segunda-feira, 7 de março de 2011

MULHERES, SAIAM DO ARMÁRIO

Já falei antes mas, como amanhã é Dia Internacional da Mulher, vou falar de novo: sempre me considerei e me assumi feminista, desde que eu era criança. Tenho até provas! Com oito aninhos, recortei, colori e colei no meu diário essa imagem, e falei do poder das mulheres (acho que pistoleira tem outra conotação hoje; clique para ampliar). Infelizmente na página ao lado eu falava de uma paquerinha que me esnobou e de amor infinito. Mas aos treze eu já ficava indignada que uma turma de meninos não me considerava uma adversária à altura numa guerra de areia na praia. E então o que eu fiz? Entrei na guerra e ganhei. Joguei muita areia neles. Sabe como é, eu já era areia demais pro caminhãozinho deles.
Piadinhas à parte, acho ótimo saber que sou feminista desde que me conheço por gente. Nunca tive vergonha, porque o meu significado pra feminismo era, e continua sendo, a luta por direitos iguais. E aí eu lembro de uma amiga minha que, durante seu doutorado, foi participar de uma palestra sobre D. H. Lawrence (autor inglês consagrado por O Amante de Lady Chatterley) nos Estados Unidos. Ela e outras cinco acadêmicas de diferentes lugares haviam sido chamadas pra falar sobre Lawrence, e a conferência havia divulgado que elas eram feministas. Então, uma a uma, quando chegou a vez, abria sua participação dizendo “Antes de mais nada, eu queria dizer que não sou feminista”. Isso tem uns quatro ou cinco anos. E eu discuti bastante com minha amiga por causa disso. Afinal, qual é o catzo de vergonha em ser feminista?
Até o início dos anos 80, a imagem do feminismo era tão boa que metade das população feminina nos EUA se dizia feminista. Metade! Só que aí aconteceu o backlash, a reação conservadora a todas as conquistas e lutas que mulheres, negros, gays e outras minorias promoveram nos anos 60 e 70. Não que a imagem de uma feminista já não fosse aquela típica de uma ogra, uma mulher mal-amada, peluda, sem humor e inimiga dos homens — isso desde 1850, quando mulheres começaram a lutar pelo direito a voto (só alcançado nos EUA em 1920, e no Brasil, em 1932). Ou seja, esse pessoal que fala mal das feministas hoje não é nem um tiquinho original. Fala as mesmas besteiras faz 160 anos. A diferença é que, até o início da década de 1980, essa não era a imagem predominante. E aí a propaganda foi tão forte, e tão eficiente, que o que ficou, pra muita gente, é essa ideia estereotipada e ridícula da feminista bigoduda e sem-homem. O caso que contei da minha amiga na conferência de D. H. Lawrence seria impensável no início dos 80. Naquela época pré-backlash, duvido que alguma mulher se insultasse em ser confundida com uma feminista.
Mas fica a pergunta: a quem interessa passar uma imagem tão negativa de gente que luta por direitos iguais? Por que essa vergonha toda em se assumir feminista, se a maior parte das mulheres, e creio que dos homens também, é a favor que mulheres possam trabalhar fora, ganhar o mesmo salário, decidir se querem casar e com quem casar, e compartilhar a criação dos fihos com o parceiro? (entre otras cositas que constituem direitos iguais).
Acho muito esquisito que tantas mulheres vejam o feminismo pela ótica negativa que a propaganda machista (que não está interessada em mudar coisa alguma no mundo) faz dele. Por exemplo: digamos que eu tenha um vizinho que me odeia. Ele vive falando mal de mim. Vive inventando mentiras sobre a minha pessoinha. Aí vem alguém que quer me conhecer e pergunta: “Oi, você é a Lola?”. E eu respondo: “Não, não sou a Lola, porque a Lola que eu era é aquela que o vizinho que me detesta diz que eu era . Pois é, eu, ex-Lola, sou exatamente como meu inimigo me define! Não sou a Lola, porque obviamente o vizinho que mente a meu respeito tem toda razão. Então não sou a Lola, ok? Por favor, não me chame de Lola! Prazer, meu nome é Shirley”.
Gracinha, né? Imagina se vou mudar quem eu sou, como me identifico desde os oito anos de idade, só porque tem gente que não gosta do feminismo que, não por coincidência, é gente que não tem muito apreço por mulheres em geral, ou que só aceita dois papéis pra todas as mulheres: vocês podem ser mães ou objetos sexuais, vocês decidem. Vocês são completamente livres pra escolher entre essas duas opções!
O feminismo é plural, e eu acho que só dando muita sorte pra encontrar duas feministas que pensem exatamente igual sobre todos os assuntos. Eu, pelo menos, que me assumo feminista há 35 anos, nunca conheci. Portanto, tá na hora de assumir o seu feminismo, sem vergonha e sem medo de ser feliz. A menos que você realmente pense que mulheres merecem optar apenas entre esses dois papéis — p*ta ou santa — que nos são reservados desde que nascemos. Aí, de fato, não se declare feminista. Mas se você acredita em liberdade, e no potencial das mulheres para sermos o que quisermos ser, então prazer. Sou Lola, e sou feminista. 1o quadrinho: “Bom, eu não sou feminista nem nada, mas a gente merece oportunidades iguais de trabalho”. 2o: “Acho que as mulheres precisam de licença-maternidade e creches decentes, mas não pense que sou uma dessas feministas lunáticas”. 3o: “Não acho justo que mulheres recebam 70 centavos para cada dólar que um homem ganha, mas não é que eu seja feminista”. 4o: “A gente pode ter um longo caminho pra percorrer ainda, mas acho que o feminismo está bastante datado, não?”. Uma mão patriarcal lhe dá um tapinha de parabéns e diz: “Boa menina”.

