segunda-feira, 15 de julho de 2013

E O FAMIGERADO MACHISMO DAS MULHERES?

A Valéria tem algumas dúvidas que certamente incomodam a todxs nós:

"Meu nome é Valéria, sou advogada, tenho 22 anos e moro em Santos. Senti necessidade de mandar este email porque algumas questões vem me incomodando por algum tempo e sinto que estou só no meio da multidão. Acabei encontrando seu blog por uma alegria do destino e senti muita, mas muita vontade de compartilhar algumas coisas.
Bom, vamos a elas. Um pouco da minha história pra você entender o x da questão.
Eu namoro há 6 anos com um rapaz lindo e maravilhoso, e quanto a isso não tenho nenhum problema.
Ocorre que algo que me deixa simplesmente enlouquecida é aquele nosso tão conhecido machismo DAS MULHERES. Olha, vou te contar, machismo já é uma palavra feia por natureza, absurdo quanto praticado por homens. No entanto, quando praticado por mulheres, fica fora do meu entendimento. Como que pode isso? 
Essa prática de 'machismo feminino' é muito popular na família no meu namorado, daí meu desconforto eterno. Por um milagre, meu namorado não foi influenciado por esse mal e é quase um homem feminista. Minha sogra tem muitas qualidades, é muito boa comigo, amo ela de verdade! Mas ainda sim, ela sofre dessa doença. E o resultado dessa lambança? Eu passo por folgada, mal educada e respondona porque me recuso a fazer coisas que só podem ter vindo de Marte, porque não é possível. Ela já chegou a dizer que eu tenho que cortar as unhas do meu namorado! Oi?
Não é só ela que sofre desse mal, há algumas outras mulheres da família -- será que é contagioso? Uma vez estávamos em um churrasco e minha sogra (e não meu sogro ou cunhado) estava pra lá e pra cá com as coisas quando a avó do meu namorado se manifesta: 'Valéria, você não vai ajudar sua sogra?' De tantos outros homens fortes que estavam lá, ela foi justo pedir pra mim, que absurdo! 
Será que só eu acho isso estranhíssimo? Será que só eu me revolto quando vejo uma mulher pegando um prato que ficou na mesa largado por um homem? E lá vai novamente a folgada da Valéria que nunca ajuda. As outras namoradas dos outros homens sempre se orgulham de servir seus homens, como essa Valéria é assim?
Eu acredito que um dia isso há de acabar, tenho esperança! Minha esperança se baseia no meu namorado, que até brinca com a situação."

Minha resposta: É, Valéria. Não há muita coisa que tire feminista mais do sério que o machismo que vem das mulheres. Não que esse "machismo feminino" seja pior que o machismo que vem dos homens. Também não vamos entrar nessa de "não existe nada pior que mulher machista", porque, bem ou mal, mulher machista não espanca outras mulheres (salvo exceções), mulher machista não vê mulher como sua propriedade e portanto não mata quem quer terminar a relação. Aquele ditado -- "O feminismo nunca matou ninguém. O machismo mata todos os dias" é muito verdadeiro. E esse machismo que mata todo dia vem dos homens machistas.
Porém, mesmo menos fatal, o machismo que vem das mulheres nos revolta, assim como o racismo que vem de negros, ou a homofobia que vem de homossexuais, porque ele perpetua e, pra muita gente, legitima preconceitos (a gente chama isso de validadoras). Como uma pessoa que pertence a um grupo historicamente oprimido pode querer colaborar tão avidamente com essa opressão? Será que a pessoa não percebe que está oprimindo a si mesma?
Algumas percebem, outras não. Há vários tipos de mulheres machistas. Imagino que existam mulheres que são conscientemente machistas em troca de vantagens. Elas veem que o machismo tem mais a lhes oferecer que o feminismo. Pode ser o caso de várias moças jovens e dentro do padrão de beleza que trabalham na televisão. Pra elas, o machismo proporciona oportunidades de emprego, ainda que não sejam empregos bem-remunerados (essas mulheres decorativas e sem voz recebem menos de R$ 2 mil mensais). 
O livro da americana Ariel Levy, Female Chauvinist Pigs: Women and the Rise of Raunch Culture (não sei traduzir, algo como "Porcas Chauvinistas Femininas: Mulheres e o Aumento da Cultura da Baixaria"), pode oferecer algumas pistas. Prometo falar mais dele em outro post, mas o que o livro basicamente diz é que muitas americanas jovens sentem que precisam provar que são liberadas sexualmente, que não são puritanas, que gostam de homem, e que -- pra não afugentá-los -- não são feministas. Então, muito mais que fazer sexo e buscar prazer, essas mulheres machistas têm que aparentar fazer sexo. 
E pra isso, dá-lhe Girls Gone Wild (infame programa de TV em que jovens tiram suas roupas em frente à câmera), dá-lhe frequentar clubes de strip tease, dá-lhe fazer aulas de pole dance. Muitas mulheres machistas (e hétero) afirmam que não gostam de mulheres, que sentem-se melhor entre homens (sabe aquilo de "odeio ter chefe mulher", "trabalho melhor com homens", "todos meus amigos são homens"?), que não gostam de "coisas femininas", como maquiagem e salto alto (embora, como aponta Levy, haja uma contradição: muitas dessas mulheres machistas têm como ídolas mulheres que são adeptas do "feminino", caso de estrelas pornô). 
Como explicar mulheres que comentam em blogs machistas, por exemplo? É triste ver meninas querendo ser aceitas por homens que as desprezam. E geralmente esses caras as desprezam apenas porque elas são mulheres. Mas elas não se tocam, e insistem em tentar provar pros machistas que são mulheres diferentes, que elas sim não são vadias, que elas sim sabem seu lugar, ou, dependendo do site, que elas sim têm senso de humor e sabem rir de piadas misóginas. 
Lógico que nem a sua sogra nem a avó do seu namorado entram nessa categoria de mulheres machistas. Elas devem ser mulheres tradicionais, que acreditam piamente em tudo que lhes foi ensinado pela religião e por outras ideologias: que homens e mulheres têm papéis sociais diferentes, e que o papel da mulher é ser submissa, servir, ser mãe, ser decorativa. 
Resumindo: há vários tipos diferentes de mulheres machistas e, sem dúvida, elas se detestam. Tipo: a vó do seu namorado deve achar uma pouca-vergonha o que faz uma jovem que se aproveita de um sistema machista (sei lá, uma Panicat, que defenderá o sistema até ser vítima dele). Uma leitora que manda foto sem roupa pro Testosterona deve achar sua sogra careta e ultrapassada. E por aí vai.
Mas uma coisa todas elas têm em comum: são ferrenhas anti-feministas. É o anti-feminismo que as une, mais que o machismo, que é difuso e se manifesta de diversas formas. Elas compartilham do estereótipo da feminista que existe há 170 anos, desde que as primeiras sufragistas inventaram que mulher devia poder votar. Sabe, né? Que feminista é gorda feia histérica lésbica peluda que odeia homem mas misteriosamente quer ser homem. Em geral, mulheres machistas não querem ser incomodadas com esse papo-aranha de que o mundo precisa mudar. Tá tudo bem do jeito que tá.
A maior parte de nós feministas já passamos por isso. Já fomos mulheres machistas, e temos que nos policiar para não incorrermos em atitudes machistas, racistas, homofóbicas do dia a dia. Sempre temos que lutar contra preconceitos internalizados. Não viemos de uma galáxia distante. Não é que Mulheres Machistas são de Marte, e Mulheres Feministas são de Vênus. Vivemos no mesmo mundo, que é um mundo preconceituoso. Muitas de nós tivemos a mesma educação da de mulheres machistas. 
É raro uma mulher feminista voltar a ser machista. Acontece, claro, e essas ex-feministas (agora anti-feministas) se tornam as poster girls dos machistas, mas é raro. Infinitamente mais comum é mulher machista virar feminista. E cada uma de nós tem um motivo diferente pra se tornar feminista, uma faísca individual que acendeu esta chama. 
Pra ser mulher machista não tem que fazer muito esforço: é só nascer onde nasceu e não sair do lugar. Mas não basta ser machista, tem que participar. Tem que patrulhar todas as outras mulheres para que elas voltem ao seu lugar de origem. Daí chamar de vadia a mulher que gosta de sexo, de folgada quem não serve o namorado, de respondona quem protesta.
Mas não se avexe não, Valéria. Você definitivamente não está sozinha.

130 comentários:

Thayssa Martins disse...

Lola, só um adendo: o machismo dos homens pode ser mais perigoso na questão da violência, mas o das mulheres, principalmente das mais tradicionais como a sogra da Valéria, é perigoso por essas costumarem ser as responsáveis exclusivas pela criação dos meninos que, no futuro, se tornarão abusadores. Não dá para definir qual é mais grave, já que um alimenta o outro. E, no fim, somos todos vítimas do machismo, inclusive quem não conseguiu se libertar da ideologia machista. Essas pessoas precisam de ajuda.

Be disse...

Valéria, você não está sozinha! Acontece a mesma coisa comigo! Namoro um garoto super cabeça aberta há dois anos, minha sogra é um amor e super querida, porém tem três filhos homens e se separou cedo, então os mimou muito e vive em função deles. Seja na cozinha fazendo prato preferido de cada um, arrumando quarto, passando a mão na cabeça e etc. Enfim, as vezes acho que ela age assim para suprir a falta do pai que sempre foi ausente. Contudo, eu faço a minha parte, lavo uma louça, arrumo minha cama e por ai, não vivo em função de limpar sujeira de marmanjo. No entanto, recentemente comecei a fazer parte de um grupo feminista da minha cidade. Então ela disse para o meu namorado em tom de piada: "cuidado hein! Faz direito, vai em manifestações, agora essa história de feminismo, daqui uns dias tá jogando tuas cuecas fora" como se eu fosse uma golpista, sei lá, por fazer direito, por saber demais, estudar demais, por fugir dos padrões de mulher que ela está acostumada a lidar. Enfim, o negócio é ter paciência e tentar explicar as ideias do feminismo com calma, quem sabe os mais básico do feminismo, ou ignorar e ser forte, se você acha que seu namoro vale a pena.

Machista/Facista/Nazista/Homofobista/Ciclista/ETCista disse...

Nossa, recolher um prato é muito degradante. Principalmente pra quem enche a boca pra dizer que é "dotô adevogada".
A avó do seu namorado ficou enrugada daquele jeito porque ela recolhia muito prato dos homens, sabia?
Mas Valéria, responda-me o seguinte: Quem acendeu a churrasqueira?
Opa, você não aprendeu isso na faculdade? Então vai lá recolher o prato do bofe, por favor.

obs: comentário não aprovado pela moderação por ter um toque subversivo demais.

Ane disse...

Valéria , eu me identifico com seu relato. Uma coisa é você ajudar, ser educado e dar uma força um dia quando a sogra estiver precisando, outra coisa é ser forçada e a única a fazer as coisas. Na minha familia mesmo é assim, as mulheres cozinham , colocam a mesa enquanto os homens ficam do outro lado bebendo e cortando a carne do churrasco, mas muitos dos meus tios ja sairam dessa zona e ajudam minhas tias, claro, sempre tem uma piadinha, mas eles nao ficam parados e dividem o serviço doméstico como deve ser.

Enfim é uma situação super chata memso..

Iara Sindrominha disse...

Eu sempre fui odiada pela maioria das minhas sogras...isso acontecia porque eu sou de perguntar,questionar e responder.Não me nego a fazer nada,mas quero saber porque e o que estou fazendo...isso é péssimo segundo as mulheres machistas porque assusta os homens,eles não gostam de mulher inteligente...minha tia diz que eu não sou tão inteligente assim,caso contrário já estaria casada e como ela diz-Do que serve ser inteligente se você não sabe esconder essa inteligência e assusta os homens?


É,tenho quase doutorado em assustar homens segundo as mulheres da minha família.E a única parte que me dói é ver como todas elas foram massacradas sem piedade pelos seus maridos,viraram sombras depois de anos de abuso...essa é a parte que eu tento explicar,por mais difícil que seja entender,o feminismo liberta,é melhor ser uma feminista em um mundo machista do que uma escrava em um mundo machista.Ser livre dói menos.

Anônimo disse...

Gente, vcs sabem de que livro/texto é essa frase da Rosa Luxemburgo?

Iara disse...

É irritante mulheres machistas, mas nós, mulheres, não podemos nos odiarmos por isso pq aí só quem ganha é o machismo com essa hostilidade umas com as outras. E gente, não dá pra culpar o oprimido pela opressão que sofre, a manutenção do sistema patriarcal é muito maior que isso.

Lord Anderson disse...

"que muitas americanas jovens sentem que precisam provar que são liberadas sexualmente, que não são puritanas, que gostam de homem..."


e essas mesmas jovens vão ser classificadas de "vadias", de "faceis" etc, principalmente quando disserem não pra um cara por quem não tenham interresse.


Não importe o quanto uma mulher colabore, ou seja prestativa, no mochismo, cedo ou tarde vai ser xingada (ou de vadia ou de maucomida).

A verdade é que enquanto houver machismo, mulheres sempre sairão perdendo.

DARK GUILD DEATH ADDER disse...

vejo esquerdistas e feministas alegando que revelar o lado obscuro feminino é machismo e deve da cadeia. e eles alegam que o instinto hipergamico da mulher de procurar o homem que ela considera superior como sendo uma consequencia do machismo. eu digo que o argumento de voces feministas, é falho. eu sofri bullying na adolescencia e vi com meus proprios olhos a natureza da mulher, por isso mesmo muitos anos depois quando o movimento da real surgiu, eu concordei 100% e levantei a bandeira do movimento, trazendo idéias de misantropia para o movimento.

se as garotas de 14 anos, antes de conhecerem qualquer tipo de ideologia, ja se molham pelos caras violentos da escola, é que isso faz parte da natureza da mulher e não existe machismo que influencie isso.

a mulher nunca vai se interessar por um cara que é zoado e esculachado por todo mundo.

Anônimo disse...

Nessa situação específica de ajudar na cozinha, não acho certo deixar tudo pras outras mulheres que estão na casa. Então meu jeito feminista de lidar com isso, é convocar meu namorado pra ajudar...

e de quebra ainda dou umas cutucadas no meu cunhado, que é um folgado que se usa do machismo e pede tudo pra minha irmã...

Anônimo disse...

O que vale mesmo é não se nivelar por baixo, não tentar discutir com quem não abre a mente e não está disposto a mudar e se reavaliar (seja aceitando suas idéias ou não!).A possibilidade de oprimir através de um movimento tão legítimo quanto o feminista me dói até mais do que ser oprimida, pois sei que eu NÃO ME TORNAREI MACHISTA mas posso me tornar ferramenta de quem tenta denegrir a nossa imagem como feministas...

Ale disse...

PARA Machista/Facista/Nazista/Homofobista/Ciclista/ETCista disse
O problema que a Valeria comentou não é ajudar na casa da sogra, o problema é acharem que só ela deveria fazer isso por ser mulher. É acharem que é obrigação dela lavar, passar e cozinhar para o namorado e depois marido, por ser mulher dele. É acharem que é obrigação dela. Entendeu a diferença? Ajudar não é humilhante, não importa o grau de instrução da pessoa. Qdo vivemos em casal, em familia e até com amigos, é normal dividir as tarefas. As vezes, quando um não pode, o outro acaba fazendo mais. É normal. A divisão nem sempre é 50%... depende da situação. Mas a imposição de que uma tarefa é obrigação por causa do gênero, isso tá errado. Onde eu trabalho tem bem mais mulher. Geralmente, pedimos aos rapazes que ajudem nas tarefas que demandam um esforço físico mais bruto. Mas não é obrigação deles por serem homens. Eu faço também, embora tenham coisas que eu não consiga sozinha e precise de ajuda. Entendeu? Entendeu a diferença? E nada disso é humilhação.

