sábado, 29 de outubro de 2016

MAIS DOIS CASOS PROVANDO QUE CULTURA DE ESTUPRO EXISTE

Pessoas queridas, há dois casos importantíssimos que não tive tempo para relatar no blog. Vou expor os casos aqui e conto com a colaboração dxs comentaristas inteligentes (trolls estão dispensados, obrigada).
Um caso é o do terrível estupro coletivo -- mais um -- de uma vendedora de 34 anos que foi vítima durante quatro anos de sucessivos estupros coletivos cometidos por traficantes da comunidade onde vivia, Miriambi, no bairro Lagoinha, São Gonçalo, RJ. Tudo começou quando um ex-namorado espalhou entre a comunidade um vídeo íntimo dos dois, filmado sem o consentimento dela. Isso fez com que, segundo a presidente da Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa do RJ, "o tráfico se sentisse autorizado a fazer com que essa vítima fosse vítima de estupro de forma consecutiva. Consecutiva e coletiva”. Apavorada, sem ter para onde ir, com medo do que ameaçavam fazer com as duas filhas dela, a vendedora se calou. 
O último estupro coletivo foi na madrugada de 17 de outubro. Ela estava num bar com um amigo quando foi arrastada para o banheiro do bar e depois para uma rua escura. PMs faziam uma ronda de combate ao tráfico e surpreenderam o grupo de cerca de dez homens, que conseguiram fugir para um matagal. Dois adolescentes foram presos em flagrante. 
Talvez a parte mais chocante deste caso é que, quando os policiais levaram esses dois algozes (há outros oito) e a vítima à delegacia, decidiram levar todos juntos, na mesma viatura! Espremida no banco traseiro, ao lado de dois dos estupradores, a vítima teve que ouvir de um deles: "Fica tranquilinha. Vai dar tudo certo", enquanto ele alisava a perna dela. 
Na delegacia, mais uma violência: o policial responsável pelo registro a tratou sem a menor sensibilidade e redigiu um depoimento que mais parece um filme pornô. Entre expressões como "boquete triplo" e "no pelo" (sem camisinha), ainda estava lá a frase "a declarante só gritou porque empurraram um galho de árvore em sua bunda". Procurado pelo jornal Extra, o policial declarou que "não houve constrangimento nenhum" (pra ele de fato parece não ter havido, né?). 
Clique para ampliar
Levou dias para que a vítima e sua família finalmente fossem removidas da comunidade (onde corriam sérios riscos) e levadas para outro lugar. A vítima foi incluída no Programa de Proteção a Testemunhas do Governo do Estado. O caso é assustador e revoltante sob todos os ângulos possíveis. 
Parafraseando um ótimo post do Blogueiras Feministas, eu pergunto: se os estupros são coletivos, como é que a sociedade não se sente nem um tiquinho responsável? Foram dez homens -- que se sentiram à vontade para estuprar quem começou sendo uma vítima da pornografia da vingança. Muita gente viu os estupros, muita gente se envolveu, ninguém falou nada. E óbvio que a galera do "cultura de estupro é mimimi de feminista" vai tratar o caso como algo isolado, que acontece só em favelas. 
Este outro caso prova que não é assim, que estupros acontecem em todas as classes sociais. Este caso é sobre o estudante de Medicina da USP acusado de três estupros. Ele tem 35 anos e vai conseguir o diploma e se formar médico. Sim, eu disse três estupros
Além disso, essa flor de pessoa também carrega nas costas um assassinato. Em 2004, quando era soldado da PM (ele pediu exoneração em 2008), matou um homem com oito tiros durante uma discussão no carnaval. Ele estava em horário de folga. A briga começou porque a vítima "se insinuou" para ele. O então PM foi condenado a um ano (alegou legítima defesa -- oito tiros, legítima defesa!), e depois, no recurso, conseguiu extinguir a pena.
Alunas da USP protestaram no ano
passado, quando foi anunciada a
suspensão (não expulsão) de Daniel
Enquanto aluno da USP, ele foi acusado de dopar e estuprar três alunas, duas estudantes de Medicina, como ele, e uma de Enfermagem (um desses casos virou processo e tramita em segredo de justiça). A universidade, em vez de expulsá-lo, tentou abafar os casos (só aceitou abrir sindicância depois que uma CPI da Assembleia Legislativa de SP discutiu violência nas universidades paulistas, em 2014), e apenas suspendeu o estudante por seis meses por -- pasmem -- "infrações disciplinares". Diante da pressão, a USP aumentou a suspensão para  um ano e meio.
Há ainda outros três relatos de alunas que, com medo, preferiram não formalizar a denúncia. Esses relatos chegaram à Rede Não Cala, um coletivo formado por professoras para cobrar ações de enfrentamento aos casos de abuso sexual e de gênero na USP).
Outro escândalo relacionado é que a médica Maria Ivete Castro Boulos foi afastada sem explicação há duas semanas da coordenação do órgão responsável por acolher vítimas de violência sexual e formular políticas relacionadas aos direitos humanos na USP. No lugar da médica foi colocado um cirurgião que faz "piadas" desse tipo nas redes sociais (ao lado).
Não sei se vocês lembram de um caso ocorrido em 2009 na Uniban, uma universidade particular de São Bernardo do Campo. 
Geisy, então aluna de Turismo, foi à faculdade usando um vestido curto. Isso gerou uma inexplicável histeria pública de alunos nos corredores gritando "Puta! Puta!" Tiveram que chamar a política para conter a turba enraivecida. No final, a Uniban decidiu expulsar Geisy, pois "a atitude provocativa da aluna resultou numa reação coletiva de defesa do ambiente escolar". Depois teve que voltar atrás.
Mas só pra recapitular, mesmo comparando uma uniesquina a uma das melhores universidades da América Latina: Geisy foi expulsa por usar um vestido curto. O aluno de Medicina vai se graduar, mesmo sendo acusado de estuprar no mínimo três alunas, e vai atuar como médico. Leva consigo um histórico de impunidade. 
Tô esperando aparecer gente pra me dizer que cultura de estupro não existe.

