteriores. Visitarei com frequência.

Agora, comentário ao post: penso que o problema não é o brasileiro, o problema é o ser humano. Não importa em que chão ele nasça, qualquer lugar vai ter os bons, os ruins e os piores.

Elaine disse...

Olá!
Não sei, mas eu acho que cada pessoa tem o país que faz por merecer, e é curioso como cada um vê o Brasil com lentes bem pessoais.
Eu não trocaria meu canto por nenhum outro e acho que descer a lenha não é nem mesmo inteligente.
Até porque "mejor lo mallo conocido que lo bueno por conocer"( acho que é assim que se escreve).

Somnia Carvalho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fatimapombophotos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
DIARIOS IONAH disse...

E Israel eh muito mais do que Guerra e Bush d

DIARIOS IONAH disse...

E Israel eh muito mais do que Guerra e Bush dos EUA.....

asnalfa disse...

Eu nao gosto do Brasil... sei que há coisas boas e horriveis em qualquer lugar do planeta. Na minha opiniao eu passaria a gosta desse país se tornassem o alistamento militar e o voto facultativos.....
Além disso, o Lula é eleitoreiro sim.. ta viajando coma Dilmona por aí convencendo os nordestinos.... afinal Lula é pai deles... isso explica o 100% de aprovação do governo dele la... é muito fácil dar esmola. Quero ver mudar a educação desse país, onde é permitido professor ar aula sem ter diploma na disciplina a qua lfoi escolhida...
na minha opiniao Lula é bélico sim, ele é a favor do serviço militar obrigatorio, inclusive tava querrendo tornar o feminino obrigatorio e fazer o dispensados fazerem sreviço social durante um ano mas a proposta foi desonsiderada pela mesa das pessoas q verificam se uma lei pode ou nao ser válida. Nao servi o exercito, mas acho q deveria criarem uma lei fazendo a vasectomia aos dezoito anos em troca de 5 mil reais... eu faria...

cavaca disse...

Eu gostaria de acreditar nisso Lola, de que brasileiro é bem visto em qualquer lugar, que basta falar que é brasileiro que as pessoas logo abrem um sorriso. Eu, por trabalhar em portugal e num restaurante italiano, muitas vezes sou questionado com curiosidade se sou português ou italiano, e quando digo que sou brasileiro recebo um desanimado hãn, com o qual eu respondo com um animado, Lovely country, you should visit! Muitas vezes dizem que eu não tenho cara de brasileiro, e eu digo que isso é que é bom no Brasil, nós temos todas as raças lá e não fazemos guerras.
Tem muito portuga que como brazuca fala muito mal do próprio país (Será que passaram isso pra gente?), mas sempre engradece o País quando o compara com o Brasil. Claro que há exceções, nem todo português tem essa mentalidade, mas seria mais agradavél se não julgassem todos por um.
Eu ainda não compreendo o que acontece com os próprios brasileiros aqui, não se socializam exceto quando vem da mesma região, como se pertencessem a um outro país. Para não falar que os péssimos exemplos não faltam, e isso sim prejudica a imagem do Brasil. Acho que o brasileiro aqui não é o mesmo brasileiro nativo. Isso gera uma imagem não do Brasil como País mas do Brasil como povo. A imagem do Brasil é muito positiva até mesmo aqui, toda a gente adora passar férias no Brasil e gosta tanto que volta e, mesmo que tenha uma idéia negativa dos brasileiros, acaba por conhecer a nossa simpatia e voltam transformados.
Muita gente que conhece bota a mão no peito e revira os olhos suspirando: ah o Brasil! Pois é, que saudades do meu Brasil.

asnalfa disse...

À propósito acho que todo político deveria ter no mínimo ensino médio completo... poxa é necessáio educação pra entender e elaborar leis. Se até gari necessita desse diploma pra fazer concurso público.... Além disso todo candidato político deveria ter idoniedade moral (não pode ser alvo de processo sobre corrupção).

Serge Renine disse...

Aronovich:

Eu li que um brasileiro que estava na Inglaterra, foi ao barbeiro eperguntado da onde era disse que era do Brasil, mas que havia se mudado para lá, para a Inglaterra. O barbeiro disse "você está louco? largar um país maravilhoso como o Brasil e vir pra essa merda nublada de Inglaterra?".

Esse episódio me diz duas coisas:
1) Você tem toda razão quando diz que os estrangeiros adoram o Brasil e isso é bom!

2) Mostra que outros povos também falam mal de seus países de origem, (a grama do vizinho é sempre mais verde) como o brasileiro, e isso também é bom. Antes uma visão crítica, e as vezes ácida demais, do que um ufanismo cego e, portanto, prejudicial, como o do tempo dos militares, ou como as últimas declarações do Lula frente a crise mundial.

Santiago disse...

Desculpe pela minha colocação outro post Asnalfa!

A brincadira não foi boa. Pela sua visão crítica da pra perceber que você não é Analfa...

asnalfa disse...

Obrigado Santiago...
eu tb odeio o Mula!!!!

Ana Paula disse...

Oi Lola

Eu tava sumida dos comentários mas não do blog (continuo abrindo o blog 234 x por dia).

Bom, eu acho que só quem tem experiencia de ter morado pelo menso por um tempo fora do Brasil pode vir falar alguma coisa. Eu sempre quis morar algum tempo fora e agora que to aqui nos EUA e sem persperctiva de voltar a morar no Brasil eu fico triste. Nào é só saudade da familia, da comida que não tem igual, das frutas frescas e com preços razoáveis, doa amigos, da cervejinha gelada (podem me matar mas eu nào gosto destes 4987 tipo de cerveja que tem aqui, gosto mesmo é de cerveja, simples e geladinha).

Minha maior decepção aqui foi como direitos trabalhistas. Aqui o capitalismo é selvagem mesmo. As empresas dão 10 dias uteis de ferias, 5 dias chamados sick days pro caso de vc ficar doente e de 6 a 8 feriados por ano. As férias vc tem como aumentar se ficar trabalhando na mesma empresa por muitos anos. Normalmente pra cada 5 anos trabalhados, vc ganah 5 dias a mais de férias. Algumas empresas dão os dias extra a cada ano trabalhado, mas a maioria faz com que vc trabalhe os 5 anos pra poder tirar os 5 dias extras. Isso de atestado medico pra justificar falta não tem. Se a empresa que vc trabalha for gde (mais de 60 pessoas) vc pode pagar um plano de short term disability que vai pagar uma porcentagem do seu salario (60-80%) até 12 semanas de licensa, conforme o atestado.

Licensa matrnidade então, é quase nula. Empresas com menos de 60 pessoas só precisa dar 6 semanas SEM SALÁRIO!!! Se sua empresa é gde e vc paga o short term disability, aí vc pode ficar até 12 semanas fora MAS, as 2 ou 3 primeiras semanas são as férias onde vc recebe 100% do salario (3 se vc não precisou usar nenhum diazinho dos seus sick days durante a gravidez, o que é quase impossível). Pra parto normal o atestado é de 4 semanas e pra c-section, 6 semamas em que vc vai receber de 60 a 80% do seu salário conforme o plano. As outras semasn vc pode ficar em casa mas sem receber salário.

E que ninguém venha com essa de dizer que no Brasil é que o povo é preguiço, que aqui é que as empresas estão certas. Venha aqui ver quem ta feliz com essa situação. As mulheres principalmente que acabam tendo que parar de trabalhar pra cuidar dos filhos pq empregada e baba sao caríssimas e creche publica nao existe e creche particular é igualmente caro. Aqui é muito comum a mulher, mesmo com diploma, carreira e tudo mais, acabar largando o emprego pra ficar em casa pq é muito caro qq outra opção. E outra coisa, na Europa que é um continente “mais civilizado”os direitos trabalhistas são até melhores que no Brasil. A licensa materninade de 6 meses já existe faz tempo e um amigo meu me falou que em alguns países se a mulher decidir ficar em casa o ano todo, ela pode pois a empresa é obrigada a segurar o emprego (acho até que e a mulher recebe um % do salário, mas não tenho certeza disso).

