quinta-feira, 1 de novembro de 2012

"MEU IRMÃO ME BATE"

A. me enviou este pedido de ajuda:

"Hoje eu queria te pedir um ajuda, são sei se um conselho ou se um texto que você possa me indicar... Meu nome é A, tenho 18 anos e moro com meus pais e meu irmão dois anos mais velho. Desde que eu era criança e brigava mais com meu irmão, ele usava a força pra decidir as brigas. Acontece que —  e isso tem me incomodado muito —  ele continua fazendo isso. Se nós começamos a discutir e de algum modo ele se sente ofendido, ou se algo o deixa nervoso, logo parte para ameaças físicas e não aceita argumentações. Não sei se por meio de defesa ou se por covardia, eu não consigo responder. E fico quieta, ouvindo as ameaças e absurdos que ele diz.
Ele exige de mim um respeito submisso. Sim, ele faz isso na frente da família. Minha avó já tentou ficar no meio, minha mãe dá broncas nele e meu pai raramente presencia essas situações. Ao final desses episódios, sempre saio nervosa, lacrimejante (e logo começo a chorar), com uma dor na garganta de vontade de desabafar e responder a ele. Sei que se fizer isso, apanho. Tá ficando cada vez mais difícil aguentar isso. Me sinto fraca, covarde por não me impor. Nem que eu tenha que ficar com um olho roxo. Eu, que apoio totalmente o feminismo e o fim da violência às mulheres, me submeto a isso. Alguma dica, conselho, indicação?"

Minha resposta: A., pra começo de conversa, fale claramente com seus pais sobre isso. Diga que não vai mais tolerar esse tipo de comportamento. Quando a gente é criança, alguma violência física entre irmãos pode acontecer -- não que seja aceitável! E cabe aos pais educar os filhos para que não resolvam conflitos através da violência. Claro que quando os pais são os primeiros a fazer isso, com aquelas famosas "palmadinhas pedagógicas", fica mais difícil eles se posicionarem contra agressões. Mas não é possível que isso persista até a idade adulta. 
Nem seu irmão nem ninguém da sua família ou fora dela é seu dono. Só que, por causa da sociedade machista e partriarcal em que vivemos, é bem comum que irmãos tenham poder sobre suas irmãs, apenas por serem homens. No modelo mais patriarcal de família, o irmão mais velho, assim que atinge a adolescência, passa a ter mais poder que a mãe. Por isso, talvez, as broncas da sua mãe e da sua avó no seu irmão não surtem efeito.
Muitas vezes esse sentimento de posse do irmão pela irmã é estimulado pelos pais. O velho "Cuide da sua irmã" pode ser interpretado de várias formas. O irmão vê a diferença de tratamento que os pais dão a ele e à irmã. Ele percebe quem tem mais liberdade, quem é incentivado a namorar, quem pode voltar pra casa tarde, quem pode dirigir, quem tem que lavar os pratos, quem precisa tomar cuidado com a forma que se veste. E ele incorpora tudo isso no seu tratamento à irmã.
Este mês, o Superior Tribunal de Justiça decidiu que a Lei Maria da Penha também vale para irmão agressor, mesmo que o irmão não more na mesma casa. Não sei se você precisa chegar ao ponto de ir até uma delegacia exigir seu direito de não ser ameaçada ou agredida, mas é uma lei que você tem a seu favor. 
Acho que você deve conversar primeiro com seus pais, pedir uma conversa mediada entre você e meu irmão, e dizer como essas ameaças te fazem sentir. E avisar que você vai responder os absurdos que ele diz daqui pra frente. E que, se ele não aguenta argumentações contrárias aos seus pensamentos retrógrados, ele precisa urgentemente de terapia.
Um dia, e vamos torcer para que seja em breve, você não terá mais que viver com seu irmão. E, quando esse dia chegar, você vai decidir se quer perdoá-lo ou se prefere cortar qualquer tipo de contato com ele. E será a sua decisão, e de mais ninguém.
O que vocês sugerem?

139 comentários:

aiaiai disse...

falar a verdade, lolinha, quando eu acabei de ler o depoimento da A. eu só pensei: vá a polícia.

Mas, é claro, que conversar com os pais antes é melhor. Afinal, provavelmente, ela não quer q o irmão seja preso.

Mas, se a conversa não funcionar, vá a uma delegacia e denuncie.

Um cara de 20 anos batendo na irmã de 18 pra mim é um cara perigoso. E quando ele casar? O que vai fazer com a esposa?

Pili disse...

Ufa, graças a buda as crianças daqui da familia paramos de brigar enquanto cresciamos.
Foi isso que me perimitu descobir grandes amizades com algumas, e... Um relacionamento normal com outras.
Na época eu tambem brigava como podia. Jogando coisas, unhando.... Mas Nao recomendo pra ninguem. Muito menos pra um adulto. Muito menos pra adultos inteligentes que já perceberam que isso nao tá certo.

Te desejo sorte, e apesar do que outras pessoas possam dizer, acredito mesmo que vc nao deve jogar o jogo que ele quer!
Alias, nao recomendo isso nunca pra nenhum tipo de abuso. Por mais que vc ache que poderá ser mais forte que ele, só de se deixar conduzir pra dentro do comportamento abusivo vc já mostrou que ele é que te subjuga.
Que dirá numa briga mesmo, de pancada.

Converse sobre isso com ele e com as outras pessoas aí, mas nao peça nada nao. Deixe bem claro que respeitar voce nao é nenhum favor que te fazem. É obrigação, do mesmo jeito q vc respeita os demais e se abstem de cometer violencias com os demais.
E se for preciso se afastar, nao é o fim do mundo. Mais pra frente isso pode mudar tambem.
A vida pode até ser curta pra perder tempo ficando "de mal" com um familiar. Mas será longa demais, interminável e horrorosa se esse familiar passar o resto dos dias te atacando.
Beijos e força na peruca!!!

Taís Noronha Tourinho disse...

Lola, sou sua leitora assídua e vou tentar postar comentários aqui (não que você precise de mais um comentário em sua rica caixa) como forma de exercitar a minha reflexão e o diálogo com pessoas diferentes. Também sou um fruto dessa sociedade machista e muitas fragilidades da minha personalidade estão ligadas à minha criação nesse meio. Uma delas que tento desconstruir agora: a ideia de que eu não tenho uma voz, que devo ficar calada.
A situação da A. deve ser mesmo muito angustiante. Falta de apoio dos pais e mais um opressor, dentro de casa, não deve ser moleza. Acho que ela tem que lutar pela própria independência, estudar, trabalhar, ficar na rua e diminuir ao máximo o espaço restante de dominação do irmão...

Taís Noronha Tourinho disse...

Lola, sou sua leitora assídua e vou tentar postar comentários aqui (não que você precise de mais um comentário em sua rica caixa) como forma de exercitar a minha reflexão e o diálogo com pessoas diferentes. Também sou um fruto dessa sociedade machista e muitas fragilidades da minha personalidade estão ligadas à minha criação nesse meio. Uma delas que tento desconstruir agora: a ideia de que eu não tenho uma voz, que devo ficar calada.
A situação da A. deve ser mesmo muito angustiante. Falta de apoio dos pais e mais um opressor, dentro de casa, não deve ser moleza. Acho que ela tem que lutar pela própria independência, estudar, trabalhar, ficar na rua e diminuir ao máximo o espaço restante de dominação do irmão...

Anônimo disse...

se sua familia não tma uma atirude, denuncie, ponha ele na cadeia, arrume um emprego e se afaste para sempre !

Anônimo disse...

Cadeia no vagabundo,denuncia ele sem medo A. se ele fez uma,vai fazer duas,três,quatro e sabe-se lá quantas mais e quem sabe em um desses acessos de fúria de machinho cu quente dele,possa até acontecer uma tragédia! NÃO deixe que ele encoste em você nunca mais e se necessário mete uma faca nele sem dó!Eu no seu lugar já teria arrebentado ele de pancada,meu pai fazia a mesma coisa,aquele lixo alcoolatra só que quando eu cresci eu dei o troco na mesma moeda.Um dia ele veio bêbado pra casa e quis dar uma de machão,eu chutei ele pra longe,peguei um lençol e amarrei ele no pé da mesa e dei um surra de cabo de vassoura nele até ele ficar todo estourado,depois joguei ele pra fora de casa e falei que como o lixo que ele era que se retirasse e NUNCA mais aparece-se lá em casa.

Anônimo disse...

minha namorada passava pela mesma situação, ela trabalha comigo, e um dia ela chegou com o braço roxo no serviço, eu a questionei, ela me contou o que estava acontecedo.
Bem eu tive uma conversinha com o garoto idiota, lhe mostrei que sempre terá alguem mais forte que ele...digamos que mihha sogra não gosta mais de mim kkkk, dane-se !

Homem Cinza disse...

Lola, eu sugiro que ela converse com os pais e irmão dela, não os seus. heheh, brincadeira. Só pra infomar o erro no final do seu texto.

Agora falando sério, infelizmente relação de autoridade é complicado. É provável que o irmão dela respeite a autoridade do pai, então esse seria o caminho mais confiável. Se não resolver acho que o único caminho é polícia mesmo, talvez.

Anônimo disse...

Uma conversa mediada é realmente uma boa ideia, mas num momento em que todos estejam calmos por que num momento de raiva é mais dificil fazer com que a pessoa reflita. Se ele realmente nao aceitar ouvir argumentos contrarios aos dele sem partir pra agressāo, é caso de terapia mesmo, por que, é parte fundamental da vida de um adulto saber lidar com opnioes diversas e contrarias as dele.

Eu espero mesmo que seus pais te escutem A., e deem um jeito nesse menino. Por desse jeito, mais tarde ele vai acabar sendo um sujeito frustrado na vida profissional e pior, se alguem casar com ele, ele ainda vai infernizar a vida dessa mulher. Mas se nada der certo e ele voltar a te agredir, voce tem a Lei Maria da Penha.

Flavio Moreira disse...

Lola, acho que vou discordar um pouco de você. Se A. já tem sido ameaçada pelo irmão até mesmo em frente da família, só o diálogo mediado não basta.
Para que ele entenda que o que está fazendo é errado, ela deve deixar bem claro nessa conversa que se ele ameaçá-la ou agredi-la de novo ela irá lançar mão da denúncia, sim.
E, se ele ainda assim mantiver seu comportamento, então ela deve mesmo denunciá-lo.
Pelo relato, fica claro que ele não atende à voz de autoridade materna, o que demonstra desrespeito. Se ele não é capaz de respeitar e obedecer à mãe, dificilmente irá obedecer ao pai - pode chegar a fazê-lo se se sentir amedrontado pela figura paterna, mas se não perceber o apoio irrestrito do pai à filha, provavelmente irá repetir o abuso nas costas dele.
A., lamento muito que você esteja passando por isso e espero que a conversa com seus pais ajude e, até mesmo, resolva a sua situação. Imagino que deve ser muito difícil reagir a esses abusos depois de ter sido criada uma certa "conveniência" - já que isso existe desde que vocês eram crianças. Mas sei irmão não é mais criança e precisa responder por seus atos.
Torço para que você consiga fazer com que esse sofrimento cesse sem precisar chegar às vias de fato da denúncia.
Um grande abraço.

raquel disse...

A., tb tenho uma familia machista, e embora meu irmão não me bata, ele sempre tem razão em tudo... Antes ele ligava o som alto a noite e eu tinha que levantar cedo pra estudar e não conseguia dormir... Não adiantava reclamar que eu era xiliquenta e etc... Inclusive não adiantava nada falar pra minha mãe. Então comecei a falar que existe a Lei do Silencio, e que se ele não me respeita, pelo menos a lei ele é obrigado! Então ele parou... Use a Lei que seu irmão não terá opções!

Dani disse...

Meu irmão fazia a mesma coisa comigo, e minha mãe sempre apoiava.
Passei a adolescência fugindo da perseguição deles e sentindo que fazia tudo errado.
Mas nunca abaixei a cabeça, sempre tive opinião e vontade própria, sempre bati de frente... sofri, mas não perdi minha identidade.
O que eles conseguiram? Que a gente ficasse afastado... nossa relação é muito superficial e meu conselho é:

Saia de casa o quanto antes, procure sua independência, pois pelo jeito que definiiu sua família, dificilmente a conversa irá resolver. Vai bater na mesma tecla sempre. Você é esclarecida, madura e inteligente, faça algo antes que isso aumente.

Wendy disse...

Independentemente de conversar, ou denunciar, ou etc... Interaja o menos possível com ele e cuide da sua vida para ter independência emocional e financeira o quanto antes. Assim vc poderá sair de casa um dia, se preciso for. Procure pessoas fora da sua casa que te entendam e que te apóiam...

Infelizmente família a gente não escolhe. O ideal seria todos termos uma "Família Doriana", mas tem muita gente egoísta e imbecil que impede que isso aconteça.

Fique bem! Beijos! =***

Anônimo disse...

Meu irmão, não sei se por ciúmes também, me batia sempre quando eu era pequena. E não só em mim, mas nos meus irmãos também.

Hoje sabemos que, além de tudo, ele é esquizofrênico (não que justifique) e que talvez tenha sido essa a razão da minha mãe não interceder ou interceder muito pouco (meu pai é ausente)

Quando eu tinha uns 14 anos, eu disse que não queria sair naquele dia e ele insistindo que o acompanhasse. Ele veio para cima de mim querendo me bater. Não pensei duas vezes: estava guardando a louça e peguei o espremedor de alho - daqueles antigos, que são pesados - e taquei na cabeça dele. Taquei prato, copo, tudo o que tinha à mão, enquanto gritava que se ele encostasse a mão em mim ou nos meus irmãos de novo eu ia cortar ela fora.

Ele tomou 5 pontos na cabeça e nunca mais bateu ou impôs qualquer coisa para gente. Meu irmãozinho (que hoje tem 1,90 m) ainda brinca dizendo que queria ver ele tentar fazer isso de novo atualmente.

A., resista. Mostre que respeito é conquistado e não imposto, que você não é objeto, não é propriedade. E se ele te machucar, polícia. Tem gente que só aprende assim.

Luiza disse...

E de novo eu não consigo entender como tem pai e mãe nem aí pras filhas...

Scarlett disse...

O meu comentário não tem nada a ver com o post, mas tem a ver com as causas que são defendidas no bLog.

Autor do blog cujo link está abaixo, defende a ideia de que os negros são inferiores, confiram vocês com seus próprios olhos:

http://aurorabrasilis.blogspot.com.br/2012/04/estudo-provando-que-o-negro-e-inferior.html?showComment=1351514701624#c8185280471698519756

Denunciem o crime no site da Polícia Federal:

http://denuncia.pf.gov.br/

Koppe disse...

