sábado, 15 de outubro de 2016

TEMER TIRA A VELHA MÍDIA DO VERMELHO

O Observatório da Imprensa publicou um artigo muito interessante, que reproduzo aqui. É de Pablo Antunes, psicólogo, escritor, e autor do blog LiteromaQuia
O artigo é excelente porque fala da concentração de recursos, de como a grande mídia pode ser comprada, e da hipocrisia que é defender congelamento de gastos para saúde e educação, enquanto as poucas famílias que controlam toda a mídia do país recebem um belo aumento em verbas publicitárias do governo.
Observação: Não perca tempo aqui nos comentários escrevendo besteiras como "Acabou a mamata", porque este blog nunca recebeu um centavo de qualquer governo, e você sabe disso.

Há anos, cientistas políticos alertam que o pior de um presidencialismo de coalizão é a pulverização de favores a líderes políticos de diversos partidos em um troca-troca que envolve ministérios, secretarias e cargos de chefia em estatais em favor de apoio nas casas parlamentares e no aparelhamento do Estado.
A esse tenebroso cenário se soma uma outra coalizão que em nada respeita o direito do cidadão à informação e à liberdade de expressão. Desde que assumiu a presidência da república, interinamente, depois definitivamente, o governo Michel Temer elevou, sem qualquer constrangimento, as verbas publicitárias para a grande mídia oligárquica que produz as manchetes que informam e desinformam a maior parte da população brasileira. Essas empresas são: as Organizações Globo, as editoras Abril e Caras, os grupos Folha/UOL, Estadão e Band.
Inicialmente, o leitor precisa saber que as verbas publicitárias são uma importante ferramenta de qualquer governo para falar com a população. Por meio da propaganda, o povo é informado de campanhas de vacinação, projetos sociais, ações educativas, alterações de regras da previdência social, dos prazos para pagamentos de impostos, entre outros. Portanto, quanto mais municípios forem abrangidos, maior será a população a receber a mensagem.
Contudo, o governo de Michel Temer retoma uma velha prática comum às administrações de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), quando a regra era dar muito a poucos, reproduzindo uma antiga característica que marca a desigualdade em nossa sociedade. Ao deixar a presidência da república, Fernando Henrique chefiava um governo que pagava cerca de R$ 2,3 bilhões ao ano a 499 veículos de mídia (redes de TV e rádio, jornais, revistas e outros). Com esse número de empresas, as verbas publicitárias se concentravam bastante nos cofres da Globo e da Abril.
A partir de 2003, quando Lula assumiu o comando do governo federal, houve uma maior partilha das verbas usadas para as propagandas, sem que houvesse aumento significativo do total investido. Isso significa que mais receberam menos, ou seja, foi dado um passo em direção a um melhor equilíbrio (que na prática não chegou a se concretizar). Com menos dinheiro recebido do governo, a editora Abril encabeçou uma cruzada contra os governos do PT, mas não foi a única.
Nos dias 14 de junho e 29 de setembro, a Folha publicou textos que tratavam do corte de verbas publicitárias para blogs considerados “pró-PT” por parte do governo Temer, sem citar os valores aumentados das mesmas para Globo, Abril, Caras, Band, além de empresas do Grupo Folha, como o próprio jornal Folha de S. Paulo e o UOL. Essa atitude que fere a liberdade de expressão foi o suficiente para que o jornalista Miguel do Rosário, do blog O Cafezinho, investigasse os números disponibilizados no site da Secom (Secretaria de Comunicação Social ligada à presidência da República).
Clique para ampliar
A generosidade com a mídia oligárquica é indecente porque, ao mesmo tempo,  o governo de Temer se empenha na sedução de parlamentares para obter a aprovação da PEC 241, com o discurso hipócrita de que é necessário cortar despesas para diminuir o endividamento público do Estado, atingindo setores fundamentais da sociedade como a saúde e a educação.
Diferente de um presidente que chega ao poder encabeçando uma chapa eleitoral e expondo o seu plano de governo, que após o pleito vencido organiza uma coalização com as legendas partidárias que o apoiaram, o atual chefe do executivo federal agora paga a conta a quem o ajudou a vencer uma eleição indireta armada em um julgamento político amplamente fomentado por conglomerados de mídia que se sentem muito confortáveis em um desigual seleto clube de poderosas empresas acostumadas com o monopólio da informação.
