quarta-feira, 16 de novembro de 2011

MS., A REVISTA FEMINISTA QUE FEZ HISTÓRIA

O staff original da Ms. em uma de suas primeiras reuniões

Como eu já disse diversas vezes -– nunca para me vangloriar; apenas porque é minha experiência de vida -–, eu me considero feminista desde os oito anos. Uma das minhas influências, além das ideias dos meus pais, que acreditavam plenamente que mulheres e homens deveriam ter direitos iguais, foi a revista americana Ms. (pronuncia-se miz), que entrava em casa em meados dos anos 70. Meu inglês estava longe de ser fluente na ocasião, mas eu compreendia a mensagem geral e adorava as fotos e desenhos. Minha seção favorita? Uma que denunciava o machismo na mídia.
A Ms. foi a primeira revista feminista já feita, e completa agora quarenta anos de vida. Ela segue firme até hoje, mas sem a mesma força, pois atualmente várias outras publicações (e não apenas as voltadas para o público feminino) e sites e blogs protestam contra a discriminação, reivindicam direitos, e promovem o empoderamento (palavrinha horrível, mal traduzida do inglês empowerment, mas é a que temos) das mulheres.
E a Ms. foi também uma pioneira em ter uma redação inteiramente feminina, a primeira revista criada, mantida, e operada por mulheres, segundo a reportagem da New York Magazine. Nos anos que antecederam a Ms., as mulheres não podiam ter um cartão de crédito ou abrir uma conta bancária sem a autorização de um homem. Não havia delegacias das mulheres, nem abrigos para fugir de maridos violentos. Aliás, não havia nem termos como assédio sexual e violência doméstica. E se você não tem nem vocábulo pro problema, não vai poder referir-se a ele -- a um problema que obviamente já existia.
Em 1970, cerca de cem mulheres invadiram o escritório de uma tradicional revista feminina, a Ladies' Home Journal, e ocuparam o lugar (dirigido por homens) por onze dias. Naquele tempo, simplesmente não havia espaço para outros “assuntos femininos” que não fossem moda, culinária, maquiagem, cabelo, ser mãe -– basicamente o que várias revistas pra mulheres e suplementos femininos de jornais continuam mostrando ainda hoje. Essa ocupação simbólica foi fundamental para mostrar a força da mobilização das feministas.
O principal nome por trás da Ms. sempre foi o de Gloria Steinem, um dos ícones do feminismo. Em 1963, contrariando o preconceito infundado que feministas são bigodudas peludas, Steinem era suficientemente linda (dentro do padrão) para se disfarçar de coelhinha da Playboy, invadir a mansão de Hugh Hefner, e escrever sobre o que passou (leia aqui, em inglês). Era um tipo de feminismo de guerrilha que alguns viam com desdém. Gloria certamente sofreu preconceito por ser bonita. Por outro lado, ela também recebia mais destaque da mídia que outras feministas por causa de sua aparência.
Os títulos sugeridos para a revista foram “Toda Mulher”, “Irmãs”, “Fêmea”, “Lugar de Mulher”, “O Primeiro Sexo”, “A Maioria”, e “Lilith” (a primeira mulher de Adão; ao contrário de Eva, ela não veio da costela do macho, e recusou-se a ser subserviente a ele). Escolheram Ms. Ainda hoje, quem opta por essa forma de tratamento praticamente se declara feminista. Nos EUA, em 2008, lembro de ter preenchido formulários que perguntavam como eu queria ser chamada, Miss, Mrs, ou Ms. Pra quem não sabe, as mulheres que adotam Ms. não têm seu status matrimonial definido de cara –- ninguém precisa saber se você é Miss (senhorita, solteira), ou Mrs (senhora, casada). Afinal, não existem formas diferenciadas pra se dizer senhor, Mr. Por que importa saber se uma mulher é solteira ou casada?
Quando a revista foi lançada no início dos anos 70, um jornalista vaticinou: “Dou-lhes seis meses até que elas fiquem sem assunto”. Mas a Ms. foi um sucesso de vendas. O primeiro número, que trazia 53 nomes de mulheres que declararam ter feito aborto, se esgotou já na costa leste, antes de chegar a Califórnia. A maior dificuldade, porém, era conseguir anunciantes num mundo em que os chefes das empresas eram homens (e continuam sendo -– no Brasil, apenas 3% das quinhentas maiores empresas são chefiadas por mulheres). Por exemplo, as responsáveis pela Ms. iam a Detroit falar com os fabricantes de automóveis, e eles respondiam, “Ah, mulher não compra carro”. Elas mostravam pesquisas indicando que sim, compravam, mas eles ainda assim se recusavam a anunciar.
Outra dificuldade (muito menor) era que as feministas mais radicais não gostaram da Ms. Elas eram contra a maternidade e o casamento, e prefeririam uma revista com essa cara. Não era isso que Steinem queria. Desnecessário dizer que, comparada a outras publicações, não havia nada mais radical que a Ms. Mas uma feminista radical dizia que a revista promovia uma ideia sentimental de “irmandade” que escondia os conflitos políticos entre as mulheres, e que a Ms. não recrutava acadêmicas ou ativistas. A revista afirmava que as convidava, mas as radicais não aceitavam. O fato é que havia gente que considerava a revista uma inimiga do movimento feminista! (Algumas feministas liberais, ou seja, não-radicais, como Betty Friedan, autora-ícone da Mística Feminina, também odiavam Steinem).
Uma coisa é certa como água: toda vez que houver alguma feminista que tenha divulgação e uma certa popularidade, haverá feministas desqualificando aquela feminista e dizendo que ela representa um desserviço ao feminismo. Não falha nunca.
A Ms. também foi criticada por falar muito pouco de lesbianismo (apesar que já no primeiro número havia um artigo perguntando “Mulheres podem amar outras mulheres?”). Assim como outras feministas que queriam distanciar-se das lésbicas (preocupando-se que os detratores acham que feminista e lésbica são sinônimos), a Ms. repetiu o erro. Mas toda vez que perguntavam pra Steinem se ela era lésbica, ela respondia “Ainda não”. É uma excelente resposta. Vou adotar! Só que, pensando bem, poucos perguntam pra feministas se elas são lésbicas. Só dizem que são, e acabou.
Goste-se ou não da Ms. (e eu gostava, e muito!), não se pode negar: ela foi marcante.

