sábado, 14 de maio de 2011

PRIMEIRO BEIJO GAY DA NOVELA BRASILEIRA

Foi anteontem, em Amor e Revolução, novela do SBT na faixa das 22:15 horas (ou tão logo termina a novela da Globo), o primeiro beijo gay (veja aqui). Era pra ter sido na quarta, mas, como tava criando expectativa, deixaram pra quinta. Foi até anticlimático, porque, convenhamos, é só um beijo, pô! É impressionante, absurdo até, que um simples beijo continue sendo tabu. Eu lembro bem de uma novela global (só não lembro qual) que eu não acompanhava. Lembro porque assisti o último capítulo no alojamento dos Jogos Abertos de Santa Catarina com um grupo imenso de gente que era fanática pela novela, e havia todo um suspense se esse último capítulo iria ou não mostrar um beijo entre dois namorados gays. Isso deve ter uns nove anos. Toda vez que os dois rapazes se aproximavam um do outro, vinha um barulho ensurdecedor da plateia. Um tipo de histeria mesmo, como se todos aqueles atletas reunidos na cantina do alojamento fizessem questão de esfregar na cara dos outros a sua heterossexualidade. E, pra deixar claro que eram homens com H e mulheres com, sei lá, m maiúsculo, precisavam expor seu desagravo a qualquer ato de carinho homossexual. O beijo não saiu naquela novela, mas só a ideia de um afaguinho gay foi suficiente pra causar comoção. No ano seguinte teve Mulheres Apaixonadas, novela que eu seguia, e lá havia um casal de adolescentes lésbicas, lindas, meigas, totalmente estruturadas. Mas nada de beijo. Nesses casos todos, tenho certeza que o conservadorismo do público falou mais alto. A Globo mantém discussões em grupo em que sonda espectadores o tempo todo, e imagino que esse pessoal veja homossexualidade como algo desagradável. Não posso acreditar que o meio artístico composto por atores, diretores e autores de novelas seja homofóbico. Isso vem do público. E como as emissoras fazem qualquer coisa pra não perder ibope, não confrontam preconceitos. Pelo contrário: na sanha de satisfazer seu público a qualquer custo, reforçam todo o machismo, racismo e homofobia do nosso dia a dia.
Fico feliz que Amor e Revolução tenha rompido essa barreira. Esta novela com ibope tímido (será mesmo que só tem dois por cento de audiência? Ou isso se deve à manipulação de dados, já que a empresa Ibope tem laços pra lá de estreitos com a Globo?) vem rompendo várias barreiras. Eu tento assistir todos os dias (menos fins de semana), e estou gostando. Claro, muitos diálogos são bobinhos (parecem mais discursos; o maridão vive reclamando que ninguém fala daquele jeito), algumas interpretações deixam a desejar, as cenas de ação são toscas, vários atos não se encaixam no contexto histórico (não tinha tanta guerrilha clandestina em 64! O pessoal só passou a pegar em armas mais tarde, depois do AI-5), mas nada disso importa. O que importa é que a trama não se cansa de passar imagens horrorosas de tortura, e que fica bem claro quem são os mocinhos e os vilões nessa história. É muito forte a cena em que uma mulher, mãe, boa gente, que vem sendo torturada e estuprada por um bando de policiais e militares sádicos, vira pra um deles e diz: "Algum dia você vai pagar por isso". E o cara, profético, convicto, responde que não vai, não. Cenas como essa fazem com que a gente exija uma revisão da anistia. Quero uma Comissão da Verdade. Quero que esses assassinos e torturadores sejam punidos. Outras ditaduras sul-americanas tiveram a coragem de ajustar as contas com o passado, e isso é fundamental para que esse passado não volte nunca mais. O Brasil precisa fazer isso também. Eu, que sou uma pessoa bastante politizada, pensava que não era o momento desse acerto de contas, que é melhor não revirar traumas. Por causa da novela, mudei radicalmente minha opinião. É covarde o país que não aceita enfrentar seus fantasmas.
Além das cenas de tortura, tem também os depoimentos de sobreviventes no final de cada capítulo. Só aquilo já é um documento precioso. Olha, se essa novela passasse na Globo, todo mundo só estaria falando em golpe, tortura, guerrilha, anistia. O país inteiro estaria respirando a ditadura militar. Como a novela passa no SBT, dá pra varrer pra baixo do tapete, pra sorte dos militares e demais reaças que insistem em chamar golpe de revolução.
Mas voltando ao beijo, ele também foi um ato político de suma importância, ainda mais agora em que a união estável foi aprovada, em que se discute o projeto que criminaliza a homofobia, e em que dinossauros bolsonarianos distribuem cartilhas preconceituosas feitas com dinheiro público. O beijo aconteceu entre duas mulheres, uma editora e dona de um jornal (Giselle Tigre) e a outra, advogada nesse jornal (Luciana Vendramini). Essa editora, hétero, é apaixonada por um jornalista mais velho, casado, fiel à mulher. E a advogada declara seu amor por ela, e ela responde que nem se imagina beijando uma mulher. O beijo é bem intenso, mas os diálogos que as duas trocam é que são essenciais. A advogada diz que mulheres são ensinadas a não explorarem sua sexualidade, e que é imensa a raiva contra moças que mostram poder ter prazer sem a participação de um homem. Muito bom. Se isso conscientizar alguma pessoa mais atrasadinha das ideias a aceitar as diferenças, já terá valido a pena.
Sei que tem gente reclamando porque nenhuma das duas personagens é mesmo homossexual, mas acho que o pessoal tá vendo por uma ótica de hoje. A novela se passa em 64, quatro anos antes de Stonewall, uma das primeiras mobilizações gays no mundo. Naqueles tempos, a psiquiatria ainda via homossexualidade como doença, e a "cura" pedia choque elétrico. Tudo aquilo que Bolsonaro
e seus odiosos seguidores dizem atualmente só não era considerado lugar comum em 64 porque havia pouquíssimos gays assumidos, então as pessoas podiam fingir que esse pessoal esquisito não existia. Portanto, considero a escolha das personagens para o primeiro beijo gay condizente com o período retratado. Além do mais, gente, até hoje existe mulher que foi hétero a vida toda e que se descobre gay depois dos trinta, quarenta anos. E existe lésbica que tem tesão por homem, ué (uma das minhas melhores amigas, lésbica assumidíssima, disse que ela adora o corpo masculino, mas só se apaixona por mulheres. Acho que hoje ela se relaciona apenas com mulheres, o que é bem parecido com o que diz a personagem da Vendramini).
Há também potencial pra um outro relacionamento gay na novela, este entre um diretor de teatro, que parece ser bissexual, e um torturador infiltrado. Vamos ver no que dá. O bom é que o autor Tiago Santiago não aparenta ter medo de ousar. Li em algum lugar que os primeiros não sei quantos capítulos já estão prontinhos, mas que vai chegar uma hora em que o público é que vai decidir algumas coisas. Aí é que eu tenho medo.

Nos comentários surgiu uma discussão sobre se o beijo foi menos transgressor por ter sido entre duas mulheres (não entre dois homens), sendo que este é um fetiche masculino. A Aoi Ito escreveu ótimas respostas que foram transformadas neste guest post importante.

86 comentários:

Eduardo Marques disse...

É, tava demorando mesmo para alguém quebrar essas barreira. Só acho que beijo de mulher não é lá essas coisas. É até fetiche para alguns homens.

Tahiana disse...

Lola, tem um filme bem legal chamado "MILK", fica a dica, se vc já não tiver visto.
Adorei o post :)
bjs

primeirocego disse...

Ah, que bom que saiu! Quando adiaram pensei que fossem desistir. Quero ver agora é um beijo de dois homens na TV.

Júlio César disse...

É mais ou menos como o Eduardo falou. Numa sociedade patriarcal e machista como a nossa, beijo lésbico é fetiche para os marmanjos e mantém o status o quo. Naturalmente não deixa de ser um avanço na TV brasileira, mas imagino que um beijo entre 2 homens (como deverá acontecer) incomodará mais os bolsanaristas.

