segunda-feira, 19 de julho de 2010

A CULPA É SEMPRE NOSSA, MAS OS HOMENS NOS AMAM

A Samira me pediu pra falar sobre uma capa do jornal Extra. Infelizmente, não copiei e colei a capa no dia (13 de julho), e agora está impossível encontrá-la. Eu só anotei a manchete: “As mulheres estão no poder. E Eliza está morta”. O tablóide, que é do Globo, decidiu culpar as mulheres pelo assassinato de Eliza, que, a que tudo indica, foi morta por amigos do Bruno, sob seu comando. Todos homens. Mas a culpa é das mulheres, que — droga, droga! — estão no poder. É sim revoltante que uma juíza tenha negado proteção a Eliza em 2009 por interpretar que a Lei Maria da Penha só se aplica a famílias, não a amantes (mesmo com filhos!). Mesmo assim, não foi a juíza que matou Eliza.
E não é preciso ser um gênio pra sacar que a mensagem nada subliminar da manchete é: “Não precisamos de mais mulheres no poder. Não vote na Dilma”. Sem falar que, na realidade, as mulheres não estão no poder. Vale lembrar que nunca tivemos uma presidente mulher. O número de mulheres deputadas e senadoras é ridiculamente baixo (ajude a mudar este cenário nas eleições!). O número de mulheres executivas que coordenam empresas está crescendo, mas ainda está longe de representar igualdade. Mas, pro Extra, já chegamos lá. E falhamos miseravelmente.
---
Não aguento mais ouvir sobre o assassinato de Eliza. Minha quota para detalhes mórbidos se esgotou faz tempo. Só que que tive vontade de voltar a falar no assunto após ler o excelente post da Mayara. Ao mesmo tempo, fiquei estarrecida ao ver os comentários (são uns 350) publicados na coluna do Sirio Possenti (que a Aiaiai sugeriu) no Terra. Pra estragar a sua semana, o seu mês, o seu ano, selecionei alguns (tudo sic, e eles são a regra):

- Que este caso sirva de lição para essas moças que pensam apenas no meio facil de garantir da vida que o casamento volte a ser uma instituição reconhecida.
- Respeito a gente tem que ter pela memória de uma dona Zilda Arns, de uma irmã Doroty, pela memória das pessoas que vieram para esse mundo para construir. Essa daí, veio para destruir.
- Isto é fato: Bruno premeditou um assassinato e a Eliza premeditou um golpe – o ditado é certo: ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão.
- Assistam ao filme pornô dessa ??? e vocês vão ver quem ela era.
- Deveriam chamar essa moça de santa, porque do jeito que o povo está defendendo esse tipinho desocupado e oportunista, que já foi tarde, não estranharia se ela virar santa daqui um tempo.
- Acho que filhos bastardos não deveriam ter direito a herança. Eles são gerados, em quase todos os casos, para trazer renda para uma aproveitadora.
- Querem coloca-la agora como santa,ai não dá!! Ela cavou sim a própia cova!
- A formação genetica desse bebê, com certeza não é das melhores...
- É De Conhecimento De Todos A Ficha Corrida Dessa Mulherzinha Ae, Ela Não Era Nem Uma Santa, Mais Rodada Que Catraca De Ônibus Em Dia De Segunda, Agora Querem Colocar Ela Como Se Fosse Mulher Para Casamento, Pelo Amor De Deus !!!!!!
- Ela era sim uma modelo: modelo de como não deve se comportar uma mulher de bem. Modelo de como uma mãe de verdade não deve agir, colocando em risco seu filho, ainda no ventre, na ânsia de se dar bem. Além do queo tem beleza nenhuma... Acho que nem aos cachorros interessou muito, porque segundo relatos que ouvi, não comeram tudo...
- Se a moda pega, quem sabe essas (Lucianas Gimenes) da vida não começam a estudar e trabalhar como toda pessoa decente faz. Ou, que virem Bonzo mesmo.

