segunda-feira, 28 de novembro de 2005

CRÍTICA: PLANO DE VÔO / Eu acredito na Jodie

Chegou “Plano de Vôo”, e devo confessar que gosto de thrillers passados dentro de aviões. Mas acho que “Vôo Noturno” é melhor, por ser mais simples e mais eficiente no suspense. Aqui em “Plano” a história é mais instigante, mas a realização deixa um pouco a desejar. A Jodie Foster faz uma engenheira que acabou de perder o marido e viaja de Berlim a Nova York com sua filhinha de seis anos. No meio do percurso, a menina puft, some. E todo mundo insiste que a Jodie embarcou sozinha.

Com uma trama tão hitchcockiana assim, por que “Plano” não funciona totalmente? Um dos problemas é a escalação da Jodie. Lembra de “Louca Obsessão”? Aquele suspense é um estouro porque era estrelado pela então desconhecida Kathy Bates, e a gente não imaginava do que ela seria capaz (ninguém acreditaria numa Meryl Streep, por exemplo, quebrando as pernas de um cara com uma marreta). A Jodie a gente conhece, e confia. Sabe que ela não alucinaria ter uma filha. Se ela afirma que a guria tava no avião, quem é a gente pra duvidar de uma super atriz vencedora de dois Oscars? É como ter certeza absoluta que a Jennifer Connelly nunca faria algo contra a filhinha em “Água Negra”. Se essa ambigüidade existisse de verdade, se a gente suspeitasse que a Jodie pirou na batatinha, o terror seria maior. Além disso, em “Plano” a gente enxerga a Jodie com a garota. Os passageiros e a tripulação podem ser uns ceguetas, mas nós vimos. Tudo bem, a Jodie até aparece passeando com o marido morto nos créditos, só que isso não é suficiente pra abalar nossa convicção na heroína.

Mais uma coisa. Notou como em todo filme com a Jodie ela faz uma mulher solteira, separada, viúva, geralmente com filhos? Ela quase nunca tem um par romântico (mais um motivo pra gente idolatrá-la). Em “Plano”, pra naturalizar essa situação, não há um só casalzinho louco pra transar no banheiro do avião. Acho que o único casal do filme senta em fileiras separadas.

Agora, por que os vilões, que a gente desconhece até o final quem sejam, selecionam a Jodie pra atormentar? Parece que é porque ela vive de planejar aviões, então ela tá ciente que há mais lugares pra procurar uma menininha desaparecida do que na cabine do piloto. Como disse o maridão, a gente mal sabe que existe a primeira classe. Eu posso ser ignorante e tal, mas que negócio é esse de uma portinhola no banheiro dar num painel de controle que possibilita trazer pânico pra todos? Na minha próxima viagem, se eu não ficar entalada nessa portinhola, me aguardem.

Bom, tal qual “Mar Aberto”, a lição de “Plano” parece ser: antes de sair por aí andando em qualquer meio de transporte, faça-se notar. Fica aí a dica. Mas minha dúvida cruel mesmo é descobrir se suspenses como “Plano” e “Vôo” passam nos aviões. Eu lembro até hoje que “Rain Man” foi proibido porque o Dustin Hoffman declamava um longo monólogo sobre acidentes aéreos. Ele só aceitava viajar pela Qanta, que possuía um histórico impecável. A única companhia que passava o filme era a... Qanta, lógico.

2 comentários:

Chá de Camomila disse...

Oi!
Fiquei besta como você matou a charada: "porque o filme não decola?"
Realmente, a Jodie tem uma credibilidade incrível pruma atriz, e realmente, esse é o defeito do filme.
Mas, vamos aos elogios: estou há noites lendo o seu blog, saltando apenas os filmes que ainda não vi e os de terror, que não verei jamais.
Notei que não concordo com a maior parte de suas críticas, mas os seus textos são ótimos de se ler. Tá bom, o Senhor dos Anéis realmente deu sono, mas eu adorei mesmo assim. Pra mim, cinema bom é aquele que se presta a bom entretenimento, e naturalmente pra fazer pensar, quando necessário.
Não leio críticas detalhadas antes de ver um filme. Assisti a Matrix sem sequer ter noção de que tipo de filme era. Imagina o impacto que ele me causou! Foi delicioso me deixar intrigar, impressionar, e fascinar; e, no final, ficar sem saber se eu mesma era real ou não.
Isso é que é bom cinema, o que te envolve e transporta pra outro mundo com uma boa história.
Concluindo, fico feliz de ver que você gostou de A Viagem de Chihiro; é o único que se você não tivesse gostado, eu não a leria nunca mais!
Um grande abraço da sua mais nova leitora fiel.

Anônimo disse...

HUm....quando assisto filme, n assisto procurando os detalhes pra achar defeitos e perder a graça.
Tente assistir um filme por puro prazer de assisti-lo, vc irá se divertir.