segunda-feira, 19 de março de 2018

ESTAMOS MAIS VIVAS DO QUE NUNCA

Ontem vi a reportagem do Fantástico sobre a vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), executada na última quarta-feira.
Gostei bastante. Apesar de ser uma matéria despolitizada (ou até pior: que não explicitava que Marielle era contra a intervenção militar), ela explicou didaticamente o que são direitos humanos 
(e ainda escreveu "Marielle defendia esses direitos"), expôs a desembargadora e o deputado que espalharam calúnias (Alberto Fraga teve que apagar não só os tuítes difamatórios, mas sua conta inteira; repare como o caluniador corrupto é da bancada da bala, enquanto Marielle começou sua militância após uma amiga perder a vida com uma bala perdida), 
e incluiu depoimentos comoventes, como os de Marcelo Freixo, de Luyara (filha de Marielle), da assessora (que estava dentro do carro e não foi atingida), da viúva de Anderson (o motorista assassinado), de Aline (que esteve ao lado de Marielle na roda de conversa daquela noite, e que iria pegar carona com ela), que disse uma frase que ecoa em todxs nós ativistas, mostrando nossa vontade de continuar a luta: "Eu tô mais viva do que nunca". 
Especialmente emocionante foi a fala da companheira de Marielle, Mônica. Foi importante mostrar as fotos e sonhos das duas juntas, que estavam de casamento marcado. O amor delas recebeu tanto tempo quanto o de Ághata e Anderson. Algumas militantes haviam reclamado dessa ausência ("a dor de uma mulher lésbica não sai no jornal"), ao mesmo tempo em que outras lembravam que dizer que Marielle era lésbica, e não bissexual, também era um forma de apagamento. De um jeito ou de outro, a história de amor de Mari e Mônica esteve presente num programa de grande audiência.
Eu e várias outras pessoas sentimos falta da matéria mostrar que Marielle, como ativista de direitos humanos, apoiava policiais e seus familiares. Como disse a mãe de um policial civil assassinado, a ajuda de Marielle foi fundamental para mudar as investigações sobre o assassinato de seu filho (e isso que Marielle nem era vereadora ainda, na época). Como se exigir uma polícia mais humana e cidadã fosse ser contra a polícia (pensei que fosse ser a favor!). "Chamar minha filha de bandida é inadmissível", protestou a mãe de Marielle. 
Isso me lembra o trecho de uma linda música de Gonzaguinha, "Pequena Memória para um Tempo sem Memória": "Memória de um tempo onde lutar / Por seu direito / É um defeito que mata". 
Reproduzo aqui o texto que Robson Rodrigues, coronel da Polícia Militar do RJ, publicou em sua página no FB:
Cada morte violenta me arranca um pedaço da alma, pois os mais de 60 mil homicídios ao ano nos distanciam, e muito, do lugar civilizatório que, julgo, mereceríamos ocupar como país tão lindo como o nosso. Calo, sofro, choro em silêncio. 
Não me apraz falar, não me apraz comparecer a rituais de despedida fúnebre e sentir o sofrimento das pessoas, principalmente dos familiares, em respeito a suas dores. O cargo me obrigou a assistir inúmeros enterros, de inúmeras vítimas policiais de uma guerra fratricida que nos prostra enquanto seres humanos. Uma guerra inglória.
Abri uma exceção por um dever de consciência; para falar de uma amiga, a vereadora Marielle, porque, se sua morte me impactou, muito mais tem impactado a forma vil e cega e infame como ela vem sendo tratada por algumas pessoas nas redes sociais. Pessoas que não conheceram Marielle. Senti-me na obrigação de informar a amigos desinformados sobre quem ela era; amigos que considero e que são bombardeados por bobagens e falsas informações sobre a vereadora que não conheceram. Segue abaixo uma dessas mensagens que enviei a um amigo a quem considero bastante e que talvez possa servir a outros amigos.
Caro amigo xxxx (oficial PM)
Te conheço há bastante tempo para saber o quanto você é inteligente para não se deixar levar por esses discursos que destilam o ódio, mesmo nesses momentos de dor. Deveríamos, sim, nos unir enquanto sociedade contra o maior problema civilizatório que nos afeta e dilacera: a violência homicida. Apesar disso, há pessoas que insistem em simplificar questão tão complexa, dividindo o mundo em direita e esquerda. Você está além disso que eu sei.
