quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

GUEST POST: PADRÃO, ESSE MOÇO BIPOLAR

Uns dias atrás, publiquei o bingo da gordofobia, e veio gente dizer que as magras também sofrem. Acredito plenamente. O padrão de beleza cria expectativas irreais, impossíveis de serem alcançadas. E é justamente esse o objetivo: fazer com que mulheres eternamente insatisfeitas consumam tudo que vêem pela frente pra tentar chegar a uma beleza impossível (quem duvida pode ler como Adriana Lima se prepara para desfilar de lingerie, e ver se dá pra conseguir esse ideal sem ter muito dinheiro e viver exclusivamente pra isso).
Bom, no final do ano passado uma garota muito simpática me enviou este email, que publico agora em forma de post: "Meu nome é Blanca, tenho 15 anos e moro no Rio, cidade. Adoro o seu blog, gosto de absolutamente todos os posts. Você deveria me pagar, porque o divulgo demais, mulher!". Zeus lhe pague, Blanca!

Muitos posts falam sobre como é difícil ser gordinha ou gorda, e que magreza é sempre o padrão a ser alcançado. Óbvio que é; é o que a gente vê por aí e tal. Nunca me mandaram emagrecer -- tenho 1.70 e pouco de altura e 55kg. Sou magra, sempre fui, dificilmente vou deixar de ser, minha família toda é. Vejo muita gente reclamando que é muito difícil ser magra, e é difícil de acreditar até pra mim, que me incomodo às vezes com meu peso. Expliquemos:
Aqui no Brasil, apesar de a Gisele ser uma tábua sem quadril, nos é cobrado esse negócio de ser magra, porém curvilínia. Não sei de onde tiraram isso, porque a Gisele até tem bastante peito para alguém com o peso dela, mas ela não tem quadril. Nem bunda. Nem cintura.
Eu tenho o corpo parecidíssimo com o dela, tirando o peito. Tenso, né? Porque se ela já não tem curvas, imagina eu. Eu não tenho cintura nem quadril, tenho pouquíssimo peito, já fui até a uma agência de modelos (me descobriram na rua, veja só, risos), mas a moça me vomitou b*sta demais -- que eu teria que operar o nariz, botar silicone, usar toneladas de maquiagem -- e eu tinha só 13 anos, acho. Voltando.
Ser magra me tira um peso danado (não era pra ser um trocadilho, mas acabou sendo, haha), mas as pessoas me cobram coisas que não são naturais em mim. Minha genética não me deu quadris largos, bunda e seios avantajados. Não é natural da minha família. Não passou pra mim.
Ser magra sem traços de gostosura não é muito o padrão não, viu, Lola. Ok, até é. Mas não é como se um dia eu tivesse ganhado concurso de beleza da classe. As que ganhavam eram todas magras, mas com quadril, seios maiores, entende?
Fico triste demais ao ver minhas amigas gordinhas dizendo que meu corpo é o corpo dos sonhos. Pode até ser nas revistas, mas fora delas não existe perfeição.
Eu compararia esse problema das magras sem curvas com o problema das gordinhas não "gostosas". Estudei com uma garota que era considerava bem gostosa. Ela era gordinha. Ninguém mandava a guria emagrecer. Por quê? Porque ela tinha bastante peito, bunda, quadril e zero -- ZERO -- de barriga. Ela corria bastante em volta do Maracanã ou coisa assim, mas não era um esforço tremendo, a família dela toda se exercitava. É da genética dela ter todas as curvas e, com pouco esforço, ter zero de barriga.
Às vezes eu acho que o padrão mesmo é você ter pouca barriga e, de resto, ter bastante, tudo firme. Sei que parece bizarro, mas é isso que noto. Minhas amigas gordinhas com peito, quadril e barriga sofrem. Mas as sem muita barriga são as gostosas.
Qual o problema da mídia com barriga?
E isso tudo foi só pra dizer que, pra essa entidade indecifrável, a Mídia, nada nunca está bom. Tô cansada desse "magra, porém curvilínea". Amig@, posso fazer nada se nasci assim, de boa. Sou muito saudável e tal. Não venha querer me impor coisas que só deslocando os ossos vou conseguir.
E eu disse no início do post que só às vezes me incomodo com meu tipo físico porque acredito firmemente que sofro muito menos que gordinhas, apesar de tudo dito anteriormente. Sou magra, ponto. As mulheres em geral querem muito emagrecer, e não engordar. Então estou dentro de um padrão, ao menos. Mas não tá fácil pra ninguém.

175 comentários:

Bruna disse...

Falou tudo!

Generaliza-se que o padrão de beleza é ser magra, mas esquecem de lembrar que é "magra, MAS com muitas curvas". E isso faz uma enorme diferença.

As magricelas também sofrem, e muito. Reconheço que a sociedade e a mídia são mais cruéis com as gordas do que com as magricelas, mas somos muito ridicularizadas também.

Isadora disse...

Me identifiquei. Sempre me pergunto isso, de perfeição etc, porque eu também sou magra, muito magra, tenho as curvas, MAS sou muito baixa.
Nunca nada tá perfeito para a mídia.

India disse...

Isso q foi escrito é mto verdade, morei no litoral por 6 anos e sei e vivi/senti esse padrão de "ser magra porém curvilínea" lembro que aos 15 anos fazia tae kwon do todos os dias da semana e coria 4 Km descalça com a água do mar na altura do tornozelo para engrossar as pernas, tudo esse sacrifício de ser magra porém curvilínia. Eu pesava na época 48,5 Kg mas pra estar no padrão deveria ter coxas grossas e quadril largo. Uma verdadeira loucura. Esse paradoxo do "magro porém curvilíneo" mostra como a mídia joga com as pessoas fazendo com que elas se sintam, sempre sejam magras ou gordas, inadequadas. Uma barbaridade com o ser humano em nome do famigerado consumo.

Dária disse...

gostei da parte que fala em não impor um padrão que só irá conseguir se deslocar os ossos rss... vc escreve bem pra 15 anos. Consegue ser incisiva em coisas simples! To até hoje tentando aprender isso.

No mais, não tenho nada a acrescentar. Concordo que algumas amigas magrelinhas sofrem mais do que aquelas cheinhas que conseguiram o status de "gostosa". Eu não sofri com nenhuma das coisas acho. Sempre fui magra, nunca magra demais... sempre tive alguma curva, mas nada do tipo capa playboy. Enfim, fiquei no banzo, nem zoada, nem paparicada rss ;)

Josiane Caetano disse...

Hoje este post tocou no grande tema da " beleza" feminina: não ter barriga! Sei bem o que é isto, pois mesmo sendo uma amante de corridas, a minha barriga NUNCA foi sarada ou seca, então por eu ser ser uma mulher " azeitona" (tudo no lugar, mas com um "certo" volume na parte da frente)nunca fui considerada " a gostosa". Exigir barriga sarada ou seca é uma crueldade sem tamanho que a sociedade nos impoe, especialmente exigindo isto até depois que temos um bebê, como é o meu caso. Já para os homens, a tal " barriguinha de chope é totalmente aceitável..." O jeito é lembrarmos todos os dias que somos mais que pedaços de carne,ossos ou gordura, dependendo do caso...

Dária disse...

Ou melhor, até já fui muito magra, mas na infância, quando não era relevante, e estranho mesmo seria ter quadril aos 8 anos né? rss
- nesta época meu irmão me chamava de Olivia Palito, fazer o que ;)

Bruno S disse...

Acho que existe na sociedade uma padrão definido de beleza que é o inalcançável, de forma que toda mulher sempre esteja se sentindo em dívida com o próprio corpo.

E existem as características anti-padrão que seriam inaceitáveis. Entre elas tem a barriga proeminente, gordura em geral, ausência de peito, bunda, quadril entre outras.

Na questão do que é o maior problema para ser vista como gostosa, se o peito ou a barriga, lembro de uma teoria. O tamanho do peito acaba influenciando o tamanho de barriga que vai chamar atenção no corpo da menina. Numa menina moça com peito maior, a barriga (e outras gorduras também) acaba parecendo mais discreta.

Um outro pitaco de observador é que, em geral uma pessoa mais gordinha ou mais magrinha que desenvolveu seu corpo com essas características me parecem ter formas mais harmoniosas do que quem engordou ou emagreceu muito depois de adulto.

E realmente essas questões são bem mais amenas para nós homens. Uma mulher com meu IMC ou minha barriga se sentiria obesa. E eu estou longe de ser visto como gordo.

Lord Anderson disse...

Pois é.

padrão de beleza é insano esó gera paranoia e angustia.

Lamentavel.


Agora, como é bom ver pessoas tão jovens escrevendo tão bem, articuladas, atentas, sabendo expressar o seu argumento.


Parabens Bianca :)

Os guest posts aqui do blog sempre de alta qualidade.

Sharon Caleffi disse...

Adorei o guest post, disse tudo! É difícil pra todas, mesmo!

Anônimo disse...

O problema é a barriga mesmo, talvez os braços e a papinha. Eu peso 52kg com 1,64 mas tenho pancinha, então vivo brigando com a balança.

Anônimo disse...

Eu também posso dizer que me encaixo em alguns "padroes". Sou magra - mas minha magreza também nao era "boa" (meu chapéu, o que será uma boa magreza?). Sou loira, bem loira... mas já me disseram que eu deveria fazer umas mechinhas para ficar mais loira (MAIS??????). Sou branca - mas meu branco também nao é bom por que é muito branco - já fui instruída a procurar o produto "x" ou a clínica "y" pra "dar um jeito nisso".
Sem sombra de dúvida os cometários e as ofensas que as gordinhas, as meninas de cabelo encaracolado, as meninas negras ouvem sao imensamente piores. Tenho absoluta certeza que o que eu já ouvi nao é nem 0,1% do que elas já ouviram ou passaram.
Mas esse post e essas situacoes sao uma clara idéia da visao doentia que a mairoria das pessoas tem do corpo dos outros e do próprio.
O que a mídia prega como "beleza" é algo que NAO EXISTE... nao sem photoshop, sem truques de câmera, nao sem muita maquiagem!!!
A Lola escreveu bem no comecinho do post o real motivo disso - pessoas insatisfeitas e inseguras correm pra comprar qualquer "solucao" para seus "problemas". E a indútria farmaceutica, de costmético e da cirurgia plástica sao cheinhas de "solucoes"...

Anônimo disse...

Dá para fazer o bingo do padrão de beleza...o duro é encontrar alguém que naturalmente consiga preencher toda a cartela:
- Branca
- Loura
- Alta
- Magra
- Cabelos Lisos
- Cabelos Compridos
- Seios Grandes
- Curvílinea
- Cílios longos
- Sem celulite
- Sem estrias
- Lábios Carnudos
- Lábios Rosados
- Axilas sem manchas
- Sem pintas pelo rosto
- Sem acne - cravos e espinhas
- Sem poros!!

E não esqueçam?! Sempre usando as melhores marcas de roupa, maquiagem, sapato, bolsa...

Mais alguma sugestão?

yulia2 disse...

falando em gisele amélia.....
quero relatar um fato, como sabemos parece que ela não se importa de fazer propagandas machistas , desde que seja bem paga para isso, ok, ela faz o que bem entende. Mas a vida é muito engraçada.... e o machismo é como a cuca do pica pau amarelo... te pega daqui e te pega de lá e nem a super top escapou dela,
recentemente um jogador americano rival de seu marido mandou gisele calar a boca e continuar bonita... resumindo( mulher bonita só é boa calada), ou seja ela foi alvo do maior e o mais velho cliche machista que conhecemos.
O machismo não poupa ninguém , nem mesmo quem faz média com ela como faz gisele (acredito que ela não tem a menor consciencia disso, mas o problema é dela.).
Ao se desculpar ele justificou..
“Devido ao fato de que se trata da esposa de um colega meu, eu peço desculpas por dizer aquilo, pois não deveria ter dito”, falou Jacobs....
Ou seja, ele se desculpou com ela , mas não por causa dela por reconhecer que a desrespeitou, mas porque ela é mulher de seu colega de trabalho , SOMENTE ISSO.
Isso lembra o caso rafa bastos, ele somente foi afastado da band não por causa da vanessa camargo, mas por causa de seu marido que teria pedido isso. Queria um coment da Lola sobre isso, interessante como o mundo dá voltas.
http://uolesporte.blogosfera.uol.com.br/2012/02/09/atleta-dos-giants-pede-desculpas-por-ter-mandado-gisele-bundchen-calar-a-boca/

Anônimo disse...

mais itens para o bingo do padrão de beleza:
- mulheres depiladas - pois ter pêlos é "falta de higiene"
- sombrancelhas definidas

Lorena disse...

Ótimo guesto post e eu sempre fico impressionada com o nível dos textos que a Lola recebe de meninas tão novinhas! Me impressiono, mas não tanto, já que tenho primas nessa idade, super-antenadas e que escrevem mto bem também. Parabéns a Bianca, texto mto claro e mto lúcido. E muito verdadeiro também.

Eu não sou magra, mas já fui menos cheinha... Ainda assim, nunca fui magra "o suficiente" e nem curvilínea "o suficiente". Não tenho cintura e quando estou muito magra, fico sem mtas curvas no resto também (menos as coxas que são bem grossas e já foram traumas de adolescente), mas a barriga é uma constante.... Não dá pra me livrar dela, nunca! rsrs
Quando engordo, as curvas aparecem mais. E é assim que eu gosto, é assim que eu acho bonito, apesar da barriga. Costumo dizer que a barriga é o "plus" que acaba vindo com o resto, mas com o qual eu tenho que conviver. E convivo bem, sabe? :)

A verdade é que precisamos desencanar dessas questões por nós mesmas, porque a mídia vai SEMPRE ditar um padrão.

Alex disse...

Muito bom o texto da Blanca. E ela só tem 15 anos! O texto dela me lembrou um outro que li há algum tempo atrás, e que me comove:

Tenho 29 anos e nunca me relacionei com ninguém. Sou deficiente física e me sinto inferior por causa disso. Já surgiram alguns homens, mas por medo de não corresponder às expectativas deles, nunca me envolvi. Ao contrário, sempre os afastei. Como em breve eu faço 30 anos, começo a me acostumar com a idéia de que vou morrer sozinha. O que devo fazer para que isso não aconteça?

A deficiência física é uma limitação, só que você pode tirar partido dela, descobrindo com o parceiro a sua maneira de se relacionar. A cena de amor mais intensa que eu já presenciei foi entre dois paraplégicos, um homem e uma mulher que tentavam e não conseguiam se beijar. Eles fizeram desta tentativa, porém, uma forma de expressar a sua paixão.

Não deve ter acontecido por acaso em Greenwich Village, bairro de Nova York onde viveram grandes poetas, entre os quais, Allen Ginsberg, que se opôs veementemente ao materialismo americano, insistindo na fidelidade a si mesmo. Foi numa rua deserta deste bairro, onde o espírito do poeta está e estará sempre presente, que eu presenciei a cena.

Passava pela rua de prédios de tijolo vermelho, ladeada de árvores, quando vi dois paraplégicos, um homem e uma mulher, nas suas respectivas cadeiras de rodas, sentados lado a lado. Ele procurava infindavelmente os lábios dela. Sua cabeça de repente caía para, em seguida, levantar-se de novo. O que contava para os dois não era a impossibilidade de realizar o desejo e sim a possibilidade de sustentá-lo incansavelmente. Dois deficientes que eram dois deuses do amor. Com a sua tentativa frustrada, eles suspendiam o tempo e faziam a eternidade soar.

O amado é objeto de respeito e de pena. O amante o quer pelo que ele não tem e ainda pelo que lhe falta. Não sendo assim, não é amor e o que importa verdadeiramente é o amor. Você não vai morrer sozinha se conseguir sair da posição em que está, ou seja, de quem considera que a deficiência é sinônimo de inferioridade e os outros são perfeitos. Se levar em conta aquele provérbio que diz: “A perfeição não é deste mundo”.

Ademais, você tem apenas 29 anos. Falta um para 30, a idade da mulher que Balzac cantou. Por ser a idade em que a mulher desabrocha, recusa a condição de objeto e reivindica a de sujeito. O que conta não são mais as frustrações do passado e o medo do futuro, e sim o desejo de realização. Sendo jovem, a mulher já é madura e dispõe de todos os recursos de que precisa para se realizar. Você já é quase uma balzaquina. A hora é sua. Aproveite. Mesmo porque, salvo acidente, ainda falta muito para morrer.

