domingo, 28 de maio de 2017

MASCU ENVIA AMEAÇAS TERRORISTAS PROS EUA

Eu realmente não queria escrever nem mais uma linha sobre mascus até que eles fossem presos, mas não dá. 
Olhem o que o Marcelo aprontou: vários locais em cidades dos EUA tiveram que ser evacuados ontem por conta de ameaças terroristas. 
Não estou inventando! 
Só pra citar duas localidades: em Doral, Flórida, a polícia interditou duas ruas após uma loja receber um email com ameaças de bomba. A polícia logo viu que a ameaça era falsa, mas, como disse um investigador, "nos dias de hoje você precisa ser cuidadoso". 
Pior foi com o Farmers Market em Franklin, Tennessee, que teve que fechar cedo ontem depois que um fax com ameaça de bomba chegou a um salão de cabeleireiro que fica em frente ao mercado. 
O prejuízo dos 82 produtores por não conseguirem vender seus produtos passou dos cem mil dólares. 
Nas duas localidades, nenhum explosivo foi encontrado. E a polícia americana já sabe que o fax/email veio de fora dos EUA.
Primeiro teste dos mascus com as impressoras foi em fevereiro, em mais um ataque contra mim (clique para ampliar)
Como que Marcelo fez isso? Parece ser alguma coisa que mascus em particular e channers em geral aprenderam com grupos nazistas. 
Em fevereiro de 2017
Consiste em fazer com que impressoras que ficam ligadas durante o fim de semana em lojas e empresas imprimam o que hackers quiserem -- panfletos de ódio, ameaças terroristas, tentativas de chantagem e extorsão, etc. O negócio não é de hoje (esta matéria, por exemplo, data de 2011), mas a quadrilha de Marcelo fez uso desta modalidade criminosa pela primeira vez em fevereiro. Não deu muito certo. Uma empresa respondeu o email mandando eles se f*derem.
De "Psy" para Emerson, anteontem
Porém, se este plano de Marcelo funcionar, o cenário vai piorar bastante amanhã, quando empregados voltarem às empresas e descobrirem as ameaças. 
O que Marcelo deseja com isso? Em primeiro lugar, se vingar dos EUA, que não permitiu que ele embarcasse pra Chicago no último dia 9 de maio. Em segundo, tentar incriminar seu ex-amigo e ex-comparsa Emerson, com quem esteve preso em Curitiba entre março de 2012 e maio de 2013. Os emails e faxes estão indo no nome de Emerson. Assim:
"Serei breve. Instalei vários explosivos no prédio. Se você não enviar a quantia de 25 mil dólares até 31 de maio, explodirei todo o quarteirão. Se você tentar contactar a polícia, eu saberei. Também tenho acesso aos seus computadores e endereços de email. Vá até a agência mais próxima da Western Union e envie a quantia para Emerson (nome completo). O número de passaporte é... É um passaporte brasileiro. A cidade em que o dinheiro será retirado é Chicago. Faça como eu digo e ninguém vai se ferir". 
De Psy para Emerson, hoje, em outro chan criminoso
Aparentemente, Emerson está ilegal nos EUA, pois seu visto venceu em abril. Mas ele já está sendo investigado por lá (e por aqui também), depois que inúmeras ameaças (inclusive contra Trump) foram enviadas em seu nome. Emerson é um psicopata patético, mas nem ele é tão burro para assinar ameaças terroristas. Ainda mais ameaças nos EUA, que têm um histórico de levar isso bem a sério.
É certeza que Marcelo já está sob investigação nos EUA (afinal, ele já estava num "no fly list", ou seja, uma lista que o impede de viajar pra lá). Espero que as polícias brasileiras estejam conversando com o FBI e que esta aventura mais recente do maior fracassado da internet sirva para prendê-lo mais uma vez. 
E é como eu falei: eles já estão em outro chan. Desta vez, se vangloriando porque serão caçados impiedosamente pelos americanos. E crentes na impunidade.
Marcelo quer mesmo ser um bandido procurado internacionalmente. Depois, quando voltar pra cadeia, vai culpar os EUA, o Brasil, eu, os globalistas, os esquerdistas, as mulheres, os marxistas... Todos menos ele.

