sábado, 27 de setembro de 2008

GAYS ATRAPALHAM CASAMENTO DA DIREITA CRISTÃ OU VICE-VERSA?

Lésbicas juntas há 34 anos comemoram a decisão da Suprema Corte. Note o button à direita escrito “Justly married”, um trocadilho com “Just married” (recém-casadas) e “Casadas Justamente”.

Juro que não entendo a oposição que grupos religiosos fazem ao casamento gay. Eles dizem que aceitar um casamento desses equivale a desrespeitar a instituição do sagrado matrimônio, que sempre foi e será vista como a união entre um homem e uma mulher, nessa ordem. Bom, pra começar eu não considero tão sagrada assim uma instituição em que um em cada dois casamentos termina em divórcio. Mas, digamos, eu tô monogâmica há dezoito anos, então é sinal que eu gosto da coisa. Só não compreendo como dois carinhas ou duas minas se casando vão afetar a minha união. Pedro e João se casaram, ooohhh! É o fim do meu casamento! Maridão, faça as malas e caia fora! O disco do Pixinguinha é seu. O resto é meu.
Acho que as pessoas confundem as coisas. Primeiro, uma união civil é diferente de um casamento. Eu pensei que não fosse, passei a vida toda ouvindo que era igualzinho, que não fazia diferença alguma estar legalmente casada ou simplesmente morar junto. Até que descobri que não é igual mesmo. Precisa provar que mora junto, e isso não é fácil. Tenho um casal de amigos (homem e mulher) que declarou em cartório que habitavam o mesmo teto. Eles achavam que isso bastaria, e que não precisariam se casar. Não adiantou. Acabaram se casando. Ainda bem que tiveram essa opção. Se fossem um casal homossexual, não teriam. Eu e o maridão nos casamos ano passado só pra que, no meu doutorado-sanduíche, ele pudesse viajar comigo pros EUA. Se só estivéssemos morando juntos (como estavámos há uns 16 anos), ele não receberia o visto pra ir comigo. Ou seja, imagine um casal de duas moças na mesmíssima situação. Elas teriam que se afastar uma da outra por um ano, porque a lei não aceita sua união. Pra mim, isso é discriminação. E governos não podem discriminar.
Penso que religiões e igrejas têm todo o direito de discriminar. Não concordo nem jamais frequentaria um templo que prega que gays irão pro inferno, mas acho que esses grupos preconceituosos têm o direito de existir. E têm todo o direito de proibir que um casal gay se case dentro do templo deles. Mas é justamente isso que a direita cristã americana não quer ver: que estado e religião devem permanecer separados. Isso quer dizer que o governo não interfere no que uma igreja faz, e, muito importante, vice-versa. Ah, tá na Bíblia que homossexualismo é pecado? Ok, você pode acreditar nisso se quiser, mas não pode querer que um governo baseie as leis nas suas crenças. Porque no país pode haver gente que – sei que é difícil acreditar - não lê ou não crê na Bíblia, e o governo é pra todos, não só pra você. Existem limites que devem ser respeitados: a religião não se intromete com o governo, e o governo não se intromete com a religião. Caso contrário, teremos um país como o Irã... ou como os EUA que os fundamentalistas cristãos querem.
A direita americana seria divertida, se não fosse trágica. Pra combater o casamento gay, inventa que essa é uma questão de perseguição religiosa. São eles, os fanáticos, que estão sendo perseguidos, não os gays, entende? Quer dizer, os fanáticos
ainda não estão sendo perseguidos, mas é só uma questão de tempo. E, segundo eles, aprovar o casamento gay seria o primeiro passo. Em maio deste ano, a Suprema Corte da Califórnia derrubou um referendo popular de 2000 que estabelecia que casamento era uma união apenas entre homem e mulher (sim, até na “liberal” Califórnia o pessoal não queria que gays se juntassem). A corte derrubou porque considerou anti-constitucional limitar os direitos de 5 a 10% da população. Se um negro e uma mulher não podem ser discriminados perante a lei, por que um gay poderia? Pra mim faz sentido, ué. Mas a direita cristã reclama que uma legislação dessas os define como homofóbicos, assim como define quem ofende os negros de racista. E, segundo a direita, eles não são homóbicos! Só porque pregam que os gays arderão no fogo do inferno e que ser gay é sinônimo de molestar crianças não quer dizer que eles odeiem gays, imagina! Eles amam os gays. Jesus ama os gays. Todo mundo ama os gays... desde que os gays se convertam à heterossexualidade ou nunca mais façam o sexo pecaminoso que costumam fazer. A direita cristã também exige que as escolas públicas parem de dizer que tudo bem ser gay, e que um casamento gay é igual a um casamento hétero, só que com pessoas do mesmo sexo.
A mensagem que chegou a mim de um grupo desses diz assim (minha tradução): “Se não lutarmos, nossos filhos e netos receberão mensagens confusas e perigosas sobre casamento, incluindo esta de que não existe diferença entre uniões do mesmo sexo e de sexos opostos e que qualquer um que defende o casamento é um preconceituoso”. Em outras palavras, a direita só pensa nas crianças ao querer banir qualquer menção aos gays dentro da sala de aula. Ela supõe que, se seus filhos crescerem sem saber que os gays existem, os gays talvez automaticamente desapareçam da face da Terra. Num mundo perfeito e ideal, segundo o evangelho da direita cristã, os gays realmente não existiriam. E isso eu consigo entender. Num mundo ideal, segundo o meu evangelho, os preconceituosos também não existiriam.
O cartoon diz: “Eles diziam que nosso casamento era anti-natural! Que iria destruir a sagrada instituição do casamento. Diziam que o próximo passo seria legalizar incesto ou bestialidade. Que nosso amor não poderia produzir uma família saudável normal. Mas eu casei com a sua mãe de qualquer jeito”. Detalhe: a lei que proibia o casamento interracial nos EUA só foi derrubada em 1967.