P.S.: Essa capa com a Bette Midler que coloquei mais em cima deve ser a que mais me lembro de toda a minha vida. Mas a Ms. teve inúmeras capas
que ficaram na memória. Esta mais recente comemorando a eleição do Obama é uma delas.

50 comentários:

Carolina Pombo disse...

Lola, que texto excelente! Essa é uma questão muito interessante: hoje, em que aparentemente (e digo aparentemente) as mulheres conquistaram os mesmo espaços que os homens, qual seria a função de uma publicação feminista? A princípio, alguns podem dizer que uma revista como essa não terá mais assunto. Mas, o desafio e a grande importância dela é justamente questionar qual é o tipo de "igualdade" e "liberdade" que temos "comprado". Estar no mercado de trabalho pário a pário com os homens, e consumir tanto ou mais que eles, ainda não significa que alcançamos uma identidade feminina autônoma, livre dos estereótipos sexuais. Às vezes, esse quadro mascara o quanto as mulheres ainda se submetem a condições desfavoráveis. E muitos não conseguem entender "por que uma mulher hoje ainda se deixa violentar? por que ainda precisam de pensão de ex-marido?" etc. Como se hoje fosse tudo apenas uma questão de escolhas. Ainda há muito o que se falar, publicar, debater, e é muito bom saber que a Ms. continua bem ativa!

Carolina Pombo disse...

Aproveito também para convidar a quem estiver pelo Rio, no domingo, para participar de um bate papo que faremos no neblinaº, sobre "Representações de gênero na arte contemporânea": http://www.nneblina.blogspot.com/

Beijos!

aiaiai disse...

Eu nunca li essa revista e gostaria muito de ter lido...
Agora, imagina se no brasil vão fazer uma publicação dessas? Ainda bem que temos os blogs, né?

aiaiai disse...

Lola, o link para a matéria sobre a playboy não está funcionando.

Arnold disse...

Ms = MiSandricas?

Lanna Pat disse...

Olha só que bacana esse texto. Pra gente poder pensar sobre a influência das revistas direcionadas ao público feminino na formação do ideal de mulher. Ao dar uma passadinha nas bancas de revistas, me deparo com uma dezena de publicações que trazem em suas capas a figura de uma "mulher ideal"; aquela que todas nós deveríamos ser: uma mulher multi-facetada, excelente dona-de-casa, ao mesmo tempo uma super empresária, rica e sexy e que sabe satisfazer o seu homem sempre. Aliás, o post passado sobre o probleminha com a palavra "senhora" (meu problema é com o termo "coroa") me levou a um post de um blog que trata desse mesmo assunto. A dona do blog até pôs algumas das frases retiradas de antigas publicações voltadas ao público feminino, das décadas de 50 e 60.
“A mulher deve estar ciente que dificilmente um homem pode perdoar uma muher por não ter resistido às experiências pré-núpciais, mostrando que era perfeita e única , exatamente como ele a idealizara.” (Revista Cláudia,1962)
“A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas. Nada de incomodá-lo com serviços domésticos.” (Jornas das Moças, 1959).

Bruno S disse...

Tem na internet versão digital das primeiras edições?

Sempre gosto de ler matérias de antigamente e fiquei curioso em como era feita a abordagem dos temas.

Lanna Pat disse...

Ah, o endereço do blog
http://www.borboletando.org/2011/09/as-mulheres-de-nova-o-pseudo-feminismo-e-o-amelismo/

denise disse...

Como gostaria de ler uma revista assim aqui no Brasil, mas certos aspectos que vc citou no post Lola é o que mais me perturba, a divisão que às vezes vemos das próprias mulheres, será que é tão difícil se convencer que somos mais fortes unidas, por mais que nossos objetivos sejam diferentes, e que tenhamos visões de mundo diversas, acho que toda e qualquer mulher que se declare feminista tem um denominador comum, que é o machismo que queremos derrotar.
Porque não tolerar essas diferenças em nome do fortalecimento da nossa causa comum.