Esses são comentários de homens que querem nos proteger. Se forem chamados de misóginos, dirão que não, imagina, adoram mulheres... desde que elas não saiam da linha. Se saírem, se virarem maria chuteira, prostituta, atriz pornô, ou mesmo amante de homem casado, merecem virar ração de cachorro. E aí a gente não consegue entender por que no Brasil dez mulheres são mortas todos os dias? Essas mortes são por motivo geralmente passional. Homens representam 92% das vítimas de assassinato, mas é diferente: eles são assassinados por outros homens, não por mulheres, e suas mortes estão ligadas a tráfico de drogas, criminalidade, e disputas territoriais, quase sempre em grandes cidades. No caso das mulheres, a causa é doméstica. São mortes por gênero, que deveriam receber o nome de feminicídio. Mulheres são assassinadas simplesmente por serem mulheres, por serem vistas como posse de seus parceiros ou ex-parceiros. E essas mortes ocorrem tanto em cidades grandes quanto em médias e pequenas.
É preciso, sim, chamar o assassinato de Eliza pelo nome: feminicídio. Não vi ninguém até agora santificando Eliza (sei lá o que significa santificar). Aliás, nem quero saber de sua vida, porque o que ela fez ou deixou de fazer é totalmente irrelevante (afinal, não deveria ser ela a ser julgada, mas seus algozes). Como há filmes pornôs sendo vendidos com seu nome, e com o nome “Bruno” na capa (isso não parece necrofilia?), suponho que ela era atriz pornô. Engraçado: eu não gosto de pornografia. Aposto que muitos desses homens comentaristas gostam. Não duvido que tenham comprado o dvd com Eliza. Mas eu nunca, jamais, desejaria que uma atriz pornô “virasse Bonzo”.
Eliza era maria chuteira? Provavelmente era. O nome já é altamente pejorativo, mas aprendi que esse é apenas o nome mainstream. Entre os jogadores, mulheres “não pra casar” (porque essa divisão ainda é feita, em pleno século 21) são chamadas de “bagaço” mesmo, segundo nos conta um primor de macho, Renato Gaúcho.
Não entendo bem como um homem pode engravidar uma mulher se ele não quiser. Tipo: usando camisinha, evita-se a gravidez. É simples. Sei que nós mulheres somos sempre culpadas, mas vamos pensar no que é mais provável ― que Eliza tenha dado uma camisinha furada pra Bruno ou que ele não tenha usado camisinha, ponto? E aí eu fico perplexa: como assim, você tá numa orgia, você tem várias amantes, tem esposa, e não usa camisinha? Esse pessoal nunca ouviu falar em Aids? Em doenças venéreas? Um filho indesejado parece ser o menor dos problemas...
Além do mais, se Eliza tinha tantos parceiros assim, qual o receio de Bruno de fazer o teste de DNA? Ou ela só não usava camisinha com ele? Por que ele quis forçá-la a abortar, se o filho podia não ser dele? (aliás, aposto que boa parte desses comentaristas é contra a legalização do aborto. Mas eles abrem uma exceção para o caso da aproveitadora que engravida de propósito. É o mesmo princípio: o corpo da mulher não pertence a ela. Ou mulher não pode fazer aborto, ou um homem pode forçar uma mulher a fazer aborto. A negação ou a obrigação do aborto é uma demarcação de território em cima do corpo da mulher).
E sempre citam a Luciana Gimenez, né? Um parênteses pra Luciana. Imagino que ela já estava bastante bem de vida antes de conhecer o Mick Jagger. Ou você conhece muita gente que tá no círculo de amizades de um bilionário como o Mick? Desconfio que, mesmo que eu quisesse transar com o Mick, seus guarda-costas não deixariam que eu me aproximasse dele. Antes do caso Eliza, eu nunca nem tinha me dado conta, mas agora isso não sai da minha cabeça: quer dizer que o Mick não usa camisinha? Sei lá, eu poderia jurar que o Mick já teve muit@s mais parceir@s sexuais que a Luciana. E no entanto culpamos a Luciana pela gravidez. E temos o maior ódio da Luciana, esquecendo que, muito provavelmente, ela já tinha mais dinheiro do que nós faremos na vida antes de receber pensão do Mick (uma pensão que, convenhamos, não faz nem cócegas ao ex-Rolling Stone).
Voltando a Eliza. Se seu assassinato não foi um feminicídio, se não aconteceu por ela ser mulher, fica uma perguntinha: você acha que comentários como os que eu selecionei seriam feitos se Eliza fosse homem?

43 comentários:

Anônimo disse...

otimo post como sempre lola...sempre leio aqui, mas nunca tenho tempo pra comentar pq estou no trabalho...


queria te sugerir um link: http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4572453-EI6594,00-Adolescentes+filmam+relacoes+sexuais+para+competir+na+rede.html acho que daria um bom post, o que vc acha? tv/revistas/etc sexualizam criancas e jovens o tempo todo e depois a midia diz que nao sabe como "controla-las" e nao sabe pq elas estao fazendo essas coisas....
sabe o mais engracado, é que nos comentarios tem alguem tentando culpar o "analfabeto do lula" até por isso...rs....como se ele fosse um deus onipresente que pudesse controlar as ações individuais de cada um dessa forma!

Montricot disse...

FODA!
Depois de TUDO isso, tem gente que ainda martela na tecla de que "a pauta do feminismo está esgotada".

O fato de eles dizerem que a culpa é das mulheres no poder é só mais uma ponta do iceberg-podre-backlash. Como sempre: culpa das feministas-mal-comidas-peludas que quiseram conquistar o mundo além do universo das panelas-fraldas-bordados...

