terça-feira, 15 de novembro de 2011

JOGADOR DE FUTEBOL AMERICANO E FEMINISTA

O ex-jogador de futebol americano Don McPherson se apresenta como feminista. Em várias de suas palestras, ele diz que é feminista faz tempo: “Prestamos um desserviço aos homens quando dizemos pra eles que são menos homens por se importarem com assuntos de gênero”.
Entre outras coisas, Don sempre fala de violência doméstica, e insiste que os homens precisam parar de fingir que o tema não é com eles. Afirma ele: “Não criamos meninos para serem homens. Criamos meninos para não serem mulheres ou homens gays”.
E adorei esta parte (minha tradução) de um de seus discursos. Ele descreve como uma relação sexual hétero é vista pela sociedade (e isso que os americanos não adotam termos ridículos como dar e comer, que torna as mulheres invariavelmente passivas, já que mulheres dão, homens comem):
É assim que sexo é apresentado para meninos – não é intimidade, não é a parte do carinho ou a parte igualitária que tiramos, é algo que fazemos ao outro. Criamos mulheres para sobreviver numa cultura de estupro, porque criamos mulheres que sabem dessas coisas. Não fazemos nada para falar com os homens sobre estuprar. Mas falamos com as mulheres para elas se protegerem, o que faz com que coloquemos a culpa nas mulheres quando algo acontece. 'Bem, você não sabia que não devia ter feito isso? Você não sabia que não podia usar aquele vestido? Ou você não sabia que não podia andar naquela rua naquela hora da noite?'
Pois é, em vez de educar meninas para não serem estupradas, que tal educar meninos para não estuprarem?
E que tal se mais homens fossem feministas?

83 comentários:

NãO Me CoMpreeNdA disse...

Eu já ficaria bem contente se cada vez mais mulheres se reconhecessem como feministas.
Começo por mim mesma.
Obrigada, Lola, obrigada!
:D

miss m disse...

aaaaaahhhhhhhhh se todos fossem iguais a você...

Pandora disse...

Talvez o mundo fosse um lugar melhor se educassemos nossos filhos para respeitarem em vez de educar-mos nossas meninas para serem respeitaveis!

Eu já "peguei briga" em vários dos espaços que frequento por dizer que não é questão de ser ou não respeitavel, e sim de que todo ser humano tem que ser respeitado sempre e que o respeito não deve ter haver com o tamanho da minha saia, com a intensidade da maquiagem ou com a quantidade de alcool que consumo ou não!

Adorei a postura desse jogador!

Pandora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pandora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Niemi Hyyrynen disse...

Lola que saudades do seu blog!

Estou lendo os posts deste feriado prolongado e tentando ler todos os comentários! Parece que perdi coisas muito boas.

Esse texto é bem legal tb, eu sou do tipo que é a favor dos homens se reconhecerem e se assumirem feministas, é uma energia a mais para nos dar mais forças na luta pela igualdade!

:)

É HORA disse...

Estou muito feliz por ter conhecido esse blog.
Só fico triste por vivermos essa necessidade de extremismos como machismos e feminismos para que seja possível chegar a igualdade verdadeira.
Espero que um dia dê resultado e consigamos chegar a um consenso claro que respeite os dois lados.
repudio o extremismo em qualquer assunto como minha opinião, mas faz se necessário nesses tempos.
Não serei um feminista como o homem dessa reportagem, mas estou tentado me tornar menos machista a cada dia...

A.H.B. disse...

Lola, procura no youtube o ator britânico Patrick Stewart. Tem um vídeo que ele se identifica como feminista e fala sobre quando ele era criança e presenciou a mãe sofrer violência doméstica.

Acho que existem vários homens que se identificam com assuntos de gênero, inclusive existem autores homens falando sobre teoria feminista, por exemplo, John Stoltenberg - viúvo da feminista radical Andrea Dworkin.

aiaiai disse...

Como eu sou otimista, acho que cada vez teremos mais Dons McPherson no mundo. Eu to tentando criar um aqui!

Bruno S disse...

Um bom exemplo.

Acho que exemplos vindo de meios geralmente machistas e homofóbicos como o esporte devem sempre ter destaque.

Outro dia tinha uma matéria sobre um jogador de futebol da liga americana que tinha saído do armário. Me fez pensar. Com os milhares de jogadores que já acompanhei assistindo dutebol nos útlimos 25 anos, por que tão poucos se assumem homossexuais?

. off- topic. A hora de postagem mudou, lola?

Augusto disse...

Não consigui entender o que ele quis dizer ao mencionar 'homens gays', alguém me explica?

Lobo Mau disse...

Quando é que vocês vão entender que estuprar não tem nada a ver com educação? Aliás, vocês nunca vão entender, porque vocês não sabem o que é ser homem nem nunca saberão.

lola aronovich disse...

Augusto, de maneira geral, existem homens héteros, homens gays, homens bissexuais... A orientação sexual não afeta em nada o sexo biológico da pessoa. Uma mulher não deixa de ser mulher por sentir-se atraída por mulheres. Um homem não deixa de ser homem por sentir atração por homens. O que o Don diz é bem comum: que a masculinidade é uma construção social que existe em oposição a um outro (mulheres, gays). A masculinidade se constroi sempre ditando o que um homem não pode ser, como um homem não pode agir. É isso que é ensinado aos meninos desde que são bebês. E esse conceito de masculinidade está falido e precisa urgentemente ser revisto.


Bruno, o horário das postagens não mudou. É que, por uma série de motivos, eu não tinha (nem tenho!) posts novos programados. E aí quando preciso escrever tudo no dia, atrasa mesmo... Mas espero que agora que o feriado prolongado acabou e eu não possa mais escrever durante o dia nem que quisesse, os horários de postagens voltem ao normal...

LisAnaHD disse...

@ Lobo Mau
Então por que vc não esclarece pra gente? Eestuprar não tem a ver com educação e sim com formação, é isso o que vc quis dizer?

Bem, a formação faz parte da educação (educação = criação = formação). Educação tb pode ser ref. ao ensino, à escolaridade. Mas a formação do caráter de um ser humano não implica necessariamente na educação/escolaridade e sim na educação/formação. Estamos na mesma página?

Bruna disse...

Gente, onde que arruma um desses?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Conheço um número razoável de mulheres que tem ideias feministas, mas não usa a palavra pra se definir e um número pequeno que se fiz feminista, mas homem se dizendo feminista, pessoalmente, nunca conheci. Mas de vez em quando, já escuto alguns homens perto de mim, se posicionando de forma não-machista a respeito de determinados assuntos e isso já me deixa bastante feliz.
Tomara que existam mais desses e que tenham essa coragem de comprar uma bandeira, discutir um assunto no qual eles não sejam os maiores prejudicados.

denise disse...

