segunda-feira, 5 de outubro de 2015

60 ANOS DE LOLITA, UM LIVRO MARAVILHOSO E POLÊMICO

Em meados de setembro o romance Lolita marcou 60 anos de sua publicação. 
Apesar da trama (o relacionamento sem dúvida abusivo de um homem de quase 40 anos com uma menina de 12), eu amo o livro de Nabokov. Minha dissertação de mestrado, defendida há pouco mais de dez anos, foi sobre como a ironia do romance é transcrita para suas duas versões fílmicas (a de Kubrick em 1962 e a de Lyne em 1997). Não é sobre gênero. Você pode lê-la inteirinha aqui, em inglês
Paula Mesquita, repórter do site Lado M, me contatou para uma entrevista, que publico aqui, na íntegra. A matéria da Lado M está aqui.

- Na sua opinião, qual o valor e a importância do livro de Nabokov para a literatura e para a sociedade, de um modo geral?
Minha resposta: Lolita é uma obra-prima, um livro maravilhosamente escrito. Ele trata de um tema terrível, a pedofilia, mas reduzir o livro a este tema é absurdo. Lolita é narrado pelo pedófilo Humbert Humbert, um sujeito pedante e insano que constantemente fala conosco, leitores e "membros do júri", tentando justificar suas ações. Não convence ninguém. Ou melhor, convence muito pouca gente. 
James Mason, o Humbert de Kubrick
Uma das graças do livro é justamente esse contraste que existe entre o narrador, que se acha tão inteligente e equilibrado e que acredita que todos são inferiores a ele, e o personagem, um verme covarde. O narrador, por exemplo, pensa ser irresistível para todas as mulheres que cruzam o seu caminho. Mas o que vemos no dia a dia de Humbert são várias mulheres, principalmente Lolita, resistindo. Humbert é ridículo, e Lolita sabe disso.
A versão de Adrian Lyne
O incrível é que vários leitores interpretem o que Humbert diz como pérolas de sabedoria. Levá-lo a sério é levar o livro a sério, não como uma das obras mais irônicas já escritas. Respeitando Humbert -- algo que Lolita e Quilty definitivamente não fazem --, o leitor começa a dar importância ao que ele diz, como a definição que ele cria de "ninfetas", meninas demoníacas de até 14 anos que seduzem homens adultos. Este é um pedófilo falando. É óbvio que ele vai querer romantizar o que ele faz e culpar a vítima.

- Lolita é considerado um livro polêmico por tratar do relacionamento de um homem mais velho com uma menina. Por mais que a temática seja, portanto, pedofilia, há quem romantize, tratando-a como uma história de amor. Como você vê essa questão? Você acha que o fato do livro ser narrado do ponto de vista de Humbert influencie a perspectiva do leitor?
Sim, tem quem veja o livro como uma história de amor por causa do final. Humbert é um ser abjeto que passa o livro inteiro explorando Lolita. Ele se casa com Charlotte, uma mulher que ele detesta, só para poder ficar perto da sua filha de 12 anos. 
Ele pensa em dar pílulas para dormir para Lolita para poder abusar dela enquanto ela dorme. Ele dá pílulas para Charlotte, para que ela durma e não o incomode. Ele fantasia matá-la. Ele odeia meninas com mais de 15 anos, quando elas não são mais ninfetas. Ele pensa em engravidar Lolita, ter uma filha com ela para poder também estuprá-la, e largar Lolita quando ela já não for mais ninfeta. Ele paga Lolita por sexo e depois rouba seu dinheiro para que ela não possa fugir. Quer dizer... como esse cara pode ser herói pra alguém? Como pode ser levado a sério e visto como sábio? 
Mas, no fim, ao se reencontrar com Lolita (que fugiu dele), que já tem 17 anos e está grávida, ele implora para que ela largue o jovem marido e fique com ele. Ela recusa. E ele se arrepende do que fez com ela. Mas esse arrependimento é convincente? O narrador passa 300 páginas contando sobre como abusar de uma menina é um paraíso, tentando nos convencer como isso é normal e saudável, e no final há um parágrafo em que ele diz que não deveria ter removido Lolita daquele coro de crianças que ele ouve de longe. 300 páginas versus um parágrafo, e a gente se convence de que aquela foi uma trágica história de amor por causa de algumas linhas?
Se o livro fosse narrado por algum dos três outros personagens principais (Lolita, Charlotte ou Quilty), ele seria completamente diferente. Lolita certamente não descreveria o que viveu do jeito que Humbert descreve. Mesmo através da narração não confiável de Humbert, vemos Lolita chorando toda noite antes de dormir, vemos Lolita tentando fugir. Dificilmente Lolita seria um livro tão deliciosamente engraçado se fosse narrado por ela. É possível amar o livro sem amar Humbert. E mais ainda -- sem endossar a pedofilia.
Você lê Psicopata Americano, por exemplo, de Bret Easton Ellis, narrado por um milionário playboy que gosta de torturar e matar pessoas, principalmente mulheres e, a menos que você tenha sérios problemas, você não vê Patrick Bateman como um herói ou um modelo a ser imitado. Não sei como tanta gente interpreta Lolita como um convite à pedofilia, um embate entre puritanismo e liberdade. Puritanismo é não querer que meninas de 12 anos sejam exploradas sexualmente por homens adultos? De qual liberdade estamos falando? Liberdade para quem? 

- De que forma você vê o estereótipo da ninfeta, como a Lolita que Nabokov criou nos anos 1950, sendo perpetuado na sociedade nos dias de hoje? De onde você acredita que venha essa atração de homens mais velhos por mulheres jovens?
O estereótipo da ninfeta realmente pegou, o que pra mim é inacreditável, porque é toda uma sociedade se baseando nas opiniões de um narrador fictício, um pedófilo, e dando-lhe razão. O próprio Nabokov não ficou feliz com a popularização do termo ninfeta: “Fora do olhar maníaco do senhor Humbert não há ninfeta. Lolita, a ninfeta, só existe através da obsessão que destrói Humbert. Esse é um aspecto essencial de um livro singular que tem sido distorcido por uma popularidade artificial”.
Brooke Shields e Susan Sarandon em
Pretty Baby, 1978
Mas a popularidade do conceito de ninfeta já foi maior. No final da década de 1970 e até o começo dos anos 80 tivemos vários fotógrafos lançando livros com fotos eróticas de meninas de dez, treze anos. Tivemos filmes que, embora muito bons por outros motivos, seriam impensáveis hoje, como Menina Bonita, de Louis Malle, que mostrava uma Brooke Shields de 12 ou 13 anos nua, ou mesmo Lagoa Azul, Quando as Metralhadoras Cospem, e Taxi Driver, que erotizavam meninas. 
Natassja Kinski, aos 15 anos, foi um dos maiores símbolos sexuais da década de 80. Luciana Vendramini posou para a Playboy com 17 anos em 1987. Hoje isso não seria permitido. A pedofilia só passou a ser mais combatida nos anos 90, e aí a mentalidade mudou. Hoje continuam fazendo editoriais de moda com meninas púberes em poses sexuais, mas essas representações são muito criticadas.
A atração pela ninfeta, pela Lolita, ainda existe hoje, decerto, mas creio que é vista mais como perversão que como algo aceitável. Lembro de um episódio de A Sete Palmos em 2004 em que Nate, um dos protagonistas da série, conversa com um amigo de infância, que agora tem quase 40 anos e é pai de uma adolescente. E esse amigo lhe conta como sente-se atraído pelas amigas da filha, meninas de 13, 14 anos. Nate (e a série) tratam o sujeito como alguém deplorável, não um modelo a ser seguido. E é estranho que homens interpretem Humbert como um modelo.
Vejamos Beleza Americana, filme de 99 que dialoga muito com Lolita. O próprio nome do protagonista, Lester Durham, é um anagrama de "Humbert learns", Humbert aprende. Então Lester flerta com a ninfeta -- a irmã da filha, que na realidade não é uma ninfeta, e sim uma adolescente de 16 anos --, mas no final, ao saber que ela é virgem e que a imagem de adolescente experiência que ela tenta passar é só aparência (o tema do filme é como os EUA são um país hipócrita de aparências), não faz sexo com ela. E isso é visto como amadurecimento do seu personagem. 
Aya Kiguchi com 13 anos
Mas ainda segue firme na pornografia a ideia de transar com cheerleaders (mais velhas que ninfetas), e no Japão temos o fenômeno das Lolicons. Realmente não entendo essa fantasia tão masculina de querer fazer sexo com meninas. Pode ter a ver com um ideal de pureza, de querer ser o primeiro na vida de uma menina. O padrão de beleza da sociedade também é muito jovem. É aceitável que homens tenham parceiras muito mais jovens, mas não menores de idade, pelo menos hoje em dia na sociedade ocidental. 
E no entanto o tráfico de meninas e a prostituição infantil são frequentes, porque há uma clientela enorme pra isso. Não dá pra entender. Eu vejo um menino de 13 anos como ele é, um menino, não um potencial parceiro sexual. Só posso concluir que essa atração sexual de homens mais velhos por meninas é um sintoma de que algo vai mal no modelo da masculinidade.

115 comentários:

Anônimo disse...

Nao gosta do livro mas faz uma postagem a respeito, cade a coerencia?

lola aronovich disse...

Vc sabe ler, anon? Nâo, né? De onde vc tirou que eu não gosto do livro?
(e, mesmo que não gostasse, não poderia escrever sobre algo que não gosto?)
Vcs trolls são ignorantes demais.

Anônimo disse...

