sábado, 5 de março de 2016

A SINA DAS MULHERES QUE OUSARAM VIAJAR "SOZINHAS"

Nem ia fazer um post hoje, mas estou tão indignada com esta notícia que preciso registrá-la de alguma forma.
Duas argentinas de Mendoza, María José Coni, de 22 anos, e Marina Menegazzo, de 21, foram mochilar juntas pela América do Sul, algo que tantos jovens fazem. As duas amigas já haviam passado por Machu Picchu, no Peru, e estavam em Montañita, pequena cidade praiana muito frequentada por turistas estrangeiros no Equador. Elas foram vistas por último no dia 22 de fevereiro. Primeiro, desaparecidas. Depois, descobriu-se o que aconteceu: elas foram assassinadas.
Seus corpos foram encontrados no dia 28 de fevereiro. Em seguida o governo do Equador apresentou dois suspeitos que, pela versão oficial, teriam confessado o crime. Segundo o governo, às duas da tarde do dia 22 as moças conheceram os acusados em um bar. Elas disseram que haviam sido roubadas num hostel, não tinham dinheiro e que iriam voltar a Guayaquil de carona. Um deles ofereceu que elas dormissem em sua casa. 
Elas foram pra lá, eles saíram. Eles voltaram às duas da manhã, bêbados. Um deles tentou estuprar María. Ela reagiu, e ele bateu nela com um pedaço de madeira, estraçalhando seu crânio. Ao ir ao outro quarto, o homem viu que seu amigo já havia esfaqueado Marina. Depois, tentaram ocultar os cadáveres, jogando-os fora num saco de lixo.
Os familiares duvidam da versão oficial, pois alegam que as duas moças não haviam sido roubadas e tinham cartões de crédito. Era uma viagem de um mês e meio com todo o itinerário planejado, argumentam. A Argentina mandou seus próprios peritos para acompanhar as investigações equatorianas. 
Na terça, a paraguaia Guadalupe Acosta redigiu uma carta em primeira pessoa que viralizou em vários países: "Ontem me mataram". A carta, tão bela quanto revoltada, diz: 
"Só morta entendi que para o mundo eu não sou igual um homem. Que morrer foi minha culpa, que sempre vai ser. Enquanto que se o título dissesse 'foram mortos dois jovens viajantes', as pessoas estariam oferecendo suas condolências e, com seu falso e hipócrita discurso de falsa moral, pediriam pena maior para os assassinos.
Mas, por ser mulher, é minimizado. Torna-se menos grave porque, claro, eu procurei. Fazendo o que queria, encontrei o que merecia por não ser submissa, por não querer ficar em casa, por investir meu próprio dinheiro em meus sonhos. Por isso e por muito mais, me condenaram.
E sofri, porque já não estou aqui. Mas você está. E é mulher. E tem de aguentar que continuem esfregando em você o mesmo discurso de 'fazer-se respeitar', de que é culpa sua que gritem que querem pegar/ lamber/ chupar algum de seus genitais na rua por usar um short com 40 graus de calor, de que se viaja sozinha é uma 'louca' e muito seguramente se aconteceu alguma coisa, se pisotearam seus direitos, você é que procurou. 
Peço a você que por mim e por todas as mulheres que foram caladas, silenciadas, que tiveram sua vida e seus sonhos ferrados, levante a voz. Vamos brigar, eu ao seu lado, em espírito, e prometo que um dia seremos tantas que não haverá uma quantidade de sacos plásticos suficiente para nos calar." 
Como é comum em crimes cometidos contra mulheres, as vítimas foram culpadas pelo que ocorreu com elas. Elas se puseram em situação de risco, a julgar pelos comentários. E que pais são esses, que permitiram que duas mulheres adultas saíssem para passear pelo continente? E o principal: por que estavam viajando sozinhas? 
Obviamente que uma mulher deve ter todo o direito de viajar sozinha, sem que "mereça" ser estuprada e/ou morta. Mas parece que esse direito não passa pela cabeça daquelas que fazem perguntas dessas. Mas María e Marina não estavam viajando sozinhas. Elas viajavam juntas! Eram duas amigas viajando juntas. Inclusive, ambas estavam na mesma casa quando foram assassinadas. Mas, por algum motivo, estar sem a companhia de um homem é estar sozinha. 
Imagina se fossem dois amigos viajando juntos, e eles fossem mortos. As pessoas perguntariam o que eles estavam vestindo? Por que foram a tal lugar? Os culpariam por estar mochilando? Diriam que eles estavam "viajando sozinhos"?
Essa condenação das vítimas e a presunção de que duas mulheres juntas estão "sozinhas" e de que mulher sozinha é mulher à disposição (este um preceito antigo do patriarcado: um macho não deve mexer com mulher de outro macho, mas se ela estiver sozinha, sem um dono, ela não é de ninguém, logo, é de todo mundo, de quem chegar primeiro) geraram vários protestos no Twitter, protagonizados pela tag #Viajosola (Viajo sozinha).
Ao ler notícias assim, comentários assim, fico com uma raiva imensa desse machismo que mata mulheres, que justifica a matança das mulheres, que inventa desculpas para nosso encarceramento e retirada de direitos. Fico com muita raiva de quem tem raiva de feministas, que nada mais são que pessoas (principalmente mulheres) que defendem mulheres.  
Contei o caso das turistas argentinas pro maridão, que ficou indignado e disse, num suspiro: "Essa humanidade não tem jeito". Eu respondi: "Se você quer chamar isso de humanidade, chama. Mas eu não vejo muitas mulheres cometendo crimes desse tipo".
UPDATE: A vice-ministra de turismo do Equador deu declarações desastrosas sobre o assassinato e foi devidamente demitida. Ela disse que isso "iria acontecer cedo ou tarde" porque as jovens "viajavam de carona e procuravam festa". O governo equatoriano teve de pedir desculpas pelas palavras da ex-vice-ministra.

179 comentários:

Cyntia Campos disse...

Eu viajo sozinha, quase sempre - e sozinha mesmo, não com amigas, porque aí eu não estaria sozinha. A história dessas duas mulheres foi como um soco no meu estômago, não só pela violência do crime, mas pela violência posterior, os relatos "relativizados", os "atenuantes" que as pessoas aplicam na própria indignação. Quer dizer que eu viajo só e, se me matarem, a culpa é minha?
Vivo dando a maior força para que outras mulheres também experimentem o prazer enorme que é explorar o mundo sem companhia, o mergulho nos lugares e culturas tão mais intenso quando se está só. Não vou deixar de viajar só nem de recomendar isso pra todas.


Anônimo disse...

E vocês acham que se estes homens malditos fosse "ensinados a não estuprar e não matar" adiantaria? Pois eu afirmo com toda convicção do mundo QUE NÃO ADIANTARIA PORRA NENHUMA, e o prazer deles em matar e estuprar? Acham que sentiram o que durante o ato que não seja prazer e sentimento de superioridade?
Eu tenho verdadeiro horror destes malditos, horror deste repugnante machismo que eles carregam no sangue, "feminismo" que tenta ficar de teti a teti com inimigos, E SIM KCT eles são seus inimigos, cada um deles os que cometem estas barbaridades e os que se calam diante deles.
"aaaainm mais são metade da população mimi" FODA-SE, FODA-SE A BOSTA DA METADE DA POPULAÇÃO ESTUPRADORA, "aaaim mais meu namorado meu maridão e super gente fina"
TEU NAMORADINHO TODA FOFO E UM ESTUPRADOR EM POTENCIAL SIM,ESTA E PALAVRA QUE DEVE SER USADA SIM FODA-SE SE ELES SE OFENDEM, ESTUPRARIA SE SOUBESSE QUE NINGUÉM SABERIA SIM, VAMOS DEIXAR DE SERMOS ILUDIDAS POR ESTA MERDA TODA, QUANTAS MAIS DE NOS VAMOS TER QUE SERMOS MORTAS E ESTUPRADAS PARA ABRIRMOS OS OLHOS QUE O INIMIGO E O QUE É, INIMIGO.


PELAMOR DE TODAS AS NOSSAS MARTIRIZES EM TODA HISTORIA PAREM COM ESTA BOSTA DE ROMANTISMO.
EU ODEIO OS HOMENS SIM E NÃO TER MAIS VERGONHA DE DIZER, E NENHUMA MULHER DEVE SENTIR OUTRO SENTIMENTO QUE NÃO ESTE POR ESTE MALDITOS.

Eu odeio

Anônimo disse...

Homens mortos não estupram.
E vou manda pro inferno o primeiro "não generalize' que eu ler aqui.

Carolina disse...

Eu amo viajar sozinha. Já conheci alguns países assim. Acho de uma liberdade incrível estar só em um país diferente. Em 2014, visitei várias cidades da Áustria e Zurique sozinha. Em Zurique, aconteceu algo que me assustou bastante. Numa tarde (era no final do outono, então era umas 17h mas já estava completamente escuro), fui seguida por um homem por muito tempo. Cruzei com ele em uma rua e continuei andando normalmente olhando vitrines, com calma. Uns 15 min depois daquele primeiro momento, ele me abordou, demorei para reconhece-lo. Meu coração gelou. Ele estava me seguindo há uns 15 min e eu não tinha percebido. Começou a me perguntar se eu estava interessada, eu disse que não, mas ele não parava de vir atrás de mim. Eu tentei fugir, pedir pra ele sair, entrava em lojas e ele sempre estava esperando quando eu saía. Sempre que a gente passava por um beco, ele tentava me empurrar pra lá. Mas ao mesmo tempo que ele fazia tudo isso, ele era amigável, então eu não sabia bem o que fazer, não dava pra chamar a polícia. Queria chorar. Comecei a entrar em desespero. Depois de uns segundos de desespero, lembrei que eu dependia só de mim. Aí lembrei que tinha uma banca de uma brasileira com quem eu tinha conversado. Resisti aos empurrões em todos os becos, até chegar na barraca dela. Pedi ajuda em português, ela pediu que eu entrasse na loja dela, eu entrei, ele foi embora. Eu fiquei uns 15 min chorando lá dentro. Quando me acalmei fui direto pro hotel. Chorei mais no hotel com a percepção de que se algo tivesse acontecido comigo, a culpa seria minha. Eu estava só e disponível num outro país. Iam dizer que fui pra lá com esse objetivo mesmo.
Esse ano estava planejando uma viagem sozinha pela Ásia, já desisti. Se um negócio desses aconteceu comigo numa cidade europeia, não sei o que poderia acontecer em regiões mais misóginas. Continuo querendo viajar sozinha, é muito bom. Mas quando vou falar com alguma mulher sobre isso já deixo claro que o risco é grande, que você depende só de você. A sua segurança e o seu bem estar não serão prioridade pra ninguém. E mais importante, você é um alvo. No momento que você deixa que saibam que você está sozinha, vc é um alvo para assalto, para estupro e qualquer tipo de violência que queiram praticar. Então vamos continuar vivendo. Vamos ocupar os espaços que também são nossos por direito. Mas vamos fazer de forma inteligente e segura, a gente tem que saber onde está andando.
Uma pena o que aconteceu com essas moças. Uma pena que a gente não possa andar pelo mundo em relativa segurança. E uma pena que se algo acontecer com a gente, ainda será culpa nossa.

Anônimo disse...

Eis um mascu com o sinal trocado.

Anônimo disse...

Imaginem a liberdade de um mundo sem homens?

Anônimo disse...

Anônimo das 20:59,


Isso, vai exatamente nessa que vai resolver tudo (sarcasmo). Ah, tenha paciência , radfem de 15 anos desejando um mundo sem homens é um porre.

Cyntia Campos disse...

Eu sofri uma tentativa de assalto, com arma de fogo. Estava em Laranjeiras, Sergipe, no alto de um morro que tem uma vista linda para a cidade e uma capela. Só eu e a câmera fotográfica. Vi um cara já no topo da ladeira, me deu um clic, entrei no carro, quando passei por ele, ele apontou a arma. Eu só acelerei.

Fiquei com raiva de mim, por ter ido a um lugar deserto sem perguntar a ninguém se era seguro. Passei um tempinho sobressaltada... Depois, sinceramente, comecei a ficar mais feliz com a minha "intuição" do que culpada por ter me exposto. Depois que li The Gift of Fear, o livro que Lola divulgou aqui no blog, entendi melhor o que me fez entrar no carro na hora que vi o cara, a capacidade que a gente tem de perceber o perigo inconscientemente - e confiar nessa percepção.

Continuo a viajar sozinha, até para lugares tidos como misóginos (o mundo é misógino). Tem sido sempre bem tranquilo - mas eu não tenho o menor constrangimento em ser rude, se for preciso, ou em pedir ajuda.

Anônimo disse...

5 de março de 2016 20:59

colega, só q vc odeia eu tenho que odiar? não muito obrigada, não quero ter ideologida parecida com a de mascu.

não sei pelo o que voce passou e sofreu e lamento por isso, mas pra que vc e nenhuma outra de nós tenha que passar por tudo isso de novo e de novo, a melhor chance que temos é sim tentar educar e esclarecer os homens, e não fazer deles inimigos declarados e mortais, aí que vai rolar estupro e agressão mesmo, mais do que já existe (sim, é sempre possível tanto melhorar como piorar). se vc não tem esperanças de mudanças ou melhoras, melhor se estocar dentro de casa e ficar por lá mesmo.

Mas até o dia em que vc puder bolar um super plano em que possamos destruir TODOS os homens sem sobrar um (e daí que vc tem um filho, pai, irmão e o que for que nunca fez nada mas que só por carregar uma piroca e por que a moça mandou, tem que jogar na fogueira), não dá pra te levar a sério, por mais que vc tenha suas cicatrizes (e vc não é a única, acredite).

e se for levar em consideração o potencial, somo TODOS ASSASSINOS E ASSALTANTES EM POTENCIAL. É, aí não escapa ninguem, então vamos destruir logo o planeta e acabar com cada ser humano que respirar sobre a terra e os mares pra evitar crimes futuros.

Anônimo disse...

Queria conhecer alguém que chora piranhas. rs Vírgulas, essas incompreendidas!

Anônimo disse...

Nossa. não adianta a lavagem cerebral do patriarcado do mito do amor romântico e muito mais forte que a razão para muitas de nós infelizmente MESMO DIANTE DE FATOS COMO ESTE DO POST, QUE DE EXCEÇÃO NÃO TEM NADA E DIA A APOS DIA SE SUCEDEM., vocês querem educar "leões a não comerem zebras" perca de tempo isto. Eles devem e serem "castrados"(Contidos socialmente e desconstruídos desde o nascimento), somente assim ficam doceis e aceitáveis de convivência.

