sexta-feira, 27 de agosto de 2010

A OFERECIDA É ACEITA COMO MESÁRIA

Eu vejo flores em você, democracia.

Ieeeiiii! Que demais! Semana passada recebi uma convocação do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará para atuar como mesária nas eleições! Estou muito feliz. Sei que pra muitos esse trabalho pode parecer como o inferno na Terra, mas, no meu caso, eu me voluntariei. Alguns meses atrás, quando eu e o maridão fomos transferir nosso título, de SC para CE, para não perdermos uma eleição sequer, vi um folheto pedindo voluntários. E eu sempre quis ser mesária, então preenchi uma ficha. E ainda perguntei pro maridão: “E você? E você? Você não quer? Vamos ser mesários juntinhos, super romântico!”. Mas ele disse que não, de jeito nenhum, “Vai você”. E quando eu quis saber por que diabos não, ele respondeu com aquela resposta típica de quem tem cinco anos: “Porque não”. (Vocês não têm ideia de como odeio uma resposta dessas! É de quem se nega a pensar, a argumentar!). Mas eu já estava radiante demais só por ter me inscrito pra ficar chateada com a negativa maridística. E perguntava pra ele: “Será que eles vão me chamar? Será?”. E ele: “Oferecida do jeito que você é, não tem como não te chamarem”. Oferecida é um elogio, né?
Eu quis ser mesária porque adoro votar. Porque eleição, pra mim, é um dia especial, um dia de festa, um dia em que me sinto inebriada mesmo, apesar da Lei Seca e de eu detestar qualquer tipo de bebida alcóolica (pelo gosto! A única bebida que eu amo é água. Sem gás). Eu só comecei a poder votar de uns doze anos pra cá, quando me naturalizei brasileira. Mas sempre participei das eleições. Eu amava de paixão fazer boca de urna, por exemplo. Acho um atraso de vida terem proibido, já que fere um direito de todo cidadão, que é o da liberdade de expressão. O quê que tem eu conversar com alguém sobre o voto? Tem um monte de eleitor que “decide na hora”, lá na urna, em quem vai votar. Um monte. A maior parte do pessoal que eu abordava me agradecia por conversar com ele sobre política. Sei que soa arrogante, mas é verdade.
Eu raramente entregava santinho. Era mais um adesivo mesmo pra pessoa colocar no peito, com orgulho do seu candidato. E eu quase sempre só fazia campanha pra presidente. E às vezes governador. E prefeito. Enfim, quase sempre pra cargo executivo. E quase sempre sozinha. Eu ia em algum comitê do PT, pedia adesivo pra distribuir, e ia pra frente da escola que eu quisesse. A única vez em que deixei que eles me colocassem onde quisessem, fui parar na frente de um clube esportivo de elite. Nojento. Fazer o quê num clube de elite? Lá o pessoal já tem seu candidato, que certamente não é o meu. Fiquei lá uns quarenta minutos antes de ir pra uma escola do meu bairro, de classe média baixa.
Continuei fazendo boca de urna depois que ela foi proibida, e nunca fui incomodada. De vez em quando os policiais até olhavam pra mim com cara feia, e pediam que eu me afastasse um pouco, mas era raro. Eu lembro quando chegava um outro militante e perguntava: “Você já votou? Tem que votar antes! Assim, se você for presa, pelo menos o seu voto já tá lá”. E, não sei porquê, eu não tinha a menor intenção em ser presa.
Tá mais do que na cara que a proibição da boca de urna foi uma forma de coibir a influência da militância petista. Como se sabe, só o PT tem militante; os outros partidos têm cabo eleitoral (ok, outros partidos de esquerda também têm militantes). E a diferença é gritante. Militante não recebe nada além de adesivo. Quando muito, vem uma camisa. Eu sou da época em que a gente tinha que pagar pela estrelinha e bandeira do PT. E militante é politizado, sabe argumentar, sabe convencer, já que está lá por convicção. Cabo eleitoral raramente vota no candidato que está promovendo. Pra ele, distribuir santinho e empunhar bandeiras é emprego burocrático. Já contei que a única vez na vida que recebi algo em troca da minha boca de urna foi quando fiz campanha pro FHC, pra prefeito de SP, em 1985? Recebi um lanche e uma camiseta. Foi a única vez em que fiz campanha pra alguém não do PT, e me arrependo amargamente de ter pedido “voto útil”.
Proibir a boca de urna diminuiu bastante a festa democrática que é uma eleição. É muito gostoso ver todo mundo conversando sobre política. Povo politizado conversa sobre política, e é isso que a gente deveria querer: um povo politizado, que fala sobre política todo santo dia, sabe em quem votou, pode cobrar.
Sei que ser mesária não tem nada a ver com fazer boca de urna. Mas é que sou daquelas que adora votar. E fico frustrada quando voto rapidinho demais. É anticlimático, sabe? Eu quero ficar lá, saboreando o momento. Sinceramente? Não imagino que alguém de direita possa entender isso. É preciso ter paixão política pra entender. Não só votar contra alguém, mas votar a favor de alguém, de suas propostas, de seu projeto.
Eu sempre ficava com invejinha quando ia votar no meu colégio eleitoral, perto da minha casa, em Joinville, e encontrava algum amigo como mesário. Ele fica lá o dia todo!, eu pensava. E meus amigos raramente reclamavam por serem mesários. Eles são daqueles que trabalham o dia inteiro da eleição de qualquer jeito, ora como mesário, ora como fiscal do PT (o maridão foi na última eleição, a que o Carlito ganhou. E até ele, que não é um animal político, gostou).
E agora chegou a minha vez! A carta de convocação diz que haverá um treinamento de duas horas num sábado de manhã, daqui a pouco menos de um mês. Massa! E avisa que “a participação neste evento a dispensará do serviço pelo dobro dos dias de convocação, conforme o art. 98 da Lei no. 9.504/97, aplicando-se este dispositivo tanto ao serviço público como ao setor privado”. Naquele folheto que li no dia em que transferi meu título também dizia que ser mesário dá direito a dois dias de folga. Mas se ausentar do trabalho por fazer algo prazeroso? Não parece lógico pra mim. Sem falar que meu trabalho também é prazeroso. Não vou faltar não, tenho mais o que fazer.
E gente boa, pra que eu não tenha nenhuma dor de cabeça nesse dia especial que será 3 de outubro, lembrem-se de levar seus documentos. A partir desta eleição, não é possível votar apenas apresentando o título de eleitor. Precisa mostrar um documento com foto também, como a carteira de identidade. E depois eu conto pra vocês todos os causos interessantes que a gente passa por ser mesária. Pode contar, certo? Não tem sigilo profissional ou coisa do gênero pra mesário, tem?