Sinceramente nunca vi uma postagem tão tendenciosa e medíocre quanto esta. Vamos lá:

1º - seu texto não tem alguma coerência com o objetivo do qual Nabokov escreveu o livro.
2º - Nabokov escreveu um POSFÁCIO sobre o livro onde ele explica os seus objetivos em escrever "Lolita". Vou postá-lo aqui para você:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Lolita#Nabokov_sobre_Lolita

e até mesmo nos últimos parágrafos da matéria do jornal El Pais ele coloca:

"Simplesmente gosto de compor enigmas com soluções elegantes” disse seu autor. E deixou clara sua concepção da literatura: “uma obra de ficção só existe na medida em que me proporciona o que chamarei, pura e simplesmente, de prazer estético”.

3º - Você é muito tendenciosa e puxa apenas para o seu ponto de vista, como se chamar outra feminista fosse resultar em um texto imparcial, faça-me o favor. Não possui referências ou notas alguma, onde está a credibilidade neste texto? Me moste!

Finalizando Lola, onde está a opinião do autor em seu posfácio? Você está escondendo informações tendenciosamente para dar 'valor' a uma 'entrevista' que mostra apenas um lado de ponto de vista, como isso pode ter credibilidade? Apenas as suas medíocres leitoras para acreditar em um texto como o seu!

Anônimo disse...

Pedofilia ... Com a máxima dureza deveras ser combatida ...
Nenhum ser humano pode pular etapas ... Fase de criança/adolescência não poderá jamais ser incentivada a sexualidade ....
Proteção máxima deveras ter aos menores para q jamais esses se infiltrem num mundo de perversão sexual de adultos psicóticos desgracados demoníacos chorume pedófilos >.< >.<. >.<. >.<. >.<.
Casos de crimes sexuais deveria ser pena perpétua !

Não dá pra entender porque vale mais a liberdade do (ex)detento (q cumpriu sua pena) do que a eterna mágoa e trauma que uma pessoa violada sexualmente ficará carregando pro resto da vida ....

Entendemos que as penas deverão ter característica de preservar a dignidade humana ... Mas a dignidade perdida por uma pessoa violada sexualmente fica aonde ??? Aliás ... Por acaso tal detento será submetido a algum tratamento adequado para “curar" sua pedofilia ?

Acabamos ficando presos dentro de nossas regras jurídicas ...

Por acaso nossos dirigentes estatais estão preocupados em construir uma sociedade de ponta? Com menos incidência de crimes ? Estão preocupados em lapidar nossa sociedade para construir cidadãos que fazem a diferença positiva ?

Cabe a nós cidadãos reverter esse quadro ridículo em que caminha nossa sociedade .... Pois pareçe que estamos mais é em processo retrógrado ... hoje parece que estamos vivendo em era medieval ...

>.<

mArceLLA

Anônimo disse...

anônimo, em vez de ler o recorte tendencioso da wikipedia, leia o posfácio completo. Vai se surpreender.

Jay

Anônimo disse...

Anon 14:11

E Wikipedia é de uma credibilidaaaadeee...

lola aronovich disse...

Anon das 14:11 que achou minha entrevista tendenciosa e medíocre, espero que vc saiba que "intenção do autor" (quando vc fala no objetivo de Nabokov) é um conceito ultrapassado há algumas décadas. Não sei onde "chamei outra feminista", e não sei onde quis fazer um texto imparcial. Não existe texto imparcial. E sim, é uma entrevista comigo, é claro que vou colocar o meu ponto de vista. Precisa ter referências ou notas num post pra ter credibilidade? "Escondendo informações" é risível. Tudo que vc escreveu é risível, coisa de troll mesmo.

Anônimo disse...

Certo, então passo aqui a própria entrevista onde Nabokov discute Lolita (está em inglês), mas é realmente esclarecedor:

https://www.youtube.com/watch?v=Ldpj_5JNFoA (primeira parte)

https://www.youtube.com/watch?v=0-wcB4RPasE (segunda parte)

https://www.youtube.com/watch?v=UxubAJSJUZM (documentário sobre o livro)

Feministas... sempre distorcendo obras para que os pobres ignorantes acreditem em suas falácias!

J.M. disse...

Putz, qual é a desse anônimo revoltz aí com a entrevista? Credo, nem vocação pra troll esse aí tem.

Mila disse...

Eu já tinha lido algumas interpretações que corroboravam com a visão do Humbert, que a Lolita o "seduziu" e infelizmente, o contexto da expressão atualmente se refere à pré-púberes sexualizadas que "atraem os homens".
Hoje em dia, elas são chamadas de "novinhas". As meninas de 12, 13, 14 anos que mal menstruaram e já são assediadas na rua pelo mesmo cara que acha que devem castrar alguém que estupra menores (não estou defendendo o estuprador, só apontando para a hipocrisia na situação. Brasileiro gosta de se revoltar contra abuso de menores, mas manda gostosa para adolescentes na rua). Esse arquétipo, a meu ver, é utilizado diversas vezes para culpabilizar a vítima, essas "meninas de 12 anos se vestindo como mulheres" e provocando os Humbert Humberto de plantão.

M. disse...

Adorei ver você falando de Lolita, Lola. Adoro esse livro mas nunca falo dele porque o jeito que as pessoas o interpretam é assustador.

Mas infelizmente ainda vejo a relação de homens com meninas ainda bem comum, principalmente no interior (por exemplo onde moro) e na periferia (onde morava). Isso se soma ao fato das meninas terem sua sexualidade demonizada pela sociedade, é sempre culpa delas nunca do homem que se aproveita da pouca idade das meninas pra manipula-las. Acho que esse talvez seja um grande fator da atração, o controle e o poder dos homens sobre alguém mais jovem e inexperiente.

Anônimo disse...

Lolita lembra verdades secretas.

Anônimo disse...

ou melhor verdades secretas que lembra lolita

Anônimo disse...

Dois links pra divulgação, do Brasil Post:

1. Slideshows com importantes invenções femininas:

http://www.brasilpost.com.br/2015/10/05/homens-explicam-demais_n_8235346.html?ncid=fcbklnkbrhpmg00000004#slide=start

2. Gráfico explica qual a hora certa de fazer mansplaining

http://www.brasilpost.com.br/2015/10/05/homens-explicam-demais_n_8235346.html


Sobre o livro, não gosto. Acho pedófilo e misógino.

Anônimo disse...

Lola o que vc acha de mulheres mais velhas com adolescentes homens.
Dizer que é diferente seria preconceito?

Anônimo disse...

Como vítima de pedofilia e quase uma Lolita da vida real, não tem como eu gostar, achar graça, defender ou aplaudir esse livro. Especialmente em um espaço supostamente feminista.

lola aronovich disse...

"Espaço SUPOSTAMENTE feminista".
Ai ai.

Anônimo disse...

(Viviane)
Já deixando bem claro que não estou comparando as duas obras, pois não tem nada a ver uma com a outra: essa "fama" do "Lolita" lembra o que fizeram com "O pequeno príncipe". Ambos ganharam um sentido diferente, talvez, do que os autores pretendiam (na minha visão de leiga em literatura) e são rejeitados por muita gente somente com base no título. Faz parte também de nossa (falta de) cultura criticar o texto apenas pelo título, como acontece muito aqui no blog da Lola e em outros...

Marix disse...

Oi, Lola, gostei muito da sua entrevista, me deu vontade de ler o livro pelo elogio que você faz ao estilo do autor, mas dado o conteúdo do livro, as ações do narrador não sei se terei estômago. Vale a tentativa. Gostei muito da distinção clara que você fez: a narrativa do livro não é uma prescrição moral, e somente uma pessoa com moralmente perturbada pode ver na narrativa imperativos e modelos para a ação.
Hoje vejo como a cultura da TV e publicdidade dos anos 80 e 90 (nasci em meados de 80) superestimulavam (mais do que hoje) a erotização precoce das meninas. Um dos sinais disso é a polêmica participação da Xuxa no filme de pornochanchada. Não aprecio o modo como Xuxa conduziu sua carreira, nem nunca gostei de seus programas de TV, mas sempre a defendo nesse episódio do filme. É incrível como as pessoas tem sede para culpar e agredir uma mulher. Xuxa tinha 16 anos na época em que o filme foi gravado, era uma menina ainda! Talvez precocemente erotizada, mas ainda assim uma menina, uma adolescente em formação.
Porque todo mundo critica apenas a Xuxa, mas ninguém fala nada sobre o diretor do filme que escalou dois menores de idade para fazerem cenas eróticas? Por que ninguém critica os outros atores do filme (como Tarcísio Meira e Vera Fischer) por não terem se oposto a contracenar com crianças num filme de pornochanchada? Por que os patrocinadores, editores, diretores, redatores do filme não se posicionaram contra aquela cena? É muito fácil, ou, muito hipócrita, jogar toda a responsabilidade na Xuxa, à época uma garota de 16 anos. Adolescentes muitas vezes não tem noção de limites, são desmedidos, corajosos, querem provar que podem fazer tudo o que os adultos fazem, não têm paciência, querem chegar rápido aos objetivos.
Sempre que tocam nessa história do filme que a Xuxa fez, eu a defendo. Defendo não a personagem/apresentadora Xuxa, mas aquela menina/adolescente (que depois ficamos sabendo que foi abusada na infância), com ambições de ser famosa (que adolescente num quis ser famoso, aparecer na TV ou no youtube) e provavelmente desprotegida, contra uma indústria e uma cultura da pornografia, da erotização precoce, do estímulo à pedofilia.

Gosto muito dos seus textos, do espaço que você da às pessoas pelos Guest Posts (aprendo muito com eles e tenho certeza que eles ajudam bastante os autores e outros leitores) e da linha feminista que você subscreve. Um abraço!


Anônimo disse...

Nunca li a Lolita, mas sei lá, sempre imaginei que fosse uma menina de uns 18-19 anos

to passada que ela tinha 12 !
desculpe ! mas parei aí ! nao vou ler esse post !

J.M. disse...

