quarta-feira, 12 de agosto de 2009

OPINIÕES ESFUMAÇADAS SOBRE A LEI ANTIFUMO

Mad people

Bom, como tem muito post sobre a lei anti-umo começando desse jeito, vou começar assim também, dando minha opinião pessoal sobre cigarro: odeio cigarro. Abomino. Detesto. Nunca fumei. Ou melhor, experimentei um cigarro quando eu tinha uns dez anos. Minha mãe, que fumava, foi ao banheiro e deixou o troço aceso no cinzeiro. Eu, curiosa, quis saber se aquilo que lhe dava tanto prazer era bom mesmo, e fui lá e fumei, imitando o que tinha visto. E quase morri. Tossi sem parar, acho que até vomitei. Nunca mais quis chegar perto de um cigarro (aliás, taí um jeito de criar adultos não-fumantes: forçá-los a dar um trago num cigarro quando crianças). Porém, como todo mundo, sempre convivi bastante com gente que fumava. E eu não gostava da fumaça de forma alguma, mas tolerava. Com o tempo, fui ficando cada vez mais intolerante. Hoje realmente tenho problema com cigarro. Se estou num restaurante, num ponto de ônibus, em qualquer lugar, e tem alguém fumando do meu lado, eu me afasto. Pois é, pensando bem, nunca pedi pra alguém apagar seu cigarro (tirando uma vez, dentro de um ônibus interestadual). Eu é que me afasto. Sou muito passiva.
A lei não me afeta diretamente porque é raríssimo eu ir a restaurantes. Baladas, o que é isso? Eu não bebo (não bebo nada, só água. Sem gás). Prefiro me reunir com os amigos em casa ou na casa deles do que em bares, onde as vozes precisam competir com o barulho, a música alta, gente gritando. E eu sempre fui assim, não é coisa de quando fiquei velhinha, não. Eu acho engraçado que alguém considere o meu estilo de vida tedioso, careta, estúpido, sei lá, e o deles, o fino da bossa, só porque fumam e bebem. Ué, se é pra julgar, eu acho superior quem não precisa de algo artificial, fabricado, caro, pra ficar levinho e de bom humor. Eu sou levinha e bem-humorada de grátis. Tá, levinha não, com essas toneladas a mais, mas você entendeu.
O que me leva a outro ponto. Eu, que sou gorda, estou acostumadérrima a escutar patrulhadores me mandando emagrecer. Não porque eles exijam que uma mulher cumpra seu papel decorativo e seja bonita, ou porque eles têm um padrão de beleza pra lá de estreito. Não, mandar as pessoas (quase sempre as mulheres) emagrecerem por causa da aparência seria fascismo. Então eles me mandam emagrecer por uma questão de saúde. É pro meu bem, sabe? Como se eu e todas as gordas do universo não tivéssemos tentado 1,345 dietas, como se o meu tipo físico não tivesse nada a ver com eu ser gorda (e baixinha. E peituda). Então o pessoal que grita: “Sua gorda nojenta/seu fumante fedorento! Pare de comer/fumar ou você vai morrer! P.S.: Só estou falando isso porque me preocupo contigo” não me comove. Até porque morrer, meu filho, todo mundo vai morrer um dia, inclusive os magros e as pessoas que nunca colocaram um cigarro na boca. Desculpe te dar essa má notícia. Ok, mas comer e fumar são coisas totalmente diferentes. Se eu parar de comer, eu morro, ué. Provavelmente morro antes por inanição do que pelos efeitos da obesidade. E eu não comecei a comer porque achava que isso me tornava cool ou porque via os astros do cinema comendo. Mas não concordo com o argumento que “uma gorda sentada do meu lado num restaurante não estraga meu apetite, como um fumante estraga”. Porque, sinto muito, tem muita gente que se incomoda ao ver uma gorda comendo.
Mas tem mil e uma outras coisas. Em vários países ricos que a gente quer copiar em montes de itens, o combate ao tabagismo vem se acirrando. Lembro de quando fui a Chicago. Tava frio pra caramba, e em todo prédio tinha alguém sozinho fumando, embaixo, ao ar livre. Porque simplesmente não podia mais fumar em lugar nenhum do prédio. Aí eu fui a um cinema-bar em Detroit, porque tava passando um filme só lá. E foi horrível, porque o lugar era um fumacê. Todo mundo fumando lá dentro. Eu cheguei em casa com cheiro de cigarro, meus olhos ardendo, nariz fungando. Imagina como é pra quem trabalha lá. O Alex, que fuma, disse que aprova a lei antifumo por causa dos garçons, porque há estudos provando que ficar num recinto fechado com monte de fumaça durante no mínimo oito horas por dia não faz bem pro pulmão. Eu não tinha pensado nisso de garçom ser uma profissão de risco. Já a Lolla Moon disse que, na Inglaterra, por causa de leis antifumo, vários pubs estão fechando, já que as pessoas ficam fumando e bebendo em casa (até porque tente ficar do lado de fora do bar num inverno inglês!). Então o que é pior pra um garçom: não receber gorjetas e perder seu emprego, ou aguentar fumaça na cara? (com a palavra, o Cavaca, que voltou a comentar. Quero ouvir sua opinião!).
Já falei que odeio cigarro? Pois é, faz muitas décadas que não beijo alguém que fuma, e se eu terminasse com o maridão e saísse à cata de um novo homem, a regra de não fumar estaria no topo da lista. Quase ninguém fuma perto de mim, mas tenho amigos que fumam muito, direto, e o cheiro deles não é agradável. Aqui em casa não tem cinzeiro faz um tempão (já tivemos, pra receber as visitas, mas não dá. As visitas se vão, o cheiro fica). E além de eu odiar cigarro, também desprezo a glamurização do cigarro. É uma indústria gigantesca que lucra bilhões repetindo que fumar é lindo, descolado, um grande exercício de liberdade individual, e alguém acredita? (tem dois posts da Mary neste sentido de que ser fumante é legal, e ser não-fumante é bobo e chato. E muitos dos comentários são do tipo “Ah, queria tanto voltar a fumar!”). Pô, defender o tabagismo e se esquecer da indústria que a move é como achar que pornografia é um ato sexual entre duas, três, ou quatro pessoas, sem interferência de um bando de corporações que só querem o seu dinheiro. Santa ingenuidade, Batman!
Enfim, como você pode ver, não tenho opinião formada sobre essa lei antifumo. Odeio o Serra e odeio cigarro, mas acho que, já que fumar não é ilegal, poder fumar deveria ser permitido. Se bem que não perto de mim. Ao mesmo tempo, sou do tipo que não sou afetada pela lei, pois não frequento bares e restaurantes. Não quero que bares fechem pela queda do movimento, mas também não quero que garçons fiquem doentes. E eu gosto da série de TV Mad Men porque lá todo mundo fuma. Mas eles vivem nos anos 60, e o ambiente cheio de fumaça do escritório é justamente o que nos lembra disso.
E já que é pra dar opinião pessoal, acho que seria bárbaro se o pessoal aposentasse o cigarro e comesse chocolate no lugar. Todo mundo seria mais feliz. Principalmente a Nestlé.

