terça-feira, 6 de setembro de 2011

UMA PROFISSÃO GENERIZADA

Nos anos 60, elas ainda eram aeromoças.

Outro dia, não sei se você lembra, escrevi sobre como o rosa virou código. Claro, não é só pela cor rosa que somos divididos em gêneros. Mas, quando estava escrevendo sobre o rosa (dentro de um avião), percebi que a comissária de bordo (aeromoça não se usa mais desde 1979), ao servir o lanche, perguntou pras crianças nos assentos em frente ao meu: “E você, bonequinha? E você, garotão, vai querer o quê?” Como é comum isso, né? Meninas recebem diminutivos e um tratamento que remete ao passivo, ao decorativo. Os pais talvez se irritassem com a comissária se ela usasse o mesmo tratamento pro menino: “E aí, bonequinho?” Pois é, vivemos num mundo em que bonequinha é elogio pra menina, e insulto pra menino. De todo modo, duvido que a comissária ultramaquiada (ossos do ofício, suponho) sequer pense em igualar o tratamento. Afinal, ela trabalha numa das áreas mais generizadas (gendered, separadas por gênero feminino/masculino) que existe. Num avião, mulheres são comissárias, homens são pilotos (não vou nem entrar na questão da enorme diferença salarial que existe entre uma profissão comumente ocupada por mulheres e outra comumente ocupada por homens). Como 81% d@s comissári@s são mulheres, os poucos comissários de bordo que existem levam a fama de serem pouco masculinos, ou seja, no pensamento normativo da sociedade, gays. (Não encontrei a estatística apontando quantos pilotos são homens. Mas, pra se ter uma ideia, só em 1973 uma mulher começou a pilotar um avião comercial nos EUA).
Até a década de 70, comissárias (então chamadas de aeromoças, um termo machista), assim como misses, só podiam ser solteiras, e eram demitidas, forçadas a se aposentar, ou transferidas pra algum serviço no chão (não nas alturas) quando chegavam aos 32, 35 anos. Elas haviam, afinal, passado de uma idade “desejável” (pra mulheres, óbvio. Homens com cabelo grisalho são sexy, certo?). Algumas leis derrubaram essa flagrante discriminação por gênero, mas pense bem: quantas comissárias de meia idade a gente costuma ver hoje? O que acontece com elas? Deve ser o mesmo que acontece com as âncoras e apresentadoras de noticiários depois que deixam de aparentar seus (no máximo) quarenta anos: elas são tiradas da frente das câmeras e vão trabalhar nos bastidores. Eu sonho com o dia em que a Fátima Bernardes comece a se parecer com o Cid Moreira... e continue trabalhando.

P.S.: Em 2003 escrevi uma crítica sobre a péssima comédia romântica Voando Alto (com Gwyneth Paltrow) que me tornou persona non gra
ta entre as comissárias de bordo durante um tempão. Agora já acho seguro voltar a sentar na janelinha.Anúncio de companhia aérea: "Explore os quintais da Malásia". Um dos inúmeros exemplos de como as empresas sexualizam comissárias de bordo... até hoje. Não é coincidência que uma das profissões mais generizadas que existem também seja uma das mais transformadas em fantasia sexual masculina.

99 comentários:

Mariana. disse...

desculpem a ignorância, mas por que "aeromoça" é um termo machista?!

Realmente, a maioria das comissárias de bordo são mulheres jovens. Mas não é raro - e eu nem voo com tanta frequência - encontrar homens ou mulheres mais velhas na mesma função. Acho que existem dois motivo p isso: as pessoas estão menos preoconceituosas de modo que não se importam se é uma areomoça ou um aeromoço hehehe; e também tem a questão da justiça do trabalho. Certamente cabe dano moral se o superior de uma comissária rebaixá-la para outras atividades alegando que "ela já passou da idade".

Já pilotas, eu nunca vi. Sempre fico ansiosa p ouvir a voz de quem tá tomando conta de tudo e torcendo p ser alguém competente, rs. Mas torço tbm p ser alguma mulher. Vocês já voaram com uma mulher no comando?

Escarlate disse...

Complicado mesmo. Quanto mais ganhamos direitos na base da luta, mais sexualizam nossos corpos, mais nos objetificam, nos violentam. É o backlash, indo e vindo pra nos atormentar.

Lembrei do Mito da Beleza, um livro indispensável para entender como estão interligados a conquista de direitos e o aumento da pressão para termos corpos dentro do padrão estabelecido (que é cruel e desumano).

aiaiai disse...

Puxa mariana...assim me dá preguiça. Vc mesma riu do termo "aeromoço", né? Pensa ai...

a segunda pergunta (se já voamos com mulher pilota): Não, nunca. E eu voo muito. viagens nacionais e internacionais, por conta do trabalho e tb porque adoro viajar. Nunquinha eu vi uma mulher pilotando.

Junte as duas coisas (vc rindo de aeromoço) e eu falando q nunca vi pilota e veja se descobre sozinha pq "aeromoça" é termo machista.

Bruna disse...

Lola,

desde criança quis ser comissária de bordo. Quis isso até eu me tocar que dentro do avião os homens eram pilotos e as mulheres, as "mocinhas bonitas".

Então, com uns 19 anos, percebi que na verdade eu sempre quis ser executiva, mas como existem pouquíssimos exemplos de mulheres executivas e bem sucedidas na mídia, o que eu tinha para me inspirar eram as comissárias que, fisicamente, tinham jeito de executivas.

Andréa disse...

Lola, nesse post vou discordar (um pouquinho) de vc.

Já conheci comissárias com mais de 50 anos e, pelo que uma delas me disse, não é saudável ficar nessa profissão por muito tempo. O trabalho é extremamente desgastante.

Concordo que a maioria dos pilotos é homem, mas não creio que seja um preconceito exclusivo dessa profissão. Poucas mulheres são taxistas, motoristas de ônibus, etc.

Conheço um piloto, que tb é professor, que me disse que pouquíssimas mulheres buscam o curso. Que ele só teve uma aluna mulher. Ou seja, tb não há muita iniciativa da parte feminina. Lembrando que foi só em 2002 que a aeronáutica permitiu que mulheres se tornassem pilotos. É algo bem recente...

Tb tenho notado que há mais homens como comissários de bordo do que antes e que as mulheres passaram a usar roupas mais confortáveis (e não mais aquelas saias justíssimas) e não usam mais aquela maquiagem carregada.

Ainda há preconceito? Claro que há!

Mas acho que as coisas estão mudando de uns tempos pra cá e espero que continuem mudando cada vez mais.

Gabriela Skywalker disse...

Gostei bastante do post, Lola! Acho que podemos fazer algumas inúmeras listas de profissões masculinas e femininas e comparar os status que cada uma ganha e, ainda, como as mulheres são usadas para propaganda.

Fico assustada ao perceber como a realidade fática é tão diferente da normativa. Pois mesmo sendo iguais em teoria, ainda há um longo caminho de construção de direitos para as mulheres.

Beijos.

João disse...

Lola, você diz que "81% das comissárias são mulheres". Você poderia dizer-me de que gênero são compostos os outros 19% das comissárias? (Porque, convenhamos, comissáriAS são mulheres, certo?)

Outro: quase todos os pilotos são homens. Na verdade, Lola, TODOS os pilotos são homens. Se não fosse homens, seriam pilotas. (Podem rir da palavra, podem... não fui eu quem a inventou... Antes que ridicularizem: "pilota" está na gramática; não venham com comentários dizendo que a palavra é machista! Só falta isso!)

Reforço a pergunta da Mariana: por que "aeromoça" é machista? (Não sei se alguém já respondeu, mas já uma preguiça de ler esse tipo de coisa. Já sei também: vão me dizer "então por que não vai ler outra coisa?" ESCOLHI ler isto, oras! Ou só pode ler aqui e comentar aqueles que pensam igualzinho à autora?)

Mariana. disse...

"aeromoça" é perjorativo então só pq já determina que tal função é específica p mulheres?!

hm. então é só usar aeromoço p os homens que também exercem a função de comissários e o problema semântico tá resolvido.

Niemi Hyyrynen disse...

Quando eu era pequena, queria ser pilota de avião de guerra, preferencia caças, rs

Acho que a aiaiai matou a pau a questão do preconceito embutido na palavra "aeromoça"

Mesmo pq "moça" aqui é um termo perjorativo por si só né? Nem precisa estar acompanhado.

