quinta-feira, 21 de abril de 2011

FÊMEAS SENTEM-SE ATRAÍDAS POR MACHOS SUPERIORES

Ontem meu humilde bloguinho chegou à marca dos 50 mil comentários, o que me deixa muito feliz. A maior parte deles é inteligente, mas tem os neandertais de sempre. Um leitor, o Viktor, que nunca mais apareceu (e não deixou saudades), está incluso nesta segunda categoria.
Quem é Viktor? Longa história. Ano passado escrevi um texto criticando a posição de um psicólogo evolucionista. Ele dizia que as feministas fazem as mulheres infelizes por insistirem em deturpar a ordem natural das coisas, que é, simplesmente, que mulheres sempre procuram homens poderosos, mas isso não significa que os homens tenham poder. Quem tem poder é a mulher, que, graças a seus atributos físicos, consegue manipular o homem poderoso a fazer tudo que ela quer. Enfim, aquela ladainha que ouvimos sempre, e que ainda por cima é vista como ciência (e, não por acaso, a ciência mais divulgada pelos meios de comunicação desde a década de 80, que, por outra mera coincidência, foi quando o backlash, a reação conservadora ao feminismo, veio com tudo). Pois bem, no meio dos muitos comentários a esse post apareceu uma figura exótica, um tal de Viktor, que já apareceu dizendo que nós, feministas, não poderíamos nunca nos sentir sexualmente atraídas por nossos companheiros, já que, por sermos feministas e, consequentemente, anti-naturais, procuramos homens iguais a nós,o superiores. Mas o nosso desejo ainda age no nosso inconsciente, segundo ele, e como nós mulheres só nos sentimos atraídas por machos superiores, adeus sexo. Algo assim. Este é um breve resumo, porque Viktor deixou montes de comentários naquele texto. Dei destaque pra um deles em outro post sobre comentários cretinos. E aí ele escreveu mais besteira ainda – toda na linha “Quem gosta de sexo é gay, mulher gosta é de dinheiro” (se tiver tempo, leia os comentários). Na ocasião, a Ana Flávia já resumiu o alcance desse tipo de pensamento limitado: “O casamento é o sacrificio do homem pelo sexo, e o sexo é o sacrificio da mulher pelo casamento". O chato é que um monte de gente acredita nessa asneira, de psicólogos evolucionistas a mascus.

Viktor escreveu naquele post: “Se a mulher for visualmente atraente para o homem, não importa se ela é analfabeta, desempregada, extremamente acanhada, o homem vai querer transar com ela. Se ela não for visualmente atraente, ela pode ser a mulher mais bem sucedida do mundo, como a Oprah, que os homens estão se lixando do ponto de vista sexual.
Impressionante. Viktor fala de atração sexual como se houvesse um padrão único, e como se isso fosse acessado apenas pelo aspecto visual. Não somos animais complexos, com vários sentidos, como olfato, tato e audição. Não, somos apenas visuais. Quer dizer, os homens são. Como bem respondeu uma leitora, “Para o Viktor, um homem cego é um homem castrado”. Touché. E a pobre Oprah provavelmente não consegue pegar ninguém.
Fico muito incomodada com essa história de que homens fazem sexo pelo sexo e, portanto, gostam de sexo muito mais que as mulheres, e de que homem está sempre pronto pra transar. Por favor, levante a mão a mulher que gosta mais de sexo que o companheiro. Ótimo. Agora levante a mão a mulher que afugenta homens por gostar mais de sexo que eles e por dizer que só quer sexo, sem envolvimento emocional. Parece que só homem pode dizer isso. Experimente dizer isso pra um homem e observe o terror nos seus olhos (eu passei por isso durante toda a minha adolescência). Mulher gosta de sexo – não é que nós apenas o toleramos. Homens e mulheres se casam por um monte de motivos, e sexo é apenas um deles. Além do mais, casais com mais anos de casados costumam transar bem menos com o correr do tempo. Casais com filhos, então, nem se fala. Isso só pode ser culpa da mulher, lógico. O homem continua prontíssimo pra transar, mas a mulher, depois de conseguir o que quer (uma aliança no dedo e um marido para sustentá-la), passa a regular sexo. Certo. Por que um homem nunca pode estar cansado, né?
Mas o pior mesmo é essa história de que homens não querem casar, de que só mulheres querem casar. É uma das mentiras mais descaradas. Primeiro que ninguém tá arrastando um cara pro altar. Os héteros se casam porque podem (o que é negado aos gays, num claro desrespeito à qualquer constituição) e porque têm vontade de ficar junto, de construir uma vida juntos. Isso inclui mulheres e homens, sabe? Homem também quer ter filhos, quer alguém pra conversar, pra dar e receber carinho e, lógico, pra transar. Sinceramente? Não parece tão diferente do que as mulheres querem. A menos que a gente acredite no que a mídia nos dita – que homem é um ser em estado pré-evolutivo ainda plenamente comandado pelo seu pinto e que, se pudesse, passaria o dia bebendo cerveja com os amigos (não amigas – mulher é só pra transar). Ou que homem é um pateta a la Homer Simpson (e mesmo o Homer é apaixonadíssimo pela esposa).
Por incrível que pareça, estudos mostram que um casamento saudável (sem violência doméstica, entre outras pragas) é bom pro homem. Homens casados costumam ser mais felizes que os solteiros. E vivem mais! Ironicamente, essa equação não se repete pra mulher casada. Mulheres casadas não vivem mais que as solteiras (mas vivem mais que homens em geral), nem são mais felizes. Então, vamos pensar: quem é mais favorecido pelo casamento?
E o negócio de garantia de sexo (casamento não é bem garantia de nada), se for verdade, vale tanto pro homem quanto pra mulher. Eu acho ótimo ter um maridão quase sempre disposto a transar comigo. Porque aí esbarramos num outro clichê: de que mulher solteira pode ter sexo o tempo todo, se quiser. Não é bem assim. “Arranjar” sexo pra quem não tem alguém exige um mínimo de esforço (sair, colocar-se em evidência, e sei lá mais o quê, porque ando completamente fora de forma nesse quesito e, hum, em outros também).
Como o homem, a mulher também precisa sentir-se atraída. E a oferta não costuma ser tão fantástica. Pode acreditar que, assim como não falta homem pra Gisele, não falta mulher pro Gianecchini. Mas isso, segundo o Viktor, é porque o Giane é rico e famoso, não porque é bonito. Ahn, a Gisele também é rica e famosa. E imagino que, beeem antes de serem ricos e famosos, não devia faltar parceiro sexual pra nenhum dos dois.
Esse discursinho altamente preconceituoso e elistista de que mulher só se sente atraída por homens superiores dá a entender que homens com pouca instrução, poucos dentes, pouca beleza convencional, e nenhum dinheiro, não se casam. Hello? A maior parte da população mundial é pobre. E a maior parte é casada. Na maior parte das vezes, pessoas se casam com gente do seu próprio meio social. Sei que é um choque, mas homens pobres também fazem sexo!
No entanto, Viktor diz que mulheres só procuram “homens especiais”. Putz, todo mundo, homem e mulher, quer alguém especial. Duvido muito que alguém pense: “Quero me envolver com a pessoa mais comum do mundo”. Se a pessoa é ou não especial, não importa: pra quem a escolhe, fica sendo. Muitas mulheres talvez não achem meu maridão um lindo tesudo (espero que não mesmo, suas assanhadas!), mas eu acho. E continuo muito atraída sexualmente por ele, mesmo após vinte anos juntos, mesmo eu sendo feminista e agora tendo mais estudo e ganhando mais que ele (e pesando mais -- isso conta?). Ele não se tornou inferior ou menos especial por causa disso.
Viktor fica indo de um espectro ao outro, dependendo do que lhe convem. Primeiro, ele fala de noitadas, de sexo pelo sexo. Depois, fala de relacionamentos mais sérios, casamentos. Pra ele, toda mulher é hipergâmica, ou seja, procura um macho superior. Se o macho não for superior em algum sentido, não sentiremos atração sexual por ele. Essa é a psicologia evolucionista que eu odeio. Por que procuramos um macho superior? Ah, porque somos guiadas pelo nosso instinto de escolher um parceiro com os melhores genes pro nosso bebê. Tudo em nome do bebê! Se você passa a vida toda dizendo que não quer filhos e nem vai tê-los (meu caso), ou você é uma mentirosa, ou está fugindo da sua natureza. Aí o Viktor diz que até pra transas eventuais, sexo pelo sexo, sem envolvimento (coisa que mulheres não fazem, já que gostam de sexo muito menos que os homens), as mulheres são hipergâmicas e guiadas pelo instinto de receber o esperma de melhor qualidade.
Viktor diz à certa altura: “O homem comum, mediano em tudo, não tem lugar nas fantasias femininas, e quando as feministas dizem estar buscando um homem igual a elas para relacionamento, considerando que a maioria das mulheres também são medianas em tudo (em beleza, em condição financeira, e status, etc.), vemos que elas mentem, ainda que inconscientemente, pois no fundo elas estarão buscando homens que sejam superiores no máximo de atributos que elas puderem exigir. Isso do ponto de vista de ATRAÇÃO SEXUAL, que fique bem claro. Do ponto de vista emocional, um homem mediano em tudo poderá satisfazer a mulher, e até ponto de vista sexual, mas não será por meio daquela atração fatal que a mulher sentirá diante de homens superiores, mas sim pela capacidade de despertar emoções na mulher, seja levando-a para fazer sexo em lugares proibidos, seja em uma viagem exótica, seja fazendo outras loucuras, pois o sexo pelo sexo, sexo rotineiro, será enfadonho para a mulher. É neste ponto que eu digo que o desejo sexual da mulher está atrelada a fatores de ordem emocional.
Ah, senti uma mudança de rumo. Antes um homem mediano não poderia satisfazer a mulher do ponto de vista sexual, agora “até pode”? Mas não será a mesma atração "fatal" sexual que uma mulher sentiria se visse o Brad Pitt, é isso? Mas pra homem é tudo a mesma coisa, seja transar com sua esposa, seja transar com a Angelina Jolie! Aí Viktor fala de levar a mulher para fazer sexo em lugares exóticos ou proibidos (mulher não pode ir sozinha ou levar o homem!). Imagino que isso seja pra relacionamentos longos, certo? Tipo casamento? Porque numa noitada é raro ir pro Havaí transar. E sexo no casamento, com o mesmo parceiro durante décadas, só é enfadonho pra mulher! Pro homem, tudo bem, que vagina é vagina. E se a gente for casada com o Brad Pitt durante trinta anos, o sexo nunca ficará rotineiro! Porque, né? O Brad é um macho superior! Ele tem uns genes e tanto! Não, confessem, fêmeas: quando vocês olham pro Brad Pitt, a primeira coisa que vem à mente é: “Hmmmm.... Que genes!...”. Não adianta mentir!

87 comentários:

Orelhinhas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
thewarsong disse...

http://myanimelist.net/anime/6880/Deadman_Wonderland

Andreia disse...

Nossa Lola, vc ainda consegue tirar esse Victor, Vitor whatever de letra, pois com tudo que li se esse Troll falasse a primeira frase, que creio é tipica de fracassado sexual tentando por a culpa nas mulheres para se sentir mais aliviado, teria voado cadeira, mesa, esmalte, absorvente e uma boneca inflavel na cara dele.

Juro, nessas horas já não penso mais com a mente, pois paciencia tem limite, e com gente assim, a linha da paciencia foi pro brejo a muito tempo.

