sexta-feira, 1 de julho de 2011

ENTREVISTA SOBRE O BLOGUINHO

Moizinha

Noelle é radialista formada e está fazendo especialização em Jornalismo Multimídia pela PUC-SP. Seu projeto é sobre blogs como fontes de informação, opinião e crítica, e ela escolheu este modesto bloguinho que vos fala como um dos três que vai analisar (estou muito curiosa pra ver o que ela vai dizer). Ela me enviou algumas perguntas, e quero compartilhar as respostas com vocês. Não tem nada de muito novo pra quem já lê o blog faz tempo, mas como tem bastante gente nova por aqui, fica um histórico.

- Como surgiu a vontade de ter um blog?
Desde 1998 escrevo para o jornal A Notícia, de Santa Catarina, que é basicamente um meio impresso. Em outubro de 2000 passei a colaborar com o Lost Art, um site de fotografia do meu irmão e cunhada. Lá eu tinha uma coluna sobre cinema, Escreva Lola Escreva, e postava críticas toda semana. Só que, por ser um site, não blog, e pelo público que me lia não ser particularmente o "meu" público, havia pouquíssimo feedback de leitores. Não era gratificante. Em 2007 comecei a colaborar com outro blog, o Antigravidade (que é mais nerd, mais sobre filmes de ação e histórias em quadrinhos). Novamente, quase não havia interação com os leitores, e o editor, um amigo meu, achou que um texto meu sobre um diálogo com o maridão não fazia o perfil do blog. E não fazia mesmo! Então em janeiro de 2008, no meio dessa crise, rompi com os dois e comecei o meu próprio blog. Não tinha a menor ideia de como fazer isso, e o maridão (que também não sabia nada desse universo) me ajudou a descobrir e me deu muito apoio. A recepção foi impressionante. Em um mês de blog meus posts já tinham mais comentários que em sete anos de Lost Art ou em meses de Antigravidade. Fiquei muito feliz, porque quem escreve quer ser lido, e gosta de ouvir impressões sobre o que escreveu. Essa troca de ideias com leitor@s me fez ver que eu podia escrever sobre o que quisesse, não apenas cinema. Eu me senti muito livre. Eu era (e continuo sendo) minha única editora. E @s leitor@s sempre sugerem ótimas pautas. Assunto não falta. Acho que este foi o 1o banner do blog. O que está aqui até hoje foi o segundo.

- O blog atende a todas as suas necessidades como veículo de comunicação? Como lida com a interatividade (comentários, e-mails)?
Adoro fazer o blog, e adoro os comentários d@s leitor@s. Muitas vezes a caixa de comentários fica muito mais interessante que o próprio post. Vira um fórum de debates mesmo. Então, como veículo de comunicação, o blog atende a todas as minhas necessidades. Pelo lado financeiro, não. Continuo sem saber como se ganha dinheiro com blog, e cada vez desconfio mais de quem diz viver disso. Mas, voltando ao assunto da interatividade, em 3,5 anos de blog foram mais de 55 mil comentários. Se dividirmos pelo número de posts (2,200, mas dá pra descontar uns 500 que eu trouxe do Lost Art, porque, quando criei o blog, transferi todas as críticas pra cá), dá uma média de 32 comentários por post. Os posts mais polêmicos sempre têm mais de 80 comentários (mas eu erro muito e quase sempre me surpreendo: um post que eu acho que vai render muita discussão às vezes não dá em nada; e outro que eu acho ameno acaba repercutindo um monte). Portanto, a discussão é realmente boa, uma diversidade grande de opiniões e pontos de vista. Até meados de 2009, eu fazia um esforço descomunal pra responder todos os comentários. Mas o número foi aumentando, e ficou impossível fazer isso. Notei que ou eu escrevia um post, ou eu respondia os comentários, e acabei optando pela primeira opção. Afinal, o blog não é uma fonte de renda, e eu preciso trabalhar. Tento, e raramente consigo, dedicar apenas uma parte do meu dia ao blog. Mas é viciante, e difícil ficar longe, e o Twitter (que relutei muito pra entrar, e só entrei em agosto do ano passado, mas é uma ferramenta essencial de divulgação do blog) só aumentou o meu vício e meu tempo gasto na internet. Também sinto muita falta de ler e comentar blogs de leitor@s (boa parte tem blogs excelentes, bem escritos, fascinantes), mas infelizmente não sobra tempo. Quanto aos emails, tento responder todos, mas ultimamente tem faltado tempo até pra isso. Alguns são tão interessantes que eu peço permissão pra transformá-los em guest posts. Outros trazem perguntas e dúvidas, e eu tento respondê-los em forma de post, porque acho que a resposta pode ser relevante pra mais gente.

