segunda-feira, 9 de agosto de 2010

NÃO É FEIO! É APENAS SUJO, DOENTE E PERIGOSO

Quadros do Botero, por exemplo, são tóxicos pra humanidade.

Por algum motivo estranho que nunca consegui entender, as pessoas (principalmente as mulheres, que fomos treinadas pra isso desde a mais tenra infância) prestam muita atenção na aparência. Atenção demais, a meu ver. Mas o mais divertido é que, ao mesmo tempo que ficam obcecadas pela aparência, não querem que isso transpareça. Afinal, essa obsessão é fútil. Então, como cobrar as outras mulheres para que elas se encaixem na aparência-padrão sem parecer bobinha? Fácil. Seja hipócrita.
Dessa forma, você não precisa dizer que o cabelo da sua conhecida/amiga/irmã/filha etc está feio porque ela calhou de ter cabelo cacheado ou crespo e você acredita piamente que só cabelo liso é bonito (e você nem pensa em por que acredita nisso ― pode ser porque, de repente, quem a mídia pinta como bonita é a top model loira de cabelo liso? Nah, você não sofre influência da mídia! É apenas seu gosto pessoal). Sem problema: diga pra sua conhecida/amiga etc que o cabelo dela parece sujo. E, que pra ficar arrumado e limpinho, só alisando. É pura coincidência que essa exigência combine com o seu gosto pessoal, que, por outra pura coincidência, também é o gosto pessoal da mídia.
A pessoa está acima do peso, e você acha que aquelas gordurinhas a mais da sua conhecida/amiga etc atrapalham a sua vida (a sua mesmo, querida! Não a dela! Ela talvez até ache que está bem; vai saber, tem louco pra tudo)? Não diga a ela que ela está feia, que isso pega mal. Diga que ela está doente! Leve estudos científicos provando que mesmo aqueles pneuzinhos matam. E, que se ela não entrar numa dieta urgente pra se conformar ao padrão de beleza vigente, quer dizer, pra ser saudável, ela estará condenada à morte. (Não aceite provocações inúteis do tipo “mas pessoas magras não morrem?”).
Ou quem sabe uma das suas conhecidas/amigas etc tem olheiras. Isso é mais que terrível, é hediondo, porque no mundo real das revistas, da TV e do cinema, não existe mulher com olheiras, nem com rugas, nem com um fio fora da sobrancelha. Ademais, basta um corretivo, uma maquiagem, enfim, coisa básica que toda mulher deve fazer por uma causa maior (a da femininidade), pra cobrir essa vergonha de ser um panda. É sua missão na vida combater essa afronta e fazer essa relaxada entrar nos eixos. Portanto, lembre-a todo dia, e, se possível, várias vezes por dia, como as olheiras dela aparecem mais do que qualquer traço da sua personalidade. Pergunte: “Você está doente? Não está conseguindo dormir? Está com algum problema grave? Está com depressão? Está contemplando o suicídio?”. Mas deixe claro que sua preocupação não é com a aparência dela, e sim com a doença terminal que ela faz questão de esconder ― em vão!
Aí você tem uma conhecida/amiga etc que, ó audácia!, lava o cabelo e sai sem secá-lo, enquanto você gasta horas com escova. Isso sim atrapalha a sua vida! Pra ela parar de fazer isso, diga ― pro bem dela, claro ― que cabelo molhado, além de aparentar estar sujo, pode deixá-la gripada. Deve ter até algum estudo científico por aí provando que andar de cabelo molhado causa mortes dolorosas. Se a sua conhecida/amiga etc, além de andar com o cabelo molhado, ainda estiver acima do peso e com olheiras... bom, digamos que você tem muito trabalho pela frente, fofa. Persevere!
Esses dias eu tive mais um excelente exemplo dessas pessoas que têm vergonha em dizer “isso é feio” e preferem usar, ahn, sinônimos. Fazia um semestre que eu não cortava ou pintava o cabelo, e ele estava grandão e branco. Fui a um salão pertinho de casa, assim, na mesma rua. Lá aplicaram a tinta no meu cabelo, e pediram pra que eu esperasse quarenta minutos. Como eu achei isso tempo demais, e como eu tenho mais o que fazer, e como eu odeio ambiente de salão de beleza, e como minha casa fica logo ali, avisei que iria pra casa e voltaria ao salão dentro de 40 minutos. Tudo bem. Foi o que fiz. Depois voltei, eles lavaram minhas madeixas, cortaram e escovaram. Mas, enfim. Quando fui contar isso pra minha mãe, ela se escandalizou:
- Você veio pra casa com tinta no cabelo?!
- Vim. Quequitem?
- Todo mundo ficou olhando, aposto!
- Nem reparei, mas acho que ninguém notou. E eu não ligo pro que as pessoas acham.
- Amanhã vai sair no jornal.
- Sair no jornal? Por quê? Eu não sou famosa! E vai sair o quê? “Mulher anda meio quarteirão com tinta no cabelo”? Grande manchete!
- Não, vai sair que você poluiu a cidade!
- Como assim, “poluí a cidade”?
- Tinta de cabelo é ácido. É tóxico.
Aí eu fui embora, rindo e pensando: putz, é tóxico pro ar da cidade, mas não pra colocar no meu cabelo? E dei um desconto. Acho que minha mãe sente falta do tempo em que ela podia apontar o que ela via como defeito em mim e dizer: “Mamãe não gosta. Mamãe acha feio”. Do tempo em que o “acho feio” bastava como argumento.

76 comentários:

Lord Anderson disse...

hehehehe

Show de ironia. Muito bom.

aiaiai disse...

kkkkkkkkkkkk, sei que a situação não é engraçada, já que é um show de preconceito, mas você consegue transformar tudo em leveza, graças ao bom uso da ironia! Valeu.

Sobre cabelos molhados eu lembrei de quando fui morar em são paulo, há muito tempo..., no século passado kkkkkk.

No rio, eu sempre saia de casa com o cabelo molhado e ninguém nunca falou nada. Em são paulo, não podia. Muitas pessoas vinham me falar que não era normal, que eu podia ficar gripada, etc....até que uma mulher me deu a explicação final e cabal: "parecia que eu tinha acabado de sair do motel e não tive tempo de secar o cabelo". E eu:
"Legal, assim todo mundo vai achar que eu trepo todo dia, que devo ter vários amantes e passo todas as noites em moteis. Será que o pessoal vai ficar com inveja da minha vida divertida?" Acho que essa mulher nunca mais falou comigo kkkkkkk

Clara Gurgel disse...

Humor "refinadíssimo". Também já sofri muito esse tipo de pressão. Uma vez, as irmãs de uma amiga, queriam que eu deixasse que elas me "produzissem",somente por um dia,para que eu "sentisse a diferença". Não entendiam como eu " podia ser tão bonita e andar tão esculhambada".E eu,não entendia, por que elas se incomodavam tanto com isso. Será que elas topariam sair um dia, sem salto e de cara lavada? Acho que não...pois é, mas tá aí a diferença:eu não ligava a mínima para o que elas usavam ou deixavam de usar! E mais... exatamante como vc escreveu no post,não era porque "elas achavam feio" eu sair assim, mas era porque "eu tinha que me valorizar". AAAhhhh,tá...

Maria Valéria disse...

Concordo em parte e discordo em parte,
Acho que é aparência é importante sim, mas vc tem que fazer aquilo com o que vc se sente bem- nem mais, nem menos.
Confesso qui fui daquelas adolescentes que as amigas viviam fazendo pressão p/ " me arrumar", mas sabe de uma coisa? elas estavam certas! Eu era muito desleixada, e não fico tão bonita assim ao natural.( quanto ao peso, meu problemas era o inverso, pq eu era muito magra.. hehe)
Hoje confesso que estou num fase meio desencanada, fazendo produções e maquiagem só p/ eventos especiais mesmo, e não no dia a dia. Não vejo problema algum em sair com o cabelo molhado, acho uma delicia.
Se sua amiga se sente MAL, acho que vale sim, dar um toque qto à arrumação( e não quer dizer alisar os cabelos, ok? to falando no sentido mais amplo aqui), mas só fazer isso se ela reclamar.Tbem não acho ruim que uma amiga queira fazer uma sessão maquiagem e babyliss no meu cabelo, uma amiga tinha mania de fazer isso, e quando eu ficava pronta, ficava show!! até a maneira como me olhavam na rua era diferente, mas claro que era vez ou outra e não todo dia que a gente fazia isso.
E cada um se arruma se ajeita como se sente melhor, e isso é o que importa!!O importante, mias desencanada ou mais perua( rsrsr) é vc estar sentindo bem.
bjs!

