quinta-feira, 1 de setembro de 2011

LETÍCIA E OS MACHISTAS RIDÍCULOS

Eu já estava saindo de casa pra dar aula quando fiquei sabendo de uma fraude que me deixou indignada. E minha revolta continua. Ontem a Rádio Globo — sabe, não uma estaçãozinha qualquer, mas uma que pertence ao maior grupo de mídia do país — entrevistou a Letícia Fernandes, autora do blog Cem Homens em um Ano. Até aí, zuzo bem. Afinal, Letícia, comprovando meus prognósticos (eu sabia que seu blog iria bombar), nos últimos dias conversou com vários grandes portais. Semana passada ela foi entrevistada pelo Globo, e seu blog teve 400 mil acessos num único dia. É algo que parece muito legal, mas não é. Depois eu falo nisso. Mas então. O problema é que a Letícia entrevistada pela Rádio Globo... não era a Letícia. Era uma moça não muito esperta se passando pela Letícia. Na realidade, o problema tampouco é esse. O problema é o machismo explícito do entrevistador. E não só dele. Tive o trabalho de fazer a transcrição da entrevista. É possível também escutá-la aqui, já que a verdadeira Letícia a salvou no seu tumblr.

Antonio Carlos: Vou conversar aqui com uma pessoa que anda causando uma polêmica muito grande. Ela é jornalista – baiana, né? Ela quer transar com cem homens em um ano! Que loucura, né? Bater recorde e se tornar a nova Bruna Surfistinha. É, tem maluco pra tudo, né? Bom, vou ler aqui a notícia pra vocês: a jornalista baiana que atende pelo nome de Letícia Fernandes quer bater um recorde, transar com cem homens em um ano. Segundo ela, que já está sendo chamada de nova Bruna Surfistinha, dois homens com os quais ela já transou brocharam. Mas será que isso é uma brincadeira ou é sério mesmo? Vamos conversar com ela pra saber qual é o objetivo da nossa Letícia Fernandes. Acorda Leticia Fernandes! (Narração: Show do Antonio Carlos! Vamos acordar!) Alô Letícia Fernandes, aqui é o Antonio Carlos da Rádio Globo, bom dia, como é que cê vai? Tudo bem?
Falsa Letícia: Bom dia, Antonio Carlos. Nossa, que coisa boa falar com você, viu?
AC: O prazer é meu. Mas vem cá, isso é verdade mesmo? Cê quer transar com cem homens em um ano?
Falsa Letícia: Pois é... Isso foi uma ideia que surgiu através do meu blog.
AC: Mas por que isso? É pra bater um recorde, entrar no livro dos recordes?
Falsa Letícia: Na realidade, eu assim, andava muito insatisfeita com minhas últimas, é, peripécias sexuais, e aí eu resolvi atingir essa meta. Na realidade eu coloquei numa lista de resolução para o ano de 2011 que eu daria muito.
AC: Ô Letícia, veja bem, a nossa querida Jussara, carioca Juju aqui, ela tá querendo um homem, não consegue um homem pra transar com ela, cê vai conseguir cem homens, cê acha que consegue com facilidade isso, minha amiga?
Falsa Letícia: Ó, olha só, deixa eu lhe falar. A meta é difícil atingir, mas eu já tô indo pruma boa percentagem, né? Já tô no 28.
AC: 28 homens, é? Ora...
Terceira voz (de mulher): Qual é a idade dela?
AC: Qual é a sua idade, Letícia?
Falsa Letícia: Eu tenho trinta.
AC: Trinta anos... Tá tudo no lugar?
Falsa Letícia: Tá tudo no lugar!
Terceira voz: E ela cobra?
AC: Que cobra? E o cara vai pagar pra transar?!
Terceira voz: Faturar um dinheiro.
AC: Não, não, é de graça.
Falsa Letícia: Não, não, não cobro não, isso é uma meta.
AC: E vc transa onde? Na sua casa mesmo?
Falsa Letícia: Olha, depende, né, de onde eu conheço o rapaz, né. Às vezes eu conheço na night, e da night a gente vai prum motel, né.
AC: Mas vem cá, vc chega e, vc que toma a iniciativa? Ô vem cá meu filho, eu queria transar com vc?
Falsa Letícia: Deixa eu te falar. Às vezes eu tenho que dar em cima. Mas eu confesso que na maioria das vezes os caras tão vindo em cima também.
Terceira voz: Mas ô Antônio Carlos, como é que ela vai provar que já deu pra cem?
AC: Tá fotografando, ô Letícia?
Falsa Letícia: Olha, isso eu não vou revelar a fonte não, viu. Mas quem quiser ler mais sobre as minhas transas, né, pode ir lá no meu blog: cem homens ponto com.
AC: Como é que é? Cem homens? (juntos) Cem homens ponto com.
Falsa Letícia: E ali tem tudo escrito. E mais alguma coisa.
AC: E tem o endereço, pra quem quiser transar com você, né, Letícia? A pessoa pode combinar com você pra transar com vc?
Falsa Letícia: Ah, entre no meu blog, e ali tem lá os comentários, pode também deixar o telefone, que eu também vou ligar de volta.
AC: Tá legal. Letícia, que quer transar com... Tem maluco pra tudo, hein? Que loucura! Juju, e vc nenhum, hein?
Falsa Letícia: Juju, vou te mandar uns então. (Risos)

Semana passada a chamada do portal Globo pra matéria referia-se a Letícia como “a nova Bruna Surfistinha”. E agora o apresentador da rádio reforça a ideia. Este é o primeiro ponto machista: Bruna Surfistinha foi (é?) uma garota de programa. Prostitutas fazem sexo em troca de dinheiro. Letícia Fernandes (que obviamente é um pseudônimo, e pra se jogar aos leões dessa forma, só mesmo com pseudônimo) não é prostituta. Sei que é difícil acreditar, mas algumas mulheres gostam de sexo. Algumas até fazem sexo por prazer, sem esperar nenhum bem material em troca. Algumas são livres, não devem satisfação a ninguém, e preferem ter vários parceiros. E agora prepare-se, pois vou fazer uma grande revelação neste espaço: transar não gasta. A vagina é um órgão elástico. Lavou, tá nova. A gente tá no século 21 já? Porque eu consigo conceber esse tipo de mentalidade lá pelos idos de 1850, mas hoje... Seguinte: quando o sexo é consentido, homens têm direito de transar com quem quiserem, quantas vezes quiserem. E é uma grande celebração prum homem contar pros amigos que transou com um monte de mulheres. Quanto maior o número de parceiras, melhor. Mais experiente ele estará (pra quê?), diz a nossa sociedade. Mais másculo. Mais viril. Mais garanhão. A gente quase se sente na obrigação de erguer um monumento pra ele, que ele merece. E ninguém nunca jamais vai perguntar pra ele “Ele cobra?”, ou compará-lo a um garoto de programa.
Aí uma mulher decide fazer algo parecido... e o mundo desaba. Porque mulher não pode, entende? Mulher é mulher, homem é homem, é assim que as coisas são. A gente não fala mais que mulher tem que casar virgem, mas a gente diz que ela tem que “se valorizar”, se “dar o respeito”. Porque entregar sexo assim de bandeja sem cobrar, opa, isso é se desvalorizar! (Se bem que a gente não acha que prostituta se valoriza, acha?). Existe algum termo na nossa língua que elogie uma mulher com vários parceiros sexuais? Não existe. Porque não existe a menor intenção de elogiar uma mulher promíscua (e quantos parceiros são necessários pra ser promíscua?). Mas expressões pra condenar, insultar, apedrejar uma mulher promíscua existem aos montes: piranha, galinha, vagabunda, vadia, biscate, p*ta, prostituta... A lista dá algumas voltas no quarteirão. E volta sempre pro mesmo ponto: mulher, você não tem liberdade pra decidir com quem, quando, onde, com quantos você vai transar. Ou melhor, até tem, mas reserve uma enorme dose de paciência pras "verdades" que vai ouvir dos guardiões da moral e dos bons costumes (que, ironicamente, são os mesmos que mandam um rapaz pra zona se ele ainda for virgem aos 15 anos).
Eu tenho muito nojo desses moralistas de plantão. E desconfio que o apresentador do programa não se acha machista. Dizer “Que loucura! Tem louco pra tudo! Quer bater recorde? Tá tudo no lugar?” não é machismo não, imagina. É só impressão. O pessoal da mídia é tão liberal, né? O público é que é conservador. Aham.
Faz uns dez dias, os mascus abriram um novo perfil no orkut pra mim. Agora tem lá duas Lola Aronovich, ambas com as minhas fotos. Eles estão lá falando besteiras em meu nome. Claro que não gosto, mas haters gonna hate. Trolls são trolls. Mascus são covardes anônimos. Não é o caso de uma Rádio Globo, que ontem trollou a Letícia. Não precisava nem da Letícia Fake falando por ela pra ser ridículo. Bastava o que o apresentador disse da Letícia. Horas depois, a Rádio Globo tirou a entrevista do site e divulgou uma nota absurda, em que basicamente tira o corpo fora. Porque a gente sabe: a mídia não erra, a mídia é enganada. Ser mídia é nunca ter que dizer you're sorry. Eu, que sou uma só e tenho um mero blog, consigo falar com a Letícia hiper facilmente — mando um email, um tweet, uma DM, ou deixo um comentário no seu blog. Não dá pra acreditar que uma estação de rádio seja tão incompetente que não consiga fazer o mesmo.
Não sei se cabe um processo aí. Não sei como funciona. Letícia não é uma pessoa, é um pseudônimo. Pode processar a Globo, que a ridicularizou numa entrevista? Pra isso, ela teria que divulgar seu nome? Olha, ninguém merece. É terrível não ter mais o menor controle do que falam de você, ou por você. Meu bloguinho nunca teve nem terá 400 mil acessos num dia, mas já teve 83 mil (naquela ameaça de processo do Tas). E não é bonito. Você não faz mais nada na vida naquela semana. Você vive só praquilo. E, por mais que você receba muito apoio e carinho, você também ganha toneladas de ofensas. Não é brinquedo.
Apesar de eu divulgar e torcer pelo Cem Homens, não tenho certeza que o que Letícia faz é feminismo. Sei que, com o blog, ela tem descoberto muitas coisas, analisado seus preconceitos, empatizado mais com mulheres e homossexuais. Mas não sei se é feminismo. O que eu sei é que o que andam fazendo com ela é machismo. Eu posso discordar da Letícia em vários pontos. Mas sei disso: pra ser chamada de p*ta, não precisa nem transar. Basta ser mulher. Os machistinhas aí não estão sendo babacas apenas com a Letícia, mas com todas as mulheres que insistem em ter sua liberdade sexual respeitada. E se vocês não sabem, fiquem sabendo: mexeu com uma, mexeu com todas!

149 comentários:

Hamanndah disse...

Que nojeira completa estes machistas rídiculos e seus preconceitos sexuais de vomitar

Lola, este perfil falso no orkut.
Você pode conseguir derrubá-lo, provar que não é você?

P... m....., me dá um ódio tão grande destes masculinistas que fazem fakes falsos.

Nojentos, porcos.

Beijos, Lola

Hamanndah

MARIA, L.P. disse...

Oi Lola, andei leindo o blog da Letícia, e achei bem curioso. Na real, comecei a ler, depois que tu postou sobre ele, que não era para ela se render aos macus e aos trolls.
Confesso, que algumas vezes me senti como ela, não que a minha meta seja tão objetiva quanto a dela, mas no sentido de ouvir das pessoas aqueles papinhos de 'se valorizar', 'manter o respeito', etc...
Concordo que o que a Letícia faz não vem a ser feminismo, mas não deixa de ser ao ponto em que ela é dona do seu corpo, e resolve o que quer da situação. Ou seja, acho que ela tem atitudes feministas, algumas vezes.
Mas como tu disseste, mexeu com uma, mexeu com todas"

denise disse...

Assino em baixo mais uma vez suas palavras Lola, e quanto a Leticia esquece esse bando de trouxas que ficam criticando a atitude dela, o que ela faz da sua vida é problema só dela e de mais ninguem, acho muito legal ela repartir suas experiencias num blog, não consigo ver o mal que essas pessoas tacanhas veem, mas assim é essa vida, tem todos os tipos de pensamentos e atitudes e infelizmente muitas vezes são atitudes como desse panaca da Globo.

cuteatheist disse...

Publiquei meu comentário sobre essa história no meu blog http://cuteatheist.tumblr.com/post/9664428190/quem-e-o-juiz

Taty Valéria disse...

Olha Lola, eu sou super fã da Letícia e do blog.Feminista realmente ela não é, mas como ela mesma diz, a diferença dela pra maioria de nós é que ela escreve um blog. Fiquei enjoada com tanto moralismo, com a falta de profissionalismo e com tamanha imbecilidade do apresentador. Sou jornalista e sei do compromisso que nós dvemos ter com nossas fontes e nossos contatos. Publicar algo mentiroso além de anti-ético é crime. Nunca colocaria meu nome em jogo em nome de uma trapaça dessas (deve ser por isso que continuo pobre, graças a Deus), mas infelizmente, em nosso meio, criar factóides é bem corriqueiro. Só espero que a Letícia não desista de tudo, pq o blog dela é uma diversão.

Bjs Lola!

JOão Pessoa continua a sua espera!

Arlequina disse...

Acho importante cada um deixar sua mensagem de apoio no blog da Letícia. A gente sabe que pra cada rosa que nos jogam, vem 30 pedras logo depois.

Mas são as rosas que nos fazem continuar vivendo.

Relicário disse...

Oi Lola, gosto muitoooo desse seu espaço, mas ao contrário de vc considero que Letícia não contribui em nada com o Feminismo. Não acredito que tornar sua vida sexual pública seja algo muito louvável, não seria para um homem, não é para uma mulher, porque ainda que a vagina seja lavável e elástica, assim como o pênis, eu realmente acreditava que poderíamos buscar igualdade de forma mais inteligente.

