segunda-feira, 2 de junho de 2008

CONTRA PÉSSIMO ATENDIMENTO NOS EUA, BASTA RECLAMAR

Lembra quando o gerente de um supermercado a que íamos sempre me disse “Esqueça a lei”? Leia aqui pra refrescar a memória. Eu não esqueci. Na semana seguinte a ter sido roubada e humilhada no Food Pride, enviei três cartas – uma pro Attorney General Office (o mais próximo que há do Procon nos EUA, pelos meus cálculos), uma prum jornal local, e uma pro principal fornecedor do supermercado. Até agora, só havia recebido resposta da editora do jornal, que encaminhou o email a uma outra editoria que iria analisar se valia a pena fazer uma reportagem sobre o péssimo atendimento, e acrescentou que isso já tinha ocorrido com ela, em outro estabelecimento.

Hoje finalmente veio um email do Attorney Office. Eles mandaram minha reclamação por escrito pro Food Pride, que respondeu da seguinte forma. Leia meu post anterior antes pras mentiras deslavadas desta resposta (que eu traduzo aqui, respeitando os erros do original) saltarem na sua frente:


Meu nome é Calvin Pattah e sou gerente do Supermercado Food Pride. Eu fui a pessoa que ajudou essa cliente. Fui muito educado e muito prestativo com ela. Nossa loja se preocupa muito com atendimento aos clientes e nós não desrespeitamos nenhum cliente e se qualquer empregado nosso fizer isso será despedido do supermercado. Essa cliente pelo nome de Dolores Aguero veio à loja no dia 23 de abril, 2008, e queria falar com um gerente ou supervisor. Eu era o gerente no comando no dia e fui muito educado e a auxiliei em tudo que ela precisava. Ela tinha dois pacotes de Philadelphia Cream Cheese e exigiu receber dez vezes o valor por causa da Scanner Law nos dois itens e eu fiquei mais que satisfeito em obedecer a lei. Os itens haviam sido comprados exatamente uma semana antes e toda semana temos uma nova promoção e eu não me lembrava que esses itens estavam em promoção. Eles não foram um erro de marcação de produto e eu ainda apliquei a Scanner Law e lhe paguei a diferença para fazê-la feliz. Essa cliente entrou na loja depois que eu fui educado e prestativo com ela para comprar alguns poucos produtos. Ela então furou a fila e fez um escândalo, acusando-nos de cobrar um preço mais alto outra vez. Eu fui até a prateleira e chequei os itens e eles estavam exatamente o mesmo preço. Ela exigiu a diferença e eu recusei. Pareceu que essa cliente trocou as etiquetas para conseguir a diferença prevista na lei estadual e muitos clientes tentam fazer isso. Eu tentei acalmar a situação mas ela não parou de fazer um escândalo. Ela finalmente saiu depois de falar para mim e para todos os funcionários que ela iria nos denunciar ao Estado. Nós temos um ótimo serviço de atendimento ao cliente e operamos um ótimo supermercado. Esteja à vontade para me ligar para qualquer esclarecimento meu nome é Calvin Pattah”.


Bom, pelo jeito eu sou apenas uma mulher histérica sem nada pra fazer na vida além de reclamar de um ótimo supermercado, tão preocupado com o atendimento aos clientes, e cheio de funcionários educados e prestativos (quantas vezes o gerente repete essa frase? Através da repetição, eles automaticamente viram funcionários educados e prestativos?).

Acabei de responder o email do Attorney Office, apontando as contradições do email do gerente. Tipo assim, quando reclamei dos dois pacotes do cream cheese, ele me devolveu a diferença, ou obedeceu a Scanner Law (que manda pagar ao cliente dez vezes a diferença cobrada, até o limite de cinco dólares)? E, se eu troquei as etiquetas dos pacotes de sabonete, como que, segundo o gerente, o preço cobrado foi o mesmo que estava no produto? Então eu sou uma incompetente, que nem sabe trocar etiquetas. Além disso, se não havia discrepância, por que eu estaria reclamando? Ah, já sei: porque sou uma mulher histérica sem nada pra fazer na vida.

