segunda-feira, 10 de agosto de 2009

O CASO DA PSICÓLOGA HOMOFÓBICA

Tem tanta coisa chocante sobre a psicóloga homofóbica (leia esta breve matéria da Capa) que nem sei por onde começar. Deixa eu ver... Primeiro, isso de psicólogo “curar” gays. Já não dá pra levar a sério. A psicóloga em questão cura com a força da religião (é evangélica), e porque diz que a homossexualidade é uma doença. Desde 1974 que a Sociedade Americana de Psiquiatria parou de considerar a homossexualidade uma doença. E pelamor, olha como demorou! Antes disso gays que achavam que havia algo terrivelmente errado com eles se submetiam a eletrochoques, pra ver se assim se “curavam”. Isso me lembra uma anedota real, não sei se já contei aqui. Seguinte: eu estava no curso de Pedagogia, e uma professora de História da Educação afirmou que a homossexualidade seria uma perversão. Eu, ingenuamente, achando que na universidade todos são seres pensantes, fui falar com uma colega pouco depois. Eu disse: “Putz, fazia tempo que eu não ouvia alguém dizer que a homossexualidade é uma perversão”. E ela respondeu, no ato, muito séria, e mais ultrajada ainda do que eu: “Eu também. Porque a homossexualidade não é uma perversão. É uma doença”. E eu fiquei lá, de queixo caído, anotando mentalmente no meu caderninho “Cuidado com essa pessoa homofóbica. Dá pra modificá-la?” (juro que nem lembro quem era a figurinha. Fiquei pouco tempo naquela faculdade).
Mas então, o Conselho Federal de Psicologia analisou se cassa a licença dessa psicóloga por dar declarações tão, digamos, descabidas (e optou por apenas censurá-la). Ah, se de repente alguém não achou nada de mais ela afirmar que homossexualidade é uma doença, tem também uma entrevista que ela deu à Folha. Um repórter lhe perguntou: “A que a sra. atribui o comportamento gay?”, e ela respondeu “À expectativa dos pais, que querem que o filho nasça menino ou menina. Projetam na criança todos os anseios. E daí começam a conduzir sua criação como se você fosse uma menina”. Pois é, e eu que não sabia: todos os pais querem ter uma menina! Os abortos realizados até num país desenvolvido como a Suécia depois que os pais descobrem que o bebê será menina é pura coincidência! Mas talvez alguém ainda não tenha percebido o alto grau de bobagem da psicóloga. Que tal esta declaração? “A maioria dos gays foi abusado sexualmente na infância e sentiu prazer nisso”. A gente podia passar dias discutindo qual das duas partes da declaração é mais infame: a terrivelmente mentirosa parte que jura que a maioria dos gays foi vítima de abuso, ou a parte que diz que vítimas de abuso sentem prazer quando são abusadas? Difícil decidir. Tem também a parte em que ela declara ser perseguida por uma “ditadura gay”. Como diria Ronald McDonald, “eu amo muito tudo isso”. Adoro como pessoas preconceituosas que chamam as outras de doentes juram que são elas as perseguidas! E as minorias é que mandam no mundo, sabe como é. Negros, gays, mulheres, etc etc reclamam à toa, porque eles é que têm total poder. A direita cristã chama gays de Gaystapo, feministas de feminazis (enquanto o padrão dominante é só isso, o “natural”, “como Deus quis”). Sobre a psicóloga homofóbica perder sua licença, bom, acho que ela deveria perdê-la, porque há um Conselho, e se o Conselho determinou, faz dez anos, que um grupo não pode ser considerado doente, e se uma psicóloga decide que, na cabecinha dela, um gay é doente e ponto final, há uma colisão. É como se um engenheiro quiser construir seus prédios em cima de areia movediça, apesar de todas as evidências que, ahn, o solo deve ser firme ou senão o prédio cai. Aí o CREA decide cassar a licença desse Sergio Naya (alguém ainda se lembra do dono do Palace? Eu lembro principalmente porque o maridão montou uma casinha pra passarinhos que desabou, e então eu o apelido carinhosamente de “Sergio Naya dos passarinhos”). Ou, sei lá, um historiador que chame o Golpe de 64 de “revolução”, e que negue o holocausto. Eu não lhe daria registro de historiador, não. Se isso existisse.
Não duvido que existam homossexuais que queiram deixar de ser gays (assim como há negros que gostariam de ser brancos, e gordas que fazem todos os esforços possíveis para ser magras). Mas uma psicóloga vender a ideia de que uma “conversão” é possível - quando só o que é possível é mudar o comportamento (ou seja, não fazer sexo) - é charlatanismo. E basear a “necessidade” dessa mudança em mentiras como “homossexualidade é doença”, “todo gay é infeliz”, “todo gay foi molestado na infância”, “todo gay é pedófilo”, é caso de internação mesmo.
P.S.: A psicóloga tem um blog, se alguém tiver estômago pra ler. Nele, há algumas fotos de manifestações de “ex-gays” em sua defesa, cartas e artigos de sua autoria. Num deles, por exemplo, sobre pedofilia, ela discorre sobre o “estímulo social à pedofilia”, tratando a criança como pedófila, não o adulto agressor. Segundo Rozângela, é a criança que, influenciada pela mídia, se torna sexualmente precoce - logo, pedófila. Gente, essa pessoa é psicóloga de verdade?! Noutro artigo, “O que está por trás do movimento homossexual?”, desde o início Rozângela cita as sagradas escrituras, que, segundo ela, já alertam para esses grupos anti-sociais, anti-família, e anti-Deus que procuram validar “todas as formas de expressão social, que parece incluir o abuso sexual da criança e do adolescente”. Ahhh! Ser gay é ser pedófilo. Quer dizer, pelo jeito, ser criança nos dias de hoje também é ser pedófilo. Dá tudo na mesma. Eu fico até confusa.