Como o mundo seria um lugar bem melhor se houvessem mais homens com essa consciência.

denise disse...

Alem de tudo ainda é um gato o cara heimmm.

A.H.B. disse...

Laurinha: Em geral, diria que conheço bastante homens que são feministas. Aliás, todos os homens feministas que conheci pertenciam a algum grupo ou organização de esquerda.
Aliás, também tenho a sorte de que meu parceiro seja um feminista também.

Camila Strongren disse...

Olá, sei que as proporções dos nossos blogs são totalmente diferentes. Até porque eu comecei meu blog em 2009, com 19 anos, muito mais como um diário do que qualquer outra coisa, e só recentemente ele ganhou outro encaminhamento. Mas percebi que é preciso que as pessoas FALE! Um encaminhamento ideológio, uma postura política, só ganham força quando vários vão capazes de se pronunciar a favor disto.

Sou jovem, tenho 22 anos, aluna de Letras pela USP, e escrevo por paixão! Meu blog não tem propagandas, nem milhares da acessos, mas tem a ingenuidade da juventude que se acha capaz de mudar o mundo...

Então, se você pudesse dar uma olhada no meu blog, e talvez colocar um link dele da sua lista... Isso seria legal..

disse...

Lolinha, conheço homens feministas tb..
Nem todos de esquerda são feministas, mas todos feministas que conheço são de esquerda tb..;)
Meu companheiro também se considera e é um feminista (vc o conheceu,o cannibus).

Agora uma coisa que podemos usar ao nosso favor é, já que infelizmente a educação é dada (em casa, nas creches nos anos iniciais) majoritariamente por mulheres, que tal nós começarmos a dar educação feminista para nossos filhos?
É uma das brechas que podemos penetrar...

Bjooo

Dayane Ok. disse...

Eu tenho um imenso orgulho do meu namorado pois ele é muito mais feminista que eu, mesmo que não saiba!
Ele nunca condenou mulheres por suas roupas ou por fazerem sexo casual, nunca, mas NUNCA MESMO falou mal de outra garota com quem namorou e nem expôs suas intimidades pra mim (acho que isso mostra o quanto ele respeita as mulheres!), sempre me repeitou (sobretudo na questão religiosa), nunca me forçou a nadam é extremamente contra agressão doméstica de qualquer forma e nunca usou do fato de ser homem para por desculpa em coisa alguma!
Eu tenho um desses raros homens =)!

Dayane Ok. disse...

Lobo Mau,

Nos eclareça então. Estupro tem haver com o que?

Satoshi disse...

Um homem feminista aqui. Não é tão tão raro assim.

Acho que bastantes homens tem idéias feministas, mas é difícil saber o que é feminismo. É um termo desconhecido pelas pessoas em geral.

Quando eu me digo feminista, a pessoa ou pergunta o que é isso ou entende feminismo como misandria.

LisAnaHD disse...

@ Má
uma vez abordei isso --que os homens machistas foram/são criados por mulheres-- e recebi de troco um bocado de comentário esculachado... de mulheres aqui. Espero que vc obtenha melhor resultado.

LisAnaHD disse...

@ Satoshi
Você é fã de Machado de Assis? Algo da sua redação mo fez crer que sim.

Dayane Ok. disse...

LosAnaHD

Eu tbm levo isso em consideração, de que a educação, em sua maioria, é feita por mulheres e que muitos ideais machistas que aprendi foram com a minha mãe, minha avó, etc. Temos grande parcela de responsabilidade nisso tbm.

EdFurtado disse...

Algumas mulheres falaram em filhos de feministas e garotos criados por mulheres. Bem, isso já é realidade. As gerações de homens dos anos 80 e 90 foram criados por mulheres. Esses caras são retraídos, tem medo de machucar as mulheres(essas criaturas tão "frágeis" e "sensíveis") que nenhuma mulher quer chegar perto desse homem, claramente um "estuprador em potencial" como sua mamãe preocupada sempre deixou claro nas entrelinhas pra ele, desde pequeninho quando ela cuidava para que ele não crescesse e se tornasse um homem mau.
Não sei qual o resultado de uma mulher criada por homens, não conheço nenhuma pra saber se um homem pode ensinar o que é ser uma mulher para uma garota. Me parece presunsoço, arrogante um homem pensar que sabe tanto da feminilidade para criar uma mulher e ensiná-la tudo o que ela precisa saber sobre a complexidade psicológica de uma mulher adulta.
Aguardo ansioso pelo novo conceito de Masculinidade, finalmente os homens serão salvos deles mesmos. Deus as livre de topar com um homem bem resolvido com sua identidade masculina. Bem capaz de não ter do que reclamar quando acessar o blog da lola depois.

nenhum disse...

Como homem, eu sempre me incomodei com a visão de muitas feministas sobre estupro porque sempre senti que estupro não é meramente sobre uma questão de dominação de um gênero sobre outro, mas sim de um instinto baixo e violento.

Mas sei lá. Nada justifica o estupro, claro.

Dayane Ok. disse...

EdFurtado

Eu não sei se o certo seria a ensinar um menino a cm ser homem ou uma menina a cm ser mulher, isso não é muito lógico na minha cabeça.
Tenho uma amiga que foi criada pelo pai, ela e o irmão. E ela é uma mulher adimirável, assim cm o irmão é um homem admirável. Acho que o certo é educar, orientar, independente do gênero e sem ficar colocando na cabeça "coisas de homem e coisa de mulher!". Wuando eu era crinaça , sempre preferi bonecas, ninguém nunca me ensinou, mas tinha muitos primos, então carrinhos, bolas, skates, tudo isso conviveu comigo, sempre tive esses brinquedos.E isso não me ensinou a ser homem.
Se é que entendi o que vc quis dizer.

Dayane Ok. disse...

nenhum

Tbm tem isso. Há pessoas que são doentes, puramente instintivas. Tanto que muitos tarados tem graves transtornos psiquiátrios. E não é muito divulgado, mas há mulheres taradas e pedófilas tbm.
Mas há sim, e muito, o estupro por conta da "dominação de gênero"

Satoshi disse...

@LisAnaHD

Gosto bastante de Machado de Assis, mas faz muitos anos que não leio então acho difícil que minha redação tenha alguma influência dele na atualidade.

LisAnaHD disse...

bem, Satoshi, o uso de bastantes é coisa de MA... rs... além do que MA tinha ideias feministas. Li um trabalho dele cujo autor/a tem mestradou ou doutorado em Literatura Brasileira e cita o feminismo de MA e as respectivas obras (romances). Daí minha pergunta...

LisAnaHD disse...