Aoi Ito disse...

Eduardo, beijo entre dois homens também é fetiche pra algumas mulheres. Acho muito importante que tenha sido entre duas mulheres em um contexto tão claro, porque senão vai ser novamente a invisibilidade lésbica atacando. Afinal, se só homens gays incomodam e são válidos para fazerem crítica, pra que colocar duas mulheres? Sempre, sempre achei chato que o casal gay SEMPRE fosse masculino, com raras exceções. E as mulheres, cadê? Temos justamente que quebrar essa idéia de lesbianismo como fetiche masculino, e não vai ser escondendo e botando homens gays no lugar das lésbicas que vamos conseguir algo.

Ana Amorim disse...

Esse foi o primeiro beijo entre mulheres da televisão brasileira.
Na minissérie Mãe de Santo (Rede Manchete), houve sim um beijo gay, e isso foi nos anos 90.
Agora eu queria saber porque raios eu só fui descobrir que esse beijo homossexual já foi dado DEPOIS que as duas moças da novela do SBT se beijaram.
Inclusive, eu achei a cena dos dois moços muito mais romântica, apesar de só mostrar sombras.
-
Eu sei que o SBT não passaria uma cena dessas se achasse muito arriscado, há um certo jogo nisso tudo, mas de qualquer maneira, acho uma ótima iniciativa.
Só não posso dizer que gostei da cena porque não gosto de novela, e as do SBT então! IRAIRAIRIA
-
Aqui o vídeo do beijo entre os dois homens (que foi um beijo interracial):
http://www.youtube.com/watch?v=XZg0IG7V1gw

Mariana. disse...

duvido mostrar beijo gay masculino.. pq querendo ou não, existe aquele fetiche de homens verem duas mulheres (ainda por cima duas mulheres consideradas lindas) se beijando.

Quando o casal é masculino, eles querem logo demonstrar que são machoes e repudiam... seria bem mais polemico.

Lane disse...

Ah sei lá... para mim este beijo gay é apenas uma reprodução de fetiches masculinos. Todo mundo sabe que hoje em dia no cinema americanos tá na moda colocar duas mlheres se beijando, mas nunca dois homens. O brasileiro tá seguindo a tendência.

Se vcs pegarem filmes americanos de dois anos para cá vai ver mulheres se pegando à vontade e todo mundo sabe que americano adora este tipo de fetiche. Eles exploram mesmo está em todos lugares, até em clips de música do Blak Yes Peas.


Nun filme chamando oPreço da Traição mostra até duas mulheres transando uma delas era a Julianne Mooore que fez também Minhas Mães e Meus Pais onde mostra também duas mulhees se beijando

Sinceramente, na boa, eu não engoli. Tá na cara que é apenas a reprodução de um fetiche masculino, revestido de aceitação de diversidade sexual e de liberação sexual. Só vou aceitar mesmo quando for de dois homens

E nem adiantam dizer " o povo brasileiro é conservador" porque como disse acima em filmes amricanos estão explorando bastante este fetiche nestes últimos dois anos , ou seja, mesmo lá onde muita coisa para os homos são bastante aceitáveis ainda assim permanece a mesma postura de só mostrar mulher se beijando

Lane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lane disse...

Para mim tudo ainda é reflexo da dominação masculina.Por isao duas mulheres e a rpsentação de um fetiche masculino e não de aceitação da diversidade sexual.

The Buk's On The Table disse...

Não têm nas novelas da Globo, mas no Big Brother Brasil já rolaram beijos lésbicos. #HomofobiaNAO

Aoi Ito disse...

Fico muito bege com esses comentários, galera. Não é por nada não, mas... Beijo gay só é válido quando é entre homens?

Tipo... Sério?

Acho isso um tipo de machismo, na boa... Até mesmo quando se é pra quebrar estereótipos o único jeito é botando HOMENS. Entre mulheres é sempre fetiche, até mesmo pra feministas? :/

Não sei, galera. Tô confuso. Claro que botar dois homens pra se beijarem seria um ataque direto às masculinidade dos mimimizentos, mas botar duas mulheres e ainda com o que a loira disse sobre mulheres poderem sentir prazer SEM homens, não é importante? Não é importante tirar as lésbicas do armário da invisibilidade? Não é importante falar disso, não é válido?

Como uma pessoa que pode se identificar como lésbica, achei o beijo muito, muito importante. Sempre só falaram de beijo gay masculino... Nunca ouvi falar de uma novela que fosse mostrar um beijo lésbico, aí quando mostra, é 100% fetiche, inválido e ruim?

Eu entendo a visão de vocês, mas... Pensem nas lésbicas.

Priscila disse...

Concordo com a Lane. Mostrar beijo de mulher é muito fácil, isso já acontece no cinema e a homarada adora!

Quero é ver QUEM vai ter peito pra mostrar dois caras se beijando.

Shey, Sheid, enfim... disse...

[2] Em tudo o q Aoi Ito disse.

Beijo lésbico só é fetiche justamente devido à invisibilidade lésbica.
Só é fetiche quando as lésbicas "sabem o seu lugar": com a participação de um macho. Acho q alguns comentaristas ignoram que, a partir de um momento em que as lésbicas são colocadas como sujeitos e não como objeto, elas deixam de ser "fetiches" e passam a a ser objeto de ódio dos preconceituosos, daí o "estupro corretivo".

lola aronovich disse...

Tô com a Aoi Ito e não abro. Gente, por favor, pensem um pouco fora da caixa. Que beijo entre duas mulheres é fetiche masculino, ninguém discute. É sim, e tem bem mais de dois anos. E tenho certeza que é influência da pornografia. Acho que na década de 80 era raro ver filme pornô com sexo entre mulheres. Hoje, qualquer filme pornô hétero inclui cena de lesbianismo (geralmente não feito por lésbicas, como explicam as personagens de Minhas Mães e Meu Pai, mas por mulheres hétero se passando por lésbicas para excitar o público masculino). Hoje é total clichê ver em filme adolescente americano os teens achando o máximo duas mulheres se pegando. Mas, claro, tem que seguir uma fórmula. Não pode ser qualquer mulher. Tem que ser uma mulher jovem, linda dentro dos padrões de beleza, geralmente loira e peituda, e “feminina” (nada butch, nada machona, nada que lembre uma lésbica do estereótipo sapatão), e essa mulher tem que beijar outra muito parecida com ela, como se fosse um clone.
Então tá, beijo entre mulheres é fetiche masculino. Mas e daí? Isso quer dizer que não existe lesbianismo? Que o lesbianismo não é legítimo só porque ele (ou um clichê dele) é fetiche masculino? Que mulheres não se beijam? Que mulheres só se beijam quando tem homem olhando? Ué, gente, nada a ver. Por mais que sexo entre mulheres seja fetiche (e só entre alguns tipos de mulheres, bem entedido), existe tanto preconceito contra lésbicas que contra gays. Vcs já ouviram falar de “estupro corretivo”, não? Essa é uma prática bastante comum em vários lugares, como na África do Sul, onde lésbicas são estupradas por grupos de homens para que “aprendam” a gostar de homem. Perguntem pras lésbicas como é pra elas mostrarem afeto em público. Perguntem se elas são discriminadas.
A gente tem que tomar cuidado em não “desprezar” o lesbianismo como algo sem importância, apenas um fetiche masculino. As lésbicas existem independente dos homens. Muito antes que (algumas delas) virassem fetiche masculino, elas já existiam! E um dos problemas das lésbicas é que é difícil militar no movimento gay, porque, como em todas as outras instâncias, os homens acabam tendo mais voz que as mulheres. Ou seja, quando se pensa em homossexualidade, pensa-se primeiro em homens. É só ver como no filme Milk a única mulher do grupo é recebida.
Acho que vai ter beijo entre dois homens na novela. Mas este beijo entre as duas moças é muito importante. E não pensem que energúmenos como Bolsonaro e cia não ficam revoltadíssimos em ver duas mulheres se beijando.

Lane disse...

Gente isto é só a minha opinião, mas não quer dizer que esteja certa tampouco a dos outros.