Salve Lola que ainda tem essa virtude. Parabéns pelo post.

amandapavani disse...

HAHAHAHAHAHA!
Eu ri tanto do final. "Hmmm que genes."

Me Rhael disse...

Sério... que tal vocês estudarem um pouco de biologia e psicologia pra notarem que além de não fazerem uma idéia clara do que seria a questão sexual, biologicamente falando, ou mesmo qualquer das pesuisas sobre psicologia evolutiva, ainda por cima tem a ingenuidade de achar que o que pesquisadores sérios e mídias sensacionalistas dizem seja exatamente a mesma coisa...

Sério, sério... vocês tiram essa informação que usam aqui pra achincalhar pesquisadores das 300 páginas que eles escreveram nos seus estudos e observações, ou de blogs e de revistas ao acaso?

dinha disse...

O Ministério da Saúde adverte: sexo faz bem para tanto para homens como para mulheres.

Harlequinade disse...

http://textosparareflexao.blogspot.com/2010/08/pornografia-cientifica.html
trecho:
“O gene da fé”, “o gene da racionalidade”, “o gene do bom humor”, “o gene da homossexualidade”, etc. – e o que seria tudo isso senão um politeísmo genecêntrico? Mas, se a “ciência” diz que sim, quem dirá que não?"

Me Rhael disse...

O que eu disse?

Que tal ler o "texto" que "cientistas" escrevem em suas "pesquisas"? Porque é isso que é aceito pela "ciência"; mas não, vamos todos usar textos de blogs que usam pequenos trechos descontextualizados (traduzidos; nem sempre se captura a amplitude do discurso na tradução) e com Notas de Rodapé escritos pelo autor do blog, não a opinião das duas com anos de estudo nas costas sobre o assunto...


Mas não... vamos dar crédito ao blogueiro só porque ele mencionou que é confundido com cientistas porque sabe sobre os assuntos em quastão, mesmo que não tenha nenhuma menção acadêmica sobre os coinhecimentos dele...
Além, disso se concordamos com ele por que nos daríamos ao trabalho de ler 1200 páginas só pra entender que não dá pra simplificar um discurso pro comum do povo entender e manter a fidelidade à profudidade da pesquisa... não, não... Vou Ficar com o Blog e ponto!

Claudia disse...

Tenho me questionado se não é responsabilidade nossa (mulheres) o fato de homens como Viktor pensar dessa forma.
Meu circulo de amizade não tem esse tipo de mulher, mas observo essa postura de "caçar o macho superior" em muitas mulheres, o comum "voce nao tem um amigo rico solteiro?" ainda ecoa entre muitas mulheres.
Há um tese de que, quando com homens poderosos, essas mulheres sentem como se parte do poder deles fosse delas também. O poder "indireto", por assim dizer, seria suficiente para elas.
Como explicar esse tipo de comportamento? Seria cultural? Eu por exemplo, fui criada (como minha mãe, uma tipica Amélia, adora me lembrar) pra não depender de homem nenhum. Parece que deu certo!
Claro que esse tipo de comportamento "parasita" entre as mulheres não chega a ser uma regra, mas certamente ocorre com mais frequência do que gostamos de admitir.
Qual a explicaçao de voces para esse comportamento?

Priscila disse...

Me Rhael,

o post não é sobre teoria científica nenhuma, é sobre um dos muitos comentários ridículos que a Lola recebe diariamente.

Me Rhael disse...

@Claudia.

Isso é um comportamento social, não biológicco... biolgoia tem ligação com as suas necessidades: comer, dormir, e a satisfação hedonista (conseguir coisas que lhe agradem, seja sexo, alcool, dopamina vinda ações repetitivas como exercicios ou jogos, etc).

Elas fazem isso proque acham que é bom pra elas... e não há motivo generalizado, ao contrário do que se pensa, só a atitude é generalizada, o motivo não.

Me Rhael disse...

@Priscila

Pouco me importo com os comentários ridículos que se recebe; também não os menciono. Meu problema é que a cada oportunidade por aqui se faz questão de se fazer chacota de gente que trabalha sério porque ficam lendo asneiras em blogs ou matérias em jornais sem nenhuma especialização em informações científicas (tem diferença entre as formas de apresentar umanotícia e noticiar uma informação científica pra não dar a idéia errada sobre a pesquisa).

Eu sei o trabalho que dá ter qualquer conseguir qualquer evidência pelo método científico (a favor ou contra, se vc contradiz a teoria tb é algo bom porque ja sabe o que excluir na proxima tentativa) pra qualquer pessoa ficar falando por aí que seu esforço é baseado em palhaçada sexista só porque algum fulano pegou parte do seu texto descontextualizada pra justificar qualquer que seja a merda que ele diz.

Priscila disse...

Agora, quanto ao comentário do Viktor... eu não teria essa paciência toda que a Lola teve.
A única resposta que eu daria a um ser desses seria: "sim, sem dúvida eu quero um homem muito superior... a você, seu otário".

Priscila disse...

Me Rhael, entendi agora teu ponto.

Mas pelo que entendi, nesse caso à crítica foi dirigida muito mais ao Viktor e ao *mau uso* da autoridade científica do que à ciência propriamente dita.

aiaiai disse...

Gente,

isso que a lolinha falou do pavor que os homens sentem quando a mulher diz que so quer sexo, eu sinto na pele sempre. Estou procurando o cara que não queira casar, nem ser namorado e tá muito difícil de encontrar. Depois de sair umas 4 vezes eles já acham que são meus donos.

Outro dia tive que terminar com um porque ele disse que era impossível me controlar. Que eu não queria casar porque queria levar uma vida livre e descompromissada e que ele não poderia aguentar isso. Eu falei: isso ai mesmo, colega. Eu quero continuar incontrolável. Tenha uma boa vida. kkkkkk

Mas fiquei pensando: puxa, então ele queria casar para que eu não fosse mais livre e descompromissada, né? Por que ele precisava que a mulher que transa com ele fosse presa? Por que?

Pensem nisso!

Me Rhael disse...

Oh RLY? Que tal pequenas partes do trecho que exemplificam:
"Enfim, aquela ladainha que ouvimos sempre, e que ainda por cima é vista como ciência"
"O chato é que um monte de gente acredita nessa asneira, de psicólogos evolucionistas a(...)"
"Essa é a biologia evolucionista que eu odeio."(e que nunca entendeu, se tivesse entendido veria que não é nada do que afirma que seja)

De apenas um post já são três afirmações totalmente sem conhecimento de causa sobre o assunto em si; apenas os exemplos de gente que se justifica com base em partes de alguma pesquisa descontextualizadas. Já perdi a conta de quantas outras ofensas gratuitas eu já notei a psicólogos e biólogos; sinto se os que vc conheceu não eram profissionais sérios... tem um monte deles por aí nas academias, não escrevendo textos em blogs sexistas...

Sem contar o fato de que vcs vivem confundindo o fenótipo com o genótipo. Seus genes definem o genótipo, não significa que você vai ter um fenótipo maravilhoso, mas vai ter mais chances de ter um fenótipo mais capacitado em vários aspectos.

aiaiai disse...

off topic (mas um pouco dentro)

Eu tento me manter ao largo de informações que considero absurdas mas nem sempre consigo. É o caso do casamento do principe da inglaterra que vai acontecer por esses dias (imagino...já q tá todo mundo falando nisso). Minha questão é: por que tá todo mundo falando disso? Hoje ouvi na tv que eles esperam que 4 bilhões de pessoas acompanhem o casamento pela tv ou internet. JURA? É sério mesmo que existem 4 bilhões de pessoas (quase 2/3 da humanidade) interessadas no casamento de um casal que não tem poder de mudar nada?
A farsa/tragicomica do casamento do pai e da mãe desse principe não serviu para enterrar definitivamente o prestígio das famílias reais?
Só eu acho absurdo ainda existir monarquia no mundo?
A inglaterra está vivendo uma das piores crises economicas de sua história (pelo menos em período de paz) e os ingleses vão esquecer o desemprego, a perda de direitos sociais e as mortes de seus soldados no afganistão para celebrar um casamento dos monarcas?????

Sinceramente, eu acho que eu sou muito estranha.

Pra piorar a situação, minha irmã me contou hoje que a noiva vai usar aliança mas o noivo não, porque é tradição na família real o homem não usar aliança. Como???? Mas, claro, ele é dono dela...apenas ela precisa ser MARCADA, ele não, né?

Eu queria não ficar sabendo dessas coisas, mas fiquei e fiquei indignada!

Carolina disse...

Claudia, também acho que existe muita mulher do jeitinho que esses caras descrevem. Mas também tá cheio de homem-esteriótipo, e nem por isso acho aceitável que mulheres digam que homem não presta, que homem é tudo igual, etc. (aliás, as que proferem esses clichês costumam ser as mesmas que pedem para serem apresentadas a amigos ricos e ainda têm coragem de se proclamarem feministas). Minha vontade é ser bem sincera e dizer: "os homens que VOCÊ escolhe é que não prestam". Mas aparentemente é mais fácil acreditar que o problema é o outro (no caso, TODOS os outros) do que a própria incapacidade de se relacionar com alguém melhor. O mesmo vale pros homens que reclamam da "mulher-padrão". Se eu e você não convivemos com mulheres assim, por que eles convivem? É uma escolha deles. Algum ganho eles têm com isso. Acho que reclamam, mas no fundo precisam de mulheres assim para corroborarem suas ideias.

O pior de tudo isso é constatar que boa parte dos homens que se dizem contra feministas é, na verdade, contra essas pseudo-feministas. Será que é tão difícil eles entenderem que o que estão criticando não é comportamento de feminista?

Laurinha (Mulher modernex) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
olharsaturno disse...

Oi, Lola! Nossa, você escreve mesmo, heim? rsrsrs
Morri de rir com teu post!

Digo que é uma "pena" pegarmos justo essa fase de transição, porque sempre haverá os retardatários (e retardatárias, prá deixar claro que não há uma questão de gênero neste meu comentário)... rsrsrs

Aiaiai, aiaiai! E eu querendo um que me "prendesse"... rsrsrsrs brincadeira! mas é fato: até o ficante quer dar as cartas! Eu, heim! É jogo de pingue-pongue!!!

Beijos,
Olhar

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Adorei o seu post Lola. Acho que não vou ler os comentários porque como vc disse, a maioria vale a pena, mas esse tipo de post infelizmente atrai tanta gente que tem o pensamento (pensamento?) desses.

Ai, essa história de superior, inferior, é tão ridícula. Quer dizer que se meu namorado ganha mais que eu ou tem alguns anos de estudo a mais que eu é "superior" a mim? Quanta besteira.
Engraçado que homens que querem mulheres mais bonitas que eles não as vêem como superiories a eles, o vil metal é que faz alguém ser superior a outro. Elitismo, oi.

Todo mundo quer o melhor pra si, é lógico que uma pessoa vai procurar alguém que reunir o máximo de boas qualidades possíveis. Se o mundo fosse como certas pessoas o descrevem, a humanidade já teria entrado em extinção.

Nascimento, Lilian S. disse...

“Hmmmm.... Que genes!...”.
hahahahhahahahahahahha
(Quase morri de rir agora!!!!!)

Tundra disse...

Claro, é mais fácil dizer que mulher não gosta de sexo e se justificar com teorias sociais mirabolantes do que admitir que você é ruim de cama...

Bárbara disse...