Glória P. disse...

Lola, seu blog tem uma contribuição importantíssima para a blogosfera brasileira. É tão bom encontrar vida inteligente e mulheres que traduzem, em algumas linhas bem escritas e argumentos inteligentes, tudo que sentimos, pensamos e o que nos deixa indignadas, dia após dia. Adoro. :) Beijos, Glória

Lord Anderson disse...

Que coisa Lola.

Nunca tinha ouvido falar de uma revista que desempenhou um papel tão importante.

Que bom que vc postou o texto.

E é muito interessante essa parte que fala da divisão e das discordancias entre as feministas.

Nenhum movimento social é totalmente homogeneo. Há divergentes, pontos de vista e objetivos diferentes.

Tudo muito valido; O unico problema mesmo é quando um lado tenta sabotar o outro.

Quem ganha com isso é quem não quer as mudanças.

A.H.B. disse...

Acho que a Ms. levanta pontos interessantes, mas peca muito em restringir-se às mulheres de classe média.

Considerando que mega-empresários representam menos de 1% da população mundial, faz pouca diferença se são homens ou mulheres, principalmente porque sua única função é atender aos interesses dos investidores.

Aoi Ito disse...

Obama com camiseta "This is what a feminist looks like"? Parece que a Ms., se não era, se rendeu ao feminismo liberal ao estilo estadunidense: Qualquer homem que não ache que mulheres tem que ficar na cozinha é feminista. Qualquer homem que demonstre um pouco de simpatia por assuntos políticos de mulheres é feminista. Acho muito chata essa coisa de "você acha que mulheres não são melhores nem piores? Então é feminista" porque não é bem assim que funciona. Na sociedade de hoje dificilmente uma pessoa vai responder que acha que mulheres são inferiores, mas são rápidos em falar que lésbicas são nojentas, que é perigoso ter uma mulher em posição de poder, que os países ainda não estão preparados pra uma presidenta mulher, que aborto é ruim, que mulher devia casar virgem...

Parece ser uma revista legal, de qualquer jeito. É importante ter algo assim, ao menos uma revista para espalhar a idéia.

(Aliás, quem foi a feminista radical que reclamou da irmandade? A noção de irmandade entre mulheres é uma que as feministas radicais mais pregam! D: )

Cláudia Morriesen disse...

No Brasil, acho que a revista que mais se aproxima deste perfil é a TPM.

Blanca disse...

Adorei a revista! Queria um número para ler. Próxima vez que alguma amiga minha for pros EUA, eu peço.


Ótimo texto como sempre, Lolinha :D

Blanca disse...

Também pensei nisso, Aoi Ito. Apesar de ter morrido de rir com essa capa do Obama, achei meio estranho. Mas a revista parece ser ótima :D

jonas_cg disse...

Poxa vida! Quem nos dera ter uma revista dessas no Brasil. Eu compraria.

Andreia Lemes disse...

Adoraria ler a revista!
Hoje em dia nas bancas de revistas há publicações ditas femininas, em que os assuntos abordados são: como seduzir o seu homem, maquiagem para disfarçar imperfeições, culinária,maternidade e moda. Deixando claro que os editoriais de moda dessas revistas tomam quase toda a publicação e apresentam um tipo de mulher perfeita que consegue ser mãe,mulher, empregada doméstica e trabalhadora. Reforça ainda mais nossas culpas por não conseguirmos encarnar essa perfeição vendida! Enfim um lixo de revista feminina!

Alex disse...

Legal seu texto. É bom conhecer um pouco da história do feminismo e da luta contra o preconceito, que, como eu já falei num comentário a um outro texto seu, não é só das mulheres, é da sociedade inteira. Essas divisões intestinas das feministas me lembram as divisões no meio gay. Há quem critique as paradas gays por não se sentir representado por aquelas monas escrachadas e escandalosas,que chamam a atenção para a homossexualidade de forma esteriotipada e pejorativa (na opinião de muitos, não é a minha). Já eu, o cúmulo da timidez, admiro muito todos e todas aqueles/las que têm a coragem de dar a cara a bater, e abrem caminho na mata selvagem e assustara para que depois outros possam aproveitar a estrada já pavimentada. Todos nós devemos gratidão aos desbravadores e às desbravadoras do preconceito. Nem todo mundo tem condições de ser uma Joana D'Arc, um Harvey Milk, um Ney Matogrosso, esses maravilhosos pára-raios de nossa sociedade louca. Enquanto a maioria derreteria se sofresse metade da sobrecarga que essas pessoas sofreram, eles foram intrépidos e nos abriram caminhos. Merecem aplausos. Flap, flap, flap... Se todas as mulheres fossem tímidas. Se todos os negros se calassem. Se todos os gays fossem discretos, a sociedade não teria avançado até aqui.

Teresa disse...

Bruno S., infelizmente no site da revista é possível acessar os números antigos apenas a partir do número de abril/maio de 1999:
http://www.msmagazine.com/archive.asp

Vamos ver se alguma boa alma ajuda a digitalizar e disponibilizar todo o arquivo da revista. Se fosse no Brasil, eu me colocaria à disposição.