42 comentários:

Luna disse...

Seu post me fez lembrar uma conversa com colegas de classe semana passada. Estávamos falando de algo, nem lembro o quê, só lembro que chegou num momento que uma colega minha disse que sim, que eu gostava de moda e outra ficou estarrecida. Ela disse "como assim? Você é feminista, não pode gostar de moda!"
E então eu tive que parar para explicar que o fato de eu ser feminista não fazia com que eu odiasse moda e expliquei as injustiças - com quais ela concordava que era injustiças.

Por exemplo, eu dizia que feministas lutavam contra o caso de dois pesos, duas medidas para avaliar homens e mulheres e ela concordava inteiramente que era um absurdo.

Basicamente ela era totalmente feminista - totalmente contra a diferenciação, a favor de direitos iguais - mas ela tinha aprendido que feminismo "era do mal", contra a moda, contra tudo e então ela simplesmente não assumia, mesmo tendo os mesmos princípios que os meus a respeito da diferenciação de gêneros.

Isso meio que me deu uma coisa a se pensar. Quantas mulheres concordam que a sociedade é injusta, mas simplesmente não conseguem se dizer feministas?

Amer H. disse...

Provavelmente serei apedrejado pelo comentário, mas ok.

A resistência As feministas se deve a existência das feministóides. Você sabe, aquelas mulheres que se dizem feministas, mas não querem igualdade alguma, usam o discurso feminista de forma torta e parcial, simplesmente para considerarem TODOS os homens do planeta como vilões.

Existem muitas mulheres assim, que fazem panfletagem daquilo que elas consideram feminismo, mas não acreditam de fato no que falam. Seguem apenas por lhes ser conveniente no momento.

Conheci uma garota que fazia (péssimos) discursos sobre como os homens são o mal que assola o mundo, mas enchia seu Fotolog com fotos do ex-namorado, cujo fim do relacionamento ela não se conformava.

E quando milhares de mulheres usam a bandeira do feminismo apenas para protegerem seus interesses pessoais (e não os de todo o coletivo feminino) é compreensível que o movimento seja mal visto perante tanta gente.

Podem falar que elas não são a maioria e que isso é boato e que bla-di-bla-di-bla. Elas podem não ser a maioria mas fazem mais batulho. E os mais barulhentos dentro de uma comunidade sempre chamam mais atenção do público de fora.

Anônimo disse...

Desde os meus treze anos EU SOU FEMINISTAAAAAAAAA!Com muito orgulho e dignidade!
Hamer é um troll,suma daqui!

Anônimo disse...

Ahahah,Amer.

Anônimo disse...

Mas,também,que tipo de nome é esse?kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Carina Prates disse...

Feminista, com muito orgulho!

Jéssica disse...

O comentário do Amer não é totalmente uma mentira, realmente esses tipos de mulheres existem e atrapalham o feminismo, mas:

"A resistência As feministas se deve a existência das feministóides."