24 comentários:

Masegui disse...

Nota 1000 pra este post!!

:-P disse...

Sempre disse que a Igreja e outros têm o direito de achar o que quiserem, mas não de interferirem no direito dos outros que não são cristãos.

No judaísmo, não é permitido casar com gente de fora da religião, mas mesmo em Israel, quer casar problema teu, casa e pronto. Não sei como funciona com homossexuais, mas posso descobrir.

Tá certo que vão te encher o saco se vc casar fora, mas encheriam mesmo que vc fosse casada com um judeu...:-)

Anônimo disse...

Oi, Lola!

Como funciona nos Eua, cada estado tem uma lei própria, que permite ou proíbe o casamento homossexual?
Mas então e se o casal casa em um estado, em outro que não permite, os efeitos legais perduram?
Tenho muita curiosidade sobre as leis americanas, até penso em dia ir estudar lá para conhecer melhor o sistema jurídico deles.

Adorei o post.
Pior é o nosso Brasilsilsil hipócrita, que na teoria se diz um estado laico, mas que na verdade ajoelha e diz amém para tudo que a igreja católica impõe.
E vc sabe que a Constituição tem no preâmbulo a palavra Deus? Já acho isso um desrespeito para quem não crê em Deus, porque o Deus que tem na nossa CF, para mim, é nitidamente o deus dos cristãos.Já li várias explicações, dizendo que não, mas não concordo. Acho que é mesmo o deus cristão que é mencionadao na nossa CF, o que exclui automaticamente quem é de outra crença. Como fica quem crê em orixás, em outros deuses ou quem é ateu?


Acho muito difícil o Brasil algum dia permitir o csaamento entre homossexuais, tanto por influência da igreja católica como por causa do sentimento homofóbico que ainda reina por aqui.

beijos!

Anônimo disse...

Lola muito lúcidas suas reflexões.
Adorei isto aqui:
"Ela supõe que, se seus filhos crescerem sem saber que os gays existem, os gays talvez automaticamente desapareçam da face da Terra."
De fato o cinismo é coisa para deixar a gente pasma.Abraço da Fatima.

Tina Lopes disse...

Post perfeito e quadrinho lindo. Sabe o que eu acho engraçado? A Igreja Católica não discrimina os padres gays desde que eles permaneçam castos. Quer dizer, que PAREÇAM castos.

lola aronovich disse...

Que bom que vc gostou, Mario Sergio.


Bom, Malena, pelo pouco que conheço de Israel, pra mim é um estado em que a religião interfere demais na vida das pessoas. Claro que não é um Irã, mas ainda assim... Isso de só poder casar com quem é da mesma religião, pra mim, soa como atraso. Mas pelo menos mulheres podem ser rabinos, não?

lola aronovich disse...

