domingo, 18 de janeiro de 2009

FÉRIAS PELO SUL DO SUL

Esta é uma crônica antiga, de 2001, que fala por si só, mas como estamos em época de férias, decidi colocar aqui pra vocês lerem. É bonitinha, e tudo 100% verdade. Já repetimos essa viagem algumas vezes, por caminhos diferentes. Espero que vocês tentem copiar.O maridão e eu pegamos o carro e fomos, sem destino, rumo ao sul. Este é um programa altamente recomendável, pois faz com que a gente se sinta livre, leve e solta, como se o mundo inteiro realmente nos pertencesse. Nosso objetivo final era chegar até Montevidéu, mas não deu, por motivos embaraçosos que não pretendo revelar. O que me leva à outra recomendação: nunca se esqueça de levar a documentação do carro.
Ano passado, fizemos um programa parecido, só parando em cidades diferentes. Fomos até Buenos Aires pra praticar nosso portunhol, como se não fosse possível falar espanhol nas praias daqui. B.A. é belíssima, mas leva jeito de ser a cidade mais cara do planeta. [isso em 2000, antes da crise econômica que varreu o país. Agora tá tão barata quanto o Brasil]. Além disso, tá cheia de argentino.
Desta vez tentamos gastar menos. Primeiro descemos em Imbituba. O maridão não conseguiu decorar o nome e a chamava de Imbitinga. Adoramos Imbituba, mas praticamente todos os imbitubenses (?) com que falamos nos mandavam a Garopaba. Não porque odiaram a gente – quero deixar isso claro – mas porque Garopaba sim, segundo eles, é o paraíso na Terra. Na volta, passamos por lá, e a cidade é mesmo bonita – tanto quanto Imbituba. Mas é mais cara, e só tem gaúchos e argentinos. Por sinal, o maridão também errou o nome. Dizia Gabiroba ou Gororoba, dependendo de seu estado mental. Já Capão da Canoa ele chamava de Canoa Bonita. Gosto de pensar que ele era mais inteligente quando o conheci, mas sei que só estou me iludindo.
O lugar mais lindo que vimos, no entanto, foi São Lourenço do Sul, na Lagoa dos Patos. Eu tinha familiaridade com a lagoa através de Tapes, um vilarejo que eu já achava maravilhoso muito antes de saber que meu querido editor é de lá. Sabe como é, preciso manter a boquinha. Mas São Lourenço é ainda melhor. Pena que foi lá que o maridão perdeu a fé na humanidade. É que roubaram os chinelos que deixei na praia. Depois de experimentar a água morna da lagoa, não quis mais entrar nos mares do Oceano Ártico. Ah, era Atlântico, né? Pois não parecia.
Um dos pontos altos da viagem foi quando atolei na areia. Bem, quase. Possuída de meu espírito aventureiro, decidi chegar a Chuí, de onde iria para Montevidéu, pelo lado de fora da Lagoa dos Patos. Ou seja, aquele trecho entre a lagoa e o Oceano Atlântico que aparece nos mapas sem as listinhas vermelhas que indicam as estradas asfaltadas. Pensei que os mapas e os pessimistas estivessem exagerando – afinal, não seria possível que um local com tamanho potencial turístico fosse intransitável e inacessível. Mas é.
Primeiro, possuída por aquele tal espírito, passei uma noite em Cidreira, uma cidade que um salva-vidas de Capão da Canoa carinhosamente definiu como “uma anarquia”. A única vantagem de Cidreira é que pude vislumbrar como seria o mundo se o padrão de beleza feminino fosse aumentado em vários quilos. Eu, que sou gordinha, me senti em casa! Estava tão atraente que, no momento que pus o dedão no mar, uma água viva me abordou. Aliás, não acredito que o pessoal do Sul chame este bicho de mãe d’água. Mãe d’água pra mim é Iemanjá.
Em todo caso, eu e o maridão (esqueci de contar que viajava acompanhada – infelizmente, ou aquele salva-vidas estaria no papo) seguimos pra Pinhal e depois pra Quintão, cidades que parecem igualmente “anárquicas”, no mau sentido. Após enfrentarmos uma estradinha de terra em péssimas condições por vários quilômetros, paramos pra pedir informações. Não dava pra crer que rumávamos na direção certa. O que ouvimos em troca? Pra seguir em frente: “Tu já estás no inferno, agora dança com o diabo, tchê!”. Os gaúchos têm um senso de humor...
Seguimos reto por um caminho tenebroso até que a estrada acabasse. Aí eram só dunas de areia. Fomos à civilização pra nos certificarmos se era aquilo mesmo. Uma moça, mui gentil, nos perguntou: “Vocês têm celular? Tentem passar. Se o carro atolar, a gente busca”. Não consigo descrever a velocidade com que demos meia volta, volver, e corremos até Porto Alegre. Nessa Lagoa dos Patos, o pato fui eu.