Fora isso tem a falta do sistema de saúde pública. Pode ser que o SUS seja ruim mas pelo menos existe. Aqui não há opção e pessoas perdem até as casa por casua de dívidas de hospitais. Isso a Lola já falou bastante aqui no blog.
Eu me sinto sim mais segura aqui, mas isso é pq moro numa cidade pequena, muito calma, com baixíssima criminalidade. Se morasse emoutro lugar aqui talvez não me sentisse assim.

O resto que a Lola falou é pura verdade. Sempre abrem um sorriso enorme qdo falo que sou do Brasil. E muitos americanos que conheço aqui falam de cara que tem o sonho de conhecer o Brasil. Nunca ouvi cometários ruins. Às vezes me perguntam se o que acontece filme Cidade de Deus é verdade (mas isso pra vc ver que eles imaginam que pode ser só história de cinema e não saem achando que o Brasil interio é daquelee jeito só pq viram o filme).

Desculpe o tanaho do cometário, mas eu tb odeio brasileiro que odeia o Brasil!!!!!

lola aronovich disse...

Asnalfa, Santiago, a amizade de vcs é algo comovente. Tenho certeza que vcs têm muito em comum. Deve haver alguns detalhezinhos em que vcs divergem, como na ideia do governo pagar pra homem fazer vasectomia (imagino que o Santiago não seja contra a ideia de pobres pararem de se reproduzir, mas dinheiro de contribuinte pagar isso? Tem que capar mesmo!), o apoio ao incesto e à pedofilia, proposta de matar todos os heterossexuais (visões já defendidas pelo Analfa) e, inclusive, ser a favor do casamento gay. Mas a amizade pode prosperar mesmo assim. Por que vcs não se reúnem pra bater papo e tomar cerveja... no blog do Reinaldo Azevedo, por exemplo?

anália disse...

Nossa, Lola!

Gosto muito do Brasil e tb acho detestável o comentário. Mas sinceramente, acho irônico vc falar sobre preconceito quando vc tb é muito preconceituosa: tudo de ruim no país é feito pela classe média, é omissão da classe média, etc, etc...
Bjs,
Anália

asnalfa disse...

Eu odeio os religiosos... eles nao deixam os gays serem felizes. Morte aos religiosos.

asnalfa disse...

Sou contra pedofilia ... acho um crime horrendo... como vc pode pensar isso de mim hein Lola?????
Nao posso falar mau do Lula nao???? Ele é seu Deus??

asnalfa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
asnalfa disse...

Lola... os nosso dirigentes fazem coisa pior com nosso dinheiro... como pagar viagens pra sogra por exemplo para ir pra europa....
acho q era um governador...

lola aronovich disse...

Anália, eu sou classe média, vc também, e imagino que a grande maioria das pessoas que vêem aqui (e que tem internet) seja classe média. Tem uma parte da classe média que é fogo sim. Assim como tem pobre que é igualmente detestável. A mentalidade de algumas pessoas de classe média em países pobres é muito parecida, seja no Brasil, na Venezuela, no Equador, na Argentina... É uma mentalidade de que “o povo” é ruim, burro, analfabeto, preguiçoso, e que só esses “happy few”, esses iluminados da classe média (e não todos - eu, por exemplo, sou burra, por votar no Lula) é que são inteligentes. Por favor, não venha dizer que quando eu falo mal da classe média eu estou falando mal de TODA a classe média. É como dizer que quando condeno o estupro estou condenando todos os homens. Eu acredito na inteligência das minhas leitoras(es). Ter que colocar um adendo do tipo “Não é toda a classe média” ou “Não são todos os homens que são assim” é subestimar a minha inteligência, e a sua.


Ah tá, Analfa, mas um ponto pra fortalecer a sua aliança com o Santiago... Se bem que acho que ele não prega a morte de TODOS os religiosos, apenas dos religiosos de algumas religiões.

Tina Lopes disse...

Em 2008 recebi um professor americano, que veio para um congresso, por uma semana. Em Curitiba, com chuva, hein. E o cara amou, amou o pouco de Brasil que conheceu. Promete voltar sempre que puder, trazer a família etc. Ficou vidrado em saber dos direitos trabalhistas, da existência do SUS (que em tese, é perfeito - dar assistência a qualquer tipo de doença/ vá ter uma doença pré-existente nos EUA pra ver que nem mãe de presidente consegue tratamento), gostou do mercado municipal, da cachaça, dos amigos. Depois veio a cunhada espanhola. Pegou tempo feio e caiu do cavalo com a imagem que tinha de Brasil Tropical. Mas amou e amou o pouco de Brasil que viu [2]. Ambos falam sério que aceitariam ofertas de emprego para mudar pra cá. Eles sabem da pobreza, da violência e tudo, mas viram vantagens no trato pessoal, nas relações de trabalho e sei lá mais no quê. E olha que a cunhada mora em Barcelona, que é meu sonho de consumo turístico. Mas o que eu tenho a dizer mesmo é que conheço alguns radicais do tipo desse anônimo do texto, que xingas e desprezam o Brasil, e quer saber? Eles não pagam impostos.

Srta.T disse...

Todo país, sem exceção, tem seus prós e contras. Dos EUA ao Senegal. E é bem prático jogar a culpa de todos os problemas só no governo.

Assim como não acho que todo norte-americano é um imperialista em potencial, não acho que aqui no Brasil todo mundo seja adepto da lei de Gerson. Quem está aqui e não está satisfeito tem direito (talvez, dever) de criticar, se for com o intuito de apresentar idéias pra melhorar a situação. Ficar na gratuidade é bunda-molice. "Olha mãe, sou reaça!"

Asnalfa, pelos seus comentários imagino que você seja jovem. Dê uma pesquisada sobre o que tem sido feito em favor dos homessexuais. Verá que têm religiões que os acolhem. Que há governantes comprometidos com a sua inclusão. Que existem muitos projetos de leis para protegê-los. Se você quer realmente se comprometer com isso, faça de forma sensata. Esses comentários de "matar religiosos" só te faz perder credibilidade. Radicalismo nunca é bom.

Agora Lola, vou te falar: dei muita risada com "até os argentinos!". Convivo com vááários aqui, e são poucos os que respeitam os brasileiros. A maioria (dos que eu conheço, no ambiente de trabalho) nos acham burros e vagabundos. Eu deixo achando... afinal, também acho que eles são prepotentes, machistas e cortam cabelo no pet shop.

Agora, o que é FATO: argentinos não lavam as mãos após ir ao banheiro. Cuidado ao cumprimentá-los.

asnalfa disse...

Dúvido que há político preocupado com gays... eles falam que são favoraveis ao csamento gay so para cosneguir votos deles... basat olhar pra Marta, Lula e Dilma....
bando de eleitoreiros..
Se querem meu voto mesmo então legalizem já. Agora.
Eu estava vendo na tv no ano passado que tiveram retirar da emenda do projeto sobre a adoção de crianças por homossexuais....
Adivinha quem pediu??? a bancada evangélica....
Na minha opiniao todo religioso deveria ser morto na cadeira elétrica!!!!
Tenho o direito de reclamar dos políticos sim. Sou obrigado a votar.

Srta.T disse...