Quando a pessoa quer por em duvida a masculinidade de um homem, chamá-lo de "moça" serve para diminuí-lo, dai fica bem claro a idéia de que ser mulher é algo vergonhoso, menor, inferior...

alemdaporta disse...

João, Acho que você entendeu todo o contexto no qual a Lola usa a palavra Piloto para identificar homens e mulheres na profissão, usando a mesma gramática que você usou, podem haver 99 Pilotas e um piloto, ainda assim seriam os pilotos (o mesmo vale para comissários as, você entendeu muito bem o que ela quis dizer). Quanto ao termo aeromoça eu não sei bem, talvez por que as mulheres (indignas de pilotar)devam ser apenas as moças de bordo, as que estão no avião e não as que "dominam" os ares, mas aí eu realmente também não sei, estou apenas tentando interpretar.

Erres Errantes disse...

Quero fazer um adendo: não só as comissárias de bordo são quase sempre mulheres e jovens, como inclusive BRANCAS. Isso é algo que sempre cahmou minha atenção, nas poucas vezes em que viajei de avião.

Erres Errantes disse...

Sou meio ignorante sobre esse "mundo aéreo", mas acho que os pilotos também trabalham até um certo limite de idade, depois são aposentados. Acho que, de modo geral, as pessoas que trabalham voando se aposentam mais cedo porque o trabalho é extremamente estressante, já que as pessoas estão sempre em lugares diferente, se deslocando de Estado em Estado, país em país etc.
Agora, sem dúvida, as comissárias de bordo estão submetidas a padrões rígidos de aparência.

André disse...

Niemi, na meu meio quando se refere a um homem como moça é para dizer que a pessoa é muito bem educada. Para aludir a homosexualidade é mais comum usar fada, dama, etc. Não entendi o desagrado com o termo moça.

Mariana. disse...

pelo visto o machismo do termo aeromoça deixou de ficar claro não só p mim.

Niemi Hyyrynen disse...

André, Mariana

Bom eu disse isso por experiencia propria, não sei se o caso se aplica a todas as pessoas, eu sempre ouvia o "moça" como sinonimo de homossexual.

"Esse rapaz é uma moça [bicha]".

Andre,

Vc diz que no seu meio o termo é para referir alguem educado, e não é educação por ventura relacionado a passividade? submissão?

E estas não são caracteristicas atribuidas ao feminino?

Veja como ele é uma "moça"[educado]"

Ai me parece uma pegadinha.

Tb me referi a perjorativo do termo "moça"pq isso me confundia as vezes, via muito principalmente por parte do meu pai e de outros parentes meus brasileiros, referir-se a outros homens como "moças", eu tava aprendendo o portugues e pra mim "moça" era "mulher jovem".Perguntava se tinha diferença, eles me respondiam

"É um outro tipo de moça, a que não nasceu assim, mas quer ser uma". e riam, eu entendi então que era uma ofensa.

Mas é como eu falei, partiu da minha experiencia.

Liana disse...

O componente sexual que se adiciona às profissões "femininas" é péssimo. Detalhe que não basta ser mulher, elas também precisam estar o mais perto possível do padrão bonequinha barbie. Isso tem mudado mas muito lentamente e só porque um bando de "mal amadas" estão aí para reclamarem.

Moça não é uma mulher "completa"(muitas aspas aqui), é pouco mais que uma criança. É restritivo e tem um componente sexual(menina-moça) que alude à virgindade, pureza, ingenuidade, passividade, infantilização etc etc etc. Chamar toda uma categoria profissional de "moça" cumpre com sua função machista em enquadrar mulheres no papel no qual esperam que elas se submetam.

moça, fada, dama, mulherzinha... não importa realmente, é tudo dito em tom pejorativo e todos fazem referência ao feminino como a sociedade nos enxerga.

Luma Perrete disse...

Eu moro com duas comissárias. Na empresa delas só existem comissárias, homens não são contratados pra essa função.
Uma vez perguntei se na empresa deles tem mulheres piloto e ela me disse que tem várias (não perguntei a quantidade). Ela disse que muitas comissárias acabam aproveitando que já estão dentro da empresa e fazendo curso, já que precisam de menos horas de vôo.

E eu já vi várias comissárias mais velhas. Acho que as mais experientes acabam ficando em vôos mais importantes e mais difíceis. Quando fui pros Estados Unidos, não vi nenhum comissário nem comissária que aparentava ter menos de 40 anos no avião.

E realmente acho que elas se aposentam cedo ou acabam indo pra outro serviço dentro da empresa porque voar é muito cansativo. Se pra gente que passa 3h sentada num avião já é cansativo, imagina pra elas que chegam bem antes do horário do vôo, às vezes passam quase uma semana sem voltar pra casa dormindo em hotel, ficam andando pra lá e pra cá, servindo as pessoas, tendo que deixar tudo arrumado dentro do avião e ainda tendo que se preocupar com a segurança dos passageiros.

Acho que é uma profissão glamurizada, mas pouco valorizada. Muita gente esquece que em caso de acidente ou algo assim elas que são treinadas para garantir a segurança dos passageiros.

Elisa Maia disse...

Não sabia que não se usava mais "aeromoça"! XD Agora é "comissária" e "comissário", é? Legal! Deve ser porque os homens finalmente estão podendo seguir essa profissão sem ter sua masculinidade julgada (mas também porque "comissári@ de bordo" parece mais profissional que "aeromoç@". Dá a impressão de que são mais que garçons e garçonetes aéreos -- e são) . Eu viajo bastante e vejo muitos comissários nos vôos. Agora, pilota eu nunca vi. Com certeza deve ser a baixa procura, porque duvido que barrem as mulheres, seria total crime de discriminação. Agora, realmente são profissões em que de deve parar cedo (40 anos +-).
Problema mesmo é não poder ter membro da tripulação gordinho: não por preconceito, mas porque o espaco no avião é muito apertado e dificultaria a mobilidade d@ funcionári@!
E, gente, se escreve (e se diz) "PEjorativo", tá? ;)

Milla Gebara disse...

Pessoal, que homem, que normalmente não faz isso nem em casa, vai querer ficar servindo café, água, preocupando se está tudo bem com a pessoa,se está seguro, se quer mais alguma coisa? e também as próprias mulheres se colocam nessa profissão. Se não achassem interessante não se submeteriam a tantos cursos, entrevistas, provas, para essa profissão. Não é fácil de conseguir. Então, não estou vendo machismo nessa ESCOLHA. Entrar para essa profissão não é a mesma coisa que estar desempregado e SÓ conseguir isso, pois é o que há para uma mulher fazer. A pessoa tem que se dedicar e querer seguir essa profissão e, muita gente (mulheres e homens) não conseguem.

Flávio Brito™ disse...

Algo que tenho notado é o aumento de mulheres como apresentadoras de programas esportivos, um campo onde somente homens atuavam.

Mas acredito que nem toda essa separação de trabalho entre homens e mulheres é fruto de preconceito.
Homens e mulheres são e sempre serão diferentes (O feminismo nunca vai nos igualar) e há áreas que os homens preferem e áreas que despertam mais atenção das mulheres.

A erotização profissional não acontece somente com mulheres, acontece com homens também (Mecânico sexy, o bombeiro no uniforme sexy, o peão de obra musculoso).

Mas é claro que um texto feminista não diz isso, uma vez que uma das bases do feminismo e vitimizar a mulher.

Feministas reclamam que são minorias pilotando aviões, nas direções de empresas, no Senado. Mas não falam nada quanto ao fato de serem minorias em mineradoras, na limpeza de esgotos, são minoria como estivadoras. O feminismo caminha de mãos dadas com a hipocrisia.

Flávio Brito™ disse...

Fica uma dúvida se o termo aeromoça é algo errado o termo officeboy também é?

Blanca disse...

Ainda não entendi porque "aeromoça" é machista...

Flávio Brito™ disse...

Blanca:

Dizem que é machista porque qualquer termo que não seja neutro é considerado machista aqui.

Mas quando é conveniente as feministas ai pode!

Por exemplo se você escrever A presidente do brasil você vai ser vaiada mas se se disser a Presidenta do Brasil vai ser ovacionada...

lola aronovich disse...

