terça-feira, 16 de outubro de 2018

COMO CONVERSAR SOBRE ELEIÇÃO DE FORMA NÃO-VIOLENTA

Está difícil conversar com familiares e amigos sobre política e mais difícil ainda convencer eleitores de Bolsonaro de que, como direi, ele não é a melhor opção? Alguém da Psicologia da PUC-RS fez um Guia de Comunicação Não-Violenta Para Conversar Sobre Voto, "uma cartilha baseada na comunicação não-violenta e entrevista motivacional para tentar conversar com os eleitores do Bolsonaro". 
Acusar Haddad disso num debate está
fora de cogitação, já que Bolso foge
dos debates
Claro que psicólogos creem no melhor do ser humano e acham que dá pra dialogar com quem leva a sério que Haddad é um pedófilo incestuoso (mentira caluniosa divulgada ontem por Olavo de Carvalho e um dos filhos do Bolso -- espero, sinceramente, que ambos sejam processados) que distribui mamadeira com bico em formato de pênis nas creches. 
Enfim, a verdade é que, pra virar as eleições, precisamos mudar o voto de bastante gente que votou em Bolso no primeiro turno. Não estamos falando de dialogar com trolls ou robôs, mas com nossos parentes e amigos (sei que muitos de nós cortamos relações com uma boa parte deles). Boa sorte! Procurem manter a calma.
Como Conversar Sobre Voto: Um Guia de Comunicação Não-violenta em 10 Passos
1. Antes de tudo, é preciso evitar uma posição de superioridade.
Somos todos cidadãos com histórias de vida e realidades diferentes. Mas todos queremos um país melhor. Acreditar que a pessoa com quem você está falando é como você é o primeiro passo para chegarem a um acordo. 
2. Evite os apelidos depreciativos.
Assim como você não gosta de ser chamado de “petralha”, chamar alguém de bolsominion ou de coxinha só vai levantar defesas. A pessoa se sentirá ofendida e tentará defender seu ponto de vista ainda mais, apenas para revidar. 
3. Não acuse o eleitor de fascista, racista e homofóbico.
Embora esses discursos permeiem as propostas do CANDIDATO, não é isso que atrai diretamente OS ELEITORES. 
Os eleitores de direita são atraídos pela identificação com a indignação do candidato com a corrupção. A raiva que o candidato demonstra nos discursos espelha a raiva do eleitor com a situação do país. Seu tio ou tia do whatsapp não é fascista, é um indignado. 
Seu tio quer uma mudança.
4. Comece a conversa empatizando com o eleitor e mostrando que vocês têm mais coisas em comum do que diferentes.
“Eu entendo que você esteja decepcionado com a política. Eu também fiquei. Dá muita raiva mesmo.”
5. Encadeie argumentos que mostrem que vocês têm o mesmo objetivo.
“Eu acho que nenhum de nós quer ser roubado. Ninguém escolheria de propósito alguém que achasse que fosse nos roubar. Acho que todos queremos saúde, segurança e educação.”
6. Assuma as falhas que já aconteceram. Mostre sempre que você também refletiu muito e não escolhe um candidato cegamente.
“Eu também tenho pensado muito que quero uma mudança. Realmente o PT já teve muitos envolvidos em corrupção. A verdade é que todos os partidos tiveram, sempre tem alguém se aproveitando. Outras instituições como igreja, times de futebol, essas organizações feitas de pessoas sempre terão falhas. A política tem falhas também.
Eu também quero mudança, e depois de pensar muito vi que o Haddad é uma tentativa de alguém novo, que nunca se envolveu com corrupção, que teve experiência administrando a maior cidade do Brasil e tem um projeto pra fazer diferente do que já tem sido feito”. 
7. Pergunte o que ELE acha. Isso é uma conversa, lembra? Não um discurso unidirecional.
Após ouvir, empatize. “Entendo. Eu também concordo com vários pontos teus. Por isso, pra não ficar pensando na pessoa certa ou partido certo que vai fazer essa mudança, eu resolvi pensar nas propostas. Por isso analisando as propostas do Haddad pra saúde, segurança e educação, escolhi votar nele. (AQUI É IMPORTANTE QUE VOCÊ CONHEÇA AS PROPOSTAS)
8. Se a pessoa se exaltar e apenas xingar o PT e o candidato, faça um reflexo. Cuidado para não cair na ironia. Na entrevista motivacional, isso costuma gerar ambivalência que pode resultar em mudança depois.
“Ah, entendi. Pra ti as propostas não são tãoooo importantes.”
Normalmente, a pessoa vai demonstrar ambivalência, dizendo algo como “ Não, quer dizer, são sim, só não quero do PT…” 
9. Mostre que vocês estão juntos e o debate não é um confronto.
“Bom, de qualquer jeito achei legal a gente conversar. Deu pra perceber que a gente quer muitas coisas parecidas. Eu acredito que esse projeto não vai ser bom só pra mim, mas pra ti também e pra todo o Brasil. Mas respeito tua opinião.”
10. Se a pessoa não mudar de ideia ao final da conversa, não jogue seu esforço fora dizendo “Eu desisto” ou xingando ela. Lembre dos tópicos 1 e 2. 
A conversa pode não gerar resultado na hora. Mas pode deixar uma semente para reflexão. O objetivo é criar ambivalência. Uma mudança de paradigma não acontece na hora.
Isso nunca deve ter acontecido na história