Repito o que já disse: pesquise. Vai se surpreender.
Ah, e sabia que há vários casos de adoção de filhos por homossexuais? Apesar de não haver lei específica, muitos casais que pediram judicialmente, conseguiram. Há um ramo no Direito que defende a legalização e os direitos das relações homoafetivas. E há religiões sim que aceitam os homossexuais.

asnalfa disse...

Pra quê entrar na Justiça para pedir alguma coisa?? Isso deveria ser garantia constitucional.

olhodopombo disse...

Lola, eh muito simples,
quem não gosta do pais que vive/nasceu,
por que não vai embora procurar aquele pais que acha que eh uma maravilha?
tem tantos paises no planeta Terra, e eh tão simples pegar um avião , navio ou ate carro para se mandar!mas creio que eh melhor ficar se lamuriando do que agir, para estas pessoas, que em geral são infelizes e teem a auto-estima la no chão!

Srta.T disse...

Bom, até os casais heterossexuais têm que fazer um pedido judicial para adoção. Não é como escolher um cachorrinho.

Anônimo disse...

Você odeia brasileiros que odeiam o Brasil, odeia a classe média, odeia os não feministas (porque se a pessoa não for feminista como você automaticamente é machista e misógino), odeia os grandes jornais, odeia quem é de direita... continuo dizendo, você é preconceituosa.... então pára de dizer que a direita é preconceituosa, porque não é mais preconceituosa do que você, e presumo, a esquerda.

Dany Lollipop disse...

Eu tmb não gosto do Brasil.
Tudo da Christian Dior é muito mais caro aqui, além do mais, só em 2009 inaugurou uma exclusive store do Marc Jacobs. Somo mega-atrasados...

Lola, adoro seus textos, acho que temos muito em comum...

Dany Lollipop disse...

Lola

Reservei uma mesa pra gente na Daslu, darling. To loka pra ouvir tudo sobre esse tal de feminismo... eu tmb sou super feminista: adoro uma lingerie ousada e tmb não gosto de ficar em casa.

Nosso encontro vai ser chocrível.
Bjosmeliga

anália disse...

Oi, Lolinha!
Não quero brigar contigo não. Adoro seus posts. Só o que pega é essa história de classe média. Estou cada vez mais defendendo minha classe, rsrsrs! Mas sério, não é questão de vc escrever "não é toda a classe média", de jeito nenhum. O que eu acho mesmo é que vc tem uma visão super distorcida da classe média. Muitos dos comentários que vc traz dizendo ser típicos da classe média transcendem classe econômica. Outro dia mesmo lembrei de vc. Estava na casa de uma amigona minha que é petista roxa. Ela estava inconformada com os comentários da faxineira dela sobre o Renda Mínima: "é coisa de vagabundo! Eu sempre trabalhei a vida toda, etc, etc". A faxineira dela é malufista, pois é, isso ainda existe. Aliás, vejo a maior semelhança entre aquilo que vc condena na classe média e o que os malufistas defendem. Provavelmente deve ser por isso que eu me ofendo tanto. Me sinto confundida com um malufista. Credo!
Bjs,
Anália

Camila disse...

Lola..
primeiramente, quero dar os parabéns pelo seu blog. Cada vez que eu leio suas postagens, fico mais admirada. São muito interessantes, todas elas, parabéns mesmo.
Concordo com vc quando diz que devemos olhar o lado bom do Brasil, ao invés de só criticar e menosprezar nosso país. O Brasil um lugar bom de morar, temos o melhor clima do mundo, não corremos o risco de sermos pegos de surpresa por um tornado.Sem contar que os brasileiros, em geral, são muito receptivos e muito educados.(o que não acontece com muitas pessoas de outros países).

Má disse...

Oi Lola!
Nossa, quando vc fala em classe média o diálogo fica difícil aqui..rsrsrs
Eu particularmente concordo com vc.
O que é difícil de entender é, q quando se critica a classe média não é uma crítica pessoal, ou mesmo uma crítica tipo "classe média é do mal". Eu particularmente (como muitos daqui) vivo quase com todos q são de classe méia. Dentro deles tem os meus amores, meus amigos, minha família e os que detesto. Mas isto tudo não tem nada a ver com as críticas q se possa fazer a esta classe. Pois acredito q a questão, difícil de se perceber é: as críticas são para a classe média "enquanto classe" q vc faz. Daí acho corretíssimo. A questão não me parece ser "Ah, mas existem pessoas boas na classe mádia" "meus pais de clase média batalharam p isso" "eles não estão pensando no mal q irão fazer p humanidade", como vc demonstra muito bem, e mesmo repetiu q não achava necessário todo momento dizer "existe fulano 'como indivíduo' da classe média q é bom", ou no exemplo do machismo "nem todo homem é assim".

Quando entramos neste debate tudo se trava, parece. Pois vc tem q ficar toda hora falando "não é pessoal", não é um ataque nem está dizendo q são ( nós!) bichos papões q querem fazer mal...
Mas, aqui, como vc fala de "nossa" classe, a visão fica bem prejudicada para muitos me parece, pois somos de nós q estamos criticando, e claro q isso é difícil...mas isso é uma pena.
Eu mesma, não acredito q a classe média seja o vilão , mas muitos estereótipos são verdadadeiros, infelizmente, e o privilégio é inegável.
A classe q está realmente mandando e desmandando desumanamente é sem dúvida os q possuem o grande capital. O que também não quer dizer q eles q inventaram isso tudo,,compreende, a questão não é O INDIVÍDUO, mas A CLASSE, q claro, são constituídas de indivíduos, mas não é um ataque pessoal, como é difícil compreender, e vc tenta debater sempre..

Bom, não sei se fui muito clara, mas sempre percebo uma dificuldade nestes diálogos..
Ah, e por falar em classe média, recebi um vídeo no you tube satirizando a nossa classe!rs
não sei colocar aqui mas é só colocar "musica classe média"..

Um abraço!

DIARIOS IONAH disse...

os seres humanos são todos iguais, em todas as classes.

Luma disse...

Eu amo meu país. Aqui tem muitos problemas, mas com certeza é melhor do que morar em um país que vive em guerra, por exemplo.

Eu acho engraçado quando as pessoas reclamam porque tem gente que acha que aqui no Brasil a gente fala espanhol. Se você me perguntar qual língua é falada no Casaquistão ou qual a capital de lá, eu não faço a menor idéia.

E, como eu li uma vez numa coluna, acho que é muito mais legal o Brasil ser conhecido como o país do futebol e do samba do que do pólo e da polca, por exemplo.

Quando eu estava nos Estados Unidos sempre que eu falava que era do Brasil as pessoas sempre falavam coisas boas.

No geral o brasileiro tem uma auto-estima muito baixa. Aqui em Sergipe o pessoal também não gosta do estado onde mora. É difícil você ver alguém falar que tem orgulho de ser sergipano, como um carioca diz que tem orgulho de ser do Rio. Mas o engraçado é que se você reclamar de alguma coisa daqui eles são so primeiros a se ofender.

Lilian disse...

Moro na Itália, e frequentemente ouço as pessoas dizerem: que sonho ter saído daqui! Fico muito irritada. Acho que o maior motivo seja, como você disse, baixa auto-estima, mas também muita falta de conhecimento sobre o Brasil. Esse pessoal assiste Jornal Nacional e sai xingando os conterrâneos. Tem preguiça de procurar o lado positivo das coisas, tem preguiça de aprender. Pra mim isso é preguiça de pensar

Mônica disse...

Meu pai dizia sempre: 'Tutto il mondo è paese' - algo como 'o mundo inteiro é uma roça.' As pessoas estão sempre endeusando/reclamando do lugar onde vivem, ao mesmo tempo em que endeusam/reclamam dos outros lugares, dependendo do humor. Vai entender...

