quinta-feira, 26 de maio de 2011

AO PESSOAL QUE PREFERE A HOMOFOBIA À HOMOSSEXUALIDADE

Bullying contra gays nas escolas? Nah, isso não existe

No final de semana passada a Record, ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, exibiu uma das reportagens mais tendenciosas que eu já vi. Foram nove minutos ininterruptos (veja aqui) batendo no kit de combate à homofobia. Uma vergonha. Não havia outro lado, como ao jornalismo convém adotar. Todos os “outros lados” (por exemplo, um ativista gay) eram igualmente contra. Ficou parecendo que o governo inventou a campanha sozinha, só por falta do que fazer, como se ela não fosse uma grande reivindicação dos movimentos LGBTTT.
É fácil ser contra o que Bolsonaro, aquele misto de deputado ultrareaça com Tiranossauro Rex, apelidou de “Kit gay”, ainda mais se repórteres te param na rua perguntando: “O que você acha deste vídeo com um desenho animado de dois rapazes se beijando ser exibido na escola pro seu filho de cinco anos?”. Olha, nesses termos, acho que até eu seria contra! E é mais fácil ainda ser contra quando nos escondemos por trás do manto sagrado da ignorância. É sério que a gente compra o que a mídia fala do projeto, sem nem sequer tentar descobrir o que ele representa? (Recomendo que você veja os três vídeos e julgue por si mesm@: vídeo um, deo dois, vídeo três. Agora me diga se eles têm o potencial de converter um hétero pra homossexualidade ou pra discutir o bullying?).
Uma canjinha: o kit representa apenas uma tentativa de educar os professores de escolas públicas para lidar com o enorme problema da homofobia. Seria usado com alunos do ensino médio, a partir dos 15 anos de idade (longe de serem criancinhas indefesas). O material incluía três vídeos bastante didáticos e nem um pouco explícitos (qualquer novela das seis mostra cenas cem vezes mais calientes, mas entre casais heterossexuais ― então pode?) e uma cartilha com sugestões de exercícios para o professor levantar na sala de aula. Só. Poderia ser usado, por exemplo, em aulas de educação sexual para que se discutisse a diversidade e a tolerância à diferença.
Mas parece que vivemos num tempo de trevas (eu me senti em plena Idade Média durante a condenação à legalização do aborto durante a campanha presidencial do ano passado), em que ensinar tolerância é algo negativo. Putz, então eu tenho uma noção equivocada da educação. Pensei que educar fosse ensinar a pensar com senso crítico, a respeitar as diferenças, a conviver harmoniosamente em sociedade. Essas coisinhas básicas que eu adoraria que os pais ensinassem. Mas não, não ensinam. Se ensinassem, não haveria tanta gente preconceituosa no planeta. Por isso é absurdo ouvir quem é contra o kit anti-homobofia dizer que “só a família deveria tocar nesses assuntos com os filhos”. Tradução do que isso significa: “ninguém deve falar pro meu filho sobre homossexualidade, porque assim quem sabe dá pra fingir que essa depravação não existe”.
E aí, quem vai ensinar um ser em formação a não ser preconceituoso? Os pais, contaminados por uma geração ultrapassada de preconceitos? As diversas igrejas e religiões? Não me faça rir. As igrejas adotaram a bandeira contra a homossexualidade como se fosse sua única missão na vida. Ah, quem sabe a mídia possa educar? Desculpe, mas agora passei mal. Essa mídia que sobrevive de programas humorísticos que só perpetuam o preconceito? Que passa suas opiniões disfarçadas de jornalismo neutro e imparcial? (porque este texto que vos fala é uma opinião. Eu não finjo que sou objetiva). Talvez os amigos possam educar... Não, acho que não. Sobra a escola. Uma escola que é feita de pessoas, pessoas tão preconceituosas como as da família, da igreja, da mídia.
Mas por que seria necessário que se combatesse a homofobia (e tantos outros preconceitos)? Porque o ódio mata entre 200 e 400 gays, lésbicas, travestis e transgênero por ano. São brasileiros que são assassinadas unicamente pela sua orientação sexual. O Brasil é um dos países mais homofóbicos do mundo e, apesar do governo do PT ter sido o mais acolhedor às causas homossexuais na história, os números da violência permanecem inalterados. Nas escolas, os casos de bullying contra meninos “afeminados” e meninas “másculas” são altíssimos. Nossa sociedade é tão cruel com os adolescentes que se descobrem homossexuais que há incontáveis suicídios entre eles (nos EUA, existe uma campanha que promete que a vida melhora pro gay caso ele sobreviva à adolescência). É isso mesmo que a gente quer como sociedade? Desde quando não aceitar o diferente faz com que ele vire “normal”? Desde quando ser “normal” é necessariamente bom?
“Normal”, pelo jeito, é aquele ser burrinho que dói que pensa que, se o seu filho conversar sobre homofobia, ele se transformará num homossexual. Pô, é que nem achar que se posicionar contra o racismo faz um branco virar negro. Ou que um homem que seja a favor dos direitos iguais pras mulheres deixa de ser homem. Não faz o mínimo sentido, mas é nisso que os “normais” creem. O “normal” é aquele que pensa que defender um mundo sem intolerância é querer endoutrinar alunos. Ahn, sinto ser eu a contar isso pra você, mas endoutrinados eles já estão. Senão não precisariam da escola para ensinar-lhes a se ver livres dos preconceitos.
Pra ser franca, não sei se uma campanha de combate à homofobia nos moldes do kit teria resultados, mas sei que é preciso tentar. Por isso é extremamente desolador que o governo tenha voltado atrás e aposentado o kit anti-homofobia antes mesmo de tê-lo lançado. Diz-se que houve pressão da bancada evangélica, que teria ameaçado abrir uma CPI pra investigar o Palocci se o governo não desistisse da campanha. Se for verdade, é muita deceção. Porque, né? Dane-se o Palocci! Ele nem deveria estar nessa administração pra começar. Mas é assim que o governo pretende se comportar? Trocando fidelidade partidária por direitos humanos?
É óbvio que os gays, e a causa dos direitos humanos em geral, estariam em lençóis piores se a direita houvesse vencido as eleições. Mas é muito decepcionante ver um governo recém iniciado como este recuar num ponto tão importante. E mais decepcionante ainda é perceber o comportamento de manada de boa parte da população, que fala sem querer ouvir e insiste em perpetuar preconceitos. E que não tem pudor em informar-se através de uma mídia nada interessada em informar.

73 comentários:

Isabela Candeloro Campoi, disse...

