domingo, 16 de fevereiro de 2014

BOAS E PÉSSIMAS NOTÍCIAS. ADIVINHE QUAL A MÍDIA DIVULGA?

Nessas horas gostaria de ter poderes telekinéticos e usá-los contra panacas que tacam sangue em feminista

Olá, pessoas queridas! Só algumas notícias rápidas que merecem registro. Infelizmente, estou sem tempo pra escrever sobre elas com mais detalhes. 
Perfil fake pra divulgar hoax
Algo que tem me deixado indignada é a rapidez com que os meios de comunicação compraram a mentira de que realmente existe uma nova tendência no movimento feminista que se chama free bleeding, que consiste em não usar absorventes e deixar o sangue correr livre, pra celebrar nossa feminilidade. Ah, e porque OBs são patriarcais. Algo assim.
Anúncio francês de Tampax
É um fato que o corpo da mulher sempre foi (e continua sendo) avaliado com sujo e impuro. É um fato que menstruação ainda é um tabu, e que as pessoas odeiam falar sobre isso. É um fato que um dos objetivos de muitas correntes feministas é fazer com que meninas e mulheres desconstruam a narrativa que aprenderam e não mais se envergonhem do seu próprio corpo. Mas nunca ouvi falar de garotas andarem por aí espalhando seu sangue.
A prova do crime: hoax sendo criado
no 4Chan (clique para ampliar)
E sabe por que a gente desconhecia essa "tendência"? Porque ela não existe. Porque tal "movimento" foi criado pelos channers, esses rapazes com muito tempo de sobra, ideias reacionárias, e desejo de "gerar LULZ" (dar risada). Como são preconceituosos, seus alvos-preferenciais são grupos historicamente oprimidos e quem combate preconceitos. Ou seja, eles adoram tirar sarro de feministas.
R7 acreditou e divulgou
Portanto, inventaram essas imagens e criaram perfis falsos pra espalhar o free bleeding. Até aí, normal. É o que eles (e demais machistas) fazem o tempo todo. O surpreendente é como veículos da mídia tradicional publicaram essa besteira sem a mínima pesquisa (é só fazer a mínima investigação! Em janeiro, por exemplo, escrevi sobre um vídeo antifeminista forjado por mascus).
Ano passado o Chan tentou criar outra falsa polêmica, uma chamada "bikinibridge" (que inventava que as feministas estariam furiosas com um novo padrão de beleza). Não deu muito certo, ninguém deu bola. Mas tem algumas criações que colam. 
Durante anos circulou o hoax sobre a "líder do movimento feminista brasileiro" (esqueci o nome, mas ninguém nunca ouviu falar nela, porque... ela não existe; aliás, desde quando feminismo tem líder?) que, no Programa do Jô, deu a entrevista bombástica de que mulheres não devem fazer sexo "de quatro", porque essa seria uma posição submissa. 
Apesar da total falta de fontes (a mulher não existe, nunca ninguém disse isso no Jô, feministas -- ao contrário de machistas -- não se metem na vida sexual alheia, etc), essa lendinha urbana até hoje circula com desenvoltura na internet, e fora dela. Um dos vários colunistas reaças da Folha, o Pondé, até citou o hoax (seriamente, é claro, porque esse filósofo não brinca em serviço).
Um mínimo de senso crítico, por favor. Pra começar, desconfiem de qualquer notícia, sobre qualquer assunto, que fale de "tendências". Isso quase sempre é o jornalista de veículo querendo gerar hype. É assim: putz, observei dois amigos meus dando, sei lá, beijinho no ombro, então obviamente esta é uma nova tendência. Vamos escrever uma matéria sobre a moda do beijinho no ombro!
E desconfiem em dobro se for alguma tendência de um movimento de luta, como o feminismo. Vocês já devem ter ouvido falar que os insultos usados contra as primeiras feministas (mulheres que tiveram a ousadia de exigir poder votar) são os mesmos usados até hoje. Por que será que feministas incomodam tanto o status quo que precisam ser destratadas constantemente pela mídia?