O que posso dizer é que "tentar conversar" com ele é absolutamente inútil. Ele já provou que está além do diálogo, ele só entende uma linguagem: a da força. Diálogo funciona com pessoas civilizadas, o que ele já demonstrou não ser.

Se for pra conversar com alguém, converse com os teus pais. Mas não pra pedir, e sim pra avisar. Se o irmão te bater de novo, tu vai ir na polícia. Não fale pros teus pais em Maria da Penha, fale só em polícia, porque todo mundo sabe que Lei Maria da Penha dá cadeia mesmo e se tu falar esse nome é bem capaz de eles ficarem do lado do teu irmão, preferirem ver tu apanhando do que ele preso. Não tenha nenhum receio nem pena da idéia de ele ser preso, ele merece. Faça exame de corpo de delito e deixe claro que não foi a primeira vez que ele te agrediu.

E aconselho pensar seriamente na necessidade de se defender fisicamente. Se ele é mais forte, use ferramentas: uma faca de cozinha, uma chave de fenda, um pedaço de pau, uma pedra. É preferível mil vezes ele ferido do que tu, se for pra alguém acabar tendo que ir pro hospital que seja ele. Mas não sinta pena. Ele não sente pena de ti quando te bate, então ele não merece esse tipo de consideração. Não ameace, só tenha ao alcance algo pra se defender, e quando ele estiver te batendo, pegue o que for e use sem dó, sem pena.

Pacifistas dizem que "devemos ser melhores" e "não usar de violência". Esse tipo de pensamento deriva do mito cristão de "dar a outra face", e esse tipo de pensamento ajuda situações de opressão a se perpetuarem indefinidamente. De certa forma é o que tu tem feito, não reagir e não usar de violência, e pelo jeito não resolve.

E também, esse tipo de atitude dele combina com certos grupos que a Lola costuma criticar aqui no blog; que tipo de sites teu irmão anda freqüentando na internet...?

Anônimo disse...


Diga para ele as seguintes palavrinhas mágicas:

Lei Maria da Penha.


=D

Elaine Telles disse...

Passo pelo mesmo problema e tive que sair de casa por causa dessa violência. O pior é que todas as denúncias que fiz foram encaradas pela polícia como "briga de irmãos, bobagem". Fiquei muito feliz que a Lei Maria da Penha seja válida para esses casos agora. O fato é que minha mãe sempre relevou, pos panos quentes, porque tinha dó de ele ir preso... e ele reinou por anos assim. No último sábado, o idiota exigiu dinheiro da minha mãe, e como ela se recusou a lhe dar, ele a ameaçou. Ela tentou correr se proteger no quarto dela, e quando tentava fechar a porta ele veio empurrar pra entrar. Quebrou o braço dela no impacto. Ela ligou pro meu pai vir socorrê-la, meu pai ficou louco de ver aquilo e partiu pra cima do idiota drogado, que conseguiu trincar a canela do meu pai. Minha mãe relutou, relutou até ver que tinha chegado o limite e a partir daí era morte. Denunciou. Agora estão aguardando a polícia agir. Tenho pena porque são dois idosos... 63 e 65 anos, contra um vagabundo que só sabe se drogar, arranjar confusão, exigir dinheiro. Nunca trabalhou, só aceita cargo de chefe pra cima.Mas demorou muito pros meus pais tomarem coragem... mais de 15 anos sofrendo roubo, agressão física e verbal, necessidade, pra proteger alguém que não merece nada na vida.

Binha disse...

Parece-me que faltou dar limites a esse rapaz desde a sua infância. Isso era função dos pais. A primeira vez que levantasse a mão para bater em você deveria ter sido repreendido. Agora parece tarde, pois ele já incorporou a atitude como se fosse algo normal... Muito triste esta estória. Espero que você, A., consiga resolver o mais rápido possível e que tenha o apoio dos seus pais. Se não, corra para viver sua vida, pois você já é maior de idade e pode sim fazer o que bem quiser dela, sem precisar se submeter aos maus-tratos alheios.

Lyrio disse...

Meu irmão (mais novo) me agrediu duas vezes há dois anos. Na primeira eu parei de falar com ele, minha família ficou me aporrinhando "Ai como você é ruim de não falar com ele" "Ai você tem que perdoar" entre outras mais que eu já conhecia de quando meu pai tinha me agredido e eu tinha parado de falar com ele (já fui agredida fisicamente por todas as pessoas da minha casa).

Na segunda vez eu disse que ia a delegacia denunciar e minha mãe disse que se eu fizesse isso iria me expulsar de casa. Sim, eu fui agredida e quando quis denunciar ameaçada de ser expulsa. Diante disso eu não denunciei nenhuma das agressões que sofri e não falo mais com ele. Eu fico sofrendo pressão da família porque ele me agredir tudo bem, eu ficar sem falar com alguém da família jamais.

Agora estou desempregada mas tenho projetos de sair daqui assim que tiver condições uma vez que acho o ambiente da minha casa cada vez mais insuportável.

Desejo muita força pra A para superar todas essas coisas.

Anônimo disse...

A., não se sinta fraca e covarde por não se impôr. Ele é que é um sacana e covarde por impor a vc e sua família tamanha violência e desrespeito.
Vc está numa situação difícil, o melhor a fazer é manter distância e, caso ele te agrida de forma mais contundente, se defender com uma faca ou correr para denunciar.

Já passei por sérias agressões verbais de meu irmão durante anos. Ele inclusive chamou seus amigos para me xingar e jogar pedra em mim. Tive depressão, fobia social e comecei auto-flagelo grave (machuquei-me seriamente, foi quase uma tentativa de suicídio). Ele parou depois que eu enlouqueci.

Após uma década, consegui recuperar a sanidade e ter uma vida normal.

Moema L disse...

Que situação horrível....

como já disseram a primeira coisa que eu pensei foi : vá a policia.

Acho que você deve ter uma conversa com seus pais e com ele junto explicando o que esta acontecendo e até avisando que vai a policia caso se repita. Deixe BEM claro que você realmente vai denuncia-lo se ele não parar.

e se acontecer de novo vá mesmo, tem gente que não aprende só com aviso.

Eu sei que irmãos brigam principalmente na infância(não é saudável). Eu e meu irmão também saiamos no tapa e eramos sempre reprendidos por isso.

Talvez avisando que se acontecer novamente você vai a policia ele pare.

Em casa funcionou, a única vez depois de grande, que discutimos mais seriamente eu deixei BEM claro que se o ocorrido se repetisse eu ia denuncia-lo.
Isso já Faz alguns anos, nunca mais aconteceu.Nem mesmo ameça.

Sara Marinho disse...

A., sinto muito pela sua situação, é o tipo de coisa que a gente espera que acabe no máximo lá pelos 14/15 anos (do irmão mais velho), vocês não são mais crianças, o que seu irmão faz com você é crime.
Apanhei muito do meu irmão quando eramos crianças, tipo, muito mesmo, meus pais intervinham, brigavam horrores com ele, e muitas vezes comigo também (as vezes eu provocava, e era criança, sabia que dava em briga em algum momento, mas corria atrás dele para brincar), mas nossas últimas brigas violentas foram lá pelos meus 14 anos, quando ele tinha 15/16 anos, depois disso estavamos ambos no ensino médio, passavos o dia fora de casa, e mal conversavamos entre nós quando estavamos nela (até hoje é assim), ai, quando por breves períodos convivemos de fato de novo, a gente brigava (e briga) muito , mas nos limitando a discutir, ainda que aos berros, teve uma vez ou outra depois que ele segurou meu braço durante uma discussão, mas ai eu virava eu demônio de tanto gritar com ele, e minha família inteira ficava do meu lado, não me lembro dele fazer algo do gênero há muito tempo, uns dois anos pelo menos (tenho 20).
O meu irmão é um idiota, mas ele não é violento desde os 16 anos, e mesmo nessa época, ele não era mais tão violento assim, ele me bateu de verdade mesmo só quando a gente era criança, já o seu irmão, ele é perigoso, se conversar e argumentar não adianta, ameace, diga que te ameaçar e bater (e em qualquer outra pessoa) é crime, que você pode denuncia-lo para a polícia, pergunte se ele quer gastar o reu primário dele (eu suponho que ele seja reu primário)sendo irracional com você, se ele te ameaçar de novo, confronte, e se ele te bater, é polícia, sem choro para ele.

Katw disse...

Ola A.

Antes de qualquer comentario, gostaria de saber mais sobre sua vida. Ja que vc não se identificou, não seria um problema, certo? Você tem condicoes de viver sozinha? Você tem medo de ser expulsa de casa caso venha a denunciar seu irmao a policia?
Digo isso porque é muito facil eu dizer para vc enfrentar, mas temo que sua situacao financeira te impeça de fazer isso. Eu e minha irmas nunca apanhamos do meus irmaos mais velhos. Alias, a unica vez que meu irmao me ameacou quando era bem pequena, meu pai deixou bem claro que ele iria apanhar muito se encostasse a mao em uma de nos. Entao, desde muito cedo meu irmao nuna encostou a mao em nos. Ja tenho outros casos na familia que não foram assim. Meu primo desde muito cedo batia nas irmas, nos vizinhos, nos colegas e nunca era repreendido, nem pelo pai que era ausente, e nem pela mae, sempre existia a desculpa de que ele era injustiçado. Minha prima chegou ja na idade adulta com 28 anos a apanhar desse imbecil, a mulher dele tb, so que ao contrario da minha prima que alem de não denunciar ainda foi ridicularizada pela familia, essa denunciou o marido, foi para uma casa de protecao da mulher e ele não pode chegar perto dela.

Espero que vc tenha forças para denuncia-lo. Mas não espere apoio da sua familia, aconselho vc a chegar para seu pai e dizer que vc ira denunciar na policia se isso chegar a acontecer de novo, mas não espere nada. Va atras da sua independencia, viver nesse sofrimento nos causa um mal enorme.

Allice disse...

"fulano, seu país diz que agredir é crime, até torturar psicologicamente, ou entra na lei ou vai sujar sua ficha."
Não vai ser fácil, mas é um caminho.

Allice disse...

A única vez que um homem ameaçou me bater eu disse que ia pra rua fazer escândalo, que iria à imprensa, que mesmo que ele não fosse preso, passaria uma vergonha ou apanharia, como estava ameaçando me bater, se bate, está disposto a apanhar também.

Bruno S disse...

Difícil aconselhar numa história contada de forma tão curta.

Acho que expor de forma clara a todos o quanto essa situação é desagradável e te faz mal, o efeito que as ameaças e a falta de apoio tem em você, A.

Junto a isso, é importante deixar claro que estará disposta a denunciar uma agressão.

Acho que a consciência no seu irmão e no resto da família que o problema pode ter consequência pode servir como desetímulo à atitude dele.

Nem todo mundo que é valentão dentro de casa vai querer encarar o risco de responder a um processo.

Rayara disse...

Que situação horrível!

Eu entendo o temor da A. Uma coisa é a gente apoiar o feminismo, o fim da violência contra as mulheres (coisa que todos deveriam fazer), mas tudo muda de figura quando o agressor está dentro da sua casa e é uma pessoa próxima, que pode te machucar a qualquer momento.

Eu acho que a A deveria mesmo tentar ter uma conversa séria com pai, mãe e avó, especialmente o pai, que parece ser omisso. Chama pra sentar e diz que tem um "assunto muito, muito sério" para conversar.

Na conversa, é importante deixar claro o quanto isso te faz mal e que não vai mais tolerar, que eles devem conversar com o irmão, e que na próxima agressão que acontecer você vai denunciar. Se parar, ótimo! Senão, delegacia mesmo, infelizmente ou é isso ou é continuar sendo agredida. E não se esqueça de pedir (desde antes da conversa acontecer) o apoio de primos, tios, amigos confiáveis, pro caso de você precisar sair de casa. Sim, é possível que a família se revolte por você ter chegado ao ponto de denunciar o irmão mesmo depois de tentar ter uma conversa séria. E aí as agressões podem só piorar.

Te desejo muita coragem e força! Você não precisa passar por essa situação, nem deve!

Barbara O. disse...

Certa vez meu irmão deu uma surra no cachorro que deixou o bicho aleijado. Incrível como os homens são instigados à violência. Estou de acordo com os comentaristas que dizem que o diálogo com ele é impraticável. Com os pais, talvez. O ideal, neste caso, é fugir para lugar seguro. Sair de casa o mais rápido possível. Enquanto isto não for possível, esclarecer os integrantes da casa sobre a Maria da Penha.

Anna disse...

Ele não tem nenhum remorso em te agredir, seus pais não fazem nada efetivo contra ele, então pergunto por que ainda não o denunciou? Tem pena de quem não pena de você?

Não adianta nada se declarar feminista se aceita tudo isso.

Anna disse...

E se denunciar não surtir efeito, chama um amigo para dar uma bela surra neste covarde, quero ver se depois disso ele vai ameaçar você ou qualquer outra pessoa.

Joana disse...

Minha história é praticamente a mesma da A.

Um belo dia, meu irmão me ameaçou de agressão com muito mais veemência do que fazia normalmente, e que me deixou realmente atordoada. Não pensei duas vezes - fui à delegacia e lavrei um B.O., relatando a ameaça de agressão. Depois disso, uns 2 meses depois, saí de casa, e nunca mais nem nos olhamos, isso foi há mais de 3 anos. Meus pais, que sempre presenciaram esse comportamento animal dele, são dois inertes, nunca fizeram nada, mostrei pra eles o B.O. e falaram que foi algo desnecessário. Nem apoio em casa eu tive.

Aconselho a A. fazer o mesmo, se ele acha que pode tudo dentro de casa, que ninguém intervém, lembre a ele que existe o Estado. Não se deixe ser agredida, corra atrás dos seus direitos. Lei, polícia, essas coisas não existem à toa.

Seja forte.

Pryscila disse...

Perguntei para meu delegado particular e a resposta , com a qual concordo, é: se a família não dá jeito, é caso de polícia, sim. Cana nesse irmão.

Anônimo disse...

Isso acontecia comigo quando criança. Eu e meu irmão brigavamos muito, mas como eramos pequenos, tinhamos a mesma força. Só que, ao crescermos, ele ficou bem mais forte e começou a me bater. Só que eu não me submetia, revidava como eu podia. E até uma faca apontei pra ele (lógico que sem a intenção de feri-lo) só para ele ficar assustado e não chegar perto de mim para me bater. Mas quando a Lei Maria da Penha surgiu e nós já faziamos faculdade, ameacei ele dizendo que se ele encostasse a mão em mim mais uma vez iria a delegacia denuncia-lo. E destaquei como ficaria feio para ele, quase se formando, fichado na delegacia por bater na irma. Depois disso ele nunca mais tentou me bater. Mas parou de falar comigo. E muito tempo depois, resolvemos nossas diferenças e hoje somos grandes amigos.

