segunda-feira, 30 de maio de 2011

“VERÃO COMO SOMOS LINDAS”

Gabourey Sidibe, estrela de Preciosa, é branqueada em capa de revista

Quando a Natalia no Twitter me enviou uma mensagem perguntando se eu tinha visto o artigo de uma revista explicando “objetivamente” por que negras são menos atraentes que mulheres brancas, eu respondi no ato que isso daí tinha a maior pinta de ser mais uma das teorias malucas da psicologia evolucionista. E não é que eu tava certa? O post, intitulado “Por que Mulheres Negras São Fisicamente Menos Atraentes que outras mulheres?”, foi publicado no dia 15 de maio no site da conceituada (pelo menos entre os títulos pop) Psychology Today que, aparentemente, não viu nada de racista em fazer uma pergunta dessas. A revista deve até ter se surpreendido com o volume de emails e tweets que chegaram, e logo tirou o artigo do ar. Mas, claro, alguém já o havia copiado, então você pode ler esse pedaço de cocô (pra ser delicada) aqui, em inglês. Não se preocupe não que vou resumir já já. O que não me surpreendeu é que o autor do post racista é um velho conhecido meu, Satoshi Kanazawa. Já falei das incríveis descobertas do Satoshi: ele crê que os homens realmente preferem as loiras, e isso desde o tempo das cavernas, quando a gente nem sabia que loiras existiam (ou, se é pra usar nossa evidência empírica, como fazem os psicólogos evolucionistas, você já viu algum desenho de uma mulher das cavernas loira?). Isso porque, segundo Satoshi, todo mundo nasce loiro, só que, com o passar dos anos, nosso cabelo vai escurecendo. Portanto, o cabelo loiro seria a prova irrefutável que a mulher é jovem (nenhuma palavra sobre o homem loiro). E todo homem quer uma mulher o quanto mais jovem possível, porque ela teria uma vida reprodutiva mais longa, e isso, ao contrário do que juram os mascus, é tudo que um homem quer: espalhar sua sementinha. Os psicólogos evolucionistas, também chamados, não com muito respeito, de evo psychs (vou traduzir pra psiquevas) e de fundamentalistas científicos, explicam tudo com base na reprodução de nossos genes. Não existe cultura pra eles, só biologia (e desconfio que eles existam antes de Darwin, a julgar por essas pérolas de 1500 e bolinha sobre mulheres). Tudo que fazemos é em busca do nosso instinto para uma melhor reprodução (eugenia feelings pra você também). Por isso, homens procuram jovens lindas e loiras, enquanto mulheres selecionam o macho mais poderoso (nisso os mascus concordam). E danem-se os homossexuais, né? Ou quem é infértil. Ou as pessoas que preferem adotar a ter bebês. Ou essa aberração da natureza que eu represento, a mulher que não quer ter filhos. Nós não existimos. Vamos nos recolher a nossa insignificância, ô legião de desqualificados!
Significante mesmo é o Satoshi, um psiqueva que dá aulas numa universidade britânica. Não é um carinha que acordou um dia e decidiu explicar por que, pra ele, que é hetero, as mulheres são atraentes e os homens não. Nada disso. Ele é um cientista. Tem pelo menos um livro publicado, com o científico nome de Por que as Pessoas Bonitas Têm Mais Filhas (note: filhas). Os leitores que chegam aqui pedindo que eu respeite essa ciência machista, racista e homofóbica (e não à toa, a mais divulgada pelos meios de comunicação nas últimas três décadas, desde o início da reação conservadora nos anos 80), e pregando que existem psiquevas sérios, me lembram os mascus que pedem que eu leia blogs mascus respeitáveis. Só que eles são todos iguais. Pode haver diferença no tom, na linguagem, mas não no que eles querem passar: que o homem é superior à mulher e que isso é absolutamente natural (mais um ponto de convergência entre esses dois grupos machistas). E que as feministas estão prestando um desserviço à humanidade ao lutarem contra o “é assim que as coisas são”.
Como pega mal (até pra um psiqueva!) afirmar categoricamente que ele está certo em não achar mulheres negras bonitas, Satoshi menciona todo um estudo pra mostrar que o seu gosto é justificado. Ele enche o post de gráficos e também joga no meio da receita uma dose de gordofobia (já que mulheres negras em geral tem um Índice de Massa Corpórea um pouco maior que o de brancas). E finalmente ele arrisca uma explicação: negras teriam mais testosterona que outras raças. É apenas um jeito infeliz de dizer que negras seriam mais másculas, e que Satoshi gosta de suas mulheres bem femininas.
Não há dúvida que mulheres negras (e homens negros também, mas como ser bela é uma imposição pras mulheres, e apenas um bônus pros homens, o peso é diferente) são desvalorizadas na nossa sociedade ― em todos os campos, inclusive no estético. Aqui onde moro, no Ceará, as estatísticas dizem que 64% da população é negra ou parda. No entanto, quando eu ligo a TV, abro uma revista, ou vejo um outdoor, tenho a impressão de estar na Suécia. De modo geral, tem muito mais loiro de olho claro na mídia que negro. Isso se repete em todo o Brasil, e é um dos sinais que sim, somos um país muito racista. Pele escura não tá dentro do padrão de beleza. As raríssimas modelos e atrizes negras que porventura aparecem na mídia têm traços brancos ― são mais claras, têm nariz fino, cabelo liso. Duvido muito que quando alguém considera feia uma negra ele tá pensando, “Hmm, testosterona demais, eca!”. O que a gente considera bonito e feio é ensinado, muda de lugar pra lugar, e de época pra época. Não tem nada de universal nisso (e o que os psiquevas tentam provar é que há inúmeras coisas universais). Ninguém nasce achando que olho azul é mais bonito que olho castanho. Aliás, se houvesse qualquer fundamentação biológica nessa preferência, a gente defintivamente não acharia olho claro bonito, já que geneticamente ele tem mais chance de ser míope (ou seja, seria uma desvantagem evolutiva). Pele escura seria uma vantagem evolutiva, pois o risco de câncer de pele é muito menor! Mesmo no campo estético, pele escura deveria ser tido como qualidade, não defeito, pois costumamos associar beleza à juventude, e quem tem pele escura está menos exposto aos danos do sol e têm menos rugas. Eu tô chutando tudo isso, não sou bióloga, mas pelamor, é muito óbvio que achar traços negros pouco atraentes é uma construção social. E só porque esse padrão racista existe faz séculos não o torna mais natural e menos cultural.Só um exemplo que está na minha cabeça: este anúncio de creme da Dove. Perceba como a mulher negra está no campo do “antes” (de usar o tal creme), enquanto as brancas estão no “depois” (e claro que a negra é mais cheinha que as brancas, lembrando a gente do típico antes e depois da propaganda das dietas). Não venha me dizer que foi sem querer, que o anúncio passou por centenas de publicitários e clientes e ninguém percebeu. Racismo é lucrativo, e a indústria cosmética é uma das que mais ganham dinheiro com isso. Todas as marcas de cosméticos vendem cremes para clarear a pele. Você conhece muitos cremes pra escurecer a pele (bronzear é outra coisa)? Cremes branqueadores rendem bilhões em países com mulheres marrons e amarelas, como Japão e Índia. Todas essas marcas ganham os tubos vendendo alisadores de cabelo. Em outras palavras: fazer que mulheres não-brancas sejam mais brancas dá muito dinheiro. Só que, pra fazer com que mulheres não-brancas queiram ser brancas, é preciso espalhar a mensagem que white is beautiful. E só white.
Por coincidência, no mesmo dia em que Satoshi fez (mais) esta pataquada, meus alunos de Poesia leram e interpretaram um lindíssimo poema de Langston Hughes, escritor americano nos anos 1920 que foi peça fundamental na Renascença Negra. Chama-se “I, Too” (Eu também). As últimas linhas são: “Eles verão quão lindo eu sou / e ficarão com vergonha. / Eu também sou América” (leia e ouça o poema aqui, é curtinho. Na maior parte das versões o "verão como sou lindo" está escrito no singular).
Algum dia, espero, o pessoal que faz parte da classe dominante entenderá que ter um só padrão de beleza é limitador, sinônimo de ignorância. Este padrão é construído e, como tal, pode ser desconstruído. Depende de nós. Logo logo vocês se sentirão envergonhados, senhores.