Bruno Stern disse...

A forma como vejo as mulheres sendo patrulhadas pela sociedade(e patrulha vem através das demais mulheres) chega a assustar.

Se engorda, recebe patrulha Se tá magra demais também.

Se está sempre variando o corte de cabelo(e a tinta) ou se deixa de lado, tem sempre alguém "aconselhando".

Se casou muito nova, se descasou ou se preferiu não casar, alguém teria uma solução melhor.

Se não tem filhos não tem coração, se tem mais de um não tem juízo.

A mulher que tenta se enquadrar nesses padrões(e mais um monte) não sei como não enlouquece de uma vez.

Bruno Stern disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Tenho a impressão de que um dos preconceitos admitidos hoje é em relação ao gordo. Tenho dois colegas (um homem e uma mulher)que dizem detestar gordo, que gordo não se cuida, que é feio, que morre cedo, dizem até que é nojento, tenho sempre discussões com eles em relação a isso e sabem o que me dizem? Por que você se incomoda tanto se não é gorda? Fico irada.
Tenho uma amiga que é bem gordinha e eles sempre me perguntam porque eu não dou uns "toques" para ela. Como assim? O corpo é dela! O que é que eu tenho a ver com isso?

Acabou sendo um desabafo, mas fico indignada com o fato de nossos corpos terem se tornado domínio público.

Ilka

Márcia disse...

Pois é, Bruno, basta SER mulher para que sempre tenha alguém "se achando" pra lhe dar um conselho. É como se SER mulher trouxesse uma condição de quem precisa estar sempre ouvindo conselhos, coitadinha, pois ela não sabe...

É hilário! Por exemplo, quando vou estacionar, principalmente se for uma baliza, aparece sempre um super-herói pra dar dicas "venha mais, desenrole pra esquerda, direita agora" e não tô falando de flanelinha não. Ouié! Eu dirijo bem e estaciono melhor ainda. Juro, é muito engraçado. Quando desço do carro, agradeço ironicamente com cara de donzela que acabou de ser salva do bandido, mas sabe, o herói nem nota a ironia, diz "de nada, moça" e parece ter ganho o dia.

Ai, ai...

Drixz disse...

Ih, eu entendo bem vc, Lola. Sempre fui tranquilona e minha mãe ficava louca. Chamamos ela lá em casa de "dona neura". Imagina o escândalo no dia em que eu fui ao shopping de chinelo (na época que usar havaianas não era moda). Ela sempre quis alisar meu cabelo e reduzir meus seios. Sem comentários...

Pili disse...

Eu ouço as mesmas palavras de familia e afins...
"Sabe que é, Pili? É que seu cabelo já é cacheado e escuro. Ainda por cima você nao faz a sobrancelha, aí fica parecendo que você nao se limpa"

Flovi disse...

Atorei o texto. Uso corretivo de seg a sexta por pura pressão social e não vejo nada de escolha nisso. Escolha é eu poder passar o fim de semana inteiro de cara limpa e o que é melhor, meu marido adora e me dá o maior apoio! Sou a panda mais feliz do mundo, mas só aos fins de semana, que não preciso me preocupar em usar o bendito bastão corretivo senão as colegas surtam e dizem que é capaz dos clientes acharem que estou doente.

Caso me esqueçam disse...

lola, aqui na frança, acho que voce pode andar com uma penca de banana na cabeça e ninguem vai se importar. serio. ainda nao testei esse exemplo, mas ir a padaria de pijama e cabelo assanhado ja foi pratica minha e nao percebi ninguem olhando.

meu cabelo eh crescpo e eu aliso o meu cabelo de, sei la, tres em tres meses, mas fazia isso somente no brasil. entao agora, as raizes naturais começam a aparecer e as unicas pessoas que comentam isso sao as meninas latinas (nao que eu esteja dizendo que algum frances pode nao notar, mas os latinos realmente nao se aguentam e sempre perguntam pelo meu cabelo, o que eu faço e deixo de fazer.

minha mae e a mae dela dao show de conselhos pro meu bem.

"nao tem nada pior que uma mulher gorda, emagreça" - avoh

"minha filha, nao importa o preço do alisamento aih na frança, eu pago! o cabelo eh a parte mais importante da beleza feminina" - mae

simpaticas :)

Lord Anderson disse...

E Lola, só p/ avisar que a nova conspiração para leva-la ao twitter continua. hahahaha

Vá se acostumando pq não há como escapar.

Auxiliadora Vasconcelos disse...

Perfeito!! Lola, sou professora de sociologia no ensino médio, meu cabelo é crespo e tenho excesso de fofura mas outro dia um aluno para me "detonar", como ele falou, disse que eu era gorda e assanhada. Faço questão de usar meu cabelo black power, adoro. Por questão de identidade étnica e por que detexto viver em salão. Mas já deixei de ir a um salão pois sempre que a moça via meu cabelo ia indicando uma escova inteligente, coreana, americana, todas para alisar.
Por fim sinto que no trabalho do meu marido as colegas dele pensam em fazer a mesma coisa. Ele adora ter uma companheira com personalidade, inteligente que chama atenção por esses atributos e não pelos cabelos, bunda ou peitos.

Leika Horii disse...

Pensei ontem mesmo sobre essa nóia, depois que meu namorado reclamou que ando usando maquiagem todo dia, foi tão bunitnho ele disse "vc se esquece eu te conheci sem maquiagem" e olha q eu não passo nada exagerado, mas, sair de casa sem esconder as olheiras?! ai ai Tô noiada! =p

Leika Horii disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vanessa disse...

Como disse muito bem o Bruno, eu sofro com a patrulha desde quando minha irmã nasceu. Minha irmã é a minha versão 2.0 com os adicionais de ser magra e sempre ter sido muito, muito fofinha e educada.

Passei a infância ouvindo coisas do tipo "sua irmã é tão magrinha, pq vc não emagrece também?"

Acontece que essas pessoas que me cobravam pra emagrecer são as mesmas que serviam um prato enorme de comida, até mesmo pra um adulto, e queriam que as crianças comessem tudo. Pra chamar atenção,já que não era bonitinha o suficiente, eu comia o que me serviam e aprendi a comer demais e só parar quando estivesse empanturrada.

É óbvio que eu ficaria gorda comendo feito um adulto com apenas 6 anos e também é claro que eu continuaria gorda já que esses são hábitos muito difíceis de mudar.

Quanto aos cuidados de "adulta", eu gosto de me maquiar pra festas e eventos e não entendo aquele povo que sai com 3kg de blush em cada maçã do rosto achando que tá lindo, parece que passou a cara num tijolo.

Ah, me viciei em esmaltes depois que aceitei minhas unhas curtas e fracas e desencanei de passar só tons claros. Agora desfilo meus cotoquinhos coloridos por aí, e ai de quem falar alguma coisa.

AnTeNaDa disse...

Mulheres não são só aparência.
.
.
.
Mas não podemos negá-la no mundo em que vivemos...

Dáfni disse...

Lola, vc sabe, eu tenho um blog de cosméticos e frequento muitos blogs com a mesma temática. E vou dizer: me assusta a crueldade das pessoas, no caso a maioria mulheres. Posts feitos somente para esculhambar uma celebridade que saiu na rua de cara lavada, outro dando dicas de como não parecer um Panda ("que apesar de bonitinho, não fica bonito em vc!" - rs), e por aí vai. Tenho até amigas que receberam comentários maldosos em seus blogs (anônimos, claro), do tipo "vc parece a Mortícia Adams com este batom". Eu mesma já fui vítima de um comentário desses (apenas um, que sorte!), em que o Anônimo (sempre) dizia que eu não poderia falar de beauté porque o meu buço estava aparecendo...

Adoro megalópolis porque nelas as pessoas podem sair do jeito que quiserem - ao menos SP é assim. E as pessoas de fato não parecem se importar, porque já viram muitas coisas diferentes. Quem se importa, na verdade, tem medo de tentar o diferente, tem uma necessidade imensa de ser "o padrão" que a mídia impõe e não consegue, e aí fica torturando as outras...

Muito triste.

Dáfni disse...

Ah, esqueci de dizer: morri de rir com a preocupação da sua mãe! Se ela me conhecesse, ia me escrachar, porque eu atendo a porta de casa, muitas vezes, parecendo uma bruxa... e não estou nem aí!