27 comentários:

Anônimo disse...

Por que tudo me soa tão forçado?

A única auto crítica realmente sincera que o PT poderia ter feito esse ano seria deixar de lançar um candidato próprio e apoiar outro candidato de esquerda. Qualquer reconhecimento de erro e culpa a essa altura do campeonato soa falso.
Parece apenas mais uma tentativa desesperada de se manter no poder e, quem sabe, continuar cometendo os mesmos erros.

Mas o PT nunca fez isso desde 2003. Desde esse ano o PT foi hostil com lideranças internas que não diziam amém para a cúpula e os petistas deveriam ter percebido que tinha algo errado, muita gente boa estava preferindo se afastar do PT. Essas pessoas enxergaram primeiro o que boa parte dos ex petistas estão enxergando agora.

Alicia

Lara disse...

Ótimo texto Lola, era disso que eu estava falando. Pena que inadvertidamente eu citei o apelido de uma leitora e fui desvirtuada.

Anônimo disse...

Um olá carioca do Hebert a você Lola, tudo bem?

Acompanhando seu blog desde 2014 através do blog Mingau de Aço, do também carioca jornalista- blogueiro Alexandre Figueiredo, a muito tempo gostaria de comentar,
uma pena que em tempos tão estranhos, não é verdade?
Me senti encorajado a participar, pelo seu comentário ( Escreva Lola Escreva - Documentário ), sobre alguns textos os quais você disse ter se envergonhado um pouco de escrever, me senti mais descontraído pra escrever ( texto grande), e até errar na escrita, né?
Bem, deixando claro não ser especialista em política, mas tentando avaliar sob
um outro ponto de vista:
Como você, me pergunto, Será que pouco mais de 40 milhões de brasileiros, são mesmo fascistas?
Frisando se tratar de uma opinião, noto a reunião de alguns fatores, que foram fundamentais, para o momento atual:
1 - Nas últimas 2 ou 3 décadas, fomos "papagaios de pirata" de "máximas populares" como, "mulher, futebol, religião, música, não se discutem ", tirando nosso hábito da conversa sobre os temas comuns a qualquer pessoa em sociedade ( Política, Relações, Esporte, Religião, Música, Cultura, Sexo ).
2 - Comunicadores-Formadores de opinião, que de transmissores da informação e da opinião do
povo, vem sendo "pensadores" que discutem, decidem e pensam por nós.
São questões somadas com o que considero "pai e mãe" de todas elas,
Radicalismo e intransigência justificados como “ódio do bem”, principais características do Maniqueísmo social ( Eu o bom e justo, contra quem discorda de mim, o mal injusto ou fascista ), nessa última década.
Bem quanto a Fascismo, se a definição é a preservação de valores e ideias de forma centralizadora, autoritária e violenta, aqui no país, tenho a impressão de que isso virou um mero xingamento contra quem se opõe, com perda de seu real sentido, e ironicamente blindado, e até justificado como "justiça social", e imposto por Justiceiros sociais, um termo que li, que define este comportamento, cuja lógica é:
"Não concorda com o bem que meu partido faz as minorias ( mesmo com práticas questionáveis para esse bem ), fascista!!!