@Satoshi
eu quis dizer "li um trabalho sobre ele" e não "um trabalho dele"

EdFurtado disse...

Daiane não é no sentido menino tem que brincar de carrinho e menina tem que brincar de boneca. Essa história de definir trabalho de homem e de mulher é machismo.
Masculinidade e Feminilidade estão acima desse tipo de delimitação.

Dayane Ok. disse...

Então me explique, por favor, fiquei interessada.

Jacqueline disse...

Muito bom a iniciativa do Don de fazer essa declaração puplicamnete sem vergonha de qualquer esteriotipo.
Poderia aparecer mais Homens assim. Isso que é Homem com H maisculo. XD

Nina disse...

Adorei, Lola! Bom saber da existência de um homem, de um meio normalmente tão machista, assumidamente feminista. Fiquei bem feliz, mais otimista!

Sobre as pessoas que estão falando que estupro não está relacionado com a forma como somos criados, eu gostaria de lembrá-los que estupro está relacionado ao poder, a dominação. Estupro não é um desejo incontrolável de sexo, estupro tem muito pouca relação com sexo, o sexo é só a forma. O objetivo, o que dá prazer ao estuprador, é ter o controle, mostrar poder, humilhar... Estupro tem tudo a ver com machismo. A educação é importantíssima.

Dayane Ok. disse...

Sim Nina, concordo, só lembrei que tbm há CASOS onde o estuprador é doente!Não que todo estupro seja feito por um doido desses, mas tem casos que sim. Contudo, deve ser 1 em 1.000!

Ramon Melo disse...

Vou na contramão dos colegas leitores dessa vez. Acho muita presunção um homem se dizer feminista. Um homem pode até ser solidário à causa feminista, mas não dá para ser feminista tendo crescido numa sociedade inerentemente machista.

Acabo de chegar a essa conclusão através de uma experiência bem simples: saí para dar uma volta na rua, acabei de chegar (moro no Rio de Janeiro, apesar das favelas ao redor terem sido "pacificadas" semana passada). Minha mãe, preocupada, disse: "Você não tem medo de ser ASSALTADO, andando por aí a essa hora da noite?"

Liguei o computador e li o texto da Lola. Ora, se eu fosse uma mulher, teria sido interpelado da mesma forma? Ou a pergunta seria diferente: "Você não tem medo de ser ESTUPRADA, andando por aí SOZINHA a essa hora da noite?"

O estupro, a violência, a discriminação e a repressão contra a mulher não fazem parte da minha realidade. Eu posso até presenciar uma cena dessas, mas nunca serei o objeto da discriminação. E mesmo que algum dia seja, seria apenas um caso isolado, muito diferente da opressão sexista diária que boa parte das mulheres sofrem.

Então, perdoem-me pela incredulidade, mas essa não é uma causa masculina. Homens não podem ser feministas, a não ser que tenham sido mulheres alguma vez na vida. Até porque nunca vi nenhum homem ser bem recebido em círculos feministas, mas este já é outro assunto.

Às meninas, moças e senhoras, desejo-lhes boa sorte e presto-lhes minha solidariedade na esperança de que ajudem a construir um mundo mais justo. Aos demais, baixem a bola porque esse palco não é de vocês.

Robson Fernando de Souza disse...

E que tal se mais homens fossem feministas? [2]

Pelo menos eu já estou na parada =) Com orgulho de ser um homem feminista.

Satoshi disse...

Ramon Melo, sem querer ofender, mas esse discurso de que só mulheres podem ser "verdadeiramente" feministas é uma idiotice enorme.

Em primeiro lugar pois parte de uma premissa falaciosa. Eu posso ser contra a escravidão sem nunca ter sido escravo assim como posso ser contra a opressão sem nunca tê-la sofrido na pele.
O conhecido e reconhecimento dessa opressão é muito mais importante do que sofrê-la ou não, afinal, existem diversas mulheres machistas que sofrem essa opressão diariamente mas acham que é assim mesmo que tem que ser.

Segundo, quem disse que o homem não é oprimido pelo machismo? O homem é SIM oprimido pelo machismo ao ser obrigado a se encaixar num papel pré-estabelecido. Um comentário meu sobre o assunto pode ser visto aqui: http://blogueirasfeministas.com/2011/10/homem-feminista-ser-ou-nao-ser/comment-page-1/#comment-7288

Claro, você pode argumentar sobre a diferença entre a opressão de um e de outro, mas isso pra mim é pequeneza de espírito ("olha, eu sofro mais que você, blé!").

E tem um terceiro ponto que você ignora: seres humanos são primatas e possuem, em sua carga genética mesmo, as sementes da empatia. Qualquer grande primata é capaz de se condoer com outro ser vivo em sofrimento (não necessariamente físico).

E, por fim, dizer que homens não podem ser feministas me parece sexismo puro e simples mesmo: divisão por sexo idiota e sem base. Esse não é o meu feminismo, que luta por uma visão de igualdade e dignidade para todo e qualquer ser humano independente de ter pinto ou buceta ou os dois.

Se isso aí que você apresentou é feminismo, eu não quero ser feminista.

Liana disse...

Excelente a atitude dele. Eu sou da opinião de que quase tudo referente a esse conceito distorcido de masculinidade que se pratica hoje, só vai ser resolvido entre homens. Mulheres devem espalhar a mensagem, mas tem coisas que não está ao nosso alcance.

Já que um homem machista desconsidera tudo o que uma mulher diz, é de outro homem que ele deve ouvir. Machismo só existe porque há uma conivência entre homens muito grande, até as mulheres machistas dependem desse posicionamento deles.

Quantas mulheres se sentem péssimas consigo mesmas e é só a opinião de um homem que vai ajudar a modificar este quadro, ainda que ela receba apoio feminino? Vivemos num mundo que depende demais da opinião masculina para que algo seja aceito, discutido, considerado, validado. Não dá para ignorar isso.

Dayane Ok. disse...

Ramon,

Eu entendi muito bem o seu ponto de vista, entendi o que vc quis dizer, mas o machismo oprime homens também.
Estava conversando esses dias com meu namorado sobre isso. No machismo, funciona assim: ao homem é dado o poder e a mulher a submissão. Ser "detentor do poder" te faz ter que ser um super! Não pega todas? Viado! Não trabalha? Vagabundo! Não conseguiu se excitar?Broxa!Não reagiu a uma briga?Covarde! Não tem um bom emprego? Fracassado! Foi chifrado?Na certa não dava no co***!Seu filho te bateou? Vc não soube ser autoridade de pai!Vai ter uma guerra?Vc vai lá morrer pelo seu país, querendo ou não, afinal, vc é homem! Um navio tá afundando e salve-se quem puder? Dê seu lugar a mulher!Ta com o braço quebrado, a costela foída, sem conseguir se mexer?É sua obrigação carregar todo o tipo de peso! Sua mãe morreu, sua mulher te traiu, foi demitido sem justa causa? Engole o choro, homem não chora!E a máxima: Não basta ser homem, se vc for um homem homossexual, os machões tem o direito de te bater, te estuprar e te matar, já que vc não é HOMEM!

