quarta-feira, 14 de setembro de 2011

A BELA MISS ANGOLA E ESSES CONCURSOS QUE NÃO GOSTO

Como tem bastante gente perguntando o que achei do resultado do Miss Universo, percebi que preciso escrever um post. Não vi o concurso, não tenho vontade de ver o concurso, mas vi que ganhou a Miss Angola, Leila Lopes. Ela é linda, sem dúvida alguma. Concordo com ela quando diz que sua principal arma é o sorriso, e que os racistas deveriam se tratar. Pois é, os racistas (leia alguns comentários mascus que te farão passar mal)... Incrível como tem idiota reclamando que Leila não pode ser bonita, porque, sabe, desde quando negra e de cabelo ruim pode ser atraente? Custo acreditar, mas realmente tem paspalho dizendo que Leila só ganhou por causa do politicamente correto, essa "praga" (pior que a miséria! pior que a guerra! pior que tudo!) que privilegia o multiculturalismo (um excelente exemplo de racismo e misoginia está aqui, nesta entrevista de 2007 no Jô sobre mulheres de Angola — ainda bem que eu não tinha blog na época, senão escreveria um texto que faria o Jô me ameaçar com um processo). Sinceramente, tenho dificuldade pra entender como alguém pode olhar pra Leila sem considerá-la estonteante. A cor dela é fantástica! Quem inventou que branco (que quase nunca é branco, tá mais pra rosa desbotado ou meio amarelo) é mais atraente que negro (que quase nunca é negro, tá mais pra marrom, cor de chocolate)? Parece que Leila não é a primeira Miss Universo negra, mas a quarta. Quatro negras vencedoras em 60 anos de concurso... É pouquinho mesmo.
Mas lógico que não são apenas as negras que não encontram representatividade neste tipo de concurso. Quantas orientais já ganharam o Miss U? Ontem a Pri, uma leitora recente do blog, deixou um comentário (resumido):

Sei que os concursos de beleza se baseiam em algo completamente equivocado, mas não penso que a melhor forma disso é apenas não participar e não querer que participem. Penso que existe uma forma de mudar isso. E começa com mulheres que não "atingiram o padrão” desafiarem e irem em frente, assim como Nancy no post. Mas, pensem comigo, se em vagas para esses concursos, existirem proporcionalmente todos os tipos de mulheres, creio que será o primeiro passo para a sociedade mudar seus conceitos, e enxergar mulheres que antes se escondiam, e que agora provam que beleza é relativa. Penso que, devemos provar como é absurdo apenas um tipo de mulher ganhar concursos de beleza, a chamada mulher perfeita. Isso mudaria completamente a forma como esses concursos são elaborados, e o aspecto físico seria o de menos para se avaliar a candidata. Leva tempo, mas é possível. Com o tempo, a sociedade começa a enxergar como não tem sentido na forma como esses concursos agem. Isso levaria a uma espécie de extinção dos concursos de beleza, já que isso não seria mais motivo para avaliar se uma mulher é mais mulher ou melhor que a outra somente por ser "padrão".

Não vejo como isso acontecer, Pri. As feministas em geral já se renderam à existência desses concursos. Muitas até gostam e assistem. Outras se calam. Hoje são poucas as que criticam — bem diferente dos anos 60, em que um grupo de feministas invadiu as passarelas de um Miss América pra protestar. Pessoalmente, não gosto de concursos de beleza porque eles reforçam a ideia de que mulher nasceu pra ser decorativa (quando há concursos de beleza pra homens, eles nunca têm a mesma repercussão), porque eles martelam na cabeça de meninas que o mais importante na vida de uma mulher é ter um vestido de gala e saber desfilar de maiô, e porque eles padronizam a beleza. Todas as candidatas num Miss U são praticamente iguais. Pode mudar um pouco a cor e o formato dos olhos, mas todas são jovens, altas, muito magras (e muito mais magras hoje que quarenta anos atrás), ultramaquiadas, com pernas quilométricas. Como pouquíssimas mulheres no mundo se encaixam nesse perfil, os concursos de beleza passam a mensagem que só é bonita quem é assim. De repente até existe um Miss Universo para Gordinhas, assim como tem concurso de beleza pra terceira idade e tal. Mas nunca que uma gordinha poderá participar do Miss Universo principal, aquele que realmente conta e que tem cerca de um bilhão de espectadores.
Tampouco acredito nessa ladainha que a simpatia vale mais que a beleza nesses concursos. Pra mim parece papo de quem diz que compra a Playboy pra ler as entrevistas, sabe? Concurso de beleza avalia a beleza. Tá no título. E é uma competição cada vez mais profissional, com treinadores pra absolutamente tudo, e cirurgiões plásticos à disposição (porque precisa! São poucas as mulheres que medem 1,80 m e pesam 55 quilos que têm um tamanho visto como razoável de busto — peitos são feitos de gordura, e se você tem pouquíssima gordura no corpo, vai ter pouco na altura do peito também). Não é à toa que a Venezuela virou uma fábrica de misses. É uma indústria.
Esses concursos também são empreendimentos milionários, muito bem controlados. Não vejo como alguém conseguiria subverter aquilo. Quer dizer, dá pra fazer paródia satirizando concurso de miss, mas nada disso vai mudar os concusos em si, que continuarão sendo iguais aos de 1952, quando o Miss Universo começou (justamente na década em que os direitos das mulheres regrediram nos EUA). A única diferença dos anos 50 pra cá é que as candidatas vão ficando mais magras a cada edição (na foto ao lado, as finalistas obesas de 52 -- repare no tamanho das coxas!). As regras continuam as mesmas, imagino: miss não pode ser casada ou ter filhos. Como o estado civil de uma participante não interfere na sua beleza, o subtexto é que uma miss deve ser “pura”, virginal, e ao mesmo tempo disponível (porque toda mulher solteira é disponível, né?) e inatingível.
Tenho certeza que concursos de miss não serão extintos durante a minha vida. Pelo contrário: devido ao backlash (a reação conservadora), eles parecem estar mais populares hoje que vinte ou trinta anos atrás. Eles já foram considerados bregas, o suprassumo do kitsch. Atualmente estão mais associados a glamour. Por mais que o objetivo desses concursos seja perpetuar um só tipo de beleza, eles também cumprem uma função performática: passam uma perfomance da femininidade. Reforçam na nossa cabeça o jeito como uma mulher deve agir, falar, andar (salto alto e maquiagem sempre, até de maiô!), ficar em pé, balançar a cabeça, sorrir, chorar, aplaudir...
Parabenizo a bela Leila Lopes, mas não gosto de concursos de beleza, nem acho que vão mudar, ou que representam alguma coisa. Como eu já disse, raríssimas mulheres no planeta têm as medidas pra ser miss. Minha esperança é que, mais do que mulheres que não podem ser miss, existam muito mais mulheres que não queiram ser miss, e que preferem ser reconhecidas por outras qualidades que não a aparência física.

112 comentários:

Mariana. disse...

Também não sou a maior entusiasta dos concursos de beleza. Tudo fica ainda mais cômico (para não dizer trágico) com os comentários dos apresentadores e especialistas (?).

De qualquer modo, eu vi o concurso e no momento que bati o olho na Leila Lopes, ela passou a ser minha favorita. E não, não foi só pq eu queria que uma negra ganhasse (gosto de saber que é possível uma negra ganhar, mas não quero que ganhe só p parecer que o concurso é inclusivo, politicamente correto e tals). Eu torci p Leila por que não consegui notar nenhuma candidata mais bela do que ela. Vejam bem: ela não é bonita para uma negra (vi gente falando isso no twitter... "para uma negra, ela realmente é linda"). Não. Ela é linda e ponto. Linda comparando com outras negras e com outras brancas. Linda sem ter feito plásiticas (isso é o que disseram. acho que o rosto dela é natural sim, não tem um nariz com formato esquisito como tantas misses). O fato é que não consigo me lembrar agora de nenhuma mulher mais bonita que ela e fiquei realmente triste com as piadinhas "ela ganhou graças as cotas, só pode". Francamente... :/

K∂riиє* Smith. disse...

E sobre a faixa da brasileira estar escrito "BRAZIL" com Z, em um evento "em casa", você tem alguma opinião sobre?

beijo

Mariana. disse...

mas todos os países estavam escritos em inglês, não estavam? Acho que isso ajuda a facilitar a identificação. O que merece comentário é o fato dos apresentadores falarem inglês. Deviam ser brasileiros; nacionais do país onde ocorre o concurso.
E os artistas brasileiros convidados podiam ter cantado em português também. Ngm merece claudia leite (podia mudar p claudia milk) cantando em inglês.

Fernando Borges disse...

Essa questão de beleza é tão relativa... Sei que é muito clichê dizer isso, mas não deixa de ser verdade.

Não assisto estes concursos, mas o padrão das mulheres que participam nele nem de longe encarnam o que considero de mais belo.

Lola, sabendo que a noção/padrão de beleza se altera de tempos em tempos e que no decorrer das últimas décadas a tendência foi de emagrecimento das "modelos", qual você acha que será o padrão no futuro próximo? Eu sei que você não tem uma bola de cristal, mas talvez já tenha lido algo sobre... rsrs
Bateu a curiosidade.

Shoujofan disse...

Eu tenho orgeriza por concursos de miss, mas não posso negar que nos últimos anos tenho assistido ao Miss Universo. Sei lá, influencia materna tardia... Tenho assistido até desfile de 7 de setembro para prestigiar meus alunos e alunas... Só que a querela racista em torno das misses negras - e eu torcia pela Miss Angola desde que vi as fotos das candidatas e se quiserem tenho o Twitt para provar - me mobilizou a assistir e devo escrever sobre o assunto.

Acho lamentável que a internet dê voz aos racistas. O que li nos últimos dias sobre o concurso e seu resultado reviraram o meu estômago. A última foi essa aqui (http://bit.ly/nCB1uf). Ontem, comentando na sala de aula sobre o resultado e uma piada (Houve um energúmeno no twitter, ou vários sei lá, que disse que a Miss Angola aprendeu português "Só para agradar os brasileiros"), um aluno, que pode ser considerado negro, reclamou do resultado (*Ele torcia pela Miss Canadá*)... Prontamente, e isso me deixou feliz, umas três ou quatro alunas reclamaram "Deixa de ser racista! Ela era linda!".

Enfim, por mais que concurso de Misses seja marmelada (*como a Miss China ficou em QUINTO?!*), eu fiquei feliz com o resultado. Que se promova, ainda que excepcionalmente, uma beleza alternativa, vi a festa de muita gente na net - a maioria estrangeiras - porque uma beldade negra (*belíssima de verdade*) venceu. Foi um reconforto diante da grosseria de meus compatriotas...