Se não é reflexo de fetiches porque sempre mulheres lindas e gostosas? E porque sempre mulheres?

Nos filmes

Garota Infernal
Show de vizinha.
Minhas Mães e Meu Pai
Cisne Negro
O Preço da Traição
A Colega do Quarto
Bruna Surfistinha tem beijo gay e todas mulheres.

Para mim é um reflexo ainda da dominação masculina revestindo de liberação sexual.

Além do que hoje em dia uma adolecente ou uma jovem que não deu beijo em mulher é considerada carata e as que beija é de "mente aberta"

primeirocego disse...

Agora lendo os outros comentários e relendo o meu achei melhor esclarecer: quando eu disse "Quero ver agora é um beijo de dois homens na TV" eu quis dizer que também acho importante mostrar beijo gay de homens, não que um beijo gay de mulheres seja de menor ou nenhuma importância. Desculpa aí se me expressei mal e pareceu o contrário.

Lane disse...

Lola, eu sei que tem mais de dois anos... estava me referindo de dois anos pra cá que isto já é moda e são sempre mulheres.Acho que é uma forma de MUDAR, mas sempre permanecendo com pensamentos conservadores e sexistas.

Em tese a mulher mostra o corpo é dona dele para fazer o que quer, mas mostra sempre para excitar os homens para satisfazer seu desejos e segundo o que agrada eles, ou seja, a dominação é masclunina no fundo. Só tem uma capa de liberação sexual e no fundo é sexismo.

Como acontece com estes beijos lésbicos não é diferente.

Mas como disse é aminha opinião e não quer dizer que esteja certa.

Leo. disse...

Oi Lola.
A novela que você comentou do beijo gay que não saiu foi "América", de Glória Perez e passou em 2005. Um dos personagens do beijo em questão foi interpretado por Bruno Gagliasso.
Legal teu comentário sobre a novela do SBT, bom seria se houvesse mais gente e meios divulgando esse ponto de vista.

Aoi Ito disse...

Lane, só por ser beijo feminino então é fetiche? Quando um beijo feminino pode ser válido, então? Vejo muitos beijos femininos, mas pouco sobre o relacionamento delas como pessoas e não objetos. Acho que a novela tratou ela como pessoas. Deixou bem claro que a loira (Não sei o nome dela) queria a morena (Eita Aoi Ito que não é noveleiro mae-oeee) e não um homem, ela não queria um homem, queria homens LONGE dela.

Enquanto mostram beijos femininos, vejo muito mais relacionamentos gays como mais explorados como normais, sempre com papéis importantes em sitcoms americanos e coisa e tal. Vejo poucas personagens lésbicas assim.

Personagens "lésbicas" ainda existem só para o público masculino. FATO. Mas isso não quer dizer que:

a) Não possamos ter mais personagens lésbicas
b) Todo relacionamento lésbico é fetiche
c) Um relacionamento com personagens realistas e não apenas para a male gaze ainda assim é fetiche
d) Mostrar lésbicas e deixar claro que elas não precisam de homens ainda assim reduz a cena e o relacionamento a fetiche.

IMO, claro.

Aoi Ito disse...

Aliás, isso me lembra que relacionamentos gays também são fetichizados por mulheres heteros, mas pouca gente sabe disso. Dá pra falar bastante da própria invisibilidade da sexualidade feminina, também de machismo e as repercussões dessa fetichização que muitas vezes é passada como "apoio ao movimento gay". É um assunto interessante mesmo. :)

Ferê disse...

Nu to de cara como o machismo é grande até entre, mulheres ésbicas puuuuutz....até trantando de homosexualidade o homem s sobressai ..... q isso galera as meninas são bonitas de mais mesmo mas num tem fetiche ali não é uma historia porra

Shey, Sheid, enfim... disse...

Realmente, meninos se beijando tbm é fetiche para algumas mulheres, no Japão é bem comum mangás específicos, com romance gay escrito de mulheres para mulheres, inclusive seguindo clichês heteronormativos machistas...

Amanda Lemos disse...

Gostei bastante do Blog, :)
Muito interessante !
Deixo o meu aqui, caso queira dar uma olhada, seguir...;

www.bolgdoano.blogspot.com

Muito Obrigada, desde já !

Claudia disse...

Para mim o tabu do beijo gay ainda nao foi quebrado. Como varias pessoas disseram uma cena lesbica e mais fetiche masculino do que uma resposta ao preconceito contra homossexuais. Concordo plenamente com a Lane. Mas Lola, essa novela e horrivel! Nao consegui assistir nem meio capitulo. O ibope da novela esta baixo sim, nao acho que seja manipulacao. Converso com varias pessoas que assistem novela e ninguem fala sobre Amor e Revolucao. Para se ter uma nocao da popularidade da novela da uma olhada no Youtube nos videos que o pessoal coloca. Tem mais visualizacoes e videos paras novelas da Globo e ate mesmo nas da finada Manchete reprisadas pelo SBT do que para Amor e Revolucao.

♪ ewerton M. disse...

Tó com Eduardo e Júlio César,


"Numa sociedade patriarcal e machista como a nossa, beijo lésbico é fetiche para os marmanjos e mantém o status o quo. Naturalmente não deixa de ser um avanço na TV brasileira, mas imagino que um beijo entre 2 homens (como deverá acontecer) incomodará mais os bolsanaristas." [2]


Beijo gay entre mulheres é avanço, mas é relativamente aceitável para mulheres e extremamente aceitável(ja que é um fetiche...) para homens. Quero ver a coragem de por dois marmanjos ai se veremos "amor e revolução".

Abraços!


;)

Eduardo Marques disse...

OLHA O PRIMEIRO BEIJO GAY NA TV BRASILEIRA!!!

-Foi no SBT
-Foi entre mulheres

Lola, você não acha que beijo entre dois homens não ajudaria também as mulheres lésbicas? Acho que pouca gente tem alguma coisa contra homossexuais mulheres, homens é que incomodam. Foi um avanço, sem dúvida, mas muito tímido.

Sério, estamos em 2011, séries americanas mostram muito mais do que isso. Já devia ter beijo gay é em Malhação.

L. Archilla disse...

É, então, eu ia dizer o que a Lola já disse. Não acho que o beijo seja menos válido por envolver duas mulheres lindas. Acho tão interessante quanto um beijo gay. Agora, chocar mesmo seria colocar uma das mulheres bem masculinizada, caminhoneirona, mesmo. Ou as duas. Isso eu ainda tô pra ver. Pq casal lésbico bonitinho já teve vários (apesar de não ter tido beijo).

Mas acho que é um avanço, sim.

Pedro @snoopy_xxy disse...

É, acho que o que mais indignou a galera aqui não foi o beijo lésbico e sim duas mulheres lindíssimas protagonizando. Eu entendo a galera que se incomoda com a idéia do fetiche, mas como a Lola bem lembrou, o diálogo das duas foi bem legal e sincero. A única coisa que eu não aprovei foi a perninha dançante da Vendramini na hora do beijo hahaha, não que eu ache que mulheres não devam demonstrar tesão, muito pelo contrário, mas ficou bem cafoninha. Enfim, cortesia do Tiago Santiago.
E eu não tenho lá implicância com a beleza das mulheres não... Se fossem dois homens eu assumo de boa que gostaria de ver dois que fizessem o meu tipo. Seria fetiche pra mim? Sim, seria! Mas eu que não vou ser hipócrita de dizer que eu não gosto de um fetiche.
Resumindo, o beijo foi importante SIM e to ansioso para ver o primeiro beijo entre dois homens. Dizem que vai ser entre Duarte e Jeová, um casal interracial... Nada mal...

L. Archilla disse...

Ah, então, ia escrever outra coisa, no fim esqueci.

Ia dizer que esse beijo é bem diferente um beijo gay num videoclipe ou nessas comédias americanas (pelo menos nas q eu me lembro), onde as mulheres não tem história nem função na trama, só aparecem, dão uns pegas e vão embora. Na novela elas têm uma história, são sujeitos, não objetos. Então acho super válido. (Afinal, não é só na ficção que algumas lésbicas lindas querem ficar com outras lésbicas lindas...)