Esse caso do filme da Xuxa também me faz revirar o estômago com a hipocrisia das pessoas, pela culpabilização e demonização não da Xuxa atriz e apresentadora, mas por ser reflexo da opressão machista contra a mulher. Por outro lado, discordo da censura que a Xuxa tentou (ou ainda está tentando, não sei) promover contra o famigerado filme.

Raven Deschain disse...

Ué, eu semlre achei que Romeu e Julieta tivessem uns 17 ou 18. Acabou qie têm oq? 14?

Muito bom mesmo Lola. Não é o meu tipo de ficção (na verdade nem os filmes vi), mas vou buscar pra ler. ^^

Anônimo disse...

Romeu e Julieta tinham 12 e 13 anos.

Anônimo disse...

to passada que ela tinha 12 !
desculpe ! mas parei aí ! nao vou ler esse post !

==================================


ela ter 12 anos é a coisa menos horrorosa desse livro
e não acredito que fui obrigada a ler esse lixo misógino na ESCOLA, apologia a pedofilia pura! Deu a maior confusão e o professor teve que se retratar, felizmente.
fora que na vida real o autor tem certas "suspeitas" que pairam até hoje sobre ele, pesquisem no Google!

mas tudo bem né vamos bater palma pra pedofilia e pra misoginia na forma de arte!

Anônimo disse...

Este livro podre e nojento escrito por um homi escroto (Tinha que ser) e um dos maiores pela glamorizarão da pedofilia, e por incentivar homem velhote safado a investir em adolescentes e mulheres jovens de vinte e poucos anos (Não tem coisa mais nojenta que homem velho de mais de 30 e poucos querendo pagar de gatinho sedutor, nojo total)

Anônimo disse...

O livro não inventou a pedofilia e nem colocou ideias na cabeça de homens. A pedofilia precede a história de Lolita. O livro apenas retrata uma realidade

Anônimo disse...

"Ué, eu semlre achei que Romeu e Julieta tivessem uns 17 ou 18. Acabou qie têm oq? 14?"

Romeu e Julieta são dois jovens em uma história mais de resistência do que de amor.
(Detesto o final, nenhuma mulher deve atentar contra a própria vida por conta de falso amor de homem, esta obra também reforça a besteira do mito do amor romântico hetero, besteirada total)

No caso de Lolita e um homem velho abusador que e abusa de uma garotinha, mas depois a o ápice do livro quer por a culpa nela por "seduzir o velhote"
Temos ai vários problemas de naturalização do patriarcado imundo, culpabilização da vitima, culto a pedofilia, idealização do mito do "homem mais velho sedutor' entre outras nojeiras.

Anônimo disse...

Muito legal ver a sororidade e o respeito aos espaços feministas que certas rads têm aqui no blog. Desejar morte à uma feminista igualzinho os mascus fazem. Ir floodar os coments dos blogs deles, vcs têm coragem?

Anônimo disse...

"O livro não inventou a pedofilia e nem colocou ideias na cabeça de homens. A pedofilia precede a história de Lolita."

Sim miga, eu sei que a pedofilia, violência e estupro são inerentes a natureza morbida masculina, sempre foi assim.
O que eu critiquei e um obre escrita por um homem que glamoriza e romantiza isto tudo, alias romantizar estupros e abusos e uma tática primaria do patriarcado, a venda do romantismo não deixa a maioria das mulheres não libertas pelo feminismo a se conscientizarem que isto tyudo e naturalizado pelo chamado "relacionamento héterocentrista falocêntrico"

Anônimo disse...

Que dizer que o lesbianismo é uma forma de libertação?a mulher não pode ser hetero é feminista

Anônimo disse...

Qual seu tipo de ficção? Crepúsculo

Juliana S. C. de Jesus disse...

Eu amo o livro, Lolita, mas as pessoas romantizam muito a situação de abuso da personagem. Se o paralelo é permitido, poderia falar que é quase como Dom Casmurro, algumas pessoas juram que Capitu traiu sem no mínimo uma analise que nós estamos ouvindo a história pela voz de um homem amargo contando a história anos depois. Talvez, nós estejamos tão acostumados a validar a fala de um homem, hétero, cis e branco que até mesmo quando ele fala absurdos, há pessoas batendo palmas para eles. E sobre o termo "ninfeta": acho uma loucura a imprensa repitir calmamente um termo criado por um pedófilo em livro em que ele narra seu relacionamento com uma jovem abalada com os abusos que sofria.

Anônimo disse...

Anônimo disse...
"Que dizer que o lesbianismo é uma forma de libertação?"

O feminismo e libertador porque e natural, muitas confundem o discurso de emponderamento com o "virar lésbica" ( Se bem que conheço muitos que se descobriram depois de se envolverem, mas eram cegas a isto pela demonizalção patriarcal sobre o relacionamento entre mulheres)
Não e isto o que dizemos, mas sim o termo mais correto seria "assexualidade politica" e negar ao patriarcado a naturalização do opressão via "falacia romântica"

lola aronovich disse...

Obrigada pelo comentário inteligente, Juliana! Hoje o dia tá difícil por aqui...

E não só aqui nos comentários. Marcelo Mello e seu chan mascu lançaram um novo site de ódio, este com meu nome. Amanhã vou à delegacia fazer mais um BO, mas peço que, se virem alguém falando do site com meu nome, avise que não é meu. Por que eu teria um outro blog, se já tenho este há quase 8 anos, com relativo sucesso? O outro site tem layout idêntico ao do Tio Astolfo e demais sites de ódio criados pelo Marcelo. Está pessimamente escrito e não tem nada a ver com o que eu penso ou defendo. Tem que ser meio otário pra acreditar que o site é meu, mas sempre tem gente que cai.

Anônimo disse...

Não li o livro, mas penso que um tema reprovável pode ser tratado de forma admirável, desde que esse tema não seja endossado.

Citaram "verdades secretas", não assisto novelas ou seriados da Globo há anos mas esse eu comecei a assistir. A maioria das novelas romanceia os temas, enquanto essa colocava as coisas como elas são.

Vi e achei uma das melhores novelas dos últimos tempos. Não que eu ache aprovável um sujeito de cerca de 40 anos se casar com uma mulher da mesma idade pra se aproximar da filha dela. Não que eu ache legal prostituição de menores. Não que eu aprove a falta de caráter explícita na novela. Mas acho interessante que um seriado ou livro mostre a vida como ela é.

Por isso na adolescência odiava os livros do Eça de Queiroz e hoje adoro. Acho extremamente acurados, muitos exemplos ainda servem pros dias de hoje, tirando as particularidades de cada época.

anon A. (radfem) disse...

Só deixar esse post aqui:
http://kierongillen.tumblr.com/post/114062828422/the-lolita-covers

É uma análise das capas do livro Lolita. Por exemplo, ela critica que a esmagadora maioria das capas foca na garota e a sensualiza, mesmo quando o autor pediu para isso não ser feito.

lola aronovich disse...

Muito bom esse artigo sobre as capas de Lolita! Sim, praticamente todas as capas colocam uma menina (ou alguma parte de uma menina, como os pés) na capa. Talvez porque o título do livro seja LOLITA, não Humbert. Encontrei uma capa (e coloquei no post) em que tem o Humbert abraçado a Lolita.

Raven Deschain disse...

Siiim eu sei 17 e 11. Tava focando especialmente na questão da idade e como, nas nossas interpretações sempre achamos que os personagens são mais velhos. Eu pelo menos acho.


E sempre me surpreende ver uma história aparentemente adulta protagonizada por crianças.

Anônimo disse...

“Fora do olhar maníaco do senhor Humbert não há ninfeta. Lolita, a ninfeta, só existe através da obsessão que destrói Humbert. Esse é um aspecto essencial de um livro singular que tem sido distorcido por uma popularidade artificial”.

Lola, tem essa frase original e algum link? Procurei no google e não consegui encontrar... Gostei tanto e gostaria de postar no meu tumblr, até afim de esclarecer a minha opinião sobre esse livro que eu amo.
No mais, adorei a entrevista, conseguiu transparecer quase tudo o que eu penso e ás vezes não consigo explicar de como eu posso adorar o livro, gostar dos filmes, referências, sem apreciar a pedofilia e achando o Humbert um ser desprezível.
Assisti primeiro o filme quando era bem jovenzinha(uns 14) e não entendi, adorei, mas entendi tudo errado, passei a ver como uma historia de paixão como a maioria das pessoas leigas. Até pensei que se tratava de mulheres mais jovens que gostam de homens mais velhos, e não tem nada a ver com isso.
Depois fui crescendo e pesquisando mais sobre, reli o livro outra vez, e quando finalmente entendi a ironia, amei mais ainda. E fico passada como existe adoradores do livro que exaltam Humbert como um sábio(eu antes não via ele assim, mas pensava que era um homem apaixonado).

Anônimo disse...

Pessoas, Lolita é como Dom Casmurro, de Machado de Assis; você só tem o ponto de vista do narrador-que nos dois livros são homens héteros perturbados e com mentes doentias, obcecadas. Bentinho é um ciumento neurótico, só vemos as coisas sob o ponto de vista dele, não há nenhuma prova que Capitu tenha traído, nem mesmo pistas do que tenha acontecido porque só temos acesso à visão de Bentinho. Em Lolita é a mesma coisa, você só tem o ponto de vista de um dos personagens, o pedófilo que narra a história sob o ponto de vista dele.

Creio que depende de quem lê, mas como disseram aqui que no livro a menina tenta fugir, é explorada, repele totalmente o criminoso depois que se livra dele imagino que a glamourização da pedofilia seja feita mais pelos cineastas que adaptam o livro pra filme do que pelo próprio autor. Pela entrevista da Lola, me parece ser isso que acontece. Uma coisa que eu reparei depois de ler Dom Casmurro é que homens costumam acreditar que Capitu traiu Bentinho, e as mulheres não porque não se tem acesso a uma visão imparcial da história. Imagino que essa diferença ao ler uma história narrada exclusivamente em primeira pessoa se aplique também ao Lolita; os homens vão logo sexualizando a "novinha", levando a história na safadeza sem pensar em qual é realmente a mensagem do livro, e as mulheres veem logo o abuso e a exploração. E como a maioria dos cineastas são homens, essa visão sempre foi mais frequentemente passada ao público que a visão feminina.