58 comentários:

Anônimo disse...

No Brasil. É importante dizer que existe cultura do estupro no Brasil porque pra essa gente cínica cultura do estupro existe mas só no oriente médio ou África.

lola disse...

Gente, desde ontem a tarde estou viajando, aproveitando um pouquinho o unico feriado prolongado do semestre. Por isso os comentarios estao sem moderacao. Ontem, antes de viajar, escrevi este post para ser publicado hoje. Mas esqueci de agendar para outras datas 3 outros posts incompletos (sem edicao, sem ilustracoes, sem links etc) que estavam agendados, e eles foram publicados ontem a noite. Como so entrei no computador agora, sabado, quase ao meio dia, so vi agora esses posts, que renderam alguns comentarios. Quando eu publicar os posts prontos, os comentarios reaparecem.
Bom, ate amanha! Amanha volto pra votar no segundo turno e pra me preparar pra mais uma semana corrida...

Anônimo disse...

Pelo menos na favela n é cultura de estupro, alguém mora em favela aqui por um acaso? Ninguém fala nada por medo, se denunciar ou fizer qualquer coisa contra o bandido, vc simplesmente vai ser assassinado.

Anônimo disse...

Cultura de estupro pq tem casos q ficam impunes? Então tem cultura da pedofilia, assassinato,roubo, sequestro. ..

Anônimo disse...

Pra q tanta revolta contra vítimas da sociedade?! Nenhum deles tem culpa de serem lixos estupradores. .. A incoerência de vcs é foda, n entendo como defendem bandido e ao mesmo tempo ficam chocadas com as merdas q eles fazem.

Anônimo disse...

La vem os reacinhas usando a esquerda para fazer o que eles tem vontade: Defender estuprador. Toda noticia de estupro e assassinato aparece um imbecil dizendo que estuprador e assassino é vítima da sociedade. Detalhe: Só quem é de direita fala isso.

Anônimo disse...

Aquela linguagem do inquérito não é necessariamente "insensibilidade" do policial. Os depoimentos, em geral, apresentam os exatos termos utilizados pelo depoente/interrogado. E isso não é algo negativo, uma vez que as eventuais adaptações feitas pelo escrivão podem distorcer os fatos.

titia disse...

Aí quando eu digo que não se confia em homem nunca e mando os trolls se foderem eu sou a misândrica feminazi malvada que merece ir pra fogueira...

Uma coisa interessante que a 12:52 falou: reaça só acredita nesse negócio de "vítima da sociedade" se for pra defender estuprador. Incrível, né? Ladrão, assassino, até o sumamente odiado traficante é só uma pobre vítima dessa sociedade matriarcal misandrica quando é estuprador. Se roubar (mesmo que só tenha furtado uma balinha porque tava com fome), matar, torturar é tudo vagabundo que merece morrer. Eu preciso dizer mais?

