domingo, 1 de fevereiro de 2009

TERAPIA DE CHOQUE

A Paola me levou a um post antigo no blog dela, de outubro, em que ela fala de geladeiras antigas. Adoro essas voltas ao passado, lembrar como eram essas máquinas de gastar energia, como eram as tevês que demoravam pra ligar e desligar, e ficavam com aquela luzinha no meio. O pessoal novinho não faz nem ideia. Os telefones do meu tempo eram todos de discar, não de teclar. Aí vi uma piada no filme Será que Ele é?, você viu? Uma modelo jovem fica num hotel nada chique, e uma hora tem que usar o telefone. E é aquele telefone que tem que girar o disco, e ela não sabe o que fazer, e começa a tentar teclar nos buraquinhos! Pô, essa comédia tem mais de dez anos! Eu nem tinha notado que telefone discado era tão antiquado.
Mas então, voltando ao post da Paola, o que mais me chamou a atenção é que ela diz que todas aquelas geladeiras antigas davam choque. Ui! Odeio choque. Se alguém quiser me torturar (espero que não), este é o caminho. Sob ameaça de choque, eu mudo até de opinião sobre Senhor dos Anéis.
Não me lembro de ter levado choque de geladeira (Deus me livre!), mas nas férias da minha adolescência, em Búzios, havia uma máquina de fliperama (de pinball) que dava choque, e eu detestava. Se bem que o vício pelo jogo falava mais alto...
E já levei vários choques de chuveiros elétricos também. Lembro de uma ducha horrorosa que dava choque na casa do meu cunhado. Não fiquei lá muitos dias, mas enquanto fiquei, só tocava naquele registro com toalha. O chuveiro daqui de casa mesmo, eu só fecho com a ajuda de um pente de plástico. E é muito estranho pro pessoal que vem de outros países acreditar que nossos chuveiros são elétricos. Sério, não combina. Eletricidade e água, uma receita infalível pra um acidente grave. Alguém no Brasil pode dizer que nunca levou choque de chuveiro elétrico?
Porém, a verdade é que onde mais levei choque na vida foi em Detroit. Não sei o que acontecia, mas no meu escri na faculdade eu levava choque direto, geralmente tocando na maçaneta, simplesmente. Em casa eu nunca levava choque, mas lá na faculdade... Era no bebedouro, no banheiro, no escri... Comecei a ficar traumatizada, e passei a usar minhas luvas em todo lugar que ia. Mas as luvas tinham furinhos minúsculos e o choque passava. Ah, e levei choque até encostando no maridão! Às vezes nariz com nariz dava o maior choque nos dois! Saía até faísca, fazia barulho, não estou exagerando. Era ver pra crer. Não entendo por que levava tanto choque, mas tinha a ver com a temperatura, com o frio do lugar. Quando esquentou, os choques sumiram. Pena que o inverno lá dure seis meses. Foi um semestre inteiro de choque, um inferno. Sei que sou uma mulher elétrica, mas aquilo foi ridículo. E inesquecível.

57 comentários:

Cereja disse...

Levo choque quase todo dia nesse inverno sem fim daqui do Canada', ja' levei choque do namorado tambem. Quando a umidade do ar cai e' batata, choque o tempo inteiro. No Brasil isso acontecia raramente, morando no Rio nao tem como a umidade cair do jeito que cai por estas bandas.

E' um porre levar choque o tempo todo, mas esse clima siberiano pelo menos tem a vantagem de ser otimo pros cabelos (tentando achar algo positivo).

Masegui disse...

Quer dizer que o companheiro maridão dá choque, ha ha, essa é boa!

Paola disse...

Que legal! É muito bom saber que não sou a única "chocável" do planeta(tzz)!
já levei tanto choque inexplicável que, às vezes,(tzz) é melhor não dar bandeira!
Um beijo (tzzz)
Paola (tzz)

Elaine disse...

Olá!
Também odeio choque, morro de medo.
E sabe de uma coisa?
Eu tenho saudade de telefone de discar. Tenho 36 anos mas, morando no interiorzão telefone sem fio, por exemplo, é meio que novidade por aqui; então lembro de ter usado telefone "de rodinha", como diz a minha sobrinha.E detestando celular, fico com mais saudade ainda do tempo que só me achavam SE eu quisesse.
Bom domingo, Lola, e fica com Deus.

