sexta-feira, 27 de março de 2009

CRÍTICA: WATCHMEN / Só mais um pouquinho

Rosopadeletrinhas, fantasia do Batman, e Patrick Wilson de penteado esquizo.

Mais pontos que eu aprovei em Watchmen (primeira parte aqui).
- Adorei a tomada da placa do cemitério que enquadra, ao fundo, as Torres Gêmeas. Depois o “herói” é enterrado com a bandeira americana e vemos as Torres novamente, e no final também. Elas não caem. Nova York é destruída, mas elas não (sem falar que o discurso no final é praticamente idêntico ao do Bush em 11 de setembro).
- Gostei da sala de guerra com o Kissinger lembrando o Dr. Fantástico (do Kubrick, não do Quarteto Fantástico), e alguém explicando que, se a União Soviética for destruída, a poeira atômica atingirá o México. E um general diz “Isso não é tão ruim”. O Dia Depois de Amanhã pra eles, tá?!
- A trilha sonora inteira é excepcional.
- Jackie Earle Haley (o pedófilo de Pecados Íntimos - é uma metalinguagem irônica vê-lo aqui perseguindo pedófilos) está muito bem como aquele personagem que levo dez minutos pra escrever. Sua voz, principalmente.
- Este é o segundo melhor filme do Zack Snyder (foto). Gosto demais da refilmagem de Madrugada dos Mortos, e de menos de 300. Watchmen fica na coluna do meio.
- E é a segunda melhor adaptação de uma história do Alan Moore. Pra mim, é 300 vezes melhor que A Liga Extraordinária, e bastante superior a Do Inferno. Só perde pra V de Vingança.
- Estou viajando, ou o que acontece com o Dr. Manhattan não é parecido com aquilo do personagem do Bruce Willis em Pulp Fiction? Um carinha se sacrifica para resgatar um relógio, que significa muito pra ele. Em troca do sofrimento, ele se torna um homem mais durão e completo. Não? Nada a ver?
E mais do que não gostei:
- O filme é episódico, porque fala um pouco do passado de cada personagem. Alguns funcionam melhor que outros, lógico. Por exemplo, quando a Terra tá pra ser devastada por uma hecatombe nuclear, eu não dou a mínima que um personagem descubra quem é seu verdadeiro pai. Simplesmente não é importante. Morra.
- Matthew Goode que faz o Ozy ou algo assim, sei lá, o riquinho, tá muito mal e não inspira medo algum. Mas nem o reconheci! Ele é o melhor amigo do protagonista em Ponto Final, que eu amo.
- Porém, qualquer filme que mostra o Lee Iacocca (o Bill Gates dos anos 80) levando um tiro no meio da testa tem a minha simpatia. “Grátis é sinônimo de socialismo”, diz Lee no filme, antes de conhecer seu trágico fim.
- Transformei a tirada que li de um crítico americano em piada. Ei-la: Por que o Homem-Coruja guarda sua fantasia de super-herói num depósito? Resposta: pra não ser processado por plágio pelo Bruce Wayne. Boa, hein?

18 comentários:

asnalfa disse...

Lola... vc me recomenda assistir esse filme?? Vi o trailler no youtube e nao me animei?? sao quantas horas?? Será q vou me arrepender? Amei vc falando sobre isso do clone do Bill Gates... Meu windows vive dando tela azul!!! Abracos!

Srta.T disse...

Ah Lola, o Goode tá mal mesmo, mas a moça que faz a Espectral é pior ainda, hein? E no gibi ela fuma feito uma condenada, não curti terem cortado isso no filme não (até porque renderia uma cena otima naquele primeiro encontro que ela tem com a mãe).

As referências são tão boas... reparou durante a abertura quem o Ozmandyas vai cumprimentar na entrada de uma boate, no canto esquerdo da tela? Eu quase tive um troço.

lola aronovich disse...

Asn, não sei se recomendo. Depende se vc gosta de filmes de ação baseados em super-heróis. Se gosta, por que perderia Watchmen?
E só pra esclarecer: o Lee Iacocca não tinha nada a ver com computador. Ele era o "Bill Gates dos anos 80" apenas por ser um dos bilionários mais famosos da época.


Srta T, é, a moça que faz Espectral deixa a desejar, mas acho que o papel é difícil mesmo. Pra mim o Goode tá muito pior, é a atuação mais fraca (e ele parece muito jovem). Não me lembro quem o Ozy cumprimenta na abertura? Quem? Quem? (E, aproveitando, tb não entendi muito bem a cena do assassinato do Kennedy. Acho que não estava prestando atenção - eu tava tentando salvar um chocolate derretido. Um dos guarda-costas era um Watchmen? O Comediante foi o assassino do presidente, é isso?).

Srta.T disse...

Na verdade, a Espectral é bem apagada. A mãe dela sim, é uma personagem interessante (e eu gostei da Carla Gugino no papel; aliás, sempre gosto dela). E o Ozymandias do gibi é um personagem tão bacana... uma pena.

