quarta-feira, 31 de julho de 2013

GUEST POST: O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PALAVRA COMUNHÃO

Um relato cheio de decisões da E. As fotos usadas para ilustrar o post são da Marcha das Vadias do Rio, mas nenhuma das pessoas nas fotos é a E. 

Sou carioca, mulher, feminista, e estou grávida. Acordei triste com tudo o que tem acontecido e pensei em compartilhar com você e com seus leitorxs a minha experiência sobre o meu sentimento de não desejar esta gravidez durante esses dias de visita do Papa ao Rio e a polêmica Marcha das Vadias. 
Sempre defendi a descriminalização do aborto e o acesso ao aborto legal e seguro a todas as mulheres, independente da circunstância em que engravidarem. 
Eu quero ser mãe um dia mas, por motivos diversos, admito que este não é um momento apropriado e que seria uma irresponsabilidade imensa levar adiante essa gravidez. Por isso, essa decisão já estava tomada antes mesmo de eu engravidar e, quanto a ela, não tenho nenhum conflito. Mas, apesar de minhas convicções, reconheço que não é uma decisão fácil. Não tem nada a ver com ética, moralismo, muito menos culpa cristã. Abortar, por si só, é doloroso, independentemente se você engravidou de um estuprador ou do homem que você ama (o meu caso).
Estou grávida de quatro semanas e alguns dias e, mesmo com tão pouco tempo, já vejo o meu corpo e a minha fisiologia mudando rapidamente. E isso me deixa ainda mais ansiosa em relação ao aborto que vou fazer, já que quero resolver isso o mais rápido possível. Mas acontece que o Papa resolveu visitar o Rio de Janeiro e convocar milhões de peregrinos para confraternizar com ele, transformando minha cidade num verdadeiro inferno (com trocadilho, por favor). 
Você não imagina o caos que estava isso aqui. Trânsito interditado em muitos locais, transporte público hiper saturado, muito lixo pelas ruas, barulho de helicópteros sobrevoando a minha casa 24 horas por dia... A lista não para. Mas, para mim, o pior desse caos todo é que o serviço dos Correios foi obrigado a suspender a entrega de Sedex durante os dias de visita do Papa, por conta dos bloqueios no trânsito. Por causa disso, ainda não pude receber o Sedex que virá com os comprimidos de Cytotec que comprei, com muita dificuldade e medo, no mercado negro, para que eu possa abortar "em paz".
Não é culpa dos fiéis, sabemos disso, e sim da prefeitura e do governo estadual, que se comprometeram a fornecer uma estrutura que não foram capazes de cumprir, apesar dos mais de 120 milhões de reais gastos. Mas é impossível, para mim, olhar para cada um desses milhões de peregrinos na minha cidade e não lembrar que há séculos a Igreja endossa o sistema patriarcal vigente e incentiva o controle às nossas liberdades individuais. 
Não sei se você viu, mas entre os itens do "kit-peregrino" distribuído para os participantes, está um feto de plástico e uma mini-cartilha anti-aborto. Então, a cada peregrino que eu esbarro na rua, a cada transtorno que eu enfrento por conta da Jornada Mundial da Juventude, a cada notícia que eu vejo da cobertura do evento (e nos jornais não se fala em outra coisa), eu sinto ainda mais forte a dor da opressão da Igreja sobre o meu corpo. 
Não bastasse isso, como o aborto ainda é proibido e criminalizado no Brasil, tive que recorrer à internet para tentar me informar, pois não há alternativa. E o que vi foi um sem-número de manifestações machistas e agressivas contra as mulheres que decidem abortar. 
Tudo isso tem me dado muita raiva e tristeza. Minha sorte é que eu sou feminista desde criancinha e não me abalo com o preconceito e o conservadorismo dos outros. Minha sorte é que eu tenho um namorado feminista, que é um verdadeiro companheiro, e tem me dado muito apoio e carinho. Minha sorte é que a maioria dos meus amigos e amigas é feminista (apesar de alguns nem saberem), e posso encontrar neles todo o apoio que não encontro fora desse meio. 
Mas sei que a grande maioria das mulheres que precisa abortar não tem a mesma sorte e é para elas que eu quero dizer: não acreditem que vocês são criminosas, não acreditem que vocês são injustas, não se sintam culpadas, não aceitem que nenhuma pessoa e nenhuma religião diga o que você deve fazer com o seu corpo. Se não puderem se sentir acolhidas por seus companheiros, parentes ou amigxs, busquem o apoio dos grupos feministas que, tenho certeza, não hesitarão em oferecer o conforto de que precisam. 
Ah, sim. Já ia me esquecendo de falar sobre a Marcha das Vadias aqui no Rio, no sábado. Eu já aguardava ansiosamente pelo evento há semanas. Quando descobri que estava grávida, há poucos dias, tive ainda mais vontade de participar. E foi a melhor coisa que fiz. Não concordo com a performance do casal que quebrou imagens sacras, mas quero deixar claro que este não foi o tom da Marcha. Foi um evento alegre, bonito, irreverente e politizado. 
Ali eu pude extravasar toda a minha raiva, tristeza e indignação junto com as mulheres, homens e transgêneros que lutam pelos mesmos direitos. Ali eu pude compartilhar o meu drama com milhares de pessoas que lutavam por mim, mesmo sem me conhecer, e pude sentir o verdadeiro significado da palavra "comunhão". Ali eu pude dançar, cantar e festejar livremente a alegria de ser mulher e ter certeza de que não estou sozinha nas minhas convicções feministas. 
Bom, eu ainda não sei quando meu Sedex vai chegar e nem quando vou poder fazer o aborto. Mas uma coisa eu te garanto: não fosse a Marcha das Vadias, eu hoje estaria muito mais triste e desacreditada na humanidade. Participar da Marcha me trouxe de volta boa parte do ânimo que a JMJ minou em mim nos últimos dias. 

UPDATE DA AUTORA E.: O Sedex finalmente chegou, já fiz o procedimento e correu tudo bem. Fazer um aborto com Cytotec não é nenhum bicho-de-sete-cabeças. Mas dói. No útero e na alma. Seria muito mais tranquilo e menos arriscado se eu pudesse conversar abertamente e contar com uma orientação médica adequada, porque as dúvidas que surgem (até quanto a dor é normal? E se eu tiver uma complicação? Será que vou posso ficar estéril? E se eu precisar ir para um hospital? Será que eu vou ser presa? etc) são tão dolorosas quanto as contrações do aborto. Não estou feliz por ter passado por isso. Aborto e felicidade são duas coisas que não combinam. Mas estou satisfeita e muito aliviada por ter resolvido algo que pra mim era um problema, e não uma dádiva divina.  

170 comentários:

aiaiai disse...

Exato E, se é difícil para nós, imagine para mulheres que se sentem culpadas por causa dos séculos de opressão da igreja e do patriarcado.

Força e boa sorte.

Anônimo disse...

Sempre que leio relatos como me vem uma ânsia de vomito. Sempre que leio relatos como esse, perco um pouco mais da fé na humanidade.
Cada vez que leio relatos como esse lágrimas me veem aos olhos.
É duro ver que, embora verdadeiras vitimas sejam usadas como exemplo pra liberação do aborto (mulheres estupradas, pobres, pessoas sem opção), o que eu realmente vejo nesses relatos são pessoas que, com um pouco de sacrifício conseguiriam sim gerar seus filhos concebidos de sexo consensual.
Pessoas que só não os geram até o fim pq não querem. Simplesmente por que não. Por serem egoístas. Por não serem responsáveis pela vida que geraram.
Ninguém começa uma vida sexual sem saber que sexo (se não for entre pessoas cis do mesmo sexo) engravida. E que métodos anticoncepcionais não são 100% seguros.
Todo mundo sabe mas quem quer arcar com a responsabilidade dos seus atos?
O que a moça do guest post, assim como tantas mulheres que tem condições financeiras (mesmo com algum aperto), faz é simplesmente fugir da própria responsabilidade.
Dar cabo de uma vida que ela mesmo gerou com consentimento.
Então na hora de pedir pela liberação do aborto pra quem quiser, sempre ouvimos os dramas das mulheres pobres, das mulheres estupradas. Quando na verdade o que temos são mulheres egoístas, irresponsáveis, incapazes de empoderar-se da própria vida e levar a cabo as consequências dos seus atos.

Patty Kirsche disse...

Ai, que tristeza... Parece uma cena de filme alternativo: uma mulher prestes a fazer um aborto topando com ativistas contra o aborto o tempo inteiro... Tomara que dê tudo certo pra vc... :(

nina disse...

Repetindo as palavras do outro comentário: Força e boa sorte.

Que você fique bem, de todas as formas e supere essa etapa logo.

Se cuida

lola aronovich disse...

Não, anônimx. A luta de quem defende a legalização do aborto é justamente pra que as mulheres possam abortar por QUALQUER motivo que quiserem, porque o corpo é delas e cabe a elas decidirem se, quando, com quem e em que condições querem ter um filho. Egoísta pra mim é vc, que não consegue ter empatia. Não sei se vc sabe, mas muito do que a E. descreve está dentro do padrão das mulheres que abortam no Brasil. Na maior parte das vezes são mulheres casadas (e católicas). Se vc vier a ter uma gravidez indesejada, é simples: não aborte. Mas não queira impor seus valores no ventre alheio.

letyleal disse...

Sou completamente a favor do aborto em todos os casos...pra mim é simples questão de saúde pública, afinal mulheres como a E. podem e VÃO terminar com sua gravidez indesejada, mas e quem não tem condição?? Vai ter que "arcar com a responsabilidade" como disse o anônimo...e sofrer pra sempre.
Hoje não terminaria uma gravidez, pois estou com um parceiro que amo e tenho condições de ser mãe, um desejo forte e bem particular.
No entanto há 2 anos quando achei que pudesse estar grávida pesquisei sobre cytotec e estava disposta, e sem nenhuma dúvida sequer, a adquirir a medicação.

PS: Conte no futuro se deu tudo certo. Boa sorte e muita força.

A.H.B. disse...

Todo apoio e força para a autora do post! :)

Anônimo disse...

Empatia com o feto ninguém tem né?
Empatia com a vida dentro do ventre pra que?
Tem que ter é simpatia por quem quer exterminar uma vida no seu estágio mais frágil ao bel-prazer.
O ventre é seu, o que tem dentro dele é um individuo independente que, infelizmente para ele, depende da mãe para sobreviver.
E num caso de sexo consensual, ele não estava lá por acaso.
Ter empatia com quem não tem responsabilidade para lidar com o próprio corpo é algo que nunca vou ter.
Posso ter com a moça estuprada, com a mulher casada e pobre, muitas vezes abusada pelo próprio marido.
Mas não por uma pessoa adulta, esclarecida e egoísta.

É por isso que sou contra a legalização total do aborto.
Entendo que podem ter politicas para pessoas pobres, para pessoas com problemas.
Mas não para mulheres que abortam só por que sim. Só por que não querem. Esquecendo que seu corpo não é só seu direito, mas sua responsabilidade.

Não adianta ter liberdade sem responsabilidade. Não adianta sair na chuva se não quer se mulher.

Gravidez não é castigo. Gravidez é consequência.

Anônimo disse...

@E.

A dor infelizmente é normal. O ideal é tomar paracetamol, Buscopan não é indicado por ser antiespasmódico. E não tem como a equipe médica detectar que o aborto não foi espontâneo, pois o misoprostol não pode ser detectado na corrente sanguínea. A obrigação é fornecer assistência e pronto. Como vc realizou o procedimento com menos de 9 semanas, a probabilidade de acontecer complicações é muito baixa. Mas mesmo assim, faça uma visita a seu/sua ginecologista logo. Diga que o aborto foi espontâneo, caso não posso confiar. Este site oferece um serviço para tirar dúvidas, pode entrar em contato: https://www.womenonweb.org/pt/page/561/in-collection/6901/is-a-medical-abortion-dangerous

Anônimo disse...

Anonimx das 10:41
Egoista é vc que acha que todos devemos nos comportar exatamente como manda a cartilha que saiu da sua cabeça, menos arrogância por favor!
Independente do motivo o utero é dela, e vc não tem o direito de dizê-la oq deve ou não ser feito com ele!

@dddrocha disse...

Ai anônimo das 10:41, a única vítima aqui é a pobre coitada da autora, que tem que fazer tudo escondido e com medo de morrer, porque vivemos num país atrasado.
Engraçado que no país do Papa o aborto é legal.
Conversando com um italiano conhecido, contei que aqui no Brasil o aborto é ilegal e ele ficou tão surpreso, que nunca imaginou que num país aparentemente avançado ainda houvesse essa proibição totalmente descabida. Ele ficou horrorizado com as coisas que acontecem com as mulheres do nosso país. Isso no país do Papa, sabe...

Aline disse...

Que legal o relato, apesar de imaginar como deve ser difícil passar por isso. Infelizmente o que vemos muito é a opinião de ignorantes como esse anonimo das 10h41. É tao dificil de entender que ninguem está fazendo apologia ao aborto, e sim à liberdade da mulher?

Anônimo disse...

Sendo contra o aborto, mas a favor da descriminalização, fico super dividida com esses relatos... descriminalizar é aceitar que o aborto poderá ser feito, legalmente, em qualquer circusntância e por qualquer motivo. Mas não julgar moralmente a pessoa que aborta é outra história... eu tento não fazer isso, mas nesse caso me vem a mente um monte de questões: pq engravidou? não estava se protegendo? pq não poderia ser agora? vc diz que quer ser mãe um dia, mas como? qdo vai ser o "momento ideal"? E se no 6o mês de gestação esse momento ideal deixar de ser ideal, como fazer?

Cada um sabe das dificuldades que passa e dos próprios motivos, e agora que já foi feito, paciência, mas compreensão nessa situação é difícil demais pra mim.

Cuide-se para que não volte a acontecer, pelo menos.

Ana Carolina disse...

Anon de 10:41: para a questão do aborto, julgamentos morais de pessoas alheias ao problema são irrelevantes.

A mulher deve ter o direito de abortar porque o corpo é dela, a vida é dela, a moralidade é dela. Se é uma mulher pobre, mãe de seis filhos e que não tem condições de criar o sétimo ou uma moça rica do bairro nobre que não quer engordar com a gestação não interessa - todas deveriam ser livres para fazer o que bem entenderem do seu corpo.

Não adianta nada ter condições materiais de criar um filho se as emocionais não existem.

Anônimo disse...

Concordo com o anônimo acima, fugir da responsabilidade por seus atos é algo extremamente fácil, ser mulher ou homem suficiente para agir de forma contrária é que são elas.Sra. Lola, a mulher não faz filho sozinha,a decisão não deve ser só dela, certamente se decidir não abortar ela não vai chamar o pai á responsabilidade?

Rafa

Samantha disse...

Sempre que leio relatos como o SEU Anônimo, é quando perco fé na humanidade e lágrimas me veem aos olhos.

As pessoas tem o direito de não quererem ter filhos. As pessoas tem o direito de não fazerem sacrifícios. As pessoas tem o direito de desejarem não serem pais.

E esse direito, de pessoas vivas, nascidas, dotadas de personalidade e capacidade, são muito mais relevantes do que o seu caga-regrismo e a expectativa de vida de um feto.

Feto não é pessoa, feto não é ser vivo, feto é feto. Mulheres e homens não cis não são meras incubadoras desse ente e não estão obrigadas a terem um filho indesejado por ter cometido o grande crime de transar sem fins reprodutivos.

E não há nada de errado em alguém não querer ter um filho, mesmo tendo condições financeiras, psicológicas e apoio para tanto. Ter condições de criar não é sinônimo de ter obrigação de gerar.

Por um aborto legal e seguro para todxs que assim o desejarem.

Anônima da saia disse...