Milena F. disse...

Onde eu trabalho também vivo levando choque... lá deve ter alguma a ver com as luzes e os computadores... não sei. Mas já levei choques que fizeram barulho alto! Maiores que os que já tomei em casa.
Beijos

Sarah disse...

Hahahaha choque de sair faisca?? seeei...

Ih, Lola, vou ter que admitir... eu ODEIO telefone, nem tenho em casa. Até um dia desses, na casa da minha vó, o telefone era desses de disco. Já fiquei perdida várias vezes de como usar aquele negocio!! Saia apertando os numerozinhos, igualzinho como você disse... hahaeha

Choque no chuveiro elétrico é triste. Tomo choque sempre que vou usar o chuveiro elétrico da casa do namorado! Agora, to preferindo tomar banho nas águas gélidas siberianas do que ligar o mardido chuveiro e ser eletrocutada!

Sarah disse...

Ops, corrigindo... maldito chuveiro :p

Leila Silva disse...

Sim, já tomei choque em chuveiro, mas faz tempo que não acontece mais, felizmente.
Um amigo do meu cunhado morreu assim debaixo do chuveiro, parece que ele era meio grandinho, levantou a mão e tinha algum fio solto. Horrível.
Eu não sei se você já viu um filme francês, Tatie Danielle, é uma velhinha sem coração, um dos comentários que ela faz no filme, quando alguém lhe conta de uma morte como essa do rapaz do chuveiro: Quelle mort stupide!
Lembrei do filme ao ouvir sobre o acidente do coitado.
Abraço e bom domingo.

Tina Lopes disse...

Tem um episódio do Seinfeld em que ele lembra como era bom desligar o telefone na cara das pessoas, quando se brigava, com aqueles antigões. Com o advento do telefone sem fio, acabou a oportunidade de bater o telefone; vc tem que achar o botãozinho de desliga, o que é infinitamente mais sem graça, principalmente se a vítima for um namorado abusado ou um atendente de telemarketing mal-educado.

iaeeee disse...

Choque! Este post foi chocante!
Chuveiro elétrico é bizarro. Lembro que tinha uma propaganda do governo(acho) alertando sobre os perigos de se ter um, era em desenho animado. Morria de medo, não lembro direito, mas na minha cabeça a pessoa levava um choque e derretia no ralo,alguém lembra disso, ou foi só um devaneio infantil da minha cabeça?
Ah! E esse negócio de choque nos EUA é bem suspeito, vai ver era a Ku klux kan, perseguindo vocês por serem estrangeiros...ehehhehe. Afinal, não se pode descartar nehuma possibilidade, não é?

Mei disse...

hahahaha...faz tempo que não levo choque...mas dá uma raiva quando acontece! hahaha.

Aaaah, na casa dos meus pais ainda tem telefone de disco(que é pra não ligar pro lugar errado mesmo!!), bem pesado, que eu duvido que um dia quebre! E olha...acho lindo aquele telefone!

L. Archilla disse...

ah, choque no chuveiro é clássico. o do banheiro da minha mãe, onde eu tomava banho quando era criança (pq o outro banheiro não tinha box), dava choque direto. aí eu descobri que abrindo-o com a palma da mão, sem encostar os dedos, não dava choque. experimente fazer isso no seu (se tiver coragem).

mas o maior choque que eu já tomei foi muito estúpido. enquanto estou no pc, tenho mania de manusear tudo o que tem na minha frente (além de teclado e mouse). foi quando tive a excelente idéia de enfiar uma caneta no cabo USB e ficar cutucando. e como se não bastasse isso, não segurei a dita cuja pelo cabo, e sim pela ponta. nem preciso falar oq aconteceu, né? :S

Bobby Madhatter disse...

xD
Relaxa Lolinha... somos dois... Eu vivo dando choque em todo mundo! :)
E o lugar q eu mais levo choque, não sei como, é em corrimão de shopping!
Não posso encostar em um que já ouço o estalinho!