58 comentários:

Anônimo disse...

Lola, peloamordedeussssssssss
Quer dizer que proibir boca de urna é algo anti-esquerda e anti-PT?
So o que faltava. Sua criminosa! Adoraria te ver um dia no chilindró por causa de boca de urna.
As eleicoes devem ser um processo imparcial! Sem influencias de ninguem. A urna deve ser uma especie de terapeuta pro eleitor. Apenas os dois encarando frente-a-frente. Sacou?

Eduardo Braga disse...

Prepare-se que o Oliveira vai pegar no seu pé e caluniar que vc quer ser espiã da Dilma no Ceará! Além de burlar a lei de boca de urna das eleições passadas! Cuidado com o "dossiê do oliveira"! rs...

Bruno Stern disse...

Eu acho que ia ficar entediado trabalhando como mesário. Acho a boca de urna bem mais divertida.

Ganhar votos na hora. Encontrar conhecidos que ainda não definiram seus votos para proporcionais, implicar com conhecidos que estão em outra campanha e mudar de lugar quando a polícia chega.

Nos anos em que acumulei ser fiscal(pelo PT, é claro) e fazer campanha o dia ficava ainda mais longo. Tinha que chegar na seção às 7 para ver a abertura da urna, ser o primeiro a votar(evitar acidentes) e ir para a rua fazer campanha. De tempos em tempos entrava na seção(deixava o material do lado de fora) verificava o andamento e voltava para a Rua.

Às 17h de volta para a seção. Verificar fechamento, ler os boletins de urna(torcendo para bons resultados do candidato), anotar os resultados e passar para o comitê.

Depois é ir para casa passando em frente a outros locais de votação e verificando os resultados de cada urna(e como o comportamento do eleitor vai mudando de área a área).

Chegando em casa, dá para ver resultados das pesquisas de boca de urna. Resultados iniciais da apuração.

Aí é banho e rua para comemorar, em caso de vitória. Já é isso desde 98(quando fiz 16 e votei a primeira vez, no Lula).

Comentário longo, mas é isso que farei dia 3. E vocês?

Pablito disse...

Também adoro o dia de votar. Chego até a escolher roupa para esse momento!

Débora disse...

Fui mesária ainda quando a votação era feita em cédulas de papel, a parte chata era ficar com a mão suja e doendo de tanto dobrar papel.
Nas eletrônicas o problema era com o pessoal mais velho, principalmente nessa que tem que votar em vários candidatos, tem gente que só quer votar para presidente e governador e quer ir embora sem completar o voto, você tem que convence-los a digitar em alguma coisa sem influenciar o voto e tem sempre um fiscal de partido na seção garantindo isso.
Se você for a presidente ou então pegar um presidente que não seja chato é bem tranquilo o trabalho, principalmente se houver rodízio das funções.

Lord Anderson disse...

Eu nunca fui tão politizado a ponto de me imaginar como mesario, mas parabenizo por ter conseguido.

Sobre boca de urna, tb spu contra a proibição, p/ mim bastaria uma regulamentação e uma fiscalização p/ evitar a sujeito, o barulho excessivo (festa e alegria não precisam ser sinonimos de barulho).

Estou sempre pronto p/ falar sobre politica, ouvir e explicar meus votos.

Só não gosto quando tem algum militante chato que não aceita sua escolha e fica no seu pé.

Defender seu candidato tudo bem, mas esse lance de converter as pessoas p/ o "lado certo" de qualquer maneira me parece coisa de testemunha de jeova.

de qualquer modo ,que tudo corra bem e vc conte p/ a gente depois.

adélia disse...

Lola, você que adora discutir política e ama o dia da eleição, foi escolher ser mesária! Vai ter que se controlar e passar seu dia querido SEM poder fazer nada disso. É muuuito chato ficar o dia inteiro trancada sem acompanhar as apurações e a 'festa' rolando do lado de fora. Mas, né? Aguardo seus comentários após essa experiência.

=Maíra= disse...

Eu também AMO votar! E também já fiz muita boca de urna pro Lula e pra prefeitos de Sete Lagoas com meus pais quando era bem pequena ainda. Depois que proibiram a boca de urna, a gente passou andar com camisa e bottom do PT na época em que as eleições se aproximavam... Fizemos isso até a primeira viória do Lula. Sinto saudades disso...

Depois conta os causos pra gente!

Jujumeo disse...

Sinceramente eu nunca gostei de boca de urna e achava infernal. Justamente pelo pessoal querendo "ganhar seu voto na hora" como disse o Bruno Stern. Tente entender meu ponto de vista: um voto "ganho na hora" vale voto pra alguém que vc acredita e acha que está certo e coisa e tal, mas não politiza e nem ajuda na consiência sobre como votar. Ganhar o voto eu conheço um monte de gente que conseguiria gnhar por força de argumento. Só pegar alguns bons vendedores de idéias (podem ser até os marqueteiros das casas bahia) que conseguiriam fazer com que uma pessoa indecisa votasse no candidato deles. Não acho isso correto e nem digno de vanglória. E acho muito pouco ético. Para ver como é assim ponham-se do outro lado da balança. Vender uma idéia:
Pra mim uma escola pública que só dá aulas de uma religião não forma um teologo. Digo: cidadãos políticos se cria incitando a dúvida e isso se faz com imparcialidade. Eu sempre tive (até a adolecência) a preferência política pela esquerda. Hj não acredito em governo nenhum, pois acho que o governo de um país é o espelho de sua população e nós como povo somos corruptos e hipócritas. Não penso nesse discurso de que escola no modelo em que é proposta para o povo, é a solução.

Amo meu direito de votar, pois nascí na ditadura. Mas acho que infelizmente a democracia que temos é superficial e um tanto ilusória (crescí com sarney no poder e minha filha tbm cresce).