Pois é, Mariana, fico com a Aiaiai. Vc mesma escreveu “hehehe” quando se referiu a “aeromoços”. Daí não fica tão difícil ver como “aeromoça” é machista, fica? Um termo que só é usado pra mulher, e, claro, pra mulher jovem. Em inglês era stewardess até o final dos anos 70. Aí as próprias comissárias consideraram o termo machista e exigiram que fossem chamadas de flight attendants (comissárias de bordo), como os (poucos) comissários homens eram chamados. Não ver o machismo de “aeromoça” é também ignorar como a profissão sempre foi vendida de modo machista. Não são só esses exemplos que citei (de que, até os anos 70, precisava ser solteira — claro que essa exigência não se estendia a nenhuma outra profissão a bordo, inclusive comissário de bordo!; de que a mulher era “aposentada” aos 35 anos), mas as roupas, a submissão, a propaganda... A maior empresa americana costumava anunciar seus voos mostrando comissárias com roupas justas e curtas e poses sugestivas e as palavras “FLY ME” (voe-me, pilote-me). Tudo isso sempre andou junto para desvalorizar a profissão de comissária, tranformando o troço, pra muitos homens, em reles fetiche sexual.


Andréa, acho que vc está um pouco confusa sobre o que é machismo. O fato de poucas mulheres “procurarem o curso” (de piloto) também é machismo, não acha? Vivemos numa sociedade estruturada para que mulheres exerçam algumas profissões (que sempre pagam menos), e homens, outras. As causas de haver poucas mulheres numa profissão, e que a profissão seja generizada, também são consequências do machismo. Maschismo não é apenas quando uma empresa proíbe que uma mulher exerça uma profissão. Por favor, leia o link que pus no texto (sobre diferenças salariais), porque lá cito a Susan Faludi, que explica tudo isso muito bem.

Mariana. disse...

ainda não entendi também, mas tava com vergonha de perguntar pq falaram que é algo muito óbvio.

e fica a dúvida sobre o officeboy também.

lola aronovich disse...

É verdade, Erres. É raríssimo encontrar comissárias negras. Mas isso faz parte: o sexismo insiste que comissária tenha que ter “boa aparência” (ou seja, tenha que ser magra, jovem, alta — não sei se ainda há altura mínima pra comissárias; antes havia), e negras, como sabemos, são consideradas fora do padrão de beleza. Não tem jeito: toda vez que tivermos profissões que dependem do padrão de beleza (modelos, misses, atrizes, comissárias de bordo etc), teremos poucas negras. É só uma prova de como o padrão é racista.
E sobre os pilotos, eles geralmente param de voar com 65 anos. Beeeem diferente dos 35 anos que as comissárias tinham que parar de voar até algumas décadas atrás.


Ai, Flavio, bocejos. Sim, eu TENHO que falar da erotização de profissões masculinas como bombeiros e encanadores quando eu escrevo sobre comissárias de bordo. Tinha esquecido de seguir a cartilha! A erotização de algumas (poucas) profissões masculinas acontece sim, mas 1) muitas delas começaram a ser erotizadas por outros homens (gays), não por mulheres (vide Village People); e 2) essas profissões não são erotizadas pelas EMPRESAS. Por favor, me mostre algum anúncio de uma empresa de encanadores que mostre uns encanadores musculosos com os dizeres “Venha explorar o meu cano” (como o anúncio da empresa aérea da Malásia fez com as comissárias, e como a indústria da aviação vem fazendo há uns 50 anos) que a gente volta a conversar.

lola aronovich disse...

Sobre o termo officeboy, existe officegirl também, não? Algo que não existe quando falamos em AEROMOÇO. Ah, gente, não é tão difícil de entender. E sobre existirem poucas office girls, a explicação também não é complicada. Um office boy é um rapaz (o nome implica que tem que ser jovem, e, de fato, existem poucos office boys com mais de 30 anos, não?) que vai se submeter a ganhar pouco e que vai passar a maior parte do dia fora do escritório. As mulheres se submetem a ganhar pouco sem problemas (vide a profissão mais mal paga de todas, empregada doméstica), mas mulher andar na rua, passar a maior parte do dia fora, não pega bem. Vai contra o nosso papel “doméstico”. Desde criança o menino é motivado a sair, brincar na rua. E a menina é motivada a ficar em casa, cuidando da casa, e ensinada que a rua é perigosa pra ela. Essa divisão entre o espaço público e privado explica muita coisa. E é só pensar que “homem público” é uma coisa, enquanto que “mulher pública” é outra completamente diferente.

Mariana. disse...

gente, o "hehehe" foi um gracejo! nenhuma alusão ao que a niemi falou.

p mim, se há algum machismo, é o fato de que "aeromoça" pressupõem que a atividade é exclusivamente feminina.

mas também não faço nenhuma questão de usar tal termo. foi só um questionamento mesmo, (realmente não fazia idéia do porque o termo é machista. a lola mesmo já falou aqui que não tem mal nenhum usar uma expressão machista se não se sabe que tal expressão é machista. eu não sabia e perguntei. responderam com ironia, como sempre).

O importante é que existe um termo mais adequado e que as pessoas mais interessadas já se manifestaram como preferem ser chamadas. ponto.

mas como foi dito, não acontece só com as mulheres.

Liana disse...

Milla, o que está sendo apontado não é a profissão em si mas o estereótipo que vem atrelado a ela e consequentemente uma série de restrições e imposições. Buscar esta profissão é algo tão válido quanto qualquer outra.

Eu acho office boy um termo meio ridículo para a profissão, outras questões influem aqui mas não há nisto sexismo. Não tem como comparar com toda a infraestrutura machista que cerca as mulheres em profissões clichês, com sociedade, empresas e indústria pornográfica e até governos usando papéis femininos como chamarizes sexuais para vender seus produtos, serviços e todo uma idéia de submissão. Isso não é mero deslize, há todo um marketing muito forte nesse sentido que vai influir na própria rotina dessas profissionais.

Andréa disse...

"O fato de poucas mulheres “procurarem o curso” (de piloto) também é machismo, não acha?"

Acho sim! Mas acho que, nesse ponto, cabe somente às mulheres a iniciativa de fazer o curso.

O machismo está no fato de que profissões que envolvem "pilotar" qualquer coisa são consideradas tipicamente masculinas.

Mas se estão abertas às mulheres, o que precisa mudar é a mentalidade de que um mulher não é tão boa quanto um homem em determinada profissão.

E nem acho que é uma questão de ser uma profissão que pague mais, é o caso de que muita gente (machista) ia se sentir incomodado com uma mulher pilotando. O mesmo acontece com motoristas de ônibus. O machismo é questionar a capacidade da mulher em ser uma boa motorista.

O que eu falei é que o que acontece nessa profissão tb acontece em várias outras. Não disse que não é machismo. Só disse que não é exclusividade. ;-)

Como disse outra pessoa nos comentários (desculpe, esqueci o nome), várias comissárias estão fazendo o curso de pilotagem.

Há alguns anos isso era impensável.

Então, sim, o machismo existe... Mas, nessa profissão, continuo achando que a situação está melhorando. Devagar, mas está.

Victor disse...

Como a Mariana já falou (no primeiro e único comentário que eu li, ou seja, não sei se alguém mais já mencionou), sempre que eu vôo, vejo comissários e comissárias de bordo - e, na última vez, vi uma ou duas mulheres mais velhas, claramente acima de 30. A companhia era européia, mas, mesmo assim...

É FATO que ser comissário de bordo AINDA É uma profissão FEMININA no imaginário popular, mas imagino que as leis trabalhsitas vem mudando isso à força, pelo menso na prática. Na teoria, as pessoas ainda têm os velhos preconceitos. Agora, mais uma vez copiando a Mariana, PILOTA eu nunca vi MESMO. Sempre no aeroporto, a tripulação passa e você só vê homens com as roupas de piloto. É incrível! Acho que é mais fácil homens cruzarem a fronteira entre "emprego de homem" e "emprego de mulher" do que as mulheres.

Fora a generização da profissão, outra coisa que eu reparo muito: tenho a impressão de que comissários de bordo são escolhidos a dedo pela beleza. É incrível! Mesmo os homens têm que ser atraentes, dentro dos padrões, altos,... Também não é algo a se notar?