Anônimo disse...

"reaça só acredita nesse negócio de "vítima da sociedade" se for pra defender estuprador." 13:21

Quem diz que "estuprador é vítima da sociedade" está claramente sendo sarcástico para criticar os que utilizam esse argumento na relativização da conduta dos demais criminosos. Nenhum "reaça" utiliza esse argumento no sentido explícito.

titia disse...

Faz diferença, 13:30? Vocês estão defendendo estuprador do mesmo jeito.

Vê se pode isso, o sujeito vem no blog defender estuprador e ainda quer reclamar...

Anônimo disse...

13:45 "titia"

Não reclamei hora alguma. Eu critiquei uma avaliação errada que você fez. ;)

Anônimo disse...

Os dois que abusaram dela na viatura eram adolescentes, portanto não sabiam o que estavam fazendo

Anônimo disse...

Só os de direita defende bandido? Kkkkk cara a hipocrisia de vcs é inacreditável. São vcs esquerdista q defendem bandido direto, n falta post aqui com pena de marginal e eis a loucura de vcs, defendem e ao mesmo tempo acham absurdo os crimes deles.
Estamos sendo irônicos chamando ekes de vítimas, estranho é vxs terem se incomodado, no próprio post diz q a culpa disso tudo ai n é deles ,é da sociedade.
Tem algo de errado com o cérebro de vcs

Anônimo disse...

Sarcasmo uma ova. Toda notícia de estupro tem um reaça imbecil falando essa merda. Vocês invadem blogs sites e paginas de Facebook de esquerda, que estão, como esse texto, repudiando esses crimes, para dizer que nós defendemos os criminosos chamando-os de vitima da sociedade e pobrezinhos. Vocês são a escória mesmo.

Anônimo disse...

"Os dois que abusaram dela na viatura eram adolescentes, portanto não sabiam o que estavam fazendo" Outro reacinha querendo pagar de sarcástico defendendo estuprador. Imbecil.

Anônimo disse...

Tem algo errado com o nosso cérebro mesmo. Você não deveria frequentar espaços esquerdistas. Vai que isso pega e vc começa a conseguir interpretar textos. Aproveita e enfia a sua ironia no seu rabo.

Anônimo disse...

A DIREITA DEFENDE BANDIDO.

A direita defende estuprador.
A direita defende policias assassinos.
A direita defende corruptos.
A direita defende golpistas.

DIREITISTAS DEFENDEM CRIMINOSOS.

REPASSEM!!!!

Anônimo disse...

Titia,
Vamos tomar um chopp?
Gosto de mulher assim, brava, decidida.
Vc tem bom coração.

Bjo nessa boca loka.

Anônimo disse...

Cultura do estupro por que relevam pro homem estuprador. Por que preferem expulsar uma mulher que estava de vestido curto e "causou histeria" do que expulsar os que ficaram histéricos apenas por que ela usava um vestido curto. Por que preferem jogar pra baixo do tapete casos de estupro e assim manter e graduar um estuprador que é acusado por mais de uma vez. Sim, cultura do estupro existe. É mais fácil pras pessoas dizerem não seja estuprada do que não estupre. Ensinar uma mulher a não sair de noite, não vestir roupa curta, não andar sozinha, do que ensinar um homem que ele tem que respeitar, que ele não deve estuprar ou agredir uma mulher, que quando ele ouvir um não é não mesmo ou que ele deve sempre ter o consentimento da mulher para poder transar.

Anônimo disse...

E por que você, como um nobre seguidor da direita não se revolta? Pra vocês bandido bom não é bandido morto? Pra vocês eles não são vítimas e sim escória da sociedade não é mesmo? Cade a revolta e indignação com esses casos?
Acho que não é só a esquerda que ta sendo incoerente aqui não amiguinho, por que não to vendo um pingo de indignação da galera da direita. Fácil ver quando não é com vocês né.
A direita diz que bandido é tudo escória, sao contra essa bandidagem, mas não se chocam nem um pouco com as merdas que eles fazem. Vai entender

Anônimo disse...