Enquanto o governo propõe cortes de investimento na saúde pública pelos próximos 20 anos, apenas entre maio e agosto de 2016 (período de Michel Temer na presidência) as Organizações Globo receberam mais de R$ 15,8 milhões.
No mesmo período, enquanto o governo de Temer se esforça para tornar mais duras as regras de aposentadoria, o UOL recebeu mais de R$ 691 mil, a Folha, mais de R$ 426 mil, somando a apenas essas duas empresas do Grupo Folha uma quantia superior a R$ 1,1 milhão.
Ao mesmo tempo em que o governo Temer propõe dificultar o acesso ao seguro-desemprego e sinaliza com a perda de outros direitos trabalhistas, as editoras Caras e Abril recebem mais de R$ 1,3 milhão e R$ 350 mil, respectivamente.
Enquanto uma parte da sociedade se mobiliza para discutir o que representa a PEC 241 para a educação pública nas duas décadas seguintes, o governo Temer paga, com dinheiro público, mais de R$ 3 milhões para o Facebook e mais de R$ 616 mil para o Twitter veicularem propagandas governamentais.
Quase 1,3 milhão em quatro meses
Depois de um governo Dilma Rousseff que parou de pagar publicidade em jornais impressos em 2015, essas empresas voltaram a receber verbas para as suas publicações. Entre maio e agosto de 2016, O Globo recebeu mais de R$ 331 mil; o Estadão, R$ 307 mil; a Folha, R$ 303 mil; o Valor, R$ 347 mil.
São esses mesmos veículos de mídia que tentam convencer o cidadão da necessidade de cortes no orçamento em setores que não representam custos (como a saúde e a educação), mas investimentos no que há de mais importante em uma nação: a sua população. No retrocesso do governo Temer, corremos o risco de vivermos um Estado que governa apenas para o próprio Estado, o que na prática é uma mal disfarçada forma de oligarquia maquiada com algumas pinceladas de democracia a cada dois anos, de eleição a eleição.
Enquanto o governo Temer tira a velha mídia oligárquica do vermelho para conduzir a população mais desassistida a décadas de incertezas em setores fundamentais do bem estar social, importantes pontos para uma verdadeira transformação do país, bem como para recuperação da sua economia, são ignorados por quem prefere que os pobres paguem a conta por contínuas irresponsabilidades fiscais de governos de diferentes vertentes ideológicas, nos quais se incluem a antiga Arena, o PMDB, o PSDB, o PT e os partidos menores que colaboraram com essa situação em nome de uma coalizão, que bem poderia ser traduzida como um troca-troca lesivo aos interesses do povo.
Mesmo com toda a verba publicitária despejada nos cofres da Globo, da Abril, da Folha/UOL, do Estadão, da Band, do Facebook, do Twitter, entre outros, vai ser difícil para Michel Temer explicar as seguintes questões:
Com o teto que limita o investimento na educação pelos próximos 20 anos, como as escolas públicas receberão as crianças diagnosticadas com microcefalia e infectadas com o vírus zika, que exigirão um trabalho especial por parte dos educadores?
Com o envelhecimento da população brasileira, como o SUS atenderá uma demanda crescente de pacientes com caros tratamentos para doenças crônicas?
O governo federal não pensou em propor uma PEC para congelar os salários dos políticos por 20 anos?
Ou para extinguir as privilegiadas aposentadorias para políticos e pensões para os dependentes daqueles que serão eleitos a partir de 2018?
Ou rever a carga tributária tão agressiva para os pobres e tão branda para os ricos?
Ou a taxação de grandes fortunas e de heranças?
Sem respostas a essas perguntas essenciais, nos embasbacamos com a grande mídia fomentando o debate que divide o Brasil em PSDB e PMDB de um lado e PT de outro. Nesse pobre roteiro de bang-bang sem mocinhos, qualquer cidadão mais crítico há de perceber que todos deram provas de incompetência na condução do país.
Concomitantemente, é com dinheiro público que revistas, jornais e redes de televisão produzem textos para definir uma primeira-dama como bela, recatada e do lar, bem como para conduzir debates para convencer o cidadão assalariado de que ele precisa renunciar a direitos para ajudar o Brasil a melhorar a sua situação financeira. Com a distribuição de verbas publicitárias e com uma mídia menos combativa, o governo com sua retórica vazia segue dando maus exemplos.

28 comentários:

Wellington Fernando disse...