79 comentários:

Lord Anderson disse...

E tem gente que fica ofendida quando se faz alguma critca a esse tipo de ciência...

Na boa, tem hora que os adeptos da ciência são tão fanaticos quantos os fundamentalistas religiosos.

É terrivel esse tipo de preconceito travestido de estudo cientifico, o unico ponto meio positivo, é que toda essa ginastica para justicar o injustificavel, mostra como eles mesmo não tem coragem de se declarar preconceituosos.

Zyklon disse...

Acho um estudo válido, temos que poder falar que as negras são menos bonitas que brancas, se é o que realmente achamos.

Marcely Costa disse...

Disse tudo o que um dia eu já pensei em falar sobre esse assunto, Lola!
Eu tenho/tinha cabelo de cores diferentes e sempre fui a favor de questionar esses padrões de beleza abomináveis e inatingíveis (e restritivos) da sociedade. Uma das coisas que eu mais ouvia sobre meu cabelo (azul, verde, amarelo, branco, vermelho, não importa qual cor) era: "Isso fica bem em você porque você é branquinha"... Ou ainda, em menor grau "porque você é novinha". E quem dizia isso de ser branca, em geral, eram as próprias mulheres pardas, ou negras, ou no segundo caso, das senhoras de idade. Eu desisti em certo ponto de discutir essa "certeza" (que inclusive é difundida e afirmada como a maior verdade inquestionável, pelos "melhores" cabeleireiros e visagistas), porque em geral as pessoas não aceitam que alguém pense o contrário dessa "verdade"... Eu tenho uma amiga negra e maravilhosa, que tinha cabelo colorido, eu já pensei em tirar uma foto e mostrar pras pessoas que dizem isso, já que uma imagem vale mais do que 1000 palavras, mas do jeito que as pessoas são iludidas e massacradas por imagens que provam o contrário, é capaz que não aceitem nem assim.

Pat Ferret disse...

E eu, que não sabia disso, rezando pra algum milagre me conceder um pouco mais de melanina na pele... AFF!

Lola, olha esse blog aqui, vc vai a-do-rar!

http://enigmaticoerealistico.blogspot.com/2011/05/inferioridade-feminina-segundo-as.html

aiaiai disse...

clap, clap, clap. Mais nada a declarar!

Bruna disse...

Eu sou tão acostumada com esse tipo de preconceito desde o dia em que nasci, sou a única mulher na minha familia que não alisa o cabelo, e quando vou cortar ou fazer qualquer coisa num salão de beleza tenho sempre que ouvir como eu ficaria bem se fizesse uma escova, já me disseram até que eu tinha que ser mais vaidosa e alisar o cabelo, como se cuidar do meu cabelo do jeito que ele é (e olha que eu adoro creminhos e penteados), não fosse vaidade tbm. Mesmo assim, toda vez que fico sabendo destes artigos "tão cientificos" fico chocada. Eu sei que nós já chegamos mto longe, mas parece que algumas pessoas não saem do lugar.

Daní Montper disse...

Isto é revoltante. Pelo menos tiveram um gostinho do que é ser racista, tiveram que tirar a notícia do ar.

Olha, Lola, isso lembrou uma amiga minha, ela é negra, mas não negra escura e com os traços étnicos dos negros, é mais clara e tem alguns traços mais finos, e tem um rapaz negro, esse sim com traços étnicos negros e cor bem escura, que está interessado nela e a chamou para sair, ela saiu e gostou dele, mas sabe o que ela me disse? Que o relacionamento não tem futuro porque ele é negro demais e ela tem que clarear e não escurecer os descendentes dela! A mãe dela, que é negra também, mais escura que ela, também é contra a jovem se relacionar com o rapaz por ele ser 'escurinho demais'...
Daí, com esse meu relato, você verá gente dizendo que o negro que é racista, não valoriza a própria etnia e que a gente não tem que valorizar também, que a culpa de tudo é dos negros etc, sendo que esquecem que os caucasianos sempre afirmaram de alguma maneira que a cor deles é feia, que o cabelo é feio, etc. Então é lógico que eles quererão ser brancos! Aprenderam que só assim serão bonitos e terão uma vida melhor, e se eles não podem ser brancos agora, que sejam seus descendentes.

A sociedade precisa dar uma basta nisto sim, temos que mudar isso, é absurdo ligarmos a televisão e vermos quase 90% de gente branca, que em tudo quanto é lugar a estética considerada bonita é a branca e magra, sendo que nossa população é maioria parda ou negra.
Isso tem nos causado muitos problemas e feito muitas(os) jovens negras(os) com baixa autoestima - a maioria da população jovem, na verdade- pois não é a primeira vez que alguém negro que conheço se ache feio, que acha que isso é defeito, e tente ficar parecendo branco etc.
Alguns até me disseram que há uma explicação bíblica sobre a forma como negros são tratados, sabia? Que é um castigo de deus por um crime que alguém cometeu e então ele disse que todos os seus descendentes serão perseguidos por seu crime, mas não lembro exatamente a história.

Enfim, conversei seriamente com essa minha amiga sobre isso, mas ela ainda acredita que o certo é clarear a pele do descendente para ele sofrer menos, ser mais bonito etc como que ainda tem gente que acha que não há racismo no Brasil depois de ouvir uma coisa dessas?

Shoujofan disse...

Isso me lembra uma pesquisa que foi feita no Japão e que produziu como resposta Os Japoneses não preferem as loiras. Ou seja, não há nada de errado em achar mais bonito um tipo A em relação a um B ou C, mas dizer que é ciência, ao invés de opinião pessoal, é arrumar desculpas apra camuflar o seu próprio racismo. Porque se a coisa fosse tão neutra assim, não precisaria de desculpas, né? :P

À propósito, ótimo post, Lola. ^__^

Menina disse...

Lola, eu sou loira, nasci assim e tenho cabelo liso. Isso faz com que eu me ache mais atraente? Não. Meu cabelo NUNCA para do jeito que eu quero, minha pele fica vermelha e cheia de manchas, meu rosto enche de sardas.
Já pintei meu cabelo para mais escuro, mais de uma vez. Para preto, castanho, ruivo. Hoje ele está na cor natural.
Eu estou acima do peso, o que prova que loiras também ficam acima do peso.
Eu juro que não entendo essas preferencias masculinas.
Tem tanta mulata e negra que eu vejo por ai e acho linda. Enquanto quando me olho no espelho eu não gosto do que vejo. Mas é obvio que eu não sei de nada, afinal ou sou da área técnica em informática e não cientista.
Meu pai é moreno, não sei se posso falar que ele é mulato, pois o cabelo dele é liso e a pele é mais clara que o que eu conheço pela denominação mulato.
Minha avó, mãe dele, tem a pele morena, clara, assim como eu pai e cabelo bem enrolado, típico que negros. Meu avó era português(era pq é falecido).
Os pais da minha avó: Meu bisavô era negro, italiano da calabria, e minha bisavó era loira, italiana da Toscana.
Minha mãe é loira, os olhos verdes. Minha avó, mãe da minha mãe, tem cabelos castanhos e olhos verdes e o pai da minha mãe é loiro de olhos verdes. Minhas bisavós e bisavôs no geral seguem essa regra: loiros, de olhos azuis ou verdes. Só um deles que não era assim, pq tinha mãe italiana e pai mulato. Mesmo assim dos irmãos da minha mãe apenas uma nasceu com cabelo castanho escuro e encaracolado. Todos os outros são "perfeitos": Cabelo liso, loiro e olhos claros.
Eu tenho inveja da minha tia. Quando era pequena perguntava muito pra minha mãe pq não podia ter o cabelo igual o dela...

Sabe um livro que me irrita? Homens são de marte, mulheres são de vênus. Só é assim por causa da construção social e não pela biologia.

Agora, uma coisa que me deixou intrigada foi a propaganda da DOVE, eu juro que sempre admirei as propagandas por mostrar mulheres normais, gordinhas, com sardas, com quadril largo, pouca cintura, negras, ruivas, mulatas, loiras. Nunca pensei que ouvesse um preconceito escondido ai.

bjs

Lord Anderson disse...