Eu sou a favor do estado laico e sou pro escolha, sou de direita (para quem acha que é impossivel alguem ser de direita e feminista e a favor do aborto) e liberal, ou seja, acredito que o Estado nao é NINGUÉM para dizer quem pode e quem nao pode abortar.
Mesmo nos casos em que no Brasil se permite o aborto, ate vc provar que foi estuprada, ou que corre risco de vida ja se passaram meses.
Por isso sou Liberal: ninguém tem o direito de se meter nas minhas opinioes e crenças MUITO MENOS O ESTADO. estado paternalista estilo Dilma, ou de qq outro ditador da esquerda "quer ser uma mãe para o meu pais" como disse dilma certa vez é um PERIGO

Agora bem, se me permite um conselho PESSOAL (e acho que é o que a autora quer senão nao escreveria um guest post, abortaria e pronto) eu diria o seguinte

Se ela diz que algum dia quer ser mãe, tem um namorado bacana que a apóia, pois eu no lugar dela teria essa criança. Porque o momento ideal para ter um filho é NUNCA e um namorado legal é DIFICÍLIMO de encontrar.

Eu nao teria porque a diferença da autora NAO QUERO FILHOS nunca, estou completamente sozinha no mundo e vivo num pais que nao da a mínima ajuda as mães, vc tem que escolher maternidade ou profissão (escolas meio período, caríssimas, patrões que te demitem se vc fica gravida, etc) e além do mais sou cardiopata. Nao tenho risco de vida (por isso o ESTADO nao me permitiria abortar mas uma gravidez significa diminuição na minha qualidade de vida permanentenemente). Claro que me cuido, camisinha sempre, mas se acontece algum acidente, estou ferrada e o ESTADO ESSE GRANDE PAI nao me deixaria abortar.

Por isso nao vejo nenhuma contradição como muitas feministas dizem em ser de direita , liberal e feminista,

Um abraço a autora do post e desejo que seja qual for a decisão que ela tome nao se deixe abalar pela opiniao dos outros.

Anônimo disse...

E. e demais companheiras,

Tenho uma amiga na mesma situação . Quatro semanas de grávida. Tomou o cytotec. Houve um sangramento, mas continua grávida( confirmada pelo ultra son e exame de sangue) . Está desesperada e não encontra médico que queira ajudá- la, só os que querem dar lição moral.
Alguém pode dar uma luz por favor?

Anônimo disse...

Isto e crime, previsto no código penal brasileiro, assim como também apologia a um crime, você senhora Lola, será responsabilizada em breve pelos seus atos.

Paulo Tarso.

Anônimo disse...

Sou a favor da legalização do aborto, pois cada um sabe o q é melhor para si, talvez eu nunca fizesse um aborto por achar errado,mas tbm não condeno ninguém,pois quando vejo tantas crianças jogadas e maltratadas dentro e fora de casa , penso q essa mãe deveria ter abortado, defendo q todas q possam e queiram ser mães sejam e quem n quer por varios motivos aborte e seja feliz, afinal de contas ninguém vai criar, educar e mudar sua vida por este ser humano só a mãe e as vezes o pai, essa é a verdade!Outra coisa , talvez nem na velhice possa contar com os filhos, se for mãe ou pai n espere recompensas e gratidão pois elas podem vir ou não.

G.M. disse...

Você fala em "mulheres, homens e transgêneros que lutam pelos mesmos direitos", mas eu duvido muito que os dois últimos grupos que você menciona estavam lá lutando por você e pelos direitos das mulheres. Muito menos eles compartilham o seu drama, o drama compartilhado pelo SEXO FEMININO.

Para começo de conversa, só p/ você se situar: ativistas trans lutam pelo "direito" de eliminar os direitos humanos das mulheres. Diferente de qualquer outro empreendimento de "justiça social" na história, os Direitos Transgêneros são os únicos que são completamente baseados na eliminação dos direitos humanos das mulheres. Mas como pode um grupo relativamente pequeno como trans eliminar os direitos legais de metade da raça humana? É porque a política transgênero é uma política anti-fêmea, e como tal recebe apoio de todos os setores do sexo masculino que lucram com a eliminação dos direitos humanos para as mulheres: o Estado, os políticos conservadores, os políticos liberais, os políticos gays, os políticos "queers", os acadêmicos, os empresários, os comerciantes, os meios de comunicação, etc.

Você deve estar se perguntando: como os Direitos Trans se baseiam completamente na eliminação dos Direitos Humanos das Mulheres? Aqui vão alguns exemplos perturbadores:

Remoção do direito legal das mulheres se organizarem politicamente contra a opressão pelos machos baseada no sexo;

Remoção do direito legal das mulheres se reunirem fora da presença de homens;

Remoção do direito legal das mulheres aos programas educacionais criados para as mulheres sem a presença de homens;

Eliminação da coleção de dados das desigualdades em função do sexo nas áreas onde as mulheres são sub-representadas;

Eliminação de estatísticas de criminalidade em função do sexo;

Eliminação de programas esportivos e de competições esportivas para mulheres e meninas;

Remoção do direito legal das mulheres de serem livres da presença de homens em áreas de acomodação pública onde ocorre nudez;

Eliminação de subsídios, bolsas, denominações administrativas, cargos representativos e programas afirmativos para mulheres;

Remoção do direito legal das mulheres criarem clínicas de reprodução, serviços de crises de estupro, grupos de apoio, ou quaisquer organizações para mulheres;

Eliminação de todo o discurso público específico para mulheres;

Remoção do direito de jornalistas informarem o sexo, e a história, dos sujeitos;

Eliminação do direito legal de lésbicas se reunirem publicamente;

Eliminação de organizações específicas para lésbicas e grupos de apoio para lésbicas;

Remoção do direito legal das mulheres à liberdade de expressão relacionada a papéis sexuais e gênero;

Eliminação do direito legal das mulheres à proteção contra papéis sexuais (aparência/comportamento/pensamento) impostos pelo estado;

Eliminação do direito legal de meninas à proteção contra papéis sexuais impostos pelo estado na educação pública;

Eliminação do direito de mulheres a dormitórios/alojamentos separados dos machos;

Eliminação do direito de pacientes mulheres a hospitais/enfermarias separadas dos machos;

Eliminação do direito de pacientes mulheres preferirem mulheres para fornecer suas necessidades de cuidados pessoais íntimos;

Eliminação do direito humano de prisioneiras sob confinamento do estado de serem alojadas separadamente dos presos do sexo masculino.

B. disse...

Cuidar do filho da mulher que quer abortar ninguém quer, né? Agora falar para por em abrigo (que são uma porcaria e nada perto de uma família - sem contar que acham super fácil chegar e falar que quer deixar a criança lá) e reduzir a maioridade penal é fácil. E julgar a mãe solteira então? Prático.

E ainda tem uns retardados que vem encher o saco aqui. Me irrita profundamente...

lola aronovich disse...

Entre na fila, Tarso. Até agora nunca tive um post publicado sobre a questão do aborto que não recebesse ameaça de processo por apologia ao crime. É só um blog feminista mencionar a palavra aborto, que pronto: apologia ao crime! Mas sabe o que é curioso? É que na primeira versão do projeto do Estatuto do Nascituro -- que vcs tanto apoiam -- havia uma cláusula ridícula dizendo que seria crime chamar o nascituro por nomes depreciativos (deve ser, sei lá, feto ou embrião?), e outra dizendo que se manifestar a favor do aborto seria crime por apologia. Essas duas cláusulas foram derrubadas. Mas o que me chamou a atenção foi... quer dizer que NÃO É CRIME AGORA se manifestar a favor do aborto. Entende? Porque se vcs tinham que incluir isso num Estatuto, é sinal de que não é. Sabe, é como a Marcha da Maconha. É apologia ao crime, já que maconha é proibida? Um juiz determinou que não, não era. Então boa sorte em processar feministas que defendem a legalização do aborto.

lola aronovich disse...

Anônima das 12:29, sua amiga ainda está com algum sangramento? Por quantos médicos ela já passou? É lamentável mesmo. Na mesma semana que publiquei o post sobre COMO FAZER UM ABORTO LEGAL (ou seja, previsto na lei), recebi email de uma leitora que, apesar de correr risco de vida por estar grávida, não encontrava hospital disposto a realizar um aborto. Vivemos num país em que o aborto é proibido até nos casos previstos em lei.
Alguém pode sugerir como a amiga da anon deve agir nesse caso?

Anônimo disse...

Acho uma cretinice a pessoa vir aqui dizer que "com algum esforco", a pessoa criaria os filhos. Sou de uma familia cuja mae teve 4 filhos, nenhum planejado, só vieram. A frase que mais ouvimos toda a vida foi "deus cria". Pois é cadê deus, quando precisei de roupa, quando senti vontade de comer, quando não tinha mistura, só arroz e feijão. quando faltava leite... ae vinha a condenacão: "quem mandou ter 4 filhos? Agora aguenta" era o que meu pai e minha mae sempre ouviram.. Ué, mas filho não é bencão? Por que eles nao podem abrir a boca pra reclamar de que falta tudo? De que eles usam as mesmas roupas de 20 anos atras? E sobre todos os sacrificios que fizeram? E todo o esforco, aquele que tem gente mandando fazer aqui? Gente hipocrita, vao se meter com suas vidas ridiculas e parem de cuidar das dos outros. Tanta religiao pra que? Pra condenar e maltratar as pessoas? Nunca vi uma pessoa religiosa dizer algo pro bem, soh pro mal. Soh pra ter onde se apoiar pra pisar e condenar os outros.

Dagostine Leniker disse...

Feliz por vc naum ter sido abortada, que vc encontre paz,e valorize toda a vida, entendo o siginificado de comunhao, de amor e de renuncia...paz e bem

Roxy Carmichael disse...

E.
muito esclarecida você, fiquei também aliviada com o update. imagino que a parte mais complicada desse processo é a incerteza. nem consigo imaginar o que é passar por isso durante essa palhaçada dessa JMJ, e como a patty disse, realmente parece um roteiro isso de estar nessa situação justamente nessa semana em que zumbis peregrinos invadem a cidade. vão falar muita merda aqui, tente não se importar com isso e diga pra deusa ou pra deus assim: perdoai-vos, eles não sabem o que fazem...e realmente não sabem. você fez a coisa certa (que novamente remete a filme do spike lee). fique numa boa, realize seus sonhos junto com seu namorado feminista maravilhoso, respire aliviada, e os dois feministas agora ainda mais comprometidos com métodos contraceptivos. um beijão!

Roxy Carmichael disse...

no caso da anônima, penso que ela necessitaria uma curetagem. mas sem um médico disposto não é uma opção. "A possibilidade de o aborto resultar com o Misoprostol é apenas de 90%. O tratamento falha quando o medicamento não causa qualquer hemorragia ou se, apesar de haver hemorragia, a gravidez prossegue. A mulher pode usar de novo o medicamento dentro de alguns dias, mas pode acontecer que não resulte."

http://www.womenonwaves.org/pt/page/702/how-to-do-an-abortion-with-pills-misoprostol-cytotec

Anônimo disse...

Lola e Anônima das 12:29.
Pelo o que já li, seria bom tomar mais uma dose de Cytotec, mas ainda assim há riscos de não conseguir abortar, fora que é difícil conseguir a medicação rapidamente.
Nesses casos, acho que somente intervenção médica seria o ideal. Mas é foda, né?!
Tentar 'soluções' caseiras? Buchinha? Canela? Beberragens?

Fiquei aflita agora.

Anônimo disse...

"Nunca vi uma pessoa religiosa dizer algo pro bem, soh pro mal. Soh pra ter onde se apoiar pra pisar e condenar os outros."

O problema com as generalizações é que elas não ajudam em nada. Eu sou cristã, não sigo nenhuma religião, mas tenho fé. E sou contra o aborto por motivos pessoais, por meus valores. Acredito que nunca faria um aborto ou aconselharia alguém a fazer (falando assim friamente). Mas sou totalmente a favor da descriminalização do aborto em qualquer caso, por tantas razões que pra mim são quase óbvias mas que eu não me incomodo de explicar para os outros quando acho necessário. Além disso luto muito por em Estado laico e desejo tudo de bom para a E.

Thaís B disse...

To torcendo por você E.!!
É lamentável que os pró-vidas (mais para pró-feto) não entenderem que se a mulher não quiser ter o filho, ela não terá!! Só que com o aborto legalizado ela pode fazer com segurança com um atendimento médico que a auxilie dando informações e garantindo que o feto será abortado sem sentir dor nenhuma (porque quem é pró-escolha só quer legalizar o aborto até a 12ª semana, assim como o conselho de medicina aprova).
E caso seja legalizado, você NUNCA será obrigada a abortar, a escolha sempre será SUA! Se quiser ter o bebê, se quiser deixa-lo em um orfanato (ato que não é tão simples como dizem), você vai ter sempre essa opção. Na maioria dos países desenvolvidos o aborto é legalizado e nem por isso as pessoas de lá deixam de se cuidar e/ou fazer aborto toda hora!
E, agora na minha visão, acho extremamente injusto para com a criança indesejada deixarem ela se desenvolver por completo na barriga da mãe para depois ser abandonada, viver sem amor ou viver à merce da violência por não ser cuidada. E não culpo as mães por isso, culpo uma sociedade que acha tão absurdo uma mulher querer abortar quando o feto NÃO vai sentir absolutamente nada mas negligencia e marginaliza o menino de rua, a menina do orfanato - porque sim, se você for órfão as pessoas te olham com uma dó que te deixa desconfortável, do tipo "credo, os pais delx abandonaram elx, é rejeitada", além de muitos terem receio de adotar achando que a criança pode ter um gene(?) ruim ou algo do tipo -, e com as crianças que crescem em famílias (rica ou pobre) sem estrutura para oferecer amor e acolhimento à ela, porque é muito fácil julgar x meninx que faz coisa errada, chamando-o de marginal ou de vadia sem ao menos saber se ele recebe amor e educação decente em casa. Isso porque não sitei as que são jogadas no lixo, vendidas, obrigadas a trabalhar, usadas como escravas sexuais (já mostrou um caso na tv na região norte e nordeste de famílias que vendiam filhxs, especialmente meninas, a preço de banana e sem se importar com o que vai acontecer com elx), as que nascem de mães viciadas em drogas, etc.
É muito bonito defender um feto/embrião/bebê quando você sabe e garante que na barriga da mãe ele está sempre bem, agora quero ver defende-lo DEPOIS de nascer. Pessoal pró-vida tem que entender que uma coisa é estar vivo e outra é viver, este ultimo com dignidade e especialmente com AMOR. Apoiar a legalização do aborto não é sinônimo de apoiar genocídio, é garantir que aquele ser nascido terá pelo menos uma garantia muito maior de que será amado e querido por alguém. Ninguém vai parar de usar métodos anticoncepcionais (sim, eles tem falha e tem mulher que engravida mesmo usando-os). E também garantirá um atendimento digno para as mulheres, especialmente as de baixa renda que dependem do sistema público de saúde.

Obs: Só tem uma coisa que eu gostaria mais de ver as pessoas lutando junto à descriminalização do aborto: educação sexual nas escolas.

Anônimo disse...

Anom da amigo: uma amiga minha teve que repetir o processo com o cytotec até abortar. Da primeira vez ela passou com um médico maldito que ficava perguntando se ela estava tentando abortar, que era um absurdo, que se sabia fazer sexo podia muito bem cuidar de uma criança etc... Foi terrível passar pela situação duas vezes, mas ela ficou bem e não teve nenhuma sequela. Boa sorte e pede para ela se cuidar!

Anônimo disse...

Acho lindo dizer que o feto é INDEPENDENTE, mas DEPENDE da mãe. Coerência mandou abraço.

Se gravidez é consequência, pq o tom é sempre de julgamento, de acusação?

Anônimo disse...

G.M.é sigla de que? grotesco/a e maldoso/a? ou seria mula? (ofensivo pras mulas) Vai catar coquinho, nunca li tanta merda na vida.
Para os discursos moralizadores de plantão: quem tem problemas com a liberdade alheia é quem não goza da mesma liberdade. A liberdade precisa ser primeiramente um aspecto interno. Vocês vivem em conflitos com suas vidinhas medíocres. Odeiam o livre arbítrio, a livre expressão, a democracia, a igualdade. Odeiam a si próprios. Preferem acreditar num vovô de saia e chapéu. hohoho papa noel. Eu só tenho um pai. Papai do céu é uma invenção delirante. Desculpa aí.