Informação de bibliotecária: a única biblioteca no Brasil que tem os primeiros anos da Ms. (1973-1977) é a da UNESP, na Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara.

E falando em revistas voltadas para o público feminino, Cynara Menezes publicou um artigo ótimo falando das revistas populares que dão as dicas mais sem noção para emagrecimento, sem atentar para o mal que podem fazer para a saúde:

http://www.cartacapital.com.br/politica/o-que-quer-a-classe-c/

miss m disse...

Alex, concordo plenamente com você. Aliás, um amigo meu gayfez uma crítica à parada exatamente sobre isso, e eu argumentei exatamente o mesmo que você."Se todos os negros se calassem. Se todos os gays fossem discretos, a sociedade não teria avançado até aqui." sÓ QUE O grande perigo é que agora está todo mundo achando que não há nada mais a ser feito- quando ainda falta muito!

denise disse...

Tambem penso como vc Alex e Mis M, se alguem dos grupos oprimidos da nossa sociedade da a cara p bater a gente tem mais é q apoiar, ainda que essa pessoa em especial não seja exatamente a representação de nós mesmos.
Ficar procurando pelo no ovo como muita gente faz, não acrescenta em nada as nossas lutas.

LisAnaHD disse...

pra quem não sabe... e gostaria de saber... rs... Gloria é a que na foto em preto e branco está sentada no chão, ali à esquerda.

Muito bom o post. Acho que foi há uns dois meses, Gloria Steinem (viúva) deu uma entrevista e comentou sobre o sucesso da revista versus o descrédito dos que achavam que a revista seria uma furada, tal qual seu relato no post. Lola, por que vc não continua recebendo a revista Ms.?

Pra quem quiser ler em português sobre os textos de Gloria Steinem:

Memórias da Transgressão
http://pt.wikipedia.org/wiki/Mem%C3%B3rias_da_Transgress%C3%A3o

Eu Fui Coelhinha da Play Boy
http://livrosfeministas.wordpress.com/

Ghost Writer disse...

Ótimo texto. Ótimos comentários. Li o texto a respeito da Classe C, da Cynara Menezes, e também o texto criticando a revista NOVA. Raramente comento, mas esse post mereceu! :)
A cada dia, percebo o quanto me identifico com os pensamentos da Lola. Nunca fui de levantar bandeiras de movimentos ou causas sociais, até mesmo do feminismo, com o qual simpatizo muito. O blog da Lola é de utilidade pública porque desde que comecei a lê-lo, mudei minha concepção a respeito de muitas atitudes que tomava na vida. Bom saber mais a respeito, também, da Ms. Obrigada, Lola!!

Gabriele Albuquerque Silva disse...

Precisamos de publicações como esta no Brasil!
Mudando de assunto (ou nem tanto), tava lendo aqui uma matéria que falava dos últimos dados do IBGE: http://br.noticias.yahoo.com/ibge-renda-dos-ricos-supera-dos-pobres-39-120100385.html

Destaco: "Os homens recebiam no País em média 42% mais que as mulheres (R$ 1.395, ante R$ 984), e metade deles ganhava até R$ 765, cerca de 50% a mais do que metade das mulheres (até R$ 510). No grupo dos municípios com até 50 mil habitantes, os homens recebiam, em média, 47% a mais que as mulheres: R$ 903 contra R$ 615. Já nos municípios com mais de 500 mil habitantes, os homens recebiam R$ 1.985, em média, e as mulheres, R$ 1.417, uma diferença de cerca de 40%."
Eu sabia que tinha diferença significativa, não imaginava que era TÃO grande assim ainda O_o

Laurinha (Mulher modernex) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laurinha (Mulher modernex) disse...

Adorei o post. Gosto muito quando vc faz post em que relata fatos históricos sobre o feminismo, história das mulheres, porque são coisas que a gente quase não ouve falar, mesmo que seja recente.
Muita gente não sabe coisas básicas como o porquê de existirem delegacias de mulheres ou que mulheres há pouquíssimo tempo não tinham vários direitos que tem hoje ou da participação feminista em conquistas importantes. É um absurdo.
Gosto muito da Gloria Steinem, aliás, essa é uma das coisas que mais gosto no feminismo, a diversidade, os estilos variados. Uma das coisas que menos gosto são exatamente esses desentendimentos quando há discordância em alguma coisa. Mas aí já penso que é um problema que costuma acontecer quando pessoas de personalidade forte se deparam e discordam muito em algum ponto, é algo a ser trabalhado. E ter personalidade forte e ser feminista pra mim é quase redundância, rs.
Abçs Lola

Leila Silva disse...

Que inveja de você, Lola, na minha casa só tinha revista Família Cristã que minha avó assinava...percorri um caminho bem mais longo.

Abraço

Mariana Lima Pereira disse...

Ótimo post, Lola! Leio o blog com frequencia, mas é a primeira vez que comento.