Por Betty Milan


http://veja.abril.com.br/blog/consultorio-sentimental/arquivo/balzaquiana/

Fefa disse...

me encaixo perfeitamente nesse texto. sou desde SEMPRE magra, genética mesmo. e sou da opinião que as magrelas sofrem mais. sabe porque? além de ouvir apelidinhos, tem que atuarar a temida frase: 'não reclama, você é magra.'
porra, sério mesmo? você acha que reclamo do meu peso pra fazer charminho? é legal ter que usar duas calças para parecer que as pernas são mais grossas? qual a sensação de ir em um médico e ele insinuar que você é anoréxica?
pois é, não é legal. ainda bem que hoje em dia superei tudo isso e me aceito como sou. se quero engordar? sim, só um pouquinho. assim como a maioria das meninas que estão 'acima do peso' querem emagrecer. (:

Francine Barrionuevo disse...

Posso dizer que estive nos dois extremos. Antes de engravidar era magra sem peito e sem bunda, pesava 45 kg, e as pessoas viviam me falando coisas por eu ser muito magra. Depois que tive meu filho engordei fiquei com mais perna, bunda e peito, peso 58 kg, mas em contrapartida veio a barriga que até hoje não consegui perder. E as pessoas continuam falando. Difícil agradar todo mundo não é mesmo??

mousounikki disse...

me identifiquei demais com esse texto!
Sou magra desde sempre, sem bunda, sem peito. Só que eu não ligo de não ser gostosa, o problema são os outros!
Uma pessoa próxima recentemente colocou silicone, e minha mãe veio me perguntar se eu queria colocar também. Pra que? Se eu sou feliz do jeito que sou? Acho que os outros se incomodam mais com a minha falta de peitos do que eu. Minhas irmãs vivem falando pra eu comprar sutiã de bojo (outro dia a mais nova até veio ME DAR sutiã de bojo!), mas não gosto, me dá dor nas costas.
Confesso que às vezes ficava meio triste de ver os rapazes discutindo sobre mulheres e perceber que peito, pra eles, é mais importante que todo o resto na pessoa.
Mas daí penso que prefiro não ter um relacionamento com alguém que pensa assim.
Pelo menos eu aprendi a me aceitar do jeito que sou, sou feliz com meu corpo. Pra mim isso é o que mais importa :)

du disse...

falou e disse! muito interessante este espaço. a estética de nossa sociedade é um reflexo tão interessante de todo o nosso sistema... o que fazem conosco? querem que estejamos insatisfeitos, mesmo, para que consumamos os produtos que nos são impostos pela mídia. um acordo de toda a indústria, do comércio, do capitalismo e da mídia. depois dizem que vivemos em uma democracia. é lamentável como se tratam as pessoas que fogem do padrão. e para refletirmos sobre "padrão" vamos o dia todo. :P
só quero dizer que podemos pensar bem esse negócio de estética depois de uma tese do grande Umberto Eco sobre Helena de Tróia. Quem disse que uma guerra foi travada por causa da beleza da mulher? A nossa sociedade contemporânea... Helena não era bonita, em cima dos padrões estéticos atuais... Helena foi INTELIGENTE. Ah, seria pedir demais para a Vogue, a Cláudia, a Nova ou a Maria Claire publicarem isso, né? Abraço.

nati disse...

Estamos dentro de um padrão quando se é modelo. Sofri muito no colégio por ser muuuuuito magra (tenho 1,71 m e n época pesava 48 kg), pois todo o dia alguém me perguntava porque eu era tão magrinha.
Hoje em dia peso 10 kg a mais, e ainda assim sempre me perguntam se eu emagreci, sendo que sempre mantenho o mesmo peso.
É tão infernal quanto ser gorda, e as pessoas te apontarem por isso.

Teresa disse...

Frase que li de um rapaz no Facebook: Eu gosto da minha namorada como ela é. Se eu quisesse peito e coxa, namoraria um frango.

Esses padrões são desproporcionais. Querem que a mulher seja magra de barriga seca, mas que tenha seios fartos e bunda cheia. Pra conseguir isso, só fazendo cirurgias ou malhando o dia inteiro e todo dia.

Talita Figueiredo disse...

Tem ainda a questão do tempo. Minha mãe dizia que na sua juventude era moda usar blusinha sem alça, então o legal era ter peito pequeno, uma coisa meio Sonia Braga em Dancin Days. Hoje, o padrão é peito grande. Daqui a uns anos será o quê? Peito gigante? Pq a tendência parece ser sempre aumentar.
Agora o lance da barriga nunca mudou mto eu acho. Barriga chapada sempre foi padrão.

Eu disse...

Isadora disse...

Me identifiquei. Sempre me pergunto isso, de perfeição etc, porque eu também sou magra, muito magra, tenho as curvas, MAS sou muito baixa.
Nunca nada tá perfeito para a mídia.

9 de fevereiro de 2012 11:07


Hehe, a Kim Kardashian tem 1,57m e a mídia não sai do pé dela, ou é ela que não sai do pé da mídia. :P

Li disse...

Para o bingo do padrão de beleza, é essencial: mamilos e partes íntimas rosa.

Daní Montper disse...

É por isso que agora quero agradar somente a mim, e me olho pelo espelho e digo 'linda' \o/ apesar de não ser considerada linda pelo padrão de beleza atual, apenas bonita - nem gorda, nem magra, nem gostosa, comum. Enfim, é pressão de tudo que é lado e nunca conseguiremos agradar os outros.

Sobre a Blanca, a conheci na marcha das vadias, e eu a achei uma menina linda e esperta. Uma pena que não deu para conversarmos naquela bagunça boa de lá... Ah, Blanca, teremos marcha este ano também, os motores já estão esquentando. Bjs

LisAnaHD disse...

LoLa, seu parágrafo de abertura do post vale por uma palestra!!!!

". . . O padrão de beleza cria expectativas irreais, impossíveis de serem alcançadas. E é justamente esse o objetivo: fazer com que mulheres eternamente insatisfeitas consumam tudo que vêem pela frente pra tentar chegar a uma beleza impossível . . ."

Na minha adolescência as meninas eram magras e ninguém se sentia inadequada pela magreza. Uma ou outra era gordinha e tb não se sentia inadequada. Mas naquele tempo a mídia não dominava e nem bagunçava as cabeças pq não tinha o poder e força que tem hoje.

Espero que Bianca, do guest post, continue se sentindo adequada numa sociedade que, apesar da variedade de beleza, ainda assim insiste em padronizar como que querendo sobrepor-se ao Criador.

Anônimo disse...

Mais um item para o bingo:
- unhas longas, sempre pintadas e todas com todas as cutículas com aparência saudável (o.o?)

lola aronovich disse...

Pois é, a Li tem razão. Já faz parte do padrão de beleza ter c* rosa, acreditem se quiser. Já tem homem cobrando e mulher fazendo clareamento/coloramento/sei lá. E não se esqueçam que vagina deve seguir um padrão único. Não é à toa que a cirurgia vaginal é um dos procedimentos estéticos mais procurados atualmente.


Talita querida, vc acha que o padrão sempre foi barriga chapada? E todas as musas de antigamente? Elas não tinham barriga chapada!
Vcs lembram que em Pulp Fiction a personagem da Maria de Medeiros, que faz a namorada/mulher do Bruce Willis, diz que queria ter uma barriguinha? “Pot belly”, acho que é o que ela diz.

Ana Carla disse...

Eu sei que o padrão é ruim para todas, mas os problemas(nem sei se podem ser chamados de problemas) que as magras sem curvas passam não chegam nem perto dos d@s gord@s.

Quem é magr@ pode entrar em qualquer loja de roupas que certamente vai ter seu número, não se preocupam em caber nos lugares, vai ter muito mais facilidade em arrumar namorad@ do que gord@s, entre tantas outras coisas.

Ser magr@ fora dos padrões pode até trazer alguns incômodos, mas no fim das contas é bem pouco comparado ao que nós gord@os sofremos todo santo dia.

Anônimo disse...

Lola.
Depilação íntima tb tá virando moda. Olha a reportagem publicada na folha no Caderno "Equilibrio e Saúde".

Estão até chamando médicos para tentarem defender o procedimento.

Depilação íntima total e irrestrita é novo padrão de sensualidade
http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1038218-depilacao-intima-total-e-irrestrita-e-novo-padrao-de-sensualidade.shtml

Jordana disse...

ah, a barriga. o problema do padrão de beleza é todo com a barriga mesmo. eu, que gosto de meninas, confesso que esse padrão já se atrelou ao meu "critério de atração sexual", que se resume ao seguinte: não me importo se é gordinha ou magrinha, desde q a barriga seja menor que todo o resto. é um critério cruel e superficial, mas ainda não consegui me livrar disso...
E A DANADA DA BARRIGA!
e eu, até pouco tempo atrás uma "magra curvilínea", daqui a pouco estarei o contrário: magrela em tudo, menos na danada da barriga. um palitinho com uma bolotinha no meio, olha q meigo. e lá vou eu me incomodar pela primeira vez na vida com o tal do padrão de beleza. e a mim, parece incomodar mto mais pq tbm tem relação com aquilo q eu gosto de ver numa mulher. e ver q estou me distanciando desse "ideal" não é bacana :(



podia o padrão ser barrigudinho, né? tudo seria tão mais fácil ._.

enfim. ótimo texto, moça inteligente, curti bastante. e não dê mta atenção a encheção de saco alheia. o importante é q vc se sinta bem com seu corpo. ^^

A.H.B. disse...

Isso lembra que esses dias tinham postado um gif de uma mulher com pernas muito magras fazendo aquele moon walk nesse forúm aberto e a reação de muita gente (homens!) foi reclamar da aparência da moça, falar que ela usava drogas, era doente e era homem.

Ninguém é deixada em paz. Até porque o padrão ideal mesmo não existe.
Mesmo entre mulheres magras, curvilíneas e loiras, muitas tem seios pequenos, outras tem barriguinha, outras tem espinhas, outras tem celulites, etc etc
O que acontece é que aí a maioria das mulheres de todos os tipos fisícos acabam fazendo modificações na aparência para ficar mais próximas de algo que é só uma fantasia masculina artificial gerada por noções racistas e irreais de estética.

Eu disse...

(quem duvida pode ler como Adriana Lima se prepara para desfilar de lingerie, e ver se dá pra conseguir esse ideal sem ter muito dinheiro e viver exclusivamente pra isso).(Lola)

Os lutadores, nadadores, tenistas,maratonistas, etc., têm que obedecer a uma rotina cansativa de exercícios, dietas, fisioterapias e muuuito treino prá competir. Quanto mais alta performance for o evento, mais é exigido.

O atual nº 1 do ranking da ATP, Novak Djokovic, parou de ingerir glúten. Eu nunca joguei tenis na vida e tb parei. Sinto-me maravilhosamente bem.

Se espelhar nos outros é uma coisa. Sofrer é outra. O sofrimento vem com culpa inconsciente anterior ao modelo inatingível diante dos nossos olhos. É onde jogamos a culpa por não sermos felizes. Pura ilusão.

Anônimo disse...

Ah! E Diva que é diva não tem pêlo no braço, na perna, no buço, nas partes íntimas...a mulher perfeita é praticamente uma boneca barbie. Lisinha e sem poros.

Eu disse...

Corrigindo, minha ingestão de glúten se restringe a uma fatia de pão integral sem açúcar ou farinha branca por dia HABITUALMENTE.

E olha que não sou anjinha da VS nem nada, hein? :))

Jordana disse...

e ao anônimo que citou o bingo do padrão de beleza, acredite: já conheci duas mulheres que se encaixam em quase todos esses critérios (só não são muito altas, têm cerca de 1,70). não por acaso, uma delas é modelo.

mas veja só: DUAS. e eu conheço muuuita mulher. o resto sempre tem algo sobrando ou faltando, em relação ao padrão. fora q tudo isso q elas têm é natural, genético. não dá pra comprar com produtinhos de beleza, como quer fazer crer a mídia que tanto impulsiona o consumismo.

Eu disse...

Depilação íntima tb tá virando moda. Olha a reportagem publicada na folha no Caderno "Equilibrio e Saúde".*

Isso é pedofilização da mulher...rs

Mas quando eu precisar tonalizar o que não pode ser tonalizado, vou voltar aos meus tempos de criança...kkkk

Vinicius disse...

Na verdade, o padrão de ser magra tem seu limite superior e inferior, o problema é que o limite inferior costuma ser mais difícil de se "alcançar" - mas ele não é ser magro, é algo diferente de ser magro, pois ser magro já remete à diversos significados positivos, bons, aceitos. O termo se torna outro (por que existem tantos palavrões para gordos e muito magros - por que existe a definição "gordo", mas, para o outro lado, não existe simplesmente um "magro"? Eu creio que a nossa própria falta de linguagem cria problema pra articular essa, talvez, opressão, que ocorre quando se é "magro demais"....

Joana disse...

Ana Carla, ficar comparando sofrimento é difícil, porque só que é muito magra sabe que também não tem coisa que nos caiba. Agora eu tenho um tamanho normal, mas eu tenho 29 anos. Quando eu era novinha era um sofrimento achar roupa, e até hoje achar vestido é quase impossível. Claro, dá pra diminuir, mas não é tudo, e também é frustrante as lojas considerarem que só existe P, M e G, sendo que esses 3 tamanhos são muito parecidos.
No fim das contas a gente não tá fazendo concurso de quem sofre mais, tá tentando mostrar que padronização da beleza leva a frustração. E que esse ideal simplesmente não existe.

Daní Montper disse...

Fala sério, regularem até a cor do ânus e a vagina...

Se um cara me falar que acha que eu deveria mudar qualquer coisa em mim, diria que ele tem razão, que tenho que mudar sim, só que de parceiro! Ora essa.

Bingo da beleza padrão, estou longe de te preencher - amém.

Eu disse...

Joana, vejo cada micro roupa por aí que não sei como alguém entra nela.

Tenho tido realmente muita facilidade em comprar roupa, desde que não queira roupa de matrona que não acho nada pro meu tamanho e estilo.

Já comprei roupa de criança na Hering.

Bjs

Eu disse...

Se um cara me falar que acha que eu deveria mudar qualquer coisa em mim, diria que ele tem razão, que tenho que mudar sim, só que de parceiro! Ora essa.(Dani)

Eles falam no geral. Prá olhar, rs
Isso é o suficiente prá nos fazer desejar as mudanças. Culpa nossa mesmo.

RLuxemburg disse...

@Lola

Sabe o que é engraçado?
É que os homens tão apegados a esses padrões são, muitas vezes, céticos.
Por exemplo, se têm uma moça magra e com seios grandes, começam a falar que ela colocou silicone. Hoje em dia, peitos grandes são necessariamente silicone! (sendo que me parece muito óbvio quando um seio é siliconado, porque fica com uma aparência não-natural)
Se uma mulher é magra, ela fez anos de dieta.
Se é loira, deve pintar o cabelo.

Já me perguntaram se eu estava usando lentes pro meu olho ficar verde.

Como assim, sabe?

Não estou reclamando de preconceito reverso não. Sei que isso não existe. Estou reclamando, como mulher, que todas as mulheres de alguma maneira serão constrangidas por sua aparência.

Quando era adolescente, saia com duas amigas e nós três éramos muito bonitas, só que só eu estava no padrão que a sociedade acha aceitável. Aí muitas vezes algum imbecil na rua falava "a loira é a melhor". - eu tinha muita vergonha disso e achava uma merda.
Já é um saco esses caras sem educação que gritam alguma coisa na rua. E quando, ainda por cima, se acham no direito de julgar você e suas amigas?
O pior é que uma dessas minhas amigas tinha - tem ainda - problemas sérios de auto-imagem (ela fez uma plástica para diminuir o nariz aos 14 anos!!! como que alguém aceita operar uma menina de 14 anos?) e eu ficava muito mal em parecer que estava sendo condescendente quando dizia "aah, mas você é muito bonita, falo sério."
-x-
Outra coisa irritante sobre ser uma "mulher próxima do padrão de beleza" é que muita gente vai ter certeza que você é burra. Porque, obviamente, você "conseguiu" ficar "bonita" através de todo tratamento estético fútil, horas no salão, etc.
Mesmo quem fala "uh, gosto de garotas bonitas e inteligentes" na verdade é o tipo de gente que quer um enfeite que, vez ou outra, fale alguma coisa que concorde com o "maridão provedor", mas que essêncialmente fique calada.
-x-
Por sorte, tenho um parceiro legal e feminista, então ele não me faz esse tipo de cobrança e nós somos amigos, conversamos muito e ele não tenta se colocar em um patamar de superioridade.
Porém, quando saímos por aí, eu percebo as pessoas julgando (já fomos confundidos com um casal de homens) e falando "oh, então se ela é uma loira-magra-wtvr porque não está vestida desse jeito ou com esse cabelo moicano?" - justamente porque não aguento mesmo essa coisa de quererem que eu me sinta melhor que os outros por uma coisa que eu não pedi ou escolhi!