Não curte meu estilo musical favorito das massas, da cultura popular ( mesmo com letras de mal gosto, preconceituosas, machistas e até misóginas ), fascista!!!
O jornal deixado de manhã no pé da porta do meu vizinho, é aquele acho venal e nocivo, fascista!!!"
No livro que tenho ( Psiquiatria para a Vida Prática - Jean Rosenbaum ), quanto maior a intransigência, maior a resistência de alguém, em defender suas ideias, por mais tolas que sejam, devendo se criar uma zona de conforto e uma abertura, para que se mude a opinião.
Creio que os debatedores infelizmente estejam mais preocupados em ganhar e fazer calar,
do que expor seus pontos de vista, não é verdade?
Concordando, descordando, mas acompanhando, deixo um abraço carioca, e um ficalolafica!!!









Anônimo disse...

Tá meio tarde pra isso... o PT passou 14 anos criticando a classe média e fazendo piada com qualquer reinvindicacao feita pela mesma. A conta chegou agora...

Anônimo disse...

Leio seu blog há algum tempo, acho algumas coisas interessantes, mas a sua parcialidade em relação ao candidato Haddad não é uma delas. Você se contradiz muito postando esse texto agora, sendo que anteriormente associava os eleitores ao candidato, sem sequer tentar entender os motivos. Agora que a água já tá batendo no queixo para seu candidato, você gira o discurso em 180º.

Anônimo disse...

Eu acho graça de quem briga com um parente ou amigo por causa de política, já que os próprios políticos, quando existe interesse, se abraçam e elogiam seus "inimigos" como se fossem best friends de infância.

lola aronovich disse...

Eu pensei q estivesse bem claro na introdução do post que o texto NÃO É MEU. Eu não girei o discurso. Estou publicando um guia escrito por um psicólogo. Só isso.

Anônimo disse...

Acho importante que todos saibam , por isso copiei e colei:

Ex-líder da KuKlux Klan, político, nacionalista branco, historiador da conspiração antissemita e negador do holocausto, David Duke elogiou Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência do Brasil, no programa de rádio comandado por ele, segundo reportagem da BBC. “Ele soa como nós. E também é um candidato muito forte. É um nacionalista.”

Segundo Ducke, Bolsonaro tem as características que ele defende no movimento de supremacia branca, que foi criado nos Estados Unidos no século XVIII e ficou conhecido principalmente por assassinar negros nos estados do sul do país.

“Ele é totalmente um descendente europeu. Ele se parece com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França. E ele está falando sobre o desastre demográfico que existe no Brasil e a enorme criminalidade que existe ali, como por exemplo nos bairros negros do Rio de Janeiro”, afirmou Duke – que frequentemente classifica o prêmio Nobel da Paz sul-africano Nelson Mandela como um “terrorista”.

Em sua conta no Twitter, Ducke também demonstra sua simpatia pelo capitão da reserva ao retuitar post de um usuário que diz: “Bolsonaro está prestes a conquistar a Presidência brasileira em 28 de outubro! Deve assistir!”. No vídeo publicado, Bolsonaro faz uma crítica enfática sobre o que considera “a desconstrução da heteronormatividade”.