Não acho que proibir boca de urna é algo anti-esquerda ou antí Pt tbm) e estava falando sobre isso com dois partidários do psol (esquerda) sobre seu post e eles não concordam com a sua visão. Dizer isso é demagogo. Prego a imparcialidade como educação!

Obrigado.

Jujumeo disse...

"Defender seu candidato tudo bem, mas esse lance de converter as pessoas p/ o "lado certo" de qualquer maneira me parece coisa de testemunha de jeova."

uahuahuahuhauahauhauhauhuahuah
Ri alto!

Exatamente!
Concordo com seu ponto, Anderson mas não acho que para ter uma boa discussão politica ou troca de informações precise haver "pastores-de-boca-de-urna" de nenhuma das "religiões".

Lembrem-se meninos: ESTADO LAICO!

Bruno Stern disse...

Jujumeo,

não consigo ver onde não é ético conversar com uma pessoa indecisa sobre as propostas/histórico de um candidato.

Até porque a pessoa que vai parar para conversar com alguém sobre seu voto por livre opção. Geralmente alguns eleitores puxam papo querendo saber mais do candidato.

Luna disse...

Olha, esse ano vai ser a primeira vez que vou votar na vida. Estou indo totalmente por opção - eu sempre quis votar por opção, não porque uma lei me obrigou a ir lá. Odeio essa coisa de voto obrigatório... acho que somente as pessoas que querem votar deveriam votar. O restante que não se interessa em ir lá votar é o restante que não se incomoda com o país e vão votar em qualquer candidato que apareça. Odeio isso.

Não sei direito como é boca de urna: lembro de ter ido com minha mãe a eleição que Lula venceu, em 2002. Lembro de agitação e, na boa, eu achava (e ainda acho) que ser mesário deve ser um tédio. Meu namorado se candidatou a ser mesário, acho. Ele é mais empolgado com isso, rs.

Pelos comentários que li, boca de urna é tipo aquelas pessoas que ficam na fila falando dos candidatos e tal, defendendo? Se for, me perdoe, mas eu acho chato. Primeiro que eu acho um absurdo a pessoa ir votar sem saber em quem! Prefiro que votem nulo a votarem em um candidato só porque alguém falou, mas nem conhecem direito as propostas, histórico, etc [afinal é óbvio que a pessoa vai puxar sardinha pro próprio candidato e não vai contar nada de errado a respeito!].

E você já fez campanha pra FHC?! É como ouvir de um ateu que ele já foi pastor! Não consigo acreditar!

DH disse...

Que bom que foi aceita! Nunca vi alguém ficar tão feliz por ser mesária. Meus amigos que já foram chamados sempre reclamam, vão só pela obrigação mesmo. Eu nunca fui chamado, e não acharia ruim se fosse.

Jujumeo disse...

Bruno stern, O que A Luna falou sintetiza oq acho:

"Prefiro que votem nulo a votarem em um candidato só porque alguém falou, mas nem conhecem direito as propostas, histórico, etc [afinal é óbvio que a pessoa vai puxar sardinha pro próprio candidato e não vai contar nada de errado a respeito!]".


Vc não consegue ver a falta de ética pq é vc fazendo a favor do seu partido. Se o partido da oposição contrata-se (ou tivesse como militantes) profissionais da venda de idéias para "ganhar votos" vc entenderia.

Digo que é pouco ético para alguém que prega a POLÍTICA , "ganhar" votos na hora.

Infelizmente vc não vê a falta de ética pq eleições no mundo todo tem sido ganhas por marketing (venda da idéia) e publicidade e não pela capacidade do seu candidato de realmente governar a nossa vida num aspecto mais amplo.
Deputados que nada sabem sobre leis e direito que fazem um sistema cheio de emendas. pessoas do executivo que nada sabe sobre administração. Um mar de gente despreparada. Penso que antes de vc dizer para aquela pessoa que seu canditato é ótimo (pra suas idéias e condição de vida) se ele tbm representa verdadeiramente as visões da pessoa. Isso só se faz de forma imparcial.

Veja um politico pode ser ótimo, de carreira exemplar (utopia) vc pode me vender a idéia que ele por ser do seu partido é bom, eu vou lá e voto nele. POuco tempo depois fico sabendo que esse politico criacionista é contra pesquisas de células troco, e minha mãe é cega de um olho. e as pesquisas de celulas tronco podem ajudar com que ela volte a enxergar. A quantidade da falta de informação que vc deixou de me passar e eu deixei de te passar naquele momento, foi vital para que eu votasse contra uma causa verdadeiramente minha. Ganhar o voto é fazer com que alguém vote " as pressas", muito pouco ético. Que a pessoa que vote, vote preparada. Não é uma conversa de 15 min e pq ela votou no que VC acredita que faz o voto dela ser lucido.

Jujumeo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jujumeo disse...

Vender a idéia de um candidato na hora do voto é trabalhar em cima da ignorância do povo.

Minha humilde opinião.

Ma disse...

Eleições um processo imparcial??
Mas desde qdo política é coisa imparcial???
Mto pelo contrário! Na política há lados, ideologias, planos de governo, PARTIDOS!...
Impossível uma eleição imparcial...
Agora, se vc quer dizer do processo de votação, txudo bem! Só q a boca de urna nao interfere nisso...

Eu tenho saudade do tempo de boca de urna... era mais divertido!!!

E Lola, eu tb adoro o dia da eleição... meu primeiro voto elegeu Lula!! hehehe... mas desde pequenininha eu amava ir com meus pais, ver o movimento, cantar Lula-lá...

Também me voluntariei a ser mesária... mas ainda não recebi resposta! =(
(Mas ao contrário de vc, mto me interessa as folgas..hehehe)

Ma disse...

Pode convencer antes, mas não pode convencer na hora de votar?
Mas pq?
Seja pela direita ou pela esquerda, não vejo pq não poder sugerir um candidato a quem tá perdidão no dia... seria o mesmo de sugerir 10 dias antes, ou 20, ou 40...

Lena disse...

Olá Lola, essa é minha 4ª eleição como mesária aqui no Rio e acho bem legal, o único problema são os colegas mesários que ficam comigo e sempre se atrasam (a ponto do fiscal ligar pra casa deles) e ficam de má vontade duranto o dia todo, então eu torço pra que você encontre colegas responsáveis no dia 3 de outubro.