Bruno S disse...

A Letícia pode não ser uma militante feminista, mas quando ela foi acossada pelos mesmos inmigos do feminismo(e das mulheres), ela me pareceu reagir a partir do pensamento feminista.

E todo o mérito a ela por ter incomodado tantos babacas ao mesmo tempo.

Se esse tipo de gente não gosta dela, algo de bom ela está fazendo.

Relicário disse...

É nesse ponto vc tem razão Bruno S.

Bruno S disse...

Relicário, acho que a questão não é se é bom ou ruim expor a vida sexual.

O ponto é ela ter o direito de fazê-lo. O direito de falar sobre a vida sexual, de tomar as decisões, sem que ninguém a incomode.

Se ela só falasse da vida sexual não incomodaria tanto. O que incomoda é o fato dela ser dona de sua vida sexual e não abrir mão disso.

Juliana Cal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciana disse...

O pessoal precisa justificar a existência da Letícia a todo custo.
Ela transa porque é puta, porque é carente, pra chamar a atenção, por isso, por aquilo... JAMAIS porque quer... Porque mulher nenhuma faria isso já que as mulheres são todas bichos interesseiros que só fazem sexo por interesse ou obrigação. Af, viu? Precisa ter muita força e paciência.

A Semíramis publicou um post sobre isso hoje no blog dela.

Juliana Cal disse...

É triste ver esse tipo de atitude, da nojo mesmo. Mesmo como uma das organizadoras da marcha das vadias de belém e ouvindo essas coisas todo o dia, não da pra se acostumar com esse pensamento. E ainda tem gente que diz que não temos mais nada pelo que lutar, que não existe machismo...
É mesmo tão difícil perceber que acima de tudo somos todos seres humanos e merecemos respeito (para não dizer seres vivos)?
O fato é que temos que continuar lutando, e não perder a esperança de que um dia colheremos os frutos.
"O corpo é da mulher, ela da pra quem quiser!"

Liana disse...

Lola, horrível esta história da falsa entrevista. Também não sei como ficaria em caso de processo, se tem como ser em sigilo. Espero que algo de concreto possa ser feito.

Também acho que o que ela faz não é Feminismo e francamente a questão não é essa. É uma mulher ter o direito de fazer o que quiser da sua vida sexual sem ser agredida por isso. Sempre haverão as que irão casar virgens, as que vão transar com 1, com 5 ou 500 homens. Vão ter aquelas que discretas, outras serão escancaradas. Não interessa. Liberdade para todas e isso é MUITO maior do que se enquadrar no discurso Feminista.

O Feminismo não vai permear as atitudes de todas as mulheres. Mas todas ganham com ele e é isso o que importa. Acho ótimo ver mulheres seguindo em frente com o que elas acham que é melhor para elas mesmo quando nem sempre concorde com todas as suas atitudes.

Eduardo Marques disse...

Alguém mais reparou no sotaque forçado? Tinha qeu ser uma nordestina!

Ana Castle disse...

O que eu mais reparei foi na história de dizer que a Letícia é baiana (ela não é). Além do machismo tem o estereótipo regional aí...

Relicário disse...

Peraí, eu não falei que é ruim ela se expor, o problema é dela, ela que faça o que desejar, eu só disse que isso não é feminismo, ninguém precisa ser inteligente para transar, pois que eu saiba, pelo menos normalmente todos somos munidos de órgão sexuais, e cada um sabe o que faz com eles, o que quis dizer é que não acho louvável, ou seja, não admiro alguém por isso. Não retiro os méritos dela de mexer com os machistas de plantão, mas ela não me causa admiração. É meu ponto de vista.

Agora outro ponto são os machistas que estão atacando Letícia, não li muito o blog dela, não senti a mesma curiosidade que alguns relataram, mas quem se incomoda com a atitude dela que não leia o blog, pois ela tem a liberdade de expor suas experiências da forma que ela quiser. E os machistas de plantão que se explodam, eles e as convicções deturpadas deles, até mesmo porque para eles se uma mulher não faz sexo ela é mal amada e se ela gosta de sexo ela é vadia. Entre os dois eu prefiro a segunda opção.

Ahh meu nome é Angélica

Bruno S disse...

Angélica,

desculpe se te entendi errado.

S. disse...

Olha, a declaração da Rádio Globo de não-desculpas foi o que mais me incomodou. Que se dane que é a coisa mais fácil do mundo contactar a dona do blog via e-mail (0 chance de errar de pessoa fazendo isso) e arranjar uma entrevista de verdade. E lindo também a apresentação ridícula que foi feita antes da entrevista, as perguntas de "se tá tudo em cima"... Eu não sei nem por onde começar. Expletivos.

Olha, tem gente atacando essa moça dizendo que ela é um mau exemplo. Mau exemplo pra quem? Cada um sabe o que faz da sua vida e que exemplos seguir, se você resolver copiar a premissa da moça de transar com 100 homens em um ano é uma decisão sua, favor não botar a culpa nos outros. Cada um sabe o quê faz, desde que você não esteja prejudicando alguém no meio do caminho, que seja feliz.

Acho o fim as pessoas se acharem no direito de ofender e humilhar os outros porque não concordam com elas. Debater de forma respeitosa é algo sempre bem vindo, saudável pra todo mundo, mas xingar? Xingar só desmerece a sua opinião.

Acho o blog da Letícia bem escrito, espero que ela continue.

Escarlate disse...

Já deixei um comentário no último post dela, não sei se aguentaria tanta pressão, até de mídias enormes como a Globo. Infelizmente tem gente que não consegue sair da Idade Média e se sente na obrigação de arrastar todo mundo pra ela.

Eu tenho algumas ressalvas quanto ao blog, mas é muito bom ver uma perspectiva realista do sexo, ainda mais no ponto de vista de uma mulher normal. Muitas mulheres tem como referência de sexualidade as novelas, revistas feministas e outros veículos que mostram o sexo artificialmente, e que não ajudam em absolutamente em nada.

Espero que a Letícia possa superar tudo isso e continuar com o blog, pois ela está ajudando muitas mulheres e mesmo homens.

E antes que eu me esqueça: MEXEU COM UMA, MEXEU COM TODAS!

Teresa Silva disse...

Me veio uma ideia: será que alguém da rádio é um troll da Letícia que armou isso pra ela?

Relicário disse...

Sem problemas Bruno S... estamos aqui pra isso né rs:)

S. também achei absurda a atitude da rádio, mas não sei porque não me surpreendi...vindo de quem vem já era de se esperar.

E pra falar a verdade, no caso em questão, falando agora juridicamente, eis que sou advogada, não vejo muita saída para Letícia, tendo em vista que uma terceira pessoa se fez passar por um pseudônimo, no entanto, através do próprio blog existe a possibilidade de comprovação da autoria do mesmo, e desta forma talvez ela consiga criminalmente fazer algo, já na esfera cível não acredito que ela venha a conseguir qualquer indenização ou algo parecido.

Miss Freedom disse...

Ai, Lola... Eu fico sempre chateada quando vejo essas pessoas nojentas ( sim, porque sinto até nojo!) tratarem mal a Letícia. É incrível como somos livres e ao mesmo tempo sempre existirão pessoas, sem ética, sem personalidade e machistas, nos mostrando que essa liberdade é, de certa forma, condicional. Porque não podemos fazer o que queremos ou escrever o que queremos sem que as pessoas se sintam no direito de criticar e fanfarrear com a nossa cara. Isso não é bem liberdade...
É uma prisão que essas mesmas pessoas, ignorantes, criam não só para as pessoas que querem ser livres, mas pra elas mesmas, porque ficam presas em um mundo hipócrita, onde o progresso não existe. Eles regridem, digamos que pra um pensamento meio que medieval. Não podem se acostumar com a evolução do pensamento humano, muito menos quando esse pensamento sai de uma mulher.... Bem aí é que eles deitam e rolam! E ainda por cima podem fazê-lo anonimamente. Tem coisa melhor? Porque são covardes, reprimidos e bom, através da internet é tudo mais fácil. Mostrar a cara é que não querem.
É lamentável, mas ela tem que continuar. Gente esdrúxula, antipática e mal-educada, seguirão existindo.

Beijos, Lola!

Juliana Cal disse...

Nessa sociedade somos ensinados que podemos julgar os outros. Programas de tv como o Big Brother forçam a idéia de que podemos sim julgar as pessoas pelos seus atos e se achar superior aos outros.
A Letícia sofre consequências desse pensamento, ela está a mercê desse julgamento e pior: da punição.
Gosto da atitude dela, e acho muito valido o que ela faz. Desejo forças para que ela continue o blog.

Niemi Hyyrynen disse...

Estou revoltada mas não surpresa!

Minha mãe escutava esse Antonio Carlos, ele é um retrogado, quando ele noticia uma matéria que fala de violencia (assalto, assassinato essas coisas) dá pra ver claramente que o discurso dele é de um reaça.

Não desconfio que ele ficou sabendo da historia do blog e quis tentar dar uma "trollada" básica.

Também concordo que a Leticia não está representando no blog dela o feminismo, mas com certeza ela vê o sexo com uma influencia feminista, ela defende o direito das pessoas de se conhecerem sexualmente e serem livres.

Ninguem se incomodaria com ela se ao inves dela incentivar as mulheres a se relacionarem melhor com o sexo, estivesse dando dicas "infaliveis de agradar seu macho em 15 passos mega fáceis".

Se a Leticia seguisse essa linha da sexualidade feminina como um satélite da masculina, eu aposto que ela conseguiria ate um empreguinho no portal do Terra.

Gosto muito do blog dela, por egoismo quero que ela continue, mas se eu estivesse na pele dela já teria desistido do blog faz tempo, (mas não da meta).

Dária disse...

Acabei de expressar minha revolta já no face, quando uma amiga postou este seu texto lá. Não o tinha visto ainda. Absurdo completo, nem há o que acrescentar as suas palavras Lola.

Só para esclarecer a parte jurídica então: o nosso código civil atribui aos pseudônimos, quando utilizados a atividades lícitas (no caso, ser jornalista, escrever um blog...) as mesmas proteções de que gozam o nome. Ela pode processá-los a vontade. Por uso indevido e não autorizado à sua imagem. Pelos danos morais sofridos. Enfim...

Alysson Jose disse...

Muito bom o seu blog lola, comecei a ler porcausa de um RT de uma amiga.

Não sou defensor de feminismo e muito menos do masculinosmo, sou defensor da liberdade e direitos iguais, a Leticia é e sempre será dona de si, o que ela faz ou deixa de fazer é problema dela, contanto que ela se sinta bem.

Sou Nordestino e sinceramente é lamentável em pleno séc atual ter coisas desse tipo que aconteceu com a leticia e com alguem que chega em um blog e diz o que o Eduardo Marques falou, ne? Tem algo contra nordestino moço?

Milla Gebara disse...

Meu Deus se a real Letícia fosse mala que nem a entrevistada tava igual à tal Juju...
Dá para ouvir ao final da entrevista a falsa Letícia querendo rir. O problema dela processar pelo uso do pseudônimo é que mesmo em segredo de justiça acaba vazando.

Mariana. disse...

juridicamente falando, acho que tem saida sim. existem casos na jutisprudencia...

veja bem. exemplo: a suzana vieira... esse não é o nome verdadeiro dela, é um nome artístico. mas está igualmente protegido... acho que pesquisando melhor dá pra processar sim.. vou ver se acho algo.

J. Machado disse...

aaah Lola... vc em que ver o post que o "Cafa" (olha o nome do imbecil) fez sobre a Leticia: http://www.manualdocafajeste.com/2011/08/31/contando-ate-100-para-encontrar-o-equilibrio/

Um cara que vive da doutrina de ter várias mulhers (nao é a toa que atende por este apelido), querer desqualificar a coitada só porque ela quer se satisfazer sexualmente, pode?? porque "mulher não é igual ao homem" segundo ele...

Vivien Morgato : disse...

ô imprensa de m***

Não apenas colocando no ar algo que não foi devidamente verificado, como fazendo uma entrevista porca e burra.

ana disse...

Olha, não sou afeita a teorias de conspiração, mas bem que essa gente mesquinha pode ter planejado essa falsa entrevista na esperança da verdadeira Letícia se revoltar e resolver mostrar a cara, e dizer "Genteee, aquela da entrevista não sou eu, eu sou essa aqui ó..."

Eles adorariam ser processados por ela, para ter um nome real para atacar e xingar, já que a Letícia do blog é uma figura fictícia. Espero que ela não se exponha desse jeito...

letícia disse...

Toda vez que eu vejo algo escrito "Letícia" eu levo um susto, porque é meu nome tb kkkkk bobeira, né? =P

Enfim, sobre o post:

O que esse jornalista comentou foi o cúmulo do ridículo. Não tem cabimento compará-la à Bruna Surfistinha, pois o que ela fazia era um meio de ganhar dinheiro e a Leticia não, ela está fazendo porque quer, sem cobrar.

Uma coisa que vc disse é muito verdade: se um homem resolve transar com 100, não terá um que vai perguntar se ele cobra. Se uma mulher faz isso, é a primeiro questionamento colocado. É bem machista.

A parte que ele pergunta se ta tudo em cima também foi ridícula. Como se para transar precisasse ter o corpo de uma modelo.

Agora vem a parte da minha opinião: Para mim, independente de ser homem ou mulher, se a pessoa me conta que já transou com 100, eu vou achar o número muito alto. Vou achar exagero, independente de quem seja. Mas, isso é o meu ver, não quer dizer que eu não vá respeitar quem faz, porque há visões e visões nesse mundo. Cada um pensa de umm jeito e quem sou eu para julgar?