Choro pelas mortes infames, do cidadão comum, dos meus amigos, dos meus amigos policiais dos quais já perdi a conta inúmeras vezes. Meu primeiro serviço como aspirante foi atender à ocorrência do assassinato de um policial militar, adorado em meu Batalhão. Chorar com sua família me fez pensar o quão difícil seria aquela trajetória profissional que eu havia abraçado.
Meu sentimento é expressado nos versos do poeta John Donne: “a morte de qualquer homem (ou mulher) me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.
Choro agora por uma amiga admirável, sobretudo porque lutava contra essa estupidez e sonhava com uma sociedade melhor. A vereadora Marielle era corajosa; lutava a favor das minorias, mas principalmente contra a estupidez das mortes desnecessárias que têm endereço e destinatários certos. Mortes muitas vezes festejadas por pessoas que querem que nós, policiais, façamos para elas o serviço sujo de um extermínio fascista. Não se esqueça que também acabamos vítimas dessa estupidez.
Conheci Marielle quando ela me trouxe, de forma educada, mas contundente, o caso de algumas mães amedrontadas com a ação de policiais que barbarizavam moradores de uma certa favela com UPP. Os fatos eram indefensáveis. Aqueles comportamentos não eram o que se podia esperar de uma instituição que existe para combater o crime, mas, sobretudo, para servir à população. Tomei minhas providências. 
Se Marielle veio até a mim buscando solução, era porque confiava na polícia, pelo menos em parte dela, uma parte da qual eu te incluo. Marielle, assim como nós, não confiava na polícia violadora de direitos, na polícia bandida, mas confiava na instituição policial, naqueles que não querem que ela seja instrumentalizada para fins vis e elitistas, sendo direcionada para os mesmos estratos de onde a maior parte de nossos próprios policiais vem.
Depois disso ela me procuraria para saber como ajudar policiais que sofriam abusos, assédios moral e sexual e outros tipos de violações de direitos. Eu te pergunto: alguém que “só quer defender bandido” teria esse comportamento?
Na ocasião, me lembro de ter comentado com ela do sofrimento dos policiais subalternos, da mulher policial, da mulher negra policial etc. Um fato em especial me tocava naquele momento: o de viúvas de PM. Eu disse a ela que uma das formas de ajudar poderia ser agilizando os processos de obtenção de suas pensões. Há trâmites administrativos que emperram a pensão da viúva e que extrapolam as possibilidades da corporação; há também a lentidão da investigação da morte dos policiais militares por parte da PCERJ, que é formalidade do processo. Ela se interessou e, depois, junto com o deputado Marcelo Freixo, criou um núcleo de atendimento a policiais.
Mesmo depois de ter deixado a PM, encaminhei alguns casos a eles. Nossos praças e oficiais mais subalternos, principalmente as policiais negras, são discriminadas diariamente em nossa instituição, sofrem assédios, sobretudo por parte de pessoas como nós, oficiais e brancos. Recentemente a PM impôs limite de vagas para mulheres no concurso do CFO, mas contra isso ninguém de dentro se colocou. Marielle se interessava por essas causas, que, infelizmente, ainda não tocam nossa sensibilidade institucional. Com suas bandeiras ela defendia muito mais nossos policiais do que nós fomos capazes de compreendê-lo e de fazê-lo.
Portanto, postagens maldosas como essas, que vêm circulando nas redes sociais, além de não retratarem a realidade, são de um imenso desrespeito não só à história de Marielle, mas aos nossos policiais honestos e trabalhadores sofridos, sobretudo às policiais negras, que tanto necessitam ser acolhidos nas causas que ela magnificamente defendia. Que tenhamos Marielle presente para transformar nossa polícia em uma instituição melhor para a sociedade e para policiais vocacionados.