Bjs

cronicasurbanas disse...

Lola,
já dei minha contribuição como mesária em outros tempos e achei super legal - quase tão bom quanto fazer um tratamento de canal sem anestesia! :)
Brincadeiras à parte, gente é que nem sorvete, né? Tem de diversas qualidades. Aplaudo os que gostam e se apaixonam por uma tarefa assim. Eu, sinceramente, não acho a menor graça...
Implico com essa história de eu ser obrigada a exercer o meu direito, sabe? Eu votaria de qualquer maneira, acho importante, aliás, acho crucial, mas a obrigatoriedade me tira um pouco do mood 'democrático'.
Quanto a fazer boca de urna, odeio a sujeirada que fica por todo lado. Deivam depois dar uma vassoura pra cada um sair limpando a bagunça que fez durante o dia...
abraço
Mônica

Jujumeo disse...

Politica DEVE ser ensinada através de um processo imparcial.
A Política, não eleições MA. Nas eleições os fiscais e todo processo que conduz a votação tem de ser imparcial sim.
Pena ver que há uma visão apequenada da política, que me soa até maniqueista. O lado certo e o errado, o partido bom e o malvado. A esquerda é o povo (que hj é o governo) e a direita é a elite.
Vc não vê pq pq vc vê um candidato do SEU interesse e não do interesse da pessoa que irá votar. Mas estou sendo repetitivo.

Mas acho que se a boca de urna não interfirisse com o processo de votação (a favor do lado que vc acha certo) vcs não estariam sendo tão defensivos com relação a isso. Pois em nada me fere a liberdade não poder usar santinhos pandeiros, camisetas e qualquer outra coisa pra mostrar oq acredito. Ninguém tem que pensar como eu.

Sem contar que as ruas ficavam muito mais imundas em épocas de boca de urna, era uma política literalmente suja. Santinhos por todos os lados, entupindo todos os bueiros, poluição visual com as bandeiras... enfim, não tenho a mínima saudade de sujeira.

Anônimo disse...

Lola, amo seu blog, mas por favor: pare com essa mania de perseguição! Tudo você dá um jeito de dizer que é anti-PT, ACORDA! Para de ficar encontrando pelo em ovo!

lola aronovich disse...

Que pelo em ovo, anônimo? Não é mania de perseguição não. Olha só, vc tem um instrumento (boca de urna) que beneficia unicamente um grupo político (a esquerda, que tem militantes, não cabos eleitorais), e de repente proíbe-se esse instrumento. Pergunte pra cientistas políticos e gente que trabalha com pesquisa eleitoral o quanto a boca de urna (muito diferente de distribuição de santinhos) podia influenciar as eleições. E aí isso foi tirado. Depois proibiram que imagens de comícios e caminhadas aparecessem no horário eleitoral. PENSE: quem faz comícios cheios de gente, espontâneos, alegres, com montes de simpatizantes? A direita é que não é. Então, a que grupo político beneficia fazer essas proibições?


E gente, por favor, vamos tentar parar com essa história de "processo imparcial". Imparcial só a Veja, certo? De resto, imparcialidade não existe.

L. Archilla disse...

Gente, o fato é o seguinte: a pessoa tem MESES (contando só o período eleitoral) pra pesquisar acerca dos candidatos em que votará. Se ela deixa pra escolher NO DIA, a falta de cidadania e consciência é dela, não da pessoa que faz boca de urna. Se ela vai votar num candidato péssimo pra ela porque um militante soube vender bem a ideia, a responsabilidade é totalmente DELA. O que um boca-de-urna faz é defender suas ideias, argumentar, aliás, como toda pessoa politizada faz durante toda a campanha. Não vejo porque especificamente no dia da votação isso não possa ser feito.

Quanto a bocas-de-urnas serem "chatos", bom, não sei com quais militantes vcs andam cruzando por aí, hahah, mas dificilmente alguém acredita que vai mudar a opinião de um direitista convicto (ou vice-versa) na fila do colégio. Se a pessoa tenta fazer isso ela é chata por si só, não por ser boca-de-urna.

Em relação à sujeira, militante não tem culpa de sujeito PORCO que pega o panfleto e joga no chão. Se for assim, vamos proibir copos e guardanapos descartáveis em lanchonetes porque é o que eu mais vejo pelo chão, o ano todo, todos os anos.

L. Archilla disse...

"A urna deve ser uma especie de terapeuta pro eleitor. Apenas os dois encarando frente-a-frente."

AHAHHAHAHAHAHAH

putz, já vi comparações bizarras sobre terapia, mas com urna é a primeira vez!!

Bruno Stern disse...

"A urna deve ser uma especie de terapeuta pro eleitor. Apenas os dois encarando frente-a-frente."

Acho que alguém entendeu o conceito boca de urna ao pé da letra.

Aline Mariane disse...

ufa, alguém que me entende! Fui mesária voluntária em 3 eleições (1os e 2os turnos, todas as vezes) e no referendum. Adorei! Usei vermelho e uns prendedores de cabelo de estrelinha vermelha na ingênua tentativa de uma propaganda subliminar, hehe! Pena que minha escola era em Pinheiros, bairro elitista de SP... A esquerda nunca ganhou na minha urna, hmpf!
Agora moro no interior da França e vou viajar 300km até o consulado geral em Paris para votar pra presidenta! E, se tiver 2o. turno (só se vota para presidente fora do Brasil), vou outra vez e perco o único feriado prolongado do ano. Também ADORO votar, pra mim é super importante, não tem como deixar passar!!!!
Depois conta pra gente como foi na sua seção e, claro, qual foi o resultado lá!!
Bjss!

Mariana. disse...

A primeira vez que votei foi no referendo sobre o uso de armas em 2005. Tinha 16 anos e muito idealismo na cabeça. As pessoas me chamavam de petista, ou esquedista, achando que iam me ofender, mas eu sempre recebi como elogio.

