sexta-feira, 30 de março de 2018

SE LIGUEM E APRENDAM COM UMA ALUNA DA 5A SÉRIE

Prova da aluna Yasmim, do 5o ano do ensino fundamental num Ciep da zona oeste do Rio. Ao responder "Que conselho você daria a uma pessoa que não respeita as diferenças?", ela escreveu, para desespero do Escola sem Partido e demais reaças: "Acorda pra vida porque você vai toma um seliga".

62 comentários:

Anônimo disse...

Triste, mas na segunda série eu já escrevia melhor que isso.

Anônimo disse...

Infelizmente esse textinho não dá esperança e sim desespero

Carol disse...

Não entendi a crítica à escrita da menina. O tal do "seliga" é uma gíria. Não vi nada escrito errado. Pra uma criança de 11 anos, tá muito melhor do que muito adulto analfabeto funcional. (vários inclusive que comentam aqui...)

Anônimo disse...

Concordo com o anon das 13:44.O se liga escrito junto ainda por cima.Mesmo sendo uma gíria, dá pra escrever certo.

Anônimo disse...

Esse é o Português do Escola com Partido.

Anônimo disse...

"seliga" é uma gíria, ô babacas

e ortografia não se aplica à gírias, seus semianalfabetos

falam da escrita da garota, mas aposto q não saberiam escrever o "porque" certo como ela fez, seus lixos

Os analfabetos funcionais são vcs, seus inúteis, é isso o q não me da esperança, só desespero

bando de energúmenos

Anônimo disse...

Quem tava duvidando que os reaças iriam encrencar com a ortografia levanta a mão!

Dan

Kasturba disse...

Legal o senso crítico da menina. De qualquer forma, a ortografia está errada sim. Não só o "seliga", mas também o "toma" no lugar de "tomar".

Sem querer fazer coro a trolls e reaças, mas também me preocupo bastante em como essa geração não sabe português... Vejo pela minha enteada de 10 anos, que comete uns erros grotescos. Não que eu escrevesse tudo certo nessa idade (e até hoje cometo deslizes no português, pq depois de tantos anos nas exatas, esqueci muita coisa), mas acho que minha geração (30 e tantos anos) era bem melhor que essa sim...

Creio que muito disso é fruto do que se lia. Na minha infância o que tínhamos acesso para ler eram livros ou gibis, que não continham (ou tinham poucos) erros de português. Hoje as crianças lêem textos da internet, cheios de erros, e acabam internalizando esses erros...
Acho que cabe aos pais estimularem mais seus filhos a lerem livros novamente. Aquela coleção Vaga-Lume mesmo, era fantástica!!

Anônimo disse...

a ortografia de "seliga" não está errada, suas antas

Viviane disse...

Bem, analisando friamente, a grafia de "seliga" se justifica por ser uma expressão substantivada, por ser precedida do artigo "um". "Semancol" é outra palavra formada por processo similar.
Mas a falta de "r" no verbo está errada mesmo.

Uma pena que a gramática chamou mais a atenção de todos do que o conteúdo, esse sim brilhante!

Felipe Roberto Martins disse...

Amei Lola! Por uma Brasil Igual, Justo e Melhor para Todxs:).

Anônimo disse...

Vc está elogiando a atitude ou criticando a falta de conhecimento básico mesmo da criança? Não entendi. Nessa idade já deveria estar fazendo uma dissertação completa e baseada, com argumentos e sem erros de português. O que atrapalha? Os professores COM partido.

Anônimo disse...

Pois é, gente, é uma criança ainda, uns 10 ou 11 anos, com certeza vai progredir e melhorar com o passar do tempo. Cabe aos pais e professores corrigirem, ensinarem a forma correta, estimularem a leitura e a redação.

Anônimo disse...

Até que enfim um comentário consciente.

Anônimo disse...

22:12 - mas não há erro de português nenhum, seu babaca

quer parar de bancar o pedante?

Anônimo disse...

Começou a frase com letra minúscula, engoliu a letra "a" da preposição "para", não usou a virgula antes do "porque" explicativo e "seliga" não é uma gíria.

Ortografia aprende-se na 1ª série.

Uma influência paulofreniana: Formar alunos críticos é importante que ensinar o aprendizado formal.

