sexta-feira, 25 de março de 2016

GUEST POST: MINHA LUTA VEM DA MINHA DOR

Renascendo das cinzas

Recebi este relato sofrido da R. 

Boa noite Lola, vi um relato de relacionamento abusivo no seu blog e resolvi contar a minha história. Gostaria muito que publicasse no seu blog para que outras meninas fiquem atentas, embora seja muito doloroso tocar no assunto. Estou começando a falar depois de 6 anos de militância feminista.
Lola, tenho 23 anos e me identifico como feminista desde os 17, quando entrei no curso de Ciências Sociais em uma universidade federal, uma das melhores do país. Passei entre os 5 primeiros.
Não entendia por que o feminismo me fascinava tanto. Eu passava horas na biblioteca na prateleira de estudos de gênero. Descobri em terapia que a militância se deu porque eu vi meu pai bater na minha mãe. Eu via meu pai fazer piadas machistas, via meu pai fazer violência psicológica com todas nós (eu, minha mãe e irmã).
Meu pai se separou da minha mãe e a ameaçou inúmeras vezes. Ela é assistente social e já ganhou prêmios. O delegado registrou o boletim de ocorrência da minha mãe e disse pra ela se mudar da cidade, porque eles não poderiam fazer nada. Meu pai ficou com a casa e o carro, não me deu pensão e ainda acabou com a formatura da minha irmã.
Hoje o salário da minha mãe subiu de R$ 2.500 pra R$ 7.000. Após beber muito por semanas, meu pai teve um AVC. Faz um tempo, ele matou um adolescente de 13 anos na rodovia e até hoje não foi preso e nem tiraram a CNH dele. Ele estava muito, muito bêbado.
Ele já me bateu. Tenta fazer com que eu, minha mãe e minha irmã falem mal umas das outras para espalhar boatos na cidade que nascemos e nos fazer brigar. Por exemplo, ele inventou que minha mãe tinha um amante. Ele é que teve um monte de amantes, e uma delas tinha a idade da minha irmã mais velha.
Fui abusada sexualmente por um tio-avô no Natal, quando eu tinha 3 ou 4 anos, e algumas vezes em casa (meus pais trabalhavam e eu ficava sozinha). Este tio-avô foi acusado de estupro de outras crianças e nunca foi preso.
Se não bastasse um pai agressor e abuso sexual na infância, fui estuprada por um "amigo" da faculdade, que colocou Boa Noite Cinderela no meu copo durante uma balada.
Tive depressão desde que fui abusada com 4 anos, desde então nunca mais fui a mesma. Na adolescência fui gótica, me cortava, ficava no escuro embaixo da cama. Eu tinha um blog com mais muitas visualizações, poesias sobre suicídio e cortes pelo corpo, e as pessoas achavam tudo lindo e rebelde.
O ápice da munha depressão veio no último semestre na faculdade: tive um surto psicótico e tive que trancar o curso. Eu tinha bolsa de mestrado pra ir pra Portugal estudar na melhor universidade de Antropologia do mundo. Tudo foi por água abaixo.
Passei por muitas tentativas de suicídio, meus amigos sumiram e minha mãe gastava metade do salário no meu tratamento.
Eu não aprendi a dizer não pra homem. Ainda transo sem vontade, e sinto que às vezes faço qualquer coisa pra ter atenção masculina.
Sou muito inteligente e por este motivo homens mais velhos (inclusive professores da faculdade) dizem que sou "madura demais pra idade". Ouço isto desde criança.
Minha mãe também foi estuprada quando criança por diversos homens, pois trabalhava fora desde os 7 anos. Infelizmente ela não conseguiu me proteger de todos esses abusos, mas ela é especialista em violência sexual e pelo menos no seu trabalho ela é muito eficiente e já ajudou inúmeras garotas.
Enfim Lola, é isto, ainda estou juntando meus cacos que homens quebraram no decorrer de meus 23 anos, mas continuo firme e forte com o coletivo feminista que fundei na minha universidade. Sou feminista para evitar que mais meninas sofram e para dar apoio a todas as manas que não têm voz!

66 comentários:

Anônimo disse...

Querida irmã, seu pai e apenas homem....sendo o monte de lixo monstruoso que carrega historicamente esta definição. Quando dizemos e somos taxadas de radicais por quem esta entorpecida pelo mito do romantismo que as mulheres devem desistir dos homens para poderem sobreviver, e relatos assim que devemos mostrar.