Dobrem a língua antes de falar que todas são a favor de passar a mão em cabeça de criminoso. Mas sei que algumas aqui defendem que nem sempre corrige na cadeia e que quando é menor tem que ir pra reformatório. Não sou dessas, mas sim é tudo fruto da sociedade imbecil em que vivemos, se a sociedade não muda, os bandidos não mudarão, e pode ter certeza que vocês que vem aqui caçoar de feministas que defendem isso e estão pouco se lixando pra casos de estupro estão só fazendo um favor pros estupradores. Vocês são parte dessa sociedade também. Pelo menos as que defendem essa baboseira de reformatório não estão defendendo que eles fiqem livres, e vocês? Além de vir criticar e serem sarcásticos o que estao fazendo pra garntir que a bandidagem tenha o castigo que a direita acha que eles merecem?
Por que se passam tanto tempo em blogs de esquerda, não sobra muito pra irem no de direita debater sobre o que realmente deveria ser feito com casos assim.
Sempre achei o trabalho de direita meia boca mesmo. Só se juntam pra apoiar o impeachment, mas pra resolver todo o resto preferem bater boca com a esquerda pela internet.

Anônimo disse...

Eu acho impressionante como "bandido bom é bandido morto" e como "feminista mesmo é o Bolsonaro e sua pena de castração química", mas quando o assunto é estupro: NOOOOOOSSA, mas a menina do vídeo tirava foto com fuzil (e os agresssores não). NOOOOOOSSA, mas o cara era estudante de medicina (e as vítimas dele não). NOOOOOSSA, mas foram 4 anos e ela não falou nada, e ainda tinha um vídeo dela transando (porque de repente, os traficantes do post anterior que deveriam ser mortos em legítima defesa, viraram o baluarte da razoabilidade e democracia). Tenho nojo de quem diz que "estuprador tem que morrer" mas quando um estupro acontece, arranja todas as desculpas e justificativas possíveis pra excusar o agressor e de preferência culpar - criminalmente - a vítima porque "denúncia falsa é tão grave quanto o crime". Pra esse pessoal, estupro foi erradicado no Brasil assim que o Champinha foi preso. O resto é "denúncia falsa de feminazi que sofreu lavagem cerebral".

Anônimo disse...

NÃO É? Toda notícia, não vejo UM tradicionalmente de esquerda comentar que o menor não deveria ser punido. Sempre algum "não alienado pelo PT e as malditas feministas!" que faz o comentário - pra cobrar posição do outro, não pq ele msm tá indignado. E se o menor for classe média/alta então, lá vem textão emotivo sobre as dificuldades da adolescência e como é difícil "diferenciar charme de recusa" nessa época.

Anônimo disse...

Depois do caso da menina que sofreu estupro coletivo na favela e CHOVEU gente pra defender os caras - "bandidos" e "favelados" assim como ela - não acredito nisso não.

Anônimo disse...

a) Em primeiro lugar a esquerda defende que bandidos sejam punidos no rigor da lei e que o Estado não deve patrocinar vinganças.

b) Os casos são horríveis mostram a fragilidade das nossas leis e como o machismo destroi vidas

titia disse...

Ah claro, anon, obrigada pela imensa gentileza de vir aqui me esclarecer a respeito do que é ironia num post falando sobre cultura do estupro, é totalmente pertinente e limpa a barra de todos os trolls e inúteis que resolveram vir aqui defender estuprador. Foi realmente muito útil pra discussão e invalidou tudo que o texto dizia. Também foi uma grande contribuição pro debate. E não esqueçamos que, uma vez que eu aparentemente não sou esclarecida sobre ironia, todos os argumentos a respeito de reacinhas misóginos defendendo estuprador perderam a validade. Obrigada mesmo.

Ah, e não, não é ironia o que vocês dizem, não. Vocês realmente defendem estuprador, acha que eu não sei?

Prof. Ane Santos disse...

A sociedade acha normal que o homem tenha direito de propriedade sobre a mulher, que esta faça suas vontades, e não aceita “não”.
Vejo isto em sala de aula, com algumas crianças cujos pais não dão educação, não impõe limites. Muitas crianças recebem tudo o que querem, não veem valor na opinião do outro, sequer reconhecem o outro como um ser humano, como um igual em direitos. Que espécie de adultos serão? Que espécie de cidadãos se tornarão?
Coletei algumas notícias da “mídia sangrenta”, onde constam fatos relacionados à violência contra a mulher…
17/10/16, São Gonçalo (RJ) – estupro coletivo.
18/10/16, Colombo (PR) – estupro dentro de banheiro de terminal de ônibus.
20/10/16, Curitiba (PR) – preso homem que estuprou filha e neta em anos anteriores.
22/10/16, Ilha Grande (PI) – estupro de criança de 2 anos, provavelmente pelo pai.
23/10/16, São José dos Campos (SP) – PM mata namorada em discussão e se suicida.
24/10/16, Gov. Valadares (MG) – estupro coletivo de menina de 14 anos.
24/10/16, Foz do Iguaçu (PR) – estupro de vulnerável.
28/10/16, Quatro Barras (PR) – após rejeição, homem mata ex-namorada e se mata.