Anônimo disse...


Comentário de 31 de março de 2018 08:40

Errou feio, muto feio em esquecer de citar que ela engoliu o "r" do verbo "tomar".

Mas acertou no conceito.

Parabéns.

Anônimo disse...

08:40

não engoliu, idiota, "pra" é uma forma contraída, sua besta

a vírgula não foi usada, pq ela trocou de linha, SUA ANTA

e "seliga" é uma gíria SIM, seu bosta

Ortografia se aprende na 1ª série, mas vc é um analfabeto funcional até hj, seu babaca

Vá dá lição de moral pro seu avô, seu cretino

É o q acontece quando se engole muito merda do olasno do c%ralho; pensamento crítico e aprendizado formal, vc não tem um e nem outro, apedeuta de merda

Anônimo disse...

"Que conselho você daria para uma pessoa que não respeita as diferenças?"

Pergunta capciosa dessx professorx. Que elx anda ensinado nessa escola? Qual régua ela usou para definir o parâmetro de igual (ou padrão) e o diferente?

Em uma sociedade predominantemente democrática deveríamos aceitar, de bom grado, uma minoria que defenda uma ditadura, ou seja, uma minoria que tem um pensamento diferente?

Em uma sociedade em que a maioria pensa de forma igualitária, não deveriamos repudiar uma minoria com concepção individualista?

Aceitar todos os diferentes não poderia envolver acolher imigrantes cuja cultura seja de mutilar suas mulheres, em caso de desobediência ao marido; do direito de estuprar coletivamente as mulheres.

Que régua elx usou?

Anônimo disse...

10:12 - não, seu cretino

não seja cínico

"diferente", nesse contexto (seu analfabeto funcional, vc não entende CONTEXTO?) se refere, evidentemente, à minorias sociais do país: negros, lgbt's, mulheres, índios, etc.

ISSO É ÓBVIO

Só uma mula feito vc pra fazer uma inferência tão retardada quanto essa; e como se vc não soubesse do q se trata o -diferente-, seu paspalho. Depois querem criticar a gramática da garota, mas os semianalfabetos são vcs

Sérgio Carneiro disse...

Há quem defenda que a língua seja algo vivo, e que modifique-se ao longo do tempo.

Não duvido nada que as palavras: "#todeboa", "tbm", "pqp", "vc", "sdds", "s2", "plmmds" e congeneres sejam usadas normalmente nas escolas e o pior: Como linguagem formal.

Será uma "evolução" até voltarmos as origens: Línguas semíticas.

Anônimo disse...

10:34 - é mesmo, e daí? seu paspalho

é vc q manda na ortografia?

vc acha q a língua portuguesa é a mesma e se escreve do mesmo jeito q 400 anos atrás? seu trouxa

vá te catar, seu merda

Anônimo disse...

"Aquela coleção Vaga-Lume"

putz, a outra critica, mas acha fantástico se alfabetizar lendo pulp fiction

Kasturba disse...

Ah, é... O que você sugere? Que crianças de 9, 10 e 11 anos leiam Machado de Assis? Deve der mais apropriado mesmo, né?

Anônimo disse...

nossa, q Jênia!!!

vc acha q não existe nenhuma outra literatura fora machado de assis e pulp fiction infanto-juvenil?

Nunca ouviu falar de Monteiro Lobato? Lygia Fagundes Telles? Ana Maria Machado, Charles Perrault, Hans Christien Andersen e até mesmo Maurício de Souza e Walt Disney?

Tá precisando saber mais sobre literatura infatil, sua tapada

Anônimo disse...

Eu já esperava. Prato cheio para o pessoal do Escola sem Partido.

Anônimo disse...

Eu tomei gosto pela leitura comecanco com a Vaga-Lume, na quarta, quinta, sexta série. Conforme os anos na escola iam passando, os professores indicavam outros livros de acordo com a faixa etária.

donadio disse...

"até voltarmos as origens: Línguas semíticas."

A sua ignorância sem partido é muito mais grave do que a falta de um "r" numa frase escrita por uma criança de dez anos de idade...

Desde quando línguas semíticas são "as origens"? E desde quando as línguas mais antigas são piores do que as línguas mais modernas?

Anônimo disse...