Anônimo disse...

O que eu não entendo mesmo é quem quer ser mãe e está num relacionamento estável, feliz, um dia abortar. Só posso desejar que essas pessoas não tenham tanta dificuldade mais tarde, não se arrependam, porque gravidez não acontece tão fácil não (parece que vem fácil só pra quem não quer! oh vida).
Mas de verdade, é que não entendo mesmo, nunca vai existir o melhor momento, e eu que quero ser mãe "um dia mas não agora" e me previno com métodos contraceptivos abraçaria com a maior felicidade o filho que veio antes da hora, mesmo sabendo do que isso custaria pra mim no momento - porque na verdade não vai ser TÃO diferente assim no futuro, ter filho SEMPRE vai ser difícil e SEMPRE vai ter custos de todos os tipos. Então à autora do post que compartilhou as experiências aqui eu desejo de coração: melhoras, que tudo fique bem, mais cuidado contraceptivo no futuro e pensar com objetividade nessa história de querer ser mãe no futuro... às vezes é algo que vc apenas acha que quer porque a sociedade de certa forma impõe...

Joana disse...

Uma palhaçada outras pessoas quererem se meter na vida de uma mulher! Proteger o feto, vcs dizem? Quem disse que ele quer ser protegido? Duvido que sabendo que não era a hora dele, ele preferisse vir ao mundo assim. Qualquer pessoa quer nascer sendo bem-vinda e no momento oportuno. Se a gravidez indesejada aconteceu, seja de qual forma foi, a E. assim como todas as mulheres têm sim o direito de escolher! Não deveria ser assim com tudo? Direitos iguais a todos.

Leila Silva disse...

É só citar a palavra aborto que aparece um monte de gente querendo cuidar da moral e da vida alheia... As pessoas tem SIM o direito de escolha e ponto.

Anônimo disse...

Já acompanhei quem passou por uma situação parecida com a da autora do post. Na época havia uma comunidade do Women on Waves no Orkut que foi muito útil, inclusive pra saber que, se o Rh da mulher for negativo e o do homem positivo, é necessário tomar uma vacina logo depois. Isso pra não causar a doença hemolítica do recém-nascido em eventuais filhos que viessem no futuro. A vacina é a Matergan, e está disponível na rede pública (em postos de saúde), é só dizer que teve aborto espontâneo, eles não vão ter como saber. Mas tem que tomas nas primeiras 48 horas.
Quanto a informações, o site americano Planned Parenthood é bem legal http://search.plannedparenthood.org/Results_home.aspx?params=abortion&go.x=0&go.y=0 ou qualquer outro institucional de países onde o aborto é legalizado.
Vale a pena mesmo procurar depois um ginecologista mais profissional (é obrigação dele te ajudar depois do procedimento já realizado) e fazer uma ultrassom pra ver se tá tudo bem, e até se o embrião foi expelido mesmo.
De resto, boa recuperação.

James Hiwatari disse...

Muito bom o texto.

Só teve uma escolha de palavras meio infeliz na parte que diz "homens, mulheres e trangêneros" - dá a entender que pessoas trans não são nem um, nem outro, quando na verdade são homens, são mulheres e são o que mais no meio (e por fora) de tudo isso.

Se é pra incluir pessoas trans (o que é uma coisa boa nesse contexto), é melhor falar na presença de pessoas cis e transgêneras. Além de evitar dizer que pessoas trans são sempre uma categoria à parte, também evita excluir as pessoas que de fato não são homens ou mulheres.

Anônimo disse...

O grande problema do mundo hoje em dia é essa falta de empatia, essa total vontade de fazer sacrificios por outro ser humano, tudo vem primeiro, dinheiro, conforto, carreira, mas o ser humano seja feto ou formado sempre está atrás.

Anônimo disse...

"O ventre é seu, o que tem dentro dele é um individuo independente que, infelizmente para ele, depende da mãe para sobreviver." PAM!

indivíduo: o que não se divide, com nome, personalidade, sentimento, vontade e pensamento. é isso mesmo o que um feto é, claro.

Anônimo disse...



Para quem interessar, indico um texto que diz respeito ao aborto ser uma forma de reprimir a sexualidade da mulher, um ponto de vista bem interessante:
http://biscatesocialclub.com.br/2013/07/aborto/


Cristiane

Anônimo disse...

A JMJ não é uma palhaçada, foi um evento programado da mesma forma que foi a Marcha das Vadias, ok. Direitos iguais e respeito as crenças alheias pessoal. Quando o oprimido vira opressor demostra que não aprendeu aquilo que deveria.
Ainda bem que o caso da autora do post acabou bem, o caso relatado tb deixa bem claro que o aborto não é a opção mais fácil a ser seguida, o mais importante é que ela seguiu aquilo em que ela acreditava.
Acho que nunca faria um aborto, mas acho que ter filhos e não ama-lo, deixando a cargo do Estado os cuidados básicos um ato covarde e muitíssimo pior que o aborto.

Anônimo disse...

Aborto é um mero assassinato. Nenhum de nós estaríamos aqui, se nossas mães tivessem decidido abortar.
Apoiar o aborto significa ser a favor de um procedimento que nos impediria de estar aqui.

Não ao aborto.

Daniel disse...

O que me espanta nos defensores do aborto é a absoluta INDIFERENÇA em relação ao feto.

Um profundo desprezo por uma vida humana frágil.

Nojento

Anônimo disse...

"A JMJ não é uma palhaçada, foi um evento programado da mesma forma que foi a Marcha das Vadias, ok. Direitos iguais e respeito as crenças alheias pessoal. Quando o oprimido vira opressor demostra que não aprendeu aquilo que deveria." - Claro, são eventos iguaizinhos, com a mesma repercussão e com o mesmo poder na sociedade. hohoho papa noel.

Anônimo disse...

Meu feminismo vai ter que ser exercitado muito antes que eu consiga ler um texto como esse sem passar mal. Sem sentir raiva e desejar que coisas muito ruins aconteçam com essa menina.É mais forte do que eu.
Antes que me critiquem, eu tenho meus motivos para ter esse sentimentos, assim como acredito que a autora tenha os motivos dela par ter feito isso. E por que quero ter meus sentimentos respeitados me acho no dever de repeitar os dela quais quer que sejam
Espero de coração, que ela não tenha problemas nem sequelas, que ela esteja bem, e principalmente que ela nunca mais precise passar por isso.

D.

Anônimo disse...

Lolinha, recruta Benjamin morreu, viu:
http://diversao.terra.com.br/gente/videos/atriz-eileen-brennan-foi-encontrada-morta-em-casa-diz-familia,480147.html

Anônimo disse...

"A JMJ não é uma palhaçada, foi um evento programado da mesma forma que foi a Marcha das Vadias, ok."

Tão bem programado que praticamente parou TODA a cidade do Rio de Janeiro, né?!

Lyndo.
- SQN!

Anônimo disse...

Lola, dá pra nos poupar (e a guest) desses comentários imbecis dos contra-escolha?!

Nojo nojonojo...

Já sabemos como esse povinho pensa e não é isso q a gente precisa ouvir nessas horas.

(Contra-escolha?! Pró-opressão?! Não sei, seria legal cunhar um termo nesse sentido, pq pró-vida é q não são!)

Talita disse...

Leio o blog da Lola todos os dias, me identifico e me encontro em vários posts, gosto muito do tom das coisas postadas por aqui, maaas: hoje vim ser do contra (quer dizer, parcialmente do contra...).

Sou católica. Sou fã das JMJs, essa é a 3ª da qual participo. O Rio ficou um caos mesmo, isso prevíamos desde o começo. Acho que o Governo Brasileiro deveria ser sincero e recusar eventos desse porte, não temos estrutura. Países mais organizados(como Alemanha ou Espanha) não conseguiram segurar direito esse evento. Mas, não é disso que vim falar.

Já comentei outras vezes o que penso sobre o aborto: Minha criação e consciência católica me colocam contra isso (Hoje eu afirmo que não faria um aborto), mas minha inteligencia e formação dizem que cada pessoa deveria ser livre para discernir o que fazer de sua vida e que se a pessoa não é católica não tem porque se submeter a "lei" dessa igreja. Me coloco do lado das pró escolha da mulher.

Já me sensibilizei com muitos relatos de mulheres que fizeram aborto, já senti muito por elas, por terem que se esconder, se arriscar, por não terem apoio nenhum, etc, etc... mas hoje não. Hoje fiquei extremamente incomodada com uma das passagens do Guest-Post.
Mais precisamente essa parte:
"Por isso, essa decisão já estava tomada antes mesmo de eu engravidar e, quanto a ela, não tenho nenhum conflito. Mas, apesar de minhas convicções, reconheço que não é uma decisão fácil."
Como assim??? Já tinha decidido pelo aborto antes mesmo de engravidar? Aborto agora é método contraceptivo? Pra mim, esse paragrafo tira toda a credibilidade desse depoimento.

Queria aproveitar para esclarecer uma parte. Esse trecho: "Não sei se você viu, mas entre os itens do "kit-peregrino" distribuído para os participantes, está um feto de plástico e uma mini-cartilha anti-aborto." é mentiroso.

Pode ser que algum grupo participante da jornada tenha distribuído esse tipo de material, mas não fazia parte do kit oficial, porque eu recebi o kit oficial e não tinha nada disso (e não topei com ninguém que tivesse segurando ou distribuindo esse tipo de coisa...).
O polêmico Manual de Bioética sim, esse foi distribuído a todos. E acho que seria legal se ele fosse lido por todos, não somente os católicos, mas também por todos que se opõem a ele baseados em recortes destacados em matérias mal escritas. Acho que é sempre bom se informar e saber exatamente ao que estamos atacando ou nos aliando.

Espero ter me feito entender.
Espero um dia parar de ser julgada e colocada no saco das "oprimidas e cegadas pela igreja" só por me declarar católica(não, isso não é um mimimi de sou descriminada, só que em alguns comentários senti um tom de "essas burrinhas que seguem essa igreja aí", pode ter muita gente nessa situação, mas eu não estou.)

Aline A. disse...

O que me espanta nos detratores do aborto é a absoluta INDIFERENÇA em relação à mulher.

Um profundo desprezo por uma vida humana frágil.

Nojento

Anônimo disse...

Lola, eu sei que é ilegal, mas nós somos feministas, a favor do aborto e precisamos de orientação. As dúvidas que a E. tem eu também já tive e acho que várias mulheres também tiveram. Se puder, ou se achar alguém que entenda pra fazer um guest post, acho que seria uma utilidade pública mesmo nos informar sobre: essa dor desse tamanho é normal com o Cytotec? E o enoorme sangramento? Corre-se mesmo o risco de ficar estéril? Enfim, queria mesmo ter esclarecimentos sobre isso e acho que muitas querem. Convenhamos, né: o número de mulheres que já o tomaram é grande, só eu conheço 5, e nenhuma teve informação sobre esses pontos.

fernando hist disse...

Lendo esse texto eu me espanto como feministas podem ter criticado aquele ato da quebra de santos. Como se setores conservadores da sociedade pudessem ser conquistados ou já, antes disso, não fossem contra aos movimentos sociais.
Depois de ler o relato dessa mulher, eu queria é que tivessem enfiado o crucifixo no c* do papa.

Sara disse...

Pode ter certeza E. que todas nós mulheres e feministas te apoiamos em sua decisão, que é só sua, seu corpo lhe pertence, não é propriedade dessa sociedade patriarcal injusta e podre que esta ruindo, nem tão pouco do estado ou da igreja.
Vc exerceu seu direito, mesmo contra esse monte de gente hipócrita que acha que mulher nasceu pra ser reduzida a sua simples função de parideira.
Espero que sua vida corra conforme seus planos, e que no momento certo se esse for o seu desejo que vc tenha filhXs saudáveis.´
Como vc mesma diz fazer o aborto já é uma decisão tão dificil, sem contar que tb agride nosso organismo, mas certamente o que mais machuca é a culpa que a sociedade e as religiões querem que nós mulheres carreguemos.
Força companheira.

Anônimo disse...

@Talita
Não sou autora do guest post mais algumas coisas q vc escreveu me incomodaram:
"Como assim??? Já tinha decidido pelo aborto antes mesmo de engravidar? Aborto agora é método contraceptivo? Pra mim, esse paragrafo tira toda a credibilidade desse depoimento."
Posso dizer que desde criança(sim, desde os debates da 6ª série) eu decidi que se um dia eu engravidasse e não quisesse a criança eu iria abortar.
Não, não é um método contraceptivo, é uma decisão minha.
Todos os métodos possuem taxa de falha; a CADA relação sexual.
Uma criança deve ser bem recebida no mundo, ainda que não planejada, concorda? Então, se eu sei que não estou preparada mas aconteceu, eu prefiro realizar um aborto que sofrer e vê-la sofrer também.
Dúvidas? Leia o comentário de @Anon de 13:03.

Li o Manual de Bioética e tive náusea.
Ele não é polêmico.
Ele é extremamente opressor.

Ponto.

@Agora me volto praqueles que dizem que a hora certa nunca vai acontecer, vc está feliz, blábláblá, se o homi é td isso q vc diz agarra logo(utilizando um tom perigosamente próximo ao de 'golpe da barriga'), só digo que parece q esqueceram de colocar na conta que um filho pode desestabilizar td isso, não?! Que não levaram em conta o fator psicológico (uma coisa é estar bem e feliz sem uma criança e outra é carregando uma...).

Ela já fez a escolha dela e não precisa de lamentações.

Anônimo disse...

Vida humana frágil é a das pessoas miseráveis, das mulheres em situação de abuso, das crianças vendidas como escravas, dos velhinhos negligenciados pela família. Isso existe e tá aí a rodo, na cara de quem quiser ver, e algumas pessoas preferem achar que vida frágil em situação de perigo é o feto dentro de outras mulheres que nem ao menos conhecem.

Profundo desprezo não é pelo feto. É por gente caga-regra que finge que se importa com ~vidas humanas frágeis~ mas se for olhar bem, tá nem aí.

Alguém livre disse...

Por vidas, por direitos: descriminalização do aborto.

Anônimo disse...

aborto não é assassinato. o feto não é uma vida humana. que saco. entendam logo.

Anônimo disse...

"O que me espanta nos defensores do aborto é a absoluta INDIFERENÇA em relação ao feto.
Um profundo desprezo por uma vida humana frágil."

Pq a mulher não é uma vida humana né??
Aff que bando de gente burra!!
Usem o cérebro 1 vez na vida, um embrião com 4 semanas de vida não tem um cérebro formado e funcionante, o que o equivale a um paciente com morte cerebral.

Marina disse...

"A JMJ não é uma palhaçada, foi um evento programado da mesma forma que foi a Marcha das Vadias, ok. Direitos iguais e respeito as crenças alheias pessoal."

Anônino das 14:27

A JMJ foi financiada com dinheiro ESTATAL e na Marcha das Vadias quem gasta dinheiro são as participantes. Se você quer falar de direitos iguais, então na próxima Marcha é bom que nosso ilustríssimo prefeito Dudu Paespalho construa um puta palco na praia de Copacabana, pare a cidade inteira e decrete feriado por dois dias e feriado de meio período em mais dois dias. Ai você pode começar a falar em "direitos iguais".


Para Talita:

"Por isso, essa decisão já estava tomada antes mesmo de eu engravidar e, quanto a ela, não tenho nenhum conflito. Mas, apesar de minhas convicções, reconheço que não é uma decisão fácil."
Como assim??? Já tinha decidido pelo aborto antes mesmo de engravidar? Aborto agora é método contraceptivo? Pra mim, esse paragrafo tira toda a credibilidade desse depoimento.