Bruno S disse...

Mais uma vez eu ia fazer um comentário sério, mas tive que interromper para dar uns risos.

O sujeito aparece aqui e diz que

"se as garotas de 14 anos, antes de conhecerem qualquer tipo de ideologia, ja se molham pelos caras violentos da escola, é que isso faz parte da natureza da mulher e não existe machismo que influencie isso."

Será que as meninas ficam isoladas da sociedade até fazer 14 anos, evitando ser contaminadas por ideologias sórdidas?

Anônimo disse...

O ilustre Machista/Facista/Nazista/Homofobista/Ciclista/ETCistanão sabia que além de tudo isso vc também não sabe interpretar um texto, ó pobre rapaz, o problema não é o fato de ajudar a recolher os pratos da mesa e sim achar que seja obrigação da mulher fazer isso, enquanto os os tais machos ficam coçando o saco! Acho que viver em sociedade implica nisto, todo mundo ajudar para que todos possam usufruir de algo.
O DARK GUILD DEATH ADDER, desculpa amigo eu também sofri bullyng qdo era criança, era gordinha e fui muito zoada principalmente por meninos, mas nem por isso acho que são todos uns babacas e etc, com o tempo fui mostrando ser muito mais que aparencia e sou gamer e rpgista muito melhor que eles!
Não é pq 1 ou outra mulher que te magoou q são todas horríveis sem coração, vc está conhecendo o lado errado (dark side) do movimento, procure realmente com fontes fidedignas (o blog da lola é ótima fonte, os textos com fundamentos e dados bem escritos) e procure pessoas que te façam bem.
Gente idiota tem aos montes, mas só cabe a você saber distigui-los e procurar amigxs e pareceirxs que te aceitem como é e te respeitem.

Marina disse...

"Uma vez estávamos em um churrasco e minha sogra (e não meu sogro ou cunhado) estava pra lá e pra cá com as coisas quando a avó do meu namorado se manifesta: 'Valéria, você não vai ajudar sua sogra?' De tantos outros homens fortes que estavam lá, ela foi justo pedir pra mim, que absurdo!"


Concordo em tudo com o post.
Mas, entrando na realidade cotidiana, acho que feminismo não pode ser usado como desculpa pra sogra fazer todo o trabalho sozinha e a pessoa ficar sentada porque quer comprovar um ponto de sua filosofia. Pelo contrário, acho que isso até gera antipatia pelo discurso.

Sendo o namorado tão cabeça aberta, eu falaria pra ele: ae amor, deixa sua mãe sentar e vamos nós lavar a louça. Realmente, não somos obrigadas a fazer isto por papel de gênero, mas pela educação prática sim. E aí, quanto mais homens pudéssemos incluir na ajuda, melhor!

Faço isso sempre em festas de família. Não quero ninguém lavando minha louça ou me servindo do mesmo jeito que não quero ninguém trabalhando só por ser mulher. ^^

Luiza Original disse...

Cara, eu vou ser a velhinha da foto hahahaha só que mostrando a lingua junto com o chifrinho!

Eu não tenho opinião formada sobre o machismo entranhado nas mulheres. Aquelas que ainda não tiveram a oportunidade de conhecer alternativas às suas vidas, como faz? Julga, chama de machista?

Agora, quando é uma dessas dondoquinhas de Facebook que gostam de tirar foto mandando as feministas lavarem louça só pra ganhar ração dos machos... essas eu quero que se explodam. Têm o conhecimento a um clique distância e insistem no erro. Paciência.

Anônimo disse...

Infelizmente, muitas famílias tem esse tipo de postura. Um primo meu defendia a então namorada da mãe e das irmãs, por que elas não aceitavam a independência da moça. Queriam que quando ela fosse visitá-lo no almoço de domingo lavasse toda a louça e limpasse a cozinha. Ele além de defender a namorada, fazia o serviço pra que ela não fizesse. Eles se casaram tem 3 filhos, dividem as tarefas domésticas e ela não está nem aí pra sogra e pras cunhadas, huahuahua.
Eu acho que o seu namorado tem que deixar bem claro que você é visita na casa e que se a mãe precisar de ajuda, que peça só pra ele. E que se dane o que a parentada chata, hauahauhauahuahauah.

Anônimo disse...

Certa vez, eu estava ajudando minha então namorada a lavar a louça qdo a mãe dela entrou na cozinha e foi logo avisando, ofendidíssima: "Na minha casa homem não lava louça!"

vivi disse...

usou o termo "hipergamico", acho que deve ser banido da caixa ed comentários!

esses homens de um real não valem nada.

lola, cade a moderaçao? ¬¬

nada pior que vir num blog feminista e ter que dar de cara com masculinistas de m*&¨$$##$¨&#$

Anônimo disse...

Eu ia argumentar com o tal de Dark Guild Death Adder (que nome legal! Diz muito sobre sua mentalidade...), mas cara, dizer o que sobre alguém que defende um "movimento" que luta para "revelar o lado obscuro da mulher"? Lado obscuro? Sério? O que essa galera de um real pensa que a vida é? Um episódio de Star Wars? Dá muita pena deles. Sempre que um desses caras aparecem aqui no blog da Lola a gente percebe que todos eles são muito jovens, do tipo adolescente frustrado. Todos têm uma mágoa enorme com as mulheres, tudo pq não conseguiram arrumar namoradinhas na escola. Mulher nenhuma gosta desses caras por um motivo simples: eles são escrotos e burros. Mas incapazes de admitir isso, ou tentar melhorar e virar gente, eles inventam mecanismos de defesas do tipo: "Mulher tem um lado obscuro, só gosta de caras ricos e mimimi, eu nunca tive namoradinha, chuif..." E se você argumentar que isso é mentira, uma vez que homens pobres namoram e casam, eles vão dizer: "mas homens pobres só casam com mulheres feias, as bonitas, que podem escolher ficam com os ricos, aí como eu sofro!"
O "argumento" é sempre esse, o que é hilário, pq ainda que fosse verdadeiro,prova o quanto estes seres se consideram os donos do mundo, uma vez que para eles é natural querer se relacionar com as mulheres mais bonitas, eles querem ter o direito de escolher, mas as mulheres não podem ter o direito de escolher também, as mulheres precisam aceitar o primeiro homem honrado que aparecer. Pq escolher alguém pela aparência física é mais digno do que escolher alguém pelo sucesso financeiro? Ao menos para ganhar dinheiro é preciso algum talento, algum "mérito", mesmo que mínimo. E para ter beleza? Pura sorte genética não? Isso sem falar que dinheiro é muito mais útil que beleza. Beleza eu encontro em qualquer lugar:belas paisagens, nascer do sol, revistas de decoração... Então queridos mascuzinhos, ainda que o preconceito doentio de vocês fosse verdadeiro e as mulheres escolhessem os parceiros considerando a conta bancária, ainda assim o critério feminino seria muito melhor que o masculino, que escolhe as parceiras pelo tamanho dos peitos. Estou sendo tosca e preconceituosa para ver se consigo falar sua língua, dear Guild Death.
Mas vou te meter a real: as mulheres não gostam de você pq você é escroto e extremamente desagradável, além de estar abaixo da linha da burrice. Ainda que você fique milionário, ainda sim será sempre a última opção de qualquer mulher.Ninguém nunca ficará com a calcinha molhada por sua causa. A única reação física que vc consegue provocar em uma mulher e em qualquer ser humano inteligente é ânsia de vômito. O problema não são as mulheres, o problema é você. Reconheça seu fracasso como ser humano.Lamento pela sua existência, para mim pessoas como você não representam os homens nem o universo masculino. Tenho o privilégio de conviver com homens maravilhosos, amigos e inteligentes. Totalmente oposto a você, que é a escória.

Telma disse...

Passei por uma situação engraçada: cheguei em uma festinha de criança e meu marido sentou ao lado do bebê conforto onde nosso filho dormia. Disse para eu comer que ele olharia o bebê. Percebi que ele estava desconfortável, não conhecia ninguém e me ofereci para fazer o prato dele ( como ele fez por mim tanas vezes, que fique claro). Ele, esfomeado, aceitou.
Antes de ir, juntei os pratos de quem já havia comido e levei ( uma camaradagem, pensei). Um convidado que sentou a nossa mesa depois olhou claramente reprovando minha atitude servil quando cheguei com os pratos do maridão e filha. Desde então nem ao menos nos cumprimenta!

Podemos embrutecer sem perder a ternura?

Me considero feminista e adoro ver os reflexos dessa mundividência nas atitudes da minha filha. Mas acredito que não deva ser algo limitante, mas libertador.
Valéria, concordo com suas palavras, mas.como me fez lembrar o ocorrido, resolvi desabafar e, se possível, buscar a opinião de vocês, leitor@s.

Beijoa

Camila disse...

Eu só não concordo muito com a parte que associa pole dance com mulheres perpetuando o machismo. Eu sei que existe essa imagem associada a stripers, mulheres querendo ser sexy pros maridos, namorados, etc. E essa pode ser a motivação de muita gente também. Mas o que posso dizer é que fiz algumas aulas e achei uma atividade física divertidíssima, que valia por si mesma. Tanto que nenhum homem jamais me viu fazendo. Não é tão diferente assim de ginástica artística, existem campeonatos, profissionais sérias, e até uma certa luta pra sua inclusão como esporte olímpico.

Patty Kirsche disse...

Ah, podem me chamar de radical o quanto quiserem, mas eu corto relações com gente machista. Fora minha família, da qual nunca vou conseguir me livrar completamente, não tolero mais ninguém. Se vier com papinho de desqualificar o feminismo, eu risco da agenda mesmo. E não tenho paciência quando vejo amigas minhas praticando slut-shaming. Sempre deixo clara minha posição e explico que chamar mulher de vadia é a mesma coisa que chamar negro de macaco. Algumas entendem.

Anônimo disse...

Alguém me responde: o que são esses machistas/masculinistas que acham que sabem qual é a "verdadeira natureza da mulher"? Eles acreditam mesmo que estão abafando quando vomitam ignorância sobre as mulheres? Pensam que alguém não percebe que eles só estão defendendo interesses misóginos e que seriam capazes de dizer qualquer coisa contra as mulheres pra sustentar isso? Eles acham que são o que (fofinhos? espertos? inteligentes? sensatos? interessantes?) quando fazem papel de coitadinhos nesse teatrinho infantil de "vítimas das mulheres", "mulher gosta é de cafajeste", "bonzinho só se fode".

Anônimo disse...

Só digo uma coisa, masculinistas/machistas: nenhuma mulher deve nada a vocês! Nenhuma mulher deve nada a homem nenhum. Se enxerguem e parem de fingir, todas essas mentiras só pioram a situação de vocês.

No fundo no fundo as mulheres já sabem. E um dia todas as máscaras vão cair. Vocês vão acabar enganando só a si mesmos. Que triste fim...

Cristiane disse...

Um dia, numa festa de família, tive que ouvir da MINHA avó a seguinte pergunta:
- Tu não vais servir a comida pro teu namorado?
- Não, ele tem mãos e braços - respondi.
O meu namorado riu. Eu quase espumei.
Mas, tudo bem, a vida segue.
Bom saber que não estamos sozinhas na malcriação.

Anónima da saia disse...

Bom o machismo das mulheres é geralmente inconsciente. Ainda somos as principais transmissoras dos valores culturais que nos sao impostos. Ainda somos as principais educadoras dos nossos filhos. E muitas ideias estao muito arraigadas como por exemplo uma vez que a minha mãe me disse que homem por ter testosteroma sao mais empreendedores (estávamos conversando de porque eu dei tantas voltas na minha vida, demorei para achar o que realmente gosto profissionalmente falando).
Durante muito tempo os meus pais acreditavam firmemente que a maior felicidade em uma mulher é o casar e ter filhos. Eu nem casei nem tive filhos e sou muito bem realizada com a minha vida. Nao tenho paciência com crianças, alias nem gosto de crianças. E eles viram que aquilo que eles tao firmemente acreditavam era um estereotipo nao necessariamente a verdade.
As pessoas felizmente vão mudando com o tempo, mas combater o machismo que existem em todos nos é dificil.
Eu me pego com muitas ideias machistas muitas vezes. Por exemplo, sempre gostei de esmalte vermelho, mas tinha receio de usar porque temia que os homens pudessem me ver como "uma mulher pouco seria" ate que um dia percebi que justamente um bom esmalte vermelho pode ser ate um "chega pra lá" nos machistas. Homem que acha que vc é isso ou aquilo porque pinta as unhas de vermelho e nao de rosinha é um babaca que nem vale a pena.
Ja me peguei pensando "puxa nao vou usar saia para evitar ser violentada "( de aqui surgiu o meu Nick me lembro bem) ou querer sempre que seja o homem quem tome a iniciativa... Etc. O machismo esta muito arraigado dentro de nós.

Falando em anti feministas, eu mesma num passado ja me peguei conversando com homens com frases de "eu nao sou feminista, elas sao muito radicais". Tem uma pagina web chamada "mulheres anti feministas" que falam muito sobre isso, de feministas da epoca do onça e tratam como se todas as feministas fossem assim. Falam que a pilula anticoncepcional masculina nao esta no mercado por culpa das feministas e outro dia postaram um vídeo de uma mulher com dados historicos e tudo falando que tudo o que a mulher conquistou nao foi pelo feminismo mas sim porque os homens assim o quiseram, mas que pouco mereciam ,afinal os homens lutam por eles e pelas mulheres. Dando a entender que tudo o que conseguimos foi porque somos manipuladoras e chantagistas.
Outro dia postaram sobre o estatuto do nascituro mas como elas tem raiva das feministas nao conseguiam admitir que essa aberração do estatuto fere a liberdade de todas nós e tinham que dar um jeito de defender. Muito foda.

Eu admito que falta muito ainda para que eu possa me identificar como feminista verdadeiramente. As vezes acho que temos que ser todas como margareth tatcher que nao era feminista, que lutou pelo o que queria sem defender os outros direitos pra ela chegar no topo. Admito, as vezes penso assim, principalmente na minha vida pessoal. Eu quero chegar no topo e me importa bem pouco defender outros direitos de outras mulheres ou minorias. Confesso, sou liberal e de direita. Confesso, sim. E confesso ser egoísta, quero o melhor pra MIM. E por isso nao aceito homem machista ao meu lado, mas tampouco luto de frente pelos direitos das mulheres. Nao sei, é uma confissão,

No entanto acho que nao agindo como machista ja contribuo bastante. Construímos dentro de casa os novos valores.

Abraços.

Anônimo disse...

Quero saber qual faculdade que ensina a acender churrasqueira! Daí não vou precisar recolher os pratos, aee!

Anônimo disse...

Vejo minha avó fazer isso com a esposa do meu irmão direto. Quer se meter na vida deles. Ela agora vai voltar a trabalhar depois da licença maternidade e minha vó tá puta por causa disso. Ela não gosta quando chega na casa deles e meu irmão tá cuidando do filho sozinho. Olha, muita dó da minha cunhada..

Anônimo disse...

DARK GUILD DEATH ADDER disse:

" ...se as garotas de 14 anos, ANTES DE CONHECEREM QUALQUER TIPO DE IDEOLOGIA,..."

apenas digo:

http://www.youtube.com/watch?v=-MK1q9fZjeI

bjao reflita

Anônimo disse...