41 comentários:

Viviane disse...

Ah, Lola, sua boa-fé chega a comover... Essa matéria do Fantástico foi muito bem pensada para atender à agenda da Globo: fingir apoiar as pautas de Direitos Humanos (incluindo os direitos dos LGBT) enquanto esconde as prováveis causas do atentado e o usa como justificativa para intervenção militar.
"Meia verdade é uma completa mentira".

Anônimo disse...

Certa vez li nesse blog uma anônima afirmando categoricamente que todos os homens são lixo. E na ocasião fui o único que refutei. O silêncio dos outros é a confirmação da concordância.

Esse coronel da Polícia Militar do RJ, Robson Rodrigues, é um homem, então , concordamos que ele é um lixo?

Anônimo disse...

Não acho que se trata de boa fé da Lola. O tráfico é um problema grave e justifica a intervenção. O problema é que a uma parte da esquerda vê golpe militar em tudo. Vamos parar com o delírio? Até mesmo a direita, com exceção da extrema direita psicopata se comoveram com a morte de Mariele.

Viviane disse...

Ou o silêncio dos outros é por todo mundo já estar cansado dessa troll, que de fato enche o saco aqui no blog.
Próximo!

Anônimo disse...

Um cala a boca pra quem fica espalhando mentiras de que Mariele defendia bandidos.

Anônimo disse...

Anônimo, você provavelmente afirmou anonimamente que todos os homens são lixo, para em seguida anonimamente refutar e vir aqui encher nosso saco com esses argumentos de quinta série.
Fabi

Manoela disse...

Muito boa a homenagem. Melhor ainda ver que na reportagem o infame Deputado aparece sendo acusado e o Psol quer processar ele. Atitude correr que vai ajudar a pessoa a pensar duas vezes antes de veicular informações falsas. Ainda mais sendo uma figura publica. Por falar nisso alguém conhecia ele antes da postagem e sabe me dizer qual projeto útil ele fez enquanto deputado e que atendesse a população?

Viviane disse...

A boa-fé a que me referi foi a de acreditar nas "boas intenções" da Globo...

Anônimo disse...

Temos um projeto para resolver 2 problemas do Brasil: superlotação de presídios e falta de $ para investimentos sociais: transformar presídios em Coliseus. A População paga ingresso pra entrar. De cada 10 presos apenas 01 poderá restar. Entretenimento, economia e arrecadação. Vamos implantar logo em 2019! Precisamos da ajuda de vcs!

titia disse...

Por mais que a escória se esforce, não vão conseguir pintar Mariele como o que ELES é que são - paladino em defesa da bandidagem, pra qualquer defensor de bandido que for burro demais pra entender. Quanto ao deputado e à desembargadora, faço meus mais sinceros votos de que esse par de canalhas pague bem caro literal e figurativamente (esse tipo só aprende quando dói no bolso mesmo) pelas calúnias. Por fim, um aplauso para a mãe do PM e para Robson Rodrigues, que meteram bem metido no rabo do MBL e da corja de fascistas mentirosos com areia e vidro ralado.

titia disse...

Opa, corrigindo, a mãe do policial civil que denunciou a mentirada dessa corja fascista-que felizmente está fracassando de forma espetacular em caluniar Marielle. Meus votos do maior, mais absoluto, retumbante e vergonhoso fracasso pra esses bostas.

Rafael Cherem disse...

"Com suas bandeiras ela defendia muito mais nossos policiais do que nós fomos capazes de compreendê-lo e de fazê-lo."

Essa moça fez mais pela segurança pública do RJ que um certo deputado.