Primeiro, aborto não pode ser método contraceptivo porque a concepção já aconteceu.
Não sou a autora do guest post mas acho que entendo o que ela quis dizer. Eu, por exemplo, não quero engravidar nem ser mãe nunca, jamais. Tomo providências para não engravidar (pílula anticoncepcional, camisinha, até aquele lubrificante espermicida eu uso). Se um dia tudo falhar e eu engravidar, não tenho a menor dúvida de que vou abortar. Então, veja só: eu NÃO engravidei e JÁ OPTEI pelo aborto.



No mais, eu aprecio muito esses posts sobre aborto, porque é um assunto sério e velado dentro da nossa sociedade. Espero nunca precisar realizar um aborto, mas, se precisar, é bom saber que existem lugares, mesmo que sejam virtuais, onde eu poderia conseguir o apoio necessário.

Anônimo disse...

Lola,
Ela teve sangramento durante dois dias.Já passou por dois médicos. Falaram que o remédio não faria efeito na fase em que foi utilizado.E que a gravidez seguiria normalmente sem prejuízos.Ela quis saber em que fase seria mais indicado o uso, mas não lhe informaram.Um chegou a dizer que se ela tentasse de novo, não poderia mais atendê-lá. Só iria recebê-la se fosse para o pré-natal.

Talita disse...

Marina, entendi o que você disse e acho que consigo entender melhor o que a autora do guest post quis dizer.
Pra mim que não tomaria essa decisão a frase soou um tanto quanto incompreensível, algo do tipo "Tô nem aí pra nada, se engravidar eu aborto e boa!".

Joyce disse...

É por essas e outras que ainda precisamos de muita união, muita comunhão, e MUITAS Marchas das Vadias.
Se, este ano, a MdV não teve a repercussão esperada, porque a mídia resolveu deturpar o movimento em função de uma performance desnecessária, pelo menos na vida de uma pessoa, ela cumpriu muito bem seu papel.

Anônimo disse...

Pra quem disse,é preciso esforço,eu digo:ter um filho ñ é correr uma maratona!
Condições financeiras?Um filho ñ se resume a gastos!!!
Trata-se muito mais de condições emocionais,se vc ñ possui,então ñ tenha.Prq gente pra botar criança no mundo e depois jogar num canto sem amor e educação,aahhh isso ñ falta por aí,eu mesma fui criada assim e muitas vezes desejei ñ ter nascido!É aí que se esconde a verdadeira maldade,e ñ em impedir que um feto,sem cérebro,portanto ñ sente nada,venha a SE TORNAR uma criança.Empatia temos que ter com quem já existe,já sente,pensa,a mulher em questão.
Tbm já usei cytotec,e nada de mais aconteceu,somente algumas cólicas,nada grave. Com pouco tempo de gestação,ñ vejo problema,posso dizer que ñ tinha nada ali,nada pra sentir dor ou algo assim.Jamais abortaria se o bebê já estivesse formado,o q ñ era o caso.
É claro que temos que ter responsabilidades,mas acontece que somos humanos,porra,e erramos,o q logicamente ñ acontece com esses "santosperfeitosdefensoresdamoralebonscostumes".
Pode parecer que ñ,E.,devido a tanta ignorância e hipocrisia disseminada em forma de religião,mas somos mulheres de sorte!Companheiros maravilhosos,homem de verdade é coisa rara,até para mulheres que mereçam ser chamadas de.
Ñ me orgulho do que fiz,mas me orgulho da coragem de fazer o que quero,de minhas batalhas diárias,de ser quem realmente sou sem ligar para o que os outros pensam.
Sim,E.,nós ñ nos conformamos em ser apenas "cordeirinhos"sem pensamento próprio,que apenas seguem pois ñ tem nada a acrescentar,ñ queremos
santidade,unanimidade,aprovação...Somos
apenas mulheres,humanas...E aprendemos,exercemos,o que muitos vão morrer tentando,alguns,covardes nem tentarão...Viver a plenitude de nossas vidas,ser dono das NOSSAS decisões,simplesmente prq temos a consciência que ninguém pode viver por nós!

Anônimo disse...

Talita, acabei de ler o Manual de bioética e não vi nada demais mesmo. São apenas convicções daquela crença. Penso que se fossem distribuídos em escolas ou algo assim seria muito problemático, mas se a distribuição foi para adultos responsáveis que ainda por cima estavam inscritos para receber o manual, ninguém tem nada com isso. Não tem apologia a violência, nem incentivo a discriminação, a mensagem é contra o aborto e pronto. Agora é lutar pra as convicções dos outros não sejam leis para todos.

Patty Kirsche disse...

@D.

Sentir raiva de uma mulher que fez aborto e desejar coisas ruins para ela não é mais forte que vc. Essa é uma escolha sua; vc quer tratar as mulheres assim, e é por causa de gente como vc que o aborto continua ilegal. Pq vcs querem que as mulheres morram ou fiquem estéreis como punição por ter abortado.

Minha última contribuição para o Mulher Alternativa fala sobre isso, caso alguém queira ler: http://www.mulheralternativa.net/2013/07/pk-criminalizacao-aborto.html

Abraços!

aiaiai disse...

Talita,

desde ontem estou tentando achar o pdf do manual de bioética, mas não achei. Achei um que foi distribuido em portugal (2012). Tb acho que todo mundo deveria ler até para poder criticar com base. Vc tem o pdf? Ou algum link? Poderia disponibilizar?
obrigada

Anônimo disse...

Lola, com relação à amiga da Anônima das 12:29:

Através deste e-mail, ela pode conseguir assistência médica com uma equipe holandesa. É um trabalho bastante sério, com especial atenção para a saúde psicológica da mulher. info@womenonweb.org.

Na página do serviço (https://www.womenonweb.org/pt/page/476/in-collection/6905/how-do-you-know-if-you-have-a-continuing-pregnancy), achei esta resposta aqui: "Gravidez contínua é a gravidez que continua a desenvolver-se mesmo depois do uso de Mifepristone e Misoprostol. Neste caso, o aborto falhou completamente e a mulher continua grávida. Mesmo que sangre, ainda é possível ter uma gravidez contínua. Sangrar não significa que teve um aborto bem sucedido. Se ainda tem sintomas de gravidez tais como peitos doridos ou náusea, pode estar a ter uma gravidez contínua. Deve fazer um ultra-som ou um teste de gravidez 3 semanas depois para confirmar que a gravidez terminou. A maioria dos testes de gravidez realizados 3 semanas depois do aborto medicinal são fidedignos. Contudo, as hormonas da gravidez podem continuar duas semanas após o aborto e podem induzir o teste falsamente para positivo. Se ainda continua grávida após o aborto medicinal, pode tentar o aborto medicinal outra vez ou um aborto cirúrgico. Porque o Misoprostol pode provocar malformações fetais, é importante que a mulher com gravidez contínua se submeta ao aborto cirúrgico ou medicinal para interromper definitivamente a gravidez."

Anônimo disse...

@Anônima 16h14:

Infelizmente tem dor, pq são as contrações que expelem o embrião/feto. É recomendável tomar os medicamentos recomendados neste link aqui: https://www.womenonweb.org/pt/page/1702/in-collection/6903/what-painkillers-can-you-use

"O Ibuprofeno é o analgésico mais eficaz para as dores ou colicas. Você também pode usar outros anti-inflamatórios não esteróides (AINES) como o Naproxeno ou o Diclofenaco. Se não conseguir o ibuprofeno também pode usar o paracetamol, Tylenol (acetaminofeno) ou aspirina (ácido acetilsalicilico) pois irão ajudar. Para além disso algumas mulheres usam uma bolsa de água quente de forma ajudar a aliviar as dores.
Por favor leia a bula do analgésico que conseguiu e veja qual é a dose máxima que poderá usar.
NÃO USE ácido mefenâmico (vendido como Ponstan) ou outros anti-espasmódicos (como o buscopan). O misoprostol provoca contracções uterinas de forma a expulsar os produtos da gravidez e o ácido mefenâmico e outros anti-espasmódicos podem interferir com o processo de aborto"

Quanto ao sangramento, existe um limite. Caso ultrapasse, será necessário ir ao hospital. A equipe médica não tem como descobrir que o aborto não foi espontâneo, não caiam nessa. Isso é abuso de poder médico.(https://www.womenonweb.org/pt/page/484/when-will-you-start-bleeding-and-how-long-will-it-last)

"O sangramento mais intenso normalmente ocorre 2-5 horas depois de usar o misoprostol e normalmente abranda nas primeiras 24 horas. Normalmente o sangramento mais intenso e doloroso dura 3-5 horas, mas pode durar mais ou menos tempo. Algumas mulheres sangram intensamente durante cerca de 48 horas, poderá eliminar coágulos dias e até mesmo semanas depois do aborto. Isto é normal e não é perigoso, excepto se encher mais de dois absorventes externos maxi por hora por um período igual ou superior a 2 horas. É normal que o seu corpo precise de tempo para que o útero se esvazie completamente. O corpo de cada mulher é diferente."

Nanda disse...

Oi gente!!

Algumas informações médicas:
- O aborto em geral acontece até 72h após o uso do misoprostol (poucas mulheres conseguem no mesmo dia, e a média são 10 horas de dor)
- Sim, a dor é MUITA e está presente em 85-90% das mulheres. As dores são as mesmas de um trabalho de parto, iguaizinhas. Ou seja, dói MUITO.
- Também é normal ter náusea, vômitos e diarréia.
- Algumas mulheres tem hemorragia durante o dia, abundante. É esperado. Mas se sangrar mais de 1 dia, tem que procurar um médico.
- O misoprostol NUNCA deve ser usado em pacientes com doenças hepáticas (hepatite, etc), alergia a prostaglandinas, problemas de coagulação ou uso de anticoagulantes.
- Em mulheres com uma cesárea anterior, há o risco de ruptura uterina! Não é comum, mas pode acontecer...
- Também é necessário saber se não é um caso de gravidez dentro da tuba uterina, porque pode ter ruptura das trompas... Nesses 2 casos é esterilidade definitiva...
- Em relação aos médicos, infelizmente nenhum médico é obrigado a realizar uma curetagem, se houver vida fetal e não for caso de aborto legal.. Tem que procurar um por um alguém disposto a fazer o procedimento.

Acho que consegui responder algumas dúvidas.
Qualquer coisa, mandem mais perguntas pelos comentários!

Beijos

Sara disse...

Fora do tópico, Pelo menos uma boa noticia a gatinha do planalto nossa presidente DILMA sancionou integralmente o PLC 03 de 2013, que tratava do tratamento dispensado a vitimas de violência sexual, e que as BANCADAS RELIGIOSAS estavam como sempre, embuídas de sua misoginia habitual querendo dificultar ao máximo movidos pela PIEDOSA CAUSA de que mulheres estupradas poderiam tentar um aborto (fala sério se não da muito nojo dessa gente).
Pelo menos essa causa esses LIXOS vão ter q engolir, pois não conseguiram o q pretendiam.

Nanda disse...

Ah sim... Pra anonima da amiga que tentou abortar:
O misoprostol pode ser usado em qualquer fase da gravidez, só mudam as doses...
Só avisa sua amiga pra ela dar um jeito logo de resolver a gravidez, porque o miso é teratogênico se usado no 1º trimestre... Ou seja, o risco do feto ficar malformado é bem alto...

lola aronovich disse...

Sara, querida, onde vc viu isso?! PRECISO MUITO DE UM LINK! Ainda não saiu em nenhum lugar!

Marussia de Andrade Guedes disse...

E:
Parabéns pela sua firmeza e coragem. Sei que não é uma situação fácil. Ainda bem que já passou e deu tudo certo!

Sara disse...


http://moglobo.globo.com/integra.asp?txtUrl=%2Fpais%2Fdilma-contraria-setor-da-igreja-mantem-trechos-do-projeto-sobre-pilula-do-dia-seguinte-9289454


Lolinha esse é o link da noticia....

aiaiai disse...

amiga anonima da pessoa q está tentando abortar. se estiver em sp tem como ter orientação no coletivo feminista. http://www.mulheres.org.br/

lola aronovich disse...

Então, Sara, mas a Dilma ainda não deu a resposta. A gente está esperando ansiosamente.


Pois é, gente, eu recomendo que vcs procurem Coletivos Feministas. Eles têm muito mais experiência e recursos do que uma mera blogueira como eu. Sempre procurem um Coletivo Feminista, uma ONG, na sua cidade. No mínimo elas vão te orientar melhor que eu posso orientar. A aiaiai está falando deste coletivo aqui, por exemplo.

Vitória disse...

Gente, método contraceptivo falha. Conheço dois casos próximos a mim em que as pessoas engravidaram mesmo tomando pílula (minha mãe é um desses casos). Tb conheço duas mulheres que engravidaram usando DIU e uma cujo marido fez vasectomia e reverteu (e deu o maior bafafá pq ele achava que ela tinha traído ele). Ou seja: pode acontecer mesmo se prevenindo.

Chega de julgar a vida alheia. Eu me cuido e se mesmo assim eu engravidar e não quiser ser mãe naquele momento (o que eu acho que não vou querer nunca) ninguém vai me obrigar a ter um filho. Ser mãe é para quem quer, para quem tem aptidão, e é cruel obrigar uma mulher a isso sem a sua vontade. Isso sim é egoísmo.

É a mulher que tem que dizer se quer aquela gravidez ou não, e os motivos só interessam a ela.

Anônimo disse...

Teve um momento em minha vida que eu era a favor do aborto em caso de estupro ou risco de vida.
Hoje penso diferente. Sou contra em qualquer circunstância.
A criança que está crescendo e sendo gerada não tem culpa de nada, é um inocente. Se você não quer a criança, assim que ela nascer dê para alguém, informe-se no hospital se há alguém que queira adotar... ou em orfanatos. Há tantos casais que lutam para ter um filho e não podem e querem adotar. E tanta gente que teve o privilégio de poder ser mãe e não aproveita. Se não foi programado, dê a quem tanto sonha em ser mãe.
O corpo deixa de ser seu no momento em que dentro dele existe outra vida que depende de você.
Se voce fica triste e sofre é porque algo bom é que não foi.
Só lamento...

E desejo que no fim você fique bem e repense no que foi feito.

Anônimo disse...

Concepção feminista de Democracia: SÓ AOPINIÃO DELA É QUE CONTA,AS DOS OUTROS É OPRESSÃO:

"Lola, dá pra nos poupar (e a guest) desses comentários imbecis dos contra-escolha?!

Nojo nojonojo...

Já sabemos como esse povinho pensa e não é isso q a gente precisa ouvir nessas horas.

(Contra-escolha?! Pró-opressão?! Não sei, seria legal cunhar um termo nesse sentido, pq pró-vida é q não são!)

31 de julho de 2013 16:06"

Anônimo disse...

Qual religião apoia o aborto, gente?
Eu não conheço nenhuma.

Sou candomblecista, e ao contrário do que muitos pensam , existem sim interdições contra o aborto.

Vamos lutar pela legalização do aborto, mas infelizmente, não dá para misturar religião aí!!

Nenhuma vai apoiar, portanto, culpá-las vai ser chover no molhado.

O povo fica, q a igreja..., que a bancada evangélica..., se tivéssemos uma bancada kardecista, ou candomblecista, essas também estariam contra....

E agora?

Anônimo disse...

E. Boa sorte pra você!!!
Ainda bem que é bem resolvida e tem um companheiro legal.
Estamos aqui para te apoiar!
Bjs,
Su

Lígia disse...

Lola, totalmente off-topic, mas uma amiga minha me passou esses links, e como eu sei que se trata de um tema super recorrente aqui no blog, achei legal divulgar:

http://www.themilitantbaker.com/2013/03/things-no-one-will-tell-fat-girls-so-i.html

http://persephonemagazine.com/2012/03/01/fat-sex-what-everyone-wants-to-know-but-is-afraid-to-ask/

Me ofereço para traduzir algumas partes, se for algo que te interessa publicar!

PS. Não sou gordinha, mas sofri por muito tempo com outros aspectos da minha aparência. Acho que até conseguirmos nos libertar de algumas coisas que nos enfiam na cabeça, toda garota passa por isso.

agora vou ler o post!

Bjinhos

Anônimo disse...