Cris, sim, nos EUA cada estado tem sua própria lei. Antes da Califórnia, o único estado americano entre os 50 que aceitava o casamento gay era Massachusetts. Mas é sempre um problema, porque tanto faz um casal gay ter se casado no Ms., Cal., ou no Canadá (onde é permitido também) - se ele muda de estado, sua união não será reconhecida. É perseguição mesmo! Por isso gosto do cartaz que coloquei no post: “Nós votamos acerca do SEU casamento?”. Incrível que o estado, baseado unicamente em valores religiosos, possa interferir na vida de um casal.
Muitos países sofrem com a interferência das religiões. Vc viu o ótimo filme Mar Aberto, que é sobre a Espanha não aceitar eutanásia?
Sobre Deus na constituição, acho que não deveria constar, não.
Acho que o Brasil anda avançando bastante nos direitos dos homossexuais. Parece que o governo Lula tem tomado ótimas iniciativas nesse sentido, com programas contra a homofobia e outras coisas. A cabeça das pessoas tá mudando, acredito.

lola aronovich disse...

Pois é, Fátima. Mas no caso desse pessoal religioso nem sei se é cinismo, sabe? Acho que eles querem “poupar” os filhos do que pra eles é uma aberração, a homossexualidade. Eles pensam que é uma doença contagiosa. Se vc é homem e vir dois homens de mãos dadas, automaticamente virará gay também. É uma falta de inteligência suprema.


Então, Tina, isso entra no capítulo “Jesus ama os gays, todo mundo ama os gays - desde que vcs não ajam como gays”. Pro pessoal religioso, às vezes não dá pra “curar” a homossexualidade, mas aí o mínimo que o cidadão pode fazer pra não ser um pecador é controlar seus impulsos. Ou seja, não ter vida sexual ou afetiva. Legal, né? Fácil! Isso mostra o valor que muitas religiões dão ao sexo: algo tão fútil e ruim que dá pra viver sem...

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Amei o post tb. Concordo em gênero, número e grau com tudo. Acho que os EUA são o único país "democrático" que em pleno século XXI ainda mistura estado e religião. Aqui pra se ganahr voto vc tem que provar por A + B que é cristão. Os radicais de direita tentam insistir que Obama é muçulmano pra fazer ele perder...e eu me pergunto, e se ele fosse muçulmano mesmo? Que diferença faz????? Mas aqui, neste país tão "avançado" faz e é muita!!!!

Tb concordo com casamento gay. Quer casar, casa. Entendo por exemplo que eles não possam se casar de véu e grinalda numa igreja católica, evangélica ou qq uma outra, mas ir no cartório e assinar os papéis, acho que eles tem todo o direito. E não interfere de jeito nenhum no meu casamento :P

lola aronovich disse...

É isso mesmo que não me conformo, Ana: que os EUA se digam tão democráticos e ainda tenham toda essa intolerância racial, sexual e religiosa. Ouvi que na Europa um candidato não fica discutindo a sua religião, porque isso é visto como um assunto privado, que só diz respeito àquela pessoa. Nos EUA não. Religião tá sempre na pauta.
Claro, se as igrejas não quiserem casar os gays como casam os héteros, problema delas (que estão perdendo um dinheirão). Vai haver igreja que case, se os gays realmente insistirem em se casar em algum altar. Mas o importante é o casamento civil, e isso o estado não tem o direito de negar. Não entendo esse argumento esquálido que o casamento gay enfraquece o casamento tradicional, hétero. Pelo contrário - não fortalece?

The Red Death disse...

Lolinha se superou nesse post, hein?! Só você pra transcrever o que eu penso.

The Red Death disse...

como já diziam aqueles quatro carinhas..."all you need is love".

:-P disse...

Não, não interfere. O que eu quis dizer é que as pessoas interferem de qualquer forma, todo mundo dá pitaco na vida de todo mundo, é uma loucura! :-P

Não é proibido pela lei civil vc casar com alguém de outra religião, só pelos ortodoxos, em outras palavras, vc não casa em sinagoga ortodoxa. OU seja, eu cismo e caso pela lei civil e ponto final. Tem rabino reformista pra casar no religioso tb, como é meu caso - meu atual marido não é judeu.

Como não há um papa, fica uma deliciosa anarquia...:-)

Nunca fui molestada na rua por andar de perna de fora, nem em Mea Shearim - se bem que eles olham estranho. Ninguém é obrigada a cobrir cabelo, ninguém apedreja sinagoga gay. Israel não é a oitava maravilha do mundo - LONGE DISSO - mas não tem mesmo coisa nenhuma a ver com o Irã, acredite. :-)

Se te interessar, te conto mais sobre a vida lá.