Anônimo disse...

pelo jeito ninguem aqui sabe o que é eletricidade estatica.

iaeeee disse...

Ô seu anônimo recado procê:


Eu sei o que é a eletricidade estática! É quando alguém da um susto nela, então ela fica tão assustada que fica 'estática' e não consegue se mexer!


hahahahhahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahah

Princesa disse...

Vou me ater a primeira parte do post,sobre coisas antigas.Eu lembro que quando eu era pequena (ínicio dos anos 90) os orelhões eram vermelhos,eu adorava!Pena que ninguém lembra deles =/

FELIPE G2 disse...

Lola!
Por que você não usou luvas de borracha?
uahuahuahua
tamb[em ja levei vários choques, até mesmo de encosar em pessoas e em chuveiros elétricos antigos...
Agora ja sei como mudar sua opinião sobre o Senhor Dos Anéis...

:D

babsiix disse...

Aqui em casa ainda tem um telfone desses de discar! Tb detesto choque, e é dificil eu levar. Lembro de um q levei na tomada d casa qdo era bem pequena. Foi traumatizante! rs

Patricia Daltro disse...

Lola, não dá para não rir, pensando em você tomando choque ao encostar no maridão. Também detesto levar choque, mas sou vítima de chuveiros elétricos!

Cor de Rosa e Carvão disse...

Adorei as luvas de furinho... Fazia tempo que n vinha por aqui. Rolou até uma repaginada no Blog. Ficou tri legal. Parabéns.

Raí disse...

Esse choque por conta da energia estática é muito comum aqui no planalto central na época da seca. Muitos levam carros aos eletricistas achando que é problema na parte elétrica... realmente saem faíscas.

Agora, sobre geladeiras antigas, tenho uma Frigidaire, dos anos 50, reformada (roxa!), nunca levei choque nela. Também troquei toda a fiação e motor, ela gasta tanta energia quanto as geladeiras novas e baratas.

Mas na casa da minha mãe tinha uma vermelha que deu choques em toda a família, sem falar que ela enchia o congelador de gelo em poucos dias, uma coisa "Era do Gelo", hehehe.

Bjs,

Raí disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ana Cristina Powell disse...

Como algumas pessoas ja falaram, os choques tem a ver com a umidade do ar. Como eu moro no "high desert" do Novo Mexico os choques persistem o ano inteiro. A umidade do ar aqui eh em media 10%. Alias, ate melhora no inverno porque as vezes neva!
Eu pensei que com o tempo me acostumaria mas faz quase 8 anos e eu ainda digo uma meia duzia de palavroes (em portugues, pra ninguem entender) cada vez que acontece. Mas voce aprende a descarregar a energia estatica em madeira antes de tocar alguma coisa de metal. So que as vezes nao da ou a gente esquece. Quando voce esta andando em carpete e pega em metal eh tiro e queda. Por exemplo, se estou dirigindo estou com os pes no carpete, entao quando saiu do carro ja sei que nao posso todcar na parte metalica porque o choque eh daqueles que voce ve a faisca. Entao fecho a porta so tocando no vidro, que mesmo com luva da choque. So pego na parte metalica do carro depois de descarregar em madeira. Fun, isn's it? :)

lola aronovich disse...

Cereja, ah, então é por isso que em Joinville é impossível levar choque... Ouvi falar que aqui é a terceira cidade mais úmida do Brasil! Isso tem muitas desvantagens (tudo estraga), mas tem a vantagem de ser anti-choque. E desde quando esse clima siberiano do Canadá é bom pros cabelos? Eu não notei nenhuma melhora nos meus cachos nos seis meses de inverno rigoroso em Detroit.


Mario, eu acho que eu que dava mais choque no companheiro maridão que vice versa, mas doía do mesmo jeito. Saía faísca, pô!

lola aronovich disse...

Paola, modéstia à parte, difícil imaginar alguém que atraia tanto choque quanto eu. Mas pelo menos nunca tive uma geladeira que dá choque!


Elaine, é telefone de rodinha que sua sobrinha diz? Fofa! Eu tb odeio celular. E nunca tive um telefone sem fio. Mas não sinto muita falta do de discar, não.

lola aronovich disse...