Zyklon

Não há nada de errado em vc, pessoalmente, achar mulheres brancas mais atraentes que as negras, ou o inverso.

Mas usar um psdo estudo cientifico para justificar isso e ainda por cima generalzar?

AH, desculpa, mas isso é maneira de querer disfarçar o proprio racismo sim.

Thiago Pinheiro disse...

Infelizmente, essas "pesquisas" são amplamente divulgadas. Ganham os grandes portais da internet. Em nosso país, próximo a alguma notícia sobre um bigbrother o leitor é apresentado a esse tipo de coisa que se faz passar por ciência. Em tempos que informação e entretenimento devem estar casados isso tem espaço garantido.
Sobre os anúncios publicitários resta-nos saber quando se irá tipificar alguns destes pelo crime de racismo.

André disse...

Menina, nem sempre o que dizem das preferências masculinas é verdade. Veja nessa pesquisa, http://delas.ig.com.br/amoresexo/barriga+feminina+chapada+nao+e+tao+importante+para+os+homens/n1596952707571.html, que pode não ter sido muito rigorosa, que as hiperdesejadas (por quem?) modelos só ganham das mulheres musculosas e perdem feio para as gordinhas.

elen mars disse...

a hipocrisia é muito grande,na televisão volta e meia dizem como o brasil é maravilhoso,onde negros são respeitados,religiões... até parece.

num comercial com 10 pessoas,tem 1 negra,pra q ninguém os acuse de racismo.
pensam q somos burros,só colocou um negro por causa das cotas.

já vi vários concursos de atuação,canto,onde um negro é muito melhor,mas sempre ganha o loiro de olho azul.

fiquei chocada tb,com uma menina que venceu o programa de calouros do raul gil no sbt, ela foi mostrar o seu cd.
e eles transformaram ela em quase branca.

n sei se foram kg de maquiagem ou fotoshop
veja :

a foto manipulada:
http://www.downgospel.com/tag/baixar-cd-brenda-dos-santos-outra-metade/

como ela é realmente:
http://www.cidadeverde.com/brenda-dos-santos-lanca-com-exclusividade-o-cd-outra-metade-74831

e eles querem branquear até quem já é branca, pq se vc n tem cabelo liso,vc n é tão branca quanto deveria ser.
já cansei de ir em salão só pra fazer hidratação e a cabeleleira ficar me empurrando uma escova.

meu cabelo é ondulado,eu detesto salão,agora só vou pra cortar.

a MENIN falou do comercial dove,eu nunca gostei,pq n tem nada de mulheres reais, n mostram gordas de verdade,as mulheres do comercial devem estar no maximo uns 10 kg acima do peso,n aparece uma q tenha celulite,estria, olheira.

vai ver elas ate tem,só q manipularam a imagem,pra q aparecesse uma pele perfeita.

joao paulo disse...

Lola entrei há um ano no curso de psicologia, e pelo que vejo essa corrente se não é nula é inexistente, nimguém compra a psicologia evolucionista por inteiro, hoje é quase consenso que o homem é influenciado tanto pelo meio cultural como genético.

Mari disse...

Não li até o final não mas não entendi uma coisa: os homens não tem atração por bunda? Porque uma mulher de ancas largas seria melhor parideira para seus descendentes? As negras não são reconhecidamente popozudas? Então? Cadê a psicologia evolutiva de merda agora?

Em tempo: gente bonita é bonita porque é bonita (fácil de entender, né?).
Beijos!

Laetitia disse...

Tô pasma com esse anúncio da Dove. Caramba, todo dia eu me dou conta de que ainda vivo na idade média! Já deu, né?

Niemi Hyyrynen disse...

Faz um tempão que a Dove está escorregando na jaca ao fazer esses comerciais de cunho racista/gordofóbico.

Estou cogitando parar de usar esse produto, pq não quero me sentir patrocinando essas atrocidades.

Bruna disse...

Os movimentos negros dizem: "não me vejo, não compro". Pode acrescentar tbm: "não me respeitam, não compro". Sobra pouca coisa pra usar, mas a consciência fica brilhando.

Defesa316 disse...

Pois é, quando a ciência diz algo que vai contra os ideais dos "progressistas", a ciência não presta, é racista.

Mas quando a ciência vai contra argumentos supostamente religiosos, os progressistas festejam, comemoram.

Pra quem acha que viemos do macaco, e que evoluimos, a ideia desse cientista faz sentido.

Pois segundo os progressistas, a espécie humana evoluiu.

E se evoluiu, vai procurar as melhores mulheres,sim homem procura, mulher recebe), pois é a mulher que usa maquiagem, gasta fortuna pra colorir os cabelos, cada dia usa roupa diferente.

Homem não, basta um terno, ou uma bermuda e pronto.

mulheres precisam ATRAIR, os machos.

E os homens, que vieram do macaco, procuram as mulheres mais bonitas e atraentes pra procriar e transmitir os genes.

Eu creio que Deus criou o homem, e que Jesus lutou pelos direitos das mulheres, e foi contra os judeus que achavam que não podiam conversar com as mulheres.

Roberta disse...

Realmente,desde que somos crianças nos empurram esse padrão de beleza.
O cabelo dos meninos negros é raspado e o das meninas alisado.
A sociedade de hoje é quase identica a que Cruz e Souza vivia.
Alias tem um docmentario que fala sobre isso,antigo pra caramba,mas excelente,me deu vontade de chorar.Se chama "Olhos Azuis".

http://www.youtube.com/watch?v=DE1aq1zqT3A&feature=player_embedded

Escarlate disse...

E o pior que isso é tido como verdade absoluta. É por isso que o padrão de beleza é a do europeu branco colonizador. Pra quem estuda História sabe o pq de desvalorizarmos os negros e valorizarmos os brancos. E ainda mais a objetificação da mulher como padrão de consumo e enfraquecimento de seus direitos e participação política, já que um objeto não pensa, não sente, não escolhe.

Tudo naturalmente natural, se é possível algo assim.

Bruno Hoffmann disse...

No Ceará também se sente na Suécia ao abrir revistas, ver outdoors? Que nojo.

A pior faceta do racismo é essa, e isso que pouca gente entende ao dizer: "O Brasil tem leis anti-racismo". Mas a pior parte do racismo não é chamar um preto de "preto filho da puta", mas sim torná-los invisíveis. Sou bem branco, e estava numa festa - meio bêbado, é verdade - dessas de classe média "descolada e politizada" e saí a perguntar se podia trazer um amigo negro ou se a festa era só de branco. Ninguém entendeu porra nenhuma, claro. Me acharam só um bêbado chato. Se fosse um preto falando isso, seria só um preto despeitado. Ninguém se sente incomodado em estar em lugares totalmente branqueados.

E aí que nosso racismo é mais maldito. Com a conivência de todo mundo que sequer repara que isto está acontecendo. Se reparassem, já tava bom demais. Afinal, ser branco não é a raça oficial. Pelo menos não no Brasil.

Aoi Ito disse...

Gente, às vezes eu não sei se argumento ou não com algumas pessoas. O argumento é tão furado, tão batido, tão claramente errado que eu fico pensando se é troll ou não. Dá vontade de morder a isca, mas me contenho.

LOLEENYA! Belíssimo post, com certeza. Meu pai CISMA que a minha etnia é branca, eu insisto em pôr que é parda em qualquer prova, censo ou algo assim. C'mon, eu tenho a pele morena sensual, meu nariz é largo, meus lábios são carnudos, meus olhos são meio puxados e escuros, meu cabelo é preto, cacheado de cachinhos que fazem tóinhóinhóin se puxar. COMO, pelo amor de tudo que é bom, eu posso ser da etnia branca? Aí vem, né: Minhha psicóloga (perceba) diz que, para eu me tratar melhor, podia fazer escova nos cabelos. Tipo... Meu cabelo é bem curto, e eu acho uma graça como ele fica com cachinhos. AMO também ele liso, com as pontas de trás espetadas, bem shounen hair mesmo, mas convenhamos, eu moro no Hell de Janeiro, vale mesmo a pena ficar passando escova pra "me tratar", quando meu cabelo cacheado é tão bonito quanto, e até mais fácil de tratar?

