quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

CRÍTICA: ATIVIDADE PARANORMAL / Até a cética aqui se arrepiou

Muito medo nessas horas.

Vocês já devem ter visto o trailer no cinema de um dos grandes fenômenos de 2009, o terror Atividade Paranormal, que custou a merreca de 15 mil dólares e já rendeu mais de cem milhões só nos EUA, destronando Jogos Mortais Perdi a Conta bem no mês de halloween. E o trailer, que mostra a reação de uma plateia de exibição-teste, me parece totalmente verdadeiro. Na sessão em que estive o pessoal também se comportou assim. Se tivessem colocado uma câmera na minha frente veriam o espetáculo degradante de uma Lolinha pulando da cadeira, gemendo, respirando com dificuldade, e estrangulando o braço do maridão, que se fazia de durão. Eu digo "degradante" porque vocês estão cansados de saber que sou acima de tudo uma cínica. Uma cética. Não acredito em nada dessas coisas ― espíritos, demônios, fantasminhas, anjos, comigo não, violão. Por outro lado, produções de terror bem feitos sempre me pegam. Eu entro no clima mesmo.
Na realidade, o filme foi feito em 2007, com dois atores totalmente desconhecidos (e não lindos no padrão Hollywood!) recrutados através do Craigslist, e por um diretor (Oren Peli) que nunca havia dirigido nada ou feito escola de cinema. As filmagens duraram uma semana. Depois Atividade entrou na rota de festivais específicos, foi oferecido a e recusado por vários exibidores, até cair nas mãos do Spielberg. Só que a ideia do mestre era refilmar o troço com um orçamento maior. Peli insistiu para que o original fosse exibido para uma sessão teste só pra ver como seria a reação. Quando os produtores viram os epectadores deixando a sessão no meio por puro medo, decidiram lançá-lo daquele jeito mesmo. E, através do boca a boca, o filme foi ganhando seu espaço (é muito eficiente o recado no final do trailer, instigando o público a pedir que Atividade passe na sua cidade). Ah, adoro essas histórias de sucesso!
Interessante como o trailer passa uma impressão errada da dinâmica dos personagens. Nele, vemos a pobre Katie insegura, se borrando de medo, enquanto seu namorado, Micah, aparece em controle da situação. O longa-metragem não é assim! A história é a mais simples possível: o jovem casal de namorados mora junto numa casona na Califórnia (ela é estudante de Letras; ele, corretor da bolsa que deve ganhar bem pra chuchu, porque a casa tem piscina e quartos de hóspedes). Katie recebe visitas de espíritos desde que tinha oito anos, tadinha. Micah não a leva muito a sério, mas compra uma câmera pra filmar os acontecimentos. Um dos méritos de Atividade é que pouco acontece ― portas se mexem, luzes se acendem e apagam, e o negócio vai piorando num crescendo (pegadas, coisas embaixo dos lençóis, mordidas). Como clima é a alma de um filme de terror, o negócio funciona. Outro mérito é que, graças a deus, não somos brindados com câmeras de mão histéricas à la Bruxa de Blair e Cloverfield. Aqui a câmera fica num tripé em frente à cama do casal na maior parte do tempo. E outra coisa positiva: não há sustinhos fáceis, daqueles barulhentos que fazem pular mas não acrescentam nada, como no fraquérrimo O Grito. Atividade não tem trilha sonora ou barulhos desnecessários. E seus personagens se comportam como pessoas bastante normais, não como dois bobalhões que ficam pregando sustos um no outro até que um Jason apareça pra por ordem na casa.
Mas não pude evitar de pensar em várias coisinhas não-relacionadas. Primeiro, nessas horas deve ser fantástico morar numa quitinete minúscula como a que alugávamos em Detroit. Quanto menos espaço pra espíritos demoníacos ocuparem, melhor. Segundo, ter bichinhos de estimação numa situação dessas é bom ou mau? (Não estou pensando nos bichinhos: pra eles deve ser péssimo, ponto). Penso nisso desde Os Outros. Tem o lado bom de você sempre poder achar que quem tá fazendo barulho no outro cômodo é o seu gatinho, ou do cãozinho fazer xixi no espírito pra marcar território. O lado mau é aquilo não acabar bem pro bichinho.
O maridão reclamou que o casal não acende as luzes quando algo suspeito ocorre, mas acho que tudo é bem iluminado. Só concordo com minha alma gêmea sobre a improvável dificuldade de encontrar um médium especialista que possa ajudá-los. Como disse o meu amor, “Até na época do Exorcista era fácil achar um exorcista. E olha que não tinha internet, celular...”. Ah, eu odiaria estar numa situação dessas do casal do filme com o maridão. Ele não acreditaria em nada que eu dissesse e discutiria o tempo todo. Ainda bem que um espírito demoníaco resolveria logo o seu destino, ha ha ha (risadinha possuída).
Agora com licença que vou ter sérios pesadelos.