40 comentários:

Éris disse...

Eu li uma matéria sobre essa louca, que inclusive compara o movimento homossexual ao nazismo. Sério que ela é doida e deveria ser cassada, urgentemente. Ainda mais depois dessa que você contou, Lola, eu não sabia que essa maluca disse que as crianças que são pedófilas!! A culpa é delas por serem molestadas agora?!!!

Patilola disse...

Já havia lido essa entrevista. Ao ler comecei a rir. Que figura mais desorientada!

Bárbara - Αφροδίτη disse...

Ai é tanta baboseira... que dá até ânsia de vomito.

Ontem, domingo, eu fui assistir um jogo de futebol do meu irmão menor, e fiquei na arquibancada com os pais das outras crianças e com o meu pai. E eles começaram a conversar entre si... um comentário pior que o outro... falando que menino que faz balé é gay, ai ficavam gritando para os meninos: - Você ta jogando futebol ou balé?... Ai meu pai comentou: - O importante é ter saúde, né? Fazer o que... [mal sabe ele que a filha dele é gay]
Logo depois, começaram os comentários machistas... falando que é ruim treinar mulheres para jogar futebol, porque 'mulher tem cólica, tem filho... de final de semana, tem que fazer comida para o dia dos pais. E acaba faltando.' Eu fiquei fula... da vida... falei para o meu pai: -Ahh então quer dizer que eu me mato de estudar e de trabalhar, sendo que a minha função como mulher é só procriar e fazer comida pra macho? '¬¬
Nunca ouvi tanta besteira num dia só, pra fechar com chave de ouro, tive que ouvir, do meu pai e do meu irmão de 11 anos, que quem ouve musica EMO, ou Emo Core, é 'viado'. Ai, gente... tem coisas que é melhor ouvir do que ser surda. Meus pais são MUITO preconceituosos, me dá náuseas. Mas não posso fazer nada. :/

E pela mãe do guarda tbm, culpar crianças de serem abusadas é demais... mas vou falar tbm, que a afirmação de que a midia corrompe crianças a serem sexuais, isso é verdade, tenho uma prima de 12 anos, que o orkut dela, parece de uma garota de 18, mostrando a barriga, realçando a bunda... pernas... eu até tentei conversar com a madrinha dela. Não que ela seja culpada caso aconteça algo... mas não acho legal o modo como as próprias crianças se expõe... Com 12 anos eu brincava de boneca. E eu já fui abusada por muito menos... =/ E quando se culpa crianças de terem causado o abuso, só piora a culpa que as próprias crianças já sentem. Digo por experiência própria. :/ Enfim...