Trícia disse...

Eu não consigo parar de pensar nesse ser exercendo a profissão de medicina! ...

Wellington Fernando disse...

Quando leio notícias como essas às vezes sinto vontade de desistir da humanidade. Parece um pesadelo do qual não podemos nos acordar. Tão assustador quanto lidar com a cultura do estupro é lidar com pessoas que negam a existência dessa cultura. Negar a existência de uma cultura do estupro é, queira ou não, ser cúmplice de toda essa violência, feminicídio, misoginia e desumanização das mulheres.

Quanto a essa direita reacionária, é sempre a mesma coisa, pois se focam exclusivamente em:
-atacar a consequência ao invés da causa dos problemas.
-atacar o corrupto ao invés da corrupção.
-atacar o bandido ao invés de atacar o que gera a criminalidade.
-atacar o estuprador ao invés de combater a cultura do estupro.
-atacar os programas sociais ao invés de atacar a desigualdade.
-combater o traficante ao invés de destruir o que origina o tráfico.

Soluções imediatas não resolvem os problemas: elas apenas criam a ilusão de alívio temporário. Os problemas precisam ser atacados na raiz e a solução leva tempo. A menor violência contra as mulheres em países mais igualitários não veio de castração química ou da morte dos estupradores e misóginos, mas da construção de uma cultura igualitária. Fora que punições sempre abrem margem para impunidade e injustiças. O feminismo ainda é o melhor método para tornar o mundo um lugar melhor para todxs.

Anônimo disse...

Mais um caso de machismo no judiciário.

Um homem com ciúmes matou o "rival" a queima outra. Houve o julgamento. O juíz além de condenar o psicopata MANDOU PRENDER a ex-namorada do assassinado. Segundo o jornal A tribuna, de Santos:

As “provas” citadas pelo juiz são mensagens trocadas pela jovem, por meio do WhatsApp, com os rapazes, referente aos casos amorosos mantidos com ambos.

" O magistrado ainda destacou que “as revelações de Elyse Chiceri causaram séria perturbação, trazendo reforço à sensação pública de que se vive em uma sociedade ‘impune’ e, eticamente, apodrecida em seus valores morais, como família, fidelidade, liberdade e responsabilidade”. Intimada para depor, ela compareceu no primeiro júri, que não chegou ao fim por falha no sistema de gravação, e faltou no segundo.

“Eu não sou uma criminosa. Eu apenas me envolvi com dois homens e estou pagando por falar a verdade, porque em hipótese nenhuma menti. [...]Nem no meu pior pesadelo, imaginei que isso (a morte de Dan) aconteceria”, desabafou Elyse.

Anônimo disse...

Sim. A cultura do estupro existe. Assim como a insistência em ignorar qualquer tipo de violência contra mulher. E não, não é só no Brasil, na África, no Oriente Médio (apesar de ser menos sutil nesses lugares)... É NO MUNDO INTEIRO!!! Até mesmo nos países nórdicos (eu tenho uma amiga de lá, e para algo "valer" a atenção das autoridades a mulher tem que ser barbaricamente brutalizada, apresentar lesões graves ou gravíssimas e/ou correr risco iminente de morte... ou seja - os "avisos" de que a coisa pode evoluir para algo pior são sumariamente ignorados)

Tenho uma outra amiga que depois de anos sendo vítima de abuso físico, emocional e gaslighting reuniu forças para se separa do namorado abusivo. Ele a espancou, a deixou cheia de hematomas. O que a polícia alemã fez? Segurou ele dentro da viatura até que ELA arrumasse uma mala e ELA saísse de casa... O cara pagou uma multa PARA O ESTADO e foi solto, mesmo sendo pego em flagrante. O crime contra a guria foi classificado como "lesão corporal leve".
Ela vai ter uma audiência com juiz em algumas semanas, anos depois do ocorrido.
Ela tem medo mortal dele e MESMO ASSIM, se ela quer ir em frente com o processo ela tem que ficar JUNTO DELE durante a audiência. Ela contactou uma ONG de proteção às mulheres que vai ficar na frente do sujeito, para que ela não tenha que olhar pra ele.