Pra mim, a melhor definição foi dada pelo Tom Jobim. Dizem que, perguntado sobre que diferença via em morar em Nova York e no Rio, ele disse: 'Morar em Nova York é bom, mas é uma merda. Morar no Rio é uma merda, mas é boooom...'.

Abraços carnavalescos

Mônica
Crônicas Urbanas

asnalfa disse...

Pois é... os estrangeiros amam o Brazil..
A Cristina Aguilera perguntou pra reporter: "De qual país vc é?" e ela disse era do Brasil e a cantora afirmou:"Que bom! Meu próximo CD vai ser em espanhol"
Erros acontecem em todos os lugares.

asnalfa disse...

Lolaaaaaaaaaaa

O SERGIO NAIA DO PALACE 2 MORRREUUU

ACABOU DE DAR NO JORNAL NACIONAL!!!!

Princesa disse...

Eu não gosto do Brasil.E acho que é um direito meu não gostar.Nem por isso eu digo que ninguém aqui preste.Eu simplesmente não me identifico com a cultura daqui,o que não quer dizer que eu ache que os EUA ou Israel sejam uma maravilha.pelo contrário,nunca moraria lá.Eu sei que todo país tem problemas.Não são necessariamente os problemas que me incomodam,e sim a forma como o povo lida com os problemas,acho que isso difere sim de país pra país.Quanto a nossa imagem lá fora,não sei se é assim tão boa não...talvez considerem sim o brasileiro simpático e alegre,mas soube que nossa fama de mal-educados tem crescido.
Enfim,o ponto aonde eu queria chegar é que nem todo mundo que não gosta do Brasil é um capitalista preconceituoso,e nem todo mundo por não gostar sai falando que nada aqui presta.Sei que tem muita coisa legal aqui,mas continuo não me identificando,fazer o quê?
E não,eu não tenho baixa auto-estima.
E eu acho o governo Lula bom.

babsiix disse...

Esse negócio de gostar e não gostar do país é meio estranho. Quer dizer, cmo definir isso? Disseram "n me identifico com a cultura daqui". Se isso quer dizer gostar de torrar no sol, ver futebol, gostar de carnaval e samba eu poderia dizer q tb n gosto muito. Mas acho estranho dizer q n gosta do brasil com base nisso. É pq é um conceito tão etéreo, sabe? Como se define isso afinal? Devo fazer uma lista de pros e contras levando em consideração clima, música, costumes, história, qm está no governo e a coluna q tiver mais itens vai me apontar ql direção seguir?

É como eu gostar do disco de um cantor e dizer q amo o cara. Isso n faz sentido algum pra mim.

Santiago disse...

Anônimo; Asnalfa; Princesa. Meus respeitos pessoal!

Viu Lola? Aconteceu. Seu reinado de bobagens preconceituosas dissimuladas de ideologia e apoiada por puxa-sacos acabou. Daqui pra frente: bateu, levou! Chega de falar o que quer em blogs e achar que pode impor suas idéias estúpidas. Quer ter um blog e falar idiotices? Vai ter resposta sempre. Agora não só minha, mas de outrem.

Estou muito contente!

Obs. Tem uma saída: fale de cinema. Tecnicamente você não entende nada da arte, mas, suas crônicas são tão leves e fluidas, que é uma delicia de se ler; mesmo com algumas estarem carregadas do seu feminismo pueril.

Santiago disse...

Correção:

Aonde eu disse "mesmo com algumas estarem carregadas do seu feminismo pueril" deve se ler "mesmo com algumas ESTANDO carregadas do seu feminismo pueril"

D. disse...

Lola, não lembro quem disse que o brasileiro costuma colocar a condição dos habitantes do país que onde vive na terceira pessoa, como se não fosse parte desse todo. Daí surgem frases generalistas como "Só podia ser no Brasil" ou "os brasileiros são pilatras", ditas por brasileiros que se colocam como espectadores da sua realidade ao mesmo tempo em que negam sua própria condição.

Acho que isto tem a ver com a confusão em torno de nossa identidade nacional. A idéia de 'brasileiro' é difusa. Num país diverso e desigual como o nosso, a igualdade não costuma ser vista como um direito à cidadania, já que fomos formados numa cultura de privilégios. Geralmente, se recorre a falsos nivelamentos quando existe uma necessidade de maquiar os conflitos decorrentes da desigualdade. Por exemplo: há vezes em que é conveniente sermos todos miscigenados, assumindo que, assim, ninguém aqui é racista, já que todos possuem sangue sangue negro ou índio, independente do fenótipo.

Mas, o mais comum é ver as pessoas destacando a diferença em relação ao todo, e enaltecendo aquilo que as situa num estrato social mais elevando. Lembro de uma reportagem que li em que um diplomata contava que os brasileiros vão aos seus consulados em outros países reivindicar seus direitos mas, em vez de mencionarem a legislação, preferem recorrer às famosas carteiradas, ao "você sabe quem está falando?". Mesmo quando a lei os beneficia indiscriminadamente, independente de origem, classe ou formação. Sobressai a importância em pontuar a sua distância desse outro Brasil, do qual não participam pois vivem envoltos em bolhas de 'desenvolvimento', nas pequenas ilhas formadas pelas classes média e alta do país. O brasileiro que conjuga o Brasil na terceira pessoa não vive em favelas, não partilha dos problemas decorrentes da pobreza. Enfim...
Ah, Srta. T., apesar desses arrulhos com o Trololó, eu também tenho alguma fé de que ainda haja esperança para o asnalfa. Juro.
Asnalfa, se vc realmente tem as melhores intenções de entender a luta gay e fazer algo concreto em favor da causa, por que não pesquisa um pouco?
Há textos excelentes na própria net, organizações com experiência sólida que você pode visitar, na sua cidade certamente há alguma. Se você está se sentindo sozinho, conhecer pessoas que estavam na mesma condição e conseguiram quebrar o isolamento pode ajudar muito. Discutir políticas de visibilidade pode te trazer muito mais satisfação do que fazer apologia da intolerância. A luta gay não se baseia na intolerância, mas na aceitação. Às vezes não adianta querer que o mundo se curve diante de nossos problemas (que são os maiores nas fronteiras de nossos limites, mas o planeta é grande) sem usar de um pouco de parcimônia e humildade. Eu ainda acredito que, embora tenha exagerado a dose, você sentiu alguma afinidade com as questões feministas postas aqui no blog da Lola. Se está confuso, estude, leia, veja bons filmes e documentários, converse com as pessoas, faça perguntas. Seja mais respeitoso ao indagar e menos imperativo ao demandar aos outros sobre o que devem escrever e o que devem pensar. A ignorância cobra um preço alto, principalmente se nos precipitamos nela. Não importa quão valorosa seja a sua causa. E inicie seu próprio blog! Mesmo que não seja super pop nem um primor, é um exercício de auto-conhecimento e uma excelente forma de conhecer pessoas que partilhem afinidade. assim vc também vai se dar conta das próprias limitações que um blog impõe e cobrará menos dos outros blogueiros. Além do quê, não há blogueiro no mundo que dê conta das próprias pautas e ainda incorpore a quantidade de sugestões que vc manda. Tadinha da Lola. Abraços!

D. disse...

Lola,
eu sempre fico com vergonha do tamanho dos meus comentários. :$. Acho que me empolgo, às vezes. Beijos.

lola aronovich disse...