Serge Renine disse...

A Miss Angola e, agora, Miss Universo, não é bonita para ter esse último título. É bonita, mas a exigência de beleza de uma Miss Universo é outra.

O politicamente correto a ajudou sim.

Shoujofan disse...

Ah, sim! Acho que misses orientais só venceram duas. Miss Japão em 1959, e, de novo, em 2009. Ano do ba-fa-fá com a brasileira, que era mais bonita mesmo. Aliás, há japonesas belíssimas, mas as últimas misses foram decepcionantes...

Mariana. disse...

nossaaa, achei a miss china linda! acho que ela merecia o terceiro lugar! e acho que perdeu só pq tem quase dois metros de altura (ela se destaca até entre as misses, que são bem altas). Achei ela super elegante. Já a brasieira me decepcionou muito. Claro que não é feia, mas consigo pensar em uma dúzia de candidatas ao miss brasil que mereciam estar lá no lugar dela.

a Miss EUA, na minha opinião, não é bonita também, mas é engraçado como quase sempre ficam entre as dez. Tinha um dos cabelos mais pavorosos que já vi, e olha que eu acho ruivo lindo.

Mariana. disse...

Serge, quais seriam essas exigências?

Bruno S. disse...

Acho que a maioria ou não leu o texto ou entendeu o sentido, por que pra mim a discussão central é a padronização de uma beleza unica e a imposição desse padrão e de tudo que ele acarreta sobre a vida da mulher. Não acho que vale julgar quem era bonita ou não, quem mereceu ou não, a verdade é que um concurso desses nem deveria acontecer.

Tanize Monnerat disse...

Também não sou fã de concurso de misses, mas a (falta de) opção de 4 canais de TV e a preguiça me fizeram ver o concurso (do meio pro fim).
E entendo o bafafá em tonro da Leila.

Ela era absolutamente encantadora!! No momento em que a vi passei a torcer por ela. Nao por ser de Angola, por falar português ou por ser negra.
Mas por ela ser muito natural, sem aquela beleza comprada de muitas misses (Venzuela, Brasil, EUA, etc) e por ser puro carisma.

Ela nao se comportava como as outras, com um sorriso milimetricamente pensado ou com frases feitas. Até o cabelo preso a diferenciava dos cabeloes perfeitamente cacheados.

Ela realmente conquistou quem assistiu e acho que por isso ela ganhou tantos fãs.

Já os preconceituosos, como ela mesma disse: eles é que tem que se tratar.

Isabela Casalotti disse...

Eu também não gosto de concursos de beleza, mas quando vi pipocarem tantos comentários no facebook não pude deixar de conferir.
Ela é linda sim, mas o que mais me incomodou é que ela é uma negra com traços brancos (nariz fininho, lábios finos, olhos pequenos) e era a única que estava de cabelo preso... então não foi exatamente a beleza negra que ganhou, né? Isso me deixou bem inquieta e, pra mim, é a prova de que o padrão estético, além de tudo, é bem branco.

Marcelo disse...

o sistema de cotas nao tira o merito dela. todas sao bonitas mas os concursos sao assim. ja estava agendada uma oriental, depois dela uma africana etc.

estabeleceu que o mais justo seria um rodizio assim como as olimpiadas e a copa do mundo, cada ano num pais.

Mariana. disse...

eu não gosto muito dos concursos de miss, mas também não acho que ele seja culpado de todos os males da humanidade. Nas ultimas décadas, o padrão de beleza tornou-se extremamente excluisivo, claro. Magras, altas, etc. etc. É inatingível para a maioria.

Mas se não fosse esse padrão, seria outro. Ou vocês acham que Marilyn Monroe era comunzinha?

Serge Renine disse...

Mariana:

A exigência é que seja extremamente bonita, não só bonita, ou simpática, ou do pais tal.

Não pode ser bem apessaoda, tem que ser lindissima e a Leila não o é. Ele é quase tão bonita como a Tais Araujo, que é muito bonita, mas, convenhamos, não é nível para Miss Universo.

Em tempo, a MIss Brasil também não era a mais bonita.

Giovana Damaceno disse...

Também não gosto de concursos de beleza, por todos os motivos já ditos. Mas não podemos deixar de destacar a vitória de uma negra no Miss U. Lembro que anos atrás para ser miss só sendo loira e muito alta. Creio que isso pode, sim, evoluir ao ponto de não existirem mais os concursos, pois não haveria mais um padrão X estabelecido.

Tanize Monnerat disse...

Sim Bruno um concurso desses não deveria nem mesmo acontecer, mas acontece e vai acontecer por muito tempo, infelizmente.

Então eu realmente fiquei feliz que pelo menos dentro desse padrão louco e excludente que é o do mundo das misses a miss universo 2011 é ligeiramente diferente: negra, africana, sem cirurgias plásticas óbvias (rinoplastia) e extremamente natural e simples.
Se dentro desse concurso que é o supra sumo do conservadorismo pode ocorrer essas pequenas mudanças e as pessoas terem torcido pela Leila exatamente por isso eu acho que isso é algo positivo.

Mariana. disse...

Serge,

você poderia, por favor, nos dar um exemplo (citar um nome) de uma mulher que atenda a tais exigências?

Gabriela Galvão disse...

Eu ñ parabenizo a Leila Lopes.

Ela nasceu bela, ñ é mérito dela. Se ela faz algum esforço para manter ou aumentar a beleza qe já veio com ela, me parece um exagero qe serve a coisas qe deveriam ser combatidas e ñ reforçadas, creditadas etc.

Beijos, Lola.

Escarlate disse...

Olha, eu assisti o Miss Universo e foi muito engraçado. Foi ridículo de tão absurdo. Muita gente zuou no twitter junto comigo, tudo tão falso e montado. As misses pareciam bonecas de peruca. A Miss Angola foi uma das poucas que parecia um ser humano naquela festcha.

E não foi só eu que achou que o concurso não tinha nada de glamouroso. Não sei como é pra maior parte das pessoas, mas pelo menos para as pessoas que eu conheço, aquele concurso é um saco. É tipo a Revista Nova: você sabe que tá dando audiência pra quem não merece, mas não consegue resistir a bizarrice.

E acho importante uma miss negra ganhar. Eu odeio concursos desse tipo, mas imagine como é ser negra e ver que a sua cor não é bonita, que seu cabelo não é o "certo". É muito complicado. E as manifestações racistas deixam claro que o racismo está latente, e explodindo qdo os negros começam a dividir o espaço com os brancos (ou pelo menos os q acham que são arianos perfeitos).

Bruno S disse...

Era isso que tava passando na mesma hora de Nadal X Djokovic?

Gostar de esportes, me livra de assistir algumas bobagens da TV.

p.s. Agora tem outro Bruno S comentando?

Fernando Borges disse...

O fato de um negro ter traços tipicamente brancos não significa que o mesmo - o negro - tenha feito alguma cirurgia...

Um negro pode ter cabelo liso, lábios finos etc.

Eu, por uma mistura de negão com branca baixinha de olhos verdes, nasci um meio termo... Negro café com leite, altura média, com boca pequena e sardas no rosto.

Nossa, isso agora lembrou aquelas descrições de chat da época da pré-adolescência... rsrs

Pedro @snoopy_xxy disse...

Eu não vi o programa, mas acompanhei toda a movimentação pelo twitter. Só fui saber quem era Leila Lopes depois que ela já tinha vencido. Da rápida olhada que eu dei, realmente era a mais bela e o fato de ver a beleza negra sendo valorizada me deixou puta feliz. Mesmo sendo gay, já me rendi a beleza de algumas meninas negras na adolescência XDDD.
Acho esse tipo de programa uma bobagem, mas admito que acho uma pena não passar na TV aberta um concurso desse com homens XD Apesar que ía ser tanto cara depiladinho e um idêntico ao outro que nem sei se seria assim tão prazeroso assim...

Mariana. disse...

Enquanto aguardo a lista do Serge, quero comentar o que a Gabriela Galvão disse sobre não parabenizar uma pessoa por algo que ela não se esforçou para ter/ser.

Acho isso muito relativo. As pessoas costumam limitar essa "não exaltação" ao quesito beleza. Também acho que não seja o caso de criar um altar para uma pessoa só pq ela é bonita, mas não vejo mal em elogiar ou premiar. Certamente essas misses, apesar de nascerem bonitas, fizeram algo mais para estar lá. Talvez pudessem ter convergido seus esforços para outra coisa, mas decidiram investir na beleza.

Ora, nós (pelo menos eu) fico extasiada com uma jogada espetacular do neymar, e, definitivamente, o que ele faz em campo não pode ser aprendido.


As pessoas nascem com certos talentos. Alguns desse talentos são mais desejados pela sociedade/mídia (beleza, futebol). mas todos, sem excessão, são lapidados.

Gênios de 13 anos nasceram com uma inteligencia acima da média (e aqui uma observação ao fato de serem considerados genios as pessoas boas em exatas). Todo mundo pode melhorar em matemática, mas não se aprende a ser um gênio. No entanto, não vi ninguém reclamando da valorização de cientistas fodásticos (que sim, como as misses e os jogadores, lapidaram seus talentos naturais).

Talvez os gênios possam nos trazer algo últil (é um argumento), mas também precisamos de entretenimento (mesmo que nosso conceito de "divertido" seja divergente).

K∂riиє* Smith. disse...

Mariana- Sim, todos os países estavam escritos em inglês o que pra mim é lamentável, mas tudo bem, vai lá, agora escrever BRASIL com Z no nosso próprio país é uma palhaçada!
Moro na Irlanda e nem meu marido sabia que Brasil se escreve com S.
A gente sempre pagando pau para o inglês...
E a tal da Claudia leite cantando em inglês também? é muita babação de ovo....

Já estou até vendo na copa a sinalização toda em inglês nas ruas...hahaha

ntwrdprss disse...

Leila Lopes era aquela maluca que era atriz da globo fez um filme pornô e se matou.
Isso é muito importante.

Fernando Borges disse...

Mariana

Tudo que estudo me afasta dessa noção de talento natural/genético...

Gênios existem, é claro, mas acredito que eles sejam mais um produto alternativo do meio do que qualquer outra coisa.

Amana disse...