ODEIO tudo isso.

Esse mundo tem dado uma tristeza tão grande...

=(

Kaká disse...

E a capa do Diário do Nordeste de hoje é justamente sobre os 76 assassinatos de mulheres aqui em Fortaleza só no primeiro semestre desse ano. (mortas por maridos, ex-maridos, namorados, companheiros, etc).

Eu estudei com a Luciana Gimenez no segundo grau e ela sempre andou nesse círculo dos famosos. Ela não era rica, mas é filha de atores e facilita a circulação no meio. Do jeito que falam dela com o Mick Jagger parece que só ficaram juntos uma vez e pronto, ela engravidou. Acho que eles ficaram muito mais tempo que isso, meses até acontecer.

Luma Perrete disse...

Também não aguento mais ouvir sobre o caso Eliza. Cada coisa que leio só aumenta mais a minha revolta.

Mudando de assunto para uma coisa boa (ou quase), li agora que Sergipe é o único estado brasileiro onde as mulheres ganham mais que os homens: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/767314-salario-das-mulheres-sobe-menos-do-que-homens-no-primeiro-semestre.shtml (pena que seja o único, né? Tomara que um dia homens e mulheres recebam o mesmo salário em todos os lugares).

Anônimo disse...

"Esse pessoal nunca ouviu falar em Aids? "

Querida tolinha Lolinha,

Heteros nao peguem Aids! isso é coisa de viado!

aiaiai disse...

caramba! Belo post. Mas fiquei mesmo foi estarrecida com a pergunta no final:
"você acha que comentários como os que eu selecionei seriam feitos se Eliza fosse homem?"

Não tinha pensado nisso ainda. É verdade, se fosse um cara que tivesse sido assassinado por uma "famosa e rica", estariam todos endeusando o pobre homem enganado e ludibriado pela "diaba em pessoa". Ninguem iria culpa-lo por ter tentado dar o golpe do baú, né?

Liana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
L. Archilla disse...

Legal vc ter citado a Luciana Gimenez. Fazia tempo que eu queria falar dela.

Sempre que surge o assunto "maria-alguma-coisa", fala-se de Luciana Gimenez. Interesseira, golpista, groupie - e daí pra baixo - são os adjetivos atribuidos a ela.

Agora, um parênteses. Eu atendo com muita frequência mulheres que buscam forças na terapia para terminar um relacionamento. Muitas vezes são mulheres bonitas, financeiramente independentes, inteligentes, jovens, que porém se envolveram com homens que não têm nada de mais: não são ricos, nem influentes, nem jovens, e às vezes as próprias mulheres dizem que não são bonitos (quanto a isso não posso opinar, já que não vejo a cara deles, hehe). E estão aí, apaixonadas, sem coragem de se separar. Também é muito comum que além de tudo isso, sejam homens casados que, claro, o casamento está no fim, e blá blá blá.

A questão é: essas mulheres são interesseiras? Não, né? Porque o cara não tem nada concreto a oferecer. Agora, se acontece a infelicidade do homem ser rico, aaaaaaaaaahhhh, aí a coisa muda. Tudo bem que a mulher se apaixone perdidamente por um cara feio, velho e pobre. Mas se o cara é feio, velho e rico, aí ela é uma monstra, interesseira, vagabunda, tem que virar ração de cachorro. É o caso da Luciana Gimenez. Não sei o que rolou entre ela e o Mick. O que não entendo é por que as pessoas acham tão impossível assim que uma mulher jovem e bonita tenha tido vontade de transar com um homem mais velho e fora dos padrões de beleza (quer dizer, mais ou menos, né?). Por que a motivação dela tenha sido necessariamente o dinheiro?

Depois, teve o casamento com o dono da Rede Tv. De novo: "ah, interesseira, não ficou satisfeita com a pensão do Mick Jagger, blá blá blá..." - e de novo se excluem as possibilidades do cara ser divertido, inteligente, sexy, sensível... se é mais velho e rico e casou com uma moça bonita, a moça automaticamente se torna A Oportunista. Mesmo que ela JÁ seja rica. Que JÁ tenha uma carreira consolidada.

Idem à Eliza. Não tenho a menor ideia de como tenha sido esse relacionamento dos dois: se foi uma transa numa orgia, como ele diz, se ela era amante de longa data, etc. O fato é que não tem nada de impossível que eles tenham sido amantes, que ele prometesse que ia se separar da mulher pra ficar com ela e que ela tenha se iludido. É sério, eu vejo isso todo dia. Não é porque ele é rico que não pode acontecer. Eu, pelo menos, não escolho classe social na hora de transar, muito menos de me apaixonar. Infelizmente, né, porque se escolhesse ia querer alguém que não devesse até a mãe no banco. Tá, isso foi outro parênteses.