Não, imagina, D, seus comentários são sempre ótimos, independente do tamanho. Fico feliz quando pessoas inteligentes se empolgam e escrevem comentários longos. O chato é quando vem um comentário longo falando besteira... Concordo com tudo que vc disse, e adorei o comentário da Ana Paula tb. Sinto-me péssima por não poder estar respondendo os comentários, porque tem muita coisa boa por aqui. Vamos ver se daqui a pouco eu consiga voltar ao velho ritmo.
Mas o que queria escrever nesta resposta ao seu coment, D (e ao da Srta T), é que eu também tenho esperança que o Asnalfa possa mudar, crescer. O Santiago eu não tenho nenhuma esperança. Ele não quer mudar, só quer ofender. Ele está numa missão divina pra tirar do ar todos os blogueiros de esquerda. Foi assim que eu conheci: escrevi um coment. no blog do Rafael Galvão. Não tinha nada a ver com política; era sobre crítica de cinema. Aí recebo um email educado do Santiago avisando que o Rafael e os frequentadores do blog dele eram todos petistas, e cuidado com eles, porque assim que eu falasse algo divergente, eles iriam me destratar. Eu respondi agradecendo o aviso, mas disse que eu sabia me cuidar e que, se petista fosse quem vota no PT, mesmo sem ser filiada ao partido, eu também era. Então ele decidiu “supervisar” este blog também. Imagino que ele mande emails advertindo todos os meus novos leitores.
Mas enfim, o Santiago disse que já tem mais de 45 anos. Não sei se ele está mentindo, mas até acredito. Acho que ele está numa idade em que muita gente desiste de mudar, de aprender alguma coisa. Ficam só teimosos, e orgulhosos de sua teimosia. Passam a crer ainda mais no velho “é assim que as coisas são”. Acho muito triste isso, porque sinto que sempre dá pra gente melhorar, independente da idade. Mas percebo que o Asnalfa é um rapaz jovem e muito desorientado. Seria ótimo se vc canalizasse sua revolta para objetivos mais positivos. Primeiro, sugiro que vc mude de nick. “Asnalfa” não é um nick legal. Use seu nome, Alfredo. Ou Alf, sei lá. Depois, melhore sua escrita. Releia o que vc escreve, porque muitas vezes sua escrita é tão quebrada que interfere na comunicação. Também acho que muito do que vc diz é só pra chocar. E fica muito, muito bobo. Não leva a nada. Dizer “morte aos religiosos”, “morte aos heterossexuais”, “incesto é uma coisa boa”, faz com que vc fique desacreditado. Aqui neste blog (feminista, de esquerda), vc vai encontrar muito mais apoio aos direitos dos gays que em blogs de direita. Mas acho que vc deve, sim, ir atrás e aprender com blogs de ativistas gays. Participar dos comentários, levantar questões relevantes. Um blog do qual gosto bastante é o do Vincenzo. Ele é tolerante, ativista e empenhado nas causas.
O que vc ainda não notou, Alfredo, é que eu e muitas das minhas leitoras e leitores lutamos por muitas coisas que vc acredita. Somos pró-direitos iguais pros gays, pró-casamento gay, pró-direito de adoção. Eu sou contra o exército. Se sou pacifista, acho estranho ser a favor de exércitos. Não quero serviço militar obrigatório pra ninguém, gay ou hétero. Não tenho uma opinião formada sobre voto ser facultativo ou obrigatório (já escrevi um pouquinho sobre isso aqui). Acho, sinceramente, que pras sandices que vc dispara, vc vem sendo muito bem tratado por aqui. Tente escrever um décimo do que vc escreveu aqui contra a linha editorial de blogs de direita e veja se eles não te censuram no ato. Aqui não. Pense nisso. Aliás, pense, de maneira geral.

The Crow disse...

Essa Flávia Durante se parece muito com a Lola... Será que são parentes?

The Crow disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
cavaca. disse...

Acho que Asnalfa e Santiago se equivocaram tremendamente. Não sabem dialogar a respeito de uma opinião. E muita gente já passou para outros temas que não interessam.

O Brasil é muito grande, cheio de gente mal educada que não sabe se comportar (Santiago e Asnalfa), mas também repleto de corações quentes como não há em outros lugares. Simplesmente não dá para definir algo tão cheio de nuances. Entendi o que a princesa quis dizer, ter uma vontade de se orgulhar do nosso país mas estar cercado de coisas que não seguem...que não evoluem. Isso frusta. Mas esse sentimento não serve para suportar que outros lugares sejam diferente, Inglatera por exemplo é um péssimo país para viver, especialmente londres, e a fleuma britânica já não está inserida nessa nova geração, que só produz hoolygans.
Parece que tudo se resume a dinheiro no fim, ser de um país rico te faz ser uma pessoa melhor? Originário de um país pobre também é uma pessoa pobre?
Para lutar contra isso acho que cada pessoa tem que fazer a sua parte. Ninguém é melhor do que ninguém por ter nascido aqui e lá ou falar idiomas diferentes. Acho que seriam bom acabar com todos esses rótulos e clichês, parar de se preocupar com a imagem do Brasil para os outros, o que interessa é o Brasil para nós. Nós que somos brazileiros, temos que fazer o melhor para nós e para o nosso país.

letyleal disse...

Adorei o post...aliás adoro todos, comento pouco por falta de vergonha na cara mesmo!!!!

Eu concordo muito com você e acho que não tem como brigar....conheço muitas pessoas saindo do Brasil e por mim tudo bem...melhor que ficar reclamando de coisas idiotas e que pouco tem a ver com o país em si..e sim com a autoimagem de cada um ou com preconceitos arraigados que não vão mudar nunca pelo visto....
Adoro o Brasil, gostaria de viajar mais pra fora do país, mas vou ficar toda orgulhosa toda vez que falar de onde vim...e sim...votei no Lula...podem me mandar pro paredão....mas pra mim faz sentido e olha que já fiz duas faculdades públicas e moro em Brasilia, posso ser considerada instruida e lei muito sobre o governo e conheço propostas e ações...coisas que quem critica deveria conhecer para avaliar....
Mas já cansei de discutir sobre o governo ....a verdade é que com preconceito não tem como discutir...
Bom...vou ficando por aqui e te parabenizando...leio seu blog quase todo dia e sou fã!!!!!

Princesa disse...

Babsiix:
Sei que é difícil de definir,eu não deixo de gostar do nosso país só por não gostar de torrar no sol,de samba,carnaval,etc
Vai além,é mais pelo modo de vida,não sei bem como explicar.É essa coisa de estar sempre sorridente,de se socializar fácil,a importânica grande que as famílias tem aqui,enfim é muita coisa.
Acho que a maioria das pessoas nunca pára pra se perguntar se gosta ou não do lugar onde mora.O que aconteceu foi que eu me perguntei,e apesar de eu não saber 100 % porque,a resposta foi "não".
Nada contra quem responde "sim".
Santiago:Ao contrário de você,eu não vim aqui criar desarmonia.Nem desafiar a Lola.Eu vim debater porque queria mostar um outro ponto de vista.Não acho que a Lola queira impor as idéias dela,muito menos que essas idéias sejam estúpidas.
Repetindo:eu vim porque achei que podia enriquecer o debate.
E outra coisa:não é porque eu discordei da Lola que eu concorde com você ou com o Asnalfa.Portanto,dispenso seus cumprimentos.
Cavaca:Eu não baseio meu conceito de países bons com base na riqueza do país ou no grau de "desenvolvimento",eu simplesmente me identifico mais com umas culturas que com outras.E não acho que as pessoas sejam melhores ou piores porque nascem num canto ou no outro.
Eu acho que a cultura influencia no comportamento das pessoas,não no caráter delas.
E eu acho que faço coisas pra melhorar meu país.Além de eu votar consciente,eu sempre reclamo meus direitos e estímulo os outros a fazerem o mesmo.Sei que não é muito,mas já é alguma coisa.
Bom,é mais ou menos isso,depois eu volto pra falar mais.Boa dia pra todo mundo =]

Sonhar é Preciso disse...