Roberta disse...

Não foi um beijo dirijido a homens.Ficar dizendo que beijo entre mulheres é um fetiche para os homens é ignorar o relacionamento entre mulheres,como se este só servisse para o prazer masculino.
Esquecem que beijo entre homens é um fetiche de muitas mulheres e ninguem sequer lembra disso?
Alias,vamos começar a anular certas cenas na TV pq servem de fetiche para muitos?
Cenas de tortura tbm servem para excitar muita gente e nem por isso a tiramos do ar ou anulamos né.

Fabiane Lima disse...

Eu gosto da teoria do Kinsey. Segundo ele, todo mundo é bissexual em algum grau. Tem gente que pende mais pra hétero, tem gente que pende mais pra homo, mas ninguém é 100% hétero nem 100% homo. Talvez 99,9%, mas não há valores absolutos, e essa escala pode variar ao longo da vida.

Pedro @snoopy_xxy disse...

Só comentando sobre a novela agora, eu AMEI como a personagem da Vendramini já tava preparando o terreno dias antes do beijo e a Personagem da Gisele Tigre caiu feito patinho hahahaha. Aliás as duas personagens são uma das melhores da trama. São super corajosas.

Confesso que me surpreendi de saber que o beijo gay seria entre Duarte e Jeová, mas aprovei de imediato. Ter um primeiro beijo gay na televisão e ainda por cima com um casal interracial é um passo enorme para frente.

E pra deixar claro que não tenho nada contra fetiches, to torcendo muito que o tal padre duvidoso que está ajudando Jandira e Batistele a ir pra Cuba saia do armário. Ok, vai ser uma grande polêmica, mas eu vou achar um máximo.

Shey, Sheid, enfim... disse...

Nem Globo, nem SBT.
Teve uma minissérie na saudosa TV Machete, não lembro o nome agora, em que ocorreu um beijo gay e interracial entre dois homens... e isso no início da década de 90...

Paula Mariá disse...

Manifesto aqui minha indignação com o Youtube que, obviamente, teve que sinalizar esse conteúdo como impróprio.

Paula Mariá disse...

Aliás Lola, não sei se você já escreveu algo nesse sentido, mas acho que dá um post inteiro sobre o que é sinalizado e censurado na internet. Na minha faculdade não abre nenhum site com a palavra "gay". Se isso não é homofobia, não sei o que é.

Carla Farinazzi disse...

Oi Lola,

Adorei seu post, não tinha visto a cena ainda, e fui ver. Achei muito legal, a cena ficou super bonita.

Parabéns pela coragem e pela lucidez!

Beijos

Carla

Letícia Rodrigues disse...

"Numa sociedade patriarcal e machista como a nossa, beijo lésbico é fetiche para os marmanjos e mantém o status quo".

Sempre? Não depende do contexto?

Dizer isso é a mesma coisa que dizer que toda vez que uma mulher expõe sua nudez está se submetendo a dominação machista, nunca se rebelando contra ela. É cair na armadilha de deixar o olhar masculino definir tudo relacionado ao corpo e a sexualidade feminina. Contexto é tudo gente, não dá pra sair por aí dizendo que beijo lésbico é isso, nudez feminina é aquilo... Depende do contexto, sempre.

"Acho que pouca gente tem alguma coisa contra homossexuais mulheres, homens é que incomodam."

Eduardo, dizer isso é a mesma coisa que dizer que não existe racismo no Brasil!

Lola, acho que seria bem interessante se uma de suas leitoras homossexuais ou bissexuais escrevesse um guest post sobre o tema.

Letícia Rodrigues disse...

E o simples fato delas serem bonitas não é o suficiente para dizer que a cena corresponde ao fetiche.
Tem que levar em consideração toda a história, a complexidade das personagens, o diálogo entre as duas.
Até pq os homens machistas acham que mulher feia até pode ser lésbica, mas que quando a mulher é bonita é um desperdício. Aí tentam tratar como fetiche. Não podemos deixar que eles ditem as regras.

lola aronovich disse...

Gente, adoraria um guest post sobre o preconceito que as lésbicas sofrem. Na realidade, MAIS UM GUEST POST sobre o assunto, pois já pubiquei um da Renata em 2009. Por favor, leiam. A partir desta parte: "Bom, a Lola pediu para eu falar sobre como é a vida de uma lésbica assumida: ela é assim, é saber que tem gente que perde o sono por saber que eu sou feliz por ser quem eu sou. E eu sou mesmo. Tenho orgulho de ser lésbica e lutei muito pra chegar até aqui."

Tanize Monnerat disse...

Ainda nao entendi como esse beijo pode ser visto por tanta gente como fetiche pra homens. Todo o enredo é que importa aqui. Elas se beijaram, pelo desejo entre as duas e nao pra seduzir homens.
Creio que seja um imenso avanço e garanto que quem é reacionário nao gosta de beijos de lésbicas bonitonas tb nao!!

canis sine dentibus disse...

Olá Lola

Fico feliz que este beijo tenha saído, que tenha sido entre duas mulheres, que tenha sido no SBT e em uma novela sobre a ditadura. Mas o melhor da novela está além do beijo gay, está na forma como o período é retratado(nem as "heróicas" séries da globo como anos rebeldes fizeram isso). Sei que existem misérias artísticas na novela, mas isso é tolerável, ela está sim incomodando algumas pessoas, poucas, mas importantes: os militares querem tirá-la do ar. Por qual motivo?
Assistimos ainda neste ano a votação do Supremo que enterrou qualquer possibilidade de revisão da anistia e processo dos torturadores do regime alegando que vingança não é justiça e o que moveria as pessoas a quererem que seus torturadores pagassem pelos seus crimes seria a vingança. Não ví muitas reações contra este "enterro das posibilidades de justiça", nem dos intelectuais, nem dos artistas, nem da sociedade civil organizada, nada. Todos, ou quase, se calaram como aconteceu nos anos de chumbo. Por medo, por preguiça, por ter o que esconder, por "não abrir velhas feridas" etc, a maioria tem um motivo para deixar quieto. Poucos foram sutilmente calados com honrarias, monumentos, indenizações e muitos simplesmente negligenciados por todos, pela história.
Existe um filme alemão, Uma cidade sem passado que conta a história de uma menina que resolve pesquisar a participação de sua cidade na resistência ao nazismo e descobre que não houve resistência, mas entusiasmada conivência. Tentam calá-la de muitas formas:ameaças, bombas etc, mas a tentativa de tampar sua boca que parecia a mais impensável e a mais eficaz foi a elogiando pelo seu trabalho, a enaltecendo e colocando seu busto entro os mais importantes cidadãos da cidade, e ela quase cai nessa, no último momento ela percebe e desmascara a farça do reconhecimento e elogio e continua sua pesquisa e busca pela vrdade que tanto tentaram esconder.
O último carrasco nazista foi condenado aos 95 anos, quem sabe não consigamos condenar alguns carrascos militares ainda vivos e em breve?
Talvez esta novela ajude.

canis sine dentibus disse...

Só para completar, este bejo gay é algo importantíssimo, principalmente depois do avanço que foi o reconhecimento da relação afetiva estável entre pessoas do mesmo sexo.
Enfim, um pouco de modernidade

Robson Fernando de Souza disse...

Lola, vc recebeu meu e-mail com uma sugestão de guest post?

Abs

lola aronovich disse...

Pra quem acha que o beijo gay na novela foi um fetiche inconsequente que não incomoda ninguém, é interessante ver que quase 16 mil pessoas já votaram numa enquete online. A pergunta é “Novela do SBT exibiu nesta semana o que teria sido o primeiro beijo gay entre duas mulheres na TV brasileira. O que você achou?"

25% 3.903 votos – Ótimo, é mais um preconceito derrubado na sociedade brasileira
56% 8.925 votos – Péssimo, só incentiva o homossexualismo, que está na “moda”
19% 2.936 votos – Não sei, rolou mesmo? Para mim, isso já era coisa do passado!

http://br.msn.com/?ocid=hmlogoutnew


Não recebi o email não, Robson. Mande de novo, por favor?