O feminismo deve ser combativo sim e não este "feminismo limpinho cheirosinho" que vocês insistem em tentar vender hoje em dia.
Eu não sou aliada de homem, não quero ser aliada de homem e chamo isto de reciprocidade.
Mas se vocês preferem continuar no mundo do "príncipe encantado" só tenho a lamentar e me preocupar, pois este mundo e o mesmo onde 2 mais 2 dá 5.

Anônimo disse...

"Mas até o dia em que vc puder bolar um super plano em que possamos destruir TODOS os homens sem sobrar um"

isto não existe, e ridículo, mas existe sim formas de desconstruí los, de humaniza los e torna los menos homens sim.

Anônimo disse...

Já perceberam que rads e mascus são tão parecidos, que fica até difícil identificar se é uma rad mesmo, ou um mascu disfarçado? Tédio.

Ficar dando discurso raivoso com certeza vai ajudar muito. Parabéns para você. Enquanto rads ficam querendo matar todos os homens (o que óbviamente não vão fazer), muitas feministas estão conseguindo aliados homens que podem ajudar a mudar o sistema por dentro, já que várias indústrias ainda tem núcleos masculinos.

Por isso que eu digo que é um porre ter que carregar as rads nessa luta, parecem que vivem na internet apenas.

Anônimo disse...

5 de março de 2016 22:23
Seu rancor e seu ódio lhe impedem de ver com a razão. Usar essa babaquice de príncipe e romantismo é desculpa de extremista. Nunca me envolvi romanticamente com homem e aí? Mas fui criada por um e tenho varios na minha familia q inclusive são crianças.
Educar tambem é combater.
E cadê, mostre como seu posicionamento vai ser menos daninho pras mulheres e deve ser a escolha a ser seguida.
E ainda não vi seu plano infalível de destruir todos os homens do planeta, incluindo as crianças e os bebês né?. E a castração quimica pra todos (eu concordo que deveria ser em todo estuprador (que realizou o ato) mas não em todo mundo), como vc pretende fazer que isso se torne algo viável de fazer? Ou está apenas dispejando ódio sem sentido?
É uma pena que na sua familia ou ao seu redor só existem homens que não prestam, mas vc não deveria medir o mundo apenas com sua régua. Existem sim pessoas que eu quero salvar e fazer do mundo um lugar melhor pra eles (homem e principalmente, mulher) e se a história serve de alguma coisa, ódio nunca foi bom em construir nada pra ninguém que esteja sendo injustiçado, apenas em destruir.

Anônimo disse...

5 de março de 2016 22:34

Foi exatamente essa a ideia. Humanizar é a palavra. Ódio por ódio só serve como auto-destruiçao e não mudará em nada uma vez que não se pode (pelo menos por enquanto), como umas tão querendo por aí, destruir todo e cada homem que existe no mundo. Foi essa ideia que tava querendo passar pra anonima

Anônimo disse...

Os homens que barbarizaram estas meninas também tinhas mulheres na família, deveriam ser ate filhos amorosos para suas mães e irmão carinhosos e cuidadosos para suas irmãs, mas e dai? Vou ficar agora medindo eles pelas réguas de suas familiares, ou pelo ato de fazerem o que fizeram com estas meninas apenas pro serem mulheres?

Anônimo disse...

Não acredito que "ensinar os homens a não estuprarem funciona". Contudo, penas mais duras e castração física para estupradores podem funcionar, assim como a inversão da inocência em casos de violência sexual, no qual o criminoso teria que provar ser inocente. É preciso fazer os violadores temerem.

Anônimo disse...

fato: pelos dados da ONU 90% dos crimes são causados por homens,tanto contra mulheres quanto para eles mesmos. Mas incrivelmente, quando uma mulher teme um homem ela é considerada histérica e até "misândrica". Porém, no fundo não é nada mais que o instinto natural de sobrevivência lutando pela própria vida.

Anônimo disse...

Gente não funciona, eu trabalho no sistema prisional capixaba e acreditem não funciona educar homem, eles devem serem contidos sim.
Façam uma pergunta a si mesmas, quantos homens hétero vocês já viram realmente desconstruindo o machismo? (Não valem esquerdomachos se passando por feministas para arrumar uma transa)
Eu tenho 35 anos e não vi nenhum de verdade, eles ate concordam com alguns pontos de forma superficial e tals, mas não o toca de verdade porque não e sobre eles.

Portanto eu acho sim que apesar do tom virulento e apaixonado das Rads elas tem sim muita razão no que dizem que não dá para ficar esperando nada dos homens não, o esquema e se empoderar, ocupar espaços públicos de comando e impor a eles sim regras e leis rígidas anti masculinidade/machismo, que nosp aises mais avançados e progressistas funciona muito bem por sinal.
E devemos sim parar de olhar homens, mesmo que seja aquele "especifico, fofo especial e coisa e tal" ( Que na realidade não existe, somente na mente de quem o idealiza) como algo fundamental no convívio conosco sim. Eu acredito sim que a verdadeira revolução feminista vai se dar quando as mulheres se empoderarem entre si e desistirem dos homens sim.

Leia D

Anônimo disse...

As chances de um ser humano ser atacado por um tubarão é de 1 em 3.748.067. As chances de uma mulher ser estuprada é de 1 em 6. Entretanto, o medo de tubarões é considerado racional, mas quando uma mulher evita contato com homens é considerado misandria. Se ela não evitar e morrer,sofrer algo, a culpa será dela. De qualquer modo a mulher será culpada. Eu preferi evitar. Podem me xingar agora.

Anônimo disse...

Acontece que toda generalização é ruim (pode me mandar pro inferno anonima que falou que mandaria. não é como se eu fosse só por que voce mandou). não devemos medir ninguem com uma regua pessoal, nossa ou de familiares, e sim diante do que vemos e sabemos. por que eu tive sorte de não ser abusada pelo meu pai devo dizer que todo pai é nota dez e maravilhoso e jamais faria isso? não né.

Sim, como uma anonima falou ali em cima, uma forma de nos protegermos é lutarmos por penas mais duras e castração a estuprador, apesar de que antes disso precisamos garantir que os casos de estupro de fato cheguem a ser julgados e condenados. mas diferente dela, eu acho que ensinar o homem a não estuprar ajuda sim. o problema é que devia ser algo a nivel mundial, o ensino disso. como sempre fomos ensinadas a não sair de noite sozinha ou não vestir roupas provocantes, não vemos como isso poderia fazer alguma diferença.

Mas claro que só ensinamentos não bastam, atitudes e posicionamentos racionais tambem devem ser tomados

Gente, não tem como vivermos num mundo sem os homens. e não to falando romanticamente mas socialmente. eles estão ali, em cada esquina que viramos, em cada onibus que pegamos, cada lanchonete que entramos. então a melhor forma de podermos ter uma vida minimamente normal é lutarmos pra que eles sejam devidamentes punidos sim, mas que aqueles que ainda estão pra se tornarem homens aprendam a viver em sociedade e nós não precisemos andar sempre com medo de sermos estupradas e agredidas. Essa é a melhor forma que podemos nos defender e ter esperanças de viver tranquilas na sociedade.

Pensar neles apenas com ódio sem nenhuma solução não vai mudar nada por que pra serem punidos, os crimes já terão sido cometidos. e como eu disse, nada vai mudar na sua vida se só isso acontecer, voce ira eternamente ficar com medo de pegar um onibus, virar uma esquina, sair de noite, ou se vestir de forma mais a vontade.

Anônimo disse...

Eu gostaria de ver a postura das Libfens caso o filha delas fosse um destes monstros, ai veríamos o comprometimento delas com o movimento ou se seriam adestradinhas do patriarcado.

Anônimo disse...

Quando dizemos "viver em um mundo livre de homens" algumas pessoas mais limitadas já vem logo dizendo "eliminar exterminar os homens"
Não enxergam que na verdade queremos dizer viver em um mondo sem homens socialmente construídos, sim isto e possível, e possível torna los humanos femininos racionais, mas parece que a "síndrome de Estocolmo" imposta por milênios de patriarcado e forte na mente feminina não por culpa nossa mas por não termos a coragem de como disse a mana ai em cima de abrir mão de homens desistir deles, desistir da construção social chamada homem socialmente, sexualmente, afetivamente, emocionalmente.
se relacionar com um novo homem sem nenhum traço de masculinidade, machismo,virilidade(pra mim o pior de todos ao lado do machismo, na verdade sinônimos) testosterona nada disto.

E como bem disse outra mana ai desconstruir por dentro, homens são serem puramente irracionais no campo emocional (os infanticídios e suicídios em massa entre eles por conta de relacionamentos me dão certeza disto) portanto vamos atacar ai, uma nova postura das mulheres, ou os homens tomam uma nova postura social, se humanizam e se emascula do machismo, ou não vão ter mulher, mas isto depende de todas nós.

Anônimo disse...

Homens não mudam esqueçam são limitados demais para isto, podem serem adestrados e constidos não mudados.

Anônimo disse...

E eu queria ver se uma rad conseguiria ficar castrando ou matando o filho ou irmão de cinco anos por que ele é um "estuprador em potencial". aí veríamos quem é o verdadeiro monstro dos dois.

Aí já entra a parte de todo mundo ser ASSASSINO EM POTENCIAL tambem

Anônimo disse...

Eu não consigo acreditar que diante de um fato tão horrendo, do assassinato brutal de duas mulheres que poderiam ser qualquer uma de nós, que morreram só por quererem serem livres direito que deve ser de cada uma de nós...o assunto vira "iuzomi"
E dupla a tristeza, ler a postagem e depois ler os comentários :(
Ja passou pela cabeça de vocês que estas que vocês estigmatizam como "rads" na verdade se enfureçam lendo isto por algum motivo?! Ja imaginaram que ao ler isto elas tenham despertado nelas recordações dolorosas?!

Que puta falta de empatia gente, se a mina odeia homi e mais que direito dela, parece que estamos fando de cordeirinhos não de agentes diretos da opressão.
Numa situação como esta ver minas aqui defendendo homi e o fim o que que e? E sexo? porque se for pior ainda, eu ja provei e digo com convicção não tem nada mais sem graça e sem sal nem doce que sexo com homi, não e possível que seja só por isto.

Anônimo disse...

Olhem eu já me peguei fantasiando um mundo com ´só homens gays. Descobri isto quando peguei nojo de baladas hétero e comecei a frequentar somente baladas GLS, mas muuuuito melhor, outro mundo.
Eu não sou lésbica, mas também não me considero muito hétero pro assim dizer porque não sinto muita atração por homem, as poucas vezes que me relacionei foi mais por questões emocionais do que físicas, não vejo muita graça em homem fisicamente, mas gays me fascinam, são companheiros, amigos, confidentes homens com alma feminina.
Acho que o mundo seria muito melhor seguro e libertador para nó mulheres se todos os homens fossem gays.

Anônimo disse...

6 de março de 2016 00:01

Já vi acontecer, ela era divorciada e o filho vivia com o pai. No caso dele, até onde sabemos, foi agressão física e verbal. E ela super apoiou a menina e incentivou ela a denunciar. mas a menina não era feminista, pelo contrário, é uma das crias do patriarcado e não quis denunciar. a sorte dela é que o cara arranjou outra e a mãe, bem, o filho não quis saber mais dela por que ela "não agiu como uma mãe". mas ela tem apoio de outras feministas, pelo menos. e provavelmente é leitora da lola. Ela ia pra mesma faculdade que eu, mas não mantive contato. se vc sabe quem é, um beijo e força pra vc.

Fábio disse...

Acho que o mundo seria muito melhor seguro e libertador para nó mulheres se todos os homens fossem gays.

6 de março de 2016 00:30

Cê ta ligada que ai a civilização acabava né? Ja te explicaram que a historia da cegonha e de mentirinha né não?

Anônimo disse...

"Cê ta ligada que ai a civilização acabava né? Ja te explicaram que a historia da cegonha e de mentirinha né não?"

Aff cara, seculo XXI por favor, te contaram né não?

Anônimo disse...

Que história triste :(

Não consigo nem comentar, acho que já falaram tudo o que deveria ser falado (que é tudo tão óbvio que nem deveria ser falado)

Anônimo disse...

anonimo do dia 6 de março de 2016 00:22

Ela tem sim todo o direito de odiar os homens, mas nem sempre é iuzomismo. por mais que nem elas nem você possam perceber, falar disso e dizer que só o ódio (por mais direito que ela tenha a ele) não vai resolver nem mudar a vida dela, é uma forma de mostrar que os homens devem ser combatidos não só com violência (a não ser que ele já tenha feito algo) justamente pra que ela e outras mulheres possam viver melhor e sem medo.
você nunca parou pra pensar que deve ser horrível pra elas que depois de passarem por um tudo na mão dos homens, elas tenham que cruzar com eles na rua, ou no ônibus ou no trabalho? então, como fazer pra melhorar isso pra elas? só odiar eles vai resolver? o que você recomenda que elas (sim, elAs) façam pra que possam encarar e viver no mundo sem se preocupar com um constante ataque ou abuso? e por favor, uma dica realista pois ainda não foi descoberto um método que destrua todos os homens ou uma castração natural pra todos os homens, desde a nascença.
E quem disse que quem "defende os homens" não sabe o que elas passaram? pra minha história de horror ter algum valor eu tenho que odiar todos os homens?
Então pensem bem, não falo por todas que comentaram mas tem algumas pessoas, que como eu, tá analisando um todo. como e qual mundo eu posso fazer pra me sentir segura sendo obrigada a viver com homens diariamente? e como posso garantir que nenhuma outra mulher tenha que passar pelo o que passei?

Anônimo disse...

Anon 6 de março de 2016 00:11


Agora sim eu vi uma postura boa e coerente e um objetivo que pode dar certo, mas infelizmente todas as mulheres teriam que estar a bordo pra dar certo.
Mesmo assim ainda acho muito válido e possível.

Rafael disse...

Um crime horroroso, expondo o quanto as sociedades latinas precisam evoluir, o quanto as polícias precisam se equipar, o quanto a justiça precisa ser mais rápida de implacável.

Uma penca de problemas seriíssimos escrachada por um crime bárbaro.

E a discussão gira em torno de rad x libs e mulheres x homens.

Anônimo disse...

Será que vcs não entendem??? Isso nunca vai mudar!! N adianta castrar, matar, prender... O ser humano eh podre, tanto homem qnt mulher. Sim existem pessoas de bem, mas n adianta gente! Eu fiquei super triste qndo o mundo não acabou em 2012. Estão dizendo que vai ser em 2018! Que venhaaaa um meteoro, raios solares wherever!