Milena, que horror! Mas vc é a única que leva choque no seu trabalho ou é todo mundo? É pessoal? O pessoal quer que vc se demita?


Sarah, pra vc ver... Eu não morro de amores por telefone. Mas nunca tentei apertar os buraquinhos do telefone com disco! E o que o seu namorado diz do chuveiro dele que dá choque? E “mardito” chuveiro combina mais com quem vem do interiorzão!

lola aronovich disse...

Ai, Leila, nem me fala. A gente vive ouvindo falar de gente que morre de choque de chuveiro elétrico. Mas tem notícias que eu só vejo na TV e aí não acredito muito. Prefiro achar que é lenda urbana, e que os choques que os chuveiros dão são só pra assustar, não pra matar.


Tina, ah é? Nem me toquei que hoje em dia não dá mais pra bater o telefone na cara das pessoas. É que eu não tenho telefone sem fio. Aliás, sempre que fico na casa de alguém com esse troço tenho altas dificuldades pra ligar e desligar...

lola aronovich disse...

Iaeee, há há, adorei sua imaginação! Então vc imaginava que levava u choque durante o banho, derretia, e literalmente ia pelo ralo? Vc deve ter tido uma infância traumática... ou com poucos banhos!


Mei, odeio choque. Assim, com fervor mesmo. Eu não acho muito lindo telefone discado. Mas também é raro eu achar um telefone bonito. Sei lá, telefone é telefone, né? É útil e tal, mas bonito?! E eu não gostava do telefone com disco porque ficava com cãibra no dedo!

lola aronovich disse...

Lauren, tá louca que eu vou tentar colocar a palma da mão inteira no registro! Jamais! Eu só encosto no meu chuveiro com o pente de plástico. Mas o maridão não acredita em mim e acha que nosso chuveiro não dá choque. É um insensível, isso sim!
Agora, de fato, tenho que concordar contigo que isso de ficar enfiando canetas em tudo que é buraquinho no computador não condiz com o seu perfil de psicóloga brilhante! Sem falar que... Freud explica!


Bobby, ah é, eu já levei choque em corrimão de choque tb. Bom saber que é bom duas pessoas elétricas como eu e vc nunca nos encontrarmos!

lola aronovich disse...

Pois é, anônimo, eu sou da área de letras, portanto... Nem vem, que sei o que é eletricidade estática. O que chamou mais minha atenção no semestre que passei levando choques nos EUA é que só eu reclamava. Ninguém mais levava choque! A gente perguntou pra um engenheiro que jogava xadrez com o maridão e que tava fazendo doutorado lá e ele disse que é muito mais complicado que simples eletricidade estática! Feliz, papudo?


Iaeeee, há há, ótima definição pra eletricidade estática. Vamos definir eletricidade estÉtica agora?

lola aronovich disse...

Princesa, eu lembro mais de orelhão verde que de vermelho. Mas daqui a pouco todo orelhão será coisa do passado. Sempre que penso em orelhão penso num comercial maravilhoso da Telesp (acho), da década de 70, vencedor de vários prêmios, de um orelhão que morre no meio das pessoas. Alguém lembra? Aquele comercial foi marcante pra mim. Eu fiquei com muita pena dos orelhões.


Felipe, pois é, imagina usar luva de borracha em tudo quanto era canto dentro da universidade... Há, espero não ter dado muitas ideias a quem quer mudar minha opinião sobre SdA...

lola aronovich disse...

Babsiix, o que vc fez pra levar choque na tomada? Colocou o dedo lá? Criança levar choque deve ser a coisa mais fácil do mundo!


Patricia, bom, a gente também ria, assim que se recuperava do choque. Mas o nariz ficava doendo! Ficava vermelho, algo ridículo e impensável.

lola aronovich disse...

E aí, Cor de Rosa e Carvão? Tava sumidona mesmo daqui, eu notei. Que bom que vc gostou da repagina. Apareça!