Beijo, beijo, Lola!

Bárbara - Αφροδίτη disse...

PS: Não, não tive estômago pra ler o blog desta pessoa, vulgo psicóloga!

Shoujofan disse...

Não dá para rir do que ela escreve, só dá apra se indignar. Aliás, é de matar de vergonha quando ouço coisas assim entre meus parentes e no povo das igrejas. Sim, sou protestante ou evangélica, como queiram, e é a questão da homossexualidade, a fixação por esse tema, que tem aglutinado os mais diferentes grupos evangélicos.

Mas, claro, homofobia não é apanágio dos religiosos. Amigos ateus e/ou agnósticos também são tão homofóbicos quanto os religiosos e expressam isso de forma igualmente raivosa, só que apelando para pseudo-ciência que tem, por base, as velhas premissas religiosas. Conversando com um amigo professor universitário sobre o caso dessa (pseudo) religiosa, ele afirmou que não via problema algum no que ela dizia/escrevia, só se ela apelasse para religião, e que ela estava atendendo quem "desejava" abandonar a homossexualidade, ou homossexualismo, porque o próprio uso das palavras tende a definir sua posição. Para ele, o movimento gay é que está errado em "perseguir" quem pensa diferente dele. Aliás, ele acredita piamente que logo ser hetero será crime. E não acredito que seja brincadeirinha (cretina) de salão.

Enfim, cansei de deletar e-mails pedindo que orássemos pela figura. E, claro, o conselho foi covarde ao não cassar sua licença.

Ótimo post, Lola.

Shoujofan disse...

Só completando, uma das idéias que os perseguidores dos homossexuais masculinos - é raro pensarem as mulheres gays, porque caímos naquela que para ter sexo é preciso ter falo - à pedofilia. Isso é perverso, cruel e criminoso. E forçar a barra para que as crianças sejam vistas como elas as indutoras da pedofilia deveria rende rprocesso, também.

é isso.

Denise disse...

Quanto de doença tem nesta mulher meu Deus!
Lamentavel
carinho
Denise

Anderson disse...

To no mesmo barco que a Valeria.

Tb sou cristão evangelico (não muito na verdade) e fico envorganhado e irritado ao ver essa fixação na sexualidade alheia como definidor de carater, e nas comparações contantes com pedofilia, zoofilia, etc.

Ja ouvi depoimentos de pessoas (todos homens) que se diziam "curados" da homosexualidade.

Um dia não me contive e perguntei ao rapaz se ele simplimsente não tinha sentido curiosidade em sexo com outro homem e depois visto que não realmente não era sua orientação.

Vc não faz ideia do que tive que ouvir pelo resto da semana.

astrocat disse...

Putz. O que se passa nesse Conselho Federal de Psicologia?

Fabiana disse...

Essas igrejas é que são nazistas. Ah, Lola, se vc achar que isso é algum tipo de agressão aos crentes pode apagar o meu comentário. Mas o que pensar a respeito de pessoas que curam até o HIV com a força da fé?

Essa mulher não pode ser considerada uma psicologa só pq concluiu um curso superior em psicologia. E acredito que não tiraram o registro dela com medo das acusações de sensura.

Sabe, o medo da patrulha da patrulha politicamente correta.

Vou ali vomitar e já volto.

Quelccy disse...