Mas sabe de uma coisa que também me incomoda um tiquinho? Essa idéia de que racismo é algo que brancos cometem contra negros, e só isso. Digo isso porque, apesar de saber que negros são muito mais maioria (Whaaat), me orgulho MUITO da parte indígena da minha família... E nunca vejo modelos, por assim dizer, representação da parte indígena do Brasil (Que eram os habitantes originais, olha só) que não seja pra caracterizações estereotípicas das penas e pintura e seminudismo. :/ No máááximo uma fake-índia aí nas novelas e olhe lá. E já ouvi de uma mulher que "se os índios querem reconhecimento, que saiam das aldeias e vão pra civilização" olha só. :////

Não sei muito o que falar além do que você já disse. Só uma coisa que eu notei, na propaganda: Note que a parte de "pele antes" é mais clara que "pele depois". Na verdade, ela é quase do tom da pele da modelo branca da direita. Então, ela iria "sumir" se colocada nesse painel. Claro que não dá pra negar a colocação infeliz da negra na imagem (Ela não podia ter "passado pro lado"? Ela fica na direitona, a morena do centro vai pra esquerda e a branca fica no meio), mas acho que dá pra ver também a questão da balança das cores. As modelos, que super mostram pele, precisam destar da pele atrás delas para não "sumir". Porém, repito: Não dá pra negar o lugar infeliz onde colocaram a negra, com todo a a idéia que passa.

Enfim, um monte de pensamentos soltos.

lola aronovich disse...

Eu deveria deletar um comentário fascista como esse do Defesa316, mas vou deixar pra vcs desconstruírem. E tb pra ver quem apoia a ciência preconceituosa.
Em tempo: o tal do Defesa quis me denunciar por apologia ao crime pela minha defesa da legalização do aborto. Ser fascista tudo bem, ele só está sendo politicamente incorreto. Lutar por direitos humanos é que é apologia ao crime...

Alex disse...

concordo com o post, mas achei a parte da propaganda da dove meio forçada.

Bruna disse...

hum..., é meio estranho, mas até dá pra falar etnia negra, etnia branca, mas etnia parda já é demais. Pardo é cor, preto, branco é cor. E de verdade mesmo, ninguém é discriminado pela etnia, é pela cor mesmo, pela raça. Conceitualmente: para o preconceituoso etnia é algo culturalmente mutável, raça é algo biológicamente imutável. Somos discriminados porque não podemos mudar a cor da nossa pele.

Paula Penedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paula Penedo disse...

Defesa316, se você parasse de ler a Bíblia para estudar um pouco mais de ciência você veria que Darwin nunca disse que o homem veio do macaco.
Seu problema é que você confunde Religião e Ciência e esquece que quem não permite questionamentos é essa primeira que você defende.

Deise Luz disse...

Tô pasma com a propaganda da DOVE.

Ana Claudia disse...

Engraçado estas teorias evolucionistas. Eu sempre achei que, se depender de teoria de evolução e seleção natural das espécies, os negros estão anos luz à frente dos brancos: mais resistentes que os brancos, a pele continua maravilhosa sem sinais de idade (com os quais os brancos gastam uma grana em cremes anti-sinais), menor probabilidade de desenvolver câncer de pele, e os dentes! A grande maioria dos negros que eu conheço possuem dentes lindos, mesmo os mais humildes, que não tem muito recurso para gastar com dentista. Em suma, esse papinho é bem furado, né?!

André disse...

Defesa316, não há nada de errado em se fazer perguntas como Por que Mulheres negras são fisicamente menos atraentes que outras mulheres? ou Por que as pessoas bonitas têm mais filhas? e usar a ciência para tentar respondê-las. O problema é que essas questões envolvem fatores biológicos e culturais. Se ele conseguir isolar a contribuição biológica (e demonstrar que isolou) não vejo porque atirar pedra no trabalho dele. Mas, se ele simplesmente ignorar a existência dessa contribuição cultural, então estará fazendo ciência mal feita.
O que já é ruim, pode se tornar execrável, se a ciência ruim dele for feita propositalmente, porque as consequências de se perguntar Por que as negras são mais feias que as brancas? são diferentes de se perguntar Por que o azul é mais bonito que o verde?.

Rogério Santos disse...

Não é a primeira vez que a Unilever (proprietária da marca Dove) faz isso. Certa vez, estava doando sangue quando vi no televisor do hemocentro um comercial em que uma mulher estava com os cabelos em pé e fazendo de tudo para que eles ficassem lisos, sedosos e macios. Ela esticou, puxou, e chegou ao cúmulo de colocar o cabelo na mesa e passar ferro em cima! Depois que ela tomou um banho com o shampoo Dove, aconteceu um milagre: os cabelos ficaram lisos, macios, sedosos e desembaraçados. Com direito a jogada de cabelo no final e tudo o mais.

A minha esposa, de uns tempos para cá, resolveu parar de dar escova, chapinha e outras coisas para alisar os cabelos. Até hoje, ainda há quem encha o saco dela com esse papo de que "o seu cabelo está muito cheio! Se você der uma escova, vai ficar massa!!!"

Coisas desse tipo só começarão a mudar aqui no Brasil quando nós aprendermos uma coisa chamada boicote. Quando nós deixarmos de comprar qualquer produto de uma empresa que reiteradamente divulgue publicidade racista; quando as empresas sentirem a dor no bolso, muita coisa mudará nesse país. Até lá...

Rogério Santos disse...

Ah, outra coisa que eu esqueci de dizer: aqui em Salvador, um shopping center espalhou nas ruas cartazes da propaganda de uma promoção chamada Dia de Rainha, e colocou para estrelar a campanha ninguém mais, ninguém menos que Paola Oliveira (total identificação com a maioria da população baiana!!). Já uma faculdade particular, ao colocar na rua um cartaz fazendo campanha pelo desarmamento, colocou dois meninos pretos, pré-adolescentes, com a cabeça raspada, cada um empunhando um fuzil AK-47.

E se eu perguntar por que não colocaram uma modelo negra para estrelar a campanha Dia de Rainha e duas pessoas brancas empunhando um fuzil AK-47 na campanha do desarmamento, ainda haverá quem diga que eu sou mais um chato insuportável que vê racismo em tudo.

Thiago Pinheiro disse...

Defesa316,

Qualquer pessoa que se dedique a ciência deve afastar suas pré-noções. Aceitar os resultados de uma pesquisa mesmo que contrarie sua ideologia. O que não quer dizer que não se tem responsabilidade pelo que se publica ou que exista uma neutralidade de valores.
A maioria desses estudos que se abrigam no guarda-chuva da psicologia evolucionista carece de rigor metodológico. Problemas com inferência,tamanho da amostra, controle dos dados, etc. Jamais submetem a própria interrogação a qualquer exercício de problematização. Ou seja, não se perguntam sobre os motivos pelas quais suas questões são postas. Sendo assim prevalecem uma visão bastante androcêntrica e anglo-saxônica do mundo.
Há pouco tempo se noticiou que liberais e ateus eram os mais inteligentes, pois observou-se que apresentavam um Q.I mais alto de acordo com a pesquisa x. Como se a identificação com o liberalismo fosse a mesma coisa nos E.U.A ou Europa ou que as categorias políticas não fossem relacionais.

Teresa Silva disse...

O pior é que a Psychology Today é conceituada também no meio acadêmico, tendo em vista que é disponibilizada no portal CAPES (Pra quem não conhece, portal que disponibiliza gratuitamente para universidades e centros de pesquisa brasileiros periódicos científicos. Não sei qual o critério de seleção). Fui pesquisar o autor e achei esse outro artigo da sua autoria. De cara as ilustrações do artigo em PDF (acesso restrito) são de lascar. Quem quiser ver, eu salvo e mando por e-mail:

Ten Politically Incorrect Truths About Human Nature
Why most suicide bombers are Muslim, beautiful people have more daughters, humans are naturally polygamous, sexual harassment isn't sexist, and blonds are more attractive.
http://www.psychologytoday.com/articles/200706/ten-politically-incorrect-truths-about-human-nature

Aoi Ito disse...

Teresa, me dá nojinho o termo "politicamente incorreto" ser usado como "desculpa, mas essa é a verdade e você não pode argumentar". Quando passei o olho, achei que era uma artigo detonando essas falácias, mas não. É só o mesmo de sempre. Que merda.