Blanca disse...

Como uma pessoa que pode se identificar como lésbica, achei o beijo muito, muito importante. +1

Adwilhans disse...

Vi hoje a cena e creio que quem a qualificou como fetiche masculino não a assistiu inteira. Pra mim, duas coisas se destacam:
- primeiro, o ambiente. Nas cenas de filmes em que o ato lésbico serve como fetiche masculino, as mulheres estão transando ou se estimulando sexualmente, sempre com "cara de safadas", não conversando vestidas e com roupinhas comportadas. Ainda, no ato do beijo não rolou nem mãozinha boba, só uma perninha perdendo o controle, hehehe
- segundo, o diálogo. Puxa, alguém pode em são consciência achar que o que foi dito ali reforça algum fetiche masculino? Só se for o da patrulha do estupro corretivo!
Penso que a cena foi importantíssima. Lembro de um selinho trocado em novela da Globo (acho que era senhora do destino, coisa assim), entre as personagens da Bárbara Borges e da Milla Christie. Depois as duas se assumem namoradas mas não rola um beijo mais "caliente", ficou só no tal selinho, e ainda retratado como um "acidente", tipo um beijo no rosto que deu uma escorregada...
Agora, que um beijo gay masculino chocaria mais a direita cristã, isso creio que ninguém duvida...

Fernanda disse...

Que coisa vergonhosa geral achando que só vale se for entre dois homens, hein. Lésbicas podem até não ter que enfrentar a mesma violência que os gays (e olha, isso é discutível. Elas podem ter menos riscos de serem espancadas na rua, mas são FREQUENTEMENTE assediadas e a ameaça de estupro é até mais frequente do que entre as mulheres hetero, que já a enfrentam numa base diária), mas elas enfrentam uma invisibilidade, um combo de homofobia e machismo, onde o que ocorre é justamente esse pensamento, que mulher não pode ficar com outra sem haver a influência masculina. Em todos os filmes citados, as mulheres não são realmente lésbicas, e sim se beijam para agradar ou satisfazer uma fantasia dos personagens homens. Não foi o caso da novela, então, SIM, é uma grande quebra de barreiras. Parem de olhar só de um quadro geral. Pensam no que significa para as lésbicas do país que elas finalmente tenham ganhado um pouco de espaço.

Adwilhans disse...

Só pra completar: o selinho ao acaso é esse aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=GUQs496ieq8&feature=related

Curiosamente, e ao contrário do beijo gay desta semana, não há a identificação como "conteúdo impróprio" no youtube. Será pq foi na Globo? Oh, teorias da conspiração, hehehe

Em tempo: desculpem este ser que não é de assistir novelas! Acabo de ver que, depois desse, rolaram vários beijos - todos selinhos - entre as duas na novela, e até cenas das duas na cama - embora essas últimas sim, me pareceram se encaixar na noção de fetiche masculino, exceto pelos diálogos...

Letícia Rodrigues disse...

Tenho certeza que a maioria dos machões estilo Dourado se chocaria mais com um beijo entre dois homens. Eles veriam como um ataque a própria virilidade deles, o que já mostra o quanto essa virilidade é frágil...

Mas acho que a "direita cristã" pode se chocar mais com um beijo entre duas mulheres, já que eles veriam como uma negação do seu ideal de mulher, de pessoa criada por Deus para gerar vida e ser mãe, etc etc, etc... Tem muita gente que acha que se ser homossexual já é errado para os homens, para mulher é pior.

Ainda não tinha lido o guest post da Renata. Gostei muito.

Deize disse...

Post muito bom, Lola. Mas a maioria dos comentários lá no Youtube, olha, dá até desânimo. Nossa sociedade ainda é muito homofóbica e machista. Triste.

Lane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lane disse...

@ Fernanda

quanta arrogância na sua frase.Não precisa dizer que é vergonhoso aquele que tem uma opinião diferente da sua, pois estas pessoas quando querem dessa forma, estão querendo que os preconceitos seja destruidiso tanto quanto vc
Olha, diversidade tá na moda, viu?! inclusive de pensamento

Eu falei que era apenas minha opinião que pode está certa ou errada tanto quanto a sua.

Se para vc é suficiente é aquilo que foi mostrado para mim não é, porque já vi mais e melhores ee não apenas com o discurso de lesbiandade e obdecendo diretrizes heteroafetivas por isso falei que era fetiche já que obedece a formula para ser aceitável na sociedade poque todo mundo sabe que diferente do que falaram por aqui uma lésbica feminina é bem mais tolerada ( especialmente entre homens) do que uma lésbica estilo caminhoneira.

Se querem uma relação lésbica de fato. No filme Monster - Desejo Assassino há uma relação entre duas lésbicas onde incluisve é mostrado elas transando. É uma relação de amor entre as duas e não obedece esta fórmula manjada e tolerada, o que nos permite avaliar o nivel a relação entre as duas como realmente aceitação da homossexualidade já que não carrega no fetiche.


Vc leu o que Luciana Vendramini disse?Ela disse que foi melhor o beijo lésbico porque é mais bonito em cena do que beijo entre homens, para quem sabe analisar sobre uma perspectiva feminista percebe-se que ela usa do mesmo discurso masculino de que beijo entre mulheres é mais bonito, o que o legitima diante da sociedade, portanto, é aceitável já que a dominação masculina aceita.

E antes que falem de contexto em Preço da Triação também há o contexto. Uma delas é apaixonada pela outra, faz de tudo para ficar com ela e tem até cenas de sexo entre as duas. E ainda assim obedece a formula. duas mulheres lindas, gostosas, magras, perfeitas, sensuais, ou seja no fundo é bem mais reprodução de fetiche masculino do que realmente enfrentar preconceitos contra os homossexuais, acrescenta em bem pouca coisa.

Lane disse...

E para quem disse que quem está contra este beijo apoia o estupro corretivo.

Eu digo que tenho certeza que é mais aceitável uma lesbica feminina para vc do que a de estilo caminhoneira, não é?

Na boa, gente não vi aqui briga, dei minha opinião,não fuui ignorante com ningupem, peço o mesmo respeito.

Letícia Rodrigues disse...

Lane, ninguém disse que o que foi mostrado é suficiente. Só achamos que uma cena de um beijo entre mulheres é tão importante para a luta contra a homofobia do que a de um beijo entre homens. Na minha opinião, dizer que é mais importante mostrar beijo entre homens do que entre mulheres, ou é machismo, ou é ignorar que lésbicas também são descriminadas.

O filme "Monster" já foi ao ar em um canal aberto, em rede nacional? Pq é essa a questão em relação a novelas. Ninguém está negando que o cinema avançou mais que a televisão em relação a questão.

Quando falei em contexto, não falei em "discurso da lesbiandade" Falei da relação entre as duas, que acho que é um fator mais importante que o tipo físico, pelo menos no que diz respeito a novelas. As diretrizes heteroafetivas para relações lésbicas na tv não aceitam qualquer coisa se as duas forem bonitas. Ou aceitam a relação amorosa sem o beijo, ou o beijo sem a relação amorosa - caso dos beijos entre participantes do BBB, que se beijaram de brincadeira, ou para chamar a atenção dos caras, e não pq estavam envolvidas.

Vc tem certeza que lésbicas bonitas são mais aceitas pela sociedade? Eu acho que o que acontece é que elas sofrem ainda mais com a invisibilidade, ninguém aceita que elas possam ser lésbicas, justamente pq acham que pra ser lésbica tem que fazer o estilo "caminhoneira". Agente aceita que mulheres bonitas se beijem em uma boate, para chamar a atenção dos caras. Mas se um casal de namoradas se beijar em publico elas vão ser hostilizadas, e até agredidas, independente do tipo físico.
Como eu disse antes, não acho que todo beijo entre mulheres bonitas corresponda ao fetiche, e é socialmente aceito por isso.

Lane disse...

@ Leticia

Não se tratar de ignorar, se trata de ser conveniente., ser mais bonito, mais tolerável como a própria atriz falou. Outra coisa posso ser tudo na vida menos machista.