Só é rículo o machismo que rola em cima disso tudo, como se mulher tivesse que transar só com um cara a vida toda e para homens fosse liberado.

@DraDoAmor disse...

Concordo contigo, Lola, a não ser pelo fato de deixar transparecer que ser comparada à uma prostituta seja ser inferiorizada porque todo mundo faz sexo em troca de algo. As prostitutas em troca de grana, Letícia em troca de prazer, reconhecimento, de provar algo a si ou a alguém, de diversão, ou seja lá o que for, mas em troca de algo, como também todas nós fazemos. Sendo assim, ser ou não prostituta não inferioriza ninguém, não menospreza ninguém. Acho machismo também esta coisa de que ser comparada à uma prostituta seja considerado tão ofensivo.

Aoi Ito disse...

Não sei se sou muito inocente, mas juro que a primeira coisa que eu pensei quando compararam à Bruna Surfistinha foi que ela também escreveu um livro contando ~causos picantes~, as transas, e tudo mais. Só que a Letícia não escreve um livro e sim um blog, e ela não fala só sobre transas e sim sobre outras coisas também, mas eu também não li o livro da Bruna então não sei do que estou falando.

@DraDoAmor, claro que uma prostituta não é inferior a ninguém, mas a análise que eu fiz é que enquanto a Letícia faz porque quer (É ativa), a prostitua faz porque os outros querem (É passiva). Há mil e uma controvérsias sobre as prostitutas no feminismo, em especial sobre a origem, impacto, repercussões e por que as mulheres que escolhem ser prostituas escolhem exatamente essa profissão, se num mundo sem machismo (Pra não falar mundo perfeito) elas também escolheriam isso em vez de outras profissões. Então eu acho que, sim, prostitutas não são inferiores a ninguém, mas um homem comparar uma mulher que tem controle sobre a sua sexualidade a uma prostituta, que faz sexo porque homens querem que ela faça sexo com eles, àquela que é vista como o tipo de mulher mais baixa porque transa (Mesmo que um negócio só exista porque há demanda), porque só sabe fazer isso (Na visão deles), etc, é ofensivo sim. Não podemos dar uma visão pós-feminista a coisas que ainda nem passaram pelo feminismo. Acho que não podemos sair por aí falando que ser X ou Y não inferioriza ninguém, quando, pra 99% do mundo, inferioriza sim, e é clara a maldade no discurso e a própria tentativa de inferiorizar.

S. disse...

Relicário,

Também não me surpreendi com a postura da Rádio Globo, mas eu não consigo não me indignar mesmo conhecendo a bisca. Conheço razoavelmente bem a programação da Rádio Globo e o estilo do Antônio Carlos porque a minha família sempre deixou a rádio ligada na Globo AM de manhã. E é pior ainda que um jornalista experiente se preste à esse papelão e depois a produção se faça de coitadinha, todos foram ludibriados. Se fizessem o trabalho deles com seriedade e respeito isso não aconteceria, não é? Depois ninguém assume a pitomba da responsabilidade, já que eles sabem muito bem é que a grande chance é que isso não vai dar em nada porque a outra parte provavelmente não vai ter condições de fazer nada legalmente. Mesmo com uma boa situação financeira, uma pessoa física indo atrás de uma corporação como a Globo é uma processo difícil de se vencer... infelizmente.

Letícia disse...

Lola,

Muito obrigada por mais um post me apoiando.

Realmente está muito difícil seguir em frente, como já te falei no Twitter.

Eu sei que eu aguento tudo isso (você bem sabe que já passei por coisa pior). A minha grande questão é: pra quê?

Eu vou continuar vivendo livremente. Vou continuar transando com quem eu quiser (seja um ou cem caras).

A minha dúvida é se devo ou não continuar o blog. Vejo que muitas pessoas repensaram suas vidas sexuais a partir da leitura do blog, mas até que ponto está valendo a pena?

Quanto a eu ser femininista ou não, devo dizer que estou engatinhando em muitas coisas - essa é só mais uma delas. E eu não preciso de rótulos. Eu quero ser justa e feliz. Só isso.

E se minha felicidade é ter grande variedade de parceiros, que seja. Não engano ninguém, não tenho nenhuma DST e transo sempre de camisinha. Isso deveria ser suficiente, não?

Um beijo, minha querida.

Blanca disse...

Muito bom o post. Também me revoltei muito.


Quer falsificar algo, falsifica louça limpa na minha pia, não a Letícia.

Flasht disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Liana disse...

Aoi, concordo com sua opinião sobre ser comparada a prostitutas. Duas coisas acontecem: o modo como a própria pessoa se vê e lida com a questão da prostituição e tem o modo como a sociedade em geral trata o assunto.

A mulher pode ser o mais liberal possível e ainda assim ser agredida por aqueles de mente tacanha e isso vai afetar a vida da pessoa se é algo que tome grandes proporções, como no caso da Letícia com o blog. Não dá pra fazer cara de paisagem 24h por dia quando se é agredida o tempo todo, uma hora isso afeta e pode limitar drasticamente a vida particular e profissional, então a questão não é a prostituição em si mas o que ônus que nos cabe a todas por nos considerarem mais ou menos próximas disso.

Num mundo machista, não dá para fingir que isto é assunto superado, que cada uma faz o que quer da própria vida e é só ignorar que vai ficar tudo bem. Vivemos em sociedade, o modo como lidamos com estes assuntos delicados nos afeta íntima e publicamente.

E também vejo um grande erro comparar uma mulher que é passiva e está ali meramente para prestar um serviço onde as únicas coisas que importam são a vagina dela e fazer uma performace que agrade ao homem, e comparar com uma que está ali para o prazer dela e do parceiro, sem encenações, por inteiro. Nivelar é ignorar a autonomia da mulher no exercício da sua sexualidade.

Vejo um reflexo disso naquela frase "dama na sala, puta na cama", eterna(enquanto dure) dicotomia patriarcal para as mulheres, nenhuma delas tem vida própria. Naturalmente que quando falam puta estão se referindo à prostituta que só existe para agradar ao homem. De uns tempos para cá isso deu uma "evoluída", mulheres até podem ter prazer com o namorado/marido mas sempre sob uma perspectiva falocêntrica.

Flasht disse...

Lola vc faz tanta afirmação/interrogação boba, que desanima, do auto de sua idade e formação. francamente

"E ninguém nunca jamais vai perguntar pra ele “Ele cobra?”, ou compará-lo a um garoto de programa."

Existe algum termo feminino equivalente a cavalheirismo ?
E não tenho visto/ouvido noticas de ninguem mais que tenha "sido levado" ao puteiro
São as meninas que hj em dia perdem a virgindade cedo

Pô Bruno S quem critica esta sempre errado? vc seria daqueles que recomenda a quem critica a politica brasileira, que se mande daqui? ou quem critica comportamentos femininos que vire gay?

Alysson
o que ela faz ou deixa de fazer é problema dela, contanto que ela se sinta bem.
>>Vc diria isso a um homem(/estuprador)?

Aoi de uma pesquisada sobre prostituição e verá que o boom foi justamente quando se abriram as portas do mercado de trabalho para elas[mulheres]
Foi meio como que o trampo era muito pesado e elas propunham "tem nada mais fácil para fazer não?"

Beatriz disse...

Comentei no blog do cafa, q teve o link postado

http://www.manualdocafajeste.com/2011/08/31/contando-ate-100-para-encontrar-o-equilibrio/comment-page-1/#comment-85445

Acho legal todas nos manifestarmos. É um blog bem lido, e não dá para o cara achar q mulheres vao ficar concordando com tudo o q ele diz.

Francisca disse...

Esse post me fez lembrar uma frase que li há alguns anos. “ Em Hollywood, quem tem vagina é suspeita!” Se fosse só por lá...

Rê Michelotti disse...

Oi Lola... Meu primeiro dia no seu blog... Mas vou te dizer algo: Voltarei sempre! Faço minha as suas palavras, abaixo o machismo!!! Abração

Daní Montper disse...

Isso cansa, demais.

Esse povo que critica a Letícia por ela fazer sexo simplesmente porque gosta nunca deve ter feito sexo bom, só pode, porque não é possível todo esse drama em torno de algo tão natural, não é mesmo?

Se essa gente acha que sexo gasta, é sujo, que faz a pessoa perder o respeito ou se desvalorizar, que não transe, nunca, jamais! E não perturbe quem trepa!

Espero que a Letícia não os processe, pois acabará com sua identidade revelada e tem gente que é maldosa a ponto de fazer algum mal para ela por não admitir que ela seja dona da própria vagina.

Rê_Ayla disse...

se eu acreditar nessa justificativa da Radio Globo, terei q acreditar tb q papai noel e coelhinho da páscoa existem...

Flasht disse...

Dei uma olhada no Cem homens
E até a Letícia se surpreendeu

Quando viu uma imensa maioria de bullyng sexual praticados pelas mulheres... e outras surpresas que se vê em todo o canto, até aqui né lola

Mulher dando ouvidos a senso comum/preconceitos e não olham pro próprio rabo que fazem muito pior, até por isso mesmo de pressupor e dar ouvidos

Uma certa comunidade "homens quem os entende?" as mulheres chegavam lá achando que era para repetir lugares comuns, se assustavam vendo o outro lado

E algumas diziam: nossa pensei que quem não prestassem fossem os homens
Isso parece uma realidade alternativa e coisas e tal

Mas isso pq? pq os homens tem lá direito de reclamar algo de mulher?e depois me veem vcs dizendo que mulher é ensinada a amar os homens? e os homens a odia-las
é de rir para não chorar né?

Estão presas na mesma matrix, que os homens
A que a sociedade prega
Mulher boa/homem mal
Se a mulher por ventura fizer alguma maldade, coitadinha estouraram a paciência e o limite dela
O homem fez algum mal? é um safado sem vergonha mesmo é o normal é o padrão

Flasht disse...

http://extra.globo.com/noticias/mundo/com-apoio-da-mae-inglesa-vai-balada-aos-sete-anos-faz-ensaio-sensual-aos-12-engravida-aos-15-2462152.html


E isso vale ser apoiado?

Shoujofan disse...

Texto perfeito, Lola. Eu estava comentadno o blog da Letícia semana passada com o meu marido e disse mais ou menos a mesma coisa. Não sei se a experiência dela é feminista - meu moralismo e romantismo (*os do meu marido são maiores ainda*) se sentem profundamente incomodados - mas eu sei que a perseguição que lhe fazem é machismo. Já dei RT. Todos deveriam ver.

E mais: cada vez tenho mais vergonha do tipo de imprensa que se faz neste país.

Lívia Pinheiro disse...

Bom, eu só li o blog dela uma vez e rapidinho, porque não achei particularmente interessante. Mas pelo que entendi ela é uma mulher que adora sexo, não tem o menor problema com isso (e por que deveria, oh céus?) e, ao decidir por este objetivo e compartilhá-lo em forma de blog, manda um recado claro que o corpo dela é dela (e por que não seria, oh céus?) e que ninguém tem nada a ver com o que ela faz dele.

Se isso não é feminismo, mesmo que involuntário, é o quê? (Dado que a reação da horda de babacas mostra que não, ela não pode fazer isso, enquanto qualquer homem é lógico que DEVERIA fazer isso, quanto mais melhor...).

Su disse...

Mexeu com um mexeu com todas! Absurdo dos absurdos. E pra mim, a entrevista apresentou duplo preconceito: nordestinos e mulheres.

lola aronovich disse...

Michael Jackson, fique com seus amiguinhos mascus, por favor. Sério mesmo. É verdade que nos fóruns e blogs mascus vc não receberá muita atenção, pois pensa e escreve como seus iguais, mas vc certamente será mais feliz por lá. Vc nunca falou nada que não fosse uma TOTAL estupidez. E essa agora... Comparar uma menina de 15 anos que engravida com o que uma mulher de 30 anos, independente, solteira, dona de si, faz com a sua vida... É, de fato, tem tudo a ver. Idêntico mesmo. Vai pastar, Flasht. Estou sem a menor paciência pra machistas. E muito hipócrita vc dizer “Passei no blog da Letícia”. Vc já comenta lá faz tempo. Foi assim que eu conheci a Letícia, através de um tweet meu em que eu colocava as suas sábias palavras pra todo mundo rir, e ela respondeu dizendo que esse troll (vc) também comentava no blog dela (antes d'ele ser famoso), e que era muito difícil de entender.

ana disse...

Exato! Mexeu com uma letícia, mexeu com todas as letícias que nós temos!

E não acredito que seja somente machismo. Tem mta mulher por ai q sao tao paga paus de seus machos que agem como tais! Mas que no fim das contas gostam ate mais de sexo do q nós!
Ou seja essa sim sou p*tinhas! Fazem a coisas como td mundo, e pagam de moralistas e apontam quem assume que faz!
Infelizmente é a socidade né!

The Oldscholler disse...

Por outro lado, nenhum homem faria sucesso com um blog como "Cem mulheres em um ano"

Porque afianl essa Lerícia criou o blog? Ela não queria causar essa polêmica? Conseguiu.

Se não causasse polêmica as feministas não iriam gostar, afinal, não teriam nenhum motivo para reclamar de alguma coisa...

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acredito que o que a Letícia esteja fazendo seja feminismo pelo fato de tomar uma decisão que vai contra os preceitos da sociedade machista e de quebra, chamar várias pessoas a refletir sobre as diferenças de tratamento, hipocrisias e preconceitos da nossa sociedade.

Barbara disse...

ouch a cortada para o Flasht doeu só de ler, rsrs.

mas a pessoa merece, que estupidez de argumento é esse:


"o que ela faz ou deixa de fazer é problema dela, contanto que ela se sinta bem.
>>Vc diria isso a um homem(/estuprador)?"