Anônimo disse...

Não use o caso delas para destilar sua misandria

Suellen disse...

Lamentável este crime, minha solidariedade a família das vitimas.

Eu não sei se isso iria evitar que este crime horrendo acontece, mas provavelmente o desfecho não seria tão trágico se estas moças fossem bem treinadas em arte marcial para se defenderem a si mesmas, uma foi esfaqueada, isso se defender de um maluco com uma faca na mão, para quem sabe lutar e algo fácil, no caso da outra moça que levo uma madeira na cabeça, se ela fosse treinada para luta provavelmente teria conseguido evitar isso, já no momento da primeira reação.

E por isso que acho que apara uma mulher depois de aprender ler e escrever, aprender a lutar bem e segunda coisa mais importante que tem.

Claro que isso que eu disse e mais em tese, pois nem se tem provas de que tudo ocorreu como esta descrito ate o momento.

Eu não sei como e lei no Equador, mas por ser fora do Brasil tenho espereça de que lá tem leis severas o suficiente para pelo menos, manter este bandidos presos pelo resto da inútil vida deles.

Se fosse aqui no Brasil, em 4 ou 5 anos tavão soltos na rua de novo.

Mila disse...

Ano passado, o DailyMail fez uma lista com os destinos mais inseguros para as mulheres viajarem sozinhas:
http://www.dailymail.co.uk/travel/travel_news/article-2960567/Most-dangerous-holiday-destinations-women.html

O Brasil é o 2o. do topo.

donadio disse...

Ah, o Daily Mail...

Infelizmente trata-se de uma publicação completamente desinformada, racista, preconceituosa, especializada na tática de jogar os explorados uns contra os outros.

Não se iluda - para o Daily Mail, nós somos "o outro" e seremos demonizados sempre que possível/necessário/útil. Mesmo quando, em vez de sermos turistas lá, somos apenas o país hóspede recebendo turistas de lá.

Dá uma pesquisada em "michaella mccollum connolly and melissa reid" "daily mail"...

Anônimo disse...

Não há lugar algum no mundo dos homens seguro para mulheres.
A Charge das duas meninas de asinhas e de partir o coração de tão linda e triste.

E pensar que eles todos vão sim usar o "argumento"
"também estavam viajando sozinhas"

Desculpem...mas não tem como não odiá-los.

Anônimo disse...

Se as leis lá forem frouxas como as daqui ( E por ser um país governado por socialistas utópicos eu acredito que sejam mesmo) estes caras mesmo que condenados em menos de cinco anos estão nas ruas de novo.
E as meninas mortas...vão continuar mortas.

Marcia disse...

Puxa, muito triste tudo isso... E sempre a culpabilização. Se você morrer pelas mãos de estranhos, é uma estúpida que não se cuida. Se você morrer pelas mãos de familiares (e mais de 70% dos estupros e assassinatos de meninas e adolescentes, e em mais de 75% dos casos de assassinato de mulheres adultas, o agressor é um homem da família), é uma covarde que morreu por que não denunciou, mesmo que você tenha 5 ou 50 anos.

A culpabilização das mulheres é absurda e, infelizmente, parece ser uma constante social em todo canto do mundo. Entendo as rads que querem um mundo sem homens. Não tô falando de morte física de todo mundo que se identifica como homem, estamos falando de por essa merda de masculinidade tóxica no chão e exigir que os homens se vejam como seres humanos sem que isso signifique necessariamente ser capaz de ferir e matar mulheres. Puxa vida, não é difícil entender isso.

Não é uma das lutas mais fáceis, mas eu vejo como uma das mais necessárias. Daí aposto mesmo em educação para mostrar a nova geração de meninos/jovens que eles não precisam ser monstros para serem homens. Se isso significa ter que ouvir, de vez em quando, que sou uma 'cadela adestrada do patriarcado', 'libfem' (curioso, onde será que está essa associação liberal de feministas que tem a minha ficha preenchida e o meu juramento de fidelidade eterna, nunca passei perto...) tô de boa.

Doí no ego, mas não me fere fisicamente como as agressões que sofri na vida e, vejam só: os agressores eram todos homens.

Vou levar o post para debater com meus alunos na próxima aula de direitos humanos, e seguir educando as mulheres para resistir e os homens para mudar, por que parada destilando ódio ou pena, ou medo, ou tudo isso junto, não posso mais ficar.

Anônimo disse...

Quando eu fiz intercâmbio no Canadá, eu conheci várias meninas de todas as partes do mundo que foram para lá sozinhas e nada aconteceu de mal com elas.

Anônimo disse...

5 de março de 2016 23:13,

Como advogada e atualmente Defensora Pública eu te digo, nunca deseje isso. Esse tipo de crime em regra não deixa testemunhas, e seria impossivel alguem "provar que não é culpado". Além disto, nesses casos a palavra da vítima tem um peso imenso judicialmente, e não raras vezes um homem é condenado só pelo depoimento da vítima. Mas institucionalizar isso por lei é abrir um precedente perigoso demais, já que daqui a pouco todo mundo, seja homem ou mulher, seria culpado de qqer crime até a prova em contrário.

Nunca pense que nunca podem te acusar em algum crime, nosso Código Penal é vasto demais, e ninguém sabe o dia de amanhã. Por favor, não lutemos para permitir que o governo tenha as ferramentas para tirar nossos direitos.

lola aronovich disse...

Dollynho, como sou um pouco devagar demorei pra ver que vc é troll. Mas já percebi há alguns dias. Talvez vc também tenha percebido que TODOS os seus comentários estão sendo deletados. Então, desista. Volte pro seu porão mascu na casa da mamãe que te sustenta enquanto vc prega sobre a superioridade dos homens.

Anônimo disse...

Peraí. Basicamente as merdas das radfems tão dizendo que as mulheres devem odiar o próprio pai, e o resto dos homens que convivem com elas que nunca fizeram absolutamente nada?

Nossa, vocês são realmente muito parecidas com os mascus.

Tanto ódio no coração faz mal, viu? Pode até ser que vocês tenham algum trauma, mas dizer que odiar os homens é uma obrigação??
Que foi, agora vão começar a atacar a Lola só porque ela ama o marido dela, também?

Façam-me o favor, não é porque vocês são cegas de ódio que todas as mulheres devem ser.

Anônimo disse...

20:59
Eu concordo com você, o dia que eu ver homem desconstruir machismo na rodinha dos amigos, apoiar as mulheres e respeitar as mulher sem esta em busca de algum benefício para si aí eu acredito.

Anônimo disse...

Homens de família estupravam mulheres na guerra pra relaxar... como se mulheres fossem apenas buracos para afagar a tristeza masculina mesmo que ela não quisesse, as vezes penso que quando um homem paga uma prostituta ele também a está estuprando mas é um estupro camuflado, assim como homens maridos que chantageiam mulheres a fazer o que eles querem na cama em troca do matrimônio.

São coisas terríveis mas que se dissemos por aí assim, vão nos chamar de loucas por falar o que as pessoas não gostam de ouvir e eu sei pq incomoda tanto inclusive as mulheres ouvir isso, pq isso no fundo é a pura verdade.

Anônimo disse...

Eu acho que existe muita mulher que prefere se iludir que acreditar no quanto isso é real, que seu pai irmão ou marido pensa assim, talvez em algum país escandinavo como a islândia os homens respeitem as mulheres mas eu não sei com essa islamização se isso vai durar.

Mari disse...

Que história triste. De pensar que se fossem homens, provavelmente estariam por aí viajando tranquilamente.

Anônimo disse...

Claro ,todos os homens são monstros,perversos,estupradores,doentes....inclusive os médicos,enfermeiros....todos os que trabalham como voluntários no Médico sem Fronteiras,trabalham de graça,pra ajudar seres humanos,independente de serem homens ou mulheres,negros,pardos,mulçumanos... quem nunca poderia lhes pagar por uma consulta,vários deles inclusive morrem tentando salvar vidas...Todos vermes,escória,claro são do sexo masculino,são "mascus"não prestam......

Anônimo disse...

Tem uma pá de denúncia de abusos sexuais cometidos por médicos e enfermeiros. Profissão é só isso, profissão. Não altera ou determina o caráter de ninguém. Mesmo policiais, que deveriam zelar pela segurança do cidadão e pela correta aplicação das leis, são os profissionais que mais cometem abusos/crimes.

Não gosto de generalizar, mas em relação à violência sexual e à violência contra a mulher de modo geral, não tem muito o que contestar. Homens são os maiores responsáveis. Familiares inclusos. Mundo taí mostrando isso todos os dias.

Acho as mulheres extremamente corajosas e generosas, pois, contra todas as evidências (até mesmo históricas), ainda se encontram com homens e confiam neles. O irônico é que a confiança que a mulher deposita no homem ainda será usada contra ela caso algo lhe aconteça. A sociedade patriarcal é completamente sem sentido.

Anônimo disse...

Nome ridículo esse tal dollynho. Preferível postar como anônimo.

Anônimo disse...

Tem pai que merece amor e carinho, reconheço, mas grande parte deles é, na verdade, ausente. A maior parte das pessoas foi criada sem a presença paterna. E isso não é recente. Sempre foi assim. O homem, quando se separa da esposa, esquece completamente dos filhos. As raras exceções confirmam a regra.

Anônimo disse...

O nazista obcecado ataca novamente. Ui que medo!!

Anônimo disse...

Como esse Fabio é tonto. Pensei que já estava pregando em outra freguesia, mas ainda está assombrando o blog da Lola, aff!

Anônimo disse...

Mascu das 12:29: pode ser que eles são "voluntários" justamente para poderem se aproveitar de alguma coisa, já pensou nisso?

Anônimo disse...

E o papa precisa ser virgem por acaso? Antes de entrar no seminário não pode ter feito sexo sem consentimento da parceira? Todo mundo que tem 60 anos hoje pensa igual como quando tinha 15 anos?

Anônimo disse...

PUTA MERDA esse cara do nazismo/PT já encheu o saco. Vai estudar vagabundo, qualquer anta com um mínimo de QI sabe que "nacional socialismo" NÃO É a mesma coisa que "socialismo". Bjinhos da República Democrática Popular da Coréia do Norte pra ti, jumento

Anônimo disse...

Abuso sexual envolvendo "autoridades" religiosas é e sempre foi comum. Adianta não, coleguinha. Violência contra a mulher e abuso sexual independem de profissão. O ponto comum é sempre o fato dos agentes do abuso e da violência serem homens. Não é paranoia. É realidade. Atual e histórica. Bora acordar pro mundo real.

Anônimo disse...

Há muito tempo que eu gostaria de ver neste blog algum texto sobre mulheres que viajam sozinhas, pois são vistas de forma preconceituosa tanto por homens quanto por mulheres também. Em cidade do interior então nem se fala. Mulher que mora/viaja sozinha é sempre vista de uma forma preconceituosa e em alguns casos quando o preconceito é muito forte, até mesmo quando uma mulher viaja com uma amiga ela é considerada 'sozinha'. Precisou de uma tragédia para esse assunto ser tocado e espero que se fale cada vez mais sobre isso tanto com homens quanto mulheres.

Essas 'radfem' não agregam em nada de construtivo em qualquer assunto e só fazem poluir a cx de comentários e fazem com que as feministas parecem pessoas desequilibradas e cheias de ódio igual aos mascus.

Anônimo disse...

13:57, É paranoia desconfiar? sou louca por evitar,tentar prevenir violência contra mim? Mas se eu fosse violada por um médico aí eu seria novamente a culpada por ter marcado a consulta, por não ter evitado.

Anônimo disse...

Não filha,tu é louca e paranóica por julgar o caráter de quem não conhece.

Anônimo disse...

14:10 Sabe porque mulheres não vão para guerras civis em outro país? adivinha! Porque basicamente o risco de ser estuprada e morta cresce em um nível assustadoramente. Eu vi em um noticiário de que várias das mulheres que foram para a síria queriam ajudar em instituições de caridade,orfanatos,saúde,etc e sabe o que aconteceu? foram pegas pelo estado islâmico e nunca mais vão voltar para casa. Se uma mulher viajar para um lugar em conflito, a sociedade espera que tudo o que aconteça lá é problema e culpa dela.

Anônimo disse...

14:15 Se eu não conheço uma pessoa ou uma situação, é melhor prevenir do que remediar. O homem é o lobo do homem, e lobo da mulher também.

Anônimo disse...

Desculpas nunca faltam.Os homens que vão trabalhar em países em conflitos encaram a morte também.Muitos são perseguidos,torturados e morrem aliás de forma violenta, e isso não os impede de irem.E muitas mulheres realmente corajosas vão.
Mais fácil é brincar de revolucionária escrevendo textos com palavras de efeito na internet.
Quero ver fazer algo,partir pra ação.
Bando de covardes.
Criticam quem tem coragem de fazer algo que nunca farão,bando de inúteis.

Anônimo disse...

Hipócritas.
Covardes.
Pedantes
E ainda se acham no direito de julgar o caráter de quem dá a cara pra bater.

Anônimo disse...

14:27 Desde quando alguém que assassina duas mulheres estrangeiras pode ser considerado corajoso?

Anônimo disse...

Ah tá,não li a parte onde diz que o assassino das garotas era médico voluntário do Médico sem Fronteiras ou de algum outro projeto social.

Anônimo disse...

Esse piti não faz o menor sentido e é completamente desnecessário. O que as mulheres estão falando aqui é que profissão não diz coisa alguma sobre o caráter e o comportamento privado de um homem. Inclusive, é muito comum abusadores se esconderem no manto da "dignidade profissional" pra se safar de denúncias, pondo em dúvida a palavra da vítima.

Tenho até um caso na família. Homem bem visto socialmente, trata todo mundo no ambiente público de forma simpática e educada, é solícito com todos os estranhos, e é e sempre foi um tirano violento em casa, longe dos olhares da sociedade. Se a esposa denunciasse, coisa que nunca fez, muito pela fama de "cidadão nota dez" do mau caráter, a cidade inteira poderia ser testemunha do "caráter amável e digno" dele. Mas só a família (e a esposa, em particular) sabe o que ele era de verdade.