É uma pena que a gente não tenha filmado o incidente todo. O maridão tava com a câmera fotográfica antiga dele, que grava meio minuto seguido, mas sem som. Uma pena não ter um gravadorzinho no bolso. Alguma coisa na frente deles nem pensar, porque sério, eles teriam batido na gente. Eu não fiz escândalo algum, nem o maridão (que eles ignoram totalmente na carta). Quem me ameaçou e fez ceninha foram eles.

Mas enfim, falta pouco pra gente voltar pro Brasil, e obviamente não vamos perder (mais) tempo ou dinheiro com isso. Só espero que o Attorney Office guarde meus dois emails para futura referência. Eu reproduzo esse bafão todo aqui pros meus queridos leitores saberem que mau atendimento não é privilégio de brasileiro, e que em “país de primeiro mundo” também ocorrem atrocidades.

Semana passada, por coincidência, a Marina, cujo blog eu gosto muito, relatou um problema que teve com a Net no Rio. Nos comentários do post havia o que estou cansada de ouvir, coisas do tipo “isso só acontece no Brasil”. Eu pus lá o link pra alguns dos meus posts, e uma leitora da Marina reclamou que, se nos EUA e no Brasil é tudo igualzinho, se a saúde e educação no Brasil são tão boas, por que estou fazendo doutorado-sanduíche nos EUA? Parece-me um raciocínio bastante tosco. Eu não digo em nenhum momento que o atendimento no Brasil é bom. Mas acho importante apontar, sim, que mau atendimento não acontece só na terrinha. E estou com montes de exemplos americanos pra contar. (Sem falar que a educação que recebo na UFSC é de primeiríssima qualidade, só pra constar). Vamos reclamar do atendimento brasileiro, claro, mas de preferência sem esses clichês de que tal coisa só acontece em terras brasilis – que é o que eu ouvi minha vida inteira.


Leia também: "País Civilizado é Outra Coisa". Bem aqui.

29 comentários:

Silvio Cunha Pereira disse...

Segundo algumas pessoas aqui, esse tratamento jamais aconteceria nos suburbios (que são o equivalente a bairros de classe alta aqui). A diferença de preço ocorre em todo canto mas destratar um cliente em público já é mais difícil acontecer.
Outro dia liguei para uma empresa comunicando que minha encomenda não tinha chegado e o atendente respondeu: "we don't care" e desligou.

Suzana Elvas disse...

Eu vou envelhecendo e ficando completamente sem paciência: me destratou, não volto mais. Troco de conta, assino outro serviço, registro queixa no Procon.

E faço questão, sempre que posso, de esfregar na cara do ex o meu uso do concorrente.

Modem novo, vida nova! :o)
Bjs

Juliana disse...

Imagina a Lola passando o dia indo de supermercado em supermercado trocando etiqueta das coisas, furando fila e roubando uns centavos daqui e outros dali, hahaha. Que via boa, hein?

Agora, não sei se o pior for o jeito que o cara te tratou no supermercado (pq até entendo ele desconfiar das pessoas por ter gente querendo se dar bem em cima dos outros, mas nada justifica) ou esse comentário do silvio que a telefonista disse "we don't care".

Estou vendo Anger Management pela milésima vez neste momento. Ótimos ensinamentos para essas situações, hehe

Anônimo disse...

quero cancelar minha conta na AOL!

lola aronovich disse...

Ai, Silvinho, o "We don't care" é fabuloso!