"não se aplica ÀS gírias"

Anônimo disse...

Não se escreve "e nem", dado que "nem" já é contração de "e não".

Anônimo disse...

14:49/14:54 - ô babaca

eu não preciso das suas "dicas" inúteis e erradas, seu lixo

eu não tô escrevendo redação, e mesmo se estivesse, não ia usar suas "dicas" burras

Anônimo disse...

Seu lixo, seu ignorante, seu retardado, seu besta, sua anta e....

E o post ainda foi sobre aceitar a diversidade. KKKKkk

Como eu adoro isso.

Anônimo disse...

Vsfdrssfdf, vdrcnfnldcerc, ssvds.

Adoro essa linguagem.

Anônimo disse...

17:34 - e o q uma coisa tem a ver com a outra, seu bosta?

Não quer ser ofendido? Deixe de ser babaca

17:38 - claro, prum retardado feito vc essa "linguagem" a é ideal

Anônimo disse...

Minha filha escreve melhor. Obviamente que ela estuda em escola particular já coisa do governo é isso aí (a maior parte da minha formação também aconteceu em escolas públicas e só Deus sabe o que tive que fazer pra compensar e correr atrás do prejuízo). Minha sobrinha, aluna da rede pública, é três anos mais velha e escreve mais ou menos nesse nível, já me ofereci algumas vezes para bancar seus estudos mas minha irmã não quer saber, acha arrogante e diz que é mais fácil para aluno da rede entrar em universidades, o que é plenamente verdade mas a que preço?

Anônimo disse...

"Não duvido nada que as palavras: "#todeboa", "tbm", "pqp", "vc", "sdds", "s2", "plmmds" e congeneres sejam usadas normalmente nas escolas e o pior: Como linguagem formal."

O "vc" está quase oficializado.

Anônimo disse...

Algo me diz que alguém aí não entendeu muito bem como essa coisa de língua semítica funciona... plmmds migo olha na Wikipedia antes de bostejar.

Kasturba disse...

Mas acho que não é só a escola, é muito do incentivo que se recebe em casa para ler mesmo...
Minha enteada (vive com a mãe, só mas férias vem ficar comigo e meu marido) estuda e sempre estudou em escola particular, mas como eu falei em outro comentário, escreve dessa forma ou pior, infelizmente...

Kasturba disse...

Anom das 12:06, eu também adorava a coleção. O primeiro que li foi A Ilha Perdida, aos 9 anos, ainda nas férias (fazia parte da relação de materiais pro próximo ano letivo, mas não consegui esperar as aulas começarem e li todo). Depois fui lendo vários outros, desta coleção mesmo, e outros que não eram da coleção.
Na realidade, após um tempo geralmente os livros que a escola passava eu não gostava, e lia por obrigação (aos 13 por exemplo, fui obrigada a ler A Terra dos Meninos Pelados, e achei um saco), mas nunca deixei de ler livros que me agradassem, mesmo não fazendo parte do currículo escolar.
Aos 17 eu já havia lido todos os romances do Machado de Assis, e muitos outros livros de autores "importantes", o que me deu uma vantagem enorme nos vestibulares que fiz.

Meu pai comprou a coleção completa que saia nas bancas dos livros do Machado de Assis (aquelas coleções de comprar revista semanal e vir com um "brinde"), e tenho ela até hoje. Minhas enteadas nunca demonstraram interesse em ler (nem a mais velha, que está na época de estudar pra vestibular), mas espero conseguir incentivar no filho que terei o hábito pela leitura, e que essa coleção que guardo com tanto carinho seja útil a ele. :)

Anônimo disse...

18:16 - q fanfic ruim, mascu

nota 2/10

"mInHa fIllHha iScRéVi MEeyÓ" - kkkkk, nem seu cu acredita nisso

tá pensando q alguém aqui é trouxa? seu otário

18:21 - é mesmo, então o q foi dito pro outro babaca, eu digo pra vc tb:

e daí?

é vc o dono da ortografia?

vc acha q a língua portuguesa é a mesma e se escreve do mesmo jeito q 400 anos atrás? seu trouxa

vá te catar, então, seu merda

Kasturba disse...