Poxa, Lola, a sua decepção é a minha. Na verdade queria ouvir isso da boca da presidenta, que aliás tá sumida: pessoas falam por ela...

Ginger disse...

Que chato! =/

Acho que foi uma grande perda mesmo, eu vejo muitos casos de bullying lá na minha escola contra pessoas homo afetivas. Quase sempre os 'argumentos' dos trogloditas vem acompanhados de uma justificativa religiosa de como o "homem nasceu pra mulher e vice-versa".

Eu mesma já escutei comentários assim, pq o povo na escola pensa que sou lésbica, por jogar no time de Hand e por vestir camisa xadrez, queriam até arrancar ela !!!

Dei parte na secretaria da escola que mais uma vez botou a culpa em mim.

Não vi nada demais nos videos e como vc bem disse Lola, há cenas muito mais picantes em novelas por exemplo, não só em novelas, comerciais de cerveja tb pra citar mais um caso, para esses hipocritas vender a imagem da mulher pode, relacionar bebida a sexo pode, mas discutir preconceitos e tolerancia não pode.

eu fico muito chateada msm.

Daní Montper disse...

Sinceramente, Lola, minha indignação com esse veto já chegou ao ponto de não querer mais comentar sobre isso e sim agir, estou tentando organizar passeatas, campanhas, boicotes, o que for para que a bancada evangélica não se meta mais em assuntos que não são religiosos e sim constitucionais e de direitos humanos - ainda mais por nosso estado ser laico!
Ainda mais por ter sido por motivos tortos como o de proteger o Palocci.
Ah isso não pode ficar assim, não pode mesmo!
Dizer que combate a homofobia é uma questão a ser tratada como costumes é de uma atrocidade tão grande que chegou a me dar vergonha de votar na Dilma.

Vambora para as ruas, gente!

Eduardo Marques disse...

Sou totalmente a favor quanto a educação de crianças contra a homofobia. Acho que esse projeto já vem tarde. Não vi nada de errado com os vídeos, olhando por cima.

Só me desculpem o moralismo, mas acho que devemos tomar cuidado com educação sexual para crianças. Crianças com menos de 10 anos não devem saber coisas como colocar camisinha, a não ser quea intenção seja usá-las com um pedófilo.

Carol disse...

Eu acho que os homofóbicos devem achar que ser homossexual é fantástico. Sinceramente: se a mera exposição à existência do homossexualismo (posso usar essa expressão?) 'converteria' uma criança, então é porque o negócio é bom mesmo, ne?

Enfim, recomendo a tod@s que acompanhem as reuniões do Conselho contra a Discriminação LGBT. É um conselho do governo, com participação paritária da sociedade civil, e todas as reuniões são transmitidas ao vivo. Posso avisar a Lola quando for a próxima reunião.

Ah, só pra constar. Sou hétero. Tenho bastante convicção disso. Amo meu namorado, não me interessaria por uma mulher sexualmente falando. Nem por isso acho que não devamos discutir o tema. Aliás, eu defendo o tema, sempre que questionada, tanto em ambiente profissional quanto pessoal.Meu namorado já ouviu muitas piadinhas por conta disso, já que aparentemente ele 'não consegue controlar a mulher dele'. Claro que ele não liga, briga de volta, etc. Mas a verdade é que a sociedade ainda vê qualquer um que defenda uma causa como um interessado. Não posso defender só por achar justa.

Carol disse...

Ah, concordo com o Eduardo. A primeira vez que ouvi falar sobre o kit, foi-me dito que era pra crianças a partir de 8 anos. Achei um absurdo. Não pelo conteúdo anti-discriminação, claro. Mas pela exposição precoce de crianças a conteúdo sexual. Acho que crianças até uns 10~12 anos não devem ser expostas a isso, principalmente na escola.

Quando digo isso, deixando claro, não quero falar sobre homossexualidade. Mas sim sobre sexualidade. Acho muito novo.

Como o kit é para ensino médio, tá mais que na hora. A essa idade, o adolescente já sabe muito bem o que é sexualidade, o que é preconceito, e já tem que ser educado. Podia ser até um pouco antes, a partir dos 12~13 anos.

aiaiai disse...

puxa, adorei os vídeos, fiquei até emocionada com o segundo. Como já disse conheço muitas lesbicas e sei como elas sofrem. senti falta de um que fale sobre o homossexual masculino.

Qt ao governo ter "aposentado" a iniciativa...não foi isso o que aconteceu.

Diante das pressões, a Dilma pediu para ver o material e checar se vai ser efetivo. Em resumo, ela quer ter mais tempo para explicar para a sociedade o que é e para que serve.

É bom a gente lembrar que a Dilma não é presidenta só de pessoas como nós que querem o avanço. Muitos dos que votaram nela não estão preparados ainda. E tem aqueles q não votaram nela, mas são cidadãos brasileiros também.

O processo tem que ser democratico, a sociedade tem que entender as intenções.
Foi feita uma campanha suja contra esses vídeos e agora a gente tem que explicar para a sociedade o que é de verdade e para que vai servir.

aiaiai disse...

Lendo os comentários vi que muita gente comprou o que a mídia falou: que a Dilma cancelou. Por isso repito: não foi isso o que aconteceu. Desde quando vocês acreditam na folha e no globo assim cegamente?

Fernando Borges disse...

Duvido muito que se a "direita" tivesse ganhado as coisas seriam piores.
Aliás, dentre os dois principais concorrentes na eleição, nem Dilma e nem Serra estavam na "esquerda".
A esquerda (oposição) está em algum canto, esperando sei lá o que...

Também fiquei revoltado com a proibição do Kit. É uma pena que tenha feito isso apenas para manter o Palocci... Poxa, ele será apenas um peso morto daqui pra frente...
Se pra mim, desde que eu passei a ter algum interesse em política, o PT nunca teve credibilidade, penso que daqui pra frente a coisa só vai piorar.

L. Archilla disse...

Lolinha, como sempre, faço minhas as suas palavras. Agora, só um momento egotrip: em 2005, contracenei com uma das atrizes do vídeo numa peça teatral! Não é o máximo?

E aiaiai, quer dizer então que há chances dos vídeos rodarem, ainda? Que maravilha!

Daní Montper disse...

Meu problema com a Dilma foi um representante dela dizer que todos os temas relacionados aos costumes devem ser passados por aprovação presidencial, sendo que homofobia não é assunto de costumes e sim de direitos humanos.