Entre tantos outras coisas que os homens sofrem, pensando que são privilégios mas que são puro fruto de uma sociedade machista!

O machismo levou meu pai a depressão! Ele não chorava nunca, nunca dmostrava fraqueza, carregava nossa casa nas costas, sempre aguentou falta de dinheiro, patrão folgado, família em pé de guerra, pois ele era o "homem da casa!". Sabe o que isso lhe rendeu? Depressão e síndrome do pânico! Ele não consguia chorar nunca, nem quando sua mãe morreu!

Dayane Ok. disse...

E mesmo em meio as crises, ele tinha vergonha de se mostrar "fraco"! E olha que meu pai não é nenhum machista, é um dos homens mais sensíveis e maáveis que conheço! Mas essa sobrecarga de "homem da casa tem que carregar todo o peso!" acabou com ele!

Dayane Ok. disse...

Machismo só existe porque há uma conivência entre homens muito grande, até as mulheres machistas dependem desse posicionamento deles.

Hmmm, eu não acho que seja bem assim, Liana. Ultimamente tenho visto muito mais mulheres machistas, em seus grupinhos machistas, falando suas coisas machistas do que homens. O fato de eu gostar de ouvir visões masculinas é que pelo menos os meus amigos tem visões menos estereotipadas do mundo. Mas cm disse, esses são os homens com quem convivo.

Dayane Ok. disse...

Quanto a questão de homens feministas, esses dias aconteceu algo engraçado:

Um desses meus amigos homens com quem gosto de conversar tem idéias bem feministas! Não julga mulher por roupa, por liberdade sexual, tem mil amigas lésbicas e amigos gays, é muito mente aberta. Uma vez ele ateh postou um texto chamado "Mulher que é mulher dá pra quem ela quiser!", mas quando em uma conversa eu disse que estava uma "quase feminista", ele me olhou, arregalou os olhos e disse "Ah não, day!Feminismo???Não esperava isso de vc, vc me pareceia tão esclarecida!"

Liana disse...

Dayane,


Você falou em quantidade e a questão não é essa, é ideológica. Homens não precisam da reafirmação machista no dia-a-dia (apesar da maioria fazer sim, vide rafinha bosta e seu público-alvo masculino), a própria referência de masculinidade É machista. Veja o caso desse ator do post, causou estranhamento, pois não se espera isso de um HOMEM, afinal, supõe-se que ser homem é ser machista. Basta viver sua vidinha normalmente. Mulheres reafirmam porque para serem aceitas, elas precisam deixar bem claro que são inferiores (muitas não percebem isto), como numa imensa Síndrome de Estocolmo*. Num mundo permeado pelas sutilezas e pelas violências machistas, se adequar a ele é uma questão de sobrevivência.

Não sei se você já viu aquele documentário "Blue Eyes". Em cerca de duas horas a condutora do experimento conseguiu minar a auto estima, a capacidade de julgamento de pessoas adultas ao criar um ambiente altamente propício a isto. Mulheres são sujeitas a isso a vida toda. Não é uma questão de quantidade, isso não importa realmente, mas sim da moral que move nossa sociedade. E esta moral é machista.


*Leitura SUPER recomendada. Este texto tem umas considerações bem interessantes sobre como as mulheres educadas desde crianças no machismo, agem como vítimas desta síndrome. Convencer um homem a ser machista é fácil, pois isto o beneficia diretamente, dá muito poder. Já convencer mulheres a se adequarem a um mundo onde elas estarão em desvantagem constante, é um proceso muito mais elaborado e pernicioso, é uma verdadeira lavagem cerebral. Nenhuma criança nasce se sentindo inferior por qualquer motivo. Por isso não fico apontando demais essas mulheres, muita coisa dentro delas teve que ser quebrada (como as chinesas e seus pés) para que pudessem vomitar frases machistas como se isto fosse uma verdade absoluta. Complementa com o documentário.

Dayane Ok. disse...

Esse blog Síndrome de Estolcomo gosto muito!Lerei o texto e verei o vídeo!

Eu entendo vc, mas acho que da mesma forma cm se referem as mulheres machistas, deveriam se referir aos homens machistas. Acho meio desigual qdo, eu por exemplo, condeno uma atitude machista de uma mulher e todas as meninas me falam que a culpa não é dela, foram ensinadas desde cedo e tudo o mais, e quando vemos um homem machista (que ocorre o mesmo, nenhuma crinaça nasce se achando superior) logo os colocam cm os grandes vilões, sendo que eles tbm foram ensinados, tbm foram doutrinados ao machismo. Por isso acho que muitas vezes devemos tomar um certo cuidado quando nos referimos a homens machsitas, pois eles tbm foram massacrados de informações preconceituosas desde criança. A diferença é que nós fomos vistas cm inferiors, els cm superiores. Muitos homens agem da forma cm cobram q eles deveriam agir. Uma vez, trabalhando em uma exposição fiquei muito amiga dos seguranças, e notei que eles só mexiam com as mulheres quando outro homem chegava. Eles até olhavam quando estavam sozinhos, mas mexer mesmo, só com os outros. perguntei o pq disso pra um deles e ele respondeu "Lógico!Quer que me tirem de viado!"

Claro que não estou falando de violência doméstica, estupro, essas coisas absurdas.

Eh cm dei o exmplo do cara que na cabeça dele, está cumprindo uma obrigação em ser gentil com uma mulher, carregar peso, essas coisas. E aí derrepente, a mulher fala "Eu consigo, sai de perto!" e o cara fica sem entender nada, já que ele foi criado achando que isso era gentileza, não sabe q tbm é uma faceta do machismo. (digo em relação a homens que abrem portas de carros, pegam o peso, essas coisas).

Dayane Ok. disse...

Não sei se é pq tive refer~encias de homens ótimas ao longo da minha vida, mas não consigo ver essa de homem=machismo=vilão mulher=machismo=vítima. Dos dois lados há vilões e vítimas.

Liana disse...

Dayane, eu entendo o que você disse. Não me referi aos homens como vilões e as mulheres como eternas coitadas. Todos devemos assumir nossa parcela de responsabilidade.