Blanca disse...

Obrigada pelos elogios, gente! De verdade. :D Que bom que vcs gostaram do post. E muita gente se identificou, ainda bem, assim eu me sinto mais normal! hahaha :P

Blanca disse...

"Ser magr@ fora dos padrões pode até trazer alguns incômodos, mas no fim das contas é bem pouco comparado ao que nós gord@os sofremos todo santo dia."

Eu quis dizer exatamente isso no parágrafo final, Ana Carla. Sim, todas as roupas me servem. Sim, eu mais ou menos me identifico com as mulheres das propagandas na TV.

Mas eu tratei de uma coisa: a mídia exige perfeição. Sabe que as roupas servem em mim, mas meus jeans, praticamente todos, são largos na cintura? Não existe padrão. É disso que o post trata.

Espero que tenha me entendido. :B

Eu disse...

Aí muitas vezes algum imbecil na rua falava "a loira é a melhor". - eu tinha muita vergonha disso e achava uma merda. (RLuxemburg)

Aproveitando seu comentário, e longe de querer criticá-la isoladamente, se temos visibilidade (mesmo a grosseira ou negativa), reclamamos. Se ficamos invisíveis, ou não chamamos a atenção como queríamos, corremos prá mesa de operação. Nunca tá bom. Sempre tem um culpado da nossa desgraça lá fora. Sempre somos injustiçadas. O outro só existe prá nos fazer sofrer.

Sobre a plástica aos 14 anos, sempre ouvi dizer que a idade mínima é 18.
Vai ver o problema dela não envolvia o crescimento da cartilagem ou era um problema funcional, interno que aproveitaram prá corrigir esteticamente tb. É melhor do que comprometer toda a adolescência com complexo de inferioridade. Só a gente mesma é que sabe onde nos dói o sapato, né?

Blanca disse...

Anônimo do "bingo do padrão de beleza": amei, hehe. É bem isso aí, mesmo.


Ah, e nariz reto e pequeno, eu acrescentaria. xD

Anônimo disse...

Tb temos aquela questão dos dentes brancos que até iluminam uma sala quando acaba a luz.
Não basta ter dentes saudáveis - todos devem estar milimetricamente alinhandos e serem brillhantes como Edward sob o Sol nos filmes da série crepúsculo!

Ana disse...

AEEEE Lola! Agora eu gostei! Ser mulher mesmo não é fácil. Nunca estão satisfeitos. Se vc é gorda, é ruim. Se vc está abaixo do peso, é ruim tb. Se vc faz o tipo gostosa, vc só é gostosa, mas provavelmente é uma porta de tão burra, e a cada conquista que vc tiver vão pensar que vc deu pra alguém. Eu vou escrever sobre minha experiência com o bullying pela minha magreza e te mandar. Se não quiser publicar, não tem problema, mas as perseguições que eu sofri não perdem em nada pela tosquice que as alunas cheinhas tb sofriam.

Como já disseram antes, tem como ser magro e ser saudável. Tem como ser gordo e ser saudável. Nem sempre a mulher gostosona que malha 3 horas por dia está com todas as taxas certinhas. Deveríamos é respeitar a individualidade de cada um.

Beijos

Blanca disse...

Fefa disse: "é legal ter que usar duas calças para parecer que as pernas são mais grossas?"

Para com isso, menina. Ninguém merec passar um calor danado só pra fazer as pernas ficarem mais grossas. Sério, pare. Analise a situação. Boa sorte :B

Eu disse...

Mas eu tratei de uma coisa: a mídia exige perfeição. *

Tudo exige perfeição, né, Blanca?

A mídia exige perfeição da imagem que ela quer vender. Num restaurante, o cliente exige perfeição da comida, do atendimento. No cinema, exigimos perfeição do filme.
E quando compramos uma revista, exigimos perfeição dos artigos, das fotos, do lay-out, né?

Eu me olho no espelho e me esforço por estar apenas apresentável e confortável comigo mesma. É pedir d+?

RLuxemburg disse...

Eu: É, tá certo! *sarcasmo* Todas as mulheres que foram assediadas na rua tem culpa, afinal quem mandou ser mulher e querer sair na rua!!

Leio o blog sem comentar e sei que você é uma sem noção (na verdade, você provavelmente deve ser um masculinista) que a Lola nunca deleta e aí fica enchendo a caixa de comentários de bobeira.

Como falam, você devia realmente se limitar a três comentários por dia e ir procurar outra coisa para fazer.

Anônimo disse...

Até estrela sofre...
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u691624.shtml
Dedo "defeituoso" obrigou Megan Fox a usar dublê de mãos em comercial

Agora ta bom disse...

Oi Lola!
Estava lendo um antigo texto seu: sobre os seios reais que possuem estrias, são flácidos etc. Num dado momento vc comentou que homem é forte e não liga para espelho. Sou homem, tenho 40 anos e estou separado no momento. Estou um pouco envelhecido, ou muito. De dois anos pra cá, começei a preocupar com as rugas que o espelho mostrava. Começei não ligando, pensando que é assim mesmo etc. Então a minha namorada comentou sobre as rugas embaixo das pálpebras. Foi só o início. Amigos passaram a me chamar de velho, e realmente as rugas aumentavam. Perdi minha namorada, estava tão triste e chato que ela não aguentou. (ela não teve culpa). Passei a ter pavor de me ver no espelho. Não admito passar nada no rosto (educação machista) e mudei minha forma de ser: era alegre e zoador. Hoje se sorrio fico com rugas. Então evito. Isso é para vc ver como homem também sofre essa ditadura da beleza. Já fui no psicólogo e nada. Vou levando a vida, com pouco ânimo, apenas uma sombra do que fui no passado. Uma pena. Abraços. Eduardo.

Blanca disse...

"Eu", a Loira (esqueci o user, sorry!) reclamou pq é chato DEMAIS comentarem sobre sua beleza na rua. Vc não tá pedindo e é extremamente machista fazer isso.

E, ainda: imagina como as 2 outras amigas dela se sentiram?

Blanca disse...

"Eu me olho no espelho e me esforço por estar apenas apresentável e confortável comigo mesma. É pedir d+?"

Por mim beleza... vc exige dos outros perfeição (fisicamente falando)? Se sim, melhor sair da caixa de comentários desse blog, né? Se não, por mim td bem. Mas não parece ser o seu caso.

RLuxemburg disse...

Blanca: obrigada.
Então, era isso. Acho foda que há um incentivo para que as mulheres queiram ser melhores umas que as outras e isso é horrível.
-x-
Aliás, tá aí outra coisa: com essa de "padrões de beleza", se tem uma loira vão chamar ela de "Loira" (no contexto aqui do blog tudo bem vc falar) como se isso resumisse a personalidade dela ou fosse algo muito digno de nota. E não é! É só uma cor de cabelo como qualquer outra.
Eu sempre pinto de cores escuras e quando comecei, muita gente veio falando "aaah, mas você era loira" - E daí? Eu realmente não desejo ser melhor que ninguém por isso.
-x-
Minha queixa é justamente isso: as pessoas que estão em determinado padrão de beleza são incentivadas a agir como se fossem melhores que as que não estão. Se você é uma "loira" que rejeita a obrigação de cobrar tintura e chapinha das outras mulheres, vão achar que você não é mulher suficiente ou alguma coisa assim.
-x-
O problema não é elogiar a beleza de uma pessoa (que é algo subjetivo), mas elogiar certo tipo de aparência exclusivamente, sendo que não é uma coisa que a pessoa escolhe, semf alar que essa preferência pela "mulher-padrão" é produzida pela sociedade preconceituosa e machista.

Eu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eu disse...

Por mim beleza... vc exige dos outros perfeição (fisicamente falando)? Se sim, melhor sair da caixa de comentários desse blog, né? Se não, por mim td bem. Mas não parece ser o seu caso.(Blanca)

Exigir é a mesma coisa que comentar, que elogiar, que sugerir algo? Pois é. A outra no outro post reclamou que elogiavam que ela estava mais magra, mas ela odiou porque ela estava deprimida. Ora, ora...alguém tem culpa dela estar deprimida?

Eu disse...

"Eu", a Loira (esqueci o user, sorry!) reclamou pq é chato DEMAIS comentarem sobre sua beleza na rua. Vc não tá pedindo e é extremamente machista fazer isso.
(Blanca)

Pois é, Blanca, tudo é chato. Onde está a chatice? lá fora ou em nós?

Quer ficar invisível? quer não...rsrs

Blanca disse...

Loira, eu te chamei de loira pq seu comentário foi exatamente sobre sua loirice, então... HAHAHA ainda bem que vc entendeu! ^^

Blanca disse...

"Então, fia, só mesmo desaparecendo da face da Terra, né?" "Quer ficar invisível? quer não...rsrs" - Eu

Caramba, vc chegou na Terra ontem?

Vi uma mulher dizendo nos coments da Lola 9ach) uma vez que na Suécia, Noruega ou um desses países por lá os homens não dão aquela averiguada fatal em ti, na rua. Sabe? Quando o cara passa e te olha de cima a baixo, demorando o olhar. Não acontece isso por lá.

Não é natural isso de olhar por horas não, Eu. É só se comportar, é só ter respeito.

lola aronovich disse...

Ana, por favor, escreva o seu relato e mande pra mim, que vou publicá-lo sim (só vai demorar um pouco, porque tenho uma fila de guest posts na frente). Na segunda, quando vc disse que o blog nunca publicou um guest post sobre o sofrimento das magras, lembrei que alguém já havia mandado um, mas pensei que eu o teria perdido. Lembra que falei isso? Mas ele não estava perdido! Estava aqui na agenda do blog, aguardando publicação. No começo de janeiro, antes de eu viajar de férias, organizei e agendei vários guest posts pendentes. E este da Blanca era um deles.


Pura verdade isso que vc falou, Rluxemburg. Nem a mulher que porventura consegue se encaixar no padrão (quase sempre através de cirurgias) é poupada das críticas. Aí ela será criticada por ter colocado silicone, ou por usar maquiagem demais, ou por ser fútil, ou porque mulher obviamente não pode ser bonita e inteligente ao mesmo tempo. A gente sai sempre perdendo, de um jeito ou de outro. Mas, se é este o caso – se nunca estaremos satisfeitas e sempre seremos criticadas – por que se preocupar? Don't worry, be happy!

Eu disse...

NUma vez que fui ao Rio, um mendigo bêbado que passou por mim me chamou de feia. Haha. Ele tava certo. Eu tava feia mesmo. Mas quem tava melhor: eu ou um mendigo bêbado? Ele pelo menos me viu e falou comigo. E ele? quem teve a pachorra de lhe dar um boa noite? Quem sabe que ele existe? Eu passei reto...Pois é...

Paulo disse...

Mas que posição mais reacionária, esta de pôr a culpa nos incomodados. Mulher bonita serve pra ser olhada e alimentar fantasia de homem então? Porque ela não pode sair na rua e se sentir como qualquer outra pessoa, que interage normalmente com as outras? Não, ela tem que tolerar que as pessoas à volta dela a tratem como objeto de fantasia, afinal, que mal faz? Claro que isto nada tem a ver com o resto do machismo e sexismo sistemático na sociedade, não é mesmo?
Antes de dispensar o incômodo das mulheres como ilegítimo, que tal questionar os homens e sua constante objetificação das mulheres como ilegítimos? Acho esta uma atitude mais feminista. Muito antes defenderia o direito das mulheres de não sentirem desconforto em todo lugar que vão, do que defender o direito privilegiado dos homens de ficar babando o tempo todo sobre elas.
Uma mulher quer ser percebida como uma pessoa nos lugares que vai. Ela não quer ser constantemente percebida como auxílio masturbatório.
O olhar é poderoso. Certos olhares requerem intimidade. Certos olhares expressam ternura, certos olhares expressam ódio. E certos olhares constantemente invadem a privacidade da mulher e a reduzem a um objeto que pode ser usado sem seu consentimento.
Já que todos estão discutindo sem a pretensão de saber de nada, sem citar textos e obras, somente dando opinião desinformada, que tal que esta opinião saia do ponto de partida feminista, já que este é um blog feminista?

Eu disse...

Vi uma mulher dizendo nos coments da Lola 9ach) uma vez que na Suécia, Noruega ou um desses países por lá os homens não dão aquela averiguada fatal em ti, na rua. Sabe? Quando o cara passa e te olha de cima a baixo, demorando o olhar. Não acontece isso por lá. (Blanca)

Querida, se eu posso perceber a averiguada fatal, de cima a baixo, quer dizer que eu TAMBÉM olhei pro moleque tempo suficiente,né não?

Eu me divirto vendo as pessoas olharem prá minha filha. Ela não quer nem saber. E olham prá mim tb, mas tenho que ser rápida prá ver. Agora já acostumei e não presto mais a atenção. Como seria bom se as mulheres não falassem e os homens não enxergassem, né? kkkk

Eu disse...

Não, ela tem que tolerar que as pessoas à volta dela a tratem como objeto de fantasia, afinal, que mal faz? *

Você vê isso no SEU dia a dia ou tá sacando, Paulo?
Se vc puder se aproximar de uma moça bonita, vai dar as costas porque ela não é objeto da sua fantasia sexual? ahhhh, que amor!!

E quem disse que as reclamações são só quanto aos homens?

Blanca disse...

"Querida, se eu posso perceber a averiguada fatal, de cima a baixo, quer dizer que eu TAMBÉM olhei pro moleque tempo suficiente,né não?"

Não. Comigo, que ando na rua olhando pra baixo/pra frente e não olho pra cara de quase ninguém, nas vezes que percebo isso é acidental. Eu faço contato visual com algum cara e dá sim pra perceber que ele já tava me olhando há um tempinho.

Drica Leal disse...

Incrível como os brasileiros são facilmente influenciáveis e manipuláveis até na hora de achar definir o que é "bonito" ou "feio"

Tenho 28 anos, mas me lembro que na minha infância o padrão de beleza da mulher brasileira era ter seios pequenos, quase imperceptíveis. Mulher de seios grandes morria de vergonha de tê-los e os homens consideravam um defeito. Teve até uma vizinha minha, mais velha que eu, que ganhou de presente de aniversário de 15 anos um cirurgia para diminuir os seios, porque eram grandes. Meninas com seios grandes eram consideradas quase deformadas, sem exagero! Me lembro também de várias atrizes e cantoras brasileiras da minha infância que fizeram cirurgia plástica para diminuir os seios, tamanha era a rejeição pelos seios grandes. Mas da década de 90 pra cá importamos o padrão de beleza americano das mulheres peitudas e o que antes era considerado inadequado e feio agora é o fetiche de muitos homens e o sonho (ou pesadelo) de muitas mulheres.

Paulo disse...

Eu

Sua atitude de naturalizar o machismo quase como fato da natureza me emociona. É quase como dizer que a situação atual das mulheres é insuperável porque todos os homens vão primeiro agir com seu instinto animal do que agir com consciência, respeito, ou quem sabe até de acordo com seus valores, se for feminista.
Você está em um fórum feminista dizendo que as mulheres devem tolerar o machismo. Que amor.
E você quer colocar num falso patamar de igualdade a objetificação da mulher e a objetificação do homem, quase como um masculinista que quer ignorar que a sociedade é sim machista.
Ser cego ao privilégio masculino é reforçá-lo. Acho que deveria ser algo não controverso dentro do feminismo que os homens têm que ajustar seu comportamento. Sua atitude reacionária não contribui nada a causa, e eu recomendo que você leia sobre o conceito de Male Gaze, ou pelo menos tente defender posições feministas, ao invés de concordar com os masculinistas com essa estirpe de argumento sem fundamentação alguma.

Anônimo disse...

Mimimi mimimi mimimi, ó mundo cruel, mimimi sou gorda e criticada, sou magra e criticada, ó vida, ó dia, ó azar...
Véi, cês nunca pensaram em mandar todo mundo a m***** (sei que cê não gosta de palavrão Lola) e ir viver a vida sem essa ladainha chaaaata?
Já passou da hora de ficar se vitimizando.

Liana disse...