Serge Renine disse...

Aronovich:

O Robert de Niro não concorda, ele adora uma negra, (em visita ao Brasil mostrou isso), como se viu o Strauss-Kahn também adora. Eu confesso que acho as brancas muito mais bonitas e atraentes, mas é gosto, e, como se sabe, cada um tem um.

Pentacúspide disse...

Por que é que os negros são melhores atletas do que os brancos? Por que é que o negros têm a fama de serem mais caralhudos dos que os brancos? Há vários porquê que por envolverem a raça são subsequentemete racistas iracista. Mulheres brancas talvez sejam mais atraentes que as negras no ocidente, como diz autora do post, é uma questão cultural, porque o padrão feminino guineense, pelo menos antes da lavagem cerebral da televisão é a mulher com carne, cheínha e bunduda.

No entanto, pseudo ou não as conclusões do investigadores, acho que se dever ter em conta os métodos que usaram para lá chegar. Se usaram um método científico, nesse caso as suas conclusões são tão legítimas com aquelas que decidiram que somos resultados de um tríptico genético, social e voluntivo. Porém custa-me a crer que a psicologia evolutiva, ela mesma evolução da psicologia iria descartar todo o componente sócio-cultural do homem para apoiar-se apenas em factores biológicos. O que eu entendi é que o desgraçado tentou usar factos biológicos para responder a questões sociais e não o contrário.

Os brancos são mais lindos que os negros? Depende do meio onde se faça essa pergunta. E acho que essa pergunta foi feita no ocidente, e o resultado nesse caso é óbvio: para o homem ocidental a mulher branca é mais linda, e umas das provas estariam nos outdoors que fazem o ceará parecer Suécia, ou nessa publicidade merdosa da Dove. Ou tal como SHOUJOFAN apontou os japoneses não preferem as loiras, mas há povos que as preferem. E já li algures que as nórdicas são maioritariamente loiras, porque a inquisição costumava associar as morenas com as bruxas e assava-as, etc e tal, e logo a selecção natural tratou de favorecer a característica necessária para a sobrevivência (parece ter alguma lógica, mas para mim é non sense, porque nessa óptica os pretos já estariam mais brancos que a neve). Já estou a fugir do tema.
Li o artigo, e realmente é estúpido, mas igualmente estúpido é negar que para o homem ocidental, principalmente branco, a mulher branca é mais linda, só é preciso ligar a televisão para ver isso.
E concordo com a autora do post quando diz que o cientista foi tendencioso em usar factores biológicos para justificar aspectos culturais (não quer dizer que não estejam entrelaçados), sem determinar o contexto. Por exemplo, no contexto guineense, particularmente da etnia mandinga, a biologia entraria no facto de as suas mulheres serem camponesas e uma mulher forte e possante ter atributos de sobra para esse trabalho, e sendo assim torna-se mais atraente que uma fraca, tal como homens altos e fortes universalmente fazem o melhor tipo.

Serge Renine disse...

Pentacúspide:

Preconceito só é ofensa quando é negativo. Quando é positivo (negro caralhudo, melhores atletas, melhores cantores, etc.) ninguém reclama. Humano, demasiado humano.

Sarah Lynn disse...

Eu acho q eles dão justamente a explicação "biologica" pra dizer que "não tem jeito, ô, não dá pra mudar, fica sossegad@ aí!!"

Qdo é social dá pra mudar.

Só que o "biologico" é só o conveniente... muito bem manipulado por sinal.

Megatherium disse...

Pois é, para quem acha que essa história deve ser levada em consideração se for boa ciência, aponto as discussões nos blogs de ciência que detonam com os "métodos" do nosso evo psych. Tá em inglês, mas aponta para outros blogs e é bom porque mostra os defeitos nos conceitos, na coleta de dados, na estatística péssima, na falta de articulação da argumentação. Ou seja, do ponto de vista científico, reduz essa "pesquisa" à pó. Divirtam-se:
http://scienceblogs.com/pharyngula/2011/05/not_everyone_at_psychology_tod.php

mundomel disse...

Esses psicólogos evolucionistas me lembram o livro de fição científica "Feios". hahahahaha

Mas enfim. É revoltante essa pseudociência. É só um modo de afirmar a classe da elite dominante com suas preferências de elite dominante. E o pior é que as pessoas acreditam nisso.

Semana passado fui a um congresso na universidade em que estudo (UFMG) sobrea a diáspora africana e o que foi discutido é bem isso mesmo. Todos os discursos mainstream são manipulados para colocar os negros (principalmente mulheres negras) como inferiores. E isso está até mesmo na psicologia, na educação, na literatura elitista...

Fernanda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fer Pinto disse...

Lola, eu adorei o que você fez aqui: com tão pouco espaço promoveu um debate tão sério e complexo.

Como pesquisadora em psicologia (mas daquela que se submete ao escrutínio da crítica), esse tipo de preocupação pseudo-científica provoca em mim uma espécie de vergonha alheia. O problema é que estou muito perto pra ignorar e muito ofendida pra simplesmente não me envolver.

Não tenho nada a acrescentar, já que os comentários aqui já falaram por mim. Fica claro que a promoção desse tipo de determinismo "evolutivo" à serviço da propaganda enbranquecedora só serve para desestimular o exercício de qualquer crítica social séria.

O que eu gostaria de evitar no debate (digo, dos comentários) é uma espécie de polarização das forças "culturais" e "biológicas", como se a estrutura do capitalismo não participasse da forma não só como entemos coisas como "cultura" e "biologia", mas também a especificidade histórica do tal do humano.

Isso não é fazer apologia a uma espécie de relativismo selvagem, mas ao contrário, evitar a DESPOLITIZAÇÃO do debate sobre raça seja como registro cultural ou científico.

No mais, aqui vai a pré-estreia do documentário Dark Girls, sobre uma certa economia moral da pele escura, que pode ser do interesse de muit@s aqui.

http://vimeo.com/24155797

Um abraço, e continue escrevendo!

Gabriela disse...

Sorry, mas nessas histórias aí do negro ser mais resistente fisicamente, mais forte e mais "caralhudo" tem um bocado de preconceito: é a idéia de que o negro seria mais "selvagem", mais "brutal", mais "próximo da natureza" e "menos evoluído" que o branco.

Já li depoimentos de meninas e mulheres negras e ó, tem cada coisa de chorar. Chamarem de desleixada por manter o cabelo ao natural é fichinha, de tanto que acontece. A maioria reclamava que era difícil achar um salão que cuidasse dos cabelos, fizesse cortes legais, hidratação, etc. sem apelar pra nenhum tipo de relaxamento. Uma delas teve q praticamente fugir do salão, porque queriam tacar relaxante à força. Tem aquele textinho que ficou bem famoso net afora da "menina foi á luta", que ouviu muita besteira por usar cabelo afro e trança africana.

Mari Lee disse...

Esse pseudocientista, e tantos outros pseudocientistas que lançam livros (que, inclusive, algumas amigas minhas adoram) estilo "por que os homens mentem e as mulheres choram" não representam todos os psicólogos evolucionistas, não.
Eu não curto muito essa corrente, mas por outros motivos. Sou bióloga fazendo mestrado em psicologia pela USP, li muuuuito sobre psicologia evolucionista, e de modo algum diria iria generalizar dizendo que todos defendem determinismo genético para tudo ou usam suas pesquisas para reforçar preconceitos.

Há muitos trabalhos sérios. Por exemplo, os canadenses Margo Wilson e Martin Daly fizeram pesquisas sobre criminalidade e, embora especulem a respeito de maior propensão à criminalidade entre homens, mostram muito bem que o meio em que a pessoa vive, os riscos que ela corre, quanto ela tem a perder e outros fatores são determinantes.

Outros trabalhos sérios incluem um (que eu acho que é dos mesmos autores mas posso estar enganada) um no qual foram observados registros de agressão a crianças pelos pais. É mais freqüente a criança ser agredida or padrastos e madrastas do que por pais biológicos, o que poderia ser explicado por um simples "ah, é porque não tem os mesmos genes", mas pais adotivos são os que menos agridem seus filhos. Conclui-se que outros mecanismos psicológicos, como o apego, estão em jogo - afinal, os pais adotivos desejaram a criança, enquanto a madrasta ou padrasto, muitas vezes, não.