Sempre fico atenta para o discurso empregado em revistas femininas, anúncios publicitários, pela mídia em geral, e é muito bom saber da existência de publicações como a Ms.

Valeu por mais esta útil apresentação :)

Sawl disse...

Pobre Arnold.
Se acha o "Machão" mas não passa de um moleque sem cérebro e sem respeito a própria mãe.
Se recebesse uns bons cascudos da mãe, aprenderia a respeitá-la, respeitar a irmã, as mulheres em geral, enfim, aprenderia a ser um HOMEM DE VERDADE.
Aliás inteligência não é o forte deste rapaz, "sadomizando"?!
Enquanto ele se gaba que a irmã tá lavando a louça ele jogando PS3(eu tenho e duvido que ele seja melhor do que eu), a irmã dele deve estar estudando, e o resultado, é: amanhã ela será uma mulher importante e ele um homem imaturo, machista e recalcado que irá precisar...dela(kkkkkk).

Dayane Ok. disse...

"Nos anos que antecederam a Ms., as mulheres não podiam ter um cartão de crédito ou abrir uma conta bancária sem a autorização de um homem. Não havia delegacias das mulheres, nem abrigos para fugir de maridos violentos. Aliás, não havia nem termos como assédio sexual e violência doméstica. E se você não tem nem vocábulo pro problema, não vai poder referir-se a ele -- a um problema que obviamente já existia. "

LOla, estava conversando isso com uma amiga hj. Sempre que falo sobre o feminismo pra uma mulher, elas falam "Pq?Hj em dia não precisa mais disso, já temos os direitos iguais!". Eu entendo o ponto de vista pela desinformação. Elas não entendem que se hj elas tem esses direitos, é pq antigamente as mulheres lutaram muito para os ter e isso se deve ao feminismo!
Quanto ao assunto das revistas antigas- moda, beleza, culinária e maternidade- hoje não mudou tanto,não é? Quero dizer, eu amo todos esses assuntos, meu sonho é ser mãe, gosto de assuntos que falem sobre moda e cosméticos, mas as revistas agem cm se essa fosse a única preocupação das mulheres! Essas revistas Nova, Marye Claire (se escreve assim) chegam ao cúmulo de trazer na capa "Aprenda a segurara seu homem com 50 posições!". Esses dias vi uma notícia de capa que me envergonhou "Ela venceu as 5 amantes do marido com o poder do sexo. Saiba cm!". Gente, a revista te ensina a ceitar um marido com 5 amantes e ainda se desdobrar pra "segurar esse homem!".
Cada dia que venho aqui aprendo mais um pouquinho ^^!

Dayane Ok. disse...

Ah Lola, eu acho a revista TPM muito feminista!Adoro a bordagem que ela á aos assuntos!

Arnold disse...

Sawl

Ou seria Yulia ou Niemi ou Ághata? Pq vc tem um estilo bem raivoso de escrever e chucro, igual essas três ai só que claro, este seu perfil é fake.


Para seu governo eu sou um irmão muito bom pra ela, embora ela não mereça (pq ela é rebelde).

Eu fiscalizo tudo, é dever do homem proteger as mulheres sob sua tutela, eu sei quem são seus amigos, não deixo ela criar vinculo com essa prole de gente vagabunda que gosta de conversa fiada.

Irmã minha não vai namorar nem mangina nem moleque "zica", ela vai se preparar para ser uma mulher de Deus (embore ela odeie ir a igreja e já tenha profanado contra Jesus várias vezes), e vai se casar com um homem honrado.

Tenho somente respeito por mulheres que se dêem o respeito!

Não vou respeitar uma piveta que pinta as unhas de vermelho, isso é coisa de vagaba periguete, isso é só um exemplo.

Portanto não venha me desrespeitar, pq estou empenhado com amor verdadeiro em educar da melhor forma a minha irmã para ela não se enveredar pela vadiagem e prostituição gratuita.

denise disse...

Dayane OK também tenho a mesma impressão que vc, aqui em casa não compro esse tipo de revista, mas infelizmente minha filha mais nova as vezes compra, e quando na falta de coisa melhor pra ler ao ir ao banheiro, acabo folheando essas revistas, é de doer as matérias, assim como vc até aprecio matérias sobre saúde , beleza alguma dica boa, mas essas matérias de comportamento me chocam, outro dia vi uma que aconselhava as mulheres a não falar para seus parceiros quantos namorados tiveram antes??????? Achei absurdo isso, e justificavam dizendo que os homens são mais ciumentos e que eles poderiam achar que vc era “galinha” se dissesse que teve mais de dois ou três namorados antes.
Sem contar que geralmente esse tipo de revista se respalda em respostas de pesquisas que elas dizem que fazem entre os homens.
É incrível como essas pesquisas sempre apontam para um machismo gritante.
Ainda não li essa TPM, vou até dar uma lida qualquer hora, mas realmente nunca soube de uma publicação aqui no Brasil como essa Ms, entrei nos links que a lisana HD postou e estou adorando.
Laurinha Mulher Modernex, que bom que vc se interessa em saber do passado do feminismo, acredite vc não pode avaliar como isso é importante, sabe eu vejo muitas garotas que praticamente gospem no rosto das feministas do passado, essas garotas pensam que estão perdendo alguma coisa que ficou nos tempos anteriores, acham que a vida das mulheres era mais fácil no passado, que afinal ter um homem pra te sustentar não parece ser uma idéia tão ruim assim.
Não percebem a armadilha embutida nessa simples atitude. Se as mulheres aceitarem voltar para a condição anterior, podem esperar que serão mais espezinhadas do que já foram no passado, porque agora os homens vão ter consciência do que fomos capazes de fazer, e usar uma burca com véu nos olhos, ser tratada como um objeto utilizado apenas como parideira vai ser pouco perto do que nos farão no futuro se voltarmos pra traz.
E não haverá Delegacias da Mulher pra se queixar, nem eleições para se escolher alguém que nos represente.