Raí, onde vc mora no Planalto Central? Pois é, o pessoal diz que em Goiânia carro dá choque porque o clima é muito seco. Ish, disso eu não gosto mesmo! Quando estive aí foi em julho, inverno, então não tive problemas. Vi no blog de alguém que existe um aparelhinho que custa uns 12 dólares que “carrega” o choque pra que a gente não o tome. Se eu morasse num lugar assim esse aparelho seria um requisito básico.
Sério que uma geladeira pré-histórica gasta tanta energia quanto as novas? Não pode ser!

lola aronovich disse...

Ui, Ana, choque o ano todo?! Isso deve ser terrível! Eu não esqueci dos choques nenhum momento durante minha estada em Detroit. Devia ser lindo de ver a Lolinha olhando fixo pro trinco do banheiro e hesitando em tocá-lo... Aí usando o cotovelo ou algo assim. É um terror isso que vc conta! E se tirar o carpete do carro, vc congela de frio? Vidro dá choque, tudo dá choque... Vc já ouviu falar nesse aparelhinho que eu descrevi pro Raí? Eu vi num blog, tinha foto e tudo, mas não lembro qual. Ah, e aí não dá pra viver sem carro, certo? Putz, vc tá lascada! Pelo menos tem os cactus bonitos pra olhar enquanto leva choque. Ou isso é só em Phoenix?

Andrea Cristina disse...

Vc e o maridão levando choque juntos devia ser uma cena hilária.
Eu da minha parte já tomei choque de chuveiro. Lembro de um que foi horrível! Quer dizer, melhor nem lembrar...

Cereja disse...

Ah, a palavra chave e' "cachos". Quem tem cabelo liso ou ondulado tem que aturar aqueles fios curtos se rebelando por conta da umidade e enrolando, principalmente no verao. Acho que quem ja' tem cabelo cacheado nao deve notar muita diferenca (minha mae tem o cabelo parecido com o seu e eu nao noto fios desordenados). entando explicar melhor, o efeito que eu sinto da baixa umidade e' como se tivesse secado o cabelo com secador todo dia, resultando em todos fios seguindo a gravidade sem fazer malcriacao.

Senti a mesma coisa na minha visita a Portugal, o verao seco de la' tambem deixava o meu cabelo mais comportado.

Elaine disse...

Lola!

Amo teus postes! Adore de verdade!!
Lembranças maravilhosas neste post e risadas altas de chorar de rir1 E chegar a conclusão de que o tempo passou, já tenho 51 anos, e muito rápido!
Com a tecnologia avançando a este ritmo! Amei!

Quanto a lista dos roteiros li todos os 10 primeiros e os que você citou!Tehno um fotolog de cinema , mas não tenho o teu conhecimento! Uso mais a sensibilidade! para postar lá!
Sou de Recife e acho que vou fazer o curso de cinema na UFPE como ouvinte!

Um grande beijo
Elaine Crespo

iaeeee disse...

Bom Lola, eu sempre gostei de tomar banho, o fato é que o desenho animado era muito assustador mesmo, eles fizeram com a intenção das pessoas terem medo dos choques, e eventuais mortes. Agora, a minha incerteza é que ficou, se existiu esse derretimento do ralo, ou só se foi a minha imaginação. heheheh
E a parte da eletrecidade estética...'tendinão'.
lol

olhodopombo disse...

vai ver que voce estava com energia concentrada demais...

FELIPE G2 disse...

A Lola nem te falei né? Eu coloquei top 10 dos melhores musicais e top 5 das melhores músicas. Por que você também não faz isso?

Luma disse...

Não levei muitos choques. Quando eu era criança enfiei o dedo na tomada e levei um choque e aprendi que não se coloca dedo na tomada.
Mas ainda assim eu e meus amigos na rua ficávamos colocando a mão num relógio de energia no muro de uma das vizinhas que dava um choque fraquinho.
Já levei choque no chuveiro uma vez. Eu levantei a mão, encostei no chuveiro sem querer e acabei levando choque.

Vi no Jô faz um tempão uma modelo aí falando que quase morreu levando choque de geladeira. Ela estava numa casa de praia que tinha uma geladeira velha. Ela voltou da praia toda molhada e descalça e foi abrir a geladeira. Ela as mãos dela ficaram grudadas na geladeira. A assistente dela conseguiu soltar ela usando uma vassoura. O médico disse que se ela tivesse ficado mais tempo levando choque ela podia ter morrido. Um perigo isso.

lola aronovich disse...