Um outro estudo, acho que originalmente feito por Leda Cosmides mas muito repetido por universidades do mundo todo, mostra, justamente, que o racismo não é algo "natural". O que acontece é que, em situações em que há grupos sociais diferentes, as pessoas usam características arbitrárias para separar quem pertence a que grupo, mas quais características são relevantes para essa separação é algo aprendido e que depende do contexto.
No experimento, as pessoas que foram testadas separaram os personagens pela cor da pele quando não havia uma distinção óbvia, mas quando os personagens podiam ser distingüidos de outro modo (por exemplo, usando camisetas de times de futebol), a cor da pele deixava de ser relevante.
Eu acho este um experimento lindo e com grandes implicações para pensar nossa sociedade e como educar nossas crianças para tornar o mundo mais igualitário.

Não estou aqui defendendo por ser a minha área; não é, e eu discordo da psicologia evolucionista em vários aspectos.
Mas não generalize comparando todos os psicólogos evolucionistas ao Satoshi!

Mari Lee disse...

Ah, e só um outro comentário que achei relevante:
Enquanto, aqui, todos os salões oferecem alisamento para os cabelos, no Japão todos os salões têm uma placa na vitrine anunciando que fazem permanente!

Menina disse...

algumas das propagandas que eu mais gosto são:

Propaganda 1
propaganda 2
Propaganda 3


Eu sempre achei legal essas propagandas mostrarem mulheres diferentes do padrão de beleza atual. É claro, são mulheres bonitas, simpáticas e não tem olheiras. Mas pelo que entendo a propaganda é pra dizer que não importa seu tipo físico você pode ser bonita e bem tratada.
Eu sei que estou indo contra o que muita gente aqui está pensando. Só não consigo ver a propaganda de maneira tão ruim assim. É melhor que muitas propagandas por ai. Pode ser que eu esteja errada. Vou refletir mais sobre isso.

beijos.

Mari Lee disse...

Terminando de ler os comentários, gostaria de complementar o da Sarah Lynn, que disse que esses pseudocientistas dão a resposta biológica porque seria imutável: se eles sabem alguma coisa, qualquer coisa, sobre Evolução, deveriam saber que a biologia, definitivamente, não é imutável.

Quem eu vejo achar que o que é biológico é imutável - e, por isso, falar muito mal de qualquer teoria que tente explicar o comportamento humano a partir de uma base biológica - é da área das ciências humanas.
Há exceções, claro. Mas parece que sempre que eu falo com alunos de Humanas sobre algum aspecto do comportamento humano relacionando com a biologia, ou questiono conceitos considerados exclusivamente humanos como cultura, nossa... parece que só falta pegarem pedras para jogarem em mim!


E só para lembrar: não estou dizendo isso para defender o trabalho do Satoshi!!! (esse artigo das "verdades politicamente incorretas sobre a natureza humana" me virou o estômago!)
Com certeza, essas pessoas de Humanas associam o estudo biológico do comportamento (psico evolucionista ou não) com trabalhos como esse.
Valeu, Sr. Satoshi!

Fernando Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel Galvão disse...

A psicologia evolucionista não nega a cultura. Para sempre existiu boa ciência e má ciência. E eis a beleza da ciência: ela se auto-regula e a má ciência fica para trás.

Fernando Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando Borges disse...

Tem uma imagem que achei engraçada e racista ao mesmo tempo.
Tirei um print e coloquei no Facebook.
Imagem

Chega a ser ridículo...
Depois eles colocaram uma propaganda de um produto que prometia deixar a pele perfeita, com a foto de uma negra. Acho que foi a tentativa de redenção rs

Paula Evangelista disse...

Não entendi a questão que alguém levantou nos comentários de que "preconceito pro bem ninguém reclama" quando falaram de negros serem melhores atletas.
Uma questão importante é: deve ser uma merda ser negro e ter que ouvir todo dia que você deveria jogar basquete ou ser corredor. Ou também fazer rap, essas coisas. Mas o fato é que os melhores do mundo nessas áreas são negros. E na corrida, por exemplo, já é provado cientificamente que afrodescendentes são favorecidos geneticamente.
Não é preconceito, é fato. Preconceito é o que eu falei antes, achar que todo negro é o próximo Jordan.
Quanto a outro comentário, sobre cada um ter o direito de não achar uma negra atraente. Acho que, claro, esse direito existe. Porém não é simplesmente: eu acho loira bonita, e não negra. Na grande maioria das vezes, acredite, você não escolheu isso.
Uma forma clara de ver isso é analisando como culturas diferentes veem isso de forma diferente. Ser loira aqui é o máximo. Na Dinamarca não tem graça alguma, no Japão muito menos.

♪ ewerton M. disse...

Esse tipo de artigo gera em mim duas coisas, vontade de rir ou asco, aliás as vezes eles geram três, pois as vezes sinto vontade de rir e asco.


:(

Pentacúspide disse...

Diz o filho preto para o pai preto:
- Pai, porque é que europeu tem cabelo loiro e liso? E não tem assim preto e carapinha?
- Europeu tem cabelo fino, vem na selva, apanha água da chuva, adoece, constipa e morre… Preto não, a água cai na carapinha mas não entra…
– Pai, porque é que preto tem pele escura e europeu tem pele assim branquinha?
- Europeu vem pa selva, leva co sol e queima. Apanha cancro na pele e morre… Preto não… escuro absorve raio solar e não faz nada…
- Pai, porque é que preto tem assim cheiro a catinga e europeu não?
- Europeu vem na selva e aparece leão e leopardo ataca europeu. Assim europeu morre… Preto não… cheira a catinga e leopardo e leão não ataca…
- Mas pai, para é que a gente quer isso tudo, pra morar aqui nos Lisboa?

Christiane disse...

despois desse belo discurso eu só não entendi o pq da menina lá de cima na capa do blog ser uma garotinha linda "branca" de olhos e cabelos claros...

Aoi Ito disse...

Acho que é porque ela é a própria Lola, quando mais nova. :)

Robson Fernando de Souza disse...

Eu confesso, com certa vergonha: em 24 anos sendo acostumado a achar as brancas mais bonitas que as negras e pardas, acabei também aderindo a esse padrão de julgamento estético.

Tanto que no Badoo eu acabo selecionando muito mais brancas que negras, e descartando uma quantidade desproporcional de negras e brancas.

Sinto uma vergonha oculta por isso, mas não sei como posso reverter minha percepção estética de beleza racial. A mesma percepção a que dezenas de milhões de brasileiros do sexo masculino foram/são acostumados em sua infância e adolescência.

Lola, vc poderia me dar alguma dica nesse sentido, no intuito de eu começar a apreciar a beleza negra que está diante de nós mas nossa cegueira cultural não nos permite enxergar nitidamente?

Quanto ao estudo (pseudo)científico em questão, é bem comparável à eugenia e ao racialismo do século 19. Tentativas toscas de transformar em fatos objetivos e biológicos meras impressões subjetivas e culturais. Vou adorar contemplar o surgimento de um(a) "Gilbert@ Freyre da beleza", que vá enterrar pra sempre esse tipo de pseudociência racista.

(A saber: Gilberto Freyre, apesar de ter sido um crente na "democracia racial", foi o maior responsável no Brasil pela obsolescência da antropologia racialista.)

Pentacúspide disse...

Mas por que se deve ter vergonha dos gostos?

Eu pessoalmente gosto mais de pretas, será que é porque sou preto? Provavelmente claro que sim. Gosto da cor dos olhos das brancas, mas gosto mais do corpo das negras, e dos seus lábios mais cheios. Mas no universo preto, gosto ainda mais das mulatas, talvez porque existe uma maior afinidade com elas porquanto sou mulato.

Nas redes sociais, adiciono mais pretos para amizade, quando saio para engatar abordo mais as pretas, porque são o meu território e tenho maior à vontade com elas, já o meu irmão que cresceu em portugal, misturado com pretos e brancos sente-se à vontade tanto com umas como com outras.

