terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

EU QUERO UMA MARMOTA SÓ PRA MIM

Você lembra de Feitiço do Tempo (em inglês, Groundhog Day, ou O Dia da Marmota)? Aquela comédia de 1993 que pra muitos é clássica, em que o Bill Murray é um repórter frustrado que vai pra uma cidadezinha cobrir a tradição da marmota, e fica preso no tempo? Toda manhã ele acorda às 6 e fica no mesmo dia, que simplesmente se repete. Primeiro ele entra em desespero e tenta se matar, mas não consegue - no dia seguinte ele sempre acorda, vivinho da Silva. Com o tempo, ele vai tentando ter um dia perfeito, até conquistar a Andie MacDowell. Só que ele tem que conquistá-la diariamente, porque no dia seguinte o placar zera de novo. Que é o que os maridos deveriam fazer com a gente, né? Nos conquistar diariamente, como se todo amanhecer fosse o primeiro, e não o, hum, 365o de 18 anos de casamento (faça as contas, que estou com preguiça).
Eu gosto muito do filme, mas ele foi uma frustração, porque o trailer sempre me pareceu infinitamente melhor (veja aqui, sem legendas)! Eu esperava me acabar de rir com a comédia, o que nunca aconteceu, apesar de ter a maior afeição por ela (veja uma compilação hilária de quatro minutos, com legendas). Acontece que ele é tão citado em todo o canto que só pode ter alcançado o status de clássico. Por exemplo, em Um Grande Garoto, romance do Nick Hornby (que foi adaptado e virou a bela comédia com o Hugh Grant), o menininho decide fazer uma sessão de vídeos e pipoca com a sua mãe, logo depois d'ela ter tentado o suicídio. Então ele vai à uma locadora e pega o que parece ser a comédia mais levinha possível, Feitiço do Tempo, algo que não faça a mãe pensar no que passou. Os dois começam a ver o vídeo (o romance é de 98, antes dos dvds) e chega aquela montagem em que o Bill Murray tenta o suicídio de 50 formas diferentes, jogando uma torradeira na banheira, jogando seu carro de um precipício, jogando-se de um prédio, etc. Imagina a decepção do garoto ao ver a cara da sua mãe...
Mas enfim, a tal tradição existe mesmo. Todo dia 2 de fevereiro, na Filadélfia, uma marmota sai da toca e olha em volta. Se ela vir a sua própria sombra, haverá mais seis semanas de inverno. Se não, a primavera chegará logo (o que é uma ótima notícia, considerando o clima em que esse pessoal vive). A Mônica, do Crônicas Urbanas, escreveu sobre a marmota aqui, num post breve e informativo.
Mas quem me fez rolar de rir foi o Nate, do That's Right Nate. Ele escreveu um texto chamado “Como a Marmota Salvou a Cristandade”, onde explica que a história marmotística seculariza a ressurreição de Cristo após 40 dias. A primavera representaria a vida nova que Jesus quer que vivamos. Mas Nate vai além, e explica o porquê dessa tradição ter optado por uma marmota. Por que não um outro bicho? Bom, parece que, como esse costume nasceu na Europa, era necessário um animal nobre, e as cores da pelagem da marmota lembravam as roupas com que Cristo foi enterrado. Mas o principal é que eles precisavam de um animal que hibernava, e aí era a marmota ou o urso, e “ninguém iria querer acordar um urso pra isso”.
Quando eu li esse trecho pro maridão, até ele morreu de rir, imaginando como deve ser um urso ser acordado, sair da toca pra ver se sua sombra tá lá, e dar de cara com bandinha de música e festejos. O maridão raramente ri de piadas que não sejam as dele. Eu achei sua gargalhada nesse momento simbólica, como se fosse mesmo possível ressuscitar os mortos. Feliz dia da marmota pra você também!

28 comentários:

Renan disse...

Eu gosto bastante desse filme também, lembro que assisti em uma aula de inglês!

Abraços

Giovanni Gouveia disse...

A festa de Iemanjá, sempre no dia 2 de fevereiro, em Salvador, é "um pouquinho" mais animada que esperar uma marmota sair da hibernação... :D

bibi move disse...

você tem idéia o quanto significa o dia da marmota, para nós, presos aqui entre o pólo norte e qualquer resto que chamam de sul??
eu fui acordada com gritos eufóricos, já que a marmota anunciou um fim do inverno em seis semanas.

cavaca disse...

Eu me lembro de te-lo visto na sessão da tarde há muito tempo atrás. Essas histórias do tempo sempre me fascinaram. É verdade que o exterminador do futuro foi o primeiro filme a usar viagens no tempo ao passado? Bom, em todo caso, acho que as marmotas deveriam ser deixadas em paz.

