domingo, 1 de março de 2009

IIIIC! O QUE AQUELA LEGENDA DISSE?!

A tradutora tem razão: ao transar com o Jude Law, não pule as preliminares.

A Ana Paula, que mora nos States, sugeriu que eu fizesse um post com as maiores atrocidades cometidas nas legendas e dublagens de filmes. Bom, todo mundo que via vídeo até meados da década de 80, quando as fitas seladas ainda engatinhavam, se deparou com algumas barbaridas. A mais clássica é um cara despedir outro num filme, dizendo “You're fired”, e a legenda mostrar, lá embaixo, “Você está pegando fogo”. E tem alguns títulos que parecem ter sido traduzidos por gente que largou o curso de Inglês Básico no meio. Eu lembro do vídeo que tinha de A Cor do Dinheiro, e era uma derrapagem depois da outra. O dvd, graças aos céus, já vem corrigido.
Mas há vezes também que a legenda melhora o original. É raro, mas acontece. Eu penso sempre em Exterminador do Futuro 3. Tem uma cena em que a mocinha, que passa o filme todo fugindo porque deu o azar de cruzar com um sujeito que está pra ser exterminado, fica sabendo que, num futuro próximo, ela se casará com ele, porque o destino quer assim. Ela, compreensivelmente atordoada, grita: “But you're a mess!” (algo como “Mas você é uma bagunça”). A tradutora decidiu colocar sua opinião sobre o sujeito e tacou nas telas um “Mas você é um m****!”. A platéia veio abaixo.
Minha memória é péssima mas, procurando entre os meus textos, vi que em Kate e Leopold, a responsável traduziu gay por alegre. Gay realmente já teve esse significado, e era comum filmes hollywoodianos clássicos se chamarem The Gay Divorcee (“A Alegre Divorciada”). Mas digamos que desde a década de 70 não é mais assim. E ninguém avisou a tradutora!
Em O Amor Não Tira Férias, o Jude Law pergunta pra Cameron Diaz o que ela pensa sobre as preliminares sexuais, e ela diz: “Overrated” (“superestimadas”). A tradutora decidiu colocar justamente o contrário: “bem-cotadas”. Ela discordou da Cameron! (Mas, cá entre nós, ninguém dispensaria as preliminares com o Jude).
Uma das piores legendas foi a que vi no cinema (não sei se sobreviveu em dvd) na sessão de Do Que as Mulheres Gostam, aquele filme em que a Helen Hunt olha pro pênis do Mel Gibson (quem não olharia?). No começo, o Mel tá vendo TV, entediado, mudando de canal, e para num joguinho de basquete, em que um cara arremessa a bola. E o Mel grita: “Miss! Miss!” (“Erre! Erre!”). E a legenda traduz: “Moça! Moça!”.
Frases mais compridas ficam mais difíceis pra algumas pessoas. Em A Bruxa de Blair 2 (tá, eu sei: o que eu tava fazendo vendo aquele filme em primeiro lugar?), uma pessoa diz “they were scared out of their minds” (“eles estavam mortos de medo”), e a criativa tradutora colocou “eles estavam com medo das próprias mentes”. Será que ela pensou que eles era uma referência aos roteiristas daquela bomba?
Foi Apenas um Sonho foi o último filme que vi que tinha uma legenda inconveniente. Não era bem uma gafe, mas atrapalhava. Numa cena-chave, o personagem do Leonardo Di Caprio conta pra sua esposa que teve um caso, e ela rebate, “Why did you do it?” (“Por que você fez isso?”). Ele então passa a falar do tédio, diz que não significou nada, e ela o corta: “Não quis dizer 'por que você me traiu', mas por que você me contou”. Portanto, a primeira pergunta deveria estar traduzida de acordo. A tradutora errou e pôs “Por que você me contou?”. Isso deixa o Leo com cara de tacho. Ele não estaria explicando por que traiu a Kate se sua pergunta tivesse sido essa.
A Ana lembrou de exemplos muito mais divertidos. Tinha aquele filme, Teoria do Amor, em que a Meg Ryan faz a sobrinha do Einstein. A dublagem na TV Globo repetia “o papel que ele não publicou”. Obviamente o que Einstein não havia publicado era um paper = artigo, não um paper = folha de papel, porque o cara era gênio, não impressor.
Outro ela não se lembra bem do título, mas podia ser O Pimentinha (que imagino que deve ser apenas ligeiramente superior a O Pestinha). Lá traduziram Dessert Club (Clube da Sobremesa) como Clube do Deserto (que é desert em inglês). A menina fica lá falando que vai fazer muitos bolos, chocolates e doces pra levar pro Clube do Deserto...
Tá, agora é com você. Quais legendas ou dublagens absurdas você consegue se lembrar? Help!

