sexta-feira, 28 de novembro de 2003

CRÍTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS / Ensina-lhe a viver

Olha, não tô querendo insinuar que “Encontros e Desencontros”, o ridículo título dado a “Lost in Translation” (“Perdidos na Tradução”), seja um filme bundão, mas digamos que a imagem de um bumbum que abre o filme é emblemática. Talvez minha decepção se deva ao fato da comédia dramática ser assim tão louvada, ter concorrido ao Oscar e tudo mais. Mas, pra ser sincera, o trailer já tinha sido tenebroso. Então, eu só queria entender: o que esse filminho tem de novo? De maravilhoso? De memorável? Será que os críticos estão com remorso por terem espancado a Sofia Coppola quando ela atuou em “O Poderoso Chefão 3”? Eu gosto da Sofia, adorei que ela tenha sobrevivido ao massacre, gostei de “As Virgens Suicidas”, sua estréia na direção. Mas “Lost” é meia-boca demais pra ser verdade.

O filme mostra o Bill Murray como um astro de cinema contratado pra anunciar whisky no Japão, e ganhando dois milhões de dólares na brincadeira. E uma tal de Scarlett Johansson (de “Encantador de Cavalos”, mas ganha um prêmio quem se lembrar dela lá), imitando todas as caretas da Sofia, como uma mocinha recém-saída da faculdade acompanhando seu marido fotógrafo, um completo imbecil, e coçando em Tóquio. Bom, a vida é dura pra todo mundo, eu sei, mas a gente tem que se identificar com esses personagens? Se bem que eu tinha tudo pra me identificar. Afinal, acabei de passar uma semana incomunicável na Rússia. Mas não senti vontade de gastar meio minuto com esse pessoal. Morro de peninha desses endinheirados entediados. O maior problema deles é ter crises matrimoniais e não conseguir dormir? Tadinhos. O filme, que não é necessariamente chato, mas é lerdo, exibe o tédio dos dois. A moça sentada na janela exalando alienação. Bill jogando golfe. Eu não bocejando ainda, mas esperando que algo aconteça. E aí acontece. Moça vai a um templo. Moça faz arranjo de flores. Bill fala com sua esposa por telefone. Mais nada. No final ele diz algo pra ela que a gente não ouve. Agora, muitos acham isso um toque magistral, pois respeita a intimidade dos personagens (respeitar a intimidade?! Tão de sacanagem comigo! Pô, o filme começa com um close no bumbum de um desses personagens cuja intimidade é respeitada!). Há outra alternativa. Talvez a Sofia não soubesse qual frase colocar no roteiro, já que todas soariam banais demais – como, aliás, todo o resto do diálogo. Aí ela faz com que o espectador, aquele que é antes de tudo um forte, que teve que agüentar até karaoquê, não ouça a frase. Mas, como ela é filha do homem, os críticos gritam em coro: “Uau, que gênio!”.

Dá licença. Mas minha mãe gostou do filme, que definiu como um “Desencanto” (clássico do David Lean sobre gente casada que se apaixona mas não chega às vias de fato) do século 21. Eu não bati nela porque, sabe, mãe é mãe. O maridão decidiu usar seu critério sobre o que é ou não um filme bom e perguntou pra ela: “Você veria isso de novo? Ainda este século?”. Ao que minha mãe teve de admitir que não.

E por que não? Primeiro porque “Lost” se baseia em estereótipos pra fazer com que a gente ria dos japoneses. Um clichê repetido até cansar é o negócio d’eles trocarem o r pelo l. Sim, é hilário, eu sei. Quando eu era criança eu também morria de rir quando o Cebolinha, mesmo sendo ocidental, fazia isso. Mas o motivo principal pra “Lost” definitivamente não ser um “vale a pena ver de novo” é mesmo que nada acontece. Claro, existem muitos filmes ótimos em que absolutamente nada acontece, como, por exemplo, ahn, quer dizer, certo, como eu tava dizendo, existem inúmeros filmes bons em que nada acontece. Só que eu não podia parar de pensar em “Kill Bill”, também passado no Japão (uma boa parte), mas infinitamente mais animado. E com revelações muito mais interessantes sobre os japoneses do que dizer que eles são baixinhos.

Quais outros argumentos posso usar pra destilar meu veneno a “Lost”? Bom, eu nunca noto erros de continuidade. Mas aqui eu notei. Sei lá, não dá pra admirar um filme só porque ele não tem efeitos especiais. Ah, mas o argumento definitivo contra “Lost” vem agora: qualquer filme que inclua quatro números de karaoquê não pode ser tratado como obra-prima. Nem aqui nem na China.

4 comentários:

Maíra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
=Maíra= disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
=Maíra= disse...

Finalmente alguém que também achou "Lost in Translation" superestimado! Eu gostei bastante da câmera (dos efeitos de cor e luz), mas o filme podia ter durado metade do tempo, na boa.

Juliana Soares disse...

Nossa,adorei,disse tudo!Já no começo do filme focando no bumbum da personagem principal já suspeitei que não seria um filme que eu amaria; resisti, só para gastar o meu tempo e ver mais daquele nada insuportável da dor da classe média e do seu tédio... Obrigada pelo texto, me senti reconfortada, rs.