Agora, não queira inverter a desumanização que é levada a cabo todos os dias no mundo. Quem trata mulheres com ódio e desprezo, quem desconfia e desacredita mulheres, quem sempre pregou que mulheres são indignas e que precisam seguir um código rígido e nonsense de comportamento pra "se dar o valor", foram e são os homens. É de bocas principalmente masculinas que brota o bordão "não se deu o valor", "mulher tem que se dar ao respeito", "provocou", "tava pedindo", "quem mandou ficar sozinha com ele?" e variantes do mesmo quilate. Resta a quem sempre pregou o ódio e o desprezo ao feminino, lidar com a realidade que construiu com tanto zelo e ao longo de tantos séculos. A reação feminina demorou demais pra se espalhar por todo o mundo. Agora, coleguinha, lide com isso. O que ocorre hoje é consequência de milênios de tradição misógina. O que te choca, os homens dizem sobre as mulheres desde sempre.

Anônimo disse...

14:33 Nunca dissemos isso. Apenas que segundo os dados da ONU, 90% dos crimes são feitos por homens. No Brasil, acho que é 95%. Já existem teorias evolucionistas para explicar essa situação, os próprios homens gostam de se mostrarem agressivos,sentem orgulho, mas na hora de pagar a conta....

Anônimo disse...

Como o homem revolts do riso frouxo é capcioso. De repente todos os homens do mundo são abnegados médicos voluntários de áreas de conflito armado. Brincadeira. Pior é que o homem revolts do riso frouxo em questão é tão mau caráter que nem deve ruborizar ao lançar mão de artifício tão torpe.

Anônimo disse...

14:37 Infelizmente, nem homens que fazem parte de serviços sociais estão isentos. Em um estudo sobre estupro em guerras, os sociólogos viam isso como uma forma de vingança entre os povos,mas depois se soube que até soldados da ONU violaram garotas em suas missões. Na prática, nenhum instituição pode "zerar" os índices de violência sexual. Mas o que se pode fazer pelo menos é aumentar a pena, a fiscalização, dar apoio as vítimas.

Anônimo disse...

Sim,sim ...a mesma balela,todo homem é um estuprador indigno de estar vivo.
Não importa,o gari,o professor,o pipoqueiro,o caixa de supermercado,o motorista de ônibus,o guarda noturno,o policial,o leiteiro,o padeiro,office boy,seu colega de escritório,seu chefe, o cozinheiro,o juiz,o advogado,o senhor que cata papelão,o veterinário,o farmacêutico,o psicólogo,médico,enfermeiro,dentista,frentista,maquinista,pedreiro,empresário,piloto de avião,taxistas,panfleteiro,mateleteiro,músico,bancário,sorveteiro,....todos estupradores.Todos culpados,pelo simples fato de terem um pênis,por serem homens.Nasceram culpados,são criminosos,não merecem confiança,deveriam ser eliminados da face da Terra,por que homens não prestam,quando olham pra uma mulher,cumprimentam,dão o troco,exercem suas funções fazem isso pensando como será o proximo estupro por que só tem isso na mente.São doentes psicopatas.Ainda bem que existem as lúcidas feministas pra abrirem os olhos da população.
benditas sejam vocês.

Anônimo disse...

O homem que mais se revolta no debate com mulheres é o primeiro que culpa a mulher que sofre qualquer tipo de violência masculina (física, verbal, moral, sexual) por ter confiado num homem.

Já gastei horas debatendo com homens supostamente esclarecidos sobre revenge porn, e o principal argumento deles era que a mulher é que estava errada por ter confiado no namorado.

Quer dizer, eles mesmos dizem que A MULHER ESTÁ ERRADA EM CONFIAR NO PRÓPRIO NAMORADO, mas somos nós as misãndricas.

Homem é o ser mais contraditório e hipócrita que existe na face da Terra.

Anônimo disse...

14:49 sim, finalmente você entendeu. A bíblia culpa a mulher de todo mal. O Alcorão também. O judaísmo. Provavelmente o hinduísmo também. Sócrates, Platão, Aristóteles,Demócrito,Santo Agostinho,Tomás de Aquino,Voltaire,Rousseau,Nietzsche,Freud entre outros sempre culparam a mulher pelos males do mundo. Mas o problema não somos nós. São vocês.

Anônimo disse...

Pois é isso,por que existem casos de estupro entre voluntários ,todos se tornam culpados.
Isso mesmo,a generalização é a solução.
Que se pregue o ódio generalizado.
Fico tão feliz por que todas as santas do Reino dos Céus,isentas de qualquer pecado desceram a Terra,se tornaram feministas e estão aptas a julgar todos os seres humanos desse planeta hostil .por que elas,claro não erram,por isso são juízas de caráter alheio,e podem sentenciar qualquer um.
O que será do Cristianismo agora,já que Deus e Jesus Cristo representados por imagens masculinas a partir da ótica da justiça feminista são apenas mais dois relez estupradores cruéis?
Pôxa,até Ghandi estuprou sem dó nem piedade.estou desolado.

Anônimo disse...

14:58 Apenas uma pergunta: o que você tem a dizer sobre todas as religiões, todos os filósofos,todos os médicos, todas as teorias,todos os jornalistas,todas as propagandas,todas as mídias,todos os padres,todos os imãs, enfim, todos os homens que generalizaram as mulheres?

donadio disse...

"Mais fácil é brincar de revolucionária escrevendo textos com palavras de efeito na internet.
Quero ver fazer algo,partir pra ação.
Bando de covardes.
"

Hum, isso me parece um texto cheio de palavras de efeito. Na internet. Redigido em um computador. Provavelmente, por alguém sentado em uma cadeira.

**************************

O que não é desculpa para coisas como,

"pode ser que eles são "voluntários" justamente para poderem se aproveitar de alguma coisa, já pensou nisso?"

Sim, e talvez a Lola seja na verdade uma predadora sexual que tem um blog feminista na internet para atrair feministas ingênuas para orgias canibalescas em que elas serão estupradas, decapitadas e devoradas, não necessariamente nessa ordem. Já pensou nisso?

O que a gente ganha com a paranoia generalizada?

Sim, o mundo em que a gente vive é perigoso, há assassinos, estupradores, estelionatários à solta por aí. Apesar disso, é uma sociedade que funciona, ainda que mal e porcamente; sinal de que a maioria das pessoas não se estabelece como médico, jornalista ou empregada doméstica apenas para "se aproveitarem de alguma coisa".

Misantropia não casa com feminismo. Na verdade, só casa com posições políticas se estas forem de extrema-direita.

Ana Carolina Serrao disse...

Gays podem procriar também, moço. Qualquer pessoa pode, desde que não seja estéril.

Anônimo disse...

E aí vem distorcer o debate com falácias. É sempre a mesma coisa. Já debati seriamente com homens em diversos espaços, inclusive espaços não feministas. Homens que não eram esses lunáticos mascus. E é sempre a mesma coisa. Enquanto você, mulher, quer que a AÇÃO seja considerada errada (bater, divulgar imagem sem permissão, estuprar, abusar sexualmente, ofender moralmente, assedias, chantagear, matar...), os homens estão CONDENANDO A MULHER POR TER CONFIADO no homem, POR TER SAÍDO com um homem, POR TER FICADO SOZINHA com um homem. E aí, depois de ficarem horas, dias, tentando me convencer que mulheres estão erradas ao confiarem em homens, encerram o debate dizendo a mim, que estava querendo a condenação social e jurídica da AÇÃO, que EU considero todos os homens iguais. Eles ficaram o tempo todo dizendo como as mulheres erram ao confiarem num homem e EU é que considero todos os homens iguais.

Homem se esforça tanto pra criticar e condenar a mulher, que nem percebe as incoerências do próprio discurso.

donadio disse...

Lola, parece que tem um idiota aqui que despirocou lendo o texto, ou alguns dos comentários, e está se transformando rapidamente em um serial troller dos mais chatos. Quem sabe está na hora de aplicar uma moderaçãozinha radical no malandro?

Anônimo disse...

Claro gays podem procriar,mas tem pênis,logo são homens,logo são estupradores.
E o fruto do estupro não é um ser humano,é um tumor que deve ser extirpado.
Espero que no futuro,quando os homens não existirem mais,os sêmem de cães,gatos,ursos,bois ...sejam o suficiente para o nascimento de uma nova raça mais civilizada e menos odiosa.

Anônimo disse...

Anônimo das 14:57,

Vc está sendo sarcásticX, né?

Anônimo disse...

"Não existe relação sexual entre homem e mulher,por que homens só sabem estuprar,é um ato mecânico,um instinto."

Se você diz...

E sabe o que é pior? Os HOMENS, sim, os HOMENS adoram dizer que sexo é instinto, que homem não rejeita oportunidade de fazer sexo, que vale tudo pra atender o "chamado da natureza". Sim, coleguinha, quando não estão em ambientes feministas, portanto, quando não precisam fingir indignação, HOMENS tem justamente esse discurso.

Que coisa, não?

Anônimo disse...

Tem que apagar comentário de VAGABUNDO mesmo, machinhos que não trabalham, não estudam, não tem louça pra lavar e passam o dia trollando o blog dos outros. VAGABUNDO aqui não!

Anônimo disse...

Nova definição de "argumento" segundo os mascus: trollagem, ad hominem e senso comum, tá sertinho. Chorem mais que vão ser apagados sim kkkkkk

Anônimo disse...

Se sexo é estupro, é só fazer então uma inseminação artificial para ter filhos. Não vejo problema algum. Mas alguém aqui pode me explicar porque os homens simplesmente não aceitam que as mulheres os odeiam? e pior, se homens odeiam as mulheres, porque eles não ficam longe delas de uma vez por todas? Porque vários misóginos se casam ou tentam se casar? Se o problema é sexo, porque simplesmente não passam a vida no puteiro (Tenho pena dessas mulheres,mas pelo menos é um passo para ficar longe das mulheres em geral)e nunca mais se comunicam com nenhuma outra mulher na vida?

Anônimo disse...

Mascu troll se passando por feminista, que teatrinho de merda o teu, só otário pra acreditar nisso haha

Mas é muita vagabundagem mesmo...

Anônimo disse...

Sério que o homem revolts de riso frouxo acha que está argumentando?

Nem vou rir, vai que é doença.

Anônimo disse...

Ninguém disse que mulher é santa, muito pelo contrário tem mães por aí inclusive na Índia que vendem as filhas por troca de dinheiro, mas dizer que as mulheres cometem atrocidades por femismo é loucura, já os homens cometem atrocidades muito pela sua criação machista.

Anônimo disse...

14:49
A maioria desses homens seja porteiro ou professor proferem palavras machistas, professores inclusive em sala de aula fazem piadas sexistas, colegas de trabalho idem, não sei o que tem a ver a profissão.

Anônimo disse...

A diferença é que mulher não usa o instinto biológico como desculpa pra agredir e ferir. Sem contar que a mulher tem seus instintos controlados de forma tirânica pela sociedade, enquanto os homens usam os instintos biológicos como atenuantes para violência.

Anônimo disse...

Duvido muito que um homem não iria se aproveitar de uma mulher vulnerável, assim como adoram pegar menina bebada em balada ou mulher virgem ou nova pra tentar manipular, ou prostituta pra ela não ter que dizer não, ou chantagear a namorada em troca de manter o namoro.

Os homens vivem tentando tirar algum proveito das mulheres, não adianta vir com esses discurso de feministas dizem que nós somos todos estupradores, e blá blá blá, chorar é mais fácil que por a mão na consciência néah

Anônimo disse...

A paranoia é uma psicose caracterizada por uma desconfiança anormal, desproporcional e injustificada (com uma lógica interna capenga) por outrem.

Desconfiar é algo apenas natural. Eu desconfio. Dado o contexto exposto aqui, desconfio em especial de homens. Os estupros, os assassinatos, a violência em geral são cometidos EM MAIORIA por HOMENS - até entre si, isso é algo inegável. Taí a realidade que não me deixa mentir. Sério, o ocorrido relatado no post, as situações vividas por comentaristas apresentadas aqui reafirmam por si só o fato de que a suspeição é completamente válida. Jaz no que estou dizendo a noção de que indivíduos do sexo masculino são naturalmente seres depravados e perversos? Não, porra!

Há muito mané por aí que usa como baluarte a droga de um título qualquer pra poder se aproveitar da confiança de mulheres, e são gente que não vem com essa informação escrita na testa. As únicas aqui fazendo generalizações grosseiras, possivelmente um grupelho de adolescentes, são um mero punhado.

PS: e pros que gostam de estigmatizar aí, vale dizer que sou radical.

Anônimo disse...

O grande mal da humanidade é a ignorância. Esse comentário é o reflexo disso. Não vou me igualar aos machistas em discursos de ódio. Não entendo pq a Lola deixa esse tipo de comentário passar.

Anônimo disse...

Homens quando confrontados com a realidade de sua palavras e ações ficam sem acreditar que eles são assim, ou só querem dissimular. Não Adoram se gabar das merdas que fazem pra todo mundo, mas agora quando a verdade sobre eles aparece eles falam que é mentira, invenção de feminazistas, mas não fomos nós que inventaram essa merda chamada machismo que vcs aplaudem.

Anônimo disse...

Não pedem pra a gente não se relacionar com manés, depois falam que não temos que ser desconfiadas, quando um cara bate em uma mulher ela não foi inteligente pra escolher um homem "bom", mas o nosso desconfiometro tem que está desligado, sim todo homem é um babaca até que se prove o contrário.

Anônimo disse...

Nunca vi um site masculino que problematizasse o machismo ou os padrões imposto aos homens, nunca vi, só o que vejo são sites falando de bolsomito, sexo, como pegar mulher, as gatas de num sei aonde, como malhar.

Ou seja só vejo sites e blogs páginas de como manter esse padrão machista e heteronormativo. Existe alguma mídia social que o homem discute esses padrões? pq eu não vejo os homens se preocupando muito com isso não.

Anônimo disse...

Eu só acompanhei uma página gay que problematizou o padrão de beleza masculina, mas a página era gay, eu acho que nós somos muito mais conscientes nesse aspecto, os homens se reclamarem vão ser pras feministas ou vão dizer que não reclamam pq não são vitimistas, mas na verdade é pq eles não estão nem um pouco incomodado em desconstruir o machismo e os padrões da sociedade, estão ocupados demais tentando provar sua masculinidade.

Anônimo disse...

"Homens quando confrontados com a realidade de sua palavras e ações ficam sem acreditar que eles são assim, ou só querem dissimular.

Sim, é verdade. O que homem detesta é ser confrontado ou contrariado por uma mulher. No grupo masculino, se gabam exatamente do que fingem indignação quando a conversa é com mulher. Basta ver que até mesmo casos de violência sexual ou mesmo de outra natureza são festejados entre eles (como eles falam mesmo? ah! é tipo assim: "mostrou pra vadia quem é que manda, irmão!" ou "colocou a vadia no lugar dela, bro").