Anônimo disse...

É um fato inegável que todo homem que já passou por este planeta, que vive atualmente e ainda há de existir, foi, é e será criado por uma mulher. Porque se tornam monstros se são educados por elas? Porque não se amoldam os homens dentro desta concepção feminista haja vista a mulher deter o poder de adequa-los dentro desta perspectiva? Ou a mulher falha cabalmente em uma seara a qual não era de se esperar?

Anônimo disse...

Fácil para vcs por a culpa nas mulheres, culpar o oprimido pela opressão.
Vc desconsidera toda a carga histórica e o veneno biológico que torna os homens os predadores que o são.Na verdade o pouco que os homens carregam de humanidade em sua biologia e de civilidade nas suas construções sociais devem ao contato materno,porque se fossem formados somente pelo acidente (defeito adaptado a útil pela evolução) chamado cromossomos Y, não passariam de bestas feras, e se fossem educados sem a presença feminina somente a masculina, seriam bárbaros sanguinários somente.
A humanidade só vai evoluir quando o padrão feminino de socialidade for uniforme aos seres humanos, quando a sociedade desistir do veneno chamado masculinidade que só trouxe mau e desgraça a história humana. ou seja quando desistir do homem.

Anônimo disse...

COSTELAS

Anônimo disse...

"A humanidade só vai evoluir quando o padrão feminino de socialidade for uniforme aos seres humanos, quando a sociedade desistir do veneno chamado masculinidade que só trouxe mau e desgraça a história humana. ou seja quando desistir do homem"

Vocês são caso de hospício.

Kittsu disse...

As minhas com molho barbecue, por favor.

Anônimo disse...

Aposto que vocês envergonham até a própria vertente da qual fazem parte com estes discursos.

Anônimo disse...

Se vocês estiverem numa rua escura e deserta quem vocês preferem encontrar?
a) O capeta
b) Um homem


Eu prefiro encontrar o capeta.

Anônimo disse...

Se vocês estiverem numa rua escura e deserta quem vocês preferem encontrar?
a) O capeta
b) Um homem negro

....

Anônimo disse...

Prefiro encontrar o capeta porque ele pelo menos pede permissão antes de entrar no corpo alheio.

Anônimo disse...

Esse tal de Jesus tá no tinder?

Anônimo disse...

"ela tinha que encontrar jesus e um homem pra cuidar dela direito"

Engraçado que vocÊ citou dois homens que nunca existiram na mesma frase e nem percebeu.

Anônimo disse...

Minha irmã e minha amiga;
Fiquei agoniada com cada palavra sua
Lute, lute por si mesma
Você é uma sobrevivente
Olha, li um livro chamado LIVRE de Cheryl Staryed, teve até filme
Baixa na internet, me ajudou bastante. Lá ela fala assim: o medo vem de uma estória que contamos para nós mesmos. Então conte outra estória
Conta outra estória! Conta que você é uma sobrevivente!
Todos sofremos, e vc não está sozinha
Meu amor vai para vc nessa sexta da paixão 🙂
Beijos

Anônimo disse...

Ué! Agora resolveram evocar o caráter BIOLOGICO para justificar o comportamento dos homens?? Olha o quão contraditório é pensamento feminista : segundo o qual, a luta é pela igualdade, fomentada basicamente em uma construção de ideologias de forma a erradicar o patriarcado, todavia, nem mesmo a feminista das 15:30 parece acreditar nesta assertiva, pois ela DECRETA que a única solução é extinguir o ser masculino. Então, qual é a razão de ser do movimento se nem as membros entram em um consenso?

Anônimo disse...

Analfabeto funcional das 18:57 o que se prega não e a eliminação dos seres humanos do sexo masculino isto e uma bobagem, mas sim do masculino como forma socialmente construído.

Anônimo disse...

O interessante é que a feminista das 15:30 ainda diz que se os homens fossem criados "sem a presença feminina", seriam bárbaros sanguinários. O que fizer daqueles que são criados somente pela figura feminina e viram estes bárbaros?

Anônimo disse...

O movimento é plural e existem várias vertentes que não concordam entre si sobre assuntos diferentes. Você deveria se educar ao invés de bradar que "nem as feministas sabem pelo que lutam".

Anônimo disse...