Anônimo disse...

Só não sei em que tempo houve alguma coisa positiva na masculinidade.
Já houve? Alguém pode esclarecer minha ignorância?

Quando a não ser aceitável o envolvimento de homem mais velhos com menores de idade, sinto informar mas é muito bem aceito. Não no meu círculo social nunca vi mas já observei muitas adolescentes na internet, inclusive feministas, dizendo que namoram ou namoraram homens mais velhos. Essa semana vi uma de 17 anos dizendo que era noiva de um homem de 54.
O que me abriu os olhos pra essa realidade foi a polêmica entre feministas sobre o relacionamento do Marcelo Camelo com a Malu Magalhães, e há poucas semanas quando foi divugado que ela estava grávida dele reacendeu a "polêmica" novamente.

Isso parece ser muito comum e uma minoria de pessoas se chocam. Tinham muitas feministas dizendo que não viam problema nenhum (Libs, claro)..
Postaram um texto muito bom no facebook sobre o assunto

https://www.facebook.com/autonomiafeminista/photos/a.497876843619942.1073741826.497872260287067/799725746768382/?type=3&comment_id=799748136766143&offset=0&total_comments=384&comment_tracking={%22tn%22%3A%22R9%22}

lola aronovich disse...

Anon das 19:09, peguei do último parágrafo deste artigo no El País (que tá linkado no post). Já a frase original eu não sei onde está...


Anon das 19:11, será que tem uma pesquisa sobre isso? Seria interessante! Isso de leitores de DOM CASMURRO acharem que Capitu traiu Bentinho, e leitoras empatizarem mais com Capitu e acharem que não traiu. Mas a gente só ter o ponto de vista do narrador (muitas vezes um narrador nada confiável e psicopata, como nas histórias de Edgar Allan Poe) é super comum. Um dos grandes triunfos de LOLITA é como Nabokov consegue incluir pistas da existência de Quilty em toda a narrativa, sendo que Humbert, o personagem, só fica sabendo de Quilty no final. Quero dizer, a gente como leitora fica sabendo de Quilty muito antes do Humbert saber!

Vicky_ disse...

Aff Nem sei quanto tempo levei para concluir a leitura(na época), cada parágrafo me fazia querer dar uma pausa, afinal, é a mente de um pedófilo que não se arrepende de seus atos e totalmente misógino.
O prazer foi quase 0 por conta da história ter funcionado quase como um gatilho para trauma.

Gostei bastante do texto, Lola! Uma entrevista interessante em meio ao mar da cultura de estupro na Internet!

Anônimo disse...

''Nao gosta do livro mas faz uma postagem a respeito, cade a coerencia?''


Esse não sabe ler nem o título.

Anônimo disse...

''Lolita lembra verdades secretas''

Eles podem até ter se inspirado em alguma coisa...
Mas a moça da novela tem uns 16 anos, certo? E ainda, hoje em dia... Lolita tinha 12 e naquela época em que crianças eram mais inocentes.
A Angel da novela lembra mais uma mulher. Não estou dizendo que é certo, mas é mais da mesma deturpação do termo ninfeta.
E pelos comentários que ouço por aí, era visto como 'sexy'' a relação dos dois, duvido que lolita seria visto da mesma forma(ou pelo menos, não deveria).

Anônimo disse...

''Nunca li a Lolita, mas sei lá, sempre imaginei que fosse uma menina de uns 18-19 anos

to passada que ela tinha 12 !
desculpe ! mas parei aí ! nao vou ler esse post !''

E é exatamente assim que acontece quando se tenta falar sobre o livro...'' Mas você gosta de Lolita, heim safadinha?'', ''O que, ela tem 12 anos? Isso é doença, sai fora''...
E assim é melhor nem tentar discutir, se nem a opinião da Lola quiseram ler.

Anônimo disse...

Sobre Dom Casmurro... Uma professora de balé minha uma vez perguntou se a capitu era prostituta, quando soube que eu havia lido o livro.

E sobre Lolita, acham que é uma menina de 18 anos safadinha.

Mila disse...

Por apologia, entendo glamourização e reforço do comportamento. No livro, não tive essa impressão. Afinal, como bem já falaram, trata-se da visão de um sujeito perturbado, com sérios problemas de relacionamento, que casa com uma mulher para se aproximar da filha dela de 12 anos e inventa mil e uma tramas para mantê-la. Humbert não é exatamente um modelo a seguir.
O problema reside nos tipos de uso acerca da obra e dos termos "ninfeta" e "lolita". Este termo é empregado para as "meninas pré púberes sexualmente atraentes ou precoces". E só de pensar q esse arquétipo virou desculpa para abusos, me dá calafrios.

Anônimo disse...

Bom, Lola, pesquisa acho que não tem; essa de os homens acharem que Capitu traiu e as mulheres não é algo que eu observei na prática. Todos os meus professores de literatura homens diziam que Capitu traiu e que as pessoas deviam admitir isso logo, e as minhas professoras diziam justamente que nao dá pra ter certeza se Capitu traiu ou não porque só se tem acesso à visão de Bentinho, que é parcial e completamente neurótica. Uma vez li um artigo de Diogo Mainard (me faziam morrer de rir, tenho um senso de humor questionável, admito) mencionando Dom Casmurro e ele também acreditava que Capitu traiu. A única exceção que eu já presenciei a essa regra foi uma esquete do falecido Comédia MTV, Clássicos Arruinados Pela Tecnologia Moderna, em que Capitu e Bentinho fazem um teste de DNA e confirmam que o filho é dele, que Capitu não traiu-a menos que uma mulher tenha escrito esse roteiro.

E outro detalhe, Bentinho antes de começar a desconfiar de Capitu começa a desejar a mulher de Escobar, Sancha. Então é muito provável que ele estivesse projetando o próprio desejo e a disposição pra trair na esposa. Aliás, acabei de visitar um fórum de discussões literárias sobre essa questão, os homens colocam motivos pra acreditar que ela traiu e motivos pra acreditar que ela não traiu enquanto as mulheres acham que ela não traiu. Um comentarista do fórum que estava sofrendo por gostar de alguém e não ser correspondido confessou que projetava seus sentimentos na história e por isso acreditava que Capitu traiu Bentinho.

Anônimo disse...

As pessoas possuem maturidade sexual diferente, vcs acham que meninas de 14 ou 12 anos não sentem desejo.

Anônimo disse...

Eu canso de ver homens de mais de 35/40 anos rodeando colégios para ficar Skalteando adolescentes, ele ficam em lanchonetes e padarias próximas, ou estacionam os carros na rua do colégio, e assustador.
Agora eu pergunto, você v~e mulheres da mesma idade fazendo isto? Alguém v~e mulheres sexualizando garotos e adolescentes desta forma? Vê uma mulher de 25 anos se relacionando e manipulando garotos de 16/17 anos?
E obvio que o machismo esta por trás deste fascínio que estes escrotos tem em meninas novas, são doentes.

Anônimo disse...

"vcs acham que meninas de 14 ou 12 anos não sentem desejo"

Sentem, mas por meninxs da mesma idade ou no máximo um pouco mais velhos, não por velhos babo~es nojentos com quase o dobro da idade delas.

Vou te contar um segredo cara, este negocio de "meninas gostam de homens mais velhos" e uma falacia criada por romancistas masculinos visando naturalizar a perversão suja masculina/machista, elas sentem nojo de homens velhos, ate mulheres da mesma idade que estes homens não enxergam nada nelas, quanto mais uma adolescente.

Anônimo disse...

Homens são uma doença social.

Anônimo disse...

Discordo, sempre tive desejo por homens mais velhos, de até uns 40 anos, desde que era adolescente. Mas sei que não é a maioria das mulheres.
Via minhas amigas babando por jovenzinhos e atores de crepúsculo e não entendia porque.

Anônimo disse...

É claro que são raros, mas já vi casos sim de mulheres jovens desmamando rapazes de 16 e 17 anos, muito bonitos diga-se de passagem, já vi um caso de uma que fez o menino sofrer pela sua inexperiência

Anônimo disse...

Pelo menos esse tópico ainda não foi desvirtuado, espero que uma famosa comentarista, que inclusive teve pedido de banimento, não apareça e estrague o debate

Anônimo disse...

Pronto começou o iuzomismo.

"já vi um caso de uma que fez o menino sofrer pela sua inexperiência"

A a do saci ? conta esta também, depois do do "homem que sofre por amor a uma mulher" e minha lenda de folclore preferida.

Vicky_ disse...

Aos 12 anos minha paixonite era o Ned Bigby de "O Manual de Sobrevivência Escolar do Ned". :v Foi uma das primeiras. (O personagem também tinha 12 anos)

Eu era uma pré adolescente bem bobona, mas obviamente já tinha interesse em sexo e um certo conhecimento sobre o mesmo, assim como a maioria dessa idade. Eu devia ter vergonha na cara por não ser mais "inocente"?

Ainda estou tentando entender como o fato de pré adolescentes e adolescentes terem interesse em sexo é passe livre para velhos babões assediarem as mesmas, combate à cultura do estupro e vergonha na cara mandam abraços, velhos. =D

Anônimo disse...

Meninas pré adolescentes tem desejos sexuais e podem ter até por sujeitos mais velhos, mas isso não dá razão a esses homens para assedia-las, nem de manter um relacionamento.
Meninas dessa idade não deveriam ser estimuladas sexualmente, mesmo com garotos da mesma idade. É, não gosto da ideia de duas crianças se explorando sexualmente, uma criança sempre pode tentar manipular a outra, e nessa idade, quase todos são manipuláveis, mas sempre tem um lado mais fraco.