Hilária nada, Andrea. Dói!


Cereja, sabe, nunca notei se o cabelo fica melhor ou pior no frio siberiano. A única coisa é que não podia fazer o que faço aqui no Brasil: sair de casa de cabelo molhado. Porque lá ele congela...

lola aronovich disse...

Elaine, que ótimo! Fico muito feliz que vc goste dos meus posts, ria com eles e tudo. Eu dei uma olhada no seu fotolog de cinema, muito legal. Faça sim o curso de cinema como ouvinte! Acho que vc vai gostar.


Iaeee, puxa, vai ver que esse desenho traumatizou toda uma geração de crianças. Se eu tiver que chutar, diria que vc imaginou o derretimento do ralo. Isso seria terrível...

lola aronovich disse...

Olhodopombo, energia concentrada demais? Pode ser... Mas dava medo ser tão elétrica!


Felipe, já fiz lista de melhores musicais, aqui e aqui. As top 5 melhores músicas? Como assim, do cinema? Aí fica difícil...


Luma, que bom que vc aprendeu já na primeira vez... Eu, hein? Que horror esse caso! Tenho tanto medo dessas coisas, vc não imagina...

Elyana disse...

Haha, sabe que eu tb já dei choque no meu namorado? Aconteceu na casa da irmã dele, em um dia que tava muito quente e seco. Nós estávamos no quintal, batendo aquele churrascão e umas duas vezes que encostei nele deu um baita choque, daqueles de tremer.

PS: Já percebi que vc não gosta de "Senhores dos Anéis", mas sabia que eu tenho até livro escrito sobre as mulheres dos livros?
Concordo que a primeira parte é chata de dar dó, mas a partir da segunda parte tem uma personagem, Éowyn que é uma daquelas mulheres para se admirar.

Parker disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Parker disse...

lola, eu aqui no brasil nunca levei choque de chuveiro elétrico!

quanto a questão dos choques, como muita gente falou, tem a ver energia estática que ocorre quando um corpo está carregado de energia elétrica e ao entrar em contato com outro corpo a descarrega, é aí que levamos um choque. além do mais se em detroit, no frio, você estava usando roupa de lã dá pra tentar explicar porque levava mais choque que outros. a lã ao entrar em atrito com o corpo aumenta a energia estática. uma descarga do nosso corpo vestindo lã em um pc por exemplo chega a queimar a placa mãe. por isso muita gente faz o famoso fio terra (hahaha), ou seja, coloca as mãos na parede ou os pés descalços no chão.

adoro o seu blog e até divulguei o bolão do oscar lá no meu.

FELIPE G2 disse...

Lola!
Gostei da sua lista de musicais. É parecida com a minha (mas se não me engano, o seu tem mais filme). Gostei do seu comentário da Noviça que você fala quando ta na natureza com o maridão...
rachei o bico...
uahuahuahau

E o meu top 5 são as melhores MUSICAS de MUSICAIS...

Samantha disse...

Esses choques q vc levava era provavelmente devido ao tempo seco, Lolinha. Por conta da eletricidade estatica, qualquer esfregaozinho ja eh o suficiente para liberar carga eletrica.
Eu levava choque direto na macaneta de uma brasilia q meu pai tinha...rs. E aqui na porta do laboratorio, tb levo choque direto.
O choque mais forte q levei foi em um chuveiro tb. Realmente, chuveiro e eletricidade nao combinam.

Mica disse...

Minha tia ainda tem telefone de disco. Toda vez que temos que ligar para um call center é um parto. Para o cartão de crédito da IBBI então é impossível. Os caras nao tem a opção de 'ou fale com nossos atendentes' e aí eu tenho que tentar um milhão de vezes até que por algum milagre caia em algum setor.

Sobre os choques, ano passado eu levei um gigantesco na porta aqui do gabinete (dessas de divisórias). Toquei na maçaneta e o choque foi tão grande que chegou a doer minha cabeça. Chamei o eletricista mas ele disse que a culpa era toda minha, que não havia nenhuma corrente elétrica passando por ali. Vá entender...

