segunda-feira, 29 de novembro de 2004

CRÍTICA: SEXO, AMOR E TRAIÇÃO / Campanha pelo uso geral do Fábio Assunção

Tem gente dizendo por aí que, com a boa fase do cinema brasileiro, o público parou de encarar filme nacional como um gênero e passou a vê-lo como o que é, uma comédia ou um drama ou um policial. Sei, sei. Acho que ainda não é bem por aí, e que o pessoal, no máximo, divide filme brasileiro em duas espécies: tramas burguesas com atores globais e tramas marginais com atores desconhecidos. "Cidade de Deus" pertenceria à segunda categoria, claro. E, embora quase todo mundo esteja super orgulhoso com as quatro indicações ao Oscar, o velho preconceito ("Ish, o planeta vai continuar achando que aqui no Brasil só tem favelado!") persiste. Como o público freqüentador de cinema também é burguês, acho que prefere se ver retratado na tela. Historinhas de classe média para pessoinhas idem, mesmo que a atriz que esteja me representando seja a Malu Mader, que não é assim tão parecida comigo ou com a maioria das mortais. Bom, estou falando de "Sexo, Amor e Traição", que tá atingindo a estupenda marca de 2 milhões de espectadores no país. A comédia do Jorge Fernando, uma refilmagem de uma produção mexicana, segue a linha dos diálogos-clichês, cenários de cartão postal e gente bonita, com uns clipezinhos de música entre uma cena e outra. Mas a sala tava cheia e os espectadores, principalmente as espectadoras, riram bastante, então reclamar do quê?

A história é nula e realmente não importa. O principal é o elenco. Do lado dos garanhões, tem o Fábio Assunção, o Murilo Benício, o Caco Ciocler, e o Marcello Antony fazendo um gay (o que matou de rir a galera). As moças, representadas pela Malu, Alessandra Negrini e Heloísa Périssé, também são jeitosinhas. Tem quem gosta, né? E a Beth Faria ainda dá uma canja no papel do Michael Jackson. Bem, não sei se a intenção era essa, mas que ela tá a cara do sujeitinho complicado, isso tá.

Outro dia, um diálogo engraçado da novela "Celebridade" mostrava duas personagens chamando o Fábio Assunção de deus. Elas têm toda razão. Inclusive, num momento de "Sexo", a Malu diz que toda mulher deveria experimentar transar com o Fábio. Olha, taí uma idéia sábia. A gente podia até começar uma campanha. Acho até que mulher casada transar com o Fábio não deveria ser considerado adultério. Deveria ser visto como bônus por tempo de serviço. O Fábio é maravilhoso, e mesmo que o filminho seja tão meia-boca, pelo menos dá pra ver o bumbum dele e o Marcello de sunguinha vermelha. Já é mais do que se pode dizer da maioria dos filmes. A única traição do título foi o Fábio ainda não ter sido liberado para uso irrestrito da população feminina. Note o "ainda". Tenho fé.

Outra traição, e essa não tem nada a ver com o filminho citado acima, foi o que eu vi no site Metacritic. Os críticos americanos falam muito bem de "City of God", dão uma média alta pro negócio, um destaque enorme, e aí, nos comentários dos leitores, aparece um mané afirmando que "Cidade" é o melhor filme brasileiro de todos os tempos, mas que isso não é grande coisa, já que filme brasileiro é tudo uma m**** mesmo. Pra completar, o energúmeno diz que sabe do que tá falando porque, afinal, ele é brasileiro. Agora, o que a gente faz com um elemento desses? Eu normalmente sou contra a pena de morte, mas sinto que, em alguns casos, devemos abrir exceções. Paredón nele!

2 comentários:

GLStoque disse...

E cá estou desenterrando todas as suas crônicas.

Esse filminho é uóh! e única coisa que me lembro dele como se fosse ontem é a cena de estupro explícito da Alessandra Negrini pelo Caco Ciocler que parece passar despercebida pelo público.

É ridículo! Horrível! Ele literalmente abre as pernas da esposa, força o sexo e depois ainda diz que nume relação, alguém tem que ficar por cima.

Isso me deixou chocado quando assisti. E olha que não devia ter nem 15 direitos quando isso passou. E ninguém comenta isso, né? Deve ser amor, né? Paixão, desejo... estupro, nunca.

Mariana Braga disse...

Siiiiim! Bizarro! Vi o filme há muito tempo e já achei que tinha algo muito esquisito. Agora, estou revendo e só confirmando que era para o personagem ter acabado na cadeia e não num dilemazinho "amoroso" imbecil.