Bjos

Anônimo disse...

Oi Lola!
Sempre visito seu blog, mas só tinha comentado uma vez (apesar de ler todos os comentários). Acho o fim que a Igreja ainda se misture com o Estado, que a separaçao tenha sido de uma evoluçao tao lenta (pô, a idade média faz teeeempo) e que ainda falte muuuuito para alcançar... é frustrante...
E aqui no Chile que o país é católico por Constituiçao?? Imagina, a Igreja católica opina sobre tudo. Eu nao acho ruim que opine, pelo contrário, mas o problema é que essa opiniao influencia totalmente as decisoes do governo... Entao, aborto, uniao civil homossexual, e varios outros temas nao sao nem considerados para debate público. Se vc visse o drama que é o assunto da pílula do dia seguinte... o legal é que juventude é um pouco menos conservadora (até conheci várias meninas legais no protesto contra a proibiçao da venda/distribuiçao da famigerada pílula).
Abraços!!!

lola aronovich disse...

Ju R, na realidade fico bem incrédula com esses elogios todos. Eu achei esse texto meio fraco, sabe? Mas concordo com o all you need is love.


Malena, puxa, se vc quisesse escrever um guest post sobre a vida em Israel, seria ótimo. Sei muito bem que Israel não é nenhum Irã, mas também não é exatamente um estado laico, é? Quer dizer, todo o país foi fundado pra abrigar uma só religião, certo?

lola aronovich disse...

Thais, obrigada por comentar e contar pra gente como é aí no Chile. Uau, eu pensava que no Chile a situação tava mais prafrentex, sabe? Então, concordo contigo: acho ótimo que a Igreja Católica (e todas as outras fés) opinem sobre todos os assuntos. Numa democracia, todo mundo pode opinar mesmo. Mas a opinião da Igreja tem que ser vista como uma opinião, não uma lei. Não pode ter mais peso que a opinião de outros setores da sociedade. Acho (espero!) que a juventude seja menos conservadora, não só aí mas aqui no Brasil e nos EUA também.

Anônimo disse...

Excelente post Lola, te linkei no meu post de fim de semana. Eu quero escrever algo nesse sentido também, com a minha visão jurídica do assunto,talvez na semana que vem. Depois te aviso.

Nita disse...

essas coisas realmente não entram na minha cabeça... não fazem sentido algum pra mim.
adoro seus posts sobre preconceito lola. e na grande maioria das vezes concordo 100% com você.

:-P disse...

Nhé...eu tenho "vregonha"..:-P
Escrevo primeiro, você vê se está bom e aí você põe, tá?
Vc tem email?
Beijos

Suzana Elvas disse...

Comentando atrasada: Pedro Dória postou sobre um adesivo de carro que anda circulando nos EUA:

May the fetus you save be gay (Que o feto que você salvar seja gay).

O adesivo está à venda aqui:

http://www.stampandshout.com/shop/bumper-stickers/may-the-fetus-you-save.php

Bjs

Raí disse...

Realmente, ser gay não é fácil.
Existem os que fingem que te aceitam e os que não te aceitam.
E as exceções, claro!
As religiões são ridículas neste ponto, todas elas.
Adorei o post, como sempre é enriquecedor passar por aqui.

Beijos,

Gustavo Santos disse...

Olá, Lola, resolvi postar tb. Minha opinião é diferente de todas as opiniões aqui, mas acho tão legal viver em um país onde eu possa falar e onde vcs possam falar também! Eu sou religioso, esses que as vezes vcs demonizam, sou contra o casamento gay, acho que casamento é entre um homem e uma mulher (ou vice-versa, haha). me identifico muito com a direita cristã em "moral issues", mas detesto a tendência que meus correligionários protestantes do norte tem amar a guerra. Apesar de discordar de tudo o que vc escreveu, tudo, eu acho que vc colocou a sua opinião de forma bem respeitosa. A maioria das pessoas liberais (em costumes)que eu conheço são fanáticas, detestam a religião e a culpam por todos os males da sociedade. Discordo de vc em tudo, mas quero te parabenizar por não ser uma libertária fanática. É bom ver que tem gente do "outro lado" que não quer cometer o grande erro do cristianismo, que foi perseguido no império romano e depois perseguiu na inquisição. Nojento! Continue assim, tendo seus ideais, mas não matando por eles. Beijão

estudiodaimaginaçao disse...

Nota um milhão para esse post! Arrasou!