28 comentários:

L. Archilla disse...

ai que delícia, Lola!!! tem coisa melhor que viajar, nesse mundo? ops, tem. mas como uma longa viagem se aproxima, eu tenho que pensar que não tem. ou que tem e que tudo de bom vai estar lá. ah, deixa pra lá.

eu acho o máximo essas viagens mais "rústicas", tipo "pega o carro e vamos", ou "pega a mochila e vamos". não sinto a menor falta de hotel chique, cama confortável e tudo mais. o importante é viajar e pronto. meu sonho é conhecer o mundo inteiro, mas como não tenho dinheiro (e nem espírito aventureiro o suficiente pra viajar pro exterior com pouco dinheiro), por enquanto vou passeando por aqui...

Mônica disse...

Lola,

essas viagens meio sem dsstino 100%resolvido são ótimas e a gente descobre lugares incríveis. Já fiz algumas assim pro Nordeste, descendo a Serra do Mar a partir de Angra em direção sul, pelo interior de Minas, na Europa e especificamente pra Irlanda no ano passado. É claro que não dá pra ir sem nenhuma organização, né, e alguns destinos são melhores pra isso do que outros. A gente tem também que saber escolher bem as companhias, porque tem viajante que não dá conta de improvisos e não tem bom humor pra enfrentar eventuais tropeços.

Taí, nunca fiz uma dessas pro sul do sul, mas agora entrou na minha lista! :-)

Abraço,

Mônica
Crônicas Urbanas

Anônimo disse...

kero dois psots por dia!!!
cade a analise googleniana??

Luma disse...

Eu sempre quis viajar pro sul, mas no inverno. Praia não é muito a minha praia (rá! sou um gênio da comédia), talvez porque eu more a 10 minutos da praia aqui.

Por falar na praia aqui, adoooro. A água é morna, as ondas são fracas e ela é rasinha. Depois que quase morri afogada em Copacabana eu nunca mais entro naquela praia fria e com correnteza forte.

Camila Pilla disse...

Você poderia ter vindo pela estrada (br sei lá que nro) até Rio Grande e aí sim ter feito rg-chui pelo Cassino, a maior praia do mundo e um ótemo balneário (bem melhor que cidreira, pinhal ou quintão que já viveram seus tempos áureos)... Tudo bem que eu nunca faço esse percurso, é muito areia pro meu gosto, e isso que sou rio-grandina e o nosso apelido é papa-areia!

Mas descer o litoral uruguaio é bem legal, tem prainhas bem rústicas, fortificações militares e praias maiores, paisagens lindas e uruguaios (que não são o povo mais hospitaleiro mas muito mais simpáticos que os argentinos), sem contar que passaria por Punta del Este, o paraíso da verdadeira burguesia, onde uma coca-cola custa entre 8 e 10 reais...

Marizelia disse...

Lola,

quando me casei ai no Br queria por que queria passar a lua de mel no Sul. Fui pesquisar e mostrava as fotos para o futuro marido. Sabe o que ele dizia? Não quero ir para um lugar que é igual ao lugar onde nasci nos EUA! Quero algo diferente! Traduzindo: quero ir para a praia.Olha que heresia comparar o Sul do Br com algo por aqui. E eu queria tanto ir a Canelas, Bento Gonçalves ..encher a cara de vinho. Enfim, fui para a Costa do Sauípe passar a lua de mel. Mas ainda realizo meu sonho de conhecer o sul (só fui a um Congresso em POA).