Anônimo disse...

Mas agora a Globo presta? Qual o próximo passo, assinar a Veja?

Kd coerência, gente?

Anônimo disse...

Esse comentário demonstra o mesmo radicalismo das pessoas que não respeitam a morte da Marielle porque ela era filiada ao Psol. A Lola apenas elogiou UMA reportagem de UM programa da emissora!

Anônimo disse...

"Mas agora a Globo presta? Qual o próximo passo, assinar a Veja?

Kd coerência, gente?"

pode esquecer kkkkkkkkkkkkkkk tinha mas acabou

globo é o THE MONHO até falar algo que eu gosto, aí sim é do caralho e vamos assistir e até gravar os comerciais pra consumir os produtos dos apoiadores da reportagem tão maravilhosa dessa super respeitável emissora que nem ajudou a derrubar a Dilma tipo nem um pouquinho mesmo e que não contribuiu em nada para a ditadura militar tb

isso eu acho bizarro, a pessoa desce o pau mas assiste, dá audiência, comenta os programas, faz propaganda boca a boca

se fez reportagem sobre a vereadora, pode escrever aí que boa intenção não teve

Anônimo disse...

Interessante.

Afirmar que Marielle foi executada pelas milícias não é boato.

Anônimo disse...

Anônimo das 22:56 a coerência é analisar o que é divulgado (para você, defensor de homicida, já sabemos que qualquer defesa de vidas que não te interessam é incoerente) de acordo com os valores de sempre desse blog.

Não adianta fingir que você não tem mais argumentos para sustentar as mentiras contra Marielle, a falta de ética, decência e de real comprometimento com vidas humanas é toda sua. Mude, ainda dá tempo.

Anônimo das 16:51 eu e várias mulheres já dissemos n vezes que 'a troll' é homem, e dos imbecis que acha que alguma feminista caí naquele blá-blá-blá olha como todas as mulheres odeiam homens. Não por acaso você se lembra de alguma postagem em que não houve contestação, mas das dezenas em que há, você não leu. Sei muito bem que tipo de mentira covarde você apoia, e assim como aquele troll imbecil, sua falácia também não cola aqui.

Marcia.

Anônimo disse...

O compromisso de todos deveria ser com a sensatez, com a honra e com a verdade. Mas não.
Hoje em dia minha vontade é me esconder em uma caverna.
Estou farta e cansada da burrice, da desonestidade, do "flá x flu". Da pressa em se manisfestar em "lacrar".
O corpo desta mulher nem se quer esfriou como diziam os mais antigos e já estão ai dissecando sua vida, a fim de que?????

Se a pessoa é de direita, ultra conservadora, pelo menos tenha a honradez de não sair espalhando coisas sem verificar. E para quem é de esquerda, não se aproprie indevidamente da memória de Mariele, tenho visto muita gente "surfando" na onda, gente que nunca se importou.

Enfim, estou triste.

Sandra

donadio disse...

"Mas agora a Globo presta? Qual o próximo passo, assinar a Veja?

Kd coerência, gente?


A coerência não é com um bando, com uma facção, com um partido, com uma revista, com uma rede de TV. A coerência é com ideias. Se acredito que o assassinato de Marielle foi um assassinato político, estou de acordo com quem diga o mesmo - ainda que seja a Globo, a Veja, a Universal do Reino de Deus, ou a TFP. Não vou mudar de ideia só por que alguém de quem eu não gosto concorda comigo.

Trocando em miúdos, essa reportagem foi, na opinião de alguns - inclusive a dona do blog - boa, ou razoável. Isso não salva a Globo, nem apaga todas as outras reportagens, e silêncios, da Globo.