50 comentários:

Mica disse...

Olha, Lolinha, eu não fumo, nunca fumei (tirando uma experiência igual à sua quando eu era ainda mais nova..mas não com meus pais, pq ninguém da minha família fuma) e tenho verdadeiro horror ao cigarro e sua fumaça e cheiro intragáveis.
Vc disse que gosta de ver Mad Men onde todo mundo fuma. Quanto a mim, embora adore a série, fico horrorizada com todo aquele povo fumando. Dá um desgosto sem tamanho. E o desgosto é ainda pior quando vejo foto de tudo quanto é ator/atriz pelo mundo afora, com um cigarro. Será que todo artista fuma!? Vejo aquele povo que mal saiu da adolescência e fico me perguntando como podem começar! Até entendendo os mais idosos fumarem, por fazerem parte de uma geração onde o cigarro não era um mal, mas sim algo bonito e de classe, mas a juventude de hoje não tem desculpa. Me decepciona profundamente quando eu vejo atores que eu adoro fumando. Fico imaginando como deve ser difícil conviver com eles, pois o cheiro geralmente é insuportável. E eu que fico babando por fulano e ciclano sempre repenso minha adoração, pois não consigo deixar de pensar 'nossa, beijá-lo deve ser horrível! O gosto é nojento!'.
Quanto a lei em si, por mim o fumo deveria ser proibido, ilegal, extirpado da sociedade. No entanto, penso nos meus amigos que fumam (que são raríssimos) e mesmo no meu único colega de trabalho fumante (que é uma pessoa maravilhosa e que gosto muito de trabalhar com) e não consigo deixar de imaginar o quanto seria difícil para eles se de repente fossem proibidos de fumar em alguns lugares.
Dificultaria o acesso a empregos e outras coisas. Imagina se o meu colega, para fumar, tivesse que sair da Assembléia toda vez (no momento ele fuma no fim do corredor, perto da janela). Seria um transtorno sem tamanho, além do enorme tempo dispendido.
No mundo ideal, eu diria que não poderia ser melhor. Porque fico louca da vida até quando tem alguém fumando na rua (na minha frente, no ônibus, com o vento trazendo a fumaça para o meu lado, etc) e daria graças a Deus se a droga do cigarro sumisse da face da Terra. Mas não posso simplesmente esquecer nas consequencias para todo mundo que é fumante e no quanto a vida seria muito mais difícil para eles.

L. Archilla disse...

Lola, eu pensei bem e cheguei à conclusão de q sou a favor. Pq a questão não é se vc, não-fumante, gosta ou não da fumaça do cigarro. É q ela faz mal, ponto. É diferente de ver uma pessoa feia ou gorda na mesa ao lado, que pode até me causar repugnância, mas não afeta minha saúde.

E embora o Serra seja um cara autoritário SIM, não acho que a lei seja autoritária, já que não proíbe o cigarro em si - proíbe q ele seja fumado num ambiente fechado. Os bares mais sofisticados (com comanda, e tal) já estão se adaptando e fazendo ambientes abertos dentro do estabelecimento, separados por porta de vidro de todo o resto, pra que a pessoa não precise ir até a rua fumar. Os bares mais simples costumam ter aquelas portas de enrolar, não sei o termo correto, mas q são grandes e não separam muito o dentro/fora - ou seja, a pessoa pode alternar a cerveja (dentro) com o cigarro (fora), sentando numa mesa perto da porta, evitando assim de prejudicar o dono do bar, que fica o tempo todo atrás do balcão sem a opção de sair pra tomar um ar.

Acho que o mais complicado vai ser pros donos/empregados de baladas, já q é raríssimo que uma balada tenha espaço ao ar livre (a não ser as q rolam em chácaras, ou raves). Normalmente elas já são apertadas e totalmente fechadas de propósito, mesmo, pra abafar o som e criar um clima mais intimista. No entanto, não creio que as pessoas vão deixar de ir pra balada por não poder fumar lá. Acho q é uma questão de costume.

Acho também que a realidade daqui é diferente da de Londres, porque é totalmente possível sobreviver ao ar livre aqui (aliás, dependendo da estação, ficar um pouco ao ar livre não só é possível como é necessário, haha).

E sabe o que mais? Sou mais essa lei que a lei seca. Porque a lei proibindo dirigir após beber JÁ EXISTIA, só aumentaram a punição e a fiscalização (esta última, temporariamente) pra fazer um alarde. Sei de casas que molham a mão dos policiais pra não fazerem ronda ali por perto. A galera sai miando de bêbada e pega o carro. Sem falar que a fiscalização, em geral, já diminuiu muito desde a implantação da lei até agora. Espero que com a lei antifumo seja diferente.

Kaká disse...

A minha mãe sempre fumou, inclusive na gravidez (coisa comum nos anos 70), então eu sou fumante passiva desde sempre. Aliás ela usou essa tática de me dar um cigarro quando eu era criança e nunca mais eu quis fumar na vida. Não gosto de cigarro de jeito nenhum, mas não faço campanha anti-tabagismo, também saio de perto se me incomoda. Hoje em dia minha mãe fuma muito menos, ela está tentando diminuir, mas parar acho que não vai.

Anyway, ela apoia a lei antifumo para os lugares fechados. Quando estamos em algum lugar fechado (geralmente em viagens) ela sai para fumar na rua. Estivemos em Berlim em maio e era proíbido fumar no apartamento que alugamos e ela descia para fumar (e fazia frio, 10 graus, bom, frio para cerarense).

Aqui em Fortaleza a maioria dos lugares é aberto, mas eu acho que as pessoas aqui fumam muito menos do que no Rio ou São Paulo. E acho que aqui no Brasil se fuma muito menos do que em outros países.

O que que a minha mãe reclama é que não tem lugar para fumar dentro dos aeroportos aqui no Brasil. Lá fora sempre tem uma salinha fechada para fumantes (até nos EUA tem), fica parecendo cena de filme de ficção científica com tanta fumaça, mas são eles que ficam lá baforando.

Agora, que o mundo ia ser muito melhor se todo mundo comesse chocolate, ah isso ia. :)

Patricia disse...

Vou dar minha opinião de mezzo fumante: aqui em Brasília já não é permitido fumar em lugares fechados há um bom tempo e isso sempre foi ok para mim. A primeira ver que fui numa balada em São Paulo nem eu, fumante, aguentei ficar na pista de dança, meus olhos ardiam muito. Os bares aqui são quase todos ao ar livre e quando não são, tem área de fumantes, o que acho tranquilo também. Concordo com a lei, mas não gosto da parte onde não se pode fumar debaixo de um toldo na rua, lugar aberto, achei exagero. Aí me contaram dessa pesquisa sobre a saúde dos garçons, mas pelo que vi parece que elas se referem aos garçons em lugares fechados, onde as pessoas não estariam fumando, então sigo sem entender. Em restaurantes nunca fumei, sou a favor de que seja proibido mesmo, po, obrigar alguém que não fuma a saborear seu prato com fumacê na cara é demais! Aqui algumas baladas tem fumódromo, claro que enquanto fumante eu preferia poder fumar em qualquer lugar, mas entendo e no fim das contas a ida ao fumódromo nem atrapalha minha balada, pelo contrário, já conheci muita gente em fumódromo. Mas parece que a lei de São Paulo também proíbe os fumódromos, né?
Acho que a lei tem sim aspectos autoritários e paternalistas do tipo 'vou te obrigar a fumar menos porque isso faz mal para você', mas também tem considerações válidas.
No mais, eu adoro fumar e nunca tive vontade de parar, sei muito bem dos malefício do cigarro e continuo com minha escolha de fumar quando tenho vontade, quando acho que estou exagerando, diminuo ou fico uns tempos sem fumar.

