terça-feira, 30 de junho de 2020

PARA APOIAR O BREQUE DOS APPS, NÃO PEÇA ENTREGAS AMANHÃ

Amanhã, dia 1o de julho, haverá uma greve dos entregadores de aplicativos. Já tem uma tag bombando no Twitter: 
#AmanhaTemBrequeDosApps. O jeito de apoiar é não pedir nenhuma entrega amanhã!
Reproduzo aqui a entrevista que o coletivo Juntos! fez com a entregadora antifascista Eduarda Alberto. Uma entrevista importante para entendermos os perigos e desafios desta profissão altamente precarizada

1. Como você se tornou entregadora de aplicativo? Tinha outra profissão antes?
Eu não sou entregadora de aplicativo, eu entrego para micro-empreendedoras e outros serviços freelancer que surgem. Porque eu não sou entregadora de aplicativo: o meu namorado até pouco tempo entregava por aplicativo e alguns companheiros nossos e amigos próximos também, e a questão da precarização do trabalho no aplicativo já era muito clara pra mim. Inclusive eles também pararam de entregar por aplicativo, então quando comecei a entregar, eu já tentei criar meios pra não depender de aplicativo, pra ter um trabalho mais autônomo mesmo. Eu tinha outra profissão antes sim, na realidade eu estudo arquitetura e todo o meu trampo é pra conseguir me manter estudando. Manter meu aluguel, comida e principalmente estudando. Eu tava trabalhando nos últimos tempos como bartender, e quando Crivella decretou a quarentena e os bares tiveram que fechar, na semana seguinte eu já tava fazendo entrega, porque eu precisava de uma fonte de renda. Então eu me tornei entregadora justamente por conta da pandemia. Então não fiquei de quarentena nenhuma semana sequer.

2. Como você vê essa ideia de empreendedorismo para aqueles que trabalham por conta própria?
Essa ideia de empreendedorismo pra quem trabalha por conta própria é uma mentira né, quando é contada pra pessoas que são prestadoras de serviço. Entregadores são prestadores de serviço, não têm um plano de negócio, não tem uma projeção de enriquecimento, até porque o que você ganha não consegue nem dar conta de todas as suas contas às vezes. Então isso é uma mentira que eu percebo que ela é contada pra você se sujeitar àquele trabalho mesmo, porque se você pensa, quem se sujeita a pedalar 6 km pra ganhar 3 reais, né? 
Você tem que estar acreditando numa mentira, então acredito que essa ideia do empreendedorismo é uma estratégia manipuladora mesmo, pra gente que entrega. Vende uma ideia de certa emancipação, de certo emponderamento, mas na verdade você não define se você quer as taxas que você vai receber, você não define absolutamente nada, você é um prestador de serviço e ponto. Você recebe uma demanda e aquilo é imperativo, você não decide nada sobre ela, você só pode cumprir.

3. Quais são as principais revindicações dessa paralisação?
Antes de tudo, acho importante deixar claro que eu faço parte do movimento dos entregadores antifascistas e essa paralisação que se tornou um chamado pra greve, não foi puxada por nós, mas a gente apoia. Nós fomos um movimento que surgiu inclusive no meio de todo esse processo de organização pra essa greve, mas não fomos nós que puxamos, apesar de apoiar 100%.
Mas vamos lá para as reivindicações dessa paralisação: está sendo reivindicado um aumento no valor das corridas e pacotes; aumento do valor mínimo por entrega; seguro de roubo, acidente e vida; bizarro até ter que reivindicar isso, porque não é garantido. Se você morre no meio da estrada, você vai estar morto com a logomarca do aplicativo do seu lado, fazendo propaganda, mas eles não vão ali te socorrer não. 
Então tem também o fim dos bloqueios e desligamentos indevidos. Por que isso tá entrando? É muito bloqueio indevido mesmo, tem gente que nem rodou no dia anterior, acorda pra poder rodar naquele dia e tá bloqueado porque supostamente fez uma entrega errada que a pessoa nem trabalhou. Só um exemplo da surrealidade. 
Tem também o fim do sistema de pontuação, esse sistema de pontuação, é muito injusto também porque às vezes quando a pessoa pede um lanche no aplicativo e dá uma nota baixa pra aquele pedido, isso pode bloquear um trabalhador que não vai ter como levar dinheiro pra botar comida em casa. E às vezes a responsabilidade é mais dos restaurantes do que dos entregadores. Além disso, tem também o auxílio pandemia que tá sendo reivindicado nessa greve: EPIs, porque os aplicativos não fornecem material de segurança, e licença também pros entregadores que pegarem coronavírus agora na pandemia.