André disse...

Niemi, moça é respeitoso, indica mulher nova, quando se quer diminuir a pessoa usa-se mocinha quando a dita cuja já não é mocinha (pré adolescente) mais.

Victor disse...

Quero deixar claro que quando eu falei sobre ser mais fácil para os homens cruzarem a tal "fronteira", quis dizer EM RELAÇÃO À SOCIEDADE e não À CAPACIDADE. Não é que os "empregos de mulher" (ou os que a sociedade acha que são) sejam mais fáceis ou menos importantes. '-'

Flávio Brito™ disse...

Bocejando Lola?
Vai dormir que resolve!

E Lola acho importante abordar os dois lados sim para tentar ter um pouco de igualdade né?

Muito fácil só falar de um lado (O das mulheres: vitimazinhas, coitadinhas, tenham dó das mulhers). Puts...

E sim você tem razão não fazem propagandas explorando o lado sexy dos homens.

E Lola desculpe viu, mas a mulherada adora esse lance de calendário dos mecânicos, se amarra na erotização de militares e adora as fotos de bombeiro molhados.

(Em casa de shows para mulheres então...)

Seu problema e que ainda esta nessa de Village People e queima de sutiãs .Acorda pra cuspir a mulherada se amarra!

Faça uma enquete pra ver.

Niemi Hyyrynen disse...

André

Eu sei que moça indica mulher jovem, mas disse que, no meu caso, tb já ouvi esse termo para dizer que o homem era gay.

Nem sempre uma palavra é usada para seu real sentido né? Mas tb não estou querendo dizer que moça é só o seu significado pejorativo (obrigada ai quem me corrigiu =p não sabia que pejorativo se escrevia sem o "r" 'perjorativo').

Agora essa coisa de usar "mocinha" para diminuir uma pessoa, é costume daqui, só aqui que já fui chamada de "mocinha" para ser repreendida, isso é questão de cultura.

Mas não vou entrar em detalhes pq essa não é o foco da questão aqui, nem quero abrir uma discussão paralela contigo.

abçs

Daní Montper disse...

O aeromoça é machista por denotar que é função de mulher, afinal, elas servem, atendem, e por associar à juventude - afinal, moças são jovens.

Lola, eu viajo bastante de avião, adoro! Meu sonho era ser pilota de caça, mas o meio militar nunca me atraiu por ser muito machista e autoritário (imagina ficar batendo continência pra qualquer zé mané só porque está num posto x HÁ!) então desisti. Nunca viajei com comandante mulher apesar de saber que existem e que o nº tem aumentado, e todas as comissárias que vi eram brancas e novas de no máximo 30 anos, mas já vi comissários também, e entre estes vi mais velhos - grisalhos, e negros também.

Sobre as propagandas, as profissões "de mulheres" são todas erotizadas mesmo, babá, professora, empregada, enfermeira, comissária etc são campeãs em filmes pornos e em fantasias de sexshop. Tem a de estudante (meninas) também, mas não é profissão e tem um indício claro de pedofilia aí.

O que me incomoda em relação as comissárias, pelo que vejo, é que elas sempre usam saias, nunca vi comissária de calça...

aiaiai disse...

mariana, ignorante, tudo bem, agora mentirosa é foda. O hehehe vc fez no seu primeiro comentário...

pra quem acha q é fácil mulher escolher profissão dominada por homens: minha médica (maravilhosa por sinal) me contou outro dia q queria ser engenheira. Era louca por matemática e física, tudo o que queria era saber mais. Seu pai a proibiu! Isso mesmo: proibiu. Ele disse: "filha minha não vai ser sapatona". E ela teve que aceitar. Isso aconteceu em meados dos anos 80...numa família de classe média urbana.

Vcs vivem num mundinho avançadinho e acham que todo mundo tem escolhas e pode ser livre. A mulher quer ser pilota? Por que não? Ora, ela foi estimulada desde pequena a ser pilota? engenheira? cientista? Não!

Não é possivel q é tão dificil assim de entender q a gente tá muito longe de acabar com esse machismo.

E tem mais: os homens também perdem. Se um rapaz chega para a família e fala: quero ser comissário de bordo? bailarino? enfermeiro? psicologo? ...a família dele vai duvidar da "masculinidade" dele, ou não?

O machismo é ruim para todo mundo.

Mais uma coisa: office-boy não é mais aceito. O certo é auxiliar de escritório. O termo office-boy é horrível sim, mas não é machista...é classista. Aquele q não conseguiu ser coisa melhor do que auxiliar de todo mundo. Nunca vai ser homem...vai ser boy, menino de recados. Moto-boy também tem correspondente digno - mensageiro.

Michelle Silva Toti disse...

Puxa, parece que tem gente que faz questão de "não concordar", só p/ polemizar.
O "moço" aí que disse que mulher adora bombeiro molhado e Village People, me fez rir até chorar.........jura que vc acha isso mesmo? Até meu marido está rindo.........kkkkk
Olha, a gente até se diverte e tal, algumas mulheres gostam de ir nesses clubes p/ curtir, mas vc sabe que é uma minoria, né? Está só querendo discordar da Lola, né?
Pq não é possível que vc nunca tenha percebido a diferença na quantidade de casas de strippers p/ homens e mulheres.
O que excita mulheres? Bom, nesse caso acho que somos bem diferentes dos homens. A maioria deles fica excitado com mulheres com bunda e peito grande, com roupa mini, lingerie, etc (veja bem, a maioria e não todos).
Acredito que as mulheres são mais heterogêneas, cada uma tem variações do que a excita. Mas Village People e bombeiro molhado com certeza não é a preferência nacional das mulheres, esse estereótipo se encaixa mais no imaginário homossexual masculino (eu acho)...........rs.

Niemi Hyyrynen disse...

Esse Flávio só quer instalar flamewars e depois sair dando risada, é um troll clássico.

A sexualização de profissões tidas como masculinas é mais corriqueira com homens gays, vejo poucas mulheres heteros que se derretem por estes esterótipos, mas em ambos os casos acho que isso é construido sob uma expectativa machista do que é serviço de "homem" e de "mulher".

Eu tb acho estranho essa sexualização, fui na ultima erotik fair e teve shows de streap tease, os meninos se fantasiaram de Jack Spearow (?) Blade - o caçador de vampiros (?) foi tudo muito ridiculo... o do blade foi o pior, o rapaz estava nitidamente constrangido e não conseguia ter uma ereção, ficou chaqualhando a "coisa" e os homens ficaram dando risada, as meninas, todas, ficam com vergonha (pela situação e com dó do cara), eu inclusive tapei os olhos de pena.

Nem falo do "chapeleiro maluco e a alice", aquilo foi uma vergonha alheia total.

Só homem mesmo que pira com essa sexualização toda, exagerada e sem freio.

O Impenetrável disse...

simplesmente me encantei com o conteúdo do seu blog, parabéns! já quero voltar aqui sempre.

grande abraço.

cuteychao disse...

Só pra constar, alguém aí perguntou e eu me manifesto: já cansei de ver comissária de bordo de calça comprida sim! Principalmente em voos noturnos! Acho que elas podem escolher se usam saia ou calça. (EU, se pudesse, usaria saia mesmo, odeio calça comprida e sou fã de meia-calça no frio!)

O Flávio falou aí das profissões predominantemente masculinas como minerador, pedreiro etc. Acho que em muitos desses casos rola também a barreira do porte físico, não acha? (Atenção para o "também". Existem outros fatores que contribuem para a falta de mulheres nas áreas, entre eles, penso, o machismo agressivo -- pleonasmo? -- da maioria dos colegas.)
Agora, uma observação: existem profissões predominantemente masculinas de todos os "níveis": dos menos aos mais poderosos. Pedreiro, encanador, passando por piloto, militar, chegando a senador, diretor de empresa, presidente da república. Enquanto isso, as profissões predominantemente femininas concentram-se nos níveis mais baixos de poder, com raras exceções: faxineira, doméstica, enfermeira, nutricionista...
Dá até pra pensar que homem tem mais oportunidade, ou estarei viajando na maionese?

Liana disse...