Estão dizendo que a Dilma viu vídeos que não fazem parte da campanha e por isso pediu para ser suspenso. Ora, ora, o Ministro da Educação, Haddad, já falou que esses vídeos não são da campanha há tempos, antes mesmo da suspensão, e já disponibilizou os vídeos verdadeiros, será possível que ainda cabe dúvida?

Para quem não sabe, o kit-antihomofobia foi aprovado pela ONU, pela UNESCO, pelo Conselho Federal de Psicologia, pelo Ministério Público e pelo Ministério da Educação, como que podem suspender um kit depois de tantas aprovações com base numa indignação de bancada religiosa (que não tem qualificação nenhuma para discutir o tema) e dizer que é por se tratar de costumes?

Não acho razoável o kit ter sido suspenso para ser revisto, não deveria sequer ter sido questionado e a presidenta não deveria ceder e tratar o caso como de costumes.

Serge Renine disse...

Aronovich:

Esse caso é tão complexo que até a presidente Dilma teve dúvidas sobre o Kit. É difícil tecer comentários em um blog sobre esse assunto sem cometer possíveis leviandades.

Em compensação eu felicito você e a todas as mulheres pela prisão do covarde Pimenta Neves. Foi preso tarde, a pena é muito pequena, mas, pelo menos um criminoso confesso não ficou totalmente impune por apos cometer essa brutalidade covarde e tentar através de subterfúgios jurídicos escapar da pena.

Mais uma vez, parabéns a todas as mulheres por essa vitória na justiça.

André disse...

Se o governo vai recuar ou não eu não sei. Mas que bonito ver a bancada religiosa apelar para chantagem. Preferir fechar os olhos para a (possível) corrupção do Palloci à respeitar o estado laico. Como deve ter gente santa
saudosa das fogueiras.

Luci disse...

gente, tou besta!

eduardo: "Crianças com menos de 10 anos não devem saber coisas como colocar camisinha, a não ser quea intenção seja usá-las com um pedófilo".

e por que nao devem? o fato delas saberem usar nao implica necessariamente na obrigatoriedade do uso.

carol: "Acho que crianças até uns 10~12 anos não devem ser expostas a isso, principalmente na escola".

criança de 12 anos? aos 12 anos ninguém eh mais criança. nessa idade as pessoas ja sabem ha muito tempo o que eh sexo, o que eh uma camisinha. podem nao saber exatamente como as coisas acontecem, ha muita duvida e questionamento e eh exatamente por isso que sexo deve ser discutido sim com as "crianças" dessa idade, sobretudo na escola (ja que em casa geralmente os pais nao sabem como tratar desse assunto).

mas eh claro que nao vamos usar a mesma didatica pra ensinar uma criança de 8 anos sobre o que eh sexo que usariamos com o adolescente de 16 ou de 17 anos. tudo tem que ser adaptado, e nao evitado. afinal, o que se diz pra alguem de 8 anos que pergunta o que eh uma camisinha? "nao, nao posso te contar, senao voce vai usa-la com um pedofilo"? acredite, se a criança tem duvida, ela vai tirar com outra pessoa, vai arrumar outro meio de saber sobre sexo. mas bom, a discussao nao eh essa. :)

Luci disse...

outra coisa. engana-se quem crê piamente na inocencia infantil hoje em dia... na escola voce eh exposto a todo tipo de piada e conversa sobre sexo, desde sempre. em casa, eu nao abria a boca nem pra dizer "merda" como xingamento. era um anjo de candura. na escola, eu ouvia todo tipo de comentario sobre sexo. e olha que estudei em varias escolas, da publica mais fudida ate à melhor da cidade, no ensino medio. sexo é assunto corrente, nao adianta papai e mamae tentarem esconder isso em casa, evitar. a criança ta exposta a isso o tempo todo. eu aprendi o que era pau e buceta antes mesmo de saber o que era vagina e pênis. entao, essa de "crianças nao devem ser expostas a isso" eh inocencia das grandes. tem que ser "expostas", mas da forma certa.

Bruno S disse...

A blindagem ao Palocci tá ficando cara demais.

éden-san disse...

O pior é saber que tal posição da Dilma está ligada a pressões sobre o caso Palocci... nojento ¬¬

LeoCisneiros disse...

Escrevi um texto meio longo sobre o assunto. Posso deixar o link aqui?
http://summaproinfidelibus.wordpress.com/2011/05/25/realpolitik-do-senhor/

Lá do texto:

"É por isso que a bancada religiosa não tem legitimidade para entrar nessa discussão: não apresentou um caminho melhor, não concordou nos objetivos, não reconheceu a existência do problema e só fez vetar a solução que tinha sido mais discutida. A posição religiosa radical não tem o direito de se apresentar como mais uma voz no debate porque a sua posição é a da eliminação do debate, as suas soluções são não soluções, como já ficou claro no caso da AIDS."

Fora isso, a posição do governo foi bem vergonhosa. Dizer que Dilma resolveu vetar de última hora por não ter gostado dos vídeos desautoriza todo o processo técnico no MEC de discussão dessas políticas. É passar um atestado de incapacidade de delegar poderes ou de incompetência coletiva do ministério. Era de se esperar umas entregas de cargo coletivas...

Ah, e outra coisa: eu acho que esses vídeos são até fraquinhos. Tinha que rolar mesmo era Boys Don't Cry e My Life in Pink para professores, alunos e deputados...

Abraços!

Janaina Capistrano disse...

Muito bom texto Lola, expressa a indignação de todos que presenciam e sofrem com a violência física e simbólica que sofrem as pessoas com orientação sexual diferente da hétero. Não vejo nada demais nos vídeos, nada a que os próprios alunos não estejam acostumados a ver e a conviver, muitos até de forma natural, outros nem tanto, e é mais ainda pra educar esses que não convivem pacificamente com as diferenças que os vídeos seriam utilizados. Fico muito decepcionada com a sociedade brasileira, com a hipocrisia, e com a presidenta, que deveria priorizar os direitos humanos, e não fazer barganha com esses líderes religiosos.

Sybylla disse...

Na boa, acho que direita e esquerda não existem, existe de fato poder. Aquele que tá no poder é que vai definir aqueles abaixo.

Se a população soubesse ouvir ao invés de só berrar impropérios, talvez eles pudessem analisar o material. Pode ser que não dê o resultado esperado? Sim, pode, quantas políticas e programas vimos não dar certo? Mas vimos aqueles que deram. O duro é ver que a constituição diz que o Estado é laico, mas vemos que ele é e sempre foi regido por uma moral falha, oportunista e que privilegia alguns (o novo Código Florestal está aí para provar, além do Palocci, que já encheu o saco).