Infelizmente, apesar de a Miss Angola MERECER PLENAMENTE, acredito que ela tenha ganhado apenas por causa do politicamente correto, sim. Seria o mesmo se uma oriental tivesse ganhado. Parece uma espécie de cotas, sei lá, que diz... "Olha, faz tempo que uma negra/oriental não ganha, achamos que já está na hora!"

É triste, é frustrante, é decepcionante, mas é real.

Acredito que a escolha da Miss Austrália como uma das finalistas é a prova cabal disso porque eu nunca vi uma mulher mais Barbie do que a Miss Austrália em toda a minha vida!

Mariana. disse...

Fernando, sei não hein?

Quer dizer, a Elis Regina já nasceu com uma voz bonita. Treinou um cadinho mais p aperfeiçoar.

Eu posso fazer tantas aulas de canto que quiser, nunca vou ter uma voz bonita como a dela.

E por mais que eu treine, não vou fazer jogadas em um campo de futebol como o Neymar.

Acho que tudo pode ser aprendido, sim, e aperfeiçoado. Mas a excelência do Pelé e a genialidade de Picasso não é coisa que a gente aprende na aula não.

Pri disse...

Lola, obrigada por citar meu comentário, concordo com teu post, e tenho noção da impossibilidade de que o que falei aconteça, existem mts motivos para isso mesmo.

APESAR DE NÃO SEGUIREM,não é a beleza o quesito que os jurados devem analisar:

"Os jurados precisam eleger candidatas que realmente tenha a capacidade de difundir a mensagem que o evento quer passar, que é de buscar a paz e a tolerância."

óbvio que apesar de ser esse o objetivo, poucas vezes talvez tenha sido levado a sério... não é questão de "cota racial", mas sim de praticar o que deveria ser pregado pelo evento, não somente um show de futilidade, não é pq são lindas que não precisam ser seres desprovidos de personalidade e inteligência.

nas únicas duas vezes que japonesas ganharam também foi muito polêmico.

são mais de 80 mulheres de muitas etnias, cada um tem sua prefêrencia... além de ser IMPOSSÍVEL DEFINIR A MAIS BELA, já que são de várias etnias, é como uma pessoa que ama lasanha discutir com uma que só gosta de sopa, o que torna um melhor do que o outro? NADA! e ainda tem aqueles que suas preferencias sequer estão na disputa (mulheres fora do "padrão de beleza").

lógico que cada um tem o direito de gostar de branca, negra, ruiva, oriental, magra, gorda, gostosona, alta, baixa...

não achar atraente não precisa significar racismo, mas infelizmente é assim que muitas pessoas que não acham a Leila Lopes linda agem, com ÓDIO mesmo.

gosto é gosto, e tds mulheres que chegam ali são consideradas lindas em seu país, na sua cultura, parece que grande parte do mundo quer que países afro coloquem candidatas branquelas, ou que países orientais coloquem americanas como candidatas, tudo pelo titulo!

muitas mulheres brancas já levaram o primeiro lugar mesmo sendo as outras colocadas ainda mais bonitas, nem por isso foi considerado cota ou pena.

Leila Lopes está quebrando paradigmas, como várias que entram nesse concurso dando a cara a tapa, já sabendo as ofensas que vão sofrer caso ganhem, ou caso percam.

e penso que as mulheres devem continuar criticando e desafiando sim, principalmente as quem tem mais voz, não poder ser casada? ter filhos?
o que é isso? uma forma de falar que casadas devem se dedicar somente ao seu homem? que mães que trabalham fora não estão corretas?
gostaria de ver a explicação dos organizadores desse evento perante o mundo inteiro sobre isso, é errado um marido apoiar sua mulher e não fazer nada mais do que sua obrigação educar seus filhos, mesmo que sua mulher esteja em outros compromissos? é errado ter babás e escolas de educação infantil? é errado ser mãe solteira? o mundo não pode considerar a mais bela do universo uma mulher normal, que vive a realidade do período histórico em que vivemos?

que venham mais como Leila Lopes, é o primeiro passo!

Escarlate disse...

muitas mulheres brancas já levaram o primeiro lugar mesmo sendo as outras colocadas ainda mais bonitas, nem por isso foi considerado cota ou pena. [2]

Eu achei a venezuelana muito mais linda do que a de Porto Rico (que se aproximavam em questão de físico, cabelo, etc) e não vou ficar "ai mas isso é marmelada e...". Se foi armado pra Miss Angola ganhar por causa do multiculturalismo, isso nem me interessa, ela era tão linda quanto as outras. Se fosse branca ( e nem tão linda qto outras) ninguém ia se incomodar.

Rê_Ayla disse...

zzzzzzzzzz..... paciência ZERO com concursos de beleza. E abaixo de zero pra esse padrão anoréxico (vou comer uma pizza no almoço em homenagem à magreza)

Blanca disse...

Nunca assisti um Miss Universo inteiro. Tenho uma tia muito próxima que até aos "shows" vai, é super amiga da ex miss Brasil, enfim. Tá por dentro de tudo. Acho que é amiga até dos jurados importantes lá. Cruz credo...


Não sei como feministas podem gostar dum concurso desses! Tinha feminista na minha timeline do twitter assistindo e comentando. De boa, gente, como pode?

Niemi Hyyrynen disse...

Achei muito bacana a Leila ter ganhado, isso quem sabe não seja um start para algumas pessoas se tocarem que beleza existe independente da etnia?

Ela pode incentivar tb a uma nova geração de modelos negras, acho importante termos essas mulheres como simbolo de beleza sim.

Tudo bem que nós não deveriamos ser julgadas só pela aparencia mas pelo menos saber que essa beleza pode ser muito mais multicultural já é um avanço...

Sobre o fato do Brasil ser escrito com Z...ou com S, que mal tem? É um evento internacional! Não vejo nenhuma pessoa de outro país reclamando disso...

PS: Aguardando a lista do Serge tb.

Escarlate disse...

"Não sei como feministas podem gostar dum concurso desses! Tinha feminista na minha timeline do twitter assistindo e comentando. De boa, gente, como pode?"

Bom, eu assisti e comentei. Novelas tb mostram um monte de preconceitos, mas muita gente assiste. É engraçado assistir, é tudo muito irreal. Acho que o problema não é assistir, mas sim acreditar que aquele padrão de beleza é real e q somos meros objetos decorativos. Televisão tá cheio de porcaria, e isso não vai sumir do nada. O importante é as pessoas terem senso crítico suficiente de separar o real do irreal, o que existe e o que é montado para atender a um padrão de consumo.

Ginger disse...

"Não sei como feministas podem gostar dum concurso desses! Tinha feminista na minha timeline do twitter assistindo e comentando. De boa, gente, como pode?"


Bom, não sou catolica mas fiquei sabendo dos detalhes da escolha do novo Papa....

Não gosto de concurso de miss mas fiquei sabendo da escolha de uma negra...

Não acredito em apocalipse mas mesmo muito, muito nova fiquei sabendo do "bug do milenio" e das consequencias terriveis que viriam..

Há fatos que não tem como nós escaparmos de saber da sua existencia..gostando ou não

Blanca disse...

+1 nas palavras do Bruno S. Perfeito.

Blanca disse...

Ginger: Fiquei sabendo de várias coisas, pelo twitter, por jornais, pela família, amigos. Mas não me esforço pra acompanhar, entende?

E não consigo entender como feministas não tem certo nojinho de concursos assim... É muita imposição, a mulher é puro objeto.

Liana disse...

muitas mulheres brancas já levaram o primeiro lugar mesmo sendo as outras colocadas ainda mais bonitas, nem por isso foi considerado cota ou pena. [3]

Brancas entre brancas ninguém fala nada sobre merecimento mas quando é brancas entre "qualquer outra etnia" a discussão toma um rumo "interessante". Como se outras etnias estivessem sempre a dever algo.

Não vejo concursos, nem sabia que aconteceu aqui no BraZil Zil Zil. I see no problem.. ops sorry.. Não vejo problema em elogiar alguém que eu considerei bonita mas não gosto nem um pouco desses concursos pois reforçam a idéia de que o melhor que uma mulher pode fazer é se esforçar para agradar os olhos alheios. As motivações ali são todas erradas mas enfim, não me orgulho de tudo que assisto na tv :)

O concurso deveria se chamar: O Enfeite Mais Bonito Da Terra De Acordo Com O Padrão Do Homem Branco Heterossexual, porque sei lá... "Miss Universo" é meio genérico. XD

Serge Renine disse...

Mariana:

A baiana Martha Rocha; a gaúcha Ieda Maria Vargas Miss Universo em 1963, e a baiana Marta Vasconcelos, Miss Universo em 1968 pra citar só as brasileiras.

Essas tres abaixo tem os quesitos: a Martha Rocha não foi Miss Universo injustamente, porem era tão linda, qua ainfa hoje, já idade avançada, ainda é bonita.

Eu fico cismado quando os conchavos do "você já ganhou agora é a minha vez", superam os méritos. Isso é muito perigoso.

Fernando Borges disse...

Marina, não me referia a aprender a ser gênio numa sala de aula. Estava falando da questão do talento nato.

Uma pessoa pode até nascer com uma voz linda, mas até onde eu sei isso não é talento, mas sim apenas uma característica.

Minha intenção era dizer que jogar futebol bem, tocar bem ou cantar bem não é algo "natural" ou algo genético. Não acredito que a pessoa já possa nascer com isso. É cultural.

Blanca disse...

Tô rindo da discussão Brasil com Z. xD

Ô, gente. Se fosse na Rússia e estivesse escrito Rússia em russo, vocês não iam achar muito legal.

Mariana. disse...

É uma caracteristica sim, Fernando. Mas como tal característica (voz bonita) é louvada pela sociedade, não vejo problema em chamar de talento.

E definitivamente não é algo cultural. Quer dize: você acha que gênios ou são americanos, ou judeus ou indianos? E que jogadores de futebol talentosos costumam florescer no brasil?

Eu acho que não. É que aqui existem gente de olho nesse tipo de talento, enquanto entre os indianos o talento matemático é mais valorizado.

E quanto a acreditar que a pessoa nasça com uma aptidão, é questão de observar. Se eu fosse criada do mesmo modo que o Neymar (treinando pesado desde os 7 anos de idade), eu poderia aprender a chutar um bola, fazer umas embaixadinhas, mas jamais faria jogadas espetaculares ou dribles que deixariam zagueiros desconcertados. Entende a diferença?

Mariana. disse...

Serge,

coicidência que as duas que, segundo você, atendem as exigências de aparência adequada para uma miss sejam brancas, de olhos claros né?

e a negra não ser bonita o bastante.