Agora, algumas boas notícias: o comovente discurso da atriz Ellen Page (Juno, Origem) na Conferência Time to Thrive (Tempo para Crescer), da Human Rights Campaign. Ellen se assumiu lésbica, esperando que mais e mais pessoas, principalmente jovens, possam se aceitar e ser aceitos como são. 
Outro vídeo que está dando muito o que falar é um curta francês, Majorité Opprimée (Maioria Oprimida), que inverte os papéis de gênero (agora já com legendas em português). 
Eu não curti tanto assim porque, apesar do tom leve do começo, ele contém uma cena de violência sexual que pode ser bem triggering (sem falar que o vídeo vê feministas como oposto de machistas). Mas é um bom exercício pros homens tentarem se colocar no lugar das mulheres (muitos juram que iriam gostar de ser apalpados na rua, mas, lógico, a realidade é totalmente diferente). 
Outro exercício de inversão de padrões ocorre no curta de 19 minutos Love is All You Need (em inglês, ainda sem legendas). A Valéria fala dele aqui
A premissa do filme é imaginar uma sociedade em que todo o mundo fosse homossexual, e héteros é que seriam discriminados e perseguidos (ou seja, a sociedade que os reaças dizem que a gente vive hoje, ha ha).
Mais uma boa notícia! O Facebook deixou de lado o binarismo de gênero e decidiu oferecer 56 opções de gênero pras pessoas escolherem. Por enquanto, a iniciativa só está em inglês (entenda algumas das opções oferecidas). 
Os reaças já estão chiando, e não dá pra entender porquê. Liberdade não é algo legal? Não é bacana poder escolher entre 56 opções, e não apenas entre duas? Se você estivesse numa sorveteria, preferiria escolher entre 56 sabores ou só entre dois? E você sairia pregando que apenas dois sabores deveriam existir, porque Deus quis assim, e em sua infinita sabedoria (porém limitada criatividade) criou baunilha e morango? (Chocolate não é de deus, todxs sabemos).
Confirmado! Segunda que vem (não amanhã, a próxima), dia 24 de fevereiro, estarei em Floripa. Vai ser uma corrida, pois chegarei aí à uma da manhã, participarei da banca do Filipe na UFCS às 10 horas, de um seminário à tarde, e 18:30 já pego o voo de volta pra Fortaleza. 
Como a UFSC ainda estará de férias, faremos a palestra no auditório do Sindicato dos Bancários, no centro de Floripa, às 13:30. As meninas do Coletivo Somos Pagu, do Movimento Mulheres em Luta, bolaram este cartaz inspirado no meu livro (obrigada, lindas!). Mas não serei só eu falando. Estamos tentando organizar uma mesa redonda com quatro pessoas (uma delas moizinha) pra falar sobre vários tipos de violência. 
Assim que tudo estiver mais organizado eu aviso a vcs. Mas, por favor, pessoal de Floripa: reserve um horário na sua agenda, porque sabe-se lá quando voltarei a Floripa (é longe, tá caro!). 
Deixo aqui também o meu cartaz pro meu curso de extensão, na UFC, que começa em janeiro. É só se inscrever pelo meu email. 
E, pra finalizar (ufa!), peço encarecidamente que vocês deixem de frescura e participem do meu tradicional bolão do Oscar.
Entendi nessa última enquete que muitxs de vocês odeiam o Oscar, ou odeiam o bolão, ou ambos. A pergunta era: "Por qual filme vc está torcendo pra ganhar o Oscar de 2014?", e devo dizer que 12 Anos de Escravidão ganhou por apenas dois votos de vantagem sobre o segundo colocado, "Nenhum, odeio o Oscar" (Lobo de Wall Street ficou em terceiro, com 15%, e Gravidade em quarto, com 12%). Pessoas, Oscar é só uma vezinha por ano. Vamos lá, parem de partir o coração da Lolinha em mil pedacinhos amanteigados. 