Fernando Borges disse...

Concordo totalmente com a Luci.
As crianças já estão expostas a isso de qualquer maneira, então uma atitude mais inteligente seria esclarecê-las, com a didática adequada, é claro.
Crianças não possuem maturidade para fazer sexo, mas isso não impede que meninas de 13 anos engravidem, então é melhor que haja sim uma conversa sobre o assunto.

Bruna disse...

Da aiaiai:
"Diante das pressões, a Dilma pediu para ver o material e checar se vai ser efetivo. Em resumo, ela quer ter mais tempo para explicar para a sociedade o que é e para que serve."
Nossa gente, nada mais claro do que isso! Fazer o quê, se a maior parte da população só ouviu o que a Record noticiou, quase ninguem viu esse material. É dificil engolir, mas a maioria está contra mesmo. Tentar explicar pra sociedade do que se trata é uma saida. Estou meio cansada de bater cabeça, então qdo alguem vêm falando contra o kit eu digo que a intenção não é incentivar a homosexualidade e sim evitar que algum garoto vá pra cadeia ou pra Fundação Casa por se sentir no direito de quebrar uma lampada na cabeça de alguém.

Carolina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel Tavares disse...

Parabéns a presidente Dilma, por suspender uma camapanha que vai contra os desejos do povo brasileiro.
Não ao Imperio Homo

Pentacúspide disse...

quem pensar que criança de 8 anos não sabe do sexo ou não foi criança ou é super-ingénuo, e eu tive essa idade há vinte anos, quando não havia tanta televisão e internet como hoje. A informação é uma coisa diferente de incentivação, informar alguém que se saltar de uma árvore pode partir a cabeça, não é dizer-lhe que deve saltar, por isso ensinar miúdos que se interessam pela sexualidade sobre essas questões prepara-os para não saltarem da árvore.

Quanto ao Kit em si, há uma tremenda desinformação e eu acho que devia haver mais campanha acerca do assunto, eu por exemplo quando soube da medida conheci-o como KIT GAY, e não anti-homofóbico, e quando fui informar-me pesquisado acerca do "kit gay" só obtive informações sobre kit gay, e posicionei-me contra.
Ainda não tenho nenhuma posição acerca do kit anti-homofóbico, porém qualquer medicamento que possa providenciar cura sem efeitos secundários que causem mais problemas do que o problema a ser curado, é apoiado por mim (desde que não seja invadir os países árabes para curar o preço do petróleo).

aiaiai disse...

ministro explicando o que aconteceu agora ao vivo

http://portal.mec.gov.br/index.php

Rosangela disse...

Conservadores ensandecidos e suas posições tacanhas e soluções inúteis: Aqui nos EUA, Bush preferiu investir o dinheiro público em palestras para convencer jovens a não manter relações sexuais antes do casamento do que ensiná-los a usar camisinhas e outras formas de proteção para evitar doenças e gravidez precoce/indesejada. No Brasil, religiosos pressionam para suspender um kit educativo porque creem que ensinar tolerância e formas de proteção sexual vai despertar a promiscuidade. Aliás, consideram 'promiscuidade'relações homoafetivas. Que absurdo. Que falta de compaixão. Deus deve estar desolado e envergonhado com essas atrocidades cometidas em seu nome.

Pedro @snoopy_xxy disse...

Essa notícia realmente me deixou pra baixo ontem. Tem sido muito difícil não ficar com ódio só de ouvir a palavra evangélico. Quanto a Dilma, prefiro não dizer nada, a coisa tá meio mal explicada ainda. Espero uma atitude dela assim como a que a Aiaiai espera.
E bom, hoje temos pessoas que estão lutando com todas as forças em função dos direitos dos LGBT, não vai ser isso que vai nos abalar.

Priskka disse...

Notícia que acabo de ler: os vídeos que Dilma viu e que serviram de base para que ela vetasse o kit antihomofobia foram trocados: http://t.co/zxUsLme

Niemi Hyyrynen disse...

Tem gente que fica acusando a Dilma de estar criando uma malha de ferro para proteger o Palloci, o que eu acho que é um tiro no pé da própria Dilma mas tudo bem...

O pior msm é essa bancada evangélica, eles querem defender os costumes deles passando por cima dos direitos humanos pelos meios mais furtivos, chantagem é pouco!

Só o fato de haver uma bancada evangélica ... já me deixa triste.

Uma vizinha aqui da rua veio me falar que a Pl 22 era um projeto macabro que nós LGBT elaboramos para proibir a venda da Biblia!

É incrivel como esse povo apela para mentiras, mentir para as proprias pessoas que apoiam suas ideias tortas, tudo para garantir que o status quo não seja alterado.

Tive que explicar que o projeto de lei não tem nada haver com a pregaçao de culto e nem com venda de 'livros sagrados', que ate onde eu sei não deveria ser vendido.

No fim ainda tive que ouvir a teoria do "ha mas vc ja viu como funciona uma tomada"?

A idiota aqui foi perguntar o que era essa teoria.

"Você já viu uma tomada se encaixar em outra tomada? Nãooooo, pq a tomada foi feita para o encaixe da tomada, é a mesma coisa com a gente, Deus quis assim".

Mirella Nogueira disse...

Frase da Dilma que acabei de ler agora no site do uol: "Não aceito propaganda de opções sexuais".

Fonte: http://noticias.uol.com.br/educacao/2011/05/26/nao-aceito-propaganda-de-opcoes-sexuais-afirma-dilma-sobre-kit-anti-homofobia.jhtm

Realmente está meio mal-explicado esse negócio. Uns falam que o que ela viu foi outro video, etc. Mas se foi outro video que não tinha nada a ver com esses do kit anti-homofobia, pq ela diria algo como "propagandas de opções sexuais"?

Bom, resta termos esperança para que o retrocesso não ganhe. Votação a favor do código florestal e agora a "aposentadoria" do ki anti-homofobia por pressão de religiosos é demais para o meu coração. É retrocesso demais!

Roy disse...

O Brasil precisa deixar de ser essencialmente tao primitivo o mais urgente possivel. Na minha opiniao, banir a igreja traria mais beneficio do que custo (ironia, espero que entendam os radicalzinhos de plantao, e se nao, que bom, adoro irrita-los).

Ta linkada no meu Suma pelo texto sobre o idioma do linguista.

Beijos

Roy

Pedro @snoopy_xxy disse...