~ sou o anônimo que dedicou o vídeo do caetano ao DARK GUILD DEATH ADDER ~


Ok, dando a dica da charada pra sua reflexão:


Em que país que você vive onde garotas de 14 anos não tiveram contato com nenhum tipo de ideologia? Porque assim, até pra Platão (que, se eu não me engano, foi o primeiro a pensar nesse tipo de coisa, e desta forma, faz MUITO TEMPO ATRÁS), até quem mora em caverna desde que nasceu é influenciado por algo. rs

Bjs boa reflexão, queridão.

(dando dicas porém sem entregar a cereja do bolo)

Anônimo disse...

Gente, eu sou tão lesa que se uma sogra falasse pra eu colocar o prato do meu namorado eu ficaria uns 30 segundos tentando imaginar porque ela me pediria isso

ah, mas é porque eu sou mulher!!!
Faz todo o sentido. Só que não.

Anônimo disse...

Eu acho que as mulheres machistas ou colaboradora dos machistas, como preferir, agem como carrascas das outras mulheres porque é do modo machista, servil e limitado, que elas acreditam que as mulheres tem que se comportar. Daí as mulheres mais velhas, geralmente mães, tias, avós, tentam re-forçar esse comportamento nas mais jovens, porque "é assim que as coisas são e sempre foram".

Mas também acho que elas sentem inveja das mulheres livres e independentes, por terem a liberdade que elas queriam ter mas acham que não merecem e têm medo de punições por não se comportarem de maneira subserviente ou das consequências que vêm com a liberdade e a independência, que são muito temidas por homens e mulheres machistas.

Anônimo disse...

"eles querem ter o direito de escolher, mas as mulheres não podem ter o direito de escolher também, as mulheres precisam aceitar o primeiro homem honrado que aparecer."

Isso se chama "entitlement". Achar que tem direito a alguma coisa porque é homem. Eu não sei quem enfiou isso na cabeça deles mas foi alguém muito sacana. Agora que as mulheres tem alguns direitos de escolha as coisas ficaram bem mais complicadas pra esses tipinhos..

Anônimo disse...

Anon 17:50, esses acreditam piamente que sabem mais de mulher do que as próprias mulheres. E nem tente dizer que estão errados, porque obviamente eles estão sempre certos e mulheres são todas mentirosas.

B. disse...

Lola! Este post foi PARA MIM...simplesmente não SUPORTO mulher machista, não tenho paciência mesmo.

Concordo com vc quando diz que o machismo feminino não tem a carga de violencia dos homens( estupros, espancamentos), mas tal comportamento é bem bizarro.

Recentemente passei por uma situação bizarra. EStava eu e algumas mulheres da família e amigas. Até que o papo evolui para empregos e tal e uma delas falou sobre trabalhar apenas com homens ( ou seja, ela sendo a única mulher no escritório):

- Ah mas eu prefiro assim, mulher é tudo maldosa...etc..
Não me aguentei e perguntei:
- E vc é cobra tb?
E ela respondeu : "Eu não..."

DA PRA ENTENDER?
Não sei vc LOla, vc parece ser bem "privilegiada" por não conviver com mulheres machistas, mas o que vemos aqui é que é a nossa realidade. Simplesmente não consigo entender...

Rê_Ayla disse...

Mulheres machistas são um produto do meio no qual foram criadas. Mas não acho que sejam apenas isso e as vejo, muitas vezes, como ameaças também.

Enfim, o texto que eu fiz recentemente sobre isso: http://dozeeum.blogspot.com.br/2013/06/eu-ja.html

MATRIX responde sobre a plugagem delas a esse sistema todo ;)

DARK GUILD DEATH ADDER disse...

''Só digo uma coisa, masculinistas/machistas: nenhuma mulher deve nada a vocês! Nenhuma mulher deve nada a homem nenhum. Se enxerguem e parem de fingir, todas essas mentiras só pioram a situação de vocês. ''

não devem mesmo, mas ate hoje eu nunca conheci uma mulher que não fosse submissa a um homem que ela considere ''superior'', a mulher não ama o homem em si, apenas o que ele representa socialmente ou o que ele tem de riqueza. geralmente essa representaçaõ social é status, conheci caras violentos, tatuados e playboys, que sempre tinham namorada.

voces pagam de livres e independentes pra caras fracassados, mas sempre se submetem a um homem que voces consideram superior.

eu quero ver é alguma mulher bonita, não se submeter a nenhum homem, isso não existe. a natureza da mulher é ser utilitarista. como tem muito cara endinherado que é frouxo e beta, as mulheres aproveitam pra separar, tirar os bens do cara, cobrar pensão, essas coisas que o feminismo permite e aumenta cada vez mais a hipergamia da mulher.

eu inclusive conheci uma lesbica muito bonita a 10 anos atrás, que dizia não gostar de homem, mas uma vez ela foi pra um motel com um destacado endinherado e comedor e violento.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acho que esses dois exemplos de mulheres machistas que a Lola citou são parte daquela dicotomia que o machismo criou e no fundo, apesar de não se darem bem, um estilo acha alguma serventia no outro...
Acho que mulheres jovens machistas no estilo que a Lola citou tem uma relação diferente com serviços domésticos.
Elas acham que é sim serviço de mulher, mas mulher de classe social mais baixa, mulher mais velha, mulher negra. Enfim, os preconceitos vão sendo somados.
E acho que na cabecinha das machistas tradicionalistas, apesar de não gostarem de mulheres mais liberadas sexualmente, acham que essas tem que existir pra servirem como diversão, pra "preservarem" suas filhas, até os homens resolverem se casar ou coisa assim.
Elas acabam se complementando...

B. disse...

Tenho que ler isso na minha timeline hoje no Facebook, uma ex-colega minha:

"Para você que espera pacientemente por horas enquanto as mulheres experimentam inúmeros sapatos e roupas;

Para você que simplifica atividades torturantes como trocar pneus, lâmpadas e abrir potes."

gente, como pode ???

MonaLisa disse...

Eu nunca fui machista.

E não concordo que machismo de homem é pior do que mulher. Uma mãe que protege ou acoberta o filho estuprador ou agressor de mulher ta no mesmo nível de sociopatia pra mim.

Toda vez que ia na casa de minha avó paterna, a primeira pergunta dela era se eu tava namorando (dava vontade de responder que to escolhendo bem pra não acabar como minha mãe que apanhava do meu pai rsrs), ela não perguntava se eu tava estudando ou trabalhando. Só pros meus irmãos. E eu comecei a me encher disso, pq eu sou a única que vou visitar ela, meus irmãos não estão nem ai e ainda tenho que dar dossiê deles. E uma vez falei pro meu pai que na próxima vez, xingaria ela, pq não vou pegar qualquer porcaria pra agradar família. E depois disso ela parou de perguntar.

A minha avó materna, criada com os mesmos valores, não fica com essas palhaçadas, por isso que penso que a mulher escolhe ser machista sim.

Edna disse...

Valéria, sei o que vc diz, entendo perfeitamente, fui criada numa família onde todas as mulheres são machistas! Você está bem pq seu namorado não é assim!

Anônima da saia disse...

Falando em mulheres que dizem que nao gostam de outras mulheres, isso é uma coisa que me deixa doente. Mas é o que mais ouço ao meu redor, desde a minha mãe que sempre dizia "mulherada é um saco so sabem reclamar" ate a minha (pasme! ) MELHOR AMIGA que é como uma irmã para mim (sempre mostrou estar do meu lado nos piores e melhores momentos e com ela me sinto livre. ) mas ela tem essa coisa de dizer que eu sou exceção, porque é quase impossível ter amigas mulheres, que sao todas falsas. Eu lhe digo mas minha amiga, amizade com letras maiúsculas sao muito raras, nos somos amigas desde a adolescência, fazem mais de uma década. E somos duas mulheres!
Dificil ouvir "chefe mulher é a pior coisa que existe" eu sou chefe e é dificil, vc tem que ser durona e é a puta, o outro chefe é durao e é macho..... Pior é mais dificil mesmo ser chefe mulher tem muito mais boicote contra a gente. Triste qd é por parte de mulheres e quando é por parte de homem é em um nível sexual. Complicado

Carol NLG disse...

Vou admitir: eu já fui, se não machista, pelo menos validadora.

Do tipo que repetia: não sou feminista, sou anti-sexista; ou do tipo que repetia que preferia ter amigos homens, que mulheres só querem roubar namorados.

Cresci, amadureci e vi o tanto que estava errada. Sou feminista, justamente porque sou contra sexismos. Tenho grandes amigos homens e mulheres. Atualmente, vá lá, trabalho num ambiente onde a única outra mulher é a faxineira. Não é uma situação ideal, e vou trocar de posto no fim do ano - e esse é um dos motivos.

É impressionante o tanto que o machismo é arraigado na gente. Minha mãe, que sempre trabalhou fora e foi independente, sempre me ensinou que é melhor ter amigos homens. Aliás, minha mãe volta e meia insiste que eu deveria ter uma empregada só porque meu marido e eu dividimos as tarefas. E ela fica chocada quando liga ee ele está... lavando a louça (choque!). Aparentemente, ele vai me trocar por uma mulher de verdade, que faça tudo fora e dentro de casa. Já está devidamente avisadinho que se o problema for esse, a porta da rua é serventia da casa. Nós dividimos todas as tarefas do lar. Como deve ser, afinal, nós dois moramos aqui. Nós dois usamos a louça. Nós dois sujamos roupas. Nós dois usamos o banheiro. Por que só um deveria limpar/arrumar?

Anônimo disse...

Ai Lola, tem hora que você libera esses comentários mascus e dá um choque de realidade em nós!! hahaha

They DO exist!!!

DARK GUILD eu realmente me submeto a um homem que julgo superior, ele se chama PAI...

Então gente, como estávamos falando... sabe que tem amiga minha, que não da pra dizer que é exatamente ignorância, pois elas tem conhecimento, cultura e etc.. o problema é que elas realmente acham que está bom viver assim, lavando a louça do domingo...

Acho que ela não enxergam que essas pequenas atitudes, legitimam atitudes muito mais graves, como a violência, ou a exploração das mulheres mais pobres, por exemplo...

Anônimo disse...

Sawl - The Rebel

Para DARK GUILD DEATH ADDER

Caro.

Sim existem mulheres que independentes de serem: bonitas, feias, bissexuais(sua conhecida NÃO É LÉSBICA e sim bissexual) ou héteros se submetem a homens ricos.
Mas eu afirmo, sua generalização mostra o quanto você não sabe NADA DE MULHER!
Por acaso a senhora tua mãe se submeteu ao teu pai por ele ser rico?!

Outra, desde quando sexo é "a mulher se submeter ao homem"?! Em que século vc vive?!
Se o "submeter" se refere à mulheres que se envolvem com homens apenas pelo status e dinheiro, sim, existem mulheres assim, mas, não são TODAS!! Se TODA mulher é interesseira vc tá incluindo sua progenitora nisso.
Suas declarações ridículas são de um pseudo-homem que não sabe NADA sobre mulher de verdade.
O que é "mulher de verdade"? É aquela que: trabalha, luta pelos seus direitos, cumpre seus deveres, é umja cidadã.
Enfim, são milhões de brasileiras.
Você classificando uma maioria por uma minoria mostra que não passa de um babaca misógino, que é um ser humano desprezível e um homenzinho digno de pena.
Dica pra vc: saia do armário e seja feliz!!!

Sawl - The Rebel

afrolesbofeminista disse...

Eu me divirto com os mascus. Dá até pena, parece um monte de criancinha sem noção, sem rumo, precisando de uns conselhos de adulto.
Me surgiu uma dúvida, por que mascus gostam de ler blogs feministas, já que eles nos odeiam?

Quanto ao post. Minha mãe mora com meu pai, meu irmão, um primo e um neto, ou seja, só homens, e ela faz tudo, tadinha. Eu e minha irmão já saímos de casa, mas quando vou visitá-la eu procuro ajudar, porque sei que os afazeres domésticos não foram feitos para serem executados apenas por mulheres, mas se uma mulher não ajudar a outra, quem ajudará? Só acredito em uma revolução cultural se cada mulher ensinasse o seu filho a não ser um adulto machista.

Talita disse...

"Pra ser mulher machista não tem que fazer muito esforço: é só nascer onde nasceu e não sair do lugar." Super verdade isso, Lola!
Minha mae é mega tradicional, ela vive policiando minha risada, por exemplo, que segundo ela é escandalosa demais... Desde sempre eu ouco "Ser X coisa é feio, mas mulher X coisa é pior ainda".
E se eu nao tomo conta do meu discurso acabo repetindo as mesmas coisas...

Anônimo disse...

Dark Guild parece que conhece todas as feministas do mundo. Acho super interessante quando vem alguém e dá uma de porta voz. Não consigo entender como essas pessoas sabem tanto das outras para poder colocar tudo numa mesma panela e pronto: é tudo igual mesmo. Depois ficam de "mimimi" não generalize os homens e bla bla bla...

DARK GUILD DEATH ADDER disse...

'' Se TODA mulher é interesseira vc tá incluindo sua progenitora nisso.''

meu pai não é rico, mas ele tem um bom emprego, e isso obviamente contribuiu pra minha mãe casar com ele. eu cheguei a falar isso pros meus pais esses dias, porque meu pai perguntou sobre o que eu fico tanto tempo no orkut discutindo, nisso veio o esporro, e eu prefiro nõa falar mais sobre isso aqui em casa.

toda mulher é utilitarista, aliás, eu não creio nem no amor nem na amizade, acredito eu, que a verdadeira REAL é a misantropia. em 2011 quando conheci a REAL, eu ja trouxe comigo as idéias de misantropia e espalhei na REAL isso.

sou descrente no ser humano, o que me faz pender pro meu pessimismo em relação ás mulheres.

Rafa Angel disse...

Acredito que essas que se tornam ex-feministas eram pessoas que nao compreenderam o feminismo direito ou tinha preguiça de auto-reflexao.Feministas precipiantes,so deve ser.Ou por amor cego a algo machista.Ou o mundo tá assim,e vai continuar assim ou eu vou morrer e nao vou ver a igualdade,desisto.
Pq é inimagivel ex feministas.

Sara disse...

Vc não esta só Valeria..

Unknown disse...

Também ouvi a vida inteira da minha mae o "ser X coisa é feio, mas ser mulher X coisa é pior". Muito triste.
Uma amiga uma vez reclamou porque ajudou a mae a passar as roupas do irmao enquanto a namorada dele via TV. Eu perguntei porque ela tava braba com a cunhada e nao com o irmao (!?). Minha amiga teve uma epifânia. Ela teve uma criacao tao machista que nunca nem passou pela cabeca dela antes que homens podem passar roupas!
Uma amiga disse que o filho-bebe chora quando está só com o pai. Eu comentei que a minha sobrinha-bebe fica tao bem com o pai quanto com a mae. Daí minha amiga disse que menino é mais agarrado na mae. Fiquei quieta pra nao magoar ninguém, mas meu amigo é um bom "pai tradicional", enquanto meu cunhado realmente cuida. Acho que tá aí a diferenca, né!
Já acabei um longo namoro por causa da família machista dele, nao daria para criar uma crianca livre de preconceitos com aquele entorno familiar.

Paula disse...