Mariana. disse...

Show de post Lola.

Eu meio que me encaixo nos padrões, mas mesmo assim não escapo da patrulha quando dou uma deslisadinha.

Meu cabelo, por exemplo, não é liso escorrido, é ondulado. Isso já é o bastante para algumas pessoas taxarem ele de mal cuidado. Mas eu gosto dele assim e recebo muitos elogios. A não ser quando saio de cabelo molhado.As vezes tenho pressa, não dá tempo de secar - meu cabelo é comprido e bastante - fazer o quê? Ouvir que eu sou desleixada, que não sei aproveitar meus pontos fortes, valorizar a minha beleza.

Essa patrulha do cabelo liso vem atingindo até as crianças. Minha priminha (filha da minha prima, na verdade), tem três aninhos, e cabelos cacheadíssimos. Coisa mais linda. Cachinhos douradinhos. Mas ela acha feio. Disse pra mim outro dia que não gostava do cabelo dela e eu perguntei porque. 'porque não é liso' foi a resposta que ouvi. =/ Três anos.

Sobre ser gorda. Fico pasma como o conceito de ser ou não gordo mudou. Eu, por exemplo, tenho 1,72m de altura e 60kg. Meu pai as vezes diz que eu tô gorda. Talvez porque eu devesse ter 1,72 e 53kg, no máximo, tal qual várias atrizes consideradas 'gostosas' (e vejam bem: ainda seria baixa e gorda pra ser modelo. Se eu tivesse cabeça fraca, já teria aderido a uma dieta maluca. Mas isso só me faz ficar revoltada. Argumentar. Mas meu pai também não gosta muito de ser contrariado. Se estiver perdendo uma discussão, faz uso da autoridade dele. Não da força, mas da autoridade. =/

Sobrancelha. Desisti de pagar 25 reais pra tirar meia dúzia de pêlos do meu rosto e não mudar nada. quando mudava, mudava pra pior. Esses 'designers' de sobrancelha (assim que eles gostam de ser chamados) querem mudar o formato da minha. Eu sempre pedia: tira só os excessos! Mas não. Agora eu mesmo faço e olhe lá. Não sou encanada com isso. Acho uma sobracelha cheia muito mais bonita do que uma fininha.

L. Archilla disse...

Eu sou bem vaidosa (pros meus padrões): pinto unha, cabelo, passo creminhos, gosto de moda, e no momento luto contra uns quilinhos que ganhei tomando cerveja na copa. Por essa vaidade, acabo acompanhando blogs, programas de TV e vez em quando dou uma folheada em revistas de estética em geral. Então eu digo que sou vaidosa PROS MEUS PADRÕES, porque a vaidade que eu vejo por aí é absurda, é quase um cabresto, mesmo. Tipo assim: não basta ensinar a tirar a sobrancelha. Tem que detonar quem não tira daquele jeito, dizer que determinados formatos ACABAM com o rosto, que todos vão te olhar feio se tiver um pelinho fora do lugar. E pra evitar essa catástrofe, você pode recorrer a métodos como depilação definitiva, correção de sobrancelha, levantamento de sobrancelha, botox de sobrancelha, regime de sobrancelha, etc, etc, etc, mas o melhor mesmo é se você fizer tudo isso, que aí sua sobrancelha vai ficar perfeita e, consequentemente, você vai acordar com a cara da Gisele Bundchen todos os dias.

E a gente não tem só sobrancelha pra cuidar, né? Tem pele do rosto, pele do corpo, pele das áreas ressecadas, olheiras, cílios, cabelos, couro cabeludo, unhas dos pés, das mãos, lábios, dentes, gengivas, axilas, tornozelos, barriga, seios, mamilos, bumbum, coxas, vagina, músculo do tchau (tô esquecendo de alguma coisa?), cada parte com mil tratamentos, produtos, exercícios ou dietas específicas que devemos seguir à risca, se não somos "desleixadas", "não temos autoestima", somos mal vistas por familiares, colegas, clientes, etc. Fico pensando que quem leva tudo isso a sério (e a galera leva, viu! vejo isso pelos blogs de beleza) não deve pensar em outra coisa na vida. Aí não é de se estranhar que as mulheres fiquem atrás dos homens profissionalmente (enquanto vc lê sobre o tratamento que dá brilho aos cabelos, ele lê o caderno de finanças) e precisem deles pra se sustentar (porque a não ser que a mulher ganhe rios de dinheiro - o que não é comum no Brasil - boa parte do salário fica no salão).

Enfim, é um sistema muito cruel. Ah! Acabei me estendendo, mas ia comentar que demorei pra achar uma cabeleireira que não torrasse minha paciência insistindo na progressiva, hidratação e nas luzes.

Stela. disse...

eu nao gosto de cabelos molhados pra sair de casa. já tive cabelo grande (e enrolado, nao tenho paciencia nenhuma pra escova, no maximo jogo um vaporzinho no frio pra nao pegar resfriado) e acho incomodo e deprimente ficar com a blusa molhada até o meio das costas! poutz!!! serio que me da nojinho aquelas meninas com o cabelo grande molhado/empastado de creme @_@ tanto como acho horrivel chapinhas que deixam o cabelo parecendo peruca de nylon....

atualmente tenho cabelo curto e eu mesma pinto ele em casa das cores nao convencionais que passam pelo espectro do arco iris.
nunca mais voltei num salao desde que ouvi uma conversa trivial sobre uma mulher que tinha matado alguém e só depois de muito tempo fui perceber que estavam falando de novela... fiquei horrorizada com a naturalidade com que elas comentavam o fato O_O

Anônimo disse...

Lola:
Responda uma pergunta: se você defende a aceitação da aparência, porque sempre que pode você esta elogiando, e até babando, por homens com abdome modelo tanquinho; o último a ser babado foi um jogador de uma seleção de futebol, na época da copa. Porque você, até para dar exemplo, não baba por homens gordos e barrigudos como você? Dois pesos e duas medidas?
Oliveira.

Arashi disse...

Sempre achei a patrulha do cabelo molhado risível, principalmente porque eu moro no Rio, onde andar com o cabelo molhado é a coisa mais normal do mundo (ou pelo menos era, antes de a moda da chapinha começar). Pra vocês verem, acho que demorei até os 18 anos, mais ou menos, pra descobrir essa de que cabelo molhado é sinal de desleixo, via uma dessas revistas femininas - todas editadas em SP.

Quanto à ditadura do cabelo liso, ela existe sim, e como! Minha prima tinha o cabelo bem grosso e ondulado, mas faz progressiva há uns dois anos, e apesar de ter ficado legal, não acho que valha a pena. O cabelo dela me parece mais fino hoje em dia, e acho que a longo prazo, o tiro vai acabar saindo pela culatra. Mas bem, o cabelo é dela, quem sou eu pra me meter.

Enfim, o meu cabelo é cacheado e eu gosto muito, especialmente quando ele está lindo e hidratadinho. Dá mais trabalho e os 'dias felizes' são menos frequentes (hoje, por exemplo, meu cabelo não quer colaborar), mas quando meu cabelo fica como eu gosto, puxa, todo mundo elogia.

Acho uma bobagem essa coisa de ficar patrulhando o corpo dos outros, e me enche o saco toda vez que alguma tia minha diz que eu estou gorda - como se algumas delas vestisse P. Como se alguma delas vestisse P quando tinha a minha idade - eu tenho as fotos pra comprovar, baby!

Eu estou gorda, e francamente isso incomoda a mim, porque eu era atleta quando era adolescente e me irrita esse corpo que não tem mais a força e a flexibilidade de antes. Mas isso é problema meu, todo o resto pode se danar... será que as pessoas podiam se preocupar mais com os próprios problemas, em vez de ficar metendo o bedelho na vida dos outros? Coisa cansativa, sô!

L. Archilla disse...

putz, acabei de descobrir que cabelo molhado é sinal de desleixo ahahahahah

assim... cabelo sujo é feio, né, todo mundo concorda. cabelo molhado é desleixo. secar o cabelo com secador todos os dias (ou dia sim/dia não) estraga os fios. qual a solução? não sair de casa até o bendito secar naturalmente?

Bruno Stern disse...

L. Archilla,

acabei de descobrir isso também.

E convivo com mãe, irmãs, namorada e nunca soube dessa.