33 comentários:

Paola disse...

Let's meke a tost!
Propunha alguém com uma taça na mão, e quem traduziu: Vamos fazer uma torrada!
Não lembro que filme, mas marcou, aqui em casa, em véspera de ano-novo, sempre aparece a proposta: 'VAmos fazer uma torrada?"
Meus filhos adoram, às vezes ficam voltando o dvd para ter certeza!
Lembrando que agora está melhor, mas muitos palavrões foram traduzidos como "Oh! Meu Deus!"


Beijos

PAola

lola aronovich disse...

Ha ha, Paola, o "let's make a toast" = vamos fazer uma torrada, ao invés de um brinde, é bárbara! Clássica tb. Acho que está em vários filmes. É muito legal adotar o "vamos fazer uma torrada" nas nossas comemorações (até porque eu pessoalmente prefiro torrada à brinde).

Juliana Bittencourt disse...

nossa, let's make a toast for vamos fazer uma torrada eu já tinha visto em legenda de internet, que são feitas, na sua maioria, por adolescentes que ainda estão aprendendo, então é mais que perdoável, mas profissional não rola, né? Conheço vários desses exemplos e vira e mexe vejo uma coisa assim (principalmente na Sony e principalmente nos comerciais) e a melhor empresa de legendas do Brasil (raríssimamente as legendas deles têm algum problema e, quando aparece, é algo pequeno) é a DreiMarc. Sempre que vejo tradução muito bem feita (o que muitas vezes é considerada mal feita por quem fez uns aninhos de inglês e não entende chongas de tradução) penso "DreiMarc" e não dá outra.

L. Archilla disse...

hoje em dia é muito comum encontrar essas bizarrices nas traduções amadoras q a gente baixa na net. no começo de um filme chamado Morrendo e Aprendendo, (acho q o título original é Hearts and Souls), uma pessoa canta uma musiquinha que se pergunta sobre o que a menina vai ser quando crescer, na primeira pessoa. tem um trecho que diz: "will i be a dancer?", e é traduzido para: "Will, eu vou ser uma dançarina?"

Mônica disse...

Comentei outro dia com a Cynthia, do Cyn City, que também fez uma postagem sobre traduções ruins, que a campeã pra mim continua sendo a que ouvi num filme. A Angela Lansbury, tentando consolar um Omar Shariff super tristinho, dizia "Let bygones be bygones". Pérola do tradutor: "Deixe as begônias serem begônias".
Sério, me deu taquicardia, 'cascaí' da cadeira de tanto morrer de rir!!!

Abraço,
Mônica
Crônicas Urbanas

Cynthia Semíramis disse...

Em um filme da década de 80, a família foi tirar uma foto, e o tradutor traduziu "say cheese" (o nosso "digam X") por "digam queijo". Não sei qual é o filme, porque quem me contou isso foi uma amiga, mas o "digam queijo" virou nossa piada favorita na hora de bater fotos...

fatimapombophotos disse...

Lola,
eu não olharia para o Mel Gibson, nem
que ele tivesse pintado de OURO!

Anônimo disse...

"it's in mint condition"

traduzido como

"em condição de menta"

huahahahahaa

FELIPE G2 disse...

Por isso q eu assito filmes em ingles com legendas em ingles. Muitas coisas se perdem na tradução, por isso q naum assisto filme legendando e estou começando a ler livros em ingles... tinham que colocar as legendas certas... Pq vc naum faz legendas Lola?
auhuahuuhahauhauauh

:D

Ana Paula disse...

Adorei o post Lola!! Muito obrigada. Sabe que qdo vi Do Que as Mulheres Gostam eu não sabia inglês ainda então essa do "moça, moça" passou despercebido. Provavelmente devo ter ficado com care de ponto de interrogação enquanot assistia.

Bjo

Luma disse...

Não me lembro de nada em particular agora, mas o DVD da primeira temporada de House é uma aberração. Não dá pra assistir com legenda. E o pior é que essa gente ganha dinheiro pra fazer as traduções e faz mal feito. O pessoal que faz legendas na internet costuma ter muito mais cuidado com as coisas, apesar de não ganharem nenhum dinheiro com isso.