Anderson disse...

Não sou fumante e não gosto da glamorização em cima do cigarro....mas....tb não gosto da vilanização , como se o fumante fosse um criminoso ,suicida e sem respeito pela saude alheia.

E gosto menos ainda das campanhas p/ banir cigaros até de filmes de epoca. Vc viu a questão do cartaz do filme sobre Chanel?

E isso de usar a questão de saude como desculpa p/ perseguir habitos particulares tb me incomoda.

Quer dizer que não basta educação e informação? Temos que obrigar as pessoas a ter comportamentos saudaveis p/ elas?

Má disse...

OI Lola!!
Eu parei de fumar faz 1 ano e 4 meses, tenho bronquite e tava difícil viver fumando e passando mal ao mesmo tempo...:(
Mas ADORO cigarro, meu sonho é que façam um cigarro que não faz mal igualzinho o normal..rsrs..
Não ligo quando meu namorado fuma em casa, nem meus pais pais q fumam tb.
Agora concordo que o "fumar em si" não faz a pessoa transcender, acho q a midia criou isso mesmo.
Igual as drogas. Quando penso em grandes pensadores, poetas etc que usavam drogas. Eles eram geniais, mas não porque USAVAM drogas e fumavam, mas porque eram genial e ponto, vejo conhecidos confundindo esse ponto...rsrs
Adoro beber e tal, mas conheço gente com este romantismo. Na minha opinião, é chato ser careta e proibir (não tenho opinião sobre a lei ainda)..Mas tão retrógrado quanto ser careta é uma espécie de associação de cigarro-álcool-drogas etc com uma glamourização à la existencialistas do passado sabe.
Se for assim, existiria tanta opesia, ótimo rock e filósofo na atualidade :)
Bjo Lola!

Má disse...

Ahh, quando fumava (porque gostava e não por ser glamouroso),era MUITO chato quando alguém vinha dizer p parar!
Sério, já briguei com um senhor até.
"Ahh tão linda e jovem fumando...", mas na verdade acho q tem gente que tem o prazer sim de poder dizer isso, não pela sua saúde. Porque É PERMITIDO isso sabe..é diferente quando família diz.
Agora se eu começar a falar "nossa vc come carne, mata bichinhos aquece o planeta..etc" é chato, ão é permitido (olha que não faço isso..)
Embora entenda muitos argumentos do parar de fumar ( minha saúde está ótima agora!), existe uma patrulha, muitas vezes inconveniente sim.
Bjo Lola.
Ficou longo de novo..

luci disse...

lola, apesar de eu ser fumante, concordo com a proibicao do cigarro em lugares fechados. nao eh querendo ser a boa pessoa, mas fumar cigarro dos outros eh uma tortura, ate pra mim que fumo.

aqui na frança nao se pode fumar nos bares e, no inverno, diminuo o consumo de cigarro em quatro ou cinco vezes. nao eh o suficiente, mas meus pulmoes agradecem. e o dos outros, tbm!

Amanda disse...

Lolita nem sabia que essa lei era polêmica, porque pra mim ela é tão obvia! Acho que não tem nem o que discutir: cigarro incomoda os outros e pronto. Não tem coisa pior do que ir à um bar e voltar com catinga de fumaça. Quer fumar? Fuma em casa. E assim o cigarro não vai conseguir tantas novas vitimas, porque afinal de contas, de que adianta ser cool, se ninguém vê?

Giovanni Gouveia disse...

Seguinte, claro que fumar em local fechado é inadequado, mas, e se for um local aberto, por exemplo à beira da praia (claro que isso não existe em sampa capetal, todavia...), é ridícula a proibição, como também é ridícula a PROIBIÇÃO de fumódromos (como assim?)
Recife tem lei rigorossa sobre o tabagismo, quem criou o troço foi uma amiga minha, antitabagista inveterada, auxiliada pelo ministério público do emprego, o procurador destinado para o caso também é amigo meu de longa data..., mas parte do princípio que o tabagismo é doença, e não crime. Hoje ninguém mais fuma nos shopping centers, mas há fumódromos nos shoppings, até eu, que sou fumante desde meus 12 anos (a tática de fazer criança fumar pra ver como é ruim funcionou inversamente comigo, mas não foram meus pais que fizeram isso comigo não) reclamo se tiver alguém fumando em local fechado. O secretário de Saúde que gestou todo esse processo é psiquiatra, com atuação justamente em dependência de drogas, aliás drogas são tão (ou mais) antigas quanto a civilização humana
A lei de Serra tem algumas maluquices, por exemplo "fumar em área comum do condomínio" (se eu tivesse com raiva d@ síndic@ eu poderia fumar no condomínio só pra sacanear) , e apela pra que a população seja dedo duro, já que não há fiscais pra cobrir a cidade de São Paulo (imagine o estado)

P.S. Quando eu era garçon, TODOS os garçons e barmen do bar fumavam.
P.S. 2, essas leis antifumo têm me irritado profundamente, se algum dia disserem que "só vai poder fumar numa sala escura, ajoelhado nos caroços de milho" eu vou fumar só de sacanagem

Serge Renine disse...

Aronovich:

Fumar faz mal; gás carbônico faz mal; comida industrializada faz mal, etc.

Agora o que faz mal mesmo é um político legislar contra as liberdades individuais, com o único objetivo de aparecer visando a eleição presidencial vindoura.

Eu não fumo (nunca fumei), mas não me importo que outros fumem e não admito lei sobre isso. Fascismo tem limite

ally disse...

"A nossa liberdade acaba quando começa a dos outros"

Pra mim isso diz tudo.
Eu não sou fumante e não quero fumar de tabela...Se alguém não se incomoda de mandar fumaça pra os pulmões eu me importo.
E existem muitos fumantes mal educados que não se importam em jogar a fumaça para o outro lado.
Acho que eu tenho o direito de entrar num lugar limpo e sem fumaça.

Barbara disse...

Eu tambem moro na Inglaterra e adoro a lei antifumo daqui.

Ora bolas. Existem avisos no metro para que as pessoas nao escutem musica alta ou comam comida fedorenta, porque isso incomoda os outros.
Se voce soltar um pum no escritorio ou no restaurante, ninguem vai gostar, ne? Ou se estiver com cece. Entao por que fumaca de cigarro haveria de ser permitida?