Acho que a solução para vocês é não lavar o cabelo. Parece que deixar de lavar é menos pior que usar molhado(pelo menos em SP). Ou só lavar no salão.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

rsrsrs... Pior é que é por aí mesmo... Teve uma época, em que eu tinha feito uma porção de porcaria no cabelo e ele estava super fraco, seco. Mas eu trabalhava e não podia de ir trabalhar por causa disso, né? Impressionante a patrulha que certas pessoas fazem em relação à aparência de outra mulher. Tinha uma moça que todos os dias fazia questão de ficar dando palpite, fazendo piadinhas (e olha que não era nenhuma adolescente, era uma mulher na faixa dos 30)meu cabelo realmente incomodava o campo de visão dela, rsrs... Um dia ela me enchou tanto o saco que paguei na mesma moeda que ela, fui até grosseira. Falei que ela ficava falando do meu cabelo, mas que, honestamente, o cabelo dela não era bonito e então ela não podia falar nada, rsrs... Me senti uma criançona, uma adolescente, mas pelo menos ela parou de me encher...
É como usar um comentário machista contra um cara machista... Ele pára de te encher na hora...

Arashi disse...

De repente a solução é não ter cabelo... mas não, basta uma mulher raspar a cabeça sem estar fazendo químio que é taxada de anormal.

Mariana. disse...

também acho nojento sair com o cabelo empastado de cremes pra pentear. fica todo meloso.. É igual homem que usa gel, graças a deus meu namorado naõ tem esse péssimo habito. Você vai fazer um cafuné e o cabelo tá duro ou meloso. Não dá.

Mas sair com o cabelo molhado não siginfica gastar dois tubos de creme em cada lavada. E também não precisa sair com ele pingando. Ele só não está escovado e totalmente seco.

Adriana disse...

Ué, Oliveira!

Ficou com ciúmes porque a Lola elogiou homens bonitos com barriga de tanquinho???! Sentiu-se posto de lado?! Invejinha?!

Por que vc não coloca uma foto sua no seu perfil para nós, "teus admiradores", sabermos como vc é? Quem sabe assim, a Lola não te chama de gatinho tb? Acho que é disso que vc está precisando: Confete!

Débora disse...

Felizmente tenho notado vários cabelos crespíssimos livres passeando por ai, estou adorando essa onda de dizerem não à chapinha.
E prefiro meu cabelo molhado, limpinho e cheiroso todos os dias que cabelo ensebado por ficar dias sem lavar pra não perder a escova.

Arashi disse...

Putz, eu tinha uma colega na escola que saía com tanto creme no cabelo que uma vez fez uma linha branca de um dedo de espessura no casaco dela. Nenhum cabelo no mundo precisa de tanto creme assim.

A maioria das mulheres com cabelos cacheados/crespos é escrava do creme de pentear, inclusive esta que vos fala. E é difícil descobrir um que deixe o seu cabelo soltinho e bonitinho ao mesmo tempo. Mas é tudo questão de tentativa e erro, inclusive com a quantidade - hoje, eu tenho uns quatro cremes que deixam meu cabelo legal, e nenhum deles custa mais que dez reais... aliás, o melhor deles não custa nem cinco.

Loy disse...

eu sei como é dificil lidar com o olhar torto da sociedade sobre o peso a mais que carrego desde que tinha menos de dois dígitos de idade.
Mas hoje, quando aumento de peso para além do meu número normal, percebo fisicamente "o peso deste peso", e não deixo de concordar com nutrichatos sobre os problemas disto. Realmente, a capacidade cardíaca para exercícios fica mais limitada, a disposição para determinadas coisas fica reduzida. Sinto incomodos gerais, até mesmo na capacidade de digerir, na sede, no desconforto abdominal,na postura, na coluna, nos joelhos. Então sei la. Acho que podemos bater contra a chatice e o exagero que a mídia fazem na cabeça das pessoas, que raramente elaboram um tiquinho a respeito disso. Mas não podemos daí achar que estar gordo ou muito acima do peso sem motivo (como uma gravidez, por exemplo) não é sinal de que algo realmente pode estar errado. Por exemplo, Lola, me desculpe por tocar neste ponto delicado: mas comer não sei quantas barras de chocolate em pouco tempo não pode mesmo ser uma coisa normal. E eu digo isso como quem já passou por coisas parecidas.

Pri Sganzerla disse...

É um saco quando as pessoas me dizem: "Nossa, você tem um rosto tão bonito, olhos claros, cabelo liso, uma pele tão branquinha, pena que está gordinha, né?"

Eu fico com cara de boba e sem reação. Sempre. É como seu eu tivesse ouvido: "Que absurdo você se estragar assim, já que tem os outros requisitos para ser o tipo de mulher que a mídia idolatra!"

Afff...

Fora uma outra situação, quando um tio de uma prima minha me chamou de canto num jantar de família e falou: "Você tem um rosto tão lindo, mas está muito gordinha. Agora você é nova, ainda dá tempo. Quando você ficar mais velha e o rosto também começar a envelhecer, não vai sobrar nada. Homem não gosta de mulher desleixada. Pode estar arrumada, mas estando gorda, vai estar desleixada. Quem sente atração por uma mulher que não se cuida? Só estou te falando isso porque quero seu bem, viu?"

Não vai sobrar nada??????? Meudeus..... rsrsrsrs

Tem outra: na semana passada, eu estive conversando com a coordenadora da escola da minha filha de 6 anos. Comentando que me incomodava o fato da minha filha insistir em levar maquiagem pra escola às sextas feiras, dia em que as crianças podem levar qualquer coisa pra brincar. E as meninas levam escovas de cabelo, quartetos de sombra, batons, estão indo de sapatos com saltinhos pra escola, etc. Além da questão da higiene, dos produtos inadequados pra pele de criança, também tem o fato da erotização na infância, a vaidade exagerada - que é um assunto que tem me preocupado. Comentei essas coisas com ela. A resposta da pessoa foi:

"Mas a vaidade é uma coisa natural da mulher. É inato! Toda mulher deve estar bem arrumada, ser vaidosa, querer estar bonita. E as crianças aprendem isso rápido. É uma obrigação estar apresentável. E eu nem vejo crianças com salto e usando maquiagem aqui na escola. E se as mães deixam, eu não posso me meter nos costumes de cada família, né? Posso dizer pra professora dela que você não deixa a G. usar maquiagem, tá?"

Além de me chamar de mentirosa, ela naturalizou algo que vem sendo discutido amplamente - essa sexualização da infância. Até que ponto as escolas particulares não se vendem pra evitar conflito?

Como terminou a conversa? Acabou sendo mais longa do que eu previra e completamente insatisfatória. E está me dando o que pensar até agora...

primeirocego disse...

Excelente post, adorei!
Eu tenho problemas também com a patrulha da aparência, porque tenho barba grande. Algumas pessoas mais próximas até têm coragem de dizer na minha cara que eu fico muito feio de barba, daí eu respondo que não me interessa se estou feio ou bonito e elas só abanam a cabeça, devem pensar: Não dá pra discutir com maluco!
Mas a maioria diz mesmo que fico com aparência suja (apesar de, claro, eu lavar a barba regularmente com xampu), ou que pareço um mendigo. Sim, porque imagino que pra essas pessoas um mendigo não seja uma pessoa normal que por azar não teve a oportunidade de se integrar adequadamente à sociedade, mas sim uma pessoa intrinsecamente inferior, e por isso devo evitar a semelhança com um a qualquer custo.
Há ainda as pessoas que não têm coragem de fazer críticas, mas insistem em perguntar por quê eu uso barba e não se satisfazem com minha resposta de que simplesmente detesto o processo de fazer a barba. Acham que tem de existir um motivo ideológico, religioso, sei lá quê para um ato tão radical quanto... deixar minha barba seguir seu rumo natural.
E também, claro, há as pessoas que mal são apresentadas a mim e pedem para puxar a minha barba, ou me põe um apelido ridículo (haha, você parece o Bin Laden, ou outra pessoa qualquer cuja única semelhança física comigo é o fato de ter barba). Essas aí eu mando pastar logo, se a pessoa abre a interação comigo me desrespeitando vale mais afastá-la de cara.

Mas claro que eu só posso deixar a barba porque estou desempregado e satisfeito em estar desempregado, porque no minuto em que eu quiser buscar um emprego eu não me arrisco, tiro a barba na hora. Às vezes também tiro para passar em alfândega, bastou-me uma vez no aeroporto de Londres ser enviado para a fila das pessoas que usavam barba, turbante ou tinham pele escura, que era coincidentemente a única fila onde as pessoas tinham de tirar os sapatos. Ou quando vindo do Marrocos à Espanha os policiais de fronteira praticamente me acusaram de ter roubado meu passaporte português.