Eu tambem li esse comment!O idiota(ou a idiota) que fez esse comentário "impatriotico", não é nada mais que um covarde. Se ele tivesse coragem, que deixasse pelo menos o nome, o email ou qualquer coisa. Deve ter seus problemas !
Como vc fala, o Brasil é um país muito querido e bem visto la fora. Moro nos States e tenho o maior orgulho de falar que sou brasileira. Aqui as pessoas babam pelo Brasil e pelo povo.
Tenho tanto orgulho de ser brasileira e nordestina, que ando com um adesivo no meu carro que diz "Orgulho de ser nordestino".
Eu amo os States tambem, assim como amo o meu Brasil...Lógico que tem seus problemas, como aqui tambem tem, mas não saio por esse mundao a fora, falando que o país é uma b&^$#.
bjs,

Roberto disse...

Cara Lola,

Entrei no teu blog, inspirado pela lembrança da atriz Franka Potente (ótima, por sinal) no filme Corra, Lola, corra. Gostei deveras. Colaboro no blog do Igor (http://alexeievitchromanov.zip.net). Tomei a liberdade de linkar o teu blog ao nosso.
Quanto ao mérito do post, acho que esses brasileiros que odeiam o Brasil, são parte de uma pseudo-elite do país, cujo maior sonho é rapinar o país (não pagando os impostos) e ir morar num puxadinho em Miami (trabalhando como cleaners, claro)!
É isso aí. A blogosfera é essa imensa teia de informações, contra-informaçãoes e resistência!

Abraços

Roberto Ilia

Leonel P Cordeiro. disse...

Eu também.

Alessandro R. C. disse...

Os EUA tem problemas, o Brasil tem problemas, o Canadá tem problemas, o Azerbaijão tem problemas... Cada país tem seus problemas. O que faz a diferença na felicidade dos moradores de cada país é a capacidade de suportar/ignorar esses problemas.

Anônimo disse...

respeito seu ponto de vista.

Mais realmente só há recursos naturais no brasil.
De resto não encontro nada de mais.
Temos um presidente ridiculo, um governo corrupto, não temos segurança, a classe média é esmagada com impostos, o sistema de saúde é precário, as leis são patéticas,a diferença de renda entre classes é colossal, nossa sistema de educação é pobre, entre outras coisas mais

sinto muito mais não vou viver 350 anos para ver o brasil mudar por que ainda vivemos na idade média.

Se o brasil fosse bom não era do terceiro mundo.

As pessoas do brasil deveriam conhecer como é viver num pais de 1 mundo.

Mudei pra londres e fico feliz de ver as pessoas se respeitando, posso abrir meu laptop 3 horas da manha num ponto de onibus da lado de 3 pessoas mal encaradas.

Eu lamento que as pessoas gostam desse esgoto, no qual sempre o mais esperto é o mais admirado

Anônimo disse...

respeito seu ponto de vista.

Mais realmente só há recursos naturais no brasil.
De resto não encontro nada de mais.
Temos um presidente ridiculo, um governo corrupto, não temos segurança, a classe média é esmagada com impostos, o sistema de saúde é precário, as leis são patéticas,a diferença de renda entre classes é colossal, nossa sistema de educação é pobre, entre outras coisas mais

sinto muito mais não vou viver 350 anos para ver o brasil mudar por que ainda vivemos na idade média.

Se o brasil fosse bom não era do terceiro mundo.

As pessoas do brasil deveriam conhecer como é viver num pais de 1 mundo.

Mudei pra londres e fico feliz de ver as pessoas se respeitando, posso abrir meu laptop 3 horas da manha num ponto de onibus da lado de 3 pessoas mal encaradas.

Eu lamento que as pessoas gostam desse esgoto, no qual sempre o mais esperto é o mais admirado

Anônimo disse...

olha

morei nos estados unidos já...

e peloamordedeus, lá é um trilhão de vezes melhor que aqui.

uma das coisas q eu acho completamente ridícula no brasil é o povo brasileiro, eu acho que o país tem um potencial absurdo, mas o povo em si não tem. ñ falo isso por causa do presidente, pq eu mesmo votei no lula! falo pelo povo msm.

lembro de quando eu morei fora, eu ia fazer compras no walmart e invés de pessoas mal encaradas trombando e esbarrando em você sem pedir licença, vc via pessoas que ao olharem pra vc sorriam e te cumprimentavam ou ofereciam-se para ajudar.

brasileiro é uma raça filha da mãe que acha que tem q fazer os outros de trouxa e acabam sendo ridículos! é aquele tipo de pessoa que acha que ao cortar uma fila enorme ele está sendo melhor que os outros e está fazendo os outros de otário.

de resto, eu gosto muito daqui, gosto das musicas, da cultura, da comida. mas, que esse povinho do brasil é uma bosta, isso vc não pode negar!

e eu sei muito bem que existem pessoas aqui no brasil que são diferentes disso! tem gente honesta, gente que realmente faz isso andar pra frente! mas boa parte é o povinho que quer se dar bem!

Eagle English Course disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
kaiq oliver. disse...

Devemos ser a mudança que queremos ver.

- A maioria dos brasileiros querem que com Mágica seja feito o Brasil um 1º mundo. Vocês são ridículos, nasceram para serem escravos, vão lavar prato nos restaurantes dos EUA OU ESPANHA! e são chamados de prostitutas e ladrões, não só quem lava prato mas até o individuo que vai para ser engenheiro ( muito difícil).

- Sou brasileiro com muito orgulho, PATRIOTA até a morte; irei lutar pelo meu pais, sei que ele não é o melhor e nem um dos.
Por isso nossos governantes "alopram" nosso povo, nossa dignidade, pelas pessoas inúteis que adoram EUA! Tenho certeza que 99% desses não tem nenhuma serventia no MEU PAIS.

Carla disse...

Ah, agora entendi o joguinho: só se pode generalizar ao se referir à "classe média"! Aí sim, vc TEM que entender que não se está falando de TODOS, que EXISTEM EXCEÇÕES, não é "nada pessoal", é óbvio!

Agora, AI de você se generalizar a "classe pobre", "povão", "classe C", aí não... Aí vc pisa no calo desses intelectualoides de esquerda, paladinos dos oprimidos!

PATRIOTISMO É UMA MERDA, seja ele de um americano ou de um brasileiro. Ninguém deve se orgulhar do seu país, e sim de pessoas! Quer coisa mais randômica que nascer em um ou outro país? (a não ser que vc seja kardecista).

Você é MUITO preconceituosa com esse discurso de que "odeia brasileiros que odeiam o Brasil".

Eu odeio o Brasil, acho o povo daqui uma merda SIM (você deixa eu generalizar aqui?, ou preciso dizer que há exceções, etc etc, ou SÓ VOCÊ pode fazer isso ao se referir à "burguesia de baixa auto-estima"?)

e mesmo assim eu JAMAIS disse (nem pensei) "eu odeio brasileiros que amam o Brasil!

Odeio os ricos mal-educados que tratam mal seus empregados e furam fila no supermercado chique

Odeio os pobres mal-educados que querem ficar ricos pra maltratar seus empregados e furam fila no supermercado de pobre... e pronto!

Amo os (poucos) ricos que tem respeito pelas outras classes e pessoas e amo os (poucos) pobres que têm educação e respeito pra saber viver em sociedade!