Eu entendo que a autora do texto em nenhum momento disse que ser gordinha era fácil, pelo contrário, ela reconhece que o preconceito é maior. Ainda assim, particularmente, não consigo me sensibilizar com a ideia de que "sim, todas sofremos". Não pq é uma competição para escolher o grande sofredor, mas pq é pedir um pouco demais para que uma jovem branca e com corpo de modelo acredite que ela realmente está fora do padrão.
É só usar óculos para ver que não, ela não está..."Ah pq no Brasil preferem gostosas". Entenda, não existe em que se espelhar qnd vc está fora do padrão Gisele ou panicat. Se vc não é magra ou gostosa, você não existe na publicidade, vc mal existe no imaginário popular e qnd vc existe não é pela beleza, mas sim pq tem outro tributo. Mulheres gordas e feias podem ser talentosas, bem sucedidas, charmosas, sensuais, mas nunca bonitas...Ela não vai deixar de ser contratada pq não tem boa aparência,vc tbm não vai sofrer bullying ou ser hostilizada e acima de tudo, ela pode encontrar diversos exemplos de mulheres que são como ela e são consideradas bonitas. Vc tbm não precisa escolher outra profissão pq na área que escolheu não existem pessoas como vc...

A.H.B. disse...

Liana: não é bem assim. Você não vai deixar de sofrer sexismo ou ser hostilizada por ser "magra" ou "gostosa". Temos que ter consciência que o machismo existe para todas as mulheres e a questão dos "padrões de estética" são mais uma forma pelo qual o machismo se manifesta.

AS mulheres gordas tem sim mais algo para serem discriminadas. Assim como mulheres negras, etc. E muitas mulheres que estão no padrão de beleza agem como opressoras.
Mas isso não quer dizer que uma mulher magra, ou loira ou "gostosa" nunca tenha sido hostilizada de forma alguma. Em geral, a maioria dos ambientes públicos serão hostis a mulheres.

Eu disse...

Você está em um fórum feminista dizendo que as mulheres devem tolerar o machismo. Que amor.*(Paulo)

Paulo, comentário certo no post errado, meu.

Eu disse...

a maioria dos ambientes públicos serão hostis a mulheres.(AHB)

Inclusive aqueles em que só há mulheres. Tô cansando de ler reclamação de mulher com tudo o que a outra mulher diz, mesmo que seja sua própria mãe.

A.H.B. disse...

Aí, que saco "Eu", você tem que responder a tudo que as pessoas comentam para vomitar besteira?

morre, diabo!

LisAnaHD disse...

EU,
Você tá pegando pesado, sabe? Quem sabe se vc postar um comment dizendo sua altura, seu peso antes, seu peso depois, seu peso agora, qual o regime de emagrecimento vc seguiu, sua rotina de atividade física, sua alimentação, enfim um comment sobre VOCÊ apenas e quem sabe venha a resolver de vez por todas essa necessidade que vc sente em polemizar CONTRA todo mundo aqui na página de comments.

Uma coisa é ocasionalmente a gente incomodar a uma ou duas comentaristas, mas outra coisa é aborrecer a TOD@S.

lola aronovich disse...

Gente, sei que tá rolando uma pressão pra que eu delete a Eu (Moema), que realmente é muito chata e só fala bobagem. Por favor, nada de teorias da conspiração. Não a conheço, não quero conhecê-la, mal sei quem é. Só não deleto seus comentários porque tenho, como política, só deletar comentários muito agressivos, ou de trolls agressivos ou floodadores (e floodou uma vez, é melhor trocar o perfil, porque vc nunca mais terá um comentário publicado aqui). O que a Moema faz não é exatamente agressivo, na maior parte das vezes. É só ignorante. E escrever vários comentários não equivale a floodar. Floodar é repetir o mesmo comentário várias vezes. Eu gostaria muito que a Moema limitasse seus comentários a uns 3 por post. Mas ela deve achar que ganha um argumento pelo cansaço, sei lá.
Acredito que a Moema seja uma mulher, não um mascu disfarçado. Digo isso porque a garra com que ela combate qualquer indício de aceitação do corpo é típica de quem tem BODY ISSUES, problemas com o próprio corpo, como ela deixou transparecer em comentários recentes. Por outro lado, concordo com uma comentarista que analisou fotos (sem rosto) deixadas por Moema outro dia e concluiu que as fotos são mentirosas, não batem, são de pessoas diferentes etc. Mas eu sou muito fácil de enganar e ainda creio que Moema é mulher. Uma mulher um tanto perturbada, que ninguém sabe o que está fazendo num blog feminista, já que ela evidentemente não é feminista.


Uma coisinha: acabei de receber um email super doce de uma moça que descobriu o blog esses dias e adorou, principalmente o nível d@s comentaristas. Ela escreveu que é raro encontrar tant@s leitor@s inteligentes e fiéis num só espaço, e que eu era privilegiada por ter tod@s ess@s comentaristas. Concordo totalmente.

Anônimo disse...

Tendo a concordar com o que a Liana disse. Entendi que a autora não está dizendo que as gordas não sofrem pelo padrão imposto, nem se fazer de vítima igual. Compreendo que ela seja jovem demais, daí talvez esta carga excessiva da “cobrança” dos outros, algo ainda em processo de aceitação pela autora. Vejo o que a autora fala como “puxa, que mundo doente, mesmo ela magra, dentro dos padrões, e ainda já ter sido convidada para modelo (p elevar qq autoestima no sentido estético um convite desses não?)” , mesmo assim ainda é insuficiente para o “ideal”. E entendo que alguém possa sofrer com isso. Mas ainda sim, o sofrimento da autora e da gorda, a meu ver, são de natureza distintas. No sentido feminista da beleza como fundamental p mulher, ambas sofrem. Mas a magra, nunca vai ter uma sociedade inteira dizendo p ela que ela está “errada”, e uma sociedade inteira dizendo que ela é “feia” por ser magra, ou por não ter curvas. A gorda, pelo contrário, tem uma sociedade toda te dizendo isso, que ser gorda é ser feia. A magra, pelo contrário, uma sociedade toda dizendo que é bonito, e a exceção talvez dizendo que não. Entendi o lance das curvas, mas isso não chega a ser uma imposição da sociedade como um todo como a pressão da gordura. Entendo que não seja uma olimpíada de sofrimento. Mas vejo sim, que existem opressões qualitativamente distintas, embora criadas pela mesma sociedade. Tendencialmente uma gorda pode não conseguir trabalho por ser gorda, tendencialmente isso não acontecerá por ser magra e não ter curvas. Daí que vejo que são opressões distintas.

bjo

Blanca disse...

Liana, eu concordo na hora em que vc diz que é mais fácil pra magras. Porque é. Mas não é fácil, assim, dado de bandeja. Algo está sempre sendo cobrado de nós. Não foi minha intenção me igualar TOTALMENTE, eu até disse no fim do email que enviei à Lola que sou magra, ponto. As mulheres querem ser megras, e eu sou magra, então... Mas não á fácil pra todo mundo.

Eu disse...

Temos que ter consciência que o machismo existe para todas as mulheres e a questão dos "padrões de estética" são mais uma forma pelo qual o machismo se manifesta.(AHB)

E como nós somos afetadas, e como somos, né?

Blanca disse...

Anônimo Má:

Nunca disse que meu sofrimento é IGUAL o das gordas. Caramba, eu pensei que tivesse deixado isso claro.
Mas enfim. Gente, o que eu quis dizer foi que NINGUÉM é perfeito aos olhos da mídia, sabe? Meu email á Lola NÃO FOI sobre magras-sofrem-tanto-quanto. Foi sobre, "puxa, até eu que sou magra e alta não estou no padrão". NÃO, nunca acharam minha magreza feia demais. A não ser minhas avós, NUNCA me pediram pra engordar,

MAS... já disseram que mulher que é mulher tem carne. Que peito faz a mulher. Que mulher sem bunda não é mulher.

Entendem?

Se não fui clara, me perdoem, não foi minha intenção dizer que estamos todas no mesmo barco. Na verdade estamos, mas com salas separadas por nível. Eu entendo as gordas, cheínhas etc. Entendo tanto que fiz uma comparação com as gordas não "gostosas".

Anônimo disse...

Oi Blanca. Não tenho intenção de te ofender, me desculpe. Sei que você não disse que seu sofrimento é igual. O que quero dizer é que o seu sofrimento é distinto do da gorda, ao meu ver claro. A gorda sofre pois a sociedade inteira diz p ela que é feio ser gorda. A magra pode sofrer por não ter atingido o "ideal", coisa que ninguém irá atingir. Assim, todas nós mulheres sofremos por não atingir algo que seja "ideal", pois isto não existe..
Me desculpe mesmo, mas não quero te desqualificar, no sentido que vc sofreu. Estava pesando mesmo que são pressões distintas.
Também sei que você não quer dizer que são iguais. Mas toda esta discussão me fez pensar nisso.

Bjo Má

Bjo

LisAnaHD disse...

Blanca,
Você foi clara no seu post. Acontece que muita gente tem necessidade de comparar sofrimento, dificuldade, desafio e afins e ignoram que primeiramente devemos expressar empatia.

Eu tive uma colega de escola alta e muito magra... eu era magra, mas ela era bem mais magra e como sofria com os deboches! Hoje ela teria sido o patinho feio que na verdade era um cisne.

A.H.B. disse...

Blanca: justamente.
Acho que a questão é essa e é o que faz a diferença - você, como uma mulher magra, reconhece perfeitamente que mulheres gordas são discriminadas por isso.
Do mesmo jeito, as pessoas brancas deveriam reconhecer que pessoas negras são discriminadas. E os homens reconhecerem que mulheres sofrem discriminação, etc.
-
Agora, se este é um espaço para mulheres comentarem as pressões que sofrem em razão de seus corpos, não vejo porque não dar atenção a todos os tipos de mulheres. Isso não é falar que há preconceito reverso, mas sim mostrar que todas as mulheres são vítimas da necessidade social de possuírem determinada aparência.

Eu creio que mulheres que são loiras, magras, etc podem contribuir não incentivando que sua aparência seja o padrão. Por exemplo, mulheres como a Gisele deveria deixar de querer ser modelos, não deveriam aceitar beneficíos por sua aparência, deveriam não falar coisas como "olho verde é meio caminho andado", esse tipo de coisa, como a Rluxemburg falou, realmente tentar a todo custo sabotar o padrão e rejeitar o próprio status e privilégio em nome de todas as outras mulheres.

É dificíl que a ação de indivíduos possa fazer alguma diferença em vista da estrutura sistêmica da opressão, mas creio que dizer "não, eu não tenho orgulho de ser branca e não, eu não quero que me considerem mais bonita por ser magra" é uma opção melhor do que simplesmente sofrer de culpa liberal e colocar-se à parte do movimento feminista.

Como feminista, em se tratando de body issues, desejo que todas as mulheres posso sentir-se bem com sues corpos e aparência, que não vejam mais necessidade de abrir mão da própria saúde para serem aceitas. Além de tudo, aparência não deveria ser o fator principal na hora de julgar uma mulher, mas sim, sua inteligência e capacidade.

A.H.B. disse...

Do mesmo jeito que o John Stolteberg (companheiro da Andrea Dworkin) escreveu que ajudava o feminismo deixando de "ser um homem" em suas atitudes e postura perante o mundo.
As mulheres que estão em situação de maior privilégio que outras, tem que pensar quanto a proposta do Stolteberg.

Não devemos nos beneficiar do que significa a opressão dos outros. E não devemos agir de forma que outros sejam oprimidos.

MoiselleMad disse...

bom, eu tenho inveja da magrilinha

Privilege Denying Dude disse...

As críticas deixariam de ser um problema se vocês apenas deixassem de se importar com o que os outros pensam.

Eu disse...

Haha, Lola, vc caiu nessa que minhas fotos são mentirosas? Bem feito prá mim. Quem manda dar satisfação? hehe

Body Issue? Eu reclamei de algum aqui?
Estou resolvendo todos eles.
Pois é...

Joana disse...

Eu, às vezes as magrinhas não querem comprar roupas de criança, assim como as gordinhas não querem entrar numa loja de roupas para gordos.
Por incrível que pareça, tem roupa que mesmo sendo pequena, é grande demais para algumas pessoas.
Eu não moro no Brasil faz um tempinho e aqui na Alemanha eu considero bem mais humano comprar roupa. Tem tamanho 32 a 54 (ou maior, não sei...) e eu me sinto contemplada nos tamanhos.
Mas pelo menos, quando se é magrinha não tem que ouvir desaforo de vendedor de loja aí no Brasil. Uma amiga minha já ouviu "só temos calças de tamanho normal" quando pediu um número maior.
A sociedade é mais legal com as magrelas, mas isso não quer dizer que comprar roupa não seja um pé no saco.

Eu disse...

OK, AHB, entendi. Quando todas as lindas, burras e incapazes tiverem se jogado da ponte, jura que as que sobrarem não vou ficar disputando
entre si quem é a mais inteligente,quem é a mais capaz? Que não vão chorar horrores porque foi chamada de burrinha em comparação à bruaca que ganhar o Prêmio Nobel? hmmm pago prá ver.

Eu disse...

A sociedade é mais legal com as magrelas, mas isso não quer dizer que comprar roupa não seja um pé no saco.*

Eu que o diga. Quando comecei minha dieta, estava quase nua. A dona de uma loja de roupas me falou na cara: é, você está pelada. E estava mesmo. Agora só não compro o que não quero. Resolvi dois problemas. O que me incomodava e a falta de roupa prá comprar.

Tenho uma parenta que tem um guarda-roupa de uma roupa só. O mesmo feitio e tecido com estampas diferentes. Ela é obesa. Os vestidos caem muito bem nela. Já que ela não resolveu o problema da obesidade, resolveu o do vestuário. O que não dá é não resolver e ainda reclamar o tempo todo DOS OUTROS.

ps.: Que bom que vc tem opção de roupa aí. Eu tenho menos, mas não reclamo não. Não queria estar morando fora do Brasil. Aos poucos vou me encontrando por aqui mesmo. Hoje esto atrás de um patiala salwar (roupa indiana) e tá difícil sem importar. Mas não posso querer tudo ao mesmo tempo.

Bjs

Morgana disse...

Quando algum homem quer criticar uma mulher mais magrinha, quase sempre usa o "argumento" de que homem quer é carne para pegar.

Ou seja, dane-se se você ama seu corpo ou não do jeito que ele é, quem tem que julgar o que é certo para seu corpo é quem talvez queira pegar suas carnes.

É magricelinha e quer receber um carinho em alguma região do seu corpo que tem ossinhos mais aparentes? Não, tem que ser gostosa pra terem onde apertar.

Lamentável.

A.H.B. disse...

Eu: você realmente não entendeu nada, ou está se fazendo de desentendida para criar caso.
Nem vou descutir com alguém que é francamente machista.

Anônimo disse...

"NUma vez que fui ao Rio, um mendigo bêbado que passou por mim me chamou de feia. Haha. Ele tava certo. Eu tava feia mesmo. Mas quem tava melhor: eu ou um mendigo bêbado? Ele pelo menos me viu e falou comigo. E ele? quem teve a pachorra de lhe dar um boa noite? Quem sabe que ele existe? Eu passei reto...Pois é..."

Caraca, vai ser preconceituosa, negativa, baixa e complexada assim lá longe!

Anônimo disse...

Sou beeeem alta e gordinha, já sofri muito por ser cobrada por namorado por ter que ser magra, ele mesmo dizia "Mulher tem que ser magra" e ele era beeem barrigudo e careca!Acompapnho o blog ha um bom tempo e confesso..se eu acompanhasse na época que eu tava com ele, já tinha terminado com esse energúmeno ha basntante tempo..

Prafalardemuseu disse...

Primeiro, eu adorei o texto. É bom porque tem gente que pensa que as magras vivem num reino encantado...

Realmente, o problema está na "beleza servil" aquela que é pra impressionar algum "avaliador" de padrão inalcançável.
Os mascús da rua vão achar defeto, lógico, eles não querem uma pessoa, querem um objeto para admirar e usar sexualmente. Mas não sei se digo besteiras aqui...há um estágio de realização pessoal em que você passa a ignorar sabe? você acha um foco, mas esse foco não é eterno, lógico...quando ele é abalado nós passamos a focar em outras coisas como essas cobranças inalcançáveis e com finalidade de servidão, escravidão...os padrões existem sim, o branco do comercial do sabão em pó que nunca é alcançado, a escova de dente decepcionante do comercial etc...tem uma charge que eu simplesmente adoro em que o dentista pergunta "porque você escolhe sua escova pela cor e não pelos benefícios?" e a moça responde: "porque eu estou pagando!" hahaha

Os padrões nos fazem sofrer quando eles são nosso foco, um exemplo é o modo como fico deprimida com férias super longas. Seu corpo é apenas o suporte da sua personalidade, ele precisa de uma manutenção que te deixe suave, feliz, leve consigo mesmo e NÃO QUE TE TORNE UM ESCRAVO.