49 comentários:

Patty Kirsche disse...

Nossa, que viagem... Deixar o sangue correr livre... rs Já faz um tempo que estou usando aquele coletor menstrual e estou curtindo. Recomendo!

L. G. Alves disse...

Obrigada, Lola. Eu realmente fui mais uma enganada com estas notícias falsas. Agora vou divulgar seu post para que mais gente saiba o que está acontecendo. Ainda bem que nada disso existe.

Anônimo disse...

Não realmente odeio o Oscar, mas votei nessa opção só porque não aguento mais ver tantos posts sobre o assunto aqui. Você vive reclamando do tempo limitado que tem disponível, mas o gasta escrevendo sobre trivialidades quando há tanta coisa mais importante acontecendo?

Não sou ninguém para te dizer o que fazer com o seu próprio blog, só quero registrar aqui minha opinião.

Anônimo disse...

Deixa o sangue correr livre, deixa livre também mulher que toma pílula para parar de menstruar seja por opção ou motivos de saúde. Ou a mulher na menopausa, a que retirou o útero ou ovário, as mulheres trans, entre outras. Com menstruação ou sem, absorvente ou não. Empatia, solidariedade e respeito a todas as mulheres.

Tem portais de notícias irresponsáveis e sensacionalistas, querem audiência a qualquer custo sem checar nada, nem as origens das notícias. Deveria ter alguma maneira de denunciar.

Julia disse...

Como eu já disse poderiam ter divulgado essa campanha criada pelos misóginos do chan como o que de fato ela é e não dando espaço pra alguém acreditar na pataquada. Com uma chamada tipo: "Veja o quão baixo misóginos punheteiros podem chegar na sua ociosidade" ou algo parecido. Esse seria meu tipo de jornalismo ideal, sigo sonhando..

Tinha visto o discurso da Ellen Page ontem. Muito emocionante. Não sabia que ela era foda assim. Mas já gostava dela desde Juno.

E adorei o Majorité Opprimée. Achei estranho na hora que o cara fala algo como "não aguento mais essa sociedade feminista" mas achei que fosse falha na tradução. Pisaram na bola aí mas eu gostei bastante da intenção do vídeo. E AMEI a parte em que aparece um homem muçulmano com a cabeça coberta e dizendo coisas como "deus que quis, são as leis de deus". Quem sabe vendo de fora algumas pessoas se dêem conta de quão patéticas são.

Anônimo disse...

Agora virou moda entre os artistas medíocres se declararem gays pra voltarem a ter 15 segundos na mídia.
Woody Allen manda abraços querida.

Anônimo disse...

o woody allen voltou kkkkkkkkkkkkkk

adorei a declaração da ellen page

Valéria Fernandes disse...

Eu comentei o Majorité Opprimée, também. Está aqui. :)

Anônimo disse...

Essa garota deveria procurar um psicologo ao invés de comemorar o lesbianismo.
É a destruição da familia

Beatriz Correa disse...

O anônimo das 21:54 deveria procurar um psicólogo em vez de ficar cuspindo homofobia num blog feminista.

É a destruição do bom senso.

Anônimo disse...

Destruição da família é a droga, a violência, o adultério, pedofilia dentro de casa. Do que adianta abolir um gay do convívio familiar se o modelo de família tradicional ta fracassado?

Anônimo disse...

Eu não entendo como o Chan ainda não foi fechou com uma denúncia, tem de tudo lá.

Love Gotic disse...

Adorei essa do derramamento de sangue. Só falta dizerem que a gente não arruma o cabelo, não faz unhas, nem toma banho também né? Que absurdo.

Lilian disse...

Gente...eu já tentei ir lá e mudar o meu fb pra ingles e só achei dois generos, como sempre. :( É só o meu?

Anônimo disse...

O hoax do sangue pegou mesmo infelizmente.. Cheguei a ver um post cheio de notas no tumblr culpando o feminismo branco por essa nova onda

L. G. Alves disse...

Lola, esqueci de colocar outro link, mas aqui vai:https://medium.com/p/4e3cb94da098
É sobre o caso de abuso envolvendo Woody Allen. Achei interessante.

Anônimo disse...

Anão e irmão :D

Anônimo disse...

Sobre "Majorité Opprimée", é interessante mas acho muito difícil, por mais empático que um homem seja, compreender de que se trata. Duvido muito, em nossa cultura, que um homem vá entende violência sexual hétero contra ele como algo tão horrível e desesperador quanto é para uma mulher.

Fora isso, os agressores, especialmente aqueles que que praticam violência conscientemente, são quase sempre de origem africana.