"O livro da americana Ariel Levy, Female Chauvinist Pigs: Women and the Rise of Raunch Culture (não sei traduzir, algo como "Porcas Chauvinistas Femininas: Mulheres e o Aumento da Cultura da Baixaria"), pode oferecer algumas pistas. Prometo falar mais dele em outro post, mas o que o livro basicamente diz é que muitas americanas jovens sentem que precisam provar que são liberadas sexualmente, que não são puritanas, que gostam de homem, e que -- pra não afugentá-los -- não são feministas. Então, muito mais que fazer sexo e buscar prazer, essas mulheres machistas têm que aparentar fazer sexo. E pra isso, dá-lhe Girls Gone Wild (infame programa de TV em que jovens tiram suas roupas em frente à câmera), dá-lhe frequentar clubes de strip tease, dá-lhe fazer aulas de pole dance."
Eu li esta parte e achei muito contraditória com o que muitas amigas feministas dizem. Elas gostam de Valesca Popozuda, que é uma funkeira bem erótica, se esforçam para a aprender o quadradinho de 8 e dizem que filme pornô não rebaixa a mulher. E como então a mulher que se sexualiza ao extremo foi tratada neste post como colaboradora do machismo? Entendi, então, que houve uma valorização da mulher, digamos, pelo recato. O velho recado: "Se valorize e não se mostre muito, querida". Concordei com todo o resto. Mas esta parte me pareceu contraditória com o pensamento feminista que me é apresentado. Ou seja, foi extremamente machista e conservador por parte da blogueira.

André disse...

"eu cheguei a falar isso pros meus pais esses dias, porque meu pai perguntou sobre o que eu fico tanto tempo no orkut discutindo, nisso veio o esporro, e eu prefiro nõa falar mais sobre isso aqui em casa."

Isso, melhor continuar assistindo Bob Esponja Cabeça Quadrada.

Anônimo disse...

Foge do assunto do post, mas devemos abrir os olhos:
Bancada religiosa pressiona Dilma a vetar projeto que atende vítimas de violência sexual:
http://oglobo.globo.com/pais/bancada-religiosa-pressiona-dilma-por-proposta-9048471

É revoltante!Nem mesmo quando a mulher é vítima de um crime tão bárbaro eles deixam de voltar suas baterias contra nós. Essa paranóia anti-aborto é tamanha que querem impedir o atendimento médico a vítimas de estupro!!

Paty Nunes

Anônima da saia disse...

Unknown: triste tudo isso sim. Criança é mais agarrado a aquele que mais da atenção e carinho a ela. A familia do meu irmao é tradicional no sentido que ele trabalha fora e a minha cunhadaa é dona de casa e cuida dos filhos. mesmo assim nos fins de semana ambos dividem as tarefas (pois trabalhar fora é 5 dias a semana e dona de casa é 7, ne) Quando a minha cunhada teve a primeira filha sofreu de depressão pos parto e quem cuidou da filha foi o meu irmão. A menina ficou muito mais "agarrada" ao pai que a mãe.
Eu tenho uma amiga que tb vem com esse papo de bebe é coisa de mulher, pai é pra diversão, fazer o churrasco, mãe é pra educar e dar amor aos filhos (!) eu ate desisto de falar que nao é assim, que depende do temporize vc dedica a criança.

A epifania da sua cunhada foi engraçada, comigo foi a mãe de um ex namorado que teve uma epifania comigo, ela estava passando a roupa do filhao e esse começou a reclamar que tava mal passado (eu ja comecei a ficar alerta) ai eu disse "vc tem dois braços e nao é nenhum inútil, pega o ferro e passa vc" ele me olhou e passou, a mãe dele me disse "puxa como vc consegue, eu tento tanto"

So que eu vi que assim ele so passou ali na hora pra "fingir" pra mim ser um cara nao machista, mas eu ja tava vendo no futuro ele fazendo o maior corpo mole. Nao adianta a mãe falar mas depois fazer por ele.

Como uma vez eu morava com um namorado e ele ia deixando a roupa suja pelo chão, EU NAO RECOLHIA. qd passou um mês a casa tava um espanto de roupas dele espalhadas pelo chão e ele reclamando que nao tinha roupa limpa. Eu disse "ue bastava vc por no cestinho de roupa suja, era o mínimo, ja que depois é so por na maquina."
Nunca mais vi roupa espalhada pela casa.

Eu sei que da nervoso ver casa suja e tem homem que se aproveita disso, queima a roupa passando a ferro de propósito pra dizer "como homem nunca vou fazer direito" deixa a louca mais suja depois de lavar que antes tudo pra fingir que sao inúteis e assim perdermos a paciência e fazermos por eles. Mas isso é chantagem. Melhor a gente se agüentar um mês vivendo no chiqueiro, eles mesmo nao vão agüentar e começam a ajudar. Experiência própria.

Anônimo disse...

Aff gente esse DARK GUILD DEATH ADDER, não deve nem ser maior de idade, um projeto de mascu, que tomou toco das menininhas do colégio e veio descontar toda sua ira aqui no blog!
Quando vc sair do bob esponja (como disse o colega André), e passar para Dragon Ball Z, vc pode vir usar todo o seu repertório ok?
O que dizer de um cara que ainda entra em discussões no famigerado orkut? Qual vai ser a proxima? Regredir ao mIRC?

Ingrid disse...

Gente, eu tenho uma dúvida: isto -"uma Panicat, que defenderá o sistema até ser vítima dele). Uma leitora que manda foto sem roupa pro Testosterona" não seria slut shaming?
Sei que essas são "tradições" da cultura patriarcal, mas e se a mulher gosta?

Felix disse...

Eu achava que pior (pior para a relação amorosa. Claro que o pior mesmo é o homem que violenta e a mulher que manipula) que mulher feminista era o homem feminista. Mas aí descobri que pior mesmo é a mulher ex-machista que pensa que se tornou feminista. Explico.

É aquela mulher que acha que se endireitou com o tempo. É como falou um cara da REAL (risos) acima. São mulheres que se dizem livres e independentes para os fracassados e homens que não conseguem fazer com que elas sintam algo que adoram: fortes emoções.

São mulheres que exigem de homens que consideram comuns (muitas vezes é o próprio marido) amor e respeito em tudo, porque dizem que só aceitam a reciprocidade completa nas relações. Muito bonito, é isso aí! Mas secretamente sabem, e não confessam nem para o travesseiro, que adorariam ter lavado e passado para homens que consideraram superiores, aqueles mesmos que a rejeitaram e deixaram nelas a marca da paixão crônica.

Anônimo disse...

Oi Valéria,
Sabia que eu já terminei um namoro por causa disso ? Na época eu tinha 19 anos, e fomos com a familia dele + alguns amigos para a casa de praia. Almoçamos e todo mundo foi a praia, menos a vó e a mãe, que recolheram os pratos e lavaram a louça. Depois fui saber que foram falar mal de mim para o meu namorado. Quando perguntei o que que tinha falado para me defender, o bocó respondeu ‘nada ué, elas falaram a verdade. ‘ Resultado ? Fim do namoro. Depois voltamos a namorar. E adivinha o que ? Como a vó dele viu como o neto dela ficou mal com a nossa separação, me tratava igual uma rainha. Nunca mais encheu a paciencia. ( que fique claro : NADA contra ajudar, mas não ajudo se os homens não ajudarem. E isso)

Mas isso faz muito tempo, 10 anos já. Hoje tenho 29 e assumi algumas coisas, por exemplo : NAO AJUDO SE A HOMARADA NAO AJUDA . Tem coisas que eu não posso aceitar, é príncipio memso, sabe ? E hoje, estou saindo com meu novo namorado. Ele é um lindo, mas semana passada fui na familia dele e meeeesma coisa. Mulherada lavando louça, homarada tomando cerveja. Eu decidi: não lavo a louça enquanto os homens não lavarem. E ponto. E se alguém vier reclamar, falo em alto e bom som : NAO. Não é um assunto aberto a discussão. E se eles não gostarem de mim por essa razão, paciência. Esses são príncipios tão enraízados em mim, que não faço concessão nenhuma. Prefiro que eles não gsotem de mim a passar por cima da minha essência.
Beijo enorme, e coragem.

Alinka

Virginia disse...

Olha, fica difícil a relação com um homem que acha que internamente, lá no fundo do coração da mulher, mesmo que ela nunca confesse, o sonho dela era ser capacho de homem.

É por isso que vcs são tão fracassados na vida amorosa, rapazes masculinistas. Nenhuma mulher atura um homem com essa mentalidade.

Mentira. Vocês são tão fracassados na vida amorosa porque são misóginos mesmo.

Anônimo disse...

Felix, você realmente acredita que tem mulheres que realmente acha algum homem superior? Hahahahahahaha Tadinho.

Essa história de superioridade masculina é um mito que os homens inventaram pra se compensar. Só porque esse mito vêm sendo arrastado através dos séculos à base de violência e silêncio não significa que ele se tornou realidade, seu tolinho.

Todas as mulheres, no fundo, sabem que a superioridade dos homens é uma farsa, e aquelas que aparentemente a defendem estão apenas buscando aprovação nessa sociedade machista. Aprovação esta que, dadas as circunstâncias hostis às mulheres, muitas vezes significa sobrevivência.

Uma dica pra você Félix e qualquer outro homem que acredita no mito da superioridade masculina: parem de subornar seus egos com essas mentiras, só estão fazendo papel de bobos nessa tentativa fútil de adiar o futuro. A verdade sempre vem à tona e parte dela já chegou: Vocês nunca serão os homens superiores, tal coisa não existe. Na verdade, nenhum homem é superior às mulheres, nem mesmo os "destacados" e "endinheirados" que vocês tanto invejam.

Anônimo disse...

" Essa paranóia anti-aborto é tamanha que querem impedir o atendimento médico a vítimas de estupro!!"

Essa corja religiosa é toda formada por psicopatas.

Anônima da saia disse...

Credo Felix, esse tipo de mulher nao seria a masoquista nao?

B.P. disse...

qual é a desse termo 'slut shaming'? por que não chamam misoginia pelo nome, e em português mesmo? se querem se referir a misoginia específica existem muitos termos alternativos: repressão da mulher, constrangimento da sexualidade feminina, etc. etc. etc.

mas parece que o ponto de quem usa esse termo 'slut shaming' é o medo da crítica feminista à construção da sexualidade na sociedade patriarcal, como se dissesse 'parem de ser críticas a comportamento X, feministas, não importa se foi instilado nas mulheres pelo patriarcado nem se ajuda a sustentá-lo, se a mulher gosta tá liberado, criticar isso é misoginia'.

é variante pós-moderna do 'não precisa disso, você é tão cri-cri' ou do mais tradicional 'eu vejo de outra forma, você que critica a misoginia que está sendo misógina'.

os homens e o sistema patriarcal agradecem!

Anônimo disse...

Anon 11:27

A mulher "gosta" de mandar foto de biquini pra um site misógino?

Eu acho esse "e se a mulher gosta" muito perigoso. Pode servir tanto para "e se ela gosta de comer merda?" até "e se ela gosta de viver sob uma religião machista na qual ela é considerada subhumana e deve ser eternamente submissa sendo que isso muitas vezes significa risco de vida pra ela?"

Ou seja, é muito cruel além de perigoso.

Felix disse...

Anônima 1: As mulheres, sim, acham que um homem é superior em relação a outro homem, não em relação a ela mesma. Nesse ponto, ela, quando se apaixona, se acha merecedora do homem superior.

Portanto, ele não é superior a ela, mas sim superior em comparação com outros homens. Logo, ela adoraria lavar e passar para ele, porque ele recompensa isso, na cabeça dela, sendo um homem superior que a agrada de outras maneiras. Isso fica ainda mais forte quando a paixão não é correspondida ou até mesmo rejeita. E isso não significa que ela queira ser escrava dele.

Importante: Não estou generalizando, só vejo que há várias mulheres assim. E que triste é ver uma casamento quando a esposa acha que se casou com um homem inferior a muitos homens...

Anonima 2: Esse tipo de mulher não é masoquista. É apaixonada, tem sentimentos. Enfim, sensações que não podem ser extintas por decreto ideológico.


@vbfri disse...

Eu ia ficar quieta...
Mas o outro me vem com discussão no orkut (chorei de rir) e com papai dando bronca (aqui eu dei gargalhadas mesmo) e daí eu decidi que era bom demais para passar em branco.
ADORO como esses machos de 1 real ainda moram com os pais e acham que a culpa de todas as mazelas masculinas é das mulheres, esses seres sem coração.
Aiai...
Filho, deixa eu te explicar uma coisa... Vamos lá... Presta bastaaaante atenção...
As pessoas equilibradas (homens e mulheres) gostam de pessoas independentes. Porque é mais divertido. Tipo, não dá pra sair com o rapaz se ele fica no "mimimi, mas a minha mãezinha isso, minha mãezinha aquilo". Não dá para FICAR com um rapaz se ele fica no "mimimi, mas minha mãe faz mingal (sic) pra mim..."
Na boa, você tem dois braços, duas pernas, quer comer comidinha especial, faça você mesmo. Quer alguém que passa sua roupa, contrate uma faxineira.
E, exceto em situações MUITO pontuais, a minha tendência é fugir de homens que moram com os pais. Idade limite para criar asas: 30 anos, sendo MUITO boazinha. 25, se for ser realista.
Eu até gosto de cozinhar e fazer agrados para as pessoas que amo (amigos, familiares, namorados), mas se eu sentir OBRIGAÇÃO, tipo, é meu DEVER de MULHER, caio fora.
Entenda, não é porque você é "bonzinho" (muitas aspas aí) que a mulher te dá toco... é porque você é CHATO. Mimado. Infantil. Mascu.
---
Olha que tem xará minha nos comentários!! Êeeee!

Oi, Virginia!

Muito amor pelo seu comentário, a propósito!

Anônimo disse...

Felix, me diz se eu entendi direito: você está culpando as mulheres pelas disputas e hierarquias que os homens criam pra se afirmarem superiores uns aos outros? Ou você está dizendo que as mulheres são culpadas só quando buscam o que consideram o melhor pra si mesmas (que muitas vezes não é o que vocês acham) em vez de receberem de braços abertos (na verdade de pernas abertas, que é o que vocês querem) o primeiro homem carente e necessitado que cruzar seu caminho?

DARK GUILD DEATH ADDER disse...

''a minha tendência é fugir de homens que moram com os pais. ''

óbvio, é a natureza da mulher querer um cara que banque ela. óbvio que ela não vai querer cara fracassado.

e essa tua mentalidade, é a merda da mentalidade do ser humano em geral, de querer praticar bullying, humilhar os outros. por isso a anos que não tenho mais amigos e vida social. porque eu não acrediot em amizade, nem em amor por mulheres, eu vejo mulher como objeto sim, só transformando mulher em objeto é possível ser um cara solitário e cagar pro mundo inteiro.

agora tem muito cara que trabalha, trabalha não porque quer ter uma vida longa, e sim porque quer gastar tudo em drogas, baladas ou tem o ideal de ser capitão salva putas, formar família, ter filho e continuar essa bosta de humanidade escrota existindo.

Sara disse...

Alinka A M E I ....sem mais

Anônimo disse...

dizer o que sobre alguém que defende um "movimento" que luta para "revelar o lado obscuro da mulher"? Lado obscuro? Sério? O que essa galera de um real pensa que a vida é? Um episódio de Star Wars?

Um mascu é um cara que conhece 137 formas diferentes de despertar o lado obscuro das mulheres e fazê-las ficarem loucas para se submeterem a eles.