É como um negro virar branco ou vice-versa. É como um branco dizer que um negro é inferior a ele SOMENTE por causa da sua cor. Como se a quantidade superior de melanina no organismo de um negro fosse uma doença, ou a quantidade inferior dessa proteína no branco o tornasse um doente. E para curá-lo seria apenas possível administrar doses medicamentosas deste protéico e ser curado da doença de ser um “branquelo, azedo”, sem graça e pálido, como os preconceituosos o “rotulam”. Ou quem sabe, fizesse uma terapia, ou algum tratamento semelhante, que o fizesse/induzisse/hipnotizasse/entorpecesse a mudar de comportamento e opinião em relação a sua própria natureza, como bater com a cabeça numa parede. Mesmo nascendo branco e tendo genes que determinam essa característica teria que mudar para se adaptar ao que a sociedade com pensamento limitado/ antiquado “ordena”. Tal como o racismo, a homofobia é um preconceito criminoso e grosseiro, que prejudica e ofende ao próximo, a um irmão. É da natureza humana existirem diferenças de opiniões e credos, e devemos aceitar essas diferenças com respeito, sem agredir ninguém o chamando de “doente” só por ter a cor, a opinião ou a natureza sexual diferente da sua. Caso contrário, temos fortes e tristes exemplos, como as guerras mundiais e cristãs, que são consequências da falta de amor e respeito à natureza, opinião e sentimento do próximo/irmão. É agredir a fé alheia.
O pastor da minha igreja, que sempre prega que a religião foi criada para religar/unir e não para humilhar/desrespeitar, também nos repete a palavra do Senhor: “Não julgueis, a fim de não serdes julgados; porque com o julgamento que julgardes, sereis julgados, e com a mesma medida com que medirdes sereis medidos. Porque pois observas o arqueiro no olho do teu irmão e não descobres a trave que existe no teu?” (Mateus 7:1-3). "Cada vez que fizestes isso a um dos menores desses meus irmãos, a mim o fizestes" (Mateus 25,40).
O que é natural? Um irmão ter uma forma de pensar e um gosto diferente do seu e você aceitá-lo, ou é natural você ir contra a natureza homossexual dele, o humilhando e indo contra a palavra do Senhor?
Pregar o amor ao próximo é a nossa missão aqui na Terra. Porém o que dá sentido à vida é dar exemplos práticos de amor e respeito ao próximo. Isto significa ir ao encontro do irmão, vendo nele a imagem e a semelhança do próprio Cristo.
Vamos nos unir e mobilizar as igrejas evangélicas, católicas e outras para irmos contra a essa falta de amor e respeito ao próximo! Caso contrário, teremos novas e novas guerras, nos destruindo uns aos outros. O amor é a cura para todos os males e quem está indo contra ele está se distanciando do Senhor.
Abraços queridos irmãos em Cristo! Respeito vocês e amo vocês mesmo podendo ter a cor da pele diferente da minha, opiniões diferentes e a escolha sexual diferente! Amo e respeito vocês independente de classe social, credo, cor, sexo e opção sexual! Tal como Jesus sempre provou que nos ama e nos respeita tal como somos. Fiquem com o Senhor! Amém.

Masegui disse...

Que essa mulher é uma idiota tá na cara, mas não vejo motivo pra tanto espanto e indignação... basta dar uma olhada em nossos senadores e deputados (generalizando)e ela até que fica bem normal.

Pensando bem, nós é somos os idiotas...

Ticinha disse...

É muito dificil conviver com situações tão absurdas e homofóbicas. O que nos resta é brigar sempre e com dignidade pelo nosso espaço e nossos direitos. Eu ja havia até mencionado essa louca num post do meu blog.

http://antivermelho.blogspot.com/2009/08/cura-da-homossexualidade-argh.html

Bjocas a todos que são sensíveis a nossa causa!

Michelle disse...

Pois é, outro dia li uma reportagem falando q há estudos q podem comprovar q a homossexualidade é uma questão genética e hereditária, mas q há receio em fazer tais afirmações justamente pq o preconceito já é tanto q pra q jogar mais lenha na fogueira, né? Mas enfim, é preocupante como as pessoas deixam suas opiniões se misturarem ao q deveria ser uma ética profissional, é como se uma pessoa que acredita q td bandido merece queimar no fogo do inferno fizesse faculdade de direito e se baseasse na bíblia pra fazer sua acusação... Sei lá, será q esse mundo ainda tem jeito?

Túlio disse...

Cara, como ela tem coragem de dizer que uma criança sentiu prazer ao ser abusada?
Ela não é apenas louca, é cruel!

Sabe, quando eu vejo pessoas como ela, que é apoiada por muitos, começo a perder a esperança no ser humano - e, consequentemente, num mundo melhor. Não dá pra continuar pensando que as pessoas são boas, o mundo vai melhorar e ser feliz é uma questão de escolha.

Não consigo entender por que tem tanta gente preocupada em fazer o outro se sentir mal.

Túlio disse...