sábado, 27 de maio de 2017

CHAN DE ÓDIO SAI DO AR, UMA VITÓRIA RELATIVA

Ontem saiu do ar o Dogolachan, um dos chans (fóruns anônimos) mais nocivos do Brasil, responsável por milhares (literalmente, não é força de expressão) de ameaças de morte a mim e a várias outras pessoas e pela criação de inúmeros sites de ódio, entre muitos outros crimes.
O Dogolachan, como todo mundo sabe, era do Marcelo, um mascu de 31 anos que, desde 2006, cria e divulga conteúdo de ódio na internet. Ele foi o primeiro condenado por racismo na internet brasileira, em 2009, mas alegou insanidade para não cumprir pena. Em março de 2012, após serem denunciados durante meses por criarem um site que defendia a legalização do estupro e da pedofilia (além do estupro corretivo para lésbicas) e prometia um massacre na UnB para matar "o máximo de vadias e esquerdistas", Marcelo e seu comparsa Emerson foram finalmente presos em Curitiba pela Operação Intolerância. Foram julgados e condenados a 6,5 anos por pedofilia e outros crimes e permaneceram na cadeia por mais de um ano.
Ao sair, em maio de 2013, Marcelo voltou a fazer exatamente o que fazia antes de ser preso. 
Ainda naquele ano lançou um "novo" site de ódio (com conteúdo quase idêntico àquele que o havia levado à prisão) e abriu um perfil no Twitter com seu nome real para ameaçar seus inimigos (eu inclusa, além do delegado responsável pela sua prisão). Depois de ser expulso de outros chans (imagina o quão asqueroso você precisa ser para fóruns que chamam mulheres de "depósitos de p*rra" te expulsarem), ele criou seu próprio chan, o Dogolachan. 
Eu só fiquei sabendo do Dogola em abril em 2014, quando Marcelo, também conhecido como Psy e Batoré, me enviou o link. Chans raramente aparecem nos sites de busca, e como não sou frequentadora desses antros de misoginia, racismo e homofobia (que, vale lembrar, não se alojam na Deep Web, mas à vista de todos mesmo), eu não teria como saber da existência do Dogola se Marcelo não tivesse me avisado. Ele queria que eu lesse as ameaças e seus planos mirabolantes para me destruir. É seu jeito doentio de achar que tem algum tipo de relacionamento comigo (que nunca falei com ele; aliás, não falo com mascus, não há o que dialogar com quem só vive de ódio e inveja e ameaça você e sua família diariamente). 
Foram no mínimo três longos anos de ameaças (e quando eu digo "ameaças", não estou falando de alguém me chamar de gorda; estou falando de divulgarem meu endereço residencial, postarem fotos da fachada da minha casa, negociarem valores abertamente para quem aceitar me matar, 
prometerem cometer atentados em palestras que dou e na universidade em que leciono, discutirem o que vale mais a pena -- só me matar, ou matar também meu marido e minha mãe? --, ligarem pra minha casa pra me ameaçar e xingar, acusar meu marido de crimes que eles cometem, etc, etc).
Além de, é claro, vários anos de lançamentos quase mensais de vários sites de ódio como Realidade, Homens de Bem, Tio Astolfo, Reis do Camarote, e o mais recente, Filosofia do Estupro. Em vários deles havia "guias de estupro", ou "guias de como estuprar vadias" em diversas universidades públicas por todo o país. 
Em outubro de 2015 Marcelo e seu chan inovaram um pouco. 
Em vez de lançar um site misógino assinado por algum desafeto que eles tentavam incriminar (outros mascus, ou Izzy Nobre, ou o irmão do Felipe Neto, ou um leitor do meu blog, ou meu marido -- todos já "ganharam" autoria de sites de ódio), criaram um site com meu nome, pregando o aborto de fetos masculinos, castração e infanticídio de meninos, "vendendo" remédios abortivos, e jurando que eu realizei um aborto numa aluna em sala de aula da UFC (eu, professora de Letras!). O site viralizou depois que reaças maiores, como Olavo de Carvalho e Roger do Ultraje, o divulgaram em suas redes sociais, mesmo sabendo que o site não era meu