"O casamento é o sacrificio do homem pelo sexo, e o sexo é o sacrificio da mulher pelo casamento". Achei essa frase PER-FEI-TA, amei mesmo!

aiaiai, compartilho com você a mesma opinião sobre o casamento real. Além de tudo que você falou, ainda tem a cereja do bolo: vi há alguns dias na TV que, pela primeira vez, talvez, a noiva não vá ser submetida ao teste de virgindade. Hã?

Pequenas histórias cotidianas disse...

Alguém disse aí em cima, acho que foi a Claudia.. que quando alguém diz que p homem é solteirio e rico, algumas mulheres já se animam. Pra tu ver, como nem todo mundo é igaul, eu já penso:'Velho, deve ter algum problema.. senão, já estaria com alguém".. ser só rico, não basta mesmo". Huahuahau. Sorry, mas não resisti.

Ághata disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ághata disse...

Claudia, tem mulheres que tem este comportamento porque foram educadas desta forma. Pelo menos eu já vi muito pai/mãe/tia/parentes dizendo pra filha/sobrinha pra não namorar (na verdade, na maioria das vezes eles diziam 'sustentar' mesmo) um "zé ninguém", "que a mulher tem que escolher um cara superior a ela" [sim, com estas palavras], que "o pobre só tem pobreza para dividir", que fulano só tá com sicrana por "interesse, já que ele é pobre e ela é rica" [sim, mulher com dinheiro ouve isso também].
O cara pode sair com uma mulher que não ganhe tanto quanto ele que ninguém tá nem aí, afinal, esta é a 'norma', né?
Fora que muito homem tem ego de porcelana. Não vai querer arrumar uma mulher que seja mais habilidosa, rica, inteligente e por aí vai porque não vai querer se sentir "inferior" ou coisa assim. Ele tem que "dar as cartas" na relação seja ela qual for. Um amigo meu, brincando, uma vez me disse - se referindo aos meus cursos, estudos etc - algo como "não vai ter homem pra você, não!".

Tem garotas que acham estranho pensarem que ganharão mais do que seus hipotéticos maridos, elas não sabem explicar nem o motivo, só dizem "Seria estranho, não?".

Ah, falaram por aí em mulheres interesseiras. ...como se não existissem homens interesseiros também - só que estes são realmente dissimulados. Tinha uma colega que era de uma família rica e o ex dela era um imprestável que vivia pra gastar o dinheiro dela (e claro, não prestava): só dava carona quando tinha que 'abastecer o carro e estava sem dinheiro', pedia grana emprestada, um completo folgado! Uma moça que trabalhou em casa como faxineira me dizia que já tinha sido trocada por vários namorados porque a outra tinha "mais dinheiro" e que já tinha visto caras perderem o interesse depois que souberam que ela era de classe economicamente vulnerável. Bizarro, né? Mal acreditei quando ela me contou com aquele tom de resignação.

Ah, mas pra quem acredita ainda que esse negócio de interesse por dinheiro é coisa de genes e genes femininos, basta lembrar que, no passado, mulher sem dote não casava, tá? E até hoje na Índia, tem homem matando a esposa cuja família não pode mais oferecer ajuda financeira pra casar com outra mulher e conseguir um dote.

Ia comentar mais alguma coisa, mas esqueci. Daqui a pouco eu volto aqui.

Pentacúspide disse...

Eu concordo com Me Rahel quando cita o factor biológico e psicológico.

A diferença entre os nós e os animais é a linguagem. A nossa linguagem é muito mais complexa o que nos beneficia largamente e nos torna "racionais", e portanto com mais possibilidade de escolhas do que simplesmente responde aos impulsos homeostáticos, nós somos o que somos porque o nosso saber e comportamento baseia-se no tríptico SRV (sentido, razão e vontade), a razão, provavelmente é o que nos difere dos restantes (porque uma galinha também apresenta vontade quando estupidamente em vez de contornar uma cerca de rede, tenta passar entre os buracos). De resto como todos os animais, nós procuramos pelo ser superior, seja esse homem ou mulher, e esse ser superior varia conforme os padrões sociais, isso faz parte de todo o nosso componente antropo-sociológico. E por existir a VONTADE, e muitas variáveis sociais, o "tipo ideal" tem as suas flutuações, mas quando procurámos um parceiro, procuramos vantagens, isso é simplesmente selecção natural, seja eles os mais bonitos, os mais inteligentes, os mais educados, os mais brutos, os mais ricos, ou mais qualquer coisa, porem nunca procuramos quem esteja em desvantagem social.

Por exemplo, vocês feministas procurariam como parceiro um misógino encardido? Ou vocês licenciados e cultos procurariam por parceiro um homem-das-cavernas? Esses são flutuações de padrões, mas não significa que não exista um padrão generalizado que é de encontrar o mais forte no contexto social em que se está inserido.

Ághata disse...

Ah, sim. O papo de "superioridade".
Ótimo que cada um (religião/ciência/filosofia/[insira o que esqueci de elencar aqui]) que invente o que significa superioridade de acordo com o interesse da época/região!
Ora a superioridade tem a ver com seu sangue, com seu berço, com a sua "raça", com a sua Etnia, país, ora com sua cultura, com o nível de instrução, ora com sua aparência, com o tanto de vil metal que você acumular e por aí vai...

E acho um barato geral dizendo que sexo e atração sexual é uma questão meramente biológica! A indústria pornô, por exemplo, só mostra aquilo que é Natural! Só instinto!

Amanda disse...

Não só concordo com tudo que Me Rahel disse, como me ESPANTO que pessoas inteligentes (acredito que a maioria dos leitores/comentadores são pessoas inteligentes e com uma formação intelectual razoável, não estou falando de Viktor e similares) façam inferências sobre um campo cientifico com base em BLOGS e matérias sensacionalistas. LER A FONTE é um aprendizado básico, especialmente no mundo virtual!
Por que alguém escreveu e postou em um blog é fato?? Reflete a pesquisa e a teoria de terceiros???
É inacreditável isso!
E mais inacreditável ainda que no século XXI as pessoas ainda tenha um estereótipo de que "ciência" é feita por um bando de alienados que não levam em conta variáveis ESSENCIAIS para o estudo do comportamento como a CULTURA. Não existe pesquisa em psicologia evolucionista sem a interface com a cultura.
Mas pelo visto é exigir demais que as pessoas saibam do que se trata um campo científico antes de falarem mal do mesmo. A psicologia evolucionista tem várias críticas sérias e coerentes, mas NENHUMA DELAS aparece aqui.
Por que será não é?
Tenho que rever meus conceitos de "pessoas inteligentes" pra excluir os que encaminham textos toscos atribuídos a Veríssimo, o que parece ser o perfil de vários comentadores daqui.

Ághata disse...

...
Pentacúspide, como assim superioridade? Normalmente, se admira bastante determinada pessoa quando se está com ela, mas eu não consigo ver 'admiração' como um reflexo de 'superioridade'.

...aliás, se este negócio de paixonite fosse tão instintivo assim, ninguém duvidaria do chamado "amor à primeira vista" - que é lenda urbana presente em tudo quanto é filme romântico, mas na vida real... Você conhece a pessoa ou se sente atraída por ela e depois é que a coisa se desenvolve - ou não, né. Não raro assim que você conhece a criatura, desencanta.

...e, bem, feministas não se relacionam com misóginos por muitos motivos: a) incompatibilidade total; b)amor próprio ou instinto de autopreservação; c) eles mesmos buscam mulheres com autoestima baixa, que não se afirmam e por aí vai, enfim, mulheres que eles acham fáceis ou tem facilidade de controlar e talz.
...mas acredito que não tenha nada a ver com lance de superioridade e inferioridade.
...aliás, tenho muita dificuldade em saber quem é superior a quem.

Me lembrei de uma aula de filosofia do primeiro ano do ensino médio agora. Um professor meu, muito bom, diga-se, ele dizia que as pessoas tinham o hábito de ou ver o outro se sentindo inferior ou superior - e que difícil mesmo era enxergar o outro como igual. Vai que algumas pessoas tem este vício e naturalizam ele a ponto de achar que isto é natural?

Pentacúspide disse...

Ágatha, eu também não acredito no amor à primeira vista. E usando o que disseste para justificar o meu ponto: vemos uma pessoa, apaixonamo-nos ou sentimos atraídos por quê? Porque ele tem componentes que nos agradam. Depois conhecemos e desapaixonamos por quê? Porque não passa na nossa avaliação. E sempre que utilizamos avaliação quer dizer que estamos a proceder a alguma comparação e QUEM PASSA É SUPERIOR A QUEM CHUMBA.

Feministas não se relacionam com misóginos, d) porque acham-nos estúpido, involuíveis e ultrapassados (mentalmente inferiores).

E quando dizes que tens dificuldade em saber quem é superior a quem, eu percebo que estás a dizer que és ausente e livre de padrões e de preconceitos, e só te limitas a viver e não comparas. E digo: então, minha cara, estás muito mal, porque até mesmo os cães sabem que tipo de carne é SUPERIOR.

Pentacúspide disse...

por componentes leia características

Hamanndah disse...

Pentacúspide

Não existe ninguém superior a ninguém, nem homem, nem mulher.

Quem acredita nisso, certamente, esconde um grande complexo de inferioridade...


Existem pessoas bacanas, homens e mulheres, que não diminuem, nem querem dominar, os outros...São estas pessoas que outras pessoas, homens e mulheres, SAUDÁVEIS, sentem-se atraídas.

Daní Montper disse...

@aiaiai

Também não entendo como tem gente tapada neste mundo, ao ponto de acompanhar casamento de príncipes - e o pior, como ainda pode existir monarquia, não é mesmo?
Não sabia dessa história da aliança, que imbecilidade - mas aposto que muitos devem achar normal, afinal, ele é príncipe! Aff!
Os contos de fadas são péssimas influências.

Sobre a teoria do tal Viktor, acho que essa foi a história que ele inventou para si mesmo para justificar não ter ninguém - e só pelo fato de usar termos como macho e fêmea para se referir a homem e mulher já perdeu qualquer crédito comigo.

Ághata disse...

Aí, você está superestimando. Não se trata de ser livre de preconceitos. A questão é como, na escolha de um parceiro, se dá a valoração de que a pessoa é superior ou não.

...Mas então, a "minha cara" aqui realmente está muito mal. Escolher um parceiro é tipo que nem um cão escolhendo carne, é?

Pentacúspide disse...

Hammandah, que a superioridade ou inferioridade seja relativa eu concordo, mas que não exista não é verdade. Quando defines um "tipo", quem não entra nesse tipo é "inferior" ao tipo que predefiniste.

Ágatha se na escolha de um parceiro usares menor critério que um cão a escolher carne, então náo estás mal, e lamento, estás mas é péssima.

Augusto disse...

Olá! No último semestre, na disciplina de Genética aplicada à Psicologia, tivemos que fazer um trabalho baseado em um capítulo do livro "O Animal Moral - Porque somos como somos: a nova ciência da psicologia, de Robert Wright, CAMPUS, 2006", e nesse capítulo há todos os tópicos mencionados neste post.A leitura foi interessante, e a teoria do macho e da fêmea investíveis, na minha opinião, atépoderia ser levada em consideração lá no período "das cavernas", mas hoje acho tudo isso muito sem noção, afinal, eu não investiria meus genes em uma "fêmea com quadris largos" porque isto representaria a força progenitora dela, é ridículo demais. Sou romântico, e não aceito tal teoria para explicar a atração humana, afinal, conugar o verbo amar não tem muito a ver com selecionar e copular, não é mesmo?

Me Rhael disse...

@Augusto

Putz, legal...
Agora cite aí o trecho do livro que diz que nós OBRIGATORIAMENTE selecionamos mulheres com quadris largos pra procriar.