Marina disse...

Gente, lendo os comentários eu achei até que tinha entrado em outro texto..O foco desse texto não é o PT ou o Salnorabo pessoal, é só como dialogar sem violência...Eu hein, tá faltando interpretação de texto MESMO.
Enfim..
Hebert (14:12), cara, eu não vi absolutamente NINGUÉM chamando todos os eleitores do Salnorabo de fascista e muito menos usando o termo como a maioria dos eleitores do Salnorabo utilizam o termo "comunista", por exemplo. O tal candidato, ele sim, é chamado de fascista e não é só no Brasil não, meu caro. Ele é chamado assim pelo mundo todo.
O termo está sendo muito utilizado atualmente sim, mas não é à toa e nem por qualquer motivo, como vc colocou. É por conta de um candidato q propaga discurso e tem práticas fascistas, o que inclusive já está ocasionando uma onda de violência com mais de 50 casos de agressão e pelo menos uma morte. Ou vc está sendo super formal e defendendo que o Coiso não é exatameeeeente uma fascista, talvez seja nazista, ou um neofascista misturado com um nazismo pós-moderno proto-totalitário nacionalista militar liberalnaeconomiaconservadornoscostumes?
E vc tocou num outro ponto q acho interessante e tem um pessoal tocando falando mais disso agora. Vc falou de "Maniqueísmo social" e tem mta gente dizendo agora que o PT "inaugurou o discurso" do nós contra eles.
Pra mim isso não faz nenhum sentido pois o "discurso nós contra eles" nada mais é q luta de classes, e que com certeza não foi "inventada" pelo PT. Eles podem até ter deixado mais claro que isso acontece (tbm não concordo mto, mas enfim), mas jamais "inventaram" isso.

Anônimo disse...

Se chamar Bolsonaro de facista for tudo o que o PT tem contra ela, já era. Quanto tempo mais até perceber que não funciona ?

Anônimo disse...

Marina,

Eu mencionei o PT não por falta de interpretação, e sim porque no texto, um dos métodos mencionados para iniciar o diálogo com um eleitor do bolsonaro é justamente reconhecer os erros/dizer que se sente insatisfeito com a política atual, com a corrupção.

E é justamente isso que soa falso pra mim. Que soa apenas como uma tentativa desesperada de se manter no poder.

E sobre classificar eleitores do bolso de fascistas, infelizmente isso é muito comum Sim, inclusive aqui no blog. Pode nao ser o seu caso mas muita gente aqui diz que o bolsonaro reflete exatamente a opinião preconceituosa da população brasileira. Ir para o extremo oposto agora também soa falso.

Alicia

Cristiane Lira disse...

Eu não cortei relação com nenhum bolsonarista do meu círculo até agora porque nenhum me insultou ou agrediu. Se tivessem feito eu teria cortado relações também. O guia pode funcionar ou não. E é bom ter sabedoria para usar com pessoas NORMAIS que votam em Bolso por causa da corrupção e não com o bolsominion que só tem a intenção de te agredir física ou verbalmente. Com esses o melhor é se afastar ou se defender à altura.
Mesmo com o guia pode ser que a pessoa continue querendo votar em Bolsonaro porque prefere as propostas dele. Infelizmente não se trata só de influência de fakenews. Há certos valores de Bolsonaro com os quais seus eleitores se identificam e por isso, mesmo com a melhor comunicação, vc não vai conseguir convence-los a mudar o voto. Ainda assim não é porque são todos uns "facistas".

Flora Valls disse...

Gente, vcs já estão seguindo o insta @viravoto ? É muito legal, tem muitas histórias maravilhosas e inspiradoras de quem, como nós, está fazendo trabalho de formiguinha e virando um voto por vez! Coragem, ainda temos 13 dias! Vai dar certo! Vamos lá!

Anônimo disse...