Tava comentando no twitter agora e resolvi voltar aqui. Eu vi os videos do kit anti-homofobia e realmente gostei deles, principalmente o das lésbicas e da transex, mas eu realmente não acredito muito que eles seriam lá muito efetivos.
Eu acharia mais satisfatório videos com entrevistas de alun@s que sofreram bullying homofóbico, depoimento de professores e psicólogos. Acho que trazer mais "realidade" faria o kit ter mais efeito nas pessoas.

Su disse...

Lola, só lhe digo uma coisa: PARABÉNS! Seu texto é excelente e eu já compartilhei ele com vários amigos. É o que eu gostaria de falar e você disse de forma majestosa!
Sendo assim, assino embaixo!
;)
Parabéns!!!!
Susana Ribeiro.

Roberta disse...

Nossa,bota decepção nisso Lola.Foi muita fraqueza por parte do governo voltar atrás.
Alias,quanto a esse negocio do Palloci,o que vc acha?

Roberta disse...

Por falar em bullyng na escola tbm tinha contra uma amiga minha
.Tinha gente que já sabia e gente que descofiava mas ninguem falava nada.Quando ela assumiu que era lesbica e começou a ficar com a namorada dela no recreio ficou comum ouvir "vozes"gritando no meio do corredor "Sapatão!"

aiaiai disse...

Adorei essa carta: fala direto à Dilma! Acho que é dessa forma que temos que fazer valer nossa vontade de avançar, não bradando mentiras da imprensa.

http://t.co/EIsAaYX

Defesa316 disse...

Divulgados os vídeos , sobre o rapaz que se chama “Bianca” —, assisti a outro, intitulado justamente “Probabilidades”. Conta a história de Leonardo, que descobriu que gostava de meninas e… meninos. Certo! Aí, relata o filme, “foi copiando a lição de probabilidade que Leonardo teve um estalo (…), gostando dos dois, a probabilidade de encontrar alguém por quem sentisse atração era quase 50% maior. Tinha duas vezes mais chance de encontrar alguém (…)!” Evidenciei o óbvio: trata-se de uma bobagem matemática dupla. Se Leonardo passou a se interessar por todos os bípedes sem pêlos e penas — os tais humanos —, e não apenas pelas fêmeas da espécie, dado que antes só fazia a sua coleta em 50% dos indivíduos, a probabilidade é 100% maior, não 50%; ele não tem duas vezes mais chance, mas uma — já que a primeira sempre esteve dada.
É um troço elementar. Eu não sei se a economista Dilma Rousseff, ainda que destituída de seu falso doutorado, percebeu a falcatrua matemática ao ter vetado o vídeo. O que me causa espanto é que não vi o erro apontado nos sites dos grandes jornais — não havia uma miserável linha a respeito. E a razão é simples. O erro não foi percebido pelo MEC, o erro não foi percebido pelos especialistas, o erro não foi percebido pelos jornalistas.
Uma vez denunciado, por alguns blogs conservadores os posts se multiplicam porque reproduzidos por outros páginas da internet, Twitter,etc), fizeram de conta que nada tinha acontecido, que a bobagem não estava lá, que o material era bom pra chuchu e só foi vetado porque Dilma cedeu aos dinossauros cristãos para tentar salvar a pele de Palocci.

Ferê disse...

Dilma votei na senhora acreditando que com toda sua força e historia na militancia não abriria as pernas, não fraquejaria com uma pressão dessas!
Sinto-me tão triste, e tão descepcionada que eu estou mesmo emocionada e sem palavras ! Muita tirsteza

l-rib disse...

Lola, eu estou indignado com a postura da Presidenta. Sem palavras. É muito bom ler você nessas horas.

Muito triste com o rumo que as coisas estão tomando...

meumundoficariacompleto disse...

De acordo com o Dep. Jean Wyllys, entre os vídeos que a presidenta viu estão alguns direcionados para travestis e transgeneros, sobre prevenção de doenças e afins. Esses sim possivelmente "pesados" para o público adolescente. E o veto se deu por causa disso.
E sinceramente, quem acredita que "crianças" de 12 anos não sabem nada de sexo mora em uma bolha. Tenho 3 primas que moram no interior de MG, em uma cidade tão pequena que não passa dos 50mil habitantes. Ou seja, teoricamente não são todos os dias bombardeadas pelos males dos grandes centros urbanos. Uma com 12, outra com 13 e a mais velha com 14 anos e vou lhes dizer, só confio na virgindade da de 13 anos, e só pq ela tem mais juízo mesmo. Se no fim do mundo, praticamente na roça os pais não conseguem blindar seus filhos desse tipo de assunto, onde mais conseguirão?

me poupe! disse...

Lola, me decepcionei bastante com Record depois desa reportagem, extremamente tendenciosa. Como vc mesmo disse, houve apenas um lado, o lado contra. è claro que a maioria das familias não conversam com os filhos sobre isso. A maioria sequer conversa sobre sexualidade, quem dirá sobre homossexualidade. Fiquei triste em saber que a Dilma não liberou o kit, uma pena realmente. Na reportagem, se observar direitinho, as pessoas estão falando como se o kit fosse pra crianças de 11 anos ou menos,que elas ficariam "confusas", quanto ao que é normal. Lamentavel. E dizem que o nosso país é um estado laico...

meumundoficariacompleto disse...

E mais, há dois kits circulando, um verdadeiro, da ONG Ecos
verdadeiro
e um kit falso (Bancada evangélica)

♪ ewerton M. disse...

Essa política, essa forma de fazer política do Brasil, do PT, é uma merd@#$%¨&*()!!! o Kit Anti-homofobia e Código florestal, pela blindagem de Palocci, meu Deus onde isso tudo vai parar...(?) Eu tenho é nojo, nojo desse povo. Dilma provou a que veio...
Vergonha também foi vê o "vanguardista" Haddad, voltar a trás com o rabinho entre as pernas porque a "sociedade" hetero-racista-homofóbica em coro com a bancada baixo-clero pseudo religiosa não aprovaram ou melhor não viram, mas a idéia ja denota reprovação. Triste retrocesso...

Quanto a TV Record, sem comentários, não precisamos né? Qualidade: Pouquíssima. Originalidade: Nenhuma.
Imparcialidade:... Ahhh?



“Tempo de trevas”, define sec. executiva do MEC;
“Desliga a motos-serra do Congresso” disse Dep. Federal.


:(

Koppe disse...

Se a Dilma quer manter por perto gente que causa problemas, mais cedo ou mais tarde vai ter que pagar o preço por isso. O que será que vão exigir dela na próxima vez? Que ela vete o PLC 122, talvez...?

Defesa316 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
♪ ewerton M. disse...