Su, a gente também não volta mais, cancela o serviço, registra queixa - tudo dentro do possível. Mas há serviços que não têm muita concorrência. Internet em várias partes do Brasil, por exemplo. Em Joinville a gente pode escolher entre a Brasil-Telecom e a... Brasil-Telecom! E aqui nos EUA, a Comcast me parece um monopólio. Supermercados, a gente não tem carro, e precisar pegar ônibus pra fazer comprar é demais. Só há dois mais ou menos aqui perto (há outros mercadinhos, mas são pequenos, com poucos produtos). Como a gente vai ao super duas vezes por semana, ia nos dois, uma vez a cada um. Depois disso, estamos indo só a um. E sabe que é melhor? Estamos gastando menos no supermercado! Em Joinville a gente também costuma ir a dois supers. Acho que vamos passar a ir apenas a um. Não sei, talvez indo a dois a gente acaba comprando mais do que precisa, isso de aproveitar as ofertas e tal...
Que bom que vc tá de volta, Su!

nita disse...

Não adianta, em qualquer lugar do mundo, sempre vai ter gente com má vontade ou ignorante o suficiente para te atender mal, estejamos no Brasil, nos EUA ou em Paris.

lola aronovich disse...

Ah, Ju, tem tanta coisa ofensiva nessa história! Realmente, eu não tenho mais nada pra fazer na vida, só ficar arranjando encrenca com supermercado pra descolar uns trocados. Falei com o Zed, quero dizer, o Daniel, que tem uma loja de roupas aqui pertinho (já escrevi um post sobre ele), e ele disse que isso de supermercado colocar um preço e cobrar outro é prática comum, e que o super ganha bastante dinheiro com isso (obviamente, muito mais que um cliente ganharia trocando etiquetas). Ele também disse que o pessoal desse super também tá envolvido numa prática legal mas anti-ética, que é de comprar casas de pessoas falidas e revendê-las, às vezes pras mesmas pessoas, com juros maiores.
O que acho pior é que ninguém reclama!
Anger Management? O filme é fraquinho. Prefiro a primeira meia hora de Um Dia de Fúria, com o Michael Douglas. Mas eu sou da paz e geralmente me mantenho tranquila em situações de crise. Não entro em pânico, não grito.

lola aronovich disse...

Anônimo, boa sorte pra cancelar sua conta. Depois de ter inúmeros problemas com a minha conta da Comcast (internet e TV a cabo), consegui ir pra AT&T (só internet). Tô tendo que ligar todo mês pra eles, pra reclamar do valor errado da conta. Sexta fiquei uma hora no telefone. Eu cronometrei. E por algum motivo acho que mês que vem terei que ligar pra eles novamente...

Nita, eu ainda tenho um tiquinho de fé, por mínimo que seja, que na Suécia deve ser diferente. Será que não?

Juliana disse...

Mas o q e eu mais odeio na vida é a Net. Li esse post no blog que vc recomenda e me identifiquei muito!
A gente tinha a Net ligada direto na TV, um só controle remoto, só alegria. Um belo dia nos obrigaram a colocar o decodificador, com a desculpa que a TV digital estava chegando e sei-mais-lá-o-quê. Desde então é só estresse. A imagem piorou, o controle não funciona (tipo, vc tá passando de canal pra cima e ele pula pro 55, volta pro 07, está tentando regular o volume e ele desliga o decodificador -- e isso super de lua mesmo). Depois uns amigos me falaram que a Net estava trocando o decodificador para o digital sem cobrar nada a mais, eu só não teria os recursos digitais, mas teria o sinal. Aí liguei pra Net (que não é mais 0800) e tentei argumentar mas ela negou até o fim, dizendo que isso só poderia ser feito se eu tivesse canal à la carte ou sei lá o quê. Fora que a gente paga uma fortuna pra esses putos que anunciam 39,90 pra assinante novo na tv e assinante velho só se ferra. Deu mta vontade de voltar pra Sky, mas aqui no meu prédio não posso colocar, mas também a Sky comprou a Net, então hoje em dia a gente tem 2 opções: Net ou TVA (ninguém merece!).
Semana passada minha mãe ligou pra Net de novo pra reclamar e, depois de segurá-la no telefone por meia hora fazendo perguntas do tipo "o controle está com pilha?", "o aparelho está ligado na tomada?", eles marcaram uma visita pro cara vir ver.
Hoje, finalmente, veio o cara da Net ver o decodificador. Ele disse que era controle remoto de segunda mão, que acontece direto e que tinha que trocar. Aí ele me deu um controle novo e problema resolvido. Só que, durante o Anger Management (hehe) fui abaixar o volume e qual não foi a minha surpresa (ou não) ao ver que o controle mudou para o canal 07! E eu não consegui baixar o volume por um bom tempo...
Agora me diz se dá vontade de gastar mais ligação pra ouvir eles chamarem a gente de retardados e ainda tentarem te convencer que a melhor solução é pagar R$30 a mais por mês para ter a maravilhosa TV Digital COM MENOS CANAIS que temos atualmente.