Uma vez, num dos primeiros debates que travei sobre relações entre os gêneros, um homem bastante honesto, diga-se, me disse: "odeie e vingue-se, ou nós mesmos, homens, seremos incapazes de ver nossa própria boçalidade de tanto exercê-la".

Esse odiar e vingar-se não é sair por aí matando, evidentemente, mas odiar os ditames sociais e culturais que empurram a mulher para o imobilismo e a aceitação sem contestação de tradições e estereótipos. Vingar-se é reagir, inclusive discursivamente. É jogar na cara o veneno que foi despejado sobre o feminino durante tantos milênios. Reagir sem medo, com convicção. Vingar-se é rejeitar de forma contundente toda forma de desumanização feminina.

Anônimo disse...

Entendo esse ódio todo no coração dessas feministas.
Deve ser triste se olhar no espelho e ver refletido nele a imagem de um ser gerado por um ato de violência,pois no lógica delas todo homem é um estuprador.Todos carregam a perversidade nos genes.Deve ser triste saber que todas são frutos de estupros,nenhuma foi planejada,nenhuma foi gerada por um ato de amor.

Anônimo disse...

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160304_denuncia_abuso_onu_fn.shtml?ocid=socialflow_facebook

Militares pedem sexo em troca de biscoitos para crianças da África.

Anônimo disse...

Com certeza as militares mulheres americanas que participaram de torturas contra presos em Guantânamo não eram monstros como os soldados que abusam de crianças na África.Com certeza foram obrigadas a cometerem as atrocidades.Sqn.

Anônimo disse...

Não nem todo homem estupra mas se pudesse com certeza, afinal todos adoram escorregar seus paus por aí, pegar meninas bebadas, tudo que foi dito mais acima.
enfim poucos não teria coragem de fazer isso, não é nada incomum homem estuprar esposas e no Brasil até 2002 era permitido retirar a culpa do estuprador se ele casasse com a vítima.

Não somos frutos de estupros mas os pais de família são muitos estupradores, até pq a maioria dos estupros acontecem em casa, e como falaram pq os homens nunca se juntam pra problematizar isso, talvez seja mais comodo botar a culpa na vadia, ou na saia, ou na liberdade da mulher que enxergar qual é o verdadeiro problema.

Barão de Canabrava disse...

Com os problemas de estupro e assédio de mulheres europeias por parte de imigrantes islâmicos e esses crimes à la Champinha que sempre voltam a nos assombrar, o esquerdismo fechou em "full circle".

As agendas de arrefecimento da força policial, dos direitos humanos para criminosos e a descaracterização das comunidades tradicionais que com a sua religião e o seu "patriarcado" conseguiam ter segurança, foram colocadas à frente das mulheres.

Ainda assim, as feministas preferem repetir o mantra do "eduquem seus filhos para não estuprar" com a esperança de que homens criminosos que nem sabem que elas existem irão "mudar". Essa preguiça vai custar caro, e olha que mesmo com a violência deixando de ser exclusividade da vida das mulheres pobres e batendo na porta das garotas da classe média, vocês não levam as coisas a sério.

Anônimo disse...

O afeto é feminino. Não são os homens que reafirmam o tempo inteiro e com indisfarçável orgulho o interesse exclusivo no CORPO feminino? Não o interesse por mulheres ou por relacionamentos com mulheres, mas por CORPOS de mulheres? Tão reclamando do quê?

Crianças são cuidadas e amadas pelas mães.

Anônimo disse...

Na verdade estupro pra eles seria fazer sexo com a mulher que não tá gostando muito daquilo mas tem que aguentar, ou que está meio inconsciente mas a culpa foi dela, ou que ela tava dando mole, ou a roupa chamou atenção e a testosterona falou mais alto. Pra eles não existe estupros existem desculpas.

Anônimo disse...

Eu gostaria muito de ler um guest post sobre feminismo radical por aqui.
Isso seria possível?

Anônimo disse...

Não é só pq o mundo é violento, é a educação masculina mesmo, mas vocês preferem fechar os olhos, como disseram acima não há mídia digital alguma sobre a problematização disso partindo por homens héteros ou qualquer forma de desconstrução percebida que parta dos homens, a cara de pau de vcs é incrível, se não se incomodam pra que fingir ou tentar se defender, afinal não somos loucas, vcs não nos odeiam, continuem fingindo que isso tudo é ilusão, vão lá voltar pro porno de vcs.

Anônimo disse...

A questão islâmica passa justamente pela mentalidade patriarcal. O que islâmicos e outros religiosos de vertentes igualmente patriarcais fazem com mulheres, o fazem com o aval da religião, o fazem porque foram ensinados e estimulados a fazerem, o fazem porque viram seus pais e líderes fazerem. Em países islâmicos, mulheres não têm seus direitos de pessoa autônoma reconhecidos. O ocidente só é um pouco diferente por conta da laicidade do Estado, laicidade que os brasileiros bolsonarentos querem revogar.

Falácias, coleguinha, não valem nada em debates.

A questão é, sim, educar os homens para não estuprar. Isso significa educar homens para o respeito às mulheres, em sua individualidade e humanidade. Coisa que religiões patriarcais desconhecem.

Islâmicos não respeitam mulheres, respeitam um traje. Respeitam um pedaço de tecido.

Pronto. podem me chamar de islamofóbica.

Anônimo disse...

"Na verdade estupro pra eles seria fazer sexo com a mulher que não tá gostando muito daquilo mas tem que aguentar, ou que está meio inconsciente mas a culpa foi dela, ou que ela tava dando mole, ou a roupa chamou atenção e a testosterona falou mais alto. Pra eles não existe estupros existem desculpas."

Perfeito. É aquela velha máxima patriarcal: aos homens a desculpa; às mulheres, a culpa.

Numa outra ocasião, também num debate em fórum não feminista, um homem disse que o estupro só fica caracterizado como estupro quando a mulher é assassinada. Sobreviveu? Não houve estupro.

donadio disse...

"Não nem todo homem estupra mas se pudesse com certeza"

Quem nos impede?

Você teria que tomar uma posição extremamente anti-feminista para explicar esse "pudesse": teria que nos dizer que o aparelho de Estado é dominado, ou pelo menos profundamente influenciado, pelas mulheres; caso contrário, nós certamente "poderíamos", e, como, se "pudéssemos" com certeza faríamos, viveríamos em um mundo em que o estupro seria a regra, e em que as mulheres de fato não poderiam sair à rua sem serem estupradas.

Ora, como isso não acontece, você teria que nos dizer que o Estado protege as mulheres, e, portanto, que o Estado não é patriarcal, que é neutro quanto ao gênero. Ou que o patriarcado não agride as mulheres, ao contrário, as protege da violência dos homens individuais.

Ou seja, esse "radicalismo" de superfície envolve uma capitulação implícita diante do Estado, do patriarcado, ou de ambos.

titia disse...

Mais uma tragédia causada pelo simples fato das vítimas serem mulheres e na visão desses monstros meros objetos pra diversão deles - e o que eles entendem como "diversão" é torturar, estuprar e matar um outro ser humano. Todo dia tem mulher morrendo porque não quer mais um relacionamento, e esses mascus e machistas idiotas vem aqui reclamar que as feministas estão generalizando, que não importa o que eles digam as mulheres devem continuar confiando nos homens (claro, assim eles não ficam sem vítimas e sem otárias), cobrando atitudes que eles mesmos não tem e exigindo ser venerados e tratados como santos apenas porque tem pênis? Ora, vão se foder seus merdas mal cagados! Duas mulheres assassinadas e vocês vem defender seu direito de continuar manipulando mulheres pra serem suas vítimas? Fodam-se!

14:27 então por que você não está lá na Síria ajudando? Cobrar ação das mulheres é ok, mas você levantar seu rabo gordo da cadeira e fazer um milésimo do que você cobra que elas façam é pedir demais, né? Vá à merda seu cretino!

Anônimo disse...

Não entendo porque esses homens vêm aqui contestar algo que é dito e feito por eles o tempo todo. Basta abrir os olhos pra ver. Basta frequentar qualquer espaço masculino (virtual ou não), basta ver as conversas travadas entre homens em fóruns e caixas de comentário de notícias, basta conviver com homens, escutar suas piadas, suportar suas gracinhas, as brincadeiras "inocentes", os assédios, a diferença das conversas pré e pós sexo. Acho que falta aos homens conviverem com homens estando numa pele feminina. Aí eles veriam o que homens falam sobre as mulheres, como homens agem com mulheres, como homens tratam as mulheres, e deixariam de viver nessa projeção mental em que eles vivem. Falta ao homem se perceber no relacionamento com as mulheres, tanto as próximas como as desconhecidas.

Anônimo disse...

Sobre a notícia a respeito dos abusos sexuais praticados pelos soldados da ONU, que uma pessoa postou mais acima, vão lá no G1 ver a mesma notícia e observem como os homens entendem e comentam o caso. Só tem agressões ao feminino. Não há nada sobre a conduta dos homens em questão. Nenhuma reflexão sobre isso. NADA. Só há piada, só há condenação, crítica e agressão ao feminino. Esses são os homens que estão por aí. Todos têm mãe, muitos devem ser casados, pais de meninas, alguns se consideram amigos de mulheres (coisa que custou, mas os homens conseguiram me convencer que não existe). São nossos colegas de trabalho, profissionais que nos atendem em diferentes situações, se calhar até o irmão, namorado, marido, pai, professor, médico... de alguém que frequenta aqui o espaço da Lola. Vão lá ver como os homens se comportam e o que ele pensam quando não precisam fingir indignação contra alguma feminista.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/03/sexo-oral-por-biscoitos-as-denuncias-de-abuso-sexual-contra-soldados-e-funcionarios-da-onu.html

Anônimo disse...

17:31 islamofóbica mesmo. E super ignorante. Felizmente daqui a não mais que 50 anos pessoas como vc serão consideradas tão doentes como os racistas e machistas de hoje em dia :D

Alana disse...

"17:31 islamofóbica mesmo. E super ignorante. Felizmente daqui a não mais que 50 anos pessoas como vc serão consideradas tão doentes como os racistas e machistas de hoje em dia :D"

Eu não sou tão otimista, os projetos de filhotes de cruz credo (nem isso são) estão por todos os cantos.

Anônimo disse...

Apesar de ser homem devo concordar com o que as mulheres estão dizendo aqui. Não dá pra confiar em homem! Podemos ser pessoas maravilhosas, mas partiu para o lado sexual temos esse podre: todo homem é um abusador em potencial. Hipócrita é o homem que nega isso. Não sei se é algo genético, cultural, ou mesmo hormonal, mas o fato é que homem lida de forma diferente com a sexualidade, pensamos coisas, mesmo não querendo e sabendo que é errado. Digo isso por experiência própria e pela convivência com amigos, heterossexuais e homossexuais.
Eu sou gay e já me senti tentado a abusar de um amigo embriagado, não abusei, pois minha ética falou mais alto, mas pensei. Já desejei o colega de trabalho e tive vontade de assediá-lo, será que não o teria feito caso não corresse o risco de levar um murro? Mas o colega em questão era do meu tamanho e tão forte quanto, então isso muda as coisas um pouco. Outro dia estava conversando com amigos gays sobre esses conflitos éticos que o sexo nos impõe. Com os meus amigos heterossexuais não pude ter essa conversa, pois para eles esse conflito ético nem existe, segundo eles, é muito natural ficar com uma mulher embriagada, bobo é quem não "tira uma casquinha" e aproveita a situação. Se a mulher for “gostosa” então? Aí “foda-se se você é casado”, “foda-se a ética”.
É por isso que quando digo a uma mulher que tome cuidado, não estou querendo cercear a liberdade dela, muito pelo contrário, eu só quero é alertá-la para um perigo que é real! Homens são perigosos para mulheres! Mas existem exceções? Claro que existe! E aos montes. Eu mesmo jamais abusaria de qualquer mulher, até porque sou gay. Mas não adianta, para você que é mulher, podem existir mil homens éticos no um ambiente do seu convívio, só será necessário um sem escrúpulos para abusar de ti. Hoje com tanta violência todo mundo deve se cuidar, infelizmente para vocês mulheres o cuidado deve ser dobrado.

Lauritz

Anônimo disse...

19:11 verdade, temos a 17:31 aí pra comprovar, mas ainda prefiro acreditar na humanidade. Homofobia e racismo eram considerados normais 50 atrás, e hoje em dia veja como é... Em breve islamofobia entrará nessa categoria de doenças mentais também

Anônimo disse...

/\ UI TÁ REVOLTADINHO PQ OS COMENTÁRIOS FORAM APAGADOS, É? CHORA MAIS VAGABUNDO, QUE ELES VÃO SER APAGADOS DE NOVO KKKKKKKKK

Anônimo disse...

Fiz uma provocação, mas aceito o rótulo de islamofóbica. Gente ignorante que adora rotular os outros não merece muita preocupação. O fato é: eu disse alguma mentira em meu comentário das 17:31? NÂO!

O islã NÃO respeita mulheres em sua autonomia e humanidade. Basta conversar com homens e mulheres muçulmanos. Isso é uma verdade incontestável, tanto que, mesmo na Turquia, um país relativamente laico (ao menos até pouco tempo atrás), as mulheres não podem andar desacompanhadas, pois, se o fizerem, qualquer coisa (eu disse qualquer coisa) que um homem fizer ou disser a ela será validado pela sociedade, pois a mulher estava sozinha. Não importa se muçulmana ou não, é inseguro para a mulher andar desacompanhada mesmo nos grandes centros urbanos. Mesmo em lojas. Não é invenção, não é exagero. Qualquer homem pode abordar da forma que quiser uma mulher desacompanhada que ninguém censurará o homem. Abram os olhos e vejam. O islã é uma religião política, que não separa o estado da religião. Isso não é brincadeira. Ninguém sabe as implicações de se viver num estado religioso. Novamente, isso não é brincadeira. Não à toa, existem mesquitas em países laicos, mas não existem igrejas em países islâmicos. Abram os olhos. Se existe alguma vantagem no cristianismo, é apenas a separação clara entre estado e religião. A césar o que é de césar. A deus o que é de deus.

Enquanto vocês ficam aí rotulando as pessoas e se divertindo com os rótulos, deixam de analisar e compreender as implicações de um estado religioso para todas as pessoas.

carol disse...