Na boa, se fosse tão polêmico assim será que o SBT mostraria? Trata-se de estratégias, primeiro se mostra das mulheres que é mais tolerável e depois dos homens para o choque ser menor de uma forma que sociedade aceite.

O filme Monster foi mostrado sim e no supercine há uns dois anos atrás e tinha contexto muito maior do que naquela cena. Para mim contexto é discurso também,pois ambos estão imbricados.E discurso é poder segundo Foucault

Outra não disse que as lésbicas femininas não sofrem preconceitos, falei que elas são bem mais toleradas que uma com estilo de caminhoneira que imita homeme coçando saco.Que abusa de treito masculinos ee todos sabemos que mulheres masculinas que não se preocupam muitos com aprência sofrem bem mais preconceito, porque mesmo não sendo acabam levando a pecha de "lesbica. Entre esportistas é comum isso. Quem nao viu a Marta e nunca achou ela "meio-homem" ou lésbica?

E outra beijo entre lésbicas não é algo incomum, pelo contrario é bem mais comum e choca bem menos do que entre homens. Se andar em baladas, boites, bares da moda, o que mais ver é mulher se beijando.

Binho disse...

Esse artigo foi escrito pelo Professor da UERJ José Ribamar Bessa Freire, sobre o Bolsonaro. Vale a pena ler. Aqui está o link:
http://www.taquiprati.com.br/index.php

Leo disse...

Fico feliz! Tava na hora de acabar com essa palhaçada. Espero que as pessoas comecem a se acostumar...
E ficho feliz também que não tenha sido na Globo. Ter a Globo como representante da luta por liberdade de expressão é algo que não encaixa muito na minha cabeça!

Magui disse...

Permita-me discordar em parte.
Escolheram duas atrizes sem grande projeção como tal, duas mulheres para romper a barreira.Não tem a mesma conotação e força de um beijo entre homens.Pode ser que que eu esteja errada porque estou pensando sobre o assunto mas eu acho que foram usadas para chamar atenção sobre a novela.Pelo que eu entendi, uma delas é apaixonada pelo personagem de Mário Cardoso e de repente, sem pé nem cabeça vem esta cena.A mulher precisa ficar atenta para não continuar sendo usada pelo sistema falocrata que não perde tempo em espoliar e usar sua coragem para chegar em outro caminho.A coisa é muito sutil quando se trata de abusar da credibilidade da mulher pelo sistema .

Júlio César disse...

Só esclarecendo o que eu disse antes sobre ser fetiche masculino, eu trabalho numa área cuja predominância é de homens e me baseei no convívio diário para dizer isto. Não assisto a novela, mas sei que todo o contexto do beijo é algo muito maior e importante. Estou feliz com mais esta barreira derrubada.

Letícia, sim, depende do contexto, eu não cheguei a dizer SEMPRE.

Ághata disse...

Gente, acredito que vocês tão equivocados...

O beijo entre mulheres pode parecer que é mais tolerado, mas na verdade ele é apenas levado menos a sério que o masculino. Além das pessoas tornarem ele fetiche.

Isso porque o lesbianismo é considerado inexistente, não existe sexo entre lésbicas, elas são eternas castradas, precisar ter um macho no meio pra ter sexo. Se não tem sexo, não é nada, no máximo amizade. É quase uma brincadeira, não é um relacionamento.
...e as pessoas já acham que mulheres não gostam tanto assim de sexo mesmo, né? Elas são quase umas virgens...

Já o relacionamento entre homens, ah, esse sim é um relacionamento e tem sim conotação sexual, por isso que o povo esculhamba logo, porque leva mais a sério. Não é invisível como o lesbianismo.

Bom, por isso que as lésbicas falam tanto da questão da visibilidade.

Ághata disse...

Concordo com Aoi Ito e Lola.

Galera parece que despreza lesbianismo e nada a ver ficar falando que foi entre 'duas mulheres lindas', desde quando mulher feia faz novela??

Só se for em "Betty, a feia".

E ia ter gente pra dizer 'só mostraram mulheres feias como lésbicas pra fortalecer o mito de que só é lésbica aquela mulher que nenhum homem quer, as mau amadas'.

Letícia Rodrigues disse...

Lane, discordo que lésbicas consideradas bonitas e femininas sofram menos preconceito que as vistas como masculinas. Quando elas não se encaixam nos padrões são discriminadas por isso, mas quando se encaixam as pessoas se recusam a acreditar que elas sejam lésbicas, forçam mais a barra para que cumpram o seu "papel de mulheres", ficam tentando "converte-las". São outros problemas, e não são menos graves.
Em baladas, boates, e bares da moda o comum é ver mulheres heterossexuais se beijando para chamar a atenção dos homens, não casais de lésbicas. Quando um casal de lésbicas - bonitas ou não - resolve namorar em publico costuma dar confusão na maioria dos lugares.

Os filmes do Supercine vão ao ar bem tarde, não acho que tenham o mesmo impacto de uma novela.

Julio César, ninguém disse "sempre", mas muita gente generalizou.

No fim das contas, não vamos chegar a uma conclusão sobre essa cena específica, é uma questão de interpretação, subjetiva. Mas vejo um problema em generalizar, dizer que beijo entre homens é mais transgressor, que beijo entre mulheres bonitas é fetiche, etc.
Temos que ter cuidado para não tratar o preconceito contra lésbicas como problema menos grave, causa secundária.

Aoi Ito disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Aoi Ito disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
lola aronovich disse...

Gente, reconheço que fiquei desanimada com algumas leitoras e leitores que acham que o beijo gay da novela foi menos importante porque... ah, porque foi protagonizado por duas mulheres, sabe. Mulheres, esses seres sem importância. Lesbianismo, esse comportamento que só existe pra ser fetiche dos homens, e que está tão normalizado que mais ninguém acha nada de mais (apesar de, numa enquete com 15 mil votos, 56% - a maioria – condenar a cena!).


Aoi Ito, por favor, escreve um guest post pra mim?! Please, please, please? Ou senão dá uma ajeitadinha nesses dois últimos comentários que vc deixou, só colocando uma introdução e uma conclusão, enfim, situando um pouco a discussão? Aí eu publico como guest post, porque olha, estamos precisando.

Lane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lane disse...

@ Leticia

Também acho que é um interpretação subjetiva, deve ser porque vejo sempre obedecendo a fórmula manjada que nós conheçemos
Quanto ao fato do preconceito, talvez a realidade que vivo seja diferente da sua, já que se pauta nela para fazer suas afirmações.


@Ai Ito

Sinceramente não me lembro de dizer que lésbicas, mulheres não tem sexualidade. Acho que vc está criando coisas que não disse tampouco falei tem menos importância. Botaram palavras na minha boca.

O que disse é que. taduzindo: NÃO ENGULI ESTE BEIJO GAY;.

Para mim ele criou uma hstória que obedece uma fórmula manjada, afirmando que é gay quando no fundo ele está apenas reproduzindo discursos que já estão legitimados socialmente( consevadorismo).Não existe esta inovação que todo mundo esta propagando tampouco esta "revolução social".A única novidade é o fato de se tratar de uma novela em um canal aberto.Nisto eu concordo, mas inovação não vejo alguma.

Acho sim UM MAIS DO MESMO

Porém, como venho dizendo isso é a minha opinião. MINHA INTERPRETAÇÃO.

Aoi Ito disse...

À vontade, Lola. Vou mandar para o seu e-mail agora. Agradeço pela oportunidade. :D

Aoi Ito disse...