Tina Lopes disse...

A-mo esse filme, um dos meus preferidos com Bill Murray (além daquele dos passinhos de bebê, "Nosso querido Bob").

Débora disse...

Às vezes eu acho que vivo exatamente a mesma coisa em alguns dias, quase um dejavù.

Mônica disse...

O filme é tolinho mesmo, mas eu me diverti horrores assistindo. O Bill Murray está ótimo, talvez por estar fazendo o que faz melhor: cara de tédio profundo.

Aqui em casa, a gente até hoje faz o brinde "à marmota e à paz mundial!"

Abraço e thanks por lembrar de mim! :-)

Mônica
Crônicas Urbanas

babsiix disse...

hahah, "cara de tédio profundo" foi ótimo! Eu gosto do filme, pero no mucho, como diz vc.

Lola, sobre o post da lolita- pq a sua tese é em inglês? vc n estuda na universidade de santa catarina?

E, sim, eu adoraria ler sua tese! Qd falei q pensava q era "baixaria", quis dizer no sentido de pornografia, algo pesado, entende.. o livro é completamente diferente da ideia q eu tinha! E como eu disse, conheço pessoas q n leram e tem a mesma impressão q eu tinha.

E n sabia q presença de anita era da mesma época, até anterior. Q coisa.. vou ver se encontro o livro. Eu via a minissérie (é assim?) e gostava. A abertura, principalmente.

Mei disse...

gosto tanto desse filme,...btw, eu adoro o Bill Murray!!!

lola aronovich disse...

Pois é, Renan, por algum motivo é um filme que se passa nas aulas de inglês. Deve ser por poder usar if-clauses, past perfect, essas coisas... E de ser uma fofura, lógico!


Gio, desculpe, mas vai querer comparar Iemanjá com uma marmota super cuti-cuti? Eu já entrei nesses rituais de mar e Iemanjá, mas no Rio.

lola aronovich disse...

Bibi, sei que é importantíssimo, porque o frio aí é insuportável. Pra mim, o inverno em Detroit durou oficialmente seis meses (foi o tempo em que usava o meu casacão pra pôr o pé pra fora de casa).


Cavaca, é bem filme de sessão da tarde. Mas, comparado com as comédias estúpidas que fazem hoje em dia, é um clássico. E dá pra discutir filosoficamente sobre o filme. Não sei se Exterminador foi o 1o filme sobre viagens ao passado, mas duvido muito. Acho que esse é um tema comum nos anos 50. Não sei. Mas Exterminador é de 84, né? E De Volta para o Futuro e Peggy Sue são de 85...

lola aronovich disse...

Tina, ok, ok, vc deve ser a única pessoa no mundo que adora Nosso Querido Bob. Vc é tão extravagante!


Débora, pois é, e se a gente estiver vivendo o mesmo dia de nossas vidas o tempo todo? É pra se pensar... Eu já tive muito mais sensação de deja vu do que hoje.

lola aronovich disse...

Babsiix, sim, minha tese de mestrado foi em inglês, e a de doutorado será tb. Acho que a PGI (Pós-Graduação em Inglês da UFSC) foi a primeira no país a ter mestrado e doutorado totalmente em inglês. Nossas aulas são em inglês, os “papers” que apresentamos são em inglês, e as teses devem ser escritas em inglês tb. Só o abstract (resumo) é em português. Já já eu coloco um link pra tese, mas preciso fazer um post sobre isso, falando mais do tema.
Entendi, entendi. Na época em que Lolita, o livro, foi lançado, um monte de gente achou que era baixaria. E ficou meio decepcionado ao notar que não há nenhuma cena de sexo explícito!
Sobre Anita, eu até achei que a Mel Lisboa estava bem no papel, mas acho o José Mayer intragável. E o resto do elenco tava “teatral” demais. Foi uma péssima direção de atores, que eu me lembre. Mas, claro, tem conexões com Lolita.

lola aronovich disse...

Mônica, ninguém faz cara de tédio como o Bill Murray. Ele tem essa cara “deadpan” que não tem nem tradução em português. Há há, ótimo brinde, vou adotar tb: “à marmota e à paz mundial!”.


Mei, eu gosto dele tb, mas acho que ele não escolhe bem os papéis... Muito desperdiçado em muitos filmes!

babsiix disse...

Lola, por curiosidade..pq em ingles? Digo, qual o objetivo de ser assim?

lola aronovich disse...