Põe aí...

É, não tem... o que os livros mencionam é que existe "Têndência", "Inclinação", ou qualquer outro termo com o mesmo significado que explica que nada do que você define como vantagem biologicamente é Obrigatório em uma escolha. É uma váriável do comportamento, existem outras variáveis além dos quadris, principalmente a partir do momento em que se monta um sistema social complexo.

O que caralhos vocês andam lendo? Parem de tirar informações de blogs e vão ler a porra dos livros e das pesquisas com as palavras dos próprios autores.

Laetitia disse...

Lola, infelizmente esse comportamento de "mulher buscando homem superior" e "homem buscando qualquer mulher a qualquer hora" acontece, sim, e muito, não pq seja natural, mas pq é um padrão aceito, imposto e divulgado, o tempo todo! Muitas vezes (quase sempre, creio), a mulher gosta de sexo mas se sente acuada demais pela sociedade pra assumir isso. E, pra não dizermos que o feminismo só pensa na mulher, como tantos pregam por aí: o inverso tb acontece com o homem, ou seja, muitas vezes ele não está afim de se mostrar o "macho alfa" garanhão por aí, mas se sente "obrigado" pra não perder o moral, ser aceito.

É mais comum do que todo mundo pensa, mas já ouvi mais de um amigo confessar pra mim que já fugiu, sim, no fim de semana pra tomar cerveja com os amigos, e não pelo motivo clássico de espiar as garotas mas, pelo contrário, pra fugir da esposa em casa. Sim, ele estava cansado e não queria nada com ela, e certamente não deixou de "ser homem" por causa disso, certo?

E quanto a dizerem que nós, digo, mulheres, não somos seres "visuais", que se importam com a aparência, tanto isso pode ser verdade, e pros DOIS sexos, quanto pode ser um baita de um engodo. Acho que é muito pessoal, até. Claro que todo mundo se sente atraído por uma pessoa "bonita" (seja lá qual for seu conceito de beleza), mas não creio que nenhum homem ou mulher rejeite, pra um relacionamento sério, uma pessoa "feia" por quem esteja apaixonado.

Acho que a questão social acaba, sim interferindo nesse quesito "estímulos visuais". Querendo ou não, nós, mulheres, somos bem desfavorecidas nessa história, já que os homens se valem de bem poucos artifícios estéticos pra nos conquistar, né? Deve ser fácil pra um homem ser atraído pela beleza de uma mulher, pq a maioria das mulheres faz questão de realçar seus atributos físicos - somos meio "obrigadas" a isso, pela sociedade.

Aliás, mesmo sem ser lésbica, eu acho muito mais fácil achar uma mulher esteticamente atraente do que um homem... a maioria das fotos que tenho penduradas nas paredes do quarto são de mulheres.

Ana Lúcia disse...

Sexo é uma das melhores coisas neste mundo chato. E no final das contas, o q importa é um belo dum orgasmo. Afinal, na maior parte do tempo, desde o beijo, ficamos de olhos fechados (kedizê, eu fico, né! kkkkkkk).
Bjs, pessoal!

Nefelibata disse...

Me Rhael, não sei porque os palavrões, mas diz aí como anda sua pesquisa pra gente debater.

Gabriele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriele disse...

Por mais que eu adore esse blog e os posicionamentos da Lola em quase 90% dos casos, quando o assunto é psicologia evolucionista, tenho que concordar com Me Rhael em alguns pontos. Existem pesquisadores de psicologia evolucionista seríssimos e que sempre lembram que o ser humano não é uma criatura apenas movida por impulsos, e sim um ser que desenvolveu raciocínio crítico, responsabilidade, relações sociais complexas e ética, e que os impulsos são, como comentou Me Rhael, inclinações e tendências (lembrando que Darwin nunca fala em "lei do mais forte" ou do "mais superior" e sim do "melhor adaptado" - e é importante se levar em conta que nos humanos, como tudo é mais complexo, a noção de "mais adaptado" não é aquela coisa fixa que se encontra nos outros animais, envolvendo também a história sociocultural de cada sujeito). E não é pelo fato de a psicologia evolucionista se focar na questão do darwinismo que ela diga que as outras abordagens e compreensões são inúteis. Claro que existe uma meia dúzia de autores medíocres que usam a teoria de forma distorcida, mas isso não significa que toda a área da psicologia evolucionista seja ruim.

luisandromendes disse...

que sujeito idiota, nem biologicamente isso faz sentido.

Gabriele disse...

O comentário do Viktor é totalmente absurdo mesmo

Me Rhael disse...

@nefelibata

Arrume uma falácia melhor.

Esses professores de oratória de hoje em dia estão cada vez piores. Os antigos ao menos ensinavam pra usar o Non Sequitur e o Dicto Simpliciter, às vezes até o Apelo à Autoridade; mas nunca, nunca discutir algo que você não sabe com Ad Hominem, porque acaba com a sua credibilidade...

Se não vai falar sobre o assunto mencionado, não tenho interesse em falar com você sobre nenhuma das outras coisas que faço.

E os palavrões enfatizam minha preocupação! O que (e, principalmente, Onde) caralhos vocês andam lendo pra discutir ideologia como se fosse ciência; e principalmentye pra fugir do assunto quando eu explico que ciência não é nada do que se foi mencionado pelos seus promotores aqui?

Paula disse...

"quando as feministas dizem estar buscando um homem igual a elas (...) emos que elas mentem, ainda que inconscientemente, pois no fundo elas estarão buscando homens que sejam superiores no máximo de atributos que elas puderem"

+

"o desejo sexual da mulher está atrelada a fatores de ordem emocional"

+

"Vcs mulheres gostam menos de sexo do que nós homens. Isso é fato"

+

"Eu acredito que a mulher, mais do que dinheiro, gosta do homem que reúna a maior quantidade de atributos superiores possíveis (poder, dinheiro, status, autoconfiança, beleza, porte físico, inteligência, etc.) Isso se chama hipergamia feminina"

=

Viktor não reconheceria uma mulher nem que ela caísse no colo dele.

Alôu homens do meu Brasil, quando vão parar de achar que sabem mais sobre nós do que nós mesmas?

lola aronovich disse...

Ah sim, o Me Rhael acha que ciência e ideologia são opostos. Que ciência não reflete os pensamentos e costumes de um lugar e época. Eu tinha me esquecido. Aí ele coloca palavrões nos comentários pra mostrar indignação.

Não sou eu que falo de psicologia evolucionista. Quem fala é a mídia. É ou não é o ramo da ciência mais divulgado pra leigos nos últimos 30 anos? Agora, perguntem-se porquê. Não é nem um pouquinho de coincidência que essa ciência machista tenha ganhado destaque logo no backlash? A quem interessa insistir que o comportamento humano (e, principalmente, o masculino) é natural?

Shey, Sheid, enfim... disse...

Ah, Lola, o Homer Simpson é aquele tipo de cara que pelo menos, apesar de tudo, vc consegue ter uma simpatia por ele muitas vezes.
O que me dá nos nervos é aquela animação chamada "Family Guy". O pai da família é um Homer bem piorado; é tremendamente gordo e feio mas se acha no direito de cantar grosseiramente "gostosas" e esculachar as "feias" e gordas.
É casado com uma mulher muito bonita e rica q abandonou tudo pra ficar com ele (o pai dela o odeia) e, como se não bastasse, pratica bullying contra a própria filha ( que sofre tbm na escola, por ser "feia" e ligeiramente acima do peso). As poucas vezes que assisti a esse desenho, em nenhum momento o cara e o filho, que são bem gordos, são julgados pela aparência, não tendo dificuldades em arrumar a mulher que quiserem.E a única preocupação dele com a esposa parece ser de ela deixar de ser dele, já que ele paquera descaradamente qualquer mulher q julgar gostosa, mesmo sendo colega de escola dos filhos adolescentes.
E o desenho é recheado de piadas grosseiras sexistas.

Me parece que há uma tentativa desesperada de pintar o "politicamente incorreto" como uma coisa chata e sem graça, do início dos anos ´00s pra cá. E nem venham me falar que esse desenho é pra "criticar" a sociedade, pq não está surtindo esse efeito: já vi em muitos fóruns de internet onde fãs desse desenho odeiam a filha mais velha da família pq ela é "feia e gorda", inclusive muita gente declarou em ter verdadeiro prazer em ver ela ser maltratada.

Shey, Sheid, enfim... disse...

Errata: onde escrevi "politicamente incorreto", é POLITICAMENTE CORRETO.

Mals, rs.

Me Rhael disse...

Yeah, Right. E ao invés de mencionar a tal "mídia" você menciona os psicólogos evolucionistas, como se eles próprios abrissem blogs pra falar sexismos na internet.

Palavrões são meus; eu os uso porque querto, tem gente que usa caps lock, tem gente que usa termos masi ofensivos, é uma questão de transmitir emoção para um formato frio como o texto de letras de formato invariado; o que é melhor do que a ironia deslocada; usada de forma pouco engraçada, mais pra desqualificar do que para metaforizar. Nabokov foi bom professor, não? (sim, usei também, ao menos como exemplo dessa vez).

E sim, ciencia e ideologia são exclusivos. Alguns cientistas começam suas pesquisas com base em uma opinião ou um palpite (sempre começa assim), mas quando a pesquisa desmente a teoria ele procura outra (outra teoria, não outra pesquisa) ao invés de ficar insistindo no que já se provou incorreto. O que você pesquisa e conclui é fato; é Ciência. Se alguém pega parte do que você disse descontextualizada pra justificar as merdas que fala: aí é ideologia, e não tem ligação com a pesquisa científica. Não existe "ciencia machista" de onde caralhos (palavrão, dessa vez é de espanto) você tirou isso? Existe gente machista (e gente feminista também, não se engane,embora em quantidade muito, muito menor) se aproveitando do fato do comum do povo não ler pesquisas em sua profundidade (e às vezes é difícil mesmo compreender sem ser da área) pra apresentar elas (as pesquisas, não as pessoas) como lhe for conveniente.

Não me interessa se é veiculado pra leigos Dra Óbvia (toda propaganda é veiculada pra leigos; você não faz pra um engenheiro de produção uma propaganda mostrando como é tão mais maravilhosa a cerveja duplamente fitrada a zero grau, ele riria na sua cara e diria os "poréms" do processo). Veiculam livrinhos de gente meia-boca; não a pesquisa original dos cientistas que às vezes passam anos pesquisando pra escrever suas 300-400 páginas sobre o assunto. Já disse (nesse mesmo texto), e vou repetir porque vocês parecem se fazer de bobos; o que alguém fala com falsa base em alguma pesquisa não é culpa do pesquisador, é culpa do idiota que: a)entendeu errado; b)distorceu pra entender como queria ou convencer alguém.

Mas já que vocês vão se fazer de desentendidos... eu entendi o recado.

Me Rhael disse...

Esqueci de mencionar.

Não é você quem fala de psicologia evolucionista, mas é você que odeia os psicólogos evolucionista e os chama de palhaços; sem ter nenhum contato com eles a não ser por gente sexista excrevendo em blogs (artigos em periódicos acadêmicos? os que escrevem as tais baboseiras tem algum?) que usa sabe-se lá qual informação. Ás vezes nem mesmo veio da psicologia evolucionista, mas "creditaram" a ela, tipo os textos de emails que creditam ao Veríssimo ou ao Millor.

Jéssica disse...

Sobre a discussão, só vou comentar que é muita inocência achar que não existe "ciência machista".