Muitas vezes os irmãos crescem brigando e não percebem que não são mais crianças. Somando-se o machismo a tudo isso, o irmão não aceita que a irmã se imponha. Então converse com seus pais e ele juntos. E se não der certo, vá a delegacia.

Anônimo disse...

OLha, tenho que dizer que já passei por isso. Mas foi diferente, dessa vez foi meu irmão mais novo que assim que se viu com tamanho e força, achou que teria poderes sobre mim. Infelizmente, um homem só age assim pq sua família permite.
Se vc for a polícia denuncialo como eu fiz, tera que arcar com as consequências. No meu caso, precisei ouvir que se levasse adiante não poderia contar com o apoio da família (eu estaria atacando a família), mesmo estando cheia de marcas de socos e pontapés por todo o corpo, eu é que estava ferindo a imagem da família. Engraçado é que eu não quis que meu irmão fosse preso, mas ele precisou ir na delagacia algumas vezes e mesmo assim não conseguiu entender o que tinha feto. Uma vez depois ele gritou com a minha mãe dizendo que tinha mulheres que gostam de apanhar (devia achar isso de mim). Isso me encheu de raiva, pq era meu irmão falando isso para mim. O que é muito pior é que ele siquer me conhecia. Nunca me permiti intimidade com nenhum homem que faltasse ao respeito comigo e isso era muito humilhiante para mim.
Mas, no final, quem acabou recebendo apoio da família foi ele e não eu. Precisei sair de casa pois não consegui ficar no mesmo ambiente que ele sem me sentir ameaçada. É vergonhoso que uma família permita que isso acoteça em sua própria casa e pior ainda é saber o quanto minha mãe foi omissa nesse tempo todo. Isso tb me envergonha como mulher. Acho que o machismo se perpetua pq muitas mulheres permitem que ele seja fecundo em suas casas. Lembrando que vim de um lar critão e aparentemente perfeito. Muitas pessoas acham que minha família exemplar. Tem muita coisa ainda no meio dessa história toda. Meu conselho é que quem sofre qualquer tipo de violência deve se esforçar para ter poder para caminhar pelas próprias pernas. Digo financeiramente e emocionalmente. Veja até onde vc aguenta e quando puder saia de casa. Mas saia sabendo que precisará enfrentar muita coisa. Infelizmente, o que não nos mata nos fortalece. Não permaneça na posição de vítima por muito tempo, do contrário você pode não conseguir mais sair dela.

Teresa Silva RJ disse...

Eu acho o pai dessa menina ausente, omisso ou os dois. Das duas uma: ou ele tem medo do filho violento, não quer acabar espancado também e não tem força nem física nem de caráter o suficiente pra defender a filha; ou acha que o filho não faz nada de errado e lava as mãos. Também concordo com o aviso aos pais de que a garota vai na polícia se continuar sendo espancada. Se o clima na casa continuar insuportável, ela pode procurar casas de acolhimento para mulheres espancadas.

Sara disse...

A. da muita revolta ver q casos como o seu continuam tão comuns na sociedade.
Acredito q esse modo de se criar os filhos em moldes tão machistas permeiam todas as camadas sociais.
Eu mesma canso de ver meus próprios amigos reproduzindo esse lixo com seus filhos e filhas.
E quando aparece um sujeito do tipo de seu irmão o quadro de violência esta perfeito p se desenrolar.
Não ha freios para q um homem machista e violento se imponha sobre todos os outros membros da familia especialmente as mulheres.
Denunciar pode ser uma saída, mas para estancar com essa covardia q nos mulheres passamos, ha muito q se lutar ainda, é o q vc esta fazendo agora denunciando pelo menos aqui.

Jacqueline disse...

A.

Seguindo a maior parte dos comentários aqui, eu torço para que você mostre para os seus pais urgentemente o que está acontecendo e deixe claro que isso não pode mais acontecer, pois do contrário você procurará a polícia. Acho bom você compartilhar esse problema com outros entes da família, como tios, primos e avós, pois eles podem te dar uma ajuda também caso seus pais, ainda assim, continuem a achar que é bem normal o que acontece debaixo de seu teto.

E Lola, essa é uma boa situação para comentarmos sobre a fragilidade a qual o mundo feminino está subjulgado. MUlheres são fracas por natureza e tudo fica por isso mesmo. Acredito que boa parte da transformação feminista é assumir que, sim, você deve tentar se defender e revidar em casos de violência.

Anônimo disse...

Fica mais essa informação sobre a lei Maria da Penha. Quanto a questão em particular, não sei se é bom como primeiro recurso procurar a delegacia. Se a família nuclear não quiser encarar a situação, achar exagero e etc, talvez vale procurar outros familiares que ela identifique como mentes mais abertas. Alguém precisa conversar com a família e esse rapaz. Esse tipo de violência de um irmão contra uma irmã é bem comum, eu sei porque trabalho em centro de referência da assistência social. Fazer boletim de ocorrência muitas vezes não coibe o agressor. Abrir um processo contra ele é uma medida mais drástica, mas pode ser que isso leve a outros procedimentos que visem orientar e auxiliar a família. Ragusa

Gabriele Albuquerque Silva disse...

Acho que no início é bom tentar mobilizar mesmo a sua família para que ele veja que a coisa é séria. Tente mobilizar sua família para que todos fiquem do seu lado e mostrem que isso não é nada aceitável. Quem sabe assim ele comece pelo menos a se sentir envergonhado e a pensar em suas atitudes. Falem inclusive da Maria da Penha, alerte que você tem o poder de denunciá-lo. Se a coisa continuar, acho que dai cabe recorrer à lei mesmo. Tenha uma conversa bem séria com seus pais. afinal, eles são os pais dele e mesmo que já seja adulto, eles tem ainda certa responsabilidade, ele mora na casa deles.

Anônimo disse...

E mais questões: li os comentários depois de comentar. As pessoas acham que é simples uma moça de 18 anos representar um processo contra o irmão numa casa onde talvez ela não receba nenhum apoio e seja hostilizada, sendo ela ainda dependente. Não sabemos quase nada sobre a vida da moça então vamos ter cautela aí nos comentários por favor. Ragusa

Ana disse...

Como todo mundo já disse aí em cima, diálogar com ele não vai adianta e creio que seja inútil conversar com os pais, visto que eles vêem as agressões e não fazem nada.

Só discordo da parte de que, ela devia tentar revidar. Acho perigoso, e ela ainda sofre o risco dele se fazer de coitadinho e jogar a culpa nela, a única solução é chamar a polícia mesmo.

Minha mãe já passou por isso, e infelizmente minha vó e o resto da família ficou do lado cafageste, o único jeito que encontrei foi chamar a polícia (que não fez nada, mas, pelo menos deixou-o intimidado). Desejo sorte para A. e por mais que seja doloroso, acho que ela deve tentar afastar-se o mais rápido possível deles.

Bruno S disse...

Pessoal,

sei que boa parte sofre ou presenciou histórias de violência que levam a crer no pior do sujeito.

Mas por um relato de dois parágrafos, não entendo como conseguem ter tanta certeza de que diálogo com família e irmão são completamente inúteis.

Será que os envolvidos tem real noção do que ela sente com as ameaças? Será que a mãe percebe da inutilidade de suas intervenções? Será que o próprio irmão tem a percepção de que a conduta dele é criminosa ou já refletiu a respeito disso?

Será que o mesmo irmão que é ameaçador em muitos momentos não é alguém querido por A em outros? Criando mais dúvidas a respeito?

Fiz um pouco papel de advogado do diabo, mas é porque não consigo ter tantas certezas tão rápido.

lee disse...

Off Topic: http://www.youtube.com/watch?v=8kqsBqfBwcw Lola ou qql outra pessoa? O que é isso? Isso está passando na TV?

G. Fernanda disse...

http://genijogapedra.blogspot.com.br/2012/10/o-silencio-feminista-sobre-o-estupro-da.html

Lola tem alguma opinião sobre esse texto e caso?

Luana disse...

Por experiência própria, tem gente que considera uma briga violenta de irmãos algo absolutamente banal; como se ainda fosse rinha de criança, coisa de guri. Inclusive, algumas pessoas pensam que é absurdo se meter nesses assuntos, afinal se o problema é de família, é na família que tem que ficar. Claro q isso é um absurdo e não deve ser acatado por você A. Você está sofrendo violência física e psicológica, talvez seu irmão nem tenha a consciência do mal que lhe faz, e muito menos consciência dos DIREITOS que você tem. Por isso mesmo uma conversa preliminar é fundamental pra colocar os pingos nos Is, mas como na maioria dos casos o diálogo é insuficiente, faça valer os seus direitos e mostre pra sua família que você tem amparo legal para isso. Não é natural machucar/intimidar ninguém!!! Você não tem que aceitar isso de cabeça baixa, todos aqui te apoiam, muita força e boa sorte!!!

Anônimo disse...

Já tive problemas com meu irmão, pq tinha ciúmes de meus pais comigo... qndo era criança tive problemas de saúde, então ele achava que ficava de lado... o que nunca foi verdade...o amor de meus pais e a dedicação deles por nós sempre foi a mesma... na adolescência começou a usar drogas... mas só uma vez tentou vir pra cima de mim, pq sempre soube que aqui em casa ele não poderia agredir ninguém que a coisa ficaria feia pro lado dele... eheheh Mas eu não me submeti e encarei... meu pai estava por perto e impediu nossa briga... já me meti em alguma discussão dele com minha mãe também... e nenhuma dessas vezes ele experimentou levantar a mão... brigava muito também aqui em casa com uma namorada, mas minha mãe e vó sempre impediram que um agredisse o outro... passamos momentos ruins... mas hoje tudo está diferente... A vida mudou, já nos formamos na faculdade, conversamos e fizemos brincadeiras... Coisa que nunca imaginei que aconteceria... E fico muito feliz em saber dessa mudança... Então quando li o post me vi um pouco na situação da garota... Acho que existe a submissão da parte dela e principalmente dos pais... Ela precisa de uma conversa franca com eles, principalmente com o pai, e explicar o que acontece... extremos como discussão e submissão não são os melhores caminhos, sempre levam para o pior... é necessário fazer com que ele reveja o que faz e tente mudar... mas enfim... só eles sabem o que acontece dentro de casa...

Anônimo disse...

Olha, eu não sei se a siuação é a mesma, mas já vi isso na casa dos meus primos.

Eles são um casal de irmão, ele um ano mais velho que ela. Nas férias, eu sempre ia dormir lá e sempre me dei bem tanto com minha prima quanto com meu primo.

Mas desde criança e depois na adolescência tbm, ele sempre batia nela. Por exemplo: só tinha um quarto com ar condicionado na casa (além do dos pais deles), e então eu e minha prima e meu primo e um outro primo disputávamos quem iria ficar com o melhor quarto. No começo, disputávamos com jogos, saudavelmente. Mas se ganhássemos, eles nos arrancavam do quarto a força. Jogavam nossas coisas de lá, carregavam a gente pro outro quarto, soltavam puns no quarto bom (sem comentários). Na verdade, era divertido, mas algumas vezes esse meu primo passava dos limites um pouco. Empurrava minha prima, metia o pé na boca dela, matava de tanta cocegas. Não era maldade, mas é chato depois que a gente cresce né...

aposto que no caso da A começou na infância (quem nunca brigou de soco? eu nunca, mas não acho que isso seja falha de caráter). Na infância, a gente não tem maturidade pra resovler as coisas racionalmente. O estranho é fazer isso na vida adulta.

Acho que seu irmão tem um problema agravado pela criação torta. Mas isso não é da sua conta, vc n tem que aguentar. TOca o foda-se se não resolver com conversa.

Anônimo disse...

Para Scarlett

Prezada Scarlett.
Tive o desprazer de ver um texto ridículo cheio de ÓDIO, RACISMO, escrito por um "pseudo-intelectual" doente, um completo imbecil e provavelmente um psicopata que deve ser internado em um hospício antes que mate alguém!

Link do blog de ódio e racismo:

http://aurorabrasilis.blogspot.com.br/2012/04/estudo-provando-que-o-negro-e-inferior.html?showComment=1351514701624#c8185280471698519756

Denunciem o crime no site da Polícia Federal:

http://denuncia.pf.gov.br/



Sawl

Anônimo disse...

Quanto o caso da menina do post "Meu Irmão Me Bate" por favor, ela tem que ir na polícia o mais rápido possível.
Ela tem 18 anos, eu não acredito que a família dela não saiba que ela é agredida desde a infância!
Um recado pra esta garota: você NÃO é covarde! Covarde é o(desculpe a expresão) vagabundo machista do teu irmão!
DENUNCIA ELE GAROTA!
Não aceite mais isso!
Se ele NÃO sabe ser homem, saiba ser mulher! Você é uma cidadã com os mesmos direitos que ele tem!
Seu irmão é um homem covarde e valentão que gosta de se impor pela força, e bullies que são assim, só a Justiça pra dar algum jeito!
Força pra vc menina! Sei que talvez seus pais não aprovem sua atitude, mas, se eles não aceitarem eles é que são errados. Você não deve aceitar agressão.

Sawl

Panthro disse...

Chega e fala a real: que esse comportamento escroto dele está destruindo a família de vocês. E que se continuar assim, quando você sair de casa vai voltar a encontrar com ele só em enterro de parentes. E fala isso pros seus pais, que já deu. Que se ele continuar a ser um boçal, ele morreu pra você. E que se seus pais acham que tudo bem ele bater em você, podem pular na mesma cova.

Família não é algo que você precise conviver só porque nasceu junto. Ou vocês se dão bem ou pau no cu dele. Existem milhões de pessoas no mundo e você não é obrigada a interagir com este ser. Se ele quer ser família, trate os familiares bem. Do contrário, arrume outra família: Saia de casa, busque amigos e vá viver sua vida longe deles.

Anônimo disse...

Oi A. eu já passei pela mesma situação, meu irmão parou de me bater não faz uns 2 anos, porque saí de casa, na verdade é a melhor coisa a se fazer porque a familia nunca vai aceitar que denunciemos o que eles acham que é uma simples briguinha de família, eles não imaginam o quanto a mulher sai magoada disso, o quanto é constrangedor, e como nos sentimos rebaixadas diante da situação.
Hoje em dia meu irmão me respeita, eu acho que ele aprendeu o que é respeito, e na verdade nem culpo meu irmão, não sei se sua família é calma, mas na minha meu irmão seguiu o instinto agressor boçal do meu pai. Espero que tenha ajudado.
O que vc pode fazer é denunciar, mas já vou falando que não é fácil, embora seja nosso direito, a família não quer que o agressor seja preso, porque para eles isso é apenas uma briguinha fútil.

Regina Santos disse...

A. sinto muito pela sua situação...concordo com a Lola, converse com seus pais e peça para que eles a ajudem...

Fique com Deus,

Anônimo disse...