É sério, cara, eu ODEIO a Net.

lola aronovich disse...

Ju, felizmente no Brasil não tenho TV a cabo. Nunca tive, e eu ouço tanta gente falar mal que não quero ter. Além do mais, acho caro pacas. Mas aqui nos EUA eu tive, durante mais de meio ano, e a Comcast nos deu belas dores de cabeça. Aí todo mundo com quem eu falo aqui diz a mesma coisa: "I hate Comcast!". Às vezes eu fico pensando se o péssimo atendimento no Brasil foi importado dos EUA. E é essa coisa que vc diz: muitas vezes não temos escolha. A escolha é entre NET, TVA, ou não ter cable TV. Eu fiz a minha escolha no Brasil (não ter nenhuma dessas drogas), e demorou, mas fiz tb nos EUA. E plano de saúde? Não é igual? Aqui nos EUA tb!
Pode ser paranóia minha, mas eu penso assim: sabe como na época da ditadura os agentes da CIA vinham aqui treinar a nossa polícia, ensinando técnicas de tortura? Será que com atedimento ao cliente não é parecido? Os EUA ensinam seu "modelo de eficiência" pra todo mundo?

Nalu disse...

Lola, isso é lamentável mesmo. E eu fico impressionada com quem faz um raciocínio tipo ligação direta assim, ué, se vc tá falando mal daí pq tá aí? Nossa, fico pensando que tem gente que tem uma certa dificuldade com pensamento lógico né? Tipo básico mesmo.
Outro dia estávamos num fórum de mães que tem mães de várias partes do mundo e elas comentaram que em matéria de tratamento ao consumidor o Brasil não está tão ruim não, que há lugares na europa onde o tratamento é péssimo, os sac nem existem ou não funcionam, enfim, como vc disse, isso não é privilégio do Brasil

Suzana Elvas disse...

Lola, a Tim e a Claro agora têm banda larga. Estou contratando a da Claro lá pra casa, para o computador das meninas. Sai por menos de cem reais e tem, inicialmente, um mega de capacidade de banda, com previsão de aumentar.

No sul uma das opções é internet por rádio, o que é bom quando é instalado num prédio. Existem, sim, opções, mas as pessoas não conhecem e termina por ficar tudo na mão de um. Quando voltar pra Join pesquise que você vai se surpreeender.
Bjs

lola aronovich disse...