É por essas e outras que às vezes penso que a única solução possível para o Brasil é uma Revolução Bolchevique ou um terror jacobino. Não é possível democracia dentro de um sistema capitalista controlado por uma elite predatória. O único jeito de se combater essas oligarquias é impondo um governo socialista. E o único jeito de se impor um governo socialista é destruindo esse oligopólio midiático que emburrece a nação há gerações. O que falta no Brasil, nesse sentido, como já disse o jornalista Mino Carta, é uma bucha de canhão para encabeçar essa revolução.

Anônimo disse...

Cada povo tem o pais que merece mesmo. Fico vendo comentarios de posts anteriores em que unsa falam que ninguém falou nada de gastos do pt e agora falam do banquete do temer.
Primeiro que nao conheço alguem que defenda e prefira o pt falando que eles não erraram, pelo contrário. Aqui em casa mesmo convivo com um petista fervoroso, mas que reconhece todos os erros do governo pt. Agora por isso aceitar o temer na presidência, já é outra história.
Segundo, que parece que se o anterior fez merda, então não podemos reclamar do atual. Se dilma gastou, não podemos reclamar do gasto do temer e seus banquetes. Então que o brasil afunde certo? Afinal, o proximo presidente também terá seu direito de tirar do dinheiro do povo para banquetes e gastos pessoais, uma vez que os anteriores puderam.
Vejo umas pessoas falando de hipocrisia, mas acho grapa por que não sabem mais o significado dessa palavra uma vez que ela ficou tão banalizada.
Era a favor da dilma e critica o temer? Hipócrita, mesmo que também tenha criticado os erros do governo dela. Viu que gastavam indevidamente no governo dilma e reclama do banquete e gastos do governo temer? Hipócrita, mesmo que acho isso ruim nas duas situações.
Tem uma bela galera precisando urgente voltar pra escola. Pena que daqui pra frente vai ficar cada vez pior pra se educar devidamente. Com tanta gente sempre taxando alguém em dois extremos (direitista ou esquerdista, nada mais nada menos), tenho pena do futuro desse país.

Anônimo disse...

Não é atoa que muita gente não acredita que Globo e cia sejam manipuladores, que não houve golpe e que cortar a educação, saúde e etc vai ajudar o país. A propaganda alienante é forte voraz, muitos caem fácil.

Leonardo Vieira disse...

Um ótimo texto.

So faltou esclarecer alguns pontos:

porque que na hora de falar das mídias agraciadas pelo governo Temer e Fernando Henrique o autor dos post citou nominalmente e no governo lula falou de forma genérica. Gostaria que ele fizesse umm post explicando quem foi e quais foram as mídias contempladas pelo governo revolucionário do pt, ( Será que não iremos encontrar blogs feministas famosos que dizem que luta por melhorias sociais)

Porque que todo mundo pegou a globo, folha, veja para crucificar, toda ficam chamando de mídia golpista. Porque? so porque eles estavam informando os desdobramentos das investigações. O interessante foi que em todas as reportagens foi feito um sério trabalho jornalístico em que foi dado o direito de defesa. outra coisa interessante foi nas manifestações de apoio da Dilma, onde profissionais dessas empresas.



Ja coloquei aqui em outros posts, de nada adianta ficar jorrando milhões e milhões nesse setores primários se esses recursos serão desviados e mau geridos. precisamos melhor a gestão dos nossos recursos, pois o dinheiro que se investe( desdes os tempo de lula e dilma) sendo bem administrado daria um salta substancia na qualidade da saúde e eduducação entre outros.

Leonardo Vieira disse...

SO concluindo o raciocínio.
"..... onde profissionais desses empresas foram agredidos, por aqueles que defendem a democracia, a constituição, a liberdade de informação.

Anônimo disse...

"Não é possível democracia dentro de um sistema capitalista controlado por uma elite predatória. O único jeito de se combater essas oligarquias é impondo um governo socialista."

Diz que não há democracia no país, e aponta como solução a adoção de um governo ditatorial inspirado em regimes que, em sua totalidade, foram autoritários, violaram direitos humanos e mostraram-se ineficazes em garantir boas condições de vida à população. Genial.


Anônimo disse...

Segundo vocês mídia isenta deve ser a carta-capital, catraca livre, blog da lola. Kkkkkk
Ficam reclamando das revistas falarem a verdade, aiai

Anônimo disse...

Esquerda, direita, em cima, embaixo, tanto faz, sou absolutamente contra gasto governamental com verba publicitária em um país de gente passando fome. E aí meus amigos, todos os governos são condenáveis.

Wellington Fernando disse...