Pois é, o nível dos comentários tá complicado...
Pessoa(s) não consegue(m) acrescentar conhecimento ou discordar dos coleguinhas sem ofender...
Ou é alguém fazendo isso de sacanagem pra esvaziar mesmo a caixa de comentários do blog, ou é alguém que está realmente muito frustrado com a vida e precisa ficar ofendendo desconhecidos na net...

Anônimo disse...

Isso ai, Kasturba, então, aconteceu o mesmo comigo. Além dos livros indicados pela professora, eu lia outras coisas por fora. Aliás eu lia tudo o que podia, livro, jornal, revista. O pessoal mais novo hoje não gosta muito de ler, parece, prefere tudo em vídeo. Um amigo meu tem um blog sobre ciência com dicas para estudantes e outros assuntos para profissionais mais adiantados também. Agora ele só está fazendo vídeos curtos, para se adaptar aos 'novos tempos' e se adequar a geração millenials. Tudo bem que não é de todo ruim, mas acho uma pena que as pessoas tenham preguiça de ler. Até porque, no caso, leitura e redação são fundamentais para quem quer ser cientista, pois tem que ler e produzir artigos, para publicar, tem que se manter atualizado na respectiva área, etc. Há coisas que não dá para dispensar.
Desejo que vc consiga despertar o gosto pela leitura em seu filho.:)

Anônimo disse...

Nunca li tanta idiotice por cm².

É ruim, hein?

Kasturba disse...

Obrigada! :)

Quando mais nova eu gostava de algumas revistas também (Superinteressante e Seleções - rsrsrs), mas jornal era demais pra mim, nunca me interessei não.

Pois é, deve ser coisa de geração mesmo. Enquanto adoro textos, tenho uma preguiça absurda de assistir vídeos em blogs... Espero superar esse "conflito de gerações", e que meu filho goste tanto quanto eu de ler... hehehe

Anônimo disse...

Sua vida é uma merda! Admite porra!

Anônimo disse...

Pessoal que está criticando ou problematizando os erros ortográficos da criança vamos lá entender alguns pontos sob o aspecto científico da linguística aplicada ao ensino. Esquecer de marcar graficamente a flexão do infinitivo que seria o "R" no final do verbo é algo muito comum, pois a criança ainda não compreendeu que a escrita é diferente da fala. Observem que em muitas regiões do Brasil não se pronuncia o "r" no final dos verbos, seria como falar "tomá", então a criança acha que se escreve sem o "r". O que pode ser feito é ensiná-la que a linguagem oral é diferente da escrita. Isso demanda tempo e trabalho constante. Outro ponto é com relação ao "internetês" que é um dialeto típico de meios eletrônicos em contextos mais informais. Deveríamos acabar com essa forma de linguagem para que as crianças escrevam somente português padrão? Claro que não! As várias linguagens e dialetos existem e coexistem, então o que deveríamos ensinar aos educandos é adequar sua linguagem aos mais variados contextos de uso. A prova é um contexto mais formal de uso da língua por isso exige a linguagem padrão. A criança deve ter escrito o " se liga" junto porque deve ter visto assim na internet (é só uma hipótese). Lola, vc que é da área também me corrija se falar alguma besteira. Leitura melhora a ortografia? Sim, ajuda. Mas há regras que devem ser ensinadas e constantemente lembradas e trabalhadas. Ah gente, e, por favor, parem com esse lance de focar somente na ortografia. O texto é mais do que isso. Muito mais. Acho senso crítico mais difícil de desenvolver do que conhecimento ortográfico.

titia disse...

Engraçado que quando é a mascuzada/reaçada que comete erros absurdos de ortografia nós, feminazis más, não podemos desconsiderar suas ideias(merda pura) por causa dos erro e nem zombar deles por causa dos erros. Patético.

Direitelhos: eu estudei da 1° à 5° série do ensino fundamental e os dois primeiros anos do ensino médio numa escola particular descaradamente paulofreiriana (a ponto de ter a cara dele estampada nas propagandas) e escrevo muito melhor que qualquer um de vocês, com um pé nas costas e vendada. Também sou 1000% melhor que vocês em redação, gramática e interpretação de texto. Na escola, tirava sempre nove e dez em redação. Nunca fiquei na final de Português. Ganhei o terceiro prêmio num concurso de elaboração de texto da biblioteca da escola. Quando fiz vestibular não fiquei de mimimi com o tema da redação por ser incapaz de escrever uma linha sobre qualquer assunto que vá além do umbiguinho, como vocês. Portanto, enfiem esse mimimi "agenda esquerdista comuna paulofreiriana" no cu e voltem para a primeira série (ou primeiro ano agora) do ensino fundamental pra ver se aprendem que não basta ter um cérebro dentro da caixa craniana, é preciso ÚSÁ-LO, seus poríferos.