Lane, não falei que você disse que lésbicas não têm sexualidade. Apenas citei os motivos de preconceitos contra lésbicas. Não se engane. :)

rhayah disse...

olha eu tambem acho que um beijo lesbico é menos impactante que um beij gay,mais nem por isso ele é menos importante pelo contrario se ele fosse tão bem aceito ele não teria causado esse alvoroço todo.
pra falar a verdade eu queria qe esse primeiro beijo tivesse rolado com o julhinho e o tales porque eles tiveram uma história mais completa e uma relação bem fofa
eu achei que faltou esclarecer essa história das duas pois uma delas está apaixonada por um homem casado.eu particularmente tenho um fetiche enorme por dois homens se pegando e eu amo uma novela alemã chamada verbotene liebe que tem um casal lindo chamado christian e oliver que mesmo eu tendo esse fetiche eu consio ver os dois como um casal e não homens que me excitam.os beijos deles são lindos e a homossexualidade lá é tratada de uma normal natural assim como a heterossexualidade é tratada aqui,espero um dia ver uma cena de beij gay tão linda quanto a deles.e quanto ao beijo do sbt foi muito lindo e o pesinho foi bem engraçado me lembrou aqueles filmes de princesa.

Ariadne Buendía disse...

Ah, por favor... Se a Globo amanhã, para "aderir à moda" (muitas aspas, muitas aspas...) colocar no ar uma cena de duas garotinhas bêbadas se beijando na balada ao som de Katy Perry sob o aplauso dos garotos em volta, eu até vou concordar que seria só por fetiche. Mas duas mulheres com representação na história da novela, que falam, se posicionam, expressam seu desejo sem que isso tenha a ver com homem nenhum - o beijo delas na TV aberta é importante, sim, e uma quebra de barreiras, sim. Apesar de eu não acompanhar novela nenhuma e menos ainda ter me animado a acompanhar essa, que essas produções do SBT são vergonha alheia total. É só olhar os comentários no You Tube, os fanáticos bateram ponto lá também. Claro, sempre vão aparecer os machinhos e suas trogloditices, mas isso é coisa da cabeça deles, seria a mesma coisa que culpar Tom e Jerry pela violência culpar qualquer beijo lésbico pelo fetiche.

Drica Leal disse...

Eu não acompanho a novela do SBT, mas quando soube, vi e li sobre o beijo lésbico, confesso que a princípio minha reação foi a de muitos comentaristas aqui : "Ah, mulheres (e bonitas!) se beijando é bem mais fácil de tolerar, afinal, é até um fetiche masculino (e de muitas mulheres heteronormativas também, apesar de poucas confessarem, rs.)!". Cheguei mesmo a postar um comentário desse tipo no meu facebook, onde linkei o vídeo do tal beijo. Mas lendo a discussão aqui no blog me lembrei de duas coisas:

1- os marmanjos até podem achar excitante duas lésbicas (ou duas mulheres héteros "brincando" de lesbianismo) bonitas se beijando, se acariciando, etc. Mas desde que haja pelo menos a esperança de que um homem vai ser aceito na "brincadeira" para poder resolver o "probleminha" delas. Se um casal de lésbicas der um passa fora num cara que tem esse fetiche matando suas esperanças de realizar essa fantasia sexual podem ter certeza de que essas mulheres serão tão ou mais hostilizadas que um casal de homens! Já soube de histórias de garotas que trocaram carinhos em público e a príncipio os homens presentes acharam o máximo, até terem suas cantadas e gracinhas rejeitadas e pelas meninas. Aí partiram para as grosserias agressividade mesmo! Ah, e olhem que estou falando de lésbicas dentro dos padrões de beleza e feminilidade, tá? Porque as "machonas" ou feias são hostilizadas só por existirem mesmo!

2- Outro exemplo da rejeição por um relacionamento lésbico onde homens não caibam e elas sejam indivíduos com histórias, personalidades, contextos, etc se deu na novela "Torre de Babel", exibida pela Rede Globo (não me lembro em qual ano e quem era o autor da novela, sorry!). nessa trama um casal formado pelas belas, elegantes e femininas Cristiane Torloni e Sílvia Pfeifer sempre aparecia em cenas de cumplicidade, carinho, apoio, etc, e nunca houve nenhuma cena mais ousada ou sensual entre as duas, só coisas do dia a dia de um casal, elas inclusive trabalhavam juntas, se não me engano. Pois o público em geral (homens e mulheres) se ofendeu tanto com o casal, se revoltou tanto que o autor decidiu matar as personagens numa explosão que aconteceu no shopping onde elas tinham uma loja. me lembro que na época o autor revelou que a explosão fazia parte do da trama, que até girou em torno de "quem explodiu o shopping", mas que não esperava tamanha rejeição pelas personagens e as atrizes também ficaram chateadíssimas por terem que sair da trama.

clodoaldo disse...

Acho que essa forma de machismo com fetichismo. Não é só de boa parte dos homens

O autor da novela pensa um pouco assim também.

Reparem no que ele disse em uma entrevista no blog da Veja.

Escolher duas mulheres e não dois homens para a cena de beijo gay foi proposital?

Sim, foi uma estratégia minha. Um beijo entre duas mulheres choca menos. E existe um apelo para uma parte do público masculino que tem esse fetiche. Pensei com cuidado na cena e escolhi duas atrizes maduras, bonitas e muito femininas. Vai ser um beijaço, não um selinho. Essas duas personagens refletem o comportamento de um público que precisam e devem ter espaço para ser retatadas na dramaturgia.

O que é isso então? é lesbofobia escancarada ou falta de informação sobre a homossexualidade feminina?

Clodoaldo

Lane disse...

@ Clodoaldo

Foi o que falei desde o inicío .. era tudo estratégia era uma forma de mostrar algo polêmico de uma forma legitimada pela sociedade.

A própria atriz falou que era mais bonito e tal, e tal.Essas emissoras são todas conservadoras burguesas trás em seus programas um monte de modernice, mas no fundo reproduz o pensamento conservador.São apenas "capa" Elas legitima discursso socialmente aceitos

link da entrevista

http://veja.abril.com.br/blog/gps/televisao/tiago-santiago-autor-de-amor-e-revolucao-beijo-gay-entre-mulheres-foi-estrategia/

Adwilhans disse...

@Lane, tenho uma opinião algo distinta. Penso que, independente da intenção do autor, quando uma produção em qualquer área vai ao conhecimento público, pode adquirir significados não esperados ou mesmo indesejados.
Aplicando essa noção ao caso em discussão, penso que o tal beijo está gerando muita polêmica - tanto é que estamos aqui há dois dias o debatendo! - e, só por isso, já valeu a pena. E isso independe em absoluto da intenção do autor ou da rede de televisão, pois a celeuma transcende essas questões.
Claro que há possibilidade de ver fetiche ali, mas a cena (com seus diálogos) foge e muito da noção de cena lésbica "sonhada" pelos homens, como já tratei acima, e por isso acredito que é válida para fomentar a discussão, em que pese todas as objeções que vc colocou - e que são válidas também.

Letícia Rodrigues disse...

Ok, então foi estratégia.

Como vamos reagir a isso?

Criticando o tratamento de relacionamentos lésbicos como fetiche, e exigindo uma melhor representação destes na mídia, ou dizendo que só um beijo entre homens representaria os gays, pq relacionamento lésbico já virou fetiche mesmo?

Letícia Rodrigues disse...

Adwilhans,

Estava pensando justamente sobre isso. O autor achou que chocaria menos, mas pela pesquisa que a Lola citou, parece que se enganou. Pode não ter tido a intenção de provocar debate, mas provocou. Talvez a discussão acabe rendendo até um guest post interessante aqui no blog... Também acho que só por isso já valeu.

Mas acho que as declarações do autor merecem ser questionadas, o problema é como questionar.

Mariana. disse...

Não, não, Lola, não acho que o lesbianismo só existe para satisfazer o fetiche masculino! E nem disse isso!

Eu sou a pessoa que me revoltei, no segundo ano do ensino médio, contra um professor de biologia que disse que não existe "homossexuaLISMO feminino, só masculino" porque, segundo ele, "não há como existir conjunção carnal entre duas mulheres". SIM. Ele disse isso. Meu professor de BIOLOGIA. Eu me revoltei. Perguntei se o relacionamento com a mulher dele se baseava somente em "conjunção carnal, em sexo" ou se tinha sentimento; e continuei "o que faz o senhor julgar o relacionamento gay como exclusivamente carnal?" E ainda arrematei dizendo que era muito antiquado alguém dizer que carícias sexuais se resume à penetração, e que existem inúmeras formas de fazer sexo" (no alto da minha virgindade).