A questão que eu abordei é que não dá para tratar o machismo dos homens da MESMA maneira e com o MESMO peso do machismo das mulheres. Pelo simples fato de que é muito mais fácil uma pessoa ser convencida a fazer algo errado e a exercer um poder injusto osbre outra pessoa, do que convencer alguém a sofrer diretamente esta mesma ação. É totalmente desproporcional. O machismo afeta homens, mas NÃO tanto como afeta as mulheres.

É muito comum que uma mulher releve esta atitude nos homens, mas tenha um rancor enorme de outras mulheres. Isto também é efeito do machismo, como os homens presidiários que em sua maioria recebem visitas das mulheres da família, mas as mulheres presidiárias, raramente. Somos mais solícitas com homens, empatizamos e estamos mais dispostas a perdoá-los. Há um desequilíbrio grande de tratamento.

Quando eu digo isto não é para minar homens. É para expor que estas diferenças existem, é valorizar mulheres e reconhecer quando erram, mas não bater tanto nesta tecla, a sociedade já se encarrega disso. Podemos ficar aqui criticando e criticando mulheres machistas, mas o efeito prático é que são mulheres gastando muito tempo falando mal de outras mulheres, assim como o machismo nos ensinou. É contraproducente. Precisamos de mais pro-atividade, de mais empoderamento, auto estima.

E por machismo é, naturalmente, esta ideologia como um todo, com seus efeitos nas estruturas sociais, e não atitudes específicas ou mesmo as menores.



A propósito, o site com o texto que eu indiquei não é aquele chamado Síndrome de Estocolmo que tem listado aqui na Lola, é outro.

Liana disse...

É como falar em racismo(contra negros) da parte de brancos e de negros, ou falar em homofobia entre heteros e homossexuais, ou o bullying contra quem é considerado gordo, por pessoas magras e por pessoas gordas.

Não tem como dizer que um branco que repete ofensas contra negros (porque afinal ele foi criado assim, mesmo que fique só na piada "inofensiva") deve ser julgado extamente da MESMA maneira que um negro que repete ofensas contra si mesmo e contra outros negros (e que também foi criado sendo depreciado por causa da sua cor). São processos muito diferentes. Individual e socialmente carregam estigmas e consequências diferentes. Mas é muito difícil para a maioria fazer o mesmo raciocínio com o machismo praticado por mulheres e aquele praticado por homens.

Não é jogar ninguém na fogueira, é entender que são modos diversos de manifestação do preconceito e que precisam de um entendimento e tratamento também diversos. Como "tratar os desiguais na medida de suas desigualdades...".

Ukiyou disse...

Sobre "dar" e "comer":
Uma vez vi uma animação pornô japonesa em que os termos usados eram exatamente os opostos do que usamos no Brasil. A mulher "recebia/comia" (em japonês, os verbos comer e receber tem o mesmo radical) e o homem "dava" a ela o que tem dentro dele. Honestamente, faz muito mais sentido.

tommy disse...

Professora, por não poder visualizar meu comentário anterior, estou postando novamente, me passe o 2º trabalho de inglês urgente, por favor, pois a senhora não me enviou da 1ª vez, meu email é: tomazmelo@hotmail.com
Obrigado.

Carol disse...

A mídia e a sociedade em geral se encarregaram de tornar a palavra "feminista" um palavrão sem medida. Quando alguém se diz a favor da igualdade e coloca machismo e feminismo no mesmo saco é porque houve um ensinamento que feminismo=misandria.
Isso é algo muito necessário de derrubar. As pessoas em geral não entendem o que é feminismo e acham que é coisa de mulher maluca, histérica ou (insira aqui sua característica desqualificante favorita).
Homens e mulheres a favor da igualdade de gênero devem sim se declarar feministas com muito orgulho.

André disse...

Ramon,

Deixar o feminismo para as mulheres não seria prejudicial ao feminismo?

aiaiai disse...

Sobre essa história de "culpar" as mulheres pelo machismo, "afinal são elas que criam os homens", isso é tão fora da realidade q nem sei por onde começar.

Eu sou mãe há 13 anos e sei como é difícil criar um menino não machista. Sinto na pele isso desde antes dele nascer. E olha q o pai dele é um feminista. Ou seja, eu ainda tive o privilégio de ter um homem do meu lado, me ajudando, quando na maioria das vezes as mães tem do lado apenas um macho querendo fazer do filho um machinho.

De acordo com as pessoas que estavam em volta, desde a gravidez:
O quarto dele tinha q ser azul;
ele deveria vestir roupas azuis;
ele não devia brincar de boneca (meu pai brigou comigo quando comprei uma minie. Meu filho tinha 2 anos, ganhou um mikey e queria ter a namorada do mikey junto...mas meu pai disse q eu estava criando um homossexual ao dar a minie pro meu filho);
ele não deve aprender a cozinhar ou arrumar as coisas pq isso é assunto de mulher;
ele deve aprender a cantar mulheres na rua, pq é isso q os machos fazem e as mulheres esperam isso deles, se não fizer vai ser considerado gay;
etc...

É tanta coisa...
Bom, eu e o pai dele não seguimos nenhuma dessas "recomendações", mas foi bem difícil. E quando ele começou a compreender melhor as pessoas e as relações em outras famílias, muitas vezes nos questionou. "Po, meus amigos não arrumam o quarto e nem lavam louça. Ninguém sabe cozinhar...por que eu sou diferente?"
Então, queridas, é fácil falar contra as mulheres machistas, difícil é estar na pele delas.

Por falar em pele, lolinha, cadê a crítica sobre o filme do almodovar???

aiaiai disse...

quanto aos homens feministas, maravilha. Quanto mais homem feminista melhor. E serão sempre bem-vindos em todas as discussões.

O que acontece as vezes e deixa essa impressão de que homens feministas não são bem vistos pelas feministas, é o cara chegar e dizer: "eu sou feminista mas acho que mulher tem que...".

Em geral, falam q são feministas, mas na prática reproduzem o machismo. Daí, quando nós apontamos a incoerência, ficam achando q feministas não gostam de homens feministas...hummmm, sei.

Francisca disse...

É horrível ter que viver papéis de gênero pré-determinados, do tipo homem isso e mulher aquilo. Mas, como as pessoas insistem em tentar nos obrigar a viver esses papéis, acho que cada um de nós deveria viver essa questão de uma forma bem pessoal, definindo nos nossos próprios termos como queremos ser mulher ou homem.

Se ser feminista é defender direitos iguais para todos, homens e mulheres, e agir com respeito e igualdade, eu também conheço muitos homens feministas. Tem de várias correntes políticas. Pensando bem, acho que essa questão da igualdade entre todas as pessoas é uma das poucas coisas com a qual todos eles concordam!

Fabrício Onnil disse...