Gente, com todo respeito, não é no mínimo inapropriado divulgar o nome do remédio que provoca aborto? Vai que alguém vê aqui e usa, tem complicações, como é que fica? O post acabou trazendo "dicas de como abortar", acho q vale uma reflexão sobre ter uma msg dessa natureza publicada aqui...

lola aronovich disse...

Lígia, traduz sim! O post da Militant Baker parece muito legal. Manda pra mim que eu publico. Obrigada!

Paula disse...

Como tento há 3 anos engravidar sem sucesso, devo dizer que me dói ler relatos assim. Já fui pessoalmente a favor do aborto, e até cogitei fazer um quando era adolescente e achava que estava grávida. Hoje penso diferente e não faria e critico o aborto em alguns casos, como o de uma amiga que o fez porque não usou camisinha num sexo casual, por opção mesmo de não se proteger e achar que uma gravidez nunca ocorreria com ela.

Entretanto, continuo A FAVOR DO DIREITO DA MULHER DE DECIDIR SOBRE SEU CORPO. Tenha a gravidez ocorrido pelo motivo que for, E. e as mulheres em geral tem o direito de não levá-la adiante, e respeito isso. Com essa minha amiga que fez um aborto, igualmente não a julguei e dei apoio, apesar de internamente ser doloroso por conta da minha situação pessoal.

Então entendo o relato do post, a culpa, o medo, e concordo que é muita falta de empatia as pessoas serem contra a descriminalização do aborto. Pra quem diz que “se a mulher não quer ter o filho basta parir e entregar para adoção”, chega a ser ridículo ter que lembrar a essas pessoas que MULHER NÃO É INCUBADORA! Gravidez é um processo complexo que transforma completamente o corpo da mulher. Quanto ao direito a vida do feto e/ou embrião, vale lembrar que antes de 3/4 meses de gestação (quando o aborto é feito) não se pode falar em vida fora do útero materno, o que existe é uma expectativa de vida. Como também existe expectativa de vida em cada ciclo mensal de uma mulher, em cada relação sexual entre um homem e uma mulher. E entre uma expectativa de vida e o direito da mulher sobre seu corpo, me parece óbvio o que deve prevalecer...

Lígia disse...

Lola, combinado, te mando loguinho!

Bjos

Liv disse...

Gente, entrevista linda tocando no assunto. Imperdível.

http://revistatpm.uol.com.br//so-no-site/entrevistas/catolicas-pelo-direito-de-decidir.html?v=0

Ana Carolina disse...

Sobre "ah, se não quiser é só dar pra adoção depois".

Não é "só".

Para começar, existem vários riscos de saúde envolvidos numa gravidez. Várias coisa que podem dar muito errado. Por que levar até o fim um processo que pode potencialmente te matar ou desabilitar permanentemente?

Segundo, "dar pra adoção" parece lindo na teoria, mas na prática não tem nada de fácil. A orientação é fazer de tudo para a mulher desistir e ficar com o bebê. E abandonar numa cestinha com um bilhetinho fofo? Pior ainda, porque é processo criminal e cadeia.

E existem várias e várias crianças crescendo em orfanatos para quem os anti-escolha não dão a mínima. Deixadas lá porque são negras, porque são meninos, porque são crescidos. Os trâmites da adoção também são muito complexos porque o ato de adotar não é simples, também, tem várias consequências emocionais pesadas tanto para a família adotante quanto para o adotado.

Adoção NÃO É uma opção prática para uma gravidez indesejada pelo motivo que for.

E uma última coisa, dos "pobres bebezinhos impedidos de nascer". São um punhado de células. Um punhado de células que pode inclusive ser expelido naturalmente porque qualquer coisa deu errado. NINGUÉM advoga aborto de feto de oito meses, existe limite máximo, de 12~14 semanas. Passou disso, não se recomenda mais o aborto.

Anônimo disse...

@Anon de 20:34

Respondo com:
http://www.sinfest.net/archive_page.php?comicID=4677


Seu tipo de discurso é repetido ad nauseam.
Custa deixar um espacinho livre pra respirar melhor?!

Xô, xô...

Anônimo disse...

Tirinha mais recente:
http://www.sinfest.net/archive_page.php?comicID=4709

Anônimo disse...

Não entendo. Não entendo mesmo. Os pró """vida""" são tão empáticos com um punhado de células que não é nem uma pessoa ainda, mas pára por aí. Não vejo eles se manifestarem com tanta força a favor das milhares crianças negligenciadas mundo afora, jogadas na rua à própria sorte, ou até mesmo as que nascem de pais que têm condição de criá-los, mas não os quiseram e passam por negligência emocional, maus tratos, etc. Quantas pessoas assim eu já conheci e sei como é difícil as sequelas que isso deixa.

Sério não entendo como pra eles o único que importa pra eles é o feto ficar vivo e pronto, não importa se a criança vai ter um bom lar, não importa como vai ser a vida delx. Será mesmo que eles acham que é melhor nascer, não importa as condições, mesmo se for só pra ter uma vida de merda?

Eu sou a favor do aborto não só por empatizar com a mulher, mas também por empatizar com o feto SIM, com a futura pessoa que elx viria a ser, porque eu acho que ninguém merece nascer pra só sofrer depois.
Acho que quem não se sente pronta ou não quer o filho não deveria NUNCA ser obrigada a ser mãe. Ter filhos não é castigo, ter ou não ter filhos é uma escolha importante que deveria sempre ser feita com cuidado.

Aline A. disse...

Esse pessoal que fala "dá pra adoção" jamais sequer passou na porta de um orfanato. Hipócritas,sepulcros caiados. São os mesmos que aplaudem coisas como a chacina da Candelária.

Lola, eu tenho três sobrinhos adotados por um irmão; o outro irmão está na fase de entrevistas para adotar uma criança. Você não sabe a quantidade de crianças que são devolvidas, isso mesmo, DEVOLVIDAS, como se fossem um traste velho, depois de anos de convivência com os pais adotivos. As histórias são tão tristes que vc perde a fé na humanidade.

Então, aos pró-controle do corpo da mulher pelo Estado, uma sugestão: façam um cadastro nacional, onde cada inscrito se comprometa a criar uma criança abandonada, ou em situação de risco. Aí vocês vão poder bater no peito e dizer com orgulho: sou pró-vida. Mas se afastem dos nossos úteros. Se eu quiser um pró-vida no meu útero eu trepo com ele.

Aninha disse...

Que droga de momento esse que você tá vivendo. Mas fica tranquila que daqui a pouco passa.

Fico feliz que correu tudo bem.

Priscilla disse...

Anônimo das 21:28. Divulgar o nome do remédio que provoca o aborto não é apologia coisa nenhuma. Todo mundo sabe o nome do remédio, e até eu quando era criança já sabia. Se vc digitar remédio + aborto no google vai ver que a primeira coisa que aparece é cytotec.

aquarela surrealista disse...

anonimo de 31 de julho de 2013 10:41,eu concordo com o que disse e sinto o mesmo...sei que não tenho direito de interferir na escolha de outros(as),sei que,num guest como este,espera-se que todo mundo apóie a mulher que abortou,por se sentir fragilizada no momento,mas,em casos como este,sinto,não consigo!

Sou mãe.De seis.Com o homem que amo.Não,eles não foram todos planejados,só o primeiro,e vieram em condições financeiras muito dificeis,mas jamais pensei em tirá-los justamente porque sabia o que eu havia feito.Tive e tenho de aguentar o outro lado,pessoas falando para eu "fechar logo a fábrica"(dos dois lados ,há o prec onceito,mas eu só consigo apoiar quando o caso é amparado por leis,e mesmo assim,minha natureza ainda reluta,não posso ser hipócrita(mas ,claro que devo me colocar no lugar da outra,a que foi estuprada,por exemplo!eu nunca vivi isso,então não tenho como julgar nada,nem ninguém me pôs por juíza de alguém!).
Admiro a coragem de muitos em se expor aqui,tanto quem faz como quem abomina o procedimento.Falo,ou melhor,escrevo assim,porque,eu,muitas vezes,me escapam palavras para poder descrever uma situação que sinto...

aquarela surrealista disse...

31 de julho de 2013 12:04,concordo também!

Lola,faz bastante tempo que leio teu blog,gosto muito do que aprendo aqui todos os dias,mas não consigo concordar com esta idéia feminista de que a mulher pode abortar quando e onde quiser e bem entender.Não,não sou troll nem mascu,não sou desinformada a ponto de crucificar alguém que o fez,mas apoio meu não teria,pois não consigo!

Creio eu que,sendo rica ou pobre,a mulher que pensa de um jeito X ou Y não mudará,e fará o que for necessário para conseguir o que decidiu.Eu sempre,desde a adolescência,quiz ser mãe,e mesmo antes de abraçar qualquer religião já tinha o feto,para mim,como um ser vivo que precisaria do meu apoio para ser gerado.Sentia-me importante por isso...não,nunca fui rica,hoje,com esforço enorme tenho faculdade,emprego fixo,e levo a vida...sei que até posso ser exceção,mas nem tanto,pois há cada vez mais mulheres seguindo caminho semelhante...não,não sou exemplo a ser seguido,somente me incomoda,como muitos já disseram aqui,que parece que ninguém considera o feto um ser vivo.Poderão chover de gente comentando me xingando,me expulsando,mas não me importo,só deixo de comentar por aqui se você me disser que eu pare!Em dados momentos,seu blog foi(e ainda é!) muito importante para mim,pois passei a ver certas situações de opressão(que não sabia que as vivia) com maiores cautelas,então,me sinto no direito de opinar também...

...é que,acho que muitas vezes,a mulher mesma está indecisa quanto ao aborto que faz,mas se sente pressionada:a pobre,por não ter condições de criar,a rica,por não querer abrir mão de suas comodidades...mas quem muitas vezes pressiona essa mulher é algo externo á suas decisões,em minha opinião!Se elas não se sentissem tão pressionadas a ter beleza e carreira em primeiro lugar,creio eu jamais fariam!Botam na nossa cabeça que a gente tem que falar tres linguas,viajar,aproveitar a vida e não ter nenhuma estria...botam na cabeça da pobrezinha que ela não terá como cuidar,etc...mas porque não ajudam estas mulheres a ter o filho,uma vez que um aborto mexe demais com o psicológico de todas?

Anônimo disse...

Isto tudo e fruto de uma ideologia sem fundamento etico, sem Deus.
Sem Deus o que temos são escalas de valores inventadas e com escalas de valores inventadas uma pena pesa uma tonelada e uma montanha é só um grão de areia.

Anônimo disse...

Anônimo disse...
aborto não é assassinato. o feto não é uma vida humana. que saco. entendam logo.
-
Um feto e uma planta ?

Nós todos já não fomos um feto ? um bebê ? uma criança ? isto tudo não são etapas do desenvolvimento humano ?

Paulo tarso.

Anônimo disse...

Usem o cérebro 1 vez na vida, um embrião com 4 semanas de vida não tem um cérebro formado e funcionante, o que o equivale a um paciente com morte cerebral.
-
Tudo bem, seguirei seu conselho,e vou usar o cérebro e o raciocínio logico, vamos la.

Embrião humano com 4 semanas = inicio da vida humana, ser humano se desenvolvendo.

paciente com morte cerebral = fim da vida humana, fim da funções motoras e intelectuais de um ser humano de forma natural.

tem razão, não e difícil usar o cérebro, e da para ver bem a diferença entre os dois casos.

aquarela surrealista disse...

a gente precisa entender que gravidez implica risco de vida como quase qualquer outra situação,pois para se vir a òbito,basta estar vivo.
Prefiro o diagnóstico de uma gravidez do que de um cancer de mama,uma gripe ,um infecção de urina(dói pra caramba!).Prefiro os quilos a mais por estar em pós parto do que engordar sem estar gravida por comer quilos de besteiras,beber socialmente,fumar,etc...por favor,entendam que não estou fazendo nenhuma apologia a preconceito contra gordos(eu sou uma!),mas querendo dizer que não se perde a saúde por engravidar,mas por questões muito além,que podem estar na genética ou nos abusos,que,vez por outra,todos cometemos.Sim,morre-se de partos.Mas morre-se de abortos também,e não acredito que sejam só os "ilegais".

Leandro disse...

"Não, anônimx. A luta de quem defende a legalização do aborto é justamente pra que as mulheres possam abortar por QUALQUER motivo que quiserem, porque o corpo é delas e cabe a elas decidirem se, quando, com quem e em que condições querem ter um filho.",

Esse poder de decisão, elas já têm. Pois hj em dia, há duas alternativas pra evitar a gravidez:
1) abstinência

Se não se aguentar, se nao quer a abstinência, tem outra alternativa: se precaver, mediante o uso de preservativos ou anticoncepcionais (só comprar na farmácia, não é caro);

Não tem desculpa. Se copula sem usar anticoncepcional, então engravidou porque quis. Todo o mundo sabe disso. Hj em dia, engrvida quem quer.

Agora, matar um ser humano em início de vida para fugir de suas responsabilidades...

A mulher é dona do próprio corpo, mas não do corpo do embrião ou do feto.

"Egoísta pra mim é vc, que não consegue ter empatia."

Engraçado, você tem empatia por quem aborta, mas não tem empatia pelo ser humano em seu início de vida. Vocês têm um conceito distrocido de direitos humanos. Aborto é um crime tão covarde quanto o infanticídio e a pedofilia.


"Não sei se vc sabe, mas muito do que a E. descreve está dentro do padrão das mulheres que abortam no Brasil. Na maior parte das vezes são mulheres casadas (e católicas).",

Católicas só da boca pra fora. Pois se fossem católicas, seriam casta. Elas não sabem que a Doutrina Católica condena o a fornicação e o aborto?

E mais uma coisa, pq um mulher casada vai querer abortar (melhor dizendo, matar covardemente um ser humano em seu início de vida)?

mayara disse...

anom de 23:24 é tanta empatia pelo feto q vcs acham q podem descartar como se fosse nada,é só uma porcaria de celula né.
e apesar dele se desenvolver ele n tem vida,incrível!

e realmente ninguém faz nada pelas crianças,realmente... n existe por ex projetos sociais em favelas paras as crianças aprenderem algo como música,informática ao invés de ficarem a toa ou se meterem com crime,sério ,nunca ouvi falar...

e como todos adoram dizer q se a mulher desistir ou n puder abortar,o filho vai ser muito mal cuidado,isso é regra? tem alguma pesquisa? ja li aqui dizendo q isso era um motivo de marginais existirem.
ter um filho planejado garante alguma coisa? ele nunca vai ser maltratado pq os pais quiseram ter e por nunca terem pensado em aborto,nunca vai se drogar,entrar pro crime?
isso é muito relativo para vcs usarem esses argumentos fracos,como se fosse verdade absoluta.

e esse é mais um daqueles casos de "n usei camisinha,nem pilula mas engravidei sem querer"?

Ohumanista disse...

Existe uma percepção ética do que poderia ser a vida ou não ser a vida.

Basta apenas reunir um conselho de etica e decidir à partir de quando a ciência considera que o embrião pode ser considerado como ser vivo, e lhes garanto, é bem antes de sair do utero.

Assim, seria feita um limite dentro do qual a mulher poderia abortar em total liberdade. Porem, a partir daquela data, seria considerado crime.

O ideal etico de um pais depende de varios aspectos da sociedade, dentre eles a etica religiosa. Sinto dizer, mas o estado laico não significa não dar palavra para a etica religiosa, mantendo assim a sacro santa pluralidade de pensamento digna de uma democracia.

Comecem a lutar por um verdadeiro posicionamento da parte dos politicos sobre o que seria a vida de um ponto de vista etico, para depois discutir.

Em todo o caso, sou absolutamente contra o aborto durante todo o tempo de gestação, mas sim de um limite legal, como por exemplo a 12a semana de gestação.

° Emy ° disse...

Ei E! Vim te desejar força. Assim como o segundo comentário aqui do blog, do idiotx que tinha que ser anônimo, por que também né, enfim, tem gente com essa cabeça, que acha a vida sagrada e que por isso se sente no direito de mandar na vida do outro. Infelizmente, a maioria é assim. Mas tem a gente! Que tá aqui pra te dar força! E eu vim te dizer que você não esta sozinha! Boa sorte! Que dê tudo certo pra você! Bjos.