Sara disse...

Mais uma besteira q estão espalhando na internet sofre o feminismo.
"MANIFESTO CONTRA A PENETRAÇÃO"

Esse é um dos trechos...

"A penetração é um ato de grande significância simbólica pela qual o opressor entra no corpo do oprimido. Mas é mais do que um símbolo, sua função e efeito é a punição e o controle das mulheres. Não é só o estupro que serve a esta função, mas todo ato de penetração, mesmo aquilo que é eufemisticamente descrito como “fazer amor”. "

A sorte é q tem mulher feminista q não leva essas besteiras a sério, adorei um comentário de uma delas.

-Eu adoro ser oprimida dessa forma...

Anônimo disse...

Também acho essas súbitas declarações de homossexualismo muito fakes.A pessoa tá em baixa na mídia e resolve "sair do armário" pra se tornar exemplo de coragem contra a perseguição homofóbica.
Daniela Mercury é um exemplo dessa mentirada toda.Vocês feministas são tolinhas demais,acreditam em tudo que dizem.

Anônimo disse...

Valeska Popozuda,Geisy Arruda,Nicole Bahls,e agora Ellen Page.Se a Suzane Von Richtoffen se declarar gay as feministas iram endeusá-la também?Deixem de ser burras.

Paula disse...

acho muito interessantes esses videos com papeis invertidos... acho que uma menção honrosa deve ser feita ao filme White Man's Burdon (A Cor da Fúria, em português) que mostra a inversão de papeis entre negros e brancos.. (vale crítica, inclusive)

Pastor Antônio Lemos Filho disse...

QUASE ME MATARAM!
RESPEITO JÁ!!
Assista: http://www.youtube.com/watch?v=DDfWASKsJKA&feature=share&list=UUOzDQ1bs83YFXtpdgyadS-w
A falta de sinalização correta na BR 101, Km 209, na saída da marginal em frente ao Continente Park Shopping em São José (SC), quase gera um acidente grave comigo e minha família. Foi um livramento não termos nos envolvido em uma tragédia!
Inventaram uma terceira pista na BR 101 sul; tirando o acostamento da BR. Você entra direto da marginal na pista da BR, e uma pista rápida – SEM NENHUMA SINALIZAÇÃO!

Isto é uma DESVALORIZAÇÃO DA VIDA!
TOTAL FALTA DE RESPEITO a todo cidadão que PAGA imposto e usuário que PAGA pedágio!

Anônimo disse...

N concordar com a homossexualidade é homofobia? Faz me rir

donadio disse...

"Mais uma boa notícia! O Facebook deixou de lado o binarismo de gênero e decidiu oferecer 56 opções de gênero pras pessoas escolherem."

Que bom! agora temos 56 caixinhas para nos encaixar, em vez de apenas duas.

Mas continuam sendo caixinhas.

donadio disse...

"N concordar com a homossexualidade é homofobia? Faz me rir"

Como assim, "concordar com a homossexualidade"?

Homossexualidade é como batata ou barco a vela, não foi feita pra concordar nem pra discordar.

donadio disse...

"Majorité oprimée"

Tem também o clássico "Acorda Raimundo", com Paulo Betti e Eliana Giardini, ele ótimo e ela ainda melhor.

Aqui: http://www.youtube.com/watch?v=HvQaqcYQyxU

Cláudia Dans disse...

Ah como gostaria de morar em Fortaleza para fazer o curso da Lola! Deve ser super interessante! Também gostei do discurso da Ellen Page, ela resolveu ser feliz e é isso que importa, né? :D

Anônimo disse...

Não sie se e besteira não Sara, vejo muita verdade neste tal "manifesto contra a penetração"
Claro que de uma forma de posicionamento politico.

Anônimo disse...

Sawl - always the rebel

PARA Anônimo sem noção das 07:20.