Ohh ser iluminada das 19:07!! O último período, do último parágrafo do comentário da referida feminista está assim escrito : "ou seja, quando desistir do homem". Pode me chamar de analfabeto funcional, afinal é normal adjetivos ofensivos proferidos por mulheres também, agora ter preguiça de ler, como no seu caso é complicado.

Anônimo disse...

Feminista das 19:14. Cito uma frase de William Shakespeare :

“Todos os caminhos estão errados quando você não sabe aonde quer chegar.”

Anônimo disse...

Anônimo das 19:14. Sabemos muito bem aonde queremos chegar. Não se preocupe.

Anônimo disse...

19:11, isso se deve a influência masculina e da sociedade que dá passe livre e incentivo para os homens serem os babacas que são.

Anônimo disse...

Feminista das 19:37. A personalidade de um ser humano é moldada ali, por volta dos 10,12 anos de idade. Nesta idade, suponho eu, esta criança deva estar sob tutela da mãe a qual detém o poder de educa-lo. Ah sim! A sociedade vai "dá passe livre para os homens serem babacas" através da "influência". Claro! Uma das teorias feministas bem corrobora isto. Ou seja, deixemos os filhos livres para fazerem suas escolhas, não é mesmo? Ao invés de educa-lo para ser um ser humano melhor, eu delego este mister à escola, amigos, mídia, etc.

Anônimo disse...

Machistas das 19:37, a sua tentativa de culpar mulheres pela canalhice masculina está bem evidente. Não sei aonde você quer chegar mas pediria que você não tente discutir teorias feministas já que claramente não entende nada delas.
Quando homens vão assumir o que fazem sem arranjarem uma Eva pra jogar a culpa?

Anônimo disse...

*Machista das 19:51

Anônimo disse...

Mais uma vez eu digo: não estou culpabilizando a mulher. Apenas afirmo que o poder sempre esteve com vocês! O segredo está na preparação destes futuros homens, e começa no seio materno!

Anônimo disse...

Claro, machistinha. Opressões não são internalizadas, né? Socialização NÃO EXISTE, e ser uma mulher é necessariamente o mesmo que ser feminista, óbvio. Opressão, hum, não é jamais algo naturalizado.

Eu até entederia você caso sua intenção fosse pura e simplesmente fazer oposição ao que algumas anônimas exaltadas dizem acima, mas não parece ser o caso. É mais como uma oposição ao feminismo mesmo.

Anônimo disse...

"não estou culpabilizando a mulher"

Amiguinho "culpabilizando" não existe é culpando que se diz. Meu Deus!

Anônimo disse...

20:30, na verdade só falta ele dizer que as mulheres precisam voltar pro lar pra ensinar seus filhos a não serem machistas. Ou seja, a solução pro machismo é mais machismo. Se os homens são machistas foi porque as mulheres não souberam usar o seu poder direito, entendeu?
Ele é apenas mais um machista cínico. Depois reclamam de misandria..

Anônimo disse...

Significado de Culpabilizando
Culpabilizar: v.t. Atribuir culpa a; inculpar..
Definição de Culpabilizando
Classe gramatical: Verbo transitivo
Flexão do verbo culpabilizar no: Gerúndio.
Separação das sílabas: cul-pa-bi-li-zar

Meu Deus digo eu!!

Anônimo disse...

Então quer dizer que o ato de educar o filho por parte da mulher é machismo? Tá difícil!

Anônimo disse...

Não, rapaz, não é. Uma educação feminista é importante. É fundamental incluir mães no feminismo, mas pra isso, olha só, é preciso levar o feminismo a mulher. Será que eu me fiz entender?

Anônimo disse...

Viram? hahaha Eu já consigo ver a intenção dos machos de looooooonge.
Sim, o fato de vc achar que educar filhos é obrigação apenas da mulher É MACHISMO.
E pior ainda, achar que as mulheres devem ter só essa função. Que mulher vai conseguir ser independente financeiramente sendo mãe em tempo integral?

Anônimo disse...

Amiguinho, "culpabilizando" não existe não. Isso é uma aberração do dicionário de gente da esquerda obtusa, como emponderar.

Por favor, simplesmente use o corretor de texto já que não conhece regras da lingua portuguesa.

Anônimo disse...

Mais ou menos off-topic, porque sou muito assíncrona a determinadas coisas: em posts anteriores, eu vi alguns comentários expondo o desejo de ler um guest post sobre feminismo radical... bem, pesquisar faz parte.