Bárbara Dayrell disse...

Adoro telefones dediscar, mas quando ainda havia um na casa da minha avó, eu sempre errava os numeros quando discava, e acabava tendo que discar tudo de novo...
Quando ainda estava no Brasil (morava no triangulo mineiro) sempre levava choques, principalmente na porta do carro, e em churrascos, bares ou clubes, por causa daquelas cadeiras de plástico. Lembro também que sempre que ia pra praia, independentemente de qual, levava choques no chuveiro, nas pontas dos dedos. Às vezes dava pra abrir o chuveiro com a palma da mao, mas quase sempre precisava da toalha.
Aqui na Alemanha levo muito choque em escadas rolantes, e isso nao tem nada a ver com umidade, porque vivo em uma cidade portuária, onde chove muito, mesmo no inverno.

lola aronovich disse...

Ely, vc tb já deu choque no namorado? É bom saber que eu não sou a única mulher elétrica por aqui. Sobre Senhor dos Anéis, é, eu detestei o primeiro filme, não vi os outros, nunca li o livro (e sempre tive uma birrinha contra). Mas imagino que haja heroínas interessantes naquela fantasia.


Parker, pois é, eu entendo a explicação, mas eu não era única usando roupa de lã (ou melhor, sintética) em Detroit. Todo mundo usa, porque o frio é insuportável. E no entanto, só quem ficava levando (e dando) choque era eu! E muitas vezes eu colocava as mãos na parede antes de tocar no trinco da porta e mesmo assim levava o maior chocão!

lola aronovich disse...

Felipe, que bom que vc gostou! Ainda não vi a sua, estou sem tempo pra nada!


Samantha, acho muito estranho colocar água e eletricidade juntos, como a gente fez com os chuveiros elétricos. Aliás, já li blogs de estrangeiros que estiveram no Brasil e eles são unânimes em estranhar isso (e todos levaram choque, claro).

lola aronovich disse...

Há há, Mica, é verdade! É impossível ligar prum call center com telefone de disco! “Tecle 1 se você quiser falar com...”. Simplesmente não dá. Aqui em Joinville os telefones não duram muito por causa da umidade. Depois de um ou dois anos, pode jogar no lixo. Então já tive muito telefone que parava de tecla que parava de teclar. Tipo: dependendo do humor do telefone, a gente ainda conseguia teclar um número de telefone. Mas quando entrava num call center e tinha que teclar um número isolado, era melhor esquecer. Mas esses call centers é que são uma praga, né?
Em Joinville levei pouquíssimos choques nesses 15, quase 16 anos. Não tô brincando: em 6 meses de Detroit levei mais choques que na minha vida inteira! Aliás, deu pra umas 4 vidas!


Ah é, Barbara, eu tb erro os números. E acho, não sei, que errava mais quando tinha que discar os números que teclá-los. Ué, cadeira de plástico dá choque?! Isso eu nunca levei! Escada rolante? Já levei choque tb. Eu evito encostar no corrimão. Agora, sabe onde nunca levei choque (ainda, toc toc)? Nesses botões verdes que a gente tem que apertar pra atravessar a rua. TODA vez que eu ponho o dedo o maridão diz “Aí dá choque”, e nunca deu...

Bárbara Dayrell disse...

entao, nao eh a cadeira que da choque, mas é ela que nos carrega de energia (a controversa energia estática), que depois descarregamos em alguem, ou alguma coisa, levando/dando choque...

Coca disse...

Puxa, vc tbm? Minha mãe dava choque na gente, igual você no marido rsrsrsrs!!! era chegar perto e ver a faísca. Outro dia estava eu encostada na TV (limpando atrás dela) e minha mãe passou perto... do cotovelo dela deu pra ver um raiozinho passando, mto medo!

Tbm não gosto de telefone, ô coisa chata!!

Ana Cristina Powell disse...

Aqui nao tem cactus gigante. So no Arizona. Eu moro no High desert, a vegetacao eh completamente diferente. Mas da pra viver aqui, mesmo com os choques.