É simplificar demais. Elas apenas são mais um ponto atrapalhando, culpa inclusive da falta de ensino sobre feminismo, que não deixa claro o que é ou não é feminismo.

Mas, a culpa principal, é da propaganda machista contra o feminismo.

Jéssica disse...

Ah, e claro, também sou feminista com muito orgulho! =D

Carina Prates disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carina Prates disse...

Discordo totalmente do Amer. Movimentos sociais não devem ter medo de incomodar, se não incomodam, não estão cumprindo a sua função. Se os machistas detestam o feminismo, estamos no caminho certo, por mais plural que o feminismo seja.

"O feminismo é odiado porque as mulheres são odiadas. O ódio ao feminismo é a expressão do ódio às mulheres." Andrea Dworkin

Pedro @snoopy_xxx disse...

Amei seu texto encorajador Lola.
Não se faz as outras pessoas pensarem se você não deixa claro a sua posição. Aprendi isso muito bem no ano passado, principalmente por causa do terrível período de eleições de 2010.
Confesso que já tive dúvidas em me considerar feminista já que vez ou outra me pego sendo machista (mesmo que não seja algo extremo), mas eu duvido muito que eu seja o único... Se eu quero um mundo de igualdade entre todos e acredito que as mulheres podem tanto quanto os homens, porque não me considerar? Eu já saí desse armário e sou feminista assumido para todos a minha volta!

Pedro @snoopy_xxx disse...

Ah sim, adorei a foto e o desenho rs.

Anônimo disse...

Lola lindinha!

damnedqueen disse...

Mães ou objetos sexuais? Ok, então se a coisa é assim, eu sou um alien, pois nunca me encaixaria em nenhuma das duas opções.

Parabéns pelo post. Brilhante! Continue escrevendo, Lola. :)

@annylucard

blog do jc disse...

sou homem e com muito orgulho sou feminista. tom ze em seu cd estudando o samba fez um hino a tudo que as mulheres sofrem ate hj.

Mulher – Divino Luxo – Navio Negreiro
O macho pela vida
Se valida
A molestar a mulher
Se diverte.
Apavorada,
Ela, que se péla,
Pouco pára de pé,
E padece.
Quando ele pia, pia, pia,
Pra inibir na mulher o animal,
Talvez eu ria, ria, ria,
Vendo ele transar uma boneca de pau,
Com seu incubado,
Calado, colado, pirado pavor
Do segredo sagrado.
Por isto existe no mundo
Um escravo chamado

Mulher – Divino Luxo – Navio Negreiro
Graal – Puro Cristal – Desespero
Rosa-robô – Cachorrinho – Tesouro,
Ninguém suspeita dor neste ideal,
A dor ninguém suspeita imperial.
Eucaristia – Ascensão – Desgraça,
Filé-mignon – Púbis, Traseiro – Alcatra,
Banca de Revista – Açougue Informal – Plena Praça,
Ninguém suspeita dor neste ideal,
A dor ninguém suspeita imperial

Carol Winchester disse...

LOLA s2 ANDRÉ

Amer H. disse...

Carina, em momento algum eu falei que movimentos sociais devem ser discretos. Só estou dando UM motivo pelo qual muitas feministas são mal vistas.

Coloquemos a coisa desse jeito, imagine que a primeira pessoa religiosa que você conheceu era um fanático psicótico que exige que todos os gays, negros, judeus e asiáticos do mundo sejam mortos, pois não representam o povo de Deus. Imagine que você nunca tinha visto uma pessoa religiosa até este momento, o encontro com este sujeito não vai moldar sua opinião para todos os encontros futuros com pessoas que tenham fé?

Mesma coisa, só que com feministóides fazendo o barulho.

Agora, eu conheci mulheres que me disseram que "todo homem está a uma dose de vodka de estuprar uma mulher" ou "homem nenhum presta para ser pai, só mulheres deveriam criar crianças".

Eu já conhecia feministas de respeito, então minha opinião sobre o movimento não mudou. Mas quantos caras escutaram este tipo de coisa e ficaram com uma idéia errada?

Existem muitos outros problemas, claro, mas uma boa parte do preconceito se deve a estas pessoas, que defendendo os próprios interesses, prejudicam gente legítima que quer trazer alguma mudança ao mundo.

Mesmo nos comentários deste blog aparecem muitas leitoras, que usam de pseudo discurso feminista para se lamentarem em um lugar que sabem que receberão afagos.