Mas, para sorte do resto da humanidade, eles não dispõem de tempo, entre uma partida de Mortal Kombat e uma "conversa entre homens" de conhecer uma mulher. O que, naturalmente, é a única razão para não terem namorada, amante, esposa, ficante, amiga colorida, noiva, etc, etc, etc.

Pam disse...

Comparei a situação da Valéria com o que vejo dentro da minha casa. Minha mãe criou dois filhos sozinha e conseguiu a façanha de ter uma filha feminista (eu!) e um machista (meu irmão), sem nunca ter diretamente influenciado nestes posicionamentos.
Pelo fato de ser machista, todas as namoradas do meu irmão seguem um mesmo padrão: são bonitas (de acordo com padrão que a sociedade impõe), facilmente influenciáveis, carentes e acreditam que tem que “cuidar” do namorado para não perde-lo.
Confesso que acho assustador e triste ver meninas de 16 ou 20 anos com este tipo de pensamento e atitude. Minha cunhada, por exemplo, arruma a cama do meu irmão, seca o banheiro depois que ele sai do banho, guarda as roupas e ainda por cima quando vai comprar roupa precisa da aprovação dele, porque se ela comprar algo curto ou que ele não goste, não vai poder usar depois (Juro que não estou mentindo, isso já deu briga em casa entre eu e meu irmão). Já tentei conversar, mas ela acredita que depois que casar ele vai mudar (!!!!!).
Infelizmente, este tipo de comportamento existe aos montes e, estas mulheres que poderiam se unir para combater o machismo e melhorar sua situação na sociedade, acabam alimentando-o. Muito triste!

lola aronovich disse...

Dark Guild, Leandro, e outros mascus, a vida de vcs realmente parece ÓTIMA! Tenho certeza que vcs convencerão um montão de homens para que eles sejam felizes como vcs.
... E depois mascus se ofendem ao serem chamados de frustrados pega-ninguém.

lica disse...

DARK GUILD DEATH ADDER

Menino, vou te falar uma coisa séria agora... Tu deveria conversar com um psicólogo...

Você precisar tratar esse bullying que sofreu e eventuais outras causas que geraram essa sua raiva por tudo e por todos.

Talvez se você tentar lembrar, vai ver que já passaram pessoas bacanas e bondosas na sua vida. Feias ou bonitas, legais ou chatas, da mesma idade ou adultos... Não exija dos outros o que você mesmo não pode oferecer...

Tem muita gente cruel no mundo, mas tem as pessoas boas são em grande número. Esse comportamento que você tem expressado aqui no blog, te coloca no grupo das pessoas ruins do mundo.

Tem gente que espontaneamente trata todo mundo bem, até mesmo pessoas que as tratem mal. Porém de uma forma geral, gentileza gera gentileza, compaixão, carinho e etc são coisas que a gente planta e colhe.

É claro que as vezes a gente vai ser gentil e amável com outro ser humano, com amigos, com uma namorada, e vamos nos decepcionar ou vamos ser magoados, mas isso faz parte da vida, acontece com todo mundo. Você provavelmente vai magoar alguém um dia também...

Você parece ser um menino jovem, então procure um profissional pra te ajudar a superar alguns traumas.

De qualquer forma, alimente a sua vida com coisas boas, e não com textos de ódio, que incentivam violência, raiva, rancor... isso só vai trazer mais desgosto pra você. Gera um círculo vicioso de amargura.

Se você se permitir ter amizades, amar as pessoas e etc, vai descobrir algo muito bom. E essa alegria, felicidade, vai compensar de longe os pequenos sofrimentos que esse mesmo amor pode trazer.

Espero sinceramente que você possa refletir, amadurecer com o tempo, e encontrar um caminho melhor para conduzir sua vida!

Abraços



Anônimo disse...

Juro que sinto pena desses caras que vivem enfurnados em bate papos e deep web (lá tem mta coisa asquerosa), e só convivem com os pais e uma boneca inflável; descontando suas frustrações no resto do mundo.
O que me admira é que os pais (família) não notam que há algo de errado e não tentam ajudar, psicólogos, terapeutas e psiquiatras existem sabia?

Wellington Fernando disse...

A minha mãe sempre dizia: "Quem a boca do meu filho beija, a minha adoça". Estranho ela nunca ter usado essa mesma frase para as filhAs, só usava para os filhOs.
Compreendo perfeitamente que boa parte das mulheres machistas assim o são devido a educação que receberam, mas há outros casos de mulheres que se beneficiam com isso de alguma maneira. Sei que a mudança não vem da noite para o dia e que é um processo muitas vezes trabalhoso. Mas para as mulheres que abraçaram o feminismo, fica aquela frase de Einstein: "Uma mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original".

Anônima da saia disse...

Félix eu sou uma mulher super apaixonada, cuido e vou atras do que acredito e amo. AMO O meu namorado, o meu trabalho e a minha familia, luto por eles e NUNCA me senti inferior a ninguém.

Alias sabe qual foi a primeira coisa que me fez me apaixonar pelo meu namorado quando nos conhecemos? Foi que desde que nos conhecemos ele me tratou como uma IGUAL, e me valorizou e me elogiou (nos conhecemos no emprego) sempre me incentivou a subir o mais alto, a conquistar o que acho importante. Esta ao meu lado desde entao,

Mas acho que IGUALDADE como afrodisíaco é uma coisa que vc nunca vai entender

Beijos

Lis disse...

Preciso engrossar o caldo de quem está chamando a atenção para o aparente preconceito contra Pole Dance ou Strip ou afins.Lola, queria saber sua posição sobre isso, pois no post ficou parecendo que você era contra. A princípio tive essa impressão e fiquei meio confusa, vejo muitos problemas em fazer qualquer coisa para "aparentar fazer sexo" sem de fato acreditar e buscar isso, mas não vejo problemas (e isso não tira a "carteirinha feminista" de ninguém, pelo menos a minha não foi revogada ainda hahaha) em fazer Pole Dance, gostar de fazer strip para o namorado, ou mesmo de gostar de BDSM, sei lá.

Fiquei na dúvida mesmo, e bem curiosa :)

Anônimo disse...

"Juro que sinto pena desses caras que vivem enfurnados em bate papos e deep web (lá tem mta coisa asquerosa), e só convivem com os pais e uma boneca inflável; descontando suas frustrações no resto do mundo.
O que me admira é que os pais (família) não notam que há algo de errado e não tentam ajudar, psicólogos, terapeutas e psiquiatras existem sabia?"

O Bob Esponja aí em cima teve a cara de pau de falar na cara dos pais que a mãe casou por interesse e o máximo que aconteceu foi tomar bronquinha do papai. Não adianta levar pra psicólogo. Primeiro tem que ir os pais, pra aprenderem a ser gente e DEPOIS fazer outro ser humano. Porque o resultado dessa gente sem preparo é isso aí, molequinhos mimados.

DARK GUILD DEATH ADDER disse...

lica, voce falou direito comigo, por isso irei responder.

eu não sou tão jovem assim, meu nick é de um vilão de videogame de 1989, novatos não sabem quem é.

sabedoria milenar oriental, o budismo, recomenda o isolamento social e a renuncia ao prazer sexual. na verdade quando o homem busca a mulher, ele necessita sair e se socializar, em bares, shows, boates, festas etc e aí vem os conflitos, pois está na natureza do ser humano ser mal e querer passar a perna nos outros. eu percebendo minhas limitações, eu digo que não vale a pena jogar minha vida no lixo em busca de mulheres que me desprezam. e quando eu tinha amizades, sempre me pediam dinheiro, ou faziam piadas de mim pra todo mundo rir. aliás, um cara que sempre me pedia dinheiro, mora aqui perto de mim e tentou me assassinar ano passado, pra ver como é falso, essa idéia de amizade a vida social.

portando, vendo mulheres de maneira mais materialista, sem por sentimento, eu consigo manter um isolametno social, e ate mesmo, renunciar ao prazer.

Luiz disse...

Bom, se o homem é esse demônio todo e exclusivo como se diz, alguém poderia me explicar por que razão a Justiça brasileira estendeu a cobertura da lei "Maria da Penha" para casais de lésbicas?

E segundo as estatísticas apresentadas pelo "Mapa da Violência" o número de mulheres que vivem uma relação lésbica que procuram a delegacia da mulher é bastante significativo.

Outra coisa, se mulher é mesmo esse ser pacífico, quase um anjo, qual a razão de 70% dos casos de violência contra criança ser praticado por mulheres?

Gostaria de ouvir as respostas. Não vale dizer que é machismo. Certamente é um raciocínio simplista demais. Faz-me lembrar de um certo ser humano que sentou na minha mesa no casamento de um amigo meu e que ao descobrir que eu sou judeu começou a sugerir um mapa do caminho para estabelecer a paz entre Israel e Palestina.

Eu não me refuto a responder. Para mim a teoria do bom selvagem do Russeau é uma furada (Este colosso era realmente um ser único, amava a sociedade e detestava os indivíduos. Tanto é verdade que abandonou a esposa e os filhos pequenos mas continua sendo muito venerado pelos ditos "progressistas"). O ser humano é em sua essência mau. As leis e a civilização é que o contém. O México não declara guerra aos EUA porque os mexicanos são pacíficos, mas porque sabem que se fizerem isso vão levar uma tremenda de uma traulitada na orelha. Os traficantes que matam 5 mil pessoas em cidade Juarez no México, são os mesmo que não ousam encostar um dedo em nenhum morador da cidade estadunidense de El Paso, a segunda cidade mais segura do já seguro EUA. Detalhe as duas cidades são separadas por uma ponte.

Homens e mulheres são humanos que são bons ou maus e podem ser bons e maus simultaneamente. Simples assim.

Felix disse...

Está difícil...

Anônima, em qual parte dos meus comentários eu afirmei que mulheres são inferiores aos homens? Em nenhum momento eu acusei alguma mulher aqui ou generalizei. Aliás, reparei que muitas mulheres aqui atacam os comentários contrários como muitos detratores das feministas fazem: atacam a pessoa do autor e não o comentário em si. Então é assim: nós somos uns frouxos pega-ninguém fracassados e vcs são azedas desprovidas de sensualidade e mal-amadas?

Que ótimo a sua vida, Anônima. Parabéns. Repare no seu comentário, vc escreveu que luta pelo seu namorado. Se vc luta por ele, é porque ele merece, certo? Vc o considera um homem superior em comparação a outros homens, né? Ou não?

Quantos anos vc tem? Quantos anos ele tem? Ele é sua primeira paixão? Ele ganha mais que vc? Ele ocupa um cargo superior ao seu? Ele tem carro? Etc. Ou vcs são idênticos em tudo? Não precisa responder aqui, claro, faça-o para vc.

A vida não é matemática. Portanto, NÃO HÁ IGUALDADE! É UM MITO. Num fim de tarde ele irá trocar o pneu furado do carro e à noite vc irá lavar toda a louça para agradecer. (Por que o inverso é tão difícil de imaginar?).

Muitas mulheres buscam, primeiro, homens superiores à media geral. Não é um julgamento, é uma constatação. O homem que não tentar aprender a lidar com isso e só julgar moralmente as mulheres será um eterno ressentido.

Para o bem ou para o mal, há mulheres que adorariam lavar, passar e cozinhar para um escolhido superior, mas não para o mediano com quem ela se relaciona, para esse sobra o discurso da igualdade.



Anônimo disse...

Concordo Luiz. Existem homens e mulheres bons e maus. Nao somos anjos. Tambem acredito que violencia com criancas sao praticadas tanto pelo pai quanto pela mae. Veja o caso dos Nardonis. Hamanndah

Anônimo disse...

Paty Nunes

Obrigado pelo link, nós fizemos uma postagem esclarecendo essa notícia!

Veja na nossa página no fb:

A favor da despenalização do aborto

Abraços,

LSDiana! disse...

DARK GUILD DEATH ADDER

Achei que você fosse só um troll machista, mas que seja. Tô com a Lica e acho que você deveria consultar um psicólogo pra tentar superar seus traumas.
Acredito que muita gente aqui já passou situações horríveis também e até já perdeu a "fé" na humanidade. Mas se isolar? Daí vem suas generalizações.

Conheço muitos budistas, eles sempre fazem reuniões agradabilíssimas.
Se vc não quiser recorrer a um psicólogo, tente ir a uma reunião budista. Com certeza você conhecerá muitas pessoas que podem te fazer mudar de ideia.

No mais, continuo sem compreender seu isolamento, pq, pelo visto, ele não tem te feito uma pessoa melhor ou mais feliz.

abraço!

E quanto ao machismo das mulheres, bom, minha experiência começou logo cedo, qnd criança. Eu adorava ajudar meu pai na construção de casa, queria ser jogadora de futebol e odiava lavar louça, ir ao salão de beleza. Adivinha o que minha mãe dizia?
Poisé...e na adolescência só piorou com a obrigação de ser vaidosa e santa ao mesmo tempo.
Não vou dizer que machismo é pior em mulheres, mas me indigna demais!

Anônimo disse...

Oi Luiz
Concordo que há seres humanos (homens e mulheres) bons e ruins, porém os casos de violencia contra a mulher (por parte do homem) é infinitamente maior, e isso se deve ao machismo culturalmente arraigado na sociedade.
E também acho que a violência em casais de lésbicas também se deve ao machismo por uma ou ambas as partes. Não sei se você leu outros posts da Lola, mas nós lutamos é pela igualdade dos gêneros (direitos e deveres), para podermos ter a mesma liberdade de um homem ao sair de casa (sem medo de sermos estupradas, assediadas, humilhadas pelas roupas que vestimos, sem sermos atacadas/espancadas/assassinadas pelos companheiros que não aceitaram o fim da relação, não sermos julgadas pela quantidade de parceirxs sexuais, bebermos o quanto quisermos sem que isso arrisque nossa integridade física).
Então o que quero dizer é que lutamos contra o machismo e não contra o homem, pq as pessoas não nascem machistas ela são de certa forma doutrinadas a ser, esse machismo é passado de pais (pai e mãe) para filho.
Outra coisa importante não sei se vc nota ao seu redor, é o fato de que mulher após um jornada de trabalho têm que voltar para casa lavar, passar, cozinhar, cuidar das crianças; enquanto muitos homens ficam sentados no sofá vendo televisão. Muitas mulheres acabam deixando empregos e carreiras, pq tem que cuidar da casa, dos filhos e pasme muitas vezes o marido exige que a mulher deixe de trabalhar para se dedicar a ele, filhos e casa.
Lógico que todas as situações que eu citei, não são necessariamente praticadas por homens e sim exclusivamente machistas.
Bom, não sei se vc conseguiu entender meu ponto de vista, mas se alguém tiver algo a acrescentar ou discordar fique à vontade!

Anônimo disse...

Olá querida Lola,

acompanho seu blog há meses e, tenho tanto pra falar disso e sei que algum dia vou falar, mas resumindo: você formou mais uma feminista :)
Tenho um amigo com o qual debati sobre o Feminismo e percebi o quão cego ele está pela mídia machista sobre as questões feministas. Ele me mostrou uma postagem de um blog onde uma garota reclamava de uma propaganda machista e disse "olha só essa baboseira feminista" e aí, sem saber, ele acordou um vulcão, hahaha. Debatemos durante umas 3 horas as questões defendidas pelas feministas e, por mais que ele repetisse que não gosta do machismo e acha que as mulheres devem ter seus direitos mesmo e toda aquela conversa bem genérica, ele mostrou sinais de slutshaming e de total desconhecimento dos princípios básicos do Feminismo. Em alguns pontos ele viu que não tinha mais argumentos mas continuava não dando o braço a torcer, defendendo comportamentos absurdos masculinos, acho que só pra não ter mesmo que concordar com as "feministas mal-comidas". Sinceramente, se ele não fosse um dos meus melhores e mais amados amigos, depois de alguns comentários esdrúxulos que ele fez, não sei se a amizade continuaria, mas não serei imatura de estragar uma amizade por conta de visões políticas e sociais diferentes, até porque mantivemos o nível durante todo o tempo e ele é muito inteligente, só precisa de um tempo pra refletir sobre questões que ele nunca refletiu antes. E acredito que se ele se permitir olhar de outro ponto de vista, ele verá que estava errado. Mas enfim, minha pergunta é: queria mostrar pra ele textos tão bons e esclarecedores quanto os seus, mas ele não fala português. Há alguma Lolinha escrevendo tão bem quanto você em inglês?