Por que em inglês, Babsiix? Bom, este é um assunto polêmico. Tem gente que é contra porque, afinal, estamos no Brasil. Mas a pós é em inglês, nossa área é literatura em língua inglesa, então estamos expostos ao inglês o tempo todo. Além do mais, quase todos os concursos nas universidades federais são em inglês (escrito e falado), porque o curso de Letras-Inglês na faculdade é dado em inglês (na UFSC, e imagino que nas outras federais tb - se não, por que o concurso seria em inglês?). Fica estranho fazer a graduação em inglês e a pós em português. Outro motivo é que, escrevendo em inglês, podemos ser publicados e lidos fora do Brasil. O leque fica mais amplo. Eu acho que tem várias vantagens em ser em inglês.

Nate Peele disse...

Obrigado para mencionar meu blog outra vez. Em favor das pessoas americanas eu gostaria de pessoalmente desculpar-se para Botão de Benjamin

Ana Paula disse...

Eu gosto muto fo filem mas nào dou gargalhadas como algusn amigos meu davam. Eles s ematavam de rir na hora que ele encontra o amigo que fala Phill? Phill? E ficavam repetindo isso. Eu acho um pouco long e demais pra ser comedia. Podiam encurtar mas milhoes de tentativas de suiciso, ou qdo ele tenta salvar o velhinho, ou qdo ta conquistando ela.

Sérioque vc achou a mel Lisboa boa fazendo a Anita? Eu achei ela super canastrona. Nunca vou esquecer a cena logo no começo que ela derruba um vaso da sacada e a cara de susto dela, super exagerada. Ela e a Alessandra negrini eu não engulo...

Leonel P Cordeiro. disse...

Eu assisti uma vez, no ano passado e ri muito. Acho que além do seu estado emocional conta muito quem e quantas pessoas você tem de compania para que o filme seja bom ou ruim. Eu assisti em grupo, tavez se fosse sozinho me frustraria também. Aliás, as expectativas alteram o resultado do que se espera. Eu fui assistir "O dia que a Terra parou" mesmo lendo e ouvindo críticas horríveis do longa, fui imaginando que seria o pior filme da minha vida e que me arrependeria amargamente, mas acabei gostando.

iaeeee disse...

Nosso que simbólico esse dia da marmota! Como os animais são inteligentes, adoro eles. A marmota é bem bunitin, parece uma capivara, que não perde no quesito bunilindeza, acho que ela até ganha. Ah, e o filme eu não assisti, mas parece bom. Se tem marmota é bom.

iaeeee disse...

Nossa*, ai meu deus hoje tô grogue mesmo!

lola aronovich disse...

Há há, o Nate apareceu aqui e pediu desculpas pelo Benjamin Button! Why, Nate? Do you think it really is such a bad film? It's much better than Forrest Gump... Hey, do you wanna join my Oscar poll? (seriously).


Ana, pois é, eu acho a parte do Phil? Phil? Engraçada em algumas partes, mas não em todas. Mas condensado assim fica melhor. Concordo contigo, acho que o problema é que o filme é muito longo e disperso. Bom, acho que vc tem razão sobre achar a Mel Lisboa canastrona. Mas é que comparada com o José Mayer ela estava bem... A Alessandra Negrini estava bem em Engraçadinha...

lola aronovich disse...

Leonel, é verdade, tem muito a ver com expectativas e com quem vc vê o filme. Sem dúvida, se eu tivesse ido ver O Dia em que a Terra Parou depois de todas as críticas negativas, eu tb seria do time “Nem é tão ruim assim”.


Iaeee, a marmota é uma graça. Ela se parece com a capivara, e ambas são lindas. Assista o filme que é muito bom. E sim, esse em que o guri canta “Killing me Softly” é Um Grande Garoto. Adorei esse filme!

VeC! disse...

Estou com a barriga doendo de tanto rir Lola. E o que é Pozição que exsita o homen (????). Nada encaixa com nada. É rir pra não chorar.

Até

Masegui disse...

Estou impressionado! Você falou da marmota, botou o maridão no meio do assunto e conseguiu não chama-lo de marmota! Ponto pra você!
(acho que o placar atual é 2.325 a 1)

Masegui disse...

Ps.: desculpe, maridão, não. COMPANHEIRO MARIDÃO!

Guta Gatuna disse...

Adoro esse filme! Além de ser uma comédia legal, e o Bill Murray estar ótimo, podem ser feitas várias leituras interessantes (o filme é, entre outras coisas, sobre a nossa relação com o tempo) e isso faz com que venha merecendo muitos comentários inteligentes, o que só assegura seu status de clássico.

Unknown disse...

Amo o filme e amo as marmotas!!!!!!!!