"Me xingaram em uma sessão de jogo online, só porque sou mulher."

Não, minha filha. Te xingaram porque é uma sessão de jogo online e qualquer um é um bom alvo pra isso.

E boa, Anônima. A única coisa que você é capaz de proferir ao discordar da minha opinião é caçoar de meu nome? PARABÉNS!

Você é feminista desde os treze anos? Quantos tem agora? Catorze?

L. Archilla disse...

Amer, como sempre, vc mistura questões pessoais de feministas com as sociais. O que o fato da suposta feminista ser carente e mal resolvida tem a ver com os ideais que ela defende? Se pagar pau pra ex namorado fosse abdicar da igualdade de direitos a gente teria uma sociedade mista entre machismo e supremacia feminina, já que tá cheio de cara que deprime pelo mesmo motivo.

A gente falou aqui esses dias sobre as razões que levam uma mulher a acobertar um agressor. Embora não seja o foco da discussão, vale a pena dar uma olhada lá porque tem a ver com isso que vc fala. O modo como uma pessoa age na vida íntima não tem nada a ver com as bandeiras que ela levanta.

Carina Prates disse...

Não, Amer, as pessoas não odeiam o feminismo por causa dessas tais feministas que vc diz. Você sabe muito bem que a maioria que profere opiniões sobre nós nem se dá ao trabalho de ouvir o que temos a dizer, independentemente da nossa visão dentro do movimento.

Carina Prates disse...

Consequentemente, Amer, a sua comparação com o tal fanático religioso não procede, porque as pessoas já vem com uma idéia preconcebida (e negativa) de feminismo muito antes de conversar com qualquer feminista que seja, ou de ler qualquer texto, artigo, livro ou tese feminista.

Anônimo disse...

Eu...sou feministaaaa...com muito orguuuuulho....com muito amoooooor...
(Fiquei um pouco mais depois da campanha da nossa presidenta e, principalmente, depois do primeiro discurso.) Adriana BH

Amer H. disse...

Archilla, a vida íntima de uma pessoa tem TUDO a ver com as bandeiras que ela levanta.

Suponha que eu pregue que prostituição é um câncer que destrói nosso país. Que enquanto existirem garotas de programa, a "santidade da família Brasileira" nunca mais será a mesma.

Eu crio blogs, podcasts e dou um jeito de publicar um jornal sobre o assunto, crucificando prostitutas e aqueles que usam de seus serviços.

Então, em meu tempo livre, gasto metade do meu dinheiro em garotas de programa.

Meu discurso muda um pouco quando se descobre este detalhe, não?

A pessoa que descrevi se tornou feminista A PARTIR DO MOMENTO que terminou com o ex namorado. O feminismo dela é a flor da pele apenas, ela nunca leu ou estudou nada a respeito e apenas usa o argumento do "homens são canalhas" em todas as discussões que tem. Em todas as conversas que tivemos, ela nunca conseguiu defender nenhum de seus pontos de vista, algo que eu acho, É O MÍNIMO que uma pessoa engajada em algo deve fazer.

A questão que levanto é a da hipocrisia. Esta garota em particular é uma hipócrita, assim como centenas, quem sabe MILHARES dentre as que se dizem feministas.

Entenda o seguinte, não estou atacando o feminismo, só explicando uma das razões pelos quais acredito que o movimento é tão mal interpretado. Por causa de pessoas hipócritas que se dizem parte dele e que trazem tremendo mal a sua imagem por agirem de forma tendenciosa e falsa.

Não me diga que não existe gente assim, por favor. Em todo movimento social existem indivíduos barulhentos que só querem defender seu próprio conforto e estão pouco se importando com o coletivo. Assim que a máscara cai, eles imediatamente assumem a fachada de vítimas e tentam conseguir empatia das pessoas.

Carina, de fato, muitas pessoas tem uma idéia pré concebida, mas eu acredito que uma grande parte (talvez não a maioria, mas muita gente assim mesmo) tem uma impressão ruim do movimento por causa de feministóides que disparam frases de efeito e adoram crucificar todos os homens, sem usar um argumento racional sequer para defender o que estão dizendo.

Sério? Todo homem está a uma dose de Vodka de estuprar uma mulher? O que se pode pensar de alguem que diz isso? Nem todos vão pesquisar sobre o movimento feminista pra saber se todas pensam assim.