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Nossa, acabei de ler o que o cara do tal manual do cafajeste fala sobre a Letícia.
Que ridículo.
Ele usa a própria régua pra medir a vida dela. Não entrou na cabecinha dele que ela simplesmente quer fazer isso porque quer e pronto. Pra ele, se ela quer fazer isso, é porque quer aparecer, se gabar, falar que se um homem pode ela também pode, sendo que em nenhum momento ela fala nada disso.
O pior é falar que ela está fazendo prostituição gratuita.
Alguém me explica o que é isso?
E o cara tem tanto desrespeito pelo desejo sexual feminino, que pra ele seria digno uma mulher fazer sexo com tantos homens só se fosse cobrando.
Socorro.

Teresa Silva disse...

Repito aqui o que eu disse no blog da Letícia: se tivessem que compará-la com outra pessoa, o ideal é comparar com a Leila Diniz. As historias delas se parecem muito. Há mais de 40 anos, Leila declarou em um jornal com toda a franqueza a sua relação liberal com o sexo. A que me lembro mais é "eu gosto da coisa entrando em mim". E sofreu por causa disso: era ofendida a torto e a direito pelos outros, um diretor da Rede Globo disse que não lhe daria emprego por que nas novelas não tinha papel de puta e quase foi presa pela ditadura da época. Mas com tudo isso ela não perdeu a sua alegria de viver.

Larry disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Larry disse...

A infame rede glóbulo sempre foi assim. Uma vez mau-caráter, sempre mau-caráter.

Que o diga o finado marinho, que comprou a glóbulo sp com documento fraudado.

Eles não aprendem nunca... Ley de medios já!

Paloma, a mãe disse...

Nojo destes machistas midiáticos, do repórter esportivo da Globo, deste radialista que não sabe nem ir atrás da fonte, mas quer dar lição de moral. Mundo bizarro este.
E seu post, como sempre, irretocável.
Beijos

Aoi Ito disse...

Lívia,

"manda um recado claro que o corpo dela é dela (e por que não seria, oh céus?) e que ninguém tem nada a ver com o que ela faz dele.

Se isso não é feminismo, mesmo que involuntário, é o quê?"

Permita-me discordar. A idéia que o corpo é seu e ninguém tem nada a ver com isso pode levar a resultados desastrosos. Acho que, ao mesmo tempo que deveríamos ter soberania sobre o nosso corpo - Palavra final nossa, etc - Um pouco de opinião alheia nunca faz mal. Opinião alheia que quer nosso bem, claro. Afinal, o argumento do "é seu corpo, faça o que quiser com ele" pode ser usado para justificar e até mesmo apoiar auto-mutilação, suicídio e outros comportamentos danosos para a própria pessoa. É claro que, também, não dá para comparar fazer sexo com um comportamento claramente auto-abusivo assim, mas (Não digo que é o caso da Letícia, note!) às vezes alguns comportamentos podem ser consequências de outras coisas.

Por exemplo, é claro que é o corpo da mulher e ela pode botar silicone porque é o corpo dela. Mas será que não tem um pouco de desgosto com o próprio corpo (Porque para querer modificá-lo tem que ter algo que não se gosta) causado pela mídia em geral, que enfia nas nossas cabeças que devemos ter peitões? Não sei se ser "promíscuo" pode ter origem em traumas passados como abuso parental, abuso sexual (Repetindo que não digo que estou falando da Letícia!). Já ouvi falar que sim, mas também, já ouvi falar muitas coisas.

Então, acho que falar que "O corpo dela é dela e ninguém tem nada a ver com isso e isso é feminismo" é um argumento muito frágil. É claro que nossos corpos são nossos corpos, mas acho que nem tudo deveria ser passado com um "é o nosso corpo, a nossa escolha, e isso é feminismo" porque, além de muitas vezes não ser nossa pura escolha (Em um mundo sem racismo e sem mídia nos informando que loiras são melhores, mulheres tentariam alterar a cor dos cabelos pra loiro?), nem sempre é uma escolha que ajude na libertação das mulheres. Falar que toda escolha é automaticamente feminista porque é a mulher que escolhe dá margem para que desde mulheres alterando seus corpos para se enquadrarem no padrão de beleza a mulheres que tenham comportamentos frutos de abusos seja coisas feministas, quando a primeira não ajuda na causa e a segunda precisa de atenção especial para a saúde da mulher.

Digo isso porque eu acho que tem muita essa idéia de "é o corpo dela e pronto", o que eu não acho que é só isso em alguns casos...

Caroline disse...

Eu não condeno essa moça. Mas eu não ia conseguir dormir com tantos caras assim. Acho que o momento do sexo uma coisa muito íntima e não conseguiria compartilhar de um momento desse com tanta gente num curto espaço de tempo. Coisa minha. Mas não quero dizer com isso que ela está errada. Essa é a vida dela, o corpo dela e ela faz com ele o que bem entender e se ela está feliz, que ótimo. É assim que deve ser, a gente fazer o que quiser, desde que não faça mal a terceiros, e se sentir bem. Se ela ve propósito nisso, bom também. Não acho que ela seja vadia e nem puta por causa disso.
Esse negócio de feminismo pra mim é novo, me faz pensar muito.

Nesse país é mais aceitável vc cometer uma chacina do que uma mulher dormir com quantos homens ela quiser. Vai enteder!

Eduardo Marques disse...

Caro Allison,

Nasci no RN e moro no Ceará. Eu estava chamando atenção para o fato de que exgeraram de própósito no sotaque da blogueira falsa (a verdadeira é nordestina, como nós).

Nadja G. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
namais disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nana Soma disse...

Eu conheci o blog "Cem homens" logo no seu início e como um dos blogs da Revista NOVA (da editora Abril) e o acompanhava quase que diariamente, pois me identifiquei com o tema proposto. Afinal, mulher falar abertamente sobre sexo e, ainda de uma maneira a contar sobre a sua vida sexual, é tabu, desonra este ser, é alvo de piadinhas machistas e assim vai nesta nossa sociedade (brasileira)contemporânea. Infelizmente! Afinal, em que século estamos mesmo?
Confesso que me surpreendi com o fato de tomar conhecimento do blog "Cem Homens" pela Nova, sabem? Pois pensei: 'Puxa, esta revista de comportamento feminino que ACHA que escreve sobre e comunica e divulga uma mulher poderosa, moderna e livre sexualmente, mas que na verdade, é conservadora no seus discursos, colocou como blog colaborador justo um que realmente fala abertamente e livremente sobre sexo (como ele deve ser encarado nos dias atuais) e sob a perspectiva de uma mulher!' Achei o máximo! E passei a acompanhar o blog da Letícia e a comentar, muito, inclusive! Até que passaram-se algumas semanas e, quando bateu uma saudade e procurei pelo blog no portal da NOVA, adivinhem? Não estava mais lá!!!
Fiquei com raiva, sabem? E desapontada também! Até tentei contatar a revista para saber o porquê da retirada de um dos blogs que poderia, futuramente e quem sabe, até redefinir algumas linhas editoriais da mesma, afinal, quem comentava eram pessoas - mulheres (em sua maioria)que compartilhava da mesma "visão de mundo em relação ao sexo" da Letícia, pois esta está mais de acordo, embora não avançada, com o século 21. Não obtive resposta.
Este meu desapontamento em relação a NOVA também tem outro ponto: se foi decisão da revista (e logo, da Abril)e não uma iniciativa da Letícia de retirar o seu blog do portal da NOVA, então tenho a confirmação do conservadorismo e da reprodução da moral e dos bons costumes tão apregoados pelos grandes grupos de mídia do país.
Ainda que não concordo com tudo com o que a Letícia escreve e que perdi muito do que ela escreveu no intervalo de eu descobrir a não mais existência do blog dela no portal NOVA até encontrar o link para o mesmo aqui no blog da Lola, meio que ao acaso e recentemente, pois não procurei pelo blog "Cem Homens" pelo santo google, e logo, não sei quais foram os seus avanços, inclusive no que se refere na quebra dos seus preconceitos no sexo, ainda que tudo isso tenha ocorrido, foi com um choque que recebi a notícia da entrevista da falsa Letícia à Rádio Globo.
Nem irei perder meu tempo escrevendo sobre o que penso sobre isso, pois os meus pensamentos já foram todos bem escritos pela Lola neste pequeno grande post.
Cheguei até aqui, só para dizer que não só a Globo como também a Abril (que são os maiores grupos de mídia do Brasil) e outras editoras e emissoras (como Record e BAND), de uma maneira geral, reproduzem, infelizmente, os velhos conceitos conservadores em relação à liberdade sexual não só feminina, mas também a masculina (ou os gays são bem retratados nelas? ou os homens heterossexuais são realmente retratados de um modo livre no sexo sem o seu machismo?).
Termino o meu longo relato com a minha solidariedade à Letícia e a todas as mulheres (que são realmente livres sexualmente). Nós não merecemos todo este machismo!

Letícia disse...

Aoi Ito, você acha realmente que eu preciso ter super explicações para o meu desejo sexual? Por favor, pare de repetir esses velhos e cansados conceitos.

Eduardo Marques, eu nunca disse que sou nordestina. Um repórter inventou essa história. Jamais disse de onde vim e jamais direi.

Nana Soma, eu saí do site da revista por outras questões que nada têm a ver com linha editorial.

Beijos

Yohanna Cordeiro disse...

Disse tudo!

Niemi Hyyrynen disse...

Lola

Sei que é off-topic mas achei que tinha que compartilhar esse link:

http://extra.globo.com/noticias/bizarro/mae-coloca-seios-falsos-em-filha-de-quatro-anos-para-concurso-de-beleza-2569081.html

Uma menina de 4 anos colocando enchimento! 4 anos!!!

Estes concursos de beleza pra crianças está ficando cada vez mais cruel

Cah disse...

Oi Lola, sei que não tem nada a ver com o tópico, mas...

Eu morro de preguiça de digitar endereços na web, obviamanete você está como favorita. Só que hoje fui entrar no seu blog num pc que n eh o meu, e minha preguiça fez com que eu utilizasse a barra google, e sabe o que aparece em segundo link: escreva lola escrava marcelo tas..

Achei engraçado.. =**

Liana disse...

Niemi, que coisa mais medonha de se ver, uma criança com enchimento para "seios" e bumbum fazendo cover da Dolly Parton. Lembrei de uma criança aqui no Brasil imitando a Lady Gaga no palco e todo mundo achando bonitinho como se a letra fosse inocente e os videos não fossem hiperssexualizados. Ridículo ver ambas as mães se defendendo e relativizando isso. Podre!

Ela, Clarissa disse...

ÓTIMO TEXTO! Afiado,irônico, real. Gosto muito daqui.

E sobre o assunto, o que podíamos esperar das organizções Globo? Seu conservadorismo, seu catolicismo, seu machismo, tudo isso encontra-se explícito quando não, nas entrelinhas.

Não há ética, há apenas o objetivo de padronizar os brasileiros de acordo com desejo de um grupo.

O caso da Letícia é uma negação da pluralidade, da conscientização, da vida saudável, independete e atonoma de uma mulher.

Como jovem, mulher e feminista prezo minha liberdade sexual, e sei muito bem defendê-la quando a sinto ameaçada. Ameaças de ambas as partes, porque o machismo não afeta apenas homens.

Fiquemos de olho vivo na mídia, ignorá-la é pior.

Lívia Pinheiro disse...

Aoi Ito,

A idéia que o corpo é seu, mas as pessoas em volta podem (devem?) regulá-lo um pouquinho não só pode, mas leva a resultados desastrosos. Se a fragilidade do meu argumento existe, ela é também aplicável ao seu. Por que o que seria esse "pouco" de opinião alheia? Quem vai determinar isso? Para esse bando de babacas que fica xingando a Letícia, azucrinando a vida dela e até inventando mentiras para tentar humilhá-la, o pouco que eles acham que têm direito é regular com quem e quantos ela vai pra cama.

Sim, o argumento do "é seu corpo, faça o que quiser com ele" pode ser usado para justificar e até mesmo apoiar auto-mutilação, suicídio e outros comportamentos danosos para a própria pessoa. Mas nos exemplos que vc deu o problema não está na liberdade de se fazer o que quiser com o seu corpo, está em todo o aparato que existe em insinuar, com sutilezas e níveis de incentivo negativos e positivos variáveis, que vc TEM que fazer isso, ou NÃO PODE fazer aquilo. O problema não é a liberdade individual, são... os outros!

Eu acho inaceitável, completamente absurdo, execrável, que alguém se ache no direito de me dizer o que eu posso e não posso fazer com o que é só meu e não afeta a mais ninguém. E isso inclui sim auto-mutilação (um alargador de orelha não mutila de certa forma a orelha?), suicídio, uso da substância que eu quiser, etc. OBVIAMENTE que há que se considerar a existência ou não de doenças que levem a comportamentos auto-destrutivos e, se houver, tratá-las na medida do possível. Como isso pode gerar muita controvérsia, dou exemplos do que considero intromissões absurdas no direito à auto-mutilação e ao suicídio:

Auto-mutilação: eu considero que toda transformação corporal pode ser englobada em "mutilação lato senso" - tatuagens, piercings, aqueles trecos que queimam a pele para fazer desenhos, alargadores de orelha, silicone. Qual é o limite da auto-mutilação? Aquelas pessoas cara que se transformaram em demônio, gato, leopardo, etc. estão na linha do OK, o corpo é deles, ou na linha do "vc não deveria ter feito isso porque isso já é doença"?