Pois é, né. Que mulher, depois de sentar de perna aberta, emitir uma opinião forte ou qualquer outra coisa na mesma linha, nunca ouviu "Isso lá é jeito de moça se comportar?", mesmo quando já chegamos numa certa idade. Além do significado mais direto da palavra algumas vezes(ou seja, nem sempre) também vem imbuído de um juízo de valor, um comportamento esperado, restritivo e machista. Sem contar que aqui no Brasil isso também pode ter significado de mulher virgem.

Homens suados(borrifados com água) em poses sensuais(?) em catálogos me fazem rir. Não gosto de pose. Interessante notar que mesmo essa tentativa de sexualizar profissionais homens, tendo mulheres como público alvo, eles ainda exercem uma posição dominante: bombeiros, policiais.. algumas vezes nem precisa de algo específico, bastam um terno e uma gravata, ou qualquer outro símbolo de poder, para algumas mulheres viajarem na fantasia mas ainda assim creio que são poucas. As fantasias femininas normalmente são mais elaboradas, costumam ter toda uma historinha e se prende bem menos em questões visuais(mas não exclui). Se refere mais a atitude do homem do que ao "uniforme" que ele usa.

Flávio Brito™ disse...

A moça e seu marido estão rindo porque a moça afirma que o moço escreveu algo que definitivamente não esta escrito no texto do moço.
Se a moça lesse direito, nem a moça e nem seu marido estariam rindo agora como o moço esta rindo neste momento.

Fica a pergunta: onde o moço escreveu que as mulheres gostam de vilage people?

O moço deve ter se enganado quando viu algunhas reportagens reproduzidas no youtube sobre o sicesso dos calendários dos Bombeiros de São Paulo né?

Vai ver que os repórteres inventaram tudo isso!

Igor disse...

Na TAM ainda tem aeromoça.

Patrick disse...

Eu ando de avião há 25 anos e nunca estive a bordo de uma aeronave comandada por uma mulher, nem como co-comandante.

Teresa disse...

Lá vem a chata do Cold Case: tem um episódio que conta a história das aeromoças americanas na década de 1960:

http://coldcase.wikia.com/wiki/Wings

Ao mesmo tempo que o episódio mostra o lado "nostálgico" da aviação nessa época (belas jovens servindo refeições chiques, em poltronas espaçosas, ao som de Frank Sinatra), mostra o que elas sofriam nessa época: assédio sexual dos pilotos, demissão se casassem ou completassem 32 anos e salários baixos.

Jéssica disse...

Eu acho interessante que na maioria dos comentários do André que eu li até agora ele fala como se soubesse mais sobre como o machismo afeta as mulheres do que as próprias mulheres feministas. (Acho importante ressaltar o "feminista", já que uma mulher machista seria tão cega quanto ele.)


Sobre comentarem que homem se excita por fantasias e tipos de corpos de mulheres bem específicas, enquanto as mulheres são mais heterogêneas. Isso me fez pensar que é outra consequencia do machismo: Os homens gostam mesmo de todos esses padrões de excitação ou foram ensinados a gostar?
No caso das mulheres, nossa sexualidade é negada mesmo, então de acordo com o senso-comum não nos excitamos por nada. Acho que por isso o imaginário sexual feminino (das que se permitem isso) é mais diverso.

João disse...

Pois é, Flávio. Quem menciona Village People é a Lola, mas a comentarista, no afã de desmerecer seu comentário, misturou alhos com bugalhos. Normal. Ela tinha que desvalorizar o que você escreveu, já que você se opôs ao texto inicial...

Fiquei um tempão sem aparecer por aqui e por azar vim hoje dar de cara com mais um texto desses... Queria tanto ler sobre cinema (algo em que a Lola realmente sobressai).

Mariana, parabéns por seus comentários e por seus pontos de vista. Admiro você há tempos! E sua educação e bom-senso também! Pena que algumas pessoas se acham no direito de chamar outras de mentirosas aqui, quando o que se espera das pessoas é educação, no mínimo. Lamentável.

Tive a pachorra de ler todos os comentários. E fiquei feliz em ver que nem todos têm o mesmo ponto de vista da autora do texto inicial. Que coisa boa! É incrível como forçam a barra quando falam de machismo, de bestialização da mulher, de submissão das coitadinhas, do parco salário que elas ganham...

A propósito, alguém escreveu que é proibido mulher se candidatar ao cargo de piloto (no masculino, porque é assim que se diz; não é machismo meu, como certamente já estão querendo escrever! Assim também se diz "cargo de prefeito" e não "cargo de prefeita" e por aí vai) ou a qualquer outro? ELAS não procuram o curso/cargo (sim, sim, algumas procuram, estudam são aprovadas e conseguem a vaga) e isso é assunto pras "feministas". Percebo que muitas aqui são inteligentes, mas defender certas posições depõe contra vocês. Usem bom-senso mais vezes...

Flávio, ler seus comentários é um bálsamo!

André disse...

Michelle Toti,
O que excita a maioria das mulheres?

André disse...

Niemi,
O que excita não é a fantasia ser da mulher-maravilha ou da mulher-gato (para os nerds talvez), é a fantasia ser coladinha ou mostrar muito do corpo da mulher.

Flávia disse...

Lola,

O lance das idades das comissárias tem muito a ver com o ritmo estressante de vida delas. Faço aulas com uma menina que é comissária de voos internacionais e ela não tem rotina e diz que a maior parte das comissárias trabalha por um tempo, porque depois não aguenta... Especialmente se quiser ter família, filhos etc

Ela por exemplo fica 3 dias por semana em escala, variando o fuso horário. Qdo volta só quer dormir por 24 horas...

Enfim, não é algo para vida toda mesmo, a menos que você goste muito!

No mais, já encontrei várias comissárias na faixa etária dos 40... obviamente não são maioria.

Ah, a maquiagem é exigência das cia aéreas e elas têm aulas no curso de formação... Afffff!

Flávia disse...

Ah, já voei com uma pilota no Chile, muito boa por sinal... nem senti o avião tocar no chão.

samya disse...

Você tem viajado pouco Lola, eu cansei de pegar vôos com mulheres de idade bem acima dos 35 anos, ainda que estou de acordo com alguém que comentou ai que deve ser um troço hiper desgastante e depois de uma certa idade deve pesar.
Outra coisa, alguém falou sobre aeromoças negras, eu não fiz muitas viagens aéreas dentro do pais, então não posso opinar, mas linhas americanas como a United tem uma quantidade consideravel de mulheres negras ( e homens também), air france tem aeromoças negras, british idem. E outra coisa, ja peguei vôo onde haviam mais "aeromoços" que "aeromoças", a Alitalia é um exemplo disso.

Michelle Silva Toti disse...

Primeiro comentário do Flávio:"A erotização profissional não acontece somente com mulheres, acontece com homens também (Mecânico sexy, o bombeiro no uniforme sexy, o peão de obra musculoso)."
Segundo comentário do Flávio: "E Lola desculpe viu, mas a mulherada adora esse lance de calendário dos mecânicos, se amarra na erotização de militares e adora as fotos de bombeiro molhados."
Resposta da Lola: "A erotização de algumas (poucas) profissões masculinas acontece sim, mas 1) muitas delas começaram a ser erotizadas por outros homens (gays), não por mulheres (vide Village People); e 2) essas profissões não são erotizadas pelas EMPRESAS."
Bom Flávio, realmente quem citou o Village People foi a Lola, mas devido às suas afirmações, ela usou como exemplo.
Então, desculpe-me pela citação falha, mas as suas afirmações permanecem.

Flávio Brito™ disse...

Niemy

Pega leva ai pô!
Tive que fazer uma pesquisa só pra entender esse lance de “flamewars”

Sabia que você é minha comentarista favorita aqui?

leio todos seus comentários.

“...é um troll clássico.”

Vindo de você doeu de verdade viu!

Porque você não me chama de troll quando eu concordo com Lola?

Quantas vezes você me viu falando receita de bolo, ofendendo, usando termos como feminazy, gorda ou puta aqui em?

Mas basta discordar do texto: Olha o Troll! ignora ele gente, é um reaça!

Mas gosto de honesto e vou concordar com seu comentário não vejo graça nesse lance de fantasia. Se uma mulher se vestir de mulher gato pra mim e subir no muro miando a única coisa que vou sentir é vontade de rir!

Michelle Silva Toti disse...

