sexta-feira, 24 de julho de 2015

GUEST POST: DE MENDIGO A SOLDADO

O A. me enviou seu relato (depois de publicado o post, um comentarista avisou que o post é trollagem inspirada na vida de Hitler antes dos 30 anos; a trollagem foi bem feita e não costumo deletar posts):

Acompanho seu blog faz algum tempo, e te admiro muito pelo seu trabalho dentro do feminismo. Eu sinto uma profunda simpatia pela causa feminista. Gostaria de relatar uma faceta do machismo que é despercebida pelas pessoas. Tenho sofrido um bocado por isto, mesmo tendo nascido homem.
Desde de que me entendo por gente, sempre gostei de pintar. Amo pintar paisagens,  como fazendas,  prédios, e cidades. Queria virar pintor, mas meu pai me dizia que isto “era coisa de menina”. Colocou-me em uma escola técnica, pois isso sim era “serviço de homem”. Ele esperava que me tornasse um funcionário público, assim como ele foi.
Meu pai sempre foi um machista ridículo que humilhava minha mãe, a mim e meu irmão. Tratava  todos como capacho, e era um deus nos acuda nos dias que estava de mau humor ou bêbado (ou às vezes, os dois). Minha vida em casa foi uma luta diária, onde meu pai era o inimigo de toda a família.  Meu irmão mais novo brigou feio com meu pai aos 14 anos. Fugiu de casa, e desde então nunca mais o vi.
Minha mãe foi a única que realmente cuidava da gente e me dava a motivação para continuar pintando. Meu pai, no entanto, tentava me impedir de seguir meu sonho de me tornar um artista. Fiz tudo o possível para ir mal na escola técnica que ele me colocou, para que visse que não adiantaria me separar da minha paixão pelas artes.
O começo da minha adolescência foi um inferno nas mãos do meu pai, mas que acabou subitamente quando ele faleceu de uma hemorragia no pulmão. Apesar de me sentir triste pela morte dele na época, entendi que estava livre para conquistar o mundo com minhas pinturas. Saí da escola técnica.
Ao terminar o ensino médio, prestei vestibular em uma faculdade de belas artes. Estava confiante de que iria passar na prova prática, e fiz o melhor que pude no exame. Quando saiu o resultado, fiquei irritadíssimo ao saber que tinha sido reprovado.
Naqueles tempos, o estado de saúde de minha mãe estava cada vez mais grave. Ela sofria de câncer e eu não pude tratar da doença dela, pois os bicos que eu fazia mal conseguiam pagar as contas de casa. Até que, quatro dias antes do Natal, ela faleceu, me deixando sozinho no mundo. Foi o momento mais triste da minha vida.
Sem dinheiro, me mudei para um apartamento com um amigo. Costumava andar pela cidade, e discutir com ele minhas ideias para pinturas, reformas na cidade, política, sobre tudo, até tarde da noite. Eu era tão inspirado naqueles tempos, que sempre quando começava uma ideia, outra melhor tomava forma dentro da minha cabeça. Prestamos vestibular juntos (ele prestou para música, eu prestei para artes visuais mais uma vez), só que só ele conseguiu passar. Foi chato ficar de fora, com meu amigo entrando na faculdade e eu só ficando gradualmente mais pobre.
Tive de me mudar para um quartinho em outra casa, sozinho. Meu amigo foi chamado pelo alistamento militar e acabei perdendo contato com ele. Daí em diante, minha vida desandou de vez, porque não conseguia emprego, até que fiquei sem um tostão no bolso. 
Vendi tudo o que me tinha sobrado, e ainda assim isso não me impediu de acabar dormindo na praça. Virei mendigo. Acho que fiquei pouco menos de um ano nessa vida, e quase morri de fome. Foi horrível, ficar dependendo de esmolas para sobreviver. Você começa a dar valor  de verdade para sua comida, para seu teto, saber que você pode sucumbir a qualquer doença e morrer ali mesmo. De sonhador, me tornei um rapaz rígido e severo demais, por causa daquele tempo vivido nas ruas.
Minha vida só foi melhorar quando fui para um abrigo para sem-tetos na cidade. Costumava comer num convento que havia lá perto, onde tinha umas freiras que me davam o que comer, a troco de nada. Comecei a vender alguns quadros (eu via paisagens em fotos e as copiava), e com os trocados que eu ganhava pude morar numa pequena casa junto com outros como eu. Um homem que morava comigo naquela casa me ajudava a vender os quadros, fazendo a entrega em lojas de decoração. Esse acordo ia bem, até eu descobrir que ele roubava meu dinheiro. Chegamos a brigar feio, chamei a policia por causa dele, e ele até foi preso por alguns dias.
Como eu amo meu país, decidi entrar no exercito. Acho que a melhor forma que eu poderia encontrar para ajudar a Pátria é aqui dentro do exército. Sinto-me acolhido pelas pessoas da instituição. É claro, eu destoo um pouco dos outros soldados, que vivem falando sobre garotas. Eu vivo falando de política, e eu sempre tive muito respeito pelas moças, então não tenho muito o que conversar com eles.
Talvez, quando estiver velho demais para ficar aqui no exército, eu possa virar político,  e aí posso também ajudar a combater o machismo, que tanto atrapalha a vida de tantas pessoas neste mundinho. Ainda quero ser artista, mas meu sonho ainda vai demorar para se realizar.
No final, somos igualmente oprimidos. Eu queria ser um artista, porém, tudo conspirou para que eu não pudesse seguir meu sonho. Se meu pai não fosse tão retrógrado, tão machista, tão bárbaro, quem sabe como minha vida poderia ter sido?

210 comentários:

1 – 200 de 210   Recentes›   Mais recentes»
Anônimo disse...

Nossa fiquei triste com a sua história, quando vc falou que ele morreu pensei ufa! Seu pai so foi um cara que gozou,ele não te criou com amor, não desista do seu sonhos. Saiba que muita gente por ai tem seus sonhos frustrados.

Rafael Cherem disse...

Como assim, do nada virou soldado? Foi lá e se alistou? História estranha.

Anônimo disse...

Militar e feminista? Acho difícil de acreditar hem, e ate esta historia novelesca ai, de 'Homem oprimido pelo pai"
dai ele resolve servir em uma das instituições mais machistas e patriarcais que existem?!

pra mim as forças armadas deveriam serem dissolvidas e o dinheiro que se gasta com um bando de homens que não fazem nada de útil, deveria ser usado em educação, saúde da mulher, e projetos sociais.

donadio disse...

História estranha?

Nem um pouco. É a história de um jovem austríaco chamado Adolf, que tinha um pai tirano, uma mãe carinhosa, sonhava ser artista, contrariando o pai que queria que ele fosse funcionário público, e acabou soldado, depois político demagogo, e finalmente ditador.

Sim, a história de Adolf Hitler.

Se o post de ontem parecia uma trolagem, este daqui não parece, é.

O que está acontecendo, Lola?

Anônimo disse...

"História estranha?

Nem um pouco. É a história de um jovem austríaco chamado Adolf, que tinha um pai tirano, uma mãe carinhosa, sonhava ser artista, contrariando o pai que queria que ele fosse funcionário público, e acabou soldado, depois político demagogo, e finalmente ditador.

Sim, a história de Adolf Hitler"

_
Eu sabia que nada que viria da corja de piroca poderia prestar.

donadio disse...

"Eu sabia que nada que viria da corja de piroca poderia prestar."

Ou talvez a ideia do troll que enganou a Lola com essa daí fosse exatamente essa: mostrar como qualquer post supostamente enviado por um membro da "corja de piroca" teria de ser um lixo...

Pena que o truque foi descoberto por um membro da "corja da piroca", de maneira que o maniqueísmo (ou será womaniqueísmo?) não se sustenta...

Nice try, anyway.

nadiaschenker disse...

Muito bom, Donadio. Eu não sabia da informação que vc passou. Mas, honestamente... basta dar uma lidinha na história pra ver que está muito ruim, não publicável. Várias assim têm sido publicadas aqui. Acho que é o problema de um post por dia.

donadio disse...

Acho que é o problema de confiar piamente na honestidade de todo mundo, quando se publica um blog que virou inimigo número 1 para um número não desprezível de pessoas.

Outras estórias já tinham sido complicadas, com cheiro de fake. Mas duas consecutivas, como a de ontem e a de hoje, é a primeira vez que percebo.

E tão sem-noção a ponto de envolver Hitler de uma maneira tão óbvia (muitas pessoas provavelmente são artistas frustrados, mas dividir um apartamento com um músico (August Kubizek) e perder a mãe quatro dias antes do Natal já não é tão comum assim), também é a primeira vez. E isso é sinal de que os trolls estão se sentindo cada vez mais à vontade.

Anônimo disse...

Por mais que o post seja de troll e inspirado em Hitler, essas radfems continuam sendo trolls insuportáveis tbm.

donadio disse...

E, por mais que as radfems aprontem, este post continua a ser uma trolagem - não "inspirada" em Hitler, mas a narrativa da vida de Adolf Hitler até os trinta anos de idade.

Anônimo disse...

acho que ele se alistou por falta de dinheiro? ou sou ingênua

Anônimo disse...

O troll que mandou a história nem fez questão de disfarçar. Até o pseudônimo é "A".

Acho que a idéia dele foi mostrar como ao se pode confiar em relatos do blog da lola. Pq ela acredita em tudo. Tipo : olha como as feministas são burras.

Mas é muita perda de tempo mesmo. Esses trolls devem ser muito vagabundos. Impressionante.


Alice

Anônimo disse...

Que história linda. Você também é um lindo. Aposto que você também é feminista, vegetariano, defensor dos animais, antitabagista, e sonha que todos esses parasitas geneticamente impuros da humanidade sejam forçados a aprender a ser gente na base da porrada em campos de concentração, né? :')

Vou votar em ti, só tu para tirar nosso país dessa bancarrota e nos fazer amar nossa cultura tradicional.

Anônimo disse...

Lola, por favor não acredite em tudo o que te escrevam. Esta não é a primeira vez que você cai numa trolagem. fique mais atenta por favor.

Anônimo disse...

Quantas RadFems desembarcaram na Normandia no dia D, para combater o nazismo de se lastrar pelo mundo? Agora dizer a merda de que Hitler representa a classe masculina e facíl para falofóbicas não e verdade?!

"nunca tantos deveram tanto a tão poucos"

Lésbica de Exatas disse...

Essa história me choca em um aspecto, e se Hitler nunca tivesse tido um pai machista, mas um acolhedor que o incentivasse desde cedo a ser um grande artista? Esse post ainda vale a reflexão.

Anônimo disse...

13:20
Não sabem não já descobriram a farsa.

Anônimo disse...

Deu pra ver que é fake só de ler que tentou vestibular pra artes duas vezes e não passou. Aí tem que ser muito fake mesmo, vestibular pra artes no Brasil qualquer um passa, e Escola de Belas Artes? Poha, aqui é Brasil, não Europa

Anônimo disse...

apaga o post

Raven Deschain disse...

Lésbica, eu sempre pensei nisso. Como a vida que as pessoas tem as levam a se tornar o que são.

Mas daí lembro que existe gente como o Dudu Cunha que sempre teve tudo na mão e é ruim mesmo assim daí acabo acreditando que gente ruim nasce ruim e pronto.

Anônimo disse...

está merda e coisa sua né Fábio?

Raven Deschain disse...

Oras, vá chupar uma rola, Fábio.

Raven Deschain disse...

Lê o resto da porra do comentário.

Anônimo disse...

aí raven para de falar de rola, rola não é dipirona não colega.

Anônimo disse...

APAGA ESSE MERDA DE POST LOGO

Anônimo disse...

As radfems são a alegria dos mascus. Apareceu uma feminista colocando vegetarianos no meio, querendo usar Hitler para atacar os vegetarianos, sendo que Hitler tinha vários outros gostos, interesses que muitas dessas feministas sem escrúpulos tbm tem em comum. Não duvido que esse post possa ter sido uma pegadinha de radfem tbm.

Anônimo disse...

Já que não tem post hoje vou pedir pras mulheres.
fazerem parte da campanha- Não finja orgasmo deixa ele saber que fode mal.

QQR COISA É MELHOR QUE ESSE POST

Anônimo disse...

De qualquer forma como sendo uma historia verdadeira isso mostra como o machismo faz mal ao mundo.

Anônimo disse...

"Já que não tem post hoje vou pedir pras mulheres.
fazerem parte da campanha- Não finja orgasmo deixa ele saber que fode mal"

Boa, mas pode melhorar, NÃO FODAM COM ELES, DEIXE-OS NA MÃO.

Anônimo disse...

Putz é a vida de Hitler mesmo... até curso técnico o pai do Hitler o obrigou a fazer !!!!

Anônimo disse...

"Quando o seu marido morreu em 1903, deixou-lhe uma pensão e propriedade e ela tinha o suficiente para viver, juntamente com as crianças. No entanto, teve uma vida curta como viúva. Quatro anos após a morte do seu marido, Klara morreu com um cancro mamário, aos 47 anos de idade em Linz, na Áustria."


Fonte: Klara Hitler - Wikipédia

Rafael Cherem disse...

Realmente Donadio, mais um post fantasioso, como o de ontem,não dá pra confiar cegamente em tudo que enviam ao blog, elas nem consultam as fontes.

Agora concordo com uma comentarista ai, se a moderadora não tem tempo, pede pra sair.

Anônimo disse...

Klara Hitler - Morte:21 de dezembro de 1907 (47 anos)

"4 dias antes do natal"

Anônimo disse...

Jonas Klein,

Gostei do seu comentário mas gostaria de fazer uma observação:

Realmente seria bom se o Hitler tivesse frequentado um psicoterapeuta, mas como ele já morreu agora não adianta mais.