Para quem ainda insiste, que não teve o dedo do Executivo na reprovação ao Kit anti-homofobia, pela blindagem ao Min. Palocci.


O deputado Antonhy Garotinho afirmou: "todas as decisões que tínhamos tomado ontem, obstrução, criação de CPI do MEC e a convocação do ministro Palocci, estão suspensas com o compromisso que o ministro assumiu [de suspender o kit e colocar as bancadas nas discussões sobre material sobre costumes] e não com o pedido deles".

Na sessão de ontem, Garotinho já havia sugerido a ameaça: "Hoje em dia, o governo tem medo de convocar o Palocci. Temos de sair daqui e dizer que, caso o ministro da Educação não retire esse material de circulação, todos os deputados católicos e evangélicos vão assinar um documento para trazer o Palocci à Câmara”, afirmou à Agência Câmara.

http://noticias.uol.com.br/educacao/2011/05/25/governo-recua-com-kit-anithomofobia-por-pressao-da-frente-parlamentar-evangelica-e-catolica.jhtm

Não foi a Globo ou a Record, nem Veja ou IstoÉ, Folha ou Estadão...


De qualquer forma foi uma merd!@#$%¨&(*)_+_)(*&¨




:(

paula-lirio disse...

Depois dizem que religião não afeta decisões governamentais.

Entendo que as pessoas fiquem desconfortáveis em falar de sexo com crianças. Mas explicar homossexualismo não é, necessariamente, falar de sexo. Crianças pequenas também se beneficiariam com o conhecimento que o coleguinha "afeminado" merece respeito.

Eduardo disse...

A reportagem da rede record foi desprezível.O pior de tudo foi ver que até o "invetor do projeto",acredito que seja ele,consetiu em dar entrevista e dizer poucas palavras do tipo"custou cerca de ***milhões de reais...".O coitado não tem malicia em entender que a record é da Universal e não faria nada imparcial com as suas declarações!?Paciência!

Fora,ouvir outros gays patetas concordando com as opiniões infundadas da sociedade moralista e hipócrita em que vivem.Só serão a favor de algo ligado a causa GLBT quando precisarem.Quando cair a ficha que somos minoria e que nem todas as leis beneficiam a todos os cidadãos como pregam seu benfeitores.

Para terminar meu comentário,te digo que ouvir a Dilma falar em opção sexual foi o cumulo do que poderia ouvir sobre este caso.Lamentável!

8f0b193c-880f-11e0-b178-000bcdcb2996 disse...

E se fosse um "Kit Gospel", será que teria todo esse mimimi?

http://www.cleycianne.com/2011/05/conheca-o-kit-gospel-do-mec.html

denise disse...

O que esperar de uma sociedade tão injusta como a nossa, que pessoas que cultivam costumes tão arcaicos, de repente caiam em si da monstruosidade da dor que impingem nos que não são como eles, acho q isso é pedir demais.
Aliais essa semana foi bem típica de toda a injustiça que impera por aqui, assassinaram aquele casal na Amazônia, que inclusive já estavam jurados de morte, porque denunciavam o desmatamento por La.
Tem gente achando ótimo que o maldito do PIMENTA tenha sido preso, como se fosse justiça deixar alguns dias na cadeia ainda mais depois de 11 anos um canalha desse naipe.
Já há muito tempo não tenho nenhuma religião, porque por mais que se queira acreditar num Deus de justiça, ta difícil em ver seus supostos representantes aqui defendendo as patifarias que a gente vê por ai. Se Deus realmente quer isso, eu não quero esse Deus

aiaiai disse...

pra vocês terem ideia do grau de desinformação: ontem conversando com um amigo que se considera bem informado (lê jornais, assiste noticiários, etc) ele falou:
precisa ter algo contra homofobia, mas é um absurdo querer mostrar vídeos sobre homossexuais para crianças de 7 a 10 anos????
E eu:
como?
Ele:
É, vc não sabia? Esse kit é para crianças do ensino fundamental, até 6º ano.
Eu:
Não querido, é para o ensino médio, adolescentes com mais de 14 anos...
Ele:
Não, eu li no jornal e vi na record, o troço é para criancinhas...
Eu:
Não, isso é mentira...
Ele:
ah, tá, quer dizer que jornal mente? Vc tá maluca?
Eu:
Sim, fulano, jornal mente, eu não to maluca, quem tá maluco é você de acreditar na imprensa brasileira. Daqui a pouco vc vai me dizer que o governo da Dilma está provocando a volta da inflação.
Ele:
E não está?
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Eu ri, mas não é engraçado. ter uma imprensa que deturpa e mente descaradamente, nunca se desculpa pelos erros e engana a população se dizendo imparcial é FODA!

Pior ainda é ver nos comentários pessoas dizendo que "sim, foi barganha do governo...olha só, o garotinho falou"... É, vamos acreditar no garotinho, mas não na Dilma. NOT!

aiaiai disse...

Vcs viram o falso kit divulgado pela Fenasp e sabem o que quer dizer FENASP?

Q tal antes de bradar contra a dilma, tentar entender contra o que ela está tendo que lutar?

Vejam com seus próprios olhos:

O que é fenasp (não, não é instituição do governo paulista): http://bit.ly/m30rRL

e confiram o q foi mostrado p população como sendo kit gay http://bit.ly/lGibYr

Lane disse...

Lola, entendo sua revolta e até compartilho com ela em ceto, mas a forma que coloca no seu texto quando tira a sociedade, Estado e familia deste contexto e bota tudo isso na escola.

Nem todas as damilias brasileiras são preconcetuosos e criam seus filhos para matar homossexuais, até porque educação não se restringe ao aspectos familar, especialmente moral, ela também é apreendida na sociedade no contato que os individuos tem outras pessoas e instituições e por isto que a sociedade e o Estado devem fazer sua parte. Nunca uma só instituição é responsável por isso

A escola não pode ficar responsável por resolver todos os problemas da sociedade, até porque ela mesmo já tá cheia de problemas para serem resolvidos. Quem viu o video da professora Amanda Gurgel entende a situação.

A escola não é a REDENTORA da sociedade.

Daní Montper disse...

Lane, concordo contigo que a escola não é redentora, mas o aluno homossexual que já não encontra espaço em casa e chega na escola e é perseguido e achincalhado porque a escola não faz nada a respeito é o oposto de redenção.
Sabemos que os alunos que são homofóbicos aprenderam isso em algum lugar, provavelmente em casa, e se a escola não for um contrapeso, as chances dele ofender e bater no colega homossexual é maior do que em uma escola que aborda questões de diversidade.