Isso tudo me põe no limite da minha paciência, mas ainda assim é um privilégio que eu só tenha basicamente uma coisa com que me preocupar em relação à aparência. Ninguém exige de mim que eu tire outros pêlos do meu corpo a não ser os da cara, que mesmo assim só exigem que eu raspe e não arranque, o que seria mais agressivo. Ninguém exige que eu use tinta na cara, nas unhas ou nos cabelos (nem exigiria se eu tivesse os cabelos brancos). Alisar os cabelos também não é nem seria necessário. E eu tenho muito mais direito de ser gordo do que teria se eu fosse mulher...

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Desculpa aí, Lola, no meio de milhares de mensagens de erro, não vi que o meu comentário foi publicado três vezes (duas como anônimo)! Tem como você apagar?

Primeirocego

primeirocego disse...

@Pri Sganzerla: É impressionante como as pessoas muitas vezes conseguem reproduzir um discurso padrão sem nem tropeçar nas contradições desse discurso, como essa coordenadora:
"Mas a vaidade é uma coisa natural da mulher. É inato! Toda mulher deve estar bem arrumada, ser vaidosa, querer estar bonita. E as crianças aprendem isso rápido."
Como é? Toda mulher deve querer estar bonita? Pensei que 'dever' significasse obrigação e 'querer' significasse vontade - como é que se obriga uma pessoa a ter uma vontade? E afinal isso aí que ela disse é inato ou as crianças aprendem rápido? As duas coisas ao mesmo tempo não dá...

Dáfni disse...

Primeirocego,

Meu marido usa uma barba a la "Bin Laden" (rs) e também enfrenta olhares de preconceito. Felizmente, por ser professor universitário federal, ele não precisa ter o "cuidado" de tirar a barba para trabalhar. E a opção dele de usar barba comprida é a mesma que a sua: não tem saco pra fazer a barba.

Ele também, quando vai viajar a países da Europa, tenta tirar a barba para não entrar na "fila dos terroristas". É notável como o pessoal da alfândega se preocupa com estes detalhes! Sem falar que, se vc tiver um passaporte colombiano, não adianta estar bem vestido: eles vão te fazer uma série de perguntas e reter o seu passaporte para perguntar aos "superiores", suponho, se podem te deixar entrar. Isto já aconteceu várias vezes com um amigo colombiano.

Comentário de solidarização apenas!

Dáfni disse...

Agora, uma coisa que ninguém fala é sobre o perigo de ser muito magro. Eu falo por experiência: a minha vida inteira eu estive abaixo do nível de IMC considerado normal, beirando a anorexia. Não porque eu queria ser magra; aliás, eu lutava para engordar. Depois de um problema de saúde grave, meu médico me fez engordar à força: passei um mês de repouso, comendo além da saciedade. E deu certo: engordei praticamente 10kg.

Hoje eu vejo como minha aparência era doentia, e como a minha saúde melhorou depois que engordei. A magreza excessiva deixa o sistema imunológico deficiente, facilitando até a depressão. Mas isto a mídia não noticia.

Bruno Stern disse...

Primeirocego,

eu não tenho hábito de manter barba bem feita nem de manter cabelo bem cortado.

Mas, com certeza, as patrulhas que sofro são bem mais leves que as sofridas pelas mulheres.

E dizer que minha namorada gosta de barba geralmente encerras as discussões.

Mariana. disse...

Outra coisa que esqueci de mencionar são as acnes. Felizmente, nunca sofri com elas, mas me lembro como era na época do colégio (tanto para meninas quanto para meninos).

Muitos adolescentes realmente sofrem com isso. O aspecto não é mesmo muito legal e a maioria que se livrar das espinhas e ter uma pele boa, mas não é fácil. As causas são inúmeras (não é só comer chocolate demais), algumas vezes envolve hormônios e o tratamento é caro. Aí tem as medidas paleativas - sabonete e creminho - que melhoram um pouco mas não o suficiente. Aí os jovens ficam com aquela pele oleosa, e muitas vezes já ouvi amigos e amigas dizendo que parece que a pessoa não toma banho, que tá suada o tempo todo, etc e etc. Crianças e adolescentes são cruéis e não percebem o quanto isso magoa. Apelidos como choquito, etc, eram muito comuns. Muitos adultos também sofrem com esse problema, e aí é mais difícil ainda.
Mas tem a patrulha ao contrário também: muitos acham que é mera futilidade cuidar da pele, tratar a acne. Mas não é. Melhora muito a autoestima da pessoa - sei disso porque tenho uma prima dermatologista.

primeirocego disse...

@Bruno Stern:
Sim, eu não tenho a menor dúvida que a patrulha da aparência me afeta muito menos do que afeta as mulheres, como escrevi também no meu comentário.
Acredito que 'minha namorada gosta de barba' seja um argumento que encerre muitas discussões, e há mesmo várias pessoas que não se importam com minha barba ou que de fato preferem a barba, só que eu não quero terminar minhas discussões assim. Porque eu não quero que respeitem minha decisão de deixar a barba porque outra pessoa gosta dela, eu quero que respeitem porque essa é minha decisão sobre a minha barba - é uma decisão estritamente pessoal, ninguém tem de meter o bedelho.

Bruno Stern disse...

primeirocego,

a patrulha geralmente vem com uma frase do tipo "tadinha de fulana, se arruma tanto para andar com você desse jeito".

Nesse ponto que a minha resposta encerra debate.

A parte de ter barba porque gosto me parece óbvia para precisar ser afirmada à "patrulha da prestobarba".

primeirocego disse...

@Bruno Stern:
Entendi tua resposta. Essa de 'tadinha de fulana que se arruma tanto' felizmente eu nunca escutei.

Arashi disse...

Olha, primeirocego, eu não gosto muito de barba grande não, mas acho que você tem todo o direito de ter a barba que quiser e ninguém tem nada a ver com isso. Agora, é uma p* sacanagem essa de rotular barbudo como terrorista ou comunista. É igual uma pessoa com cabelo de cor diferente (tipo verde ou rosa), as pessoas logo reviram os olhos e já rotulam como retardadinho/rebelde sem causa/completo idiota. Como se ter cabelo 'normal' fosse garantia de caráter, sanidade ou inteligência...

Loy, concordo com você e os 'nutrichatos' que na maioria dos casos, quando a pessoa está muito acima do peso ela acaba tendo problemas de coração, articulações, etc. Mas acho que isso é uma coisa que está ficando exagerada demais, sabe? Porque tá, obesidade pode causar todo tipo de problemas, mas hoje em dia até quem tem uns cinco quilos a mais atura esse patrulhamento de aparência disfarçado de preocupação com a saúde.

Mariana Bennemann disse...

Meu cabelo é cacheado e loiro. Se eu não aliso, fico parecendo uma couve-flor. Um ninho de passarinho. Mato seco. Minha cara de louca também não ajuda muito.
Mas só por isso. Não é pq enfiaram na minha cabeça q era feio, é porque eu não curto ficar parecendo um legume.Não orna com meu rosto.

Um palmito com uma couve-flor na ponta.

Ai gente.

hahahaha

lola aronovich disse...

Vocês são uns fofos e umas fofas, gente. Estou amando os comentários. Todo mundo tem história de patrulha pra contar!
E sabe, acho que na maior parte das vezes a pessoa que cobra não faz por maldade não. Acredita que está fazendo pelo nosso bem. Tem a melhor das intenções... Pô, como se eu não soubesse que sou gorda e tenho olheiras! PRECISO que me lembrem disso!
Sobre o meu gosto pra homem, isso mereceria um post. Acho bem variado. Estou casada com um homem que considero lindo, e que é magro. Ele já teve 15 quilos a mais, e pra mim continuava lindo (e não estava nem perto de gordo, mas a barriguinha aparecia de vez em quando). Eu gosto de homem mais cheinho. Sabem quem eu acho lindo e sexy? O Ailton Graça. Eu sou sempre a última a notar se um cara tem barriga tanquinho ou não. Gosto de loiro, negro, oriental, tudo. Mas prefiro mil vezes alguém com carne pra agarrar que alguém com osso.
Primeiro Cego e Bruno, interessante o que vcs disseram. Eu não gosto de barba, e já devo ter dito isso pra alguém. Uma vez eu fiz um carinha tirar o bigode que ele usava há sei lá quantos anos só pra poder me beijar. E quando o coitado cumpriu a ordem, eu notei que ele ficava melhor de bigode e não quis beijá-lo. Eu já fui uma pessoa cruel... Mas digam, de onde vem a maior patrulha, de homens ou mulheres?