Não é, Nalu? Tb não entendo esse tipo de raciocínio. Falta lógica mesmo. Como se morar num lugar nos impede de falar mal dele. As pessoas que criticaram o meu comentário moram no Brasil e não se cansam de falar mal dele, ué (aliás, tem uma parcela da classe média que ADORA falar mal do Brasil. Acho que é a mesma que diz "Nos EUA isso nunca aconteceria. Só no Brasil mesmo! País civilizado é outra coisa" etc). Eu não sei, Nalu. Eu acho, em geral, o atendimento ao consumidor uma droga. E tenho certeza, mesmo sem conhecer diretamente, que a NET, Telefônica etc etc são uma porcaria. Mas as experiências que estou tendo nos EUA são impressionantes. E não é com uma ou outra empresa, é com TODAS. É mais fácil apontar empresas que não nos deram problema, sabe? Aí vc fala com americano e vê que todos têm uma história parecida pra contar. E aí é inevitável lembrar que, antes de pisar nos EUA, um monte de gente me dizia que isso só acontecia no Brasil. Sabe o que me parece? Que pessoas que adoram dizer "isso só acontece no Brasil" falam sem conhecer outros lugares, e estão morrendo de vontade de se mudar pro exterior. Ué, pode ir. Não precisa justificar. E saiba que vai ter experiências parecidas em outros países. Infelizmente!

Gi disse...

Legal, Lola. Ainda bem que você não fica deslumbrada, afinal de contas nem tudo são flores no atendimento americano.

Em fevereiro, meu namorado esteve aí na Disney com o filho dele e esqueceu medicamentos (não muito importantes) e mais algumas coisas que ele havia comprado (esparadrapo, essas coisas que são mais baratas aí; um kit) no quarto do hotel em Miami. E enviamos um e-mail, enfim. Nem lembro se enviei a carta em inglês (escrevi uma marrumeno, e minha prima corrigiu suuuuuperbem; é tradutora e morou 5 anos nos EUA) mas aquelas escritas em português foram todas. Perdi tempo no site.. tinha uma camareira brasileira lá parece.. Só sei que necadepitibiriba. Ele não reouve suas coisas, infelizmente. São casos e casos.

Mica disse...

Lola, aqui não é lugar para falar de Nárnia, eu sei, mas...assisti o filme hoje e precisava falar alguma coisa.
Eu sinceramente amei o filme. Foi muito melhor do que o primeiro (pelo menos para mim). Eu li o livro no início de 2006 então não lembro de detalhes a ponto de saber o que foi modificado no filme, mas eu lembro das minhas sensações. E eu lembro muito bem que achei este livro particularmente fraquinho, além de não simpatizar nadica de nada com o tal Caspian. Já minha sensação ao ver o filme foi bem diferente. Fiquei bem mais emocionada e realmente dentro da coisa toda, sem contar que pela primeira vez eu realmente gostei do Caspian. (tudo bem que o Ben pode ter algo a ver com isso, heheheh).
A única coisa que eu não gostei no filme foi aquela cena ridícula no rio. Teria sido infinitas vezes melhor se fosse um simples fluxo anormal de água e não aquela coisa poseidônica.
As críticas do filme não foram boas, é?

lola aronovich disse...

Su, menos de dois meses atrás, nosso "contrato" com a Br-Telecom em Joinville acabou. Minha mãe mora lá, na casa dos fundos no nosso terreno, então não podiamos deixá-la sem internet. Ela ligou pra alguns lugares, e nada. Ou não ofereciam internet ou era ainda mais cara que a da Br-Tel (que eu acho caríssima). Falamos com um amigo nosso de lá, que é técnico de computador, vive disso, sabe tudo do assunto, e ele disse que não havia opções. A gente vai continuar procurando, mas não vejo muita liberdade de opções, não. Talvez nas metrópoles tenha mais. Lá em Jlle a gente já paga 100 reais por mês pruma banda larga que é uma lesma. É nossa conta mais alta! (e internet rápida certamente é algo que vou sentir falta daqui).

lola aronovich disse...

Pois é, Gi, há casos e casos. Não dá pra generalizar e dizer que todo o atendimento nos EUA (ou no Brasil) é uma droga, ou uma maravilha. Mas eu vejo muito mais gente que não conhece os EUA dizer que aqui sim é tudo uma maravilha do que outros tipos de generalizações. E minha experiência com atendimento ao consumidor nos EUA tem sido péssima (não consigo me lembrar de nenhum ano no Brasil em que tive tantos problemas com tantas empresas distintas).