'Freire criticava a ideia de que ensinar é transmitir saber porque para ele a missão do professor era possibilitar a criação ou a produção de conhecimentos. Mas ele não comungava da concepção de que o aluno precisa apenas de que lhe sejam facilitadas as condições para o auto aprendizado. Freire previa para o professor um papel diretivo e informativo - portanto, ele não pode renunciar a exercer autoridade. Segundo o pensador pernambucano, o profissional de educação deve levar os alunos a conhecer conteúdos, mas não como verdade absoluta. Freire dizia que ninguém ensina nada a ninguém, mas as pessoas também não aprendem sozinhas. "Os homens se educam entre si mediados pelo mundo", escreveu. Isso implica um princípio fundamental para Freire: o de que o aluno, alfabetizado ou não, chega à escola levando uma cultura que não é melhor nem pior do que a do professor. Em sala de aula, os dois lados aprenderão juntos, um com o outro - e para isso é necessário que as relações sejam afetivas e democráticas, garantindo a todos a possibilidade de se expressar.' Taí a metodologia paulofreiriana. Tomar no rabo babacas.

Fonte: https://novaescola.org.br/conteudo/460/mentor-educacao-consciencia

Anônimo disse...

Lola, querida, desculpe dar pitaco sobre os comentários autorizados aqui no seu blog, mas a coisa tá feia demais! Olha lá em cima quantos comentários com xingamentos e ofensas gratuitas. Esses trolls não querem debater, só querem "causar". Tem um que praticamente a cada três palavras escritas uma é xingamento. Sobrou até pra Kasturba que costuma ser um doce de pessoa nos comentários.

Anônimo disse...

Sérgio Carneiro, não há defesa ou não defesa que a língua muda. Isso é um fato, queira vc aceitá-lo ou não. Estude textos que datam do século XIX ou antes disso e verá que o português brasileiro mudou em sua sintaxe e ortografia. Engraçado que a reaçada quer parar até mesmo a mudança das línguas. Faça o seguinte, continue escrevendo "pharmacia" ao invés de "farmácia", "vossa mercê" ao invés de "você". Aliás, o português, grosso modo, é uma modificação do latim. Por que vc não o usa?

Rafael Cherem disse...

Kasturba já leu a obra do Marco Bagno?

Rafael Cherem disse...

Kasturba se me permite uma dica,não espere seu filho nascer pra ler para ele.Funcinou com o meu.

donadio disse...

"Aliás, o português, grosso modo, é uma modificação do latim."

Pois não é? Todo mundo falando latim errado, e querendo ensinar aos outros a maneira certa de falar latim errado...

donadio disse...

"Pergunta capciosa desse/a professor/a. Que ele/a anda ensinado nessa escola? Qual régua ele/a usou para definir o parâmetro de igual (ou padrão) e o diferente?"

Olha, é muito óbvio que isso é um exercício de interpretação de texto.

Tem um texto pra ler, depois uma série de perguntas para verificar em que medida o aluno entendeu o texto. Então a "régua" é dada pelo texto.

Não tem nada de capcioso aí. É preciso uma mente muito distorcida - e uma boa dose de amnésia a respeito de como se constroem as avaliações escolares (para não dizer uma boa dose de falta de escolarização) para querer achar "capciosidade" nisso.

Mas é a mentalidade de meganha que está tomando conta da nossa sociedade. A professora manda ler uma fabulinha de Esopo, digamos, A Aranha, a Mosca e o Gavião, e não pode querer que o aluno entenda o texto, por que, claro, essa ideia marxista-cultural de que a Aranha é covarde por que não dá ao Gavião o mesmo tratamento que dá à Mosca só pode ser coisa de comunista bolivariano.

Vai pra Cuba, Esopo!

Kasturba disse...

