domingo, 22 de fevereiro de 2009

PREVISÕES PARA O OSCAR - PARTE 3 (PRINCIPAIS CATEGORIAS)

E vamos as minhas previsões pras categorias principais do Oscar, que é hoje à noite (veja todos os indicados aqui, as previsões das categorias técnicas aqui, e as das intermediárias, aqui).
Filme
Quem Quer Ser um Milionário, que só estreia no Brasil em março, é o favorito. O filme sofreu alguns revezes, como alguns indianos o acusarem de ser colonialista, e insinuações que algumas crianças não foram devidamente pagas (só receberam bolsas de estudo). Mas a maior parte da Índia, um dos maiores mercados consumidores do planeta, está torcendo loucamente por Milionário. Será o jeito de Hollywood homenagear Bollywood. E o filme, embora trate de miséria, é pra cima e tem montes de fãs. Benjamin Button, que concorre a treze estatuetas, vem perdendo fôlego a cada dia. O que eu disse se confirma: é uma dessas produções que a gente gosta enquanto assiste, mas depois desaparece da nossa memória. Acho que, se o Oscar não for pra Milionário, irá pra O Leitor (histórias de holocausto são bem recebidas pelos votantes) ou pra Milk (bem ou mal, Hollywood é liberal, a favor dos direitos iguais pros gays, ainda que os filmes feitos não reflitam isso). Mas deve ir pra Milionário, e merecidamente: é o melhor entre os cinco.
Diretor
Esta será uma categoria com um pouco de suspense. Embora o favorito seja Danny Boyle, por Milionário - que certamente levará Melhor Filme -, nada indica que o Oscar de direção acompanhe. Pode ser o David Fincher, que muitos consideram injustiçado (tem gente que ama Zodíaco e Clube da Luta. Eu não estou entre esses fãs). Pode ser o Stephen Daldry, que até agora só fez três filmes, e foi indicado por todos os três. Pode ser o Gus Van Sant, que é assumidamente gay e fez Milk, com um protagonista gay. Só não pode ser o Ron Howard. Seu filme, Frost/Nixon, parece ser o que corre mais por fora (e Ron é o único dos cinco que já tem um Oscar, por Uma Mente Brilhante). Eu votei no Danny e torço pra que ele ganhe, mas não será totalmente surpreendente se for um dos outros três.Atriz
Eu penso que a Kate Winslet é franca favorita, porque ela é uma grande atriz, nunca ganhou, teve duas grandes atuações em 2008 (O Leitor, pela que foi indicada, e Foi Apenas um Sonho), e recebeu o Globo de Ouro. Acabou sendo ótimo pra ela não ser indicada pra atriz coadjuvante e principal (como no Globo), pois isso dividiria os votos. Sem falar que, pô, ela é logicamente a atriz principal de O Leitor. E ela é a única indicada por uma produção que concorre na categoria de melhor filme. Ou seja, tá cheio de coisa a seu favor. Então por que andam dizendo que a corrida será disputadíssima entre ela e a Meryl Streep? Meryl, outra grande atriz, é a recordista em indicações (quinze!). Ela só ganhou duas vezes, uma (coadjuvante) por Kramer vs Kramer, outra (principal) por A Escolha de Sofia. Mas isso foi em 1982! Faz um tempão. Tá na hora d'ela levar outra estatueta. Mas não este ano, né? A Kate merece mais. Além disso, na última década essa categoria vem sendo dominada por atrizes jovens, com menos de 40 anos. Por isso, quem corre por fora é a Anne Hathaway. Apesar de Melissa Leo e Angelina Jolie estarem ótimas, elas não têm a menor chance. Mas eu insisto que a Anne e a Meryl tampouco. Desta vez é a Kate. É a sua sexta indicação, e já passou da hora.Ator