O site de ódio no meu nome também me rendeu um inquérito na Polícia Federal. Na mesma semana que o site foi lançado, Emerson (que no segundo semestre de 2015 reatou a amizade com Marcelo) denunciou o site à PF. E também fez cerca de 25 vídeos me difamando. O incrível é que ele está me processando, pedindo indenização de 40 mil reais.
Em novembro do ano passado surgiu um novo personagem no chan, um tal de Goec, que diz morar na Alemanha ou na Suíça, e que tem acesso a sites com dados pessoais de um monte de gente. Assim, o chan começou uma nova seção, a "Jabbeira do Dia" (eles me chamam de Jabba porque sou gorda), ou seja, qualquer pessoa que interagisse comigo no blog ou no Twitter, teria seus dados expostos (o que é conhecido como doxing) e receberia emails com ameaças de morte e estupro. 
Foram centenas de vítimas, e nem todas amigas minhas ou gente por quem tenho apreço. Goec também passou a doxxar e ameaçar mulheres de direita, como a jornalista Joice Hasselmann e a advogada Janaína Paschoal. Ameaçaram jornalistas, advogadas, delegadas, juízas, políticas (mulheres são alvos preferenciais, já que ameaçar homens de estupro, fazer montagens de fotos pornôs com eles, ou jogar o telefone residencial de algum cara num site de prostituição não tem o mesmo efeito). Ameaçaram até o Trump! 
Perto do natal, Goec enviou email ao reitor da UFC dizendo que, se ele não me exonerasse, haveria um massacre na universidade que mataria trezentas pessoas. Isso fez com que a Polícia Federal entrasse no caso. A PF e a polícia civil de vários estados estão investigando essa quadrilha.
No começo do ano, uma nova ação orquestrada no chan: meu blog foi denunciado por milhares de robôs. O Google acreditou nas denúncias e, até que eu conseguisse falar com um ser humano, e não com uma máquina, deletou uma das minhas duas senhas de acesso ao blog e removeu todas as imagens. Felizmente, meu bloguinho voltou na mesma semana, contabilizando mais um fracasso pra vasta coleção dos mascus.
Também em janeiro, Marcelo entrou com uma ação no Juizado Especial em Curitiba contra mim. Seu plano, explicado repetidamente no chan, era que "milhares" de mascus e outros frustrados me processassem e eu tivesse que gastar tempo e dinheiro correndo o país respondendo a processos em todas as regiões. A primeira audiência foi marcada para início de janeiro, e eu não fui. No mesmo dia passaram a doxxar e ameaçar minhas duas advogadas, que, com medo, se retiraram do caso.
Meu novo advogado também teve seus dados expostos e passou a receber ameaças. 
Eu recebi dezenas de telefonemas em casa com ameaças e insultos (com a mesma voz de um certo cozinheiro na França), perguntando se eu iria à audiência do Marcelo em Curitiba (meu décimo boletim de ocorrência foi referente a esses telefonemas). Meu advogado conseguiu que a juíza aceitasse minha defesa por escrito, sem que eu tivesse que me deslocar até Curitiba. Marcelo então desistiu da ação e promete entrar com outra na Vara comum, pedindo indenização de 50, 80 ou 100 mil reais, dependendo do seu humor no dia.
Se eu não tenho medo de ameaças de morte e de estupro, não é ameaça de processo que vai me fazer temer.
Em abril eu passei cinco horas depondo na Delegacia da Mulher de Fortaleza e finalmente foi aberto um inquérito reunindo os dez boletins de ocorrência que fiz contra a quadrilha (o primeiro foi em janeiro de 2012). Pro vídeo mais recente de calúnia, eu nem quis fazer BO: é de um mascu que eu nunca vi na vida mas tenho certeza absoluta que não está na universidade dizendo ser um tal de Wallace (desafeto de mascus) e pedindo ajuda por que eu o assedio sexualmente na UFC. Tá aqui o vídeo, veja com seus olhos (repare na bandeira confederada ao fundo, símbolo racista dos EUA). Pelo menos o vídeo em que um outro mascu dizia ser meu filho era engraçado.
Além de jurar que eu iria peregrinar pelo Brasil respondendo a processos, Marcelo nesses últimos meses caprichou nas mentiras a seus próprios seguidores de chan. Primeiro disse que iria se mudar para a Austrália (o que deve ter gerado um bom número de emails com denúncias à Embaixada da Austrália). Depois inventou que estava em Chicago com um amigo mascu chamado Coelho (que fez ligações diárias pra minha casa entre novembro e fevereiro, a mando de Marcelo). Não estava: tentou viajar pros EUA, mas foi impedido no aeroporto de Curitiba. 