Liana disse...

Essas pessoas que acham que o movimento feminista já perdeu a razão de existir além de ignorar o muito que ainda precisa ser feito, esquece que não só é necessário conquistar este espaço como também é preciso esforço para mantê-lo.

Há sempre a possibilidade de retrocesso, para isso basta dormirmos no ponto. Essas mudanças não se solidificaram. A sociedade continua machista, inclusive nas esferas de poder. E isso vale para qualquer outro movimento.

Lucas disse...

Os trolls (um em especial), me fazem pensar como a falta de noção ao se educar uma criança podem gerar infâncias deturpadas e traumáticas, que geram crianças tão tristes e raivosas com o mundo.
E a única válvula de escape é se agarrar a alguma ideologia insana e vociferar ódio na vida e na internet pra tentar ser ouvido.

Muito, muito triste =/
Força e terapia!

Arnold disse...

Lucas

Meu caro, minha criação foi excelente sou grato aos meus pais sempre, sou um homem honrado graças a Deus!

Não vocifero nenhuma raiva, a única coisa que eu não gosto é deste esquerdismo doentil. A vida pelo menos pra mim é maravilhosa, boa escola, bons amigos, ano que vem tiro meu carro, vou trabalhar com o meu pai, não tenho do que reclamar.

Essa vida previlegiada vai me distanciar da ralé, ainda bem que Jesus é justo.

Mariana K disse...

"ainda não" também entrou no meu vocabulário agora! hahaha.

Quanto às feministas radicais, eu acho (é só um achismo mesmo) que às vezes elas aparecem desse jeito, antipáticas e meio malucas, justamente pelo preconceito que a sociedade tem pelas feministas e pelas mulheres de uma forma geral, de que são invejosas, desunidas, bla bla...
Quer dizer, discordantes existem sempre que se reúna gente para discutir qualquer assunto, mas a feminista que discorda, que critica, tá "desqualificando", tá "sabotando"... Tem gente dizendo a mesma coisa dos gays que criticam a parada, por exemplo?

Dayane Ok. disse...

Nossa Denise, isso me fez lembrar de uma dica que ouvi de uma "amiga" (muy amiga...da onça!) quando fui ficar com o primeiro garoto da minha vida. Eu "Ai,mas eu nunca fiquei com ninguém, ele vai notar..." e ela "Não importa, diga que vc ficou com 2!Eu sempre digo isso!", "Mas vc já ficou com vários!", "Mas não interessa, vc pode ter ficado com mil ou com nenhum, diga sempre q vc ficou com dois!Aí vc não é nem galinha nem inexperiente!".

A.H.B. disse...

denise: geralmente discordamos de muita coisa, mas dessa vez eu concordo. Noto que muitas mulheres se dizem feministas, mas ignoram o histórico desse movimento, que existe desde meados do século XIX, teve muitas caras e muitas lutas. Vejo que são poucas as pessoas que procuram textos de autoras consagradas, que fizeram contribuições teóricas de fato para o conjunto de pensamento sobre as questões de gênero.
Essa falta de estudo do histórico e das teóricas do movimento - que é extremamente plural - leva a conclusões precipitadas, como pessoas que pensam que feminismo é "meninos contra meninas" ou que optar por ser dona de casa sustentada pelo marido é uma decisão feminista.

Flasht disse...

as mulheres não podiam ter um cartão de crédito ou abrir uma conta bancária sem a autorização de um homem. Não havia delegacias das mulheres, nem abrigos para fugir de maridos violentos.
>>Hj em dia as mulheres podem fazer cartão com a profissão de "dona de casa" com os dados do marido e os homens não¬¬
O feminismo hj em dia é uma hipocrisia, hj as mulheres tem mais direitos que os homens e ainda vivem bancando as vítimas para angariar mais privilégios e negar de fato igualdades

Delegacias e abrigos tem para homens? E mesmo antes, a preferência SEMPRE não foi para mulheres e crianças? Quanto a maridos violentos quem manda escolhe-los, provoca-los?
___________________________________

Por que importa saber se uma mulher é solteira ou casada?
>>pq geralmente se fazem de caça e "se deixam levar" vide o caso de Tupac e de um vizinho aqui que não sabia que a mulher era casada e (ela cedeu)ELE tomou um tiro nos miolos e morreu

“Ainda não”. É uma excelente resposta.
>>Pois é, indefinição é uma excelente resposta para mulheres não é mesmo? adoram manter as coisas indefinidas para fazer inferno na cabeça de quem quer definição

Carolina
por que uma mulher hoje ainda se deixa violentar?
>>Muitas pq gostam (nem que seja do papel de vítima)
por que ainda precisam de pensão de ex-marido?
>>pq mulher gosta é de dinheiro...