Suicídio: eu sempre pensei que se tiver uma doença horrível tipo esclerose múltipla, vou me matar antes de virar um vegetal. Já pensei muito sobre isso e não quero viver desta forma. Quem tem o direito de me dizer que não posso/não devo fazer isso? E em relação à eutanásia? Quão cruel é dizer a alguém que não tem a menor chance de cura e vive como um vegetal que não, não podemos te poupar de uma vida sofrida sem chances de recuperação que é só sua e que vc não quer mais porque... porque nós, que não temos nada a ver com isso, não queremos que isso seja permitido?

Por fim, eu não falei que toda escolha é automaticamente feminista. Falei que uma mulher escolher transar com quem quiser, quando quiser, quantas vezes quiser, é, infelizmente, chocante para muitos. E o contexto que traz esse choque é o que torna ESTA decisão sim feminisma, mesmo que involuntária.

Letícia disse...

Lívia,

Concordo com tudo o que você disse.

Beijo.

Luciana disse...

Uma amiga uma vez foi a um médico, aí ele perguntou pra ela quantos parceiros ela já tinha tido na vida, ela perguntou se era relevante, ele disse que sim, pois se ela tivesse tido mais de 7 parceiros ela era considerada promíscua. Inacreditável.
Estou na torcida por Letícia também, por suas descobertas e experiências.
Ridículo o que essa rádio fez, esse locutor ainda tem cara de botar a voz no rádio depois dessa?

Liana disse...

Somos seres sociais, não tomamos nossas descisões no vácuo, existe um certo grau de influência dos outros na nossa vida, que pode ser benéfica ou não. Quando bem dosada, isto não implica em uma ameaça significativa a nossa liberdade, apenas que não somos 100% livres e autônomos, faz parte. Cada decisão que tomamos, cada opinião que emitimos potencialmente amplifica, ratifica ou tolhe a vida alheia. Essa questão de "a vida é minha, eu faço o que quero" não é totalmente verdade, afinal. Somos impulsionados, constrangidos e limitados por regras, cultura, valores éticos, educação familiar, tabus, traumas, medos, tempo, espaço, nossos talentos, necessidade de aceitação, tudo isso concorre para o tal "eu quero" ou "a minha opinião". Dizer isso não é apontar o dedo para ninguém , é só falar o óbvio: Somos influenciáveis.

Sobre o "involuntariamente" feminista. Bem.. tenho minhas dúvidas sobre ser feminista "sem querer". Mas indiretamente afeta sim e são bem vindas, assim como uma série de outras coisas e nem por isso as consideraria "involuntariamente" feministas. Enfim, é uma questão de ponto de vista.

Daní Montper disse...

Eu ia responder a Aoi Ito, mas a Lívia fez isso tão perfeitamente que apenas assino embaixo.


Esse papo de promiscuidade para mim tem mais a ver com a forma de como a pessoa lida com a vida sexual do que com a quantidade de parceir@s ela tem/teve. Se ela faz sexo sempre cuidando de si mesma e d@ parceir@, ninguém tem nada que ver com usa vida sexual, mas se ela coloca a si mesma e @ parceir@ em risco, pode ser chamada atenção pelo comportamento irresponsável (por pessoas próximas, aliás), mas nunca pela quantidade de gente com que ela resolveu transar.

Poliana disse...

quer ver o que é machismo, aliás machismo não..pq isso se daria um pensamento masculino, provindo de uma cultura retrógada e não é isso. É IGNORÂNCIA. Veja este blogueirinho de quinta categoria fazendo suas observações a cerca do blog "cem homens" e mais ainda, da autora. Sério, deve ser muita menina de 15 anos para considerar a opinião desse ser que se diz "blogueiro". www.manualdocafajeste.com
Leia, sério. Pq eu ainda dúvido que alguém gastou linhas virtuais pra expor sua ignorância assim.

Liana disse...

Gente, nem sempre o número de parceiros sexuais é determinado por uma mente de bem com a vida. Assim como têm mulheres que se reprimem, algumas até o ponto de sequer terem vida sexual, outras vão na direção contrária e saem fazendo sexo indiscriminadamente como que para se punir ou para competir com outras mulheres, tem aquelas que usam o sexo para ter (a ilusão de) controle sobre os homens e francamente, não são poucas, isso vem da educação. Tem muito mais mulher mal resolvida sexualmente do que liberada e em paz.

Algumas em função de educação, traumas ou o que for, acabam tendo uma sexualidade agressiva e nada saudável e o sexo vira uma arma. Isto é fato. A visão que a maioria das mulheres tem do próprio corpo e do que fazer com ele é largamente influenciada pela família, mídia, cultura etc. Isto também é fato. Qualquer psicólogo pode afirmar isso, promiscuidade pode sim ser sinal de traumas ou de uma visão muito distorcida de si mesma OU mero exercício da liberdade de alguém confortável consigo mesma.

Não vi a Aoi acusando ninguém. Só pontuou que nem todas as escolhas de uma mulher vêm de uma perspectiva saudável ou inócua, ou mesmo feminista. Tem um bocado de gente que se diz liberal e prafrentex, porque está na moda, só que não é. Se não é o caso de algumas aqui então.. tchan tchan tchan.. não é o caso de algumas aqui.

Mirla disse...

Aiiii que ódio desses machistas ridículos! Ele ainda pergunta se tá tudo em cima só porque ela tem 30 anos. Vem cá, mulher de 30 anos é velha, bagaça???Que isso...tenho 29 e dou samba em muuuita garota de 20!

Camila disse...

Queria ver uma diferença entre o TEXTO da Bruna Surfistinha e dessa moça, até hoje não vi e pra mim isso é o que importa.
Essa moça é um reflexo da geração Big Brother, não cobra na hora de transar, mas vai adorar ter anunciantes em seu blog de soft porn. Qual a sutil diferença entre cobrar pra transar e lucrar contando suas transas que eu ainda não percebi? Ah, tá a diferença está no pagador.
Fora que entre todas as mulheres DESTA GERAÇÃO que eu conheço, nunca vi nenhuma se regulando na hora de dar, todas dão quando querem pra quem querem, logo acho que esse drama de "mulheres que dão são galinhas e homens que comem são garanhões" já ficou no passado.
Essa moça não me surpreende em nada, pra mim é apenas uma mistura de "Sex and the City" e Big Brother. NEXT!

Hernesto disse...

Até hoje tô tentando encontrar qual o heroísmo em "transar". Qual recepção a Letícia espera ter? Num país onde 6 horas da tarde tem sujeito transando na novela acho que a Letícia tá meio ultrapassada ou no lugar errado. Audiência e anunciante terá, tem um monte de punheteiro com ejaculação precoce viciado em ler putaria na internet, já ouvi falar que a banheira do Gugu é a maior audiência do youtube. Mas é isso, vai fundo campeã!

Helmut disse...

1- Letícia, cem homens ZZZZzzzzzZZZZ
2- Letícia: tapa na cara da sociedade ZZZZzzzzzzzZZZZZZZ
3- Letícia sambou na cara dos mascus ZZZZzzzzzZZZZZ
4- Letícia cospobre da Samantha Jones ZZZZzzzzzzzZZZZZZ

aiaiai disse...

A Teresa falou na Leila diniz e eu fiquei pensando: gente, se a nossa sociedade fosse sadia, os homens iam adorar quando uma mulher declara que gosta de sentir a coisa entrando nela, né? Porque se as mulheres gostam e os homens gostam...todo mundo ia ser feliz!
mas parece que a mulher gostar é um perigo para os homens...pq eles não querem apenas fazer sexo, eles querem dominar aquela mulher. Eles não querem que ela goste, eles querem que ela deixe apenas Um deles - o que a dominou - entrar nela. Porque, claro, se ela tiver prazer vai querer fazer com outros...ou apenas com ele, mas na hora que ELA quiser, né? E não é para ser assim. Sexo é uma coisa que é para ser feita apenas quando o homem quer, né mesmo?
Ta mudando, mas ainda falta muito para mudar tudo.

Niemi Hyyrynen disse...

Isso mesmo aiaiai

Você matou a pau! ui! rs

A questão aqui é a escolha, se fosse um homem que tivesse proposto essa meta de transar com cem mulheres em um ano e publicasse num blog, ele não seria reprimido, muito pelo contrário!

Ele já estaria até dando entrevista na Globo (a tv) e virado "celebridade".

Vira e mexe aparece um homem dizendo que transou com X mulheres e que quer ser reconhecido pelo Guiness, não é?

A Letica ao publicar suas historias e compartilhar sua experiencia pra mim está quebrando dois paradgmas:

1 - Que mulher não gosta de sexo

2 - Mulher não gosta de falar de sexo, ao não ser que seja para trocar "receitas de como agradar seu macho"

Sair da invisibilidade, demonstrar que gosta de sexo pelo sexo é uma ameaça muito grande para o status quo que os homens querem tanto manter.

Deve ser horrivel para esses machinhos descobrir que eles estão transando com uma mulher que não se sente "conquistada" por ele, que ela vai sumir, nem ligar pra ele quem sabe? Que ela pode ter tido uma noite com ele sem necessariamente ter criado um laço (que a prenda a ele?).

Insegurança gera revolta e raiva!

Liana disse...

Letícia não levantou bandeira coisa alguma. Isso aí de heroísmo é conceito pra moleque sonhando em ser superman. Ela tá vivendo a vida dela sem pedir desculpa nem licença por isso e acho que é o que realmente incomoda.

Engraçado o tempo que essa gente gasta regulando a vida sexual de uma mulher ao mesmo tempo em que tentam passar uma imagem de "tô nem aí pra isso". zzzZZZzzz. Sei.. Engraçado também é criticá-la porque expõe sua vida sexual num blog e zzzZZZzzz quando muitos tem twitter, facebook, orkut, fica em barzinho contando vantagem/mentira pros coleguinhas, amiguinhas etc etc etc e não duvido nada que a maioria volta e meia tá lá no blog dela lendo. Ah se curiosidade matasse, teria um monte de gente aqui caído dura no chão. zzzZZZzzz Engraçado criticar pornografia/putaria quando muitos homens(e algumas mulheres, porque não) se beneficiam dela zzzZZZzzz. Muitas aí simpatizam com uma mulher que por algum motivo não faz sexo mas se horrorizam com uma que "faz muito" e ainda diz que gosta. Hipocrisia.

Não concordar com tudo o que ela faz é normal mas dá pra ver que o incômodo de certas pessoas com o modo como ela leva a vida sexual dela, tá em outro nível e se chama recalque. Fico só imaginando a cara de bunda dos outros digitando isso. zzZZzz

Mila disse...

A Letícia não espera ser vista como uma "pessoa admirável"? Ora, faça-me o favor, se não fosse desta maneira não teria ficado indignada com o nível das perguntas feitas na rádio Globo, fora que ela não admite que discordem dela, está sempre peitando quem não a admira com argumentos penosos.
O que me impressiona é ver o nível paupérrimo de representatividade de que nós mulheres dispomos. As supostas "ativistas" do feminismo de hoje precisam se ultra-sexualizar pra pedir liberdade.
As ucranianas do Femen só são ouvidas porque protestam com os seios à mostra e no dia seguinte sempre há uma "lista de musas do protesto na Ucrânia" pros punheteiros de plantão no Terra, mas porque mesmo elas protestam? Ninguém sabe, só pensam nos belos corpos.
A Letícia é uma mulher que gosta de transar, PONTO. Não representa nada pro movimento feminista e prejudica a luta pela liberdade sexual feminina. Pra mim ela parece a versão feminina do garanhão mais piegas e pergunto: Nós mulheres queremos ser o garanhão mascu ou queremos igualdade entre os gêneros?
Se o objetivo for que as mulheres ocupem o lugar do garanhão mascu, acho que deveríamos defender a Letícia com unhas e dentes, mas se o objetivo for IGUALDADE entre os gêneros acho que estamos apoiando a pessoa errada.
Lembrando que esta é a minha opinião, gosto muito deste blog, mas lamento que muitas vezes qualquer crítica é vista como vinda de trolls, a discussão empobrece e ao invés ser um espaço para debate, torna-se um espaço para doutrinação.

Helmut disse...

Não entendi qual foi o espanto com relação as perguntas do radialista. Ela queria o quê? Bater um "papo-cabeça" no Jô Soares ou na Marília Gabriela? Ela é a típica convidada da Luciana Gimenez, com sorte ela acaba indo lá. E quando minha mulher coloca a tv na Luciana GimeneZzzzzZZzzzZZZZZZZZZZZZZZ.

Marilia disse...

Mila, sua explicação sobre a Letícia querer ou não ser uma pessoa admirável é completamente insana.
Ela reclaimer das perguntas da rádio e querer ser admirável não significam campos opostos. Pouco li o blog da Letícia porque não me interessam as transas dos outros, mas do que eu li, ela dizia que aquele blog era uma maneira de falar de sexo usando como premissa os 100 homens, que no final nem sem mais tão importantes.
Isso faz uma pessoa dizer-se ou intitular-se admirável? Eu reclamaria se começasse um blog sobre um assunto e subitamente me "ouvisse" entrevistada em uma rádio sabendo que não era eu a tal entrevistada.
E ainda não podemos dar a ela o direito de reclamar?

Não me vejo representada, como feminista, pela Letícia? Não, assim como não me vejo representada pela dona-de-casa. Mas nenhuma das duas quis levantar bandeira de feminista.
A Letícia quis e quer fazer sexo porque gosta de fazer sexo. Em nenhum momento ela proclamou que faria sexo com 100 homens porque queria mostrar a liberdade feminina de fazer sexo. Ela quer fazer porque gosta!

Sinceramente? Não é da Letícia como representação que temos de reclamar. É da mídia que não permite e não divulga que outro tipo de representação além de atrizes, modelos, panicats apareçam.

Uma Letícia é algo extremamente reconfortante diante de tanta imposição de valores na midia. Ela não é modelo, atriz ou está na mídia dessa forma, impondo valores machistas.