E Jonas, quando eu vi vc chamando o Hitler de "Brother" e estar feliz que ele frequenta o blog da Lola eu ri tanto que caí da cadeira, continuei rindo que me caguei e me mijei todo e mesmo assim continuei rindo sem parar!!!

Anônimo disse...

Acho que tem algumas "feministas" aqui, que andam frequentando muito blog e fórum masculinista, pois tão ficando igualzinhas aos mascus, desprezando a dor aleia, duvidando do que esta sendo dito só por ser um homem que diz(olha o sexismo ai), trollando direto etc.

E a falta de moderação nos comments esta destruindo este blog aqui...



Anon 12:34


Concordo que exercito e uma instituição bem machista mesmo, quanto sua ideia de dissolver com ele, eu concordo se você se dispor a comprar armas com o seu dinheiro e ir para o campo de batalha, se um dia o brasil enfrentar uma situação de guerra.


Jonas Klein

Anônimo disse...

Jonas querido é a História de Hitler sim, vc ainda dúvida??? pesquisa na internet a vida dele, aproveita e pesquisa a vida da mãe dele também...

Mila disse...

A história de Hitler aqui? Estamos num blog neonazi e eu não sabia?

Daqui a pouco tem a continuação sobre um certo livro escrito, os anos na prisão, a glória ao sair e virar chanceler. Pegou mal.

Anônimo disse...

"Três irmão, humildes, criados com dificuldades por uma mãe, passando necessidade, um vira militar, outro comerciante, e o terceiro vira bandido.
Como pode se são produtos do mesmo meio?"

Um virou opressor bandido porco de farda
Outro virou comerciante explorador de mão de obra alheia.
O terceiro, que você com sua visão limitada taxa de 'bandido, se revoltou contra o sitema, e o combate como pode.

Anônimo disse...

Quem cria as guerras? Os homens ou as mulheres? Os homens são os que mais patrocinam guerras, mas inocentes ainda são obrigados a pagar por isso. Que feio Jonas, defendendo guerras e ainda querendo colocar inocentes que não tem nada a ver com isso no meio pegando em armas.

Também acho que o masculinismo tem influenciado muito as radfems e de maneira bem piorada.

Carol Pirlo disse...

Começou com chororô de homem, depois a romantização da história de um dos homens mais sanguinários do mundo. Agora, até neonazi comentando. Minha Deusa, o que está ocorrendo aqui?

Anônimo disse...

Vários extremistas que se dizem "comunistas" detestam judeus sim, eles vem com esse papinho de que só odeiam os sionistas e o estado de Israel, mas sempre vem com ataques gratuitos a judeus sim. Pensam que enganam. Depois falam que só não gostam de islamofobia, mas em vários momentos vejo "comunistas" defendendo terroristas covardes dizendo que esses terroristas só estão atacando o malvado dos EUA. Cambada de falsos.

Anônimo disse...

Mesmo que seja fake esse texto ainda vale uma reflexão. Tipo, se não fosse o maldito machismo um dos episódios mais horrorizantes e vergonhosos da História não teria acontecido. Não fosse o pai machista de Hitler, poderíamos não ter que olhar pra trás e ver o holocausto, a marcha da morte, o incidente de pearl harbor, o holocausto asiático, o massacre de Nanquim, o bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki. Todo machista tem sangue nas mãos e esse texto é a prova disso. Quando se diz que o machismo mata milhares de pessoas não é um exagero. O machismo é tão danoso que causou um dos maiores massacres na face da Terra.

E Hitler também era poeta, preguiçoso na escola, já ficou do lado de um movimento comunista (procurem no google Kurt Eisner) e seu primeiro amor foi uma judia, Stephanie Isak, uma jovem loira e alta que vivia no mesmo subúrbio de Linz. Como ela não dava bola pro moleque (melhor pra ela) Hitler planejou suicídio nas águas do rio Danúbio, levando-a consigo. Stefanie, que possivelmente nunca conversou com Hitler, acabou se casando com um soldado, o tenente Jasten. Gente, Hitler era um mascu! Um mascu causou um dos maiores genocídios da História e ainda tem gente dizendo que eles são inofensivos. Não é a toa que dessa parte o mascu metido a troll não falou... mostraria muito a verdadeira cada deles.

Anônimo disse...

Daí vem uma pessoa que apoia terrorismo, é chamado de esquerdista e toda a Esquerda não presta. Mas quando alguém se intitula da Direitista Cristão não representa a Direita....

Anônimo disse...

14:07
EU TAVA FALANDO DE FEMINISTAS JÁ QUE NÓS NÃO TEMOS O MEDO DE PERDER MACHO, EU ACHO...

donadio disse...

Cadê a moderação, pelo amor da deusa?

Está na hora de deletar este post!

Anônimo disse...

Pessoas que estão criticando a Lola por ter publicado esse post, por favor: NEM TODO MUNDO CONHECE A HISTÓRIA DA VIDA PARTICULAR DE HITLER! Sério mesmo, na escola, na aula de História, só se falava da política de Hitler, do nazismo, de como ele chegou ao poder, de como ele causou o holocausto judeu. Nem se falava do holocausto asiático em sala, o massacre de Nanquim, as 'mulheres de conforto', a unidade 731 (que eu não aconselho a pesquisar a menos que você esteja disposto a fazer algum tipo de ritual de purificação depois). Quem aqui sabia que a antiga bandeira do Japão, o sol nascente, tem o mesmo significado pros chineses, coreanos e filipinos que a suástica tem pros ocidentais? Eu mesma não sabia até fazer uma pesquisa. Não se ensina isso na escola. Não se ensina sobre os assassinatos em massa de negros, ciganos, deficientes, homossexuais. Só o que eu sabia da vida pessoal de Hitler aprendido na escola era que ele foi um artista frustrado e que gostava de pastores alemães. Não sabia mais nada, nem me liguei que esse post era a vida de Hitler até algum comentarista dizer e eu ir pesquisar. E, convenhamos, a Lola não tem nenhuma obrigação de saber disso. Obrigada pelos esclarecimentos sobre a trolada, pessoas, mas pelo amor dos céus parem de cobrar a Lola como se ela devesse saber tudo sobre todo mundo, até mesmo um cara que já morreu há tempos e que só é lembrado pelo mal que fez!

Mila disse...

Assino embaixo anon das 14:41. Basta a ver a quantidade de mascu que tá babando ovo dele.

Anônimo disse...

Anon das 14:59 seu remedinho tá na validade ainda? Ou trocaram por alguma mistura bizarra de chá de cogumelo com maconha vencida, crack cru e ectasy calibrado com octanagem falsificada 18 graus?

Lésbica de Exatas disse...

14:41,

Não vejo como Hitler adolescente ter planejado se suicidar com a garotinha faz dele um mascu. Que adolescente nunca pensou que a vida estivesse acabada por causa de uma paixonite não correspondida ou um coração partido. Provavelmente o tal suicídio planejado não passou de chamar a garota pra sair sozinha no rio lá, ela recusou, ai ele foi sozinho, passou o dia chorando e voltou pra casa com o rabo entre as pernas.
Por um lado, hitler foi um idealista romântico e humanista. Por outro ele era um perigoso reflexo de um pensamento que ainda perdura nos dias de hoje, aquele que diz que qualquer problema é "falta de porrada". "Cigano é nomade e não tem emprego? Judeu é sionista e não se integra à economia e sociedade nacional? Eslavo vive em vila primitiva sem eletricidade e ninguém faz nada? Esse bando de comunista não concorda comigo? Joga tudo num campo de concentração e faz virar gente à base da porrada."
O maior perigo do nazismo é que quase todo mundo é nazista e não sabe.

Anônimo disse...

É por isto que eu odeio guest post. Odeio.

Donatien Alphonse François disse...

"pra mim as forças armadas deveriam serem dissolvidas e o dinheiro que se gasta com um bando de homens que não fazem nada de útil, deveria ser usado em educação, saúde da mulher, e projetos sociais."

_Nunca vi ninguém combater exércitos inimigos com ideias progressistas, mas sim com outros exércitos bem armados e preparados, ainda mais um país como o Brasil, fonte de riquezas naturais cobiçadas por todo mundo, dissolver as forças armadas seria um tremenda estupidez que condenaria todos nós a escravidão e morte certa. A unica alternativa seria permitir que toda a população se armasse, o que nunca vai acontecer num governo petista, eles não gostam das forças armadas mas tem que tolera-los.

Mila disse...

Lésbica,

acho que ela quis dizer no sentido de que mascus, assim como o Hitler e outros psicopatas, são pessoas que não sabem ouvir um "não" ou que acham que a culpa é só dos outros e nunca deles. Tem vários elementos em comum sim. Os mascus não idolatrariam se ele não fosse representativo.
Concordo contigo sobre: "O maior perigo do nazismo é que quase todo mundo é nazista e não sabe". E acha que é uma ideologia morta, então, tudo bem.

Anônimo disse...

Caraca meu isso ta parecendo um hospício isso aqui hoje. Eu nem devia perder tempo com trolls, mas todo caso vamos la.


Eu quando li este post e o comentei, em nenhum momento eu lembrei do Hitler, só depois lendo os outros comentários, que eu vi semelhança da historia do cara que escreveu o post com o passado do Hitler.


anon 14:30


Não use de desonestidade intelectual, eu em nenhum momento defendi as guerras, apenas quis dizer que um pais com dimensões continentais e cheios de recursos naturais como brasil (lamentavelmente), não pode se dar ao luxo de abrir mão de ter uma força armada que defenda a sua soberania caso o território nacional seja atacado.

Ai como você disse que a favor de que se dissolva o exercito, então você e quem concorda contigo que faça o serviço que o exercito deveria fazer...


Dito isso eu ainda me pergunto como tem gente aqui que acha que os comentários, não devem passar por moderação previa ou serem bloqueados se não tem como moderar eles direito, olha o absurdo da maioria dos comentários hoje aqui.


Jonas Klein

anon A. (radfem) disse...

"O troll que mandou a história nem fez questão de disfarçar. Até o pseudônimo é "A". "

Acho que não foi uma indireta, mas só por garantia: Não fui em quem mandei esse post, não tenho simpatia nenhuma pelo nazismo.

E até onde eu sei, quem programou esses posts foi a Lola antes de sair de viagem, não a Samantha, então não foi ela quem postou e nem sei se ela tem acesso ao blog para deletar o post.

Anônimo disse...

Pois não é Mila? Agora os mascus sabem que se saíssem na rua pregando seus elogios a Hitler seriam linchados, e os que sobrevivessem seriam trancados na cadeia sem direito a dar um ai e depois jogariam a chave fora. Eles são um bando de covardes.

Ah, só pra irritar um pouco mais os mascus, se Hitler tivesse encontrado o equivalente do blog da Lola na época dele provavelmente vocês não teriam seu ídolo, seus babacas. E nada daquilo teria acontecido.

Lésbica de Exatas, acompanha meu raciocínio:

Mascu quer sempre as altas e louras. Hitler queria alta e loira.

Mascu nunca nem dá um oi pra moça que o interessa, mas fica revoltado e magoadinho se ela nem sabe que ele existe. Hitler nunca nem deu um oi pra Stephanie, mas ficou magoadinho e revoltado quando ela nem sabia que ele existia.

Mascu quer matar a mulher que não dá bola pra ele. O Wellington de Realengo era comprovadamente um mascu; matou várias meninas e depois se suicidou pra não encarar as consequências. Muito mascu e machista por aí mata a mulher e depois se mata por não aceitar que ela não o quer. Hitler queria matar Stephanie e se matar porque ela não o queria.

Mascu se finge de cara bonzinho rejeitado injustiçado pelo mundo, mas a única solução pra eles é impor suas vontades na violência. A culpa do que está rrado na vida deles é sempre dos outros, nunca deles. E Hitler arranjou seis milhões de bodes expiatórios pro que deu errado na vida dele, nunca se assumindo como responsável pelos rumos da própria vida. Eu preciso dizer mais?

A culpa pensamento da falta de porrada é típica do machismo, e os mascus adoram esse pensamento. Principalmente se for pra impedir o filho de 'virar gay' e pra 'colocar uma vadia no seu lugar'. Essa não dá pra botar na conta do feminismo, minha cara. Porrada sempre foi a solução machista pra tudo.

Mila disse...

Anon das 15:00

Talvez tenha razão. Eu posso ser exceção pq devorei material sobre nazismo desde 11 anos de idade, lendo Mein Kampf escondido e tudo. Sempre quis entender sobre o Holocausto, sobre o espaço vital alemão, sobre o Reich, achava que tudo era mais complexo do que os meus professores explicavam, como de fato é. Assim cheguei em outros assuntos, como os Estupros de Nanquim. Então deve ter gente que se interessou por outros assuntos da História, normal. Mas isso fui eu. Tenho certeza que alguns dos meus colegas de sala de aula sequer sabem algo sobre Hitler. Mas mesmo quem não sabe, é possível desconfiar sim do relato.

Anônimo disse...

Eu não conhecia a história pessoal de Hitler, e só descobri com o primeiro comentário, mas percebi que a história era fake de cara. Vários detalhes que não tem lógica alguma. E o tom de mentira é absurdo. Não sei como a Lola não percebeu.

Anônimo disse...

Eu não conhecia a história particular de hitler e ao ler os comentários fiquei chocada comigo mesma. Ao ler eu senti empatia por esse cara tolhido de seus sonhos, tipo, eu sempre achei que seria incapaz de sentir empatia por alguém como o Hitler!!!!