Anônimo disse...

Vamos trocar o personagem! E se for uma mulher de 46 anos e uma menina de 16 anos.

Anônimo disse...

Quando eu tinha 12 anos eu espiava um menino mais velho tomando banho no quintal vizinho sem ninguém saber, é claro que temos desejos nessa idade, agora nada justifica esses tarados que gostam de "novinhas ", aliás já repararam que esse termo ta na moda

Anônimo disse...

Anon 21:40, nesse caso algumas pessoas que condenam o livro iriam dizer que quem condenasse esse caso seria homofóbico

Anônimo disse...

"E se for uma mulher de 46 anos e uma menina de 16 anos"

Homenzinho doente, péssima tentativa de demonizar uma relação entre mulheres onde se encontra acolhimento entre iguais oprimidas.
Mulheres não tem a mesma capacidade natural de ferir outras mulheres que homens tem, mulheres, não penetrar, mulheres não intimidam, e mulheres se entendem em sua condição social.
passa ontem mascutroll

Anônimo disse...

Anon 22: 15, vc está falando uma coisa que não tem nada a ver, você deve ser uma daquelas radicais que acham que mulheres hetero não podem ser feministas

Anônimo disse...

21:40, boa tentativa de desvirtuar o debate mas não vai rolar.

Vocês conhecem casos de adolescentes que se envolveram com homens mais velhos?
Como o caso se desenrolou? Eles encontraram resistência no seu círculo social?

Eu gostaria de entender como as pessoas naturalizam tanto isso. Sei que meninas com família de baixo poder aquisitivo são alvos mais fáceis para esse assédio e conivência dos pais, mas e as moças de classe média? Qual é a desculpa?

Anônimo disse...

Eu não só acho quem mulheres hétero podem com o DEVEM serem feministas.
Ate porque estão mais vulnerareis que lésbicas ao machismo e violência de gênero.

Eu sou assexual, e isto me coloca em uma posição confortável para observar que lésbicas estão muito mais seguras entre si que as héteros, afinal tenho empatia por quem sente atração por algo que vai lhe destruir e oprimir.
mas eu acredito que imposições biológicas não são determinantes, não estamos mais na p´re historia para sermos escravas de instintos. Tudo isto pode e deve ser desconstruído

Patty Kirsche disse...

Não vi nada de errado no texto, Lola. Acho que você analisou bem. Pra mim é um tema bem difícil, inclusive nunca tive coragem de ler o livro por causa da temática. Mas livros são assim; uma pessoa se sente extremamente incomodada enquanto outra adora. É uma pena que a obra seja usada indevidamente para validar o desejo de homens adultos por garotas, mas é assim que funciona ideologia.

Vicky_ disse...

Concordo.
Tenho nojo desse termo. Pior que até tempos atrás era usado quase só no funk, mas nos últimos dias, tenho ouvido no Setarnejo Universitário também! Haja asco!

Anônimo disse...

Outra coisa que me embrulha o estomago é aquele pessoal que romantiza as relações amorosas dos seus familiares (que o pai e a mae sao uma casal lindo, o avó e a avô tb, etc) chega na seguinte estoria:
meus avos sempre juntinhos, casal lindo,ha tantos anos juntos, criaram os filhos juntos, sao amorosos, carinhosos, um nao vive sem o outro..é um exemplo de casal...etc... Daí, de repente, a pessoa comenta "quando eles se casaram minha vó tinha 15 e meu vó tinha 25"
opaaaaaaaaaaaaa !!! pera lá... nao da pra mudar que isso acontecia antes e etc. ok. Mas daí a pessoa acha isso bonito ? normal ?

Conheci uma senhora, que embora tenha casado com quase 20 anos, um dia comentou que começou a namorar quando tinha 12 anos (!!!) e o rapaz tinha quase 20 !!! Hoje ela já tem quase 50, tem uma carreira profissional e ja criou os filhos. Eu fico pensando (embora nao é da minha conta)... a pessoa gosta do mesmo cara que se apaixonou quando tinha 12 anos ??? nao mudou nada ??? com 12 anos ainda somos tao crianças... meus gostos, todos mudaram desse idade até hoje...

Anônimo disse...

Concordo, anon 23:44. Acho que meu avô não foi flor que se cheire pq minha avó se separou dele (na década de 60 pra uma mulher se separar devia ter um bom motivo, né) e ele morreu eu era bem pequena, mas pelo menos ele não casou com minha vó qd ela tinha 13 anos. Já tinha mais de 20. Eu tenho uma prima de 12 anos e fico pensando se ela aparecesse com um "namorado" (que na verdade é abusador) de 15/16/17/19/20. Se os pais não tomassem providência (oq eu duvido) quem ia tomar era eu.

Luana disse...

Lola, eu AMOOOOOO quando vc fala de Lolita. SOu completamente apaixonada pelo livro e pela conexão literatura-cinema interpretada por trabalhos como o seu. Esse ano Alice no País das Maravilhas fez 150 anos, e essa é outra história cabeluda envolvendo pedofilia né? Aliás, foi aqui mesmo q eu li q Nabokov traduziu ALice para o russo. Todas essas obras parecem ter uma ligação no fim das contas, e toda essa influência se despeja no imaginário coletivo como um fetiche mal disfarçado. Na verdade apenas traduziram primorosamente, a ponto de se tornarem obras de arte, coisas que acontecem desde q o mundo é mundo. A época q eu mais fui assediada por homens mais velhos (bem mais velhos do que sou hj em dia, diga-se de passagem) foi quando eu tinha entre 11-14 anos. Uma coisa é verdade, quando entramos na puberdade esses nojentos não tem o menor pudor em ficar nos rodeando feito urubus. Parecem que querem praticar com a filha dos outros o que não podem praticar com as próprias. Isso se a criança tiver sorte. Pedofilia é algo bem mais corriqueiro do q as pessoas imaginam. Nego acha q porque nasceu peitinhos e a menstruação desceu, já pode cair matando. Tem até um ditado q diz "homem não vê idade, vê peso". Enfim, se quiserem continuar se iludindo com a ideia de q o pedófilo é sempre o esquisitão gordo que mora sozinho com seus 25 gatos...

Anônimo disse...

Lili

Eu particularmente não gostei de Lolita, talvez por algumas questões como o ponto de vista só di narrador, e a popularização do termo "ninfeta".
Talvez por culpa deste termo e pelo assédio de velhos nojentos eu tenha passado a maior parte da minha adolescência como um moleque!
Não se deixe enganar, pedófilo que assedia e abusa de meninas é capaz de violentar a própria filha sim!
Prefiro não opinar muito sobre o livro mas achei o ponto de vista da Lola interessante.

Quanto à questão da Xuxa, tudo se deve à uma razão puramente machista.
Teve na década de 80 um filme chamado " A Menina do Lado" em que uma Flávia Monteiro adolescente protagonizava cenas de nudez e sexo com o já bem maduro Reginaldo Faria.
O curioso é que o mesmo povinho machista e babaca que apedreja a Xuxa por ter feito cena de nudez e sexo com um menino de 12 quando ela tinha 16, e no entanto não de critica nem acha "nada demais" um homem de 40 e muitos, fazer cenas vulgares e apelativas com uma menina de 14 anos!!
Sem falar que eu sempre pergunto, cadê as críticas e ofensas para os verdadeiros culpados, os diretores oportunistas e apologistas de pedofilia destes filmes?!
O machismo e hipocrisia da nossa sociedade terceiro mundista é impressionante!

Anônimo disse...

"Gente, só cuidado com o preconceito com casais com diferença de idade, tenho 20 e poucos e meu namorado 40 e poucos"

Não e preconceito miga e a realidade da grande maioria das meninas, se sua vivência encontrou um que e mais calmo pacifico e menos sexualizado, ela e sua experiência e não deve servir para calar a maioria que e vitima de predadores sexuais velhos em busca de meninas inexperientes.

Anônimo disse...

Falando em 'verdades secretas', apesar da novela já ter terminado tem uma matéria interessante neste site: http://www.geledes.org.br/a-verdade-secreta-e-que-a-familia-brasileira-nao-liga-para-abuso/#gs.YqqbPNM

Anônimo disse...

A primeira vez que li Lolita achei a história maravilhosa, e o último parágrafo qnd ele supostamente se "arrepende" tocou profundamente meu coração e então com meus dezesseis anos entendi que Humbert era um puta de um sem vergonha, safado, egoísta e doente, ele roubou a adolescência da pobre Dolores, aproveitava da menina até qnd ela estava doente.

Anônimo disse...

Agora estão criando moda de lolitas muçulmanas tbm inspiradas nas japonesas.

Anna H. disse...