Agora, eu não estou entre esses alguns. Para mim, a reportagem foi típica. Marielle foi brutalmente assassinada, e tentar negar isso é algo que só mentes doentias, como a sua, podem achar que "cola". Mas, como só gente de classe média é brutalmente assassinada, a reportagem trata de transformar Marielle... em uma moça de classe média. E, a partir daí, usar o assassinato para justificar e defender a intervenção militar, que ela criticava, e que foi provavelmente a causa do seu assassinato. Enfim, a Globo sendo a Globo.

lola aronovich disse...

Acho esse papo de que não se pode elogiar a Globo em momento algum ridículo. A gente critica a ideologia da Globo, o monopólio da Globo, a Globo ser golpista, a Globo não pagar impostos e não ser cobrada por isso. Mas isso não quer dizer que tudo que a Globo faz é ruim. Até porque há montes de pessoas talentosas (e de esquerda) que trabalham na Globo. E sobre a reportagem do Fantástico, tem bastante gente de esquerda que não gostou. Eu sou daquelas que vejo o copo meio cheio. A reportagem apagou a política que Marielle fazia? Apagou. Estão usando a Marielle pra APOIAR a intervenção? Estão. Mas a reportagem também teve muitos aspectos positivos, como eu disse no meu post. Ou seria melhor que o Fantástico não tivesse falado na Marielle? Ou, mesmo sem embarcar nas fake news, feito uma reportagem contra ela? (porque dá pra fazer reportagem totalmente contra qualquer pessoa mesmo sem necessariamente mentir, só com a edição, só enfatizando alguns pontos e escondendo outros). O Fantástico tratou Marielle como mártir.

Anônimo disse...

Não se trata de dizet que a Globo presta ou não presta mas que a Globo acerta e erra. Será que você consegue enxergar além do preto ou branco? E vc vive fazendo a mesmíssima pergunta. Criatividade zero.

Anônimo disse...

Querida, tem mesmo que descer o pau na Globo por ela ter apoiado a ditadura. Mas a quanto tempo foi isso mesmo? Quanto ao fato dela ter ficado contra Dilma é óbvio que ficaria. A globo é de direita. Quanto a Lola ter elogiado a reportagem da Globo também é óbvio: ela é de esquerda. O radicalismo de certas pessoas enche o saco. O 'inimigo' tem que está errado em tudo, ser um monstro horrendo ou eles não ficam satisfeitos.

Anônimo disse...

Não, não é. É o mais provável.

Anônimo disse...

Eu apoio a intervenção militar e não porque estou usando o assassinato de Marielle para justifica-la. É apenas coerente com o que eu acredito: que a milícia a matou. Não acredito que ela morreu por algum plano da extrema direita como alguns afirmam por aí. A direita teria de ser muito idiota pra planejar isso e criar uma mártir mobilizando a esquerda inteira contra a intervenção. Os bandidos foram tão canalhas que mataram uma mulher que defendia tratamento humano até para ele. Fora que eu dizer que defendo a intervenção não significa que eu estou defendo o imbecil do bolsonaro que quer que o exercíto chegue atirando e matando todo mundo a torto e a direito. O fato é que a polícia honesta não está conseguindo dar conta da violência. Talvez porque muitos dentro dela se corromperam. Eu estou com a Globo neste caso.

Anônimo disse...

Lola, confesso que fiquei desapontada com seu elogio à Rede Globo... Confesso também que, talvez por ignorância ou simplesmente nojo puro e simples, não consigo assistir nada dessa emissora... Mas a respeito muito e sei que não faria considerações positivas sem motivo. Sou muitíssimo grata por esse link que compartilhou no seu comentário. Conforme esse artigo, a morte de Marielle me despertou para tudo aquilo que, adormecida, ignorava. A ponto de começar a acompanhar as páginas dos Coletivos de Akari e outras Comunidades. A ponto de, pela primeira vez, participar de uma manifestação política. Não sei se já assistiu, mas dois dias antes da morte de Marielle, Buba Aguiar falou no "Precisamos Agir e Falar contra o Fascismo". Por favor, ajude a divulgar esse video. (https://www.facebook.com/precisamosagirefalarcontraofascismo/?hc_ref=ARRXkS8dvKch2ppmxxfZiqtHbTKBecYB-eMtQQzJzHOOYFD0lgngbtlgLNnXhC6obw4&fref=nf) Como ninguém fala das declarações da Buba? Por que ninguém ao menos entrevistou o Comandante do 41º Batalhão da PM do Rio de Janeiro sobre essas acusações? Buba teve que sair da comunidade, por medo... (http://www.jb.com.br/rio/noticias/2018/03/19/ditadura-que-extermina-o-povo-negro-favelado/) Gente... é DITADURA... Quem ainda duvida disso?