Saviani usou a Teoria da curvatura da vara de Lenin para exemplificar uma ação de evolução na educação.
Essa teoria é muito validada porque acredito que o Feminismo não seja realmente o ponto final para melhorarmos a sociedade. Ele é extremista tanto quanto o Machismo é, porém vem confrontar uma realidade que ainda impera na sociedade. Não se trata de uma questão só de genero, é mais uma questão social. Um homem pode sim ser feminista, dado que é comprovado que existem mulheres machistas.

Francisca disse...

Arnold,

Existe mosca branca, sim. Olha aí o link pra você conhecê-la: http://rinocerontealbino.blogspot.com/2010/05/animais-albinos.html.

Aliás, eu acho que o albinismo existe em todas as espécies. Se informa, fi! Tuas ideias estão todas ultrapassadas.

EdFurtado disse...

Bah, Daiane explicar masculinidade e feminilidade é complexo. Te indicaria o livro do Joseph Campbell O Herói de Mil Faces, comecei a ler, mas não sei se trata de feminilidade. Ele relata os rituais que os meninos passam para se tornar homens(mudança de paradigma). Não leio muito sobre feminilidade, mas livros sobre o Sagrado Feminino trazem bastante informação. O Feminismo de certa forma é uma luta para expressão da Feminilidade da mulher

Aline disse...

Sobre mulheres machistas, tenho um caso pra contar:
Ha alguns anos atras, meus pais moravam no exterior, em missao diplomatica. Por isso, quando estavam para voltar ao Brasil, tinham direito a transportar sua mudanca. Pois bem, minha mae resolveu que queria comprar um fogao vitroceramico (totalmente eletrico,lindo, facil de limpar) e meu pai ficava argumentando que gastaria horrores de energia e que as contas ficariam mais caras no fim do mes. So que a minha mae e tinhosa e fez todos os calculos comparativos gas/energia eletrica para provar que ela tinha razao e que nao haveria aumento significatico, utilizando os dados dos fabricantes.
Um dia, durante um jantar entre colegas, o assunto veio a tona e meu pai falou que eles tinham concordado em comprar o tal fogao, mas que ele achava que gastaria mais. Ela retrucou, toda animada, mostrando sua pesquisa e a "colega", tb esposa de militar em missao diplomatica, responde: ah, mas se ele acha que vai gastar mais energia, ele deve estar certo, pois eles SAO MAIS INTELIGENTES e entedem mais desses assuntos.
Ou seja: para essa fulana o achismo do meu pai vale mais que a opiniao fundamentada da minha mae so porque ele e homem e, por isso, mais inteligente.

Nao preciso dizer que a tal fulana tomou um fora bem grande da minha mae. Que tem sim varias atitudes machistas que eu reprovo, mas que nao leva desaforo pra casa e nao tolera estupidez alheia. Toim!

Desculpe-me pela falta de acentos, meu teclado esta desconfigurado.

yulia disse...

Quando é que vocês vão entender que estuprar não tem nada a ver com educação?
_____
se não tem a ver com educação, tem a ver com o que então?

yulia disse...

Ed furtado, vai ser meio difícil um homem criar uma filha ou filho sozinho.
geralmente ele deixa seus filhos para os avós cuidarem, ou uma outra mulher.
mãe solteira cuidado de seus filhos tem de monte.... agora pai solteiro fazendo o mesmo, nunca vi.

Ramon Melo disse...

Gente, respeitar o direito das mulheres a escolher suas próprias roupas, seus próprios parceiros, suas próprias ocupações, não agredi-las nem assediá-las verbal ou fisicamente e deixar que vivam suas próprias vidas sem serem importunadas NÃO É FEMINISMO!

Correndo o risco de que minha opinião ofenda alguém, nada disso é feminismo, isso é DEVER DE TODO SER HUMANO! Eu não sei em que país vocês vivem, mas no Brasil tudo isso é obrigação, está na lei! Esse é O MÍNIMO que um indivíduo tem que fazer se quiser viver numa sociedade onde metade da população é do sexo feminino!

Se essa for a definição de "feminismo", eu vou ficar realmente desapontado), porque na minha casa isso se chama EDUCAÇÃO!

Dayane

Concordo com você, mas parcialmente. Além do que a Liana já explicou bastante detalhadamente, há outra diferença marcante entre "homem que é homem não chora", onde o sujeito da discriminação é o próprio homem, e "mulher de saia curta é p*ta", que é uma discriminação externa. Os homens machistas são assim porque querem, infelizmente. Eles se enveredaram por uma teia social que lhes exige tal comportamento e são engessados por livre escolha, na maior parte das vezes. O homem tem o direito de escolha, o que costuma ser negado à mulher.

Lamento muito pela sua perda, mas entenda que seu pai não seria menos homem se chorasse, apenas seria percebido desta forma por algumas pessoas, que entraram e permaneceram em contato por escolha dele. Creio que você e sua família teriam não apenas compreendido, como o respeito por ele teria sido ainda maior. Paradoxalmente, se ele tivesse sido "menos macho", teria sido visto como "mais homem".

[Claro que tem a questão do ego masculino também, mas aí já foge do assunto.]

André

Deixar o feminismo para as mulheres não seria prejudicial ao feminismo?

Acredito que não, não existe indivíduo melhor para combater a discriminação do que a própria vítima. Honestamente, os homens têm muito pouco a contribuir com o feminismo, da mesma forma que advogados(as) têm muito pouco a oferecer numa reunião do CREA, por exemplo.

Aos homens só cabe o direito individual de, dada uma quantidade suficiente de informações, concordar ou não, apoiar ou atacar, de acordo com suas próprias convicções.

aiaiai

"O que acontece as vezes e deixa essa impressão de que homens feministas não são bem vistos pelas feministas, é o cara chegar e dizer: "eu sou feminista mas acho que mulher tem que...".

Em geral, falam q são feministas, mas na prática reproduzem o machismo. Daí, quando nós apontamos a incoerência, ficam achando q feministas não gostam de homens feministas...hummmm, sei."


Talvez aconteça com frequência, mas nem sempre é assim. Já ouvi feminista dizer "o que esse macho está fazendo aqui?", e, embora ela provavelmente seja uma exceção, há uma quantidade suficiente deste tipo para tornar o ambiente desagradável.

Tem que se levar em consideração que, dentro de um ambiente de discussão, atritos e conversas alteradas são comuns. É óbvio que, se um homem ousar discordar numa situação dessas, é tentador culpá-lo por ter nascido "macho" e tentar transformar isso num argumento (falacioso).

Porém, não acho que seja um problema grave porque, como já disse, não creio que homens sejam necessários nesses ambientes.

Arnold

Será que a Embrapa é suficientemente confiável para você acreditar nela?
http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Tomate/TomateIndustrial_2ed/Image85.jpg

Aline disse...