Beijos da sua Fortaleza :* :*

lola aronovich disse...

Anônima das 10:19 (coloque um nome!), que fofa! Adorei saber que o seu amigo "acordou um vulcão"! Pode ter certeza de que alguma coisa desse papo de 3 horas deve ficar na cabeça do seu amigo. Ele sabe que não tem argumentos, mas o amor próprio não lhe permite admitir. Por enquanto. Um dia ele se manca. Sério, sei que pareço muito otimista, mas já vi acontecer em várias situações, inclusive com leitores deste bloguinho. Sobre blogs feministas em inglês, é o que mais tem, ué. Dá uma olhada na barra lateral direita deste link. Abração!

lica disse...

DARK GUILD DEATH ADDER

Eu sei que as pessoas são especialmente mais cruéis quando não nos encaixamos em um padrão.

Eu me lembro que quando tinha 11 anos estudava com um menino que tinha problemas de saúde, e todos os dias ele assoava o nariz na camiseta... Ele era bastante hostilizado pelas pessoas da sala, mas eu sempre tentava tratar ele de maneira normal, e até defendê-lo em situações mais graves. Eu nunca me tornei realmente próxima a ele e com a maturidade que tenho hoje, penso que poderia ter ajudado mais.

Aquele menino realmente sofreu, mudou de escola muitas vezes, mas acho que nunca encontrou crianças realmente acolhedoras.

Muitos de nós aqui do Blog procuramos combater essa rejeição ao diferente. E procuramos criar uma consciência do quanto somos influenciados (pelos outros, pela mídia e etc) a agir como idiotas discriminadores e preconceituosos. Esperamos ao menos mudar um pouquinho as próximas gerações, as pessoas a nossa volta e a nós mesmos.

Você pode de fato buscar um isolamento e abstinência sexual e isso ser algo saudável. Mas você só vai encontrar alguma paz se fizer isso pelas razões corretas. Já que você mesmo citou o budismo, comece por aí!

abço

Anônima da saia disse...

Engraçado, pensava que o budismo afirmava que todos somos budas, por ente, perfeitos, mas que nesse mundo estamos em um mundo de ilusões que nos fazem nos ver a nos e as outras pessoas imperfeitas.
Essa teoria também é a platônica (mundo ideal e mundo real) mundo ideal é como somos perfeitos, mundo real é como aparecemos nesse mundo,
Tem a história da cadeira, a cadeira no mundo ideal é perfeita, mas aqui ela é cheia de imeprfeicoes, o artista so capta a idéia de uma cadeira imperfeita, etc,
Por isso acho estranho os argumentos do darth nao sei das quantas

Pro Leandro acho que disse das lésbicas serem violentas, etc. Concordo que nao é o sexo que faz de um gênero mais violento que outro, mas ao estarmos em uma sociedade mais machista, os homens tem mais "permissões"

Abracos

Luiz disse...

Bom dia anônimo que escreveu diretamente para mim.

Bem você disse que os casos de violência doméstica contra mulher é em sua maioria cometidos por homens. Em números absolutos sim em números relativos não. Isso é o que mostra o mapa da violência. Olhe lá. Como a proporção de mulheres lésbicas é aproximadamente 10% da população feminina logicamente 90% das mulheres se relacionam com homens. O que se percebe é que 1 em cada 3 mulheres hetero já sofreram violência do parceiro. Só que este número é identico ao de mulheres lésbicas e 1 em cada 3 mulheres já sofreram violência de alguma parceira. São os dados. Eu acredito que entre casais homossexuais masculinos deve também existir violência mesmo que não exista nenhuma lei que ampare estes casos. Da mesma forma existe violência de mulher contra homem. Lembro-me faz pouco tempo que no Recife uma mulher cortou os testículos de um homem que era seu parceiro. Em BH uma mulher colocou fogo no parceiro enquanto ele dormia porque ele queria se divorciar. O assassinato do dono da Yoki não foi um caso de violência masculina e sim um caso de violência feminina. Não gosto de leis de excessão como a Lei Maria da Penha ou a lei das cotas. Acho que a lei Maria da Penha deveria cobrir todos os casos de violência doméstica e isso deveria independer o sexo da vitima. Lei das cotas sou radicalmente contra pois acho que a "raça" não deve se critério para tirar ou para colocar alguém dentro de uma repartição pública. Além disso todos os regimes arbitrários do mundo se baseiam ou basearam em leis de excessão. E ai tanto faz se é a Escravidão, o Comunismo, o Apartheid, a Inquisição ou o Nazismo. Muito da minha convicção advém do fato de eu ser judeu e estudando a história do meu povo eu percebi que que caso existisse igualdade legal entre judeus e o resto da comunidade onde estávamos muitas barbaridades seriam evitadas. Essa desigualdade era tanto de direitos como de deveres é que deveria ser combatida.

Falarei um pouco sobre violência. Tive duas filha que tem quase 2 anos de diferença entre si. Logo que a mais nova nasceu mudamos para a Alemanha e depois de 4 anos lá mudamos novamente para Israel. Essas mudanças fizeram que elas não criassem muito vínculo com colegas de escola e convivessem mais juntas. Quando elas estavam com 4 e 5 anos começaram a brigar e em geral a mais velha batia na mais nova. Eu e a mãe delas colocávamos a mais velha de castigo por ter batido na irmã mais nova, eis que para a nosssa surpresa um dia descobrimos que a mais nova estava trapaceando, pois toda vez que elas tinham um desentendimento por causa de TV ou por causa de algum brinquedo e nós estávamos longe a mais nova chorava e dizia que a mais velha tinha batido nela, logo colocávamos a mais velha de castigo e a mais nova fazia o que ela queria. Demorou para descobrirmos isso. Veja que louco, minha filha mais nova pegou uma situação onde ela era vitima e com o tempo usou esse artifício para virar algoz da irmã mais velha. Ninguém nunca ensinou isso ela. Quem ensinou elas a recorrer a violência para resolver os desentendimentos? Quem ensinou a mais nova trapacear para levar vantagem sobre a irmã mais forte?

Luiz disse...

Eu acho horrorosso esse processo de estratificação que a sociedade brasileira vive. Esiste pessoas que abomina o assassinato de uma mulher mas é conivente ou se cala diante do assassinato de um menino boliviano de 8 anos. Um tal de Tulio Vianna que parece ser muito popular entre os ditos "progressistas" se assanhou a tal ponto que desandou a defender o bandido. Tulio Vianna acha horrível que um gay seja morto em função da sua opção sexual (concordo com ele) mas Tulio Vianna acha justificativas para deixar impune o assassino do pequeno boliviano. Eu, caro anônimo, acho que o Brasil será um pais civilizado somente quando nós intolerarmos qualquer tipo de violência, não se justifica a morte de uma mulher em virtude da roupa que ela usa. Não se justifica a morte de um gay em virtude da opção sexual dele. Não se justifica de um torcedor por estar usando uma camisa do corinthias. O dia que nós começarmos a intolerar a violência e punir severamente os seus autores ao invés de buscar subterfúgios para justifica-la estaremos dando um passo na direção de um pais melhor. por enquanto temos que ler as idiotices de Tulio Vianna.

Em tempo. Segue aqui o link para as besteiras de Tulio Vianna, O Colosso de Rodez é realmente um valente.

http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,maioridade-seletiva,1023450,0.htm

Anônimo disse...

Eu to pra ver é uma feminsta pedir pra outra: Você não vai defender sua familia desse invasor/agressor? Vai pedir pro seu homem?

Você não vai ajudar seu esposo a proteger seu filho de um grande cachorro correndo na direção dele?

Você não vai ajudar seu marido na obra da casa???

Anônimo disse...

Então Luiz
Concordo contigo quando vc diz que nenhum tipo de violência deve ser tolerada, porém vejo que os seres humanos estão cada vez menos civilizados. Li há um tempo atrás um estudo comportamental de casais (humanos) acho que foi feito por psicologxs e etologxs, onde analisavam interação de casais (hetero e homo) violentos, e viram que todos há uma interação de dominância, no qual, quanto mais "acoado" era o dominado, maior era o poder do dominador. E um dos resultados diante aos questionamentos feitos aos dominantes e dominados, era que os dominantes tratavam seus parceiros como inferiores, estes por sua vez aceitando essa inferioridade e fazendo com que se tornassem dependentes do dominador.
O que eu quis dizer com esse estudo que coloquei é que o machismo (seja ele praticado homem, mulher, gays, lesbicas, trans), exerce sim uma dominância violenta e a dependência da vitima (independente da raça, credo, posição social) através de uma manipulação psicológica utilizada pelo agressor. O machismo não é exclusivo do gênero masculino, mas relação de superioridade e dominância em relação ao outro é exclusivamente machista.
Quanto a relação das suas filhas, todas as crianças fazem isso, minha irmã mais nova também fazia isso, mas não sei te explicar, talvez uma psicologa poderia poderia explicar pontualmente o significado deste comportamento.
Espero que vc tenha entendido o meu ponto de vista, que o meu problema não são os homens e sim as pessoas machistas, que acham por sermos mulheres não temos direito de usar a roupa que queremos; sairmos com quantos e quem der na telha (sem ser chamada de vadia); de ensinar os homens a nao estuprar e não ensinar as mulheres a não serem estupradas; entre outros argumentos que vc pode encontrar nos vários textos da Lola!

Iceman disse...

A real, Luiz, é que o ser humano tem a tendência de fazer isso.
Advogo muito na área de família e acontece uma coisa com muita frequencia, que demonstra exatamente isso que vc disse a respeito de suas filhas, via de regra, a pessoa que encontra uma fraqueza na outra tende a se aproveitar.
E isso independe de sexo, cor, religião, credo, raça etc.
Constatei que em caso de separação, a pessoa que fica com a guarda dos filhos sempre usa a(s) criança(s) para atingir o outro.
Tenho casos de homens que ficaram com a guarda e usam os filhos para atingir a mulher.
Tenho casos de mulheres que ficaram com a guarda e usam os filhos para atingir o homem.
Tenho um caso em que o homem ficou com a guarda de um filho e a mulher ficou com a guarda do outro e ambos usam os filhos para se atacarem mutuamente.
Não é um problema de gênero, é um problema do ser humano.
Com a lei maria da penha, aumentaram muito os casos de falsa acusação.

Valéria disse...

Lola, estou comentando com tanto atraso, pois só vi agora!

Fiquei muito feliz com a repercussão do post, até porque o assunto é interessante. É claro que não podemos agradar a todos, e é por isso que surgem comentários que divergem da nossa opinião. Isso faz parte e faz bem.

Agradeço todos os comentários endereçados a mim e todas as dicas que o pessoal escreveu aqui.

Escrevi esse email tem um tempinho já e atualmente a situação tá bem melhor, sinceramente. As relações humanas são difíceis, independente do sexo e das crenças pessoais, então aprendemos muito uns com os outros.

Anônimo disse...

Anonimo das 14:29:

Se um ladrao armado invade uma casa ninguem deve bancar o heroi. Nao e covardia nem falta de macheza nao enfrentar um cara armado.

Pais e maes podem virar animais selvagens para defender suas crias nao apenas. o pai.

Outra coisa: quando uma antiga empregada da minha mae construiu sua humilde casa ela e o marido construiram juntos nos finais de semana e feriados. Quando uma pessoa tem maior poder aquisitivo essa pessoahomem ou mulher paga a uma empresa para construir a casa. As pessoas que constroem pessoalmente suas casas sao as mais pobres. Como a velha empregada da minha mae muitas outras mulheres e homens humildes construiram suas casas. Hamanndah

Anônimo disse...

Luiz eu concordo que a Lei Maria da Penha deve ser mista. No meu blog tem um post do dia 15/07(dia de vcs) onde escrevo isso. http://hamanndah.blogspot.com

Cora disse...

“Esiste pessoas que abomina o assassinato de uma mulher mas é conivente ou se cala diante do assassinato de um menino boliviano de 8 anos. Um tal de Tulio Vianna que parece ser muito popular entre os ditos "progressistas" se assanhou a tal ponto que desandou a defender o bandido. Tulio Vianna acha horrível que um gay seja morto em função da sua opção sexual (concordo com ele) mas Tulio Vianna acha justificativas para deixar impune o assassino do pequeno boliviano.”

Não seja capcioso, Luiz. O autor do texto que vc indicou está discutindo a redução da maioridade penal. Ele não defende o assassino do garoto e nem encontra justificativas para deixá-lo impune.

Vc é professor universitário. Não é possível que não consiga discordar do autor do texto sem distorcer o que foi dito. Argumente com coerência e honestidade, Luiz.

Cora disse...


“Gente, eu tenho uma dúvida: isto -"uma Panicat, que defenderá o sistema até ser vítima dele). Uma leitora que manda foto sem roupa pro Testosterona" não seria slut shaming?
Sei que essas são "tradições" da cultura patriarcal, mas e se a mulher gosta?”

Entendo que o feminismo defende o respeito incondicionado à mulher, ou seja, a mulher é digna de respeito por ser uma pessoa e, portanto, não precisa adotar determinados comportamentos para ser respeitada. Praticar slut shaming é condicionar respeito à forma como a mulher se veste e se comporta (no caso, comportamento sexual). No entanto, panicats e moças que mandam fotos sem roupa pra qualquer site machista estão alimentando o sistema, reforçando o machismo e sempre serão vítimas dele (já são vítimas dele), pois são ridicularizadas, xingadas e menosprezadas por homens o tempo todo (os homens salivam e chutam ao mesmo tempo, e transformam isso em algo nobre e legítimo). Por isso não há escapatória pra mulher no machismo. As mulheres só são “valorizadas” pela beleza e, ao mesmo tempo, são “desvalorizadas” pela beleza (são xingadas, não são levadas à serio, p. ex.). Quanto mais bonita, mais agredida ela será pelos homens. Qualquer mulher, em qualquer posição de destaque, terá sua capacidade questionada por ser mulher. Se for bonita, então, com certeza usou a beleza pra chegar onde chegou. Não há escapatória pra mulher, pois sob o machismo não existe mulher-pessoa, apenas mulher-corpo.

Como Wollstonecraft, eu “não desejo que as mulheres tenham poder sobre os homens, mas sobre elas mesmas.” O papel do feminismo é fortalecer a mulher em relação a si mesma. É fornecer à mulher ferramentas para se defender das agressões ininterruptas do machismo. Ferramentas para desconstruir o machismo em suas relações afetivas. Não há notícia sobre mulher na internet que não esteja acompanhada de xingamentos nos comentários. É nojento. O homem machista sente um prazer mórbido em humilhar a mulher (e faz isso o tempo todo). E nenhuma está ou estará livre disso, por mais que algumas se agarrem ao estereótipo de santa, enquanto punem severamente as putas. Qualquer deslize, as santas são lançadas sem dó nem piedade no canto das putas. Nenhuma mulher está a salvo no machismo.