Acreditar que absolutamente todas aquelas que se dizem ser membros do movimento feminista são mulheres informadas, inteligentes e com boas intenções é pura ingenuidade.

L. Archilla disse...

Putz, Amer, pelo q vc ta falando, oq essa menina defende não tem NADA A VER com feminismo, simplesmente. Existe gente caricata e sem noção em todo movimento social? (Ou ao menos que se diz partidária dele?) Disso não tenho dúvidas. Mas uma pessoa justificar o descrédito no movimento X baseado em um ou dois "militontos" q ela conhece só mostra o quanto ela é tapada e preconceituosa, ainda mais na era Google. Qualquer pessoa com acesso a internet pode digitar "feminismo" num site de busca e ter acesso desde à história do movimento, e-books, dissertações, até a bate-papos sobre o assunto. Difícil a pessoa "não saber o que é". O fato é que, como foi colocado, existe todo um marketing contrário ao movimento, que faz com que as pessoas nem mesmo se interessem em saber mais sobre ele.

Quanto à relação ideais X vida pessoal, imaginei mesmo que vc fosse usar esse argumento da hipocrisia. Acontece o seguinte: o feminismo não é um movimento que prega que determinado comportamento feminino é bom ou ruim, ou que todas devemos viver de tal maneira. Ele prega a liberdade de escolha, só isso. E a minha escolha pode ser torrar o cartão de crédito do meu marido num salão de beleza, não trabalhar, ser mãe e santa dona de casa. É uma escolha que me põe numa situação absurdamente vulnerável, mas é uma escolha. Então, ainda que essa sua amiga vivesse em função do ex e pregasse o feminismo, isso não teria absolutamente nada de contraditório.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Não lembro quando ouvi falar de feminismo pela primeira vez, só lembro que sempre me identifiquei como tal e na adolescência, quando passei a conhecer mais a fundo, ler livros sobre o assunto, a identificação foi ainda maior.
Nunca tive vergonha de me assumir como feminista, também não ouvia críticas negativas a respeito, me parecia que as pessoas apenas não falavam a respeito.
Na internet é que descobri como a palavra muitas vezes era mal interpretada (principalmente por homens) ou ignorada (principalmente por mulheres). Mas são comentários ou bobos ou de quem desconhece que então nem me importo.

Roberta disse...

Hm,agora entendi o que ele quis dizer ^.

Anônimo disse...

CALA A BOCA AMER!

Lu* disse...

http://theangrydyke.tumblr.com/

Adoro ler o tumblr dela! Voce talvez va gostar tb :D

Muito bom tocar sobre um assunto que ja virou 'tabu' ou quase isso, ja que ninguem fala e se faz de cego quando comentam. Gostei dos argumentos.

Carolina Chamiso disse...

Costumo dizer que não sou feminista, apenas anti-machista. Luto por direitos iguais em gênero, mas me limito a ser quem eu sou sem tomar partido de lado algum, nem pelas mulheres, nem pelos homens. Afinal, se escolhemos um lado, parece que desmerecemos o outro. Mulheres não são melhores que os homens, e nem os homens melhores que as mulheres. Estou ao lado da liberdade e igualdade. Só isso.

Adwilhans disse...

Muito legal e oportuno o post, Lola. Fez-me lembrar de uma conversa que tive com minha chefe durante a campanha eleitoral. Ela é super religiosa, eleitora do Serra e tem verdadeiro pavor de feminismo, acredita que as mulheres devem servir aos homens e por aí vai. Aí eu disse a ela: Mas vc trabalha fora e, pior, tem um cargo de chefia tendo não um, mas dois homens como subalternos! Até hoje espero alguma resposta... hehehe
Detalhe: é uma das mulheres mais dedicadas ao trabalho e competentes que conheço.

Cirilo Vargas disse...

Encontro em toda esquina gente supostamente esclarecida que defende abertamente que mulher tem seu papel restrito a cuidar da casa e cumprir o "débito conjugal". As mulheres mudaram, mas grande parte dos homens não.

L. Archilla disse...

Carolina, se vc é anti-machista, vc é feminista.