Com raiva renovada contra tudo e contra todos, Marcelo pagou para passar a noite com uma prostituta que ele conheceu através do Coelho. Coelho descobriu, ficou com ciúmes, considerou "traíragem", e se aliou com Emerson. 
Emerson está nos EUA desde outubro. Seu visto venceu em abril e ele está lá ilegalmente, pedindo asilo político (risos) e procurando uma "mulher ariana" para casar e lhe garantir a estadia americana. Enquanto isso, grava dezenas de vídeos em que diz que Bolsonaro e Olavão são comunistas (até pouco Emerson era grande fã de ambos), que aprendeu muito com nazistas mas assegurando que não é nazista, e criando toda uma magnífica teoria da conspiração para explicar por que as mulheres não querem nada com ele. Não é porque ele é um ex-presidiário, precisa desesperadamente casar para poder ficar nos EUA, ou por ser um completo lunático. É porque os globalistas e o marxismo cultural doutrinaram as mulheres brancas para odiar os homens brancos. Mas não o chame de racista que ele não gosta. Ele até tem amigos negros!
Marcelo, que talvez seja mais movido à inveja do que ódio, tem muita raiva do "sucesso" de Emerson nos EUA (tipo: Emerson pelo menos conseguiu entrar no país). Os dois voltaram a brigar em outubro, e Marcelo tinha fé que Coelho (que movia ações contra Emerson nos EUA), junto a Goec (que fez, ou faz, ameaças a Trump em nome de Emerson), seriam capazes de causar a deportação do auto-intitulado "self-made man". Com Emerson se aliando a Coelho, Marcelo ficou sem chão.
Em nome de Marcelo
Junte-se a isso as tentativas fracassadas de me destruir, a expulsão, após denúncias, do provedor (na Malásia?) onde o chan estava hospedado, e o medo de voltar à prisão, e Marcelo decidiu não continuar com o chan, que estava sendo moderado desde dezembro por Technomage (Raziel), depois de passar anos sendo moderado por Kyo (Bryan), que também brigou com Marcelo.
Eu sei que deveria estar radiante com a queda de um chan tão nefasto, mas não estou. Estou feliz, lógico, mas nada de pulos de alegria por enquanto. A queda do chan é ótima porque assim a quadrilha misógina tem mais dificuldade para se organizar e porque não vão aparecer novos paspalhos fazendo vídeos para tentar se enturmar (ou para cometer atentados, sonho dos chans, tanto que Marcelo fantasia com um "dia da retribuição" e assina seu email como Eliot Rodger, mascu americano que matou 6 pessoas nos EUA em 2014 por não atrair mulheres). 
Mas imagino que eles vão voltar com o chan ou abrir um outro canal logo logo. Afinal, Marcelo vai fazer o quê da vida se não tiver pessoas para perseguir? Só assim esse fracassado sustentado pela mãe na terceira década de sua mísera existência pode se sentir importante. 
Eu só vou comemorar quando toda a quadrilha for presa e condenada por terrorismo, grave ameaça e formação de quadrilha. Todos: Marcelo, Emerson, Goec, Coelho, Technomage, Kyo, Fernando, Gustavo, Arthur, Ryan, Luiz Olavo, Robson Otto, Diógenes, Robert Lee -- espero não ter esquecido alguém (Mallone, um pedófilo confesso, foi preso em abril, graças!). Espero a quadrilha toda seja presa este ano. Sei que há muitas investigações acontecendo, e que elas levam tempo. O que não consigo entender é como o chan estava no nome do Marcelo este tempo todo e a polícia não vê.
Alguns desses mascus talvez tenham salvação e consigam entender o mal que fazem. Talvez alguns deles um dia possam se tornar homens que sabem respeitar pessoas. Outros, não. Mas a minha vontade depois de tantos anos de ataques é seguir a sugestão de uma amiga (também vítima) e promover um Jogos Vorazes entre mascus: colocar todos eles numa sala e deixar que briguem entre si. 
O que sobreviver vai preso.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