Outros pontos: aqui todo mundo paga impostos para usar o sistema de saude. Ai vai um camarada que fumou a vida inteira, se jactando de seus direitos individuais, tem um cancer e sou euzinha que pago o tratamento dele no hospital, ne? (acho que eh por isso que os cigarros aqui sao tao caros - vc esta pagando parte do tratamento hospitalar)

Tambem existe uma logica que se o fumo for proibido em todos os lugares, as pessoas vao fumar menos, vai ser mais facil parar, ou mais dificil de comecar. Nao sei se isso esta provado, mas me parece logico.

E mais uma coisa: a Lolla mora em Jersey, nao sei como sao as coisas la. Mas aqui, dizem que os pubs sofreram com o comeco da lei, mas acho que depois se recuperaram. E alem disso, eh permitido fumar nos beer gardens dos pubs!

Na boa, para mim eh uma questao de respeito em lugares fechados. Nao fumar, nao peidar, nao gritar, nao jogar lixo no chao... Tipo assim, que nem gente civilizada?

patrix disse...

Sem dúvida estava faltando um pouco mais de bom humor e argumentos relevantes nessa discussão! Sou fumante, e concordo totalmente com você, do ponto de vista do bom-senso: se cigarro não é proibido, não faz sentido proibir o fumo em TODOS os lugares! Mas tudo bem, ninguém quer matar os garçons antes dos 40. E todos os outros não-fumantes não são obrigados a conviver com quem não fuma. Tá. Pra isso, a gente já tinha áreas de fumante e não fumante, eu acharia justo que todos os lugares que agora foram proibidos, fossem obrigados a ter áreas separadas. Pronto. Ou então se proibe o cigarro logo de uma vez. Agora, uma vez que o cigarro é legalizado, é muita falta de respeito cercear a liberdade dos fumantes.

http://ocadernodepatrix.wordpress.com/2009/08/07/nicotina-2003/

PS. acabei de 'esbarrar' no seu blog, adorei! vou voltar lá pra devorar o restante.

Masegui disse...

Bem, vamos lá que o assunto me interessa. Comecei a fumar com uns 15 anos porque era chique, bacana, legal, os amigos todos fumavam.
Hoje os fumantes são marginalizados e eu faço parte desse grupo.

Já são 37 anos de vício. Tentei parar umas 2 ou 3 vezes, tempos atrás. O cigarro faz mal pra minha saúde e pro meu bolso, mas eu não sei ficar sem fumar. Vou morrer, provavelmente, de algo provocado pelo cigarro.

Minha mulher implica comigo, meus filhos implicam comigo. Meus amigos não implicam comigo porque sabem que deles não tolero. Se querem manter a amizade devem me aceitar com os defeitos. É o pacote completo ou nada. É 8 ou 80.

Eu não fumo em local proibido e nem na sua casa. Mas se você vier na minha casa, saiba que eu fumo.
Se eu estou de carona no seu carro eu não fumo. Se você está de carona no meu carro, saiba que eu fumo.

Se você deixar de ser meu amigo por causa do cigarro, paciência. É melhor do que por eu ser feio.

Beijos (com cheiro de cigarro)

Ana Paula disse...

Lola, aqui em Boulder onde o povo é super, hiper, environmentalist, esportista, outdoorsy, etc. já existia a lei do "proibido fumar em lugares fechados" desde que eu cheguei em 2003. Todos os bares tem a área de fumantes adjacente ao bar pq assim o povo pode continuar bebendo. Uma vez fui à um bar em Denver e me não estava me sentindo muito bem. Tava achando o ar pesado, tão diferente. Foi qdo notei que em Denver, as pessoas fumavam em bares. E me lembrei de como era minha vida boêmia no Brasil. Que mesmo não fumando, voltava pra casa das baladas fedendo à cigarro. A ponto de, às vezes, ter que tomar banho e lavar o cabelo as 4 am pq não conseguia dormir por causa do cheiro. Agora o Colorado inteiro passou a lei e ficou muito mais agradável sair pra qq lugar. No meu escritório só tem um cara fumante pra vc ter uma idéia. Parece até que diminui o número de fumantes qdo vc tem lei assim. Os poucos fumantes que conheço aqui tb não fumam nem dentro das suas próprias casas. Todos deixam um cinzeiro no deck ou na varanda e fumam lá.

Qto a Mad Men, não acho estranho ver todo mundo fumando pq eles estão retratando muito bem como era aquela época: whiskey e cigarro toda hora. O que me incomodava mesmo era ver Sex and the City com a Carrie Chaminé-Bradshaw. A personagem da SJP não só fumava como uma louca, como segurava o cigarro na boca muitas vezes como um homem e daqueles bem sem classe. A série começou em 1998 e não é possível que nesta época ainda se mostrasse uma personagem principal fumando várias cigarros por episódio.

Ana Paula disse...

Ah, assiti Revolucionary Road outro dia e tb reparei que a April continua fumando memso qdo descobre que tá grávida. Exatamente com o disse o Kaká, que até os anos 70-80 ninguém parava de fumar pq tava grávida.

Anderson disse...

"Outros pontos: aqui todo mundo paga impostos para usar o sistema de saude. Ai vai um camarada que fumou a vida inteira, se jactando de seus direitos individuais, tem um cancer e sou euzinha que pago o tratamento dele no hospital, ne? "

Verdade Barbara, vamos proibir atendimento de saude p/ fumantes, afinal isso é só p/ quem pago imposto (mas espere eles tb pagam!!!)

Então vamos proibir pq eles tiverem um comportamento que não era saudavel... assim como as pessoas que não se alimentam de produtos naturais, que não fazem exercicios regularmente, as que viajaram p/ paises onde a gripe suina ja tinha se manifestado.

Assim se a Lola um dia tiver uma intoxicação alimentar, nada de tratamento publico, afinal ela ja disse que "adora" agrotoxicos.

Desculpe, mas foi um pessimo argumento.

L. Archilla disse...

gente, eu não entendo, juro que não entendo, aonde essa lei tá sendo fascista, tá "CERCEANDO" a liberdade dos fumantes. ninguém tá proibido de fumar, caramba!!!!! vc q fume na rua, na sua casa, no seu carro, no parque!!!!!

é engraçado q muita gente não fuma no próprio carro "pra não ficar cheiro", não fuma em casa "em respeito aos pais", ou "pras crianças não virarem fumantes passivas", acha que tudo bem fumar num barzinho fechado cheio de não-fumante. e acha que a proibição disso é censura.

censura é o q é feito com a maconha, q vc não só não pode fumar em lugar nenhum como não pode nem ter a planta em casa pra fazer fotossíntese!

L. Archilla disse...

e tb não concordo com o argumento "ah, eu me mato do jeito q quiser, etc", pq, SIM, vc PODE se matar do jeito q quiser; seja com cigarro ou com gordura trans. vc só não pode estender essa escolha aos q convivem com vc. o objetivo da lei não é fazer ninguém parar de fumar, e sim proteger quem não fuma dos males da fumaça!

Tina Lopes disse...