Esta sim será uma das categorias mais concorridas da noite. A luta está entre Mickey Rourke e Sean Penn, e não sei se um é mais favorito que o outro. Tá totalmente equilibrado. Mickey sustenta O Lutador, um belo filme, uma interpretação brilhante, e a história do personagem tem tudo a ver com a sua - um sujeito decadente, que se recusa a se aposentar, e tenta aprender com os erros do passado. Ele tem levado mais prêmios que Sean (entre eles o Globo de Ouro e o Bafta), e americano adora isso da segunda chance. Mas o Sean é amado pela comunidade de atores. É ativista político. Milk é seu melhor papel até agora, e o filme concorre nas categorias mais importantes. E o personagem que interpreta, Harvey Milk, é um ícone. Se for comparar a relevância de um Harvey Milk com a de um lutador de luta livre, sorry, o Oscar vai pro Sean. A única coisa contra é que ele ganhou ontem, quer dizer, cinco anos atrás, por Sobre Meninos e Lobos, mas parece que foi ontem. Pese cada item e você verá como a situação é realmente imprevisível.
Eu adoraria se a Academia divulgasse o número de votos de cada concorrente. Seria muito mais interessante. Porque aí a gente veria que, em terceiro, fica o Richard Jenkins (The Visitor), aposto. Acho que o verdadeiro azarão da categoria é o Brad Pitt, que nem deveria estar aqui. Ele tinha é que ter sido indicado pra coadjuvante por Queime Depois de Ler. Imagino que até o Frank Langella, que faz o Nixon em Frost/Nixon, fique na frente dele.Ator coadjuvante
Eu considero esta a maior barbada da noite. A estatueta só pode ir pro Heath Ledger. No entanto, será apenas a segunda vez na história que um ator ganha um Oscar póstumo. Não é nada comum. A outra vez foi em 77, quando o Peter Finch venceu por Rede de Intrigas. Mas ele havia morrido poucos dias antes da entrega do Oscar. Heath morreu há um ano! Imagino que ele seria favoritíssimo à estatueta mesmo que estivesse vivo. Seu trabalho em Cavaleiro das Trevas é espetacular.
Se der zebra e não for ele, aí vence o Michael Shannon, que faz o louco que fala a verdade em Foi Apenas um Sonho. Tem gente falando do Philip Seymour Hoffman por Dúvida, mas du-vi-do. E o Josh Brolin deu uma entrevista dizendo acreditar nas suas chances por Milk. Só ele pra acreditar. O Robert Downey Jr tem chances tão pífias que não precisa nem aparecer. Tá todo mundo feliz que ele se recuperou das drogas e ressuscitou sua carreira, mas não vão lhe dar um Oscar por isso. Não ainda, pelo menos.Atriz coadjuvante
Outra categoria complicada. No começo parecia fácil. A Penelope Cruz era favorita ao Globo de Ouro por Vicky Cristina Barcelona. Aí ganhou a Kate Winslet, e o placar foi zerado. Como a Kate não concorre a esta categoria no Oscar, pode ser que a Penelope tenha um narizinho de vantagem. Acontece que o filme do Woody foi esnobado pela Academia. Quem tem o papel mais abrangente nesta categoria é disparado a Amy Adams. Ela é praticamente a protagonista de Dúvida. O filme é dedicado a sua personagem, inclusive. Mas Viola Davis também foi indicada. Ela tem somente uma cena (ótima) em Dúvida, mas é uma ceninha só. Outra atriz negra, Taraji P. Henson, pode ter alguma chance por Benjamin Button, apesar de seu papel não ser memorável. A Marisa Tomei é a azarona. Ela até está bem como a stripper de O Lutador, mas ela já ganhou o Oscar de coadjuvante por Meu Primo Vinny, em 93, o que até hoje é visto como um dos maiores escorregões da Academia. Daí voltamos a Penelope. Eu considero esta uma categoria bem indefinida, onde quase sempre tem zebra. Lembre-se que ano passado quem ganhou foi a Tilda Swinton...