André, jura que vc quer que eu saiba o que excita a maioria das mulheres? Difícil, né! Mas acho que a mulher é mais contexto, não adianta chegar com algum acessório ou roupa diferente se durante o dia foi um panaca.
Por outro lado, tem mulher que não liga, se estiver com vontade de transar vai lá e transa, mesmo se estiver brava com o cara.
Como disse, cada uma tem suas preferências. E isso deveria ser bem interessante p/ os homens.

André disse...

Jéssica,
Cansei de ver mulheres falando "Senhora está no céu, pode me chamar de fulana" em resposta a um tratamento que deveria ser considerado respeitoso. Então não tenho pretensão de definir como cada uma é afetada pela forma que é chamada, o que eu pretendo é apenas informar sobre as intensões de quem está emitindo esses tratamentos, claro que quando eu fizer parte desse grupo e no contexto da minha região, classe social, etc.

aiaiai disse...

queridos,
fugindo do assunto principal, mas não aguentei essa conversa do que excita.

Fica a dica:
O que excita qq pessoa, seja homem, seja mulher, de qq orientação sexual, é o amor.
Qd vc gosta de alguém, esse alguém te excita até quando tá gripado com nariz escorrendo.kkkkkkkkkk

É isso. Sou muito liberal, já fiz muito sexo de ocasião, por uma noite, etc...mas sempre com alguém por quem eu fiquei excitada ñ pela perna assim ou a barriga assado. Mas pelo que eu senti da pessoa.
Procurem alguém para amar e verão o como é bom se sentir excitado de verdade!

Ártemis disse...

Não li os comentários, mas descobri HOJE que informática/programação era considerada profissão 'feminina' nos idos dos anos 60.

André disse...

Michele e aiaiai,
Então eu entendi errado, achei que vocês poderiam me dar a dica para abrir um clube de mulheres revolucionário e ficar rico.

Isis disse...

Resumindo: a Lola fez críticas válidas e outras não (por pura falta de conhecimento do meio, normal).

O problema das pessoas é querer ser donas da verdade sempre.
Acho tão lindo quando vejo todo mundo debatendo, dando suas opiniões e muitas vezes aprendendo coisas novas, que não conseguiam enxergar antes. Normalmente eu não comento, só leio os comentários, e posso dizer que muitas vezes aprendo mais com eles do que com o post em si.

Mas achei muitos comentários de hoje desnecessários.

Por exemplo, quando a aiaiai disse "mariana, ignorante, tudo bem, agora mentirosa é foda" caí pra trás. Okay, a pessoa pode não concordar com você e ela pode até estar errada, sei lá, mas precisa falar(escrever) assim?
Respeito, pessoal. Se houvesse mais respeito no mundo muitas coisas que combatemos não existiriam.

Isabel SFF disse...

Lola, sou obrigada a discordar quando vc diz que a diferença de salário entre pilotos e comissárias de bordo é uma questão apenas de gênero. É necessário muito mais tempo de preparação na primeira profissão do que na segunda. Lembrando, é claro, que vc mesma concordou com o argumento de que doutores merecem um salário mais alto pelo tempo que se dedicam à pesquisa em outro post.

Óbvio que eu não concordo que haja uma diferença brutal na remuneração dessas duas profissões, ou que não há nenhuma questão de gênero envolvida nessa diferença (afinal, a maioria esmagadora dos pilotos, ou seja, das pessoas que conseguem chegar a essa posição mais privilegiada na sociedade, são homens).

Gabriela disse...

O machismo do termo "aeromoça" tá na presuposição de que só mulheres jovens estão nessa profissão.

Lembro de uma conhecida minha q estava reclamando de uma compania aérea que, de acordo com ela, "só tem aerovelha" - como se a idade da comissária mudasse alguma coisa no atendimento ou no conforto da viagem.

Só porque mencionaram o Voando Alto: vi esse filme umas duas vezes, e acho q ele tinha tudo pra ser bastante ácido - mas ficou no meio do caminho entre a sátira e a comédia romântica e fofinha e não é bom em nenhum dos dois.

Isabel SFF disse...

E, bem, confesso que só viajei de avião duas vezes na minha vida. Nos dois vôos, os pilotos eram homens, mas também havia homens na equipe de comissários.

Blanca disse...

Ainda são saquei. Chamo de "moça" qualquer mulher, porque é melhor que chamar de "tia" :P

Blanca disse...

Olha, rs, tá fácil não. Pra mim "aeromoça" só tem "moça" porque primeiro eram só mulheres no cargo. Daí aeromoça.


Não sabia dessa de moça ser designado só pra mulheres jovens...

denise disse...

Poxa Lola quase sempre assino em baixo do que vc escreve, mas dessa vez , não consegui ver a situação da maneira que vc vê, acho a profissão de comissária de bordo muito bonita, os uniformes pra mim não são sensuais e sim muito elegantes, tenho um amigo que é comissário de bordo o que já sai do estereótipo, só que ele é gay, e até mora com seu parceiro que também é comissário na mesma empresa, já vi varias comissárias mais velhas também, só que em empresas estrangeiras, o que eu vou concordar com vc e com alguém que comentou é que realmente nunca vi uma comissária ou comissário de bordo negro, o que certamente deve remeter ao fato do que é considerado boa aparência, e acho isso lamentável.
De resto o termo aeromoça pra mim não parece ser machista, o que há é muitas piadinhas, que até o meu marido já fez , quando fomos atendidos por uma comissária mais velha, e ele a chamou de aerovelha, não achei nada engraçado, mas já estou acostumada com as piadas sem graça dele.
Alguém falou também que as mulheres não acham certas profissões masculinas excitantes, bom eu talvez seja exceção, rrrsssss porque eu curto um clube das mulheres, e adoro o mecânico da manutenção rrssssssss.

Marilia disse...

Olha, nem precisei de texto nenhum para perceber que "aeromoça" é um termo sexista. Antes de ser mudado para comissári@ de bordo, não havia aeromoços.

E muitas profissões são estressantes e cansativas e contam com muitas pessoas de mais de 40 anos na ativa.
Eu voo moderadamente e pouco vejo pessoas mais velhas como comissári@s. Vejo pessoas com trinta e poucos anos, mas na nossa sociedade hoje, isso é jovem ainda.

E acredito que muitos aqui moram em um Brasil que eu não conheço, porque olha, ;e facilidade de escolher profissão, é pouco machismo, é liberdade igual para homens e mulheres. Serão universos paralelos?

Eu quis ser piloto (na época nem se pensava em chamar de pilota) de caça e quem disse que podia? Fiz prova para a AFA (academia da força aérea), mas mulheres só podiam trabalhar na parte burocrática (intendência); nem podiam tentar ser pilotos, nem infantes.
Em 2003, abriram essa possibilidade para mulheres na AFA, mas a EPCAR (escola preparatórias de cadete do ar), que forma cadetes para a AFA e futuros pilotos, ainda é fechada apenas para homens.

E vão querer me dizer que as oportunidades são iguais? Que não há machismo? Que algumas profissões não são mais procuradas, pela própria estrutura social que temos, mais por homens que por mulheres e vice-versa?

É ingenuidade demais.

Niemi Hyyrynen disse...

Flávio

Vc é meu fã mas nao sabe escrever nem o meu nome direito, é "Niemi" não "Niemy" magina se tentasse escrever meu sobrenome...

Desde quando vc concorda com alguma coisa que a Lola escreve?

E desde quando vc não usa um argumento que seja uma reclamação, ou uma acusação, lamuria...pra mim isso é receita de bolo, bem azedo aliás.

Mas que bom que vc gosta dos meus comentários, ^^


Blanca

Vc prefere chamar qualquer mulher de moça do que tia, pq?

Pq tia é sinonimo de ser velha? E pq ser velha pra uma mulher é ruim? Ser tia é ser solteirona? Não ter um "macho" ao seu lado?

Acho que vc já tem parte da resposta...

Jéssica disse...

Blanca, acho que a confusão que você está tendo é por causa do regionalismo, aqui onde eu moro, por exemplo, moça quer dizer mulher jovem, e tb pode designar homem gay.

Daní Montper disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daní Montper disse...

Quando a Lola tocou na questão de # de $ de comandante e comissária não foi por achar que é a mesma coisa e ambos devem ganhar o mesmo e sim por uma profissão ser 'de homem' e outra 'de mulher', pois por ser uma função considerada feminina ganha muito menos que uma profissão tida como masculina, se ambas fossem masculinas o salário não teria tanta disparidade.