Dani Finotelli disse...

Lola, sempre leio seu blog, mas nunca comento. Li essa matéria (http://brasiliaconfidencial.inf.br/wp-content/uploads/BsBConfidencial_290_baixa.pdf 4ª página) e acho que ela renderia mais um ótimo post sobre os ataques da direita.

Diego Hatake disse...

Sério mesmo que colocaram um título desses num jornal? Minha nossa...
Esse caso me dá muito nojo. Justificar as ações de um homem ao matar uma mulher porque ela era interesseira é de deixar qualquer pessoa (em sã consciência) pasmo. A ideia de que a mulher é uma propriedade que, se não atender as exigências da sociedade, pode ser esquertejada, dada de alimento aos cachorros ou qualquer coisa do tipo, pois ela não foi "decente" é de assustar. Em que mundo vivemos?

Dáfni disse...

Nossa, Lola, eu não sabia dos detalhes sórdidos, que acabei de saber pelos comentários que vc postou. Que horror! E este pessoal que comenta aí é mais comum do que a gente imagina... já ouvi de professora universitária comentário do tipo "mas ela era maria chuteira...". Tá e daí? Merece morrer por causa disso? Santa ignorância!

E esse negócio da camisinha matou a pau. Na verdade, estes caras não passam de um bando de irresponsáveis e assassinos, porque alguém que fica transando com desconhecidos sem usar camisinha, provavelmente passando Aids pra todo mundo, é assassino.

Karen Lommez disse...

Lola, toda vez que vejo o Bruno falando, jogando a culpa toda no amigo-irmão, sinto nojo. A única coisa que me provoca mais nojo são os comentários de pessoas comuns sobre o caso, como os que vc colocou no seu post. A CULPA É SEMPRE DA MULHER. Antes da mulher ocupar seu espaço na vida pública, no mundo do trabalho, a culpa era sempre dela quando era traída pelo marido. Afinal, os homens eram homens, não tinham como evitar... se as mulheres não os satisfizessem, o erro era delas. AGora que a mulher não vive mais exclusivamente no âmbito privado, cuidando do lar, dos filhos e do marido, a culpa continua sendo dela, do seu comportamento imoral. Em pleno século XXI, muita gente acredita no olho por olho... e nosso país continua MACHISTA. Ninguém questiona a imoralidade das orgias regadas a drogas e sexo inseguro dos jogadores de futebel, a mentalidade de que o dinheiro com o qual eles sustentam suas esposas e filhas serve também para comprar uma liberdade infinita, do tipo: "te dou uma vida ótima, então atura"?? Fosse o que fosse, Eliza não merecia a morte brutal que teve. Enquanto muitos homens proclamam sua pretensa superioridade, afirmam ter permissão da natureza masculina para agirem como animais... Me lembro claramente de uma matéria de jornal na TV que mostrava, alguns anos atrás, o caso de uma menina de 11 anos que, no sertãozão do Brasil, fora estuprada e estava grávida de seu próprio pai. O caso foi parar na justiça e o pobre pai foi inocentado pelo juiz, que "entendeu" que ele havia sido seduzido pela garota. Este é o retrato da nossa arraigada e nojenta cultura machista. Muito triste. bj, LOla.

Mariana. disse...

Essas opiniões são mais comuns do que se imagina.

Semana passada mesmo, no cursinho preparatório que faço, numa aula de constitucional, surgiu o assunto Bruno, porque estávamos falando da legalidade do uso da algema e o bruno realmente foi algemado ilegalmente inúmeras vezes nesse caso. Aí a minha colega disse 'fiquei até com dó dele'. Aí eu - na ironia - respondi também que estava morrendo de dó dele (não que eu seja a favor da ilegalidade, mas se dissesse que tive dó seria mentira).

Aí ela me olhou dizendo "vc tá acompanhando o caso? pq se tivesse, saberia o que ela fez pra ele... se fosse comigo eu teria feito pior". Nem deu tempo de perguntar o que é que ela fez com ele que justificasse tal barbárie. Ela e as outras colegas começaram com frases desconexas que incluiam as palavras 'filme pornô, maria-chuteira, vagabunda, aproveitadora, planejou'. Eu e a professora nem conseguimos fazer cara de indignação.

E só pra constar, lola, essa colega é petista até a alma. claro que uma coisa não tem nada a ver com a outra, sem ironias.

Sobre a luciana gimenez, outro dia, na final da copa, eu ouvi uma história contando o quanto ela foi enganadora e esperta com mick. Disseram na verdade ela só fez sexo oral com ele uma vez e não engoliu o semen. Guardou e injetou na vagina minutos depois. Eu não sei qual a chance disso dar certo, pq é tão absurdo, tão... improvável. mas não coloco minha mão no fogo por ninguém e isso também não exime a responsabildiade do pai em relação a criança. E, com você mesmo disse, lola, ele é um cara experiente. deveria se prevenir.