Existiu ciência racista, alegando que os negros eram inferiores ou mais burros que os brancos.
Existiu ciência homofóbica, alegando que os homossexuais eram doentes mentais.
Já existiu e ainda existem diversas pesquisas mostrando que a mulher é inferior ao homem, que não sente prazer no sexo, etc...

A ciência é, sim, influenciada pela sua época e pelos valores da sociedade.


Quanto a Lola não ter lido as pesquisas para falar sobre a psicologia evolucionista. Ok, o ideal é que ela tivesse lido.
Mas, ela não está discutindo com alguém que leu a pesquisa, as pessoas que usam os resultados dessas pesquisas de forma misógina com certeza não lerem a pesquisa inteira. E é com essas pessoas que ela está discutindo.

Considero irrelevante se a intenção original desses cientistas era boa, quando suas idéias são entendidas e divulgadas de forma totalmente distorcida, que mais atrapalha do que ajuda a sociedade.

Luiz disse...

É realmente não leram nada de Psicologia evolutiva. Fico com a célebre frase do meu avô, "O pior dos burros é o que fala do que não sabe". Tem gente que não leu e não gostou. A ciência só demonstra o que ocorre na realidade dentro daquilo que é possível observar dada algumas condições tecnológicas e metodológicas. O problema da psicologia evolutiva é que ela em tese não faz parte de nenhum movimento engajado e ai os engajados de algum grupo ficam temerosos. Não me surpreende em nada que os principais adversários da teoria evolucionista foi outro movimento engajado, a religião. Quando Darwin publicou as suas idéias sobre evolução, um dos membros da Igreja Anglicana disse:

- Espero que o Sr. Darwin esteja errado, mas se não estiver que ninguém o leia. Se suas idéias prosperarem seria uma tragédia para nós.

Que contestem as idéias da psicologia evolutiva tudo bem. Na ciência não deve existir dogmas nem intocáveis. Mas façam isso do jeito correto e proponham experimentos que mostrem onde os psicoevolucionistas falharam e onde estão errados. Não dá pra fazer isso usando o método do balcão de botequim.

Laetitia disse...

Quem acha que ciência não se mistura com ideologia, só lembrar dos cortiços destruídos no RJ, da Revolta da Vacina... época em que matar pobres pra erradicar a "sujeira" se tornou comportamento justificado pelo determinismo.

Hitler se valeu da ciência para justificar a eugenia... até mesmo pra combater as artes modernas, enxergando deformidade física e transtorno mental onde havia apenas inovação.

Ninguém disse que a ciência, sozinha, é prejudicial, mas o uso que se faz dela pode sim, ser catastrófico.

Me Rhael disse...

Não acho importante que ela leia as pesquisas. São irrelevantes pra ela, eu diria.

Meu problema com a questão vem desde o primeiro post que li em que ela afirmava (e ainda afirma) categoricamente que odeia psicologos evolucionistas, sendo que é por motivos que não cabem. Os coitados não tem nada a ver com as asneiras que ela lê. Não foram eles que foram lá abrir seus blogs na internet pra escrever sexismos. Eles sequer fazem qualquer justificativa. O objetico é descobrir de onde o comportamento veio, como ele se moldou, e porque ele ainda persiste (se persiste). Não é nenhuma regra biológica obrigatória que te obrigue a passar pro cima das suas capacidades sociais. Se sentir atraído por uma mulher bonita é biológico; ir lá em cima dela dizer que ela é a nora que mamãe queria não tem porra nenhuma a ver com a evolução da espécie...

E não, não existe ciência machista; a ingenuidade é a de vocês, de achar que o que os políticos, ou quem quer que se justifique dessa forma, se apóiam pra se justificar seja uma pesquisa científica séria propriamente dita. O que eles usam são trechos descontextualizados pra dar a ilusão de validade às suas idéias; assim como Hitler, que pegou o conceito (CONCEITO) da teoria (TEORIA, nem havia sido testada ainda) sobre a eugenia e distorceu pra justificar as suas afirmações sobre a raça ariana...

Manipulações da informação são moldadas de acordo com a época e o mainstream da opinião... ciência é feita por gente que quer saber como algo que eles veem acontecer funciona.
Tem é gente disposta a passar por cima da ética e da lei pra seguir em frente com a sua pesquisa, mas ainda assim a obssessão (ou a cobiça, se for algo possivelmente rentável) anda seguindo o método científico, não a ideologia...

E se você, Jéssica, acha que as intenções das pesquisas são irrelevantes a partir do momento em que começam a deturpar as idéias em favor próprio, seria melhor para de estudar neste exato momento, porque fizeram, fazem, farão, e se um dia você estiver pesquisando algo também vão fazer com a sua. Aí vai cair a ficha do que eu estou falando...

Me Rhael disse...

E, oi, de onde você tirou isso daqui?
"Já existiu e ainda existem diversas pesquisas mostrando que a mulher é inferior ao homem, que não sente prazer no sexo, etc..."

Porque, não sei se você tem contato constante, mas as pesquisas sempre indicaram o contrário... mulheres tem mais formas de sentir prazer do que homens, se você não sabe, e nenhum sexólogo ou biólogo que estude o assunto (tem biólogos que não estudam, então não sabem mesmo assim) vai dizer o contrário...

Que tal começar a ler aqui http://www.physorg.com/biology-news/
e aquihttp://www.physorg.com/health-news/

Mas não se engane... o site apenas reúne notícias sobre pesquisas e um pequeno resumo; não é conclusivo (como muitas pesquisas não são) mas normalmente tem links pros artigos (ou ao menos os códigos deles) pra você mesma ler.

Sonny&Cher disse...

Relamente, tem muitas teorias da psicologia evolucionistas que de tão ridículas parecem que foram encomendadas por gente mal intencionada. Essa do homem escolher mulher bonita por questões biológicas e reprodutivas é uma, por exemplo. A maior prova de que isso é uma idiotice é que o padrão de beleza feminino muda drásticamente de acordo com a época e os contextos sociais. Se essa teoria fosse verdadeira os homens achariam o mesmo tipo de mulher atarente em todas as épocas e em qualquer sociedade e nós sabemos que isso não acontece. O tipo de mulher considerada a mais gostosa em uma época vira a "baranga" da época seguinte, a mulher considarada mais desejável para os homens de uma determinada sociedade pode não ter graça nenhuma para os homens de outra.

Nefelibata disse...

@Me Rhael: Ei, calma aí, maninho, suas patadas em mim são gratuitas: em nenhum momento eu quis diminuir sua pessoa. É que você fala com tanta propriedade de pesquisas e pesquisas, que queria expor meu ponto usando de exemplo alguma que você tivesse feito. Mas agora vejo que você (e mais um ou outro comentarista aqui) é do tipo acostumado a ler, mas desacostumado a pesquisar.

Eu não sou nenhum professor de oratória, se foi a mim a quem você se referiu, mas já que você corretamente despreza as falácias que mencionou, deveria também deixar de se guiar por argumentos de autoridade e discursos de competência, sabe? Não é só porque a ciência diz que é verdadeiro. Se ciência fosse a própria verdade, muito do esforço em pesquisa poderia ser suspenso hoje. Não é à toa que a ciência desmente a própria ciência o tempo todo. Como você bem disse, maciça parte das pesquisas hoje não concluem nada.

Aliás, chega a dar certa pena ver alguém defender com tanto ardor a ciência e dizer que ela e ideologia não se misturam. Mais um indício de quem não está acostumado a fazer ciência, entregar-se em pesquisa. Preste atenção: toda a realidade social é perpassada por ideologias. A ciência não acontece no plano da ideias, acontece no mundo real, então ela própria é eivada disso. É justamente essa sua insistência em crer na ciência como algo puro, destacado da realidade social, que faz com que pense que nós nos fazemos de desententidos.

Mas você não é o único. Muita gente vai nessa onda também e, sem perceber, encaram a ciência hoje como a religião era encarada no passado: a porta-voz da verdade. A gente discute um assunto aleatório, machismo, p. ex., e vem alguém e diz: "fulano de tal, pesquisador de tal lugar, escreveu um estudo, baseando-se em teorias x, y e z, que diz que mulheres tendem a gostar de ser subjugadas". O resto aceita, porque "é científico". Questionar isso vira, como você disse, deixar-se influenciar por ideologias fundamentadas unicamente no instável sabor das paixões pessoais.

Mas olha que curioso. Aceitar qualquer coisa como verdadeira porque um "pesquisador sério" falou é, curiosamente, agir no exato oposto do que prega a ciência. Você verificou os métodos de pesquisa dos psicólogos evolucionistas? Você estudou as fontes que eles usam? Verificou os experimentos das teorias nas quais se fundam? Você testou o método que o cientista alega ter usado? Se você não fez isso, e no entanto diz que "com certeza" o cara tá certo, você tem mais fé na ciência do que a entende. E a palavra do cientista vira argumento de autoridade, dogma, tal como a palavra religiosa na boca do padre.

(...)

Nefelibata disse...

(...)

Mais um indício de que você não está acostumado a pesquisa é que, para grande parte dos assuntos ainda não pacificados na ciência (como psicologia evolutiva), existem embates de verdade entre diversas vertentes de pesquisa. Às vezes esquecemos que o termo "conquista científica" se trata literalmente de uma conquista. Pois derrubar qualquer pensamento estabelecido é uma luta. Galileu sofreu isso; Darwin, sofreu isso; Tesla sofreu isso; Einstein morreu dizendo que "Deus não joga dados" porque não conseguia acreditar que a física quântica era realidade (estranho um cientista-ícone argumentar contra a pesquisa de outro algo envolvendo o nome de Deus, não?). Há ainda pelo menos mais um passo que qualquer "pesquisador sério" deve tomar além verificar e testar métodos e fundamentos de teorias: deve-se estudar o que dizem as teses e estudos contrários. Tudo isso mostra que a ciência está longe de ser uma esfera acima do bem e do mal. Você mesmo entrega:

"Tem é gente disposta a passar por cima da ética e da lei pra seguir em frente com a sua pesquisa, mas ainda assim a obssessão (ou a cobiça, se for algo possivelmente rentável) anda seguindo o método científico, não a ideologia...". Quem não tem escrúpulos em atropelar a ética ou a lei não tem a menor necessidade de seguir um método científico rigoroso. E te dou um motivo muito persuasivo:

Pesquisa custa grana. Quem quer ser pesquisador tem que convencer um instituto a liberar verba para seu projeto. No projeto, há uma hipótese, um método desenhado e uma expectativa de resultado. É com base nesse resultado desejado que se liberam recursos. E qual é o critério para escolher um projeto e não outro? Ciência pura? Não, são interesses muito mundanos. A Novartis ou Bayer não vão liberar milhões de euros para que se desenvolvam aspirina azul em vez de branca só para que possamos descobrir uma nova propriedade dos pigmentos. Mas se descobrirem um método de produção mais barato para seus remédios, sim, porque isso dá lucro para o instituto. E sabe o que acontece se a pesquisa for avançando e o resultado não for aparecendo? Cortam a verba antes que o prejuízo seja maior. E aí o pesquisador fica desempregado.

O Direito-USP ficou uns dez anos entre as décadas de 1990 e 2000 sem aceitar um projeto sequer no departamento de direito do trabalho que não tivesse como proposta algo na sua abolição - pois a ideologia neoliberal estava no auge, à época. O que seria isso?