Lola, eu fumei, parei porque quis mas sinto vontade de fumar todo santo dia da minha vida e brinco que quando tiver 65 eu volto. O prazer é muito grande, nem o vinho, nem o café e ouso dizer, nem o chocolate - com os quais eu substituí a fumaça - jamais me deram tanto prazer. E eu quero que alguém levante e diga: "tenho câncer porque fumaram na mesa ao lado na balada". Ora, sinceramente. Ok, fumar incomoda, eu mesma sempre evitei fumar em locais fechados, mesmo bares. Ok também que os garçons são prejudicados, admito, e isso deveria criar uma diferenciação nos ambientes dos bares: tipo, só fumar numa sala ao lado daonde é servida a comida: mas isso deveria ser luta do sindicato dos garçons. Como diz o Serge, o que é isso, proibir fumódromo??? Não dá pra entender. Já tive um chefe anti-fumante convicto que, ao me contratar, perguntou se eu era fumante e disse: aqui vc não pode fumar nem no horário do almoço, pq eu vou sentir o cheiro. Eu aceitei. Sabe o que acontecia? Eu ia pra casa fumando, chegava em casa e fumava uma carteira inteira. Aí vão falar, ah, mas a questão social, o fumante custa caro pra sociedade porque o tratamento blabla.. ora, então vamos policiar quem faz sexo sem camisinha porque criança abandonada também custa caro etc etc. Sinto muita vergonha alheia das entrevistas na tv com os anti-tabagistas babando de alegria por ver seus colegas na rua, no frio, ou ao sol (q tbm é ruim pra fumar): a alegria dos não-fumantes é sádica, não canso de repetir. E outra coisa, sobre a indústria do tabaco, ok, não vamos esquecer que ela gera empregos e impostos. Enfim. Eu morro de saudade de fumar e essa lei só aumentou essa vontade.

Leila disse...

oi lola,
sec q nao venho deixar um comentario, mas continuo lendo o blog.
Seguinte nao querendo te ofender mas vc tentou fazer um post mas vc nao tem uma opiniao formada.
eu nao sou fumante, mas ja fumei e tenho amigos q sao, e eu acho essa lei a maior besteira.
primeiro pq vc legaliza um negocio q é uma bosta q é o cigarro e depois nao permite as pessoas fumarem onde querem.
fora q tem outras substancias q nao sao legalizadas q nao fazem tao mal qnto cigarro... anyway
outra coisa é q tem areas de nao fumante para pessoas q nao suportam cigarro.
E vc sabia q 40% das pessoas q frquentam bares e casas noturnas fumam?
se esses 40% pararem de sair acredite q muito bar vai fechar! e ai.. mais desesmprego c essa crise nao seria uma boa!
ah e eu nao discordo em parar de fumar em restaurantes e sim em bares e casas noturnas...

Natália disse...

em outro assunto: o rio de janeiro adoraria tê-la! ufrj abriu concurso com 4 vagas para língua inglesa
http://www.ufrj.br/detalha_edital.php?no=Concursos&tp=&id_edital=150&idtp=5

não é literatura, sei, mas...

marjorierodrigues disse...

Bom, vamos lá:

1 - Eu não fumo, nunca fumei. Mas tenho amigos fumantes -- e sempre houve o semancol de se afastar um pouquinho, não fumar na nossa cara. Tb trabalhei com fumantes, e eles sempre iam fumar longe dos não-fumantes. Ou seja: não sei daonde vem tanto ódio aos fumantes. Porque, como não-fumante (com rinite!), eu nunca me senti tão incomodada assim. Tem gente que olha mesmo para os fumantes como se quisesse vê-los "vomitando seu pulmão na rua", como disse a Mary. Eu percebo isso. Esse masoquismo. "Vc é trouxa, vc está se matando". O discurso é o da saúde, mas a pessoa quer mais é que o fumante se lasque. Que morra de câncer ali mesmo para ela dizer "bem-feito". Achei legal vc ter comparado com os gordos, porque é quase o mesmo discurso. E essa defesa da saúde é tão paternalista! Como se as pessoas não tivessem o direito de fazer o que bem quiserem com suas vidas, inclusive de se matar rápida ou lentamente, se elas bem entenderem.

2 - Em restaurantes, a divisão de áreas para fumantes e não-fumantes sempre funcionou bem. Para mim, que sou cliente. Pro garçon é mesmo foda. Mas, aí, é como vc disse: se os restaurantes perdem clientes, o garçon tb perde seu emprego. Não seria o caso de adicionar um adicional de insalubridade para o garçon, algo assim?

3 - Nas baladas a que eu vou, eles soltam uma fumacinha cheirosa para disfarçar o cheiro do cigarro. Mas quando vc chega em casa, é quase uma bituca ambulante. As roupas e os cabelos ficam impregnados, é impressionante. Eu sempre pensei nisso: pq não fazer áreas na balada para fumantes e não-fumantes? Ou balada onde pode fumar e não pode fumar. Então, e vc se incomoda MUITO com isso, não vá à balada onde pode fumar, uai.

Enfim, a gente podia PENSAR em soluções, sabe? Mas a marca do governo José Serra é a BURRICE. o fascismo. Tipo: tem um problema? Não pense nele. Proíba, simples assim. Tá tendo muito acidente com gente embriagada? Simples, reduz o nível de tolerância a zero. Até bombom de licor acusa(mas eu duvido que tenha havido blitz na porta do Fasano, para pegar os ricaços que tomaram vinho no jantar). Outro exemplo, que não é do Serra, mas é a mesma coisa: tem um problema com crianças tomando drogas na rua? Proíbe de sair na rua então. Em vez de pensar em uma solução que envolva educação, esporte, lazer, etc.

Outra coisa que me incomoda muito nessa nova lei é o dedodurismo. O fumante é mesmo perseguido. Nunca sabe se vai ter algum mané que quer mais é que ele vomite o pulmão na rua lhe denunciando.

Ora, se tem muita gente morrendo de câncer, puna a indústria que lucra com isso. Não puna o usuário. Não demonize o usuário. O cartaz da campanha tem mesmo essa mensagem: "não pode fumar neste local". Que local? Bares e restaurantes? Não. É um mapa do estado de SP. Perto do shopping paulista, colocaram uma ampulheta enorme com cinzas e um cigarro dentro. Contagem regressiva pra quê? Pra nova lei começar a vigorar e a gente poder dedurar você, te cuida? Ou contagem regressiva para vcê morrer, seu trouxa burro? Enfim, é tudo muito agressivo. Não curto.

marjorierodrigues disse...

*se vc se incomoda muito com isso...

Anderson disse...

Ah é, tem a questão da denuncia tb que eu tinha esquecido. As pessoas agora vão poder se sentir bem consigo mesmo pq cumpriram com o seu dever e denunciaram os fumantes, e a PM ta pronto p/ ir, escoltar o cara p/ a delegacia...

E se é p/ cuidar da saude dos outros que tal uma lei proibindo as pessoas gripadas (com qualquer gripe) de ficarem em lugares que tenham mutidão.

Tipo, ta no restaurante, ta na balada e espirrou?

Fora cara, e sai na boa ou chamamos a policia e o procon.