Anônimo disse...

Eu era muito magra quando criança e adolescente. Magra mesmo. Minha familia vivia me aterrorizando; avós, tios, etc. Nunca ouvi um elogio do meu pai. Elogio no sentido físico. Nunca. Até hoje. Bem, hoje não me faz mais falta, mas todo o mundo sabe o quanto o olhar dos pais é importante na formação da identidade da criança. Meu pai, ao invés de elogiar, só me chamava por apelidos humiliantes do tipo "pau de virar tripa", "jararaca", "puro osso", etc. Não é preciso dizer que minha auto-estiva vivia abaixo do cocô do cavalo do bandido.
Com os anos, ganhei alguns quilinhos e trabalhei minha auto-estima. Mas continuo ouvido muito comentário maldoso. Muito mesmo, sobretudo de colegas no trabalho. Em uma festa de final de ano, eu estava me achando bem, com um vestido legal, o cabelo bonito; puxa, não sou feia, sou apenas magra. Então uma colega que não me via há um tempinho, veio me perguntar como estava a vida, se eu estava de namorado. Eu sorri, disse que estava tudo bem, mas que não, não estava namorando. Ela imediatamente soltou a seguinte frase "Também, magra desse jeito, quem vai te querer?" É apenas um exemplo.
Minha filha puxou a mim e ao pai, que também é magro. Ela tem 12 anos, não quer ir na piscina, não quer usar short, no maior calor só usa jeans e camisetas largas. Lembro de um médico em que a levei no ano passado. Ele olhou para ela e disse coisas do tipo "Mas que magrinha!!! Você não come??? E branca desse jeito??? Você não está anêmica??? Vamos fazer um hemograma!" O que ela já ouviu na escola, também não foi pouco.
Então, assim como a autora do post, não quero concorrer em sofrimento com ninguém. Sei perfeitamente que as pessoas gordas são bem mais discriminadas. Mas que a sociedade é muito cruel com qualquer um que estaja fora do padrão, ainda que perto dele, é um fato.

E essa criatura desagradável "Moema ou eu"... Sai pra lá, encosto!!!

Lili disse...

Eu tenho 25 anos, peso 46 kg - 163cm e sempre fui bem magra com ossos salientes, mas com "as curvas", como supostamente seria esse padrao. Desde, pelo menos, meus 12 anos eu sempre ouvi de pessoas próximas, familia e desconhecidos todo tipo de apelidos e insultos, ou a relacao do meu peso com alguma doenca. E eu ouvi muitas amigas dizerem na epoca de colegio: -ah, vc é bem magricela mas pelo menos vc tem curvas-. Elas teriam um "corpo normal", mas queriam ter mais cintura, peito...
É claro que essa violencia psicologica deixa quanquer um inseguro, ainda mais quando se é jovem e ainda nao definimos nossa identidade, mas pelo o que eu percebo é que praticamente todas as pessoas passam por isso de alguma forma, por ser gordo, magro, timido, por algum traco etnico... tudo é motivo para ver defeito em outras pessoas quando a gente nao se aceita. Isso serve pra gente se sentir melhor que alguém.
Eu tenho uma ótima saúde e hoje em dia eu gosto e respeito meu corpo como um todo. Nao é uma parte do meu corpo que eu deixo em evidencia que vai representar a mulher que eu sou. Eu penso que toda graca das relacoes humanas é que nós somos diferentes no fisico, no estilo, nas atitudes e pensamento, é o que faz cada um especial. Entao pra que insistir que existe um padrao de beleza? Isso só traz mais inseguranca... nos compararmos com o outro como se fosse uma corrida para a perfeicao.
Eu nao considero Gisele Bündchen ou Angelina Jolie padroes de beleza porque sao magras, elas usam a imagem delas como profissao e sao muito bem sucedidas e antes de serem famosas, também sofriam bulling. Nao é só porque alguem se da bem na vida e é feliz com o que tem, que se a gente for igual vai se dar bem também. Eu as acho essas mulheres lindas, mas tambem sao minhas irmas e amigas. Se a gente por um momento parasse de procurar defeito em nós e nas outras pessoas e comessássemos a nos apreciar um pouco mais, muita dessa paranóia acabaria.
Mudanca é de dentro pra fora.
E, pelamor, se a gente ama e respeita as pessoas, sempre haverao quem nos ame pelo que a gente é.

LisAnaHD disse...

"As críticas deixariam de ser um problema se vocês apenas deixassem de se importar com o que os outros pensam." --PDD 19:32

Juntando o que eu destaquei da abertura do post (LoLa) mais o acima e temos o texto necessário pra trabalharmos a cabeça, pelo menos no que o assunto do guest post trata.

Eu disse...

EU,
Você tá pegando pesado, sabe? Quem sabe se vc postar um comment dizendo sua altura...(Lisana)


Lisana, não se preocupe comigo. Você tem sua agenda e eu tenho a minha, viu, flor? Não devo satisfações a você da mesma forma que ninguém aqui me deve nada.
E já sou bem grandinha prá me entender com a Lola diretamente, tá? Cuide da sua divertida vidinha.

Polêmica é uma via de mão dupla.
Quando um não quer...

Não vou dar depoimento sobre a minha experiência aqui. Como vc e a Lola disseram no post sobre o casal Beckham, e eu acredito, aqui é reduto feminista e ninguém está interessado em dicas de dieta, certo? Isso, pelo menos, eu aprendi. Você viu que até minhas fotos de antes e depois incomodaram né? Pois é.

Como estão as rodadas de sorvete de balde? Tem de cranberry?

Bjs

Beatriz disse...

Ai gente sabe o q eu acho um saco? Quando vc tem q viver pra alguma coisa pq é "o padrão", sabe? Eu sou totalmente a favor da liberdade: se vc acha válido viver pra fazer dieta, faça. Acho válido se vc fizer por vc, não pq rola pressão social.
Eu me preservo o direito de achar q esse modo de vida existe por razões machistas q passam longe da boa saúde, mas nunca que vou falar isso pra pessoa se não for solicitada. Faço essa crítica em espaços apropriados para isso, como um blog feminista. É questão de respeito a individualidade do outro. E não suporto simplismo, estereótipo, whatever. Eu por exemplo sou feminista, critico a ditadura da beleza, e me exercito diariamente. Eu corro todos os dias, malho, e faço dança desde criança. Motivo? Amo exercício. Tenho uma profissão desgastante, sempre estudei muito, é meu momento de relaxamento, fico ansiosa pela hora de ir para a academia. NÃO PRECISA ser uma neura pra ser de um tipo físico específico. É insuportável viver pirado por essas coisas. Acho indefensável.

Carol disse...

É bem complicado alguém crescer com uma cabeça legal qd se é cobrada a ter uma aparência perfeita full time. É como se todas as suas características só fossem válidas se vc fosse bonita (e o q raios é ser bonita? isso nao é subjetivo?).

O ponto é: nós não devemos explicação pra ninguém. Não interessa nossa aparência, saúde, whatever. É problema nosso e de mais ng, e se alguém se meter e vc não gostar sinta-se livre pra mandar tomar no toba.

É um pouco além de não se importar com o que os outros pensam. É deixar bem claro que eles não têm o direito de manifestar o que pensam sem ser convidados.

♪Sueli Alves♪ disse...

Isso de padrão me faz lembrar eu e minhas "muié" (como eu chamo minhas amigas kk).
Somos em 3:
A primeira: Negra, com traços indígenas, cabelos crespos (mas que muda sempre, uma das insatisfações dela é o cabelo), Magrinha, cintura 36, bumbum de coração de cabeça para baixo #drrayfeelings, maaaaaaaaaaaaassss sempre reclama que tem as pernas finas. Que bonito pé mulher com coxona.
A segunda é branca, cabelos lisos, peituda (padrão?)... Que nada! Não tem cintura fina e nem bumbum empinado.
As duas sempre fazem sucesso com os meninos, mas nunca estão felizes, POR CAUSA DO MALDITO PADRÃO.
Num vou dizer que tem dia que eu não reclamo, ainda mias dos quilos adquiridos nessas férias, mas graças ao bloguinho e ao feminismo, estou lidando melhor com isso. Bêj e boa noite para tod@a lind@s comentaristas daqui.

yulia2 disse...

''E se estivesse olhando, qual o mal?E se ninguém olhasse prá ela, ela ia gostar? Ia não.''

a eu moema como toda machista pauta a sua autoestimapelo olhar masculino, se o cara não olhar ela é bem capaz de se deprimir.
eu não meça as pessoas pela sua régua ,não é porque vc tem
essa mentalidade que todas as mulheres do universo, também
tem. fale por vc. Mas pera ai...Agora entendi porque todo aquel discusfo fanático religioso na gordofobia....vai ver vc emagreceu para voltar a ser olhada....huum, quando vc não
era , estava deprimida? ahannn elementar meu caro utson..


''Ser cego ao privilégio masculino é reforçá-lo.''

correto.
quem quer ser alienada que seja , mas por favor nos poupe da verborragia validadora pseudo descolada do tipo ''ai que legal eu e minha filha somos olhadas como pedaço de carme'' e isso é tão mara.... porfavor!

LisAnaHD disse...

MOEMA,
Não vi suas fotos de ANTES e DEPOIS. Sou mais interessadas em palavras do que em fotos... tantoa é que sou mais dada a ler livros do que ver filmes.

LisAnaHD disse...

Nunca pensei que mulheres em pleno século 21, qdo podem estudar o que bem entendem, têm mais independência financeira que as mulheres de 50 anos atrás, enfim nunca me ocorreu que essa moçada jovem e saudável pudesse ter tanta perrenga com o visual... Minha gente, acorda ou à corda... sempre ouvi dizer que mulher se veste pra outras mulheres e acredito que seja isso mesmo, pois homem não é dado a reparar e comentar em tanto tititi... pra mim quem põe complexo na cabeça da mulher é outra mulher... em muitos dos casos a própria mãe... mas não exclusivamente.

Bem sei do que falo pois meu marido é 12 anos mais jovem do que eu... entre ser enfermeira ou ser babá, fico com a segunda opção... e o enfermeiro vai ser ele... rs.... qdo namorei cara 15 anos mais velho do que eu, era fogo aguentar a ciumeira.

Anônimo disse...

Φόβος - A pior coisa que existe no mundo é a machofobia também chamada de koerichfobia das feminazistas.

Phobos, o nobre filho de Ares e Afrodite veio ao mundo para colocar ordem nas coisas. Ares é o deus da Guerra e Afrodite a deusa da beleza e do amor.

A guerra é a expressão máxima do amor humano e a fobia é a nossa forma de demonstrar nosso amor pela preservação da criação. A raça humana é fortalecida pela guerra, a paz enfraquece a raça. Isso está escrito no Mein Kampf.

A homofobia é essencial para garantir a segurança das crianças, a gordofobia é uma arma contra as feministas, a magrelofobia é uma defesa das feministas que não controlam a balança.

Em tempos de ameaça nuclear uma guerra pode significar devastação total, por essa razão a guerra entre as raças foi substituída pela guerra entre o homem e a mulher.

O mundo foi feito apenas para aqueles que vieram ao mundo para passear. Artistas, famosos e ninguém mais. O resto é tudo enchimento social para trabalhar pelos nobres da elite.

O mundo é dos bonitos, bem formados, dos que tem berço e tem cultura.

Apenas 2% da população mundial merece o título de cidadão a passeio o resto é choradeira dos excluídos e excluídas. O choro é livre, porém os nobres sempre dominarão pois isso é a vontade dos Deuses.

Juli disse...

Blanca, parabéns pelo ótimo post!


Sobre o bingo da beleza ideal, mencionaram aí as axilas sem manchas... o que me lembrou, vocês já viram a propaganda nova da Dove sobre isso? Ela começa com a seguinte frase, em destaque, naquele fundo branco que eles usam: "Axilas escurecidas são UM PROBLEMA REAL". Porque a gente não tem mais do que reclamar, né...

LisAnaHD disse...

"O choro é livre, porém os nobres sempre dominarão pois isso é a vontade dos Deuses."

AhAhAh!!! acima da vontade dos Deuses está a vontade do Deus maior: JEOVÁ, o Deus dos Exércitos, e com esse ninguém pode! E qdo o Deus Filho --Jeová Jr.-- voltar, vai acabar a choradeira geral.

Sara disse...

Eu fui adolescente muito magra em uma época que a Twiggy era o padrão de beleza, pra quem não sabe, perto dessa modelo até a Gisele Bunchen seria considerada gorda rrrsss, mas entendo o que Blanca colocou, embora eu fosse magerríma eu sempre tive quadris mais largos e seios grandes, mas mesmo assim usava mil artificios que beiravam ao ridiculo para parecer mais gordinha, como usar duas calças compridas uma por cima da outra, nunca fui muito fora dos padrões mas como todas tb tive minhas inseguranças e tenho até hoje, mas aceito isso, e acho q lido bem com esse assunto, porque gosto de mim mesma.
Não sei se serve de consolo mas para as que são muito magras na adolescencia, na fase adulta isso acaba se revertendo, mais ainda depois da gravides, eu que tomava um monte de vitaminas e comia até sem ter vontade, hj ja tenho preocupação em não engordar demais.

LisAnaHD disse...

Minha Luta (Mein Kampf)
Adolf Hitler
http://radioislam.org/historia/hitler/mkampf/por/por.htm#5

(se alguém quiser ler o texto em português)

luciana mendonça disse...

as vezes parecia q eu tava esnobando,mas ja passei um periodo muito magra e foi bem cobrado!Nem meus pais e irmãs me davam sossego.Achavam q eu devia fazer exames de sangue, ver se tinha contraido diabetes ate. Engordei 3 kg e ja me deixaram mais sossegada.Pessoas do FB chegavam a comentar em meus álbuns o qto eu estava magra. Me dediquei a comer mais por um tempo, até ganhar estes 3 kg e parei de correr ( coisa q gostava mto)Se eu correr, perco meus 3 ou mais kg!

luciana mendonça disse...

esqueci de dizer: não tenho peito "suficiente" tbem!

Eu disse...

vai ver vc emagreceu para voltar a ser olhada...(Yulia2)

Ahhh, Yulia, querida. Se eu chegar aqui e disser que estou me divertindo com a azaração, eu sou execrada. Mas se eu simplesmente contar que sou olhada mas que me sinto muito mal e vítima do machismo, aí sim. Digo o que eu quero de forma a ninguém ficar com inveja, já que estou 'sofrendo' tanto...rsrs

Coisa parecida relatada num guest post lá atrás, de uma pessoa que fez lipo, remodelagem dos seios abdominoplastia prá obter visibilidade outra vez. Até aí, tudo bem. Ela admite mesmo o objetivo de entrar na faca. Ficou com tudo nos trinques, magrinha, tudo no lugar. Ela ficou feliz? Ficou sim, mas não pode dizer.
Ao invés de partilhar a felicidade, desfilou um vale de lágrimas, cicatrizes imensas e escuras, pós-operatório excruciante, não poder ir à praia (maiô está fora de questão)...se ela não fizer isso, vem uma que nem você e joga na cara dela o que vc jogou na minha ou coisa pior.

Esse é o joguinho que eu conheço bem. Tive uma amiga muito bem casada, muito bem de vida, cidadã do mundo, mas só ligava prá mim prá contar desgraça. Sabe cumé, desgraça angaria simpatia, né, fia?

Eu disse...

Luciana, às vezes eu faço isso tb. Se eu desconfiar que emagreci sem razão, faço logo o teste de comer mais um pouquinho prá ver o que acontece. Assim que ganho peso, fico sussa e entro de novo no peso que eu fixei.

Quer perder seus 3kg? Perca sim. Quem fixa o seu peso é vc mesma. Só não escolha um IMC abaixo de 19 +/- porque a gente precisa de uma reserva de gordura corporal, viu?

Bjs

Mel disse...

Magra, porém com curvas.
Gordinha, mas sem barriga.
Com peito, mas sem ser caído.

Perca de tempo achar que precisa mesmo fazer parte de algum destes padrões.

Tem tanta coisa legal para ver/fazer/sentir na vida! Porque colocar energia nisso?

Victória disse...