Anôn. 18:26:

Só é possível haver democracia dentro do socialismo. E socialismo não foram esses regimes autoritários onde prevaleceu o capitalismo de Estado. O socialismo é um governo dos trabalhadores para o povo. O que temos hoje no Brasil é uma plutocracia ridícula, onde o rentismo e a desigualdade são leis. O que está aí é mais destrutivo para a nação que qualquer ideologia juche, castrista ou leninista.

Anônimo disse...

Vc é troll, só pode.

Anônimo disse...

Juche? Que dizer que vc acha que a Coreia do Norte é uma democracia e um modelo a ser seguido

Anônimo disse...

Trágica situação que passa o Brasil.
Agora, sobre essa história de "revolução socialista" me desculpe, essa idéia parece fora das possibilidades atuais (um pouco sonhadora).

Temer cava a própria cova ao atacar os direitos de quem o sustenta, assim como Dilma cavou a dela.As pessoas cada dia mais desacreditam em políticos; prova disso é como a quantidade de votos nulos e brancos cresceram nessas últimas eleições municipais.O futuro parece incerto, mas vamos ver o que acontecerá.

Wellington Fernando disse...

Anôn. 21:40:

Não disse que a Coreia do Norte é uma democracia e um modelo a ser seguido. Só acho menos pior. Pergunta lá ao Kim Jong-un o que ele faz com corruptos e com quem entrega parte de suas riquezas naturais a outros países...

donadio disse...

"Juche? Que dizer que vc acha que a Coreia do Norte é uma democracia e um modelo a ser seguido"

A extraordinária lógica do coxinha brasileiro.

"Se você não acha que a Coréia do Norte é uma sucursal do inferno, então você acha que a Coréia do Norte é uma democracia e um modelo a ser seguido".

"Se você acha que o capitalismo limita e deforma a democracia tal como ela existe na prática, então você é contra a democracia".

"Se você acha que a democracia é imperfeita no Brasil, ou nos Estados Unidos, ou que não existe na Arábia Saudita, então você acha que a Coréia do Norte é mais democrática que o Brasil, os Estados Unidos e a Arábia Saudita".

"Logo, se você fica fazendo de conta que a Coréia do Norte tem um regime horrível, dentro dos limites em que seres humanos normais, relativamente inteligentes e saudáveis, conseguem fazer coisas e regimes horríveis, mas não é uma manifestação do Mal metafísico, não fede a enxofre, e, como qualquer país do mundo, não teria conseguido desenvolver armamento nuclear sem ter eletricidade, você quer transformar o Brasil no inferno, e portanto... é o diabo em pessoa".

Que merda. Vocês desaprenderam a pensar, e, o que é pior, estão orgulhosos da própria desinteligência.

Dica de hoje: com esse tipo de "lógica", ainda não é possível passar em concurso público.

titia disse...

Temer não podia mostrar mais que está pouco se fodendo pro povo e mesmo assim querem que ele fique? É, esses idiotas merecem se ferrar...

Anônimo disse...

Assim como o PT reduziu a verba para veículos conservadores, Temer está acabando com a boquinha dos vermelhos.

It's just part of the game, fellas :)

Anônimo disse...

Mas a coreia do norte é uma das sucursais do inferno mesmo.

Anônimo disse...

"A extraordinária lógica do coxinha brasileiro.

"Se você não acha que a Coréia do Norte é uma sucursal do inferno, então você acha que a Coréia do Norte é uma democracia e um modelo a ser seguido"." Donadio

O comentário que motivou toda essa discussão fez clara alusão a regimes autoritários (URSS e França), apontando-os como a única solução para a ineficácia da nossa democracia.

Ou seja, apesar de essas generalizações que você criticou de fato ocorrerem, nesse caso, quem respondeu sem pensar foi você.

Anônimo disse...

Meias verdades né?
Acho que anon das 18:43 é daqueles que toma tudo que os canais falam como verdades absolutas, principalmente se forem se encontro com suas opiniões.

Anônimo disse...

Wellington, e se perguntar pro povo o que eles acham do estilo de vida que levam lá? Bem longe dos olhos do líder e governo deles, claro.

Anônimo disse...

O que o brasil precisa é de uma limpa geral na politica e uma revisão na constituição.
Precisa urgente dar um fim nesses extremismos de direita e esquerda. Ta um absurdo não poder debater de forma inteligente com as pessoas.

Anônimo disse...

Não existe a menor necessidade de "achar" que a Coreia do Norte é a sucursal do inferno. Assim como Cuba. Assim como a Venezuela atualmente.