Tambem tenho um irmao exatamente como o da A, porem a diferencaa eh q eu enfrento ele,um dia desses recebi um soco no nariz e sangrei...ENFIM, ngm pode nos fazer o q fazer e mto menos partir pra forca bruta, ainda mais como mulheres q somos e naturalmente mais frageis e fracas q oshomens.MUitas vezes saia correndo para o meu pai me proteger eele me protegia, porem algumas vezes meu pai n estava perto e a agressaao fisica e verbal era tanta q eu n aguentava e partia pra cima, uma forca descomunal tomava conta de mim q ja cheguei a bater mto nele (ele mereceu), mas n meorgulho por ter reagido feito animal, mas mtas vezes Foi a unica saida de defesa para faze-lo sair de cima de mim

Aninha disse...

lee

Não sei se está passando na TV, mas para o bem ou para o mal, isso parece armação. Faço votos que seja pura armação.

Rose disse...

Com tantos relatos semelhantes ao de "A", o que impressiona é como tem irmão que agride irmã, não é? Parece que muitos pais estão treinando os filhos para serem agressores de namoradas, esposas, amigas..qualquer mulher.

@vbfri disse...

Saia de casa.

Se seus pais não estão a apoiando, fuja.

Procure, primeiramente (e de preferência) parentes. Tios, primos, avós.

Não deu? Procure amigos.

Procure o Ministério Público, a polícia, um@ advogad@. Existe defensoria pública (oferecida pelo governo) e assistência jurídica gratuita (oferecida por universidades públicas e particulares).

Não aceite um "não" como resposta.

Já vi na DEAM (Delegacia de Atendimento à MULHER) convencerem uma mulher a não fazer BO. Sério. Não aceite isso. Se @ policial falar isso, peça para falar com @ delegad@. Direito SEU.

O direito seu também é de ter segurança dentro da sua casa. Se não tem, procure outro lugar. Procure assistência psicológica, legal, o que for.

Uma hora as coisas vão dar certo. Você vai ver. :)

Nuba6of9Kau disse...

A., eu penso que o diálogo com os pais pode até ser tentado...mas se os pais (e avó tbm) estão vendo que isso acontece e não tomam uma atitude mais eficiente, não dá pra esperar muita coisa. Não digo que é "culpa" deles, não é, mas como o seu irmão é violento desse jeito fica difícil para os seus pais agirem. E se seu irmão for um machista fica ainda mais difícil para sua mãe agir...

Em todo caso, tente a conversa com os pais já se prepare para uma denúncia na polícia também.

Anônimo disse...

Conversar com a mãe não adianta, ela ou tem medo, ou acha q ser "homem" é isso mesmo. Não há informação sobre o pai.
Se optar pela conversa, primeiro: só com pai e mãe (o irmao tem aval para ser violento); segundo, se notar qualquer dubiedade dos pais, fale firmemente que não é aceitável eles defenderem a violência de seu irmão (mas cuidado, se eles não levarem a sério, não se exponha demais mostrando como isso te machuca - tem gente q sente prazer com isso). E, como disse a Lola e vários aqui, deixe bem claro que você VAI DENÚNCIA-LO, tanto por ameaça, por agressão moral ou violência física.
Lí acima alguém q comentou q ele precisa aprender... isso é evidente, mas não será você, que tem sofrido violência por anos, q tem de se preocupar com isso. Sua preocupação primeira deve ser se livrar dá convivência com pessoas violentas, e jamais procurar aprovação nesses violentadores nem nos que os defendem - se preciso, é importante, para a independência emocional, procurar um grupo de apoio - q pode não ser dá família (fica: se alguém dá família falar um "a" p/ relativizar ou minimizar a violência dele, não confie nessa pessoa como apoio emocional neste momento). Boa sorte, A.!
Thata

Anônimo disse...

Desculpem os erros, é o recurso "autocompletar" do smartphone: onde está "dá", é "da"; "fica" é "dica"
Thata

Anônimo disse...

Se for o caso de fazer a denúncia, vá mesmo à delegacia da mulher. Já presenciei uma garota adolescente (com um olho roxo) numa delegacia prestando queixa do pai que batia nela e... colocaram a culpa nela, é lógico. "Mas você não fez nada? Deve ter feito alguma coisa, ele não bateria em você de graça", disse o homem que a atendeu.

Enfim, outra dica é que você se prepare para responder ao seu irmão. É meio dica de psicólogo mesmo (não que eu seja uma e saiba muito do que estou falando). Ensaie suas palavras, imagine o que você vai dizer, porque só assim terá coragem de realmente fazê-lo. Uma vez que entendemos que podemos e devemos reagir às agressões que sofremos, fica mais fácil amadurecer a ideia e, consequentemente, torná-la realidade. Sabe, mais ou menos como a história de responder às "gracinhas" que ouvimos na rua, ou mesmo uma violência física. Fomos criadas para sermos submissas, mesmo, a não revidar. Temos que aprender a rever nossa própria atitude, falar o que pensamos, brigar, reagir. Somos mais forte do que nós mesmas imaginamos, só precisamos descobrir essa força!

Espero que as coisas melhorem pra você. =)

Anônimo disse...

Lola, também já fui espancada pelo meu irmão. Demorou meses pra eu me recuperar, fiquei cheia de hematomas pelo corpo e não conseguia nem me mover sem morrer de dor. Por dois ou três dias eu não consegui parar de tremer. E o motivo da briga era: canais de televisão. No mesmo dia minha mãe teve uma conversa séria com ele e disse que se acontecesse de novo ele iria direto pra polícia. Nunca mais aconteceu aconteceu nenhuma agressão física, mas não consegui superar direito a mágoa até hoje. As agressões verbais, no entanto, continuaram. Tentei suicídio em um período de depressão recente e ele jogava na minha cara meus pontos fracos (exatamente os que estavam me colocando na situação de desesperança e desespero), como se sentisse prazer (não contei isso pra ninguém até hoje). É um tormento. Acredito que essa é outra forma de violência. E é estranho, porque tem fases em que ele é um amor de pessoa, irreconhecível. Mas também tem fases que até considero ele perigoso. É difícil lidar. Felizmente, ele parou de agir dessa maneira há uns dois meses. O triste é que aqui em casa, quando comento sobre feminismo, minha família faz chacota. Fico feliz com a notícia do enquadramento "oficial" na lei Maria da Penha. É uma segurança extra. Não desejo que nenhuma mulher passe pelo que passei com meu irmão.

E desculpa por contar tudo aqui, mas precisava desabafar. Nunca contei tantos detalhes assim. Por isso, também, me mantive anônima. Beijão e obrigada! O seu blog tem me mostrado o feminismo e vem me ajudando a me libertar!

Thata disse...

Seria legal, dependendo das decisões de A., que alguém se dispusesse a oferecer orientação jurídica. Ela com 18 anos, se não tiver apoio de alguém da família, precisa no mínimo de um apoio sobre como proceder juridicamente e para fazer o(s) BO(s) (em caso de negligência da polícia).

Anônimo disse...

Que tristeza! Sempre tive mágoa dos meus pais por terem sido dois POSTES pra me defender (sorte que não tenho irmãos agressores).
Agora vejo que existem pais piores!!!!!
A., tenha coragem: nessa história vc será sua única companheira certa...
Boa sorte!!!

Thata disse...

@ Barbara O
Interessante (triste), aconteceu algo semelhante comigo: eu tinha uns 16-17 anos, meu irmão uns 14-15, e ele estava judiando da cachorra no quintal; eu e meu pai no mesmo ambiente, olhava p/ ele e ele fingia q nada acontecia! (a cachorra "chorando"). Por essa e por outras digo q algumas pessoas têm prazer em ver o homem praticando alguma violência, ou em uma situação de dominação, é como se AQUELA (q eles querem q seja a única) masculinidade se impusesse naquele momento.

Bruno disse...

Meu Deus, fico impressionado com o nível desses comentários que aparecem aqui. Querem acabar com a violência mas não hesitam em relatar casos de um sujeito que bateu no irmão da namorada (e se vangloria disso em risos), em sugerir que a autora do post peça a um amigo para agredir o irmão, e até mesmo para que ela mesma o agrida com paus e pedras. As mais comedidas não pensam duas vezes em rotular o rapaz com toda a sorte de violência verbal e apontam para a situação clamando "às grades com o vagabundo!", pessoas, eu espero, que não fazem idéia das agruras do cárcere. E tudo isso, é importante ressaltar, ouvindo só um lado da história!
São essas são as feministas, defensoras de direitos iguais, de um mundo mais justo? Só vejo ódio, sede de vingança para extravasar sob pretextos de estupros e casos de agressão toda uma raiva reprimida. É a triste faceta da esquerda que a pretexto de fazer o bem, julgando-se a dona da verdade desse bem utópico por ela mesma definido crê que os fins justificam os meios a fim de criar o mundo melhor que existe dentro de seu ideário. Talvez seja por isso que a esquerda não convive bem com o contraditório e a democracia. Ela não aceita que alguém discorde dessa visão de mundo qu ela propugna e que não mede esforços para atingir, ainda que outro pensamento pense em um diferente mundo melhor. Os piores déspotas são aqueles que julgam fazer o bem que existe em suas cabeças. Seja Stálin condenando milhões à morte, seja qualquer um destes comentaristas que se pudesse agrediria sem qualquer puder ou trancaria numa masmorra o irmão da autora do post sem se quer ouvi-lo.

Mariane disse...

Nossa, que situação... Conversar deve ser o primeiro passo, com certeza.

Aqui em casa, paramos de brigar há muitos anos, graças a Zeus. Tenho só um irmão e uma irmã, convivemos bastante com nossas primas e quem sempre se intrometia para não haver brigas entre as meninas, era meu irmão. =)

Espero que o irmão da A se arrependa e possa se redimir, logo. Ninguém merece passar por isso... pena que os pais não saibam educar seus filhos =/

Anônimo disse...

Esse "Bruno" apresenta o típico raciocínio de quem desconfia da palavra de uma mulher agredida e violentada.

Flávia CML disse...

É triste ler todos esses relatos.

Mas já que a mãe e a avó de A. já tentaram interferir, acho que há espaço para diálogo, sim.

E já que sua avó tentou ajudar uma vez, não teria como você tentar morar com ela um tempo, até ter condições de morar só?

Boa sorte, A.

Elaine Telles disse...

Bruno,
"(...)que não fazem idéia das agruras do cárcere."
Esses homens os quais você tem peninha de colocar na cadeia são os mesmos que vem fazendo da vida das mulheres um cárcere.
O problema é que lá ele vira a vítima, e não o agressor fodão que ele sempre foi. Se ele acabar na cadeia, foi ele mesmo que se encaminhou para lá. Foi por não ter a mínima empatia com sua(s) vítimas.
Pare de distorçer os fatos, chega a ser rídiculo ser tão cego assim. Nenhuma agressão deveria sequer começar, e você ainda acha ruim as vítimas se defenderem? Como os fodões que vão pra cadeia, algumas pessoas só aprendem a sentir empatia pelos problemas e dores alheios quando os sofre na pele.
Do modo como você fala, parece que as agressões se justificam. Meu irmão, agressor, também pensa assim. " Como assim não vão me dar R$50,00? Estão querendo que eu trabalhe? O quê? Vai achar ruim que eu roube sua carteira? Vai apanhar pra ver o que é bom".

Talita disse...

Um post sobre irmãos, estou esperando por isso há muito tempo Lola ;)

Bom, sou filhA única, tenho 3 irmãos homens: 2 mais velhos e 1 mais novo, todos maiores que eu (ou seja: faz tempo que levo a pior nas brigas rs). Hoje brigamos bem menos do que quando éramos crianças, mas de vez em quando um se estranha com o outro, tanto meus irmãos entre eles quanto comigo... as vezes é só bate boca, as vezes gritaria(vinda da minha parte... sim, sei que tenho que mudar isso URGENTEMENTE!) e as vezes um tapa ou um soco no braço (sempre pra cima de mim que nem tento mais revidar... mentira! de veeeez em quando tento sim =/ [Siiiim, tenho que mudar isso tbm...]), mas esse negócio dos meus irmãos me baterem já está sendo conversado aqui em casa... meu pai já proibiu, e eu sempre chamo ele quando levo qualquer tapinha, é um "paaaaaaaaaaaai" acompanhado de um "Infringir a Lei Maria da Penha dá cadeia, viu!" rs sempre digo isso pra eles! (inclusive eles provavelmente lerão meu comentário porque mandei o link do post pra eles por e-mail rs). De qualquer forma, até hoje nada me traumatizou ou marcou muito negativamente até agora, porque eu sempre fui bem bocuda e não costumo escutar quieta não, nem ficar intimidada como a A. relatou.

Minha maior reclamação e coisa mais discrepante na nossa educação(minha e dos meus irmãos) é o fato de ter que fazer tarefas domésticas que NUNCA foram exigidas dos meus irmãos.

Lia disse...

Pra mim não tem muito mais o que conversar, a família inteira é omissa no caso. Lei Maria da Penha no irmão, afastá-lo de casa, procurar um advogado (pode ser defensor público) e ver o que dá pra fazer com os familiares também já que a prescrição em caso de menores conta diferente e ela só tem 18 anos. Se ela for expulsa de casa, ação de alimentos contra os pais por parentesco e se não for suficiente, contra os avós como complementação. O que não dá é continuar apanhando.

Anônimo disse...

Revoltante este tipo de relato, de como deve ser difícil em um mundo machista e patriarcal ter irmãos homens ( graças a deus eu não tenho)mas não se cale, denuncie, lembre-se que uma brava e forte guerreira, chamada MARIA DA PENHA, quase perdeu a vida, e ficou numa cadeira de rodas, para que você tenha seus direitos, mande ele para cadeia sem remorsos, não se apegue a isto de " irmão' pois somente quem sente no couro, a dor da violência, e capaz de expressar o sentido exato do sentimento revolta , e um machistoide, que não merece consideração alguma, que mofe na cadeia !

Eu a cada dia que passo, fico mais abismada de como os homens tem esta predileção e aptidão maldita, para violência, como ainda são primitivos e gortescos em sua grande maioria, com rarissimas exceções, não são capazes de um gesto de altruísmo, carinho ternura, de criar coisas belas, são apenas força e selvageria, se pelo menos eles se matassem e se agredissem entre si, sem ter que nos levar para este submundo frio e escuro que a tal masculinidade, mas não, insistem em nos arrastar para o seu muno de trevas, muito triste !

Anônimo disse...

off topic, neste exato momento está passando no SBT, o programa do Cabrini sobre o aborto no Brasil !

MonaLisa disse...

Já passei por isso.

Diz pra A. fazer casa separatista.^^

Juliani disse...