A tentativa é desesperada mesmo, Alicia. Mas o desespero não é para "se manter no poder", o desespero é para combater o fascismo. Pq sim, ele sobreviveu e deu cria tropical. Como historiadora, sempre me incomodou o uso leviano dessa palavra, "fascista" é o insulto preferido da esquerda. Sempre achei isso infantil. E eu tbm achava que esse era um problema do século XX. Mas estava errada. Não acredito que todos os eleitores do Bolso sejam fascistas. Meus tios não são. Ignorantes, machistas, racistas e homofóbicos eles são. Mas apenas no nível "comum", não são fascistas. Mas o candidato que escolheram p votar é. Não importa que ele não use essa palavra, todas as características básicas estão lá. Só não enxerga quem não quer. Diante desta ameaça deveriamos nos unir em torno de um candidato que mesmo estando longe de ser o ideal, possibilitará um mínimo de diálogo necessário em uma democracia. Mas aparentemente (e ironicamente) escolherão oq vai acabar com seu direito de escolha. É triste, mas me sobra seguir aquele ditado simplista: "Os incomodados que se retirem". Só lamento (muito!) por quem não tem essa opção. Serão obrigados a permanecer aqui e sofrer as consequências.

Anônimo disse...

E o que funciona? Sério, não é uma pergunta retórica. Pq tenho percebido que NADA funciona. Talvez seja aqui em Goiás, onde as pessoas são ignorantes no nível hard, mas nenhum argumento funciona. Não adianta citar fatos, citar a História. Para essas pessoas os livros são manipulados pelo MEC e os professores são comprados pelo PT. Livros e professores não são confiáveis, mas o whatsapp e o youtube são. Não dá. Eu joguei a toalha. Vou embora, ainda sou jovem e não vou deixar o Brasil roubar minha vida. Ainda pretendo ter um filho e ele não será brasileiro. Não teria coragem de fzr essa maldade com uma criança.

Anônimo disse...

Para virar o jogo, Haddad precisa ganhar 1,5 milhões de votos por dia.

Anônimo disse...

Vai sim... Ahã! Vai fundo lá! Vai nessa! Vai!

Rafael Cherem disse...

Não converso.Perdi a paciência com gente que acredita em kit gay e outras sandices.Eleitor do Bolsonaro não presta e ponto.

Anônimo disse...

esse link é bem útil, é um dôssie com os votos e falas do Bolsonaro, com referência: https://drive.google.com/file/d/1Hpv1U7DTlWU3GUUW2uhzUvwlssu72i_X/view

isso q nem tem o "amazônia não é nossa" e "mulher tem que ganhar menos porque engravida", mas ainda assim são várias páginas de informação resumida, com referências

Anônimo disse...

Agora, aos 47 do segundo tempo vem sugerir que a gente converse com a oposição.

Sinto muito, mas é só olhar os posts anteriores é sempre dizendo que bolsominion é racista, machista assassino estuprador não merece diálogo.

Não se pode menosprezar as pessoas dessa forma, cada um tem sua opinião. Além disso a maioria das pessoas que votam no Bolsonaro não são ruins, elas só não aceitam mais o PT. Ficar rotulando de fascista nazista só piora. Que fique de lição pra 2022 pq 2018 já era.

Marina disse...

Alicia, eu entendo o q vc diz. E concordo q a estratégia do PT foi mais pensando no próprio plano de poder do partido do q no país, frente à ameaça fascista. É tbm por isso (mas não só por isso) q já te disse em outros comentários que o PT me irrita.
Mas como tbm jah te disse, no dia 28 eu vou votar 13 sim, mas não vai ser de coração, não vai ser pq eu quero o PT no poder. Vai ser por conta da ameaça antidemocrática q o Bolso representa, é contra o ódio q ele representa. No seu comentário fica bem claro q vc tá puta com o PT e deveria estar msm. Eles desperdiçaram a melhor chance d realmente mudar o país qdo o Lula tinha uma popularidade recorde, eles cagaram a economia nos últimos anos da Dilma, não fizeram nem um mísero mea culpa por conta de todos os escândalos de corrupção e agora, ao invés de colocar o país na frente (apoiando o Ciro, por ex.), se apegam mais ao seu projeto de poder e lançam o Haddad. Vc tah certa em ficar puta. Mas isso não significa jogar o país nos braços de um fascista ou ainda permanecer inerte frente à essa ameaça.
Não digo pra vc deixar d ficar puta com o PT não. Fica puta msm, vc tá certíssima. Mas não deixa essa raiva te paralisar de modo q vc não defenda a democracia. Vai lá dia 28, puta nas calças msm, e vota 13, pelo Brasil, pela democracia, APESAR de ser voto no PT. É exatamente isso q eu vou fz.