8 comentários:

Vitor Ferreira disse...

Sinceramente Lola, Milionário não é tão bom assim. Acho Milk e BB muito superiores, e O leitor visivelmente melhor. Eu ainda gosto muito de BB, mas acho Milionário pior a cada dia. Aquele indiano de favela falando em inglês britânico polido é podre. Sem contar que quando crianças, eles falavam em hindi, aí cresceram sem ter ido a escola um só dia na vida e já falam inglês. Não acho ele grande coisa não, apenas um bom filme, mas essa rasgação de seda, jogação de confeti de Hollywood atrás de fontes financiadoras alternativas em tempos de crise tá muito nojenta, queimou o filme pra mim. Acho que se O Tigre e o Dragão fosse desse ano, ele levava melhor filme... E ele já estreou em Recife. A disputa entre a Meryl e a Kate se deve a Meryl ter levado o SAG e o Critics Choice, dois premios importantes em Hollywood. Eu torco pela Kate, mas ela merecia mais por Sonho ou Brilho Eterno ou Pecados Intimos. A Anne eh a dona da melhor interpretacao, mas a Kate tem mais historia. E eu gosto da Penelope, torci por ela em Volver, mas nesse filme ela ta muito exagerada... Torco pelas negras.

Vitor Ferreira disse...

Sem contar que entre o brilhantismo do Sean Penn e Mickey Rourke fazendo uma versao simpatica dele mesmo, sou Sean Penn desde criancinha. Mas ia ser legal ver o Brad ganhar!

D. disse...

Lola!!!
que delícia essa véspera de Oscar adoro. Agora é torcer com o coração na mão pelos nossos preferidos - sejam eles favoritos ou não. Gostei bastante de suas previsões e acho que elas devem se confirmar. Mas, queria pedir licença para ser a voz dissonante e dizer por que eu não torço para Slumdog. Eu achei o filme divertido, bem feito, o diretor fe um bom trabalho. Mas, considero que ele tem alguns furos imperdoáveis. O protagonista, um rapaz polido que fala um inglês impecável e com acento britânico está meio destoante - falta a ele o desalinho cativante de um 'slumdog, um vira-lata sortudo que nos faz acreditar em sua sorte. Não me convence. Tb acho que falta química entre o casal protagonista. Aliás, há diversas coisas no roteiro que não me convencem. Vários dos flashbacks me parecem meio surreais. é duro de crer que o menino cego soubesse identificar quem era Benjamin Franklin e, de quebra, saber que era ele o cara da nota de cem dólares. E, olha, que eu queria muito acreditar na coerência da história, acho que o roteirista poderia ter se esforçado um pouco mais para tapar esses furos. Li por aí que o Danny Boyle se ofendeu com as comparações à Cidade de Deus, o que só aumentou a minha implicância. Por que o trunfo do filme brasileiro é justamente aquilo que o seu par indiano peca por não perseguir: a verossimilhança. A aproximação realista com o cotidiano. Tudo bem que é um conto de fadas, mas, como conto de fadas e espetáculo pirotécnico eu até prefiro BB. E, em minha opinião (bem subjetiva e afetada, por sinal) nem um dos dois filmes lambe as botas de Milk. Pode ser só afeto e apego de minha parte, o que prejudica o meu julgamento. Mas, achei Milk uma senhora aula de cinema. E não falo só de técnica, da adaptação coesa, do figurino e direção de arte primorosos. Achei o filme uma lição de como contar uma história que traz a marca das controvérsias de nosso tempo de forma emocionante, delicada e respeitosa. E Sean Penn, nossa, ele arrasa. Meu coração bate demais por esse filme.
De resto, acho que deve dar Kate. E considero super merecido. Mas queria que a Viola furasse a fila como azarão da noite. Eu acho os cinco minutos dela a melhor coisa de dúvida, o climax do filme, o que é um super mérito porque todos os atores estão excelentes. Ah, e também disse por aí que se o Heath não ganhar, eu nunca mais vejo Oscar. beijos, Lola.

D. disse...

KKKKKKKKKKKKKK. olha, tá parecendo que eu copiei o comentário do Vitor, mas o que aconteceu foi que eu escrevi sem ler o que ele havia comentado. desculpas. é que somos anti-milionário assumidos, já trocamos bastante figurinha nas coxias, inclusive. beijos!

lola aronovich disse...