Blanca, para pessoas desconhecidas usa-se moça/moço para jovens, senhor/senhora para mais velhos, nunca reparaste?
Na dúvida, vejas no dicionário, moça é tratamento informal para mulher jovem - ou adulta que ainda não aparenta estar velha.

Não gosto de chamar de tia/tio a quem não é minha tia/meu tio, e não tem a ver com ficar 'para titi@'. Nunca chamei os pais e as mães de meus/minhas amig@s dessa maneira quando adolescente porque não tínhamos parentesco, e acho muito estranho chamar gente desconhecida assim.

Elisa Maia disse...

Parabéns pra todo mundo que já sacou de cara o machismo do termo "aeromoça", uma pena que aparentemente não gostem de compartilhar sua sabedoria com todo mundo.
Eu também chamo todas as mulheres de moça, embora algumas pessoas riam de mim por causa disso (elas dizem "aquela não é uma moça, é uma SENHORA", mas eu não vejo a diferença, sou meio alienada pra essas coisas). Nunca entendi "moça" como termo pejorativo, pra mim é uma forma mais elegante de chamar uma mulher, e menos pomposa do que "senhora". Isso pode vir do fato de que na minha família nem as mais velhas aceitam ser chamadas de senhora por quem quer que seja, já vão dizendo que "senhora tá no Céu". Enfim, cada um tem seu contexto, seu background, ou sua ingenuidade, como preferirem.

carolinapaiva disse...

Eu nunca vi sentido no termo "aeromoça", sendo que existe o termo correto "comissário de bordo". Pra mim, o primeiro termo dá a entender que a mulher jovem (moça) esta lá para ser um enfeite do avião, não é um termo que mostre a função da profissão, só diz que "no avião, há moças". Prefiro o segundo termo, é mais claro e simples.

Em relação ao texto: mulheres são minoria como mineradoras e pedreiras pelo mesmo motivo porque homens são minoria como empregados domésticos e babás, por exemplo. Essas são profissões generizadas. Olha o exemplo da personagem de Lilia Cabral na novela da Globo. É uma mecânica chamada de "Pereirão". O filho tem vergonha dela, já que ela "não é feminina como as outras mulheres". Agora imegine a situação do homem que é empregado doméstico, surge o estereótipo do "viadinho", "empregadinha", etc.

carolinapaiva disse...

ERRATA: imagina*

Sobre o termo "moça": eu sou a única pessoa que chama as pessoas de moça E moço? Pra mim não é um termo somente feminino, sempre vi muita gente falando "moço" também. Pode ser regionalismo, sei lá.

Marilia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marilia disse...

Não é caso de ser super inteligente, só de realmente não ser ingênuo e se perguntar porque algumas profissões são específicas de determinada parcela da população e verificar como essas profissões são representadas. Aeromoças são constantemente representadas como beldades no ar.

E é observar que não há aeromoços, não existe essa profissão, ou pelo menos os "aeromoços" não se intitulam dessa forma. Existe comissário de bordo.

Mas um pouco de esforço na interpretação iria bem, né? Mais esforço em entender o outro e menos em se defender de algo que nem foi direcionado a alguém espcificamente ajuda bastante.
Como no caso da aiaiai, que falou de si mesma e já disseram que ela estava se referindo à Mariana.

E mais: em nenhum momento se disse que o termo "moça" usado para mulheres jovens é pejorativo, mas que o nome "aeromoça" para a profissão é sexista/machista.
Tão sexista que não havia aeromoços, mas comissários de bordo, como até hoje são chamados.

Elisa Maia disse...

Também acho que não é questão de ser super inteligente, apenas de disposição para dialogar. Quanto ao esforço de interpretação, imagino que não esteja de referindo à afirmação do post: "aeromoça é um termo machista". Dá pra entender o que a frase quer dizer, só que algumas pessoas não encontraram o machismo da palavra logo de cara. Eu acho que encontrei, não tinha pensado nisso nunca e depois de ler uns posts acho que entendi, mas sabe, acho que tem rolado por aqui um certo clima de "ai, que saco, pessoas que não entendem tudo de cara e não vivem no mesmo mundo que eu". Que enfado é esse com o dialogo, gente? Se eu não quisesse conversar, não comentava. Adoro uma troca de idéias.
Deixando claro que isso é uma tentativa de crítica construtiva. A gente gosta muito de analisar o mundo, a sociedade, o preconceito dos outros e tudo mais, mas às vezes pode esquecer de analisar a própria postura. Sei lá, normalmente eu acabo desistindo de blogs e fóruns por causa disso: o pessoal aos poucos deixa de se concentrar no debate e passa a se concentrar em formar grupos de idéias comuns. O comportamento passa a ser padrão: ser legal com quem concorda com você e ter pouca paciência pra quem discorda ou questiona ou não tem opinião formada. Não estou nem me referindo a pessoas específicas nem dizendo que isso é uma regra por aqui. Mas acho que vale a pena tod@s pensarmos nisso, porque é muito fácil cair nesse erro e estragar toda uma oprtunidade de ter um diálogo frutífero e bacana.
Mais uma vez, perdão pela ingenuidade.

Flávia disse...

Olha, eu não sei a respeito dos vôos domésticos, em que eu nunca vi uma comissária mais velha. Mas com relação aos vôos internacionais eu sei bem onde estão as comissárias mais velhas: na classe econômica, minha gente! Eu não sei das outras companhias, pq eu geralmente só vôo pela British Airways, mas é sempre a mesma coisa: colocam uma aeromoça novinha e ultra-maquiada na primeira classe, mesma coisa na classe de negócios e na classe econômica ficam as mais velhas! O que eu sinceramente acho uma puta de uma sacanagem, pq a novinha/bonitinha teria, pelo menos teoricamente, mais energia para servir a galera da econômica, que é muuuuuuuuuuito mais numerosa que a galera da primeira classe.

Andrea disse...

Lola, muita coincidência! Comentamos sobre esse assunto na aula de estudos de gênero nesta segunda-feira!

Leila Silva disse...

Eu já tomei muitos vôos na minha vida, inclusive na Ásia e é evidente que a Lola tem razão na análise, em companhias europeias (e talvez outras) existe sim comissárias mais velhas, mas foge à regra, senão a gente não ia reparar tanto...eu me lembro que a Lufthansa é uma dessas companhias onde se via comissárias mais velhas e eu sempre reparei nisso, quer dizer, chama a atenção porque não é uma coisa que se vê todo dia. Além disso alguém observou aí que essas mais velhas atendem a classe econômica...e nisso eu nem tinha pensado. Enfim, é preciso 'olhar' para ver, não é ser cricri e reclamar da falta de oportunidades. Uma comentarista colocou que a oportunidade existe e que basta as mulheres se atirarem...infelizmente não é bem assim, não é fácil entrar num meio até então considerado masculino. Eu por exemplo trabalhei durante uma época em cursinho pré vestibular, muitas vezes eu era a única mulher na sala dos professores (um dos poucos lugares onde há mais professores do que professoras...pq será?)e não era o ambiente mais agradável do mundo, ouvir as piadas desrespeitosas, comentários sobre as alunas, só para ficar num exemplo. Enfim, há muitas barreiras, talvez a comentarista seja muito jovem e ainda não tenha tido tempo de analisar o mundo tal qual ele é.

comixzone disse...

Ai Lola,lança uma campanha para cotas de mulheres para pilotar avião.Ou faça uma pesquisa para saber se mulheres querem seguir essa profissão.

Flasht disse...

Leila, vc acha que homem não passa pelo mesmo se for minoria?

Ter que ficar ouvindo babação e besteiras de mulheres

Marilia disse...

Pobres homens, né? Coitadinhos. O pior é que a bobagem que eles ouvem por escolherem uma profissão normalmente vêm dos próprios homens, que dizem logo que aquilo não é profissão para homem.

Elisa, você fez um ótimo discurso sobre as pessoas estarem se fechando em grupos e tudo o mais (e eu acho que essa tendência é natural e não discordo que muitas pessoas aqui, eu inclusive, são talvez incisivas demais nos comentários - coisa que na sociedade brasileira é vista como grosseria, mas na verdade é apenas uma resposta sem se preocupar em resguardar a face alheia) e no final você termina com uma ironia que se enquadra como exemplo do que você reclamou.