Desculpe, não acho graça.

Mônica disse...

Lola,
sou da turma dos não-fumantes mas não sou hardcore. Como eu disse lá no post no blog, acho que falta um pouco de bom senso e um bocadinho de boa vontade de ambas as partes pra gente ter uma convivência, digamos, mais pacífica e civilizada. Como dizia minha avó, 'tudo com temperança', mas o pessoal muitas vezes só quer mesmo saber de si...

Adriana Calábria disse...

O que a galera esquece é que fumar é um vício. E por conta disso, não adianta culpar ninguém. Parar é muito complicado...

Eu nunca fumei. Detesto cigarro, mas não condeno os fumantes.


Cada um no seu quadrado. E desde que não fumem no meu, tá beleza!

L. M. de Souza disse...

pois é, como fumante não me importo de não ser permitido fumar em bares e restaurantes, ja que vou ao restaurante comer, como e vou embora, não fico fazendo hora em restaurante. talvez seja ruim pros americanos q adoram fazer hora em restaurante, mas pessoalmente nao me importo. em bar sim, vou num bar beber, fumar e conversar com os amigos (nao nessa ordem), mas não me importo de ter que sair pra fumar, inclusive é algo bom, já que fumo menos. tento ser educado e me afastar das pessoas qdo estou fumando em locais publicos, mas sei q nem todo mundo é assim. mas droga legalizada por droga legalizada, acho q homem nenhum bate na mulher e nos filhos depois de fumar uma carteira de cigarros. alguns gostam de fumar, outros de beber, outros de mcdonalds, cada um com seus problemas.

Louis. disse...

eu achava, antes dessa lei, que a questão dos restaurantes já fosse lei, até porque me parecia que a ideia de que não se pode fumar neles fosse bem internalizada pelos fumantes, e aceita sem grandes problemas.

o problema desta lei parte da propria concepção dela. ao invéz de, com base nesses dados medicos dos maleficios do fumo passivo, regulamentar o uso do cigarro para o bem coletivo, se buscou justamente o contrario, a proibição.

a questão do cigarro é semelhante a dos carros/caminhoes/onibus. fumaça de escapamento faz mal, sim, mas as pessoas precisam usar seus veiculos, então, temos limites legais que fixam a quantidade maxima de poluentes que pode sair do escapamento. se estabele multas e outros dispositivos para impedir que veiculos com muitos problemas saiam por ai soltando fumaça preta e pronto.

se a fumaça faz mal, ok, então que se meça a quantidade maxima aceitavel. que se calcule a velocidade com que um ambiente fica enfumaçado de acordo com a lotação da casa e a média de cigarros acendidos por minuto.e obrigue as casas noturnas e bares a criar separaçoes de fumantes/ não fumantes com dispositivos de renovação do ar adequados a cada ambiente. pronto.

mas isso dá muito trabalho né? melhor proibir tudo e mandar um ficar policiando o outro para ver se está fumando.

Camila Hareide disse...

Olha só, Lolinha, eu já fumei, parei por mais de anos, voltei e parei de novo. Hoje cigarro me faz mal. Também odeio o Serra, E gente fumando em locais públicos...

Essa história de pub fechar em Londres, sei não... Estive na Irlanda um tempo após a proibição do cigarro em locais públicos. O negócio dos pubs ia bem, obrigado! As pessoas estavam no inverno irlandês congelando a bunda do lado de fora pra fumar. Aqui na Noruega, a mesma coisa. Ninguém deixa de ir ao bar porque é proibido fumar... Seria a mesma coisa que dizer que o povo no "mundo civilizado" bebe menos porque é muito caro beber... O povo fica mais pobre, mas continua enchendo a lata - especialmente aqui na Noruega.

Até em Paris, a cidade do cigarro, o povo sai pra rua pra fumar, e não tem nem bar fechando e nem garçon perdendo emprego por causa disso. Esssa afirmação é uma bobagem tremenda...

O problema é que o brasileiro (leia-se o paulistano)acabou ficando sem argumento pra reclamar da lei. Ouvi amigos não-fumantes dizendo que a proibição do cigarro era uma ditadura, que o governo não pode interferir na vontade das pessoas. Será que issonão é exagero não? E voltando à Irlanda, muito irlandês resolveu parar de fumar, então, pra não ter que congelar a bunda na rua - o pub é sagrado, deixar de ir ao pub, jamais!

Well, que o cigarro é uma droga legal e derrubar o lobby da indústria é impossível, é fato. Mas também é fato que ele prejudica quem não quer respirar a fumaça nojenta! E esses, como ficam?

Eu acho que essa lei exige tempo pra que as pessoas se acostumem, assim como se acostumam em TODOS os outros lugares do mundo. Porque no Brasil o brasileiro se recusa? Pô, na Califórnia nem nas ruas um sujeito pode fumar...

Esse papinho de pensar no sujeito que fuma, coitadinho, não engulo mesmo! O ser humano é extremamente adaptável, e se ajusta a tudo - querendo ou não. Há quanto tempo já não se fuma em aviões? Quando veio a proibição dos cigarros nos aviões, os fumantes acharam que iam morrer... Morreram? Com certeza náo foi por náo fumar durante um vôo, compreende? H[a quanto tempo náo se pode fumar em shoppings em SP? O paulistano deixou de frequentar seu preferido passatempo para um domingo ensolarado? De jeito nenhum, tanto que shoppings náo param de abrir em Sáo Paulo.

Levanta da mesa no boteco e vai fumar na calçada, rapaz! Qual o problema?

Podemos criticar o Serra por n outros motivos, mas esse, já é procurar pelo em ovo, eu acho!

Desculpe a novela...

Denis disse...

Adorei o site, Lola!
Parabéns.

Luis Henrique disse...

Sou contra esta lei por vários motivos.

Acredito que de lei já temos demais. Já basta a proibição do fumo em escolas, hospitais. Já basta a obrigação de bares e restaurantes alocarem espaços para fumantes e não-fumantes.

A própria desglamourização do cigarro, a proibição de propagandas, a campanha que incentiva os fumantes a largarem o vício, etc são justamente as medidas mais eficazes no combate ao tabagismo.

Agora, essa nova lei não é anti-fumo, é anti-fumante. É fascistóide pois tem caráter discriminatório. Higienista, aliás - reproduz a lógica de 'limpar' os bolsões de pobreza do centro da cidade, empurrando-os para a periferia. Além do mais, no atual contexto político, é um projeto eleitoreiro, pois 2010 vem aí e o governador já tem uma 'carta na manga' marketeira para o quesito 'saúde pública'.

Outra, não é porque existem leis semelhantes na Europa isto é a coisa certa a fazer. Mania de imitar cegamente os 'povos desenvolvidos'.

Fumaça de cigarro faz mal, incomoda, de fato. Mas o convívio entre fumantes e não-fumantes não é pra ser regulado por lei. Regular os pormenores da vida social é característica do fascismo.

Aliás, duvido que isso aí dê algum resultado efetivo, pois não faz sentido restringir o uso de uma substância sem fazer o mesmo quanto à sua produção e distribuição. Esse é o real caráter dessa lei comezinha: garante-se o lucro da indústria do tabaco enquanto o Serra ganha publicidade para o ano que vem.