Bjs

Marizelia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Rute disse...

que viagem ótima lola!
não conheço quase nada do sul ainda.
uma vez eu, meu pai, meu irmao e um tio fomos de belo horizonte pra recife de carro pelo litoral. foi uma das melhores viageens que ja fiz! acho que fizemos o percurso em duas semanas. vimos cada praia maravilhosa!
com certeza essas viagens improvisadas são as melhores
ainda quero fazer muitaaas!
beeijo

Masegui disse...

É, pelo visto as perseguições ao companheiro maridão são antigas... como sofre o pobrezinho, aff Maria...

lola aronovich disse...

Lauren, às vezes fico com preguiça de viajar, mas é uma delícia mesmo! Eu adoro esses planos “sem destino”, sem pressa, paramos onde quiser, quando quiser. A gente sempre ficava em hotéis e pousadas baratos, coisa de 40 a diária pro casal. Agora deve ter aumentado, né? Mas eu sei que vc viaja direto, e sempre com amigos. Muito legal! (sozinha deve ser ruim, imagino. Será que não?).


Pois é, Mônica, é assim que eu gosto. Então, queria muito fazer uma dessas pelo nordeste, mas já ouvi que as estradas são ruins e que é perigoso (muitos assaltantes). Quando vc fez? Na Europa deve ser bem simples, suponho. Faça uma viagem pro sul do Sul. Tem muita coisa pra conhecer por aqui. E eu amo Montevidéu e Lagoa dos Patos.

lola aronovich disse...

Anônimo, ah, dois posts é demais. Depois o pessoal reclama que nem consegue acompanhar. A análise googleniana sai na terça.


Luma, se vc mora perto da praia (onde?), de fato, vir pro Sul não é a melhor pedida. Eu tb gosto de água morna e ondas fracas. Eu já quase morri afogada em vários lugares, inclusive em Recife!

lola aronovich disse...

Camila, pois é, Cassino é conhecida, e pode ser que hoje em dia essa travessia esteja melhor. Mas na época estava realmente intransitável. Ah, já desci (ou melhor, subi - foi na volta. Na ida a gente foi pra Argentina pelo interiorzão) o litoral uruguaio. Eu acho que o Uruguai não tem muita coisa além de Montevidéu. Fomos a Punta del Este e no ato pensei: “Isso não é pra mim”. Só tinha carro de luxo! Não tenho a menor vontade de ficar num balneário de luxo desses. Só ficamos algumas horas. Mas como assim, os uruguaios não são o povo mais hospitaleiro?! Discordo totalmente! Acho os uruguaios uns amores! Super gentis. Eu até os comparo com os nordestinos em matéria de hospitalidade. É do tipo que a gente pergunta onde fica tal lugar e eles nos levam lá!


Marizelia, ah, seu marido é dos EUA? Ah, vc tem que trazê-lo pro Sul. Imagina, não tem nada a ver com os EUA! Eu adoro Canela, mais ainda que Gramado. Se bem que é do lado. Já comeu rodízio de fondue? Então... Aquilo é o que há.

lola aronovich disse...

Ana Rute, eu adoro o sul. Vale muito a pena conhecer, ir até Montevidéu. Não sei como tão poucos brasileiros conhecem Montevidéu e Buenos Aires. Dá pra fazer uma viagem dessas que a gente faz de carro a partir de SP, parando em cada lugar legal. Puxa, de BH a Recife?! Deve ser uma delícia mesmo. E essas viagens saem mais em conta que muitas outras...


Mario, sofre muito mesmo, esse seu companheiro. Algum dia eu coloco a crônica dos “Nós maratonistas”. Vc vai morrer de rir!

cavaca disse...