Aliás, sobre Cuba, tem uns vídeos muito interessantes de uma garota que atualmente vive no Brasil mas é de lá. Ela desmente toda a patifaria que se diz daquele lugar tão, tão maravilhoso que as pessoas precisam fugir dele. Que a saúde, essa coisa maravilhosa, pro cubano significa um hospital imundo, sem macas e prescrição de remédios caseiros. Que apesar de ser uma ilha, você não pesca sua própria comida e tem que - veja bem, tem que - comprar a cota racionada de completamente tudo, comida que animais comeriam, feijão carunchado, arroz sujo, uma serragem que chamam de café e criminalização de coisas banais como dar uma carona, por exemplo, pelo risco da absolutamente corrupta força policial tomar você por motorista clandestino.

E tá cheio de gente defendendo isso aí em escola. Tá certinho, Braseel.

titia disse...

Claro, 14:09, porque hospital público de qualidade e escola pública de qualidade são "boquinha", não direitos básicos a que qualquer cidadão deveria ter acesso.

Como você sobreviveu tanto tempo sem um cérebro funcional? Devia vender sua cabeça pra uma universidade, pra estudo, renderia uma boa grana e não faria diferença já que você não a usa mesmo.

Clicia disse...

Notaram ontem no Fantástico um certo ataque aos sistemas de cotas? vai voltar a "meritocracia"...mas lógico que os casos mostrados são absurdos. O pior do Brasil é mesmo o brasileiro!

Anônimo disse...

(Viviane)
Também reparei, Clicia. Pegam meia dúzia para generalizar, mas não apresentam uma estatística sequer das fraudes em relação ao total de pedidos.
Manipulação, a gente vê por aqui.

Anônimo disse...

Gente, né por nada não, mas tá acontecendo aqui o mesmo que nós acusamos a globo de fazer: divulgar informação errada ou incompleta.

A PEC não fala em reduzir investimentos em educação e saúde, fala em congelar o recurso total. Quem decidirá para onde o dinheiro vai serão os parlamentares. Lembrando que a CF instrui o mínimo a ser aplicado na educação.

Alem disso, as rubricas do FUNDEB, FIES e PROUNI não serão afetadas pela PEC.

Então cobremos dos nossos deputados e senadores!

Obs: Se alguém me responder, por favor, me trate com educação. Estou disposta a aprender.

(Nati)

Anônimo disse...

17:17

A questão é que todas estas informações devem estar associadas e sob interpretação de muitas variaveis economico politica do pais.

Pela proposta, os percentuais se mantêm, mas o cálculo seria feito sobre o valor aplicado no ano base (2017) corrigido pela inflação, e não mais sobre a receita líquida do governo.

Se a pec veio pra congelar os recursos totais pra saude e educação e ao mesmo tempo aprova flexibilização do uso de recursos pela administraçao publica, significa que na pratica essas areas podem sofrer sim uma redução de investimento. Flexibilizar significa que o gestor não é mais obrigado a gastar nos setores (antes considerados) prioritarios. Se já é dificil cobrar hoje, com lei obrigando a gastar nesse setor, imagine cobrar dos deputados senadores; inclua aí os do executivo, pois agora prefeitos podem remanejar também 30% das verbas municipais

Por outro lado, vemos o mesmo governo aprovar reajustes para servidores (reajuste teto STF). E em nenhum momento se fala em redução de seus beneficios ou gastos

A questão torna-se moral quando vemos tanto controle de gastos em investimentos que são prioritarios enquanto outros setores do governo e empresarial são intocáveis no que se refere a redução de custos de alto escalão governamental e aumento de impostos/ redução de isenções fiscais dos mais ricos.

Anônimo disse...

"Aliás, sobre Cuba, tem uns vídeos muito interessantes de uma garota que atualmente vive no Brasil mas é de lá. Ela desmente toda a patifaria que se diz daquele lugar tão, tão maravilhoso que as pessoas precisam fugir dele. Que a saúde, essa coisa maravilhosa, pro cubano significa um hospital imundo, sem macas e prescrição de remédios caseiros. Que apesar de ser uma ilha, você não pesca sua própria comida e tem que - veja bem, tem que - comprar a cota racionada de completamente tudo, comida que animais comeriam, feijão carunchado, arroz sujo, uma serragem que chamam de café e criminalização de coisas banais como dar uma carona, por exemplo, pelo risco da absolutamente corrupta força policial tomar você por motorista clandestino. "

Isso, continue! Continue a mentir sobre Cuba!!!