Tem que se levar em consideração o meio em que as pessoas são "nascidas" e criadas. Há aqui quem não tenha preferência, ou por loiras, ou morenas, ou ruivas, ou mulatas, gordas, magras, ou algo qualquer?

Eu julgo que o post era para falar duma manipulação pseudo-científica feita por um investigador desgraçado, e não para dizer que as pessoas não têm preferências, principalmente quando a própria autora marca as suas.

Não é a preferência que faz de uma pessoa racista, não tenham a vergonha de marcar e defender a vossa. que merda!

Ártemis disse...

Cristiane,

Lolinha não tem culpa por ser branca de olhinhos azuis rs.

Quem_eh_fabiano disse...

Pra enriquecer o post:
Dois comerciais estrangeiros com produtos de clareamento de pele: http://www.youtube.com/watch?v=KIUQ5hbRHXk
e
http://www.youtube.com/watch?v=MgBevCTBTJw

Quem_eh_fabiano disse...

Pra enriquecer o post, ai vai dois comerciais estrangeiros com produtos clareadores de pele:
http://www.youtube.com/watch?v=KIUQ5hbRHXk
e
http://www.youtube.com/watch?v=MgBevCTBTJw

Fernando Borges disse...

Acho que sou uma anomalia nessa questão de "preferências".
As garotas que as pessoas em geral acham bonitas, eu também acho, mas existem muitas outras que considero lindas e que a maioria considera feia.
Quando meus amigos tiram sarro desse meusgosto mais amplo, sempre digo que eles são limitados rs

Aliás, quando falo de alguma garota, logo eles perguntam se ela é bonita de acordo com o gosto padrão ou de acordo com o meu gosto alternativo... Eles dizem isso agora, depois de eu brigar muito quando diziam "em relação ao gosto normal".

Em suma... Não tenho preferência. Gosto de negras, japonesas, ruivas, altas, baixas, cheinhas, magrinhas, torneadas etc.
Uma leve tara por nerdizinhas, mas isso não conta.

Pentacúspide disse...

lol, fernando, ou seja de toda a mulher que tenha vagina. derivando agora, apesar de preferir pretas, a raça mais bonita para mim é a japonesa, quer dizer, as mulheres, aquele rosto pequeno, traços delicados e angelicais, queixo anguloso, deus desenhou-as bem.

Fernando Borges disse...

Claro que não acho todas bonitas, mas muitas que acho lindas outros acham feias.

Já que japonesas, ao menos no Brasil, tendem a ser mais nerdizinhas, tendo a achá-las muito bonitas também.
Mestiças também são lindas.

Mesmo uma garota que eu ache feia, se ela colocar um óculos e fizer cara de intelectual, já me ganhou.

maiacat disse...

@Robson Fernando de Souza,
respondendo também seu comentário, não acho que a questão seja você passar a apreciar negras tanto como aprecia as brancas. A questão seria justamente perceber que esses gostos são construídos, e tem muito preconceito embutido nisso, mas ao longo de muito tempo. Você, como dono de um blog, pode continuar não apreciando negras, mas poderia muito bem incluí-las nas imagens, assim outras etnias, tanto quanto as outras. Fazendo isso, você contribuiria em muito, porque é só aumentando a representação (positiva) desses grupos na sociedade que podemos começar a mudar também a visão sobre eles. Claro, não sei que uso você faz dessas imagens, eu obviamente não gostaria de ver negras aparecendo só como as sensuais com pouca roupa, mas daí já tô entrando em outro mérito...

Rodolfo Veronese disse...

Lola, foi muito importante sua distinção. Sinto que falta essa noção na cabeça de muitos cientistas: alguns comportamentos e preferências são meras construções culturais. E isso pra mim reflete uma deficiência na formação dessas 'cabeças pensantes'.

Só acho que é preciso manter o espírito livre de pré-conceituações e ideologias, por mais bem intencionadas que sejam. De qualquer, forma, se manter livre delas não implica esquecê-las, elas são um viés que sempre está presente.

marko damiani disse...

O mundo é racista, machista e BURRO, há quem diga que o planeta está doente, eu não acho e provavelmente o planeta também não. Doentes somos NÓS e seremos todos expulsos daqui, enquanto isso continuemos na LUTA.

Real Life disse...

Lola, acabei de descobrir o seu blog! Imagino que hj muitas pessoas a tenham descoberto! E que força de opiniões, que textos bem escritos! Virei fã!!!

Fernanda disse...

Lola, estou na Suécia hoje e se vc assistisse TV aqui ou lêsse as revistas se sentiria realizada. NÃO existem só pessoas loiras, olhos azuis, magras, bonitas (padrão americano/brasileiro)nesses veículos. São seres humanos normais como nós. Fiquei impressionada com a diferença do Brasil e isso reflete toda a cultura de não julgar pela aparência desse país. Bem diferente. Fico feliz de criar minha filha nesse contexto. Vou te mandar um ex, mas tem vários... beijos. http://www.youtube.com/watch?v=9-njkD4WUbs

Andre Lucato disse...

Lola, será que v. não está confundindo ciência com ficção?
Não sou psicólogo, mas sou evolucionista. Li Steve Pinker, um psicólogo evolucionista renomado e em não me lembro de nenhuma colocação dele nesse sentido que v. coloca.
Você cita "cientistas" e cita como teses seus livros. Ora, livros não são teses cientificamente válidas e duvido que esses cientistas tenham alguma tese (no sentido estrito) nesse sentido. Veja que podem até ter, mas duvido que sejam respeitados na comunidade científica.
Veja, por exemplo, o tal Francis Colins, um dos principais cientistas do projeto genoma humano. Hoje ele tem um livro chamado "A linguagem de Deus" que diz que o genoma humano é a prova da existência de Deus por não poder ter surgido "ao acaso". Muitos o podem levar a sério quanto à sua pesquisa no projeto genoma, mas duvido que o levem com base nesse livro.
Assim é o exemplo de vários cientistas que, para ganhar dinheiro, escrevem essas porcarias sem base científica nenhuma.
Posso estar errado, pois como disse não sou psicólogo, mas acho que o termo "psicologia evolucionista" está sendo mal utilizado. Do mesmo jeito que deturparam a teoria darwinista, para justificar atrocidades e discriminações, estão distorcendo o termo "psicologia evolucionista" para justificar teses idiotas como as encontradas em livros que dizem que mulheres são de venus e homens de marte ou que mulheres fazem amor e homens sexo, ou outros tantos mais do gênero.
Você deve ter ouvido falar de Steven Pinker (Como a Mente Funciona, Tábula Rasa, O Instinto da Linguagem). Leia-o, se não leu, ou me aponte discriminações em seu texto, por favor.
Gosto do seu texto e das suas críticas. Mas às vezes acho que devem vir com as ressalvas necessárias.
Abraço.

LisAnaHD disse...

Gente, que matéria infeliz a da tal revista! Que grosseria e qto desrespeito! Tô aqui passada!!! Meio atrasada, mas passada!

juarezferras disse...

ª é muito óbvio que achar traços negros pouco atraentes é uma construção social. E só porque esse padrão racista existe faz séculos não o torna mais natural e menos cultural.ª Na verdade essa construçao nao tem seculos, mas alguns anos. SIM. EXISTE UMA PESSOA QUE INVENTOU E PROPAGOU QUE PESSOAS LOIRAS SAO MAIS BELAS. Karl Penka popularizou a imagem do ariano louro com olhos azuis, crânio alongado.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ra%C3%A7a_ariana

juarezferras disse...