Acho que é aquela velha história, sempre tentamos colocar quem comete crimes horríveis como monstros e nos esquecemos que eles são humanos. Não acho q devemos ter empatia ao estarmos cientes dos seus crimes, mas isso me faz pensar que talvez pessoas a nossa volta também talvez sejam capazes de barbaridades.

Anônimo disse...

Sujeitos dizendo que a Lola é nazista, que os postos foram escritos por ela, que a culpa de não sabermos a história pessoal de Hitler é por causa do doutrinamento esquerdista, blábláblá:

Se matem. Quem vocês acham que estão enganando?

Anônimo disse...

O comentário que fala que os mascus botam a culpa nos outros faz o mesmo botando a culpa nos mascus. A maioria dos comentários dos esquerdistas só falam sobre o autor(que é a Lola) e não sobre o conteúdo.

Anônimo disse...

haha, chocada com a audácia dos mascus troll.

olha, eu confesso que não conhecia a vida do Hitler. As únicas informações que tive sobre ele e o nazismo foram as das aulas de história do segundo grau. mesmo sem conhecer a história dele, no segundo parágrafo eu já tinha sacado que era sacanagem.

lolinha, não dá pra acreditar em tudo que te enviam!

(mas eu devo admitir: achei engraçada a trollagem. hahaha!)

Anônimo disse...

Samanta, delete o post, por favor. Ta pegando mal.

Anônimo disse...

"Se matem. Quem vocês acham que estão enganando?"
Ótima argumentação, Lola. Obrigado por desejar o mal a outro ser humano. O seu pensamento é digno de admiração. Não podemos provar que foi a Lola que escreveu e você não pode provar que ela não escreveu. A lógica mais provável é de ela ter escrito para pagar de vítima. Pesquise sobre false flag e verás que essa estratégia é muito usada pela esquerda.

Anônimo disse...

Realmente, Mila não é muita gente que se interessa em entender as complexidades por trás dos regimes políticos. A maioria das pessoas que eu conheci se contentam só com o conhecimento adquirido na escola, e a História que ensinam nela é muito rasa, limitada e eurocêntrica. Pra mim a história do post pareceu mesmo meio estranha mas eu não a relacionei com a vida de Hitler até ver os comentários.

Fábio Mingau, já vi muita gente de esquerda com a camisa do Che Guevara e citando frases de Marx... nunca vi ninguém louvando Stalin, Lênin ou Trotski.

Anônimo disse...

E os mascus não colocam a culpa nos outros? São um bando de bebês chorões sem hombridade para encarar a vida e seguir em frente. Todo mundo se fode na vida, uma hora ou outra, não tem jeito pra isso. E o que tinha de ser falado sobre o conteúdo, já foi. Livros, filmes etc tão aí pra documentar a vida do Hitler.

donadio disse...

Cambada de vagabundo nazista e ignorante.

Fui eu quem descobriu a farsa. E eu sou de esquerda, entenderam, debilóides? E tem mais: descobri a farsa por que sou de esquerda, e sendo de esquerda, tenho um bom conhecimento de história. Muito maior que o de vocês, que se limitaram a decorar fatos desconexos sobre a vida de Hitler, mas não tem a menor ideia dos fatores históricos que levaram o ídolo de vocês ao poder.

Vocês são podres, podres a ponto de idolatrarem um ditador megalomaníaco que teria mandado vocês para a câmara de gás por causa da "raça impura" de vocês. Vão crescer, meninos mimados, vão trabalhar, vadios gigolôs da própria mãe, vão estudar, cambada de analfabetos funcionais, descerebrados sem noção.

Moderação, onde está a moderação? Nazista comentando abertamente aqui, sem ser deletado, como pode isso? Já chega, vamos acabar com os comments anônimos. Quer comentar, identifique-se!

E vamos aproveitar pra ter juízo na hora de selecionar guest posts. Ajuda saber quem está mandando, como é que pode colocar como guest post uma baboseira escrita por um ilustre desconhecido? Como é que dá pra confiar em alguém que escreve historinhas do nada, sem nenhuma referência? Menos polianice, por favor!

Anônimo disse...

Anonimo 15:49, ser nazista não é crime, mas fazer apologia é.

Artigo 20, parágrafo 1º: "§1º - Fabricar, comercializar, distribuir ou veicular, símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo. Pena - reclusão de dois a cinco anos e multa". Lei 7.716/89.

Fora outros casos que podem ser tipificados por lei e estão, inclusive, no Código Penal.

Anônimo disse...

Como se alguém aqui tivesse a obrigação de saber que Hitler queria ser pintor, ah vão tomar naquele lugar, eu não tenho interesse em saber biografia de maluco, nada contra quem tem, mas nunca me cobraram e nunca me interessei.

Anônimo disse...

Anon das 15:43 eu não sou a Lola. Também adorei seu argumento, tipo "Ai, eu acho justo pregar opressão, estupro e morte contra mulheres, pedofilia contra meninas, acho justo que Hitler tenha causado tantos genocídios e atrocidades mundo afora, acho justo difamar a Lola pq ela foi enganada, mas essa feminazi malvada dizer pra eu me matar é inadmissível e vou exercer meus padrões morais frouxos e machistas pra botar essa vadia no lugar dela". Eu repito: se mata. Depois sai da tumba e se mata de novo só pra garantir.

Anon das 15:50: primeiro, vá à merda. Depois, se mate. Se seus valores são que roubar, prender, escravizar, torturar e matar pessoas é ok nem perca tempo com o mesmo mimimi do chorão das 15:43. E depois de se matar vá à merda de novo. Lixo.

Anônimo disse...

Pois é, Fábio Mingau, Che fez muuuuita coisa errada. Mas Aécio, Serra, Vargas, Eduardo Cunha, Roosevelt e um monte de gente admirada pelos direitistas também fez atrocidades. A diferença é que, como eles são de direita, representantes da 'moral e dos bons costumes', da 'casa família e tradição' então está tudo perdoado-pelo menos pra machistada que comenta por aqui. Dois pesos e duas medidas, esse sempre foi o maior problema.

Anônimo disse...

Gente eu estou surpreendido com a forma que vocês aqui são mentalmente limitados, será que anão possível que exista outro homem no mundo, que tenha uma história de vida parecida com do Hitler? o que Hitler tinha de tão especial para ter uma trajetória de vida da qual nenhum outro homem possa ter uma trajetória de vida parecida, pelo menos na faze da infância e adolescência?


Claro que não tenho como a firmar que este post não uma trollagem, mas como vocês tem tanta certeza assim do que dizem? sem saber ao certo como e vida das outras pessoas.

Por fim antes de ficar acusando aqui, deveria esperar Lola mostrar versão dela dos fatos.


Jonas Klein

Anônimo disse...

Ah, e foi muito bom donadio lembrar esses nazistas babacas que se Hitler estivesse vivo eles iriam pra câmara de gás. Esses imbecis esquecem que brasileiro é mestiço de branco, negro e índio, e Hitler consideraria os brasileiros os mais inferiores de toda a américa latina por causa da nossa mistura étnica. Posso até imaginar esses imbecis indo saudar Hitler e sendo fuzilados na mesma hora enquanto o furher deles cuspia nos seus cadáveres, enojado com tanta 'inferioridade racial'. Bestas.

Anon das 16:07 a Lola não sabia que essa era a história pessoal de Hitler-ninguém é obrigado a saber disso. Por favor, chega de culpar a Lola como se ela tivesse obrigação de saber tudo sobre todos. Quer culpar alguém culpe o troll vagabundo, desocupado e inútil que ao invés de estudar ou trabalhar fica tentando chamar atenção na internet.

Rafael disse...

O que falta para apagarem o post?

Lésbica de Exatas disse...

Mila, a cultura germânica é um tanto diferente da nossa em relação a machismo e namoro, enquanto o pai machista brasileiro incentiva os filhos a pegarem todas, terem uma vida sexual precoce, o machismo alemão acredita que mulheres são má influência aos filhos, pois seriam fúteis e fariam seus filhos se desvirtuarem do estudo. Inclusive, meu avô - filho de alemão com índia - foi expulso de casa assim. Ele estudava direito, para ser delegado, então, o pai pegou ele de namorico com uma mulata analfabeta. O que acha que ele fez? Foi brigar com o filho por "sujar o sangue"? Dizer para ele "comer e não se apaixonar"? Não, ele foi tirar satisfação com a garota porque ela estava "desvirtuando o filho dos bons estudos", acabou que houve agressão e meu avô fugiu de casa com a minha avó. É possível que Hitler tivesse desenvolvido um forte medo de se aproximar de mulheres. Lembre-se que estamos falando de um adolescente que cresceu em brigas físicas com o pai que havia acabado de falecer, não dá para esperar muita sanidade. Ou seja, se não fosse pelo pai, um brutamontes, ele teria ficado com a judiazinha lá e nada disso teria acontecido.
Ou talvez eu esteja errada, há quem diga que eu tenho muita empatia com homens, mas deve ser por causa do meu irmão, que é todo bonzinho e carinhoso, vive dizendo que me adora e faz até sobremesa pra mim. :333333


15:24,

Parei de ler em "mascu sempre quer louras e altas". Lá esse é um biótipo comum, seria a mesma coisa que alguém aqui gostar de pardas com cabelo cacheado.

Anônimo disse...

Jonas, trajetória parecida é uma coisa... agora usar o pseudônimo A. (Adolf Hitler) e ter uma trajetória IDÊNTICA??? Coincidindo até a ordem das mortes do pais e a data da morte da mãe (4 dias antes do Natal) ??????????


Será possível Jonas????? Nem isso vc consegue acreditar???? IMPRESSIONANTE....

Mila disse...

Jonas, dá uma googleada sobre o Hitler. A Wikipedia é o bastante para você perceber que semelhanças não são meras coincidências. Além disso, observe o número de comentários neonazis aqui. A Lola viajando, a Samantha não podendo ficar full time aqui... Oportunidade perfeita para uma trollagem, não?

Anônimo disse...

Anon das 16:16 você. Defende. Nazistas. Por tabela, você defende perseguição, tortura, estupro e assassinato. Você defende genocídio e racismo. Com gente como você não tem conversa. Nazista eu trato é no pau mesmo, até aprender a ser gente só o que você vai ter de mim é meus votos que desapareça e faça desse mundo um lugar melhor. Achou ruim? Problema seu. Enquanto for nazista é isso que vou lhe dizer: se mate. Um nazista a menos nesse mundo fará um bem enorme a milhares de pessoas.

Anon das 16:11 não sou de esquerda. Acho que o problema da política vai muito além e é muito mais complexo do que um fla-flu ideológico. Mas vocês direitistas são tão cegos na sua visão política quanto acusam os esquerdistas de serem. Quando eu digo que os governos direitistas fizeram a mesma coisa e por isso não tem moral pra reclamar da corrupção, não vale. Mas quando dizem que um governo de esquerda seria melhor, vocês são os primeiros a dizer que eles fazem a mesma coisa, que são tão corruptos quanto os partidos de direita e por isso não devem ser eleitos (Oi? Cadê a lógica aqui?). Quer dizer, o argumento só vale se for a favor dos direitistas? Ah, vai te catar viu! Vergonha na cara tá mesmo em falta nesse país.

Yasmin disse...

Acho que não tem como a Samantha apagar o post, mas sim os comentários! Só cabe à Lola apagar essa piada sem graça.

Anônimo disse...

Cara Lésbica de Exatas então pule a parte do loira e alta e leia o resto do raciocínio. Você vai ver que faz sentido. Se não quer ler algumas verdades sobre os mascus, ok, não precisa ler. Não vou estragar suas ilusões sobre os seus amiguinhos.

Anônimo disse...

Fico imaginando se todos aqui estivessem discutindo pessoalmente. E todos carregando uma arma de fogo. Alguém sobreviveria?

Mila disse...

Lésbica,
Não vamos considerar que Hitler passou por apenas essa decepção amorosa. Me lembro aqui da Geli Raubal, por quem ele tinha uma obsessão amorosa. A vida dele é recheada de outros tipos de frustrações, como essa de não passar na Escola de Belas Artes. Todos os que eles acusava de poluírem a pátria alemã. Alguns pesquisadores apontam ele como um psicopata com complexo de inferioridade, não muito distante dos mascus que a Lola cita aqui.

Não se trata de dizer que os homens são maus (até pq nem todos os homens são mascus). Mas de traçar alguns paralelos a fim de melhor entender os mascus.


Ah, Jonas. Tem mais um fator. Se a história fosse verídica, o autor teria aparecido aqui pra se defender.

Anônimo disse...

Anon 16:26


Quanto a usar o pseudônimo A. isso não quer dizer muita coisa, pois deve ter no mínimo um milhão de homens no Brasil, que tem o nome começando com A, mas quanto aos outros detalhes ai eu já não posso dizer anda, ate porque meu conhecimento sobre biografia do Hitler e bem limitado, isso eu reconheço.

De qualquer forma se Lola, foi vitima de uma trllagem mesmo, ai fica complicado pois e ridículo uma professora, cair numa historia furada destas.

Jonas Klein

D Stoffel disse...

Depois as feminazes somos nós...

Que nada eles só adoram Hitler porque ele tá morto, quero ver se tivesse vivo o instinto de sobrevivência ia falar mais alto, se bem não duvido nada da insanidade desses mascus...

E parem com esse papinho de que Hitler era bondoso, é só ler a história de Anne Frank, um dos livros mais conhecidos que fala dessa época. Só dela ser descendente de judeus ela já tava no corredor da morte, ela era alemã mas não contava, o sangue era impuro.


Já tá na hora não só de apagar mas de moderar, eu tenho certeza que muitas leitoras mandam coisas boas pro e-mail da Lola, ela não precisa de relatos duvidosos.

Anônimo disse...