Karen Lommez disse...

Ah, sempre me questionei sobre esse caso do Mick Jagger. Pensava sobre como um homem com tantos parceiros e parceiras transava sem camisinha e como as pessoas que trasavam com ele poderiam aceitar isso... Sei que, falando sobre o caso Bruno, os jogadores de futebol também não são santos e que ninguém faz filho sozinho. Quando ele transou com ela sem proteção, sabia que ela poderia engravidar. Como então colocar a culpa toda nela e coloca-lo na posição de vítima de golpista. Será que ele era tão inocente assim? Mesmo não sendo santos, tenho certeza de que se um jogador fosse assassinado por uma mulher, amante ou namorada, ninguém colocaria a culpa nele. bj

Flovi disse...

Outro dia li um texto ótimo a respeito, mas também não guardei o link. Basicamente, o autor fazia um paralelo entre o que vem acontecendo no Irã e o que ocorreu no Brasil. No Irã, como vocês devem ter visto nas notícias, uma mulher adúltera foi condenada à morte por apedrejamento. Basicamente, ela teria que ser enterrada viva e ficaria só com a cabeça de fora e receberia pedradas. Segundo a lei por lá, as pedras não devem ser muito grandes, para que ela não morra rápido, e nem muito pequenas, para que ela sinta muita dor.

E daí que o mundo inteiro se mobilizou pela mulher, e o governo, pelo menos por enquanto, suspendeu o dito apedrejamento. No entanto, no Brasil, temos assistido a sociedade vociferar contra Elisa como se ela fosse uma aberração, como se tivesse merecido. Será que se a mulher iraniana dependesse dos brasileiros para clamar por ela, haveria alguma chance de que ela não fosse apedrejada? Porque, pelo jeito que as coisas estão, essa sociedade está cada vez mais moralista e mais ridícula. Absurdo mesmo, mas parece que estamos à beira de um retrocesso =/

Aline Schmitt disse...

post excelente!
aqui em casa, o caso da eliza tem me auxiliado a, aos poucos, conscientizar a minha familia sobre essa questao da violencia contra a mulher e o feminicidio. Doia demais ouvir em casa o mesmo tipo de comentários que tu citou...
infelizmente, semana passada uma conhecida foi assassinada pelo marido com um tiro na nuca. enfim, mais um triste exemplo...

e agora, me deparo com esse tweet:
@luizcesar: Rei preso, rei posto - goleiro reserva do Flamengo espanca ex na porta de boate: http://migre.me/YmJK

Thais disse...

Mas quem quebrou a proteção dela foi ela mesmo. Ele estava proíbido de se aproximar 300 mt dela, mas quem mesmo que foi atrás? Como que eu vou atrás de uma cara que me faz tomar à força remédio abortivo, me ameaça de morte e tudo mais? Ela ficou num hotel que ele pagou! Ele simplesmente ligou e ELA foi. Merecer ninguém merece, mas procurar ela procurou!

Rachel L. Lambrecht disse...

Em um contexto parecido, vindo do bastião da moral e dos bons costumes que é a Veja... Ah, sei que é chover no molhado, mas vou comentar porque ainda consigo ficar indignada com essa "revista" (a expressão mais certa seria panfleto partidário). Naquela seção "Veja Essa", na qual publicam frases, aparece uma da Dilma: "Tenho certeza de que a partir da minha eleição as meninas deste país terão os mesmos sonhos que os meninos".

Nem um pouco difícil de entender: ela, se eleita, será a primeira mulher presidente, abrindo definitivamente as portas da política (e de muitas outras coisas) às meninas, ou mulheres, desta nossa nação.
Mas a Veja, burra - ou louca de esperta, né?, não consegue entender. [Modo Ironia On] Ué, meninas não tem os mesmo sonhos que os meninos nesse nosso país de igualdade e pluralidade, onde todos tem as mesmas chances, e se alguém é pobre, é pobre porque é vagabundo? [Modo Ironia Off]

E aí fica fácil classificar a (já bem clara) frase da "terrorista prostituta" como (palavras da Veja) "uma daquelas frases sem conteúdo que são marca do estilo lulista."
Ai, que preguiça dessa revistinha de merda.

Aretha disse...