O próprio cientista é um ser humano vulnerável às suas paixões. Já que você gosta de ler, procure as pesquisas de Kevin Dunbar sobre como os cientistas pesquisam. Dentre outras coisas interessantes, ele descobriu que a frustração que os pesquisadores sentem ao falhar é tão grande e detestada que eles nem sempre são tão rigorosos em seus métodos – pois antes de pesquisarem para “alcançar a verdade”, pesquisam para comprovar suas hipóteses, elevar sua reputação no meio, suas verbas e, quem sabe, até mesmo para consolidar suas ideologias. Você separou Hitler da ciência eugênica, mas como me explica as pesquisas de Mengele?

(...)

Nefelibata disse...

(...)

Indo ao ponto mais importante do texto da Lola, eu digo o seguinte: Me Rhael, você fugiu do assunto, na verdade. O texto da Lola não é científico, ou seja, seus destinatários não são, em princípio, os cientistas (aliás, está escrito bem na frente do blog que ele não é acadêmico); o debate está focado em outro nível. Há negação de alguns pontos, sim, como a que presume ciência ser distinta de ideologias, e nisso um texto não científico pode se comunicar com um discurso científico sim. Não importa o quão elaborada seja uma teoria, se alguma premissa é falsa, por exemplo, nem é preciso perder tempo com o resto. Não é preciso estudar a fundo algumas vertentes de criacionismo se elas presumem em seu método qualquer coisa que faça o papel de Deus (um “design natural inteligente impossível de ser desenvolvido sem uma inteligência superior”) – já sabemos de antemão que uma pesquisa assim é lorota, pois deus não é algo cientificamente verificável, pela própria lógica de seu conceito. Vejo como destinatários do texto quem compra ciência como se fosse religião, ou seja, não desconfia de nada do que um estudo científico diz, mesmo que dali a seis meses um novo estudo possa contrariar tudo. Entretanto, apesar de estarmos na incerteza do mundo, desconhecendo a verdade absoluta, vamos vivendo, e vamos vivendo com auxílio da ciência; ela é de fato um dos núcleos produtores da verdade prática. Só que a ciência vem do mundo real, e vai para o mundo real; seu movimento não orbita num Éden longe das atribulações terrenas. Todo o cientista é responsável pelo que faz; vide o debate ético que surgiu após o Projeto Manhattan (com Einstein arrependido do papel que cumpriu no desenvolvimento da bomba atômica dos EUA). E os preconceitos e as ideologias perpassam tudo isso. O texto da Lola é também uma crítica a quem, munindo-se do discurso científico como se esse fosse verdade absoluta, dá vazão a preconceitos como machismo. Para puxar a orelha, ela se vale de ironias (a dos “humm, que genes”, foi ótima, por sinal), mostrando que não faz sentido agirmos preconceituosamente mesmo que um estudo diga que isso “é natural”. Aliás, “natureza humana” é uma das grandes arapucas de todo o debate científico e social...

lola aronovich disse...

Nossa, como vc fala besteira, Me Rhal. E o pior é que fala com uma arrogância e agressividade de quem não parou pra pensar um segundo nas besteiras que fala. Ciência parece uma religião pra vc, hein? O meu querido Nefelibata já disse tudo que eu gostaria de dizer. Eu fico pasma que ainda hoje tanta gente acredite na pureza da ciência. A pureza da arte já foi bastante derrubada (só os tolinhos ainda acreditam que “é só um filme”, “é só um livro”, como se aquele filme e aquele livro não sofressem nenhuma influência da época e do lugar em que foram feitos), mas a crença na pureza da ciência segue firme e forte. E, claro, essa ideia totalmente equivocada que ciência não é ideologia, que ciência está acima do bem e do mal, que ciência é neutra e objetiva, pode ser mais perigosa do que crer na pureza da arte. Porque, assim como vc, tá cheio de gente que acredita em estudos científicos sem pestanejar. Sem pensar. Falou, tá falado. A psicologia evolucionista pra mim é o melhor exemplo dessa estupidez. E um grande exemplo de como a sociedade avançou bastante no combate a outros preconceitos, mas, no que concerne machismo, ainda está bem longe. Por exemplo, lembro de quando o Bell Curve foi publicado, nos anos 90, e como foi considerado racista e combatido. Os autores usavam a genética pra argumentar que certas raças (tipo, ahn, a branca) eram superiores a outras. E isso foi algo que a sua ciência puríssima fez durante toda a primeira metade do século 20. Era socialmente aceito naquela época pensar coisas assim. Era NECESSÁRIO no século 19, pra justificar que os países europeus, brancos, “superiores”, pudessem explorar suas colônias marrons e negras. (...)

lola aronovich disse...

E é absurdo que vc diga que oh, foram alguns cientistas que usavam conceitos de teoria e a distorciam. Há há, quando alguém decide fazer um estudo sobre eugenia, está partindo de qual conceito? Vc realmente acha que um cientista neutro começava a fazer uma pesquisa cientítica neutra sobre eugenia? Já escrevi um pouco sobre isso aqui, quando falei da construção da normalidade. E não dá pra acreditar que vc diga algo como “se sentir atraído por uma mulher bonita é biológico”, ignorando totalmente que o que define mulher bonita são construções sociais. Tipo, esta foiuma mulher bonita durante um tempão. E hoje o padrão ultramagro não é exatamente generoso com fertilidade. E isso é TUDO pra psicologia evolucionista, certo? Tudo que é atraente, tudo que fazemos ou deixamos de fazer, está baseado no melhor pros genes da nossa futura prole. Eu e muitas outras feministas achamos altamente suspeita uma ciência feita pra naturalizar o comportamento masculino (estuprar é natural, homem trair é natural, porque é preciso espalhar a sementinha, mas mulher trair é anti-natural), uma ciência que ganhou amplo destaque da mídia (e continua sendo a ciência mais difundida) bem quando começou o backlash, nos anos 80. A mídia (e não estou pensando em blogs, mas em jornais, revistas, TV, a grande mídia mesmo, pois a ampla divulgação dessa pop science começou muito antes da internet existir) abraça essa ciência com entusiasmo. É uma maravilha que, numa época em que a mídia diga que mulheres estão infelizes porque trabalham fora, quando gostariam mesmo de voltar aos anos 50 e ficar em casa cuidando dos filhos, apareça toda uma ciência pra “provar” que o natural é mulher ficar em casa cuidando dos filhos. Mas pra vc a psicologia evolucionista, assim como qualquer outra ciência, não é ideológica. É pura, é neutra, é oposto da ideologia. Vc deve acreditar em Papai Noel também.

Pentacúspide disse...

"Já existiu e ainda existem diversas pesquisas mostrando que a mulher é inferior ao homem, que não sente prazer no sexo, etc..."

Zeus e Hera apostaram sobre quem tinha mais prazer no sexo, mulher ou homem, e para juíz chamaram Tirésias que tinha vivido anos transformado em mulher e, experimentado o prazer sexual nos dois corpos, e ele sentenciou: se o prazer sexual se dividir em 10 partes a mulher fica com 9 partes. E isso, veio dos sábios empíricos.
É claro que o machismo depois criou várias desinformações sobre a sexualidade feminina, mas todos os escritores "valdevinos" (que eu li) que já escreveram sobre o sexo no passado glorificaram o orgasmo feminino. Não há, nunca houve uma base científica sobre a negação do prazer sexual à mulher; aliás, isso é mais desinformação machista; e, por exemplo, por que raio pensam que os maus islamistas praticam excisão nas mulheres, senão porque reconhecem a superioridade do prazer sexual feminino e tentam assim cortar-lhes o brio?

Pentacúspide disse...

Einstein morreu dizendo que "Deus não joga dados" porque não conseguia acreditar que a física quântica era realidade (estranho um cientista-ícone argumentar contra a pesquisa de outro algo envolvendo o nome de Deus, não?)


O contexto em que Einstein usou a frase "Deus não joga aos dados com o Universo" é tão pueril que não pode ser usado como justificação de que ele está a dizer que crê em Deus. Mas fortemente eu apostaria em que ele pretende que existe "regras" no universo que a ciência pode conhecer, e não acasos e aleatoriedades, considerando o grosso do seu trabalho.


"Os autores usavam a genética pra argumentar que certas raças (tipo, ahn, a branca) eram superiores a outras. E isso foi algo que a sua ciência puríssima fez durante toda a primeira metade do século 20. Era socialmente aceito naquela época pensar coisas assim. Era NECESSÁRIO no século 19, pra justificar que os países europeus, brancos, “superiores”, pudessem explorar suas colônias marrons e negras."

E não foi a própria ciência que deitou por terra essa teoria genética eugenista? Ou melhor cientistas mais sérios e éticos. A ciência, desde Galileu, baseia-se numa determinada directiva para assim ser chamada; apesar de terem aparecido teorias científicas variadas como a de Karl Popper entre outras a ciência sempre se baseou em directivas. Ok! "PESSOAS" seguindo "IDEOLOGIAS", mas não "IDÓNEAS" tentam usar a ciência para provar o seu ponto, ou melhor criam um ponto e usam artifícios "científicos" para o provar, por isso é que há teses e contra-teses. Aliás Engels (se não estou em erro) bem se referiu à honestidade científica, consciente da possibilidade do que vocês estão aqui a apontar; mas será então a CIÊNCIA a culpada da falta de escrúpulos dos cientistas não éticos, quando é ELA MESMA que revela a falsidade dos seus métodos?

A CIÊNCIA eu também o sustento é livre de ideologias, a ciência pode ser pesada, julgada e filtrada por ela mesma e se apresentar consistência é científica, se não, não é. Por exemplo quando confrontaste o factor sócio-cultural da beleza com a ideia da beleza ser biológica usaste um método científico para negar a ideia de um conceito biológico da beleza; mas isso não nega um "conceito biológico da procura".

E lá porque um par de investigadores de uma mesma corrente apresentam uma ideias e teorias não honestas, não faz com que toda a linha de investigadores dessa corrente seja falsária.

Isabel disse...

Tentar responder se um determinado comportamento tem base biológica ou social é meio como responder ao enigma tostines. Uma coisa influencia a outra: as nossas estruturas cerebrais vão se modificando durante a vida, de acordo com o meio em que estamos inseridos.

Por exemplo, de acordo com achados de neurociências, algumas pesquisas mostram que as mulheres tendem a resolver conflitos de modo mais conciliador do que os homens, que tendem a ser mais competitivos (nota: eu falei em TENDÊNCIAS, antes que joguem pedras em mim). Isso pode ser porque no curso da evolução humana foi esse o comportamento mais vantajoso para a espécie; ou porque as mulheres são criadas desde pequenas para serem dóceis e não-competitivas. E essa educação proveniente do meio social pode alterar as estruturas cerebrais envolvidas nas respostas ao estresse.

Agora, se algum profissional mal-intencionado vai fazer uma manchete dizendo: "mulheres não servem para competir", é outra história, assim como se um cientista vai dizer isso (porque existe machismo entre cientistas também, é claro). Mas acho errado desprezar e condenar uma área inteira de pesquisa por causa de profissionais mal-intencionados.

Por exemplo, é mais comum que as pessoas tenham fobia de agulha do que de armas de fogo. Uma das explicações pra isso é que foi uma vantagem evolutiva temer objetos pérfuro-cortantes, enquanto as armas de fogo são mais recentes na história humana e, por isso, não teríamos essa "tendência fóbica", digamos, em relação a elas. Isso também é psicologia evolucionista, no sentido em que se considera um comportamento mais adaptativo para a sobrevivência da espécie do que outro. Agora, não é por isso que se despreza toda a história daquele indivíduo que veio a desenvolver um quadro de fobia.
É o que o Me Rhael falou (e nisso eu concordo com ele): a biologia é uma das variáveis do comportamento. Existem várias outras, especialmente quando se fala de um organismo tão complexo quanto o ser humano.