"Fico imaginando se todos aqui estivessem discutindo pessoalmente. E todos carregando uma arma de fogo. Alguém sobreviveria?"

Eu fico imaginando as pessoas rindo e falando num tom irônico. Todos vestidos com de terno e vestido em uma mesa redonda. Saudações nobres confrades.(brinde com uma cidra dentro de um copo de plático- crec-crec)

Anônimo disse...

apagaram os coments?? samantha aparece aqui pra dar um parecer é o mínimo

Anônimo disse...

16:48
cidra= champanhe de pobre

Samantha disse...

Eu estou apagando os comentários agora. É só o que eu posso fazer. Não tenho autonomia nem autorização para deletar OU PUBLICAR (bjo Anônimo babaca) posts.

Para quem não sabe, todos os posts que estão aqui foram agendados. EU NÃO POSTEI NADA.

Lésbica de Exatas disse...

"Mascu nunca nem dá um oi pra moça que o interessa, mas fica revoltado e magoadinho se ela nem sabe que ele existe. Hitler nunca nem deu um oi pra Stephanie, mas ficou magoadinho e revoltado quando ela nem sabia que ele existia."

Ele tinha medo de mulheres, por provável razão que já expliquei: Ele cresceu numa família extremamente problemática, com um monstro como pai, que entre outras, fez ele ter medo de se aproximar de mulheres. Óbviamente, era um adolescente sentimental e confuso.

"Mascu quer matar a mulher que não dá bola pra ele. O Wellington de Realengo era comprovadamente um mascu; matou várias meninas e depois se suicidou pra não encarar as consequências. Muito mascu e machista por aí mata a mulher e depois se mata por não aceitar que ela não o quer. Hitler queria matar Stephanie e se matar porque ela não o queria."

Existe entre um abismo entre ultrarromantismo de adolescente do início do sec XX e um psicótico tímido que sofreu bullying(puseram até a cara dele na privada entupida) até ficar maluco e resolver matar todo mundo.

"Mascu se finge de cara bonzinho rejeitado injustiçado pelo mundo, mas a única solução pra eles é impor suas vontades na violência. A culpa do que está rrado na vida deles é sempre dos outros, nunca deles. E Hitler arranjou seis milhões de bodes expiatórios pro que deu errado na vida dele, nunca se assumindo como responsável pelos rumos da própria vida. Eu preciso dizer mais?"

A ideologia de Hitler se consistia na ideia de que certos elementos, considerados insalubres à sociedade, traziam a ruína, e portanto deveriam ser corrigidos. No contexto do pós guerra, ele visualizou esses elementos como Judeus(que com o sionismo, manipulavam a economia para se safarem), ciganos(que não trabalhavam), afeminados(que seriam fracos) e deficientes(que seriam um estorvo), e tal como muitas pessoas - inclusive feminista - acreditava que tais pessoas podiam ser mudadas se postas num campo de concentração para trabalharem até a morte ou terem uma epifânia e se tornarem cidadãos exemplares. Não tem relação direta com os problemas de sua adolescência, o que ele fez, que tinha raízes no pangermanismo, qualquer um teria feito naquele contexto.



"A culpa pensamento da falta de porrada é típica do machismo, e os mascus adoram esse pensamento. Principalmente se for pra impedir o filho de 'virar gay' e pra 'colocar uma vadia no seu lugar'. Essa não dá pra botar na conta do feminismo, minha cara. Porrada sempre foi a solução machista pra tudo."

Justamente, e este exato pensamento está ai. Por isso eu costumo dizer, que na prática, quase todo mundo é meio nazista. Sou contra demonizar o nazismo justamente porque as alegorias postas nos tiram o senso crítico e nos impedem de aprender com a história.

Perceba que muito se podia aprender com o nazismo, nesse caso, como o machismo em coisas que muitas pessoas pensarem ser pequenas poderia trazer o desastre. Se não fosse pelo pai de Hitler, ele seria um artistinha falido lá, viciado em absinto e sem tantas frustrações violentas. E o nazismo, apesar de inevitável, talvez não teria destruído mais de metade da Europa e nem matado seis milhões de pessoas(não te esquece que Hitler não era muito mais que um caipira austríaco, um outro líder pangermanista teria tido mais formação).

Raven Deschain disse...

Anão. Huashuahsuabsuahau anão. Que que foi isso?

Lésbica de Exatas disse...

Mila,

Mas ai voltando ao ponto principal: Se não fosse pelo pai dele ter sido um machista escroto que bate na família inteira, nada disso teria acontecido. Nem mesmo desenvolvido os transtornos mentais que ele desenvolveu. Esse pessoal que demoniza Hitler não é diferente de quem amarra pivete no poste, atacam PESSOAS, mas não atacam CAUSAS. Não estou falando que Hitler era santo, ou bonzinho, mas se não nos focamos no problema(e.g: Os males que o machismo pode causar), a gente vai se cortar fatiando cebola e xingar a Tramontina, entende?

Raven Deschain disse...

Anônimo pedindo outro moderador?

Haha cuidado com o que desejam. Eu já cansei de dizer que se ela me escolhe, cês tão ferrados.

Aiiinnn revem censora. Feia. Gorda.

Lésbica: eu como patda de cabelo cacheado atssto qur homem brasileiro não gosta de parda de cabelo cacheado.

Samantha disse...

Pronto, agora estão me acusando de ter publicado os guests posts que não gostaram. Vão me acusar do que agora? Da fome do mundo?

Eu já acho deveras irritante as acusações que eu recebo por moderar o blog. Eu trabalho. Eu moro sozinha. Eu estudo. Eu não ganho nada para fazer isso. E a toda hora sou cobrada porque deletei alguém ou porque não deletei alguém, porque os anônimos estão ativos ou porque os comentários não tem moderação prévia.

Agora estão me acusando de ter publicado posts aqui, ou de por querer ver o blog pegar fogo, não mudar critérios de moderação.

Fique claro: EU SÓ DELETO COMENTÁRIOS. Eu não tenho autorização para:

- mexer em postagens, deletar postagens ou criar postagens.
- mudar sistemas de comentários.
- fechar o blog para anônimos.

Vou de novo: EU SÓ DELETO COMENTÁRIOS. EU NÃO FAÇO MAIS NADA. O máximo que eu faço é comunicar a Lola e passar minhas impressões, para que ela, a dona do blog, faça o que achar melhor.

Quanto a não me quererem na moderação: olha, tenho problema nenhum com isso. Eu não faço isso por status. Ou por dinheiro. Ou para ter o nome de "moderadora". Eu faço isso porque realmente gosto da Lola e quero ajudar em tudo que ela precisar.

Nem todo mundo se dói com esse tipo de coisa.

Anônimo disse...

agora estão me acusando de ter publicado os guests posts que não gostaram
mas esse post foi um troll.

espero que tenha comunicado a lola

Anônimo disse...

eu como parda de cabelo cacheado atesto que homem brasileiro não gosta de parda de cabelo cacheado

mas será que não é pq vc mora em curitiba?

Lésbica de Exatas disse...

Raven, A moda de "Loira e Alta" existe porque é algo incomum, e muitas vezes elitizado. Se você fosse para a Europa, você faria muito sucesso, pois seria incomum. Na Alemanha, Austria e adjescências, loira e alta é mato, tem em todo lugar, isso que eu quis dizer, afinal, pessoa lá veio me dizer que a primeira evidência do Hitler ser mascu era querer uma loira alta, tal como os mascus brasileiros.

Samantha disse...

É claro que eu comuniquei. Mas é só o que posso fazer.

Mila disse...

Sim, Lésbica. Nesse ponto, podemos concordar.
Até pq é difícil saber o que o levou a agir como agiu. Era caso de doença mental? Complexo de inferioridade? Psicopatia? Ou um ser humano comum, como eu e você, agiria diferente diante de tamanho poder? Se não fosse Hitler, seria outro?
Sem contar as variáveis. Os pensamentos fascistas (na Alemanha, na Itália, no Japão) ganharam muita força devido ao contexto histórico nesses países. E aí, traçando um paralelo à nossa realidade e com consonância naquilo que vc falou: hj o feeling do brasileiro está muito suscetível ao fascismo e ao extremismo.

donadio disse...

"Eu estou apagando os comentários agora."

Obrigado, Samantha.

Sobraram ainda comentários neonazis de anônimos às 15:10, 16:12, e 16:16.

"É só o que eu posso fazer. Não tenho autonomia nem autorização para deletar OU PUBLICAR (bjo Anônimo babaca) posts."

Obrigado também pela informação. Esperemos que a Lola apague o post, nada daqui se aproveita.

D Stoffel disse...

Lésbica de Exatas

Pode até ser mas lá tem racista pra caralho, na Argentina se você for branco te tratam bem, eles não gostam é de preto e lá racismo não é velado , eles são o contrário daqui, menos homofóbicos e mais racistas.
Conheço uma moça que mora na Austria e disse que o vizinho dela falava um bom branco será sempre bem-vindo , ela é branquinha e loira. Mas é claro que lá morena faz sucesso sim italiano então fica tudo doido.

E não acredito que homem brazuca goste de loira porque é incomum , senão mulher brasileira seria tarada por loiros, e a maioria adora um moreno. Eu acho que é porque é o senso de beleza comum e homem dá muito valor a aparência.

Raven Deschain disse...

Ah daí sim. Entendi.

Nossa, meu comentário saiu zoadaço. Isso que enviar sem revisar.

Anon, pode ser. O pessoal aqui de Curitiba adora dizer que por aqui não existe preto. Esse foi o argumento pra vetar o feriado no dia da Consciência Negra aliás. Mas já morei em várias partes do país e vi mais ou menos a mesma coisa... então sei lá. =D

Raven Deschain disse...

Marcelo Marmelo Martelo Mello. Outro que precisa de rola.

Teu comentário pedófilo no facebook está devidamente printado e encaminhado a PF, tá?

Anônimo disse...

Tentando tirar algo de bom da trollagem, vamos analisar...acho que não da pra dizer que toda a culpa do nazismo e consequências que teve foi do pai do Hitler ou do machismo que não deixou ele ser artista.

Primeiro: devem existir milhares de histórias como essa: criança reprimida por pai machão/violento etc e mais nenhum virou provocou uma guerra mundial?

Segundo: Hitler não fez a merda toda sozinho, muito pelo contrário, ele teve vários adeptos. Cada um que contribuiu fez sua livre escolha (ou não tão livre assim, mas enfim).

Esse negócio de ficar simulando alterações no passado como no filme 'efeito borboleta' não leva a lugar nenhum. A história é fruto de infinitos escolhas, de bilhares de pessoas... Como prever qual seria a consequência de mudar apenas um dos elos da corrente que nos trazem ao presente???

Julianatsume disse...

Parem de pautar a moderação, eu não concordo com o passe livre que trolls e machistas tem por ak, mas n fiquem falando o óbvio p a moderadora, deixem ela em paz, bosta.
Samantha, só passei pra dizer que sou sua fã, haja paciência com tantas acusações baratas e merdas que vc tem que aguentar. Vc faz o que pode no blog da Lola, só ganha pedrada, isso me revolta! Um abraço p vc, querida, a luta é difícil, te admiro muito <3 #maisamorparasamantha

Anônimo disse...

#maisamorparasamantha

Anônimo disse...

Coisas q não devem ser esquecidas neste post:
- O Jonas chamando o Hitler de "brother";
- A postura liberal do feminismo que permite que neonazis tirem proveito;
- Que neonazis/ mascus realmente são vadios gigolôs da mãe
- Fábio Mingau (elogiado aqui outrora) fazendo coro com neonazis
- Ver o plano dos mascutrolls fracassar miseravelmente;
- Saber q nem td guest post pode ser confiável;
- Toda vez q a Lola viajar, é batata. Tem trollagem.

Carla disse...

#maisamorparasamantha

Anônimo disse...

E vdd aqui na minha cidade a coisa mais rara e homem pintar cabelo de loiro então, diferente das mulheres ser loira é cool. Ser loiro e ate sinonimo de gay por aqui

Camila D disse...

Eu fiquei pensando nisso tb. Um amigo meu conseguiu passar em artes visuais no ano passado, isso que ele tem trinta e poucos anos e nem fez ensino médio na vida.
Sem contar a história do alistamento militar ali que achei estranho.
Acho que a trollagem é pra chamar as feministas de feminazi '-'
Q bosta.

Camila D disse...

Depois quererm chamar as feministas de feminazi kkkkkkk não funcionou.

Camila D disse...

Gente do céu, então o post de ontem tb era trollagem? Eu nem to lendo mais os comentários, sorte que hoje eu li pq achei bem estranho o guest post, apesar de não ter relacionado com Hitler, pq nunca pesquisei a história pessoal dele a ponto de saber dos mínimos detalhes (isso que já conheci neonazis no Sul - e um deles, PASMEM, era negro-índio. E mascu. Mas na época eu nem sabia que existia masculinismo).
E gente, a pessoa se referiu a Hitler como Führer, junto disso brada que "a História é escrita por quem vence a guerra", elogia militarismo, supremacia branca e afins, é 99% de chance que a pessoa é neonazi.

Samantha disse...

Obrigada Donadio, deletei todos, menos os da 16:16 que eu tenho minhas dúvidas se é ofensa ou não.

Fabiano disse...

Mesmo esse post, embora provavelmente seja trolagem, pode trazer reflexões.

Pela história do personagem, é possível perceber que existe nele um traço de humanidade. Não parece ter sido um sádico psicopata desde sempre. Talvez se tivesse crescido numa família diferente, se as pessoas que conviveram com ele fossem mais empáticas e compreensíveis, possivelmente ele próprio tivesse desenvolvido empatia pelos outros.