Aqui vai uma pequena contribuição minha:

http://fabianelima.com/blog/problemao-de-genero-a-serie/ - uma ótima série de posts (ainda não conclusa) abordando a teoria queer, de Judith Butler. Observação: eu não recomendo ler a resenha que ela indica no post em que fala dos prefácios, e o motivo tem a ver com parte do que diz no parágrafo seguinte ao do link pra resenha.

https://materialfeminista.milharal.org/ - material feminista radical.

http://radfem.org/ - livros de feminismo radical para download, todos em inglês, infelizmente. Mais a maior lástima mesmo é que falta o Feminism Radical today, de Denise Thompson, foi retirado a pedido.

O livro Feminism Radical today é um dos poucos livros introdutórios que temos até onde sei. Ele não pode ser encontrado pra download completo, mas existem uns capítulos soltos aí pela internet:

https://manaschicas.files.wordpress.com/2014/04/definindo-o-feminismo-denise-thompson.pdf - a introdução.

https://we.riseup.net/assets/244895/Tradu%C3%A7%C3%A3o+Feminismo+Radical+hj.pdf - fala sobre gênero, caso a memória não me falhe.

Anônimo disse...

Não há o que uma mulher possa fazer. O ódio e o desprezo pelo feminino faz parte da natureza do macho adulto e, portanto, emerge com toda a força na adolescência, quando o menino deve "deixar a barra da saia da mãe" para poder se tornar macho "de verdade", ou seja, odiar e desprezar mulher. Todo mundo sabe que o macho adolescente que não demonstra esse desprezo pelo feminino é tratado como trouxa, como frouxo. Homem que respeita mulher é considerado frouxo. Pra ser visto como macho e pra ser aceito no mundo masculino, o desprezo pelo feminino é fundamental. Agredir mulheres verbalmente, fisicamente, culturalmente faz parte da socialização masculina.

Anônimo disse...

23:44, aceitar isso como mulheres é o primeiro passo. Negar é ilusão mas muitas ainda se perdem nisso. O que precisamos fazer como feministas é EMPODERAR mulheres para libertá-las. A partir do momento que a mulher tem consciência disso ela vai poder se defender disso de maneira mais efetiva pois vai saber com quem está lidando. Por isso o empoderamento das mulheres incomoda tanto.

Anônimo disse...

00:03,

pra mim, esse é o papel do feminismo: tirar a venda dos olhos femininos. O feminismo, no meu entender, não existe para "modificar" o homem ou para fazer homens "respeitarem" mulheres. O feminismo existe para ajudar as mulheres a conhecerem o homem real, não a ilusão que a mulher faz do homem. O feminismo existe para que as mulheres sejam capazes de lidarem com o homem real, não com o homem imaginário, idealizado, que a mulher projeta. As mulheres têm uma condescendência imensa com o homem, pois imagina que o homem a percebe como ela percebe o homem, o que não é verdade. A mulher enxerga no homem uma pessoa completa, por isso admira o que o homem é, o que ele realiza. O homem só vê um corpo na mulher e nada mais. Enquanto a mulher gosta de conversar como o homem e quer a companhia dele, tudo o que o homem deseja é uma mulher calada e solícita (= sem personalidade) e que se transforme numa pizza depois do sexo. Homem só gasta o seu tempo dando atenção pra mulher até o momento do sexo. A partir do momento em que e mulher vê o homem real, ela deixa de sofrer, pois deixa de esperar do homem, o que o homem não é capaz de oferecer: atenção e companhia.

Anônimo disse...

00:22, concordo plenamente com você mas se você disser isso para muitas mulheres elas mesmas te acusam de misandria. Preferem permanecer num estado de negação do que lidar com a realidade. E tem as que acham que com que elas vai ser diferente.

Anônimo disse...

00:57,

sim, tem muita gente que prefere viver na ilusão. Mas na verdade, ver o homem real é lidar melhor com ele, não pior. É sentir-se melhor, não pior. É simplificar imensamente a vida. Ajuda muito nos relacionamentos, já que é praticamente impossível viver sem contato masculino. Depois que abandonei completamente as ilusões em relação ao masculino, vivo muito melhor.

E quem acha que consigo será diferente, não vive a vida real, por isso se machuca profundamente.

Anônimo disse...

Ce nhor, não falta m,ais nada para as rads ficarem iguaizinhas os mascus Lola, ate o discurso e idêntico.