Não é coincidência que os estudos da psicologia evolucionista tenham ganhado mais notoriedade nos anos do backlash, como não é coincidência que estudos sobre efeitos do stress nas mulheres tenham sido mais divulgados depois de sua inserção maciça no mercado de trabalho. Mas o engraçado é que esses estudos são usados para criticar a inserção das mulheres ("viram? Vocês eram mais saudáveis quando trabalhavam em casa!") do que para criticar o modo de produção que causa stresse em homens e mulheres!

É errado dissociar ciência de ideologia, como também é errado condenar todo o conhecimento científico porque há profissionais de má-fé por aí. E nisso eu não concordo nem um pouco com a Lola, acho errado essa condenação que ela (e várias leitoras) fazem.

Nefelibata disse...

Pentacúspide; até onde me consta, Einstein nunca negou crer em Deus - pelo contrário, sempre negou ser ateu. E o contexto em que Einstein disse que "Deus não joga dados" foi um debate em Solvay junto com Bohr (depois ele retoma a expressão numa carta, acho). Não tem nada de pueril. Acho que comentei isso em outro texto recente da Lola, aliás.

Mas você tem razão quando diz que o deus em que ele acreditava não era exatamente o deus judeu ou o católico. Era mais próximo do que você disse; algo como a organização do universo, etc. Por isso ele não conseguia aceitar a física quântica; não conseguia aceitar que o fascinante universo tivesse em suas entranhas coisas decididas pelos "acasos e aleatoriedades".

Pentacúspide disse...

Nefelibata, sobre Einstein na verdade não sei mesmo. O que sei é que essa sua frase é o pomo da discórdio entre os ateus e os religiosos. Como ele é considerado um dos mais inteligentes homens da humanidade, dão-lhe o lugar de uma deidade, e logo se ele disse que há deus é porque há, e o contrário seria também verdade. De qualquer maneira ainda não li a correspondência Born-Einstein, e conheço a questão por ser um cliché ateu-religioso e pelos texto de Richard Dawkins. Por isso... não posso dizer mais, no entanto, pelas traduções dele que tenho lido, a maior parte não completas, eu duvido que Einstein seja sequer agnóstico, mas não sei também, porque na verdade, o último trabalho dele que li foi há uns 9 anos já.

Harlequinade disse...

Toda vez que fazemos uma pergunta já definimos certos parâmetros através dos quais ela pode ser respondida; se perguntamos, "é social ou biológico?", já definimos que existem dois polos do ser, sob os quais os entes se dividem, e então vamos tentar enxergar um campo qualquer de fenômenos com essa lente; e no processo ou a pesquisa trava ou vamos invisibilizar todas as coisas que não são nem "biológicas", nem "sociais", ou que parecem ser ambos ao mesmo tempo; e que talvez na real simplesmente não tenham nada a ver com esses conceitos, essas palavras, invenções, que usamos pra organizar as coisas dentro de nossas cabeças.

Eu gosto muito de questionar o materialismo científico e as ideologias objetivistas apontando isso - que a própria noção de um "sujeito" observando fenômenos "objetivos" já define os limites do enxergável e pensável, já elabora uma METAFÍSICA que abarca a pergunta e as respostas possíveis em seu seio; e esse erigir de uma metafísica, com todas as restrições que impõe, não é necessariamente um problema (funcionou na física durante um bocado de tempo! e ainda funciona em n campos da mesma), exceto quando confundimos os resultados que produzimos com A Realidade Absoluta. Pois não são, os tais "fatos" são artifícios que inventamos pra responder uma pergunta dentro de nossas cabeças.

Toda pergunta erige uma metafísica e toda metafísica obscurece ao mesmo tempo que clareia. E uma vez que as metafísicas - assim como a totalidade de nossas idéias - só fazem sentido quando ligadas a máquinas sociais, históricas, técnicas, simbólicas e etc, que nos rodeiam, eu diria que não existe neutralidade, ou ciência sem ideologia, ou seja, desconectada de um contexto que a torna as perguntas factíveis, desejáveis, e possibilita os meios para que elaboremos respostas.

A tal 'natureza humana' ou 'biologia' da qual esses psicólogos me falam sempre me faz levantar uma sobrancelha. Não nego que somos corpos, e que existem processos orgânicos muito intensos que não só nos impelem a comer, dormir, etc, mas que também definem o resto todo de nós, definem uma visualidade por termos olhos, uma manejabilidade por termos polegares opositores, uma sonoridade por termos orelhas, etc; e me apresentem uma só característica etiquetada como "social" que não se encaixe ou se estenda de alguma funcionalidade, desses processos "biológicos" que nos compoem.

Harlequinade disse...

(...)

Quero dizer que a divisão mesma é um artifício, e que na real é tudo "natural" (as mesmas forças que causaram o big bang são as que animam seu corpo e energizam seu computador), ou tudo "social" também se preferirem (cf. o trabalho do sociólogo Gabriel Tarde); e na verdade as "coisas" não são nem naturais, nem sociais, essas são palavras que a gente inventa. O que não quer dizer que inventá-las seja inútil.

Somos pessoas inventado coisas, e pessoa nenhuma é "neutra". O problema não é não sermos neutros, e sim as incidências político-culturais fascistóides, essencialistas, que muitas vezes se veiculam através de alguma ciência. A "natureza" é com frequência tida como imutável ou como a identidade profunda, essência mesmo; (ou, o inverso na antropologia cultural - aliás, o meu 'nicho' nas academias - a "natureza" é silenciada até virar tábua rasa de inscrição, e a cultura divinizada como primum mobile). Mas muitos estudos que produziram essa própria "natureza essencial" acontecem só dentro de nossa cultura global, ou seja, nem sequer se deram ao trabalho de estender seus testes por manifestações diversas do humano; e mesmo que estendessem, inventariar essas culturas não é suficiente pra resumir os potenciais humanos, estamos sempre compondo outras corporalidades, outros jeitos de pensar, falar e agir, com consequências diferentes, "objetivamente" observáveis.

"Natureza" e "cultura" são definições móveis e debatidas. Mudamos nossa cultura, alteramos o meio, e de repente genes que estavam inativos entram em operação. Mudamos nossa cultura e de repente, um gene que impelia a um sentido impele no outro. Mudamos o padrão de 'belo' e de repente os hipotéticos gens que favoreciam a simetria agora favorecem a assimetria (ou não, estou só imaginando).

Eu já li sociobiólogos que achei fodas, inclusive feministas (aliás, a Donna Haraway é zoóloga por formação). Mas já li muitos sociobiólogos que sinceramente, são TAPADOS em termos de conseguir se colocar "fora" de sua perspectiva eurocêntrica batidinha e lembrar da ostensiva variedade cultural humana. Talvez não sejam mais tapados nesse sentido do que seus leitores, e a mídia, e os leigos, todos nós que fomos condicionados ao "normal" e que pensamos e operamos focados nesse conceito. Nesse sentido nem os culpo. Mas é preciso combater, sim, essas ideologias, onde quer que apareçam - não pra trocá-las pela realidade, e sim substituí-las por ideologias melhores, que nos permitam pensar perguntas e obter respostas que mais nos convenham.

Helena disse...

Na contra-mão do feminismo: http://www.youtube.com/watch?v=wkpN0B7OVtg

Iseedeadpeople disse...

Lola, o q vc acha dessas pesquisas cretinas?

http://vidaeestilo.terra.com.br/homem/interna/0,,OI5088606-EI14237,00-Homens+ganham+mais+que+mulheres+por+serem+competitivos+diz+pesquisa.html

mypomb disse...

Affz Maria distorcem tudo hein?

Victor wins

"E a pobre Oprah provavelmente não consegue pegar ninguém." veja o que ele falou Ô sua anta distorcedora:Se ela não for visualmente atraente, ela pode ser a mulher mais bem sucedida do mundo, como a Oprah, que os homens estão se lixando do ponto de vista sexual.”
Ele falou do sucesso da Oprah e não do aspecto visual dela que pode sim agradar alguns¬¬ Não sabe interpretar não?ahh sabem mais adoram distorcer para enlouquecer os homens forçando-0s a desenhar o que já esta claro como o sol

(eu passei por isso durante toda a minha adolescência)

Com esta cara vc queria o que?se não faz o mínimo (cobra subir) claro que é facil dizer isso que gosta mais de sexo do que os homens¬¬ mulher tbm precisa se molhar certo? mas só fazem isso por quem mesmo?¬¬

Homens casados costumam ser mais felizes que os solteiros. E vivem mais!

Distorção do inferno VSF dona Lola
A verdade é: homens em casamentos felizes vivem mais, porém ter um casamento feliz principalmente hj em dia é mais dificil que ganhar na loteria e em casamentos infelizes os homens vivem piores que os solteiros¬¬ tcharam!!! e aí como fica dona Lola?

quem é mais favorecido pelo casamento?

PErgunta pra Stephany Brito¬¬

E imagino que, beeem antes de serem ricos e famosos, não devia faltar parceiro sexual pra nenhum dos dois.

Não? então pq o Giane teve que se envolver com a véia da Gabi?VSF

poucos dentes, pouca beleza convencional, e nenhum dinheiro, não se casam.

"Ô mia fia oia pás muié destes pra ver o nível delas"

Sei que é um choque, mas homens pobres também fazem sexo

>com mulheres tão ou mais pobres que eles dâaa não contradiga a ciência, é como negar que 2+2=4

Ah, senti uma mudança de rumo. Antes um homem mediano não poderia satisfazer a mulher do ponto de vista sexual, agora “até pode”?

>PAra mim pareceu muitissimo claro o que ele disse, pq que pra vc não foi?desenho ele falou que "Até pode" usando outros artifícios por que por sí proprio não conseguiria por isso tem de apelar para provocar emoções nelas com gastos com viagens, jantares e o escambaum capitou?

“Hmmmm.... Que genes!...”.

>Isso é inconsciente Ô anta vsf vai estudar porra, são os genes que nos controlam e não o contrario sabiam?somos os robôs dos genes, mas quem disse que vcs gostam de ciência né? só querem saber de fofocas e futilidades aí não conseguem entender nadica de porra nenhuma então vâo se "foderem" suas analfabetas funcionais

Harlequinade disse...
http://textosparareflexao.blogspot.com/2010/08/pornografia-cientifica.html
trecho:
“O gene da fé”, “o gene da racionalidade”, “o gene do bom humor”, “o gene da homossexualidade”, etc. – e o que seria tudo isso senão um politeísmo genecêntrico? Mas, se a “ciência” diz que sim, quem dirá que não?"

>>Os antas e jegues abestalhados que por não entenderem, depreciam
.suck m dick bitchs mother fuckers âaaaa

mypomb disse...

Claudia
Muito bem lembrado e o que dizer de mulheres semtem mais orgamos com parceiros ricos hein?

Há um tese de que, quando com homens poderosos, essas mulheres sentem como se parte do poder deles fosse delas também. O poder "indireto", por assim dizer, seria suficiente para elas.
Exatamente mulheres em geral são como vampiras sangue-sugas e se comportam como se estivessem na vitrine ou num leilão sempre esperando quem da mais e "sugando" os recursos do outro para aumentar o próprio valor e descarta-lo assim que conseguir um "patrocinador" melhor$$
As fêmeas primatas são naturalmente parasitas e a mulher claro é a maior parasita de todas

Me Rhael
meteu a real

aiaiai
Eu queria não ficar sabendo dessas coisas, mas fiquei e fiquei indignada!