Eu também sempre me organizo para viajar, mas não muito. Porque gosto de surpresas. Na maioria das vezes uso pouco os transportes publicos, só mesmo quando o necessário, pois gosto de fazer os percursos, mesmo os longos, a pé --- uma das vantagens de viajar sozinho -- uma semana em paris me custou três quilos.
O problema é o meu senso de direção que é péssimo, mesmo com mapas sempre chego nos lugares pela porta dos fundos, ou pelos portões errados, perco tempo com isso mas também descubro coisas pelo caminho também interessantes.
Eu ainda quero fazer muitas viagens aventureiras, como não fica muito longe daqui ainda quero ir para Holanda, dizem que lá tem os melhores jardins do mundo para se fotografar na primavera. Claro que outros lugares estão na lista, como Espanha e Suiça. E ainda tem o meu grande sonho de conhecer os EUA.
Tudo o que me falta é tempo, pois estou sempre barricado no trabalho. Sabe de uma coisa, a minha mãe tem muito tempo livre, seria ótimo se ela pudesse doar esse tempo para mim, e gente com tempo livre poderia também vender esse tempo para pessoas que precisam mais dele, não é?
Eu também quero conhecer o sul do Brasil, todos esses lugares que vc mencionou Lola, parecem ser out of this world.

Mônica disse...

Ih, Lola, a viagem pro Nordeste foi ainda na década de 80, tem mais de 20 anos... Foi uma aventura, mas fiz na hora certa, acho que hoje eu ía querer um pouquinho mais de conforto... :-)

Pra Europa é tudo bem mais simples mesmo, pelo menos em geral. Fui ao Uruguai em 1999, adorei o país.

Outra viagem legal foi ir pro sul do Chile e atravessar os Andes pra Argentina, mas nessa foi uma mistura de carro e ônibus. Tenho um amigo que fez de moto, mas aí é aventura demais pra Mônica de hoje...

bisous

Luma disse...

Moro em Aracaju, Lola.

Em Recife eu não entro na água nem pagando. Morro de medo de tubarão.

Nita disse...

Que delícia!
da última vez que eu fui pra lá eu passei em curitiba/praia do rosa/joinville e uma cidade perdida com um resort que agora eu nao lembro o nome xD
A praia do Rosa é linda também... e nós vimos baleias

Beijo Lola.

Bel disse...

hahahaha
adorei os novos nomes que o maridão deu para as cidades! E isso é só criatividade, não é falta de inteligência não, viu, dona Lola???

Giovanni Gouveia disse...

Nos meus bons tempos de easy rider eu fazia umas viagens legais, mas era de carona, de trem, de ônibus... uma barraca nas costas (na época era transa 2, com ferros, e peso fenomenal, não existia a facilidade desses iglus que até meu filho de 3 anos consegue carregar), uma rede, e tava feito, tudo aqui pelo Nordeste.
E Luma, eu moro em Boa Viagem, e tomo banho de mar quase todo dia... E, se bem me lembro, Atalaia tinha uma água gelaaadaaaa (pros meus padrões...) Lola, só há dois ou três pontos de mar "forte" aqui no Recife, tua sorte não foi das melhores...
Eu sempre tive vontade de conhecer o sul, mas o mais ao sul que eu conheço deste Brasil é Sampa, infelizmente

Sam disse...

Lola, que viagem interessante. Eu tenho a maior vontade de conhecer o litoral gaucho. Eu fui apenas ateh Florianopolis, queria ver praias mais ao sul e mooorrro de vontade de conhecer a praia do Cassino.

Ja fui de Sao Paulo a Santa Maria-RS. Foi uma viagem muito gostosa. 'E tao legal ver o clima modificando, a carinha das pessoas, o tipo de comida, o ambiente... adoro essas transicoes.

Tambem ja fui de Sao Paulo a Abaira-BA 2x de carro. A impressao de mudanca foi a mesma. Passei por cidades muito pobres em Minas e Bahia, estradas ruins e algumas paradas que realmente nao dava vontade de comer. Mas eh bom, ver que o Brasil nao 'e apenas Sao Paulo, como alguns paulistanos imaginam.

Viajar eh muito bom. Algumas vezes 'e um dinheiro mais bem investido do que cursos.

Masegui disse...

Eu já li seu blog inteiro, não me lembro de “Nós maratonistas”... ah, vc ainda não publicou aqui?

“Nós maratonistas” já!!!

lola aronovich disse...