Reitero, já que não estou sendo grosseira: é ingenuidade não atinar para o sexismo de certos títulos, certas expressões e certas situações que vivenciamos. E isso não significa que a pessoa a quem chamo de ingênua seja pior do que a que não considero ingênua.
Para ajudar, um exercício de "empatia" simples: sempre pensar como seria se nessa situação estivesse um homem ou uma mulher. E daí será mais simples de perceber se há diferença de tratamento ou não.

Mas que é ingenuidade, é!

Summer disse...

Sou feminista e futura comissária. Te admiro muito e gostei desse post, mas quando li a crítica ao filme "voando alto" eu fiquei surpresa com a ignorância. Pergunte a garçonete do restaurante mais luxuoso que você puder ir se ela vai saber como agir em uma emergência, se vai saber primeiros socorros, combate ao fogo etc. Provavelmente não. Isso em operações em terra. Comissárias precisam de treinamento sim, precisamos agir rápido se qualquer detalhe der errado.
Só quis dizer isso pra que você, na próxima vez que você pegar um avião, olhe com mais respeito pra pessoa que vai servir seu café, pois se algo acontecer, você pode ter a sorte de ser salva por el@.
Bom, com certeza alguma comissária já te disse coisas parecidas, espero que você tenha mudado de ideia sobre nós.

Mariana. disse...

essa aiaiai é mto da mal educada msm, viu? me chamou de ignorante pq eu fiz uma pergunta! sou obrigada a saber tudo, ué?!

e me chamou de mentirosa tbm! qdo neguei o "hehehe" do primeiro comentário?!

você é completamente desequilibrada. vai se tratar.

Cristina disse...

Lola,

A imprensa (claro, sem generalizar), acaba contribuindo para fortalecer a visão sexista em relação ao mercado de trabalho. Mesmo quando aborda o ingresso de mulheres em profissões consideradas masculinas, nem sempre o faz de maneira aprofundada. A ANDI publicou recentemente uma análise de mídia sobre Mulheres e Trabalho. A pesquisa faz parte de uma série intitulada Mulheres na Imprensa. Acho que vale dar uma olhada. O link é http://www.andi.org.br/inclusao-e-sustentabilidade/destaque-inclus-sustent/mulheres-e-trabalho-imprensa-valoriza-trajetoria . Fica a dica.

Mari Lee disse...

Vou aproveitar a deixa do tratamento diferenciado que a comissária deu às crianças pra desabafar: uma amiga está grávida e acaba de descobrir (e postar no Facebook) que será mãe de uma menina.
Daí choveram os comentários: "parabéns, uma princesinha!" "tenho certeza que ela será linda!" "uma bonequinha!" etc.
Eu fiquei com vontade de xingar todo mundo de machista! rs Mas me segurei, e aí fiquei sem saber o que escrever...

cuteychao disse...

Marília, sobre a suposta ironia com que terminei meu comentário, na verdade, foi ironia e não foi: eu realmente, de verdade, me considero uma pessoa ingênua! Várias vezes eu percebo isso, volta e meia alguém faz uma declaração sobre o mundo/a sociedade/o status quo com a qual todo mundo concorda, e sobre a qual eu nunca tinha pensado ou que não tinha percebido.

Mas acho um pouco insuficiente da parte das pessoas quando elas só olham pra mim e dizem "que ingenuidade! como é que você não sabe disso?" Eu assumo a minha inocência/ignorância, mas isso não significa que não esteja disposta a pensar sobre nada. Infelizmente, tenho a impressão de que tem pessoas que chegam a se ofender com a minha (falta de?) percepção das coisas. E eu não me considero intransigente nem arrogante, estou sempre, SEMPRE disposta a tentar ver as coisas de outro jeito.

Então, sim, fui irônica e não fui. Fui, porque não acredito que as pessoas tenham de se envergonhar de não entenderem uma coisa, e não fui, porque reconheço minha ingenuidade e sei que às vezes isso retarda a discussão, porque tenho que pedir explicações sobre assuntos ou idéias que muitas vezes estão bem claras pra todo mundo.

cuteychao disse...

Ah, desculpa, Elisa e Cuteychao são a mesma pessoa, sou eu, mas vivo esquecendo se estou logada como uma ou outra! (Não tenho "fake", só tenho duas contas diferentes.)

Marilia disse...

elisa, se não foi ironia, desconsidere. E ser ingênuo não é ruim, é só ingênuo!
=P

Mas o exercício de empatia ajuda a pensar se há ou não diferença para homens e mulheres...assim que eu faço.

Gente, quero só dizer que muitas das discussões que se fazem aqui eu uso nas aulas de redação. Obrigada, Lola, pelo espaço, e comentaristas, pelas ideias e informações que vocês dão.

Elisa Maia disse...

Marília, com certeza tentarei praticar esse exercício daqui pra frente! Valeu pela sugestão!

mundomel disse...

Gente, aeromoça é um termo machista sim, por favor! E o modo como a profissão é retratada só reforça isso.

E eu concordo com a leitora aqui que colocou o caso de ser piloto da AFA: não tem como mulher ser piloto de caça no Brasil. Tem uma lei lá bonitinha dizendo que pode, mas você não consegue se matricular num curso pra fazer a prova. E se você não fizer um curso, você não passa. Simplesmente assim. Vai me dizer que isso não é machista?

Mesma coisa vale pra mulher motorista de ônibus. Quantas vocês já viram? Eu já vi pouquíssimas. Uma vez eu vi uma num ônibus interestadual e tinha um povo surtando dizendo que queria a passagem de volta. Isso não é machismo?


Ah, tem hora que eu estresso.

disse...

Oh! Não sabia que aeromoça era um termo machista nem que estava em desuso! Deve ser pelas milhares de vezes que ouvi o comentário: "Que legal você querer ser aeromoça!" Porque pra mulher querer fazer engenharia aeronáutica só pode ser pra virar aeromoça né? Afinal, pra ser engenheiro e piloto tem que ser homem!

Elisa Maia disse...

Eita, caramba, ninguém questionou que aeromoça fosse um termo machista, só perguntaram por que é machista! XD
O modo como elas são retratadas na mídia (pelo menos nesses exemplos que a Lola postou, a maioria estrangeiros -- faz um tempão que não vejo propaganda com elas no Brasil) não é a explicação para o machismo do termo. Se fosse assim, enfermeira e colegial seriam termos machistas, porque também são sexualizadas pela mídia.

Caos disse...

Ainda bem que cresci com uma visão diferente dessas coisas pelo fato do meu pai ter sido comissário de bordo a vida toda.
Nas viagens que eu fazia quando era criança no início dos anos 90, (principalmente as mais longas, de muitas horas), a maior parte da equipe era composta por homens, e todos da equipe tinham por volta dos 40 anos de idade.
Nas viagens curtas, a idade da equipe diminuia e, em voos domésticos grande parte era composta por mulheres.

Não sei como anda essa assunto atualmente pois não viajo mais com tanta frquencia..

Anônimo disse...

são contratadas mulheres mais jovens pq muitas q tem o curso nao conseguem o tal sonhado emprego e quando tem a chance ja sao um pouco mais velhas e elas ja podem estar em outro ramo e se entrarem na empresa tiram a chance das q sao formadas a pouco tempo. No caso das pilotos (pq nao se pode falar "pilota" , minha irma esta fazendo faculdade de "Piloto Privado" todos podem conseguir o q quer ou realizar sonhos, basta acreditar e ter fé

Carol Oliveira disse...

são contratadas mulheres mais jovens pq muitas q tem o curso nao conseguem o tal sonhado emprego e quando tem a chance ja sao um pouco mais velhas e elas ja podem estar em outro ramo e se entrarem na empresa tiram a chance das q sao formadas a pouco tempo. No caso das pilotos (pq nao se pode falar "pilota" , minha irma esta fazendo faculdade de "Piloto Privado" todos podem conseguir o q quer ou realizar sonhos, basta acreditar e ter fé

Uma pessoa disse...

João das 11:56, o termo "piloto", nesse caso, serve tanto para mulher quanto para homem. Isso é uma regra do português (a palavra pode ser tanto masculina quanto neutra), independente de nossa opinião de ser machista ou não.