Então, feministas não irão julgar e condenar panicats ou moças que enviam fotos sensuais. Feministas irão condenar a reação machista ao que elas fazem.

Cora disse...


Pessoal, sempre haverá gente que tenta se aproveitar da lei usando-a mal. Isso não torna a lei inapropriada.

Luiza Original disse...

" Não há notícia sobre mulher na internet que não esteja acompanhada de xingamentos nos comentários."

Acabei de ver que a Milene Domingues está namorando o ex-segurança, que está fora do padrão masculino.

E não tem jeito, se namora rico, é golpe pra pegar a pensão.

Se namora um bonito, é uma puta fútil que não olharia pro pobre fudido.

Se namora o segurança gordo e feio (na cabeça deles), é uma puta que pensa com a periquita (sic).

O problema é ser mulher, mesmo. Eles não curtem. O afeto, a admiração vão apenas para outros homens.

Anonima da saia disse...

Puxa Cora, te agradeco muito a sua explicacao sobre as roupas "machistas" e as mulheres que a usam.
Varias vezes postei que acho imcompreensivel defender funkeiras cariocas, dancarinas do faustao, panicats como mulheres que "se vestem como querem" . Eu sempre achei que elas estivessem vestindo uma bandeira bastante machista. E pra mim esse tipo de roupa era sim vulgar e "nao se dar o respeito"

Mas a sua explicacao POR FIM me convenceu bastante. Nunca li nenhum artigo ou explicacao que fosse sensata e inteligente como a sua. Eu so lia feministas me dizendo que era errado chamar de "vulgar" uma panicat ou que elas tem o direito de se vestir como bem entendem. E eu ficava sem entender, pensava " puxa vida, mas essas mulheres nao percebem qe estao sendo usadas como objetos pelos homens?" "que se estao objetificando? O feminismo nao luta pela nao objetificacao da mulher"

E a sua intervencao foi otimo. Vc tem toda a razao. O feminismo luta contra a objetificacao da mulher. Mas sempre me deu raiva porque como disse vc, essas mulheres estao ALIMENTANDO um sistema machista. E me dava raiva porque elas sao XINGADAS E MENOSPREZADAS pelos mesmos homens os quais elas acham que devem alguma coisa.

Depois fiquei pensando que criticar uma mulher que alimenta o sistema machista sendo por ex. uma panicat talvez estaria no mesmo nivel que criticar uma mulher maltratada. Eu que ja fui uma mulher maltratada sei que nao eh masoquismo ou poruqe "permitimos' mas sim porque eh um sistema o qual somos educadas desde pequenas "a ser obedientes, etc" e qd estamos com um homem machista e maltratador entramos numa espiral de violencia que comeca de forma muito sutil.
As panicats e demais valescas popozudas, para mim que estao nessa mesma onda.

nao sei se ainda compreendo mal todos esses pontos, porque por mais que tento entender que cada um se veste como quiser e nao deveriamos ser julgados por usar uma roupa X ou Y, ainda tenho raiva desse tipo de mulher que alimenta essa industria machista do funk e de panicats e faustoes.
Mas comeco a compreender um pouco melhor.

Obrigada e desculpe se o post foi meio confuso.

Julia disse...

Eu AMO os comentários da Cora mas às vezes fico um pouco deprimida depois de ler alguns. A realidade das mulheres é triste.

Comenta mais, Cora!

Ingrid disse...

Obrigada B.P. e Anon 13:48, e todos pelos outros cometários
=)

Ingrid disse...

E obrigada Cora ^^

Cora disse...


anonima da saia,

fico feliz por contribuir.

as panicats, as funkeiras, as moças que gostam de roupas curtas e decotadas, as mulheres do universo da pornografia, as profissionais do sexo nos incomodam, não por elas, pelo que elas fazem, mas justamente pelas pessoas machistas (homens e mulheres) as tratarem tão mal, insinuando que não merecem respeito, afeto, carinho, atenção, consideração por estarem trabalhando com a exposição do corpo ou com sexo. é isso que incomoda, e não exatamente o que elas fazem. por isso, a critica é sempre dirigida às reações machistas. uma mulher cis ou trans* pode trabalhar expondo o corpo de forma sensual, pode trabalhar com nudez, pode trabalhar com sexo, que continua sendo pessoa e portanto com os mesmos direitos individuais que todas as outras pessoas que trabalham de terno e gravata têm. essa mentalidade de condicionar o respeito à mulher a uma certa forma de vestir ou de agir é que deve ser duramente combatida. eu luto pra viver numa sociedade em que o respeito à mulher não seja condicional. não são essas mulheres que me agridem. o que me agride profundamente é a forma como a sociedade trata essas mulheres. mas admito que me entristece vê-las trabalhando justamente para e pelas pessoas que as desrespeitam e agridem. me entristece que elas contribuam com a mentalidade que as agride. muitas vezes falta repertório para que possam defender seus posicionamentos com segurança, orgulho e convicção.


.
.


Julia, sua linda, sempre carinhosa!

nem sei como retribuir o seu carinho. tenho zero de traquejo social e nunca sei o que dizer, rs.

saudades do blog! assim que der, volto a participar mais.

um abraço.

ps. não fique deprimida! abale as certezas dos machistas!!

Srta. T. disse...

Nada entendo de feminismo. Por uma questão cultural até, eu posso dizer que tive muito mais contato com o machismo. Mas pelo pouco que sei, parece-me um movimento que busca o direito de escolha para a mulher, não necessariamente de igualdade. Pode acontecer de uma mulher realmente gostar de servir ao seu homem? Acredito que sim, e acho ruim que ela seja julgada como alienada apenas por não sonhar em ter uma carreira ou por não desejar ser igual a um homem.
Eu acredito que, assim como as feministas divulgam o que acreditam, poderiam também respeitar as mulheres que pensam diferente, sem acusar tais mulheres de machismo. Poderíamos encarar tudo isso como escolha pessoal?
Claro que há mulheres nesse exato momento, em um relacionamento abusivo, mas podemos lutar pelo direito de ela sair desse relacionamento SE QUISER, sem que achemos feio caso ela DECIDA POR LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE ficar?

lola aronovich disse...

Srta T, não sei se vc é uma leitora de direita que costumava comentar aqui no começo do blog e depois virou hater minha. Mas é o seguinte: não estou falando aqui que mulheres não podem fazer o que quiserem. Só que vc pede pra feministas lutarem pelo direito de uma mulher que está num relacionamento abusivo se quiser, e desculpe, mas isso é ridículo. Vc não verá muitas feministas condenarem uma mulher que insista em ficar num relacionamento abusivo. Mas ninguém precisa LUTAR por isso, né? O feminismo tem que gritar bem alto que estar num relacionamento abusivo é péssimo. Péssimo pra mulher, péssimo pro homem, péssimo pros filhos, péssimo pro sistema. Não é difícil de entender: o feminismo defende escolhas, mas nem todas as escolhas são feministas. Por exemplo: se alguma mulher (inclusive mulher feminista) queira usar maquiagem, que use. Alguns feminismos (o meu, por exemplo) protestam da imposição de ter que usar maquiagem. Mas protestar de imposição de um sistema não é o mesmo que proibir individualmente. Portanto, mesmo que quase nenhuma feminista esteja dizendo "Pare de usar maquiagem", seria meio estúpido do feminismo lutar pelo "direito" de usar maquiagem. Porque esse "direito" já existe, ué.

Luiz disse...

Vamos lá Cora.
Primeiro. Gostaria de estar sendo capcioso. Infelizmente não estou sendo. Veja as razões. Túlio Vianna escreve este texto depois que dois crimes bárbaros acontecerem em São Paulo. O primeiro foi a morte de uma dentista por um facínora "dimenor" como gosta de dizer os "progressistas". A história é trágica. A dentista trabalhava para si e ajudava os pais de 71 e 68 anos a cuidar da outra filha deles que era deficiente. Eles tinham 2 filhas. Provavelmente Cora, era essa irmã dentista era quem iria cuidar da irmã deficiente quando esses dois velhinhos falecerem. Você não encontra no texto de Túlio Vianna, o babá de facínoras, uma única palavra de compaixão com o pobre coitado do pai de 71 anos que para continuar cuidando da irmã deficiente já estava procurando um emprego.
Depois desse texto teve a história da morte de um imigrante boliviano de 8 anos morto por outro facínora. Essa história eu contei no meu último comentário. É depois desta história que Túlio Vianna se assanha. Novamente nenhuma palavra de compaixão com as vítimas. Nenhuma mesmo!! Olha, foi uma mulher e um imigrante os mortos. Dois grupos que Túlio Vianna certamente considera pertencente a classe dos "Dosoprimidu". Mesmo assim ele pede para agir com racionalidade e temperança. Esse é o padrão de ação dele? Não, Cora. Ele tem um blog. Encontrei lá uns artigos dele quando a PM de SP começou a prender traficantes de classe média dentro da USP. Estes textos estão longe de serem baseados pela racionalidade e temperança. Pelo contrário, são bastante histéricos. Voltarei a falar dos almofadinhas da USP para mostrar que quem é contra a prisão de ricos é o Colosso de Rodês, Túlio Vianna e não as pessoas que são favoráveis a redução da maioridade penal.
Cora, o texto de Túlio Vianna é uma defesa sim dos bandidos. Defesa implícita, mas concreta e indiscutível. Ele tem um lado e este lado é o dos bandidos que mataram covardemente suas vítimas. Faça um exercício comigo. Alguém que defenda o fim do imposto de renda está tomando partido em favor dos...Pagadores de imposto de renda. Concorda? Túlio Vianna tem urticária quando ouve falar em reduzir a maioridade penal. Logo Túlio Vianna acha que a lei penal atual está boa, mesmo que esses dois facínoras fiquem no máximo 3 anos presos. Túlio Vianna é a favor de que a lei continue com é hoje, condescendente com os bandidos.
Engraçado, Cora. O Colosso de Rodês não cita Dinamarca, Suécia, Finlândia, Inglaterra, Alemanha para sustentar as teses estúpidas dele. Por que será, Cora? Nem o paraíso (dele) de Cuba é citado. Simples, maioridade aos 18 anos é algo que só existe aqui ou em bananões piores que nós. Nestes países, Cora, homicídio tem uma punição severíssima. Em Israel alguém condenado por homicídio recebe prisão perpétua e tem colocado dentro da cela uma foto de sua vítima e morrerá lá, dentro da cadeia. Sem direito a indulgência, progressão de regime ou qualquer outra jabuticaba existente em Banânia. Em Jerusalém eu dormia com a porta da rua sem trancar. Andava tranquilamente pelas ruas de Jerusalém a qualquer hora do dia ou da noite. O mesmo eu fazia em Berlin. Algo impensável por aqui. Essas leis rigorosíssimas ao contrário do que se pensa, salva vidas. Após estas leis rigorosas a criminalidade caiu demais nestes países. Bandidos comuns visam os seguintes princípios ao cometerem crimes: O lucro obtido com o crime, a chance de ser pego e em caso de ser pego o tamanho da punição. A criminalidade só é vencida com investigação minuciosa e punição rigorosíssima. Descarto ai a violência de outra natureza, como a religiosa, política e a de psicopatas que tem outros objetivos e motivações que não o lucro. Como aqui não temos problemas políticos e religiosos sobraria a violência de psicopatas. Os estudiosos do assunto chamam isso de violência residual.

Luiz disse...

Túlio Vianna diz que quem defende redução da maioridade penal quer prender pobre. Será? Fui ler os textos dele em seu blog. Lá achei um monte de texto dele dando chilique por causa da ação da PM na USP. Todo mundo que convive em Universidades sabe que isso aqui é um território livre para consumo e tráfico de drogas. Ele diz que A USP é um território da elite paulistana e por isso ele defende cotas. Bem mas quando a PM foi lá enquadrar os criminosos almofadinhas, Túlio Vianna defendeu quem? Os almofadinhas criminosos. Quando a PM quiz obrigar a elite USPiana a respeitar o código penal, Túlio Vianna disse que ali era um espaço para liberdade de pensamento e que a PM nunca deveria estar na USP mesmo que naquele instante aquilo ali fosse, e continua sendo um espaço onde se comete crimes impunemente. É um espaço do estado brasileiro onde as leis nacionais não valem. Túlio Vianna, o pensador das idéias tortas, confunde liberdade de pensamento e opinião com liberdade para cometer crimes. Dentro das Universidades brasileiras temos toda a liberdade do mundo para se discutir e pesquisar qualquer assunto relativo às drogas. Eu mesmo trabalho com isso e conto com o suporte da PF neste processo. Faço pesquisa com drogas em meu laboratório de neurofísica e a polícia nunca me disse que eu não deveria fazê-las. Claro, faço isso dentro da lei e sob a fiscalização e controle rigoroso deles. Como deve ser. Portanto, Cora, quem é contra a aplicação do código penal para os ricos é Túlio Vianna e não eu, um defensor da redução da maioridade penal e de cadeia para os traficantes almofadinhas das Universidades brasileiras. Eu quero ver presos os traficantes do Capão Redondo e os da USP juntos na mesma cela. Túlio Vianna parece que não.
Túlio Vianna é incapaz de reconhecer que as pessoas sadias ao cometerem crime, fazem uma escolha moral. O pensador das idéias tortas terceiriza essa responsabilidade. Põe a culpa no suspeito de sempre. A desigualdade social e a pobreza. Em um ato preconceituoso culpa a pobreza pelas escolhas morais criminosas da extrema minoria da população pobre deste país. Quem tem preconceito contra pobres é Túlio Vianna que acha que eles são criminosos porque são pobres. O que ele não sabe (ou faz de conta que não sabe) é que o apoio as penas severas para criminosos é muito maior em Itaquera e em outras periferias pobres de SP que no Bairro de Higienópolis, por exemplo. Quando a PM ocupou o morro do alemão os moradores de lá aplaudiram a chegada da lei e da ordem e a prisão dos bandidos.

Para vencer a criminalidade, o pensador das idéias tortas sugere investir em educação. Outra confusão do Colosso de Rodêz. Ele confunde escola com cadeia. Eu acho que o estado tem que oferecer escola a quem precisa de escola e cadeia para quem precisa de cadeia. Ultimamente estamos levando para a escola quem deveria ser levado para as cadeias. Resultado. Transformamos as escolas num grande presídio (Dizem que as escolas que funcionam dentro dos presídios são ótimos locais para se trabalhar. Professores que vão trabalhar lá dentro costumam adorar a experiência e não querem voltar para as escolas comuns). Escola não transforma o caráter de ninguém. Os crimes de colarinho branco provam isso. José Dirceu e Delúbio Soares não são criminosos por falta de escolas, concorda?
Esse é Túlio Vianna, Cora. Alguém que ganha 10 mil mensais do contribuinte brasileiro. Mas esse não é seu custo mais oneroso para a nossa sociedade. O principal problema é ele estar dentro de uma sala de aula transmitindo suas idéias para futuros policiais, juízes, promotores, advogados. Eu aceito o ônus de pagar 10 mil para ele ficar em casa dormindo porque quanto mais tempo ele dorme menos tempo ele tem para pensar. E você já percebeu quando ele pensa quem perde somos nós cidadãos brasileiros viventes na terra do bang bang.

Srta. T. disse...