Luis Henrique disse...

Ah, outra, o pior de tudo é que esta nova campanha de 'saúde pública' incentiva dedos-duros.

É mole?

Raquel W. disse...

Oi Lola,
Eu não podia estar mais feliz com a lei anti-fumo. É algo tão espetacular que eu mal consigo acreditar que realmente esteja acontecendo.
Sobre o argumento de que bares e afins vão ter seu movimento diminuído por causa da lei, eu não vejo desta forma.
Eu sei que não é o seu caso, mas eu sempre gostei de sair à noite, e tem vários lugares aqui em Campinas que eu adoro, mas sempre pensei 10 vezes antes de ir, porque sabia que apesar de curtir um bom rock and roll, eu ia sair com a roupa e os cabelos defumados, com os olhos ardendo e com a sensação de ter fumado uns 20 cigarros. Sempre.
Ou seja, eu deixava de ir aos lugares que eu gosto por causa do cigarro.
Imagino que agora, aos poucos, mais pessoas não fumantes passem a frequentar estes lugares, que antes acabavam sendo exclusividade dos que fumam e dos que toleram a fumaça alheia.
Um abraço,
Raquel

Barbara disse...

Anderson, a questao do sistema de saude nao eh um PESSIMO argumento.

Tambem nao eh um argumento definitivo, eh logico. (senao ia ser um inferno, quem nao faz academia nao pode ser atendido em hospital, quem come fast food tem que pagar imposto em dobro... O ceu - e Big brother - sao o limite para esse tipo de patrulhamento).

Mas acho sim que essa questao do tratamento de saude eh uma variavel, entre varias outras, que deve ser levada em consideracao.

Carla Mazaro disse...

Bom, sou não fumante e a favor da lei antifumo.
Primeiro ponto que eu queria levantar, num lugar aberto que tenha toldo na calçada pode fumar, vi o Serra declarar isso na televisão (programa do Jo).
E alguns argumentaram que deveria existir os fumodromos, mas de boa, desde qdo eles funcionam? tipo num restaurante, normalmente o que separa os fumantes dos não fumantes é uma linha imaginaria! e a fumaça do cigarro não costuma respeitar essa linha.
Se vc trabalha num predio, por exemplo, pode fumar na cobertura ou ir até a calçada, depende de em que andar vc estiver.
Não que eu seja a favor de criminalizar o cigarro, mas nem os proprios fumantes (pelo menos os o q eu conheço) gostam de ficar cheirando à fumaça.

Anderson disse...

Barbara, não quero polemizar mais do que o assunto ja é, mas sim acredito que seu argumento foi pessimo.

Ainda mais da maneira que vc colocou que ,para mim, pareceu dizer que o problema não é o fumante estar com cancer, efisema, etc, é ele estar sendo tratado por um sistema que os não-fumantes tb ajudam a manter.

Desculpe, mas soou como ah bem feito, queria fumar, agora aguenta e nem venha pedir o meu dinheiro p/ se tratar.

E isso vai contra oq entendo por democracia e vida em sociedade.

Éris disse...

Eu detesto cigarro. E não suporto que fumem perto de mim. Se eu estiver em local em que fumar é proibido, eu reclamo com a pessoa, mas se for na rua, por exemplo, que posso fazer além de me afastar?
É horrível você sair de manhã cedo para ir trabalhar e ter que passar por um infeliz soltando fumaça, eu fico com enxaqueca, sou sensível a fumaças. Por mim deveria ser proibido a fumar nas ruas, como a maconha, pois faz mais mal que essa erva, inclusive pra quem apenas sente o cheiro do cigarro (o fumante passivo).

Patricia Scarpin disse...

Lola, eu não fumo - nunca sequer experimentei nem tive vontade. Meus pais fumavam muito, a minha mãe fumou na gravidez - vejo as fotos e me dá uma agonia - e o vício era tão grande que ela não parou de fumar nem quando estava com câncer. Não tinha um cabelinho sequer na cabeça e fumava. Eu jogava os maços dela embaixo da geladeira, ela ficava puta comigo. Morreu em 1986, aos 32 anos, de um câncer originado na extração de um rim em 1981, e fumou até quase o final da vida. Preciso dizer que detesto cigarro?

Sou a favor da lei porque, ao contrário do que algumas pessoas comentaram aqui, os fumantes que conheço não são nem um pouco educados, fumam na cara de quem quer que seja e em qualquer lugar. Por isso está sendo um alívio.

E como disse a Camila, ninguém morreu por não poder fumar em avião, ou dentro do escritório. As pessoas se acostumam e encontram uma nova maneira de fazer a mesma coisa.

Como você, também não sou de sair, prefiro receber os amigos em casa, preparar uma coisinha gostosa para eles. Meus cunhados fumam como chaminés, inclusive dentro do apartamento da minha sogra, o que acho um desrespeito, mas na minha casa, não. Nem pedem, pois já sabem que detesto. Nunca colocaria um cinzeiro na minha casa.

Sou a favor da lei. Quer fumar? Fume em lugar aberto ou dentro da sua casa ou carro.

Barbara disse...

Ola Anderson, espero que vc tenha entendido que eu nao quis ser radical, mas queria levantar um ponto que as pessoas costumam esquecer.

Alem disso, acho que ja que a gente vive em sociedade, eh bom pensar nos outros um pouquinho.

Vc ja leu esse texto aqui? O cara fala sobre o cancer do pai fumante, e ele esta puto: http://www.masili.com.br/blog/?p=195

Nao eh meu, eu nem conheco o cara que escreveu, mas ele mostra direitinho como essa historia de "a vida eh minha, eu faco o que quero e eh problema meu", na hora do vamos ver, eh uma falacia.

As coisas que a gente faz tem consequencias para os outros, e nao pensar nisso eh de um egoismo sem tamanho.

Barbara disse...

Lola, acabei de escrever meio que uma resposta sobre isso no meu blog. Nao eh uma resposta direta, eh mais um "rant" sobre essa historia de liberdades individuais

http://www.baxt.net/blog/2009/08/13/liberdade-individual-e-a-p-que-pariu/

abracos!

Lolla disse...

Oi Lola!
Well, como fui citada, my two cents:

Eu não fumo, nem gosto do cheiro que o cigarro deixa nas roupas e cabelo de quem fuma ou de quem fica por perto. Mas preciso dizer que me assusta um pouco a militância em contrário. Parece que a mídia (mais uma vez, mas dessa vez para algo bacana) fez um excelente papel em promover um brainwashing coletivo contra o fumo. Porque há 20, 30 anos atrás essas opiniões inflamadíssimas eram minoria absoluta. Palavras como "quer se matar, se mata longe de mim!", "fumar é coisa de estúpido", "tem mais é que encarar frio se quiser cigarro!" não parecem levar em conta que a maioria dos fumantes GOSTARIA MUITO de parar de fumar, mas não consegue. Acho insensível se pronunciar dessa maneira. Me lembram aquelas pessoas agressivas que dizem que, se eu quiser perder os dez quilos a mais que carrego, "tenho mais é que parar de comer". Nem uma coisa nem outra são fáceis.