Adorei o texto e várias posições dele!

Mas essa frase me pegou...

“Não criamos meninos para serem homens. Criamos meninos para não serem mulheres ou homens gays”.

Se eu bem entendi, precisamos criar meninos para serem homens?

Talvez a questão seja ele estar num discurso no qual questões de gênero dizem respeito a homens e mulheres, mas nem todos os meninos e nem todas as meninas crescem para se tornar respectivamente homens e mulheres. É uma questão que particularmente me incomoda, porque pessoalmente me custou muito cara, afinal eu sou trans ;).

yulia disse...

Eu não sei em que país vocês vivem,
mas no Brasil tudo isso é obrigação, está na lei!
____________
ah sei, eu sei muito bem o país que eu vivo....

o país da letra morta. onde a lei não vale nada.
Vc está confundindo o Brasil com a Suécia.
Lá as leis são respeitadas, aqui não.

quanto a ajuda masculina, jamais será
rejeitada. precisamos mesmo de ajuda.


e o tal lobo mau? não vai explicar o estupro não?

Ju disse...

Gente, de onde o Ramon saiu?

Dayane Ok. disse...

Ramon,

Engraçado que conversando com uma amiga, ela disse exatamente isso: Que ver a mulher cm igual é uma obrigação de td ser humano e não feminismo. mas cm expliquei pra ela, só chegamos a essa concluisão pq o feminismo lutou muito, de mais para que hj o respeito a mulher fosse visto cm uma obrigação e não um favor.
Ah, e meu pai não morreu,rs. Ele ficou muito doente, muito mal e nós o incentivávamos a chorar, a desabafar. Sabíamos que isso, de maneira alguma, o faria menos homem.Hj em dia ele já chora com mais facilidade, aprendeu a delegar tarefas, a entender que ele não tem que carregar o mundo nas costas por ser "pai de família!"

Liana,

Vc sempre me esclarece bastante =)! Eh verdada, as comparações são totalmente diferentes!

Aiaiai,

Desculpe, mas bato na mesma tecla: Acho que mulheres tbm tem uma grande parcela de culpa (sim ,essa é aplavra mesmo) no machismo tbm!O machismo não teria a pot~çencia que tem se não fosse o apoio de ambos os lados!Escrevi sobre isso no meu blog esses dias; A culpa não é sempre das mulheres, mas as mulheres tem culpa de muitas coisas.

Francisca disse...

Dayane Ok,

Acho que o movimento feminista vem no conjunto de toda uma revolução no nosso pensamento político. O discurso político do século XVIII defendia que todas as pessoas são iguais perante a lei e isso trouxe uma série de questões. Se todos são iguais, isso deve incluir as mulheres? Elas não são pessoas?

Então, claramente a situação política de exclusão das mulheres se tornava insustentável dentro dessas novas condições.

Por isso, quando atingimos os direitos das mulheres, estamos atacando diretamente toda a nossa estrutura democrática, que afirma que todo ser humano é uma pessoa e que cada pessoa tem os mesmos direitos que todas as outras!

Dayane Ok. disse...

Obrigada Francisca!

Cm já disse aqui, eu não entendia nada sobre o feminismo antes! Só sabia da minha postura e de ser chamada de feminista várias vezes por ela!Mas essas questões históricas, teóricas, não entendo nada! Sempre que uma menina puder me esclarecer sobre essas coisas, mostrar que estou errada e pq, ficarei muito grata =)!Já que me considero aqui uma aprendiz.

André disse...

Ramon,

Creio que a melhor analogia seria uma reunião do CREA onde se discutiria porque a engenharia civil tem privilégios que são negados aos demais engenheiros. Claro que as decisões não podem ser tomadas unilateralmente pelos privilegiados, mas faz sentido excluir a engenharia civil da discussão? Ainda mais quando parte dela concorda que alguns privilégios devem acabar?

Flasht disse...

Infelizmente na prática o feminismo é pior que um machismo inverso
Pois no machismo tem proteções e privilegio a mulheres
Agora o que o feminismo(Prático) tem para os homens?


Liana
como os homens presidiários que em sua maioria recebem visitas das mulheres da família, mas as mulheres presidiárias, raramente. Somos mais solícitas com homens, empatizamos e estamos mais dispostas a perdoá-los. Há um desequilíbrio grande de tratamento.
>>São solicitas e valorizam os imprestavéis, ao contrario dos homens¬¬

Cristal disse...

Li essa tirinha de meme e lembrei do post:

http://9gag.com/gag/625686

é bem assim q devia ser, né? homens também devem evitar estupros.

Ramon Melo disse...

Arnold

Para quem critica tanto as mulheres, essa sua frescura com cores ganhou um destaque além do normal. Não precisa dar chilique só porque descobriu que existem moscas brancas, elas são assim por vontade de Deus.

Dayane

Peço desculpas pelo engano, é que você usou o verbo no passado e eu interpretei errado.

Pensei um pouco no que você disse a sua amiga, mas, ainda assim, ser feminista é mais do que isso, precisa envolver ativismo. A maior prova disso é que, se a sociedade fosse matriarcal, não haveria feminismo. O provável é que houvesse o contrário, masculinistas abrindo blogs para defender suas ideias.

André

A sua analogia suaviza muito a discrepância entre as classes. Não vivemos numa sociedade que dá "alguns privilégios", vivemos praticamente um apartheid em pleno século XXI, onde mulheres são estupradas, insultadas e espancadas pelo simples fato de viverem suas vidas como desejarem.

Essa é uma situação que só é compreendida por quem é obrigada a repeti-la todos os dias. Quem não passa por isso não tem capacidade de entender.

Flasht

"Agora o que o feminismo(Prático) tem para os homens?"

1 - Fim do dever de pagar todas as contas
2 - Fim do dever de carregar a família nas costas
3 - Fim do dever de ter que fingir que gosta de uma mulher só para obter sexo (chama-se liberação sexual)
4 - Direito a seguir a profissão que quiser sem ninguém achar que você é gay
5 - Direito a receber pensão alimentícia e a reter a guarda dos filhos em caso de divórcio (90% dos julgamentos são em favor da mulher)
6 - Fim do dever de ter que tomar a iniciativa sempre
7 - Fim das cobranças para ser "macho" o tempo todo
8 - Diminuição na carga horária de trabalho (já que a mão-de-obra seria mais abundante)
9 - Provável fim das novelas, programas de fim de tarde e revistas femininas e de dieta
10 - Mulheres gastando menos tempo se arrumando e mais tempo com seus homens

Só vou parar em 10 vantagens porque o espaço é limitado, porque a lista é infinita.

Capitã Amélica disse...

essa postagem foi tipo 'luz no fim do túnel'. deu pra sorrir. :) obrigada!

nenhum disse...