4. Você vê uma relação entre essa mobilização e outras que tem acontecido nacionalmente, como os atos antifascistas e antirracistas?
Eu percebo sim uma relação porque está se criando um terreno de revolta. Esse terreno de mobilização já é um terreno de revolta, que tá acontecendo. Os atos antifascistas e antirracistas e antirracistas inclusive, foram o berço do nascimento dos entregadores antifascistas. Então pra além do nosso grupo de entregadores antifascistas, de qualquer forma tá sendo um momento no mundo todo de muita revolta. Em pontos chaves de disposição do mundo. E o próprio movimento nasceu no ato pela democracia, por isso é interessante também o termo antifascista no nosso movimento, até porque a gente percebe que se não tiver num regime político que você tenha a possibilidade de fala, de ter voz, de se organizar com seus comuns, não tem como tocar nenhuma luta.

5. Outras paralisações internacionais, como a de uberes que aconteceu ano passado, influenciaram vocês de alguma forma?
Nas discussões que eu vejo de motoboys e entregadores em geral, a maior referência tá sendo da greve dos caminhoneiros, que tá sendo citada de forma recorrente entre os motoboys. Talvez eles se percebam mais como entregadores também né, como pessoas que transportam mercadorias pelo território.

6. Como vocês tem se organizado a nível local e nacional?
De maneira geral os motoboys e entregadores têm se organizado por whatsapp. O whatsapp tem sido a maior ferramenta de troca de ideia, troca de informação. O movimento de entregadores antifascistas especificamente também se organiza bastante pelo whatsapp, mas a gente tem reuniões periódicas de todos os estados pra poder definir e alinhar nossos planos para o movimento. E o boca a boca, que é o mais utilizado de fato. Quando você tá com o aplicativo ligado, você pode ficar por 12h com ele ligado que não necessariamente você vai pegar vários pedidos. Tem várias pessoas que ficam com o aplicativo ligado e conseguem pegar 3 pedidos. Então esse momento de aguardo nos pontos que saem pedido é um momento potente pra troca de ideia e pra nossa organização.

7. Por que você acha que entregadores de aplicativo são principalmente homens?
Muito interessante essa questão, porque ela vai além dos entregadores de aplicativo. Eu acho que qualquer profissão que você tenha que vivenciar a cidade, as mulheres são menor quantidade no grupo de trabalhadores. Porque de maneira geral as mulheres são socializadas pra escala doméstica, a gente é criada pra ter medo da rua e a rua é realmente perigosa pra gente. Então é uma série de fatores que coloca os homens pro mundo e as mulheres pra escala doméstica, seja a socialização ou seja realmente os riscos que a rua oferece. 
Eu por exemplo, não rodo à noite, não posso rodar à noite. Porque eu percebo que eu ali, com uma bag nas costas, mexendo no celular o tempo inteiro, eu tô ali vulnerável. E alguns lugares eu não tenho total conhecimento, né? Então eu acho que essa questão do ambiente da cidade ser hostil pras mulheres de maneira geral, reflete nessa questão de ter mais entregadores homens, como em todas as outras profissões que são mais na rua.

8. Como as pessoas podem apoiar a mobilização de amanhã, dia 1?
Principalmente não pedindo no aplicativo. Não pedir no aplicativo é uma forma muito relevante de ajudar nesse dia. Mostrar realmente o impacto econômico que nós somos. Nós produzimos dinheiro pras empresas, né? 
Quem tá movimentando o dinheiro das empresas não são os acionistas, é quem faz o dinheiro pra eles que é quem tá na rua se expondo pra trabalhar. Então a gente consegue mostrar a nossa força com esse apoio, ninguém pedindo no dia 1°. E se der pra não pedir nos dias seguintes, ótimo também. Porque a gente tá querendo conseguir movimentar uma greve, então pra além de um dia.
E de maneira geral, eu tenho dito pras pessoas, quando for pedir um lanche por aplicativo que vier a pessoa entregar, pergunta pra ela se ela faz entrega por fora do aplicativo, aproveita pra pegar o contato dessa pessoa. Tem forma de apoiar por fora dos aplicativos e a ideia é fortalecer isso cada vez mais. E é isso, muito obrigada pelo interesse de ouvir sobre o movimento, de ouvir sobre nossa organização e pelo apoio. Também pelas perguntas muito boas, que foi uma delícia aqui de estar respondendo. Muito obrigada!
UPDATE: Veja aqui o sucesso que foi o #BrequeDosApps, o levante contra a precarização. Imagens de protestos por todo o país! (na foto acima, Fortaleza).