Vivien Morgato : disse...

Lola, o post está ótimo e é legítimo.

Mas eu proponho o olhar inverso: uma das leitoras colocou uma frase interessante com a qual me identifiquei ela disse ser "vaidosa para seus próprios padrões".


Eu apavoro minhas alunas quando digo que pintei as unhas pela primeira vez com 30 anos, que usava tenis furado e nem sabia o que era fazer sombrancelha.

Mas eu mesma não consigo me ver na garota que fui..rs...pinto unha de vermelho estilão pode-vir-quente-que-eu-estou-fervendo, faço escova, sombrancelha, blablabla. E gosto.

Nunca achei que isso afetasse meu senso crítico, meu feminismo ou minha postura política.

Concordo totalmente quando se diz que existe um patrulhamento ostensivo e cruel contra as mulheres que não se submetem aos padrões pré-estabelecidos, como estou acima do peso (?), sinto isso diariamente.

Mas o oposto também existe.

Já fui semi-hostilizada por uma entrevistada - para uma dissertação que larguei - que olhava horrorizada meu saltos altos e fazia questão de coçar o sovaco cabeludo.

Olha isso, acho seeeeempre que deve ser cada um dentro de seus próprios paradigmas: quer se depilar, depila, não quer, beleza. Eu acho feio, mas isso não significa nada, apenas minha opinião particular.

Mas parece que em alguns circulos vc prova seu feminismo sendo necessariamente uma mulher sem vaidade. E eu não preciso andar de macacão com graxa pra ser petista, caracoles. Não digo que vc afirme isso, obviamente, mas várias amigas minhas agem assim,
Assim, isso que vc descreveu acontece comigo...ao contrário: pintar a unha faz mal, usar batom faz mal, saltos vão te matar e o cabelo TEEEEEEM que ser crespo. Me dá gana de gritar: Putz, me larga, me solta. Eu me reeendo ao alisamento, amém. Me deixa ser fútil um minuto, pelamor.

As duas faces da moeda me parecem o melhor estilo Batman/Coringa, ou seja, mais do mesmo, duas formas de ser autoritário.


Eu senmpre vou me bater pela liberdade de escolha, sempre.

Um grande beijo, com gloss.;0)

Koppe disse...

Lola, a patrulha maior contra barba é de homens. É como se o fato de fazerem a barba regularmente desse a eles o direito de cobrar isso dos outros. Eu também ando sempre com a aparência de "barba por fazer", porque tenho um problema na pele: se passo lâmina, dois ou três dias depois começa a sair um monte de bolinhas, como se fossem espinhas pequenas. Há algum tempo atrás, eu raspava a barba mais ou menos uma vez por mês; hoje tenho uma boa máquina daquelas de cortar cabelo, e uso também pra barba (que não tira tudo, fica parecendo que fiz a barba ontem). Já me criticaram, disseram que ter barba é "falta de higiene" (ter cabelo não? qual a diferença?). Não tenho saco pra ir em dermatologista ou algo do tipo. O fato de ser gaúcho ajuda um pouco, aqui no sul é mais tolerado ter barba. Geralmente termino a conversa dizendo que meu tempo de quartel já passou.

aiaiai disse...

adorei essa ideia de falar que a namorada gosta...da próxima vez que reclamarem que eu não me depilei, não alisei o cabelo, não me maquiei, etc, etc, etc, eu vou falar: é que o cara que eu to pegando gosta assim kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Hugo disse...

Respondendo ao questionamento da Lola: a Patrulha ostensiva é majoritáriamente feminina. No outro dia, a minha sogra veio 'me ajudar' quando me preparava para sair com ela e minha namorada... "Você vai com essa blusa? Tem outras ali no armário..." Reuni toda a delicadeza que me foi possível pra responder que "Não, não, obrigado, eu gosto DESSA aqui."

Tudo bem que eu sou da linha que favorece o conforto, portanto, tem blusas que eu uso por anos a fio, até rasgar, mesmo. Só me arrumo pra trabalhar, pois, como trabalho atendendo o público (mesmo sendo servidor do estado), acho razoável me apresentar de forma 'neutra', ou seja, como a sociedade espera que eu me apresente.

Mas o Patrulhamento masculino é menos ostensivo, menos 'caridoso', porém não menos cruel. Os homens julgam, sim, as mulheres que não se produzem, e até os caras, também. Se eu apareço de chinelo, short e camiseta de corrida (de 2004) no Shopping pra um rodízio, todo mundo me olha como se eu fosse um pobre coitado miserável.

Tenho meu padrão de beleza, sim, que, aliás, não inclui maquiagem, favorece os cabelos cacheados, e, diga-se, não envolve mulheres magrelas, mas tento também não impor isso aos outros. Não acho que usar maquiagem seja um sinal de futilidade, é apenas uma escolha. O importante, como já foi dito aqui, é realmente você se sentir bem.

Mesmo nos casos de risco de saúde, como é o da obesidade, a nossa sociedade é plenamente conivente com tantos outros hábitos e estilos de vida tão letais quanto (ou até mais), como o cigarro, a bebida alcoólica, etc, que qualquer tentativa de justificar essa conduta não tem como não parecer hipócrita.

Mas tenho a impressão de que as coisas estão mudando, sim. Aos poucos, novos padrões estéticos estão sendo aceitos na sociedade, mesmo que de forma muito lenta e gradativa. O perigo, como falou nossa colega Vivien, é passar da linha e cair no excesso oposto.

Anônimo disse...

Eu sempre fui a magrinha na família de mulheres gordinhas que lutavam pra emagecer, então sempre ví o fato de ser magra como algo muito valorizado. Daí que eu tenho uma irmã bem mais nova que não é nem nunca foi magrinha... Quando ela foi chegando na adolescencia, lembro de ouvir um comentario da minha mãe de que tinha medo de ela ser discriminada na escola por ser gordinha. Eu, que adoro minha irmã demais, comecei a pegar no pé: não come biscoito! pq vc não faz uma caminhada todo dia? não come antes de dormir! blá, blá, blá... E doeu muito, mais muito mesmo, quando eu percebí que isto a magoava muito mais do que qualquer brincadeirinha que ela ouvisse na escola, pq eu era muito mais importante pra ela do que qq colega.Não é absurdo que eu tenha causado muito mais dano do que aquele que eu tentei evitar??Levou tempo demais pra eu perceber, mas, antes tarde do que nunca, mudei minha atitude completamente, até pq eu sempre achei ela linda, além de inteligente, divertida, enfim uma pessoa daquelas que seria minha amiga mesmo que não fosse minha irmã. Ainda me sinto muito mal de pensar a respeito disto, gostaria de ter sido aquela que levantou a auto-estima dela pra enfrentar o mundo, e as inevitáveis piadinhas, e não alguém que colaborou pra que se sentisse mal com ela mesma, mas na época não via problema, e, como dizem, achava que estava ajudando...

PS: desculpa postar como anônimo, é só desta vez...

Clara Gurgel disse...

Oi Lola, dá licença prá fazer um "off topic?" Dá só uma olhada no que disse a Maitê Proença numa entrevista: Já decidiu seu voto? O que acha das atuais opções para a Presidência da República?

Gosto da Marina e do Serra.

O feminismo já era ou a mulher ainda precisa lutar contra as discriminações da sociedade?

A mulher ainda é tratada como escrava na África, Ásia, países árabes, na maior parte do planeta. Só no ocidente houve progressos, muitos, mas ainda há discriminação. Quem sabe a própria venha a calhar nesse momento de eleições, atiçando os machos selvagens e nos salvando da Dilma?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Que a patrulha maior é contra mulheres, acho que ninguém discordou, mas quanto a patrulha ser feita mais por homens ou por mulheres aí fica difícil saber, na minha opinião... A patrulha é feita de modos diferentes, mas é feita. Mulheres ficam te azucrinando pra que você se cuide e homens não são nada discretos em ficarem reparando na mulher, na cara dela, nem disfarçam, como se fossem juízes de um concurso de beleza...

Tô cansada de ver homens por aí, que não se enquadram no padrão de beleza, se achando no direito de dizer em alto e bom som na rua que fulana que está passando é feia, gorda, magra demais, bonita, gostosa, bonitinha... A impressão é que eles não tem espelho em casa ou então que eles acham que as mulheres tem obrigação de serem lindas, perfeitas, mas que eles podem ser como quiser. Que mulheres tem que ser enfeites, mas que mulher não tem que ligar se o homem é bonito ou feio... Aliás, quem nunca viu um cara que vive taxando mulheres, ficando revoltadinho porque sentiu sua aparência sendo avaliada ou ouviu alguma mulher comentando algo sobre beleza masculina...