P.S.: Devo admitir que na noite de sexta, após ver o filme (e escrever esta crônica), eu dormi mal pacas. Minto: eu nem dormi. Isso que é pavor. Imagine se eu acreditasse nessas coisas.
P.S.2: Comentei com o maridão, que dormiu como uma pedra, sobre a minha noite insone, e ele não perdeu a oportu
nidade de me criticar: "Eu sonhei que alguém desligou a TV, ligou o ventilador na minha cara, e jogou um lençol em cima de mim. Um espírito maligno!".
P.S.3: Na noite seguinte (a de sábado), dormi com uma gata preta nas minhas pernas e o medo se foi. Acho que gatos, independente da cor, têm o dom de negociar com espíritos. Como disse minha mãe, "Como assim, você não acredita em paranormalidade?! Gatos são paranormais!".

43 comentários:

Mei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mei disse...

Eu vi a versão com o final diferente do que está passando no cinema e confesso que é beeeeem mais legar e mais cruel!!! Eu adorei o filme...na hora eu nem tive tanto medo, mas depois que acabou é que me borrei de verdade. Pra ir ao banheiro de madrugada era um verdadeiro pesadelo..evil shadows lurking in the corner....uuuuuuh. Eu adoro estórias de terror (M.R James é meu favorito number one. Mesmo quem não acredita em fantasmas deveria ler. Os textos dele são magníficos e o terror fica pra um parágrafo só da estória. Hair raising!!!) e leio todos os fóruns paranormais e acho que já vi todos os videos de "ghosts" do youtube. I am a sucker for Ghost stories mesmo!!! Eu gosto muito desse tipo de filme de terror que não mostra a "coisa" (adoro a Bruxa de Blair 1 pelo mesmo motivo..e detesto Cloverfield com todas minhas forças). Filme de terror é isso mesmo, mostra muito pouco e vc imagina o resto. Filme com monstrinhos do além, só de zumbis!!
But anyway, eu acho que acredito em ghosts porque em 3 ou 4 ocasiões da minha vida vi umas coisas que eu não sei explicar...um dia te conto.

sabrina disse...

Lola, só de ler sua resenha já fiquei arrepiada. Ainda bem que você escreveu o ps2 e eu morri de rir com ele.

Beijo!

cronicasurbanas disse...

Não vi o filme e só mesmo arrastada é que encaro uma coisa dessas. Ou então o bônus depois tem que valer muuuuito a pena! :)

Sobre felinos: tenho uma amiga que cria 4 gatas, que diz que gatos têm o poder de atrair e neutralizar as energias negativas. Ela sempre deixa uma delas na cama antes de deitar, pra dar uma 'limpada' no território. Sei lá se isso funciona ou não, adoro gatos mas estou mais para ser uma 'dog person'. Mas os bichos realmente conseguem ter uma percepção que nós nem de longe somos capazes de ter...

abraço,
Mônica

Má disse...

Oi Lola!
Comentei até no blog da Denise outro dia, que tb não sei o que acontece comigo, mas tb tenho medo quando vejo filmes de terror (aliás quase nunca vejo , mas) bem feitos.
Nem sei porque tenho medo, porque além de ser atéia sou cética tb...
Meu namorado diz sou uma atéia muito estranha ;) (ele que acredita em Deus nem tem medo desses filmes)
Vai ver é pelo lance psicológico mesmo...pois racionalmente não acredito em fantasmas e tals..

Acho supeer louco e em certo ponto até interessante esta confusão mental que acontece com a gente!
Como exlicar??

Beijos.

L. Archilla disse...

saco, eu fico louca de vontade de ver, mas mooooooooooorro de medo!!! ainda mais q minha casa é grande e eu sou solteira, né... pra ajudar.

e o Fellini deve ver espírito, mesmo, de vez em quando ele começa a correr de um lado pra outro, sem mais nem menos... só pode ser isso!