Concordo que fumar em espaço fechado é inadmissível. E que existem muitos fumantes sem educação. Mas acho que espaços reservados para fumantes dão super certo, se forem fechados. E acho até que ficar ali segregado, não poder sentar com os amigos ou o(a) namorado(a) que não fuma, naquele oásis de fumaça, motiva mais o cidadão a tentar parar do que permitir que ele dê uma saidinha ali fora e depois volte numa boa.

Em resumo, eu não costumo gostar desses linchamentos coletivos de certas categorias. Parece que a parcela não-fumante fica meio que se achando superior aos demais por não serem fracos e não terem nenhum vício. Como se fumo fosse o único vício insalubre que uma pessoa pode ter. Sem empatia, não há como ter diálogo.

Lolla disse...

Sobre o comentário da Bárbara, o fato é que Jersey nem foi tão afetada assim. A faixa etária e classe social que costuma frequentar típicos boozers é minoria, aqui.

Já em Londres (e no resto da Inglaterra) a situação é bem diferente. City pubs são, por tradição, locais enfumaçados destinados às classes mais baixas. Não estou falando de country pubs com beer gardens (e mesmo assim ficar do lado de fora com temperatura negativa? Melhor comprar uma garrafa de Blossom Hill e fumar em casa, que é o que muita gente acabou fazendo). Banir fumantes é suicídio comercial; o que acontece é que o pub FECHA e vira um bar, geralmente sob nova administração (conheço ex-landlords que tiveram que pendurar o chapéu). Os antigos funcionários vão para a rua e o dono do pub perde o negócio que sustentava a família. Recentemente fui a uma área de Londres famosa pelos vários boozers e tive que rodar por quase uma hora até achar um. Todos fecharam ou viraram "gastropubs", bares ou restaurantes. Outro tipo de clientela, classe média, trendy, intelectual, consumidora de comida orgânica e, claro, não fumante. Quem quer uma pint e um lugar pra sentar que se dane.

E, com isso, uma parte intrínseca da cultura de país vai pra PQP por causa dos novos tempos de health and safety madness, onde você vai automaticamente morrer de câncer se sentar no mesmo banco que um fumante se sentou ontem. E o detalhe é que essa nova clientela não fumante não é local, raramente volta ao mesmo lugar e consome bem menos do que os antigos. Não culpo os donos de pubs por desistir. Mas isso, é claro, não aparece nas páginas do The Guardian.

Lolla disse...

Só mais uma (prometo que depois vou embora, haha): esse argumento de "garçon doente" é meio fraco, e está sendo explorado pelo lobby anti fumo. Várias profissões pagam adicional de insalubridade e periculosidade porque as condições de trabalho são sabidamente perigosas ou prejudiciais à saúde. Topa trabalhar ali quem quer. E usar uma máscara na hora de entrar na área de fumantes faz todo o sentido do mundo, assim como trabalhadores de construção usando capacete e ferralheiros usando máscara para proteger os olhos da luz da solda. Acho que muita gente ia preferir usar uma máscara e ganhar um adicionalzinho no fim do mês.

Novamente: não fumo, não gosto de cigarro (embora ache charmoso, apesar dos efeitos colaterais nojentos que não me escapam) e acho que fumantes deveriam parar. Mas acho que ditar regras de comportamento aos outros é bastante complicado.

Barbara disse...

Lolla, obrigada pelo pitaco, eu nao sabia desses detalhes, mas ja percebi a enxurrada de gastropubs, que sao um saco.

Mas eu tendo a achar que os tempos mudam, as coisas mudam, e o que era possivel antigamente nao eh possivel hoje. Assim como algumas coisas que a gente faz hoje nao vamos poder fazer no futuro. Nao deixa de ser triste, mas enfim.

(e sei la, nada impede a pessoa de ir ao pub e jogar conversa fora sem fumar. Por que associar uma coisa a outra? O plano eh justamente fazer com que as novas geracoes desassociem essas coisas)

thaïs disse...

Lola, concordo com o Anderson aodizer que o argumento de que fumantes de beneficiam do sistema de saúde que fumantes e nao fumantes pagam é absurdo. Se for o caso, há tantos outros comportamentos que deveriam ser banidos (como comer fast food, beber, praticar esportes radicais). Deve-se sim fazer campanhas educativas e destinar parte dos ganhos com impostos que pagam as empresas tabagistas, mas proibir o cigarro (que nao é ilegal) porque pesa no bolso de todos é ridículo.
Sou a favor de separaçoes de ambientes, particularmente evito bares fechados porque fumo mas nao gosto de ambientes cheio de fumaça. Sempre preferi e continuarei preferindo bares com espaços abertos.
Na Revista da Folha deste domingo havia um guia separando as baladas amigas de fumantes (as que se adaptaram para recebê-los), simpatizantes e as intolerantes. Entre as intolerantes há uma que proibe fumar na calçada da balada (nao é via pública?) - o fumante tendo que cruzar a rua para poder fumar - e que começaria a revistar os clientes na entrada para confiscar (!!) o maço de cigarros (devolvendo-o na saída). Imagina se eu iria a um lugar assim? Ne se se eu nao fumasse! Nao aceito ser tratada como criminosa e que confisquem meu maço como se fosse um revólver ou uma faca.
Abraços.

thaïs disse...

Putz, nao revisei o que escrevi e tá cheio de errinhos de digitaçao. Sorry!

Carla Mazaro disse...

Po, thais, num sabia que tinha baladas que confiscariam os maços... isso sim é ir contra a liberdade individual das pessoas, já q num é ilegal nem nada... Na verdade isso é uma puta falta de noção...
E os impostos sobre o cigarro teoricamente iriam para a saude, exatamente pelos gastos futuros que o sistema publico possa ter com os fumantes... o mesmo acontece com o fast food e provavelmente com outros "alimentos de risco"...
Bem é isso...

LIV disse...

eu já fumei algumas vezes, gostei actually, mas não preciso disso.

A lei me afeta diretamente, porque na faculdade, todo corredor e escada sempre estava enfumaçado. as vezes vc está la estudando, fazendo prova, e um bando de animais absurdos param embaixo da janela da sua sala e ficam lá, cacarejando e fumando...e vc tentando se concentrar, e a fumaça fedida te dando enjoo e dor de cabeça.

ou vc está num restaurante, na area interna, e senta o 'cumulo da falta de educação' do seu lado e acende um cigarro...vc está alí, comendo, e aquele fedor te empascoalhando.

essa primeira semana de aula depois da lei foi a melhor do mundo, porque não tinha ninguém fumando nas escadas, nem nos corredores, nem embaixo das janelas... nunca fiquei tão feliz com uma lei...

pode ser egoista da minha parte mas nao estou nem ai pra mimimi de fumante. se eles querem fumar, blz, é opção. mas se as pessoas respeitassem o direito de quem escolheu não fumar. leis extremas como essas não seriam necessárias.