Estou no mesmo barco das magras não curvilíneas. Os homens simplesmente não me enxergam, provavelmente acham sem graça. É brabo, viu.

Victória disse...

Tenho mais itens para o bingo do padrão de beleza!

- Narizinho pequeno e arrebitado
- Olhos grandes
- Olhos claros
- Traços delicados e harmônicos
- Braços finos
- Bunda arrebitada
- Seios firmes
- Pés pequenos (item que geralmente nem as modelos conseguem ter)
- Mãos pequenas
- Pele sem sardas e manchas

Que mais?

Beatriz disse...

Hahahahah é! E nem assim tem jeito viu Victória! Eu tenho olhos grandes e claros (são verdes) e advinha, sofri bullying a infância e a adolescência toda pq diziam q tinha "olhos de peixe". No meu caso, nem reclamo pq na vida adulta acabou totalmente e hj em dia sou elogiada por isso. Maaaaas todos sabemos q zombaria na adolescência muitas vezes é td q se precisa para criar inseguranças até mesmo patológicas. A verdade é q nunca nada está bom, as pessoas nunca vão ser unaminidade e sempre alguma coisinha vai estar fora do lugar. Então pra que se importar?

Prafalardemuseu disse...

Ai gente, se você tem personalidade vai atrair gente com personalidade.

Quando eu tinha aquelas crises de identidade na adolescência (se bem que ainda sou uma adolescente rs) eu pensava em quais mulheres eram meu referencial pra vida? o que eu queria era ser como elas, por admiração e essas mulheres não pareciam em nada com as das revistas, mas por algum motivo elas eram lindíssimas pra mim, até fisicamente! Como eu queria estar com elas, ser como elas, ter a família parecida com a delas! É assim que somos, nos espelhamos em algumas pessoas, somos seres sociais oras!

E desde que comecei a me espelhar em mulheres de verdade, eu achei vários focos e comecei a ser feliz, e o melhor de tudo é que aí as pessoas a sua volta começam uma relação de admiração e respeito e você passa a ignorar as críticas destrutitvas e a se sentir realizada, linda, feliz (mesmo fora dos padrões) o que eu vivo dizendo é que mulher da vida real tem que ter personalidade! Sua beleza é de dentro pra fora, quando você tem auto-estima passa a se cuidar do seu jeito! seja lendo um livro, fazendo uma caminhada, ou comendo sorvete, fazendo dieta. Cada uma acha o que gosta!
Insegurança vem? claro! somos pessoas! mas você decide se vai alimenta-la ou não.

Zeca da Academia disse...

Ai galera, vou passar uma dicas:

Magra não significa sem gordura. Tem muita magrela anoréxica que tem alta porcentagem de gordura, enquadrando em obesidade. Isso é resultado de pouquissima massa muscular e muita gordura devido alimentação errada.

Mulher fica bem com 15% a 20% de gordura. Com 15% de gordura aparece as marcas laterais do abdomen e fica bacana. Mas se perder mais para ficar com abdomen trincado (tanquinho) ai perde bunda e murcha os seios. Não fica legal. Se passar acima dos 20% ai fica com cara de gorda.

Mulher de braço fino não é legal, isso é muito mais um conceito feminino do que masculino. Geralmente as mulheres obesas tem o braço gordo e por isso grosso vira sinônimo de gordo. Porém as garotas que socam peso e ficam com o braço e ombro musculoso fica muito tesão. Pode ver que as mulheres corpudas gostosas costuma ser braçudas. Braço grosso em mulher magra é tudo de bom.

Mulher magrela tem que abandonar treino aeróbico, mulher magrela tem que socar peso e fazer um treino animal, hipertrófico. Tem que sentir dor e gemer no ferro. Não falha. Pode ser um ano, dois anos, no máximo 3 anos. Mas que fica um tesão isso fica mesmo.

Se tiver pressa, uma oxa um stano ajuda muito. Recomendo pegar receita e acompanhamento com uma ginecologista que entenda de malhar pesado com anabo.

PRESTA ATENÇÃO NISSO: o maior erro das mulheres é achar que não deve ter músculos. Sem músculos, sem metabolismo. Ou seja, gordura e aparência de doente.

VANTAGEM: uma vez que ganho músculos fortes é para sempre, basta manter com uma rotina leve.

SUPER VANTEGEM: velho musculoso cai menos, quebra menos osso, morre menos de acidente doméstico. Isso é fato.

DICA DE OURO: HIPERTROFIA, soca peso nessa porra mulhereda!!!!

Prafalardemuseu disse...

Quando a minha geração passar a se espelhar em mulheres de verdade, as que não recebem para cuidar do corpo, ou ao menos entender que não precisam de tudo aquilo...o conceito de auto-estima vai dar uma virada. Minhas "crises" são baseadas em coisas consideradas fúteis (carreira, país, amigos) em detrimento de uma coisa considerada tão importante (aparência impecável a qualquer preço). Eu acho que algumas coisas estão meio trocadas! Não tenho nada contra atrizes, só que eu não sou uma, logo não ligo para "cobranças profissionais" travestidas de padrão nacional.
Desculpa produção, mesmo que eu não te desculpe pelo estrago que fez em algumas de minhas amigas!

Carol disse...

"Mulher de braço fino não é legal, isso é muito mais um conceito feminino do que masculino."

Você tem noção que isso deve ao fato do SEU GOSTO PESSOAL certo? Eu particulamente acho mulheres de braço fino e beeem magrinha uma graça, se eu pudesse eu teria os braços bem fininhos.

Zeca da Academia disse...

Carol

Gosto pessoal por mulher braçuda não tão isolado assim, eu diria que é um gosto masculino. Veja as fotos de mulher pelada da década de 40, da década de 20, essas fotos preto e branco que estão na categoria Vintage dos sites pornôs.

As mulheres são braçudas e tem abdômen redondinho. Nessa época o padrão de beleza era a força e uma gordurinha indicando que comia bem e estava saudável sem doença.

Veja as mulheres que hoje são consideradas bonitas, Panicats, BBB, ex-BBB, atriz pornô. São todas mulheres musculosas com ombro e braço bem forte.

As magrelas, sacos de osso com braço fininho é coisa desses homossexuais que escolhem mulheres cabides para pendurar suas criações de design em desfiles de moda.

Macho gosta de mulher forte. Homossexual não gosta de mulher, jamais eles poderiam ditar o padrão de beleza, essa porra de anorexia é uma doença gay injetada nas mulheres para eliminar a concorrência.

Você gosta de mulher de bracinho fino....??? Que porra é essa. Você é mulher que gosta de mulher, você tem é que gostar de macho e ser uma mulher de verdade.

Quando as coisas inverterm. Homem gosta de homem e tem horror de mulher. Mulher gosta de mulher e tem horror de homem. Nesse momento de inversão é que vem essas coisas ridículas que só servem para destruir os valores humanos.

Victória disse...

Ok,

Padrão de beleza - opção 1:
- Braços finos

Padrão de beleza - opção 2:
- Bração musculoso, tipo Gracyanne Barbosa

Ai, eu me divirto rs

Prafalardemuseu disse...

Polêmica é uma via de mão dupla...


Não alimentem o troll....etc...não deem ibope ao que não é construtivo. ao que generaliza...etc...

Liana disse...

Eu nunca disse que uma mulher magra não seria hostilizada em algum momento, oq seria ingênuo da minha parte. Ressaltei o óbvio, ela será menos hostilizada se for magra, branca etc, etc, etc. bjs a todos!

Eu disse...

Veja as mulheres que hoje são consideradas bonitas, Panicats, BBB, ex-BBB, atriz pornô. São todas mulheres musculosas com ombro e braço bem forte. *

Só ficam bem em roupa de ginástica.

Andam parecendo estar c****do.

Elegância zero.

Eu é que não quero me parecer com panicat nem atriz pornô, ex-BBB...kkkk Prefiro parecer com a Inés de la Fressange.

BTW, alguém é servido de um maravilhoso ratatouille? Comida de magra, eu sei, mas eu pus um queijinho ralado. Comme il faut!

Janaina disse...

Caramba, eu sempre fui curviínia, agora não tão magra mas sempre me achei inadequada!!!! era uma criança magra mas me achava gora, oh mundo cruel!!!!

yulia2 disse...

Eu, vc gosta muito de falar ou melhor de criticar pessoas gordas ou que não gostam de ser olhadas como tripa de carne na rua , mas não gosta de levar resposta. Vc deitou e rolou na outra pasta falou o que quis e pode ter certeza que vc magoou muita gente gratuitamente (não estou inclusa, porem teve gente lá sim que se magoou) mas vc não se importou com isso, vc foi deitando o palavrório e agora vc reclama de ouvir? eu joguei na tua cara o que? Foi vc que expos a sua vida para todo mundo.

''Ahhh, Yulia, querida. Se eu chegar aqui e disser que estou me divertindo com a azaração, eu sou execrada.''
'' Digo o que eu quero de forma a ninguém ficar com inveja, já que estou 'sofrendo' tanto...rsrs'

Não eu, o seu comportamento não desperta inveja e muito menos vontade de execrar...
desperta pena mesmo. È muito difícil ter inveja de uma pessoa que se pauta pelo corpo para se sentir alguém. Eu invejo a Lola que não precisa de nada disso para levantar da cama como parece que que vc (moema) precisa de forma desesperada. Mas vc faz e pensa o que quiser, ainda bem que (eu sou eu) com a mentalidade que eu tenho e não tenho a menor vontade de pensar diferente e menos ainda de pensar como vc.
Agora não se iluda, vc está num blog feminista e se vc veio aqui com o propósito de exaltar muitas coisas do machismo, generalizar como se todas tivessem que gostar disso e sim vc vai ouvir respostas das quais vc não vai gostar, aprenda a conviver com isso sem choradeira.

yulia2 disse...

''Macho gosta de mulher forte. Homossexual não gosta de mulher, jamais eles poderiam ditar o padrão de beleza, essa porra de anorexia é uma doença gay injetada nas mulheres para eliminar a concorrência. ''

homofobia detected....

Shishiu disse...

Quanto mais leio os comentários de "Eu" mais penso em uma receita que os sábios lá do Recôncavo Baiano aconselham para gente assim, com dificuldade de entendimento e a mente fechada: sente em uma trojoba e enfie outra no céu da boca. Rebole e não cuspa.

Posso falar por experiência própria que o remédio funciona que é uma beleza, a pessoa sai com a mente aberta (não só a mente) e sem cara de nojo. Já fiz uso e recomendo.

Daní Montper disse...

O que esperar de alguém com nick tão egocêntrico? Eu destila todo tipo de preconceito aqui, então acho que ela está bem dentro do padrão vigente, dentro do que se é esperado.
Acredito que perdem tempo respondendo-a, mas é apenas minha humilde contribuição de hoje - nada a ver com o tema, desculpem.

yulia2 disse...

trojoba...heheheheh

Beatriz disse...

Daní Montper, eu meio que concordo com vc nisso de não responder viu... para mim já entrou na categoria troll.
Para fazer uma análise bem simplista, eu acho que ela é daquele tipo de pessoa q não tem uma coisa em que se dê bem e realize fora da questão aparência ou vida doméstica sabe? (digo isso um pouco pq, pelas coisas do universo dela q ela deixa transparecer nos comentários, dá pra ver q é bem restrito) Uma carreira legal, uma vida acadêmica ou escolar, um hobby, vida social movimentada, coleção de alguma coisa... qlqr coisa fora desse âmbito em que ela se considera bem sucedida. O sucesso dela é estar magra. Então, se alguém contesta a validade disso como parâmetro de sucesso, ela se põe a defender com unhas e dentes a "conquista" dela, e a diminuir o outro para se "elevar".
Conheço algumas pessoas com esse padrão de comportamento e posso garantir que não vale a pena discutir. É uma coisa muito tensa que tem a ver com complexo de inferioridade e auto-imagem. Fica sendo tipo gritar com a parede.

Daní Montper disse...

Beatriz, não pretendo fazer análise sobre ela, apenas digo para não responder porque acho que assim teremos menos comentários dela por aqui para lermos, estes que sempre são carregados de preconceitos, de todo tipo, e que só aborrecem e não trazem reflexões, porque nos parece o tipo de gente que não quer rever conceitos, dialogar, aprender, trocar, está aqui para marcar um território - sei lá porquê, e muitos dão crédito, e os comentários vão piorando...já deu.
Não dá para exigir que a Lola exclua os comentários dela porque não são ofensas diretas, ela pensa e age como a maioria das pessoas pensam e agem, está apenas dentro do que é esperado, então o que a gente pode fazer para evitar de lê-la quanto menos possível é ignorá-la, talvez assim ela compreenda que não, ela não é nada legal como acha que é.

Enfim, desculpe desvirtuar o tema, Lola e Blanca, ainda mais porque não costumo fazer isso, de criticar usuári@s, mas acho que ela precisa descer desse local em que se pôs.

Beatriz disse...

Sim sim Dani, acho q vc está absolutamente certa. Entendi de não fazer a análise, fui eu que quis fazer mesmo pq... bem, eu nem ia postar nada a respeito, mas estava com essa opinião engasgada e escapou. Acho até um pouco mesquinho da minha parte (como disse, é uma análise bem simplista e superficial), mas como a Yulia diz q rolou gente ficar ofendida e tal, pensei q pudesse talvez fazer alguém desencanar. Bigmouth strikes again.
Pronto, acabei o assunto, boazinha xD

Sara disse...

Shishiu q catso é trojoba rrsssss????????????????

Mee disse...

Eu sempre fui magra, e sempre sofri com isso.
Meus pais viviam me levando à médicos, me fazendo tomar garrafadas nojentas com ovos crus e biotonico, me obrigando a comer sempre mais do que a fome pedia para tentar engordar. Na escola desde cedo eu era atacada, pelas 'gostozas' e pelas gordinhas, por ser muito magra... eu morria de vergonha do meu corpo, não usava shorts ou saias, nem roupas mais apertadas que pudessem ressaltar a magreza. Comprar roupas era uma tortura, ainda hoje consigo vestir tamanhos infantis... imagino que deve ser dificil para uma pessoa mais gordinha procurar uma calça e todas ficarem apertadas, mas também não é facil quando a única calça que te serve bem sai da seção infanto-juvenil, tem glitter nos bolsos e costura cor de rosa, especialmente quando você já passou dos 20 e não tem a minima vontade de parecer uma criança.
Hoje com 24 anos eu peso 48kg, distribuidos em 1.66m, não tenho peitão-coxão-bundão (mal tenho coxa/bunda/peito, na verdade) e estou muito bem, obrigada. Não foi fácil aceitar meu corpo como ele é, ainda mais depois de um acidente que além de muitas cicatrizes, me deixou com algumas limitações físicas: eu que antes tinha um corpo 'feio', passei a ter um corpo deformado.
Eu sei que não sou e nunca serei o que chamam de 'gostosa', nem quero ser, aprendi a aceitar minhas cicatrizes e meu corpo como ele é porque, afinal, ele é o MEU corpo. Se eu for passar a vida toda tentando seguir os padrões da mídia, sendo aquilo que as pessoas esperam que eu seja, pensando, querendo e fazendo o que a sociedade quer que eu faça/seja/pense... eu vou morrer sem ter vivido a minha vida, sem ter sido eu mesma. É claro que as pessoas não deixam de cobrar, não deixam de dizer que eu deveria engordar um pouco, fazer plástica nas cicatrizes, botar silicone, fazer isso, mudar aquilo bla bla bla bla. Minha resposta é um 'foda-se' educado: não, obrigada, estou muito bem assim.

Eu disse...

OFF TOPIC

Modelo desiste de desfilar de lingerie pela Victoria's Secret em nome da fé

Ser uma modelo da grife de lingeries Victoria’s Secret significa fazer parte de um seleto grupo, conhecido por Angels. Os “anjos” são, na verdade, embaixadoras da grife, pois participam de eventos para destacá-la. A modelo Kylie Bisutti, abriu mão de fazer parte desse universo para guardar seu corpo para o marido e “honrar ao Senhor”.

E entrevista ao à coluna Pop Tarts da Fox News, a modelo de 21 anos falou sobre sua decisão: "Ao evoluir minha relação com Deus e com minha fé, tive certeza de querer guardar meu corpo para o meu marido [?????] e de me tornar um modelo para outras mulheres que se espelham em mim”.
(...)

Desfilar de lingerie começou a se tornar desconfortável por causa de minha fé, afinal, lingerie não é roupa", disse.

http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/lifestyle/2012/02/09/293982-modelo-desiste-de-desfilar-de-lingerie-pela-victorias-secret-em-nome-da-fe

LisAnaHD disse...