E que venham as requisições de que mais mulheres feministas apareçam na mídia. Declaradamente feministas. Consciente e Objetivamente levantando bandeiras.

Não imponha a outr@ o que el@ nem se propôs.

Mila disse...

Você pouco leu o blog da Letícia, eu também, mas foi o suficiente pra ler um texto no qual ela reclamava da "não projeção" de seu blog, se isso significa não ter intenção de ficar famosa e célebre eu não sei o que é.

Também acho que a Letícia não montou o blog com a intenção de levantar a bandeira do feminismo, só acho que ela está surfando nessa onda feminista que atribuíram a ela. É esperta, não no sentido que eu gosto dessa palavra.

Quanto às pessoas que têm lugar mídia, é lamentável mesmo ver como a mídia se alimenta do escândalo. Há pessoas que fazem coisas incríveis pela defesa da amamentação em público, pela remuneração igualitária de homens e mulheres, mas terá lugar na mídia a sujeita que escandalosamente estupra sua própria privacidade gritando aos 4 ventos que quer transar com 100 homens.

Ainda estou tentando descobrir qual a sutil diferença entre a Letícia e a Bruna Surfistinha, a diferença é tão imperceptível que mesmo seus leitores a apontam como a sucessora da moça. Claro, a Bruna recebia pra transar e a Letícia não, mas e a diferença textual, cadê? Os temas são sempre os mesmos.

É inteligível que nessa era de facebook, twitter, orkut e BBB, quando as pessoas voluntariamente jogam suas privacidades na lata de lixo, a Letícia encontre eco, só não acredito que isso acrescente algo às mulheres, só é mais do mesmo, a velha história da "inveja do pênis" de que Freud falava.

Gaia disse...

O que me impressiona é ver o nível paupérrimo de representatividade de que nós mulheres dispomos.

E quem disse que a Letícia nos representa?

Nós mulheres queremos ser o garanhão mascu ou queremos igualdade entre os gêneros?

Querer igualdade entre os gêneros inclui a liberdade de explorar nossa sexualidade, sem ninguém nos enchendo os pacová.

lola aronovich disse...

Mila, vc parece que não vem muito aqui, se a impressão que vc tem é que qualquer pessoa que discorda é chamada de troll. Há muita discordância, muito debate, na caixa de comentários. Há mais de 60 mil comentários no blog. Quem é chamado de troll não é quem discorda, é quem vem aqui só pra xingar e falar besteira. São muitos, mas não sei se chega a 5% dos comentários.
Agora, seu nível de argumentação é MUITO falho. (E como vc disse: não leve a mal, é só minha opinião).
A Letícia deveria ficar feliz com o nível das perguntas de uma rádio que entrevistou uma falsa Letícia? Sério mesmo? É isso que vc quer dizer? Imagina só, uma rádio grande entrevista alguém se passando por vc, e vc tem que ficar feliz? E o nível das perguntas é horroroso. Vc leu a transcrição da entrevista? Vai uma distância entre "querer ser admirada" (quem não quer?) e "não querer ser atacada covardemente", não acha?
Sobre a representatividade das mulheres, eu e muitas outras feministas somos, do nosso modo, com nossas limitações, também representantes. E não nos “ultra-sexualizamos” pra isso. Critique a mídia por não abrir espaço para a representação das mulheres, não as mulheres e suas representantes.
Ninguém disse que Letícia é feminista ou que representa o feminismo. O que eu disse é que os ataques a ela são machistas. É por causa do machismo (que diz que só homem gosta de sexo e pode fazer sexo casual; que confunde prazer feminino com prostituição) que ela vem sendo atacada. Desde a minha adolescência eu luto para que esse padrão duplo (mulher que faz sexo = vadia; homem que faz sexo = garanhão) seja derrubado. Ah, e vc está mal-informada: não existe garanhão mascu. Mascus são mascus justamente por se frustarem por não serem garanhões. Se eles fossem garanhões, estariam felizes da vida, e não seriam mascus.
Os ataques a Letícia não são pessoais. Não é porque ela é a Letícia (que, inclusive, é um pseudônimo). Os ataques a ela são aqueles feitos a qualquer mulher que diz que gosta de sexo e quer transar sem compromisso com quem, quantos, e quando quiser.
Acho uma estupidez sem tamanho homens e mulheres atacarem mulheres como a Letícia, ou seja, mulheres que querem curtir sua sexualidade sem amarras. Da parte dos homens, é estupidez porque, como disse a Aiaiai, eles deveriam mais é querer que todas as mulheres transassem mais, porque assim, obviamente, eles também transariam mais. Da parte das mulheres, aplaudir que se chame de puta uma mulher que faz sexo é estupidez porque equivale a validar um insulto que será usado contra elas. Ou vc acha que a sociedade é muito seletiva quando chama alguma mulher de puta e vadia? Fica a pergunta: quantas mulheres vc conhece que nunca foram chamadas de puta ou vadia? Um insulto usado pra restringir a liberdade sexual feminina pode ser bom?

Marilia disse...

Esta semana mesmo vi uma postagem no facebook de um contato que me deixou chateada: é aquela que fica mostrando que o masculino de um termo significa algo positivo e o feminino, puta.

Novamente, gostar de sexo não existe para mulher.
Em outras palavras, todas as mulheres que gostam de sexo são putas?

A propósito, Lola, em muitos aspectos, você é minha representação de feminismo. =D Amadureci muitas ideias depois de ler seu blog!

Letícia disse...

Mila, me diga onde no meu blog está este ponto: 'mas foi o suficiente pra ler um texto no qual ela reclamava da "não projeção" de seu blog, se isso significa não ter intenção de ficar famosa e célebre eu não sei o que é.".

E, mesmo que minha intenção fosse ganhar rios de dinheiro com o blog, mesmo que eu fosse uma prostituta... me conta aí o que você tem a ver com isso. Me diga em que momento minha vida toca na sua. Me diga qual crime eu estaria incorrendo. Me diga!

Ah, para quem nunca leu meu blog: eu jamais fiz isso para ganhar algum dinheiro. Mas, se ele entrar, vou achar ótimo.

Marilia disse...

Letícia, o blog li pouco, mas li os absurdos que você recebe e posta no cemhomenssemnoção.
Ah, e vou usar a repercussão negativa e machista para falar sobre preconceito na sala de aula!

Quem sabe pelo menos alguns adolescentes comecem a rever seus preconceitos sobre a liberdade sexual feminina!

charlles campos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paola disse...

Eu queria entender como algumas pessoas, e essa moça chamada Mila incluída, conseguem desvincular o tema da liberdade sexual da agenda feminista.

Não estou aqui dizendo que a Letícia é feminista, mas tanto o tema sobre o qual seu blog trata quanto a repercussão entorno dele abordam/questionam a liberdade sexual feminina.

O que me parece é que cada vez mais se configura uma ala conservadora dentro do movimento feminista (ou em seu nome ou nas suas margens, mas com voz), que tenta combinar uma bandeira moralizante dos comportamentos sexuais com as liberdades políticas mais amplas. Estilo feminismo-TFP (pela "mulher-cidadã-de-bem", moça politizada, mas de família, com o dote mais caro pra casar).

Só tenho uma coisa a dizer pra essa galera: NÃO ROLA! ou a gente é livre pra fazer o que quiser com o nosso corpo: pra dar, pra comer, pra trabalhar, pra escolher o que fazer numa gravidez indesejada, ou então a gente não é livre. Não existe liberdade meia-boca.

Helmut disse...

Eu concordo com a Mila e acho a argumentação da Lola extremamente falha: "Se o homem faz é garanhão, então a mulher tem o direito de fazer". Onde na internet há um blog em que um homem estipulou trepar em escala industrial e conta isso na net? Ainda não vi, se visse acharia repugnante como acho o blog da Letícia, muitos homens achariam repugnante. Esse blog é o fim voluntário da privacidade e da individualidade. A "argumentação" da Lola não consegue sair da dicotomia machista-feminista característica de certa fase da infância onde os meninos são azuis e as meninas rosa e ambos se detestam mutuamente. Machismo e feminismo são duas faces da mesma moeda, dois grupos SUPREMACISTAS. A real, sensata e razoável alternativa a isso é o igualitarismo de direitos e deveres. Outra falha que vejo no pensamento da Lola é: "Desde a minha adolescência eu luto para que esse padrão duplo (mulher que faz sexo = vadia; homem que faz sexo = garanhão) seja derrubado." Receio te contar Lola, mas esse é um drama para a sua geração. (ponto final) Não é um drama universal nem tampouco se refere a todos os nichos sociais e culturais, nem sequer a todas as regiões desse nosso país continental, menos ainda a outros países. Uma bandeira dessas seria risível em diversas partes do mundo. Acho que a Lola teria um pensamento mais claro se partisse de uma suspensão do eu e pensasse a sexualidade e outros assuntos a partir de referências menos limitadas que as da sua geração e identidade individual. A Lola também seria mais respeitável caso não partisse do pressuposto de que quem discorda dela é mal informada e estúpida (à parte a estigmatização dos trolls e etc). Quando se trata do tal blog da Letícia acho que a questão a ser discutida não é sobre "mulheres que querem curtir sua sexualidade sem amarras" e sim sobre mulheres que querem curtir sua sexualidade sem amarras e fazer disso um assunto público sem que haja qualquer um que discorde disso e que ouse achar isso de alguma forma repugnante. Como eu disse, a sexualidade pode ter sido um drama que marcou irreversivelmente a psique de mulheres da geração da Lola, não é mais um drama. Qualquer mulher que não tenha um gozo histérico como é o da Letícia pode desfrutar da sexualidade como bem entender, essa absolutamente não é uma batalha, é sim, puro exibicionismo, isso é claro quando ela deixa evidente sua dificuldade em aceitar críticas, deveria repudiar também cantadas e elogios para parecer mais coerente.

Denise disse...

Paola :)))))

Ainda bem!

Agora quanto aos comentários dirigidos à Letícia, em especial os que ela posta no cemhomensemnocao...
Putz, sério mesmo, é muita gente com ódio no coração por nada. Não dá pra entender essa gente. Parece que são pessoalmente ofendid@s porque existem pessoas diferentes respirando por aí... Pra mim, é simplesmente coisa de quem não tem o que fazer nem com o que se preocupar.

Denise disse...

Helmut, fala pra gente onde é esse lugar maravilhoso onde tu vives que a mulher pode desfrutar da liberdade sexual como quiser sem ser julgada, taxada de puta, vagabunda, dá pra todos? Sério, porque eu quero me mudar o mais rápido possível. :P

E a questão da privacidade e individualidade... São da Letícia, né? Ela que escolhe se ela vai ter de mais ou de menos. A gente não tem nada a ver com isso. Uma coisa é não concordar com o que ela faz, estamos num país livre, e podemos. Outra, bem diferente é chamá-la de prostituta, puta e adjetivos, desejar que ela tenha AIDS, câncer e morra vagarosamente, dizer que ela está acabando com a sociedade, com a tradição e as famílias do mundo.

Sei lá, mas pra mim existe um abismo tão grande entre as duas coisas...

sintonia73-attak disse...

respeito a sexualidade feminina,se ela der eu como.

Letícia disse...

Denise, se o Helmut te falar onde é esse lugar, você me conta?

lola aronovich disse...

Helmut, se vc já não me acha “respeitável”, não tenho muito a perder contigo, certo? Mas vou ser bem educada e não falar alguns palavrões que me vieram à mente enquanto lia seu comentário. Também quero o endereço desse mundo perfeito em que vc vive. Um mundo em que, nas suas palavras, a liberdade sexual feminina é tão bem aceita que não há “qualquer um que discorde disso e que ouse achar isso de alguma forma repugnante”. Aham, isso foi problema das mulheres da minha geração, algo que me traumatizou muito, como vc insinua. E a Letícia e eu e outras somos “histéricas” (palavra que vc usa sem saber -- ou sabe? -- que essa é uma das acusações mais frequentes que são feitas às mulheres há uns 150 anos — e guess what, sempre associado com sexualidade feminina!) por estarmos nos importando com um assunto que nem existe, né? Isso aí. Os ataques que Letícia e outras 3,5 bilhões de mulheres sofrem acerca da sexualidade são só impressão nossa. Paranoia mesmo.
Comentários como os seus são o clichê do cocô do cavalo, Helmut. É, mais uma vez, alguém querendo pautar o feminismo (“liberdade sexual feminina não é um assunto válido, porque mulheres hoje podem exercer sua sexualidade do jeito que quiserem, DESDE QUE não busquem o GOZO HISTÉRICO [wtf?] da Letícia”), dizendo o que devemos ou não discutir, o que deve ou não ser um assunto político. E é vc quem decide, certo?
O mais impressionante é que o post inteiro é uma REAÇÃO a exemplos de gente que discordou da liberdade sexual feminina. E vc insiste que isso não existe mais. Conta outra, vai.

Luíza disse...

Helmut, também quero saber aonde é esse lugar maravilhoso, esse Vale encantado!

Ártemis disse...

Aiiiin, um lugar que eu posso fazer sexo com quem eu sentir vontade, desde que a outra pessoa queira, e ninguém venha dizer que eu sou puta, que não valho nada, que ninguém vai querer namorar comigo, que a buça fica larga?

Também quero passagem pra lá AGORA!

ene disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Denise disse...

Letícia, não se preocupa, assim que ele liberar nossa passagem pra esse mundo mágico, todas iremos, sem exceção! :)))

Tô tão empolgada que nem consigo me conter!!!

Agora, mulher: aqueles comentários que você recebe... Eu não sei como você consegue ser tão educada. Sério mesmo... Eu fico cá comigo pensando que eu nunca vou conseguir seguir os passos de Gandhi, pois minha paciência, tolerância e compaixão tem limites.

ene disse...