Mas felizmente existem pessoas como vc, que nos fazem não desistir de vez.

O triste é que eu realmente acho que vc é uma exceção...

Bruno disse...

Eu, como psicólogo, lamento profundamente a atitude tão branda do Conselho de Psicologia. Essa mulher não apenas transgride o código de ética em diversos pontos como ainda insiste em seu ponto de vista. Tenho visto o Conselho ser mais tolerante do que deveria em diversas situações - como por exemplo com psicólogos que usam "terapia de vidas passadas" - , mas até aí há de se entender uma simples repreenda. Agora, com relação a essa mulher homofóbica, eu sinceramente esperava uma punição mais concreto.

Michelle disse...

Conversávamos sobre isso na casa da sogra. Minha cunhada mais nova, recém-formada em psicologia, dizia que era um absurdo. E, como ela é evangélica, pensei que lá vinha defesa da criatura. Pra minha felicidade, ela disse que além de antiético, era contraproducente intervir na opção (sic) sexual.
É ridículo, pra dizer o mínimo, achar que vai haver uma "ditadura gay" se o PLC 122/06 for aprovado. O racismo foi criminalizado e nem por isso o Brasil se transformou em uma democracia racial. Nem por isso foi instaurada uma "ditadura negra".
Se culpar a vítima pelo abuso sofrido já é cruel, imagina quando se trata de uma criança!
Essa mulher já recebeu advertência no âmbito do Conselho Regional de Psicologia pelo mesmo motivo. O "aviso prévio" já tinha sido dado. Não sei porque o CFP foi tão condescendente.

Vitor Ferreira disse...

De louco todo mundo tem um pouco. Alguns exageram na dose... E em igrejas (preconceitos a parte) creio eu que estejam a maioria deles.

Gabriela disse...

Esse tipo de profissional louco é um ótimo exemplo para nós, estudantes de Psicologia... do que NÃO devemos fazer!
Tomara que cassem mesmo o registro profissional dessa fulana.

aline disse...

sinceramente, eu já cheguei em um ponto que tenho "preguiça" dessas pessoas!!

Caricaturas Urbanoides disse...

Tenho vergonha de ter um conselho de ética tão omisso. Advertir uma profissional que fala tamanha ignorância é o mesmo que ser cúmplice; é dar o aval a tantos outros.. Por atitudes como essas daqueles que competem a fiscalização, temos uma profissão tão prostituída de mapas astrais, florais de bahar, hipnose e tantas outras práticas que não competem a praxis psi. Cada um no seu tempo e espaço; misturar só na vitamina e nada mais

Eu me sinto envergonhada de ter um conselho de ética tão absurdamente omisso ao se tratar de assuntos tão sérios, mas não podia esperar outra coisa de um espaço que não cumpre a sua missão de defender seus membros.
Diversa são as denuncias contra charlatões que utilizam a pratica psicológica misturando com assuntos que não pertencem a nossa classe, como mapa astral, hipnose, florais de bach, etc. Cada coisa no seu espaço. Nada contra qualquer dessas praticas, mas não utilizadas em forma de terapia ainda mais por uma pessoa que se diz psicólogo. Existe e muito publico para essa demanda, mas isso não é psicologia e cadê nosso conselho para defender aqueles que realmente respeitam o código de ética e defendem a práxis com unhas e dentes??
Por essas e outras é que temos uma profissão tão mal entendida e prostituída.

Anderson disse...

Sabe oq é pior?

Se ela form caçada vai começar a posar de martire da decencia e da liberdade, vitima da perseguição por parte da ditadura homosexual,sofrendo preconceito por ser cristã etc.

Anônimo disse...

Anderson, vc tem razão, mas é melhor ela posar de mártir bem longe de um consultório.

Anderson disse...

Verdade Anonimo.

Só acho que tudo isso é uma merda tão grande que nem imagino como melhorar.

Kai disse...

Tem uma foto no blog dela que alguns de seus comparsas seguram uma faixa que tá escrito "Deixar a homossexualidade é um direito constitucional".

Eu acho isso tão incrível e surreal que eu nem consigo imaginar uma pessoa dessa. O atraso de uma pessoa que Acredita mesmo nisso e consegue escrever "deixar a homossexualidade" ...

putz ... a gente não sabe se fica triste ou incrédulo com a situação.