Essa invenção de que pessoas brancas são melhores foi criada e abraçada no sec XIX sobre tudo pelos póvos nórticos. A verdade é que corresponde a uma contra-opressão histórica. Explicando: lembram dos Bárbaros? Que estudamos na escola? Império Romano.. então. Francos, germanos, hunos, vickens.. comiam carne crua, moravam em caverna.. Os povos nórticos europeus foram um dos ultimos a sair da idade da pedra(neolitico, paleolítico) se encontavam no mesmo estágio que os nossos tupis-guaranis na chegada dos portuga. Após o dominio romano eles foram por MUITOS séculos maltratados. Até hoje italianos veem alemães como inferiores. Toda essa opressão acabou gerando aberrações bio-históricas, como livros publicados, e não contestados(claro) que contavam sobre o tal povo ariano. Uma civilização superior do qual os norticos descenderiam. Essa civilização não existiu historicamente. Foi inventada mesmo, na cara dura. Mas caiu como uma luva sobre o ânimo aplacado dos povos germânicos que a aceitaram como verdade. Nasce O MITO DA SUPERIORIDADE BRANCA. Impulsionado tmbm pelas teorias evolucionistas, muitas equivocadas,e o modismo que dividiu o mundo em paises, juntando os povos germanos na nação alemã,o que fortaleceu seu orgulho e a aceitação de mentiras como verdades: superioridade da raça ariana. É um fenômeno muito recente. Italianos(romanos) e gregos, povos morenos, diziam que homens muito escuros ou muito claros eram mais fracos. As grandes nações africanas, Congo, Zimbábue, Lunda, quando no primeiro contato com os brancos nao só os acharam feios mas monstruosos - palavras do professor Alberto de Costa e Silva . O homem tende a pôr defeito no diferente como forma de elogiar a si mesmo. Num pais de colonização europeia, onde o negro entrou como escravo, o conceito do que seja belo é obvio né? Na minha opinião a solução é ISSO QUE ESTAMOS FAZENDO, luta, debate, e tambem a miscigenação. Com certeza a miscigenação é a soluçao pro fim das raças e, portanto, da intolerância racial. http://globotv.globo.com/rede-globo/programa-do-jo/v/alberto-de-costa-e-silva-fala-sobre-relancamento-de-livro/1546244/

Anônimo disse...

Lola, parabéns pelo blog. Muito lúcido seu texto sobre essa propaganda racista. Há tempos também vi sendo veiculado na televisão um comercial da mesma marca falando sobre cabelos secos, onde uma mulher negra com seus cabelos armados (lindos na minha opinião) fazia sombra com eles em uma mulher branca que estava deitada tentando tomar sol, como se os cabelos da negra, que provavelmente não tinha usado o produto (segundo a narrativa da propaganda), estivessem ressecados e mal cuidados, sendo, enfim, associados a um campo semântico de algo ruim. Não acreditei no que estava vendo! Achei absurdo... além disso, a chamada, não sei se intencionalmente, era bem rápida, talvez com o intuito de não dar tempo das pessoas refletiram sobre o que tinham acabado de ver...Um grande desrespeito à mulher negra... enfim, espero mesmo que logo se envergonhem do que têm feito..

AngieB disse...

Eu sou um mix de heranças geneticas e culturas.Tenho orgulho mesmo. Negro, indio, branco, europeu, americano, africano.Mas é estranho como o preconceito trabalha. Minha mae vem de uma familia diretamente alema e italiana, mas tambem portuguesa em sobrenome. E com isso, pelas fotos que vejo, minha bisa era mulata. Mas ninguem na familia aceita, o cabelo bem crespo dela, a unica da familia que herdou foi minha mae e depois eu. Entao, os irmaos dela diziam que ela era adotada. Pois numa familia muito branca, do sul do brasil, com olhos claros, cabelo crespo só pode ter um erro aqui.
Mesmo na decada de 80, qdo todo mundo estava fazendo permanente, a pressao era que o cabelo dela devia ser domado. O meu junto. Ela nunca alisou, nem eu, mas quando iamos nos arrumar para alguma festa ou casamento, a 1a coisa no salao era fazer uma escova, nem que fosse para por cachos com ferro quente depois. O quanto ridiculo é isso? Nao sei qtas vezes cheguei chorando do salao pelos profissionais nao saberem como lidar com cabelos crespo. É diferente, é outro tipo de cabelo. Nao é mais feio ou mais bonito, é diferente. Na escola, eu e uma amiga, unicas com cabelo crespo, que gostavamos de estudar e falar, eramos massacradas pela nossa aparencia. Eramos leoes, bichos para limpar chaminé, cabelo de bombril, colavam chiclets no meu cabelo.Lutei muito procurando cortes, tratamentos para diminuir o volume sem perder os cachos, hidratar sem perder a identidade. Melhorou muito o conhecimento dos cabelereiros, mas o preconceito ainda existe e voce tem que ser forte para dizer o que quer antes que eles comecem a alisar teu cabelo. Tenho uma amiga, vinda de uma familia de direita e origem aleman, e ela achava totalmente aceitavel dizer que o meu cabelo era "ruim", que porque eu nao penteava meu cabelo. Ou seja, deixava liso. Eu levei na brincadeira por um bom tempo, retruquei um bom tempo, ate que chegou uma hora que cansei. Falei com ela e a proibir de repetir isso. Se ela nao via o qto estava sendo preconceituosa, quanto machucava, um dia talvez ela fosse perceber. A familia do meu pai, minha avo tem o cabelo crespo da mae dela italiana. Ela sempre teve o cabelo bem curto e escovado. Ela se solidariza comigo, mas sei que ainda é presa em esteiotipos. Quando minha auto estima melhorou, achei um cabelereiro especializado, resolvi cortar meu cabelo. Como Rosselini e Geena Davis nos anos 80, com tons de vermelho tambem.Meu cabelo era bem longo, mas vivia preso pois nao conseguia chegar a um acordo com ele.Minha mae disse que depois da gravidez dela, o cabelo dela baixou o volume, soltou o cacho. Todo mundo dizia que o cabelo dela era lindo, ela morreu há 7 anos. Entao, cortei, pintei e me diverti com meu cabelo. Fiz as pazes. Ele ficou bem crespo, mas aprendi a cuida-lo melhor e foi tao bom. Entretanto vi outro preconceito: mulhere de cabelo curto nao é mulher o suficiente. Puta que pariu! Passados anos, mandando o pessoal parar de se meter com o meu cabelo e desconstruindo alguns, tenho deixado ele crescer, quero brincar com ele longo agora. Mudei de cor ate chegar num cobre que gosto muito e pesquisei os novos tratamentos quimicos para perder um pouco do volume. Nao é facil, entre o medo de queimarem teu cabelo, deixarem ele liso e duro, e ser intoxicada com formol, os profissionais nem concordam com os nomes dos "tratamentos". Mas encontrei algo. O deprimente é voce fazer uma escova no teu cabelo e alguem que nunca te elogiu, tua prima mesmo, vem e diz que lindo teu cabelo está. Eu me sinto mal, por meu cabelo estar mais liso e isso atrair elogios. Por que? Qual é o medo do crespo?
É verdade a lenda que qto mais uma mulher sobre no poder, mais liso seu cabelo fica...Isso vejo todos os dias. Voce ser diferente, ter o cabelo crespo é uma pressao gigante como se voce nao se cuidasse. Mesmo mais liso, ainda me incomodam em tirar "o frizz" de vez. Aff.

AngieB disse...

Lola,
Eu vi que voce tem outros posts sobre isso, e gostaria muito de indicar um otimo documentário sobre isso. Claro que o Olhos Azuis é perfeito, e claro que o preconceito que eu passo nao é nada com quem ainda tem pele escura. Eu vivi e trabalhei em Angola por mais de 1 ano e tenho que te dizer que la eu achei que ia ser diferente, que as mulheres iam valorizar o seu cabelo, sua origem...Mas nao, o maior mercado com o Brasil, sabe qual é? Cabelo liso brasileiro para ser colado e trançado nas angolanas. É muito triste, as mulheres raspam seus cabelos, vivem de apliques, pagam milhoes...Tudo em Angola é muito caro, apenas este ano Tokio passou Luanda como a cidade mais cara do mundo. E se as angolanas nao tem dinheiro para o cabelo brasileiro, elas usam perucas. É quase impossivel ver alguem com cabelo crespo. Qdo eu falava, as mulheres e amigas que conheci diziam que o cabelos delas nao era tao "bom" como o meu, que elas precisavam fazer isso para achar emprego e marido, quem vai querer uma mulher com cabelo "ruim"? E ai vem este documentario sensacional sobre isso, sobre a industria racista e sexista de cabelos.

http://www.youtube.com/watch?v=1m-4qxz08So

A narraçao é do Chris Rock, e mesmo que nao concorde com ele em mtas coisas, aqui concordo plenamente.

Ele estava disponivel no YTB, mas ja retiraram. Se achar em alguma parte, eu o envio.Vale muito assistir.