Algumas coisas mudaram de lá pra cá. Não sou mais tão apaixonada e só coloco minha mão no fogo por uns poucos. Praticamente já decidi todos os meus votos. Vou votar no Psol para os cargos de dep. estadual e dep. Federal. Voto no partido mesmo. Acho que faz bem termos radicais de esquerda nesse meio. Serve para botar freio da vontade de se corromper dos demais, e serve também para denunciar as falcatruas. Para senador, vou votar em um candidato do PDT. Não me crucifiquem! Esse é um candidato por quem eu boto a minha mão no fogo: Pedro Taques. Ex Proc. da República que atou em Mato Grosso por muito tempo (atuou em rondonia e no acre também). Ajudou a colocar muito bandido grande atrás das grades, juntamente com o juiz federal Julier Sebastião. Não sei se vocês se lembram do Comendador Arcanjo, a repercusão foi nacional. Um bicheiro assassino dono de factores e com mais dinheiro que se pode contar. Ele mandava aqui, mesmo. E graças ao Pedro Taques, está atrás das grades. Espero não me arrepender nunca disso que estou dizendo, mas confio nele. O outro senador será ou do PT, ou do PSOL. Ainda não decidi.

O candidato que o PT apóia para governador aqui em MT dá vergonha. Um bandido populista: silval barbosa. Os outros candidatos não são melhores, por isso meu voto é novamente do PSOL. E pra presidente... Dilma ou Marina? ahhh... Enfim..

Eu nunca tive o sonho de ser mesária, mas não iria achar um martírio se fosse convocada, como a maioria das pessoas pensam. Também não acho que tenha paciencia para tanto: quando estou na fila de votação, sempre tem alguém que simplesmente não sabe usar a urna. Nas eleições presidenciais, em que há inumeros cargos para votarmos, é pior. Sempre tem um idoso para passar na minha frente e as eleições são em outubro: significa que a umidade em cuiabá está abaixo de 15% e a temperatura acima de quarenta. E também não iria resistir em apertar o botão que EU Quisesse para um analfabeto que precisasse de ajuda para votar. Pelo menos eu não os deixaria votar em certos candidatos obviamente corruptos. Mas sei que isso é errado, então melhor me manter afastada disso tudo. E você, Lola, se segure quando vir alguém votando no Serra, hehehe

Anônimo disse...

Eduardo:
Esse anônimo 10:12 não sou eu; apesar dele estar com toda razão.

Faço apenas uma ressalva: a Lola não é uma criminosa, pois para ser uma criminosa ela teria que ter muito mais recursos intelectuais.
Na verdade ela está ficando louca. É coisa de hospício urgente. Vocês viram pelo episódio da escolha para ser mesário que, até, o marido dela já percebeu que algo está errado.

Trooliveira.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

rsrsrs... Lola, só você mesma! Democracia é muito bom, poder escolher nossos governantes é ótimo, mas não teria a menor vontade de ficar um domingo todo, sentada lá naquele lugar, acompanhando tudo...
Mas enfim, o que seria do amarelo se todos gostassem do azul, rsrsrs... E é muito bom que algumas pessoas gostam da idéia e sejam voluntárias, porque acho muito chato quando uma pessoa é convocada sem querer. Acho que isso é algo anti-democrático e morreria de raiva se acontecesse comigo.

Depois você conta pra gente como é! A impressão que sempre tive é que a maioria não gosta de estar lá, mas acaba é se consolando com a idéia da folga no serviço depois, afinal, a maioria, infelizmente, não trabalha com o que gosta...

Bjus

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Ah, e também nunca entendi essa proibição da boca de urna.
Não tem nada a ver, né?
Será que é porque os políticos vão se pautando pelos números das pesquisas e aí temem que com a boca de urna, a possibilidade de surpresas é maior?
Um resultado inesperado assusta e com as pesquisas eles tem um controle maior do que está acontecendo? Nunca tinha parado pra pensar no porquê dessa proibição...

Clara Gurgel disse...

Lola, também ADOOORO o dia da eleição. Quando vou votar com meu marido, ele nunca entende por que sempre quero ir pelo caminho mais complicado;ou seja,o que tem mais lugares de votação,mais gente na rua, mais boca de urna(ainda existe,na encolha mais existe...).Enfim, adoro esse "vuco vuco" todo. Me lembro quando eu era criança,no dia da eleição,íamos eu e meu irmão com a minha mãe, que era filiada ao PT, para a "PTlândia". Era a "concentração" dos petistas antes de começar "os trabalhos". Depois, todo mundo saía em campo,para a militância,e eu junto!(Desde criança já "subversivazinha",rsrsrs)E no final do dia,candidato ganhando ou não,todo mundo se reunia na "PTlândia" de novo, para fazer um "baita festão" com a alegria do dever cumprido. Era muuuito legal!Ôhhh,saudade...

Laurinha (Mulher modernex) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jujumeo disse...

Lola,

Acho que há algo de errado no seu discurso. Nada que é político deveria ser unilateral. E Citando suas palavras:

"Olha só, vc tem um instrumento (boca de urna) que BENEFICIA UNICAMENTE UM GRUPO POLITICO(a esquerda, que tem militantes, não cabos eleitorais)..."

Se houvesse um benefício qualquer que fosse que fosse único da direita, acho que vc não aceitaria muito bem.
Não me importo se a vantagem é de um lado ou de outro, não deveria haver vantagens.

Infelizmente vc está certa, imparcialidade só na Veja... por isso não temos um povo politco: não se faz um filósofo se ensinando um ponto de vista só.

Enfim.


L archilla,

"Se ela vai votar num candidato péssimo pra ela porque um militante soube vender bem a ideia, a responsabilidade é totalmente DELA."

Realmente é responsabilidade dela, vc tem razão. Mas acho que vc se esqueceu dq estavam falando no outro post das pessoas com difícil acesso a votação e a informação.
Eu acho que essa frase foi realmente de "direita" nesse caso: "a ignorancia do povo é responsabilidade dele", em sintese. Essa frase deve ter sido conveniênte pra muito opressor politico.
Enfim...
Quanto a sujeira, eu mesmo já presenciei vários boca de urna de X partidos jogando santinhos pro auto como confete na hora que a eleição acaba. Quanto a festas eleitorais ou reinvidicações de rua, já fui aos dois e achei que só tinha gente bebada, pouco interessada em politica fora aqueles que ficavam gritando "ÊÊÊÊ" pra tudo que o candidato falava. Um verdadeiro programa de calouros.