Caetano Veloso começou a namorar a Paula Lavigne quando ela tinha 13 anos e ele 40, foi em 1982.
Não sabia desse filme da Flávia Monteiro. A década de 80 podia nem ter existido mesmo, hoje entendo porque a chamam de década perdida.
Quando eu era adolescente, nos anos 90, eu achava os homens mais velhos o máximo. Com 17 anos namorei e transei pela primeira vez com um cara de 44, na época até achei que o cara era respeitador e carinhoso (só porque o cara não gritava e não era agressivo), mas hoje vejo como ele foi manipulador o tempo inteiro. Eu estava muito nervosa com essa história de perder a virgindade e ele estava já ficando sem paciência, tentou me embebedar, me ofereceu cigarros de maconha, colocava filmes pornôs (mesmo eu dizendo que não gostava), tudo para me forçar a relaxar. Ele sempre vinha com uns papos de que eu era especial, que eu era muito diferente do que as meninas da minha idade, que eu era mais madura emocionalmente e mais inteligente, mas ao mesmo tempo ele me tratava como se eu fosse uma criança de 10 anos, me deu ursinhos de pelúcia, sempre comprava balinhas e gominhas para mim, entre outras coisas. Me tratava com um tipo de cuidado destinado a crianças. Mas ao mesmo tempo dizia que eu era muuuito madura e mais esperta que as outras meninas. Aliás, ele ficava forçando que eu começasse a tomar pílulas anticoncepcionais pra ele poder transar comigo sem camisinha (Eu não queria tomar pílulas, não gostava e ainda não gosto dessa ideia de ter que tomar hormônios sem ser uma necessidade estritamente médica). Forçando não no sentido de ser agressivo, mas manipulando mesmo. Chegou ao ponto de inventar que tinha alergia ao latex da camisinha e disse que se eu não tomasse pílula ele é que ficaria mal com isso. Ora, isso é manipulação!!! Aí acabei cedendo. Isso sem contar nas vezes em que ele puxava um papo estranho que sem mim a vida dele não tinha valor, que ele não sabia o que aconteceria com ele se eu não estivesse mais com ele. Eu já não estava mais afim dele, estava arrependida de ter me envolvido com ele, mas estava com medo de largar ele e ele tentar se matar. Minha salvação foi ter passado no vestibular e mudado de cidade. Logo ele parou de me procurar. Anos depois descobri mal fazia 6 meses que eu tinha ido embora, ele já tinha arrumado uma jovem-adolescente, de 19 anos e engravidado ela. Nunca mais o vi, ainda bem.
Hoje, passados 15 anos, quando olho minhas fotos daquela época só consigo enxergar o rosto de uma criança, de uma adolescentezinha, não tinha um traço de mulher. Daí lembro de como eram as roupas que eu vestia (sempre de uniforme bem largo do colégio, não arrumava o cabelo, não passava maquiagem nem pintava unhas. Lembro das minhas inseguranças e medos, que eram as mesmas inseguranças e medos bobos que minhas amigas do colégio tinham, nós todas ríamos das mesmas coisas, chorávamos pelas mesmas coisas, ouvíamos mais ou menos o mesmo tipo de música e tínhamos mais ou menos as mesmas ambições de futuro. Em suma, a verdade é que eu era uma ingênua, eu não tinha nada de mais madura, de mais inteligente ou de mais desenvolvida que minhas amigas. Eu era só mais uma dentre tantas adolescentes criançolas.

Acho muito, mas muito difícil que uma relação entre uma moça de 18, 20 e poucos anos com um cara com o dobro de sua idade seja uma relação igualitária e democrática. O homem mais velho tem muito mais experiência e conhecimento de mundo do que uma garota de 20. Se o cara realmente quisesse uma companheira "mais madura", "mais inteligente que as outras", "mais segura de si" (esses geralmente são elogios que os quarentões gostam de fazer às inseguras jovens adolescentes), teria escolhido uma mulher um pouco mais velha do que uma garota de 20, 15 anos.

camila santos disse...

Porque sempre quando o assunto é esse vocês sempre botam lésbicas no meio? Já não basta elas terem que ouvir merda de gente escrota e ainda tem aguentar vocês 17:49

camila santos disse...

Quem ta falando um negócio nada a ver é você, já parou para pensar que talvez sejam homens comentando? eu acho que não até porque sua implicância impede 22:28

Anônimo disse...

Anna H.
Não quero invalidar sua experiência pessoal, nem o que você passou... Mas você parece fazer isso quando demonstra achar impossível que uma relação entre uma garota de 20,e um cara com o dobro de sua idade seja igualitária.
Eu sinto muito pelo que você passou, mas isso acontece com muitas mulheres, ser pressionada a fazer sexo com o parceiro e isso é bem ruim.
Você por ter tido essa experiência tão negativa pode começar a passar a ver todos os relacionamentos com diferença de idade assim, mas acredite, quando a pessoa tende ser canalha, manipuladora, não tem idade.
Posso te dizer que meu caso foi diferente e estou junto faz 4 anos com esse cara que tem o dobro da minha idade, ele sempre respeitou a minha hora pra tudo (ele esperou muuito tempo mesmo, anos, posso te dizer que dificilmente garotos da minha idade iriam esperar).
Você não escolhe as pessoas pela idade, as pessoas se conhecem e se gostam.
Também lhe digo que esses elogios nunca ouvi, sim, ele diz que sou inteligente, que estou amadurecendo(mas nunca disse isso que eu era como as mulheres da idade dele), e tenta sempre me dizer pra mim parar de me achar menos que os outros(porque é de conhecimento dele e meu, minha nítida insegurança), e eu vejo isso como bom, se ele ficasse me detonando que não seria algo legal, certo?
Também não era um padrão dele ficar com meninas mais novas(já vi algumas ex).

Anônimo disse...

Não entendi porque Alice no país das maravilhas é "história cabeluda de pedofilia".

Anônimo disse...

Infelizmente a caixa de comentários, como sempre, é um festival de generalizações e preconceitos.
Sobre o post, achei ótimo. Ajuda a desfazer mitos e conceitos errados sobre o famoso livro, que devem ter surgido com as adaptações para o cinema da história. E eu imagino que a maioria das pessoas que posta aqui é grandinha o suficiente para separar ficção de realidade. É importante uma obra da literatura falar sobre o tema ao invés de fingir que isso não existe.
Eu penso que muitas pessoas que comentam aqui devem ter sofrido abusos, e por isso trazem falas tão negativas a respeito de relacionamentos ou experiências homem-mulher. Não só as que envolvem diferenças significativas de idade, mas parece que todas as relações heterossexuais são desqualificadas nos comentários. Eu acho difícil acreditar que ser empoderada significa carregar uma eterna amargura e acreditar que as relações humanas estão inevitavelmente destinadas ao fracasso.

Anônimo disse...

Tem uma coisa que vai paralela ao interesse e desejo de homens mais velhos por meninas. É a erotização dessas meninas, que se vestem, se pintam, dançam, etc de forma sensual e provocante, às vezes incentivadas pelas próprias mães. Ou seja, elas (muitas vezes involuntariamente) se mostram como objeto de desejo.

Anônimo disse...

Eu acho um porre essa coisa de pedir pra parar de generalizar. Parece que toda vez que formos abordar um tema, temos que especificar que não engloba todo mundo. O tema é pedofilia em um blog feminista, é claro que os relatos vão pender pro lado da relação homem/mulher quando a mesma é abusiva.
O autor fez uma coisa perigosa ao colocar o ponto de vista do pedófilo, porque a partir daí tudo o que tem a ver com a personagem (Lolita) é extremamente sexualizado, inclusive as capas dos livros. Não li, mas pelo o que percebi de quem leu é que ele não endossa a pedofilia, o que não é o caso do filme, que talvez eu precise assistir de novo.
Ainda sobre Verdades Secretas, quase vomitei quando li uma matéria da Globo utilizando o termo "ninfeta" o tempo inteiro pra se referir á personagem e á atriz (que tem 22 anos, pelo menos). Ao contrário do que alguém disse aí em cima, achei que a novela romantizou e enfeitou tudo, desde o tema dos personagens até a estética das cenas. E o povo idiota sempre cai, porque a torcida pelo "amor" dos dois era enorme.

Dan

Anônimo disse...

Anon de 09:04, põe na conta do machismo, não das meninas.

E eu acho tão estranho uma pessoa falar que uma criança(!) tá seduzindo alguém. Porque, sabe, espera-se que adultos sejam responsáveis e não abusem crianças.

Quando eu era menina, uns 09, 10 anos, vi um filme chamado talvez algum dia. Nele a menina (12 anos) se apaixona por um carinha de 17 anos. Ela faz tudo para esconder a idade e namorar com ele, mas lá pelas tantas ele descobre (detalhe, ele já estava gostando dela) e diz que não dá, não é certo porque ela é muito criança e que eles têm que esperar ela crescer para terem um relacionamento. Chorei horrores assistindo, porque no final eles não ficam juntos, mas, apesar de ser muito menina, entendi que o relacionamento amoroso, naquele caso, era errado.

Anônimo disse...

Se o cara realmente quisesse uma companheira "mais madura", "mais inteligente que as outras", "mais segura de si"

Não funciona, geralmente nesta fase da vida (30 anos para cima) as mulheres querem distância de homem, já não caem mais no conto do vigário do "amor romântico" e enxerga homens como eles realmente são, machistas escrotos. Dai o alvo deles vira meninas inexperientes.

Anônimo disse...

Não funciona, geralmente nesta fase da vida (30 anos para cima) as mulheres querem distância de homem, já não caem mais no conto do vigário do "amor romântico" e enxerga homens como eles realmente são, machistas escrotos.
_
Verdade, prova disto e que quase 90% dos pedidos de divorcio são feitos pelas mulheres.
Realmente relacionamento com homem não e saudável.
As exceções são muito raras, não valem a pena citação.

Anônimo disse...

No islã a pedofilia e permitida pelo Corão,duas esposas de Maomé eram meninas de 9 anos que ele sequestrou durante o massacre de uma tribo judaica.
Neste video temos o Aiatolá Khamenei, líder supremo iraniano beijando na boca de forma apaixonada uma menininha de menos de 10 anos.

https://www.facebook.com/pedofiliaislamica/videos/414709238737203/

Anônimo disse...

"Tem uma coisa que vai paralela ao interesse e desejo de homens mais velhos por meninas. É a erotização dessas meninas, que se vestem, se pintam, dançam, etc de forma sensual e provocante, às vezes incentivadas pelas próprias mães. Ou seja, elas (muitas vezes involuntariamente) se mostram como objeto de desejo"

É aí que a outra parte tem que ter o discernimento de saber quem é o adulto na relação.

Anônimo disse...

E a moda dos novinhos, ninguém fala nada? O que mais vejo e mulher de toda idade hoje atras dos novinhos.