Olha, nós mulheres também gostamos de beleza masculina e de certa forma, também somos influenciadas a achar determinado tipo físico mais bonito que outro, mas a gente não sai por aí falando isso na cara deles na rua, se achando no direito de julgá-los pra quem quiser ouvir, diferente do que fazem com as mulheres...
Caramba! Se um cara acha que determinada mulher na rua é bonita ou feia, ele não pode guardar só pra ele? Por quê ele acha que ela tem que saber a opinião dele? Por quê ele precisa assoviar ou torcer o pescoço até que não restem dúvidas que ele está olhando pra bunda de alguma mulher? É pra provar que é "macho", que gosta de mulher? Às vezes parece. Porque quando estão sozinhos, a maioria não parece agir assim. Não deixa de ser um tipo de patrulha. Podiam apreciar a beleza feminina de forma mais discreta, não?

Luna disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Luna disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Stela disse...

noss, fico imaginando o que os amigos do meu namorado falam de mim (e vice versa)...
um dia, o fdp de um colega dele virou na nossa frente e falou: "vc nao raspa o suvaco, né?" até hoje nao entendi o que isso afetava a vida dele. acho que se eu depilasse ele "quebrava as pernas" do "amigo".

eu já raspei o cabelo e uma vez uma moça nao queria me vender um sorvete de passas ao rum porque tinha álcool e eu podia "tomar remedio controlado, vai saber!" também não entendi ainda.

eu tento dar o máximo de apoio pro ryot ir pro trabalho de sandália e short hahaha e fico indignada qdo ele coloca uma camisa social no meio do verao (principalmente depois que ele assumiu que nao gosta)

mas o mais paia mesmo é ter que aguentar todo mundo me perguntando se japones tem MESMO pinto pequeno. até parece que eu ando com regua no bolso pra medir caralhos e bucetas que eu ja comi!

Luna disse...

Vou falar logo na lata: me considero vaidosa. Eu adoro fazer unhas: porque eu me divirto, na verdade, pintando de várias cores. E eu gosto de cuidar do meu cabelo. Porém o meu cuidado com ele vem por causa da patrulha.

Ele é do tipo crespo e eu nunca gostei dele. Eu não o queria liso, mas eu queria que ele fosse menos volumoso, ele fosse melhor. Em compensação eu odiava salão de beleza. Era do tipo que não iria me render à nada, e não ia. Por pressão materna, eu fui ao salão com doze anos e fiz um relaxamento.

Mantive isso dos doze aos 14. Aos 14, meu cabelo tinha se estragado, não estava legal e eu odiava ele. Me sentia um lixo. Nesse ponto eu devo inserir um detalhe: eu sou deficiente auditiva. Não chega a 100%, eu escuto normalmente. Mas se alguém sussurra por trás de mim, geralmente eu não escuto. E devo dizer que essa era uma das coisas boas que essa deficiência me proporcionava para compensar os problemas. Até hoje eu gosto disso, me poupa de ouvir muitas besteiras.

Então eu nunca tive realmente problemas em 'comentários por trás', porque nunca escutei. Mas eu nunca soltava. NUNCA.

Quando entrei numa escola nova, feliz porque eu estava em um lugar que era normal ler um livro e estudar (ao contrário da escola anterior que eu me sentia deslocada), eu continuava com o mesmo cabelo. E só usava casacos enormes, grandões, largados. Um dia minha colega perguntou porque eu não me arrumava. Eu era tão bonita, poxa, eu podia usar roupas mais femininas, escovar o cabelo, sabe?

Foi a gota d'água. Decidi, naquele dia, que eu iria usar meu cabelo crespo sempre. Mas ele seria tão bonito e bem tratado que ninguém teria a coragem de falar mal. Desde então eu hidrato, eu cuido, tenho toda a paciência com ele. Mas até hoje não consigo usá-lo solto durante uma manhã inteira. Simplesmente não consigo. Acho que tá cheio, tá feio, tá qualquer coisa e prendo.

Porque as marcas de quando eu ouvia um 'prende esse cabelo!' e de minha mãe sempre falar 'tá levando presilha pra quando o cabelo ficar cheio?' ficam.

Luna disse...

Mas no resto? Eu só tiro os excessos. Morro de preguiça de depilar. Maquiagem é uma coisa que me diverte (acho meus cílios meio mortos e com rímel eles ficam bem legais), mas, sabe, nada realmente importante.

E eu nem sabia que n podia usar cabelo molhado. Eu sempre sai de casa com cabelo molhado. Basicamente pq tomo banho de manhã e nao tenho tempo de ficar secando, nem nada. Esse povo acha que vou acordar duas horas mais cedo pra secar meu cabelo? Ah, vai sonhando.
O lance de poder ficar gripada é até verdade, mas, sabe, não acho que seja tanto drama assim.

E verdade seja dita: eu tive a sorte de nunca ter neurose com o corpo. Simplesmente porque, pela genética, tive corpão violão e como pouco (por gosto mesmo, n consigo comer mto e sou enjoada), então nao engordo nem nada. Mas já teve garota que me taxou de piriguete porque eu tinha seios já desenvolvidos. Aliás, essa parte foi outra q eu tive complexos. Porque seios grandes são legais. Mas quando eu usava um simples decote, eu me sentia como se estivesse me exibindo. Porque as pessoas notam e isso me mata de vergonha.

E, aliás, esse domingo estava conversando com minha prima e entre outras coisas, ela comentou que Ivete Sangalo estava gorda. Eu fiquei tipo 'oi?' Eu achava que estavam brincando qdo comentavam isso, mas depois q ela comentou, eu percebi que as pessoas realmente acham que a mulher tem que emagrecer loucamente depois de parir. Eu tenho um amigo que quando fala de mulher bonita, é sempre 'zero gordura'. Só em mim que a imagem mental é horrível?

Ah, céus, exigem demais. E eu só tenho 16 anos. É a fase das revistas falando "seja você própria!" e na mesma capa diz "como combater as estrias!". As revistas que falam de diversidade, mas só estampam modelos brancas, magras, altas e de cabelos lisos.

E os blogs de moda são cruéis. Uma vez eu vi esculhambarem com uma atriz, acho, por ter saído na rua com o esmalte descascando. Como se ela, tipo, assassinado o próprio filho com uma tesoura! Não, falavam de como ela era desleixada, que n deveria sair de casa e que, elas, tão divas, sabe, sempre tiram ao menor sinal de descascamento! Ah, sim, pq elas tem todo o tempo do mundo pra observarem cada detalhe do corpo antes de saírem de casa.
Aham.

Luna disse...

Lola, pode apagar os meus comentários repetidos? O Blogger ficou dando pau aqui e ele enviou o mesmo comment umas três vezes!

Agradeço!

Stela disse...

@Luna passei - e passo - pelo mesmo que voce por causa de seios grandes (e olha que hoje em dia quase nem uso sutia) é um peso mesmo! Mas por muito tempo eu nao usei decote, era como se eu estivesse saindo pelada na rua... hoje em dia eu desencanei, uso decotao, saia, e esmalte (descascado, pq adoro e me ajuda a nao roer a unha) coisas que eram impensáveis há uns 5 anos atrás.

@Mariana B. tb tive cabelo espiga de milho/ couve flor, haha. qdo tava pela 5a série os meninos me zuavam que eu nao penteava o cabelo, isso pq eu tinha acordado as 6 da manha pra desembaraçar tudo. um dia fui sem pentear e eles ficaram: "ae, hj vc penteou"
o fato é que meu cabelo era tao fino que eu nao ligava se tava feio ou bonito! preferia ele desembolado e cheio do que ficar dois dias sem pentear e ter que cortar aqueles nós que agarravam no pente õ.O

lola aronovich disse...

Gente, vcs são the best! Eu aprendo muito com vcs, muito mesmo. Adoro esses comentários! Vou selecionar alguns que acho que podem render bons posts e desenvolver uma resposta, ok? Na realidade, mais uma reação que uma resposta... Aguardem que vou publicar alguns nos próximos dias. Adoro as ideias que vcs me dão!