Eraldo Paulino disse...

O pior é saber que foi tudo em nome de Pallo"f"i.

Ótimo texto!

Lane disse...

Dani,

Como disse a educação de uma criança, jovem ou adolescente não se restrinje a uma única instituição, seja ela familia, igreja ou escola, ela abarca tudo isso, sendo que uma tem mais peso que as outras, dependendo da importancia que ela tem para a vida do aluno

Se ele não ouve isto em casa, ele pode ouvir na rua com os amigos, ou em qualquer outro lugar porque é a partir das suas relações sociais que sua educação social-moral é construida.

Isto de acreditar que a escola transforma a sociedade é um mito derrubado desde a década de 60 por Boudieu que afirmou que a escola sempre reproduzirá as contradições sociais, os valores dominantes e hegemonicos indefnidamente. Dizer que escola muda a realidade não é mais coisa da ciência mas do senso comum

Este projeto para ser algo bem elaborado realmente não é o bastante ter boas intenções, é precio algo mais.Atualmente existe a chamado ' comunidade escolar formada por pais, mestres e alunos,ONDE TODOS definem como a escola deve tratar de questões como esta, por isto que o ideal seria ter um projeto como este aplicado a TODOS PERTENCENTES A COMUNIDADE ESCOLAR, familia, alunos e professores e não somente aos alunos, porque ele aprende na escola uma coisa, mas em casa ou na rua com os amigos ele aprende outra que pode ter muito mais influencia ou " autoridade moral" na vida dele.

Por isso que o certo seria convocar até mesmo as familias para falar de homofobia a fins de esclarecimentos e conscientização.

além disso, Estado também deveria preparar campnhas de conscientização relacionadas aestas questões divulgando na TV e demais veiculos de comunicação.

por iso que disse TODOS DEVEM PARTICPAR colocar somente na escola e tratar desta questão de uam forma muito simplista

Gizelli Sousa disse...

Acho que o kit é bem intencionado, mas existe um problema de acabamento do produto. E sinceramente, eu acho que nada que é feito com baixa qualidade deveria ser aplicado na escola. O tema deve sim ser discutido, mas a campanha devia ser melhor elaborada, na minha opinião. O governo do Rio lançou uma propaganda contra a homofobia que eu acho muito mais interessante. E que discute essa idéia no plano da sociedade.

Daní Montper disse...

Lane, novamente concordo com suas observações, mas ainda assim é fundamental que a escola seja um contrapeso nessas questões, pois, ainda que o adolescente interaja em diversos mundos, a escola é um desses ambientes e se em algum lugar o adolescente tiver contato com pensamentos diferentes dos que está acostumado a ouvir, poderá refletir sobre o tema.

Claro que o ideal é haver participação de todos e em todos os lugares o tema seja discutido, mas concorda comigo que se o tema não começar a ser abordado em algum lugar as coisas continuarão como estão? Acho dificílimo que o tema seja abordado em casa, justamente porque os pais vieram de uma educação conservadora e homofóbica e normalmente não participam de locais em que exista discussão sobre o tema - a não ser que seja para dizer que é errado, como igrejas.
É mais fácil educar um jovem na diversidade do que conscientizar um adulto para a diversidade.

E a escola seria apenas o começo.

Alguns estados já começaram com campanhas sociais para o combate a homofobia, como o Rio, e ter esse debate dentro das escolas seria excelente para reforçar o que a campanha almeja.

Lane disse...

Dani,

eu não discordo que a escola participe, o que discordo é de colocarem somente nas costas a responsabilidade de resolver um problema social a quem cabe a todas as instituições resolverem.

Discordo da estratégia utilzada. Só isso.

A escola deve atuar como mecanismo de informação a TODOS DA COMUNIDADE ESCOLAR, quando falo que a familia deve particpar, me referi ao fato dela está presente e nas campanhas de conscientização promovidas pela escola, para que ela também seja esclarecida,informada sobre a homofobia pois sei que tem familias conservadoras e devem ser esclarecidas sobre isso.

Se o professor disser homossexualidade é algo natural, não é doença, mas dai o pai e o pastor disser que é pecado e Deus castiga, vc acha que ela vai escutar quem? Pode ser o professor, mas também pode não ser.Por isso a familia também dever particpar de palestras como para ser informada do assunto.

E fazer elaborar uma estratégia como esta não é algo dificil e nem precisa do aval do Estado, basta a própria esocla resolver montar um projeto como este ou a secretaria de educação de cada Estado.

Daní Montper disse...

Lane, mas a escola, ainda mais por conta própria, resolver envolver os pais, a comunidade, nesse tema, não estria fazendo justamente o papel de redentora?

Envolver os pais, a comunidade, exigiria muito mais da escola, dos educadores, nesse caso sim o Estado tem o dever de intervir.

E sobre a escola dizer uma coisa, mas os pais outra, já se espera por isso, mas ao menos o aluno ouvirá algo diferente pelo menos em algum lugar, pois hoje ele só ouve os pais dizendo que é errado, em nenhum dos universos que frequenta eele escuta algo distinto. "ok, meus pais acham errado, mas na escola eu li/vi/escutei que não é bem assim..." a escola plantará a semente da reflexão, e mesmo que muitos prefiram acreditar nos pais no final, alguém será conscientizado, não acha?

Eu lembro de debater com minha mãe sobre temas que discordava dela por ter escutado/lido/visto uma opinião diferente da dela em algum lugar, e na maioria das vezes a informação nova vinha da escola.

Lane disse...

Dani, Veja bem eu disse que a escola e o Estado e a sociedade deve particpar, porque a educação é responsabilidade de todas estas instituições. E não somente da escola como alguns pensam.

qual a foi a estratégia deste projeto? Falar somente com os alunos. Sob o ponto de vista de alguns isso já é o suficiente, mas em se tratado de um problema social isto deve ir além dos muros da escola e ter a particpação de todos.
A escola deve atuar como MECANISMO DE INFORMAÇÃO e não como DE SALVAÇÃO, ACHANDO QUE ELA É RESPONSAVEL POR RESOLVER PROBLEMAS SOCIAIS. Coisas diferentes

Daní Montper disse...

Então, Lane, nós pensamos a mesma coisa, mas a diferença é que eu acho que a escola deve começar o processo com os alunos ainda que socialmente a corrente esteja contra, e você acha que o processo deve iniciar na comunidade para depois ir para a escola como reforço. Certo? xD

Lane disse...

Ok Dani Neste ponto concordamos,

Para mim a campanha deve começar não pelos alunos, mas pela comunidade escolar ( pais, mestres e alunos)

Luciana disse...