Mica, pode falar de Nárnia onde quiser, até porque é difícil eu ler comentários de posts muito antigos. Melhor comentar aqui mesmo. Que bom que vc gostou do filme. Mas vc gosta muito do gênero, né? Eu não vi o filme nem pretendo ver. As críticas não foram ruins, foram medianas. Entre 6 e 7 (em 10). Quantos livros são mesmo? Quantas versões pro cinema? Será que, se eu tiver que ver a parte 3, vou entender a trama sem ter visto a 2?

cavaca disse...

ola lola, como vai?

As pessoas estao certas em reclamar seus direitos, porque tem gente te roubando de todos os lados (eu que trabalho num restaurante sei como isso e). E visto que eu estrou desse lado tambem tenho uma coisa para dizer, especialmente num restaurante as pessos reclamam imenso. Coisas esquisitas acontecem frequentemente...pessoas que ate mesmo procuram motivos para reclamar e chamam ate a policia por uma besteira de nada.
Sinceramente nao vou reclamar de um restaurante porque ele nao tem zona de fumadores, simplesmente vou em um que tenha. Um pouco da atitute de viva e deixe viver podia ser mais cultivada nos dias de hoje.

Mica disse...

Ainda tem mais 5 filmes. E creio que dá para entender sem assistir, já que na verdade, Prince Caspian é cronologicamente a quarta ou quinta historia (mas o pessoal dos filmes preferiu seguir a ordem do lançamento das crônicas e não da ordem cronológica).
Mas eu sinceramente gostei bem mais desse segundo do que do primeiro. Nem se compara.

lola aronovich disse...

Oi, Cavaca, sei que às vezes o público é complicado e reclama por qualquer coisinha. Concordo com vc: jamais chamaria a polícia por um restaurante não ter um lugar pra não-fumantes. Não iria a esse restaurante apenas. Mas, se um restaurante tentasse me roubar e ainda me destratasse por eu reclamar e exigir que a lei seja cumprida, ah, aí eu dou queixa. Foi o que aconteceu no supermercado.

Mica, mais cinco filmes?! Sete no total? Uau! E vc já leu todos os livros? São melhores ou piores que Harry Potter? Não que eu tenha lido HP...

Leonardo Chamovitz disse...

Só nao entendi uma parte de seu texto: quem é Dolores?

lola aronovich disse...

Puxa, Leonardo, eu não expliquei direito: Dolores sou eu. É o nome que vem nos meus documentos. E não sei porque aqui nos EUA o pessoal ignora o Aronovich, e só me chama por Aguero. Realmente, de Lola Aronovich pra Dolores Aguero vai uma distância e tanto. Mas ambas somos eu.

ricardinho, com saudades terríveis! disse...

"Ambas somos eu"
.
Hahahahahahahaha
.
Ai, Leo, tu nem sabe, mas a Lola é uma fonte inesgotável dela mesma!
:-)

Suzana Elvas disse...

"Ai, Leo, tu nem sabe, mas a Lola é uma fonte inesgotável dela mesma!"

Essa TEM que ir pra "Frases da semana"!
:op

lola aronovich disse...

Su, o Ricardinho é suspeito pra falar: além de ser apaixonado por mim, ainda é publicitário! Não sei como ele não faz uma frase dessas todo dia...

Juliana disse...

A Lola tem personalidades múltiplas. Acho que aquela novela Lalola (Lalo em corpo de Lola) foi baseada nela e a gente não sabe.... Inclusive (pasmem!!) a novela é ARGENTINA!!! Não acredito em coincidências, hahaha

Anônimo disse...

bem, queria ver o gerente te dizer cara a cara o que ele escreveu no e-email... daí sim ele ia saber o que é bom pra tosse... Lola, se vc for ao supermercado uma única vez na semana, vc vai gastar menos; faça o teste... bem, tô chegando agora pra comentear num post de mais de três anos atrás... rs... rs...