Marilia disse...

Lola, vc não faz idéia do quanto eu ri com o PS 2.

Bárbara Reis disse...

HAHAHA, eu ri muito. HAHAHAHA.... eu não vi o filme ainda. E eu detesto filmes de terror. T_T

Dizem que gatos e cachorros veem espiritos. :]

Beijão, Lolinha! ^^

Lord_Anderson disse...

Eu ainda não assisti, mas concordo que oq manda num filme de terror é mesmo o clima.

Corpos aos montes e litros e litros sangue podem dar sensação de asco, mas não de horror.

Quanto ao fato do CM ter dormido tão bem, não tem a ver com a lendaria memoria dele (a lenda é se ele tem memoria, hehehehe)?

Quer dizer, se ele não se lembra do que assistiu não vai mesmo ficar com medo.

Sobre gatos, há varias lendas a respeito dos felinos, de que eles podem transitar entre os dois mundos, oq explicaria suas sumidas ocasionais e a distancia em que eles aparecem...

Provavelmente esse tipo de superstição surgiu por causa do jeito independente e furtivo dos bichanos e da aura de misterio que isso gera.

Devathai disse...

huhuahauahuahaua vou guardar bem o nome desse filme pra passar BEM LONGE dele. Meu marido entrou numa onda de achar que tem um espírito visitando a gente lá no apertamento em que vivemos, e eu já estou mega-assustada, imagina se a gente inventa de ver um negócio desses. Ah, eu pago de cética por aí também, mas me borro toda qdo vejo essas coisas, bjs.

Rita disse...

Quero ver, quero ver, quero veeeeeeeeeerrrr!!! (O filme, não espíritos).

bjs

Ju Haghverdian disse...

hehehe imagina eu que já sou medrosa de natureza, ia passar o resto do ano sem dormir.
Por isso que não assisti, qd vi o trailer risquei da minha lista!

Paloma disse...

Lolinha, eu amo esses filmes! Me diverti com "Atividade Paranormal", mas juro, não achei de dar medo de jeito nenhum. Pelo contrário, eu ri muito! E notei que outras pessoas no cinema riram também! Acho que para quem está acostumado a um nível quase hardcore de terror, como os japoneses e os coreanos (originais e não os refilmados, claro!), esse filme ficou só engraçadinho! Mas, ainda assim, acho que vale a ida ao cinema!

lola aronovich disse...

Deixei um updatezinho no post sobre o Robin Williams.

Mei, pois é, li que o filme tem 3 finais. Nenhum dos outros dois parece muito bom, e o do filme que vi também deixa a desejar. Não é fácil terminar uma obra, e prum filme de terror muitas vezes costuma ser ainda mais difícil. Mas o importante pra mim foi o recheio, e todo o medo que senti. E eu pensei nisso que vc diz: eles nem aproveitam esse medo clássico de ter que ir ao banheiro de madrugada! Deveriam ter aproveitado. Só tem uma cena muito rápida do carinha abrindo a cortina do banheiro. Mas fala aí, Meizinha, vc já viu fantasminhas?...


Sabrina, sério? Obrigada! Não achei minha resenha nem arrepiante nem engraçada...

lola aronovich disse...

Mônica, gostei do verbo que vc usou: que a sua amiga sempre DEIXA uma gata na cama dela antes de deitar. Ha ha, até parece que a sua amiga tem alguma escolha... Gatos mandam na casa! A gata só fica na cama da sua amiga porque ela (a gata) quer! E se sua amiga não quisesse tb não teria muita escolha. Seres malignos, esses gatos. Não que meu cachorrinho não mandava em mim. Ele mandava em mim e nos gatos (quer dizer, nos gatos ele tentava mandar).


Má, boa pergunta! Por que a gente, que não acredita nessas bossas de espíritos do além e paranormalidade, fica morrendo de medo? Bom, eu também não acredito em zumbis, e fico (um pouquinho) com medo. Mas os melhores filmes de terror têm mesmo esse componente “do além”, né? Iluminado, Bebê de Rosemary... Quase todos os filmes de terror tratam de espíritos, isso é fato, e o uncanny (o bizarro, sinistro) é importantíssimo em todos. Não dá pra analisar um filme de terror academicamente sem falar em teoria do sinistro. Mas a ausência de algo paranormal também pode explicar a falta de medo que filmecos como Jogos Mortais e Albergue proporcionam...

lola aronovich disse...