Bom, que o corpo é dela, a vida dela e ela faz o que quer ninguém duvida.

Por mim ela pode sair com quantos quiser e sinceramente acho que a questão não é essa. O problema é ela espetacularizar a sua vida sexual aos 4 ventos
Será que se ela fizesse isto sem se expor dessa forma, ela passaria por tudo isso?
Além do mais ela fala o que bem quer, os gostos, as vontades, desejos, frustrações de uma forma escancarada jogando sua privacidade aos léu.

sinceramente quanto a isto ninguém aqui pode fazer nada. Se ela tem maturidade para transar com quantos quiser, ela deve ter para arcar com as consequencias de tanto exibiconismo. Expor sua vida sexual tem um custo que ela tinha ciência quando resolveu entrar nessa, caso contrario não teria colocado pseudonimo

Se ela não quiser criticas, portanto, ela não faça, nada, não diga nada fique em casa esperando a vida passar.Porque é isso que acontece com todos que expõe a sua intimidade dessa forma

O que a Leticia faz é nada mais do que aquilo caracteristico de sua geração. Aquela que se exibe e quer aparecer a todo custo, vai a BBB, facebook, blogs, expor tudo aquilo que se passa em sua vida para ganhar projeção, ser famoso, dinheiro ou só para aparecer mesmo.
A geração pós-moderna que busca prazer e liberdade sem limites.

É isso que ela é.

A sociedade do Espetaculo.

É isso que ela faz com a sua vida sexual.. um espetáculo sexual online

Denise disse...

Ene, e o problema dela fazer um blog pra falar sobre isso é...

Você pode não concordar com ela, mas você não tem o direito de julgá-la e insultá-la. Essa é a questão. Ela não tá fazendo mal a ninguém.

Seria interessante se vocês dirigissem essa energia toda no dia 07 de setembro na passeata contra a corrupção. Bora??? :))))

Olha aí que Lola também é utilidade pública.

Helmut disse...

Eu não disse que sou eu quem decide o que deve ser discutido, mas assim como você, eu sou doutor e embora minha formação tenha sido toda feita na Göttingen Universität na Alemanha (pode conferir minha localização pelo meu IP), onde estudaram Husserl, Schoppenhauer, Gauss e 42 prêmios Nobel, pressuponho que você que fez sua formação no Brasil também seja ciente da importância da metodologia. Situar-se no tempo e no espaço é quesito básico para qualquer pensamento. Ou você fala sobre a sexualidade das meninas de tal faixa etária em tal morro do RJ por ex. ou está sendo desonesta em universalizar temas sujeitos a variáveis como educação, idade, renda, nível cultural, etc. "Comentários como os seus são o clichê do cocô do cavalo, Helmut." Parabéns pela elegância e riqueza de argumentação Lola. Elegante como um hipopótamo de dez toneladas, qualquer semelhança da metáfora com sua anatomia é mera coincidência, eu me referia unica e exclusivamente à sua "argumentação", seu insulto para ser mais preciso. Estou feliz que nossos jovens aí no Brasil estejam em boas mãos nessas universidades sucateadas que vestem a camisa terceiro-mundista com tanta paixão. Sua reação é típica de um esquerdopata que não tem argumentos e parte para a baixaria, como não sou afeito a isso e sim ao debate e já ví que não encontrarei isso aqui não volto, nem perca seu tempo dirigindo-se a mim pois não lerei. Aliás faça-o com veemência para intimidar qualquer leitor que queira discordar de você. Parabéns pelo empenho em sua doutrinação esquerdista. Lembrando que o muro de Berlin também caiu a algum tempo.

ene disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ene disse...

Denise

Então assim como Helmut deve nos informar que lugar tão maravilhoiso, onde mulher PODE GOZAR DE sua liberdade sexual. Vc poderia me dizer onde há um lugar em que vc pode fazer as coisas e não ser criticada

quando vc encontrar onde fica a Parsagada em que vc faz o que quiser da sua vida e não escuta critica me avisa que eu também quero ir. Tá?!

Na boa , em que mundo vcs vivem
será que eu também não quero dá para quem eu quiser, mas não vou exibir minha vida dessa foram e esperar que todos concordem

TODA UNIMIDADE É BURRA, QUERIDA! já dizia o genio Nelson Rodrigues.

E esse papo " eu faço o que eu quero e ninguém diz nada" só de adolescente mimado e infantil vc ouve.

Denise disse...

Ene, me diga aí o que a senhora entende por "criticar"...

Se isso incluir mandar pro inferno, chamar de puta, vagabunda, baranga, arrombada, etc, se for desejar o mal pro próximo e querer que ele tenha todas as piores doenças do mundo, se for vontade de matá-lo, esquartejá-lo e torturá-lo porque simplesmente el@ é diferente de você, então, realmente, amiga, sou burra e me orgulho de ser assim. Aliás, não gosto dessa palavra burr@. Prefiro estúpida ou idiota, mas enfim... Porque o burro não tem nada a ver com isso. Eu adoro burros. Ao contrário de alguns humanos.

Bom, sobre isso, te falo, se alguém me chama de puta, me diz pra ter AIDS e me fala que vai me matar, eu não considero isso crítica, mas uma afronta à minha dignidade e à minha vida.

Agora se no teu mundo, isso é normal, sei lá, mas eu acho que é bom você se juntar a nós pra ir pro mundo encantado do Helmut aí :)))

Aliás, quanta tristeza no meu coração... Graças à delicadeza (kkkkk) de Lola, ficaremos todas nesse inferno patriarcal! :P

Denise disse...

Agora numa coisa não posso deixar de concordar com a senhora: toda unanimidade é idiota e estúpida. A unanimidade é machista :)

Marilia disse...

E o gênio Nelson Rodrigues tbm, Denise!

Denise disse...

Marília, eu nem sabia que ele era gênio :P

Pra mim, gênio era Einstein. Porque, né? Quantas pessoas conseguem entender aquelas fórmulas?

ene disse...

Denise

Sim querida escutar o nome de vadia, puta, piranha no meu mundo é normal, embor não muito educado

Ser criticada, xingada, humilhada no mundo meu mundo acontece. acho que no seu é que não. Que quer fazer as coisas e esperar que todos acatem e batam palmas


Agora que se vc não quer ouvir isso, se nunca engoliu sapo na vida. Se vc vive num mundo em que só escuta linda, fofa, e meiga Que bom pra vc!Porque ganhar e perder comigo acontece todo dia.

ene disse...

Desisto de discutir

As leit@as da lola são tão inteligentes que nem sabe quem é Nelson rodrigues

Valha-me. Não tem importância, querida, os deusses da literatura brasileira lhe perdoam. FUI!

Denise disse...

Ene, tudo isso acontece no meu mundo. Só que uma coisa é acontecer e você achar super normal, que é o caso da senhora. Outra coisa, diferente, é não concordar com esse tratamento que me dão. Eu não querer ser tratada feito merda é um direito meu, né não? Ou a senhora quer que eu baixe a cabeça e aceite tudo que me falam - se eu acreditar em tudo, é melhor?

E digamos, por um momento, como você mesma diz, que todos os seus dias todo mundo te xingasse e te tratasse tal qual estão tratando a Letícia (duvido muito disso, mas tudo bem)... Só porque te tratam assim, você acha que é normal tratar outr@s igual? Acha que todo mundo tem que aceitar ser xingada e julgada gratuitamente?

Ah, sinceramente... O povo sai na rua te chamando de puta, megera, baranga, prostituta e arrombada? E tu achas isso tudo normal??? Ene, você sobreviveu como? É um mistério pra ciência.

Eu reitero meu convite: vamos pro mundo encantado do Helmut. Lá você vai ser bem tratada, te garanto :)

Denise disse...

Eita, no teu mundo Nelson Rodrigues é um gênio ou um deus? A gente nem pode discordar que ele não é gênio coisa nenhuma. Sei lá, mas cadê meus direitos individuais?
Ah, não. Assim não dá.

Ártemis disse...

Mundo encantado do Helmut hahahaahahahaha

Pasárgada, here I go!

lola aronovich disse...

Ah gente, que triste! Perdi um leitor que não é um dotorzinho qualquer de doutrinação marxista de uma universidade terceiro-mundista, mas um que estudou com 42 prêmios Nobel, e tenho certeza que é só uma questão de tempo para tamanho gênio ter a sua própria estatueta pra enfeitar a ladeira! E isso que ele é um lorde inglês em matéria de educação, digo, um lorde alemão, que só chama as mulheres de histéricas e traumatizadas e de hipopótamas de 10 toneladas (no offense taken; adoro hipopótam@s, tinha aquele filme do Terrence Hill, Nós Jogamos com os Hipopótamos). Droga! Droga! Droga! E Herr Helmut foi-se embora sem nem nos dizer o planeta em que mulheres podem transar com quem quiser sem serem condenadas por isso! Desculpem, queridas! Se eu tivesse sido a Lolinha doce de sempre, talvez ele nos revelasse esse segredo! Fica pra próxima.


Oi, Ene. Tchau, Ene. É isso aí, aqui ninguém sabe quem foi Nelson Rodrigues. Somos tansinhas. Perdoa-nos por te traíres.

Denise disse...

Uma singela homenagem para os que partiram para o mundo encantado e nos deixaram nesse planeta maldoso:

http://www.quadrinhosrasos.com/wp-content/uploads/2011/07/oswaldoaugusto.jpg

Niemi Hyyrynen disse...

Vc's são umas chat@s!!!

Sempre perco as partes mais divertidas das discussões e vc's mandaram embora a Ene e o Helmut, nem deu tempo deles dizerem onde está esse mundo maravilhoso onde vc pode transar a vontade sem ser criticada por isso.

Eu acho que o Helmut só consegue se transportar para este mundo encantado quando fuma maconha...

XD Helmut compartilha ai a erva que vc usa! que deve ser da boa, vo querer umas tres tabuas dessa.

*__________*

lola aronovich disse...

Denise, como vc é educada! Quando eu crescer quero ser que nem vc. Até lá, eu também tenho uma singela homenagem pra saída do Herr Helmut e da Fraulein Ene (como sabem que é mulher?). Dói n'alma perder leitores assim! Dedico a ilustração do Divasca (tá embaixo de todo o post) pra expressar como estou me sentindo nessas horas difíceis.

Mila disse...

Bom, já vi que as palavras dos leitores são comentadas em um contexto completamente diferente do que foi realmente dito.

Não disse que a Letícia deveria ter ficado feliz com as perguntas do radialista, disse sim, que com o nível do blog dela não há como esperar coisa muito melhor do que aquilo.

Eu acho que não entendi bem qual é o espírito da internet, apesar de ter nascido junto com ela, sempre achei que blogs eram fóruns de discussão, onde todos pudessem elegantemente dar sua opinião com a liberdade de não sofrer estigmatizações. Eu mesma nunca vim aqui contrariar a opinião de outros leitores, nem puxar cyber bullying.

Não sei onde o Helmut vive, mas acho que é interessante pensar que há um lugar como o Sudão, onde as mulheres não têm qualquer liberdade, levam chibatadas na rua e têm o clitóris amputado ao nascer e há um lugar como a Rússia, onde as mulheres são dominantes absolutas, tendo sempre a palavra final, pagando contas, sendo admiradas e até mesmo cometendo crimes como o estupro de homens.

Gosto de alguns textos desse blog, mas confesso que a forma como os comments são respondidos não me agrada, MINHA OPINIÃO, comento em vários blogs e confesso que nunca vi isso. Acho um tanto agressivo o "discordar" dos leitores. Vejo que a liberdade aqui também é relativa. Podem ironizar e tripudiar em cima da perda de mais um leitor.
Um abraço a todos!

Denise disse...

É lasca mesmo. O povo fala o que quer, chamam de burra, leitoa (não que as palavras me soem como ofensa, mas quem as remete quer insultar sim), adolescente mimada, de segregadora, igual feminismo com machismo e, pra completar, de "bullyniadora" (irrraaaaaaaa!) e... Você tem que aceitar, baixar a cabeça e não pode fazer nem uma gracinha disso? É que, vejam bem, existem lugares bem piores para a mulher no mundo, então, por que vocês tão reclamando de uns xingamentos bobos na internet? Tipo, não é como se quisessem tirar o clitóris de vocês fora. É muito melhor que isso. (Oi?)

Deixa ver se eu entendi: se não estamos vivendo no Sudão, não temos motivos pra reclamar nem pra discutir sobre a emancipação feminina?

É, Lola. Eu acho que meu problema não é a educação em demasia não. O problema é que não levo muitas coisas / muitas pessoas a sério mesmo :P

Bianca disse...

Realmente as coisas dizem da Leticia e desejam para ela são horriveis fica impossivel pensar que isso saiu de um humano.

Mas, acho também que quando vc se joga numa empreitada dessa, expondo sua intimidade sexual para milhões de pessoas as reações são as mais diversas e inclusive estas. E a situação se agrava ainda mais quando se trata de uma mulher.

Creio que a Leticia sabia do que encontraria pela frente. Não estou dizendo que ela tenha que aguentar calada, se expor desa forma custa um alto preço que ela vai ter que pagar se quiser continuar com isto

Me desculpem se minha opinião é diversas da maior parte, pois pelo que pude ver ver aqui qualquer um que contraria logo é ridicularizado., mas eu acredito que escolhas são feitas e ela fez a dela.

Denise disse...

É não, Bianca. Ridicularizado não. Mas venhamos e convenhamos que ninguém discute com @ outr@ na base do insulto, né? Se você quer insultar, seja clar@ e faça isso desde o início. Ninguém vai perder seu tempo tentando dar início a uma discussão na qual uma das partes não quer entrar. É meio que óbvio isso, mas tem gente que simplesmente não entende.