Vitor, D, super rapidinho: não quero escrever muito sobre Milionário agora. Vou publicar a crítica no mês que vem, quando ele estrear no Brasil. Sei que ele já está passando em clima de pré-estreia em alguns lugares, mas são poucos. Só queria esclarecer que, ao contrário do Brasil, onde inglês é língua estrangeira, na Índia é segunda língua. Essa diferença entre língua estrang. e segunda língua é muito forte. Então grande parte da população indiana fala inglês. Não precisa necessariamente ir pra escola pra aprender, se aprende nas ruas, falando, usando a língua. E quanto ao rapaz falar polidamente, ele é um rapaz educado, fala mais devagar, pensa antes de falar. Não acho isso nada inverossímil.
Acho que Milionário tem algumas semelhanças com Cidade de Deus, principalmente a fotografia, a montagem, e o fato de uma parte da história focar na infância miserável (e na corrupção policial). Mas o tom é totalmente diferente. Mil. é uma fábula, fala de destino, de sorte, e o clima, apesar de tudo, é pra cima. É um feel-good movie, o que Cidade não é, de jeito nenhum. Não acho um grande filme, mas pra mim é o melhor dos cinco. D, eu não vi esses furos no roteiro que vc viu. É tudo meio fantasioso. Gosto muito de Milk. Escrevi minha crítica faz uma semana, mas só vou publicá-la na quarta. Ah, e se a Viola ganhar coadjuvante, não vai ser azarão. O pessoal considera que tá entre a Penelope e ela. Mas essa categoria tá mais que embolada, sempre tem surpresa (Tilda Swinton, Marcia Gay Harden, a própria Marisa Tomei etc), e pode dar qualquer coisa.

Dea disse...

a Viola Davis anda dando umas entrevistas por aí, todo dia num site ou podcast sobre cinema novo, e cada vez ela me parece mais adorável. Mas por causa dela, e de todo mundo em Doubt, que eu acho que a Meryl não deve ganhar. por mais que ela esteja fantástica, toda vez que ela contracena com os outros, eles roubam a cena. E muito bem por acaso. Até a fofa da Amy Adams, que é boa atriz, mas surpreendeu todo mundo. Enfim, mas acho que chegou a hora de dar mais um oscar pra Meryl, aguentar mais uns 5 anos e dá um Life Achievement Award e aceitar que a mulher sempre vai ser ótima em qualquer papel. Sendo que a Kate vai levar sem merecer. Fazendo a moda Nicole Kidman e Julia Roberts. Não gostei mesmo da Angelina em Changeling. Toda vez que ela chorava, eu sentia a artificialidade de tudo e aquele cheirinho de coisa feita só pra ganhar oscar. Enfim, não sei se você viu Frozen River. já? melissa leo fez meu coração parar. ainda assim, acho que Sally Hawkings deveria estar no lugar da Angelina, e talvez ganhar. Adorei a Poppy.

Luciano Carneiro disse...

Concordo quanto a Milionário ser o melhor dos cinco. Aliás, gostei de BB, mas acho ele muito superestimado. Frost/Nixon é suspense de primeira linha. Gostei muito. E Milk é outro excelente filme. O Leitor é bonito, mas... hum.... não me tocou. Torço por Milionário, mas ficarei feliz se Frost ou Milk ganharem. Abraço, Lola.

D. disse...

Oi Lola, li suas ponderações. Eu sei que o inglês é segunda língua na Índia, tenho uma amiga indiana que fala brilhantemente o inglês da Rainha Elizabeth. Mas ele morou metade de sua vida em Londres, eu acredito que o inglês índia, embora seja assimilado por grande parte da população, é falado com polidez pelas pessoas de famílias classe alta, que correntemente recebem sua educação em Londres. Eu achei o sotaque de Dev Patel super londrino. Diferente do de seu colega de elenco, que interpreta seu meio irmão. E acho sim, que falta a ele uma postura mais popular, ainda que ele seja antagonista do irmão criminoso e mais escrachado. Diferente de vc, eu acho Cidade um super feel good movie, fala de um cara sortudo com uma câmera não mão, na hora certa, que muda a sua vida numa cartada do destino, apenas pq tinha o desejo de escolher o "caminho do bem", sair do ciclo de criminalidade que parecia estar traçado em sua vida, assim como na de seus amigos e irmãos. Apesar dos exageros e do exotismo que já foi chamado de favela fashion por alguns. Mas, compreendo que o filme do Danny Boyle é bem mais leve e acho justa a empatia que as pessoas tem por milionário - que não é ruim mesmo, é evidente, é um bom filme, com vários ingredientes interessentes. Mas jamais terá meu amor. Ansiosa para ler sua crítica sobre Milk. Beijos.