Eu pessoalmente não acredito que "monstros" já nasçam prontos. Daí a importância da desconstrução de modelos sociais que não tenham como base a empatia.

donadio disse...

"Obrigada Donadio, deletei todos, menos os da 16:16 que eu tenho minhas dúvidas se é ofensa ou não."

Obrigado, Samantha, e desculpa se soei agressivo ao pedir mão mais pesada na moderação. É que teve um momento em que até "Heil Hitler" tinha por aqui, estava realmente complicado. E com nazistas não tem conversa, como alguém já disse acima. Cambada de vagabundos, vêm falar em "liberdade de expressão" para defenderem uma ideologia que acaba com a liberdade de expressão de todos os outros.

Anônimo disse...

Assistam aquele filme "Temos que falar sobre o Kevin", para vocês verem a origem do mal.

Anônimo disse...

Chamam as feministas de fwminazes pq elas são a favor do aborto, mas vimos qm são os nazis aqui

Samantha disse...

Imagina Donadio, você não foi agressivo. Eu que me exasperei profundamente quando disseram que eu publiquei posts e que por culpa deles, estraguei o blog. Ou porque eu não mudo o sistema de moderação apenas porque não quero, como se o blog fosse meu e eu pudesse sair fazendo as coisas de acordo com a minha cabeça, sem consultar a Lola.

E também me exasperei mais ainda com essa galera que acha que eu sou paga para ficar no blog e não faço mais nada da vida, e que sou o cúmulo da incompetência por não deletar algo no momento em que é postado. Não dá. E ainda tive sorte, porque eu quase ia pro Fórum hoje e só ia voltar para a net depois das 20:00.

Se eu tivesse autonomia ou autorização para deletar esse post, eu deletaria. Concordo com você, nada aqui acrescenta. Mas, o blog não é meu. Eu não fui autorizada a fazer isso. Eu nem chego perto das postagens. E a confiança que a Lola tem em mim é porque eu nunca me excedi, como muita gente me acusa.

Lola está voltando e eu espero que essa zona acabe.



Anônimo disse...

Samantha, saiba que vc está fazendo um EXCELENTE trabalho como moderadora do blog, sem tomar ações acima das que lhe foram delegadas, o que é o correto enquanto a dona do blog não está.

E vamos continuando, a vida segue.

donadio disse...

É, imagino que a barra deve ser pesadíssima. Obrigado pela paciência e disposição.

Anônimo disse...

Já que o post é sobre A, Hitler, gostaria de algumas indicações sobre bons filmes da 2a guerra mundial. Gostei muito de "a lista de schindler".

Cecília disse...

Muito doido tudo isso, mas gostei da sugestão de falar sobre filmes... "O menino do pijama listrado" Eu gostei. É triste e ilustrativo...

Anônimo disse...

O pianista, Os falsários

Thiago Borges disse...

"A Vida é Bela", com Roberto Benigni

Death disse...

Bem, primeiramente queria pedir desculpas a Samantha pq também cai no erro de me achar no direito de dar sugestões à ela sobre os comentários ou moderação.

Sobre o texto, sim é trollagem, só o Jonas que não percebe pq ele é um tapado.

E bem, talvez caindo no mesmo erro de novo, creio que o pessoal cobre mais da Samantha atitudes ou explicações pq ela vem mais do que a Lola por conta própria se explicar. Antes que me interpretem errado eu não estou dizendo que a Lola deva qualquer tipo de satisfação ou ao contrário, apenas que talvez pela Samantha não ser a dona do blog ela se sinta mais à vontade para moderar explicando seus critérios coisa que a Lola não precisa fazer...com a mesma frequência.

Anônimo disse...

"O menino do pijama listrado" realmente é triste e ilustrativo.

Mas se quiser ver algo muito ilustrativo e dramático sobre o que foi esse período, assista "cinzas de guerra".

Ingrid Bezerra disse...

Dica de filme:

"Europa Europa" (que pode ser encontrado com o nome: "Filhos da guerra".


Só não vou comentar sobre o post porque tudo já foi falado pelos outros comentaristas. Desde o início o texto dá um estranhamento... em fim.

Beijo de queijo :*

Anônimo disse...

Porra, a Lola chamou o Fábio Mingau de engraçado como na frase "ele é tão patético que chega a ser engraçado", e não "ele tem um senso de humor refinado e atraente". Aí depois vem o mimimimi, "mas as libfems malvadas distorcem o que as inocentes radfems falam". E isso que vocês tão fazendo é o quê? Enfim, o comentário não é pro feminismo radical em si e nem com intenção de ofender a anon a ou outras anônimas que se identificam como radicais. Só pra aquelas que acham que feminismo é clubinho, um lado é todo bonzinho e o outro é todo malvado, tenho que defender o meu lado custe o que custar.

Anônimo disse...

Uma boa dica de filme sobre o nazismo é SHOA. Creio que seja o mais completo sobre este assunto.
Documentário com mais de 10h. O bacana é que é um relato que mostra as várias visões do nazismo, de acordo com soldados, judeus e até pessoas que limpavam as câmaras de gás. Tem o livro tbm.
Abaixo segue link com sinopse e mais informações.

http://googleweblight.com/?lite_url=http://www.adorocinema.com/filmes/filme-298/&ei=vUROwGLe&lc=pt-BR&s=1&m=892&ts=1437801681&sig=AKQ9UO_UVgRSth9WsEQJNnS-y4DUE9KW7Q

Anônimo disse...

Anon das 02:34 eu também não sabia que era a história de Hitler. E olha que eu sempre adorei estudar História mas não tinha porque querer saber da vida pessoal dele. por que? Qual a utilidade de saber sobre a vida pessoal de Hitler na escola, que é onde a maioria das pessoas aprende sobre a segunda guerra?

Raven Deschain disse...

Hum... eu conheci um neonazi aqui de Cwb tb. Era negro, baixinho e careca.

Toda vez que via ele ficava imaginando como ele ia se sentir na câmara de gás.

donadio disse...

"uma prof universitaria doutora n saber disso ehna vergonha sim!"

Não sei por quê. Ela é professora universitária de Letras, não de História. Se não tem interesse pessoal pela biografia de Hitler, só deve conhecer o que se ensina na escola, que certamente não inclui, não deve incluir, e não pode incluir, o anedotário pessoal sobre Hitler. Afinal Hitler é apenas um entre milhares de personagens históricos mais ou menos importantes, por que é que a biografia dele deveria ser priorizada sobre a de Thomas Jefferson, Stalin, ou Robespierre?

Vergonha é se passar por outra pessoa, com a única e exclusiva intenção de prejudicar alguém que você nem conhece. Vergonha é ser troll, hater, stalker, hacker, mascu, coxinha, neonazista.

Vergonha é vir fazer comentário ridículo no blog alheio.

Anônimo disse...

E vergonha maior ainda é apagar o comentário depois... Para quem não viu, faço questão de responder ao anônimo das 2h34, que teve o topete de dizer que Lola "não contribui pro feminismo de verdade": queridinhx, ela certamente faz muito mais que gente como você, que, em vez de montar um blog e ver se tem audiência, quer tumultuar o alheio. #prontofaleitb

donadio disse...

Filmes sobre segunda guerra:

A Menina que Roubava Livros
A Queda (obviamente)

Todos os que eu vi citados anteriormente são bons (exceto Europa Europa, que eu não vi).

A Wikipedia tem uma lista aqui: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_filmes_sobre_a_Segunda_Guerra_Mundial

(sendo a Wikipedia, não esqueça de usar luvas e máscara contra trollgases)

Dos que eu vi, recomendo Casablanca, A Ponte do Rio Kwai (embora este não tenha alemães, é sobre a guerra contra o Japão), e Operação Valquiria

Tem também o brasileiro A Estrada 47. Melhor do que muito filme de Hollywood, por sinal.

São filmes de ficção, não são documentários. São bons mas não necessariamente acurados do ponto de vista histórico.

Raven Deschain disse...

Sam, apague sim. Hater que não tem bosta nenhuma a contribuir além de chamar os outros de escória merece ser deletado sem dó.

Raven Deschain disse...

E o Donadio tem toda razão. Pq demônios alguém que ensina Línguas vai saber a vida de ditador maluco?

Alguém disse aí encima que ninguém é obrigado a saber biografia de doido e isso é verdade, ué.

Eu mesma achava que esse cara nem tinha tido mãe. Achava que tinha nascido de um monte de estrume, tipo os diabinhos de São Cipriano...

Anônimo disse...

Ai 11 e 20.. Se é tão ruim assim vai "perder seu tempo" em outro lugar e não enche.

Anônimo disse...

Anon das 12:27 zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz.

Anônimo disse...

Já que os filmes já foram recomendados, recomendo o ótimo documentário:
Century of Self, da BBC.

Ele fala de como a psicologia influenciou no como os operadores do mundo resolveram agir.

Mila disse...

Recomendo as Flores da Guerra, Império do Sol, as Cartas de Iwo Jima para quem quer saber do lado oriental da 2a. Guerra.

Raven Deschain disse...

Mas a pessoa não tem mais o que fazer neh?

Donna Nyckynha disse...

Serio.Anonimo mais nao nessa caixa que parece um hospicio.


Tira o anonimo daqui.
se quiser assina com iniciais e pronto.

Nao ha nada q indique q Lola tenha conhecimento,haters d argumento pobre.

N disse...

Que post foi esse? Tenho 14 anos e já percebi que era troll, pois conheci a historia do Hitler, mas sem certeza li os comentários, agora tenho certeza

Marcia Baratto disse...

Sobre filmes, por que né? Eita post inútil... A queda - as últimas horas de Hitler é bem legal para quem quer entender todo o lado humano da maldade.

Anônimo disse...

Pornografia. Bom ou Ruim para as mulheres?

Anônimo disse...

ainda esse anônimo fingindo que é o Jonas? O excesso de tempo livre faz isso com as pessoas, tsc tsc

Samantha disse...

Pode guardar cópia, eu vou deletar quantas vezes for necessário. E se é o verdadeiro Jonas Klein que está escrevendo isso, que use a sua conta.

Jonas Klein disse...

Ok DR Samantha, ta bom eu isso a minha conta então, e repito.

Eu não sei se foi por causa da parte principal que apagaram o meu comentário, mas se foi tudo bem eu o publico de novo.

Death

Se sou isso "Sobre o texto, sim é trollagem, só o Jonas que não percebe pq ele é um tapado." o que dizer da dona Lola então, que tem muito mais idade que eu e é uma professora com mestrado, doutorado e nem sei o que mais, e não vê que isso e uma trollagem que mandaram para ela.

Essa tal de Death, esta e de implicância comigo, pois a Lola não vê que e uma trollagem o texto, e a Anon 11:59, Rafael, Anon 12:34 também não e só eu que sou o tapado aqui? e não posso nem reclamar agora?

Enquanto não apagarem o comentário da Death, eu vou publicar este texto mais 100 vezes se for preciso, mas que não vou aceitar esta perseguição obscena, eu não vou podem esquecer.


Eu já aviso se apagarem este comentário, eu volto aqui publico ele de novo, ate já vou guardar uma copia.


Jonas Klein

Anônimo disse...

Imagino se foi trollagem mesmo, ou se foi intencional da dna. lola, para mais uma vez comparar homens com algozes.
Pelo hisórico de ambos, tendo à primeira.

Samantha disse...

Jonas,

Agora que você usou sua conta eu não vou deletar mais nada. Estava realmente pensando que o anônimo comentando era um troll se passando por você, e que você, ao se defender, não ia indiretamente ofender a Lola. Mas ok, é você mesmo, então o comentário fica.

Death,

Vi seu comentário agora. Não precisa se desculpar. Eu não tenho problemas em ler sugestões, acho até muito bom porque a própria Lola vê e adota. O que me mata mesmo é o pessoal achar que eu posso implantar essas sugestões e não adoto porque não quero ou porque eu quero boicotar o blog. Já li uma dessas esses dias. E isso é muito chato.

E você tem razão: eu me explico bastante porque eu gosto de ser transparente e não quero que nada que eu faço ou deixo de fazer na moderação caia na conta da Lola. E também, claro, para ela ficar ciente de como eu cuido do blog quando ela não está. Para quem não nota, eu tomo pouquíssimas decisões arbitrárias (tipo deletar todos os comentários de alguém). Eu tento, ao máximo, moderar como a Lola moderaria e tudo que eu decido por minha conta, ela fica sabendo.

donadio disse...

E o que é pior, além de este post ser uma trolagem deslavada, não tem mais post novo pra gente mudar de assunto.

Volta logo, Lola!

Raven Deschain disse...

2 e 35. Eu não percebi porque não sou " qualquer idiota". Desculpa aí.

Mônica de Freitas disse...

Nossa, bem que eu havia suspeitado quando ele disse que não passou no vestibular de artes, porque né, duas vezes então eu já nem tava mais acreditando nessa história, mas não cheguei a assimilar ela com Hitler, até porque eu nem conhecia a história do cara. Apenas descobri quando li o primeiro comentário do donadio, que desmascarou. Ai eu pensei: senti empatia por um monstro, OMG!
Mesmo com a reflexão de que se o pai dele não fosse tão cruel, ele teria sido diferente, acho que é muito controverso, porque tem muitas pessoas que passaram pelo que ele passou, até mesmo pior e não viraram ditadores malucos. Alguns até mesmo viraram símbolos de paz como o Mandela e o Martin L. King. Sou um pouco atrelada a aquela frase: "O homem nasce mau e a sociedade o molda"
Quanto aqueles que culparam a Lola por ter postado sem saber que era o Hitler, pensem um pouco, minha gente. A mulher está do outro lado do mundo, ela deve estar muito ocupada, porque ela não foi lá para ficar de bobeira, se eu tivesse em Shanghai, também não iria perder tempo ficando no computador. E também não somos obrigados a saber sobre a vida pessoal das figuras históricas, senão não sobraria tempo para os fatos que marcaram a história propriamente ditos. Imagina se a escola tivesse que ensinar a biografia não autorizada desde Alexandre, o Grande até John Kennedy?
Já que estão dando dicas de filme da 2ª Guerra aqui, quero recomendar o filme Olga, nacional, ele não fala da Guerra em si, mas sobre a Era Vargas e da Olga, que realmente existiu. Muito lindo o filme. E também tem Pearl Harbor, que é um filme legal também mostrando o ponto de vista dos americanos sobre os japoneses antes e depois do bombardeio a Pearl Harbor.