Anônimo disse...

kkk, chora não tio, se tua fase já passou aceita que doí menos.

Geralmente a nossa geração prefere se relacionar com homens mais novos mesmo, nos parece que eles tem a mente mais aberta (pelo menos parece) e aparência menos agressiva e masculinizada, sei la mais andrógina, mulher de hoje não gosta mais daquela aparência ogro, peito peludo cara quadrada e sim mais meninos mesmo. Homens mais velhos geralmente me dão nojo esteticamente,e muito feio. A maioria de minhas amigas pensa como eu. Acho vai ficar pequeno pra esse "casadores de Lolitas" a bopinha deles esta murcha com a mulherada

Anônimo disse...

Concordo anônimo de 10:36. 2 pesos e 2 medidas. Ninguém fala das balzacas e quarentonas cercando os molequinhos de 12, 13 anos. Mal nasceu pelo no saco, as coroas correm atrás, assediando na rua, fazendo fiu-fiu, gritando atrocidades.

Pelamor, a gente falando de uma opressão histórica e fulano fazendo beicinho com falsa simetria.

Anônimo disse...

Se o 'novinho' em questão for maior de idade, não vejo nada demais se ele ficar/namorar/casar com uma mulher mais velha. Até agora nunca tinha ouvido falar sobre mulheres adultas dando cantadas grosseiras e agressivas em meninos de 12 anos. Está muito estranho isso.

Anônimo disse...

Anônimo das 10:10 eu vejo enormes problemas na religião islâmica e o que vc falou sobre Maomé é verdade, mas é bem óbvio que o aiatolá não está beijando a menina. Cê é besta ou se faz? Ele está falando no ouvido dela.

Raven Deschain disse...

Anon, Alice no País das Maravilhas, conta-se que o autor é pedófilo e era totalmente apaixonado pela sua vizinha Alice e escreveu o livro pra ela.

Isso procede? É verdade, alguém?


Um livro que eu li e achei um nojo, esse sim achei apologista, foi Presença de Anita. Mas eu não lembro e nem quero lembrar quantos anos ela tinha. Credo.

Anônimo disse...

eu acho que um relacionamento entre ume maior de idade e uma menor é sempre problematico (a nao ser pequenas diferenças, tipo 17 e 18 anos).

eu vim de uma cidade pequena, e na minha epoca de 13 e 14 anos, tive muitas coleguinhas que namoraram rapazes de 18 e 19 (moços de "familia, cm era dito lá, da igreja, etc).

Várias delas permeneceram virgens ao termino do namoro (de anos), ou seja, o cara respeitou. Mas nem por isso deixou de ser uma relacao problematica.
Lembro de uma, que aos 13 anos, deixou toda a meiguice juvenil e incorporou trejeitos de pessoas mais velhas. Era como se ele moldasse ela para parecer mais adultas.

Outro vivia falando para a namorada como ela devia ou nao devia andar, pq ele era mais experiente e ja conhecia a vida, nas palavras dele.

Enfim, o cara até respeitava o corpo da moça. Mas fora isso, continuava uma relação problemática.

E nao acho que a pessoa faz 18 anos e automaticamente amadurece. Tem muita menina de 18 e 20 que é muito menininha ainda, e um cara decente deveria reconhecer e respeitar isso.
Quanto eu tinha 18 anos eu ja morava sozinha, pra estudar. Mas nao sabia nada da vida. Um dia fiquei com um moço numa festa e ele me chamou pra ir pra casa dele. Eu fui achando que ele queria conversar, ver televisao, sei lá. Quando cheguei lá e descobri que era sexo, me apavorei, sorte que ele entendeu e nao forçou nada. Entedeu "mais ou menos", porque ficou meio emburradinho" e eu tive que voltar pra casa sozinha, na madrugada.

Juba disse...

Raven, parece que Lewis Carroll, se não era pedófilo, chegava muito perto disso. Retratava meninas nuas, com autorização das famílias, e tinha uma relação meio fora do comum com elas (não sei se do ponto de vista físico, mas existe uma coletânea de cartas publicada que talvez esclareça a questão)

Anônimo disse...

ô 08:15, a maioria das mulheres tem história de abusos. Não é coisa de feminista traumatizada blábláblá. Toda mulher tem uma história de abuso, entendeu?

O que eu acho chato é que sempre vem uma contar sua história de exceção (que ela acredita ser exceção na verdade) sendo que a ficha só vai cair mesmo quando (se) ela sair desse relacionamento. Como a anônima que postou acima ela só percebeu que a relação que vivia era abusiva qd saiu dela e muitos anos depois.

É muito mais difícil pra uma adolescente/jovem não reconhecer sinais de abusos exatamente por causa da inexperiência e imaturidade. Se muitas mulheres toleram abusos como acham que é o "normal" imagina uma adolescente.

Anônimo disse...


Anna H - Perfeita suas colocações, sinto muito que vc tenha passado por isso.


Anonima que se relaciona com homem mais velho:

"Não quero invalidar sua experiência pessoal, nem o que você passou... Mas você parece fazer isso quando demonstra achar impossível que uma relação entre uma garota de 20,e um cara com o dobro de sua idade seja igualitária.....

Posso te dizer que meu caso foi diferente e estou junto faz 4 anos com esse cara que tem o dobro da minha idade, ele sempre respeitou a minha hora pra tudo (ele esperou muuito tempo mesmo, anos, posso te dizer que dificilmente garotos da minha idade iriam esperar)."



Pelo seu relato já dá pra perceber que começou a se relacionar com 16 anos com um homem de 36. Com 16 anos vc estava na ESCOLA ainda. Sequer tinha terminado o ensino médio.
Vc tinha há pouco tempo deixado de ser criança (4 anos, até os 12 é criança).
Vc não tinha carreira, não tinha carteira de habilitação, nunca tinha frequentado uma universidade, não tinha nem permissão legal pra beber ou ficar numa boate. Há vários filmes que sequer seriam indicados para sua idade. Vc acha que tudo isso é em vão, que nada disso faz diferença?
Vc era uma menina, adolescente, que não sabia nada da vida amiga.

O cara já trabalhava há anos, muito provavelmente no ápice da carreira, tem idade pra ter terminado até pós graduação, viajado, ido a festas, tidos vários relacionamentos, conhecido várias pessoas fora do circo família / escola...

É uma relação COMPLETAMENTE DESIGUAL. Em tudo, poder econômico, liberdade de ir e vir, experiencia de vida,conhecimento técnico, TUDO....

É óbvio que essa relação não vai ser igualitária.

Vc já pensou pq esse cara não se relaciona com alguém da própria idade dele? Que vai ter assuntos em comum? Que também trabalha, paga suas contas, uma pessoa que tem carreira profissional? Uma pessoa que já teve outros relacionamentos e portanto tem base de comparação??

Será que é pq uma mulher assim poderia contestar as coisas que ele tem a oferecer?
Será que é pq uma mulher assim é independente? Já viveu outras relações e sabe impor seus limites?


Vc não está e nem nunca esteve num relacionamento igualitário. Simplesmente pq isso não é possível. Talvez um dia vc enxergue isso.

Muitas meninas procuram (ou aceitam) homens mais velhos por que tem famílias desestruturadas, pais ausentes e etc. Muitas dessas meninas já trabalham fora, por necessidade e algumas vezes se sentem descoladas do mundo adolescente que gira em torno de "festinhas".

E aí o homem mais velho parece um cara maduro, uma boia de salvação, no meio dos garotos adolescente que são bobões. "Parece que alguém finalmente entende ela. "

Elas não percebem que o que tem a oferecer a esses homens mais velhos é justamente aquilo que elas acham que não são. É sua imaturidade, sua inocência, sua falta de experiencia que encanta o cara mais velho, que muitas vezes tem baixa estima e medo de se relacionar com mulheres que tem a mesma experiencia e portanto a mesma capacidade para analisar as coisas que ele faz.

Com uma menina que não tem experiencia, qualquer coisa que ele faça é lindo. Ele tem oportunidade de ser o guia dela. Apresenta bandas, musicas,lugares, restaurantes, viagens, filmes...Coisas que pra uma mulher da idade dele, são comuns. Afinal ela tb já passou por isso. Junto com uma mulher da idade dele ele poderia crescer. Mas junto de uma menina ele pode ensinar, ser o papai sabe tudo que o patriarcado ensinou que ele deve ser.

Não se enganem meninas. Não há relacionamento igualitário entre adolescentes e adultos.


Alice.




Lizi Edler disse...

Olá, Lola!

Gostei bastante da sua entrevista, e gostaria de deixar aqui o link de um texto meu sobre o assunto! Sempre gostei do livro, acho muito bem escrito e com ótima profundidade psicológica. Minha análise da obra é sob o viés feminista, espero que goste!

Beijos!

http://licencaparaoimperfeito.blogspot.com.br/2015/04/quem-e-lolita.html

Bizzys disse...

Alice, seu comentário é perfeito! O da Anna H. também é ótimo.

Eu tive um "relacionamento" super curto com um cara de 35 anos quando tinha 22. Apesar de ser já adulta, e na época achar que ele era uma boa pessoa, só depois de um tempo é que fui perceber o quanto ele era manipulador. Só fico feliz por ter tido o mínimo de maturidade para não aceitar algumas coisas que ele fazia ou queria que eu fizesse, acho que o relacionamento não foi pra frente justamente por isso.

Agora, se eu fosse mais jovem, uma adolescente, quem garante que eu não teria sido manipulada ou sofrido qualquer tipo de abuso? Eu também não acredito que existam relacionamentos igualitários entre adolescentes e adultos. Já é difícil um relacionamento heterossexual entre adultos ser igualitário, que dirá um relacionamento entre um homem adulto e uma adolescente!

Anônimo disse...

Acho complicado chamar uma ode pedofílica de arte e ironia. Muita falta de respeito com todas as mulheres, com todas as meninas que já foram abusadas neste mundo.