Cavaca, jura que vc faz tudo a pé?! Que legal! Às vezes eu me pego pensando: pô, se de um lugar pro outro são apenas 10, 20 km, por que não fazer o percurso a pé? Aí me lembro que andar 10 km é bastante, e cansa! Mas parece tão pouquinho... Em NY a gente praticamente só andou a pé, e fomos a um monte de lugares (bom, tudo Manhattan). E somos iguais no senso de direção nulo! Eu tb sempre me perco. Mas não devo ter cara de perdida, porque sempre pedem informação pra mim. Eu lá, perdida no meio da rua, e sempre vem alguém perguntar onde fica tal lugar. Isso acontece direto! Seria legal se quem tivesse tempo de sobra pudesse doar um pouquinho pra gente.... Espero que algum dia (soon) vc conheça os EUA, o sul do Brasil, e todos os lugares que vc quiser.


Mônica, ah, 20 anos atrás, vai ver que as coisas mudaram, não sei... Nunca fui pro Chile! Queria conhecer pelo menos Santiago. Dizem que é lindo...

lola aronovich disse...

Luma, Aracaju? Me fale daí. Eu não conheço. Vale a pena morar aí? Como é o custo de vida? Ah, tubarão em Boa Viagem, no Recife, é só depois das pedras. Onde ficam os surfistas.


Nita, eu fui na Praia do Rosa, mas não vi baleia alguma. E vc gostou de Joinville e Curitiba? Eu gosto!

lola aronovich disse...

Bel, seria criatividade se ele bolasse esses nomes de propósito. Mas ele se confunde mesmo...


Gio, que iglus? Ah, deve ser muito bom percorrer o nordeste com uma mochila nas costas. Então, Boa Viagem é uma praia que recebeu a classificação oficial de Praia com Ondas de Afogar Lolinhas. Foi bem aí! As ondas me levavam de um lado pro outro. Ô, Gio, vc precisa conhecer o sul. É muito bom aqui tb.

lola aronovich disse...

Sam, é, o Sul é muito legal, mas as águas são frias. Por isso prefiro Lagoa dos Patos. Eu tb já fui a Argentina pelo interior do RS, e foi muito bom (mas as paisagens são todas parecidas). Eu tb adoro as transições, o sotaque de cada lugar... Concordo que dá pra aprender muita coisa viajando.


Mario, é uma crônica antiga que não publiquei aqui ainda. Na realidade, tô cheia de crônicas antigas nunca publicadas na internet. A dos “Nós, maratonistas” é uma série de crônicas de viagem que eu achei que ficaram bem legais. Vou publicar, então. Em umas cinco partes...

anacris disse...

Cidreira é o meu paraíso na terra (apesar de morar em Beln. Camboriú), o momento mais esperado do ano é a viagem de férias, que religiosamente é feita em janeiro, até Cidreira. Meus pais adoram essas aventuras, aqno passado foram ao Itaimbezinho, uns cânions (nem sei como escreve). A próxima aventura vai ser ir conhecer o fim/começo do Brasil, mas vou avisá-los que lá o carro pode atolar... beijos!

ninanw disse...

Mesmo assim as melhores praias são as de SC, sem dúvida as mais bonitas, bah muita loucura essa tua. Pinhal e Cidreira já tiveram seus auges. O mais tri de tudo é um solão dos infernos e todo gaúcho tomando um chimarrão na beira da praia, isso é o mais legal.

Sabrina Bergmann disse...

Olá Lola!
Sei que estou mega atrasada, esse post é antigo, mas só conheci ele hoje...e tive a maior surpresa do mundo ao falares de São Lourenço do Sul, minha cidade amada do coração!
Sempre que posso acesso o teu blog, mas nunca, nunquinha, podia imaginar que tu conhecesse a Pérola da Lagoa.
Atualmente moro em outra cidade no interior do RS, mas meus pais e sogros ainda residem lá, vamos seguido, ainda mais no verão. Só para saberes, possivelmente devido à seca (falta de chuva), a lagoa "salgou" (as águas do mar e da lagoa se misturaram) e as praias de São Lço estão com água transparente!!!! Linda, linda, linda!
Enfim, adorei a minha cidadezinha ter seu momento de fama, rsrs. Uma pena teres conhecido os "meliantes" também, pelo desculpas pelos meus conterrâneos...
Grande beijo!
Sabrina.