RIR É O MELHOR REMÉDIO, PARTE 4.346

Sem tempo pra escrever um post hoje, desculpa!
Então compartilho com vocês quatro tuítes que me fizeram rir. Este aí de cima, estes dois de baixo, e este, que é um vídeo do Aécio se explicando.
Por que o olhar do meu gato parece dizer que devo decifrar três enigmas antes que eu possa usar meu computador?

quarta-feira, 24 de maio de 2017

GUEST POST: INTRODUÇÃO AO ARROMANTISMO, OU AUSÊNCIA DO AMOR ROMÂNTICO

Adoro publicar guest posts sobre temas que desconheço totalmente. A palavra da vez é arromantismo. Você já ouviu falar?
Ulisses Constantino é guardião de piscinas (em outras palavras: salva-vidas), tem 30 anos e mora sozinho. E decidiu compartilhar conosco seu conhecimento sobre arromantismo.

Arromantismo é ausência ou pouca presença de amor romântico.
Uma pessoa arromântica é alguém que não sente atração romântica por nenhum sexo ou gênero. Atração romântica, basicamente, é o impulso emocional que faz com que alguém queira namorar uma pessoa; é a capacidade que alguém tem em se apaixonar romanticamente por uma pessoa ou sentir crush por ela.
Ou seja, pessoas arromânticas não se apaixonam nem sentem crush por ninguém. Por isso, geralmente, não têm vontade de namorar. Vale ressaltar que o que define uma arromântica é a incapacidade de se apaixonar e ter crush e não a negação em namorar. Há arromânticas que querem namorar, apesar de não serem capazes de se apaixonar, de sentir amor romântico. O simples fato de alguém não querer namorar não faz dela uma arromântica. Uma arromântica não é alguém que reprime os próprios sentimentos românticos quando se apaixona. É alguém que não possui amor romântico e é incapaz de se apaixonar em primeiro lugar. É isso o que define uma arromântica.
Não se deve confundir arromantismo com assexualidade, que é a ausência ou pouca presença de atração sexual.
O arromantismo é uma orientação romântica, isto é, indica por qual gênero ou sexo a pessoa é capaz de se apaixonar ou ter crush. Porém, várias pessoas afirmam que o arromantismo não é uma orientação romântica, pois não há nele presença de amor romântico. 
Existem, basicamente, dois tipos de arromânticas: as sexuais e as assexuais.
As arromânticas sexuais (ou eróticas) não se apaixonam nem desejam namorar, porém, sentem atração sexual, isto é, vontade de transar. Sentem-na mas sem se apaixonarem nem terem crush pela pessoa objeto de sua atração. 
As arromânticas assexuais não se apaixonam nem desejam namorar e também não sentem atração sexual, isto é, não sentem vontade de transar. Elas podem se masturbar ou não. A masturbação não é critério de definição de orientação sexual ou romântica.
Teoricamente, a princípio, nenhuma arromântica assexual gosta de beijo na boca. Mas, na minha opinião, não existe um consenso na comunidade arromântica sobre se gostar de beijo na boca faz com que uma pessoa deixe de ser arromântica assexual ou não. Para algumas pessoas, o beijo na boca é um ato sexual. As arromânticas sexuais podem usá-lo como aquecimento. Para outras, o beijo é um ato romântico. Para as assexuais românticas, ele é uma demonstração de amor romântico e carinho para com o ou a parceira. Para outros ainda, o beijo é um ato romântico e sexual ao mesmo tempo.
É que na questão do namoro ou do sexo, o contato físico é praticamente onipresente. Existem 3 elementos ou ações na questão do contato físico em um relacionamento: 1) o beijo, especialmente o beijo na boca; 2) chamegos e carícias (incluindo abraços e toques); 3) sexo.
Bandeira do orgulho arromântico