Acho legal mulher com braços torneados, mas algumas mulheres vão longe demais... a mulher fica magra seca com os braços e ombros grandes parecendo homem e isso eu não acho legal. Acho legal um corpo bem torneado como eu mesma tive sem malhar em academia.... levantava meus pesos em casa, fazia exercícios como no tempo da Educação Física da escola... fazia Pilates duas vezes na academia e três vezes em casa... nos EUA Pilates é parte da mensalidade em academia, não é esse luxo como no Brasil.

Bem, eu fiquei ótima com o Vigilantes do Peso... na verdade emagreci apenas 8 quilos e com o peso excelente eu me bastava com poucas peças de roupas. Mas depois sei lá fui perdendo o pique pq meu corpo pedia mais comida, é como se meu organismo quisesse pesar mais sim, pois eu estava abatida com de 59 quilos para 1,64 e uma colherada atrás da outra... hoje estou aqui fora de forma, com quilos por emagrecer, mas FELIZ DA VIDA, apesar de muito pesar.

LisAnaHD disse...

Thai Commercial
Comercial Tailandês
http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&v=JOKej-pLoLc&NR=1

e a gente acha que tem comercial brasileiro escrachando a mulher...

☥ --- Carla V. --- ☥ disse...

LisAnaHD

Qual o problema se a mulher fica parecendo um homem? O objetivo primordial do movimento feminista é a igualdade. A mulher ser igual ao homem.

A mulher abandonou o lar e sua família, terceirizando o trabalho doméstico para uma mulher pobre com o objetivo de "se comportar igual ao homem empresário para usufruir da liberdade econômica".

A mulher pobre abandona o seu lar e sua família terceirizando o trabalho doméstico e a criação de seus filhos para uma mulher muito mais pobre do que ela com o objetivo de "sustentar o lar que não tem um marido" porque ele prefere rodar na mão das mulheres promíscuas sem compromisso.

A mulher converteu-se à promiscuidade com o objetivo de "se comportar igual ao homem para usufruir do direito de ser promíscua". E dessa forma convence os homens a não pensar em compromisso com família e abandonar o seu lar por uma vida devassa.

Portanto a mulher feminista só pode ser feliz quando é como vocês que frequentam esse blog. Com renda familiar superior a média nacional, com formação superior. Dessa forma é possível terceirizar a sua função doméstica.

Me responda:

Você tem uma empregada na sua casa?

Você tem alguém para cuidar dos idosos da sua família?

Isso é a terceirização capitalista.

LisAnaHD disse...

☥ --- Carla V. --- ☥
baxa a guarda, criatura... e tenha um bom final de semana...

Qto. a algumas das suas perguntas...

"-Você tem uma empregada na sua casa?
-- Um rapaz vem faxinar minha casa duas vezes por mês, no sábado ou no domingo conforme a conveniência dele.

-Você tem alguém para cuidar dos idosos da sua família?
-- Nos USA não tenho família idosa, mas no Brasil sim. Meu pai é semi-inválido e precisa de alguém pra dar banho nele diariamente e um enfermeiro cuida disso. Meu pai tb precisa de alguém pra lhe servir as refeições, levar-lhe um copo d'água e uma empregada diruna faz isso. À noite uma pessoa com prática de cuidar de idosos dorme na casa caso meu pai precise de algum socorro.

-Isso é a terceirização capitalista.
--E o que isso tem a ver com eu gostar de mulher com braços torneados porém não musculosos???!!! E de que forma meu pai ter cuide dele atrapalha outras vidas?"

Mais alguma pergunta? Eu prefiro que não, mas se vc não resistir à impulsidade de me importunar com sua impertinência, seja educada... deixe sua revolta pra quem te causou danos aos quais sou e estou totalmente alheia.

Roxy Carmichael disse...

é interessante observar que o padrão de beleza sofre algumas variações dependendo do país. certa vez vi na revista marie claire um ensaio fotográfico com mulheres que seriam o padrão de beleza de seus respectivos países. aqui no brasil, o padrão não é ser magra e sim, ser gostosa. o que em outros países, é considerado feio. ao menos o "gostosa" de outros países não é o "gostosa" do brasil.conheci muitos estrangeiros que ficavam chocados com as medidas dessas mulheres: as moças com coxas grossas, braços grossos, bunda e peitos enormes são uma particularidade bem brasileira e bem recente também. eu particularmente não posso dizer que gosto, mas me intriga, por achar iconoclasta. (mulher melancia é o exemplo mais clichê)
o outro ponto que queria comentar: é possível que, por magreza ser o padrão (das passarelas é importante ressaltar), as pessoas são menos gentis ao criticar as muito magras?como nunca fui gorda não saberia responder essa pergunta do ponto de vista dos gordos, mas já tendo sido muito magra tenho essa impressão. o que obviamente pode ser só uma impressão. mas quando eu era muito magra (a minha vida inteira até um ano atrás) recebia comentários de jovens, de velhos, de homens, de mulheres, pouquíssimos gentis e muitíssimo invasivos. pergunto porque sei que as pessoas costumam ser pouquíssimo gentis com os gordos também, mas acredito que tentem "disfarçar" mais o seu preconceito e tentam mascarar por meio do argumento da saúde, do que em relação aos magros, em que esses comentários são mais diretos. será?

Fefa disse...

Blanca,
Terminei lendo o post ainda com a ideia errada: ah, ela quer se igualar com o que sofre uma gorda, gordinha, cheinha? ...

Mas fui ler os comentários (ainda bem) e vc em um deles me fez refletir e mudar de pensamento, qdo escreveu que já ouviu os homens dizer: ah, mas tem que ter carne, tem que ter peito...

E eu acho que é por aí...no final, todas sofrem com o machismo, umas pq têm carne demais, outras de menos, outras pq são feias de cara e bonita de corpo...sempre há aquele comentário objeto que é o mais detestável de todos...

Obrigada Blanca, por me dar mais essa lição! rs

Eu disse...

as moças com coxas grossas, braços grossos, bunda e peitos enormes são uma particularidade bem brasileira e bem recente também.(Roxy)

Lamentavelmente, Roxy. Essas hipertrofiadas de hoje são as obesas de amanhã. Acontece com atletas tb.
Em breve veremos os resultados.

Eu disse...

A mulher abandonou o lar e sua família, terceirizando o trabalho doméstico para uma mulher pobre com o objetivo de "se comportar igual ao homem empresário para usufruir da liberdade econômica". (carla)

Isso é folclore, Carla. O trabalho doméstico SEMPRE foi terceirizado entre as ricas. Minha avó nunca coou um café na vida. Nunca trabalhou fora, não preciso dizer.

Sair prá trabalhar fora foi por outro motivo, qual seja, não ficar refém de marido/pai ou prá prescindir de cair nas mãos de um. Não foi prá se livrar de trabalho doméstico. Uma ou outra não tolera fazer nada. Nem cozinhar, nem limpar/arrumar. De modo geral, mulher que trabalha fora trabalha em casa tb.

Anônimo disse...

pronto, vamos ver se param de chamar a lola de magrofóbica. acho muito babaca quem fica pautando o corpo dos outros, dando a entender que alguém magro é anoréxico pelo simples prazer de se vingar das vezes que foi chamada de gorda. se eu fosse magra e me dissessem isso, eu desfilaria comendo chocolate na frente da pessoa ahahaha

agora, já q o tópico foi desvirtuado, queria dizer q a pessoa irônica q postou como privilege denying dude é genial.
é isso mesmo, é muito fácil dizer "vocês deveriam parar de ligar pra opinião alheia" quando a opinião alheia INVADE a sua esfera privada.

seja quando você deixa de ser contratada numa entrevista de emprego (http://delas.ig.com.br/comportamento/gordofobia/n1597613176098.html), ou é eliminada de um concurso (http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2011/02/professora-gorda-nao-deve-trabalhar.html).

seja quando um (só um?) imbecil passa na rua e te xinga. quando te tratam de forma rude, mesmo que você seja educada e gentil. quando você tá na fila passando suas compras e alguém comenta em voz alta "pq essa baleia não vai logo?" como se gente magra não fizesse compra de mês. etc

outro dia eu tava pensando no paralelo entre o street harassment e oq as gordas ouvem. é a velha necessidade masculina de dizer a uma mulher desconhecida oq ele acha do corpo dela.
o engraçado é q a gorda vai ouvir isso duas vezes: os q vão falar "gostosa/tesão/te comia toda/etc", oq todas as mulheres ouvem desde criança, e os q vão dizer "ô gordinha/vai gorda/baleia/bujao".

a questão é: o parecer sobre a gordura é quase sempre mais agressivo, feito aos berros. eu tenho muito medo de toda essa agressividade gratuita.
acho q vcs devem lembrar do rodeio das gordas ne? e isso aqui http://www.thisislondon.co.uk/standard/article-23758001-protect-us-from-abuse-says-woman-beaten-for-being-fat.do

é dificil explicar os pequenos atos de grosseria. tipo todo mundo assinando a chamada, na faculdade. chega na sua vez, algum garoto arranca o papel da sua mao e passa pros amigos, aos risos. vc pede, com educaçao, ninguem te devolve. vc tenta pegar de volta, eles riem e aí mesmo q n te devolvem. aí uma menina "bonita" pede e eles dão o papel a ela. e vc fica alguns segundos sem reação, pq se ela n pedisse, vc teria q ir fazer queixa pro professor pq n te deixaram assinar a chamada. o quão ridiculo é isso?

ou entao vc ta no ponto de onibus, e algum cara te empurra pra entrar primeiro, como se o seu corpo fosse um obstáculo, não uma pessoa. mas qd é uma mulher "bonita", ele espera ela subir antes. e qd é um homem, ele pode até não ceder o lugar, mas tb não empurra, com medo de apanhar.

uma vez um adolescente (negro, num ônibus indo para um bairro bem pobre) jogou uma lata de dentro do ônibus em minha direção, provavelmente pra chamar a minha atenção - não posso acreditar q ele queria de fato me atingir, embora corresse esse risco, já q a calçada era bem estreita - e quando eu olhei ele gritou "sai daí, gorda". tipo, pra que? pq? sera q é pq ele ja foi mto massacrado por ser negro e favelado? ele precisa descontar na gorda esse odio?

fora q no ambiente escolar, nem se compara a hostilidade q os gordos sofrem, é uma coisa de louco. tipo roubarem seu material escolar. colocarem tachinha na sua cadeira. acho q só gays muito "femininos" sofrem tanto. vão lá no blog da deborah sa pra ter uma ideia de como as pessoas são loucas.

enfim, tudo isso só pra dizer q quando as pessoas reclamam, elas tem razão. mandar engolir o choro e ignorar é endossar a violencia.

Ju Cavani Marcos disse...

Tenho um filho de 1 ano. Antes de engravidar tinha 48kg, 1,70, quadris e bunda "legais" (="nao reta") e pouco peito. Hoje tenho quase a mesma coisa: 48Kg, 1,70 os mesmos quadris e bunda masssss o pouco peito ficou menor ainda e um tiquinho caído!!!
"Nunca" tive problema em ser magra. Na minha infância ninguém me apelidou de Olívia Palito ou algo do gênero. Mas viver as transformações da maternidade (pouco peito > peito 3x maior > peito 1/2x menor) judiou. Pensei em colocar silicone, mas algo em mim dizia que eu iria me arrepender. E tem que ser assim mesmo, como falaram no post e em muitos coments: a opinião final tem que ser nossa. Da dona do corpo!!! Por sorte, meu marido gosta do conjunto todo.
Adorei conhecer o Blog! Gostei bastante das discussões geradas por aqui. Até fico orgulhosa por manter meu peito pequeno!!!

Roxy Carmichael disse...

anônimo,
acho que você respondeu a minha pergunta, obrigada. fiquei particularmente comovida com seu comentário. e realmente, calar-se é incentivar que essa violência se perpetue.

moema,
eu não sei se acho lamentável. penso que a idéia de feminilidade está muito associada à delicadeza, à fragilidade também física, não só psíquica (não que eu ache isso legal, é apenas uma constatação), então realmente me intriga que algumas mulheres possam se espelhar na mulher melancia ou na gracyanne barbosa (essa eu não sabia quem era, descobri hoje e acho que ilustra melhor meu argumento). porque existe essa idéia da mulher frágil ao lado do homem forte, e gracyanne barbosa e belo vão contra essa idéia e me parece bem interessante (por isso disse que apesar de pessoalmente não curtir essa estética, enquanto fenômeno cultural me chama a atenção pela iconoclastia, por ir contra o ícone da mulher frágil). mas ainda não consegui entender o que exatamente elas tão querendo expressar por meio desses corpos muitíssimo musculosos e grandes e nada frágeis. mas enfim, terei tempo para tentar encontrar uma resposta já que estamos perto do carnaval, época em que rainhas de baterias exibem seus corpos musculosos e nada frágeis.

um beijo e ótimo carnaval pra todas, gordas, magras, com peito, sem peito, com bunda, sem bunda, negras, brancas, balzacas, adolescentes, pós-adolescentes, mulheres de meia-idade, enfim vamo ser feliz!

Thata disse...

Um ex-namorado reclamava muito do meu emagrecimento (quando começamos a namorar eu tinha uns kg a mais, tinha um pouco mais de bunda, coxa) MAS sempre dizia que se preocupava com minha saúde. Minha alimentação é restrita (problemas intestinais), e quase nunca tenho tempo de cozinhar, assim, há períodos em que não me alimento bem. Entretanto, ele tem o vezo de fitar longamente os corpos de mulheres padrão (na vida real, na TV...). Falava pra ele que se não estava satisfeito, que fosse procurar o que lhe agradasse. Mas ele nunca assumiu que não se tratava apenas de "preocupação" com minha "saúde". Bom, por essas e por outras terminei com ele e estou bem melhor. Mas ainda sinto-me mal quando emagreço um pouco (perco tudo menos a barriguinha) e as calças nº 34 começam a cair.

Thata disse...

Interessantíssimo: relatou-se acima o fato de na Alemanha haver números menores que os nossos "P" e maiores que os nossos "GG" (as roupas devem se adaptar às pessoas reais, e não o contrário), e também que os homens na Suécia e Noruega (acertei os países?) não dirigem olhares violentamente invasivos às mulheres, muito menos comentários (diferente daqui, onde qualquer babaca, na rua ou em outros locais, se acha em pleno direito de esquadrinhar seu corpo, e, não satisfeito, ainda se acha no direito de invadir-lhe ainda mais ao emitir ruidosamente seu julgamento - negativo ou positivo).

Parece mesmo que é mais difícil ser mulher no Brasil.

Lembro-me de outro posto da Lola, no qual relatou a reação de uma mulher estrangeira (de algum país europeu) ao ver brasileiras a dançar funk/"é o tchan": imediatamente evidenciou-se a coisificação, a apelação.
Outra coisa: vi, num programa estadunidense em que dão ajuda profissional (psicológica) a recém casados (prov. no discovery h&h), um casal de pessoas gordas. A mulher gorda estava humanizada (claro que é exceção), com direito de exigir algo na relação, sentindo-se bem consigo mesma, amada e desejada - mas nuuuuunca vi isso na TV do Brasil.
Quer dizer, parece que até nos EUA, que são uma sociedade inteiramente dominada pelo consumismo e pela mídia, a cobrança de um padrão estético para mulheres não é tão intensa quanto no Brasil. Aliás, adoraria assistir a um telejornal apresentado por uma mulher idosa ou gorda. Quer dizer, na "nossa" TV, essas mulheres simplesmente inexistem, ou melhor, quando aparecem são mui frequentemente objeto de escárnio (programas "humorísticos").

Estou "viajando" ou isso faz algum sentido, car@s amig@s feministas?
(isso de no Brasil haver mais discriminação contra mulheres fora de determinado padrão estético/etário)

Anônimo disse...

eu acho q vc tem razao, thata. eu fico imaginando se haveria no brasil espaço pra ellen degeneres (com o jeitao "masculinizado" dela). acho q nao. e a oprah, q era negra e acima do peso? tambem nao.

temos a hebe, q é loira, magra, plasfiticada, mas é idosa. e só... todas as outras mulheres são jovens, magras, brancas, dentro dos padroes.

Kaila disse...

Postagem bacana.

Liana disse...

Muito bacana o post da Blanca.