Anônimo disse...

É justo que provem do próprio veneno. Talvez este seja, justamente, o remédio. É necessário que sejam confrontados com a própria boçalidade. Só assim conseguirão enxergá-la. O bom senso não tem qualquer efeito contra a boçalidade.

Anônimo disse...

"Engraçado que vocÊ citou dois homens que nunca existiram na mesma frase e nem percebeu."

Jesus não existiu?

Anônimo disse...

O Jesus com super poderes filho de uma virgem?
Não.

Anônimo disse...

Anon, me diga UMA ideologia em que todos, absolutamente todos os membros estão de acordo e não pensam diferente.
Somos seres humanos falhos e como indivíduos, cada um tem direito de ter um pensamento para determinada ideia. Nem sempre todas serão boas e nem sempre todas serão ruins.
Por isso, da próxima vez que quiser desacreditar um movimento, arranje uma desculpa melhor. Não é como se você realmente tivesse considerado entrar para o feminismo, mas saiba que todo movimento e ideologia vai ter sempre pensamentos diferentes. Até na política e nas religiões é assim. Não seja ingênuo por favor.

Anônimo disse...

"pelo mito do romantismo que as mulheres devem desistir dos homens para poderem sobreviver"

Desistir = destruir na sua concepção.

E sim vc é um analfabeto funcional porque só lê a parte que te convém e entende da forma que te convém.

Anônimo disse...

E como vc justifica um babaca que foi criado única e exclusivamente pelo pai, anon? Já que a culpa é da mãe, quando ela é ausente por que não costumamos ver homens que são anjos de pessoas?
E quando tem mãe, mas o pai também, cade a responsabilidade dele no caráter do filho? Afinal ele por ser o homem não deveria salvar a criança da péssima influência materna e mostrar sua perfeita educação como pai e homem decente e de bem?

Anônimo disse...

"homem decente e de bem" kkkkkkkkkk...

é só ver os esquerdomachos que, em tese, estão pensando e refletindo (kkkkkk...) sobre as relações de gênero, justiça e equidade, enquanto desconstroem o próprio machismo (kkkkkk...). Nem no discurso os esquerdomachos enganam. Nas atitudes, então... Se os esquerdóides estão assim, imaginem os direitóides!

Anônimo disse...

Essa coitada precisa de amor não de feminismo

Anônimo disse...

Porque o que ela viveu não tem NADA a ver com aquilo que o feminismo se propõe a lutar, né, 11:57? ¬¬

Anônimo disse...

Oi, anon das 10:52. Não sei se você entendeu, mas eu estava sendo irônica nesse comentário. Afinal se o anon acha que o problema dos homens babacas é serem criados por mulheres, ele deveria ser um grande incentivador dos homens terem papel ativo na criação dos filhos. Sabe, para poder "salva-los"

Anônimo disse...

Olá, 14:08

entendi, sim, fica tranquila. Só peguei um gancho. Se os homens fossem decentes e do bem, nem estaríamos tendo essa conversa. Só ilustrei sua ironia com os esquerdomachos, que se acham muito decentes e muito do bem. Se isso não fosse tão trágico, até seria engraçado.

Anônimo disse...

Minha tristeza pela história de vida repleta de violência, invasão, pelas heranças de tristeza que nós mulheres ainda carregamos. Por ainda não estarmos livres disso.

Minha perplexidade pela falta de sensibilidade. Os comentários são, com frequência, asquerosos.

Também fui abusada sexualmente por um empregado da família dos 3 aos 5 anos. Meus Pais dizem nunca ter notado nada - sobretudo porque nunca observaram, nunca tiveram olhos para nós. Fomos criados por empregados. Aos 11 anos meu padrasto tentou me estuprar. Resisti. Avisei minha Mãe e meus Avós. Fui ridicularizada por ser ciumenta e estar inventando coisas. Meu Pai disse não poder fazer nada - meu Pai é voluntário em centros de atenção a crianças abusadas e tem histórias tristíssimas de meninas abusadas. Mas as minhas histórias não o tocam. Minha Mãe é muito revoltada comigo até hoje por isso. Seu relacionamento turbulento supostamente não deu certo por minha causa. Isso faz 27 anos. Em mim sempre coube o sêmen, o espancamento, o abandono.

Estou na terceira terapia. E sigo lutando.

O sentimento de desvalor, de invasão, de vulnerabilidade, de ter sido feita para servir, é muito forte.