Sawl disse...

Para Arnold
Que bom que se preocupa com sua irmã. Protegê-la é uma coisa, tratá-la como um "bichinho frágil e sem vontade própria" é outra.
Não sou raivosa, só não aceito baixar a cabeça e ser humilhada(não digo isso em relação a você, mas em relação a vida), é diferente.
Ser uma mulher de Deus implica em fazer o bem, evitar e expiar os pecados, ajudar os outros, estes deveres TAMBÉM se aplicam aos homens de Deus.
Sua irmã pode ser uma mulher de Deus, casar e também ser uma mulher independente que não precisará ser sustentada por nenhum homem.
QUando escreveu:
"Tenho somente respeito por mulheres que se dêem o respeito!" O que é se dar ao "respeito" para você?
EU não saio muito a noite, só quando se trata de um compromisso sério, curto ir ao cinema, ler hqs e jogar videogame. Estudo, trabalho, e não fico com qualquer um, sou uma garota que namora, NÃO ue vive ficando, etc. Enfim, sou uma mulher de respeito, mas, gostaria que vc expusesse sua opinião.
Talvez, vc ache que ser "mulher de respeito" deva ser uma pobre coitada, que vive humilhada, apanhando do marido, etc.
Uma mulher que não se dá ao respeito(em minha humilde opinião) é aquela que aceita ser um pedaço de carne, uma "boneca inflável" só pelo dinheiro do homem, uma mulher que não fica com o cara pelas qualidades, mas, pelo interesse em dinheiro.
Muitas são assim, o que não pode generalizar.
O único homem que me sustentou foi meu pai.
QUanto ao "casar com um homem honrado", o que é ser um homem honrado para você?
Um homem que trata a mulher como um ser inferior, que humilha, agride, trai e trata como lixo todos os seres do sexo feminino é ser "honrado" para você?
Se tua irmã(NÃO estou desejando isso) levar um tapa na cara sem razão nenhuma(não que exista razão para um homem ser covarde) do homem com quem casou, vc vai achar certo? Se ela for violentada ou morta(que Deus nunca permita isso, mas, é só ver as estatísticas)? Vai ficar do lado do criminoso só porque este é homem?
Vc tem mãe e irmã, enfim, tem mulheres em sua vida.
Reflita sobre o seu papel de homem, de filho, de irmão, engim, de ser humano.

Para Flasht
"pq mulher gosta é de dinheiro... "

Sempre suas pérolas. Curioso é que suas pérolas são falsas e NÃO valem nada.
O "gosta de dinheiro" é tão relativo.
Eu sou mulher, e gosto de dinheiro. Do MEU dinheiro, do MEU salário.
O único homem que dependi na vida, foi meu pai.
Sou aquiteta, bem sucedida e ao contrario do que sua "cabeça machista" possa imaginar, não sou feia(nem um pouco, rsrs).
Engraçado, um cara como vc reclama se a mulher é independente(seja feminista, ou não); mas, se é uma "maria":(sem ofender as Marias) chuteira, pagode, funk, etc, reclama?!
Vamos lá, seu conceito ideal de mulher é a dos anos 50, né? A submissa, sofredora, a que apanha calada, suporta as traições do marido, é quase morta pelo marido, etc. Mas continua lá, sofredora e humilhada.
Você tem ou teve mãe, irmã?
Será que não percebe que estamos no século XXI? Não vê que mulher é tão ser humano quanto homem?
Porque tanta raiva das mulheres? Pergunte a SI mesmo.
Talvez o problema seja seu, NÃO das mulheres.
Mulher gosta de dinheiro do próprio salário e gosta de homem bacana...quem gosta de dinheiro de homem é periguite(rsrsrs).

Arnold disse...

Sawl

Não adianta tentar construir um dialoguinho rasteiro achando que vai conseguir aproximação pra me fazer mudar de idéia!

Depois mudar o rumo da conversa e desejar coisas horríveis para meus familiares!

Agora só faltou tu deletar meus comentários!!!

Não ficaria nada surpreso

Cynthia Semíramis disse...

Que post legal, Lola! Adoro ler a história da revista Ms. e acho que ela tem de ser mais divulgada. Tem um livro muito interessante contando a história da revista "A Ms. Magazine - E a Promessa do Feminismo Popular" (autora Amy Erdman Farrell, editora Barracuda), detalhando as discussões no início da revista, a importância dos fóruns e a mobilização política pelo direito ao aborto, as dificuldades com anunciantes até se tornar parte de uma fundação sem fins lucrativos.

Sobre o "Eu fui coelhinha da playboy", já tem a tradução em português, tanto tem texto corrido quando em formato diário.

Francisca disse...

Eu não conhecia a revista.