Vcs devem ter boas e nostálgicas lembranças dessas coisas e não quero feri-las, só que as minhas não foram nada parecidas.

Giovanni Gouveia disse...

Nunca quis ser mesário por duas razões:

1-Sou militante, com filiação partidária só algumas horas mais novas que a conquista de minha cidadania (a primeira coisa que fiz quando peguei o título no TRE foi ir ao PT me filiar, do qual já militava sem filiação)

2- Nunca tive paciência para passar mais que duas horas sentado no mesmo canto...

E, Sim, Militantes argumentam e contra argumentam as qualidades e plataformas de seu candidato, cabo eleitoral distribui santinhos.

P.S. Quem acha que boca de urna é ruim, precisaria ver como funciona nos isteites que há pessoas credenciadas para descredenciar o eleitor na hora do voto se ele achar que o eleitor não vai votar nos candidatos dele.

L. Archilla disse...

Jujumeo, assim como a pessoa vai procurar na hora saber qual é o melhor candidato, ela pode fazer durante os meses que antecedem a votação: conversando com colegas, parentes, conhecidos em quem confiam politicamente, etc. É uma escolha dela deixar pra última hora. Saber que tem que votar, todo mundo sabe, porque isso acontece há muito tempo, ao contrário da exigência de documentos, que passou a vigorar este ano e já vale pras próximas eleições.

A esquerda faz campanha durante meses. Em bairros nobres, favelas, regiões rurais, centros comerciais, etc. A pessoa que está aberta para dialogar no dia da votação, no geral, já teve muitas oportunidades pra isso. Por isso que digo que a responsabilidade é dela.

Quanto à boca de urna favorecer apenas a direita, é como já foi explicado: a esquerda se mobiliza para provocar discussão política. A direita, não. Por mil motivos já citados (pra quê discutir sobre Estado se o legal é ter Estado mínimo?). E essa discussão, por anos, foi até a boca da urna (não literalmente, como pensou o anônimo). A direita, ao invés de incentivar sua militância à provocação de debates, fez o caminho inverso, diminuindo as chances do mesmo. E depois a esquerda é que censura, tsc tsc...

Eu também já fui em muita manifestação cheia de gente bêbada, ou que foi só pra curtir, pelo oba oba. Só que, se tem meia dúzia falando algo que preste, refletindo, debatendo, já é válido. Se tem uma única pessoa que vai sair dali um pouquinho mais esclarecida, já valeu a pena. Acho engraçado isso de reclamarem de oba oba. Porque carnaval é SÓ oba oba e ninguém proíbe, certo? Gincana escolar, festa junina, reveillon, virada cultural, copa do mundo, final de libertadores, tudo isso gera bagunça, barulho, sujeira, pegação, bebedeira, e no geral é super bem aceito pela população. É só a gente colocar política no meio que fica tudo imoral. Seja a festa do partido que ganhou a eleição, seja parada gay, greve, aí é "bagunça", "orgia", "bebedeira"...

Patrick disse...

Eu fui mesário em 4 eleições em dois estados diferentes. Foi muito bom, principalmente nas 3 vezes em que trabalhei como presidente de seções em locais onde pessoas mais simples votavam, porque elas precisam de ajuda e sabem demonstrar gratidão. Lola, como essa eleição tem muitos votos, numa ordem estranha, fique atenta aos sons da urna. Muita gente se perde lá pelo terceiro ou quarto voto e não sabe mais no que está votando (presidente? governador?). Sabendo em que voto ela está, pelo som da urna, fica mais fácil de dizer "eleitor(a), o senhor(a) agora vai colocar o número do seu deputado(a), governador(a), etc"

Lord Anderson disse...

"Não me importo se a vantagem é de um lado ou de outro, não deveria haver vantagens. "

Nesse caso vamos ter que mudar toda a legislação elitoral.

Afinal quando os partidos tem direito a mais tempo de raido e tv devido a suas bancadas tb não é uma vantagem injusta?

E candidaturas que conseguem mais doações que outras?

E politicos que tem mais popularidades que outros?

Para mim essas vantagens só mostra que um partido está fazendo o seu trabalho melhor que o outro.

E a questão da militancia entra nessa area.

Se um partido consegue dialogar melhor com parte da população, se cria uma base de apoio solida e fiel, ele tem todo direito de ter vantagem na hora de mobilização.

Não se poder ser penalizado por conquistar a confiança e o intusiasmo das pessoas.

Teenager Alienado disse...

Ei Lolinha, fala sobre esse papo que tá rolando sobre o PT mandar espiões quebrarem o sigilo fiscal de gente do PSDB. Mandaram espionar até a Ana Maria Braga !

Bárbara disse...

Eu também estou ansiosa com essas eleições, Lola. Vai ser a primeira vez que eu voto!

Anônimo disse...

Eduardo, quem faz dossiê é o PT! E A Receita Federal que o diga! Julia

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

É ridículo o fato de alguém ser CONVOCADO para trabalhar e como compensação o governo o dispensa do trabalho. Mas esse trabalho pode ser privado e não público! Dispensar do trabalho um funcionário público eu acho certo! Agora, o funcionário de empresa privada deveria ser PAGO para trabalhar num domingo. Até porque o patrão NÃO é o governo! Julia

Samantha disse...

Lola, eu discordo sobre a proibição da boca de urna ser uma forma de coibir os militantes petistas. Acho que é uma forma de evitar sujeira e desorganização.

Lembro que quando eram permitidas, toda eleição era um inferno no meu bairro. Ruas sujas de santinhos, o carro tomado por santinhos, etc. Ainda tem, mesmo nos dias de hoje, mas é bem menos.

O que estou gostando nessas eleições é do uso massivo da internet. Muitos candidatos estão complementando o horário eleitoral com informações,vídeos, foruns e debates via internet. Achei o máximo e infelizmente não é todo mundo que tem acesso.

Eu não compartilho o mesmo sonho que você não. Eu detestaria ser mesária, eu não me candidataria a isso voluntariamente. Porém, se um dia eu fosse convocada faria o melhor trabalho possível.

Samantha disse...