Cristine Martin disse...

Oi Lola!

Bom, pra começar realmente há muitos erros em legendas, tanto nas amadoras (o que até dá pra entender) quanto nos trabalhos que deveriam ser profissionais, e isso é triste. Em todas as profissões há pessoas competentes e aquelas que deveriam estar fazendo outra coisa. E em tradução também é assim.

Também trabalho com legendagem, e as normas e padrões são muito rígidos; se a tradução e a marcação não estão de acordo, não são aceitas e devem ser refeitas. Mas novamente, há empresas e empresas, e infelizmente essas pérolas acabam chegando ao público.

Claro que é até engraçado 'fazer uma torrada' ou 'deixar as begônias serem begônias' (essa eu não conhecia!), mas acaba sendo tão triste como o 'vendem frangos-se' e outras pérolas do post anterior.

Quanto aos palavrões, alguns clientes não aceitam absolutamente *nenhum* palavrão ou gíria, enquanto outros são mais tolerantes. E nas legendas amadoras, o verbo corre solto...

Muita coisa 'é perdida' na tradução porque as legendas têm limites de duração e caracteres, e o trabalho não é só traduzir o que está sendo dito, mas condensar o conteúdo em uma frase que faça sentido e seja lida no tempo disponível.

Por fim, quando um trabalho é bem feito ele é notado, como comentou a Juliana. Há boas empresas de legendagem e bons profissionais no mercado, que é o que se espera encontrar, não?

Abração!

lola aronovich disse...

Eu fiz um mini-curso uma vez em legendagem de filmes. Foi muito bom. Fiquei surpresa em ver como é difícil legendar filmes! Não basta só saber inglês, não. Como vc falou, Cristine, tem que caber tudo em tantos caracteres (porque tem que dar tempo pro espectador poder ler), então a tradutora tem que ficar reduzindo o tempo todo. Pra mim, com a minha prolixidade, seria impossível... Nunca trabalhei com legendagem, mas teve uma vez que mandei meu currículo pra uma empresa internacional, com sede no Canadá, acho. Um amigo do meu cunhado trabalhava com essa empresa e ganhava bastante bem. A empresa até disse que estava interessada no meu trabalho e que voltaria a entrar em contato quando tivesse alguma coisa, mas nunca mais ouvi dela. Lembro que havia revisores de legendas também! Acredito que seja um trabalho sério e difícil. Mas, infelizmente, como acontece em tantos trabalhos de tradução, quando a tradução é bem-feita, a gente mal nota. Só nota quando tem erros! Ainda bem que a Ju repara nas legendas bem-feitas!

Liliane disse...

Oi Lola,
Adorei teu texto, acho que ainda não tinha comentado aqui, mas já acompanho há algum tempo... Aqui vai minha colaboração:
Num dos Indiana Jones, na dublagem trocaram Date(tâmara) por Date(encontro) então um macaquinho morre por comer uma tâmara envenenada e Indiana fala: ele teve um encontro...

Liris Tribuzzi disse...

Meu inglês é péssimo, então naõ dá pra lembrar de nenhuma gafe. Mas adorei que vc colocou uma foto do Hugh Jackman xD.

Gustavo C. disse...

Não lembro de alguma legenda ou dublagem absurda (a não ser aquelas dublagens em que o horrível é a voz, e não a fala). Uma coisa que me incomoda é quando a gente ouve claramente um "fuck" mas a legenda traz uma palavra politicamene correta no lugar. Outra coisa: a gente nunca ouve ou lê "bunda", é sempre "traseiro". Quem é que fala traseiro?! E uma coisa que eu sempre quis saber é pq existe a liberdade de se mudar totalmente os títulos dos filmes. Quando isso acontece, vejo que alguém está alterando a criação de outra pessoa. Como pode? Se eu fizesse um filme, o nome é aquele que eu dei, e ponto final, ninguém deveria mudar. No máximo traduzir considerando as expressões de cada idioma, com uma equivalente do país onde será exibido. Né? Fico revoltado quando vejo um "Lost in Translation" virar "Encontros e Desencontros". ¬¬

Juliana Bittencourt disse...

mas eu noto justamente porque eu fazia. queria muito fazer o curso, mas ainda não consegui, só fiz pra internet mesmo, mas conversei com legendadora profissional na época e estudei sobre e mandei ver. não é fácil, mas até que eu tinha certa facilidade, curtia bastante... só que com a LER, não me animei a correr mais atrás pra fazer curso e tudo mais. cheguei a mandar currículo pra drei marc (2 dos tradutores da nossa antiga equipe de internet estão lá agora) mas queriam que eu abrisse empresa, não rolou...