As pessoas falam "vá à polícia" como se fosse a coisa mais óbvia e mais simples do mundo, só que não é. Quando um estranho, uma pessoa qualquer nos agride tudo bem, mas com irmão são outros quinhentos. Além do laço que os une diretamente ainda tem a relação com os pais, isso é muito complicado. Acho que a coisa mais sensata a fazer é parar de discutir, não se discute com uma pessoa que usa de violência, é uma pessoa com quem não dá pra conversar. Não se trata de baixar a cabeça, se trata de não estabelecer mais conflito com alguém que você sabe que não vale a pena argumentar. Primeiro ela deve advertir o irmão e os pais na primeira oportunidade que não vai mais admitir tal tratamento e assim que esse tipo de briga voltar a acontecer, nem precisa esperar ele te bater de novo, quando você vir que ele continua com a mesma estupidez só avise que não vai mais discutir com ele. Se fosse comigo, e um dia já foi, eu trataria de deixar claro que não queria mais conversa com ele, e falo de cortar relações mesmo. Pode parecer difícil morando na mesma casa, mas não é. Trate de não dirigir a palavra a ele, falar apenas o estritamente necessário, responder sim e não, e sequer olhar na cara. Faça como se ele nem estivesse lá. É um estranho. Se ele não respeitar o seu distanciamento e continuar sendo violento aí sim você deve procurar a polícia, é porque não tem mais jeito. Vocês já estão ficando grandes pra esperar que os pais possam resolver alguma coisa por vocês e você não pode continuar tratando normalmente uma pessoa que te desrespeita e te oprime dessa forma.

Jama Libya disse...

A meGaLOBO RACISMO? A violência do preconceito racial no Brasil personagem (Uma negra degradada pedinte com imagem horrenda destorcida e bosalizada é a Adelaide do Programa Zorra Total, Rede Globo do ator Rodrigo Sant’Anna? Ele para a Globo e aos judeus é engraçado, mas é desgraça para nós negros afros indígenas descendentes, se nossas crianças não tivessem sendo chamadas de Adelaidinha ou filha, neta e sobrinha da ADELAIDE no pior dos sentidos, é BULLIYING infeliz e cruel criado nos laboratórios racistas do PROJAC (abrev. de Projeto Jacarepaguá, como é conhecida a Central Globo de Produção) é o centro de produção da Rede Globo que é dominado pelos judeus Arnaldo Jabor, Luciano Huck,Tiago Leifert, Pedro Bial, William Waack, William Bonner, Mônica Waldvogel, Sandra Annenberg Wolf Maya, Daniel Filho e o poderoso Ali Kamel diretor chefe responsável e autor do livro Best seller o manual segregador (A Bíblia do racismo,que ironicamente tem por titulo NÃO SOMOS RACISTA baseado e num monte de inverdades e teses racistas contra os negros afro-decendentes brasileiros) E por Maurício Sherman Nisenbaum(que Grande Otelo, Jamelão e Luis Carlos da Vila chamavam o de racista porque este e o Judeu racista Adolfo Block dono Manchete discriminavam os negros)responsável dirige o humorístico Zorra Total Foi o responsável pela criação do programa e dos programas infantis apresentados por Xuxa e Angélica, apresentadoras descobertas e lançadas por ele no seu pré-conceitos de padrão de beleza e qualidade da Manchete TV dominada por judeus,este BULLIYING NEGLIGENTE PERVERSO que nem ADOLF HITLER fez aos judeus mas os judeusionistas da TV GLOBO faz para a população negra afro-descendente brasileira isto ocorre em todo lugar do Brasil para nós não tem graça, esta desgraça de Humor,que humilha crianças é desumano para qualquer sexo, cor, raça, religião, nacionalidade etc.o pior de tudo esta degradação racista constrangedora cruel é patrocinada e apoiada por o Sr Ali KAMEL (marido da judia Patrícia Kogut jornalista do GLOBO que liderou dezenas de judeus artistas intelectuais e empresários dos 113 nomes(Contra as contra raciais) com o Senador DemóstenesTorres que foi cassado por corrupção) TV Globo esta mesma que fez anuncio constante do programa (27ª C.E. arrecada mais de R$ 10,milhões reais de CENTARROS para esmola da farsa e iludir enganando escondendo a divida ao BNDES de mais de 3 bilhões dollares dinheiro publico do Brasil ) que tem com o título ‘A Esperança é o que nos Move’, o show do “Criança Esperança” de 2012 celebrará a formação da identidade brasileira a partir da mistura de diferentes etnias) e comete o Genocídio racista imoral contra a maior parte do povo brasileiro é lamentável que os judeus se divirtam com humor e debochem do verdadeiro holocausto afro-indigena brasileiro é lamentavel que o Judeu Sergio Groisman em seu Programa Altas Horas e assim no Programa Encontro com a judia Fátima Bernardes riem e se divertem. (A atriz judia Samantha Schmütz em papel de criança no apoteótico deste estereótipo desleal e cruel se amedronta diante aquela mulher extremem ente feia) para nós negros afros brasileiros a Rede GLOBO promove incentivo preconceito raciais que humilha e choca o povo brasileiro.Taryk Al Jamahiriya. Afro-indigena brasileira da Organização Negra Nacional Quilombo - ONNQ 20/11/1970 – REQBRA Revolução Quilombolivariana do Brasil quilombonnq@bol.com.br

Carol S. disse...

Não poderia me identificar mais. Hoje tenho 23 anos. Mas me criei com meus pais e meu irmão, também dois anos mais velho, que também é violento. Desde que éramos crianças e brigávamos, ele me batia. Apesar de ser menino e mais velho -consideravelmente mais forte- ele não me poupava. E assim foi por toda a adolescência. O último episódio de espancamento aconteceu com 16 anos. Depois dele, de qlqr forma, as ameaças continuaram -e continuariam, eu sei- se eu não tivesse saído da casa de meus pais mais ou menos aos 20 anos.

Meu conselho é que você busque independência. Isso necessariamente passa por independência econômica. Se vc se sustentar e não depender de seu núcleo familiar para sobreviver, certamente as configurações de forças mudam dentro desse espaço. Além de sua alto estima, que tende a se positivar quando superamos uma situação "sem escapatória" como é o convívio íntimo com perpetuadores de violência.

A sugestão de Lola é interessante pq passa por ter de se colocar. É importante não se submeter mais e fazer disso uma virada de consciência coletiva na sua família.

Mas meu conselho é buscar autonomia do seu grupo familiar, sem a qual, acredito, as negociações ficam limitadas.

Boa sorte, mande notícias!

Lu disse...

Sei muito bem o que é isso. Fui criada num meio machista, e meu irmão mais novo é quem me batia.

Também me ofendia muito, xingando e esbravejando coisas que nem quero citar aqui.

A coisa só parou quando me casei e me mudei de lá. Hoje não vou mais à casa de meus pais, por causa dele.

Bem, atualmente, do alto dos meus quarenta anos, olho para trás e me pergunto o que faria se acontecesse novamente. EU iria à polícia, sem titubear. Iria, registraria uma queixa. E se algum dia ele chegasse a me encostar a mão, iria à delegacia.

Não permita que isto continue, colega. Só vai piorar. Conversar com os pais - sinceramente - não sei se adianta muito, pois muitas vezes pedi ajuda aos meus e eles não se metiam. Davam uma de "neutros" e, agindo assim, sabiam muito bem de que lado a corda iria arrebentar - do meu, sempre - e mesmo assim não se metiam.

Para vc ter uma idéia, alguns anos atrás eu estava na casa dos meus pais com minha filha, que ainda era pequena, e meu sobrinho adolescente, seguindo o exemplo do tio, veio pra cima de mim, querendo me bater, porque eu tinha chamado a atenção dele por causa de uma coisa que ele tinha feito errado.

Meus pais não fizeram NADA. Fingiram que não estava acontecendo NADA.
Pense: Se as coisas sempre foram assim e chegaram ao ponto em que chegaram, foi com a conivência de seus pais. Se eles tivessem interesse em resolver a situação, teriam resolvido isso enquanto ele ainda era criança.

Espero, do fundo do coração, que vc tenha coragem e forças para reagir. Não se submeta, caso contrário só vai piorar.

Sara disse...

Bruno 21.11 NADA justifica uma agressão, ainda mais de um homem a uma mulher, por motivos obvios.
O q vc sugere que os milhares e milhares de mulheres q estão na situação q A. relatou façam?????
Q motivos um CANALHA MACHISTA como esse irmão dela poderia ter para agredi-la?? se não for apenas para se defender de agressões que ela poderia praticar contra ele, o q não parece ser o caso, não ha justificativas para ser violento.
Os homens só estabeleceram o patriarcado no mundo pela violencia que são em grande maioria portadores, isso tem q mudar, vc goste ou não.
E nós mulheres temos q fazer nossa parte denunciando e apoiando nossas parentes q fizerem a denuncia contra trogloditas como esse irmão da A.
Meu marido ha muito tempo atraz agrediu uma de nossas filhas, q no mesmo instante comunicou q iria denuncia-lo, e eu falei q iria apoia-la, não importava as consequencias.
Por sorte isso NUNCA mais ocorreu, mas n é possivel q nós mulheres continuemos a ser tratadas com tanta violencia, os homens tem q entender de uma vez por todas q temos os mesmos direitos e merecemos o mesmo respeito que a eles é devido.

Anônimo disse...

Eu acredito que o caminho natural da evolução social humana, e a separação inteligente entre os gêneros, so teriamos a ganhar !

Anônimo disse...

essa página do facebook( que eu acabei achando por acaso) traduz o que acontece:

http://pt-br.facebook.com/pages/Mulheres-contra-o-feminismo/299252103501499

quem puder dê uma olhada, é de assustar, sério...
Muitos homens acham que termos nossos direitos e nossas vontades é a culpa das mazelas da sociedade, feministas para eles querem destruir o casamento, a família, são piriguetes.
Claro, eles foram criados para estar sempre por cima, nos menosprezando.
A pessoa que fez essa página do facebook é realmente muito medrosa.
Eles confundem a ideia de feminismo. Acham que eles são sofredores, tadinhos, que queremos acabar com eles...

Anônimo disse...

poderia haver alguma medicação que diminuise essa fúria nos homens ?
Acho que seria interessante mante-los sob um certo controle !

Anônimo disse...

Uma pergunta para Sara, porque você ainda não se separou ?
E obvio pelos seu comentários que em seu casamento não existe amor, e pelo seu ultimo comentário nem amor de filha seu marido tem, porque ele não via embora?
Você e suas filhas não seriam mais felizes e livre sem a presença dele ?

Elaine Telles disse...

Anon 13:39.
Não existe fúria dos homens. O que existe é um comportamento sempre estimulado de que homens sejam agressivos, estourem e batam nas pessoas. Porque perder a paciência é característica inerente ao humano. O que é bem diferente de achar que você pode espancar alguém porque as coisas não estão de acordo com o que você quer. Isso se chama criança, e essa birra acaba lá pelos 2 anos. Homens têm sempre ao seu lado a impunidade porque agfressão é "coisa de homem", é "normal".
Chega de desculpas para comportamentos cruéis, chega de homens se escondendo atrás do seu gênero para justificar sadismo e necessidade de impor suas vontades e verdades por meio de violência! Basta!

Anônimo disse...

O pior e quando uma mulher justifica o machismo lola, olhe isto :

Yasmin Maciel Feministas e seu vitimismo. O feminismo, aliás, inferioriza mais as mulheres porque rejeita todos os atributos naturais da mulher, e prega que a mulher só tem algum valor se passar a agir como homem e puta ao mesmo tempo. E o feminismo também acredita que o trabalho é uma "libertação". Mentira, o trabalho é uma necessidade, porque você fica sujeita ao controle de alguém do mesmo jeito. Você sai do domínio do pai ou marido, onde pelo menos você é vista como a única, e vai para o controle das grandes empresas, lojas, etc., onde você é vista como mais uma entre milhões. Resumindo: o feminismo desvaloriza a mulher, mas o cérebro desse povo tem uma visão limitada demais pra enxergar isso.
O 'machismo' admite a natureza mais frágil da mulher( o que é inegável), mas ao menos valoriza a família e a mãe/esposa. Inclusive, a maioria dos homens que prestam hoje em dia são machistas, embora sejam poucos. O resto são uns modernetes frouxos, que se acham mais do que são.
28 de setembro às 18:13 · Curtir · 51

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=228479963947142&set=a.227494464045692.52750.227476537380818&type=1&theater

Anônimo disse...

Esse tal de Bruno vive em que mundo? E depois ainda temos que ouvir que o machismo não existe, que a sociedade patriarcal se acabou, etc. Esse é um fato da desinformação dos brasileiros, e pior brasileiras tbm,que abrem a boca para dizer tais asneiras. A violência, sobretudo contra a mulher, é uma realidade deprimente, o estupro nem se fala e todos querem esconder isso. Dizem que somos vitimistas quando denunciamos violência e estupro, que somos assassinas quando dizemos que somos a favor do aborto, que somos lésbicas e nazistas quando exigimos direitos iguais, etc. Tudo isso só para nos calar e nos desmoralizar, porque o patriarcado só beneficia os HOMENS e, claro, isso para eles é um paraíso.

Eu lamento muito em morar num país tão atrasado como é esse Brasil, não falo só dos homens (quem dera se fosse só os homens) e sim de muitas mulheres também que são alienadas, diversas vezes, na própria família. É engraçado que praticamente tudo que o homem faz é normal, tolerável, "macho", inteligente e mesmo quando ele erra é porque é um ser humano. Com a mulher o tratamento é diferente. Se alteramos a voz quando alguém nos tira do sério somos histéricas, quando fazemos algo errado é porque somos mulheres e não humanas.

Com certeza todos/as já pensaram ou falaram algo parecido, não tenho dúvida, mesmo que inconscientemente. Mas o feminismo é algo novo, comparado ao machismo que dominou durante milênios, então será uma jornada atrás da outra até que esses paradigmas que foram, desde do início da vida, construídos sobre nós acabe.

Sara disse...

anon 13.43, o machismo que eu tenho lutado ha muito tempo é responsavel pelo modo como eu vivo.
Não quero mais dar detalhes da minha vida, aqui no blog.
Pois aprendi q não é o lugar certo para se abrir certos assuntos, ´pois nem todos q leem e comentam aqui são necessariamente amigos ou tem empatia com nossos problemas.
Eu vivo da maneira q me é possivel viver, não moro mais no mesmo teto q meu marido.

Anônimo disse...