Raven Deschain disse...

Juba: eca.

Hahah

Anônimo disse...


Eu nunca li o livro mas vi os filmes e não gosto da maneira romântica que a pedofilia é mostrada, mostram meninas diabólicas seduzindo os inocentes homens mais velhos

b) Verdades secretas mostrou a hipocrisia do Brasil não aprova beijo gay mas acha normal padrasto com enteada menor de idade

Anônimo disse...

Alice, sou a anon que tem o relacionamento com o cara mais velho.
Na verdade eu tinha quase 18, e é verdade que nessa idade era muito inexperiente em tudo na vida, e ainda sou um tanto.
Nós temos assuntos em comum, ele me apresenta bandas e tudo isso que você falou, assim como eu também faço o mesmo a ele. Inclusive eu apresentei o feminismo a ele(mas na verdade, antes eu era bem mais machista que ele, que nunca demonstrou grandes falhas nesse sentido, como todos nós já fomos um dia).
Bom, se ele tem baixa auto estima, não parece realmente, mas quem sabe? Isso é um problema que muitas pessoas sofrem, não vou criticar, porque eu tenho e gostaria de poder disfarçar também. Uma das coisas que ele sempre me disse é que nunca quis ser um ''professor'' pra mim, que só tentaria me explicar algo, quando eu pedisse.
Observando tudo que você disse, óbvio que não temos as mesmas experiências de vida, e que ele por ter mais, você acha que não é igualitário, o que pode ser verdade.
Mas estou bem com o relacionamento, e ele tem acompanhado bem meu amadurecimento(porque já mudei meus pensamentos durante esses anos). E eu tenho uma personalidade difícil, sensível, com o qual ele já demonstrou ficar do meu lado muitas vezes.
Enfim, alguém disse que eu posso só me dar conta quando eu terminar o relacionamento, se um dia acontecer, é porque já não estou mais feliz, ou seja qual motivo for, não tem como eu adivinhar agora.
Apenas vim dar um relato de uma experiência boa em um caso como esse, que acredito, deve ser minoria.

Acredito que como muitas dão seus relatos tristes e dolorosos(e que eu também tenho histórias assim, mas de outro contexto fora do relacionamento), eu também posso vir e mostrar uma outra realidade.
Entendo a intenção boa de vocês, mas não gostaria de invalidassem o que eu disse, como se eu estivesse cega e manipulada, e anos mais tarde vou mudar de ideia(parece quando duvidam de mulheres que não desejam ter filhos ou casar). De qualquer forma, estarei sempre atenta, desde que conheci o feminismo, comecei a prestar mais atenção nos relacionamentos.

Anônimo disse...

Quando eu tinha 15 anos namorei um cara de +30 e eu rio na cara de quem me falar que fui abusada. E agradeço muito por ele ter aparecido na minha vida nessa fase, já que os meninos nessa idade tratam as garotas como lixo da humanidade (em outras também, convenhamos, mas entre adolescentes a coisa é sinistra). Sim, rolava sexo, bastaaaaaaaaaaante, só que tudo com juízo e com ele eu nunca tive problemas. Se hoje eu sou feminista, devo a essa pessoa, que no tempo em que NINGUÉM falava sobre isso já me apontava o papel da criação cultural diferenciada entre pessoas do sexo feminino e masculino (a gente chama isso de socialização). Ele era ótimo, é até hoje, somos amigos mesmo depois de muitos anos.

Pode-se presumir que existe sempre um desequilíbrio quando o age gap é muito grande mas repito, preferi assim, os caras da minha idade só sabiam tratar mal as meninas e depois dele eu fiquei uma pessoa bem mais exigente nos meus relacionamentos, até por ter um parâmetro melhor inclusive no tratamento na cama.

Então, pra resumir, acho que cada caso é um caso. Quando for situação de abuso real, concreto, explícito é uma coisa. Quando não é, não é e não adianta ficar presumindo coisa fora da realidade fática.

No livro em questão, o que aconteceu foi abuso mesmo e também me incomodo com essa romantização de menininha má (12 anos né gente) que vira a cabeça de homem adulto, não deixa de ser uma forma de culpar as mulheres por tudo. Não curto o livro, acho extremamente misógino.

camila santos disse...

"Moda" essa que é predominante em mulheres ricas ou famosas, dificilmente mulheres não famosas ou pobres conseguem homens mais novos nem muito os homens pobres , É claro que esses homens mais pobres não ficam com mulheres de 20 mas é muito comum o homem ser no mínimo 10 anos mais velho que a mulher no brasil 10:36

Anônimo disse...

Será que NINGUEM acha estranho os relacionamentos inter-geracionais serem majoritariamente Corão e lolita? Claramente não é uma questão de gosto, senão o oposto existiria na mesma proporção. Porém, mesmo relacionamentos entre um menino adolescente(16 anos) e uma jovem adulta(24 anos) são extremamente raros. Por que será?

Anônimo disse...

A Lolita que eu li era diferente. Eu li sobre um homem atormentado por impulsos que ele reconhecia como imorais. Ele tentava se relacionar com mulheres adultas com traços infantis. Por evidente ele não resistiu e foi enfileirando abusos até merecer o título de velho escroto. Mas é bom lembrar que a infância de inocência foi uma invenção moderna. Em meados do século XIX mandavá-mos meninas de 13 anos para o altar e garotos de 15 para a guerra. Eu não consigo ver as novinhas em baile funk e crer que aquelas meninas são inocentes. Tampouco é uma vítima a garota de 14 anos que briga na porta de escola porque a outra fedelha chupou o namorado dela. Não se trata de culpar a vítima, quando uma guria de 15 anos assedia um homem não há vítimas. Quando meninas de 14 anos mexem com o peão da obra ( não é invenção e vi e dou o endereço ) fica difícil crer numa relação não consensual.

Vicky_ disse...

E mais merdas sendo postadas como sempre. Se a guria não for inocente, já é culpada, por qualquer coisa, só uma extensão do "tuda mulher é uma puta" sendo aplicada às mais jovens.

Consultem fontes de verdade, ao contrário do que a maioria pensa, a média de casamento da maioria dos países nunca foi muito jovem, mesmo lá por 1920, múmias ambulantes e jovens mulheres eram mais exceções que regra, com certeza.

(Salvo países de maioria islâmica a longo prazo, por que tinha que ser)

Ah, tomem vergonha na cara.

Anônimo disse...

Diva

Anônimo babaca e amigo de pedófilos

Garotos tem curiosidades, garotas também. Garotos estão descobrindo seus corpos, garotas também.
A diferença? Dificilmente você verá uma mulher adulta se insinuar pra um adolescente enquanto o que maus se vê é balzaco e velhote dando em cima de meninas.
"Novinhas do Funk" só são um reflexo de uma sociedade machista e doente que erotiza adolescentes e infantiliza mulheres.
NUNCA vi meninas de 14 anos dando em cima de peão, o que mais se vê é o contrário.
Fui chamada de "gostosa" quando voltava da escola, tava de calça jeans e camiseta.
Chamei ele de velho escroto, e ele ameaçou me bater, mas não me arrependi.
Sim há garotas precoces, como também há garotos precoces(só que neste caso eles são elogiados, vide o caso do ator porno Kid Bengala se gabar de ter sido estuprado por sua vizinha quando tinha 6 anos alegando que era um garoto "foguento por sexo").
Enfim, curiosidades, crianças e adolescentes tem, mas só pedófilos asquerosos acham " desculpas" pra seys atos odiosos e covardes.

Anônimo disse...

Não é por que nunca viu que não aconteceu. Nunca vi uma mulher ser dopada numa balada mas acredito que acontece. É muito mais comum ver um marmanjo mexendo com uma adolescente que o contrário. É muito mais comum uma menina se oferecer para o professor do que um garoto assediar a professora. Dizer de forma categórica que algo NUNCA acontece mostra ou sabedoria absoluta ou ignorância seletiva. Não posso dizer que sou amigo de pedófilos. Nenhum conhecido meu jamais confessou tamanho erro.

Anônimo disse...

Sim, estes casos que mencionou são comuns, mas não são justificativas para abusos contra menores.
Se admitiu que é mais comum ver adulto veio e rodado dando em cima de adolescente, então foi besteira afirmar que garotas de 14 anos iriam dar em cima de pedreiros velhos e asquerosos.
Quanto às mulheres adultas, sua afirmação é escrota!
Eu(algumas vezes porque prefiro cinema evwventos Geek), minhas amigas e várias conhecidas já fomos pra balada só pra dançar, rir e se divertir, não pra pegar homem! Sim, tem mulheres que vão pra isso mas aí cada adulto faz o que quer, e já socorremos em uma balada uma menina que tava desmaiando e só teve tempo de dizer pra ficarmos perto dela e ligar pró irmão porque um conhecido deu bebida "batizada" pra ela. E MUITOS casos como o dela(de ter canalha dopando) infelizmente acontecem.
E já vi em escola, garoto se oferecendo pra professora sim, mas nunca vi nenhuma abusando de aluno.
A questão é acabar com culpabilidade da vítima.
Ps: Pedofilia NAO é "erro", e sim doença quando não praticada, e quando praticada crime. Mas não vou tentar argumentar novamente com alguém que não tem: irmã, mãe, filha, consciência, inteligência e noção.

Anônimo disse...

'"Novinhas do Funk" só são um reflexo de uma sociedade machista e doente '

Pro seu governo também existem 'novinhos'. E quem fala deles são AS mcs.

Anônimo disse...

'E já vi em escola, garoto se oferecendo pra professora sim, mas nunca vi nenhuma abusando de aluno.'
Ah e pq vc nunca viu então não existe né?
Maravilhas da lógica feminina...

http://www.zimbio.com/The+50+Most+Infamous+Female+Teacher+Sex+Scandals