Anônimo disse...

LoLa, há 10 dias eu tive um péssimo atendimento numa loja qdo fui lá pra comprar três pecinhas de roupas pra criança... eu tinha as peças de baixo e precisava das de cima... todas as peças havaim sido compradas na loja, ainda com etiquetas de preço... mas eu estava sem a nota... volta e meia isso me acontece e tudo dá certo, pois estou com o marido (e vc sabe que mulher com marido junto é sempre melhor tratada) ... desta vez, a moça do Serviço ao Cliente quis me desbancar e eu sugeri que ela chamasse o/a gerente da loja e qdo a gerente chegou expliquei o que eu queria e disse pra ela fazer uma marca nas etiquetas das minhas peças. Tudo bem, sem problema. Isso enfezou duas beldades do Serviço ao Cliente. Bem, LoLa, qdo eu fui pagar minha mercadoria, dei com um desaforo tremeeeeeendo e até disse que ia escrever uma carta reportando o ocorrido. É uma loja que apreciamos muito pois é tipo um galpão com tudo o que vc puder imaginar e não imaginar com preços excelentes, até coisas de comer como enlatados, etc.

Chegando em casa, muito p da vida, falei pro maridão o que aconteceu e já fui dizendo pra ele caprichar numa carta pq ele sabe se expressar como advogado, sabe usar a terminologia específica e acima da média.

Ele: Você logrou seu intento? Saiu da loja com a mercadoria que vc queria comprar pelo preço justo?

Eu: - Sim.

Ele: - Então vc pondera no assunto por um par de dias e me diz se ainda quer prosseguir com algo que não vai te trazer nenhum benefício pois temos mais umas tantas e qtas filiais da mesma loja como opção até mesmo pra não voltarmos lá.

Eu resolvi deixar pralá pq tô cansada de carregar picuinha pralá e pracá... MAS isso pq eu consegui o que eu queria e apenas não fui bem tratada... se eu tivesse tido algum prejuízo daí sim seria diferente.

Por exemplo se a etiqueta do supermercado está escrita à mão WILL SCAN $9.99 e o computador do caixa lê outro preço, a mercadoria tem de ser liberada de graça ali na hora se a gente pegar o erro ou mais tarde podemos retornar ao local... e pra isso meu marido não deixa passar nem de brincadeira e eu idem... é que ele é manero pra lidar com os desafios e eu já me esquento...

Caroline Neponuceno disse...

Eu vi ate o seu blog para saber se somente eu teve problemas aqui.
Eu estou chocada com o DESPREPARO dos gestores em solucionar problemas.
Se o processo sai do padrão eles não sabem equalizar, não são treinados para isso.
Eu ja comprei um colchão em uma das empresas mais renomadas aqui, retornei na loja após 20 dias pois nossas costas estavam doendo e queria que analisarem o produto, o gerente da loja disse que não poderia fazer nada pq eu não tinha pago GARANTIA EXTENDIDA. Informei que nunca no Brasil uma empresa não trocaria algo com defeito. Fiz a denuncia no site e anunciei que processaria pois estava correndo risco de saúde, enviaram o técnico e descobriu-se que MONTARAM MINHA CAMA ERRADA, esqueceram 3 peças. Trocaram.
O correio entregou minha autorização para trabalhar na casa errada, fui la novamente informaram que tinha entregado na minha casa e eles confiavam no funcionário. Fiz a denuncia no site e mencionei processa-los, enfim resolveram investigar e descobriram que colocaram na casa errada.....

Falaria horas aqui....pq parece que me acertaram.
Sou da area de atendimento ao cliente e ate agora não acredito que em varias empresas eu sentei frente a frente com o gestor superior e ele não teve nenhuma ação para investigar e pedir DESCULPAS... coisa simples de se fazer.
Eles se acham perfeitos e se vc alem de ser latino não falar ENGLISH eles cagam na sua cabeça