Nati. disse...

Os "pró vida" são assim: defendem fervorosamente a vida do feto, até o nascimento, depois que nasceu, dane-se o que será da vida dessa criança, não importa nada nada nada em que situação ela vai crescer, e vamos aproveitar e baixar a maioridade penal, instituir a pena de morte neste país e todas as mulheres que fizeram aborto merecem morrer ou merecem que coisas muito ruins aconteçam na vida delas.

Pronto, assim é o discurso de um pró vida típico.

Cheio de empatia com a vida né, lotado de compaixão, de solidariedade e capacidade de se comover com as dores alheias.

Pelo direito da mulher decidir SEMPRE!!

Eu, inclusive, sou casada,tenho muito desejo de ser mãe, tento engravidar há anos, nunca engravidei nem fiz aborto, já passei por 3 fertilizações in vitro, sem sucesso, mas nada disso me impede de enxergar com clareza essa situação.

Tenho várias amigas que abortaram, em clínicas particulares, e uma amiga, inclusive, me relatou que apenas na tarde em que ela foi fazer o procedimento, ela contou na sala de espera, que era enooorme, por alto, umas 50 mulheres ali esperando pelo procedimento, em apenas uma tarde!

Todas brancas, de classe média, média alta, provavelmente até religiosas.

Aborto é questão de saúde pública sim e deve ser discutido e legalizado com a seriedade que merece e não tratado com sentimentalismo barato, com terços em forma de feto, muito bizarro esse ranço sentimentalista e nada racional que o Brasil insiste em levar este assunto.

lica disse...

Acabo de chegar da JMJ e teria muitas observações feministas positivas a fazer.. mas infelizmente o blog não é uma lugar muito democrático para feministas com alguma religião.

Na verdade a Lola e os guest post são sempre preconceituosos e descriminadores em relação a isso.

O que ao meu ver é um erro, um grande erro da Lola e do feminismo.

E também uma grande incoerência como foi defendido aqui as feministas muçulmanas contra a ação do FEMEM, dado a maneira com que se tratam as cristãs e outras religiosos por aqui.

Anônimo disse...

Vamos ter cuidado com os termos.
Até a oitava semana é EMBRIÃO. Feto é somente da oitava semana em diante.

A E. abortou um EMBRIÃO, não um feto.

lica disse...

Aquarela Surrealista

Eu também já fiz várias dessas perguntas p/ Lola, sobre a eficácia da legalização do aborto para a saúde física e psicológica da mulher. Mas parece que ela tende a não contra-argumentar qnd vc não é mascu.

Se nós lutássemos para criação de centros de apoio para grávidas de casos indesejados, de parceiros agressivos,de mulheres pobres e etc. Lutássemos para facilitar os processos de colocar para adoção e para adotar, já resolveríamos muitos casos.

Não é preciso legalizar o crack para lidar com isso como um caso de saúde pública, por exemplo.

O problema é que parece que a ideologia fala mais alto que a lógica e a eficácia. Para as feministas que defendem a legalização, parece que existe uma vitória simbólica contra o 'moralismo' que é mais importante do que a vida e a saúde das próprias mulheres.

Nessa briga idiota e simplista de sou 'pró-vida' vs sou 'pró-escolha', quem sai perdendo feio são todas as mulheres.

Zebra disse...

Embora EU não consiga entender o que leva uma pessoa saudável, que tem um namorado bacana e uma vida estável ao aborto, eu não julgo, não. Alguém escreveu que sente muita raiva dessa menina. Eu confesso que fico com raiva também. Mas direito é isso, e ela está no dela, e eu devo respeitar. Só desejo que isso não aconteça novamente e que se ela, por qualquer problema de saúde, não puder se precaver, então que tente fazer um sexo sem o foco na penetração. Pois esse foco na penetração como praticamente única forma possível de duas pessoas terem prazer entre quatro paredes carrega um ranço incrível de patriarcado, e nós nem vemos. Então, a vida é dela e tudo mais, mas se ela puder parar e pensar que "ok, hoje eu tive diarréia e o anti pode não funcionar", que proponha uma brincadeira com o namorado, que não envolva penetração. Há várias. E é muito menos trabalhoso depois.

Anônimo disse...

guria, força e parabéns!

passei por situação parecida, isso me tornou uma feminista militante de vez.

hoje já passaram dois anos, mas a dor nos transforma em seres incrivelmente mais fortes.

no início é duro, mas quem sabe você não se junta com ainda mais força na luta pela descriminalização. é o que estou fazendo. e acredito que farei a diferença.

temos sorte, moça.
estamos vivas.
por pior que você se sinta, lembre-se disso.

beijos!

Anônimo disse...

Embrião não é ninguém. Não sente, não sofre, não é um ser ainda. Vc pode pensar q matar uma lagarta é impedir o nascimento de uma borboleta, pq tem certa poesia na ideia, mas na pratica apenas a lagarta foi morta. A poesia de se crer no embrião como um ser humano em seu estado primeiro, não sobrepõe a realidade do amontoado de celulas q ele é, sem sinapses mentais para se entender ou ser considerado humano. É um óvulo fecundado em processo de modificação. Uma humana, consciente, que decida interromper o desenvolvimento deste embrião, jamais deveria ser questionada, desmerecida ou criticada, pois estará apenas eliminando células em desenvolvimento, células q poderiam no futuro, se tornar um humano. Criar outra pessoa é uma imensa, gigantesca, absurda responsabilidade; se ela/ele decidir que não pode, não é o momento, não consegue, n motivos, estará fazendo a magnanima escolha de só dar ao desenvolvimento celular a chance de formar outro ser, quando essa pessoa for capaz de ajuda-lo e prove-lo dignamente a se tornar o humano que elx puder/quiser ser.

ina jana disse...

ASSASSINA!
TOMARA QUE NUNCA MAIS ENGRAVIDE NOVAMENTE, POIS NENHUM FILHO MERECE TER UMA MÃE ASSASSINA.
QUATRO SEMANAS É MUITO.
SE VOCÊ FOSSE FAZER UMA ULTRASSONOGRAFIA, IRIA OUVIR BATIMENTOS, FORTES BATIMENTOS CARDÍACOS DE UMA VIDA DENTRO DE VOCÊ.
VOCÊ TEM DIREITO SOBRE SEU CORPO, MAS NÃO SOBRE UM CORPO QUE NÃO É SEU, SUA FEMINISTA IDIOTA.
VERGONHA E NOJO DESSAS FEMINISTAS DE VISÃO DISTORCIDA E SEM NEXO.
QUEREM LUTAR POR DIREITOS HUMANOS, LIBERDADE, MAS NÃO RESPEITAM A VIDA.
DESGRAÇAS!

Lala disse...

Sobre aborto e Igreja Católica:
"Essa história toda está explicada em um livro [Uma história não contada, de Jane Hurst], que publicamos pela CDD. Chegou um momento em que o Papa [Pio IX] definiu “olha, qualquer aborto agora é pecaminoso”. Mesmo assim as discussões continuaram. Outro ponto é que o aborto não é dogma na Igreja Católica, portanto pode ser discutido. Há também a doutrina do probabilismo, que é muito complexa. Ela estabelece que quando há discussão em torno de um ponto, o clero tem o dever de esclarecer que há essa divergência para que os fiéis possam decidir com liberdade. Por isso colocamos que onde há dúvida, há liberdade. No caso do aborto, a história é uma história de dúvida, de discussão. As mulheres católicas têm liberdade de recorrer a um aborto."

Retirado do link postado aqui da entrevista com a presidente da ONG Católicas pelo Direito de Decidir.

ina jana disse...

VOCÊ JÁ FOI UM EMBRIÃO, SUA DESGRAÇADA.
BOM MESMO SERIA SE SUA MÃE TIVESSE TE ABORTADO ANTES DE "DAR CRIA" A UM SER NOJENTO E DESPREZÍVEL COMO VOCÊ E QUEM PENSA IGUAL A VOCÊ.

Anna disse...

Lica, talvez seja porque o catolicismo é a religião predominante do nosso país né? e é a IC que vive se metendo na vida alheia, como na questão do aborto (recentemente até em caso de estupro). Num país melhor, a autora do post por exemplo, poderia passar pelo processo com segurança, podia procurar ajudar médica, podia procurar um psicólogo se tivesse problemas depois..

Também não entendo como tanta gente empacou na parte em que ela fala q tem um namorado legal, é saudável etc.. Você pode estar até numa boa fase da vida mas isso não significa q é o momento certo para ser mãe.

(Fico feliz que tudo tenha dado certo, E. Força! )

lica disse...

Lala,

O CDD não é católico.

Não há dúvida quanto ao aborto dentro da igreja católica. Abortar ou ajudar alguém a abortar é excomunhão e a pessoa que se arrepender e confessar, só poderá receber a absolvição pelo bispo (ou o padre tem que receber autorização do vaticano, não lembro).

ps: desculpem os erros de port. tenho dificuldade em visualizar o que eu escrevo aqui nessa caixinha.

simone disse...

ina jana... e daí que já fomos embriões? se vc tivesse sido abortada, entenda que isso não faria diferença alguma... vc não existiria, não teria consciência, seria um nada. mas com certeza faria toda a diferença na vida da incubadora.

quanto aos batimentos cardíacos... e daí? vc continua com a crença da idade média que situa no coração a morada da alma ou qualquer baboseira dessa? o fato de o coração ser um órgão que contrai, turbilhona sangue e que isso é interpretado como "barulho" não difere em nada das células hepáticas fazendo seu trabalho, ou as renais... a morada da consciência é o SNC, que está em processo de formação. não há consciência, há tecidos em formação e organização. acredite, o batimento cardíaco não é tão poético qnt vc pensa.

e, veja bem, e se ela tivesse dado a luz a esse embrião inofensivo que, no futuro, fosse um defensor ferrenho do aborto. vc repetiria o que acabou de escrever para essa mulher? isto é, "BOM MESMO SERIA SE SUA MÃE TIVESSE TE ABORTADO ANTES DE "DAR CRIA" A UM SER NOJENTO E DESPREZÍVEL COMO VOCÊ E QUEM PENSA IGUAL A VOCÊ"?

por fim... já tomou o remedinho hoje? se aparece do meu lado dando esse faniquito, atiro um dardo tranquilizante em vc, sua animal pouco racional.

Patty Kirsche disse...

O que a galera do "não quer, dê pra adoção" precisa entender é que não é pela criança em si, mas pela gestação. Um aborto é uma gestação recusada, e não uma criança em si. Uma gravidez dificulta a vida da mulher, traz uma série de transtornos financeiros, exige atenção para a saúde... Eu mesma, nunca quis engravidar. Ainda não quero filhos(as), mas, se algum dia eu quiser, penso em adotar pra não precisar ficar grávida. E esse é um direito meu.

Sei bem disso porque uma mulher na minha família passou pela experiência de óbito da filha alguns minutos após o nascimento. Muitos anos depois, ela não consegue aceitar que passou por 9 meses de gravidez e uma sofrida cesárea, mas não voltou com a filha pra casa. Passar por uma gestação não desejada pra dar pra adoção é isso. Enfrentar todo o sofrimento da gestação e do parto, mas voltar sem a criança. Certamente, não é pra qualquer uma.

simone disse...

mayara que escreveu essa delícia: "e realmente ninguém faz nada pelas crianças,realmente... n existe por ex projetos sociais em favelas paras as crianças aprenderem algo como música,informática ao invés de ficarem a toa ou se meterem com crime,sério ,nunca ouvi falar..."

queria tanto viver nesse país da sua cabecinha de vento!

simone disse...

Paulo Tarso: vc também já foi um espermatozóide antes de ser um embrião, era uma célula cheia de possibilidades!... e como vc defende os milhões que desperdiça no chuveiro todos os dias?

ina jana disse...

Simone, seu lixo, VÁ SE FODER!

simone disse...

ahhh não! agora q vc mandou um "se foder" em capslock eu me assustei... ¬¬"

Aline disse...

Ina Jana, t'a nervosinha, santa?!

hidelvanise disse...

Sabe, as pessoas podem ser contra o aborto. Podem acreditar que o embrião tem alma, que as batidas do coração significam vida. As pessoas podem acreditar no que quiserem. E ninguém adulto e formado será convencido do contrário sem mais nem menos, ainda mais sendo chamado de "burro" o tempo todo como fazem aqui, ridicularizando suas crenças, etc. A descriminalização do aborto é uma questão legal, é preciso avançar neste ponto pq ninguém será desconvertido na base do grito. E sim, é possível que a pessoa mantenha suas crenças e ainda assim respeito o direito dos outros. É só ler os comentários acima, tem várias pessoas que se declaram contra o aborto mas dizem apoiar o direito das outras mulheres e não se sentem no direito de julgar ou intervir numa decisão alheia. Acho que o ponto tem que ser esse e não ficar diminuindo os outros para se sentir melhor consigo mesmo, mais inteligente ou sei lá o quê.

Unknown disse...

Ina jana, adote uma criança. Faça por um ser vivo o que vc espera que outros façam por embriões. Bem mais legal ;)

Unknown disse...

Ina Jana é uma típica pró vida raivosa, destilando falta de educação e raiva em CAIXA ALTA.
Mal educada e com um discurso de ódio defendendo a vida...
Uma tristeza.

Lola, querida, acho que agora é oficial, Dilma vai sancionar sem vetos, assim esperamos:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/08/1320029-dilma-vai-sancionar-lei-que-garante-atendimento-a-vitimas-de-estupro.shtml

Unknown disse...

Ina Jana é uma típica pró vida raivosa, destilando falta de educação e raiva em CAIXA ALTA.
Mal educada e com um discurso de ódio defendendo a vida...
Uma tristeza.

Lola, querida, acho que agora é oficial, Dilma vai sancionar sem vetos, assim esperamos:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/08/1320029-dilma-vai-sancionar-lei-que-garante-atendimento-a-vitimas-de-estupro.shtml

Unknown disse...

Ina Jana é uma típica pró vida raivosa, destilando falta de educação e raiva em CAIXA ALTA.
Mal educada e com um discurso de ódio defendendo a vida...
Uma tristeza.

Lola, querida, acho que agora é oficial, Dilma vai sancionar sem vetos, assim esperamos:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/08/1320029-dilma-vai-sancionar-lei-que-garante-atendimento-a-vitimas-de-estupro.shtml

Unknown disse...

Ina Jana é uma típica pró vida raivosa, destilando falta de educação e raiva em CAIXA ALTA.
Mal educada e com um discurso de ódio defendendo a vida...
Uma tristeza.

Lola, querida, acho que agora é oficial, Dilma vai sancionar sem vetos, assim esperamos:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/08/1320029-dilma-vai-sancionar-lei-que-garante-atendimento-a-vitimas-de-estupro.shtml

Maria Fernanda Lamim disse...

hm, uma coisa que eu sempre penso qdvejo essa discussao sobre o abort e o srguinte: sera que e bom pra crianca nascer de uma mar que nao a deseja? sou professorade criancas ha 16 anos e digo que 40% das maes dos meus alunos nao tem a menor condicao de ser mae (e nao estou falando de dinheiro, mas de estrutura emocional). o papel de mae e dos mais sagrados; so deve ser desempenhado por quem realmente desrja e e esta pronta para isso.
tenho 32 anos,
estou tentando engravidar ha 9 mesets e estou muito ansiosa.sempre sonhei em ser mae. mas se tivesse engravidado muito jovem, sem condicoes de exercer bem esse papel, provavelmente teria abortado.

Nane disse...

Aquarela,
Não mexe com o psicológico de "TODAS". Eu mesma já fiz e estou muito bem obrigada! E pra mim não tirei um feto de dentro de mim. Tirei um grupo de células, que caso evoluísse, se tornaria um.
Se impedir a formação de um feto for
errado, então a igreja católica é totalmente coerente em ser contra qualquer método contraceptivo. Quem é contra o impedimento de formação de um feto, deve fazer sexo somente quando desejar engravidar!