Desculpe, Lola, eu sou realmente bem desinformada. Mas eu meio que sinto que "perdi" alguns direitos com a expansão dos direitos das mulheres. Algumas coisas atualmente me parecem imposição. Basta ver nos comentários como muitas pessoas acham reprovável que uma mulher faça o prato do namorado, por exemplo. Se antes as mulheres eram cobradas (e ainda são) para ter um comportamento mais recatado, ou para não se "destacar" demais, hoje, me sinto meio que cobrada a ter uma carreira, a ser forte, independente e menos passional. Mas se esta é minha natureza, o que pode ser feito? Eu, particularmente, gosto de agradar meu namorado, faço por gosto, admito que não deva ser uma imposição, assim como não deve ser uma imposição o não fazer. Mas digo que muitas mulheres, feministas ou não, tenham um determinado preconceito com quem prefere ficar no comportamento dito como de "Amélia". Por exemplo, acho ridículo quando feministas me perguntam se eu não trabalho. O correto seria me perguntarem se eu não trabalho FORA DE CASA. Como se minha vida fosse de dondoca, bonequinha de porcelana, e não é. Eu também ralo muito, e gostaria de não me sentir diminuída pelo pensamento que se instituiu de acreditar que eu nada produzo. Mas admito que eu tenho que me informar MUITO sobre feminismo, por isso que jamais me posicionei desfavoravelmente. Creio que devemos lutar pela não violência, independente do gênero, assim como lutar por salários iguais para cargos iguais, independente do gênero das pessoas que os ocupem.
Não, não sou uma hater, muito pelo contrário. Apenas curiosa e ignorante do feminismo.
Obrigada.

Anônimo disse...

Srta. T., que bom que seu comentário começou com "Nada entendo de feminismo." Isso explica tudo e já responde às suas perguntas, não?

Uma dica: quando a gente quer discutir sobre um assunto é muito importante buscar conhecer pelo menos o básico sobre ele. Isso faz com que se evite bastante falar uma besteira muito grande e se faça papel de boba. Além de poupar a outra pessoa com quem se fala de ter que explicar o básico do básico pela bilhonésima vez.

Julia disse...

Srta. T.

Porque perde um tempo que poderia estar gastando organizando uma passeata pelos direitos das mulheres de serem fracas, dependentes e poderem fazer o prato do seu macho, aqui neste blog?

Você esta perdendo um tempo precioso que poderia ser melhor aproveitado.


Anônima da saia disse...

Gente calma, por isso que muita gente odeia o feminismo, a gente nao pode se rebaixar e atuar como masculinistas cheios de ódio. A Srta.T veio com toda a educação aprender, como eu nesse blog.

Olha Srta. T, eu tb estou aprendendo mas eu acho o seguinte, ninguém te proíbe ou te rebaixa por vc ser dona de casa. Vc sabia que na Espanha se cogitou a possibilidade das donas de casas receberem um salário? Porque o problema dessa profissão - que sim, vc tem razão, é uma das mais duras pois é 7 dias por semana e nunca tem fim e o pior nao tem uma remuneração, o que faz que a dona de casa (ou dono de casa que seja) sempre dependa de outra pessoa para comprar o que ela acha necessário,

Com isso ocorrem casos que - sem violência domestica - mas a dona de casa sempre se sente constrangida se quer comprar alguma coisa que nao seja "necessário" pra todos. Vc fica dependendo da aprovação do outro, se o outro que te sustenta for um cara legal, ótimo, mas se ele achar fútil vc comprar um par de sapatos, vc nao pode comprar, nao é o seu dinheiro.

Por outro lado eu nao achono trabalho de dona de casa e mãe inferior ao contrario, e muitos casais ainda hoje acabam tendo essa divisão de trabalho - o marido trabalha fora pra ganhar dinheiro e comprar comida, roupa, pagar o aluguel e a mulher cozinha, cuida dos filhos e da casa. Nao vejo nada de errado nisso, o errado e é o que o feminismo luta contra é que apesar de ser um trabalho mais duro, ele é menos considerado, o homem trabalha 5 dias a semana e a mulher 7 e muito mais horas, e mesmo assim ainda hoje nao se valoriza esse trabalho.

E repito o problema é que justamente se algum dia o seu marido se mostrar machista ou o que seja e vc ficar sozinha, vc nao tem uma profissão remunerada que te faca caminhar pelas próprias pernas.

Outra coisa: nao ha nada de errado em fazer o prato pro seu namorado, eu nao gostaria que alguém fizesse o meu prato porque so eu sei o tamanho da minha fome. Além do mais porque so vc faz o prato dele, nao acha justo que ele também fizesse o seu? Quando a gente gosta da pessoa, gosta de mimar, tudo bem, mas o problema é quando sempre é so uma das partes quem mima,

Um abraço.

Srta. T. disse...

Anônimo das 16:14 e Júlia. Eu não entrei num debate defendendo um ponto de vista. Acompanhei cada comentário, e me abstive de falar do que não sei. E, quando me pronunciei, foi justamente para perguntar, para tentar saber. Ainda que não seja o caso de nenhuma feminista que acompanha este blog, devo dizer que isso acontece. A mesma mulher que reclama do quanto as mulheres foram oprimidas no passado, oprimem mulheres hoje, mas por motivos diferentes.
Minha pergunta girou justamente em torno disso, de saber que existem mulheres que sofrem preconceitos de outras mulheres por coisas que só deveriam caber a ela decidir. A mulher fala que vai ter um filho e alguém pergunta se ela é louca. Por isso eu falei da questão dos julgamentos. Hoje, a mulher não conquistou o direito de trabalhar fora de casa. Parece que ela conquistou a obrigação de ter uma carreira. As donas de casa são tidas como mulheres inúteis, às vezes, esse conceito parte de outras mulheres. Acho ótimo que eu possa estudar, trabalhar, votar, sair com amigos, tomar cerveja e andar sozinha na rua, mas não acho que nada disso deva ser tido como a única opção correta. E se uma mulher decide que só vai sair na rua com o marido? Opção dela. Não digo que devamos organizar passeatas para garantir esse direito, mas talvez apenas respeitar. Basta imaginar a situação. Mulher, do lar, 3 filhos, poder aquisitivo nas mãos do marido. Basta para que muitas feministas achem feio, ao invés de simplesmente serem neutras, ou o que seria mais válido, apoiar a outra mulher na decisão dela.

Anonima de saia, muito obrigada pelo comentário, foi esclarecedor. Mas eu vivo a realidade de dona de casa, e eu sei do preconceito que enfrento, por uma opção minha, que só diz respeito a mim e à pessoa que me sustenta financeiramente. As pessoas, principalmente as mulheres torcem o nariz, ainda dizem “tão inteligente, estudou tanto para ficar em casa sem nada produzir”. Realmente, eu estudei muito, poderia ter uma carreira se fosse esse o meu desejo, e sei que, se eu pude ter a chance de estudar, foi graças ao feminismo. Essa é uma conquista. Mas acho que falta, sim o respeito às diferenças. Mesmo que a minha realidade não sirva para todas as mulheres, apenas não precisa criticar. E basta ler os comentários para ver que basta fugir do padrão de força e igualdade sexista, que muitas pessoas passam a hostilizar, e até ofender. Eu não sou frágil. Eu não sou dependente. Eu sou um ser humano, uma mulher que escolheu que determinadas batalhas não valem a pena PARA MIM.
Muito obrigada, mesmo...

Anônima da saia disse...

Srta. T
Entendo o preconceito que vc sofre, mas acredite, nao é porque vc é dona de casa que sofre mais preconceito. Só por vc ser mulher vc sofre preconceito. Vc diz que quando diz que quer ter filhos torcem o nariz, pois bem o mesmo acontecem se vc diz que nao quer ter filhos. Eu, por ex. Nao quero te-los por motivos de saúde e também porque nao tenho vontade de ser mãe. Entao as pessoas me chamam de egoísta, que vou me arrepender e vai ser bem feito pelo meu egoísmo vou morrer sozinha e que se eu nao fosse egoísta faria milhões de tratamentos para te-los. Oras.... Tampouco estao respeitando a minha decisão,

Deduzo que vc esteja casada (e pelo jeito bem casada) parabéns. Fico mesmo feliz, dificil achar alguém de quem gostamos pra casar, mas acredite se vc fosse solteira TAMBÉM receberia criticas. Eu sou solteira. Muita gente tem PENA de mim (coisa que nao suporto) eu gosto de morar sozinha nao entendo o porque da pena. Ms é assim, criticas e pena.

Eu trabalho fora e sou independente e mesmo assim recebo criticas pois as pessoas nao entendem do porque uma mulher solteira e sozinha nao more com os pais.

E por aí vai, entao acredite, seja dona de casa ou nao (alias eu tb sou dona de casa, lógico, pois nao tenho empregada porque nao gosto de gente estranha dentro de casa me servindo) bom, pois acredite, seja dona de casa ou empresaria, casada ou solteira, mãe ou que nao quer ser mãe, como mulher SEMPRE SEREMOS CRITICADA.

Agora concordo com vc que vc veio com toda a educação expor uma duvida e ja partiram pra dez pra cima de vc como se vc fosse uma ameaça isso é péssimo para todas as mulheres, sejam feministas ou nao.
Olha, se vc é feliz sendo dona de casa, compartilhando as tarefas desse jeito com o seu marido, ele trás dinheiro vc cuida da casa, se vc quer ter filhos, eu sinceramente acho que vc tem que ir adiante e ser feliz,
Eu por exemplo nunca gostei do trabalho de casa, de servir alguém ou que me sirvam e nao quero ser mãe, entao no meu caso a minha felicidade nao seria a mesma que a sua. Mas concordo em que sim, temos que respeitar ambos pontos de vista,
O que o feminismo combate é que o modelo de mulher dona de casa homem sustenta a casa seja o único e seja imposto ate para aquelas mulheres que como eu, nao se sentem felizes nesse modelo.

Eu acho que no feminismo as vezes tem muitas mulheres muito jovens como eu acho que deve ser o caso dessas duas garotas que te contestaram de forma radical, e na juventude ainda falta um pouco de empatia, de por se na pele dos outros, de ser mais tolerante e maleável.

Mais uma coisa que eu lembrei de te comentar, eu sou uma pessoa bastante conservadora nas minhas relações amorosas, só tenho relações com cara que to namorando, tb as vezes me sinto um pouco desprezada por isso, pois se as mulheres lutaram para poder transar a hora que querem e com quem querem? Bom, eu faço o que me faz feliz a mim, esse tipo de relacionamento nao me faz bem a mim e nem por isso me considero machista. Machista seria se julgasse mal quem é sexualmente liberal,

Bom, é isso... Eu como vc tb to aprendendo, as vezes tb me responderam de forma radical, outras de forma esclarecedora, eu como vc estou aprendendo, e isso será ate o fim dos meus dias.
Um abraço.

Julia disse...

"""E se uma mulher decide que só vai sair na rua com o marido? Opção dela."""

Eu faço assim com meu cachorro. Ele só na rua comigo. E não adianta outra pessoa chamar que ele não sai. Foi bem treinado.

Thaisinha disse...

Júlia...
Seu comentário poderia ser considerado ofensivo por qualquer pessoa que não fosse louca por cães.

Eu não fui treinada. Só PREFIRO. Acho que o que algumas feministas ainda não entenderam é que basta cada um fazer o que acha melhor. Ótimo que já tenham conquistado o direito de trabalhar fora de casa. Ótimo que eu possa ESCOLHER se quero ou não exercer a profissão para a qual me formei. Sim, eu estudei. Sim, eu posso exercer uma profissão. Mas EU me realizo ficando em casa. RESPEITO é algo que falta aos machistas, masculinistas e também a algumas feministas.
Dizer que sair apenas acompanhada é falta de pensamento próprio pode ser tão preconceituoso como dizer que lugar de mulher é na cozinha, ou que mulher ao volante é um perigo constante.

BoobbleBitch disse...

Lola , o que você acha desse - http://www.youtube.com/watch?v=XXYXGqMmkqs&feature=share - video?

Beijos , amo seu blog.

Anônimo disse...

ela se revolta porque ve as mulheres pegando prato de um homem na mesa...quanta energia voce gastaria fazendo isso né doutora advogada? voce ficaria muito cansada e poderia até se machucar.Suas unhas poderia quebrar, pq nao mandar um homem fazer o trabalho sujo, assim ele morre mais cedo que voce nao é sempre assim?faça me um favor.ja sei, sou machista bla bla bla

Anônimo disse...

Para aqueles que acham que machismo feminino não é grave(e me acham um mascu troll por que ser contra a vulgaridade feminina que só agrava nossa situação),sugiro que procurem na internete,já que links aqui não são bem vindos,a página MULHERES CONTRA O FEMINISMO, assim como MULHERES INTELIGENTES,MOÇAS DIREITAS etc.

Sugiro tomarem uma acidada antes...

clarice

AArK disse...

Uma música que fala sobre isso e que eu adoro é Sister Blister da Alanis Morissette. Saca a letra:

Você e eu somos feitas do mesmo tecido
Parece para alguns que somos famosas por nos darmos bem
Mas você e eu somos estranhas uma para a outra
Porque você e eu somos competitivas até os ossos

Tal tragédia pisar uma na outra
Pelo tanto que nós já passamos
Da maneira que esta terra está
Você e eu sentimos juntas somente pelo gênero
Nós não somos todas por uma e uma por todas

Irmã inimiga, nós lutamos para satisfazer os irmãos
Pensamos que a aceitação deles é a nossa vitória
Eles estão felizes que massacramos uma a outra
Para implorar ao clubinho de garotos para nos admitir

Você e eu, separadas da mãe
Você e eu sentimos impotência nessa pele
Você e eu tiramos uma da outra
Você e eu, traidoras da feminilidade

Que pena repudiarmos uma à outra
Com tanto que já percorremos
Já que tínhamos tanta força
E você e eu estamos neste pêndulo juntas
E você e eu com carência ainda abastecendo

Irmã inimiga, nós lutamos para satisfazer os irmãos
Pensamos que a aceitação deles é a nossa vitória
Eles estão felizes que massacramos uma a outra
Para implorar ao clubinho de garotos para nos admitir

Nós podemos não ter as mesmas prioridades
Nós podemos ainda não gostar uma da outra
Nós podemos não ser extremamente anti-homens
Mas é tal peso desonrar uma irmã

Você e eu temos dificultado as coisas para a outra
Nós esquecemos como o separatismo é
Você e eu, podemos ajudá-los a mudar suas mentes
Você e eu, ligadas até o fim

Irmã inimiga, nós lutamos para satisfazer os irmãos
Pensamos que a aceitação deles é a nossa vitória
Eles estão felizes que massacramos uma a outra
Para implorar ao clubinho de garotos para nos admitir

Joane Farias Nogueira disse...

Eu choro sangue quando leio que há.mulheres oprimindo mulheres pra ganharem o proprio dinheiro, terem respeito e serem menos "passionais". É tipo racismo invertido.

Joane Farias Nogueira disse...

Sair apenas acompanhada nao deve ser questao so de gosto, com certeza. Demonstra grande dependencia.

Blog disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blog disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blog disse...

http://igualdadededireitosedeveres.blogspot.com.br/

Eu me identifiquei com você, já passei por isso, pode ter dezenas de homens em um jantar, mas se tiver duas mulheres, ou eles ou elas vão achar que por seres mulheres tem que fazer a janta e servir para eles, COMO ASSIM? Só os homens merecem ter direitos e se divertirem? Vocês acham que são seres humanos melhores e mulheres tem que servir vocês? Em que planeta vocês vivem? Não estamos na idade da pedra onde as pessoas não tinham conhecimento e eram selvagens.

Somos todos iguais.