Você, nesse teu post infeliz (já li muitas outras coisas que gostei e concordei), não foi diferente dos outros posts que vc mesma criticou, os de "direita", etc... Mesma coisa, the other way around!

Tô cansada da prepotência dessa categoria recalcada de pessoas -- "intelectuais de esquerda paladinos da verdade suprema"!

sratoz disse...

Eu estava em Londres, comprando mala numa loja perto de Leicester Square. Quando o vendedor viu que eu era brasileiro, abriu um sorriso e disse que tinha viagem marcada para cá no verão (brasileiro), que estava louco para conhecer as fogosas mulheres... Demorou a cair a ficha de que ele falava em turismo sexual. Na hora, não tive a reação que deveria ter tido (censurá-lo severamente), apenas o adverti de que turismo sexual não era algo bem visto no país e que, dependendo do que ele fizesse, poderia estar incorrendo em crime (p.ex. sexo com menor de idade). Saí da loja meio perturbado e lamentando que o Brasil ainda seja percebido como p*teiro... Mas a própria EMBRATUR passou muito tempo enfatizando bunda de mulata como maior atrativo turístico nacional, então a culpa talvez não seja tanto dele quanto nossa.

Wellvis disse...

"O anônimo também parece ser ignorante quanto a nossa imagem lá fora. Brasileiro é um dos povos mais bem-vistos do planeta. É só falar que você é do Brasil que o pessoal em geral (descontando-se os skinheads) abre um sorriso."

Não sei por onde você andou/morou mas na ânsia em defender fervorosamente o seu país (o qual eu tbm faço) deixou a emoção falar mais alto que a razão e meteu os pés pelas mãos.
Nos últimos dez anos eu morei em alguns países da Europa e te digo que a imagem do brasileiro é, de longe, completamente diferente da que você diz. Em Portugal, somos a escória do país: tratam-nos como sub-produto, imigrantes sem dignidade que só servem para duas coisas: trabalho pesado que ninguém quer ou prostituição. Na Itália e Espanha, com menos impacto que em Portugal mas igualmente tratados como "pessoas sem valor". Triste mas é a realidade.
Portanto, cara amiga, sugiro informar-se antes de soltar a verborragia por aqui. Um Abraço.

Anônimo disse...

“ou pra criticar o Lula”

— Percebo que você sempre chama Lula junto com o artigo “O” na frente. Nunca é “Lula”, é sempre “O Lula”. Por que isso?

Ana disse...

Ola, eu concordo com voce tambem odeio brasileiros que falam mal do brasil e que moram fora, sao "desertores" que se acham melhores e especiais por que moram no afamado 1 mundo e que acham que qualidade de vida e consumismo. A primeira qualidade de vida seria ter um bom lugar para morar,(belas paisagens e natureza), boa comida fresca e natural e agua boa para beber, nenhum desses paises de chamado 1 mundo tem, ja morei na Europa e E.U.A e falo de conhecimento, vao sempre depender de nos para as primeiras necessidades essenciais(exportar para eles), por isso estao de olho em nossas terras ferteis, nosso ar e a floresta amazonica, o que me deixa triste e nos brasileiros tratarmos tao bem e entregarmos nossas riquezas a esses e como pagamento temos nossa fama destruida principalmente pelos nossos conterraneos que nao foram suficientes fortes e guerreiros para sobreviver aqui, sao os piores tipos de corruptos que temos que so quer o melhor de todos os lugares, o melhor do Brasil e o melhor que os outros paises possam lhe dar(falsa qualidade de vida) e conseguindo ou nao gospem no prato que comeram e quebram o berco onde nasceram.

Anônimo disse...

O Brasil está muito ruim, cansei desse lixo.

Anônimo disse...

Sou brasileiro da classe média baixa e não tenho condições de sair do Brasil. Desde os 3 anos que digo que um dia vou-me embora daqui, pois desde então eu já não gosto do Brasil, enfim gostei muito do seu texto.

Parabéns :)

Masahito Iwasaki junior disse...

Anônimo, não vai pra outro pais porque não quer. Pegue um carro e vai pro Chile, ou então guarda um dinheirinho, faz uma dívida e some daqui. Lixo de país?, se o Brasil é um lixo você também é um lixo meu caro, e pelo visto sua estima ta abaixo do chão. Vai morar em outro país, não é porque você é um incapaz que temos que ficar aguentando seus mimimis. Vai pra fora abraçar a Somália e não volte mais pra cá, tem muita gente que reclama de barriga cheia e você é uma dessas pessoas, Seu estima tá tão arrasado que você nem se quer tem coragem de postar seu nome.

Masahito Iwasaki junior disse...

Anônimo, se o Brasil é um lixo, você é apenas um lixinho dentro dele, e pelo que vejo sua baixa estima ta abaixo do chão, tanto que nem se quer teve coragem de revelar o nome. Cara, você ta no Brasil porque quer, se estiver insatisfeito, pegue um carro e cruze a fronteira até o Chile, ou então pare de gastar dinheiro com besteiras e economize pra dar o fora daqui, ninguém precisa ouvir seus mimimis só porque você é um incapaz. Você ta reclamando de barriga cheia, mas em fim, saia mundo a fora!!, a Somália estará lhe esperando de braços abertos

Anônimo disse...

Cara, moro em uma cidade extremamente violenta, tiros perto de minha casa são comuns, jamais se pode denunciar um bandido, pois ele rapidamente sai da cadeia e volta para matar sua família, a educação publica é uma porcaria, o transporte publico é lamentável.

Não odeio o Brasil, mas a nossa situação é vergonhosa, somos um dos países mais mal aproveitados da história humana, poderíamos ser tão grandiosos, somos ridículos perto do que poderíamos ser.

Lindimar disse...

Amei, o título já diz tudo...( foi o que digitei no google para achar algo a respeito). Devereia ter Facebook.

Franco Sued disse...

A verdade dói. Não odeio o Brasil e tenho esperança de viver o suficiente para vê-lo se tornar um país de verdade onde os seus filhos tenham reais motivos de orgulho por fazer parte dele. Hoje, infelizmente, temos que ler este tipo de coisa e engolir em seco pois não temos argumentos consistentes para contestar o que é dito sobre nós. Podemos até ter ilhas de qualidade onde uma ou outra mazela não exista mas isto não invalida o resto onde a lista de vícios e problemas conjunturais sempre pode ser ainda maior.

Fernando disse...

Bem, você tem razão, quem odeia o Brasil deve mudar de país, nada mais óbvio. É o que eu vou fazer em 2015.

Anônimo disse...

Antes de começar a descrever os motivos por esta minha opção, gostaria deixar bem claro que tipo de racismo estou me referindo. Não julgo as pessoas pela aparencia, pela cor, pela religião ou por qualquer outra forma. Julgo-as pela cultura e principalmente pelos seus valores.

Não gosto da dita cultura Afro-Brasileira e muito menos considero-a como parte de minha cultura. Não gosto de axé, acho carnaval uma esculhambação e meus ascendentes não vieram da africa. Mas esta cultura insiste em aparecer na mídia dizendo que é a cultura do pais em que nasci e vivo.

A minha cultura não é do "jeitinho brasileiro", é a de estudar e trabalhar. Não é a de dar um jeito e ir levando as coisas... e depois pedir a Deus por uma vida melhor. É a de trabalhar, lutar, se esforçar e crescer. Mas esta cultura do "jeitinho" insiste em dizer que é a minha cultura.

Meus pais trabalham, eu trabalho, meus amigos trabalham. Todos nós nos esforçamos para uma vida melhor. Estudamos para conseguir vagas em faculdade, mas agora os que gostam de levar a vida com o jeitinho terão vagas garantidas na faculdade e sim, tirando as de quem se esforçam. Não me venha dizer que eles também se esforçam! Se eles se esforçam e são tão capazes, porque não disputam as vagas em ingualdade?