- Como é a escolha dos assuntos tratados?
Acho que o enfoque principal do meu blog não é nem o feminismo, apesar de ser um blog assumida e orgulhosamente feminista. Mas o enfoque mesmo é a crítica da mídia, e a palavra "crítica" é o mais importante aí. Claro, tudo que escrevo tem um viés feminista e de esquerda. Sempre teve! Minhas críticas de cinema trazem uma visão feminista e de esquerda. Recebo muitas sugestões de quem me lê, e costumo acatá-las quando o assunto me interessa. Tem assuntos que eu sinto que não tenho nada de novo pra contribuir, que o assunto é muito óbvio ou já foi esgotado, e nesses casos evito escrever. Também não me sinto na obrigação de ter opinião sobre absolutamente tudo. Não tenho vergonha de não ter opinião formada, ou de revelar que não sei muito sobre um determinado assunto. Acho que meu blog é muito interativo, embora eu raramente responda os comentários. Muitas vezes eu faço um post baseado em alguns comentários. Tento publicar um guest post por semana, com assuntos variados que nem sempre representam a minha opinião, e na maioria das vezes estão fora da minha vivência. Adoro esses guest posts, pois eles realmente amplicam o foco do blog. E tem coisas que eu acho que não vão interessar a muita gente, mas tenho vontade de publicar do mesmo jeito (meus diálogos com o maridão, por exemplo). O blog é também um registro. É a minha memória.

- Para criticar é necessário possuir repertório?
Depende do que vc quer dizer por repertório. Se repertório é arcabouço teórico, aí depende do blog. Como meu blog não é acadêmico, eu não incluo muita teoria. Mas tem vezes que a teoria está a mão, ao meu alcance, e ela ajuda a fazer um post mais fundamentado. A teoria poupa tempo. A gente não precisa sempre descobrir a roda se souber que um monte de gente já estudou aquilo com muito mais profundidade. O que acho fundamental é fazer conexões, comparar o que estou criticando naquele momento com outras coisas que critiquei, com outras coisas que andam acontecendo. Inúmeras vezes eu perco essas conexões e @s leitor@s lembram nos comentários (por isso quem vem ao meu blog e lê apenas os posts, não os comentários, sai perdendo). Mas se repertório for conhecer o que estou criticando, acho importante. Por exemplo, não vou criticar um livro que não li. Mas posso criticar a entrevista que aquele autor deu sobre o livro, e deixo claro que não li o livro. Outro exemplo: quando critiquei o vídeo que o CQC 3.0 fez contra a amamentação em público, algumas pessoas me criticaram por eu não ser uma espectadora habitual do programa. Como elas sabem disso? Porque eu falei. E não acho que eu precise ver CQC para poder criticá-lo. Obviamente eu vi aquele dia específico, e pra mim isso basta. É sobre aquilo que vou falar, não sobre os sei lá quantos anos do CQC ou de suas versões em outros países. Mais um exemplo: escrevo uma crítica de Crepúsculo ou Senhor dos Anéis, e deixo claro que só vi aquele filme, que não li os livros. Muita gente acha que não tenho conhecimento para falar sobre tais franquias. Mas estou falando apenas daquele filme em particular, que é uma obra independente, feita para se sustentar sozinha. Claro que um fã fiel de uma dessas franquias saberá muito mais sobre ela do que eu, porque terá lido todos os livros, visto todos os filmes, lido todas as entrevistas e matérias. Isso é maravilhoso, mas não estamos numa competição. Tomara que ess@ fã tenha um blog, e consiga registrar todas as suas opiniões.

- Acha que a critica sempre tende as opiniões e gostos pessoais?
Sim, acho. Minha opinião é pessoal, parcial, e subjetiva. Ela é baseada nos meus valores, nas minhas experiências, na minha identidade. Por isso é tão importante termos diversidade, porque quando é sempre o mesmo grupo social que escreve, suas visões tendem a ser meio parecidas. E acho insuportável ler críticas em que o autor camufla ou disfarça sua opinião, como se quisesse se passar por neutro. Neutralidade não existe. Claro que posso incluir na minha crítica opiniões de outras pessoas. Muitas vezes eu faço isso. Nas crônicas de cinema, incluo reações e diálogos do público, e interpretações de outros críticos. Mas a minha opinião vai transparecer de alguma forma, seja através da construção do meu discurso, seja através das minhas escolhas (não só do que incluí no texto, mas principalmente pelo que deixei de fora). Leitor@s crític@s devem sempre se perguntar: ué, por que ela não tocou naquele assunto? Nem sempre é proposital: às vezes não mencionei aquilo porque esqueci, ou porque o texto já estava quilométrico, ou porque não era um assunto do meu interesse, ou porque meu recorte era outro. Mas às vezes é também porque incluir aquilo enfraquece minha argumentação. Geralmente sou muito sincera, sincera demais, e menciono o que deixei de fora. E também tento dialogar com quem lê, já antecipando as oposições. A argumentação fica mais forte se a gente adivinha os argumentos contrários. Mas isso tudo já está tão enraizado na minha forma de escrever que é raro eu pensar nisso. O meu estilo é argumentativo. E muito pessoal.

17 comentários:

Daní Montper disse...