Anônimo disse...

Jonas Klein, seja bem-vindo de volta.

Estávamos sentindo falta de seus comentários usando seu próprio perfil, para garantir mais credibilidade.

Abraços.

Raven Deschain disse...

Sam, o Jonas ofende todo mundo. Por isso faldi no outro post que acho a Lola meio matusquela por achar que ele tá bem intencionado. Não tá não. Ele só quer ganhar discussão com feminista.

Anônimo disse...

Por que alguém estuda a biografia de um doido?
Ora para poder reconhecer quando outro doido estiver subindo ao poder.

Raven Deschain disse...

Não tão fazendo muito bem, anon. Bolsonaro cagando na nossa cabeça e muita gente aplaudindo.

donadio disse...

"Por que alguém estuda a biografia de um doido?
Ora para poder reconhecer quando outro doido estiver subindo ao poder.
"

Certo, então vamos tomar cuidado com todos os artistas frustrados e tímidos que dividiram um apartamento com um músico.

Não é por aí; eles não sobem ao poder por que são doidos, mas por que nós, coletivamente, enlouquecemos, e a loucura deles, num dado momento, nos representa.

Estuda-se a biografia de Hitler por que ela é importante para esclarecer diversos aspectos da história alemã do começo do século XX, não para substituir o estudo da história alemã. Mas não é tema para o ensino médio ou fundamental.

Samantha disse...

Raven, eu não sou muito fã de tudo o que o Jonas comenta, mas a Lola deixa os comentários dele, então minha tendência é deixar também.

Mas eu não imaginei que ela ia usar essa defesa tão escrota, por isso eu de verdade, de verdade mesmo, achei que não fosse ele.

Raven Deschain disse...

Pois é Samantha.. . Haha a Lola gosta dele por algum motivo obscuro.

Anônimo disse...

Eu acho que a Lola gosta de mim, porque eu aqui massacro os macus dizendo para eles coisas que eu acho que ela não tem coragem de dizer, pois eu nunca vi a Lola chama um mascu aqui de masCUzinho, manda merda, chama de machifacista, machinazista, dizer que machismo (depois de um certo ponto) e uma doença mental etc.

Acho que Lola evita pega muito pesado com os mascus porque já foi seriamente ameaçada por muitos, mas eu não tenho medo destes machibostas, por isso humilho, debocho, desmascaro, tripudio por cima deles.

Ai Lola gosta, e deixa eu meio que a vontade para dizer o que quiser aqui. Claro que não posso afirmar isso com certeza, porque tenho como adivinhar o que passa pela cabeça da Lola.

Jonas Klein

Anônimo disse...

A Lola gosta dele Pq ele possui alguns comentários muito lúcidos. Não 100% dos comentários, mas vários.

Anônimo disse...

Exato.

lola disse...

Pessoas queridas, tudo bem com vcs? Estou de volta a Fortaleza! Cheguei em casa hoje depois das duas da manhã, após cerca de 40 horas de viagem em aviões e aeroportos. Ainda planejo publicar vários posts sobre essa experiência inesquecível que foi conhecer a China.
Mas agora, vamos falar de assuntos internos. Em primeiro lugar, todo o meu agradecimento a Samantha, que teve toda a paciência e sabedoria para moderar os comentários do blog enquanto estive viajando (entre o dia 1 e hoje, 26 de julho). Passei vários dias sem poder acessar a internet, seja por não poder (não tenho celular, 3G, 4G, whatever; só acesso internet quando estou num computador com acesso à internet, e nos primeiros dias, em Shanghai, a internet do hotel era horrível, inexistente), ou por não ter tido tempo, devido ao ritmo intenso de atividades na viagem. Acompanhei bastante os comentários sempre que pude. E deixei todos os posts agendados para que o blog não ficasse parado durante um mês. Só escrevi dois posts esse tempo todo, ambos sobre a China. Se não fosse a Samantha na moderação, ou os comentários seriam invadidos por trolls xingando e ameaçando e deixando links pra sites de ódio, ou eles seriam publicados apenas após serem aprovados pela moderação, o que poderia levar dias, afetando qualquer tentativa de debate. Então só posso agradecer de coração mais uma vez a Samantha, que deletou os trolls e os comentários mais raivosos. Vcs não fazem ideia do que é esse trabalhão, e ainda ser cobrada o tempo todo por ter deletado algum comentário ou não ter deletado algum comentário. Consome tempo e energia demais! E a Sam não ganha nada por isso. Ela só faz pra ajudar. E ainda é toda atenciosa e me envia emails contando como está a moderação, os pepinos, dá algumas sugestões. Tudo para ser super transparente. Muitíssimo obrigada, Sam!

lola disse...

Agora, sobre este post ser uma trollagem. Não tenho certeza absoluta disso. O que conheço da história pessoal de Hitler é que ele foi um artista frustrado. Ele queria ser pintor, não conseguiu. Não sei mais nada e não tenho a menor vontade de saber. A maior parte das pessoas que sabem tudo sobre a vida pessoal de Hitler são neonazistas. São eles que cultuam toda a figura dele. Eu não sabia que ele havia sido mendigo ou que seu pai foi um tirano, ou que seus pais morreram quando ele era jovem e seu irmão saiu de casa. Tampouco acho que ele foi a única pessoa no mundo que passou por tudo isso.
Em 30 de março, recebi o seguinte email de um rapaz chamado Adriano Higor:

"Querida Lola
Acompanho seu blog faz algum tempo, e te admiro muito pelo seu trabalho dentro do feminismo. Eu sinto uma profunda simpatia pela causa feminista. Gostaria de relatar uma faceta do machismo que é totalmente despercebida pelas pessoas, e que tenho sofrido um bocado por isto, mesmo tendo nascido homem.
Desde de que me entendo por gente, sempre gostei de pintar. Amo pintar paisagens, como fazendas, prédios, e cidades. Queria virar um pintor famoso, mas meu pai me dizia que isto “era coisa de menina”. Colocou-me em uma escola técnica, pois isso sim era “serviço de homem”. Ele esperava que me tornasse um funcionário público, assim como ele foi.
Meu pai sempre foi um machista ridículo, um retrógrado que humilhava minha mãe, a mim e meu irmão. Tratava todos como capacho, e era um deus nos acuda nos dias que estava de mal humor ou bêbado (ou as vezes, os dois.) Minha vida em casa foi basicamente uma luta diária, onde meu pai era o inimigo de toda a família. Meu irmão mais novo brigou feio com meu pai aos 14 anos, e ele não aguentou mais. Fugiu de casa, e desde então nunca mais o vi. Meu pai jurou que nunca ele iria receber nem um centavo de herança dele.
Minha mãe foi única que realmente cuidava da gente. Ainda que fosse humilhada pelo meu pai, ela sempre nos dava de que comer, tomava conta quando ficávamos doentes, e me dava a motivação para continuar pintando. Meu pai, no entanto, continuava a tentar me impedir de seguir meu sonho de se tornar um artista renomado. Fiz tudo o possível para ir mal na escola técnica que ele me colocou, para que visse que não adiantaria me separar da minha paixão pelas artes.
O começo da minha adolescência foi verdadeiro inferno nas mãos do meu pai, mas que acabou subitamente quando ele veio a falecer de uma hemorragia no pulmão. Apesar de me sentir muito triste pela morte dele na época, eu finalmente entendi que estava livre para conquistar o mundo com minhas pinturas. Pude sair da escola técnica que fui forçado a frequentar, para me dedicar a desenvolver minhas habilidades. Fui estudar numa escola mais simples, que me deixava mais feliz.
Ao terminar o ensino médio, pude prestar vestibular em uma faculdade de belas artes. Estava confiante de que iria passar na prova pratica, e fiz o melhor que pude no exame. Quando saiu o resultado, fiquei irritadíssimo ao saber que tinha sido reprovado, apesar de toda minha dedicação e esforço.
Naqueles tempos, o estado de saúde de minha mãe estava ficando cada vez mais grave. Ela sofria de câncer de mama e eu não pude tratar da doença dela, pois os bicos que eu fazia mal conseguiam pagar as contas de casa. Até que, quatro dias antes do Natal chegar, ela faleceu, me deixando sozinho no mundo. Foi o momento mais triste da minha vida.
Sem dinheiro, sem ninguém para me cuidar ou cair morto, acabei vivendo como mendigo por alguns meses. Vivi de caridade e de pequenas ilustrações que faço e vendo. Felizmente, entrei no exercito, e pude ter algum sustento.
No final, somos igualmente oprimidos. Eu queria ser um artista, porém, tudo conspirou para que eu não pudesse seguir meu sonho. Se meu pai não fosse tão retrogrado, tão machista, tão bárbaro, quem sabe minha vida poderia ter sido?
Sinto por te incomodar com minha história, mas nunca vi o outro lado desta opressão machista sendo discutido, por isso escrevo para a senhora.
Obrigado pela sua atenção".

lola disse...

Eu respondi a ele:
"Obrigada pelo seu relato, Adriano! Se vc puder falar mais sobre seu tempo como mendigo, como foi, quanto durou, as pessoas que conheceu, acho que complementaria a sua narrativa. E como vc decidiu entrar no exército? Eles sabiam que vc vivia na rua?
Abração da Lola"

Ele respondeu no dia 4 de abril:
"Agradeço a atenção dada ao meu "pequeno" desabafo, Lola. Desculpe não ter respondido mais cedo, o serviço tem sido bastante cansativo esses dias.
Você me pergunta, como fui virar um mendigo por um tempo:
Depois da minha mãe morrer, me mudei para um apartamento com um amigo. Costumava andar pela cidade, e discutir com ele minhas ideias para pinturas, reformas na cidade (tenho também uma "quedinha" pela Arquitetura), politica, sobre tudo, até tarde da noite. Eu era tão inspirado naqueles tempos, que sempre quando começava uma ideia, outra melhor tomava forma dentro da minha cabeça. Prestamos vestibular juntos (ele prestou para música, eu prestei para artes visuais mais uma vez), só que só ele conseguiu passar. Foi chato ficar por fora, com meu amigo entrando na faculdade e eu só ficando gradualmente mais pobre.
Aí chegou um dia, que tive de me mudar para um quartinho em outra casa, sozinho. Meu amigo foi chamado pelo alistamento militar e acabei perdendo contato com ele. Daí em diante, minha vida desandou de vez, porque eu não conseguia emprego, e finalmente, fiquei sem um tostão no bolso. Vendi tudo o que me tinha sobrado, e ainda assim não me impediu de acabar dormindo na praça. Acho que fiquei pouco menos que um ano nessa vida, e quase morri de fome. Foi horrível, ficar dependendo de esmolas para sobreviver. Você começa a dar valor de verdade para sua comida, para seu teto, saber que você pode sucumbir a qualquer doença e morrer ali mesmo. De sonhador, me tornei um rapaz rígido e severo demais, por causa daquele tempo vivido nas ruas.
Minha vida só foi melhorar quando fui para um abrigo para sem-tetos na cidade. Costumava comer num convento que havia por lá perto, onde tinha umas freiras que me davam de que comer, a troco de nada. Comecei a vender alguns quadros (eu via paisagens em fotos e as copiava, dando meu toque pessoal às paisagens) e com os trocados que eu ganhava, pude morar numa pequena casa junto com outros como eu. Um homem que morava comigo naquela casa me ajudava a vender os quadros, fazendo a entrega dos quadros em lojas de decoração. Esse acordo ia bem, até eu descobrir que na verdade, ele roubava a autoria dos quadros e meu dinheiro... Chegamos a brigar feio, chamei a policia por causa dele, e ele até foi preso por alguns dias.
Como eu amo meu pais, sempre fui muito nacionalista, finalmente decidi então entrar no exercito. Acho que a melhor forma que eu poderia encontrar para ajudar a Pátria como um todo, é aqui dentro do exercito, me sinto acolhido pelas pessoas aqui da instituição. É claro, eu destôo um pouco dos outros soldados (eles vivem falando sobre garotas, eu vivo falando de politica, e eu sempre tive um bocado de respeito pelas moças, então não tenho muito do que conversar com eles).
Eu costumava ler bastante (apesar de ser um morador de rua, sempre ia na biblioteca, lia todos os jornais que caiam na minha mão, lia de tudo), e me interesso muito por política, principalmente a luta das mulheres contra o patriarcado.
Talvez, quando estiver velho demais para ficar aqui no exercito, talvez possa virar um político, e aí posso também ajudar a combater o machismo, que tanto atrapalha a vida de tantas pessoas neste mundinho. Ainda quero ser artista, mas meu sonho ainda vai demorar para se realizar.
Mais uma vez, muito obrigado por ler esse texto enorme."

Anônimo disse...

Nao donadio, vamos tomar cuidado com todos os "salvadores da patria", santos e intocaveis que chegam prometendo prosperidade e revolucao, em troca de obediência cega.

Anônimo disse...