Juliana Bittencourt disse...

gustavo, as traduções de filme levam em consideração o mercado local. algumas parecem incompreensíveis (como a pequena miss sunshine que virou "uma família a beira de um ataque de nervos" em portugal) mas essas traduções geralmente tem um porpósito. qual seria a sua sugestão para lost in translation? alguns títulos continuam ótimos quando traduzidos mais literalmente, mas outros necessitam mesmo uma alteração para que atraia o mínimo de pessoas ao cinema.

Juliana Bittencourt disse...

ah, e as censuras nas traduções, como a cristine falou, depende do cliente, mas concordo que ninguém usa a palavra traseiro.

bibi move disse...

me lembro de um onde eles estvam jogando bocha e o cara falava um monte de palavrões: porra de bola,andago, little mist etc
e a dublagem era:
vai bolinha, vai bolinha...

Anônimo disse...

Assim de cabeça so lembro de dois casos bizarros:
Legalmente loira 2 - A advogada loirinha liga para o namorado, professor universitário no meio de uma aula. Toca o celular com um ringtone constrangedor da marcha nupcial. O professor atende e diz "Honey, you changed my ring"... e a dublagem vem como "Voce trocou meu anel"... que anel??? Fala sério...
007 - Um novo dia para morrer - quando o vilão, ex coreano, atual homem branco, conta com conquistou a "fidelidade" da agente dupla do MI6, Miss Frost, aparece algo na dublagem como "consegui porque eu matei o Victor". Nessa hora eu parei o filme... que diabos de Victor era esse que tinha entrado no filme e eu não tinha reparado??? Volta o dvd e ele tinha matado o vitorioso (na competição olimpica de esgrima)... Impagável, eu ia ficar procurando a participação do Victor até o fim dos dias...

D. disse...

Agora não lembro de nenhum exemplo emblemático das legendas 'oficiais', mas, realmente, as novas traduções feitas pela galera da net tem algumas pérolas. Na de Little Miss Sunshine, quando o tio Frank menciona ser o segundo maior estudioso de Proust vivo, lia-se abaixo: "eu sou o segundo maior proeminente vivo". Também já me vi forçada a traduzir (apenas, o que está muito longe de fazer, diga-se) legendas em algumas ocasiões e acho que é imagino que deve ser um trabalho quase heróico. Só fiz isso porque adoro filmes asiáticos e grande parte deles dispõe apenas de legenda em inglês, então, quando quero partilhar um filme que vi com alguém que não lê este idioma, me vejo na situação de ter de traduzir a legenda. Sinto-me uma farsante, mas é melhor do que não poder ver o filme. Os resultados sempre são meia boca, por mais que eu me esforce. Outro problema, nessa caso, é que as legendas são em inglês, geralmente de filmes chineses e japoneses e já vem com problemas de tradução. Quando vejo os filmes com meu namorado, que compreende japonês bem, ele sempre comenta os absurdos - aliás, muito mais gritantes que os do inglês para o português. Enfim, acho que nesses tempos de globalização estamos todos meio lost in translation. Hehehe. Beijos, Lola.

Gustavo C. disse...

Juliana, entendo que alguns títulos são mudados para ficarem mais atrativos, e alguns realmente ficam, o que eu acho estranho é a liberdade de mudar, de mexer na criação de quem fez o filme e o batizou. O que tbm causa uns títulos nada a ver - isso eu acho um pecado. Eu sempre prefiro saber qual foi a idéia original.

Rosangela Oliveira disse...

Lola um que não vou esquecer nunca foi do filme Os Outros, não foi erro mas uma gafe mesmo, lembra da menina que aparece junti com os velhinhos? Pois é, no filme ela é muda, mas ouve perfeitamente qdo falam com ela, mas a legenda durante todo o filme diz que ela é SURDA!! E o pior é que não corrigiram nem no DVD, nem na TV a cabo!
Falando em TV a cabo, eles não dão a minima para legenda e td mais, no meio de uma cena com várias frases, a legenda simplesmente some!