Aqui, Lola, sempre leio seu blog, metade das vezes concordo com você (as que não concordo são basicamente sobre filmes e futebol, 8-) ) e lembrei do blog (mais especificamente do post sobre as princesas da disney) quando vi esse video da pequena sereia: http://www.youtube.com/watch?v=N8xCgC3w1zs&feature=player_embedded

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Também já não aguento mais esse caso Bruno/Elisa... Na internet acho que ainda é pior, porque as pessoas parecem se sentir mais livres pra falar absurdos...
Esse relativismo moral machista, de ficar dividindo as mulheres em castas e colocando todos os homens no mesmo patamar, me enoja. Eles chamam essas mulheres de bagaço, mas é interessante que eles podem andar com elas, trair as esposas, usar drogas, dar péssimo exemplos aos filhos e filhas, e continuam sendo homens, não viram bagaços ou qualquer nome pejorativo por causa disso...
Vontade de mandar todos esses machistas à merda.

Juliana disse...

lola, perfeita sua argumentação final! Ótimo post!!

Quanto a questão da camisinha, é interessante como um mulher é julgada negativamente por carregar camisinha consigo. Camisinha é coisa pra homem usar e carregar na carteira, mas na hora de responsabilizar alguém pela gravidez a culpa é da mulher.

Homens podem se recusar a usar preservativo, mas as mulheres têm sempre que usar pílula.

Sobre esse caso do Bruno , me lembro do comentário da minha vó. Ela ficou chocadíssima, cheia de pena d Eliza e ficou dizendo que a moça poderia ter evitado tudo isso se não tivesse pedido pensão. Na lógica da minha vó, ela deveria ter aceitado a recusa do bruno e cuidado do filho sozinha.

Do ponto de vista pessoal, entendo o que minha vó diz. Ela mesma criou sozinha 4 crianças porque o pai das crianças simplesmente foi embora de casa e se recusou a dividir a responsabilidade pelos filhos.

Mas já ouvi outras pessoas dizendo o mesmo. Que coisa ,né? O filho é feito pelos dois, mas a mãe, o ser que nasceu pra "padecer no paraíso", tem que cuidar de tudo.

Samira disse...

Obrigada por comentar, Lola. Acho que este é o momento de questionarmos este tipo de posicionamento diante desta tragédia, quando damos de cara com alguém falando estes absurdos, o único jeito é aproveitar esta desgraça pra pelo menos botar uma pulga atrás da orelha da pessoa, questionando como culpar uma vítima de uma crueldade tão extrema. E acho que vou adotar a palavra "feminicídio" sempre que este tipo característico de crime ocorrer... é uma excelente forma diferenciar este tipo de crime e quem sabe abrir os olhos de quem fala este tipo de besteira. Como vc pode ver, apesar de tudo, eu ainda tenho esperança de que esta mentalidade mude... mas confesso que tem hora q dá um cansaço...

Liana disse...

verdade q a Veja é uma grande porcaria, mas de vez em quando tem algo interessante. Esta semana tem um artigo da Lya Luft q toca bem nesse assunto: http://lifeisdrag.blogspot.com/2010/07/artigo.html

Glória Maria Vieira disse...

Ah se tivesse sido um "pobre coitado", ele sim seria santificado com honras e glórias. Afinal, mereceria, né?! ¬¬
Eu fico perplexa quando leio comentários desse calibre, Lola. Não me entra na cabeça o que o machismo faz com os esses "homens indefesos". Eles simplesmente perdem o bom-senso.

Escrevi aqui:
http://apenasumafresta.blogspot.com/2010/07/nao-ha-justificativa.html

sobre isso, Lolita! E ah, veja esse aqui tbm:
http://apenasumafresta.blogspot.com/2010/07/e-o-oscar-vai-para_06.html

Roberta disse...

E tem gente que fala que feminismo é desnecessario né Lola

Celia Daniele disse...

Ah, Lola, a mídia realmente está querendo fazer a Eliza Samudio de "pobre moça do interior que não conhecia a maldade no mundo", se não me engano usaram uma frase praticamente assim para fechar a matéria sobre esse caso na record. Fato é: uma mulher precisa ter todas as características de "santa", "pobre moça", "ingênua", para que seu assassinato seja condenado pela sociedade? Por que a imprensa não coloca Eliza como uma mulher como outra qualquer, com os defeitos e os escandâlos (orgias, filmes pornôs, e a potencialidade de ter sido uma "maria chuteira") que carregam sua imagem, por acaso isso faria o assassinato dela uma "legítima defesa" por parte do Bruno??? Desde quando o peso de um assassinato - nesse caso completamente torpe - pode ser calculado pela qualidade da vítima enquanto mulher? Será que se a mídia não tentasse a transformar numa "santa", os telespectadores ficariam do lado do Bruno?!
Eu penso que sim, infelizmente. Talvez não todos falassem abertamente sobre isso, mas nem precisa ir muito longe, nem dizer que quem faz isso é homem ou é um completo ignorante. Minha colega de faculdade (faço História na UFRJ, não é nenhuma UNIBAN), mulher como eu, e como era a Eliza, veio dizer: "Ah, ela morreu, mas vc soube que ela engravidou para pegar pensão?", eu virei para ela e disse: "E isso justifica seu assassinato?". Da mesma forma o caso do filho do diretor da RBS, que estuprou a ex-namorada de um colega de 13 anos, com mais três amigos, ela disse: "Ah, mas a menina foi para o apartamento do ex-namorado!", por acaso isso dá o direito de três rapazes a drogarem e a estuprarem?! Como vc disse, os homens se julgam donos do corpo da mulher, mas cadê a voz feminina para se opor a deles?! O q mais vejo são mulheres apoiando essa visão completamente machista!