Toda a minha solidariedade na sua dor. Desejo que a cada dia você possa estar mais presente em você. É duro "voltar a habitar" um corpo e uma psique tão violados.

Mas é o caminho possível.

Do feminismo, e toda a sua legitimidade, apenas espero não se agarre mais à luta do que às irmãs mulheres. Nenhuma causa pode ser posta na frente das pessoas.

Muito amor, muita clareza. Persista.

Anônimo disse...

Oi Lola, estou numa situação muito complicada e não estou sabendo como lidar e nem a quem recorrer. Tem um email que eu possa entrar em contato e tentar explicar? Tentei pelo perfil, mas não deu muito certo aqui.

Marcia disse...

Senti uma imensa tristeza por tudo o que te aconteceu, como é revoltante saber que tantas de nós são tão humilhadas e machucadas.

Nunca precisei enfrentar essa batalha contra o abuso físico e sexual, mas sei bem o que me custou me erguer do abuso psicológico. Você é forte e vai seguir persistindo, eu acredito. Espero que muita felicidade cruze o seu caminho, todas nós merecemos.

Tô muito admirada pela sua capacidade de luta e reinvenção, realmente, ser solidária com outras pessoas ajuda a consertar os buracos da alma, faz um bem danado. Posso discordar aos berros com várias colegas feministas, mas estar na luta é muito melhor do que resistir sozinha e calada.

Também sigo lutando para que cada mulher a minha volta esteja num mundo mais humano, onde nós mulheres sejamos humanas, completas e não subjugadas. Há dias em que não sei o quando desse mundo eu mesma vou ver, mas ainda sigo acreditando que vale a pena morrer semente.

Seu relato é água para a resistência que plantei na minha consciência. Obrigada, muito obrigada por compartilhar. Dois beijos e um abraço carinhoso, você merece muito respeito e admiração, guerreira! Cuide-se, viu?

Anônimo disse...

O email da Lola é esse: lolaescreva@gmail.com

Joéverson Evangelista disse...

Irmã, força e coragem.

Anônimo disse...

Estranho essa mãe especialista em violência sexual que é incapaz de ajudar a filha... enfim, converse e aprenda com a sua mãe e siga adiante.

Anônimo disse...

Lembra de um abuso que aconteceu quando tinha 4 anos?

Arnaldo Krogdahl e Lis Versieux disse...

Essa aí tem razão de ser feminista.
A dor fala mais alto que a razão.

Se isso a ajuda lidar com o sofrimento passado, é bom. Pelo menos ela não quer mais desistir da vida.

Anônimo disse...

Ouvi dizer, e parece ae confirmar: todos os homens sensíveis são em verdade mulheres presas no corpo de homens.
Eu, trans, conheci uma ex-rad por quem me apaixonei, pessoa fantástica ela, pena que ela entrou numa seita nazista que proíbe relacionamentos românticos. Me dói o coração constatar que se eu a tivesse conhecido como rad, a teria declarado minha inimiga.

Feminismo radical seria perfeito se não fosse a transfobia, e a misandria. Prefiro me abster de preconceitos e odiar todos igualmente.
Só desabafos, se alguém quiser responder...


Sors imanis et inanis. ):

Anônimo disse...

parei de ler no ex-rad
bom fanfic, macho

Anônimo disse...

Por favor, me diga um caso assim então -.- (Pq até onde sei - nenhum cara criado por mulheres, desde a infância, sem contato com homens, virou um "bárbaro"...)

Anônimo disse...

Nossa, cada papinho mais sem futuro nessa caixa de comentários, hein!

Anônimo disse...

Anônimo das 19h28
Essa frase não é do gato do Alice nos Pais das Maravilhas? Só que aí contrário do que vc escreveu. Google it.

Anônimo disse...

Anônima das 18h22

Que comentário maravilhoso. Minha solidariedade pra vc e pra autora do guest.
Achei muito oportuno o que Vc escreveu sobre não colocar as causas na frente das pessoas.
Obrigada por deixe seu comentário.

Soraia disse...

Bom eu acho que para podermos seguir em frente temos que colocar nosso passado para trás mesmo esse passado difícil de esquecer, pois quando olhamos para trás só podemos ver nossa dor, sei que é difícil de esquecer ou seguir adiante, mas só podemos ser feliz quando olhamos para frente e nos preparamos para as coisas boas que estão por vir. : )