(A não ser q vc defenda a supremacia feminina, mas parece que não, pelo resto do seu comentário...)

aiaiai disse...

parei o meu recesso internetico apenas para ler a lola. Tava com sindrome de abstinência kkkkkkk

Adorei que agora seu nome é shirley kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Agora sobre o post:
Sempre fui feminista, desde criancinha também, mas me rendi ao backlash do final dos anos 80, acentuado no brasil nos anos 90...também passei a achar que era feio dizer que era feminista. Isso durou alguns anos, até que percebi que jogo estava sendo jogado e como eu estava na torcida errada.
É óbvio que só os que querem manter a desigualdade podem estar interessados (e investirem pesadamente) em passar uma imagem negativa das feministas que lutam - desde sempre - por direitos iguais.

A confusão feita por uma das comentaristas (que se diz anti-machista e não feminista) é resultado desse trabalho tão bem feito pelos que são contra a igualdade e querem manter o poder na mão dos homens, porque, afinal, sempre foi assim, né? O que queremos é que o poder não esteja na mão de ninguem...que sejamos todos iguais.

As feministas não estão do lado das mulheres, elas estão do lado da humanidade. Se você acha que as feministas estão do lado das mulheres você não entendeu o feminismo. O machismo também não está do lado dos homens, está do lado dos homens que querem dominar mulheres e manter o patriarcado. O machismo está contra a humanidade pois prega que metade dessa humanidade seja tratada como ser inferior e que a outra metade tenha que repetir o comportamento dominador para continuar seu "papel" de dominar. Daí a homofobia...

É uma situação de perde-perde, ninguém ganha, nem homens nem mulheres. Sacou?

Marcella Araujo disse...

adorei seu blog!
ah!li tembem a "estoria do amor",eu tambem escrevia sobre oque acontecia todo dia e tambem escrevia historia com E!
hehehehe

Vivien Morgato : disse...

As caricaturas das sufragistas eram sempre doidas, né? Ou magrela ou gorducha, brava e com um homenzito dominado e frágil.
Feministas, oh, horror.

Diga lá, as pessoas não cansam?

paula disse...

Olá Lola,

O engraçado do seu post é que me vi em várias linhas do que aqui está escrito. Recebo vários rótulos por defender o direito das "minorias". Sou vista como lésbica, defensora dos direitos humanos, militante negra e por que não, feminista? Não faço isto por querer ostentar bandeiras, mas porque acredito que a luta seja mais que necessária. Visto que a igualdade dos nossos direitos tem sido alcançada, mas o processo carece de uma morosidade irritante.

E de fato a quem interessa esta nossa luta? Pois bem, saiba que tem mais uma aliada nestas questões, por entender que, de fato, o nosso estado de direito não nos concede igualdade perante uma classe patriarcal em que fomos criadas e educadas neste infame estado de submissão que até hoje perdura.

E o caos se instala quando questionamos o que está posto e queremos confrontá-los.

Feministas, sim. Até que tenhamos os nosso direitos equiparados, a luta ainda perdura.

Anônimo disse...

você ja lavou sua louça hoje ??? estamos de olho !

coep disse...

Esse seu artigo é excepcional. Gostei principalmente do último quadrinho, do qual pode-se extarir seguinte mensagem: as mulheres podem denunciar as injustiças, desde que não apontem os culpados por tais injustiças. Beleza.

Mauro Alves da Silva
Gremio SER Sudeste
Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor
http://gremiosudeste.wordpress.com/

Winry-Senpai-Sensei-Sama disse...

Sou Feminista ^^!! Nunca vi como algo ruim, inclusive, sempre vi como uma luta positiva visando a igualdade de direitos entre homens e mulheres \o Desde pequena também! Quando na adolescencia começei a entrar um pouquinho mais em contato, a agora com 21 anos estou me aprofundando mais no assunto, sempre me orgulhei de me ver como feminista, porque antes isso é apenas uma parte do que é ser humanista! Embora ache que não cheguei a ser tão feminista quanto a Lola, mas nunca achei justo ser tratada diferente ou excluida de alguma coisa por ser mulher, ou por qualquer outra diferença.
Nem eu, nem nenhum(a) outr@ colega. Pra variar os posts da Lola são extraordinários e de uma clareza impressionante e direta! Parabéns Lola!

bigdudsx disse...

Muito bom seu blog. Adorei esse post e também me considero feminista. Até mais que as mulheres que moram comigo, como minha mãe e minha irmã. Ganhou mais um leitor ^^

Gata de Tiara disse...