No princípio diziam que os consideravam inferiores, uma raça marginalizada, depois vieram com igualdade, somos todos iguais, agora invadem a mídia, com suas idéias de Mãe África, Brasil Pais do Carnaval e de levar a vida no sapatinho. Qual é o proximo passo deles? Dizer que são superiores. Que conquistaram a liberdade (outra falácia) e a darão para todos os brasileiros.

Liberdade para eles é não trabalhar, não ir atras do que quer e dizer que é porque não teve oportunidades? Muitas de nossas famílias tem hoje uma vida melhor porque nossos pais se esforçaram, não ficaram pulando carnaval para trabalhar. Não porque seus pais eram ricos e pagavam tudo, mas porque se esforçaram, não ficaram cantarolando e rebolando, foram trabalhar. Pense consigo, se seu pai ou sua mão tinha algúm carro quando se casaram e qual foi o primeiro emprego deles. Se eles se conformaram com isto ou ficaram reclamando da vida. Mas não, a cultura do jeitinho, do reboladinho, prega que devemos reclamar do governo (sim, eu sei que ele tem muitos defeitos), pedir ajuda a Deus e todos e continuar a levando a vida... levando... levando... um dia ela melhora.

O que mais me irrita é como eles assumem todas as posições da cultura. Músicas diminuindo o valor da mulher, diminuindo o valor do trabalho, diminuindo o valor da família e exaltando que o devemos rebolar, trepar e o resto da vida não importa. Minha cultura prega em divertir se com os amigos, tomar um choppinho, namorar. Não em rebolar, mostrar que é melhor e pegar e comer todas. Se a cultura deles é essa, não me importa, mas parem de dizer que esta é a minha cultura.

Pregamos o trabalho, o estudo e o trabalho, o crescimento na vida. Eles pregam a malandragem, a boa vida. Exaltam os que foram malandros e debocham dos "otários" que trabalham. Vivemos para trabalhar e construir para nós, nossas famílias e nosso mundo. Eles vivem para festar e divertir-se. Na atual circunstancea mundial, onde cada vez o trabalho é mais difícil, é difícil para eles conseguirem emprego e renda, então apelam para o governo, diz que ele não da nada e seus jovens culpam o sistema. Sistema deles, pois ao inves de ficarem dançando e cantando e reclamando dos "playboys", poderiam estar estudando, trabalhando ou simplismente esforçando-se.

E a grande questão é que esta forma de cultura esta influênciando outras, como um cancer que se espalha. Um cancer que vai matando o paciente silenciosamente e quando percebe-se, ele não tem cura. Portanto, lembre-se de onde vieram seus pais, de como eles trabalharam, de como tu trabalhas e estudas e pense se é certo o nosso modo de vida ser influênciado por uma cultura diferente e que no princípio se dizia inferiorizada e que agora quer ser mostrar superior?

Anônimo disse...

Pelo menos aqui no Japão tem bastante preconceito com estrangeiros sim, e principalmente com Brasileiros. Até porque muitos brasileiros aqui fazem muita "merda" acredito que em outros países não deva ser diferente. O próprio povo faz por merecer, parece que isso está na cultura. Sei que não é apenas Brasileiros que cometem crimes em outros países, mas é que realmente é alarmante. É até normal quando te perguntarem e você responder que é Brasileiro eles te olharem meio "torto" . Já me atrapalhou até em relacionamentos. Porém em compensação existem alguns que gostam sim, e isso é super legal. Espero que todos consigam o que desejam. Seja sair do país ou permanecer no mesmo. Obrigado pela atenção.

Anônimo disse...

Sou um consultor de empresas na área de sistemas da qualidade e viajo com frequência. A coisa mais decepcionante que encontro é, sem dúvida nenhuma, a falta de cultura em todos os níveis: engenheiros que mal sabem resolver uma equação, administradores que podem ser classificados como analfabetos funcionais e assim por diante.
Há 50 anos se falava que o Brasil era o país do futuro. Pois bem eu vivi esses 50 anos e está muito pior. Infelizmente eu acredito que não tem remédio (pelo menos para quem gosta de cultura), agora para àqueles com o universo pequenino aqui é um paraíso.
Vagner Diegas

Bruno Borges disse...

Bom, tem o ditado que diz: "os incomodados que se mudem."
Então, eu estou me mudando.
Nunca mais vou por os pés nesse lugar.
Sério.

jonas brothers disse...

gringo falando bem do brasil? claro eles nao moram no país é por isso, depois que voce mora e sabe O LIXO QUE É a coisa aperta.
faco parte de forum de gringos que moram no Brasil, advinhe a parte mais acessada do forum? vent your frustrations, ali eles falam o que mais odeiam do país, é bom entrar lá e parar de se enganarem esse país é uma merda voces sao idiotas ou alienados só podem ser.
gringo vai no brasil pra pegar menor de idade ou pra ir em antro de prostitutas nao tem outro motivo, praia quase todo país tem e sao muito mais seguras e melhores que do Brasil.

Anônimo disse...

O pessoal fala mal do Brasil e idolatra outros países, sem nem ao menos saberem como é o mundo lá fora.

Europa não é aquelas coisas como muitos pensam. Países como Portugal, Espanha, Itália e Grécia são países falidos, decadentes, com altas taxas de desemprego e onde predomina a preguiça, a corrupção e a malandragem. Nesses países o fracasso é tanto que os jovens não estão conseguindo emprego. Na Itália, país fracassado da Europa, os caras com 30, 40 anos moram na casa dos pais com a mãe tratando eles como se fossem criança. Não sabem fazer nada, a não ser fazer pose e contar vantagem. Na Espanha e Grécia o pessoal está passando fome. E em Portugal as pessoas estão até imigrando aqui para o Brasil mendigar emprego.

E os brasileiros descendo o pau no Brasil e puxando o saco desses países fracassados da Europa. Só rindo mesmo.

Anônimo disse...

não é bem assim, tem toda a razão do espirito humano, mas o facto é que nunca estamos satisfeitos e isso estimula o desenvolvimento. quando se só gosta e apenas da atencao ao melhor, estagna!

jonas brothers disse...

Pura mentira tenho varios conhecidos nos EUA e nenhum quer voltar pra o Brasil mane direitos trabalhistas se nao gosta pega o primeiro aviao que osamercianosnaoprecisam de voce pra nada. Odeio mesmo eh brasilwiros safados que vao pra os Eua falar mal deste pais

Anônimo disse...

O seu post ainda é atual. O brasileiro que tem cultura realmente, não fala mal do Brasil. Não faz propaganda negativa de si mesmo, ele é inteligente. E não fala mal dos EUA vivendo nos EUA, isso é deselegante. Ele não grita, não ofende porque o Brasil é uma *, ele entende que país nenhum precisa disto. Ele escreve "como seria melhor se..." Ele pontua com decência, sem vulgaridade, ele discute sem ódios ou despeitos coisas que poderiam ser melhores em qualquer lugar que viva. Ele descreve as dificuldades por que passa. E o brasileiro que tem cultura ouve com dignidade e aceita, que a vida não é perfeita nos EUA, no Brasil ou na Itália, em nenhum lugar do mundo.

Anônimo disse...

Estava lendo os comentários, a imagem do Brasil no exterior não é positiva, é bunda. Eles dizem que é a única coisa que mostramos, mas percebi que não é verdade, antes dos jogos da Copa o Brasil estava mostrando as cidades e a imprensa da Alemanha mostrava reportagem de putaria. Então a insistência na bunda ainda é interesse deles e não do Brasil.