(E atualizando meu comentário, agora já são mais de 50 casos de agressão e pelo menos DUAS mortes por conta do discurso do Coiso. E contando... - https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/10/16/travesti-e-morta-a-facadas-durante-briga-em-bar-no-centro-de-sp.ghtml)

Anônimo disse...

Lola, socorro.

Algum dia, em seus piores pesadelos, vc sonhou ver Bolsonaro eleito Presidente da República com a esmagadora maioria dos votos?

Que pesadelo é esse que estamos vivendo? Me explica, por favor.

Anônimo disse...


Se um político dos EUA batesse continência pra bandeira de qualquer outro país , dissesse que queria dar parte riquíssima do território dos EUA pra outro país administrar e depois se candidatasse a presidente , davam um tiro na cara dele.


Mas aqui os bocós ficam aplaudindo o entreguismo desse anormal.

Anônimo disse...

É exatamente o meu caso. Fiquei super triste qndo saiu o resultado dessa eleição, pq não vi nenhuma chance de mudança, a não ser pra pior.
Mas vou votar no Hadadd pra não ficar com peso na consciência depois. Pra mim não é o melhor, mas fazer o quê

Anônimo disse...

Hehehe, estamos na melhor timeline, com certeza!

Felipe Roberto Martins disse...

Oi Lola...
tdb?
Será que com Educação Política nas Escolas...?
Ajudaria?
Abraços:).

Cristiane Lira disse...

A Lola eu não sei. Mas desde que ele começou a ter fama eu vi isso como possibilidade bem real. Não vi em nenhum pesadelo. Não acho que os brasileiros são todos uns "facistas", mas tem muita gente hipócrita. Vejo o povo falando mal do apoio que o PT dá a ditaduras no exterior, mas calando a boca e votando num candidato que defende a ditadura e tortura aqui. Se era pra ser contra o PT e a corrupção e se era pra pensar em religião na hora do voto havia vários outros candidatos infinitamente melhores do que Bolsonaro. Mesmo que o voto em Bolsonaro tenha muito de indignação com a corrupçao, relativizar e minimizar a tortura e a ditadura no Brasil mostram que o povo não se importa muito com a barbárie. E que essa indignação com o apoio do PT a ditaduras de esquerda é só conversa fiada. Acho que há alguns eleitores de Bolsonaro que vão votar nele porque querem ver sangue nesmo. Em nome do antipetismo nem sequer conseguem fazer crítica a violência que está sendo cometida contra aqueles que vão votar em Haddad. A maioria esmagadora está calada assim como ficaram calados diante do elogio a Ustra. Quando o Coiso abriu a boca para falar disso a única coisa que fez foi mencionar a facada que tomou de um doente mental. Não adianta querer associar estes criminosos com a esquerda. São eleitores DELE. É hipócrita quem fala de ditadura na Venezuela mas não se preocupa com a violência contra os brasileiros, por motivos políticos, aqui.
Se alguma desgraça acontecer com o Brasil, graças a eleição de Bolsonaro vou culpar unicamente os eleitores de Bolsonaro, sem essa desculpinha de combate ao PT. Havia outras alternativas mas eles preferiram votar em um psicopata.