Rafael Cherem, você diz ler para o bebê no útero?
Eu vi umas dicas de "conversar" com o bebê ainda no útero, porque ele vai aprendendo a reconhecer sua voz, e depois que nascer e se encontrar em um mundo completamente novo (e assustador), a sua voz já conhecida vai servir pra lembrá-lo da segurança do útero e acalmá-lo...
Já tentei fazer isso, mas admito que me sinto muito estranha conversando com a minha própria barriga, e meio "sem assunto"... Hahahaha
Ler um livro em voz alta pode ser uma ótima solução mesmo!!
Obrigada pela dica!

Anônimo disse...

O Brasil era mais ou menos gostoso até os ano 2000,depois disso é SÓ depre.

Rafael Cherem disse...

Sim Kasturba,

Quando minha mulher estava grávida eu comprei uma coleção de livros infantis, daquelas baratinhas e curtas, lia para ele sempre, depois que ele nasceu deixava pegar os livros e hqs, mesmo que rasgasse ( lógico que nem todos, rs), e hoje o resultado reflete na escola, no vocabulário, etc.

Boa sorte.

titia disse...

Kasturba não sei se leram pra mim quando estava na barriga, mas eu também ouvia histórias desde pequena. Começou com gibis da Turma da Mônica que os adultos liam pra mim; minha mãe jura que eu gostava tanto de historinhas que com três anos eu decorava as que me contavam e repetia quase palavra por palavra. Li gibis, livros infantis, os meus paradidáticos escolares, como você, eu lia pra me divertir. Com 15 anos eu já lia José de Alencar e Machado de Assis - o primeiro clássico em que coloquei as mãos foi 'O Guarani', que pertencia ao meu tio. Tenho até hoje meu 'Capitães da Areia' da oitava série; sempre tive um bom vocabulário e escrevi muito bem, e como estava acostumada ao português formal, aprendi gramática com bem mais facilidade que os meus irmãos que não eram muito chegados à leitura (não são até hoje). Ler pro seu bebê ainda no útero certamente vai ajuda-lo a gostar de histórias, e na minha experiência isso é importante pra desenvolver o gosto pela leitura.

Kasturba disse...

Titia, meu pai comprou pra mim e minha irmã uma coleção de livrinhos infantis que vinham com fitas. Antes mesmo de saber ler, eu ouvia as fitas e ia acompanhando as gravuras nos livrinhos, e de tanto ouvir sabia recitar palavra por palavra da "João e Maria". Tenho a lembrança da minha avó indo me visitar e me pedindo pra contar a historinha pra ela (ela adorava me ouvir recitando, e toda vez me fazia contar... rsrs). Pena que na época meu pai ainda não tinha filmadora, deveria ser realmente bem engraçadinho.
Eu também adorava A Turma da Mônica. Os únicos que eu era proibida de ler eram os gibis do Chico Bento, porque minha mãe tinha medo de ficarmos lendo os erros de português e depois começarmos a escrever da forma que estava no gibi... hahaha
Algo que me lembro foi aos 10 ou 11 anos ler aquele livro "Poliana". Para mim foi um marco, pois foi o primeiro livro que eu li que não tinha ilustrações (pesar de poucas, os da coleção Vaga-Lume tinham algumas gravuras ao longo do livro). Eu fiquei muito orgulhosa, e contava pra todo mundo que já lia livros de adultos, "sem figuras". hahaha

Rafael, vou fazer isso com certeza. Vou procurar historinhas interessante e já começar a ler. Pelo estágio da minha gravidez, o neném já pode me ouvir! <3

Viviane disse...

Donadio, a atual mentalidade da sociedade brasileira lembra muito a descrita pelo Sérgio Porto no livro "Febeapá". Daqui a pouco vai ter promotor pedindo a prisão desse "subversivo escritor" Esopo...

Kasturba disse...

Não, nunca li...
Na verdade, nunca nem havia ouvido falar dele.

Anônimo disse...

Hahahahaha, porque trocou de linha não precisa de vírgula... pqp, vai ser ANTA assim. Por isso que está defendendo os erros de ortografia da menina, pra combinar com a sua burrice.

Anônimo disse...

Vai se catar, troll mascu que fica tumultuando o blog da Lola.