Bárbara Dayrell disse...

oi lola!
como nos aqui em casa sempre vemos filmes baixados da internet, as legends sao bem precarias, feitas por amadores... algumas vezes sao boas, mas sempre tem algo horroroso! Mas estas eu perdoo, porque nao sao profissionais que a fizeram, mas no cinema ouo no dvd nao dá, neh!?
a minha irma estudou letras e num curso de traducao a professora deu varios exemplos... o pior de todos (que ela me contou) foi o seguinte: "the pot is in Johnson's underwear", ou seja, a maconha está dentro da cueca do Johnson, e traduziram "a maconha usa fraldas Johnson".

Chris disse...

Eu lembro de 'Moonlightning', em que alguém pede a 'beer' e a legenda vem como 'urso'.. Pôdi, pôdi, pôdi rsss

Beijos

Srta.T disse...

Quase todos esses erros que o pessoal falou eu já vi. Isso sem contar os inúmeros erros de português ("derrepente", "excessão").
Lembro quando aluguei as duas primeiras temporadas de House MD: se não me engano, a legeda era da Crei Marc. E estava repleta de erros, e não eram referentes aos termos médicos, o que seria até compreensível. O "derrepente" eu vi lá.

Olha, toda semana eu baixo seriados que passaram nos EUA e pego as legendas em sites de molecada (Psicopatas, InSubs...). E nunca vi erros. Geralmente 5 ou 6 trabalham com um episódio, traduzem, revisam. São perfeitas.

Suzana Elvas disse...

Lola, uma coisa que acho especialmente divertida é deixar as legendas junto com a dublagem. Como diz uma amiga, eu xoru lytrus com as traduções. Algumas (boas)você vê que é o trabalho do dublador em modificar a frase (sem perder o sentido) para que o ator não esteja de lábios cerrados quando a voz deveria sair de uma boca escancarada, mas há ocasiões hilárias. Como em "Numb3rs" em que o tradutor até hoje não entendeu que "pal" é tudo, menos o nome de alguém chamado Paulo. :o)

Vejo que há ainda uma tendência inconveniente de não se saber que "macaquinhos no sótão" é algo mais do que criação de símios em casa - outras expressões idiomáticas são assassinadas com requintes de crueldade e sem misericórdia.

Vejo isso em tradução de livros, também. Por isso fiquei abismada com a excelente tradução simultânea da GloboNews na posse do Obama. Impecável o trabalho do tradutor - que deve ter custado uma fortuna ao canal. Mas aí vem a apresentadora e diz que ali na primeira fila se via o "porta-voz" do Congresso, terceiro na linha de sucessão do cargo de presidente. Porque o cargo do "Speaker" ainda é um mistério para o jornalismo brasileiro.

Cris disse...

Ah, Lolinha!!!

Não vou nem falar da tradução, ehehe...só para manifestar o único ponto em que discordo total, completa e radicalmente de vc: Como achar "A Bruxa de Blair" um filme ruim?

É um dos mais horripilantes que vi até hoje.

beijos!!!!!!

lola aronovich disse...

É a Bruxa de Blair DOIS, Cris querida. O quê? Vc quer se tornar a primeira pessoa na face da Terra a defender esse filme?

Patricia Scarpin disse...

Lola, em "O Dom da Premonição" (vi no cinema, não sei se o erro continuou em DVD), logo no início, há uma cena em que o filho da C. Blanchett reclama que quer ir ao túmulo do pai. A mãe diz a ele que eles tinham ido lá "last month", e a legenda apareceu como "ano passado". Uma senhora atrás de mim comentou como a mãe era sem-coração, etc.

:S

Camila disse...

Engraçado mesmo!

eu que agora to com um inglês bem aceitável assisto filme e séries reparando nas legendas.

concordo q essas legendas de séries têm uns erros bobos, mas por serem feitas por pessoas voluntárias, totalmente de graça, apenas pela vontade de assistir ao ep. é totalmente compreensível, até o ponto, é claro, que bastaria uma pesquisa rápida no google e o mistério seria desvendado.

o que anda acontecendo mto ulimamente comigo, é que às vezes quando eu vejo uma frase bem feita e adaptada eu fico imaginando como eu teria traduzido, ao tal ponto que distraio totalmente e depois tenho q voltar do lugar onde parei!

Cachorro Beijoqueiro disse...

Em "Cinema Paradiso" Toto diz para o tio do cinema "Alfredo, vai tomar no cu" em italiano, claro. Na versão dublada da globo tinha algo do tipo "Alfredo, boa sorte!". Posso ter me equivocado aí no meio. Mas era por aí.