"Eu lamento muito em morar num país tão atrasado como é esse Brasil, não falo só dos homens"
-
muda para o Irã, la você vai ver o que bom !

yulia2 disse...

isso , infelizmente é culpa dos próprios pais....
se sua familia é machista dá para entender porque ele age assim..
as broncas da sua mãe e avó não funcionam porque no fundo ele sabe que tem um amparo implícito delas...
infelizmente, essa é a verdade.

yulia2 disse...

muda para o Irã, la você vai ver o que bom !
_________________

Argumento fraco e imbecil. tinha que vir de um mascu, é claro. mascu burro é pleonasmo!
então eu não posso reclamar da fome no Brasil? tenho que ir para a republica do Congo pra ver o que é passar fome?

Luiza disse...

Mimimi, blá blá blá, mumumu...

Por que mandar a moça se mudar para o Irã?

Tem um monte de país melhor que esse, mesmo. Deal with it. Mandar pra Dinamarca ninguém quer, né?

Pandora disse...

Eu tenho uma relação bem truculenta com meu irmã, nós brigamos muito mesmo... Mas nunca trocamos tapas, tudo fica mais na retórica, só que na retorica dele sempre tem algo como vou quebrar tua cara ou ele bate em algo dizendo que é para não me dar um murro.

Sinceramente só o fato dele dizer que quer me bater já me irrita profundamente e me tira do sério. Imagina se encostasse em mim? Nega não aceita isso não.

Fale com seus pai, avise que isso é crime previsto por lei e se ele te tocar vai rolar denuncia.

Você não merece ter sua integridade física violada por ninguém, nem mesmo por seus parentes e briga de irmão tem limites.

Camilla Brandel disse...

Primeiro, avise a ele e aos seus pais que na próxima vez que ele encostar em você, você vai denunciar na polícia.
Na próxima discussão, enfrente, mesmo que ganhe o olho roxo. Se isso acontecer, faça exame de corpo de delito e denuncie.
Se ele for preso (e for réu primário, etc) vai ficar preso um dia só ou coisa parecida. Apenas o suficiente pra ficar com medo e não repetir.

Anônimo disse...

Eu era agredida constantemente pela minha irmã por motivos ridiculos e idiotas, ela fica nervosa com os acontencimentos e vinha descontar em mim, a irmã mais nova. Só q eu cresci e aprendi a me defender, foi a primeira vez que me defendi na base da violencia pois não tive outra alternativa, mas tbm nunca mais precisei usar de força bruta, pois ela viu q não era mais aquela menininha de 14 anos q era saco de pancadas e sim uma mulher de 23 anos q sabia se defender e nunca mais iria aguentar aquele tipo de situação. Mas as brigas continuaram e o q fiz foi cortar relações, só falo o necessário pois não qro mais viver com gritos e loucuras de uma mente q vive no passado e não cresceu até hoje. Ela hoje tem 35 anos e eu 28... Não só os irmãos q batem nas irmãs mais novas. As irmãs mais velhas tbm e sofri mto com isso em boa parte da minha vida, hj me sinto bem melhor e amadureci mto, já sobre ela não tenho mto a dizer pois ela não qr crescer.
Acho q A. tem q se impor e existe leis contra agressões, não tenha medo e sim denuncie a policia, não é pq é seu irmão q ele tem o "direito" de fazer isso. Ele é um ser humano qlqr e sendo um qlqr merece sim levar um belo susto e nunca mais fazer esse tipo de coisa.

Abraço a todas =D

Katia disse...

chocada com a turma do "deixa disso"

do "pare de brigar, converse com seus pais"

se alguém acha q a família dela não sabe de nada é só ler o post.

a família LAVOU as mãos para essa moça

se ela falar com eles vai rolar outro "deixa disso", só que em casa né?

eu consigo imaginar o teatrinho:

"perdoa seu irmão"
"ele quer o seu bem"
"ele tá nervoso pq [insira motivo idiota aqui]"
"ele é HOMEM" (clássica)

ou se o deboche for mto grande ainda vão dizer que a culpa é dela

é caso de polícia mesmo, e dá pra colocar todo mundo na roda se ela quiser.

mas tem q querer, milagre não acontece.

AngieB disse...

Voce faz terapia? Voce tem como falar com algum profissional fora da sua familia?
As vezes por voce estar tao fragil, é bom curar isso 1o, para te dar força para nao se sujeitar mais, ter como falar com teus pais com clareza, ate leva-los a terapeuta para conseguir parar isso.
Eu vim de uma familia que nao era apenas os irmaos, eram os primos mais velhos, eles viam como uma posse...Alguem q eles tinham que por no cabresto pela honra da familia e da propria.
Voce nao pode deixar ele te tratar assim, deixe claro que ele nao pode e nao tem o direito de te tratar assim. Deixe bem claro que mais uma agressao fisica e voce vai para a policia. E vá!
Outra coisa, Lola, que eu vejo nos mangas e animes/hentais sao como os incestos e agressoes fisicas/estupros do irmao sobre a irma se perpetuam. Sim, eu entendo que muita coisa de tabu vive ali, sei que a sociedade oriental tem outras percepçoes artisticas, sei que as familias sao diminutas e suas sociedades tem tabus de interaçao social, e a irma as vezes é a unica mulher com quem se convive intensamente. Ok. Mas isso realmente me incomoda. Essa perpetuaçao da irma como objeto e posse sexual e social do irmao.

roseanjos disse...

Falar o que com os pais? O que eles já estão cansados de saber e não tomam atitude alguma?
Não é possível que eles pensem que ela gosta de sofrer maus tratos físicos ou morais.

Eu procuraria auxílio fora de casa. Um grupo de apoio, um abrigo para mulheres que sofrem violência doméstica. Pediria pensão alimentícia aos meus pais - pois eles têm a obrigação até os 24 anos de auxiliar os filhos - e procuraria estudar e arrumar emprego.

Mas tem que expor essa situação para alguém que possa te ajudar realmente!!!

Vá à defensoria pública de onde você mora e procure orientação. Só para esclarecer quais atitudes você pode tomar. Ninguém vai obrigar-lhe fazer nada que não esteja pronta.

Ninguém quer ficar sozinho, longe da própria família. Mas e quando essa família não nos protege e faz bem?

Senta a pua neles! disse...

pensão alimentícia aos meus pais - pois eles têm a obrigação até os 24 anos de auxiliar os filhos

Na verdade continuam tendo obrigação depois disso também, havendo a necessidade da pessoa em receber alimentos

a obrigação decorre do simples parentesco e independe da idade.

no caso pessoa que estamos falando, ela pode pedir alimentos aos pais, inclusive em caráter liminar e se hipossuficientes, pede complementação aos avós.

Anônimo disse...

Só faltava esta Lola querer acabar com uma família. Ele deve está a protegendo de um futuro estupro. Quem têm irmã sabe o que eu estou faalando.

Ass: King Masculinista

roseanjos disse...

Nossa, que interessante. O irmão espanca e desrespeita a irmã para evitar que ela seja estuprada? kkkkkkkkkkkkk Esse foi boa.

Agredir para evitar que seja agradida. Entendi a lógica dos mascus. Só que não!!!

Anônimo disse...

Para Anônimo mascu das 10:40, intitulado "Ass: King Masculinista"

A Lola NÃO quer acabar com a família da moça citada, quem quer acabar é o agressivo, ignorante, machista e mal educado do irmão dela!
Ele a agredindo para "de um futuro estupro"?! Em que país, ou século vc vive seu IMBECIL?!
Não se agride uma pessoa, seja ela homem ou mulher pra protegê-la!
Se vc tem uma irmã tenho PENA dela por ter um irmão babaca e ridículo como vc!
Outra, isto mostra como um mascu misógino como vc NÃO saber NADA de mulher e com certeza NÃO deve gostar de mulher!
Mulher NÃO é "bichinho de estimação"!
Mulher NÃO é "objeto"!
Mulher NÃO é propriedade!
Se a moça tiver em alguma situação de perigo, ELA mesma terá que se defender!
Ou vc acha, "sr inteligência" que o irmão estará sempre com ela: na faculdade, no trabalho, com amigos e amigas, etc?!
Tenho pena da tua mãe por ter colocado um fracassado misógino como vc neste mundo!
Não se agride pra proteger uma mulher!
Se ele a agride, tá dando o direito dela meter a mão na cara dele ou ir correndo denunciá-lo pra polícia!
Vai pra escola, saia do armário, ou faça algo melhor pra este mundo: SE MATA SEU IMBECIL!

Ass: Sawl the mascu killer

Sâmela disse...

Só tive uma briga na vida com meu irmão - por covardia tbm. Me tranquei no quarto, enquanto ele vociferava o quanto eu era ''ousada'' por responder ele.
Pq ele brigava sempre - a comida demorou, o quarto está sujo, um monte de mulher em casa e tudo sem fazer, ninguem tira a mesa, o carro só fica na mão das meninas (quem elas pensam que são) - e eu abaixava a cabeça, n queria apanhar.
Minha irmã mais velha sempre teve o "sangue mais quente" ou era menos passiva, e batia de frente com ele. Era horrivel, ele espancava ela, ela quebrava a vassoura - vaso, qq objeto próximo - na cabeça dele, ele voltava e espancava ela de novo. Eu chorava, pedia pra ele parar. Ninguem mais se metia. Mãe, pai, tias e tios estavam em casa - ninguem mete a colher, nem nesses casos.
Hoje ele bate na esposa, mãe dos dois filhxs dele. E ninguem se mete. Eu converso com ela, super contra ele, mando denunciar, se afastar dele. Mas ela n vai embora, está sempre la, pra ele bater, humilhar, maltratar na frente de todxs... isso não pára, A.
Eu trabalho hoje num grupo de defesa da mulher, no ministério público, e o que vejo é mais do mesmo, é reproduções da mesma violência, que me fazem perder a esperança. De vez em qd passo em casa e penso que, se ele, meu irmão, encostar em mim, mando matar. Dou 2 reais a qq maluco pra acabar com ele (meu chefe costuma dizer que é pra eu oferecer 10, pra garantir). A estrutura que a gente tem é essa. A esfera social onde criamos nossa crianças é essa.

Se afaste. Denuncie. Mande bater, matar. Não espere a consciência dos outros.

Anônimo disse...

Cara Sâmela

Você não tem do que se envergonhar referente à sua situação no passado com seu(desculpe a sinceridade) machista, covarde e agressivo irmão.
Como sou sincera, admito que concordo mais com as atitudes que foram tomadas por sua irmã, devido ao fato de eu mesma ser cabeça quente.kkk
Infelizmente, quem tem que decidir denunciar o cara não é vc, mas sim sua cunhada.
Ela que tem que se valorizar como mulher e NÃO aceitar uma situação de humilhação e agressão.
Mais uma vez, desculpe pela minha sinceridade, mas, sua família tem CULPA SIM!
Ao não interferir nos desentendimentos e agressões do irmão com as irmãs, eles INCENTIVARAM o seu irmão se tornar o covarde valentão que é agora!
Enfim, a maior parte dos casos de homens agressivos, covardes e machistas é culpa da família, que passa um modelo distorcido de masculinidade. Depois quando o sujeito vai pra cadeia, a família que passou uma educação machista, retrógrada e decadente ficam de mimimi chorando proque o babacão tá sofrendo na cadeia. Que pensassem isto antes de apodrecer a mente do cara!


Sawl

Anônimo disse...

"Se afaste. Denuncie. Mande bater, matar. Não espere a consciência dos outros."

Mais facil ele te surrar depois que você mandar fazer isso.

Sâmela disse...

eu penso que é culpa da família, e antes dela, da estrutura machista, sexista, misogena etc que vivemos. Não passo a mão pela cabeça de ninguem, nem na minha.
Eu digo "não espere a consciencia dos outros", no sentido de n ficar aguardando que as pessoas se retratem, entendam, revolucionem seu modo de pensar. Isso ainda n é pra nossa geração. Se acha válido fazer reunião, expor as coisas, acho otimo, acho que isso é plantar a semente, mas n acredito que isso vai solucionar a questão.
Ter uma vida sem violência, estando numa situação como essa só agindo com mais firmeza(denunciando, indo embora etc)

Juliana disse...

Vomitei com o comentário da Talita, aff...que bom que na casa dela a pancadaria não é traumatizante, e seu relato é todo alegrinho e risonho, mas a REALIDADE é outra. Tenho nojo de quem banaliza violência

Mê Carvalho disse...

" Anônimo disse...
Só faltava esta Lola querer acabar com uma família. Ele deve está a protegendo de um futuro estupro. Quem têm irmã sabe o que eu estou faalando.

Ass: King Masculinista"

Qual é o problema dessa criatura? Quer dizer que espancar a própria irmã e fazer ela ter medo de de se defender é protegê-la de um estupro? Pra mim ele que tem mais chances de estuprar alguém, já que se acha no direito de impor a própria vontade por meio da força.

E. disse...

Já passei por essa situação em 2010 e devido à falta de atitude dos meus pais (machistas, diga-se), resolvi ir à delegacia. Apanhava do meu irmão desde sempre (até os 25 anos de idade). O que me impulsionou a ir na delegacia foi o fato de o meu irmão, como forma de tortura, espancar minha cachorrinha para que eu fizesse o que ele mandasse. Ele sabia que eu preferia ter um olho roxo que ver um fio de pêlo arrancado da minha cadela e usava esse fato a favor dele.
Foi tão complicado, mas tão complicado levar o caso pra justiça, que resolvi desistir. Primeiro eu fiz o boletim de ocorrência na PM, encaminhei pra Polícia Civil, fiz exame no IML para mostrar as marcas de agressão, depois levei todos os documentos a uma delegacia de mulher. Quando eu chego lá, uns dizem que meu caso não se enquadra na Lei Maria da Penha, que era apenas agressão comum. Outros me dizem para ir a outra delegacia. Nesse empurra-empurra, cheguei a ir em pelo menos 5 delegacias, esperei horas, perdi um tempo danado! Minha sorte é que ele se mudou de cidade a trabalho e nunca mais tive contato com ele.
É simples dizer: "fique independente, trabalhe e more sozinha em outra casa". Em que país vcs moram? Não é fácil se sustentar no Brasil com 18 anos. E não é fugindo do problema que se resolve.
Eu recomendo que qualquer pessoa que se sinta agredida, tanto psicologicamente como fisicamente, chame a polícia, vá a delegacia e faça os procedimentos necessários, principalmente agora, que essa lei Maria da Penha inclui agressão de irmão. Infelizmente a burocracia toda é muito chata, mas vai valer a pena. Boa sorte pra vc, A.!

Anônimo disse...

Oi A, eu tenho um irmao q é 9 anos mais novo q eu e sempre me bateu...Uma vez ele me deixou com o braço todinho roxo,parei no hospital.Sei bem q vc passa.Às vezes por nada que é dito ele se irrita e mete a porrada.Já pensei muitas vezes em ir na polícia mas qd chega na hora eu penso na minha mae e desisto...

L disse...