12 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns, esquerda. Conseguiram tirar o primeiro ministro da educação negro de seu cargo. Realmente, parabéns!

Anônimo disse...

A direita e a esquerda estão comemorando a demissão de um homem negro. Tanto os bolsonaristas,que se sentiram traídos, quanto os petistas.
Enquanto isso nós, do movimento negro, somos os únicos a solidarizar com Decotelli.
Vocês são nojentos e repugnantes. Direita e esquerda igualmente.

Anônimo disse...

Inventaram que trabalho precarizado é 'empreendedorismo'.

Anônimo disse...

Se não está dando certo, que peçam as contas. Ou vcs querem pagar R$ 50,00 em um sanduíche de R$ 10,00, só pq tem que ficar R$ 40,00 pro entregador, pq "coitado, vem de longe" etc etc e etc...

Anônimo disse...

Pra você, quem foi melhor Lola: Decotelli ou Weintraunb?

Anônimo disse...

Quarenta para o entregador??? Se fosse ninguém estaria fazendo greve 🤔

Anônimo disse...

Não estou comemorando a demissão do Decotelli, em um desgoverno desses que quanto pior melhor, ele nem precisaria mentir ter qualificações, ainda mais já sendo milico. Achei estranho quando vi a notícia de que alguém com tantas qualificações aceitou ser ministro de um desgoverno desses. Mentiu pq para entrar nesse desgoverno, um negro não bastava ser milico nesse desgoverno racista. Pela mentira, nem deveria ser demitido, seria até mais uma 'qualificação' para fazer parte deste desgoverno fraudulento e será substituído por um milico branco ainda pior e mais ignorante e talvez terraplanista/olavete.

Quanto a sanduíche, os supermercados, mercadinhos e padarias estão abertos para comprar os ingredientes, podem comprar para viagem próximo de casa. Esses que pedem um sanduíche por app e estão choramingando que vão ter que pagar 10 reais, são mesmos que exigem total abertura do comércio. Querem rodar nos shoppings à toa, fazer passeios nos calçadões e parques aglomerados, querem ir para os bares e restaurantes em plena pandemia sabendo que terão de abaixar as máscaras, mas não querem ir comprar os ingredientes de um sanduíche.

Anônimo disse...

As universidades internacionais estão corretas em ter desmentido os títulos fakes assim que souberam, afinal o nome dessas instituições estavam em jogo. Quanto em demitir o cara, coloca isso na conta do bozo, afinal ele tem em seus ministérios e secretarias muita gente desqualificada e que mentiu o currículo. Se o bozo demitiu apenas aquele que é negro, aí racista é o seu bozo. Nem sabia que o movimento negro era de direita.
Um sanduíche dessas franquias famosas sai bem caro pedindo por app, não sai por apenas por R$ 10,00 não. Esses ultraliberais aí pedem sanduíches de lanchonetes de bairros populares? Duvido. Será que só as empregadas domésticas desse pessoal tem capacidade de fazer um simples sanduíche?

Anônimo disse...

Ah tu só pode estar de sacanagem, né? Você mora em Marte?

Anônimo disse...

Minha mãe me ensinou quem não aprende pelo amor aprende pela dor a esquerda denunciou a precarização do trabalho mas muitos apostaram em trabalho sem direitos agora a conta chegou.

Kasturba disse...

Raramente pedimos comida por aplicativo, mas justamente no dia 1° meu marido pediu, porque não estava sabendo da greve... :(
Eu sabia por alto porque minha irmã havia me dito, mas esqueci de comentar com ele... :(
Estamos com a rotina tão bagunçada com 'cuidar de criança + cuidar da casa + homeoffice', que nem sobra muito tempo pra nos informarmos sobre o que acontece no mundo...

Gostei da ideia de pegar o contato de um entregador e falar com ele no particular... Próxima vez que pedirmos, vou fazer isso!

m disse...



maior burrice já feita até hoje. deem gorjeta.