Lola,

com certeza eh trolagem. O nome do rapaz tem as mesmas iniciais AH.

E sobre conhecer a vida de Hitler, n acho que seja coisa de neonazista nao (como sugerido no seu comentario

" A maior parte das pessoas que sabem tudo sobre a vida pessoal de Hitler são neonazistas"

Tem muita gente so interessada em historia msm :-)

Abs

Anônimo disse...

Raven, pois é. Se mais gente parasse um pouco pra estudar estes detalhes da história, talvez ela nao se repetisse com tanta frequência.

lola disse...

Quer dizer, se o post é mesmo obra de um troll, é de um troll que teve bastante trabalho. Eu tenho essa mania de acreditar nas pessoas. Se alguém me manda um relato pessoal, eu assumo que a pessoa está contando a verdade, não trollando. Não vou atrás, não checo as fontes. Às vezes envio um email fazendo algumas perguntas, pedindo esclarecimentos. Sempre edito os emails. Já publiquei mais de 650 guest posts aqui nesses 7,5 anos de blog. Sabem quantos foram acusados de serem fakes? Uns 650. SEMPRE vem gente dizer que o post é fantasioso, que é trollagem, que eu sou uma tonta por acreditar em tudo. Pior é quando acham que EU escrevi o post. Ou acreditam numa teoria da conspiração, como a Samantha ter escrito e publicado o post enquanto eu estava viajando para acabar com o blog. O Donadio, um comentarista que gosto e respeito e que foi o primeiro a apontar as semelhanças deste guest post com detalhes da vida do Adolf Hitler jovem, já assumiu que o post anterior também era uma farsa. Baseado em quê? É bem possível sim que muita coisa que a gente leia aqui no blog, na internet em geral, na imprensa, nos livros, não seja verdade, ou não tenha acontecido exatamente da forma como foi descrito. Acontece. Às vezes as mentiras são propositais (um troll querendo me enganar, por exemplo), outras são acidentais (alguém publicar uma história sem saber que é mentira), outras são versões da verdade, ou mentiras que viram verdades (eu acho sim que tem muita coisa da nossa própria história de vida que não aconteceu do jeito que a gente acha que aconteceu, mas a gente se convence que foi aquilo mesmo).
Aqui no blog, o mais importante dos guest posts anônimos (não aqueles posts em que a autora/autor colabora com seu conhecimento sobre um determinado assunto, e que quase sempre são assinados) é o relato, a vivência. Essa vivência é o foco do post, muito mais que o seu autor. Eu continuo gostando muito dos guest posts que publico. Alguns mais, outros menos. Este certamente estava na lista dos menos.

Thiago disse...

Boa Noite,

Lola, infelizmente o relato do post é inspirado na juventude de Hitler sim, os relatos são idênticos:

O sonho dele era ser pintor;
ele pintava paisagens de prédios e cidades;
o pai não aceitava e forçou a fazer curso técnico;
A mãe dele morreu de câncer exatamente 04 dias antes do natal (21/12/1907);
morou com um amigo músico;
foi reprovado 2 vezes no curso de artes;
virou mendigo e chegou a pernoitar em abrigo;
Entrou para o exército até virar político e ditador.

Fonte: Adolf Hitler - Wikipedia (capitulo da infância e juventude)

Klara Hitler - Wikipedia

Reportagem Revista Galileu http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI134572-17770,00-COISAS+QUE+VOCE+NAO+SABIA+SOBRE+HITLER+NO+DIA+EM+QUE+ELE+FARIA+ANIVERSARIO.html)

Anônimo disse...

eu ultimamente nem leio os guest post e com esse não diferente.Tem umas estórias que são bem fantasiosas como o caso da adolescente que odiava o fato de ter uma irmã e este relato fou apagado aqui do blog

Rafael disse...

Não precisava dizer que quem conhece a história de Hitler é neonazista. Eu trabalho com TI, mas me interesso muito por história. Todo conhecimento agrega e como já dito por outros aí em cima, é importantíssimo que conheçamos os pontos mais tristes de nossa história para evitar que tornem a ocorrer.

Um preconceito desnecessário dizer que quem conhece sua história compartilha de seu pensamento.

lola disse...

Anon, nem sei do post que vc está falando, mas não, não foi apagado. O único post que apaguei aqui na história do blog (e nem apaguei o post inteiro, só o texto em si, mas os comentários e uma explicação de por que o texto foi apagado ficaram) foi um sobre poliamorismo que o Alex Castro escreveu e me enviou e eu entendi que era pra publicar (não só pra eu ler, como era o caso). Teve um guest post sobre esquizofrenia que o autor, depois do post publicado, me enviou vários emails pedindo pro texto ser retirado, porque, mesmo completamente anônimo, ele achava que todos iriam reconhecê-lo. Não apaguei o post, mas acabei apagando todo o texto dele e deixando apenas a minha resposta. Enfim, nunca apaguei um post.

Rafael, eu não disse que quem conhece a história de Hitler é neonazista. Eu disse que a maioria que conhece tão detalhadamente a história dele (e inclusive a cultua) é neonazista. E mantenho totalmente o que digo. Todo neonazista que conheço na internet faz questão de conhecer a história dele. Isso não quer dizer que todos que conhecem essa história sejam neonazistas.

Cecília disse...

Boa Noite!

Vocês que sabem da história do Hitler podiam dar fontes mais confiáveis do que a wikipedia?
A pessoa que atualizou a página da wikipedia assinou com o nome da mãe de Hitler!

Tá mesmo com cara de trollagem... e pode ter misturado histórias... tem a questão da assinatura...

Também fiquei encucada com esse alistamento no exército...

Mila disse...

Acho q o Thiago sintetizou os elementos. E ainda por cima o pseudônimo ADriano HIgor ( Adolf Hitler). Há muitos artistas, principalmente homens, que vêm de famílias conservadoras? Claro q há. Mas esse troll nem se deu ao trabalho de esconder mais detalhes, achando q ninguém ia perceber. Pior para ele.
Não querendo ser chata, mas já sendo, esse post prova muito q a dimensão do blog incomoda muita gente e que eles tão vindo aqui pra tumultuar, pra encher o saco e lotar a caixa de comentários com ódio. Então Lola, quando você viajar e tiver menos acesso à Internet tenha certeza q vão aprontar alguma, como na Páscoa e como fizeram esse fds.
Só estou sugerindo: eu gosto de alguns guest posts, permitem q a gente tenha contato com histórias e realidades diferentes. Mas devido ao espaço q seu blog conquistou ( e com eles os haters) acho q seria bacana pensar em estratégias de "filtrar" guests posts duvidosos e que quando vc deixe posts programados, dar preferência a guests mais "confiáveis" como o de pessoas que já tiveram posts publicados.

Cecília disse...

E eu tou feliz que a Lola voltou!

Abração Lolaaa

lola disse...

Mila, o que aconteceu na páscoa não teve nada a ver com guest post. Não teve nem a ver com o blog. Foi algum mascutroll que inventou um tweet pra mim e contou com a sorte de ter dois reaças com vários seguidores que espalharam esse tuíte. Vivem inventando tuítes pra mim, mas sem alguém com mais seguidores pra espalhá-los, não cola.
Sobre trollagem, lembrei da Niemi, uma comentarista frequente de quem eu e muita gente gostávamos muito. Aí ela "morreu". Só que não morreu. Aliás, nunca existiu uma Niemi como ela descreveu. E essa leitora não era má pessoa. Mas ela mentiu pra todxs nós. Há 3 anos.

Rafael disse...

Cecília, a Wikipedia em inglês é um excelente ponto de partida, pois sempre tem MUITAS citações externas, muitas vezes de livros que dá pra garimpar no google books.
Artigos mais sensíveis, como o do próprio Hitler, costumam ser restaurados quase imediatamente após alguma alteração inverídica.

A versão em português tem muito artigo bom, mas é legal manter o filtro alto. A trollagem e a pobreza de fontes é bem mais sensível na versão em nosso idioma.

Segue o trecho que sintetiza o post:

From 1905, Hitler lived a bohemian life in Vienna, financed by orphan's benefits and support from his mother. He worked as a casual labourer and eventually as a painter, selling watercolours of Vienna's sights. Vienna's Academy of Fine Arts rejected him in 1907 and again in 1908, citing "unfitness for painting".[35][36] The director, sympathetic to his situation, recommended that Hitler study architecture, which was also an interest, but he lacked academic credentials as he had not finished secondary school.[37] On 21 December 1907, his mother died of breast cancer at the age of 47. After the academy's second rejection, Hitler ran out of money and was forced to live in homeless shelters and men's hostels.

Death disse...

Realmente, pra definir o que o Jonas é parece que eu ofendi a Lola de tabela, mas me permitam explicar:

A Lola tem uma vida bem ativa com um blog que posta praticamente todo santo dia ao o quê? 5 anos? Impossível não deixar uma trollagem passar desapercebida.

O Jonas me parece muito mais um desocupado que vem aqui ofender feministas e se acha o dono da verdade. Quando um comentarista muito mais inteligente do que ele (coisa que não é difícil) desmascara a trollagem ele ainda sim persiste em relativizar as coisas, só pelo prazer de ser do contra. Se isso não é ser tapado...

O caso da Lola me parece boa fé e ingenuidade. O caso do Jonas é patológico mesmo.

Enfim, posto isso me retiro.

Raven Deschain disse...

Oi Lola, que bom que voltou! o/

Olha, esse post especificamente eu acho que é trollagem mesmo... '-'

AD HI, sempre foi muito nacionalista, podia ter usado patriota, mas preferiu nacionalista... Minha opinião é que vc não deve deletar. Pra quê? Pelo menos serve como reflexão, como alguns já disseram.

No más, bem vinda de volta.

Ps: já que me acusam de ser essa tal Niemi, vou ler issae. Vai que me identifico. Huahua

Anônimo disse...

Aparece a Death, dai aparece a Raven...

Anônimo disse...

Bem depois disto tudo o que fica claro e que os tais guest post não tem credibilidade alguma, um SMA que sejam baseados em fatos reais, são apenas um lado da hiatoria, e todos sabemos que histórias tem mais de um lado.
Pessoas viciadas no próprio vitimismo, tendem a "dramatizar" suas vidas em busca de atenção, a carência anda de mãos dadas com a fantasia.

Anônimo disse...

A Niemi nunca saiu do blog, hoje ela usa avatar de óculos transparente, mas o personagem " sofrido, bissexual e sexy " continua igual.

Raven Deschain disse...

Ora anônimo desatento. Na vdd os dois comentários provam que não somos fake uma da outra. Nem a pessoa mais foda, com a internet mais massa do mundo consegue postar comentários exatamente no mesmo minuto. E se fôssemos, bom... Valemos, juntas, mais que um anônimo covarde que não assina nem a inicial do nome.

Jonas, vc não humilha mascu nenhum. No máximo, passa vergonha.


Lola, ainda estou lendo os comentários de lá (quase 500!) mas não rolou identificação não. Seria preciso muita paciência e alguma doença mental pra todo aquele esforço. Duas coisas que eu não possuo. Acho que o babaca, digo anônimo, que me acusou de ser ela queria mais é que eu postasse algum dado offline meu. Haha coisa que depois de ler aquele post eu não vou fazer nunca. Que loucura.

Raven Deschain disse...

Sofrido, bissexual e sexy.

Huashuahzuahsuahzua acertou no bissexual e sexy, mas sofrido? Huashua sai daí. Sou mais feliz que muito amargurado anônimo que não tem louça pra lavar.

Tiago disse...

Creio que a Lola está sendo coerente, quando assume que as histórias enviadas pelos leitores são reais a priori. É a mesma lógica do direito: melhor soltar um bandido do que punir um inocente.
É justamente isto que faz com que as pessoas que tenham passado por algum sofrimento real tenham confiança para enviar seus relatos. E a meu ver, é isso que faz confiar que a grande maioria dos guest posts seja real.

Raven Deschain disse...

E eu não curto gótico finlandês... Acho um saco.

Prefiro country ou rock n roll.

Marcia Baratto disse...

Oi Lola, que bom que voltou! O penúltimo post eu também acho que não é trollagem, já conheci muita periferia onde a maioria esmagadoras das mulheres não trabalha, já vi muita cidade no Brasil onde quase ninguém trabalha, por que não há trabalho. E as relações de gênero são horríveis, medonhas e marcadas por violência extremada. Por quê o post seria mentiroso? Por contrariou as experiências de alguém?

Sobre esse post, acho que a inteção era bem clara. É trolagem, e veja bem que já tem um monte de anônimos usando do posto do A.H de hoje para dizer que nenhum post tem validade. Ah, sério? Se tem algo que o post de hoje prova, é que um homem se sentiu confortável em mentir sobre a sua própria vida para desmerecer histórias de mulheres. Alguém se choca com isso? Eu acho que qualquer debate, sobre histórias reais ou fictícias, é debate válido. Afinal isso aqui é um blog, não é julgamento na esfera penal (e essa vive de histórias mal contadas e meias verdades, só para constar).

Raven Deschain disse...

Ué Fábio? Até tu? Cê acompanha essa caixa todo dia. Tu sabe que num post sobre nomes, postei meu nome completo. ¬¬

Anônimo disse...