Oi, Lola! Que bacana! O blog fazendo mó sucesso!
Parabéns, pois esse espaço aqui, que você construiu e mantém, é um ótimo lugar para debates, e suas críticas são um bem necessário para a sociedade.

Eu te mandei um e-mail sobre uma matéria dO Globo sobre a Marcha das Vadias do Rio, queria saber o que achou, pois sempre ficou receosa quando a Globo escreve algo hehehe

Bjs

m4v3r1ckk disse...

Congratulações Lola pelo reconhecimento do blog.

A entrevista é excelente no sentido de descobrir as motivações pelo qual vc fez esse blog.

Sou uma dessas pessoas novas que veio a conhecer o seu blog, na verdade à descobrir o feminismo, assim como definição e de se reconhecer como tal (eu acho).


Só achei a entrevista meio bobinha no sentido de ter perdido a chance de aprofundar mais no esclarecimento das suas idéias feministas, seria mais proveitoso se a entrevistadora se orientasse por esse caminho.

Maíra disse...

Parabéns, Lola, parabéns!

Fico feliz que tenha vindo ao twitter, porque como não tenho disciplina para ler os bons blogs (são tantos que a gente meio se perde, né?) tê-la no twitter me faz ler o blogão (sim, um blogão) com a frequência que ele merece. Beijo grande!

Gre disse...

Sempre a verdade,a autenticidade aliada ao bom senso farão sucesso como é o caso do seu blog Lola. Nos identificamos e você nos representa, é a nossa voz! Viciei no seu blog que já está salvo na minha lista de favoritos. Sucesso sempre! Abraços...

gustavotche disse...

Olá Lola,

Parabéns pelo blog. Eu o leio sempre que posso e o considero melhor do que qualquer coluna de opinião dos jornalões.

Se vc tiver tempo, por favor comente sobre o caso do ex-diretor do FMI, pois houve reviravolta no caso:
http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/reviravolta-no-caso-strauss-kahn

Qual a relação dessa acusação de abuso sexual com a da boate de São Paulo?
http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/06/conselho-de-bombeiros-acompanhara-suposto-estupro-em-boate-de-sp.html

E o caso do criador da WikiLeaks:
http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/wikileaks/8579350/WikiLeaks-Julian-Assanges-excessive-and-dehumanising-house-arrest.html

E como as vítimas de abuso são tratadas pela polícia, sociedade e mídia, quando aquelas tem a coragem de denunciar.

Abraço,

Thea Carvalho disse...

Nossa, "conheci" a Lola através do LostArt e não concordava com a maioria das críticas de filmes q ela fazia. Mas, depois, acompanhando o seu blog EscrevaLolaEsceva vi q ela não era tão chata assim (rsrsrsrs). Q vc continue com seu blog por muitooooo tempo mais, o porquê nem preciso explicar, né?

Vanessa Macêdo disse...

ow lolinha te amamos

Lord Anderson disse...

Parabes Lola

E tem que dizer que seu blog se tornou um espaço muito querido para muita gente :)

Vc tem leitores, fãs e amigos aqui.

Ághata disse...

Longa vida ao blog, Lolinha!

Teresa Silva disse...

Que legal Lola!

Dani Montper, sobre a notícia da Marcha das Vadias no Rio no O Globo: boa divulgação. E sábia decisão a do jornal em não abrir espaço para comentários, para evitar opiniões boçais.

Barbara disse...

Pessoal, vejam essa notícia interessante: na Finlândia, existe um "ombudsmen de igualdade", especializado em receber queixas de discriminação de gênero. Parecem estar anos-luz à frente do Brasil...

http://colunas.epoca.globo.com/mulher7por7/2011/07/01/%E2%80%9C30-dos-homens-sofrem-discriminacao-pelo-seu-sexo%E2%80%9D-diz-ombudsman-da-igualdade/

peripeciasusa disse...

MEu maior orgulho eh q eu ja te conhecia antes de vc ser "famosa"... hahahaahaha
Vc ta tao na midia que daqui uns dia faz chapinha.

TE AMOOOOOO (mesmo sendo tao diferente de vc, adorando maquiagem, compras... etc)

Blanca disse...

Que belezura! xD

Amei! Tomara que não distorçam nada :B

denise disse...

Lola tudo o q a GRE falou é o que gostaria de dizer tambem, só vou acrescentar que gosto de ver suas fotinhas tambem, e que vc é muito querida.

Mari disse...

Lola querida, que bom ver você ser mais uma vez,merecidamente, reconheida. A verdade é que te amamos, lemos você todos os dias, e principalmente te admiramos.Você com todo o trabalho que tem, postando todos os dias é muito, muito bom. Abraços no maridão, beijos para você e mamacita!

Raquel Dunn disse...

Gotta love you, Lola!

Sexo c/ Amor? disse...

Parabéns! Partilhar, escutar, discutir é ótimo. Ajuda a crescer e a ficar forte! estes dias, conheci um blog com o nome de narroterapía, eu adorei. expandir opiniões e pensamentos é importante e responsável. beijos