Obrigada por provar a minha suspeita de que voce naõ acha leila lopes digna do título por ela ser negra.

Yohanna Cordeiro disse...

Tenho 19 anos, não sou gorda mas sou flácida. Tenho celulite, estrias e não uso maquiagem ou salto alto no dia-a-dia. Não tenho a mínima vontade de malhar e ficar 'comestível'. Assim como a Leila, estou em paz comigo mesma embora eu saiba que não seja nenhuma gatinha na balada. Às vezes me dá vontade de me inscrever num concurso desses e ver o que eles tem a falar. Não posso ser como sou naturalmente então ao invés de avaliar mulheres, que avaliem e se relacionem com bonecas.

Serge Renine disse...

Não Mariana, existem negras lindíssimas, mas a Leila Lopes não é.

Essa sua insistente tentiva em me implicar, por conta da minha opinião, em um contexto racísta é muito desagradável e desnecessário.

Como se diz: "gosto cada um tem um", porem, todos sabem o que é bom.

Niemi Hyyrynen disse...

Acredito em dom, há pessoas que tem um talento muito acima da média para determinadas coisas, e não tem como nós chegarmos ao mesmo nivel mesmo com muito treino.

Porém há pessoas que nascem com dons e não o estimulam, perdendo isso.

Não acredito que "dom" seja algo cultural, o que é cultural pra mim é o que pode ser considerado importante saber fazer, há vários tipos de dons, mas somente alguns são valorizados, geralmente de principios objetivos ou artisticos.

Agora, beleza? Não tem como ser um dom, ela herdou dos seus parentes e o que a pessoa faz de importante com a beleza dela?

Participa de concurso de miss?...puxa

aiaiai disse...

Eu tenho vergonha da humanidade qd fico sabendo q isso ainda existe...achei q ia acabar lá no começo dos anos 80 quando todo mundo já achava isso a coisa mais esquisita do mundo. Mas bom, é o efeito do backlash, né?
pra mim é como bbb, não assisto, me recuso a debater, tenho vergonha alheia.
ñ entra na minha cabeça dura q uma pessoa possa ficar orgulhosa por ser considerada bonita. Lamentável!

Juju disse...

Lola e pessoal,

Não entendo ao certo como é um grande avanço ter uma miss negra. A Leila Lopes é linda, mas ela continua correspondendo ao padrão estético dominante. Ela é alta, magra e de traços finos...Talvez o cabelo não seja liso e por isso estava preso (adorei o cabelo preso)mas ela atende lindamente as exigências deste padrão.
Felizmente, ela não parece ter feito plásticas como 90% das candidatas incluindo a Brasil que mudou o nariz, colocou peito e fez uma lipoescultura....Num concurso em que todas as mulheres tem exatamente a mesma cara, mesmo biotipo: magrinha, peituda com um cabelo cafona e armado, sorriso colgate e respostas idiotas para perguntas mais idiotas ainda, eu realmente prefiro a leila lopes que ainda disse que não mudaria nada em si...hahahaha Pelo menos ela era sincera.

Mariana. disse...

ok, serge.

O seu conceito de beleza não é influenciado pelo que a mídia considera bonito.

ok,ok.

E o fato de você comparar a leila lopes justo com a tais araújo, que também é negra, não diz nada. até parece que uma negra só pode ser comparada a outra. e devia ter concurso para negras. por que não comparar leila lopes à mariana ximenes? uma não deve nada a outra.

claro que é uma questão de gosto e o fato de você não achar determinada negra bonita não significa que você seja racista. eu, pessoalmente, acho que a leila mereceu muito o título, não teve nada de politicamente correto, ela é perfeita.

o fato é que diz muito sobre a imposição de padrões você justamente achar merecedora do miss universo apenas mulheres brancas.

Mariana. disse...

Niemi,

concordo totalmente com você. mas não julgo as garotas que decidem participar de um concurso de beleza.

quer dizer, elas provavelmente cresceram ouvindo que eram lindas. talvez não tenham sido incentivadas a seguir uma carreira "normal" (são, claro, estudadas. mas não ganharão a vida assim).

Além do mais, elas ganham dinheiro com isso.

Niemi Hyyrynen disse...

Então Mariana

Eu tb não julgo as meninas que participam destes concursos, se o feminismo prega a liberdade de escolha, não vejo sentido em criticar a pessoa que quer participar deste concurso sendo uma feminista.

Agora, criticar a razão do concurso em si, dai acho válido. Criticar a sociedade que usa destes concursos para impor um padrão, ok. Criticar a pessoa que quer participar, não.

Sim elas ganham dinheiro com isso, mesmo pq de amor e de elogio ninguem sobrevive né?

Roxy Carmichael disse...

serge você pode rapidamente mudar a imagem que não só a mariana fez de você, como eu também (e acredito que mais gente), claro se você quiser, o que seria bastante interessante, não porque você deva provar alguma coisa para alguém, mas poque iria tornar mais claro o seu ponto de vista, basta que você faça uma lista de mulheres negras que mereciam o título de miss universo. quanto ao "gosto, cada um com o seu, mas todo mundo sabe o que é bom" me parece que a segunda frase anula a primeira, não?
só posso dizer que se você não achou a leila lopes estonteante isso depende do seu padrão de beleza do que é uma beleza estonteante (que ao parecer não está de acordo com o juri do concurso e nem das inúmeras pessoas que se impressionaram com a beleza da moça).

Rebecca disse...

A Leila Lopes é linda sim!

Na minha humilde opinião, sendo cota ou não, acho extremamente importante a beleza negra ser valorizada publicamente. Se foi por cota, é realmente uma pena, mas a visibilidade da consagração da beleza negra ainda é válida.

Roxy Carmichael disse...

e sim não há como negar que mariana tem razão quanto a sua comparação com thaís araújo. é aquela coisa, aos olhos de uma pessoa racista, todos os negros são iguais. idéia essa que dialoga com: "para uma negra, ela era bonita".

Fernando Borges disse...

Mariana

Gênios existem em todo canto do mundo, não apenas nos EUA e na Índia rs

Repito que não acredito em talento nato. Você realmente acha que existe algo na biologia do Bach, do Pelé ou do Stephen Hawking que os tornem excelentes nas suas respectivas áreas? Acredito que não.

É muito comum vermos determinadas coisas como "naturais", mas o que a própria antropologia percebeu faz tempo é que essa noção de natural acerca da maioria das coisas não passa de algo construído pela sociedade.

E talvez se você fosse criada da mesma forma que o Neymar talvez você jogasse tão bem quanto ele, mas não é essa a questão. Não se trata apenas de criação e de treinamento, mas é algo mais complexo que envolve uma mistura maior de fatores sociais.

Dois jogadores podem receber exatamente o mesmo treinamento e, no entanto, jogarem de formas totalmente diferentes. Por mais que saia do senso comum, repito, talento (no sentido de nascer com habilidade ou propensão direta para desenvolvê-la) não existe.

Recentemente escrevi um texto que fala sobre essa questão do que é ou não natural, só que no âmbito do comportamento feminino e masculino. Talvez lendo você entenda o que quero dizer:

Comportamento Feminino X Masculino

Ou talvez você tenha entendido perfeitamente o que quero dizer e ainda assim não tenha concordado, o que também é válido rsrs

Ainda sobre essa questão do natural, tem esse outro texto sobre o Incesto:
Incesto: Natural?

Mariana. disse...

só para esclarecer, fernando:

eu não acho que existam comportamentos predeterminados geneticamente. meninas não gostam de brincar de boneca pq são meninas, mas sim pelo fator cultural.

mas eu não falava de comportamento, e sim de dom, de talento que algumas pessoas parecem já nascer e que não podem ser aprendidos com excelência.

Fernando Borges disse...

Mariana

"Dom" e "Talento" também é comportamento.

E assim como os demais comportamentos, possui suas raízes no Social.

Fernando Borges disse...

E quando digo "dom" e "talento" entendo apenas como algo que se faz muito bem e talvez até de forma singular.

Mariana. disse...

ainda acho que estamos falando de coisas diferentes no que diz respeito a talento e comportamento.

de qualquer modo, o que eu entendo por talento notável (pelé, picasso, frank sinatra) não é aprendível.

minha voz é horrível e pode melhorar com aulas de canto. mas não vou ter a voz da elis.

acho que você já entendeu isso e sinceramente, é só observar a realidadade é ver que é verdade.

Mariana. disse...

já o comportamento (eu agir do modo como esperaram que uma mulher aja, fazendo unha, usando salto) é completamente condicionado e ensinado.

Niemi Hyyrynen disse...

A unica coisa que me preocupa nesse papo de "dom" ou de "pré-disposição" é a predileção por parte de algumas pessoas em detrimento da condição de outras, para atuar e ter a chance de competir de igual para igual...

Fernando Borges disse...

Não enxergo ter uma linda voz como talento.
E, em momento algum disse que grandes talentos sejam "aprendíveis", mas sim que não são naturais no sentido de nascer com eles. Foram desenvolvidos, seja numa escola ou na vida. Mas não nato/biológico.

E a observação e estudos sobre o assunto apontam para a inexistência de habilidades "natas" no mundo social.

Para deixar de forma mais clara, vou colocar de outra forma: é tudo desenvolvido e não necessariamente aprendido. Mas se o Neymar (imagino que você esteja se referindo ao jogador de futebol) tivesse nascido do outro lado do mundo, ele com certeza seria outra pessoa e mesmo que jogasse futebol, com certeza jogaria de outra forma, não necessariamente boa.

Pode ser puro treino como também pode ser uma mistura de diversos fatores ou as duas coisas.

Tem gente que diz que o simples fato de olhar para uma árvore é mais do que prova suficiente para provar a existência de deus, mas convenhamos que esse não é um argumento muito bom... rsrs

Temos que sair do senso comum e tentar ver as coisas além do que elas aparentam ser.

Mariana. disse...

mas fernando, vc está afirmando o que eu já disse.

eu acho sim que o neymar nasceu com uma predisposição maior a jogar futebol, mas concordo que se ele tivesse nascido em um país que não tem esse esperte como paixão nacional, ele provavelmente não desevolveria tais habilidades.

é uma mistura de "dom" e treino. não adianta só ter dom, e não adianta só treinar.

Mariana. disse...

quanto a voce enxergar ou não uma linda voz como sendo talento, é uma questão de opinião. claro que eu não vou gostar de alguém só pq tem uma voz legal, enfim...

Fernando Borges disse...

Mariana

Antes você não tinha deixado isso claro.