Quando eu vi essa história, até tentei ignorar, mas lembra muito do histórico da minha familia.
Meu pai batia na minha tia, de uma vez encostar ela num canto e chutar a perna dela até ela não conseguir andar por uns dias. Ela não denunciou.
agrediu a minha mãe.. e ainda agride, nem sempre fisicamente, na maior parte do tempo é pscicologicamente mesmo. na unica vez que ela reuniu coragem pra denunciar na delagacia da mulher, antes da lei Maria da penha, o policial disse que "como ela nao tiinha marcas roxas no corpo, eles não podiam fazer nada".
Quando eu tentei denúnciar, curiosamente minha mãe não deixou, afinal "ele era me pai".

E é assim que vai, é o irmão, é o marido, é o pai. Um cara sozinho poem medo em 3 pessoas dentro de uma casa. Eu não aguentei e saí de casa, tenho um emprego que odeio, mas que me permite ficar bem longe , minha mãe preferiu ficar com ele, ainda não entendo o porque e acho que nunca vou entender.

É fácil falar pra denunciar, mas quando eu vejo essas histórias d falta de apoio da policia, falta de apoio da família e amigos, talvez fugir seja a unica opção mesmo. Não é toda a vitima que consegue encarar, é muito, muito dificil.

Anônimo disse...

Gente, o pai sabe e finge que não sabe. A verdade é esta. A última vez que rolou algo assim, meu pai chegou no meu irmão e disse para ele que se ele batesse em mulher de novo, era um Disse que se ele encostasse em mim novamente, ele iria ter que tentar bater em alguém do tamanho dele, o meu próprio pai.
Nunca mais rolou. Acho que para esta gente é isso o que funciona. Converse com o seu pai em particular. Se o seu pai for assim violento nem fale com ele, dê um jeito de sair daí e denuncie seu irmão. Não aguente mais calada. Ou você terá que dar uma surra nele que ele mesmo não vai esquecer, como defesa própria. Compre um spray de pimenta.

Anônimo disse...

Gente, o pai sabe e finge que não sabe. A verdade é esta. A última vez que rolou algo assim, meu pai chegou no meu irmão e disse para ele que se ele batesse em mulher de novo, era um Disse que se ele encostasse em mim novamente, ele iria ter que tentar bater em alguém do tamanho dele, o meu próprio pai.
Nunca mais rolou. Acho que para esta gente é isso o que funciona. Converse com o seu pai em particular. Se o seu pai for assim violento nem fale com ele, dê um jeito de sair daí e denuncie seu irmão. Não aguente mais calada. Ou você terá que dar uma surra nele que ele mesmo não vai esquecer, como defesa própria. Compre um spray de pimenta.

Anônimo disse...

Lola, acompanho seu blog há 3 dias, cheguei neste post. Antes os posts eram assuntos que de alguma forma distanciavam da 'minha' realidade, mas que era da realidade de outras pessoas. Porém neste, não.

Me senti encontrada no texto da A., senti que aquele problema também era o meu. Antes, quem queria ajudar, agora procura ajuda. Este alguém, sou eu.

Meu irmão já tem lá seus 23 anos, e eu 19. Ele é muito alto, muito bruto fisicamente e muito explosivo, violento.
Como era primeiro filho, sempre achei que minha mãe havia mimado mais. Ela vive dizendo que meu pai não ama ele como filho, mas olha.. se eu fosse a mãe, não sei se o amaria. Sou irmã porque nasci assim, mas não seria irmã se pudesse escolher. Por dentro, sou filha 'única'.

Tudo começa quando a gente é criança, um bate, outro rebate. Porém, quando você é mais adulto, já tem uma história de vida, sabe o que é certo, o que é errado.
Me encontrei em muitos dos comentários, e estou chorando há horas por ter achado quem me compreenda. Não sei se é a cidade pequena, a criação.. não sei, mas aqui as mulheres são submissas, do jeitinho mais irritante que existe.

Meu irmão hoje mais me ameaça do que me bate, e o que me dói é como trata minha mãe, mas ela deixa, e me 'mataria' se soubesse que escrevo isso na internet. Porque segundo ela, é 'vergonhoso' os outros saberem das intimidades de sua família assim.

Ele vem com o papo 'te quebro os dentes', 'te dou um murro'. Minha mãe afirma que o erro foi na criação.. mas afirma querendo se vitimizar. Amo minha mãe, mas ela está errada. Ela enlouquece quando tem briga, começa a falar que está doente, que vai morrer, que vai embora. Que vá, se é assim que ela resolve as coisas. Se quiser ajuda, ela sabe que pode me procurar.
As vezes ele parte pra cima, como se fosse me socar a cara, e o que eu faço? Sinceramente? Eu falo: bate logo, te denuncio e assim quero ver voce ter emprego.
Falando sério? Não faço ideia se o que falo está certo, se é correto. Mas parece que perder o emprego ou o status e não poder comprar roupinhas de marca é mais importante do que bater na irmã. Porque isso pode.. né? ¬¬
Olha, eu faço DI na Unesp de Bauru, se alguém ler isso, não me importo, seria um orgulho que ainda não posso ter, colocar nome e sobrenome aqui. Dizer pra todos a minha história, que isso acontece muito, mas que NÃO é normal.

Ou seja, eu estudo numa outra cidade, vejo pessoas que me fazem bem e cada vez mais tenho a certeza que o que eu vivia (E vivo quando volto pra casa) é algo doente dele. Ameaçar não te faz mais forte, não te faz ter respeito. Só nojo.

Choro porque tudo voltou a tona e sei o que tenho que fazer. Se ele vier, denunciarei sim. Se minha mãe se desesperar porque ele vai ter um BO, só vai responder as minhas dúvidas.

Lola, obrigada, e obrigada a todos aqui, que me dão agora força. Sei que não sou fraca, e que tenho voz! EU TENHO VOZ LOLA! Queria tanto poder gritar isso agora.

E sim, se ele bater em mim, eu vou na polícia, eu denuncio, porque isso não é normal, bater em alguem não é normal.

Ele afetou tanto o meu psicológico, tanto.. a ponto de eu acreditar que só sozinha eu serei feliz. Se feliz eu conseguir ser, mesmo sozinha.
Um irmão, uma pessoa, um pai, qualquer um NÃO tem esse direito, de te perturbar fisica ou emocionalmente.

Não importa se foi uma ameaça ou um tapa na cara, um espancamento. Não importa, ninguém tem esse direito, este poder sobre voce!

Lola, obrigada. Amo você, de amor mesmo. E orgulho, e pelo o que você salvou em mim. E todos os comentários também.

Anônimo disse...

Quando meu pai morreu eu tinha nove anos e meu irmão, seis anos mais velho, achou que a partir de então ele seria meu "pai". Começou a controlar tudo o que eu fazia, até o comprimento das minhas unhas! E tudo com o apoio da minha mãe. Ele tentava me bater com o cinto e eu ficava horas trancada no banheiro com muito medo de sair e apanhar. Um das "quase" surras foi porque eu não tinha passado a sua calça jeans, acredite. Nessa época me senti muito sozinha, não tinha amigos, e me refugiava nos livros. E foi aí que eu percebi que precisava mudar tudo mesmo sem ajuda de ninguém. Hoje, 16 anos depois moramos todos ainda na mesma casa e meu irmão passou a me respeitar muito e nos tornamos grandes amigos. Percebi que tudo que ele fazia era fruto da criação que ele havia recebido, da necessidade de seguir o exemplo do meu pai controlador e ser o "homem da casa". Foi muito difícil, mas eu consegui convencer a minha mãe de que ele não era o chefe e que nós não seríamos suas escravas como erámos do meu pai. Paramos de tratá-lo como um príncipe e apesar da revolta inicial ele percebeu que precisava mudar. Isso foi libertador para ele também, afinal ele não teria de ser, aos quinze anos, um "pai de família". Hoje compartilhamos todas as tarefas domésticas e ninguém usa agressão física ou verbal contra o outro. Com muito respeito e paciência conseguimos mudar nossa história. Você também vai conseguir.

Anônimo disse...

E boa ideia vou fazer isso mesmo !

avozdascomunidades2011@hotmail.com disse...

Bom, eu sou a unica filha de quatro irmãos. Desde pequena, sempre fui uma menina muito estudiosa, alegre,caseira, discreta, ajuizada, inteligente.Lutei, me formei, hoje estou com 29 anos(apesar de aparentar menos). Nunca fui valorizada em nada na minha casa. Ao contrário, posso falar que sempre fui 'saco de pancada' dos meus tres irmaos (inclusive agora do mais novo), tanto fisicamente como verbalmente (nomes horriveis!:/), e meus pais sempre foram omissos. Meu pai então é extremamente machista, ele ri ainda no momento das discussões e minha mãe fica do lado deles. Eu posso estar muda que eu eu sempre serei a culpada a ter que "melhorar", para não provocar o outro.Final de semana eu fico o dia inteiro trancada dentro do meu quarto deitada, para não "provocá-los". Eles acostumaram com isso..é algo muito triste, gente! Eu, como cristã, acredito piamente na Justiça Divina.E creio que eles vão pagar, cada roxo, pancada, cada dor fisica e mental..hoje mesmo estou com um braço roxo e inchado, mas dou graças a Deus pq posso fazer planos, estou trabalhando efetivamente e já planejo sair daqui..e vê-los nunca mais!Sinto que eles estão fazendo isso para eu sair, pois meu pai já fala em herança. Pretendo buscar orientação com uma advogado, pq tambem tenho direitos, afinal são anos aguentando soco e pontapé e sendo humilhada.Apesar de tudo, não guardo nenhum sentimento ruim, mas quando isso acontecer prefiro não ter contato. Infelizmente estamos numa sociedade mórbida, machista e hipócrita..e nem mesmo, nós, esclarecidos e que temos o minimo de cultura (se formos mulheres) somos levadas a sério na Polícia!:/ Eu já estou muito cansada, aguentei muito tempo, isso as vezes tira o sorriso do meu rosto, me deixa com o olhar triste, mas só vai acabar quando eu me afastar deste tipo de gente que só me faz infeliz..é uma constatação dolorosa que faço..E que Deus tenha misericórdia deles!:)

Para A., levante, denuncie, não se submeta a mau trato algum e nem deixe que homem algum tire a tua auto-estima. Estude, trabalhe e procure sair o mais rapido possivel desta casa. Que Deus te abençoe e ilumine!Paz!

Anônimo disse...

Eu sou irmã mais nova de
9 anos e minha irmã de12 TB me bate e se eu responder ai q a coisa fica preta

Anônimo disse...

Olá não quero me revelar vou contar um pouco sobre minha vida
Tenho um irmão que fez 17 anos e eu tenho 12,ele se acha o fortão que bate em todo mundo o bonitão,só porque ele malha não é melhor que ninguém.Desde que me lembro as coisas ele sempre me bateu mas minha mãe não faz nada ela só fala todo mundo aqui em casa só fala mas nunca faz nada.Ele me da cada soco que dói muito acho que minha cabeça esta cheia de ema tomas depois que ele me bate fico com muita dor de cabeça.Normalmente ele me bate por causa do computador eu sei a senha ai eu ligo mecho um pouquinho e desligo para minha mãe não desconfiar ele vai la e me bate e o pessoal ainda acha isso bonito.Eu tento no máximo não chorar tento pensar que no futuro eu me vingarei ou mesmo que quando agente morrer ele ira morrer não sei mas o que fazer.

Anônimo disse...

pra min é um poco diferente imves de irmao eu tenho uma irma ela quase me mato eses dias tentando me emforcar
com suas maos fortes nimgem sabe por que so asim magra so eu sei e vo contar ela sempre me bate so em festas se faz de santinha me dando abrasos mas em casa ele tem mesmo vontade de me emforcar se souberem como fazer iso acabar me avise pq ela tem 14 e eu 10 é inutil as veses pemso que vou morer nas maos dela mas ela nao tem coragen de me matar me avisem se tem um problema igual meu face é francine ahlert sinto falta de viver livre como nas festas

Meu Diário disse...

Temos que ter tolerância zero para "irmãos" covardes que gostam de bater nas irmãs, tem mais que chamar a polícia e levar em cana porque els não agridem os amigos dele com eles é só carinho, ninguém diz o capeta que são dentro de casa, isto se chama hipocrisia quem não gosta e respeita seu próprio sangue não respeita ninguém. A melhor coisa que vc tem que fazer A. é esquecer que ele existe pessoas como seu irmão acabam sozinhos, porque amigo para festas, para curtir tem um monte mais quando eles estão em uma cama de hospital todos eles desaparecem.

Anônimo disse...

meu irmao me bate e acho ele um idiota por fazer isso

Lidiane Barbosa disse...

Eu decidir por denunciar, se seu irmão já é adulto não fique com medo eu fiquei com medo por muito tempo e aos e aos 25 anos decidir denunciar não cedi nem as chantagens emocionais de minha mãe, pois as conversas e avisos de que eu iria denunciar as agressões não adiantavam ele ainda usava a força bruta pra mandar em min, eu só não queria mais ficar com marcas roxas pelo corpo e nem que ele maltratasse meus animais com chutes, realmente acho que só porque irmãos tem a mesma criação não significa que o agressor seja de bom caráter como a irmã que ele agride, não apoio o comportamento do meu irmão nem com as namoradas que geralmente o deixam por ele ser agressivo com elas! Denunciei sim porque achavam que era meu namorado que me batia quando na verdade ele tentava me defender do meu próprio irmão espero que um dia meu irmão viva a vida dele e me deixe em paz ! O caso está arquivado mais o juiz conciliador disse que uma nova agressão swguida de senuncia não terá conciliação ele será preso independente de meu irmão me agredir ou agredir outra mulher!

Anônimo disse...

Sou a irma maidms velha mas o meu irmao dois anos mais novo bateme, nao consigo responder, porque nao gosto de violencia, mas se eu disser aos meus pais eles ou nao acreditam ou batem-lhe com o cinto ou falam com ele e ele faz isso outra vez.

Anônimo disse...

Olha, eu no lugar de A. sairia de casa, com 18 anos você já é maior não tem aturar uma pessoa te agredindo ou te intimidando. Não vejo necessidade para conversas todos vêem a situação, pelo jeito este individuo deve ser o dono do "pedaço" mandar em todos. Conheço um sujeito assim é filho da minha irmã, nesta noite mesmo deu um soco na cara do pai, ameaçou a irmã e a mãe com uma faca. Tudo isso porque eles não queriam que levassem a namorada dele para a casa da família, onde este individuo vive ás custas da mãe, eles não queriam que sujeita (namorada) entrasse mais na casa por que ela vive agredindo ele (namorado), destruindo as coisas dele, desde celular, roupas, calçados, e recentemente desrespeitou a mãe e a irmã (minha irmã e minha sobrinha), então elas a avisaram que não queria que ela voltasse lá mais. E hoje ela voltou na companinha dele, quando minha Irma e minha sobrinha foram pedir para que ela se retirasse, ele as ameaçou com uma faca e quando o pai foi intervir ele deu um soco no rosto do pai. Eles saíram de casa, pois temiam que acontecesse o pior. Está certo, por tentarem evitar uma tragédia e errados por não chamarem a policia para prendê-lo e tira-lo da casa. Pior que está não é a primeira vez que ele agride o pai a Irma e já agrediu a mãe.
E em todas às vezes eu disse que deveriam chamar a policia. Sei que dói no coração de uma mãe ver seu filho preso, mas penso que ela esta protegendo a si mesma á sua filha e ao pai, e até este sujeito mesmo, protegê-lo de si mesmo.