Renata disse...

OFF TOPIC:
Porque quando uma mulher ou menina é estuprada por um homem ela é a manchete e não o estuprador, e quando um homem ou garoto é estuprado por uma mulher, a mulher também é a manchete?

https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/domestica-e-presa-em-sp-apos-estuprar-garoto-de-14-anos-duas-vezes.ghtml

Pelamor da deusa, não leiam os comentários. É de revirar os estômago.

Anônimo disse...

Nesse caso, acho que foi porque mulher que estupra é incomum. Então deu-se ênfase a ela.

Anônimo disse...

Sou a mesma que está a favor da intervenção contra os traficantes e só contra eles. Sei o que você está alertando não conheço o caso da Buba, mas conheço algumas pessoas que moram em comunidades. Elas me falaram a respeito de certos policiais que abusam das pessoas, invadem casas e até gritam com as mulheres chamando-as de putas. Muitos desses policiais se associam ao tráfico. Outros nãonão acham que todo favelado é bandido. Isto precisa ser denunciado. Isso tem que acabar. Mas não se pode demonizar e dizer que todos os policiais são assim porque não são. Não foi o que estas pessoas me disseram. Policiais também são pobres, negros e pardos e também são mulheres. Estas mesmas pessoas que denunciaram estes policiais também reclamaram dos bandidos da favela e querem que eles sejam presos pois não é só porque eles moram na favela que são bandidos ou apoiam bandidos.

Rafael Cherem disse...

A matéria do Fantástico serviu para gente que não frequenta coletivos, não ouve Carol Konka e nem sabe da existência da Lola compreender mais sobre o trabalho da moça.

Anônimo disse...

Não revirou o meu estômago. Homem é tudo safado a partir dos 12 anos mesmo
O negócio foi tipificado como crime, mas o garoto foi na casa dela porque quis. Olha o estupro. Que piada.

Anônimo disse...

14:27 - é mesmo? seu babaca

depois esse bosta vem achar ruim o filme "me chame pelo seu nome" por retratar a relação de um rapaz de 17 anos com outro de 24

seu(s) hipócrita(s) de merda

Luciana disse...

Lola, eu vi que você não publicou meu comentário. Enfim, você disse nos comentários que:

“Mas isso não quer dizer que tudo que a Globo faz é ruim. Até porque há montes de pessoas talentosas (e de esquerda) que trabalham na Globo.”

Na ditadura de 1964 e na Alemanha nazista havia pessoas talentosas e de esquerda. Com esse seu tipo de raciocínio a Globo nunca poderá ser criticada. A rede esgoto é uma empresa e ela tem dono; esse dono inclusive é contra os interesses dos trabalhadores brasileiros. Não caia nessa demagogia.

titia disse...

"A direita teria de ser muito idiota pra planejar isso e criar uma mártir mobilizando a esquerda inteira contra a intervenção."

E, no entanto, foi exatamente isso que ela fez. Surreal, né?