Ah, ele vai cumprimentar Mick Jagger e David Bowie, os dois juntinhos! Quanto à cena do Kennedy, o que eu entendi (não lembro bem como está no gibi, posso te dizer com certeza depois) é que o Comediante é o assassino mesmo.

Barbara disse...

O Ozymandias do quadrinho eh o cara mais alpha do mundo: ele eh bonito, sarado, ultra inteligente, gente boa, carismatico, etc etc. Isso que torna ele um personagem mais bacana, porque ele eh o melhor cara do mundo, um ser humano perfeito, e faz uma barbaridade dessas?

Ja o ator nao eh forte (que eh o primeiro absurdo), nem carismatico nem gente boa. Ou seja, casting errado!

Quanto a comparacao do Dr Manhattan com o Bruce Willis em Pulp fiction, que viagem essa sua, hein? Mas eu gostei: pelo seu ponto de vista, o paralelo entre os dois faz sentido sim :)

Helena disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Helena disse...

esse filme é sensacional, eu amei!

tem um texto aqui que fala um pouco sobre ele, é legal xD
http://community.livejournal.com/watchdom/139168.html

Anônimo disse...

Lola, sem q n tem nada a ver, mas n posso deixar de perguntar: no final do ano vc pretende fazer uma lista com os melhores da década?

Ju R. disse...

aos entendidos:

fica explícitos que na HQ o ozmandyas é gay? porque em algum momento no filme eu vi um triângulo rosa invertido pouco antes do oz aparecer.

Ju R. disse...

"Ah, ele vai cumprimentar Mick Jagger e David Bowie, os dois juntinhos!"

eu vi o david bowie! eu vi! eu vi!

e a cena do assassinato de kennedy ficou perfeita! eu pensei que fosse o vídeo original. só quando apareceu o comediante caiu a minha ficha.

Srta.T disse...

Ju. R,

Não, no gibi a opção sexual do Ozy também não é abordada, mas quase todo mundo que leu deduziu que ele é gay. Eu chutaria bi. Tô querendo reler Watchmen (sim, apesar de gibi, é denso e não dá pra entender rudo numa lida so) porque tem várias coisas que me confundem.

Ah, dentro de algumas horas terei a animação "desanimada" do gibi ("Watchmen Motion Comic"), a animação "Contos do Cargueiro Negro" ("Watchmen: Tales of the Black Freighter", narrado pelo Gerard Butler, que virá junto com o DVD, como bônus) e o "fake documentary" inspirado em "Por Trás da Máscara". Se alguém quiser, dá um toque, divido pelo "sou chic".

Fanática? Nah, só um pouquinho.
=P

Liris Tribuzzi disse...

Pensei que você não fosse gostar. É tão não sua cara. Eu achei legal, mas nada de expetacular, porque sou daquelas que antes de vr o filme achava que se tratavam de homens relógios. Já deu pra sentir o drama, né.
Adoro o Snyder. Ele é completamente louca mas funciona muito bem na tela.
E ignorava por completo que Do inferno e a Liga extraordinária tb vieram do Alam Moore.

Ana Rute disse...

ai amei o filme!
a trilha e a primeira cena principalmente!
sensacional!

Leo. disse...

Ao Ju R.
Um amigo meu que é fã de Watchmen disse: Realmente,Ozymandias(o loirinho) é gay e foi mostrado de forma natural na História. Inclusive tem uma frase na revista que ficou de fora do filme:
Rorschach, pensando enquanto se dirige para encontrar o Dr. Manhattan e Spectral II, logo após o encontro com Ozymandias:

"Encontrar Veidt me deixou um gosto ruim na boca. Ele é mimado e decadente. Traiu até mesmo suas próprias hipocrisias liberais.

Talvez homossexual?
Esta frase tem na revista mas não no filme.
Abraços.

Srta.T disse...

Mas isso é uma suposição do Rorschach. Em nenhum momento é dada a certeza de que o personagem é gay, ele não declara sua opção.

Leo. disse...

Bom, eu não sei se é, ao menos no filme fizeram questão de reforçar essa idéia. Tem uma cena no filme que aparece uma pasta com o nome de boys no pc dele.

Arianna disse...

oi lola, gostei da sua crítica sobre watchmen, com suas observações muito pertinentes, divertidas e interessantes.
mas discordo de algumas. qdo vc diz que o homem azul se sacrificou pra salvar o relógio, pelo menos no filme eles dão idéia de que aquilo foi um acidente.
também não achei o filme machista, não conheço a HQ, mas gostei muito da idéia de super-heróis anti-heróis, com moralidade duvidosa e que cometem erros, como é o caso da recaída da mãe da spectral pelo comediante. não custa lembrar q o comediante tb é mostrado como alcóolatra (inclusive há uma cena em q dizem q vão proibir bebidas nas reuniões dos super por conta dele).
por fim, não vejo problema q não haja nenhum super herói negro, tb não havia nenhum asiático, e daí??
abraços e desculpa as discordância! rs

clarque disse...

hahaha, muito boa, bem escrita (gostosa de ler), e engraçada...
parabéns, ganhou um fã pros seus escritos!
=)