Ah, meu pai trabalhou em várias eleições na apuração.Sabe, quando era célula de papel. Ele passava a noite fora, coitado. Mas ele gostava.

Ele contava histórias assustadoras, sobre gente que colocava fezes na cédula. Meu Deus, muito espírito de porco, planejar e fazer uma nojeira dessas.

Anônimo disse...

Já está confirmado que as informações da quebra de sigilo foram compradas. Mas o Sr. Cartaxo mostra claramente que não vai entregar ninguém, ou seja, quem quer que seja que mandou espionar aquelas contas está a salvo da justiça. E a Receita, que e do Governo Federal claro que não vai entregar ninguém da turma. São os petistas tomando conta do Brasil. E vamos ter muito mais disso, depois que a Dilma "aparelhar" ainda mais o Estado com seus "seguidores". Nojo dessa gente! Ah, posso ter nojo dessa gente, Lola? Pergunto, porque talvez você proíba... Talvez diga que só os petistas podem ter nojo da direta, da burguesia (daqueles que pagam imposto de renda para o PT diospor de grana pra custear coisas como o bolsa-família...

Ah, Lola, e a greve do setor público em Joinville tá forte... O PT está desagradando quase todos os funcionários da prefeitura... Será que ainda é culpa do governo anterior? Ou é falta de habilidade e inteligência do atual prefeito? Porque se faz coisa boa é qualidade dele; se não faz, é porque o anterior deixou herança ruim... Você é incrível.

Jujumeo, seus comentários são muito inteligentes. Ganhou uma fã! Julia

Fabio Salvador disse...

Ô Lola!
Talvez tu estejas desinformada, mas a boca-de-urna não favorece, justamente, A QUEM TEM PROJETO. Favorece ao candidato que tem mais gente na rua na hora do voto (e isso pode-se conseguir com grana).

O ideal seria que o povo, depois de pausadamente analisar as propostas dos candidatos, votasse nos melhores. Voto de caso pensado. Não um "vai nesse mesmo" baseado na correria da boca-de-urna.

Eu já fui mesário (contra minha vontade), e não tive sequer o direito aos dois dias de folga depois, porque eu não era empregado com carteira assinada. Nada contra o trabalho de mesário. Só fiquei revoltado porque não me perguntaram se eu queria, simplesmente me convocaram. Resultado: como eu tinha candidato, fiz boca-de-urna lá dentro mesmo e mandei todo mundo, inclusive os fiscais dos outros partidos, à PQP. Uma coisa dessas deveria ser só para os voluntários, não por convocação obrigatória. Por isso, nunca mais serei mesário: fiquei ofendido. E se me convocarem novamente, será pior do que da última vez: eu vou é xingar os militantes da tucanalha, enquanto eles votam!

Bom. Fora isso, adorei aquela parte na qual tu diferenciaste o militante do cabo eleitoral. É uma realidade que eu vivo há muito tempo e nada me ofende mais do que ser confundido com cabo eleitoral. Mas discordo quando tu dizes que o PT coloca apenas militantes nas ruas: o PT já é um partido bastante institucionalizado e agora tem, sim, cabos eleitorais pagos, como tem o PMDB, o PSDB e todo o resto das grandes legendas do país.

Eu não acredito em partidos. Acredito em causas, idéias, e em pessoas.

Partido não é ideologia, nem caráter. Partido é uma entidade e a filiação do candidato é exigência legal para candidatura. Prefiro puxar votos para PESSOAS nas quais eu acredito, não para partidos, pois toda sigla tem suas laranjas podres.

Anunciação disse...

Houve um tempo,até a eleição passada pra governador,que eu,apesar das adversidades,adorava eleição;escolhia roupa nova,sério.Mesmo sabendo que meu candidato,segundo as pesquisas não teria chance pq a toda poderosa fia do futi iria ser eleita no primeiro turno.Não aconteceu,ela perdeu e partiu pro tapetão(e que tapetão,a zero grau)e tomou o poder.Só não digo que perdi a esperança porque não acho que deva me dar a esse luxo.Mas esse que era um lindo dia pra mim perdeu a graça.Aqui talvez ainda tenha jeito,mas não sei se ainda verei esse dia.Fico na resistência,votando em quem acredito,mesmo que seja novamente impedido;anular meu voto com o nome de Jackson Lago pra mim é honra.Do pt aqui só o dutra merece meu voto.E acho incômodo,desculpe,o pessoal da boca de urna;e não sou elite e nem moro em bairro de bacana.Mas lhe desejo sucesso.

Elyana disse...

Pensei que eu era a única louca que se voluntaria para ser mesária e fica contente quando é selecionada ;)
Concordo com tudo que vc disse sobre participar do processo democrático. Só nunca tinha me inscrito antes pq o colégio onde eu votava era muito fora de mão de casa. Mas agora tou num colégio super pertinho e tou feliz! :)
Só que ao contrário de vc, super me interessa as folgas. Mas é pq eu trabalho na sucursal do inferno.

Anônimo disse...

"Ô Lola!
Talvez tu estejas desinformada, mas a boca-de-urna não favorece, justamente, A QUEM TEM PROJETO. Favorece ao candidato que tem mais gente na rua na hora do voto (e isso pode-se conseguir com grana).

O ideal seria que o povo, depois de pausadamente analisar as propostas dos candidatos, votasse nos melhores. Voto de caso pensado. Não um "vai nesse mesmo" baseado na correria da boca-de-urna."

Fabio, muito inteligente seu comentário; pena que a lola desqualifique tudo que não é defesa da esquerda e do petismo. Ela está longe da sua (de você) capacidade de ver diferenças. Uma pena, porque escreve como se fosse dona da verdade.

Duvido, mas duvido mesmo que ela trabalharia na eleição se fosse presidente alguém diferente desse que tá aí. Ela ia reclamar um montão, xingar o presidente y otras cositas más... Julia

Anônimo disse...

Júlia!