Lau, veja o filme, que o Fellini te protege. Nessas horas um gato felino vale muito mais que um gato humano. Falo por experiência própria.


Marilia, bom saber que vc riu! Eu quase não incluí essa fala com o maridão porque não achei que ficou engraçada por escrito. Vcs precisavam ter visto a cara dele ao me encarar e dizer “Um espírito maligno!”. Depois ele também me chamou de “espírito de porco do mal”.

lola aronovich disse...

Barbs, não acredito em espíritos, logo, não acredito que gatos e cachorros veem espíritos. Mas o seu Nando é lindão, hein? Hoje fiquei pedindo pro Calvin fazer posição de Nando (pernas abertas, cuecudo), mas ele não atendeu.


Anderson, um problema que o maridão certamente não tem é insônia. Ele não perde o sono por nada. Mesmo depois de uma super briga comigo, ele dorme como um anjinho, como se não tivesse consciência do MAL que fez (porque eu sempre tenho razão). Mas ele tb não ficou com medo durante o filme. E ainda assim ele gostou. Sobre os gatos, não há dúvida que eles têm superpoderes. Na minha próxima reencarnação quero nascer gato, já falei isso hoje?

lola aronovich disse...

Devathai, pelo menos não vai ser difícil guardar o nome do filme: Atividade Paranormal. Não tem chance de vcs confundirem com uma comédia romântica, né? Olha, se seu marido acha que seu apê tem espíritos, fique longe do filme MESMO. Mas engraçado que vc diga apERtamento. Então seu lugar é pequeno? Isso desmente a minha impressão que é melhor morar num lugar pequeno em caso de espíritos. Menos lugares pra eles assombrarem, entende?


Rita, veja sim, e depois não durma a noite! Ou se não ponha o Roque pra vigiar a cama. Acho que espírito nenhum desafiaria a ira de um pit bull babão.

lola aronovich disse...

Ju, é mesmo, né? Pra quem já tem propensão a medo, melhor não ver filme de terror. Pra quê? Lembro quando eu tava em Detroit e era próximo do halloween e havia um castelo mal assombrado. Algo super top de linha, pelo que li, com montes de sustos, sangue pelas paredes, coisas gosmentas e nojentas, etc. Eu pensei em ir (porque deve ser inesquecível), daí pensei “Mas eu quero mesmo um trauma na minha vida?”... Só não fui mesmo porque, como era um parque temático que só funciona em setembro, outubro e novembro (acho), lotava. Filas de dar voltas no quarteirão.


Paloma, jura? Vc RIU no filme? Eu só vi gente rindo de nervosa, sabe, aquela risada depois de pular da cadeira? E o filme não tem muito senso de humor, né? Ele é sucinto. Logo... Minha conclusão de expert é que vc é doente!

Devathai disse...

haha Lola moro num flatezinho de dois minúsculos quartos e um hall... mesmo assim morremos de medo, tem muitos cães aqui na rua e eles uivam a noite inteira [/pavor]. Meu marido se diz um cético, mas é impregnado de hinduísmo, aí já viu né... é superstição pra tudo quanto é lado, e eu quero mais é manter DISTÂNCIA desse filme =D

Luma Perrete disse...

Eu adoooro filmes de terror, apesar de morrer de medo (de ficar não conseguir dormir direito xD). Fui assistir esse Atividade Paranormal e me decepcionei. Achei muito sem graça. Nem deu pra sentir medo direito. Pra mim a pior coisa foi a foto que eles acharam no sótão. Tirou totalmente o clima de "essa história é real e poderia acontecer com você" do filme. Só não me decepcionou mais que Grace, que também tava sendo vendido como o filme mais assustador de todos os tempos (parece que teve gente que desmaiou durante uma exibição num festival) e é chato do começo ao fim.
Faz tempo que não vejo um filme de terror decente.

Ah, Lola, você que gosta de gatos tem que ver esse vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=0Bmhjf0rKe8
Me diz se isso não faz qualquer pessoa ficar de bom humor?

Bárbara disse...

Lola, veja este pequeno post que eu achei sobre o Google:

http://realidadedesmascarada.blogspot.com/2009/11/o-google-e-imparcial.html

E sobre o teste no final do post, faça mesmo. Hoje eu tentei e ainda estava "funcionando".