Se o MEC não publica, vamos todos publicar e divulgar. Cabe a cada um fazer um pouco. Eu publiquei no meu perfil do facebook.

Celia Daniele disse...

Lola, ler seu post e os comentários me deu um alento. Parece ridículo o que vou relatar, mas no meu trabalho as pessoas pararam de falar comigo pq eu disse que esse kit anti-homofobia não era uma "apologia ao homossexualismo"! A maioria é evangélica e um é espírita, para não dizer que é só coisa de gente "da Igreja", ainda que o espírita tenha um filho pequeno e seja homem, o que o leva a "temer" que os homossexuais sejam normalmente aceitos. Eu discuti com eles falando q os vídeos só mostravam q devemos aceitar os outros independente de sua opção sexual, e desde então já colaram bilhetes me ofendendo no trabalho, dizendo q eu desrespeito o livre arbítrio das pessoas, que eu sou culpada pelo meu carma por não aceitar Deus, entre outros. A última foi ouvir que hj em dia tá cada vez mais difícil ser heterossexual, e a outra - bizarríssima - que ninguém ali era preconceituoso, mas q cada vez tava mais difícil ser "normal" por haverem pessoas como eu "defendendo" os homossexuais em detrimento dos heterossexuais! Caramba, desde qdo um tem q estar contra o outro? Desde qdo pedir respeito ao homossexuais e aceitação, faz com q eu repudie a heterossexualidade?
Estou procurando um outro emprego e conversei com a minha chefe sobre o acontecido, o que gerou mais ódio entre os revoltosos pela moral e os bons costumes. A minha chefe não entendeu a gravidade da questão, acha q a implicância é porque eu estudo islamismo e tive outra discussão com eles tempos passados porque começaram a me chamar de terrorista. Eu sinceramente estou muito chocada com toda essa história, como pessoas assim levam às últimas consequências o seu ponto de vista, a ponto de segregar e literalmente praticar bullying - num ambiente de trabalho - por falta de argumentos para discutir!

Renata Lins disse...

Lola, eu tenho dois meninos. 17 e 10. Sempre aproveitei novela pra falar desses temas. Com bastante sucesso, devo dizer. O Felipe é um cara mto bacana, que acolhe e respeita escolhas alheias. O João tá indo pelo mesmo caminho. Viva. Mas o que queria contar é q quando resolvi comprar pro João um livrinho lindo, que contava a história de amor de dois pinguins gays (Gus e Waldo), fui reprovada por quase todo mundo. Inclusive gente superhiperultraliberal. Fiquei realmente impressionada. Será que eles achavam que um livrinho de pinguins ia transformar a opção sexual do meu filho (então com cinco anos)? Mas isso mostra...

Vivien Morgato : disse...

O kit anti homofóbico é necessário, é crucial...a bancada evangélica - e a corroboração da Dilma...- cometeu um crime contra todos n[os.
Mas eu acredito realmente que a força midiática - em especial na área da ficção - vão em breve reverbrar socialmente em um mundo mais livre e tolerante.

Pentacúspide disse...

Que experimentem uma abordagem diferente nesse kit, se a ideia da imagem sexual ofende os "cristãos" que votam contra ele. Por exemplo, que façam vídeos de época que mostrem os primeiros cristãos como eram tratados, referidos como canibais (comiam corpo de cristo), anarquistas, etc, e como eram trucidados no circo por serem o que são, e rematem sempre com uma frase do género: PORQUE ERAM DIFERENTES.
Mostrem vídeos de pretos (no passado ou actualmente), com o mesmo género de mensagem, principalmente porque esses são duas vezes mais idiotas, no mundo branco, quando são homofóbicos.

Enfim, apelem de uma forma diferente, se é o beijo gay que está a ser óbice para o kit, ponham de fora o beijo gay, mas mantenham dentro a questão. há que saber contornar os problemas.

lola aronovich disse...

Puxa, Celia, que barra, hein? Olha, se quiser escrever um guest post sobre a sua situação, as discussões e tal, eu publico (até porque raramento falo de situações de bullying no trabalho). O que vc relata — bilhetinhos com ofensas — pode ser caracterizado como bullying. Tem lei contra isso hoje em dia, não tem? Assédio moral. Não sei se vale a pena levar isso adiante. Parece que a situação já chegou a um ponto insustentável e que o melhor a ser feito é mudar de emprego mesmo. Lógico que vc está certíssima, não tem nem discussão. Mas o que vc relata é um bom exemplo de como essa maioria é intolerante. Não está aberta a discussões. Qualquer coisa que choque o senso comum parece ser objeto de revolta e censura. E a gente fica pensando se há certos assuntos que talvez não devam ser conversados no trabalho mesmo. Que talvez vc nunca será amiga dessas pessoas preconceituosas, mas precisa conviver com elas. E talvez, quando todo mundo começar a falar uma bobagem coletiva (sobre, sei lá, como bolsa família é esmola e compra de votos, ou como o livro do MEC ensina alunos a falar errado, ou como o “kit gay” é pra crianças e quer que todo mundo vire gay), o melhor seja só dar as costas e se retirar do recinto. Quer dizer, é difícil eu falar, porque eu sou do tipo que costuma entrar em atrito com as pessoas, porque tem coisas que não aguento ouvir calada. E é duro ouvir essas idiotices e não poder se posicionar. Cadê a liberdade de expressão? É só que essa liberdade é muito relativa no meio de uma maioria ignorante. Dá muita raiva, sinceramente. Entendo a sua frustração, viu?

luisandromendes disse...

Independentemente do kit ou não, acho que a escola tem o papel de informar e educar. Já ouvi esse argumento de que esse tipo de coisa se discute em casa. bom, sexualidade se discutia em casa, e o que vimos foi várias gerações crescerem sem saber o que é pilula, camisinha, DST, etc. Os filhos vão copiar os preconceitos dos pais, a menos que se lhes diga que aquilo que o pai pensa não é de todo adequado.

Sarah Lynn disse...

É horrivel mesmo ver como uma coisa tão intima como a sexualidade seja tão monitorada pelos outros.

Afinal, se o sujeito é homossexuai, por que as pessoas se incomodam tanto e querem viver a vida dele/a?

Religião pra dar pitaco na vida alheia tbm é fods...

Werner Piana disse...

Lola, o Brasil Laico e que quer se respeitar e ser respeitado agradece pelo brilhante post.

Valeu mesmo!

(Dona Dilma só andando pra trás, eita deus!)