>>bem feito pra deixar de ser p.

Ághata
Tinha uma colega que era de uma família rica e o ex dela era um imprestável que vivia pra gastar o dinheiro dela (e claro, não prestava): só dava carona quando tinha que 'abastecer o carro e estava sem dinheiro', pedia grana emprestada, um completo folgado!

Mulher só gosta dos imprestáveis mesmo, quando não é rico é cafa é bandido...

Uma moça que trabalhou em casa como faxineira me dizia que já tinha sido trocada por vários namorados porque a outra tinha "mais dinheiro" e que já tinha visto caras perderem o interesse depois que souberam que ela era de classe economicamente vulnerável. Bizarro, né? Mal acreditei quando ela me contou com aquele tom de resignação.
Eu não acreditaria, ela diz isso pra ser a vítima da história e pra não serem questionadas do pq estão só

Ah, mas pra quem acredita ainda que esse negócio de interesse por dinheiro é coisa de genes e genes femininos, basta lembrar que, no passado, mulher sem dote não casava, tá?
Parece que mais de 80% das mulheres em toda a história procriaram e os homens apenas a metade disso

@ Daní Montper
VSF com isso:só pelo fato de usar termos como macho e fêmea para se referir a homem e mulher já perdeu qualquer crédito comigo.

Pq as mulheres tem essa extrema rejeição a comparações? não aceitam analogias, parabolas nem nada
Sei pq, pq odeiam criticas por mais construtivas que sejam

mypomb disse...

Laetitia
Muitas vezes (quase sempre, creio), a mulher gosta de sexo mas se sente acuada demais pela sociedade pra assumir isso.

>>Apenas no periodo fértil ou por disPUTA com outras

Sim, ele estava cansado e não queria nada com ela, e certamente não deixou de "ser homem" por causa disso, certo?

>>Estava cansado de quê se sexo é um otimo sonifero e relaxante? das duas uma, ou comeu outra e esta "indigesto" ou tem uma chata em casa qu alem de não satisfazê-lo ainda quer chatea-lo mais trazendo mais problemas
concordam comigo?

Querendo ou não, nós, mulheres, somos bem desfavorecidas nessa história, já que os homens se valem de bem poucos artifícios estéticos pra nos conquistar, né?

>>Muito pelo contrário mulheres não correm risos como os homens de levarem gato por lebre

somos meio "obrigadas" a isso, pela sociedade.

>>São obrigadas a mentir e enganar?pq? gostariam que os homens usassem maquiagem e enchimento?

Aliás, mesmo sem ser lésbica, eu acho muito mais fácil achar uma mulher esteticamente atraente do que um homem... a maioria das fotos que tenho penduradas nas paredes do quarto são de mulheres.

>>hummm mas não se preocupe as mulheres são naturalmente bi mesmo com inclinação natural para o lesbo

@paula
Alôu homens do meu Brasil, quando vão parar de achar que sabem mais sobre nós do que nós mesmas?

>>Achar não, ter certeza mesmo. vcs "se estudam"?vcs "caçam" mulheres? vcs observam o que elas dizem e fazem? não né então pronto a ciência sabe mais de mulher do que a própria mulher não é mesmo?
Vc sabe por exemplo quantos tipos de vaginas existem?¬¬

@lola
Achas que a ciência esta num complô contra o feminismo?larga mão de ser besta
http://analpornodolls.com/streamrotator/thumbs/a/1489.jpg

mypomb disse...

Jéssica
Então vc não crer que o cérebro da mulher é menor por exemplo?

Considero irrelevante se a intenção original desses cientistas era boa, quando suas idéias são entendidas e divulgadas de forma totalmente distorcida, que mais atrapalha do que ajuda a sociedade.

>>Mostrar a verdade sempre doa a quem doer deve ser o melhor não?mas mulher ama a mentira enchimentos e maquiages são duas formas delas mas elas dissimulam muito mais

assim como vc, tá cheio de gente que acredita em estudos científicos sem pestanejar. Sem pensar.

>>Será?ou pq bate com o que já pensava e faz sentido não vendo nenhuma teoria melhor

(estuprar é natural, homem trair é natural, porque é preciso espalhar a sementinha, mas mulher trair é anti-natural)

>>é sim mia fia, conteste aí a gente conversa pq mulher trair seria natural? fazer um trouxa assumir gastar energias num filho que não é dele é isso q vcs querem q seja natural?

mypomb disse...

O desejo feminino é algo muito controverso e desconcertante.

Muita confusão reina a respeito. Estas se devem, principalmente, à oposição entre o que é consciente e inconsciente. Tal oposição leva as mulheres a dizerem o oposto do que sentem e do que são. Não se pode descobrir os fatores que as enfeitiçam e submetem por meio de perguntas, entrevistas etc. porque sempre seremos enganados. Saiba que quase tudo o que as ouvirmos dizer a respeito do que buscam em uma relação é mentira e, além disso, costuma ser exatamente o contrário do que realmente desejam. Vou agora expor sem pudor justamente o que todas tentam esconder e jamais admitem.

A sexualidade humana é semelhante à dos cavalos, zebras e jumentos selvagens. As fêmeas espontaneamente se dirigem ao território de um garanhão, que se instala próximo às melhores fontes de alimento e água (recursos materiais), e oferecem-lhe seu sexo à vontade para assim . Os demais machos, secundários, são obrigados a errarem em bandos compostos apenas por indivíduos do sexo masculino, ficando sem se acasalar por anos a fio, até que consigam substituir algum garanhão que esteja velho. As fêmeas não rivalizam entre si, como acontece com as fãs de qualquer cantor, mafioso, bilionário ou político. O garanhão pode se relacionar com qualquer égua de seu harém sem o menor problema enquanto for capaz de manter feras e machos secundários assediadores afastados. Em outras palavras: os homens superiores são como garanhões e suas mulheres como éguas.
Por ser o complemento e o pólo contrário do homem, a mulher tem
uma estrutura psíquica inversa.
queremos o máximo de sexo e tentamos transar enquanto nos
restarem forças, até o último momento. Para nós, o sexo vem em primeiro lugar e o amor em segundo. Para elas, o contrário ocorre: o amor vem em primeiro lugar. Mas entenda-se bem: não querem dar amor, querem apenas recebê-lo dando em troca somente o mínimo necessário para nos manterem presos pelo desejo, pelo sentimento e pela paixão. Possuem um desejo duplo. Desejam a servidão dos fracos e a proteção dos fortes. Querem dominar os débeis e carentes para explorá-los como maridos criadores de sua prole ao mesmo tempo em que sonham obter a afeição dos insensíveis que possuem haréns e se destacam na hierarquia dos machos. Os fracos, quando aprisionados, recebem sexo, carinho e amor em quantidades mínimas, apenas o suficiente para serem mantidos presos.

Elas nunca nos amam em simples retribuição ao nosso amor, ou seja, simplesmente por as amarmos ou desejarmos. Desejam nossas características atraentes e não nossa pessoa. Isto se explica pelo fato de que suas necessidades estão muito além do acasalamento: necessitam criar e proteger a prole. Logo, não sentem falta dos machos em si mas apenas de suas atitudes em contextos utilitários. Nós, ao contrário, as amamos em si mesmas, isto é, de forma direta pois nossa meta existencial é acasalar. Queremos transmitir nossos genes contra os genes de outros. As amamos em corpo, de forma direta. Somos amados indiretamente, em termos de função e utilidade. Nossa falta não é sentida fora de um contexto utilitarista. Em outras palavras: o amor feminino é destinado aos filhos e não aos machos.

A meta existencial masculina é acasalar, fecundar e garantir a transmissão da herança genética contra machos rivais. A meta existencial feminina é a criação da prole, a qual passa diretamente pela formação da família. Para nós o sexo é fim e para elas é meio pois é o fim é a criação dos filhotes

mypomb disse...

Muitas vezes as vemos extasiadas lendo romances água-com-açúcar e acreditamos por isto que os homens românticos correspondam ao ideal masculino que trazem na alma e ao qual desejam ardentemente se entregar. Isto é uma mentira: o romântico é um escravo emocional que dá amor sem recebê-lo e que não as completa. Ao lerem os romances, as leitoras se situam no papel da mocinha simples de pouca beleza que conquista e submete pelo amor o herói que está no topo de hierarquia masculina. É curioso notar que em tais romances o herói apaixonado satisfaz todos os sonhos absurdos da mocinha mas não tem seus sonhos satisfeitos pois é um simples servo. As leitoras se imaginam recebendo amor e não dando, como nos parece. Há nisso tanta perversidade e crueldade quanto na pornografia masculina pois as peculiaridades do sexo oposto são violentadas. O carinho e o sexo que os heróis dos contos românticos recebem são mínimos e o amor é assexuado ou apenas levemente sexuado. Não há pornografia. Os contos cor-de-rosa são contos de vitórias femininas na batalha do amor. São “épicos” neste sentido.

E aí Lola e mulherada, manginas e cia, vcs podem contrariar isso?

Bia disse...

Já pode rir agora?

Ághata disse...

Abriram as portas do hospício!! \o\

Patrícia Debortoli disse...

Tem que mandar essa criatura voltar pra caverna sério.

Ághata disse...

"E aí Lola e mulherada, manginas e cia, vcs podem contrariar isso?"

Mypombs, sinceramente, eu não terminei de ler.
Mas só gostaria de te informar que a sua leitura da reprodução de cavalos, jumentos etc TBM está equivocada, tá?
Cavalos e éguas cruzam livremente entre si. Esta história de garanhão e haras é invenção tipicamente humana.

Victor Rodrigues disse...

Esse meu chará não tá com nada, Lola.

Nem todos nós homens pensamos assim.

Se bem conheço o clã dos Victors, é porque ele ainda é muito guri. O status de troll colabora para esta possibilidade. Torcer pro chará russo conhecer uma mulher daquelas, que vai dar novos sentidos à vida dele e à maneira que ele enxerga a sexualidade ;)

Vinicius EEL disse...

Independente do exagero do Viktor vc deveria usar isso para encontrar mais assunto para o seu blog, mais interessados, mais leitores etc.

Imagina reunir aqui as feministas e os machistas e suas várias derivações?

corareynolds disse...

Do ponto de vista emocional, um homem mediano em tudo poderá satisfazer a mulher, e até ponto de vista sexual, mas não será por meio daquela atração fatal que a mulher sentirá diante de homens superiores, mas sim pela capacidade de despertar emoções na mulher, seja levando-a para fazer sexo em lugares proibidos, seja em uma viagem exótica, seja fazendo outras loucuras, pois o sexo pelo sexo, sexo rotineiro, será enfadonho para a mulher.

Hum...então, se o homem for "superior" (p.ex: for bonitão ou tiver grana) ele não precisa fazer nada além de "coloca e tira" que a mulher já vai estar satisfeita sexualmente, é isso? Já se o homem for "mediano" (p.ex: fora dos padrões de beleza, ganhando menos que a mulher, etc) ele só consegue manter a vida sexual interessante se levar a mulher todo fim de semana pra uma ilha deserta? Algo me diz que esse Viktor não entende o conceito de "mandar bem na cama". Pq eu não me surpreendo?

amilson de Mendonça Oliveira disse...

O texto tem um ar de revolta o que indica que tem pouca objetividade e fundamento. Além do mais as figuras apresentadas são de caras ricos e mulher escolhe sim, o cara pelo dinheiro ou pela inteligência em nome da prole. Para as feministas, deixe de recalque kkkk.bjo