Mas é isso que estamos colocando aqui: você tem o direito de não concordar com ela, mas me fale, por favor, existe alguma razão sensata pra agredi-la a esse ponto que estão fazendo?

Pra mim, o que essas pessoas sentem é pura e triste inveja. Ou querem ser como ela ou querem dar pra ela. Simples assim.

Tanto ódio não é normal. Não é. Quem acha que é, me desculpe, mas é piradinho da cabeça. E eu não tenho o mínimo receio de afirmar isso.

Dia 07 de setembro na Marcha contra a Corrupção, espero ver esse ódio todo pelos políticos ladrões :)

Bianca disse...

Então Denise foi o que eu disse. As coisas são horriveis, mas quando se expõe dessa forma, não vai esperar que as pesoas sejam tão sensatas quanto vc, vai?

Existem pessoas de todo tipo e para todos os gostos e nem todas são livres de preconceitos.

Mas na boa vc ao me chamar de "piradinha" e ser tão irônica no final do seu texto somente comprovou aquilo que eu pensava antes.

Sei que não sou uma grande leitora sua, Lola, como o Dotô de 42 premios nobels, mas depois disso perdeu uma também.

Abraços a todos

Letícia disse...

"Quando se expõe dessa forma"... peraí: eu contei sobre a minha vida sexual. Em todas as relações, a coisa foi absolutamente consensual. Não transei com animais, crianças ou pessoas incapazes de dizer "não".

Por qual razão, então, eu mereço ser criticada? Devo aceitar passivamente que as pessoas me chamem de puta, desejem que eu tenha AIDS e que eu me suicide "por causa do meu vazio existencial"?

Repito: tudo o que fiz foi CONSENSUAL.

E foi uma delícia.

(e o bizarro é que eu nem mais contava minhas histórias...)

daniele disse...

Não faz bem esse reacionarismo todo, Lola. Cada um tem direito de expressar sua opinião, mesmo contrária à do texto. Penso a mesma coisa que o Helmut, e não achei (em seu primeiro comentário), que ele tivesse sido ofensivo, para merecer teu xingamento e ironia. Há muito venho notando essa agressividade no blog_ aspecto que já vi criticado em alguns blogs_, o que é lamentável. Nada é "8 ou 80", como querem fazer crer aqui. Existe o meio termo, as nuances do discurso, que não são privilegiados aqui. Sendo meu primeiro comentário, faço coro: não volto mais aqui.

Niemi Hyyrynen disse...

A Leticia quer transar com cem homens em um ano e a Lola em um dia já perdeu 4 leitores.

Hey Lola! Vc é rápida no gatilho hein.

Vc vai perder uns cem leitores neste post antes que a Leticia consiga os 100 homens se continuar nesse ritmo...rs

Denise disse...

Bianca, se voltar ao meu comentário, vai ler assim:

"Tanto ÓDIO não é normal. Não é. Quem acha que é, me desculpe, mas é piradinho da cabeça. E eu não tenho o mínimo receio de afirmar isso."

Não acho essa intensidade de ódio normal mesmo. Principalmente para o que a Letícia não fez. Se você entendeu de outra forma, foi por sua conta, mas não falei que você é pirada por expor sua opinião contrária.

Engraçado que todo mundo pode ser agressiv@, odiar, xingar, ser irônic@ e falar o que bem quiser... Agora se algum(a) leitor(a) do blog ou a própria Lola fazem isso, pronto! É um festival de ismos e "você perdeu mais um(a) leitor(a)".

Dois pesos, duas medidas?

Arlequina disse...

Sabe aquela síndrome de escutar uma música e você achar que o artista tá falando sobre você?

Então.

O que eu tô vendo aqui é que tem muita gente se incomodando com coisas que não estão relacionadas à elas. Por exemplo, a Bianca disse que foi chamada de "piradinha". Não foi. O que foi dito é que "quem considera ódio algo normal é piradinho".

Tamanho ódio e tamanho esforço pra expressar um desejo de ódio não é normal. Não é normal que alguém saia do seu caminho pra dizer: "EU ODEIO ALGO QUE NÃO TEM NADA A VER COM A MINHA VIDA E ESPERO QUE A ENVOLVIDA MORRA DA FORMA MAIS HORRÍVEL POSSÍVEL", no caso, o blog da Letícia. =)

Não, nós não aceitamos o ódio aqui. Desculpa. A porta é logo ali. Saia, e saia xingando, se quiser. Prometo que não vou ficar indo atrás pra xingar você e declarar que espero que você morra. Por que, na boa? Eu não quero. Ninguém em sã consciência quer perder o tempo com algo que odeia.

Denise disse...

kkkkkkkkk

Aeeeeeeeeeee! Boa, Niemi. Lola, mulher, adote essa meta, por favor! Vamos fazer um bolão e apostar quando que ela perde essæs 100 leitoræs! Porque, né, alguém tem que ganhar dinheiro com esse blog, minha gente :)

Ei, Lola, eu vou chegar nos 100 comments hoje! ahahahahah (resfriado faz isso com as pessoas).

Ginger disse...

Achei o blog da Leticia meio punk.

Fiquei meio impressionada com as coisas que ela diz, não que seja errado e tals, mas fiquei surpresa com a naturalidade com que ela toca no assunto.

Eu acho que não teria coragem e nem veria necessidade...sei lá ela meio que se expos demais.

Não sei,tipo vc escreve um blog falando de sexo e não imagina que o povo vai cair matando, pra mim é meio ingenuidade ou muita fé no ser humano.

Mas agora o blog está mais pesado, com ela se defendendo toda hora do pessoal que fica perseguindo.

Eu acho que isso ta machucando ela, não tá fazendo bem!

Na boa, eu se fosse ela daria um tempinho.

Niemi Hyyrynen disse...

Tá apostado então Denise!

Aposto com vc que a Lola perde 100 leitores neste post antes da Leticia transar com 100 homens!

E ha, Leticia, não vale apelar, do tipo pedir ajuda da torcida do Flamengo..kkk

Gaia disse...

Viu o que vocês fizeram?
Quatro comentaristas importantíssimos e super frequentes foram embora por causa de vocês, feministas malvadas soltando fogo pelas ventas!

Marilia disse...

Eu realmente adoro quando as pessoas são super delicadas e as feministas malvadas vêm com grosseria para expulsar os comentaristas contrários à opinião da Lola.


Porque destilar ódio aos outros pode, mas retrucar com ironia e sarcasmo não, tá?!

Make Them Hear You disse...

A princípio quero dizer q sou nova no blog e me sinto muito bem representada por ele. Aliás, tão bem representada q dá raiva de ler um texto e não ter o q acrescentar nem criticar nele! Haha.
E o q são esses comentários q eu vi aqui? Fala onde é a fábrica de defensores da moral e dos bons costumes q eu mando tacar fogo já, já! Dizer q a Letícia se expôs e por isso minimiza o q ela tá passando (quando não acusam pela entrevista) é absurdo! Quando se fala em superexposição pela internet, isso quer dizer não expor informações q possam te prejudicar no futuro (tipo eu, q não divulgo na net coisas q não quero q minha mãe saiba q fiz.) Mas expor a sua vida pessoal quando vc não deve nada a ninguém é errado? As mesmas pessoas q dizem q a Letícia pode fazer o q quiser com seu corpo são as q usam os termos mais pesados pra descrever o blog, as q mais estigmatizam qualquer mulher (o corpo é seu, maaas se vc não usá-lo como a sociedade quer, vc é chamada de p*ta, sendo vc ou não, e será tratada como uma. O q vc "escolhe"?). Se alguém tem q se incomodar com a invasão da própria privacidade é a Letícia, não xs leitorxs. É assim, o pessoal twitta tudo o q faz, eu me canso e dou unfollow, simples, e nem critico as coisas q as pessoas twittam. Mas imagina se em vez de dar unfollow eu xingue esse pessoal, OU PIOR, censure-o com a desculpa de q os outros não serão tão compreensivos assim com seus tweets! Não faz sentido, faz? E não há motivos pra pensar q a promessa de ano novo da mina seja assunto diferenciado q mereça intervenção e agressão gratuita alheios. Ninguém até agora conseguiu explicar o q a variedade de parceirxs tem de tão abominável para q se ache normal o comportamento de um locutor escroto daqueles.
Um dia eu simplesmente vou hackear o blog Testosterona e colocar frases feministas lá e quero ver vai dizer q o edu provocou a minha ação e quem vai defender a "liberdade de expressão" do cara. Aposto q o segundo grupo vai ser beeem mais numeroso q o primeiro.

Letícia, continue com a arte de saber transpor o q rola na sua vida para o blog de forma agradável, boa de ler. E torço para q atinja sua meta (neste caso criarei o 100 tequilas haha).

Maria Liliane

Liana disse...

Ahh que coisa, perdi a discussão e nem curti um papo legal com @s ex-leitor@s. Justo na parte que eu mais gosto.

Calíope disse...

"...não tenho certeza que o que Letícia faz é feminismo. [...] O que eu sei é que o que andam fazendo com ela é machismo."

E isso define a posição que eu tenho tomado, a de ataque aos mascus.
Escreva Lola Escreva: quanto mais eu leio, mais eu quero ler!

comixzone disse...

Falando serio,essa Leticia quer chamar a atenção.Qualquer garota de programa alcança essa meta ,de da pra 100 em um ano,mas elas não tornam isso um assunto publico.Parem de defender pseudocausas,ou da ou desce.

Maria Valéria disse...

Não concordo com a maneira como a Leticia expõe privicidade dela, porque pelo texto e pelos comentários que li, percebi que isso só tem feito mal a uma pessoa: a ela mesma...
Sei lá, sou do time que defende ' 'aproveitar mais a vida em off', sabem?... em vez de dar tantas 'pérolas pra porcos', como a Letícia tem feito no blog dela...Não é um julgamento nem uma crítica à maneira como ela vive a sexualidade ela, mas uma observação de que esse blog dela( já li um pedaço dele) tem feito mal a ela, no fim das contas...Não tenho nada aver com o qto vc se expõe, Letícia, mas( se é que vc tá lendo isso) se vc não tá aguentando o tranco e as consequências disso, seria legal dar um tempo. Agora, se vc está feliz e não se importa MESMO com os xingos que tem lido, bola pra frente e escreva o que quiser.Eu tbém queria uma sociedade menos machista e que não chamasse as mulheres desse nomes que vcs citaram aqui, mas enqto isso não acontece, os xingamentos vão existir.é fato.
Não conto muita coisa da minha vida particular pra qualquer um, porque sei o que posso escutar. E sinceramente, não aguento o tranco de escutar besteira. Então, conto minha intimidade só pra quem confio muito.Se vc não se importa com as baboseiras que vai escutar, conte o que quiser pra quem quiser. é assim que penso ;-) o importante é ser feliz com sua escolha.

Lola, gosto dos seus textos mas confesso que venho pouco aqui, porque os comentários de trolls me desanimam. E mesmo qdo não é troll, tem gente que exagera nas discussões. Nesse post especificamente, vi exageros, tanto nos comentários ' machistas' como nos ' feministas'.E se tem uma coisa que me torra a paciência é ver gente que veste uma carapuça que não foi escrita pra ela e se exalta nos comentários aqui( não é de vc que to falando, ok?)... ando um pouco velha e sem paciência pra ver briga que parece de adolescente do colégio...
beijos;-)

Alice disse...

Eu gosto muito dos posts da Lola, mesmo quando não concordo com eles. No caso da análise sobre o blog da Letícia, adorei cada palavra. Mas, sinceramente, acho que algumas discussões posteriores assumem um tom raivoso, desproporcional e nonsense. O tal do Helmut, no primeiro comentário, não me pareceu tããão agressivo como o pintaram no twitter, não. Falaram em "carteirada" e o chamaram de dotô porque ele mencionou que estudou numa Universidade conceituada na Alemanha. Okay, houve uma certa dose de arrogância. Mas era para tanto? A titulação (doutorado) da Lola não consta do blog? Não serve para dar credibilidade ao que ela escreve? Volta e meia ela não faz questão de destacar que passou no único concurso que fez? Sair chamando o cara de dotô no twitter para ridicularizá-lo? Sei lá, não estou defendendo o sujeito - que foi sim arrogante -, mas acho que o nível da discussão muitas vezes fica paritário no quesito baixaria e "veja minhas credenciais" (sou mulher, estou fora do padrão, sou de esquerda, estou fora de um grande centro, logo minha opinião sobre certos temas não pode ser desqualificada caso contrário é machismo, é classismo, é elitismo). A coisa assume um tom faccioso, de nós e eles. Tudo é classificado, rotulado como embate entre imbecis e esclarecidos. É por isso que ouvimos falar em esquerda raivosa (não que não haja direita raivosa também...). Simpatizo com muitas ideias da Lola, admiro seu entusiasmo e comprometimento com o blog e não deixarei de lê-lo, pois me divirto e aprendo cada vez que entro aqui. Mas fico decepcionada com o rumo que a coisa toma no "fala gente fala" e no twitter. Pronto falei.

Andrebarbosax disse...

Fico chateado, com comentários tão absurdos de um tema tão simples e impressionado como o sexo ainda é um tabú na nossa sociedade. Uma mulher não pode simplesmente gostar de sexo? Eu pessoalmente não acho um número tão absurdo como acham, nem se fossem 3 por dia! Afinal, se fosse um homen, no mínimo ia ser chamado de Don Juan, ser ovacionado, ser chamado de "O CARA", em fim, nomes toscos e sem sentido! Cada um faz o que quizer dentro das regras do estado e NINGUÉM tem o direito de ferir a integridade moral de ninguém.

Anônimo disse...

Mas importa se é feminismo ou não? Que seja uma mulher apenas querendo realizar um desejo dela e compartilhar a experiência, foi apedrejada por isto. Já se torna uma causa feminista. Ou estou enganado?