No ano em que me mudei pra cá, um estuprador de Munique foi absolvido por que a vítima estava usando jeans "apertados demais". Só foi preso depois de a guria entrar com recurso e por causa da revolta da comunidade local.
E estupro na Alemanha só é considerado estupro se a vitima for - repetindo os termos já usados - barbaricamente brutalizada, apresentar lesões graves e/ou gravíssimas e correr risco iminente de morte. Culpabilização e responsabilização da vítima também é regar (vide o caso de Colônia).

Ah... e violência obstétrica aqui também é rotina, praticada por médicxs, enfermeirxs e parteirxs... e é o mais absoluto tabu (afinal, teu filho é saudável, cala boca sua ingrata!!!)

Em todos os cantos do mundo, o uso "ad libitum" do corpo e mente das mulheres não só é tratado como uma problema menor (isso quanto é considerado um problema), como o Estado e sociedade LUCRAM - e muito - com essa violência.

Eu tive muita sorte até hoje, por não ter passado por esse nível de horrores que muitas das minhas amadas amigas passaram. Mas não me iludo - eu sou menos que gado (essas pobres criaturas) - e me pergunto se vou chegar até o fim da minha vida sem ter sido destroçada...

Jane Doe

Anônimo disse...

a única maneira de acabar com a cultura do estupro é privatizando tudo.

Anônimo disse...

Gente, se constatado que é um estuprador, tem que por na cadeia.
Mas ele esta solto, nao foi condenado em nenhum dos casos, é apenas acusado. Não se pode crucificá-lo antes da condenação.
Acusado é diferente de condenado, como uma universidade vai impedir alguém de se formar somente baseada em acusações, é complicado.
Lembrando que até presos condenados conseguem autorizações pra estudar.

donadio disse...

O comentário das 14:50 é a demonstração clara de que existe uma cultura do estupro. Mulher a gente pega, não precisa perguntar se ela quer ser "pegada".

Anônimo disse...

Essas pessoa dessas comunidades vivem numa condição em que tudo lhes negado pelo sistema opressor e a consequencia e isso. Eles precisam aprender que nao podem fazeressas coisas com ninguem.
São pessoas que precisam de amor, a sociedade sempre os vitimou e eles vitimas outras pessoas.
Espero que a mulher supere esse terror e esses homens conheçam o amor e entendam que nao e assim que se enfrenta o sistema opressor.

Anônimo disse...

"

Anônimo Anônimo disse...

Para homens como tu e provavelmente branco é facil achar que nao existe. Voce esta na condição de privilegiado e nao sofre nada agora pergunte as mulheres pra tu ver.
Homens de comunidade pobre e negros sao vitimas desse sistema branco opressor e desse patriarcado maldito e fazem outras vitimas, mas nao podem ser culpados precisam é de amor e compreensao e principalmente de restituicao de tudo que lhes foi roubado pelo sistema opressor.
"

Vai procurar um pisiquiatra, criatura invejosa maldita. Os negros tem que agradecer todos os dias pelo que os brancos fizeram por eles. Se você não gosta ou não concorda, se muda pra africa ou pro haiti e vai ser feliz com os seus irmãos. Bando de ingratos e invejosos de merda.

Anônimo disse...

É uma situação de dar medo. Imagina o que esse cara pode fazer quando aplicar anestesia nas pacientes? Não podemos confiar nem em médicos homens.

Anônimo disse...

Anônimo das 14:18 vai procurar um psiquiatra não, um sanatório mesmo seu nazista fracassado, seu lixo!!
Quem negros devem agradecer? Brancos que o escravizaram?! Não viaja seu babaca!
Ninguém tem inveja se fracassados como vc, seu racista nojento vindo do esgoto!

Anônimo disse...

E para o pessoal birrento "esquerda vs. direita" (como se todos os problemas e soluções se resumisse a essa dicotomia):

ESQUERDA E DIREITA, usam mulheres como bucha de canhão quando lhes convém... Se eles puderem tirar alguma vantagem dos feminicídios, estupros, torturas, mutilações, eles vão tirar sem nenhum pingo de remorso;

Esquerda e direita justificam e desculpam estupros quando lhes convém e para provar o seu ponto de vista;

Esquerda e direita passam por cima dos direitos femininos como rolo compressor quando lhes convém;

Esquerda e direita apresentam "soluções" para esse problema que não solucionam nada ou piora e MUITO o que já está péssimo...