(o que eu escrevi fiz pensando nos primeiros comentários, ainda não li o resto. De todo jeito, vale pra caixa de comentários no geral, que de um tempo pra cá tá um hospício e cheia de troca de ofensas, etc)
Sério que vocês vão ficar discutindo isso, se devemos odiar os homens ou amá-los? Vocês não veem o ridículo da situação? Mesmo que vcs convençam uma a outra sobre qual o ideia é a melhor, o que sabemos que não vai acontecer, do que isso adianta? O mundo vai magicamente mudar depois disso? Sei lá, tô cansadas dessas discussões hipotéticas que não levam nada a lugar nenhum. Uma fala que queria o mundo sem homens, o outro se da o trabalho de rebater que isso não seria possível, aí entra mais uma dizendo que é possível sim, blábláblá pra sempre. Sério, gente, SÉRIO?! This is the real life, isso não vai acontecer! Vocês vão ficar discutindo esse tipo de ideias hipotéticas? Não tô falando só de hoje, leio quase todos os comentários e sempre tem esse tipo de discussão tosca. Do que adianta isso tudo? No final o mundo continua o mesmo e ninguém não chegou a merda nenhuma. É desperdiçar tempo e energia, entende? Por que em vez disso a gente não discute ideias objetivas, específicas. Não tô querendo ditar sobre o que devemos falar, mas acho que deu pra entender .
Outra, feminismo radical é uma corrente de pensamento que eu não conheço muito bem e aposto que a maioria das que se dizem feministas também não. Só se acostumaram com a ideia difundida que toda mulher que diz que quer castrar os homens é misândrica, rad e mascu com sinal trocado. Menos, gente, por favor. Sei lá, tô cansada dessas brigas entre feministas, parece que o mais importante é convencer umas as outras sobre qual é o caminho certo do que acabar com o machismo. Parece que o mais importante é brigar aqui dentro do feminismo do que “lá fora”.

Anônimo disse...

19:55 "mimimi hitler pt kkkk" CHORA MAIS OTÁRIO HAHAHA

Anônimo disse...

Lauritz,

interessante isso de debater ética sexual com homossexuais, mas não conseguir fazê-lo com heterossexuais. É assim que eu percebo essa questão. É imensamente complicado conversar sobre isso com homens heterossexuais e muitas vezes até com mulheres, já que a própria mulher tem sobre si mesma e sobre o sexo, uma visão essencialmente masculina. Quer dizer, a visão feminina sobre si é, muitas vezes, apenas a visão masculina sobre o feminino. Mas, como evoluiu a conversa entre vocês? A questão do abuso, qual entendimento ficou estabelecido? Pelo que percebo, homossexuais mais femininos (digo assim apenas para que você me compreenda) sofrem com os mesmos estigmas e preconceitos direcionados às mulheres: são eles os promíscuos (afinal não há homem promíscuo, né?), são eles os chamados de "putinhas", "vadias", são eles que "envergonham" os gays... enfim, a misoginia me parece ser bastante característica.

Anônimo disse...

Acho que posso dizer que ainda criança (não faz tanto tempo assim, mas não lembro muito bem minha idade) escapei de um estupro. Ele era um conhecido da família, marido de uma colega de trabalho e amiga da minha mãe. Houve uma situação que ele se aproveitou das circunstâncias pra fazer carícias no meu corpo depois de se aproximar de mim numa piscina, eu me afastava e ele insistia. Eu não falei nada por ter achado que trazeria mais solução do que problemas, parece que ele já foi preso mais de uma vez e não é dos sujeitos mais honestos, apesar de fazer o tipo silencioso e tranquilo numa parte do tempo. Noutra situação, nos encontramos numa viagem, em que estávamos meus pais e eu e ele e a esposa. Tentando dar uma de esperto, quando me afastei da minha família num momento pra pegar algo, ele me acompanhou e me convidou pra ir até um lugar apontado com o dedo. Lugar esse pouco iluminado, onde estaríamos só os dois. Alguém tem ideia do que aconteceria caso eu tivesse ido? Eu era criança, mas não ingênua.

Se você está no local errado, na hora errada claro que não há segurança nenhuma, e dependo das circunstâncias não há local nem hora certa.

Anônimo disse...

Aliás, mais problemas do que solução.

Ana Carolina Serrao disse...

Aham. Claro. É que a vida de uma mulher se resume a estar com homem. O Santo remédio curador de todos os males da sociedade...

Alana disse...

19:56, eu não me referi a você no meu comentário, só pra deixar claro.

Anônimo disse...

Ok, 21:20. Legal saber. Esse negócio de anônimo é confuso.

donadio disse...

"mesmo na Turquia, um país relativamente laico (ao menos até pouco tempo atrás), as mulheres não podem andar desacompanhadas, pois, se o fizerem, qualquer coisa (eu disse qualquer coisa) que um homem fizer ou disser a ela será validado pela sociedade, pois a mulher estava sozinha. Não importa se muçulmana ou não, é inseguro para a mulher andar desacompanhada mesmo nos grandes centros urbanos. Mesmo em lojas. Não é invenção, não é exagero."

Bons tempos em que não havia Google, e a gente podia mentir (ou inventar, ou exagerar, tá bom) sem maiores problemas.

Mas, graças a essa diabólica invenção, a gente agora digita "istambul street scenes", clica em 'imagens' e, presto, aparecem dezenas de fotografias de cenas cotidianas de rua em Istambul, Turquia, em que podemos ver... mulheres sozinhas. Muitas. Aliás, usando calças compridas, rosto descoberto, etc. Olha aí no link abaixo:

https://www.google.com.br/search?q=istanbul+street+scenes&client=ubuntu&espv=2&biw=1301&bih=683&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwi8x5O9ra3LAhXkCpoKHSMiCOAQ_AUIBigB&dpr=1#imgrc=_

O que não deveria ser surpresa: o próprio patriarcado exige isso. Quem vai comprar comida para o homem da casa, se mulheres não puderem ir sozinha na padaria?

Anônimo disse...

Não estou mentindo, nem inventando, nem exagerando.

Graças a essa ferramenta maravilhosa que é a internet, acompanho algumas mulheres que se casaram com turcos e se mudaram pra Turquia. Mulheres que contam sobre a rotina, sobre o casamento, sobre as relações dos turcos com estrangeiros, sobre o cotidiano feminino, sobre a relação da família do marido com a esposa, sobre conflitos familiares, sobre direitos matrimoniais... enfim, sobre a vida cotidiana. E o relato sobre o assédio masculino é constante. A ressalva de que estar acompanhada por um homem confere segurança, é geral.

Mas se você quiser entender o que eu disse como "mulheres ficam trancadas em casa", problema seu. Se você quiser entender o que eu disse como "mulheres não desafiam as imposições sociais", problema seu. Se aqui, no país famoso pela nudez feminina, no país da licenciosidade, quando algo acontece com uma mulher, a primeira coisa que se faz é perguntar "o que você fazia naquele lugar?", "tem certeza que não deu a entender que queria?" e outros assemelhados, imagina num país em que as tradições patriarcais são ainda mais rígidas?

Mas, né, é uma mulher que está criticando. É de mulheres que vêm os relatos sobre o cotidiano. Aí num pode. A cultura muçulmana não está acima do bem e do mal. Pode e deve ser analisada e criticada. E isso não tem nada a ver com defender violências de ocidentais contra aqueles povos. São duas questões relacionadas, sim, mas muito diferentes. Abomino o que o ocidente faz por aquelas bandas, mas também abomino o modo como a religião islâmica enxerga o feminino e como tratam as mulheres.

Se você quiser conversar sobre isso, ok, sou toda ouvidos. Mas dispenso esse tom debochado e, por isso, arrogante.

Anônimo disse...

Para que falou que não conhecia iniciativa de um site masculino hétero para desconstruir machismo tem o Papo de homem.

Eles até lançaram uma campanha em parceria com a ONU

http://papodehomem.com.br/trailer-documentario-precisamos-falar-com-os-homens-uma-jornada-pela-igualdade-de-genero

Estou gostando muito dos comentários. Gostaria de saber a opinião de vocês sobre isso.

Anônimo disse...

No passado, caí de para-quedas em posts sobre feminismo e pautas de outras minorias políticas lá, gostei de umas coisas e outras me incomodaram e alguns comentários deixados são cavalarmente idiotas.

Estão de certa forma tirando o protagonismo das mulheres? Talvez. Homens falando de feminismo entre si? Por uma própria questão machista, pode ser mais fácil, mas sempre estarão falando de algo que não entendem completamente. É algo realmente tããão vantajoso assim? Uma incógnita. Também conheço pouquíssimos machistas em descontrução, ainda mais pessoalmente. Desses quantos realmente são o que parecem ser? Outra dia, numa rede social, havia uma moça relatanto ter visto o cara que a estuprou agindo como o paladino da igualdade na conta dele falando sobre feminismo na conta dele.

Afirmo aqui que conheci o site brevemente.

Eu gostaria de falar mais, porém tive problemas técnicos envolvendo meu provedor de internet e estou sem e agora acho que não tenho o suficiente de fraquia de dados para tal.

Anônimo disse...

*Paraquedas.

donadio disse...

"dispenso esse tom debochado e, por isso, arrogante."

Moça, você mentiu. Distorceu a verdade. Criou uma estória da carochinha para justificar seus preconceitos. Desmascarei sua falsidade; postei um link para fotos que mostram muitas mulheres andando desacompanhadas nas ruas de Istambul, na Turquia.

E "tom debochado", para mim, é isto aqui:

"Enquanto vocês ficam aí rotulando as pessoas e se divertindo com os rótulos, deixam de analisar e compreender as implicações de um estado religioso para todas as pessoas."

É óbvio que a cultura muçulmana não está acima do bem e do mal, e que pode e deve ser criticada. Mas a forma de criticar qualquer coisa, seja a cultura muçulmana, seja o que for, começa por criticar a realidade daquilo que se está criticando, não pela criação de espantalhos aterrorizantes. Na Turquia as mulheres desacompanhadas podem ser assediadas na rua sem que polícia ou transeuntes intervenham? Provavelmente, da mesma forma que no Brasil ou nos Estados Unidos. Não da forma como você relatou, ou evidentemente não andariam na rua sozinhas. E não, com certeza, por que a Turquia seja, como você inveridicamente coloca, seja um Estado religioso, sem separação entre religião e Estado. Por que essa separação, de forma bem evidente, existe lá (imperfeita, é claro, como aqui ou como na Europa), demonstrando que o Islã não é incompatível com essa separação.

O mais é invencionice xenófoba de quem quer, ou minimizar o machismo no ocidente (como os mascus aqui que acham que as mulheres brasileiras deveriam ser agradecidas por que o patriarcado no Brasil "pega leve", e inventam "cronogramas" para a dominação islâmica da América Latina para tentar dominar pelo terror), ou justificar bombardeios de cidades no Oriente Médio, quem sabe criar suficiente ódio para que os brasileiros se entusiasmem a apoiar militarmente os crimes de guerra americanos e europeus. Se sua intenção não é nem uma nem outra, pare e pense sobre o que você está fazendo ao repetir propaganda terrorista filo-americana.

Anônimo disse...

O tom mudou muito ligeiramente, mas a sua arrogância e gosto pelo deboche ainda são evidentes e desagradáveis.

Não, não menti. Posso ter falado de forma rápida e pouco elaborada, num comentário curto, mas não há qualquer mentira no que eu disse. Todos sabem que mulheres devem, sim, cuidar do que vestem muito mais na Turquia do que em países ocidentais, ainda que haja apenas gradações entre as formas de assédio masculino. Guias e dicas de viagem sempre ressaltam essa questão, mesmo na capital. Em localidades fora do circuito turístico a coisa se complica, como de resto em qualquer país do mundo.

Sim, a Turquia é secular, como eu disse (usei o termo laico no outro comentário, mas secular é, de fato, mais adequado) e lá as mulheres turcas, de modo geral, usam apenas o véu (o estado turco tentou até proibir o véu, pra caracterizar mais fortemente a secularidade, mas com as intervenções ocidentais desastrosas na região, muita coisa está mudando). Mulheres religiosas, imigrantes ou turistas de países mais fechados, usam hijab, niqab e até burca. Isso enquanto os homens, muito ou pouco religiosos, não importa, se vestem ao modo ocidental, com bermudas e camisas mais frescas. Só isso já marca a diferença em relação à liberdade de uns e outros.

É conhecido o fato de homens turcos assediarem de forma muito (muito mesmo) explícita e agressiva as mulheres. Não estou inventando nada.

E como eu relatei? Eu disse apenas o óbvio: é mais seguro que a mulher esteja acompanhada por um homem. Estando só, interaja pouco, evite olhares ou o assédio se intensifica imensamente. Não sou eu que digo isso, mas mulheres que estão na Turquia.

Isso impede que mulheres circulem por lá? É evidente que não. A capital é uma cidade turística. Está cheia de turistas o tempo todo. Mas são questões que devem ser levadas em consideração, preocupações que um homem não tem ao viajar por esses lugares. Questões que os homens sequer notam ao viajar.

Isso sem contar que a vida de turista é diferente da vida de uma mulher que vai viver na Turquia.

Mas usei a Turquia apenas pra ilustrar como um país oficialmente secular (de novo, usei no outro comentário a expressão relativamente laico) ainda mantém, por conta da religião, restrições à liberdade feminina. O secularismo não interfere na religião, mas a religião quer interferir no estado. Estamos vendo isso ocorrer aos poucos aqui no Brasil, enquanto pessoas preferem rotular outras ao invés de analisar e compreender as implicações do que está ocorrendo bem debaixo dos nossos narizes. Um estado religioso é ruim para todos, especialmente para aqueles que não professam a fé oficial. Mas rotular é bem mais simples e indolor.

Não havia deboche nenhum na minha fala, ao contrário da sua.

Se tem coisa que eu não faço, é minimizar tradições que tolhem liberdades, aqui ou alhures.

E repito, pois você, capciosamente, já quer me colocar na prateleira da xenofobia. Criticar as tradições islâmicas não implica em defender as excrescências ocidentais na região. Até porque, são as desastradas e interesseiras intervenções ocidentais que estão reavivando as tradições misóginas. Vide o que ocorreu com o Afeganistão.

Quem tem que para e pensar é você, não eu. Eu sou capaz de separar bem o joio do trigo.

Maria disse...

Poupe-nos, Donadio. Agora só porque alguém critica o Islã se torna a favor do bombardeio de cidades no Oriente Médio?
Você também não vai conseguir convencer nenhuma feminista coerente a não criticar o Islã com esse papo furado.