Bom, não existe nada que indique que as pessoas já possam nascer com predisposição para desenvolver uma habilidade ou outra, como ocorre com doenças. Bom, é uma linha de pensamento... Mas vejo como senso comum.

Mariana. disse...

fernando,

que bom que agora ficou claro.

quanto a ser senso comum, é só você observar. você pode me convencer do contrário, se quiser (não precisa), mostrando que é capas de cantar como o frank sinatra ou jogando feito o pelé.

João disse...

Achei interessante a discussão (troca de ideias) entre o Fernando e a Mariana. E lamento que ele ache que dom é algo que depende do social. Que coisa incrível! (E ele diz que escreve textos!) Então como é que alguém que nasce e cresce rodeado de pobreza pode ser bom em alguma coisa (vide jogadores de futebol, maioria)?

Claro que não li nem vou ler os textos que ele sugere. Quem diz que dom e talento dependem de onde a pessoa vive não merece ter texto seu lido. Será que ele já ouviu falar de crianças de 6 anos que tocam instrumentos musicais com perfeição sem nunca terem estudado música? Como se chama isso senão dom? Lembrando que dom é aptidão inata para fazer algo, sinônimo de talento.

Niemi Hyyrynen disse...

João me fez lembrar de Mozart.

Ele com 5 anos ja fazia suas proprias composições.(e que composições!)

Se isso não é dom então eu não sei o que seria.

mperri disse...

Eu acho concurso de miss um horror... pessoas se submetendo ao escrutínio público com base, apenas, na sua aparência. E não é só os concursos de Miss que me entristecem, mas também os concursos de beleza masculina... qualquer concurso onde a escolha é feita com base, unica e exclusivamente, nas características físicas das pessoas... assim eu escolho a peça de picanha do churrasco, e não pessoas... enfim...
Colocado isso, confesso que pela primeira vez desde minha infância, assisti a um programa de Miss Universo. E, confesso que não me arrependi. Vi um monte de barbies desfilando sua barbiisse. Vi um monte de mulheres muito bonitas disfarçando seus traços étnicos mais belos, com maquiagem e chapinhas, alisamentos, e afins... tudo para chegar num ideal estético padronizado que, vamos combinar, BLERGH!
E vi uma belíssima mulata, simples e sem grandes pretensões, vencer o concurso com base nos seus belos traços étnicos que foram destacados (com aquele cabelo preso que deixava cada um dos lindos traços da moça à mostra), com base num sorriso simples e discreto, com base numa resposta tão simplesmente simples para uma pergunta tão cretina...
Tiro meu chapéu para a Leila Lopes... ela mereceu o prêmio!

L. Archilla disse...

Meus pitacos:

- Vi um pedaço do MU por acaso. Não é um programa imperdível pra mim, tampouco proibido. Vejo muita coisa na TV q vai contra os meus princípios (tipo Law & Order, que é uma ode à pena de morte e, muitas vezes, à truculência policial), mas, não tomando aquilo como verdade absoluta, não vejo problema.

- A organização do concurso é norte-americana. O país que sedia muda todo ano, mas seria complicado traduzir SÓ o nome do país na língua local, né? Pior ainda traduzir tudo... imagina ler os países em mandarim!

- Serge, porque VOCÊ não achou a Leila Lopes bonita não significa q seja marmelada ou "politicamente correto". Não sentir atração/achar bonito mulheres negras não te faz racista, mas supôr que ninguém mais possa achar, na melhor das hipóteses, te faz egocêntrico.

- Felizmente, acho q estou bem relacionada, pq até então só tinha ouvido elogios à Leila. Acho que, além de racismo, é difícil pras pessoas aceitarem que a que ELAS acharam mais bonita não ganhou. Aí inventam teorias conspiratórias. Politicamente correto, influência econômica do país, protecionismo político, etc. Não duvido que existam cartas marcadas, nem posso (e ninguém de fora da organização pode) afirmar com certeza. A beleza é o principal, mas num concurso de Miss tb conta desenvoltura, elegância, simpatia (notaram como a brasileira foi "dura" na resposta à pergunta dos jurados?). Às vezes aquela miss q a gente achou super injustiçada andava meio torto ou não falava tão bem e a gente não reparou; ou então os jurados tinham outro gosto mesmo, ué. Ou a vencedora foi apadrinhada e a gente nunca vai saber. Ficar com teoriazinha de conspiração é que é muito chato e parece coisa de mau perdedor.

- Por último, o preconceito racial foi amenizado nessa edição, mas o religioso gritou. Perguntaram a uma miss: "vc mudaria de religião p/ se casar?" e ela respondeu: "não, porque se um homem me ama ele deve amar em primeiro lugar o MEU Deus (falou com convicção o MEU) Eu jamais renegaria o MEU Deus por amor a um homem". E a plateia aplaudiu convictamente, subentendendo que toda religião que não fosse a dela (a qual ela nem sequer declarou) seria, sei lá, satanista. Mas isso já é papo pra outro post, né?

Fernando Borges disse...

João

Exatamente por não ter lido nada que escrevi você não entendeu nem uma única palavra do que eu disse.

Em momento algum falei que pessoas sem oportunidade de treinamento ou educação não poderiam desenvolver habilidades fantásticas. Temos muitos exemplos de pessoas que logo cedo e sem aulas demonstraram grande habilidade em diversas áreas. Seja no futebol, seja na música ou até mesmo no mundo acadêmico.

João, você foi muito pretensioso ao tentar descartar o argumento alheio mesmo sem discutir ou entender o mesmo.

Quanto ao Mozart, recomendo o livro A Sociologia de um Gênio, do Norbert Elias. Não se esqueçam do pai dele - do Mozart - que em todo momento possível sentava ao lado do filho e o fazia treinar dia e noite. Mozart é um gênio, com certeza, mas não nasceu assim. Gênios não brotam da terra... rsrs

Voltando ao João...
Caro João, pessoas como você são o exemplo mais comum de intolerância e ausência de humildade. Uma pessoa que mesmo sem ler ou ouvir o que o outro tem a dizer já a critica de forma negativa e automaticamente se vê como o Senhor da verdade.

Fernando Borges disse...

Mariana

Sua proposta mostra que não, você não entendeu o que eu disse...

Bom, deixa pra lá...
Para se discutir algo é necessário uma troca recíproca de argumentos e ideias e não apenas a repetição de supostas verdades que são verificáveis com o simples fato de olhar.

Talvez minha ignorância seja tão grande que não me permita perceber o próprio mundo que me rodeia.

adélia disse...

concurso de miss eh um prato cheio. todas as doencinhas sociais se manifestam. "qual a candidata q mais representa o padrao de ?". eh concurso de normatividade total. assim a norma se perpetua e eh isso q esperam os espectadores, patrocinadores, etc. apesar de eu n considerar concurso de miss tudo isso, há de se comemorar que o espaço de mais bonita tenha sido conquistado por uma negra. se esse eh o sistema e ele diz q bonito eh quem ganha, que ganhem as diferenças.

Niemi Hyyrynen disse...

"Temos muitos exemplos de pessoas que logo cedo e sem aulas demonstraram grande habilidade em diversas áreas. Seja no futebol, seja na música ou até mesmo no mundo acadêmico."

Então da onde veio essa grande habilidade dessas pessoas?

Fernando Borges disse...

Niemi

Essas habilidades se desenvolveram de uma forma ou de outra, em decorrências das circunstâncias, sejam positivas ou não.

Na rua, no meio da pobreza, ou com grandes mentores. Inúmeros são os gatilhos que pode levar uma pessoa a desenvolver uma habilidade e cada caso é um caso. Mas nem a Ciência Biológica, nem as ciências sociológicas e antropológicas encontram qualquer indício de que seja algo que nasça com a pessoa.

Mas não é menos bonito, não. É ainda mais bonito quando uma criança, no meio da favela, sem condições e sem professores, se mostra tão capaz como qualquer outro.

Acredito que o João pensou que eu estivesse falando de um determinismo social no qual só se sobressai quem possui as ferramentas convencionais para tal.

Fernando Borges disse...

Niemi

Veja o Carl Brashear, que indo contra o que todos os outros diziam, se mostrou capaz.

Veja a Yaan Hirsi Ali, que em meio a milhões de mulheres submissas, conseguiu fazer a diferença, fugir da Somália e se tornar deputada na Holanda.

Será que essas duas pessoas possuem pré-disposições genéticas para fazer o que fizeram? Acho isso um reducionismo.

Ou inúmeras crianças que por um motivo ou outro (ou por motivos que ainda não fomos capazes de perceber) mostraram capacidades fantásticas. Podemos chamar isso de dom? Sim... Mas repito (novamente rs) que elas não nasceram com esse dom.

Niemi Hyyrynen disse...

Fernando,

Concordo contigo quando diz que o ambiente, isso inclui as pessoas e a cultura, influencia nos talentos das pessoas.Mas eu acredito que só isso tb é ser reducionista.

Tem pessoas que tem uma grande habilidade, outras tem uma habilidade fora do comum, que passa das expectativas, mesmo das mais positivas e isso pra mim pelo menos não pode ser adquirido apenas por meio de influencia externa.

Tem que ter um algo mais, pessoalmente, acho que pode haver um fator biológico sim.

Cada individuo responde de forma diferente ao ambiente em que vive, mas isso não está justamente relacionado com o que a pessoa é em essencia?

Fernando Borges disse...

Niemi

Então, pode ser que exista "algo mais". Não sei. O que estou dizendo que é que não existem indícios sólidos disso nesses casos específicos.

Não acredito que seja reducionismo exatamente pelo fato de as possibilidades serem tão imensas que fica impossível classificá-las todas. Possibilidades de interações sociais ou com o meio de uma forma geral que sirvam de gatilho para o desenvolvimento de uma habilidade.

Já pensou... O gene de cantar bem, de tocar bem, escrever bem, correr bem... As ciências biológicas e nem as sociológicas e antropológicas encontraram isso.

É uma possibilidade, claro. Mas é aquela coisa que já disse e repeti exaustivamente aqui... Não é isso que os estudos mostram. Pelo menos não os estudos de meados do séc. XX até agora.

Já li tudo? Claro que não rsrs
Eu falo com base no que eu leio e reflito. Se encontrar algum artigo ou algum cientista ou Escola que mostre um pensamento contrário, por favor me mande. E é sério, se encontrar algo e você lembrar dessa discussão e se não der muito trabalho, me envie.

Fernando Borges disse...

Só uma coisa que esqueci de dizer.
A leitura que eu recomendei "A Sociologia de um Gênio" é especificamente sobre o Mozart.