Nem esquerda, nem direita dão a mínima para as mulheres - repito o que já disse - somos gado pra eles. Nada mais...

Jane Doe

Anônimo disse...

Inveja por que? Se todo mundo sabe que brancos e homens ainda estariam na era das cavernas, não fosse as mulheres e os negros. E agradecer ninguém precisa não. Por que se ja fizemos muito sendo subjugados, imagina como o mundo estaria muito mais evoluído se tivessemos feito tudo sem um homem branco pra ganhar os créditos.

Anônimo disse...

Concordo jane doe. Mas pelo o que ando vendo e lendo e vivendo, certamente é pior ser uma mulher ou um negro ou um lgbt num mundo de direita. Mas é um fato que os problemas e soluções do mundo não se resumem a direita e esquerda.

Anônimo disse...

11:09 Quando arrombarem o teu cu pode esperar que eu vou estar nos comentários fazendo gracinha também. Aliás, privatiza ele que vc evita isso.

Anônimo disse...

Eu acho que o cara lá deveria ser expulso se condenado pelos estupros e não somente acusado. Senão, a universidade é que acaba com um processo nas costas.

Anônimo disse...

O mais estarrecedor é que a Geisy foi exoulsa por sofrer uma tentativa de estupro coletivo. A mulher que tentou imoedir que o estuprador se torne
medico, foi afastada. Se isso não é prova que a sociedade apoia o estuprador e pune a vítima de estupro, eu não o que é...

Mila disse...

Eu nem gosto mais de ler essas notícias. É todo santo dia vendo sangue feminino sendo derramado e gente achando que é mimimi e que vivemos sob os tempos das Ordenações Filipinas. Os melhorzinhos dirão que "não são homens, são monstros". E assim todo mundo vai tirando o seu da reta, ninguém pensa num segundo que mulheres estão sendo violentadas a rodo. Casos nada pontuais.

Anônimo disse...

Todo homem é um estuprador em potencial.

Marcia disse...

29 de outubro de 2016 13:09

Não há justificação legal para o uso banal das expressões utilizadas pela vítima, sabe por quê? Há o dever legal de ouvir a vítima novamente em juízo. E o que não tem explicação é como, num caso vexatório como esse, a imprensa teve acesso ao boletim de ocorrência que é sigiloso, e pertence exclusivamente a vítima?

Violência institucional é violência, e esse caso está repleto dela, do começo ao fim. E dane-se que é o 'procedimento', meios, processos, servem pessoas, o contrário nunca será legítimo.

Marcia disse...

Jane Joe, aqui é a Marcia. Estou de mudança para a Alemanha (bolsa de estudos), você mora no país? Posso pedir seu e-mail para a Lola?

Marcia disse...

Ah, mas é notável: nunca vi um mísero anônimo que 'ironiza' com a defesa da esquerda de tratamento humanitário dos acusados e presos no Brasil (quando a lei Maria da Penha, que aumenta a pena dos agressores de mulheres, ter sido proposta e aprovada por um partido de esquerda - e sim, ainda é uma bosta e bem menos do que as vítimas merecem, mas não pelos argumentos tacanhos que vocês defendem) dizer uma vírgula contra estupro, no máximo, raramente falam alguma coisa contra o estuprador. Solidariedade para vítima, para quê?

O motivo nós estamos carecas de saber: vocês, direitosos, se identificam com a cultura do estupro. Cada um de vocês, sabe lá no íntimo, que acham é mesmo certo que uma mulher seja julgada pelo comprimento da sua saia, que elas sofram revenge porn, que sejam estupradas, que o processo penal seja humilhante (afinal, com ou sem consentimento a mulher fez sexo, deve sofrer por isso), e que todo estuprador, opa, na verdade pode ser apenas um pobre homem que foi enganado por uma mulher'.

Vocês são todos estupradores potenciais, que odeiam ser convidados a repensar sobre suas crenças de violência e sadismo. Daí é mais fácil mesmo culpar a esquerda toda por pelos estupros (ela têm a sua cota de muitos, ninguém tem dúvidas), por que auto-crítica é coisa de stalinista, e vocês fazem, no máximo, avaliação de auto-cinismo.