Na periferia, não só a maioria esmagadora das mulheres trabalham (fora e dentro de casa), como sempre foi assim. De onde vocês pensam que saem as suas diaristas? Mulheres negras e pobres sempre estiveram no (sub)mercado de trabalho e é por isso a dificuldade (inicial) de identificação com o feminismo (tipo, lutar pelo direito de trabalhar fora? que?). Trabalhar fora não é escolha pra mulher pobre. É o único jeito que existe de viver, mesmo que seja sem formalização, sem direitos, sem consciência. Se as mães pobres pudessem ficar em casa cuidando de seus filhos, não ía ter problema de criança na rua até tarde porque a mãe estava trabalhando e não tinha com quem deixar, criança sozinha em casa sofrendo acidente doméstico (um enorme problema desde sempre), creche pública lotada, reunião de pais na escola que nenhum mãe/pai vai pq a patroa não libera e não tem lei que consiga mudar isso. Sabe por que filho de pobre é tão independente pq teve que se virar sozinho enquanto a mãe trabalhava. Mãe que pode ficar em casa é classe média. Gente, vai visitar uma periferia, pra vocês verem pessoalmente.

donadio disse...

"O Donadio, um comentarista que gosto e respeito e que foi o primeiro a apontar as semelhanças deste guest post com detalhes da vida do Adolf Hitler jovem, já assumiu que o post anterior também era uma farsa. Baseado em quê?"

Oi, Lola. Feliz regresso. Obrigado pelo carinho.

Acho que em princípio são duas coisas diferentes. Antes de o post de 24 de julho ser publicado, eu já havia feito dois comentários sobre o post do dia 23. No primeiro (ainda no dia 23) havia apenas dito que a estória era estranha, por que essa ideia de que nas periferias brasileiras mulheres não trabalham fora é a regra me parece bem descolada da realidade. Como esse comentário não repercutiu muito, fiz um segundo, em que "peguei mais pesado", não apenas com o conceito, evidentemente falso, de que mulheres "pobres" não trabalham fora, mas também questionando o exagero, que me parece bem nítido, dos comportamentos individuais (como se a maioria das pessoas fosse não apenas machista, o que é verdade, mas de fato "masculinista", o que é ridículo - até por que o "masculinismo" é bem claramente uma ideologia de classe média, ainda que classe média baixa, e popular apenas entre homens solteiros), e concluí dizendo que o post parece uma trolagem visando "jogar com preconceitos diferentes (de gênero e de classe) para criar celeuma entre o feminismo e a esquerda". Esse segundo comentário já foi publicado no dia 24, mas ainda de manhã (às 9:26), portanto creio que ainda antes do post pseudo-auto-biográfico de Hitler ser autopublicado. Então, é baseado nisso.

A Vicky ofereceu uma explicação alternativa, que faz sentido ("as pessoas usam de hipérbole vez ou outra quando querem desabafar"), embora eu discorde ("uma vez ou outra", na minha opinião, não descreve adequadamente um texto que é, basicamente, hiperbólico). Mas é possível, embora não me tenha parecido provável, desde o início, antes do affair Hitler.

Já o post de 24 de julho não deixa margem a nenhuma dúvida ou explicação alternativa. É uma trolagem evidente (para mim, a ficha começou a cair enquanto eu estava lendo, no trecho em que fala em dividir um apartamento com um músico que conseguiu passar no vestibular, enquanto o pobre pintor levou pau x2. A partir desse ponto, passei a ler já procurando as "coincidências" com a biografia de Hitler. Com alguma ajuda do Google, como por exemplo para a data do falecimento de Klara Hitler.)

Sim, como você diz, "é de um troll que teve bastante trabalho". O que mostra o quão importante trolar o seu blog se tornou, para alguns degenerados. Prova disso foi o verdadeiro vendaval de trolls neonazis que desabou sobre esta caixa de comentários, e que a Samantha (viva ela!) se encarregou de deletar, todos e um por um. Sinal de que a cambada estava esperando ansiosa pelo "troll épico", pronta para vir tripudiar en masse. Provavelmente por que o autor do troll-post já havia alertado os miguxos.

(Continua...)

donadio disse...

(Continuando...)

Se quisermos, podemos extrapolar e acreditar que os dois posts fazem parte de um mesmo processo - tentar desacreditar o blog, inserindo nele informação falsa e/ou duvidosa, para semear a desinformação. É possível que o mesmo troll, ou o mesmo grupo de trolls, tenha feito ambos os posts? Talvez. Mas ainda que sejam coisas completamente diferentes, e isso é talvez mais provável (a não ser que alguém descubra que corresponde à biografia de Leni Riefenstahl ou Eva Braun, ou sabe-se lá que outra mulher nazista de algum destaque), há pelo menos uma relação entre os posts, e ela pode ser entendida através do que você diz:

"Eu tenho essa mania de acreditar nas pessoas. Se alguém me manda um relato pessoal, eu assumo que a pessoa está contando a verdade, não trollando. Não vou atrás, não checo as fontes. Às vezes envio um email fazendo algumas perguntas, pedindo esclarecimentos."

Acho que a sua atitude pode ser descrita em poucas palavras, como a atitude "normal", que todos deveríamos ter, em princípio. O problema é que isso aparentemente muda quando você tem um blog que se tornou referência em termos de feminismo no Brasil, e que é provavelmente o blog feminista mais lido e mais citado no país. Parece que isso o torna também o blog mais odiado e/ou invejado na sua categoria, e há gente, pelo que vemos, capaz de "ter muito trabalho" apenas para te prejudicar, ou prejudicar o blog. Entre as coisas "trabalhosas" que esse pessoal é capaz de fazer, está visto, inclui-se elaborar (com farto uso de Ctrl-C + Ctrl-V", mas enfim) textos fantasiosos com a intenção de "desmascarar" o blog ao revelar o troll.

A relação, em todo caso, está na percepção de que é possível fazer isso, pois, como você mesma diz, a veracidade dos guest posts não é checada.

Será que os trolls neonazis foram enviando guest posts cada vez mais descarados, para testar os limites até ter certeza de que dava para "emplacar" um como este de 24 de julho? Quem sabe. Mas me parece bem mais provável que simplesmente tenham percebido, a partir de outros guest posts duvidosos, feitos por outras pessoas e com outras intenções, que dava para fazer. E aí fizeram. Não deu muito certo por que a trolagem foi desmascarada antes deles virem tripudiar, mas enfim, deve ter rendido algumas nazi-risadas nos esgotos onde eles se escondem.

Então não é que eu li o post "do Hitler" e a partir daí conclui que o post de 23 de julho também devia ser troll. Desconfiei do post de 23 de julho antes deste aqui ser publicado. Continuo a achar que é fake, ou pelo menos tão exagerado que provavelmente se encaixa no que você descreve como "muita coisa da nossa própria história de vida que não aconteceu do jeito que a gente acha que aconteceu, mas a gente se convence que foi aquilo mesmo". Quanto a isso, com certeza não é a primeira vez, e talvez seja mesmo mais comum nas postagens de male tears. Mas, como eu disse num comentário aí pra cima, o post do dia 23 parece uma trolagem, o do dia 24 não parece, é.

Quanto às conclusões devidas a este lamentável episódio, eu passaria a ser mais seletivo quanto a guest posts. E desabilitaria os comentários anônimos, que passaram a ser um problema para quem modera, e para quem lê (quem precisa, ou merece, entrar num blog progressista e encontrar um comment que consiste da expressão sieg heil repetida trocentas vezes, em caixa alta para completar?) Mas isso sou eu, e a dona do blog é você.

Anônimo disse...

Eu sou muito cética em relação a veracidade dos guest post, já li vários aqui que achei pura fantasia, mas como o blog é pessoal não me cabe fazer juízo de valor a respeito da qualidade das postagem. Como a autora dá espaço para esse tipo de postagem então vai sempre acontecer, então vamos superar essa mega trolagem e continuar com a vida.

donadio disse...

Fontes melhores que a Wikipedia seriam por exemplo a biografia escrita por Joachim Fest, "Hitler" ou a mais recente (e na minha opinião melhor) "Hitler 1189-1936: hubris", de Ian Kershaw. Também gosto de "Hitler antes de Hitler" de Jacques Brosse.

O "amigo músico", August Kubizek, publicou um livro chamado "O jovem Hitler que conheci".

Carlos Daniel disse...

Exato, anon. Aparentemente o pessoal aqui não considerou isso. Minha mãe é dona de casa, assim como a maioria das nossas vizinhas. Fui criança na década de 80 e lembro que grande parte delas, assim como a minha mãe, trabalham em "casa de família" (AKA, empregada doméstica), ou costuravam em casa, cortavam cabelo, bicos de manicure...tinha uma que trabalhava com entrega de yakult.

Marcia Baratto disse...

Eu volto a insistir, nem toda mulher da periferia trabalha fora de casa, muitas trabalham, muitas não. Você pode ter uma rua num bairro em que todas trabalham, outra rua no mesmo bairro em que a maioria não trabalha. Vila Mara, hoje, na zona leste de São Paulo é assim. No mais, naquele post, a autora falou da realidade dela, inclusive a mãe começou a trabalhar fora também, não generalizou para todos os moradores de periferia do país, falava do que ela viveu. Tá faltando empatia minha gente, tem mais de um tipo de periferia no país, e mais de uma situação de trabalho e exploração. Outra coisa, ser emprega doméstica diarista não é considerado 'trabalho' por muitas pessoas da periferia, por não ser diário e não ter carteira assinada. Então né, não sei por que essa desconfiança toda, por que há o retrato de dois homens cruéis no relato? Também não está relatado a conivência de uma mãe com a submissão de gênero?

Em que país vocês vivem que isso não é plausível?

Anônimo disse...

"ser emprega doméstica diarista não é considerado 'trabalho' por muitas pessoas da periferia"

Não é considerado trabalho pra muitas patroas que acham que estão fazendo um favor para a mulher que limpa as suas casas. Se você falar uma coisa dessas na periferia, vai ter que se explicar muito. É ofensa. Repito: visita um bairro de periferia agora, segunda- feira, duas da tarde e veja se encontra alguma mulher em casa tranquila cuidando das crianças e fazendo café da tarde. Nasci e cresci em bairros de periferia, mas hoje que consegui ter uma renda mais alta e moro num prédio, considerado classe de classe média, existem sim mulheres que optaram (porque puderam optar) em ficar casa por 2, 3 anos ou pra sempre e se dedicar à educação dos filhos. Talvez essa seja a primeira geração da minha família que vai ter essa opção. Nenhuma mulher da minha família, nem as vizinhas da minha mãe, as mães das minhas amigas, teve essa opção antes. E se acha que tudo pode acontecer, que casa periferia é uma realidade, então é só usar dados e quantificar a situação da maioria pobre. E a maioria não pode se dar ao luxo de escolher. Infelizmente.

Anônimo disse...

Do relato do dia 23 eu não duvido que hajam homens daquele nipe, meu irmão é bem naquele estilão. Minha mãe teve um pire paque (depois de discutir com ele) e a primeira coisa que ele se perguntar foi "e agora, quem vai passar as minhas roupas?"

donadio disse...

Há alguns anos atrás, em um fórum de esquerda nainternet, conheci um rapaz que se dizia um brasileiro de esquerda. Era simpático, dizia o que as pessoas queriam ouvir (e ia se adaptando à medida que ia conhecendo melhor o que as outras pessoas queriam ouvir).

Mentia desavergonhadamente sobre o Brasil (lembro das seguintes: como o Brasil tinha virado comunista, não havia mais cartão de crédito aqui; ele era estudante secundarista, e estava aprendendo a fazer armas químicas no colégio, pois o governo estava preocupado com uma possível invasão americana; depois precisava deixar de estudar por que tinha brigado com um colega de escola, e não havia nenhuma outra escola no raio de 20 km para ele estudar, embora ele morasse em São Paulo capital).

E todo mundo acreditando.

Em alguns meses, de estalinista, ele tinha virado um anarquista transexual liderando um grupo armado de 70 pessoas numa favela paulista para fazer a revolução socialista.

Mas a coisa só explodiu mesmo quando ele cometeu o erro de usar o msn dele para enviar uma mensagem, e aí se viu que era o mesmo msn de um troll que já tinha aprontado o diabo em outros fóruns (pra ter uma ideia da sem-noçãozice, o último fórum que ele tinha trolado antes do fórum de esquerda era um fórum sobre..... Yoshi, o dinossaurinho do SuperMario).

Enfim, a gente acredita... até que as contradições começam a se avolumar (até por que, pelo visto, a melhor parte da brincadeira é ir dizendo coisas cada vez mais sem pé nem cabeça, pra ver até onde a credulidade das pessoas vai). Aí tem um momento em que não dá mais pra acreditar. E o troll vai procurar outro fórum ou blog pra trolar.

Anônimo disse...

"Repito: visita um bairro de periferia agora, segunda- feira, duas da tarde e veja se encontra alguma mulher em casa tranquila cuidando das crianças e fazendo café da tarde."

...........

E desde de quando cuidar de criança é "facilidade"? Ainda mais ter que criar numa favela. Fala do suja, mas esta fazendo o mesmo.

Já disse que sou contra o conceito vigente de "força de trabalho nacional", mas tenho parentes "favelados" e infelizmente essa é a realidade: Maior parte lava roupa para terceiros, ou é diarista ou concerta/verifica certos etrodomésticos, porém maior parte dos maridos vêem isso como "extensão do trabalho doméstico", não como um trabalho fora de casa.
Óbvio que sem a parte delas do trabalho as crianças da casa passam fome, mas acha que homem machista dá o braço a torcer?

Vicky

Anônimo disse...

Olha Vicky, nem sei o que responder. Não acho que cuidar de criança é fácil, não acho que homem machista reconheça nada que mulher alguma faça. Mas daí a dizer que na periferia (o que inclui tambem as mulheres) o trabalho das mulheres, só porque é informal, não é considerado trabalho, é muito diferente. Posso te falar, vai na minha quebrada dizer isso pra ouvir só o que vão te responder. Mas vem depois do expediente, senão só encontra alguns maridos nos butecos.

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 210   Recentes› Mais recentes»