Anônimo disse...

Palmas pro Donadio. E digo mais, ainda mentiu quando disse que não existem igrejas em países islâmicos.

Só no Irã existem mais de 500 espalhadas pelo país, aqui alguns exemplos http://www.farsinet.com/icc/iran.html Se o assunto é Turquia, em 2009 haviam 236 igrejas https://web.archive.org/web/20090415000147/http://www.goturkey.com/Life--Culture-Religion--51538-c-en.html Acho que de zero pra mais de 700 tem uma mentira no caminho, não?

E já que vc pediu, seguem outras mentiras dos teus comentários:

"Em países islâmicos, mulheres não têm seus direitos de pessoa autônoma reconhecidos."
Alguém sem seus "direitos de pessoa autônoma" consegue se eleger ao cargo político máximo no seu país? É claro que não, mas em 1988 o Paquistão elegeu uma mulher como primeira-ministra (Benazir Bhutto), em 2001 a Indonésia elegeu uma presidente mulher (Megawati Sukarnoputri), em 2011 foi a vez do Kosovo (Atifete Jahjaga), Bahgladesh elegeu primeiras-ministras em 1991, 1996 e 2009 (Begum Khaleda Zia e Sheikh Hasina), a Turquia em 1993 (Tansu Çiller), e o Quirguistão elegeu uma presidente mulher em 2010 (Roza Otunbayeva).

"O islã NÃO respeita mulheres em sua autonomia e humanidade. Basta conversar com homens e mulheres muçulmanos."
Pera, quem não respeita as mulheres, o Islã (religião) ou os muçulmanos (que tem sua cultura e tradições próprias em cada região, que tem interpretações diferentes para mesmos assuntos)? Se o Islã não respeita as mulheres como você diz, porque diabos é que existe FEMINISMO ISLÂMICO? http://blogueirasfeministas.com/2013/04/a-realidade-e-o-futuro-do-feminismo-islamico/ Porque a Malala ainda é muçulmana, mesmo vivendo no Ocidente e contando com ampla rede de apoio e proteção? Vai lá falar pra essa ativista que a religião dela não respeita as mulheres: https://www.ted.com/talks/alaa_murabit_what_my_religion_really_says_about_women

O resto dos teus comentários não dá nem pra rebater porque são puro senso comum, coisas baseadas em experiências pessoais, e experiência pessoal não dá pra se refutar. Tudo é pura falácia, já que pega casos isolados de muçulmanos e generaliza pra toda uma religião. Raciocínio indutivo puro, generalização 100%. Islamofobia resume.

Anônimo disse...

"Você também não vai conseguir convencer nenhuma feminista coerente a não criticar o Islã com esse papo furado."

HAHAHA fale por si mesma! Porque quem começou o papo de islamofobia aqui foi uma "feminista coerente", como queira chamar. Concordo 100% com o Donadio.

E uma dica, criticar o Islã é diferente de islamofobia. Pra criticar o Islã no mínimo vc tem que ter estudado a religião (de preferência por fontes islâmicas ou acadêmicas imparciais) e não ficar fazendo generalizações toscas baseadas em experiências pessoais. Ou alguém quando vai estudar o budismo aqui no Brasil pega fontes evangélicas pra estudar? Não, pega fontes budistas mesmo. Engraçado que o mesmo não acontece com o Islã, povo adora pegar fontes anti-islã e sair repetindo as informações dali. É a islamofobia interna agindo de novo.

Denise disse...

Como sempre essa caixa de comentários vai de mal a pior e sempre que penso em comentar me desmotiva. Lola, uma vez vc me explicou porque continuava permitindo os comentários anónimos, e eu até entendo, mas tá ficando muito ruim comentar no blog. Será que não dá pra repensar essa política e ao menos as pessoas terem que colocar seu nome ou uma conta no Google? Talvez isso desmotivasse alguns trolls. (a esperança é a última que morre…)

Enfim, sobre o post, muito triste o que aconteceu com essas meninas e mais triste ainda ver essa culpabilização das vítimas. Recentemente teve um caso tenebroso aqui na Austrália também, onde duas turistas (sendo uma delas brasileira) foram sequestradas, estupradas e torturadas numa praia deserta no sul do país. Por sorte elas conseguiram escapar vivas - http://www.adelaidenow.com.au/news/south-australia/coorong-attack-sa-police-form-taskforce-to-investigated-if-man-accused-over-sexual-assault-of-two-backpackers-has-other-victims/news-story/35f3bd52207a72adb1192ec181c9b52a

Claro que no grupo de brasileiros que acompanho no facebook foi uma serie de culpabilização das vítimas por elas serem mulheres pegando carona e viajando “sozinhas” (inclusive num grupo só de mulheres!). Só em um grupo que participo aqui essa culpabilização não ocorreu, e claro que foi porque o grupo é só de feministas.

Ou seja, não importa se na América Latina ou em um país de primeiro mundo, se em um país “violento” e machista ou se numa sociedade mais equalitária, se a vítima for mulher pode contar que a culpa foi dela por ter se colocado em perigo. Porque, né, mulher só está segura quando tem um homem do lado. Aí quem sabe se ela sofrer um ataque brutal desses as pessoas vão dizer que foi realmente uma fatalidade e se focar no quão doente e cruel é o criminoso.

Anônimo disse...

Islamofobia interna. Era só o que me faltava...
Sábado eu vi uma entrevista de uma brasileira - advogada - que se converteu ao Islã porque quis e anda por São Paulo toda coberta. Contou que quase foi proibida de fazer a prova da OAB porque tava com aquele lençol na cabeça. Eu achei foi pouco.
Só faltava pintar o nariz de vermelho pra se tornar 100% palhaça.

E aí, tá bom de islamofobia pra você ou eu teria que citar o alcorão inteiro antes de criticar a maluca?

Vai catar pedra na descida, criatura.

Anônimo disse...

Lola, se eu quiser te mandar um email, pra onde devo mandar?

titia disse...

07:22 seu grande argumento é chamar a Lola de feia? Sério? E você espera ser levado a sério como um adulto que tem algo que preste a dizer? Sério? Feia? Sério?

Volta pro parquinho que os adultos tão conversando, tá neném? Quando você fizer uns dez aninhos a gente volta a conversar.

lola aronovich disse...

Oi, anon das 8:05. Manda pra lolaescreva@gmail.com que é o único email que tenho.


Denise querida, eu deleto os comentários abusivos sempre que posso, ou seja, assim que os vejo. Infelizmente, trolls não desistem. Mas tem muito comentário bom aqui, apesar deles.

Anônimo disse...

Anônimo mascu das 14:27

Já que adora machos vai caçar uma rola e seja feliz.
Adeus.

Anônimo disse...

Não entendi o que vc falou anônimo das 22:11 pq vc é analfabeto funcional, mas se vc quis chamar mulheres de "piranhas" saiba que tá chamando sua mãe de piranha tb, seu LIXO podre.

Anônimo disse...

Minha caríssima Lola.

Escrevo sobre uma fotografia que não existe.

Talvez no final passe o link [se é que vale a pena fornecer o link de algo inexistente].

O feminismo me ensinou muitas coisas [minha caríssima Lola]. Ensinou-me que homens; de etnia não-oprimida; cis; e de herança cultural cristã [de preferência] são privilegiados. Portanto não têm nenhum interesse em mudar o mundo. Portanto não mudarão o mundo.

Desde os anos cinquenta uma oligarquia de empresários empreiteiros teceu uma trama entre interesses públicos e privados, em uma forte rede de obras duvidosas e corrupção do processo político. [Há um excelente texto em pdf sobre isso, A Ditadura dos Empreiteiros, de Pedro Henrique Pedreira Campos].

Um grupo de pessoas [minha cara Lola] resolveu [contra qualquer vestígio de bom senso] enfrentar essa trama. Um jornal tirou uma foto deles, juntos.

E, minha cara Lola, para minha e para sua surpresa esse grupo de pessoas [que quer mudar o mundo], eles, são...

... são todos homens, minha cara Lola. E são de uma etnia tida como opressora. E [aqui eu especulo, baseado em um ou outra notícia da imprensa] são heteros, e têm uma herança cultural cristã.

Aqui está a foto. (http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/01/1730334-lava-jato-focara-em-partidos-e-comunicacao-da-petrobras.shtml). São os nove procuradores da Lava Jato.

Essa foto, Lola, de acordo com a teoria feminista, não existe.

Pois de acordo com essa teoria [que você tanto estudou, e que me ensinou tanto] esses homens são privilegiados, e portanto não mudarão o mundo. Portanto esses homens [por serem homens] não combatem a corrupção, e portanto não existem.

A teoria feminista e a realidade, minha cara Lola, bateram de frente.

Aí cada um faz sua escolha. Qual a sua?

Muitas felicidades, para você, para mim, para seu marido, e para os rapazes inexistentes da foto que não há.

Ernando

Mila disse...

Donadio, Não dá pra saber os critérios para afirmar se a lista é verdadeiramente racista. No Brasil, por exemplo, viajar para algumas cidades, sendo mulhe, é mais perigoso que outras. Isso é bem relativo.
Mas chama a atenção que alguns dos países listados são altamente misóginos e culturalmente perigosos para mulheres sozinhas. Mesmo aqui no Brasil, não dá pra confiar.

Anônimo disse...

Curioso que quando homem - nem precisa ser mascu - fala q mulher é td interesseira, fútil etc, eu não vejo NINGUÉM reclamando da generalização. Daí qnd as rads falam em potenciais estupradores os homens se doem tds ain sua misândrica.

Anônimo disse...

11:32 Acrescento mais: a mulher é fútil por usar maquiagem entre outros produtos de beleza, mas se ela não quiser usar ela também vai ser xingada.
Mulher é xingada de interesseira mas todo homem velho quer arrumar uma esposa troféu que aceite todas as merdas dele em troca de dinheiro...kkk, os homens são tão coerentes né...

Mila disse...

"Mas, graças a essa diabólica invenção, a gente agora digita "istambul street scenes", clica em 'imagens' e, presto, aparecem dezenas de fotografias de cenas cotidianas de rua em Istambul, Turquia, em que podemos ver... mulheres sozinhas. Muitas. Aliás, usando calças compridas, rosto descoberto, etc. "

Não sei se é bem assim. Meu ex namorado era um turco de Istambul (parte europeia). Ele me disse q em Istambul é relativamente tranquilo andar com as roupas que eu ando aqui no Brasil lá. Mas se fosse para a parte asiática, não era muito seguro. Não sei se rola algum tipo de preconceito entre turcos europeus e asiáticos, mas acho qye essa constatação não é tão sem fundamento assim

donadio disse...

"Não sei se é bem assim. Meu ex namorado era um turco de Istambul (parte europeia). Ele me disse q em Istambul é relativamente tranquilo andar com as roupas que eu ando aqui no Brasil lá. Mas se fosse para a parte asiática, não era muito seguro."

Então vejamos. Cenas de rua em Ankara, na parte asiática, bem no centro do país:

https://www.google.com.br/search?q=street+scenes+in+ankara&biw=1600&bih=775&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwjbnoyv-K7LAhVBfZAKHUY7APEQsAQIGw#imgrc=_

Cenas de rua em Gaziantep, fronteira com a Síria:

https://www.google.com.br/search?q=street+scenes+in+gaziantep&biw=1600&bih=775&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwifn8SH-a7LAhVIfZAKHdlfBxAQsAQIGw

Há mulheres sozinhas por toda a parte. Sim, muitas delas não estão vestidas à maneira ocidental. Mas não era essa a afirmação. Repito aqui o que foi dito:

"mulheres não podem andar desacompanhadas,"

Bem curto, bem objetivo, bem desprovido de qualquer nuance. E falso, como as fotografias cujos links postei demonstram.

"pois, se o fizerem, qualquer coisa"

Então vem a parte sobre o que acontece com as mulheres turcas que ousam sair às ruas de suas cidades sem companhia masculina. Qualquer coisa, libere sua imaginação.

"(eu disse qualquer coisa)"

Ou seja, não é maneira de dizer - é qualquer coisa mesmo. Aparentemente se uma mulher turca sair à rua sozinha, ela pode ser assassinada ou estuprada sem que isso crie qualquer problema para o assassino ou o estuprador.

"que um homem fizer ou disser a ela será validado pela sociedade, pois a mulher estava sozinha."

Mas, como estamos vendo que elas saem às ruas sozinhas, só há três possibilidades:

- ou as mulheres turcas são muito mais corajosas que as mulheres ocidentais;
- ou os homens turcos, embora possam estuprar e assassinar livremente mulheres desacompanhadas, por algum motivo misterioso optam por não fazê-lo;
- ou, como parece bem óbvio, toda essa conversa de "qualquer coisa" é invencionice.

"Não importa se muçulmana ou não, é inseguro para a mulher andar desacompanhada mesmo nos grandes centros urbanos."

Não se trata, portanto, de cidades pequenas do interior; a afirmativa desmentida pelas fotos vale para Ankara (4 milhões de habitantes), Istambul (doze milhões), Izmir, Bursa, Adana e Gaziantep, todas elas com mais de um milhão de habitantes.

"Mesmo em lojas. Não é invenção, não é exagero. Qualquer homem pode abordar da forma que quiser uma mulher desacompanhada que ninguém censurará o homem."

É bem evidente que se trata de pura e simples propaganda orientalista. Os turcos são o outro, eles estupram mulheres nas ruas, provavelmente comem criancinhas também.

Como outra comentarista postou, fatos como esse ocorrido no Equador também ocorrem em países "ocidentais" de primeiro mundo, como a Austrália. A situação do estrangeiro é sempre precária, a situação da estrangeira é ainda mais. E isso vai acontecer tanto em Istambul quanto em Nova Iorque, tanto em Teerã quanto em Berlim.

Anônimo disse...

03:43 Vai se tratar que isso é doença moça, essa doença mental chamada islamofobia tá grave aí viu :'(

donadio disse...

Talvez melhor para entender o quanto tudo isso é absurdo, este vídeo de uma cena de rua em Trebizonda (<300.000 habitantes), na costa do Mar Negro, em plena Turquia asiática:

https://www.youtube.com/watch?v=DuBs00OeF3U

Anônimo disse...

Palmas pra paciência do Donadio. Como eu falei, os argumentos não passavam de generalização/senso comum.

Anônimo disse...

Turquia Síria e Líbano são menos, mas tem países sim que as mulher não podem andar sem homens, ou se elas querem terão que sair cobertas, será que vocês vão dar ouvidos a um leigo, quem quiser acesse o blog conexão oriente lá ela explica tudo. Não é tão terrível assim, mas lá ainda tem crimes de honra, casamento arranjado etc...