Gostaria só por um dia, que o PSDB como governante federal pegasse o Brasil num período de crise como a que ocorreu em 2008/2009. Queria só ver a cara que vcs, psdbistas do inferno, iriam fazer ao ver o Brasil quebrando como quase fez o Serra em SP. Aí sim eu iria rir, pq sabe né? os tuCanalhas, todos são excelentes economistas e souberam como ninguém dar palpite errado na época da crise. Saíram pregando em tudo que é mídia que o Lula estava louco, que o Brasil iria quebrar! Pois é, ainda bem que os senhores inteligentíssimos psdbitas e bem preparados governantes estavam errados. Ao invés do Brasil, quem quebrou a cara foram eles ao ver o nosso país como um dos 1° países a sair da crise, e melhor, com desenvolvimento econômico e social. Ainda bem que o Lula não deu bola pra vcs, direitistas. Se tivesse dado, estariamos todos agora na mesma senão situação pior que alguns países da Europa. Ainda bem que o Lula "foi na contramão do resto do mundo e não tomou as únicas soluções possíveis" (palavras do nosso ilustríssimo José Serra). Ainda bem!!

Posso dar um conselho pra vc, Júlia, e para o Oliveira tb:

CHUUUUUUUUUPA CAMBADA DE DIREITISTAS NOJENTOS e ALIENADOS!!!

Não sei o que vcs vem fazer aqui no blog da Lola! Vcs não concordam com as opiniões dela nem de quase todos os quem comentam aqui. Incomodados? O xizinho vermelho no lado superior direito da página é a serventia da casa. Vá com Deus!

lola aronovich disse...

Nossa, Julia, como vc é chatinha! Realmente vc exala um desgradável cheirinho de Oliveira! Vc não é chatinha pq discorda do que eu escrevo, mas por querer falar por mim. Só no seu último comentário vc imagina que sabe o que eu penso em 3 ocasiões: que eu desqualifico tudo que não seja defesa da esquerda, que escrevo como dona da verdade, e que eu não iria querer ser mesária se o presidente fosse outro. Três completas besteiras! Um pequeno exemplo: eu digo que sempre amei eleições e que tinha inveja dos meus amigos mesários. Talvez vc tenha notado que o Lula perdeu 3 eleições antes de ganhar em 2002. Mas, guess what?, em 90, 94 e 98 eu adorava fazer boca de urna, adorava a festa que é uma eleição (mesmo com meu candidato perdendo), e só não podia ser mesária pq ainda não era naturalizada brasileira. Então, Julia, fale por vc, não por mim. Este é o meu blog e eu falo por mim.

lola aronovich disse...

Fabio, me desculpe, mas acho que quem está desinformado é vc. Eu lembro quando havia boca de urna (que alguns leitores não têm a menor ideia de como era: não era distribuir santinho, e muito menos entrar na fila da seção eleitoral. Era CONVERSAR com os eleitores do lado de fora da escola; no máximo, colocar um adesivo). Todas as pesquisas, todos os analistas políticos, consideravam sempre "o efeito boca de urna do PT", que era capaz de conseguir 2, 5 pontinhos percentuais no dia da eleição. E é simplesmente por isso, por essa capacidade da militância, que ele foi proibida. Claro que quem tem dinheiro pode contratar muitos cabos eleitorais, mas eles não fazem diferença. Tudo que eles fazem é segurar bandeiras ou distribuir santinhos. As pessoas sabem que eles são pagos, que é só um trabalho. E os próprios cabos não costumam votar no candidato pra quem fazem campanha. Não dá pra comparar o poder de persuasão de quem tem paixão política, de quem é politizado, de quem tem argumentos, com um carinha segurando uma bandeira. Mas concordo totalmente qdo vc diz que, hoje, o PT tb contrata cabos eleitorais, como qualquer outro partido. É uma desvirtualização do partido, sem dúvida. Mas ainda assim, apesar desses cabos, o PT tem uma militância ferrenha, que acredita em seus projetos.
Como assim, partido não é ideologia, Fábio? TUDO é ideologia. Acreditar que algumas coisas são "naturais" e outras ideológicas é ideologia pura. É besteira, na minha opinião, votar em pessoas. Ninguém governa sozinho. Todos os candidatos são parte de partidos e têm que seguir as diretrizes do seu partido. O que não quer dizer que eu vou votar em alguém só por ela ser do PT ou porque o PT a apoia. Em SC, no 2o turno, por exemplo, o PT sempre acabava apoiando um dos podres, por falta de opção. Eu simplesmente anulava.
Acredito que todo partido tem suas laranjas podres. E a partir desse raciocínio vc decide votar nas pessoas, e não em partidos?..

(required field must not be blank) disse...

Bom. Eu também ODEIO "porque sim" ou "porque não". Profundamente. Quando ouço, replico que isso é resposta de coronel ("porque é" :) ).

Mas, hm, não sei se concordo com sua adesão religiosa a um partido. Não sei se o que você promove é debate.

De todo modo, "xilindró" é com X.

Masegui disse...

Pelo visto o idiota do Oliveira tá fazendo escola...

Anônimo disse...

Lola,

Eu também adoro votar e, se convocada, trabalharia sem problemas.
Meu querido filho nasceu em 04/10/1998, num domingo de eleições. Foi cesariana e a médica queria marcar no final de setembro, próximo das 40 semanas. Insiti muito com ela para que esperasse as eleições. Eu fui a primeira da minha seção eleitoral, votei às 8 da manhã em ponto, ele nasceu às 11horas e a equipe médica votou de tarde.

Denise

Dáfni disse...

Ah, eu já fui mesária umas 3 eleições seguidas. Sempre tive que ir nos treinamentos antes, e no dia não pode chegar atrasada.

Eu não gostava de ser convocada, mas no dia não era tão chato não. Eu só acho complicado quando eles te convocam todo ano. Se todo mundo fosse convocado uma vez e nunca mais depois, acho que dava conta das eleições (a não ser, claro, em cidades pequenas). Todo mundo participava e dava sua contribuição para a democracia.

Idéias no Tom disse...

Lola! Mesmo petista, amando política e defendendo com unhas e dentes a politização do povo, sou contra a boca de urna, pois acho que não era assim tão da paz e tão esclarecedora, pelo contrário, na maioria dos casos. Mas não é a opinião diversa que me impediu de adorar a idéia do teu post! Também fui convocada pela primeira vez nesta eleição! Para mim esse dia o mais importante das nossas vidas como membros de uma sociedade. Defendo muito isso no meu blog. Aguardo suas histórias! Vou reforçar a necessidade dos docs no dia da eleição no meu blog!