Rita disse...

Lolífera, para de chamar o Roque de pit bull... décadas de cruzamentos entre os exemplares sangue bom da raça para diminuir a agressividade não servem de nada? Ele é um starfodshire, tadinho. E quase morreu de medo antes de ontem naquela tempestade (contei lá no blog, mas acho que você não visita meu blog todo dia (chuif! chuif!- momento cara de pau, ihih). Só porque ele tem corpo, cabeça, boca e sangue de pit bull não significa que ele é um pit bull, não é óbvio? ;-P

p.s. Se algum ladrão estiver lendo isso aqui: Roque é um pit bull.

bjocas
Rita

Luma Perrete disse...

Sobre esse negócio do Google, a indexação de páginas funciona de diversas formas. Numa época que estava tendo mais um escândalo grande no senado (são tantos que nem lembro em qual deles), começou-se uma campanha para o Google dar como resultado o site do Senado quando as pessoas pesquisassem por "vergonha nacional". Isso foi feito da seguinte maneira: as pessoas começaram a linkar o texto "vergonha nacional" apontando pro site do Senado, os robôs de busca do Google perceberam que esse termo era relevante (ou pelo menos deveria ser, afinal de contas, se tanta gente tava usando era interpretado como tal pela ferramenta). Pouco tempo depois o site do Senado era o primeiro resultado que aparecia quando pesquisava por "vergonha nacional". Pode ter acontecido algo desse tipo.
Lembro que tinha uma época que se você pesquisasse por uma palavra que pra variar eu não lembro qual é (acho que era burro, terrorista, uma dessas palavras que as pessoas usam pra se referir ao Bush) o primeiro resultado era a página dele na Wikipedia.

Bárbara Reis disse...

Eu vi seu comentário, Lolinha, é que to atolada aqui no artigo sobre o filme do Truman, agora já li as infinitas paginas dos textos, e já vi o filme duas vezes, e neste minuto preciso tirar inspiração de sabe lá onde, para escrever 3 paginas do word de enrolação. hahaha...
Meu nenem é muito fofo mesmo, coisa mais linda da minha vida. Tem muito mais fotos, farei um outro post numa outra oportunidade. hahaha... O Nando tava no meu colo naquela foto de pernas pro ar... tem vááárias fotos que eu e minha mãe estavamos tirando, e ele nem aí pro Brasil... eu não coloquei mais, porque eu tava de pijama, fiquei com vergonha. Ele fica sempre assim... sempre que eu o pego no colo. Do jeito que você põe ele fica. Acho isso demais, porque eu tive uma gata linda também, te mando uma foto dela, e ela era mais arisca, não gostava de colo, nem de beijo, porem adorava dormir comigo, no meu braço, eu acordava com o braço formigando. hahaha...
O Nando só é meio violento quando ta brincando, ele gosta de morder, e ele é muito forte... acaba machucando. Agora ele ta quietinho aqui, deitado no tapete, me fazendo companhia. Nando manda beijos para o Calvin e para a 'pretinha' [intimidade]. HAHAHA...

Eu sou espirita, e não acredito em existam espiritos do jeito que são mostrados em filmes... espiritos na doutrina que eu estudo, são apenas pessoas como nós, que já desencarnaram, ponto. Alguns mais evoluidos, outros menos. Há a obssessão espiritual, onde um espirito desencarnado, obssedia um encarnado, agravando seus problemas, apenas com pensamentos negativos. Porém, há pessoas encarnadas que também obssediam outras encarnadas. É muito complexo, de tão simples. Mas realmente, como é mostrado nos filmes não acontece. Pode dormir em paz.

Beijão, Lolinha...

Cris Prates disse...

Como eu nunca tinha ouvido falar nesse filme? Quero muito assistir...A descrição, porém parecu-me um pouco familiar. Lembrei de "La habitacion del nino" um espanhol sensasional que narra a história de um jovem casal com seu filhinho. O marido consegue ver o "outro lado" através da câmera no quarto do bebê (esqueci como é o nome disso).

Kaká disse...

Eu vi esse filme na sessão de 23:30 que terminou 1 da madrugada. Cheguei em casa e acendi todas as luzes, mas dormi tranquila. Adorei todos os sustos. :)

Juliana disse...

confesso que pensei em asssitir, mas como estava sozinha e era a última sessão da noite, fiquei com medo, rsss... melhor ver de dia e acompanhada! hahahaha...

e adorei a frase da sua mãe! :D

Lord_Anderson disse...