Bruno disse...

Ela não merece o título de Miss Universo por que não concorreu com candidatas de Marte, Plutão, Saturno e etc. O certo é dizer que ela é Miss Mundo ou planeta Terra. Ah, e quanto a padrão de beleza eu digo que quem estava certo era o Larry Flint que com colocou nas páginas de sua revista Hustler a beleza de mulheres normais, comuns...

Serge Renine disse...

Mariana:

Se você quer saber, eu acho a Tais Araújo mais bonita que a Mariana Ximenes, e eu também acho que a Mariana não pode ser ser Miss Universo, apesar de ter olhas verdes e ser loira. O nível de beleza de Miss Universo é outro.

Niemi Hyyrynen disse...

Fernando

Bom, tb não tenho como provar o meu ponto de vista..então pra não ficar nesse circulo vicioso, vou deixar para tocar no assunto em outra oportunidade. Mas estou pensando nas suas considerações, claro :)

Serge

Acho que seu ponto de vista de que há mulheres para serem misses e outras que não tem "calibre" para serem só faz me ter certeza de uma coisa:

Que estes concursos estão ai para taxar. classificar/desqualificar a nós.

Serge Renine disse...

Você tem toda a razão Niemi.

Aoi Ito disse...

Dando meus pitacos também. NÃO VI O CONCURSO, só passei os olhos por umas fotos do Globo.com.

1. TODO MUNDO IGUAL NO CONCURSO DE MISS. Até a Miss China (?) tinha cabelo no padrão longo-de-lado-ligeiramente-ondulado e uma maquiagem (Ou plástica, ou genética, sei lá) que deixava os olhos delas maiores. TODO MUNDO conformando ao padrão "magra alta branca cabelo longo de preferência claro de lado ligeiramente ondulado olhos pintados para reforçar e sorriso colgate". Na boa, não conseguia diferenciar miss de miss se eu olhasse de longe. SÓ a Miss Angola se destacava por razões óbvias.

2. Por isso, achei ela a mais merecedora do título. Entre um monte de rostos tudo iguais, corpos tudo iguais, cabelos tudo iguais, a Leila Lopes realmente se destacava e chamava atenção, merecidamente. Ela é linda, sim. Não acho ela a mulher mais linda do mundo, mas ela definitivamente era a mais bonita de lá.

3. A MISS BRASIL O QUE ERA ESSA MISS BRASIL mas que mulher sem graça, viu?

4. Assim que passei o olho na Miss Brasil, achei que ela não fosse de um lugar famoso por miscigenação. Não deu outra: Rio Grande do Sul. É claro que o Brasil é um país enorme com muitas mudanças de população aqui e ali, mas eu acho que, pela "média", ela não representa as mulheres do Brasil. É engraçado que no exterior a imagem do Brasil é "mulata/negra com corpão violão" mas vem concursos de Miss e elas são quase todas européias-like.

5. Cada um gosta do que quer e ninguém é obrigado a gostar de negras, mas em um mundo onde a mulher branca é pintada como a mais linda de todas e a mulher negra é pintada como a pior de todas pela cor, todo mundo gostar da mulher branca e não da mulher negra tem um motivo, né? É claro que quem não gosta de negr@s não o faz por racismo deslavado ou porque realmente acredita que negr@s são piores, mas sim porque foram condicionad@s desde pequen@s a isso. Ou num mundo sem racismo todo mundo realmente só gostaria das brancas? Em um mundo onde mostrasse mulheres negras também em posição de poder, como algo além de maníacas sexuais/burras/drogadas/escravas/empregadas, será continuaria com "ah, eu só gosto de brancas, mas não é racismo, é só o que eu gosto"? Eu acredito que todos vivemos em sociedade e, logo, todos somos influenciados, querendo ou não, conscientemente ou não. Uma boa - Enorme parte das nossas ações e gostos são influenciados pelo mundo em que vivemos. Isso não necessariamente é ruim, e acho que é impossível ser um ser humano sem influência nenhuma da sociedade onde vivemos. É só preciso pensar e imaginar por que alguns comportamentos "nossos" - A maioria da população ser magicamente atraída por pessoas brancas e não gostar de pessoas negras, quando a mídia e a sociedade e TUDO nos diz que brancos>negros é muita coincidência, né? - Batem perfeitamente com o que a sociedade quer... E aí o que fazemos depende de cada um. :)

6. Mperri, traços "étnicos", como assim? Isso é pensar nos não-brancos em relação aos brancos, nos brancos como padrão e não-étnicos, e todo mundo que não é branco é étnico, é outro! Não sei se você também usa "traços étnicos" para brancos (Se usa, mil perdões), mas a maioria das pessoas acha que branco não tem traço étnico, só asiático, negro e ameríndio, porque branco é o padrão.

Só. Acho.

João disse...

"Exatamente por não ter lido nada que escrevi você não entendeu nem uma única palavra do que eu disse."

Fernando,

O que faz você pensar que eu preciso ler o que você escreve para que eu tenha minhas ideias e minhas interpretações? Nossa! Ninguém me avisou que para pensar é preciso primeiro ler o que VOCÊ escreve!

"João, você foi muito pretensioso ao tentar descartar o argumento alheio mesmo sem discutir ou entender o mesmo."

Fernando,

E quem disse que eu não entendi "o mesmo", Fernando? Você? Engraçado, parece que um monte de gente aqui não pensa como você. Mas você acha que tem a obrigação de fazer com que todos pensem pela sua cabeça. A Lola tá fazendo escola! Deixe as pessoas terem ideias diferentes das suas, Fernando. Há muitas cores no mundo...

Fernando Borges disse...

João...
Quando quiser discutir algo de forma minimamente decente, me avise.

Sim, antes de criticar você precisa saber o que está criticando.Enfim...

Abraços pra todos.

Maria disse...

Fernando,
sou estudante de ciências sociais e entendo perfeitamente tudo o que você disse. Mais: concordo com o que você disse e tenho um breve comentário a fazer que talvez você se tenha esquecido ou preferido passar direto, não sei.
Esse tal de "dom de cantar bem" que todo mundo anda falando e que seria genético, citando Elis Regina e outras pessoas, eu nunca vi. Em cada cultura (por "cultura", entendam, país, região, tipo de música) uma forma de "cantar bem" existe. Por exemplo, no main stream da Índia, mulheres de voz grave não são consideradas boas cantoras (e a Elis talvez ouvisse a vida inteira que tem voz de homem). Uma boa cantora tem que ter voz finíssima, cantar parecendo uma cítara, assim como a Aishwarya Rai, que provavelmente ouviria de seus conterrâneos (se fosse brasileira) que tem voz de "taquara rachada".
E essas mesmas pessoas que defendem a existência de "dom" e "talento" vem aqui falar de "belezas étnicas". Oras, a beleza também já foi outrora considerada um dom, mas isso é um pensamento que a maior parte de nós concorda ser obsoleto, pois vemos que a beleza depende de quem vê. Eu digo mais: tudo depende de quem vê. "Dons" não são indiscutíveis e eu diria que nem existem.

Tanize Monnerat disse...

A discussao em que o Fernando entrou me deixou muito intrigada, porque li recentemente o livro que ele recomendou do Norbert Elias e fiquei estupefata!!

É muito chocante nao crer mais em "dons", mas realmente as ciências (biologia, neurologia, antropologia) tem cada vez mais apontado para a inexistência dele.

O que mais se acredita, atualmente, é que existam inteligências específicas e as pessoas nascem com mais habilidade em uma ou outra inteligência.

O neymar, por exemplo, deve ter maior inteligência cinéstesica que eu e você (se você nao é um atleta de ponta como ele)!! Mas além disso, ele treinou absurdamente, desde menino. O mesmo que ocorreu, por exemplo com o Tiger Woods e com o Mozart, que praticava piano com seu pai desde os 2/3 anos.

bike disse...

O barato é ver a mulherada baixando o sarrafo nos concursos de beleza , mas sabem tudo a respeito , não perdem um !

Sem contar que condenam os concursos e , ainda mais as mulheres que participam , será uma pontinha de inveja das "BONITAS" ?

Pra vcs que condenam , deveriam montar um concurso só de ogras , as tais mulheres normais ...

Joel Bueno disse...

Não consegui assistir a mais de um minuto e pouco do lixo do Jô Soares.

André disse...

Só vou assistir esse tipo de concurso quando a vencedora for escolhida por voto direto, e nada de 0300.

Bruna disse...

Acho que discussão sobre quem era mais bonita, quem merecia ou não, sempre vai ter e é por isso que os concursos sempre vão existir tbm. O que doeu no meu estomago foram as justificativas para criticar a vitória da Leila. Sou negra, sofro com racismo, já estudei bastante esse assunto e mesmo assim fiquei chocada com as pessoas dizendo tantas barbaridades. Essas reações são uma coisa que a internet tem o poder de revelar. Pelo menos fica bem evidente contra o que estamos lutando. Quem vai dizer agora que não somos racistas?

Stefanie disse...

Ih!
Tanta couisa que eu queri falar!
1- A biologia, a neurologia e a genética ainda não estão nem minimamente compreendidas, então é difícil encontrar provas da exixtência, ou não, de dons ou talentos. Por ser atéia, acredito - EU, se vc não é ou acredita diferente, ok - que não exista uma predestinação, mas uma combinação entre genes e proteínas, tudo emerso na sopa social em que nos encontramos que faz com que algumas pessoas tenham mais facilidade para algo que outras.
2-Os padrões de beleza mudam. Eles dependem do que é considerado importante num tempo. Nem todos se encaixam. As magrelas não eram felizes há 40 anos. As gordinhas já foram símbolo de fertilidade quando era isso a única função da mulher. É claro que a nossa sociedade capitalista se utiliza de um padrão dificil de ser atingido - isso gera insatisfação, e compras. O que nós, mulheres e homens - que também são vítimas de um modelo físico oude comportamente torturante - podemos fazer é reconhecê-lo, e evitarmos corroborá-lo, mas isso gera o risco de nos edxcluirmos da sociedade. A única possibilidade de sucesso é criarmos um grupo onde não somos excluídos, mas iguais. Toprço para este grupo se expandir...
3- Beleza, dentro de um padrão x, que eu posso concordar ou discordar, é uma aptidão/caractewrística a ser louvada, sim. O que eu, particularmente, sou contra, é o peso de exclusividade que ela tem para as mulheres.
4-Agora eu sei que eu vou apanhar! As pessoas não são iguais. Não que isso justifique injustiças, mas também não deveria motivar massificação. As condições prévias deveriam ser iguais, o enfrentamento e o desempenho irão variar de pessoa para pessoa. Promover uma regularização de resultados também é uma injustiça. Quantos gênios abandonam a escola porque o sistema de ensino - só conheço o brasileiro - dá mais atenção aos que têm dificuldade de aprendizado que a eles? Isso não é igualmente injusto? Desmerecer uma pessoa por ser bela é tão cruel quanto desmerecer outra por não ser.

mundomel disse...