Laurinha, querida, só uma coisa: até acredito que alguns caras estejam “apenas” apreciando a beleza feminina. Mas tenho certeza que a maior parte, ainda mais em grupo, está é mostrando quem manda no pedaço. Só quem está em posição de poder pode julgar. Portanto, quando um grupo de homens mexe com uma mulher na rua, ele não espera seduzi-la. É um “male bonding ritual” (ritual que faz os machos se unirem) e que reforça sua posição de comando. Se a mulher avalidada ficar constrangida ou chateada, ainda melhor! Já falei um pouco disso aqui.


Clara, a Maitê Proença esteve numa reunião em que declarou voto no Serra. Deve ser a mesma Maitê que gravou um vídeo falando um monte de asneiras contra os portugueses...

Mariana. disse...

ahh, sobre seios.

Eu tenho seios grandes. Aliás, gosto do meu corpo. Falsa magra, violão. Mas isso de seios grandes é legal agora, com a moda do silicone (minha irmã colocou agora =/). Mas quando eu era novinha, eu era praticamente a unica garota que tinha seios. E isso era o suficiente pra falarem que eu era reprovada, ou que eu queria me mostrar. Ouvi isso mais de mulheres. =/ era um saco. Hoje em dia eu adoro. Uso decote, saltão, saia e tudo o que tenho direito.

Magalli Sampaio disse...

Caramba, seu texto é extremamente divertido! Muito gostoso de ler, mesmo! Adorei.

Beijo.

Giovanni Gouveia disse...

Sempre fui adepto do estilo: "quanto mais desbundado melhor", cabelo grande, barba, prefiro usar sandálias/alpercatas/alpragatas... sapatos me doem nos pés; odeio ficar escorregando na cadeira com calça social, prefiro usar jeans; o calor que faz aqui no Recife me faz pensar ser estúpido alguém andar pela rua de terno e gravata; toco violão portanto minhas unhas da mão direita são sempre grandinhas...

minha mãe sempre foi a primeira a me "repreender", felizmente sou funcionário público, ninguém pode me cobrar uma aparência mauricinho, mas vez por outra alguém me questiona minha aparência. Antes de ser funcionário público fiz alguns bico por aí pra sobreviver, num deles fui ser vendedor, tinha acabado de cortar meu cabelo, um coordenador veio me perguntar porque eu não cortava o cabelo, caí fora.
Mas ainda tem muita gente que me olha como uma aberração, ou então escuto alguém, pensando que eu sou Alceu Valença, cantarolando alguma canção dele, tô nem aí, sou mai eu

primeirocego disse...

Nunca tinha pensado se a patrulha maior vem de homens ou de mulheres, mas se for chutar baseado na minha impressão geral, eu acho que as mulheres patrulham minha barba com mais freqüência, embora os homens sejam mais agressivos - as pessoas que põem apelidos ou apontam o dedo e dão risada são quase sempre homens.

Anônimo disse...

Esse post me faz lembrar de uma saia justíssima que eu passei com uma amiga. Ela tem cabelo crespo e tem fios brancos, apesar de ser jovem. Ela já pinta o cabelo, o que é bem agressivo, e ainda fazia escova de vez em quando, para ficar liso. Ocorre que o efeito fica meio artificial e não dura muito, logo o cabelo dela nem ficava crespo nem liso, fica um meio termo esquisito. Tentei convencê-la a não esticar mais o cabelo, porque eu sinceramente acho que um cabelo crespo bem tratado é muito mais bonito que um cabelo esticado. Inclusive porque combina mais com os traços dela. Inclusive porque cabelo bonito não é sinônimo de liso. Ela não devia se escravizar tanto. Olha que eu nem sou radical.
Pra quê? Ela ficou indignada, com raiva mesmo. Percebi que ela teve que se controlar muuuuito para se limitar a dizer "Você fala isso porque tem o cabelo liso". Sinto que se tivesse insistido mais um pouco perderia a amiga. Acho que ela encarou o meu discurso como uma forma de opressão, vinda de uma privilegiada por ter cabelo liso que quer impedir outras de adquirirem o mesmo status. Hoje ela vem o o cabelo alisado perguntando se eu gostei e eu digo "Tá lindo seu cabelo!" Fazer o quê, né?

Mariana disse...

Nossa, Lola, falou TUDO! Até me arrepiei!

Mandei o link desse post pra minha mãe, que VIVE dizendo que meu cabelo crespo é coisa de gente relaxada. Tudo bem q ela só fala isso quando eu não penteio, mas gente?, só porque eu nasci com cabelo crespo não tenho direito de ter preguiça de penteá-lo às vezes? Só as de cabelo liso podem ter a liberdade de não serem escravas de pente e creme sem enxágue?

O pior de tudo é q sei q esse pensamento não brotou na cabeça da minha mãe espontaneamente, por pura culpa dela.. É todo um padrão "feminino", "vaidoso", "cuidadoso" e "glamouroso" difundido pela mídia... Às vezes dá vontade de radicalizar e queimar salto, maquiagem, roupa, pente e etc, mas não chego a tanto, hehehe

Mariana disse...

Sobre os seios: tb sempre tive peitão, soutien 48. Não sou magreeeela, então fica proporcional. Mas comecei a ter peito com 7 anos, o que me deixava deveeeeeeras constrangida na escola.

A redenção foi quando os seios grandes passaram a ser moda. Redenção em termos porque a regra, hoje em dia, são seios de silicone, aqueles que parecem bolas de futebol e ficam lá em cima, empinados. Seios grandes naturais têm um caimento, impossível permanecerem empinados sem soutien. O problema, então é que seios grandes sem ser de silicone agora são seios caídos... ¬¬

Ou seja, sempre estão inventando novas "imperfeições" no corpo feminino, novas preocupações que outrora não existiam, eram apenas fruto da natureza, do efeito do tempo e da diversidade. E essas novas "inadequações" são inventadas a cada dia para que as mulheres consumam, comprem o produto ou façam a cirurgia que vai resolver o "problema".

Tô tentando abstrair, mas é complicado...

Iseedeadpeople disse...

Bah, falou e disse tudo, lola!

Eu estou na India, daqui a 2 dias vou me casar numa cerimonia religiosa, e ate agora TODAS as conversas da familia do meu marido indiano, sao sobre a minha beleza e como ficar mais bonita ainda. Ninguem se interessa em quem eu sou, o q faco, o q penso da vida, e sim na cor do vestido q vou usar e no penteado q vao me fazer.
E ainda pensam q estou adorando tudo isso, afeee ////

Paula disse...

Oi Lola,

Então ser mulher é tão complicado, a sociedade cobra demais a aparência, peso, altura e atitudes padrão.

No seu lugar eu faria o mesmo, pq ambiente de salão ninguém merece. Sairia na boa, com tinta no cabelo, afinal quem paga as minhas contas sou eu.

Teve uma época que eu acreditava em drenagem linfatica para reduzir medidas, daí que eu estava com pressa e sai de vestido curto e as duas coxas enroladas com o produto na pele e filme plastico por cima. Quem viu riu muito, e eu nem me importei, até brinquei com a situação, com os meus pernis devidamente embalados.

kkkkkkkkk como sempre os seus textos são hilários.

amanda gc disse...

Muito bom! ADOROOO essa ironia, rs.

A aiaiai é muito boa nisso também! rs

Realmente, as pessoas sempre acham outras desculpas para nos mostrar que temos que nos "cuidar", tentando nos mostrar que se importam com a gente, não com nossa aparência.

Se alguém me convida para ir correr, é por se preocupar comigo e com a minha saúde, não porque eu "preciso" emagrecer! (Por mais que seja verdade que eu precise fazer alguma coisa e largar esse computador, rs.)

Sim, nós precisamos nos cuidar, e somos vaidosos muitas vezes, homens e mulheres (mesmo feministas, que muitos dizem ser "desleixadas"). Cada um a seu modo... Tem aqueles que se sentem bem sem nem pentear o cabelo, normal.

Você querer se sentir bem consigo mesmo, mudar um pouco de vez em quando é uma coisa. Outra é se prender à moda e a padrões impostos pela sociedade, pela mídia e ser obcecado por isso.

Se, por acaso, uma feminista passa tinta no cabelo, passa maquiagem ou pinta as unhas, ela está se contradizendo? É o que muitos (e muitas feministas) dizem.

amanda gc disse...

Lola, depois de comentar decidi postar sobre isso no meu blog. é basicamente meu comentário um pouco melhorado. Coloquei um trecho do seu post, e o seu link tá lá. Se quiser dá uma passadinha depois.