Foi interessante você falando como era a vida da mulher a 30, 40 anos atrás e parecia outro mundo. Porém, as pessoas, principalmente mulheres, insistem em desclassificar essas conquistas. Quer dizer, precisar da assinatura de um homem para abrir conta em banco, comprar um imóvel ou ter um cartão não era vida!

Esse tipo de lei existia também no Brasil, claro. A maioria foi alterada pela Constituição de 1967. Aquela época foi mesmo confusa, havia a opressão política, mas barreiras jurídicas eram derrubadas. Inclusive, a lei do divórcio é daquela época.

O feminismo sempre foi múltiplo, né? Cada mulher faz o seu próprio caminho. Acho que existem dois aspectos: um jurídico e político, em que homens e mulheres devem ser iguais e ponto; e outro social, em que cada um de nós escolhe viver as coisas da forma que julga ser a melhor.

Hoje existe um confusão entre esses dois espaços. Fala-se até que a emancipação foi um engodo. Ora, que absurdo, a mulher se emancipou politicamente e é livre para viver suas escolhas.

Se algumas querem ser submissas ao marido, a lei não as proíbe. O que as leis não podem é obrigar todas a serem, inclusive as que não querem.

Natália disse...

Aoi Ito, concordo com vc. Na minha opinião, a Ms. caiu mt nos últimos anos. Talvez seja reflexo do seu alinhamento com o feminismo mais liberal. O problema é q hj o feminismo liberal americano às vezes chega a ter um tom q tende à revista Cláudia. Parece q esqueceu de mt coisa q ele msm criticou décadas atrás. Qnto à irmandade q as radicais criticaram, creio q estivessem se referindo à tendência do movimento feminista agir como se tds as mulheres fossem brancas, heteras, classe média, criando uma sensação de irmandade com base nessas características em comum q acabavam marginalizando dentro do movimento feminista certos grupos mais oprimidos, qndo na verdade a irmandade deveria surgir com base na nossa opressão buscando, portanto, dar mais visibilidade e apoio à luta das mais necessitadas.

Sawl disse...

Arnold
Eu tenho "dialoguinho rasteiro"? Primeiro o certo é: dialogozinho.
Vc achar que tenho "dialogozinho rasteiro"? Faça-me rir.
Você vem com seus discursinhos machistas de homem dos anos 50 e vem julgar os outros? KKKKKKKKK.
Não quero fazer você mudar de idéia querido, quem não tem o cérebro muito enriquecido não há o que mudar. Eu querer aproximação(rsrsrs)? Você tá enganado.
Não mudei o rumo da conversa, vc deve estudar mais para interpretar melhor.
Eu lhe questionei o que vc faria SE sua irmã casasse com um homem que finge ser um homem "honrado" e este mostra que NÃO É?! Vc ficaria contra sua irmã? Foram estas questões que lhe mostrei.
NÃO desejei NADA horrível para tua irmã ou qualquer parente seu!
Mostrei SUPOSIÇÕES e até escrevi "Que Deus NUNCA permita isso".
Para alguém que se julga tão GENIAL e PODEROSO, hum, inteligência NÃO É O TEU FORTE.
Não sei deletar comentários, e mesmo que soubesse não deletaria porque vivemos em uma democracia.
Se a pessoa é: racista, homofóbica, machista, enfim, odeia tudo e todos esta deve mostrar sua opinião para justamente todos verem o quanto esta pessoa preconceituosa e de mente pequena é digna de pena.
Pode deletar meus comentários se quiser.
Não ficaria nada surpresa.

Vera disse...

Por que é que não existe mais revista feminina para mulher que lê? Hoje só há publicações para consumidoras compulsivas.

Ivana Lima Regis disse...

Blogagem coletiva pelo fim da violência contra a mulher no 25 de Nov. A iniciativa é do BlogueirasFeministas (mas já coloquei no meu blog, claro!:

http://scmcampinas.blogspot.com/2011/11/blogagem-coletiva-pelo-fim-da-violencia.html

Participe!

#FimDaViolenciaContraMulher

LisAnaHD disse...

busquem por "Jacqueline Pitanguy PBS Newshour"

Jacqueline Pitanguy, brasileira, é socióloga e cientista política, diretora da ONG Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação (CEPIA)

há um vídeo (set/2011) de nove minutos sobre a mulher na sociedade brasileira e Jacqueline Pitanguy dá entrevista.

======
Ms. Blog
Erica Williams
After participating in the Ms. Magazine Workshop for Feminist Scholars in May 2010, she decided to try her hand at feminist blogging. Her research focuses on the relationships between "sex tourism" and the marketing of Afro-Brazilian culture as an eroticized tourist commodity in Salvador, Bahia, Brazil. She is currently working on revising her dissertation, "Anxious Pleasures: Race and the Sexual Economies of Transnational Tourism in Salvador, Brazil," into a book manuscript.
http://msmagazine.com/blog/blog/author/ericawilliams/

Se a Lola se interessar, ela pesquisa e traduz pra vcs... se ela não se interessar ela poderá deletar esse "comentário", na boa. Sem mágoa da minha parte.