Eu também não acho que os concursos vão deixar de existir. Eu só espero que as futuras gerações deixem de se interessar por esse tipo de coisa. Que possamos influenciar uma nova geração de crianças que vá simplesmente considerar isso uma coisa boba.

Mas é um sonho, eu sei.

Dária disse...

Nunca gostei destes concursos também, mas assisti este pela primeira vez, pois era meu aniversários, minha família toda tava aqui em casa e meus tios adoram heheh

Confesso que até me diverti assistindo (ainda que continue crítica deles no geral), e tava torcendo pela Leila o tempo todo, achei o rosto dela perfeito, lindo de verdade. Gostei do cabelo preso - diferenciou um pouco de todos os outros cabelos iguais (soltos, longos, ondulados - praticamente o mesmo volume). Enfim, acabei gostando de assisti e torcendo pela menina, principalmente quando ela disse que não mudaria nada em si, que estava satisfeita com seu corpo... achei elegante, confiante. Isso é bom de ver.

Agora o padrão do corpo reaaaalmente, mais do que tudo, me assusta. Tenho 1,58 de altura, uns 46kg e segundo minha nutricionista to no limite mínimo da massa corpórea considerada saudável. Aí vemos o mundo querendo pregar que mulheres enormes, de mais de 1,80 pesem apenas uns 5kg a mais que eu me parece loucura. E tais concursos incentivam o tempo todo isto, a padronização em um modelo idealizado, inalcançável. Segundo um primo que assistiu comigo: "é o mesmo corpo que se encontra numa revista médica de anorexia". De fato parece ser.

Enfim, a melhor parte do concurso mesmo foi o namorado dizendo depois de cada candidata que entrava "sou mais você lindinha" rsss =P

Fernando Borges disse...

Maria

Pois é! Exatamente isso! A própria noção do que é bom, ruim, belo ou feio é bastante relativa e varia de cultura pra cultura.

mperri disse...

Traços étnicos são traços étnicos... zero preconceito... O que acho belo numa oriental são os olhos puxados, as maçãs da bochecha altas e o nariz mais largo... é a beleza natural, sem plástica...
Na negra, o nariz também mais largo com lábios levemente mais carnudos, a pele lustrosa e escura... os cabelos crespos... que belo é...
E que feio eu acho quando, para se enquadrar em padrões estipulados da barbie miss, uma mulher linda, com seus traços asiáticos lindos, faz uma plástica para amendoar mais os olhos, afilar o nariz. Ou uma negra destroi seu belo nariz mais largo por um narizinho de botão que em nada combina com seu rosto, que alisa seus cabelos... a beleza não pode ser plástica...
Esconder os traços étnicos é não se embelezar, mas querer se parecer com outra pessoa...
Leila Lopes não parece ter plástica, é naturalmente linda, de pele lustrosa, traços fortes... não tem nariz de botão, não usou maquiagem para clarear a pele...
Branco também tem traços étnicos claros, mas, na boa, ainda não vi nenhuma branca tentando disfarçar sua "branquice", simplesmente porque o padrão ali é esse mesmo... barbies... mas acho feio também a mulher branca que tem narizinho de botão de plástica...
Não procure preconceito onde não existe... eu não estou colocando nenhum BrancoXnão-branco... estou constando uma realidade lamentável que é o fato de que mulheres que têm beleza própria ficarem mimetizando aquilo que o "grande público" espera e que, no final, as deixa menos belas...
Acho Leila Lopes infinitamente mais bela do que qualquer uma ali, mais bela, mais doce, mais original, mais natural, mais inteligente... Liguei o programa bem no final, quando estavam por selecionar as 5 finalistas e, imediatamente falei para o meu marido: que beleza de mulher,vai ganhar, e merecidamente... ela é... natural!
Não curto plasticidade, só isso!

Luna disse...

Não assisti esse concurso, fui saber quem era Leila depois que ela venceu. Aí eu fui no G1 e vi todas as candidatas pra ter uma opinião a respeito.

Leila mereceu. Ela era a única daquelas várias que realmente se destacava. Era bela por ser bela, não porque comprou isso com algum cirurgião...

Me assustei com a magreza. Várias são magérrimas, podia contar as costelas tranquilamente. E não lembro mais qual era qual, todas pareciam tão iguais, como Barbies. Lembro só da Miss Angola, China, Coréia, Japão e Brasil. O resto... não faço idéia.


E quanto à conversa de dom, habilidade, etc... perdão, não acredito que seja tudo social não. Eu sei que não tem nenhum estudo científico comprovando genética ou algo assim, e sei que isso é achismo meu.

Pode chamar de "maior habilidade em um tipo de inteligência", pra mim isso é praticamente dom. O meio pode favorecer ou não, mas tem pessoas que possuem maior habilidade em alguma coisa naturalmente - e se isso é genética ou não, não faço idéia, mas existe.

Eu e minha irmã sempre tivemos incentivo para desenhar. Porém ela não sabe desenhar. Eu sei. Eu sempre soube desenhar. Desde que eu me entendo por gente, sempre desenhei melhor que a maioria. E me perguntavam "como você faz isso?" e eu nunca consegui responder. Já perguntei à minha irmã (biológa) e professores de biologia do porquê eu ter essa habilidade a mais - se era genética, meio, qualquer coisa - e ninguém nunca conseguiu me responder. Se alguém responder isso pra mim, eu agradeço. Eu sempre quis entender essas coisas.

Por exemplo, Christina Aguilera. Ela tem aquela voz naturalmente, desde pequena. E foi incentivada a cantar pela avó e pela mãe. Mas ela não aprendeu aquela voz, ela nasceu com ela.

Não teve genética? Nadinha? Ela ter aquela voz que surpreendia todos foi um produto do meio? Foi consequência do quê?

Sinceramente, eu ENTENDO 100% que posso estar errada. Mas eu não consigo entender porque a genética não influenciaria em algo assim. A genética influencia em tanta coisa... porque não em conferir um pouco mais de habilidade matemática, espacial, linguistica ou musical?

Eu não sei, sabe, sou leiga nesse assunto. Mas simplesmente não rola comigo esse papo de que tudo é meio, tudo é social. Não rola.

ÓBVIO que rola o meio pra incentivar. Eu tive papéis e lápis para me expressar, porém eu nunca entrei num curso de pintura ou algo assim - uma pena, eu desenharia muito melhor do que desenho.

Mas só meio? Não acho que só o meio seja determinante. Acho realmente difícil a genética não fazer parte disso, nem que seja um tiquinho.

E acho que me repeti em algumas partes do texto, mas dêem um desconto, é 1:29 da manhã rs

Luna disse...

Escrevo pra caramba, putz. Não é normal não.

'-'

Fernando Borges disse...

Luna, somos dois insones rsrs

Respondo suas questões com aquilo que eu já disse no começo. Só não vou repetir novamente pois acho que o pessoal já cansou de ver eu escrevendo as mesmas coisas incansavelmente rs

E a voz da Aguilera pode ser resultado de algo biológico, mas a forma de cantar, não.

Também não sou autoridade nenhuma... Digo apenas com base no que eu leio e estudo. E também no que observo, é claro rs

ana_alice disse...

achei interessante a discussão entre o rodrigo e mariana e q depois entrou um monte de gente. sobre o concurso de miss eu falei no outro post, entao prefiro falar sobre esse assunto paralelo q surgiu rs

concordo com ambos, em parte. concordo com o joão q genialidade é algo parcialmente devido ao estímulo, mas acho q a mariana tb concorda com isso. concordo com ela q há algo inexplicável, talvez inato, noq chamamos de talento ou dom.

acho q a gente tem mesmo mais aptidão pra certas coisas. eu sinto em mim uma predisposiçao a repetir sons desde pequena. isso tem varias consequencias, desde aprender idiomas com mais facilidade (embora n seja nada extraordinario, tem gente q aprende muuuuito mais facilmente, mas mesmo assim é algo q é facil pra mim) até cantar melodias q acabei de ouvir ou imitar o jeito de alguem falar.

esse meu 'dom' é uma bela bosta, pq está só um pouquinho de nada acima da média. mto melhor imitador de vozes é o eri johnson ou o tom cavalcante. muito melhor cantor é... bem, qualquer cantor de verdade hehehe. e muito melhor em aprender idiomas era minha amiga q aprendeu assistindo seriados. eu tive q ir pro cursinho, n era boa o suficiente pra aprender sozinha vendo tv. mas era a melhor do cursinho, graças ao meu 'talento', n precisava estudar pra ir melhor q o resto da turma (alguns tb n estudavam, entao poderiam ser ate melhores q eu se o fizessem. outros estudavam e mesmo assim n conseguiam, e por aí vai).

enfim, eu nasci com isso? posso dizer q eu n fui estimulada a desenvolver isso. nunca fiz aula de canto ou musica, nem me colocaram em cursinho de idiomas desde pequena. pelo contrario, só fui perceber essa minha habilidade depois de adulta, justamente qd entrei no curso. eu gostava de imitar a voz dos personagens da disney, mas conheci varias outras pessoas q faziam o mesmo. existe até uma linha de produtos (disney "sing along" movies, qm lembra? "cante com disney")

mas vamo lá, por mais medíocre q seja esse meu pseudo talento, eu herdei? bem, minha mae tinha talento pro piano, talvez eu tenha puxado ao 'ouvido bom' dela. vai saber? ela tb tem talento pra pintura e nisso eu sou uma negação.

ana_alice disse...

sobre ser bom cantor, por ex, eu acho q varia mto dos valores de cada sociedade. nesse ponto, eu acho q entra noq o rodrigo contesta sobre oq é "natural".

eu consigo ver beleza na voz de certos cantores q pra outras pessoas são vozes feias/cafonas. tem certas bandas e cantores q eu amo pq cresci ouvindo, pq estão associados a boas memorias, a programas de tv e filmes q eu gosto. não posso dizer q esse meu "paladar" auditivo é NATURAL, quase tudo q eu gosto, eu gosto pq tenho alguma referencia sobre aquilo no passado.