Eu não penso isso não, Lola. E acho que nenhum de seus leitores pensa como o meu professor.

Mas a maioria das pessoas pensa assim. "Admite ou acha lindo mulheres se beijarem, desde que sejam lindas e estejam ali para satisfazer seus fetiches". Já o beijo masculino, causa - na maioria das pessoas, e a maioria é preconceituosa - repulsa, protesto, indignação. São uns boçais, mas não é isso que está em discussão... É justamente por ser CONSIDERADO PELOS TELESPECTADORES (ou a maioria deles) algo nojento, repulsivo, pervertido, é que a cena de beijo entre homens causaria muito, MUITO mais impacto.

=Maíra= disse...

Lola, fui toda empolgada abrir o video e... me aparece uma mensagem de 'vídeo com conteúdo potencialmente ofensivo'. Sintomático do quanto ainda temos que avançar nas discussões sobre o assunto, né? Li alguns comentários e concordo com o seu posicionamento: invalidar o beijo lésbico é reforçar o discurso de que lésbicas 'são só mulheres que ainda naão conhecerem uma boa p*ca'. Se rolar o beijo entre os dois homens também, melhor ainda! Beijos

Lane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lane disse...

@ Adwilhans,

Talvez ele tenha errado nas previsões dele e que o beijo causou polêmica, mas a coisa seria bem mais grave com um beijo entre homossexuais masculinos.

Novelas não trazem questionamentos, reflexões criticas sobre nenhum assunto e quando tratam abordam de forma convencional e superficial, servem apenas como pano de fundo, pois seu objetivo é somente falar de romance e conflitos humanos.

Elas em sua maior parte são classicistas e machistas e legitima valores conservadores, e burgueses que são socialmente aceitos, revestido de discurso descolados. Elas não inovam em nada.

Se alguém acompanha a novela insensato coração observa que por trás daqueles críticas que o autor faz aos poderosos, o resto é elitismo puro.

Do mais, não é que as relações entre lésbicas sejam apenas fetiche, NUNCA DISSE ISSO,( por favor, não me distorçam) mas na televisão ela obedece a fórmula do fetiche para ser aceito socialmente, como o autor fez.

Aoi Ito disse...

Eu podia tá matando, eu podia tá robando, mas tô aqui postando porque... É. Enfim.

Lane, nunca falamos que você disse que lesbianismo não tem sexualidade, que é apenas fetiche, etc. A discussão não é você, e sim o tratamento que dão ao beijo lésbico. Eu acho que você pode dar sim um pouco de chance às novelas, em especial essa que cutuca feridas ainda abertas - Por que dispensar tudo como "tentativa de manter o status quo, o elitismo"? Eu não entendo. O autor disse que achou que um beijo lésbico chocaria menos, mas, como falaram, está produzindo discussão até agora. E eu acho sim que o que a moça loira disse depois é combustível pra MUITA discussão, no mínimo uma ferida no coração dos machinhos que acham que vão pegar léééésbicas. ;)

O beijo lésbico, ao meu ver, não é apenas uma luta para a aceitação de homossexuais... É também uma luta pela desmistificação das lésbicas. Tipo, "nós existimos, estamos aqui, NÃO precisamos de homens, podemos ser lymdas e phynas, etc". Acho que estamos botando MUITA responsabilidade numa cena só, como se ela fosse a decisiva por mudar ou não o destino de milhões de casais gays e lésbicos. O que eu tô querendo dizer é: Sempre, sempre ameaçaram beijo gay em um relacionamento saudável e fofo, sempre tem personagens gays, sempre associam imediatamente homossexualidade a um HOMEM gay, então fico baita feliz que tenham "lembrado de mim". Beijo gay automaticamente remete a um casal masculino, então OMG, quando eu soube que seria de um casal feminino, fiquei em um shock muito grande, e um BOM shock.

Acho que, no caso, OK, um beijo gay teria causado mais impacto por cima. Mas botar 8497234 beijos gays pra causa impacto não resolveria o problema. Posso até argumentar então que a insistência de beijos gays reforça a noção de que mulheres lésbicas não são... "de verdade". Acho que AGORA consegui me achar: Um beijo gay é um desafio a noções de masculinidade. Um beijo lésbico é um desafio ao poder do macho sobre as mulheres.

Não tirando, claro, o mérito e impacto de um beijo gay, que TEM que ter também, e muitos deles. Mas sei lá, só beijos gays masculinos não vão resolver a situação de lésbicas discriminadas. ;(

Daní Montper disse...

Lola, o texto tá ótimo como sempre, então vou comentar me referindo aos comentários que li xD

Eu já acho que foi importante ter sido um beijo entre duas mulheres e não acho que as pessoas vejam como mais normal o lesbianismo do que a homosexualidade masculina, ao contrário, quando qualquer pessoa fala em homossexualidade pensa em homem gay e não em mulher - como se não fosse possível uma mulher não sentir atração por homem, fosse só modismo ou por alguma decepção.
É serio, conheço muita gente que aceita a homossexualidade quando é masculina, mas acha que é estranho duas mulheres transarem, pois pensa que não há sexo sem um pênis envolvido, tipo, pênis é sinônimo de sexo, se não tem, não é sexo. Alguns agem até como se a vagina fosse apenas um acessório para o prazer do homem (pênis) e nada mais.
Por isso, acho que se o autor conduzir bem a história, tenho certeza que os homens deixarão rapidnho de vê-las como um fetiche e se revoltarão por duas mulheres bonitas não gostarem de homens - aposto que o discurso será algo do tipo "ela foi mal comida" etc.

Que bom que o SBT deu o primeiro passo, espero que o casal seja bem desenvolvido, e também quero ver um casal homossexual gay masculino que não seja uma cópia de casal heterossexual se beijando!

Enfim, nem dá para cantar vitória ainda, pode ser que o autor faça alguma M do tipo : as personagens encontrarem o príncipe encantado e deixar claro que esse negócio de mulher beijar mulher só acontece por desilusão e tal, uma hora elas tomam o rumo 'certo'. Torço para que isso não ocorra.

Letícia Rodrigues disse...

Um beijo entre homens choca mais. É por isso que é preciso mostrar, para que passe a ser visto como mais natural.

Um beijo entre mulheres choca menos, não por ser mais aceito, mas pelo relacionamento lésbico ser negado, desacreditado, o que é o contrário de aceitar. É por isso que é preciso mostrar, para que ganhe visibilidade.

E é claro que mostrar beijo lésbico como fetiche só atrapalha, assim mostrar beijo entre homens para chocar só atrapalha.

Afinal, o que adianta deixar todo mundo chocado com a homoafetividade? Os gays vão deixar de apanhar por se beijar na rua por causa disso? Talvez apanhem mais! O importante é mostrar como natural, para que as pessoas parem de se chocar, não com o objetivo de chocar.

O que me incomodou, em um certo momento dessa discussão, foi um julgamento qualitativo, de que mostrar beijo entre homens é melhor e/ou mais importante do que mostrar beijo entre mulheres.

samirle disse...

Parabéns para ao autor que teve essa iniciativa.
Infelismente fomos todos ensinados desde pequenos por uma sociedade machista e conservadora que o homem casa-se com mulheres e estas são submissas a estes, mesmo com tudo que vem ocorrendo muitas pessoas ainda pensam assim.
Acredito que fomos criados para sermos felizes, idependentemente da opção sexual, nos apaixonamos pelo caracter da pessoa, pelos gestos, palavras, e não pelo que tem ou deixa de ter, se houver amor, carinho, respeito, afeição desejo , o prazer é conseguência. A vida é tão complicada, ainda não ser feliz por achar que os outros não vão aceitar é muito complicado. Essa beijo pode ser uma porta pra abrir as mentes de quem ainda acha tudo um absurdo, mas o caminho ainda é muito longo, infelizmente o preconceito é algo intranhado na mente de todos. Espero que um dia o mundo seja realmente livre para a felicidade idependente de tudo.