E olha, a decisão branda do CFP, pra mim, foi de um caráter tão corroborativo com o discurso dela ...

Queria ver se fosse um psicólogo que "fazia conversão de heteros para virarem gays". Um psicologo com o caso parecido com esse, ao avesso,teria a licença cassada no mesmo dia ! Claro que estariam certo de cassar a licença dele. Mas o mais absurdo é que não enxergam que ela também está igualmente quase cometendo um crime contra a auto-aceitação e honra da pessoa.

Eu li essa postagem sua, Lola, e fiquei triste pelo resto do dia. =/

Gabixi disse...

Olha... nem tenho mto o que falar dessa mulher, é mto triste que a mídia (ODEIOOOO) tenha dado espaço pra ela, pessoas assim nao merecem ser ouvidas, sim isso pode ser preconceito da minha parte mas nao tem cabimento dizer que os que foram abusados na infancia gostaram.. meu deus... completamente ridiculo.. faço psicologia e fico triste em saber q uma mulher como essa se formou em um curso humano que estuda todas pessoas em suas diversidades.. mto triste

Tânia Tiburzio disse...

Que mulher doente!

Anônimo disse...

Li e lembrei de vc :)
um post ótimo sobre contos de fadas originais
http://www.justlia.com.br/2009/07/a-verdade-e-a-origem-dos-contos-de-fadas/

Gustavo Ca disse...

O que essa mulher faz é uma das piores formas de se meter na vida dos outros, querendo que os outros sejam do jeito que ela acha certo - e pior se faz os outros realmente acreditarem nessa idéia tão limitada.. triste. Pense num livro que vc nem sabe com certeza quem escreveu, que foi traduzido, retraduzido, copiado e recopiado ao longo dos séculos.. como é que alguém tem coragem de impor isso como argumento pra dizer como alguém deve viver a própria vida?

Poxa, minha segunda-feira tava tão tranquila, aí venho aqui e vejo um post desses.. assim num dá né! ^^

Anônimo disse...

faço faculdade de p´sicologia e me envergonho só de ver essa matéria.
Me pregunto oq eu essa mulher aprendeu em sua universidade?

Dånut disse...

PQP, essa mulher não existe... Como pode alguém falar esse tipo de coisa seriamente?

No texto que tu cita no fim ali, "o que está por trás do movimento homossexual", ela cita o feminismo também. Feminismo é mais um desses movimentos que incentiva a pedofilia, não sabia?

Flor Juliete disse...

É com tristeza que leio este post. Sou psicóloga, Lola e acho assombrosa esta postura. Na verdade, acho criminosa.
Os maiores absurdos são falados em nome das religiões e nestes casos não há fiscalização. Quem vai fiscalizar?
Agora em nome da Psicologia não se pode dizer o que quer não e a posição do Conselho foi no mínimo insuficiente, se considerarmos que afirmações preconceituosas vindas de uma psicóloga ferem praticamente todas as premissas dessa profissão.

cavaca disse...

Uau lolita, como vai? Quanta coisa tem acontecido por aqui! Por cá também tem acontecido tanto, mas agora acho que consigo voltar a comentar aqui (me fez tanta falta).
Sobre está senhora, ela apenas é mais explicita no seu preconceito, porque acredita que isso é a verdade...acho que nunca viveu próxima ou conheceu um gay...acho tbem que nem quer e nem vai...Quero dizer, qual o gay que vai quer ter contacto com ela.
O que me deixa contente nessa história é que ela serve de exemplo para muito gente, se ela consegue um diploma de psicologa todos nós também conseguimos.
beijos lolla.

Anônimo disse...

Lola li tudinho, o seu post e as opiniões. Fico com esta aqui:
"sinceramente, eu já cheguei em um ponto que tenho "preguiça" dessas pessoas!!" com a devida licença da sua autora - a Aline.
Abraços gerais. Fatima/Laguna

Gabriela Martins disse...

(sem ler os comentários) É como eu disse no orkut: se ela acha q ser gay é errado e quer oferecer "cura", que vire então uma curandeira, uma pastora, freira, qualquer merda do tipo.