Celia Daniele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celia Daniele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celia Daniele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celia Daniele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celia Daniele disse...

Nossa, deu bug aqui e postei a mesma msg diversas vezes! :S

Masegui disse...

Maravilha de post, Lolinha! E com ótimos comentários, principalmente o de L. Archilla, que matou a pau!

Carol disse...

Oi

Alguém leu um romance que agora virou best seller que se chama 2666?

Li quando viajava agora nas férias. A trama central (são 5 histórias), ou melhor, a trama que envolve as outras, é consistida no assassinato em série de mulheres em uma região do México. Terminei o livro e fiquei sabendo do caso Bruno (estava no exterior, então acompanhei sem muita atenção).

Os crimes narrados no romance e o crime dele (ok, talvez o dele tenha sido coisa pouquinho pior que os do livro, mas pouquinho) são praticamente iguais.

E fica claro no livro que a motivação dos crimes cometidos também é fruto de uma cultura que culpa a mulher de tudo (alô, Eva, tudo bom?) e que legitima a violência doméstica como normal e corriqueiro.

Vale a pena ler.

Dai disse...

Lolinha, excelente texto. Muito triste tudo isso. Viver num mundo em que garotas bonitas (as eternas candidatas a modelo) e, sobretudo, POBRES, viram mercadoria, coisa e ração e ainda há quem naturalize essa brutalidade, quem justifique e, diante de sua tragédia, ainda encontre espaço para se afirmar como cidadão de 'bem' (????) regozijando-se de sua morte. Como entender? Só a lógica absurda do machismo mesmo. Que prostitui, objetifica, mata, apedreja e cospe em cima.
Estes casos explorados à exaustão, beirando o fetichismo (Eliza, Mércia) espero que pelo menos toquem o coração de alguns sobre a realidade da violência e o fenômeno do femicídio. Eliza e Mércia, uma advogada e uma moça pobre que namorou um jogador de futebol famoso e pode até ter feito parte da indústria do sexo, não tiveram escolha: ambas nasceram mulheres. E todas nós sabemos que isto nos aproxima de algum modo. E que podemos, em algum momento da vida, estarmos imersas numa relação violenta. Pois a sociedade legitima a honra, o ciúme e submete nossa sexualidade ao jugo público.
A verdade do femicídio é uma realidade triste e escancarada que se repete e se repete em nossa civilização e pode acontecer a qualquer uma de nós. Até quando?

Gabriela disse...

Tô com a L.Archilla sobre o caso da Luciana Gimenez, porque sempre me intrigou essa idéia de "ela planejou ter um filho do líder de uma das maiores bandas de rock do planeta pra ganhar fama".

Porque se o que rolou entre eles foi caso de uma noite só, teria q ser um planejamento tão frio e com tanta antecedência: ela teria q estar no período fértil na data da festa (dar sorte disso ou manipular o ciclo com pílula), teria q se aproximar dele, disputar a atenção do sujeito com outras mulheres do recinto...

Pessoalmente acho muito mais provável ter sido um acidente (seja por falha de camisinha ou não uso dela) a acreditar nessas mirabolâncias todas. Galera viaja tanto nessa idéia de "golpista fria" que até apareceu essa história do sexo oral + sêmen usado pra fecundação (também ouvi essa fofoca e acho bem improvável).

No mais, acho triste essa necessidade do endeusamento da vítima. Não só nesse caso, mas também naquele provável estupro da menina de 13 anos eu tive q ouvir q "ela não era santa". Se só "santas merecem ter o crime lamentado, então fodeu, ninguém merece...

Patty Martins disse...

Eu li essa entrevista do Renato Gaúcho no jornal impresso e tive ânsia de vômito. Inacreditável. O cara só faltou falar que foi bem-feito pra Eliza, e que ela achou o que procurava. Não falou com essas palavras, mas deixou nas entrelinhas. Fiquei com asco, de verdade. Um absurdo o jornal publicar isso e nem ao menos se pronunciar, dizendo que não se responsabiliza pelo que foi dito, que não é da mesma opinião, sei lá... Achei horrível, simplesmente.

Jéssica disse...

Lola, adorei seu comentário.