Thaís B disse...

Ina Jana
Existe milhares de orfanatos cheios de crianças esperando alguém cuidar delas, então porque você não adota e cuida delas? Já que é só "deixar pra adoção" deve ser bem fácil também "pegar na adoção, cuidar e amar pelo resto da vida".
Ah, só não vale bebê branco do sexo feminino, e dê preferencia aos orfanatos de crianças portadoras de alguma doença, são os que menos as pessoas vão.
E já que mulher a qual aborta é assassina, recomendo que nunca vá passear em países desenvolvidos, lá o aborto é legalizado, ou seja, cheia de "putas assassinas que não valorizam um embrião"!!

Pró-vidas, uma comédia atrás da outra.

Lala disse...

@lica

Não coloquei em questão se a CDD é católica ou não.

Chamei a atenção para o fato de que aborto não é um dogma da IC.
Pelo o que entendi, não houve consenso sobre ele ao longo dos séculos, estamos em uma fase em que a IC condena como pecado, mas isso pode mudar.
Está claro ou precisa de um desenho?

Gi disse...

Sou feminista e espirita. Como feminista sou a favor da Legalização do Aborto.
Como espirita sou contra o aborto. Contra o aborto na minha vida.
Nos meus conceitos.
Os conceitos das outras mulheres deve ser respeitado e se elas desejarem um aborto acho que devem ter a possibilidade de faze-lo com segurança e apoio. A mulher que decide abortar vai fazer isso com ou sem a aprovação de qualquer pessoa então que o faça com suporte e dignidade.
Ser a favor da legalização do aborto é totalmente diferente de ser a favor do aborto em si. Sou contra o aborto por principio e a favor do direto de decidir sobre o próprio corpo e a favor do livre arbítrio.
Liberar o aborto é questão de saúde pública. Apoiar quem decide fazer é questão de humanidade.

Lola, também acho que muitas feministas são agressivas com quem tem religião. E é sim possivel crer em vida após a vida, crer em Deus e ser espiritualizada e feminista.
Espirito não tem sexo. ( maior feninsmo que isso não existe)

Boa sorte e muito carinho para a menina do texto. Que tudo corra bem para ela e para muitas em situação igual ou pior.

Beatriz Correa disse...

Falam do nascituro (ECA, COMO ODEIO ESSA PALAVRA!!) como se ele fosse o cidadão com plenos direitos de um ser humano formado (coisa que ele não é), mas esquece que ele na verdade é um monte de células.

Esse mesmo pessoal deve ficar emputecido tbm com os homens que se masturbam, e/ou fazem sexo com camisinha, pq é um desperdício sem igual de células que, com o uso devido, gerariam seres humanos!!
Pobres espermatozóides!!

E estou certíssima que as mulheres desse grupo (como a caríssima Ina Jana, bjos querida :** ) devem procurar milhões de forma de não menstruar, pq tantos óvulos jogados fora certamente são um crime!! Antes armazená-los todos numa geladeira a jogar fora mensalmente.




Juro gente, tô tentando achar a lógica aqui.

Maria Fernanda Lamim disse...

concordo com a Gi: ser a favo da legalizacao do aborto nao e ser a favor dele em si. minha religiao ate o permite (sou paga, e no paganismo a decisao e da mulher), mas eu teria muitas duvidas antes de fazer um , ou mesmoaconselhar uma amiga. mas acho que a decisao e de cada uma .

aquarela surrealista disse...

0
Blogger Nane disse...

Aquarela,
Não mexe com o psicológico de "TODAS". Eu mesma já fiz e estou muito bem obrigada! E pra mim não tirei um feto de dentro de mim. Tirei um grupo de células, que caso evoluísse, se tornaria um.
Se impedir a formação de um feto for
errado, então a igreja católica é totalmente coerente em ser contra qualquer método contraceptivo. Quem é contra o impedimento de formação de um feto, deve fazer sexo somente quando desejar engravidar!

________________________________

discordo totalmente de você no tocante a fazer sexo somente para engravidar,ainda que admire muito o catolicismo,pela hipocrisia de dizer uma coisa que ele mesmo não dá conta de cumprir.Desculpem-me os católicos cem por cento praticantes;a doutrina é linda,mas o fardo é muito pesado,e nem eles mesmos que escreveram todos estes mandamentos conseguem arcar com um mínimo disto,basta por exemplo o fracasso do celibato entre os presbíteros católicos...eles não o suportam,então não podem condenar o resto do mundo.
Agora,sem botar religião no meio:eu,pessoalmente,acharia maravilhoso se fôssemos realmente como os bichos,que só transam na hora do cio,rsrs...e sabe porque?Nunca vi um cachorro cercando uma cadelinha que não quer sexo,(ou seja,fora do seu cio)para a estuprar...nunca vi um gatinho enfiando objetos cortantes em sua gata ou convidando outros gatos para um estupro em grupo da pobrezinha porque simplesmente"não quer dizer sim,na linguagem dos gatos machistas..."imagine a situação!Admiro ,sim,os bichos,e sua transa natural pensando nos filhotes!Mas,sou um ser humano,e,longe de isto me fazer melhor que os bichinhos,mas sou diferente,tenho meios de não deixar acontecer,e,sinto muito,para mim,antes de formar o zigoto,as células óvulo e espermatozóide não tem vida própria,mas potencial...porém,depois que já formou o ovo-zigoto,é,sim,um ser humano em formação e deve ser protegido também!Então,não sou contra contraceptivos por acreditar nisso...sou contra banalização da pílula dodia seguinte,por exemplo...pois ela pode sim abortar...

aquarela surrealista disse...

Oi Beatriz Correia...não,em geral nunca se fica emputecido com homem que se masturba,não...acho que voce é que está descobrindo o beabá agora,e isto pode parecer mesmo meio estranho,rsrs...mas voce se acostuma;veja:é mil vezes melhor um homem que se masturba até ralar o bilau do que um que se contem até querer estuprar velhinhas,crianças,poste,cachorro...mil vezes um homem se malhar de tanto descabelar o palhaço do que ficar que nem os mascus,achando que prostituta existe porque tem que existir mulher pra casar e mulher pra usar....vc não acha??Muito estrago em úteros jovens poderiam ser evitados...ou não?!?

aquarela surrealista disse...

Blogger lica disse...

Aquarela Surrealista

Eu também já fiz várias dessas perguntas p/ Lola, sobre a eficácia da legalização do aborto para a saúde física e psicológica da mulher. Mas parece que ela tende a não contra-argumentar qnd vc não é mascu.

Se nós lutássemos para criação de centros de apoio para grávidas de casos indesejados, de parceiros agressivos,de mulheres pobres e etc. Lutássemos para facilitar os processos de colocar para adoção e para adotar, já resolveríamos muitos casos.

Não é preciso legalizar o crack para lidar com isso como um caso de saúde pública, por exemplo.

O problema é que parece que a ideologia fala mais alto que a lógica e a eficácia. Para as feministas que defendem a legalização, parece que existe uma vitória simbólica contra o 'moralismo' que é mais importante do que a vida e a saúde das próprias mulheres.

Nessa briga idiota e simplista de sou 'pró-vida' vs sou 'pró-escolha', quem sai perdendo feio são todas as mulheres.
--------------------------olha,voce disse tudo!

aquarela surrealista disse...

E tem coisa aí que tenho notado,Lica...
quem vem aqui esbravejar que o feto é um amontoado de células sem vida,e blábla,mimimi,geralmente me parece um grupo de mulheres que querem uma justificativa pessoal pros seus desacertos e cabeçadas...é gente que já tem uma pá de privilégios sociais e tem preguiça de cuidar de re4sponsabilidades de gente que cresce,esta gente tem preguiça de crescer!Elas sequer estão,de fato,imaginando os sofrimentos reais de quem realmente é pobre e precisa decidir esta dor(vamos colocar um exemplo):"se eu tiver este filho,ele mata nós dois,mas eu amo a criança que trago no ventre,mas prefiro abortar agora do que ver minha criança sofrer nas mãos deste monstro,pois sou pobre e engravidei sem querer...ele já me agride,vai agredir meu filhinho tbm o que que eu faço,estou desesperada??"
este é um claro exemplo de mulher que se vê necessitada de um aborto,segundo muita gente,eu diria que neste caso,ela precisa é de se sentir segura para gerar o filho e criar longe do companheiro violento...

muito argumento que vejo por aqui é repetitivo e vazio,coisa de gente novata,que não vive esta realidade...e tem um lado mais cruel ainda;muitas pobres não querem abortar,pois ter filho para estas é lucrativo mesmo!Não estou inventando moda,eu leciono neste meio,e já ouvi esta confissão,elas nos confessam assim,na cara-dura...!

Sim,tem que pensar na criança enquanto feto,e depois que nasce,mas saber que ela vai nascer num meio empobrecido não nos dá o direito de sermos tal qual os nazistas,e preferir que esta mãe aborte!Só gente que tem ótimas condições financeiras está preparada para ser mãe?
Mas são,na maioria das vezes,estas mesmas que não querem os filhos em suas vidas!Pois bem,tem o direito de não querer,mas eu defendo que,uma vez que já tá lá,deixa vir!

aquarela surrealista disse...

o povo mete o pau na religião,e se esquece que o que chamam de Ciencia,vive nos tapeando,trapaceando com os produtos humanos...criando coisas em seus laboratórios que não precisaríamos...ninguém fala nada das industrias farmaceuticas?ninguém fala nada sobre o nosso quase total desconhecimento de como são realizadas pesquisas em que são utilizadas cobaias ou culturas de células?Todas as pesquisas seriam,de fato,éticas?Toda a tecnologia que está aí realmente é usada a favor do melhor para a vida humana ou somente uma minoria privilegiada pode sentir seus benefícios,e ainda fecha os olhos para o passado duvidoso de muita pesquisa desconhecida..?É mesmo só a religião que mata e explora?A ciencia também nunca se aprimorou juntamente com as crueldades ,nas guerras?Era tudo ético,honesto e limpinho?

A favor de nossa comodidade,quanta gente ainda haveremos de,enquanto humanidade,sacrificar?

Paulo Tarso disse...

simone disse...
Paulo Tarso: vc também já foi um espermatozóide antes de ser um embrião, era uma célula cheia de possibilidades!... e como vc defende os milhões que desperdiça no chuveiro todos os dias?
-
Um embrião humano, e união de um espermatozoide com um ovulo, dando inicio ao ciclo de um novo ser, que na minha opinião tem o direito de se desenvolver em paz, como todos nós aqui comentando tivemos um dia.

Masturbação masculina não e aborto, assim como menstruação também não, pois separados eles não formam um embrião humano, e células até uma samambaia tem, a questão e saber se a senhorita sabe a diferença entre uma samambaia e um ser humano em desenvolvimento.

Namá disse...

Hmm, Aquarela Surrealista, tua ideia sobre a cópula de alguns animais infelizmente tá meio errada.

Cães machos vão atrás de fêmeas que não necessariamente querem copular sim. Estar no cio não é algo evitável pra uma cadela, e o cio por si só não significa desejo de cópula. Mas elas podem tentar não gerar filhotes (porque os animais conseguem julgar que algumas situações não são propícias pra gerar prole, tipo em situação de escassez de alimento); dá pra observar isso, por exemplo, quando as cadelas ficam agressivas quando o macho tenta se aproximar. Acontece bastante com cachorro de rua. As cadelas em geral ficam prenhes porque, via de regra, vai mais de um macho atrás delas e daí não conseguem se defender de todos.

A parte de "nunca vi um gatinho enfiando objetos cortantes em sua gata" foi até meio irônico, perdoe a sinceridade. Imagino com isso que não saibas, mas gatos possuem pequenos espinhos no pênis, que fincam na fêmea durante a cópula e inclusive causam bastante dor.

É preciso um pouco de cautela para não "humanizar" os comportamentos animais, principalmente os gatos e cachorros que são do nosso convívio próximo. Considera-se que os animais não tem um raciocínio da mesma forma que o nosso, por isso não dá pra falar que eles transam pensando em filhotes. Eles agem sob influência de hormônios e instintos (possivelmente mais influentes do que com nós, humanos) e, embora haja a presença do instinto de perpetuação da espécie, há também o instinto de sobrevivência enquanto indivíduo. A geração da prole, embora esteja de acordo com o primeiro, pode estar em desacordo com o segundo. Nessa situação, o animal decide(ou ao menos tenta) pelo que é mais vantajoso, mas de uma forma absolutamente diferente da forma que um ser humano faria.

Desculpe por ter me alongado tanto, quis lhe ajudar com um esclarecimento mas não consegui fazê-lo em poucas palavras.

Társio disse...

Esse depoimento é muito importante. Um dia desses estava chateado com isso. Criou-se uma defesa moralista do aborto, no sentido de que a pessoa precisa passar por uma novela(estupro, feto anencefálico, risco de vida) para que seu aborto seja aceito (até por quem se diz pró-escolha). Ela não pode simplesmente não querer ter criança.

Engravidar quando não se quer já é por si só um pesadelo.

Sou homem e me sentiria muito melhor num mundo onde as mulheres tivessem todo apoio para conversar tranquilamente com um médico sobre métodos abortivos.

Aline disse...

Olá E. eu passei por um aborto espontâneo a 10 anos e dói muito, durante algumas horas. Pelo menos doeu muito até eu chegar no hospital e eles me doparem.
Durante esses 10 anos, eu não pensei nisso, gravidez era algo que eu não queria, eu tinha 17 anos e tinha sofrido violência.
Durante esses 10 anos, sempre que me perguntaram se eu era a favor do aborto eu respondia que era pessoalmente contra(não faria) mas que sou totalmente a favor da descriminalização até o 3 mês.
Essa semana aconteceu algo que me fez repensar isso: eu achei que estivesse grávida(ainda não tenho certeza que não) e entrei em desespero. Sim, eu sou casada a 8 anos, sim eu tenho casa pra morar e tenho estabilidade financeira e sim, eu teria apoio. Mas é mais do que isso: eu uso camisinha SEMPRE, tomo anticoncepcional, faço tabelinha, uso gel com espermicida. Eu não quero ser mãe, não quero ficar grávida. Já tentei fazer ligadura de trompas, mas não tenho os requisitos mínimos(idade e quantidade de filhos). Mas é além disso: eu estou construindo uma carreira e 6 meses afastada poderia me fazer perder o que eu construí até agora, sem contar que empresas não gostam de contratar mães, ou pagam menos, etc. E a sociedade me condenaria (e eu nem tenho opção) se eu tivesse o filho em um dia e no dia seguinte quisesse voltar ao trabalho e deixar a criança com meu marido. A licença é obrigatória para as mães.
Doar a criança? Minha mãe e minha sogra teriam um treco de imaginar um neto delas "por ai".
Eu não tenho condições psicológicas de ter um filho. Tenho depressão, sou stressada, trabalho pra caramba(das 7:30 as 22:00 e nos fins de semana), trabalho em 2 lugares, faço extras, meu marido tem um negócio.
Eu quase surtei, a primeira coisa que fiz foi pesquisar como conseguir citotec e fiquei abismada com o preço.
Fiquei com medo e com uma culpa que me consumia(sou católica e aprendi que a vida começa na concepção, que tem alma e blá blá blá), me senti mal.
Fiz um exame de farmácia e deu negativo, mas ainda estou esperando o resultado do de sangue. Espero que dê negativo, senão, não sei o que farei. Não sei. Não sei nada.
=(

lica disse...

Lala,

Precisa dessa grosseria toda???? Te ofendi com alguma coisa? acho que não!

A Lola deve achar que o CCD é católico, pra dizer que elas vão mudar alguma coisa 'de dentro'.

Se você achar as encíclicas e catecismos da igreja em versão ilustrada, manda pra mim, porque realmente deve ter alguma coisa muito errada com a minha versão escrita. Mas não vou ficar explicando mais nada aqui, não...