Querem me contradizer? Tô esperando os argumentos de apoio a vítima, me diz, a boca de vocês é colada para frases como: sinto muito, isso não é justo, todo apoio a vítima e seus familiares? Caso não perceberam, estou sendo irônica.

donadio disse...

"Eu acho que o cara lá deveria ser expulso se condenado pelos estupros e não somente acusado. Senão, a universidade é que acaba com um processo nas costas."

De forma alguma. Punição disciplinar não pertence ao direito penal. A Universidade pode expulsar sem esperar pela condenação criminal, e o único processo cabível é o de reintegração.

Anônimo disse...

donadio disse...
"Eu acho que o cara lá deveria ser expulso se condenado pelos estupros e não somente acusado. Senão, a universidade é que acaba com um processo nas costas."

De forma alguma. Punição disciplinar não pertence ao direito penal. A Universidade pode expulsar sem esperar pela condenação criminal, e o único processo cabível é o de reintegração.


Poder expulsar, pode. Mas, se expulsar e ele for inocentado depois, cabe danos morais.

Anônimo disse...

"Não há justificação legal para o uso banal das expressões utilizadas pela vítima, sabe por quê? Há o dever legal de ouvir a vítima novamente em juízo. E o que não tem explicação é como, num caso vexatório como esse, a imprensa teve acesso ao boletim de ocorrência que é sigiloso, e pertence exclusivamente a vítima?" 17:41

A violência está na ampla divulgação dos depoimentos, e não na transcrição de expressões vulgares. Como falei no comentário inicial, a adaptação do discurso de algum depoente pode distorcer determinados fatos, podendo, inclusive, comprometer o oferecimento de denúncia em casos mais extremos. A provas colhidas na fase de inquérito, apesar de menos importantes na fase de prolação da sentença, são fundamentais para a própria existência do processo criminal.

Anônimo disse...

O caso da mulher de são Gonçalo mostra que temos leis aprovadas mas não aplicadas para o atendimento de casos como o dela.
As especializadas não tem estrutura montada, as vítimas não tem a quem recorrer, ainda mais em áreas em que vigora o poder paralelo e a falta de estado que os reacinhas adoram, com muita milícia pra matar e bíblia pra calar a boca de pobre.

Reacas e direitosos odeiam pobres e mulheres e querem mesmo sua morte e sofrimento.

O mais louco é ver muitos que não admitem seu ódio e acham que apóiam o que é certo.

Vcs apóiam um estado opressor, que agora está ampliando essa face com essas suas certezas mal lavadas de vocês.

Tenho esperança que todo esse mal todo esse ódio seja usado pela esquerda pra amadurecer algo maior que o ódio e o mal. Que a gente tenha a força de ser melhor que isso. Amadurecer novas atitudes e pensamentos.

Para evitar que o sono da razão produza monstros.

Unknown disse...

Inacreditável você achar que não há nada de errado com o testemunho. Meu caro, ele foi escrito daquela maneira para ser vazado e ridicularizar a vítima. Não há um pingo de profissionalismo na descrição. Só um sádico acredita na necessidade da vergonha da vítima para comprovar o crime. Tá de parabéns essa sua misoginia.

Anônimo disse...

"Meu caro, ele foi escrito daquela maneira para ser vazado e ridicularizar a vítima" 14:37

Sinceramente, você acha que o policial que redigiu o testemunho o fez pensando em divulgá-lo? Quem seria o débil mental que assinaria e divulgaria um documento com o mero objetivo de ridicularizar uma pessoa desconhecida, sem nenhum tipo de ganho em troca? Qualquer funcionário público sabe que as consequências de tal ação não compensariam o eventual "prazer misógino" do ato. Tá de parabéns você pela total ausência de lógica.

Ariani Martins disse...

Conheço um que vai te dizer que isso não existe e várias outras coisas horríveis. Posso te apresentar. E sabe o que é pior Lola? É namorado da minha amiga, e não sei como dizer pra ela que esse namorado aí é, das menores coisas, um babaca!

Anônimo disse...

Concordo! Só não gostei do seu elitismo ao se referir à universidade particular como "uniesquina". Nao estudei em universidade e tenho um excelente emprego.

lola aronovich disse...

Tem razão, anon das 19:36. Eu não deveria ter usado o termo uniesquina. Em minha defesa, digo que não estava chamando todas as universidades particulares de uniesquinas, apenas a Uniban.