Para as arromânticas assexuais, não existe o menor desejo de praticar uma das três ações. Porém, praticar uma das 3 ações com alguém não significa que ela seja sexual ou romântica, pois o que define tanto o arromantismo como a assexualidade é a ausência ou a inexistência da paixão romântica ou da vontade de transar, respectivamente. 
Arromânticas não são psicopatas, nem psicóticas. Arromânticas assexuais não são frígidas, frias ou desumanas. Arromânticas sexuais não são taradas ou ninfomaníacas. Ser arromântica não significa ser sexualmente promíscua.
Dentro do espectro arromântico, existe uma área cinza. Nela estão, entre outras, as demirromanticas, as lithorromanticas e as gray-aro ("aro" é o apelido das arromânticas, assim como "ace" é o apelido das assexuais, e "gay" é o apelido dos homossexuais).
As demirromânticas só sentem atração romântica secundária. Em outras palavras, só se apaixonam ou têm crush após formarem uma ligação emocional — geralmente platônica — com alguém. Tal ligação só é formada após se tornar amiga da pessoa ou passar algum tempo convivendo com ela.
As gray-aro são pessoas que se apaixonam ou têm crush rara ou irregularmente. Nas vezes em que sentem atração romântica, ela não se manifesta na mesma intensidade ou tem a mesma duração. Varia muito, pois elas raramente sentem atração romântica e o modo como se manifestam é irregular.
As lithorromânticas são pessoas que se apaixonam, porém, não querem que tal paixão seja recíproca, correspondida, ou não querem que a pessoa objeto saiba da existência de tal sentimento nem querem namorá-la. 
Se o sentimento for recíproco, correspondido ou houver namoro, a paixão extingue-se espontaneamente, mesmo que de maneira gradual.
Uma coisa que faz com que muitas arromânticas sofram é a amatonormatividade presente na sociedade. 
Citado pela primeira vez pela filósofa Elizabeth Blake, em seu livro Minimizing Marriage (Minimizando Casamento), amatonormatividade é a presunção de que um relacionamento amoroso principal exclusivo é normal para os seres humanos, no sentido de ser um objetivo universalmente compartilhado e que tal relacionamento é normativo, de tal forma que ele deveria ser almejado em detrimento de outros tipos de relacionamento. Tal norma social resulta, segundo ela ainda, no sacrifício de outros tipos de relacionamentos em favor do amor romântico e do casamento e relega a amizade e a solidão à invisibilidade cultural.
Isso é diametralmente oposto ao arromantismo e ao espectro arromântico. Tal conceito é tema de debates na comunidade arromântica. 
No Brasil, as pessoas arromânticas, assim como as assexuais, não têm visibilidade. As assexuais, aos poucos, estão ganhando visibilidade. Mas as arromânticas ainda estão no esquecimento. Na época em que eu tinha Facebook (excluí a minha conta) havia um grupo chamado “Arromânticos e Arromânticas”. Acho que foi o primeiro grupo online voltado exclusivamente para arromânticas do Brasil. 
Espero ter ajudado a dar mais visibilidade à comunidade arromântica com este post. Se alguma leitora ou leitor se identificou com esse texto, saiba que você não está sozinha e que não há nada de errado contigo. Ser arromântica é normal: você apenas não possui o sentimento romântico e não tem necessidade emocional de ter uma namorada ou namorado. 
Você pode decidir ficar sozinha ou cultivar amizades. Você não é psicopata, nem monstro, nem aberração, nem doente mental. Você apenas não sente atração romântica: não se apaixona romanticamente nem tem crush por ninguém. 
Assuma o seu arromantismo e seja feliz! Você ainda é capaz de amar de outras formas!