Outra coisa que gostaria de acrescentar é que ninguém diz que foi bem-feito pro Bruno, afinal quem mandou ir (literalmente) se meter com maria-chuteira; ou que ele teve o que mereceu por trair a esposa. Também não vejo ninguém falando que foi bem-feito pro Mick Jagger, velhinhos dessa idade deveriam parar de bancar os jovens, ou que ele é praticamente um pedófilo por ter pegado a Luciana Gimenez. Engraçado que todo mundo se esqueceu que o líder do Rolling Stones pode ter planejado ter um herdeiro, ou que ele queria abafar os comentário sobre sua sexualidade.

Espantoso não é?

Acho que foi por isso que eu sou feminista. Aqui em casa ninguém coloca a culpa na mulher, pelo contrário, todo mundo tá querendo que o Bruno se ferre na cadeia e que a Luciana continue sendo esperta.

Afinal, se o homem pode escolher a mulher só pela sua beleza, porque ela não pode escolher só pelo dinheiro?

Victor disse...

Vim comenta imediatamente antes mesmo de terminar de ler o post porque é algo que tá entalado aqui:

Olha, eu sei que o Bruno deve ser culpado, que ele não presta e tudo. Mas a Globo não tem um PINGO de noção do que significa IMPARCIALIDADE. As reportagem acusando o Bruno estão BEIRANDO A PERSEGUIÇÃO. EU SEI que ele DEVE SER CULPADO, mas todo mundo não é INOCENTE até que se prove o contrário?

Não estou protegendo o Bruno, mas acho que o caso deveria ser tratado com mais imparcielidade, sem ficar mostrando o vídeo onde ele diz que não confia mais no amigo "que tatuou o nome dele nas costas" (PALAVRAS DA GLOBO, como se quisesse dizer que ele é um traíra, que não tem honra ou algo assim). Eu sei que isso é verdade, mas essa manipulação dos fatos é muito errado, na minha opinião.

Só isso. (Vou terminar de ler o post agora.)

Cláudio Luiz disse...

Se não me engano, foi o mesmo jornal que estampou a manchete do ciúme doentio que o outro tinha do Bruno. Não demora e irão dizer que eles são gays. Morte de uma "maria chuteira" por um "gay" e tudo fica explicado e esclarecido. E o mundo será melhor com a "família" e com a "liberdade de imprensa". Difícil, viu? Ainda bem que tem seus posts esclarecedores pra ler.

ana_nm disse...

Acho que sou meio inocente, mas não entendo como as pessoas conseguem pensar desse jeito. Não entendo porque eles precisam tanto nos reprimir, o que foi que a gente fez? Haha

Nunca deixei de ler aqui, Lola. Comentei mais pra contar que comecei a fazer terapia essa semana, e que o seu blog ajuda muito. Obrigada de novo! :)

cecília disse...

Li um pedaço e só a parte que mais me chamou atenção não tem a ver com o assunto principal. Por que as pessoas acham que só existem Serra e Dilma na parada?!! GENTE, OLHA A MARINA SILVA AI!PELAMORDEDEUS! Acho que a Dilma mal sabe se expressar, por favor, pesquisem sobre seus candidatos aí. Não deixem de votar num candidato que você acredita só porque ele não tem tanta visibilidade,hein!

Voltando pra traição: acho muito engraçado homens que traem xingarem e julgarem mulheres que traem ou mulheres amantes como se fossem vagabas,etc. Eles contribuem pra isso, se não,estariam sempre na linha,né?
Queria saber o que vc pensou a respeito da Traída de Sorocaba também e da Amiga Amante da Traída. Que achou da história, Lola?
Achei que o cara era mto pouca coisa pra toda aquela humilhação via internet,mas deve ter sido um alívio e tanto também se vingar da amiga falsa.

Iseedeadpeople disse...

Lola, vc viu estas declarações do advogado do Bruno, q NOJENTAS?

"Ele acredita que o desaparecimento de Eliza pode ser uma vingança:

- A maior vingança de uma mulher é colocar o homem na cadeia injustamente. Há vários casos assim.

Questionado se ela abandonaria o filho para se vingar do goleiro, Ércio respondeu:

- A mãe dela a abandonou em tenra idade. O pai dela é estuprador. Olha o histórico dessa moça. Ela era atriz pornô, trabalhava em produções pornográficas, era profissional do sexo. "


http://br.noticias.yahoo.com/s/20072010/83/advogado-goleiro-bruno-critica-policia-diz.html



NOJO, muito NOJO desta história toda e principalmente da opinião sempre sexista do senso comum....

Leticiabon disse...

Perfeito! Adorei tudo o que você escreveu, é tudo o que eu penso também. Eu sempre defendi a Luciana Gimenez, porque acho que deve ser difícil "estuprar" um homem. E, bem lembrado, existe camisinha.