Luma e demais que gostam de sentir medo em filmes.

Tentem, o filme espanhal Rec, é muito bom como terror.

Só evitem a verssão americana chamada Contagio que é uma porcaria.

Patricia Scarpin disse...

Lola, eu fiquei com tanto pavor do trailer que no final, quando o narrador pergunta se queremos ver o filme (ou algo assim), acabei falando em voz alta "não quero!" - morri de vergonha. :)

Esse já decidi que não vou ver mesmo - já me conheço, vou ficar impressionada demais...

NiNah disse...

Vi o trailer que me deixou com muita vontade de assistir, mas agora depois de ler sua impressão. Quero muito ver!
Adoro filmes de terror! kkk
Beijos

NiNah disse...

Ah, concordo com Lord. Assista REC na versão espanhola. Muito bom!
Tem no youtube para quem não achar na locadora. hohoho

Mei disse...

Lord disse tudo.
REC é muito muito bom!!!!!
Eu adorei demais da conta.

Kyhetha disse...

na moral? vi o traiiler e pareceu fraco. meu amigo disse q é fraco.



mas eu morro de medo de filmes de terror!


estava até disposta a ver pq todos diziam ser fraco e eu até consegui[!!!} assistir o trailer sem levar susto, mas agora com seu depoimento... sei não!

Letícia disse...

Não assisto isso nem a pau!
Vou ficar sem dormir duas semanas, não to brincando.

cronicasurbanas disse...

hahaha, o verbo 'deixa' realmente pode dar essa ideia, né? Mas o meu 'deixa' foi no sentido de 'leave', não no de 'allow'... ;-)

Os bichos mandam na gente sim!
abraço,
Mônica

Cabal disse...

Assistirei no dia 8, folga aqui em bizonte, mas pela sua narrativa parece com o filme " A casa das Almas perdidas" de 1987, feito para a televisão, o qual considero o filme mais arrepiante que assisti.Foi igualmente feito com baixo orçamento, com artistas desconhecidos, sem sangue,vômitos, torque de percoço de 360%

LIV disse...

De fato, gatos são paranormais.
a parte ruim é que as coisas ruins que fazem com intenção de pegar na gente, pega neles...
nessas, numa época braba, morreram 3 filhotinhos na minha mão, sem motivos. o gatinho ficava magro só o osso desidratado de uma hora pra outra. sério...tipo, as 10 da manha o gatinho tava bem e ao meio dia tava morrendo. chorei horrores quando um parou de respirar 3 vezes no meu colo e eu fiz voltar soprando na boquinha...até que ele não conseguiu voltar...odeio que gatos sejam "paranormais"...prefiro sofrer do que ver eles sofrendo...

Veruska disse...

Adorei, Lola, morri de medo do começo ao fim. Pelo que li, o final original era mais coerente com o resto do filme. Bjos

raquel disse...

nao acredito!
eu vi hoje o filme ca em portugal e achei horrivel, e minha mae achou tambem!
as 2 achamos que tinha história zero, originalidade zero, e o final, um total zero :s
o pessoal da mesma sala de cinema que eu riu quando o filme acabou xD

Deborah disse...

Oi Lola vou falar de atividade para normal sou eu Deborah que falei de crepúsculo lua nova um comentario... foi ótimo atividade paranormal um terro na serta e quando no filme no final que a câmera se desliga eu fiquei penssando o que de pior podia te a contecido. só de mi lembrar da medo.eu elogio muito esse filme podia ser o melhor filme de terror do ano foi um maximo falar com você de novo bjo.

Anônimo disse...

Ahhhh Achei o filme horrível. A atriz com aquela cara de cinica, que vai rir a qualquer momento... deixou td mto fake.

Janaína disse...

Eu vi esse filme com a minha esposa e ela ficou igual à você, Lola. KKKK Não dormiu e no outro dia ficou cheia de medo em casa quando eu tive que sair, tadinha. Eu gostei muito do filme, até hoje é um dos meus preferidos. Acho que o que dá medo nele, é por se tratar de uma coisa mais próxima do real, que vivemos no dia a dia. Dai bate o medo de aquilo realmente acontecer com a gente, rs.
Foi o único filme que me deixou com um pé atrás depois de o "Exorcista".