Meu comentário é o último e provavelmente ninguém vai ler, mas talvez valha a pena falar, mesmo assim. Seguinte:

Machista é o cara que defende que os machos são melhores e superiores em tudo. Certo? Confere. Então feminista é o oposto disso... certo? Então a melhor definição para feminista seria uma mulher que acha que as fêmeas são melhores superiores em tudo.

..portanto, conclui-se que isso não é uma busca pela igualdade, sim uma guerra de sexos. Se vc luta pela igualdade, não deveria se dizer feminista (não porque isso seja um crime, coisa feia, alvo de preconceito e o caramba a quatro - pq vc tem o direito de ser o que quiser, etc..), mas deveria simplesmente dizer que é a favor da igualdade de direitos, seja da mulher, do gay, da criança, do idoso, dos anões, dos negros, dos deficientes... etc.

Ou será que só as mulheres merecem uma igualdade de direitos?

lola aronovich disse...

Gata de Tiara, não, machismo e feminismo não são opostos. Machismo é um preconceito e faz parte do senso comum. Feminismo é uma luta contra esse preconceito. Nem sempre machismo quer mostrar a superioridade dos homens. Às vezes quer só ditar qual o papel do homem e da mulher na sociedade. Feminismo não é achar que mulher é superior ao homem. O movimento luta por igualdade de direitos, não por superioridade. Não tem nada de guerra dos sexos. O feminismo não quer nada de mau pro homem. Pelo contrário, quer que ele tenha também liberdade de escolha para poder sair de um modelo pré-concebido (e falido) de masculinidade. Assim como quer romper com um conceito ultrapassado de femininidade. Ser a favor de direitos iguais é justamente o que quer uma feminista. Por que ela não deveria se dizer feminita, se o feminismo é justamente isso? Vc não acha que está se baseando numa definição do feminismo que não é a correta? Lutar pelos direitos das mulheres não impede que outras pessoas (e as próprias feministas) lutem pelos direitos de outras minorias. Todos merecem direitos iguais. Mas o foco das feministas é pelos direitos das mulheres, ué. O discurso de “vamos lutar pelos direitos de todo mundo” não funciona porque, lamentavelmente, nesse “todo mundo” as minorias sempre acabam sendo esquecidas.

JEFERSON disse...

Lola muito bom(Sou so um visitante não queiram virar trolls pra cima de min porque não vou responder!)
Lola eu sou a favor dos direitos iguais entre as mulheres e os homens
Antes de me atacar,eu sei que muitas coisas ainda sao injustas em relação ao homem e a mulher como o salario
Mais nas classe mais pobres essa e a simples verdade e as mulheres que ficam sem estudo nessas classes(não estou discriminando apenas citando)acreditam que apenas casando com homens ricos ou da classe media consegueriam subir na vida e dar um futuro aos seus filhos e filhas
Mas agora o feiminismo.Sou a favor como ja disse aos direitos iguais entre os sexos porem algumas "feiministas" simplismente usam o mevimento do feiminismo para reclamar de seus problemas proprios e se pudessem se tornariam tão ruim quanto seus opressores.
Posso citar um exemplo de uma amiga minha que se dizia feiminista.
Eu sempre educado conversava muito com ela no msn,so que um dia apos uma conversa disse a ela que ela tinha um rosto bonito,ela simplesmente fechou a cara comigo.
Agora e o seguinte aparentemente para essas patricinhas que se dizem feiministas qualquer homem que as elogia-las ou der sua opinião estara invadindo o espaço dessa garota e tentando a subjugar.
Eu não falo mais com a minha "amiga" desde que ela enloqueceu comigo e saiu falando pra todos que eu sou um machista imundo.
No caso eu sabia que ela gostava de mim e ficou reclamando no seu fotoblog de min dizendo que eu era um machista imundo que deveria morrer.
Ok ate ai tudo bem,mais gostaria de entender Uma garota patricinha que se diz feiminista e fica reclamando pela internet por seus fracassos nao aceita que alguem diga algo mais continuem querendo que um homem de inicio a relação.
Eu acho otimo seu blog mais acho que deveria falar de assuntos importantes de verdade por exemplo agora eu nao me lembro mais no oriente medio uma mulher teve seu nariz cortado pelo seu marido(o feiminismo e algo bom mais quando usado pelas pessoas certas,e sim eu sou um gamer e um pouco troll mais eu tenho uma boa relação com a mais a maioria das garotas que conheço mais acho que o feiminismo e usado mal em varias partes da internet).