Coleguinha, você precisa deixar de ser tão otimista. A direita faz campanha pra Bolsonaro, lê Olavo de Carvalho e Reinaldo Azevedo. O conselheiro político da direita é Nando Moura, a organização mais representativa da direita é o MBL. A direita desse país é estúpida, ignorante, violenta, mentirosa, corrupta, oportunista, totalmente desprovida de bom senso ou empatia e pior - quer continuar sendo assim. Voluntariamente. Acorde, colega. Abra os seus olhinhos. Sei que deve ser maravilhoso aí no mundinho dos unicórnios cor-de-rosa que peidam purpurina e saltitam entre nuvens de algodão doce, mas todos nós vivemos no mundo real, você inclusive. Se não começar a prestar atenção aqui 'cê vai se ferrar muito. Muito mesmo.

Quer apostar quanto que, quando houver um post aqui sobre uma menina ou mulher estuprada, o anon das 14:27 vai vir choramingar sobre os pobres homens e meninos estuprados por essas vadias criminosas sem coração que são as mulheres, e sobre como as feminazis misândricas ignoram/desprezam/tripudiam dos pobres coitados?

Anônimo disse...

"Com esse seu tipo de raciocínio a Globo nunca poderá ser criticada".

Ué e por que não? Geralmente a Globo e escrota, mas dessa vez ela mandou bem. O mundo não é preto e branco.

E o que tem a ver 1964 e Alemanha nazista? Lei de Godwin?

Anônimo disse...

Oi fofinha. Um grande abraço pra você.

Anônimo disse...

Eu concordo que uma parte da direita seja exatamente isso, titia. Não que todos na direita sejam assim. Só não consigo acreditar que a estupidez (só a estupidez mesmo não a maldade da extrema direita) tenha chegado tão longe. Mas vamos esperar os resultados das investigações.

Anônimo disse...

"Na ditadura de 1964 e na Alemanha nazista havia pessoas talentosas e de esquerda"

claro q havia, mas qual é a relação disso com o número de empregados (esquerdistas) numa empresa?

ter 'pessoas talentosas e de esquerda' num país é uma coisa (inevitável, pq se trata de um PAÍS), ter numa firma, é outra, vc BEBEU?

"Com esse seu tipo de raciocínio" - q "raciocínio"? pq o seu não faz nenhum sentido

"a Globo nunca poderá ser criticada" - ô linda, a última coisa que a Globo deixará de ser é criticada

só aprenda daqui em diante a fazer correlações com mais sentido, pq essa ("Na ditadura de 1964 e na Alemanha nazista...") FOI DE DOER

Anônimo disse...

Não suporto a globo tbm, só consegui ver a então reportagem depois pelo youtube, pois não consigo dar audiência para essa emissora.
Por um lado, é bom ver o caso da Marielle e das pessoas que estavam com ela, sendo mostrado para uma grande parte da população. Apesar que isso não diminuiu o ódio de muita gente, tanto que na terça, enviei um print para a advogada evelyn, de um misógino fascista assumido no facebook que fez ataques contra a Marielle, e a chamou de ''marmita de bandido''.
Por outro lado, como era de se esperar, a tal emissora usou o crime para justificar a intervenção militar, algo que a própria Marielle criticava bastante. Inclusive é bom investigar militares corruptos tbm.
A globo sendo tendenciosa e oportunista, como sempre.

Anônimo disse...

Tem gente realmente acreditando que a rede globo está de pé até hoje contando apenas com a audiência dos ''coxinhas'' e similares? Sabe nada inocente!
Vários desses atores que foram perseguidos, exilados e torturados nos anos 70 (inclusive pelo carrasco medieval Ustra) se venderam a rede globo ainda no início dos anos 80, sem que a ditadura nem se quer tivesse terminado.
Não sei se isso acontece apenas no Brasil, mas que é pitoresco, é!

Gai disse...

Lola, que decepção! Essa matéria da globo, só tem um objetivo, descaracterizar o crime e reforcar a importância da intervenção. Ainda tem genye que acredita que edsa intervenção vai reduzir a violência no Rio? Conversa pta boi dormir. A corrupção na policia é parte, senao a causa dessa violência. Me poupe!

Anônimo disse...

Não suporta mas assiste...