Anônimo disse...

Sofro com o mesmo problema de A, tenho 22 anos e hoje eu apanhei, isso mesmo em pleno século XXI, hoje eu apanhei do meu irmão ele tem 20 anos e 100 Kg e eu peso 58 Kg.
Eu realmente não entendo porque ele não aceita argumentações contrárias as dele.
Ele sempre está certo, seja qual for a sua opinião e minha mãe e meu pai aprovam isso.

Minha mãe presenciou meu irmão me agredindo, pediu para ele pagar e ele mandou ela "CALAR A BOCA".
É como se ela fosse submissa a ele, eu nunca fui submissa a ninguém e ele prefere me calar ao tapas, socos e chutes.
Li nos comentários sugestões de sair de casa, é a melhor decisão sem dúvida; embora não seja simples assim: Onde ficar? Como continuar a faculdade? Com o que eu ganho vou conseguir custear a faculdade e me manter sozinha?.
Enfim...
Me pergunto quando tudo isso vai parar, e a sensação que tenho é que sou hipócrita, por defender tanto os direitos das mulheres e não conseguir colocar um ponto final nesse trauma que é a minha vida.
me sinto humilhada, abusada, ferida e acima de tudo com ódio, muito ódio.

Eu sei que isso não é bom pra mim, mas vivendo nas condições em que vivo é impossível não sentir raiva dos meus familiares, da sociedade machista.

Acho que o que mais doí em mulheres como eu, não é a dor física, mas o fato de nos calarem a força, de nos sentirmos impotentes.

Prefiro morrer em pé, ao viver ajoelhada!

Anônimo disse...

Pensei que isso acontecesse só comigo. Tenho 2 irmãos mais velhos que eu, eu tenho 16 anos, o mais velho tem 27 e o outro tem 23. Meu pai não ajudou na nossa criação, acho que por causa disso minha mãe sempre aceitou a ajuda deles comigo. Eles são carinhosos e prestativos comigo (me buscam e me levam em todo lugar), sei que me amam. Mas não suporto que eles queiram agir como se eu devesse obedecê-los. O mais velho de 27 anos já está noivo e saiu de casa, mas o de 23 anos vive me dando ordens, diz onde eu vou e onde não vou, já me chamou de puta pq uma vez me viu trocando mensagens com um garoto da escola… me sinto presa. E quando eu discuto minha mãe me pergunta cadê o respeito. Minha mãe sempre utilizou de castigo físicos com os filhos, não só comigo, mas com eles também. Ela sempre deu uma chinelada ou algo do tipo. E meu irmão se sente no direito de fazer isso comigo também, ele repete todas as coisas que ela diz, que é pra me ensinar.Me sinto humilhada, pq cresci com eles, eles não são melhores que eu. Não vejo a hora de sair de casa.

Anônimo disse...

Sou irma mais nova tenho 12 anos e meu irmao me ameaça ele tem 18 meu pai da autoridade para ele bater em mim tenho muito medo dle minha mae e meu-pai nao faiz nd, na minha casa oq ele fala e lei tenho medo de um dia ele me machuca

Unknown disse...

Passo pela mesma coisa me ajude... sou isabelly meu irmão me bate, minha mãe briga com ele e ele inventa mentiras para minha mãe e ela acredita, nao aguento mais..acho q o jeito é ela expulsar ele de casa afinal ele tem 18 anos se ela não fizer isso vou pedir para me mudar para a casa do meu pai....estou cansada, não aguento mais..nem no meu quarto posso ficar tenho q ficar trancada no quarto da minha mãe. ...Minha mãe até terapia ja tentou mais adiantou?? Não...eu n desejo isso a ninguém oque eu mais queria era um irmão q me amasse mas eu n posso ter isso ...enquanto eu escrevo cai lágrimas no teclado!! É muito triste saber q n tem ninguem para te apoiar sem ser seus pais, e pior q toda família acredita nele...minha família!! Ele chega a falar mal do meu pai...sou muito fraca não aguento ; (

Mylla disse...

A, passo por um drama próximo ao seu. Tenho dois irmão e não me dou bem com nenhum, pois os dois possuem comportamento abusivo comigo e também com minha irmã. O que me deixa mais incomodada é o comportamento do mais velho de 40 anos, que sempre se sentiu com moral e com poder de humilhar os demais que vieram depois dele. Ele nunca me bateu, contudo me humilhou e desrespeitou várias vezes por motivos tolos, e na hora travo, fico sem saber o que dizer e me odiando por isso. O pior de tudo é que minha mãe dá essa autoridade a ele, e no mês de setembro ele deu uma surra na minha irmã de 19 anos. Eu não estava em casa pois não sei o que faria se tivesse visto, odeio violência e desrespeito e estou de saco cheio de tudo isso. Não tenho como sair de casa, pois, ainda não tenho condições financeiras e nem minha irmã, não denunciamos ele em consideração a minha mãe, pois, se o fizéssemos, deixaria minha ela revoltada e com muita raiva da gente. Não temos como dialogar com ele pois é uma pessoa altamente estúpida, dono da moral e senhor da razão fora o escândalo e gritaria que seria. E pra terminar de ferrar com tudo, parte da despesa da casa é ele quem banca.Enfim me sinto covarde por não reagir, me sinto fraca , me sinto burra embora eu saiba que a doente não sou eu nem minha irmã. Ao ler seu post A, me identifiquei, obrigada por compartilhar sua dor e desejo que vc profundamente vença essa situação, pois ninguém tem o direito de pisotear em ninguém e Lola obrigada pelo seu trabalho. FELIZ NATAL!

Anônimo disse...

Acho que eu tinha por volta de 6 anos quando meu irmão mais velho começou a me espancar. Foi assim até meus 16 anos. Meus pais são separados e ele se achava o rei da casa. Minha mãe dava sempre razão a ele.Ele queria que eu fosse sua empregada doméstica particular desde criança. Ele é 4 anos mais velho e me batia como se estivesse numa briga de rua. Chutes, socos e pontapés me deixavam mole no chão e ainda tinha que engolir o choro depois. Ele gritava bem alto enquanto me batia para que os vizinhos ouvissem a valentia dele. Eu passava muita vergonha. Normalmente batia enquanto nossa mãe estava no trabalho, mas tb ocorria na frente dela, que nunca me dava razão. Bendita lei Maria da Penha. Se fosse hoje algum vizinho ligaria para a policia. Naquele tempo ninguém se metia. Perdi muitas aulas sem poder sair de casa muitas vezes por causa do olho roxo ou dos inúmeros hematomas. Hoje tenho 50 anos, mas nunca esqueci.
Certa vez perguntaram à minha mãe por que meu irmão me batia tanto e ela disse: ela era muito preguiçosa!
Sobrevivi graças à providência divina, mas tenho várias sequelas, principalmente na alma.

Anônimo disse...

Complementando:

Eu também não reagia. Até hoje ele se acha no direito de me ameaçar quando discordamos de opinião. É um violento nato. Batia na esposa e nas outras mulheres que teve, mas quem vê suas postagens nas redes sociais dirá tratar-se de um romântico, escondido atrás de belas músicas,falsos moralismos e rompantes de uma ética que não pratica, pois é um aproveitador, oportunista e boa-vida. Até hoje explora financeiramente nossa mãe, quase octagenária.Ela o apoiou de todas as formas a vida inteira e ele se acha o dono da razão.

Anônimo disse...

Eu apanho desde pequena do meu irmão que é dois anos mais novo,hoje mesmo sofri agressões físicas da parte dele com 30 anos e eu com 32. Além de socos no rosto e no corpo ele me enforcou em cima da minha filha de 3 anos que presenciou tudo e ficou muito assustada. Eu já Denunciei ele na delegacia uma vez mas nao deu em nada e agora ele diz q se eu denunciar de novo ele vai me matar na frente da minha filha. É muito humilhante pois ele tem 1,90mt e é lutador, óbvio que sempre vou apanhar dele até o dia que ele conseguir me matar mesmo.

Anônimo disse...

Vá embora. Saia. Mude de cidade se peciso for. Peça proteção à justiça.

Anônimo disse...

Isso que eu tbm penso, eu tenho 16 anos e meu irmão 19, mais cara, ele me bate muitas vezes pra valer, minha mãe, assim como meu pai, sabem disso e já brigaram com ele diversas vezes mais nada adiantou, ele continua me batendo, e eu quero muito denuciar ele mais não posso porque não sou de maior, e meus pais não aceitam ir comigo, eles acham que é só a velha e famosa "briga de irmão" e acham que isso vai passar, mais eu sei que não vai, pois ele me bate des de quando eu me entendo por gente, e cara eu não quero mais viver assim não, pois meu irmão é um hipócrita, na frente dos outros é santo, mas por trás ele falta me matar... Me ajudem por favor!!!

Anônimo disse...

Sou uma menina de 11 anos e meu irmão de 13 anos me bate quando não aceita as coisas do jeito dele, hoje eu não quis emprenstar o carregador a ele pq ele tem o dele so que esqueçeu na casa do tio ai ele pede emprestado o meu e eu digo não por medo dele quebrar meu carregador e pq ele não foi responsável ora cuidar do dele, ai eu fui na cozinha ele pegou meu carregador escondido ai eu falei pra ele me da e ele disse que não ia me dar ai eu puxei da mão dele e ele me deu dois chutes muitos fortes e eu cai no chão ai eu sai correndo pra chamar minha mae

Anônimo disse...

Tá na cara que esse assunto pode haver generalizações, todos devem sim ter as suas opiniões subjetivas, o caso dessa menina, pelo o lado da história dela realmente me parece ser uma vitima, todos devemos respeitar a subjetividade dos outros, porém quem ama é a família quem ama cuida, nós sendo homens queremos só uma coisa sexo sexo e sexo,uma possível pequena taxa de homens que podem respeitar verdadeiramente uma mulher, eu tenho uma irmã e sei bem o que é ver a possibilidade de os homens desrespeitarem ela, dela aparecer gravida, da gurizada ficar se gabando e dizendo, eu peguei aquela guria ele, ela é uma vadiazinha e etc. Eu como homem tenho os meus pensamentos inclinados ao sexo, sei como são os deboches pois muitos de nós nos gabamos e desrespeitamos as mulheres, acha realmente que eu vou querer isso pra minha irmã, acha que eu não vou procurar defende-la ? Por isso quer namorar, tudo bem, mais tem que ter regras, porque assim agente ta no controle, para preservar a dignidade da garota, o respeito a muito tempo se perdeu com a nossa cultura ridícula, não se tem mais valores como antes, o numero de garotas engravidando e pegando doenças sexuais, esta cada vez mais aumentando, os adolescentes estão ficando orgulhosos querem si governar acham que sabem o que é melhor pra eles, mais na verdade basta falar um pouco com eles que ja da pra ver a mente fraca e irresponsável deles, se começarmos a generalizar isso tudo como apenas uma agressão vamos então deixar esses imaturos agirem de forma possivelmente prejudiciais a si mesmos, e depois os dados possíveis são os avos terem que criaram seus netos, porque a imatura não pode criar o próprio filho, porque essa mesma pessoa imatura as vezes não passa de uma criança que gero uma criança, e outros mais possíveis problemas patológicos tanto mentais como doenças sexuais, a única coisa que me parece errado aqui é: Usar da força pra impor a sua vontade pra tomar conta da vida da pessoa sem precisão, apenas pra se aproveitar ou porque o irmão não entende que aquela atitude é desnecessária, mais aqui pro irmão ciumento o adequado é estar a par do que esta acontecendo entre o casal, e sempre ter horário certo pra voltar pra casa pra não ter chances de coito evitando os tais possíveis problemas citados acima, se seguir isso direitinho e o irmão respeitar a subjetividade dela, ai assim tudo ficara bem, isso pode parecer falta de privacidade, mais pelo menos é o jeito mais seguro de se cuidar da irmã, pois isso é zelar pelo respeito e cuidado, para que a irmã não tenha uma má fama e etc.

Anônimo disse...

Tristeza Venho por estas abrir meu coração.Meu irmão de12anos 13 anos sempre foi o mandão da casa.Eu com 9 aos 10 anos,ele começou abusar de mim,sempre com ameaças de bater no meu cachorro e batia judiava, pegava meu dinheiro e brigava muito comigo e muitas vezes me batia.Eu a noite eu ia dormir com minha mãe até meu pai chegar por volta 0h 1h,mas durante o dia quando as vezes minha mãe saia vinha o abuso...depois fu i crescendo ele vinha pra cima de mim eu reagia com pezada,esmurava ele e eu sempre dormindo c/ minha mãe..Eu nunca contei p/ mãe, ela sempre dava a razão a ele, porque único filho homem e tbém dava muito tbalho na escola e fora.A parti da hora q/ comecei a reagir não abusou sexualmente.Teve um tempo ele parou de perturbar,não me lembro o quanto, com 14 anos tinha q/ ser td escondido amigos namoradinho, me ele vigava,com 16 ano comecei namorar,ele não gostava meu namorado,chegaram a brigar e nunca se deram bem.Um dia ele veio me perturbar,eu com 17 anos casamento marcado,fui dormi c/ a mãe.Casei, foi difícil meu marido entender porque não sangrei,na minha inocência eu era virgem,no curso de noivo explicarão q/ mem todas sangra foi q ajudou.Hoje sinto tanta vergonha e tanta raiva de mim mesma,porque eu deixei isto acontecer,minha mãe até hoje não sabe o pq eu ia dormir com ela,eu hoje 47 anos tento evita-lo o máximo,minha mãe gosta muito dele e só tem olhos p/ele ate hj da tbalho.Eu ñao gosto do jeito da mãe,eu amo ela, mais ela ñ teve atenção ñ me deixava falar ñ acreditava em mim,imagine contar os abuso então?Hj da vontade de contar,mas penso na mãe e o pai ta velhinho,fica a vergonha, tristeza e a raiva,será q vão acreditar em mim?Eu deixei acontecer?Só contei isso p/ minha filha ,quando criança vim preparando ,p/ ñ acontecer com ela,pq tenho um filho homem.Preciso ouvir opiniões!