"8 - Diminuição na carga horária de trabalho (já que a mão-de-obra seria mais abundante)"

Não necessariamente. A Lucy Kellaway do Financial Times que levantou de forma provocativa uma vez que todas as mulheres CEOs tinham maridos que sacrificavam suas carreiras em prol da esposa. Ou seja, o que as mulheres costumam fazer hoje.

Esse tipo de arranjo não é ruim para os homens, mas exigiria certos acertos (Para começar, aceitar como marido um tipo de homem que muitas mulheres rejeitam de antemão). Fugir disso é criar uma geração de mulheres bem sucedidas solteironas.

E desnecessário dizer, muitas mulheres gostam de escolher carreiras com menos exigências em prol de coisas como qualidade de vida e família. Sou a favor de que homens possam fazer o mesmo e que mulheres possam escolher os mais altos degraus das carreiras, mas isto não seria tão simples.

Francisca disse...

Ramon Melo,

Acho um pouco precipitado dizer que os homens não podem entender uma situação que eles não vivenciam. Se bem que não vivenciam entre aspas, porque em todos os problemas que você relatou os homens tomam parte ativamente, como agressores.

Entendo o que você falou sobre o ativismo, mas o feminismo é principalmente um movimento para conscientizar homens e mulheres sobre a igualdade entre os gêneros e sobre a discriminação e a violência nas relações entre eles. Então, não é um absurdo envolver os homens nesse movimento, né?

A bandeira maior do feminismo é a igualdade. Ele só é denominado assim, porque nasceu da luta das mulheres para ter direitos, como sujeitos políticos, iguais aos dos homens.

Sim, se a sociedade fosse matriarcal, os masculinistas continuariam os mesmos, ou seja, defendendo direitos só para os homens, mas muitos homens e mulheres continuariam defendendo a igualdade.

Ramon Melo disse...

nenhum

Eu estava falando de um mundo idealizado. No nosso mundo, a carga história da tradição é muito forte, o que torna as coisas muito mais difíceis.

Porém, gostaria de destacar um fato bastante interessante: os homens monopolizavam o uso das armas, que rapidamente se tornaram automáticas (uma 49 automática, por exemplo, é razoavelmente barata nos EUA). Durante a Guerra Fria, nós monopolizamos os computadores, que se tornaram tão poderosos e miniaturizados que chegam a dobrar de capacidade de processamento a cada 2 anos. Os homens também monopolizaram os carros, de um jeito que eles não apenas se popularizaram, como também passarão a se dirigir sozinhos daqui a uns 10 anos.

Como deu para perceber, os trabalhos tradicionalmente executados por homens tornaram-se incrivelmente simples com uma ajudinha da revolução técnico-científica.

Curiosamente, o mesmo não aconteceu com o trabalho doméstico: as máquinas de lavar louças ainda são caras e pouco eficientes, os fogões não são capazes de se desligarem sozinhos e os robôs autolimpantes ainda custam mais de 5000 dólares e precisam ser supervisionados. Isso não é mera coincidência, é falta de inspiração mesmo. Quem não cozinha não queima comida, e quem não queima comida não projeta fogões que se desligam sozinhos.

Por isso que, num mundo ideal, a carga de trabalho seria inferior, porque haveria mais gente trabalhando fora e menos necessidade de trabalho doméstico. Ou seja, mais um flagelo cujo responsável é o sexismo.

Francisca

Já ouviu falar de Teoria dos Jogos? É um campo do conhecimento que envolve probabilidades e cálculos matemáticos que podem ser aplicados a diversas ciências, inclusive ciências sociais. Uma das frases mais marcantes que eu aprendi em Teoria dos Jogos foi: "o lesado sente a perda de forma profunda, mas o agressor não percebe a dimensão da vitória, porque essa era justamente o resultado esperado".

Quem agride, não percebe o tamanho da agressão. Só a vítima sabe o que é ser vítima, ainda mais quando, para o agressor, o ataque é visto como natural. A única maneira de um homem entender como é ser mulher é se ele já tiver sido mulher algum dia.

"Movimento para conscientizar" é ativismo. Eu não sou ativista: não vou a passeatas, não dou palestras sobre o assunto e, na maior parte das vezes, nem ao menos retruco quando alguém próximo a mim age de forma desrespeitosa (no máximo com amigos mais próximos, ou quando o sexismo é muito absurdo e descarado). Se só o que você faz é tratar os outros com o respeito que eles merecem, então você só está sendo educada e não feminista. Quando você começar a exigir ativamente dos outros uma mudança de postura, aí sim você começa a caminhar em direção ao feminismo.

Por exemplo, quando o McPherson diz que os homens devem se importar com os assuntos de gênero, ele não está cobrando nada de ninguém, está só emitindo uma opinião, assim como as candidatas a misses sempre desejam "a paz mundial", mas nada fazem para que ela seja alcançada de fato.

Eu também não acho absurdo envolverem homens, não. Só comentei que é comum homens não serem bem recebidos e que nossa presença é desnecessária, mas, fora isso, não é absurdo nenhum. É mais uma questão de ordem prática mesmo.

Ah, sim: as feministas defendem o direito das mulheres. O direito à igualdade e à dignidade pode até ser benéfico aos homens, mas o sujeito ainda é feminino. Numa sociedade matriarcal, o masculinismo seria legítimo também, assim como o femismo defenderia a tal "ordem natural e divina das coisas".

O masculinismo só é ridículo porque é desnecessário, assim como o Dia da Consciência Branca, o Dia do Orgulho Hetero e iniciativas do tipo. Num outro contexto, porém, todas essas ideias teriam de ser analisadas de uma forma diferente.

Francisca disse...

Ramon Melo,

Nós pensamos diferente. Eu não sou negra, mas posso entender o que é sofrer discriminação por racismo. É uma questão de empatia e sensibilidade.

Como sou branca, eu entendo perfeitamente o que significa agredir os outros por questões de raça e, sem ser ativista, exponho meu repúdio sempre que vejo as pessoas agindo dessa maneira.

Os outros pensam que sou uma ativista da causa afro, porque ajo dessa forma. Considero isso natural, porque o movimento negro defende exatamente a mesma coisa que eu.

O feminismo, pra mim, defende a igualdade entre os gêneros. Porém, cada um entende as coisas da maneira que quer.

nenhum disse...

Por isso que, num mundo ideal, a carga de trabalho seria inferior, porque haveria mais gente trabalhando fora e menos necessidade de trabalho doméstico. Ou seja, mais um flagelo cujo responsável é o sexismo.

Não falei de trabalho doméstico.

Simone S. disse...

Existem pessoas especiais, maravilha!