A cobrança está por aí, estejamos ou não dentro do padrão vigente, sendo que as mulheres gordas sofrem bem mais com essas exigências. Essa questão da aparência física para mulheres ganhou uma proporção tal que é usada para nos passar a ideia de que somos menos humanas se não coubermos na fôrma, o que sobra pra fora nos desqualifica como pessoas e justifica as agressões que sofrermos, afinal a culpa é nossa se não conseguimos satisfazer as expectativas alheias. A "beleza" chega às raias de ser percebida quase como uma qualidade moral.

Concordo com o que a A.H.B disse sobre este ser um espaço para que todas as mulheres possam falar sobre suas questões. Já ouvimos de mais "cala a boca e continua (tentando ser) bonita".

Esse negócio de barriga pequena, cintura fina é mesmo uma exigência. Depois da minha gravidez eu não fiz nenhum esforço para "perder barriga", que ficou uns bons dois anos flácida, preferi esperar que meu corpo voltasse sozinho ao meu normal, se voltasse sei lá. E um bocado de gente lamentava isso como se eu tivesse perdido algo muito importante para a minha vida, para a minha felicidade. Ouvia dicas infalíveis de malhação, cintas que colocam até pensamento no lugar. Quando deixei bem claro que não estava nem aí para isso e que meu corpo se recuperaria sozinho da gravidez, parecia até que eu tinha traído alguém, essas pessoas não entendiam porque eu estava "fazendo isso comigo mesma". Aí eu ficava me perguntando qual era a relevância da minha barriga na vida dessas pessoas. Nenhuma, mas mesmo assim elas se achavam no direito de se intrometerem na minha vida pessoal, no meu corpo. São perspectivas de vida muito deturpadas e invasivas.

Mari disse...

Exatamente isso.

Mas enfim, o que eu queria falar é que esse negócio da barriga me lembrou o fato ocorrido com a Amanda Palmer, vocalista do The Dresden Dolls. Não lembro agora se foi ou foto do CD ou vídeo clipe que a gravadora censurou, pois ela não estava nos padrões de beleza aceitáveis para se mostrar.
Daí os fãs e ela começaram o movimento "reBELLYon", que era enviar fotos de barrigas dos fãs e etc para a gravadora, entre outras coisas. Muito legal.

LisAnaHD disse...

Pois é, Mari, hoje em dia pra ser cantor o visual tá contando mais do que a própria voz, algo totalmente descabido. Além da exigência da gravadora qto. à forma física, ainda tem essa de cantor se fantasiar pra toda e qq apresentação. Por essa e outras é que dinheiro meu não é gasto pra ver shows desses artistas... compro o CD e tá ótimo.

LisAnaHD disse...

Gosto muito da Ellen Degeneres e da Oprah. Me doeu muito qdo a Ellen foi banida da TV americana qdo, no auge do sucesso, ela se declarou gay. Quase acabaram com a carreira dela... ela ficou sem trabalho num piscar de olhos... mas qdo ressurgiu foi e está sendo com tudo. E Oprah, dona da O Magazine há mais de 10 ela mesma aparece na capa da revista e qdo quebrou isso foi pra botar Ellen Degeneres na capa. Aplauso.

Liana disse...

ahn eu acho que ficou confuso então só pra constar, a pessoa que postou como liana no dia 9 é outra. eu preciso mesmo acrescentar algo ao meu nick :) na próxima vai.

Eu disse...

Roxy, você acha que a intenção do estilo hipertrofiado das panicats e afins é apresentar uma mulher forte, até viril? Acho não, viu? Prá mim, a intenção é erotizar, pornografizar a mulher ainda mais. Mulher forte não tem que ter cintura fina, né? Nâo tem que ter busto com mais 1kg ou mais.
Bumbum dando volta no quarteirão...
Halterofilismo é uma coisa, hipertrofia de partes eróticas é outra.

Eu disse...

Agora tá bom/Eduardo, fiquei matutando seu comentário, pensando se devia responder ou não. Se vc estiver zoando, paciência, deve ter mais gente na mesma situação. Então vamos lá (Com a devida venia da nossa querida anfitriã, hehe).

Prá estar com esse problema de rugas/ressecamento acentuado em volta dos olhos, sua pele/olhos devem ser muito claros. Então, duas coisas:
1. óculos escuros SEMPRE (mesmo às 7:00hs da manhã com dia nublado). Tenha vários óculos escuros BONS.
2. tome menos sol possível E SUPLEMENTE VITAMINA D3. Não tomar sol não É ficar preso em casa. É só não deixar partes do corpo expostas o dia inteiro, pp no carro/luz natural direta dentro de casa, longas caminhadas no sol forte, lavar carro sem camisa/sem boné debaixo do sol a pino, essas coisas.
Quer ficar bronzeado?
Se informe bastante antes quanto aos horários, filtros solares, tempo de exposição, etc. Não está mais na moda pele rato de praia...:) Vai correr ao ar livre? Cubra-se e passe filtro solar BOM. Sol no rosto, NUNCA. NÂO queira se bronzear E exercitar ao mesmo tempo.

Alimentação: amigos da pele: iogurte integral, óleos bons (coco, gergelim, azeite extra virgem), sem abusar, colágeno (gelatinas, músculo, etc), beta caroteno (vitamina A sintética não deve ser tomada simultaneamente a vitamina D), tudo via oral.

Inimigos da pele: AÇÚCAR, ÁLCOOL, FUMO, SOL, AR CONDICIONADO.

Lâmpada ultra-violeta, dizem que faz mal, que dá mancha. Eu sou morena (não negra) por isso não tenho uma mancha sequer nas mãos ou rosto, tendo trabalhado em escritório e tendo várias lâmpadas dessas em casa e já sou velha.

Procedimentos faciais: botox e preenchimento com ácido hialurônico. O botox prá não franzir, ácido hialurônico prá flacidez. Não vai tirar sua masculinidade. Pode tomar o ácido hialurônico via oral tb, mas tem que importar. Não faz o efeito do preenchimento local, é lógico.

Ginástica facial: não é o fim do mundo também não. Tonifica bem o rosto todo, pescoço, couro cabeludo...

Musculação: Dê um up nos seus músculos, postura, etc. Não precisa ficar com barriga tanquinho nem braço de lutador.

Você tá muito novo prá deixar cair a peteca.

Abç

Eu/M.

Anônimo disse...

Por que nos permitimos ser tão fortemente influenciad@s por padrões de beleza impostos pela mídia? É uma pergunta que me faço Lola... Pq eu tenho o costume de sempre pensar qual é a minha responsabilidade diante dos acontecimentos. A mídia impõe o padrão, ok, mas... e nós? Olha, eu sou da ala das magrelas, sou bem magra, sempre fui, sem peito, sem bunda, sem cabelão sexy (tenho cabelo crespo, castanho e ralinho dar dó...) e sem aquele 1,5 metro de diâmetro de ombros (coloquem no bingo...). Acrescente a isso: espinhas e poros super dilatados. Resumindo: apesar de nunca ter passado pelos problemas relacionados a sobrepeso e obesidade, não me encaixo no padrão imposto pelo establishment (na falta de nome melhor) por uma razão bem simples: o padrão é estabelecido para que o menor numero possível de pessoas nele se encaixe, de forma que a imensa maioria se veja obrigada a consumir mais produtos de beleza, mais procedimentos médicos, mais medicamentos, roupas, joias, etc. Eu sou um exemplo de um pouco disso. Há quinze anos, coloquei próteses de silicone, o que significou o meu encontro com a minha feminilidade (até então, de tanto ouvir piadinhas sobre - a falta de - peitos, eu me sentia totalmente fora do contexto feminino) e há cinco anos eu faço escova progresssiva e mechas, o que me garante cabelos lisos e loiros. Resultado: sei que há coisas não-naturais em mim, mas assim me sinto bonita e, apesar de ainda ter o lance das espinhas e poros dilatados e de ser bem magra, já não me importo com as críticas e comentários do tipo "não acha que tá magra demais?", "mas por que seca desse jeito, sabia que homem não gosta de mulher tão magra" (sou casada há 15 anos, de tanto ouvir esses comentários, cheguei ao cúmulo de pensar que meu marido, no fundo, não gostava do meu corpo, da minha aparência). Portanto: ser magra é apenas uma das inúmeras exigênciais que são impostas de forma feroz e impiedosa sobre nós... Por que aceitamos? Como fazer para não aceitar o padrão posto/imposto? São perguntas que me faço... Beijos

Eu disse...

Anônima, é só não seguir o padrão às cegas. Confie no seu discernimento.
Saiba a hora de parar. O padrão É ARTIFICIAL. É óbvio. Todo mundo de mega hair, implantes, corantes, fazendo lipo, suplementando...Não precisa fazer tudo. Ninguém se mantém no padrão mesmo de longe, sem lançar mão dos procedimentos, ou realçadores, nem que seja uma cinta modeladora. Vê se a própria Naomi Wolf não usa uma bela de uma cinta. Usa sim...
Aceite só aquilo que realmente vc não pode mudar e não a incomoda. Alguma coisa incomodou a VOCÊ, tente resolver.

Lembro da Xuxa pondo implante de panturrilha...rsrs

Bjs

Thata disse...

"Por que aceitamos?" (Anônimo)

Por 2 fatores conjugados:
1) Porque a pressão não é uma simples pressão, como a de usar calça de boca larga.
A pressão para mulheres enquadrarem-se em certos padrões estéticos é SISTEMÁTICA, GENERALIZADA, AVASSALADORA.
Mesmo tentando afastar-se disso, a pressão chega até você, por exemplo, mesmo desligando a TV, haverá as pessoas "bem intencionadas" lhe fornecendo conselhos gratuitamente (como vc msm expôs).
SOFREMOS ESTE TIPO DE PRESSÃO DESDE O MOMENTO EM QUE ABRIMOS OS OLHOS AO ACORDAR ATÉ ADORMECER NOVAMENTE.
A CADA SEGUNDO.
VINDO DE TODOS OS LADOS POSSÍVEIS.

2º) Também somos seres humanos. Portanto, seres sociais, isto é, que constroem seus ideais (no caso, estéticos) a partir do que está socialmente disponível.
A auto-estima depende (menos ou mais, conforme a história pessoal) de um mínimo de aprovação social.
Isso ainda é mais relevante no atual contexto porque (como disse acima) parece que no Brasil a estética padrão é pré-requisito para a mulher ser PESSOA (isto é, ser humano com direito a ser feliz, a ser socialmente reconhecida por suas conquistas, a ser tratada com consideração, respeito etc).
É contraditório porque, mesmo dentro da estética padrão, a mulher deve seguir certo comportamento (claro, nem assim é "livre") e é subestimada em qualquer área.
Este direito a ser PESSOA inclui tanto o âmbito considerado público (profissional, político, social - ex.: quantas piadinhas ouvimos sobre a aparência da Dilma, e quantas sobre a aparência de FHC?) como o considerado privado (familiar, afetivo e SEXUAL). E é neste último que o padrão imposto vem se tornando AINDA MAIS opressor das mulheres esteticamente "fora do padrão": é como se elas não merecessem ser sexualmente desejadas e/ou amadas.
Um fator que tende a abalar fortemente a auto-estima, ainda mais quando esta não pode ser calcada na realização profissional - desemprego, trabalho precarizado, terceirizado, informal etc, nem na atuação social/política - coisa que hoje quase ninguém mais sabe o que é).



Complementando a questão da especificidade do Brasil:

Tem um programa estadunidense (estadunidense!!!) "Talk Sex" em que uma apresentadora super idosa (competente, linda com suas rugas, desencanada) responde a perguntas sobre SEXO.

Queridas pessoas, isso seria INIMAGINÁVEL no Brasil!!!!!!!!!!!!

Lembro-me agora de apenas 2 programas: um é aquele
(baboseiras...) apresentado pela modelo Fernanda Lima, e outro é um quadro do Altas Horas, em que uma mulher de no máximo 35 anos, linda, curvilínea e tal, responde a perguntas sobre sexo.

Eu disse...

A pressão para mulheres enquadrarem-se em certos padrões estéticos é SISTEMÁTICA, GENERALIZADA, AVASSALADORA.(Thata)

E a pressão pela higiene pessoal? pelos níveis educacionais? Pelas 'realizações' profissionais, pessoais? Por sinais exteriores de riqueza? Pela vida social intensa?

Eu não faço unha. Nunca fui cobrada.

Thata disse...

E a pressão pela higiene pessoal?
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Essa foi boa.

pelos níveis educacionais?
Quem dera. Na Coréia tem isso aí.

Pelas 'realizações' profissionais, pessoais?
A única pressão comparável é a pressão para a mulher alçar aos céus da maternidade.

Por sinais exteriores de riqueza?
Hã? Brasil, desigualdade, já ouviu falar?

Pela vida social intensa?
Aff.. tá, vi isso no programa "Mulheres Ricas". Mas a filha de uma teve a opção de recusar sem a menor pressão.

Eu não faço unha. Nunca fui cobrada.
Também não faço unha. Até já fui cobrada, mas isso não é NADA comparável à permanente e diuturna avaliação/julgamento do meu corpo, ao INCÔMODO declarado de outras pessoas em relação a PARTES DO CORPO das mulheres que "perderam" a forma anterior, como relatado nos comentários acima.

A pressão para mulheres enquadrarem-se em certos padrões estéticos VEM DE TODOS OS LADOS, é SISTEMÁTICA, GENERALIZADA, AVASSALADORA.

Por favor, um mínimo de reflexão é bom e faz bem!

Renata disse...

Eu fico boba com a quantidade de programas e propagandas a respeito de beleza ideal, corpo ideal, e tudo ideal! Me identifico muito com o post.
Não há um só dia que não tenha comentarios sobre padrões de beleza. o padrão me faz ficar um tanto paranóica e até triste.
Por favor, alguém me diz qual a diferença em chamarem alguém de 'gordinha', ou 'fofinho', com chamarem alguém de 'magricela'?

Quantas vezes a conversa da roda das meninas não era: que cirurgia plástica você faria? O silicone por exemplo, apareceu em todas as respostas... As que tinham já muito peito queriam colocar, e as que não tinham nada, como eu, também.
Hoje, no meio onde eu vivo pelo menos, primeiro as pessoas veem se a outra é 'gostosa' para então verem se ela é legal e vale a pena conhecer.
É incrivel como, no dia a dia, essas conversas e comentarios entre amig@s vão se acumulando na minha cabeça, me sentindo quase na obrigação de fazer algo com o meu corpo para me sentir mais incluida em algum grupo, e até melhor comigo mesma. Afinal ser olhada 'deste modo'não é algo fácil de se superar e aguentar.

Eu disse...

Por favor, um mínimo de reflexão é bom e faz bem! (Thata)

Qual reflexão vc diz? aquela em que a gente fica se lamentando e culpando a sociedade, os machistas, a mídia? Thanks, but no, thanks.

Eu disse...

Pelas 'realizações' profissionais, pessoais?
A única pressão comparável é a pressão para a mulher alçar aos céus da maternidade.*

Isso também. Mas a pressão da classe indexada é prá mulher se formar, fazer pós, mestrado, doutorado, virar executiva, empresária, política...Eu mesma fui criada prá trabalhar fora, e não prá casar.

Mairocas disse...

Oi Lola,
Leio o teu blog faz um tempo já, mas nunca comentei. Desde já parabéns pelo ótimo trabalho.
Hoje eu estava lendo jornal e descobri que a Naomi Wolf tem uma coluna no Guardian, tu sabias disso?
http://www.guardian.co.uk/profile/naomiwolf
Achei que seria legal para as pessoas do blog saberem. Bom, eu fiquei em dúvida sobre onde comentar, resolvi colocar aqui no último post relacionado com o assunto.
Maíra

Obs: também gostei muito desse guest post, mas nós mesmas (mulheres) podemos e devemos mudar isso, não? Começando pelo nosso próprio olhar. As belezas são múltiplas e sabemos disso. Por que não tentar? :)

Carolina disse...

Renata, a diferença nas palavras não é muita: ofende e machuca do mesmo jeito. Mas, desculpa, não dá pra comparar ser magro e ser gordo nos dias atuais. Como a Lola diz, gordo é o pária da sociedade, o "doente", o "fedido", o desleixado, aquele que não se ama. Magros são, muitas vezes, chamados de doentes também. Mas nunca de fedorentos, desleixados (dependendo da sua magreza, vão falar que você se cuida muito e parece modelo), e nunca ouvem que não se amam, por mais magros que sejam. Afinal, magreza é bom e deve ser perseguida a todo custo, mesmo que de drogas e dor... é o que aprendemos. Desculpa, mas há um mundo de diferença.

Belle disse...

Nunca é suficiente...