Marcia disse...

Incrível! como de costume, basta uma situação de machismo no Brasil ser postada que não tarda a aparecer os críticos dos 'regimes islâmicos'. Olha, não tenho apreço algum por religião nenhuma, mas é preciso muita cara de pau querer apontar os 'defeitos' dos outros para não ser obrigado a pensar na opressão de gênero que está bem aqui na sua esquina, na sua cara.

Salvadores de mulheres islâmicas, o seu cinismo e falta de ética já é notório faz vários posts.

Alguma feminista se habilita a escrever um texto sobre isso? Sobre como as mulheres orientais que precisam ser salvas são a desculpa esfarrapada para a existência dos machistas ocidentais? Não tiver, me habilito... já faz algum tempo que essa miopia seletiva com opressão de gênero me incomoda e o tema é caro a todo o pensamento feminista pós-colonial.

Mila disse...

Donadio, o meu comentário foi expondo o que alguém de lá (turco) disse a respeito de moças andando sozinhas e de vestimentas ocidentais. Não teve caratér propgandístico contra o oriental nem nada de teoria da conspiração. Como eu disse, pode ter ocorrido um preconceito por parte dele, mas só acho precipitado julgamento sobre locais seguros para mulheres pq há fotos de mulheres andando livremente com vestimentas ocidentais e sem acompahamento de homens. É precipitado fazer esse julgamento sem dados legítimos, sem conhecimento de organizações sérias envolvidas com o tema. Bem, só imagino se fosse aqui no Brasil. Aqui também podemos, teoricamente, andar sem o acompanhamento de homens e com a roupa que quisermos. Teoricamente. A prática é outra. Nossas roupas viram desculpa para assédio e estupro. Nossa conduta é posta à prova qnd somos assediadas, evitamos frequentar certos lugares e assim por diante. Por fotos, nós brasileiros somos alegres, receptivos, as mulheres fazem topless nas praias e a mulata tem samba no pé. A realidade é composta por aceitação cultural da inconveniência do homem, da falta de respeito dos brasileiros para com suas compatriotas, do julgamento moral que incide sobre o comportamento da mulher. E isso, meu caro, não está expresso em fotos seja do Brasil, da Turquia ou da Suécia e qnd os próprios homens alertam "suas mulheres" de seus semelhantes tem algo muito, muito, muito errado.

Anônimo disse...

Moça, pare de mentir descaradamente. Tenho parentes que moram na turquia e lá não é isso que você tá querendo vender não. Vc fala com gente de lá? Bom, eu tenho PARENTES que vivem lá, então tenho um pouco mais de noção. E basta fazer uma pesquisa honesta pra ver qual a realidade. Eu fiz, vc tbm pode fazer.

Anônimo disse...

eu não tenho medo de homem, se eu ver um dando em cima de mim contra minha vontade, eu meto a faca, borrifo spray de pimenta, faço qualquer coisa, odeio quando os homens tentam dar uma de superior pra cima de mim só pq são fisicamente mais forte, já chuto a virilha desses animais e mostro q quem tem um órgão reprodutor q aguenta parir 2 kilos de gente sou eu, não o fracote dos culhões sensíveis feito os homens.

Escórias da natureza humana são assim mesmo, felizmente em breve esses lixos serão 100% inúteis na natureza, pq as mulheres serão capazes de se reproduzir sozinha, mais uma pisada nesses machos escrotos, q a única serventia pós-partenogênese será trocar lampada, ou quiçá nem isso

Mulheres sempre sambam nos homens, desde o surgimento da espécia homo sapiens

Anônimo disse...

Mas não é novidade nenhuma q as mulheres são melhores q os homens, homem só esperneia, eternas criançonas q não sabem se virar sem uma mãe, e quando não as tem mais, obrigam as esposas a se tornarem uma, inconscientemente ou não.

Somos mais inteligentes, emocionalmente mais fortes, fazemos tudo o q um homem faz e além.

Homens são apenas escórias, até eu tenho pena desses trambolhos, coitados, nem eles mesmos se suportam, vivem se matando, e quando não tem mais homem pra matar, esses covardes partem pra cima das mulheres, vivem forçando uma postura q nem tem, correm atrás de uma "masculinidade" doentia e inexistente.

Vou adorar quando a partenogênese chegar e a natureza decretar (finalmente) a plena inutilidade masculina, pq quase inúteis eles já são

Até os zangões da eussociedade das abelhas vão sambar nos machos escrotos humanos, kkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Mulheres rainhas, donas da natureza

homens nadinha, apenas restos de aborto da evolução humana, inúteis, criancinhas, ignorantes, nojentos, babacas, acidentes evolutivos são assim mesmo

Mila disse...

Donadio, o meu comentário foi expondo o que alguém de lá (turco) disse a respeito de sua própria cultura. Mas como eu frisei, alguém q está condicionado a ter preconceitos entre os seus, fatores q não sou capaz de mensurar.
Só que a minha impressão deste seu embate com a anônima é que estão deixando-se ir pelo 8 e 80. O que conheço da Turquia foi por esse rapaz e deu pra entender como é um país socialmente carregado de machismo. Assim como uma moça italiana já me contou como era por lá. O que me fez pensar no machismo como um fênomeno internacional, podendo ser praticada pelo mendigo analfabeto ao CEO com doutorado.
Bem, vocês dois estão apresentando facetas da realidade sem levar em conta que ela é diversa e multifacetada. Para nāo levar pedradas como islamofóbica, vou falar do Brasil. Por fotos, posso mostrar o Brasil como uma nação multirracial, alegre, q a mulata tem samba no pé e no coração. Posso mostrar um paraíso sexual composto por mulheres seminuas. Posso tirar fts de uma colônia alemã e dizer q nosso país é composto por brancos ou que aqui só tem selva ou... n possibilidades. Só que um conjunto de fts nunca vai representar como o Brasil é. Não vai representar q o brasileiro desrespeita suas compatriotas e as vende como mercadoria sexual ao gringo. Não vai mostrar q aqui a mulher é culpabilizada por suas roupas e condutas. Do mesmo jeito que as fts e vídeos, ou depoimentos que a gente não sabe o quão representativos são, não vão dizer td sobre a vida daquelas mulheres.

Anônimo disse...

11:32, pior é as mulheres se doerem... To pra ver bicho mais trouxa que mulher.

Mila disse...

Lola, sorry pelos comentários quase q repetidos (anyway os dois tem a mesma linha de pensamento). Rede instavel, pensei q não tivessem sido publicados.

Menina Ninguem disse...

"Alguma feminista se habilita a escrever um texto sobre isso? Sobre como as mulheres orientais que precisam ser salvas são a desculpa esfarrapada para a existência dos machistas ocidentais?"

Eu também sinto a necessidade de um post sobre isso. É algo que eu também já observei, machistas adoram se escorar no Islamismo e cultura árabe, na esperança de se fazerem parecer menos asquerosos do que são. Já vi alguns terem a cara de pau de insinuarem que o feminismo lutar por mulheres árabes é mais produtivo do que lutar por brasileiras. Porque no Brasil não existe machismo, né? Nadinha, imagina.

Anônimo disse...

(Viviane)
Márcia e Menina Ninguém, mês passado a Lola publicou um post sobre machismo e islamofobia que teve vários comentários. Vários deles, infelizmente, corroborando esse preconceito. Mas continuo achando necessário discutir o tema, ainda que venha mais gente atrapalhar...

Anônimo disse...

(Viviane)
Sobre este post, eu já viajei sozinha, dentro do Brasil mesmo e a trabalho. Felizmente, nunca tive nenhum problema, mas é muito triste que sejamos privadas de uma experiência tão rica devido ao machismo... e ainda vem gente dizer que "não precisamos mais do feminismo"...

donadio disse...

"acho precipitado julgamento sobre locais seguros para mulheres"

Opa, eu não disse nada a respeito de locais seguros (em princípio, não acho que existam, e, se existem, com certeza não são seguros para todos).

Apenas disse, e reitero, que a ideia de que "mulheres não podem sair sozinhas na rua na Turquia" é falsa, por que elas saem.

Anônimo disse...

"Eu também sinto a necessidade de um post sobre isso. É algo que eu também já observei, machistas adoram se escorar no Islamismo e cultura árabe, na esperança de se fazerem parecer menos asquerosos do que são. Já vi alguns terem a cara de pau de insinuarem que o feminismo lutar por mulheres árabes é mais produtivo do que lutar por brasileiras."

Querida, todos os machistas do mundo se escoram nos muçulmanos para tentarem fazer o feminismo parecer inútil e qualquer feminista "ocidental" uma vitimista.
Já vi MUITO machista americano fazer isso (alguns desses dizem que o feminismo é necessário em país de "3ª mundo" também - no que o Brasil está incluído). Mas já vi machista mexicano, machista argentino, machista peruano usando o mesmo argumento de que feminismo só é necessário em país muçulmano e todas as feministas deviam ir pra lá.


Agora sabe qual é a diferença entre eles e os defensores do Islã - que usam o fato da região estar em guerra e sendo bombardeada e um monte de desgraça estar acontecendo lá por conta do Estado Islâmico - tentando calar qualquer feminista que critica a religião, os seus costumes e a cultura misógina que existe lá? Nenhuma.

Anônimo disse...

É triste como a vida de uma mulher pode mudar de maneira drástica quando acompanhada de um homem em coisas mínimas. Eu sou uma mulher baixinha, magra, cara de criança, de vez em quando pedem minha identidade nos lugares apesar de já ter 34 anos. Então é complicado mas as pessoas não me respeitam "automaticamente", muitas vezes tenho que impor a coisa no grito mesmo. O meu marido tem 1,91m e apesar de ser um filhotinho de urso panda em casa e não matar nem uma barata (não mata, sou eu quem mata, ele morre de medo) tem uma puta cara de mal-encarado, jogou vôlei muitos anos e tem um corpo forte. É mágico como acompanhada dele todo mundo me "respeita", ninguém esbarra "acidentalmente" em mim, ninguém "acidentalmente" passa a mão em mim, no meu cabelo, tenta me segurar pelo braço, como ninguém tenta me atropelar na entrada e na saída do metrô, como incrivelmente ninguém me passa aquelas cantadas bonitas e elogiosas só que não, incrível também como quando eu vou ao médico acompanhada dele, o profissional só encosta em mim no que for estritamente necessário, como eu deixo de ter problemas com prestadores de serviços do sexo masculino (eles ficam excepcionalmente profissionais na presença dele, diga-se), enfim, a vida muda mesmo. E nós viajamos muito. Já rodei o mundo com ele, sem um mísero problema. Sem ele já não tenho todas essas histórias bonitas para contar.

Beleza, meu marido é um amor e eu quero morrer velhinha com ele. Mas e se não acontecer? Eu vou ter que arrumar outro segurança particular involuntário, outra escolta? Terei que me mudar para um país onde posso portar uma arma de fogo para me defender, já que o Estado não protege mulher alguma? Vou ter que me trancar em casa, arrumar uns 10 cachorros ferozes no quintal e rezar pra que nada me aconteça? Vou ter que comer até explodir, ficar feia, vestir burca, mastigar alho antes de sair de casa e criar umas verrugas para não despertar os aparentemente incontroláveis "instintos masculinos"?

É triste ver que sim, o valor de uma mulher não tá nela mesma e sim no homem que a valida. Mesmo que o homem em questão, como eu disse, seja um pandinha disfarçado de urso marrom. Em uma briga, é mais fácil eu bater no agressor que ele, mas a aparência impressiona e o respeito, não por mim mas por ele, meu 'dono', aparece sem falhas.

Enquanto mulher não for vista como ser humano, como indivíduo, como PESSOA, vai ser isso. Vai ser "mulher viajando sozinha" (desacompanha de homem) mesmo que esteja com 30 amigas e a sociedade vai achar ok e se perguntar por que essas garotas não estavam em casa. Isso tudo precisa mudar e é pra ontem.

Infeliz dia da mulher para todas nós.

Anônimo disse...

10:22

o que seria comer até explodir ?
alguma expressao gordofobica ?
eita feliz dia das mulheres

Anônimo disse...

sou uma mulher de estatura baixa e aparência frágil, embora de frágil não tenha nada e já me foi sugerido engordar pra ganhar corpo e assim poder me impor com as pessoas, não sei se foi isso que a anônima falou no texto mas é assim que eu entendi, na verdade é desde criança que escuto essa merda (e eu como pckt kkkkkkkkk nunca adiantou, meu corpo é esse e vou morrer com ele)

Anônimo disse...

Os homens dominam as mulheres porque são mais fortes e poderosos que elas. Daí, aquela pessoa pisada (mulher) ou odeia seu opressor, ou colabora com ele para não ser judiada.
Entao eu raciocino: as mulheres dominam os fetos porque são mais fortes e poderosas que eles. Os seres humanos todos dominam os pobres animais porque são mais fortes e poderosos que eles.
Esse mundo é um moinho. Os fracos são moídos e ninguém tem dó deles, mas são muitos fracos diferentes e desunidos. Por que o movimento feminista não defende os outros fracos?
Sempre achei aborto uma coisa terrível e tenho pena do feto e da mãe. Coitado do feto, que a própria mãe não tem pena dele! A mulher que defende seus direitos poderia também defender o direito do seu feto. Por que o escroto do pai, não tá nem aí.
O dia que o fraco se unir ao fraco, seremos tantos fracos juntos que derrubaremos os fortes.

Anônimo disse...

Especialmente se alguns deles tivessem tesao por mulheres!!!!

Eulandia disse...

"8 de março de 2016 10:22"

Cara, PARABÉNS pelo seu comentário lúcido! Emocionante seu relato! Queria poder te da um abraço em representação a nós mulheres. Tu deve ser foda de conversar!:*

titia disse...

18:10 então quando VOCÊ engravidar não aborte. Mulheres não tem obrigação nem devem ser forçadas à maternidade só porque você tem "peninha" dos fetos - que, aliás, você confundiu. Abortados são os embriões, sabe, aqueles montinhos de células que não tem cérebro, não pensam, não sentem nem tem consciência de que existem. Diz aí, quantos "fetos" que as mães não querem você adotou depois de nascerem e virarem sujeitos de direito que choram, sujam fraldas, exigem ser alimentados e demandam que você gaste seu precioso dinheirinho e tempo com eles?

Anônimo disse...

Não é bem assim não viu. Eu sou homem e jamais faria isso.