eu amo jazz e bossa nova pq ouvia desde q estava na barriga da minha mae. sertanejo nunca entrou na minha casa voluntariamente, mas tocava nos programas de tv durante a minha infancia. posso n ser a maior fã, mas aprecio uma ou outra musica e sei perfeiamente q a razao é essa memoria afetiva.

por outro lado, musica oriental quase sempre me irrita, acho a voz estridente e irritante. a influencia de alguns instrumentos e tecnicas na musica q eu to acostumada a ouvir eu até acho positiva, gosto de identificar uma "pegada" árabe numa musica espanhola, por ex, acho q deixa a musica mais rica. mas as vozes agudas tremulantes, particularmente, me irritam. certamente pra eles é bonito, eles admiram, tem seus proprios pop stars. entao tem esse lado da construçao, sim. pra eles, esses cantores são talentosos, nasceram com um dom. pra mim, eles sao chatos.

daí eu penso q se tudo oq a gente 'consome' nos foi vendido pelo detentor desse 'valor cultural', e q quase tudo oq a gente valoriza vem do branco, é compreensivel q vejamos determinados sons como harmoniosos e belos. até mesmo naquilo q o branco adotou e absorveu (como a 'black music' americana)

mozart era um genio pq fez composiçoes aos 5 anos. é verdade, mas quem garante q aquela sua prima pentelha "tocando" flauta doce tb n estava compondo? pq o som q ela produzia era desagradavel, "só barulho"? pq n te emocionava? pq oq ele produziu é belo?

eu n to apta a julgar se algo q existe ha seculos, e é valorizado ha seculos, estudado ha seculos, usado como base ha seculos e influenciou ENE artistas (do pop, do rock, do tango, etc) em suas composiçoes durante todos esses seculos, se isso é NATURALMENTE bonito, ou me soa belo simplesmente pq eu estou habituada.

talvez um estudante de musica, q conheça diversos generos musicais, entenda mesmo de musica sem preconceitos regionais e seja 'talentoso' pra coisa possa dizer. eu não.

ana_alice disse...

******obs****** depois q eu acabei de escrever, continuei rolando os comentarios e vi q a maria citou exatamente o exemplo contrario ao meu: certas vozes valorizadas no ocidente n são aceitas por lá, da mesma forma q eu rejeito as vozes deles. mas como eu já perdi alguns minutos escrevendo isso, vou mandar mesmo assim ahahaha

e a maria ainda resumiu perfeitamente ao dizer q essa questao do talento deve ser encarada da mesma forma q nós encaramos a beleza. se nós admitimos q há diversas formas de beleza, q é algo plural, então os outros 'dons' tb podem ser relativizados. e aí a stefanie acrescentou q ser belo é algo a ser considerado como especial, sim, assim como esses outros talentos.

o problema, pra mim, é saber como acertar a mão. como eu posso justificar q acho alguem feio sem ser algo totalmente subjetivo? esquencendo oq a midia me diz q é belo, eu sou capaz de ver alguem q acho feio e dizer pq? pra mim é pq certos traços n se harmonizam, mas oq seria esse harmonizar? seria baseado em simetria e proporcionalidade? esse parametro tb me foi incutido ou seria NATURAL busca-lo?

ana_alice disse...

sobre o brasil ser o grande celeiro de talentos pro futebol, eu só vejo como explicação plausivel o fato de meninos brasileiros serem estimulados a gostar do esporte, assistir, apreciar e jogar, desde que nascem. mas isso pq EU não gosto nem entendo de futebol. n sei se realmente há algo tão especial nesses jogadores.

só sei q é previsível q existam vários como eles em um país q passa futebol na tv aberta 3 vezes na semana, todas as semanas, o ano todo, ha mais de 30 anos. um país em q ser jogador é sinonimo de ficar rico e tal. ha toda uma cultura do futebol, principalemente entre os mais pobres. sempre tem um campinho de futebol na favela. pode n ter escola e saneamento, mas o safado do campinho ta la. muitas vezes é a unica opçao de lazer daquela criança. essa criança q n é valorizada em mais nada na vida, nem na escola, nem em casa, mas q é ovacionada qd chuta uma porra de uma bola. daí é obvio q desde muuuuito cedo ela vai se dedicar, vai querer passar o dia todo ali treinando, vai observar os outros, aprender passes, etc.

nada disso é natural. o fato de haver poucos pelés e ronaldos é mto mais por oportunidade de mostrar esse talento doq outra coisa. de ter a "sorte" de um olheiro de te ver. ou vcs n acham q ha milhares de neymar por aí? eu acho. n acho q ele faça algo tao especial, acho realmente q qq garoto q goste e pode se dedicar da mesma forma q ele se dedicou, joga igual. ou entao jogam tao bem qt ele, embora de um jeito diferente.

tipo, pros europeus, jogar bonito é diferente doq o brasileiro considera jogar bem. pra gente tem q ter aquele samba, aqueles "olés" e dribles sensacionais. pra eles um chutão bem dado, um chapéu ou qq coisa assim (sou leiga no assunto, n sei nem os termos) é melhor. eu n vejo futebol, mas basta olhar uma partida entre um time europeu e a nossa seleção q dá pra notar a diferença de tática, oq cada um valoriza mais. eles podem apreciar tb o nosso futebol (pq isso é uma ideia vendida pra eles tb né? q esse seria um talento 'nosso'), mas nem por isso deixam de jogar da forma q estao acostumados.

enfim, eu posso dizer q eu nunca conseguiria jogar como ele, mas isso pq eu fui criada de uma forma totalmente diferente. talvez se eu fosse criada num lugar carente, com familiares, amigos e vizinhos q me estimulassem a jogar, treinasse a vida toda, estivesse acostumada a correr, pular, blablabla... bom, aí quem sabe? impossível determinar. eu tenho cá pra mim q n tenho habilidade pra correr e chutar a bola ao mesmo tempo, fico confusa. talvez esse seja o grande dom do neymar (e cia). ou como a tanize bem colocou, "inteligência cinestésica".

vcs falam q cada pessoa teria uma determinada inteligencia, mas eu ja me questiono se n há um pouco de todas essas inteligencias dentro da gente. eu gosto de dançar, cantar, desenhar, mas n faço nada disso bem. n sou pessima, se eu fosse devidamente estimulada, sinto q eu seria capaz de ser bem sucedida em qq uma dessas coisas, pq elas me fascinam de certo modo. ja o futebol eu duvido muito. isso me faz pensar q é estranho q justamente a única dessas coisas q me foi passada com certo desprezo (o futebol) seja justamente a minha inaptidao.

Mariana. disse...

interessante tudo o que foi falado pela ana alice.

isso de a sua inapitidão ser justamente o que não foi estimulado. uau! foi o que eu falei mais cedo: será mesmo que existem mais gênios indianos, europeus e judeus? ou isso se deve ao fato de, nessas culturas, esse tipo de inteligência ser mais estimulada? eu acho que lá eles são mais estimulados. Mas isso não significa que algumas crianças não são, desde cedo, mais aptas nessa inteligência que outra. tem mais facilidade de aprender (posso chamar de dom?).

Aqui no brasil, futebol é estimulado e por isso aparecem tantos bons jogadores. mas craque mesmo, só uns e outros. pelé. claro que ele foi condicionado e lapidado para melhorar, mas já existia ali um talento acima da média, de modo que mesmo se eu tivesse sido incentivada nas mesmas condições que ele, jamais jogaria como ele joga. eu poderia absorver algumas coisas (assim como a gente aprende alguma noção de canto nas aulas de canto), mas jamais chegaria ao nível do pelé.

é o que venho dizendo: a excelência, nessas habilidades especiais, é a soma de talento inato, e treino (a proporção varia de acordo com a habilidade, suponho). não sou especialista, claro, opino como base nas minhas observações.

Fernando Borges disse...

ana alice

No seu caso entra toda a questão de Capital Cultural também. Mas não é essa a questão.

Nós nos desenvolvemos e nos tornamos únicos, mesmo que ainda assim sempre um produto do social/ambiente. Supor que cada habilidade que você desenvolve, mesmo que tenha sido estimulada de forma direta ou não, é algo que vem da sua biologia e é intrínseco ao seu DNA me parece equivocado e forçado.

Lembrando que a noção do que é natural ou não pode variar tremendamente (e até se inverter 100%) de uma cultura pra outra.
Da mesma forma que a noção de bonito, feio, certo e errado. Então dizer que algo que é totalmente cultural e que varia de cultura pra cultura na verdade é algo biológico parece errado. É aí que falha o senso comum... O senso comum observa apenas aquilo que o rodeia e desconsidera todo o resto.

Estudando a histórias das diferentes culturas, estudando antropologia e sociologia, percebe-se como tudo isso é totalmente relativo.

Ulisses Adirt disse...

Falei um pouco sobre o concurso antes do resultado. http://incautosdoontem.opsblog.org/2011/08/29/a-beleza-ideal-candidatas-africanas-a-miss-universo/

É bom ver seu texto concordando tanto assim com o meu (falando de pontos diversos).

Calíope disse...

Ler os posts da Lola é terapia pra mim! Finalmente achei uma fonte onde beber de argumentos organizados para os ideais que explodem na minha cabeça.
É isso aí, nada contra as mulheres que podem ser miss; mas sempre torcendo pela extinção das mulheres que querem ser miss.
E, no meu blog, a historinha da "miss" que tentaram prender em mim
http://migre.me/5HF5E

Luiz Prata disse...

Também torci pela Leila desde o começo. Além de bela, ela me pareceu ter mais carisma, uma fagulha de vitalidade a mais que as outras.
E também gostei da resposta dela à pergunta da última fase ("Se pudesse mudar algo [fisicamente] em você, o que seria?"): ela disse que não mudaria nada. Uma demonstração de segurança e autoestima.

Letícia disse...

acho que o caminho não é acabar com concursos de beleza. A estética diz muito na história da humanidade e nunca será ignorada. Será possível admirar um concurso de miss universo de forma crítica? Achei linda algumas mulheres lá, nem por isso quero ser como elas e nem me frustro por ter menos de 1.70 de altura e sobrepeso. Além de achar muitas outras mulheres esteticamente tão bonitas ou mais. A beleza está na diversidade. É preciso investir em filosofia, auto estima e capacidade crítica!

Juliana disse...

Lola,eu acho deprimente saber que existem tantas mulheres fazendo de tudo para participarem de concursos de beleza,pra levarem um título de quem é a mais bonita,como se mulher ja não fosse diariamente na visão dos machistas reduzidas a um pedaço de carne.