Agora usar o diploma de psicóloga pra dar credibilidade a essa tese maluca dela é que é de cair o cu da bunda.

Georgia Martins disse...

Essa mulher é louca, praticamente não entedia o q ela falava nem onde pretende chegar...

Diana disse...

Tem uma entrevista com ela na Veja dessa semana. Como você disse, não tenho dúvidas de que existam homossexuais que queiram deixar de se-los, e que a única mudança que eu acredito ser possível é a de comportamento.

Mas quando essa maluca resolve dizer que não atenderia uma pessoa com o caso contrário ("sou gay e quero assumir"), dá pra ver a extensão do preconceito dela. E depois, diz que é ela quem está sendo discriminada...

Esse mundo tá perdido...

Murilo Morais disse...

O cristão tem apenas UM PADRÃO. Quando Deus constituiu a família Ele mesmo casou um homem com uma mulher, ou seja, esta não é família que os homófobos cristãos criaram, mas a família que Deus criou. Mas não pára por aí. A Bíblia inteira adverte que a homossexualidade, de qualquer forma, é um grande pecado contra o Criador. As cidades de Sodoma e Gomorra foram destruídas exatamente por causa deste pecado (Gn 18.17-22; 19.4, 5). Um texto ainda mais duro contra a homossexualidade está em Levítico 20.13, onde diz: “Quando um homem se deitar com outro homem como se fosse mulher, fizeram algo nojento perante o Senhor”. O próprio Jesus Cristo, o Salvador, reafirma as palavras ditas em Gênesis, quando diz que, “... desde o princípio Deus fez homem e mulher e, por isso, deixará o homem a casa de seu pai e se unirá a sua esposa e os dois serão uma só carne...” (Mc 10.8). Então não foram os cristão que, por ódio ao homossexual criaram essas coisas, todas elas já estavam escritas há muito tempo. Os cristãos simplesmente as repetem. A Bíblia diz mais, ela chama a prática homossexual de imunda e desonrosa ao corpo (Rm 1.24), corpo que Deus criou para ser usado sim, mas da maneira que Ele (Deus) planejou. Outra coisa que precisa ser dita é que quando a Bíblia fala sobre esse pecado, o tom é de lamento e não de ódio, porque Deus nos ensina a amar o próximo, mas não a concordar com o próximo.

Murilo Morais disse...

O erro vai ser sempre erro, a mentira nunca vai ser verdade, a homossexualidade nunca será aceita pelos cristãos verdadeiros, porque não há como se mudar a Bíblia. E os homossexuais têm de entender isso. Também não há como mudar o fato de que a discriminação também é pecado. A homofobia é crime, e o ódio aos homossexuais é errado tanto quanto. Deus os ama e quer que nós cristãos os amemos também, mas nunca concordar com suas práticas. Os que odeiam homossexuais não são cristãos. Voltando a pergunta inicial: Será que existe mesmo o certo e o errado? Tenho medo que, dentro de alguns anos, ninguém seja mais preso por assassinato, por roubo, ou por abandono de incapazes, pois cada um vai poder pensar como quer, dizer o que quer e fazer o que quer e, não haverá nenhum padrão que diga o que é certo ou errado. Para algumas pessoas só quando a questão é morte ou traição, ou abandono de crianças, mas quando se toca no tema homossexualidade ninguém pode dizer absolutamente nada. Mas a Bíblia diz que é pecado também, tanto quanto os demais já citados. Doa em quem doer os cristãos vão morrer dizendo isso, repetindo isso, pregando isso, não importam as opiniões políticas, só a opinião de Deus importa. Não importa que esta prática seja socialmente aceita (o que também não é, pois mesmo famílias não-cristãs, nem protestantes, não concordam com isso), ou culturalmente aceita, os cristãos não estão preocupados em seguir as estruturas sociais que ferem a Palavra de Deus. Para o cristão, não é a aceitação social que conta, mas é a aceitação de Deus segundo o ÚNICO PADRÃO, a BÍBLIA. Oramos para que Deus tenha misericórdia de nós e que dê aos cristãos forças para não sucumbirem as normas e padrões sociais que são explicitamente contra Deus e a família que Ele planejou.