Só uma coisa... trocar o papel de oprimido pra e opressor não vai criar nenhum mundo melhor, não. É bom tentar ser um ser humano melhor, e não apenas deixar de ser machista pra distratar e ter preconceito com outros grupos e pessoas.

Lala disse...

@lica

Sim, lica, vc ofendeu a minha inteligência ao usar uma falácia ao invés de um argumento.

Se a Lola acha que a CDD é católica ou não eu não faço idéia.
No mais, cheguei à elas por meio de um link de uma leitora que postou aqui, não pela Lola.
Vc insiste nessa questão quando ela não é o ponto.

Não tenho nenhum preconceito com pessoas religiosas que admitem sê-lo e não obrigam as demais a aceitar sua visão de mundo.

Voltando a questão, pesquisei e vi que aborto não é um Dogma da Igreja.

Alguma dúvida sobre isso?

Se existe uma lei dentro da IC que proíbe isso, ela não é uma verdade absoluta. Leis podem ser mudadas.
Se a própria IC já pediu perdão por alguns de seus erros (isso sim é um dogma: "A Igreja é infalível quando faz definição em matéria de fé e costumes"), que dirá sobre essa atual posição sobre o aborto.

Ficou bonitinho o desenho ou ainda precisa de melhorar?

S. disse...

A medicina podia inventar um jeito simples de transferir embriões de quem não quer pra quem quer! Resolveria todos os problemas!

lica disse...

Apenas mencionei a excomunhão para exemplificar quão grave a igreja considera o aborto. Para quem se importa com a posição da igreja e quer permanecer dentro dela, deve procurar uma fonte católica para se informar.

Quis ser sucinta naquele comentário (e nesse), e não dar uma aula de teologia. Continuo achando sua reação altamente desnecessária e desproporcional ao que eu falei.

No mais, passar bem!

Keli disse...

quanto aos batimentos cardíacos... e daí? vc continua com a crença da idade média que situa no coração a morada da alma ou qualquer baboseira dessa? o fato de o coração ser um órgão que contrai, turbilhona sangue e que isso é interpretado como "barulho" não difere em nada das células hepáticas fazendo seu trabalho, ou as renais... a morada da consciência é o SNC, que está em processo de formação. não há consciência, há tecidos em formação e organização. acredite, o batimento cardíaco não é tão poético qnt vc pensa.


Juro Lola, nunca li um comentario tao frio e assustador como esse no seu blog. Juro, fiquei chocada e digo que sou pro escolha. MAs fiquei chocada, vejo mesmo que nao sei nada mesmo sobre o femInismo. De verdade.

Keli disse...

Lola, tenho dois filhos, um adotivo e outro biologico, adotei primeiro, mesmo sabendo que poderia ser mae, qd veio o segundo filho eu descobri com menos de 1 mes, fiz um ultra no gineco e ouvi o coracao bater. Foi incrivel, aquiLo significou muito pra mim, por motivos do passado significou muito pra mim, entao por isso que eu fiquei chocada, pq Lola me desculpa ta mas muitas pessoas aqui pedem empatia para com suas vidas, experiencias e dores, mas esquecem de ter empatia por outras pessoas que viveram experiencia diferentes delas...De verdade, com pesar hj vejo que nao sei nada de feminismo, nessa linha assim nao , apesar de respeitar td que vc posta aqui, acreditar que mulheres tem sim o direito de escolha entre tantas ideias lindas e libertadoras que vejo aqui, so acho que o pessoal que comenta fica muito na defensiva e eh por muitas e muitas vezes extremamente agresivos e frios, temos que endurecer...mas sem perder a ternura que tal?! Bj pra todas! Lola sigo amando seu trabalho. Bj grande.

Lala disse...

@lica,

Primeiro vc me diz diz que "Não há dúvida quanto ao aborto dentro da igreja católica.", depois que "Apenas mencionei a excomunhão para exemplificar quão grave a igreja considera o aborto."

Vc ignora totalmente meus comentários, numa repetição daquilo que sabemos como é.
Ao trazer aquele trecho da entrevista, busquei ressaltar que o que ocorre hoje (aquilo que vc aponta) não foi sempre assim.
Logo, é passível de mudança.

Dessa forma, sua fala: "Não há dúvida quanto ao aborto dentro da igreja católica." não pode ser tão taxativa assim e esse seu "quão grave" é uma concepção com menos de 200 anos.
Compreende agora?

De novo e de novo, vc se prende a miudezas do tipo 'elas não são católicas', 'vc está falando grosso comigo'.
Então se você ainda não entendeu meu ponto, fique com o seu, pois não pretendo voltar aqui para isso.

Júlia W disse...

Que direito o feto possui de invadir o corpo de uma mulher e a parasitar por nove meses sem o seu consentimento?

Se eu sair por aí roubando os melhores nutrientes de correntes sanguíneas alheias serei, provavelmente, presa, acusada de vampirismo.

aquarela surrealista disse...

Namá em 2 de agosto de 2013 07:08 ajudou muito com suas explicações,obrigada,sabe,a gente nunca pára para pensar muito nas questões sobre este ponto de vista...conquanto aos gatinhos
mas não somente,eu fui um pouco irônica sim...sabia deste lance da ponta que parece uma unha que os gatos possuem no penis,e,pelo que parece,a relação sexual para as gatas não deve ser lá uma coisa muito bacana,não...

...mas,mesmo seus esclarecimentos me fizeram pensar de novo:sim,os bichos agem por puro hormônio...e nós também!E eu não vejo as gatas judiando dos seus filhotes só porque lhes custou relações doloridas,e ainda pelo que sei(tem um pessoal aí atrás que falou que adotar e ajudar a tirar uma criança já nascida da miséria,isso ninguém quer..),então,as gatas,eu já ouvi mais de um relato,elas adotam se verem um gatinho abandonado,mesmo tendo de amamentar os seus...sei que não dá pra comparar os bichinhos como sendo idênticos aos humanos,mas que dá para aprender muito com eles,ah,se dá...

aquarela surrealista disse...

Júlia W disse...

Que direito o feto possui de invadir o corpo de uma mulher e a parasitar por nove meses sem o seu consentimento?

Se eu sair por aí roubando os melhores nutrientes de correntes sanguíneas alheias serei, provavelmente, presa, acusada de vampirismo."

OFF:melhor ler isso do que ser cega,e ademais,ninguém mandou eu vir aqui,uma hora destas,em vez de estar dormindo ou funhanhando,e ficar aqui a discutir o sexo dos anjos rsrs...francamente,a mais errada sou eu,mas vamos lá:segundo isto que acabo de ler acho que a Julia devia ser presa então,pois ela foi vampira dos nutrientes alheios até poder nascer,né,segundo o raciocínio dela...ela é uma vampira,gente,está aqui sugando meus nutrientes,ao ter que endereçar isto a sua fala!!!

Júlia W disse...

Aquarela

Sim, eu suguei os nutrientes de minha mãe por nove meses, mas vim de uma gravidez bastante planejada, mamãe me desejou, fui um presente para ela e o útero dela foi um presente para mim, digo presente porque ela não tinha obrigação nenhuma de portar uma invasora como eu por nove meses dentro de seu corpo.

De qualquer modo, essa comparação absurda serve apenas para ressaltar a sandice que é colocar feto e ser humano formado no mesmo status.

O ser humano formado não está invadindo o corpo de ninguém, o feto está.

Se uma pessoa invade minha casa, mesmo eu deixando o portão aberto, tenho o direito de expulsá-la.

A mulher que aborta não está matando, está apenas retirando de seu corpo, se o feto morre em consequência disso, é só mais uma prova de que se tratava de uma relação de parasita- hospedeiro.

Júlia W disse...

Aliás, toda essa polêmica em torno do aborto vem de uma visão humana de que somos especiais, de que a vida humana é sublime, mas a verdade é que se o ser humano não existisse, o mundo continuaria aí, o ciclo da vida permaneceria em seu constante movimento.

O que nos faz maiores que as outras espécies, em tese,vem do nosso sistema nervoso ''especial'', nossa cognição é superior, somos capazes de criar e sentir em maior intensidade.

Reside aí a verdadeira essência humana, coisa que um feto ainda não possui, mas apenas expectativa de possuir, algum dia, quem sabe.

Alguém que não possui essa imensa capacidade de ter personalidade e sentir, em minha opinião, pode ser facilmente comparado a insetos, porque considerar o ser humano superior apenas por ser da espécie homo sapiens é uma visão estritamente especicista.

Thainara Carreiro disse...

Pra cada pró-vida poderiamos doar 5 filhos não desejados. Será que daria certo?

aquarela surrealista disse...

Júlia W,

Se voce pensa deste modo,e consegue comparar um feto(voce nem considerou um embrião que ainda não tenha sistema nervoso totalmente formado,mas um feto,que já está todo formadinho!)como um ser invasor,consegue mais ainda,comparar como se ele fosse um invasor de sua casa,parei...porque não creio serem comparáveis certas lógicas,beira ao absurdo.Vou desenhar:o portão estar aberto ocorre vez por outra,mas a sua vagina se ofereceu para alguém a penetrar,ponto,então não foi invasor,rsrs...(não,eu desconsidero aqui que voce possa ter sido estuprada,porque sei que não é o caso)

Joane Farias Nogueira disse...

LOLA, POR FAVOR, EXCLUA O COMENT DO "EMULA JOGOS"

Anônimo da 20:03, 31 de Julho.
Não me importo se vc é contra mesmo em casos de estupro. Se vc não for mulher, não deveria nem mesmo opinar, porque nem de longe vai entender toda a pressão que uma mulher sofre em relação ao risco de sofrer ou da tentativa da violência sexual. Não sabe como isso influencia na escolha da mulher, porque vc não é mulher. E também nunca terá um útero ou uma vagina, não foi socializado como mulher,portanto, desconhece as pressões que uma mulher sofre para ser dona de casa, mãe, mulher e esposa.
Se for mulher, deveria se ater aos seus detalhes. Deveria não tentar generalizar suas emoções, supondo que todas as mulheres se sentem como vc.

Vc pensa muito no feto,mas esquece da mulher, esquece que gerar trás riscos e pesos para a mulher que somente ela pode decidir se quer ou não passar por aquilo. Nem em caso de risco de vida da mãe vc releva. Mas cara, e se essa mulher tem uma vida, tem outros filhos, tem marido, tem uma família? Nem assim vc liga.
Em casos de estupro, vc ignora que uma mulher vai ter que ficar 9 meses sentindo uma criança crescendo e chutando dentro dela. Cada chute te lembrará de uma estocada do estuprador.
Vc demonstra uma infelixibilidade que mais parece medo do que opinião : "Eu preciso ser justo de qualquer forma mesmo em um mundo imperfeito onde problemas drásticos exigem soluções igualmente dramáticas."

Vocês pró feto reduzem a condição da mulher enquanto gestante a uma atividade tão sem importância ou normal - algo do tipo,"Os seus corpos são preparados para isso. É como ir ao banheiro dar uma cagada. Não tem nada demais." - que nem ao menos que se tocam que a gestação em si pode ser um dos motivos para abortar. E aí, qual será a solução?

Uma mulher quando deixa criança para a adoção pode ser responsabilizada de qualquer forma. Há tantos casais que lutam para ter um filho, mas não consideram adotar e quando consideram, deixam as crianças maiores jogadas no orfanato.
ORFANATO AQUI NÃO É COMO CHIQUITITA,MEU CARO ANON.

Vcs tem que parar de achar que a opinião de vcs conta para alguma coisa, devem parar de achar que queremos sua benção para isso. Apenas queremos vcs BEM LONGE DOS NOSSOS ÚTEROS.
Ser mãe não é bem um privilégio, é uma condição normal. Notou que um monte de gente é mãe?

Se a pessoa fica triste é porque não foi bom, e isso é o mais óbvio. Mas olha só, para ela, gerar,parir e ser mãe também não era uma opção.Algumas mulheres que hoje são mães também não sentem a maternidade com algo bom. Aceitem isso.
E mulher nenhuma tem que ser mãe para realizar o sonho da outra. Não somos incubadoras e não temos obrigação de sermos algo para ninguém.


Feminista capitalista disse...

Ai que saco!

Não aguento mais essa gente que vem até um blog feminista defender igreja e diz:

''Sou (insira religião aqui) e por isso sou contra o aborto, mimimi,você não pode abortar porque é pecado e eu não quero!''

Ai que gente chata querendo cagar regras na vida dos outros.

Obrigada Lola,por esse post que abre os olhos, já era a favor do aborto há cerca de seis anos, principalmente por perceber já cedo que a condenação da sexualidade feminina é o principal fator que faz pessoas serem a favor dele. Agora depois desse post vendo o quanto as mulheres sofrem muito mais que se supõe,ao ter que fazer um aborto sozinhas,num momento difícil e uma decisão extremamente difícil eu passo a ser mais a favor ainda!


Não é justo ter que temer pela própria saúde e vida sozinha,sem poder desababafar com ninguém e ter que comprar remédios pelo mercado negro só porque a hipocrisia religiosa condena e quer mandar, não sabe o que é estado laico.

Feminista capitalista disse...

Muito obrigada ao anônimo que postou sobre o biscatesocialclub, nunca tinha lido,entrei no blog e de cara li uns 5 textos, adorei!
Achei minha cara, é mais um blog pra eu acompanhar.

Anônimo disse...

Aquarela

Mesmo eu tendo oferecido minha vagina, o útero continua sendo meu e eu escolho quem fica lá, se o feto precisa do MEU corpo para sobreviver, o problema é dele.

E como eu disse, o ser humano só é especial por UM motivo, seu cérebro, coisa que o feto ainda não possui.

Ser humano sem cérebro e inseto para mim é a mesma coisa.

aquarela surrealista disse...

Creio eu que um inseto teria resposta mais inteligente do que o que leio aqui em certos posts,desculpem o desabafo...,e,se não sabem as pessoas que postaram comparando feto a inseto,os insetos possuem cérebro,e todo um equipamento inteligente perfeito!

Tanto é que muita coisa foi criada pelo homem baseado nos movimentos e nos aparatos existentes na natureza,incluindo os insetos nela!

Seu útero não é teu,faz parte da engrenagem de um corpo(o corpo "não é teu,ele é voce!") que não gostaria de ser agredido com um aborto provocado simplesmente por um capricho...pense um pouco,antes de fazer birra!

aquarela surrealista disse...

Aliás,sobre esta reflexão feminista de "meu útero isto,meu útero aquilo",eu creio estar havendo muitos equívocos:se a última coisa que nós,enquanto mulheres queremos,é sermos comparada a um vaso,um objeto,um recipiente,então,porque tratamos a esta parte deste corpo inteligente que somos nós como se fosse um vaso sem dor nem memória inteligente?Como se úteros fossem simplesmente um receptáculo simples,uma "casa de festas",dentro do qual só permanece o meu convidado,como se suas paredes não gravassem as memórias de tudo!

Não se enganem,um embrião tem inteligencia,mesmo um anencéfalo pode possuí-la,9e não me lembro de haver falado tanto ou nada em que animais sejam inferiores ao humano)só não terá muitas horas de vida pela frente porque parte de seu cérebro não existe ou sofreu atrofia,mas ele sente,,e luta por sua existência,isto é inteligência!Não estou centrando agora nesta questão já aprovada por leis,mas querendo saber em que dia,mês e ano e segundo de nossas vidas foi que conseguiram enfiar nas nossas goelas abaixo que o ´´útero é um recipiente meu e eu posso colocar e retirar de lá o que eu bem entender,pois ele é só meu??"

Anônimo disse...

Com tanta forma de prevenção e a pessoa vem com uma dessa. Sou contra o aborto custe o que custar. É uma opinião minha e pronto. Pra se ter um filho tem que ter relação sexual, e a moça disse que o filho era do homem que ela amava, então são dois irresponsáveis.

Anônimo disse...

Por favor preciso fazer esse procedimento o mais rápido possível mas não sei onde conseguir esse remedio

Anônimo disse...

Senhor Jesus, tenha misericordia da vida dessas mulheres, pq elas estão cegas e sem noção do que estão fazendo!!!