Fala sério!!
Valeska Popozuda,Geisy Arruda e Nicole Bahls pelo que eu saiba NUNCA se declararam lésbicas!! Se alguma disse que gosta de mulher isso só interessa a quem declarou. Não precisa apoiar nem condenar.
E comparar as 3(desculpe quem for fã da Valeska mas NÃO vejo relevância musical da parte dela!) com a talentosa e iluminada Ellen Page é FORÇAR A BARRA demais!!
A Ellen NUNCA precisou apelar pra conseguir reconhecimento. É uma garota talentosa e bela.
E discordo que seja medíocre. Veja filmes como Um Crime Americano, Menina Má.Com, Juno, entre outros, e verá uma atriz brilhante e versátil. Até a considero INFINITAMENTE mais talentosa que a badalada e superestimada Jennifer Lawrence, que até que eu saiba é hétero, mas, se ela fosse gay vários(as) fãs iriam alegar que ela tá "apelando" e querendo aparecer na mídia!
Não acho que a Ellen tá querendo aparecer. Ela faz mais filmes independentes, mas, está na continuação de X-Men Primeira Classe, então tecnicamente, a declaração dela seria mais prejudicial devido ao preconceito de boa parte do público de grandes produções, do que benéfico.
Não vejo como uma declaração de homossexualidade, em um ambiente discretamente preconceituoso como Hollywood, poderia ser bom pra essa menina.
Além do mais, existe contradição de alguns que comentaram, porque ela era considerada homossexual antes da declaração e muitos cobravam dela por não se assumir!
A questão dela ser gay é irrelevante, uma atriz que nem a Ellen não precisa de mídia, ela é talentosa e ponto.

Entendeu ou quer que eu desenhe?
Deixe de ser BURRO!!!

Sawl - always the rebel

Julia disse...

Anon racista das 06:15. Eu acho que dá pra entender, se falar em morder as partes, como no vídeo fala.. cortar também funciona kkkkkkk

Agora fica a ideia pra se fazer um Majorité Opprimée sobre negrxs. Vamos ver se gente como você empatiza.

Anônimo disse...

Eu vi esse ACORDA, RAIMUNDO, ACORDA! que alguém sugeriu aí, muito bom, não conhecia.
Ai, Lola, eu bem gostaria de participar do bolão, mas só vi um filme, capitão phillips, e no avião, telinha pequena, horrível. Eu ando atrasada demais com os filmes.
Leila

Anônimo disse...

Sara, isso não é besteira, como você diz. Tampouco invenção de quem está fazendo troça com o assunto. Esse texto ao qual você se refere tem mais de 30 anos e representa sim um posicionamento político de uma parcela do feminismo.

Existe de fato a noção, em alguns grupos mais radicais que, em nossa cultura, toda penetração heterossexual é estupro.

Naturalmente, isso representa um posicionamento político. Se interessar, leia aqui o texto todo: https://materialfeminista.milharal.org/files/2012/10/Lesbianismo-Pol%C3%ADtico-A-Causa-Contra-a-Heterossexualidade-LRFG.pdf ou pesquise por material que contenha "All heterosexual sex is rape".

Anônimo disse...

Julia das 12:22, fiz uma crítica ao fato do filme retratar quase todos os agressores como de origem africana e você se refere a mim como "Anon racista das 06:15"?

A respeito de um Majorité Opprimée sobre negrxs, reitero que, apesar de interessante, por mais empatia que haja, dificilmente a pessoa branca vai compreender de que se trata. Já tive essa discussão há anos, envolvendo White Man's Burden. Para minha surpresa, algumas pessoas brancas que consultamos chegaram a afirmar que o filme era muito bom pois fazia um alerta sobre o perigo de o negro sair da opressão; "eles vão ser muito piores do que a gente", um senhor chegou a dizer, certo de que havia captado a mensagem perfeitamente.

Anônimo disse...

Ser contra a heteronormatividade, contra a obrigatoriedade da penetração e contra o falocentrismo são posições legítimas sim.

Meter a colher na sexualidade de outras mulheres não é, mas alguém tem que entender que um manifesto nessas linhas tem seu valor sim.

Julia disse...

Anon tosco que se acha o espertão. Se você assistisse o vídeo da Ellen perceberia que ela está sendo sincera e falando do que já sentiu na pele - preconceito e discriminação. Ela saiu do armário como um ato de coragem, porque ainda se precisa disso pra assumir a homossexualidade, infelizmente. Num mundo ideal não se precisaria "assumir" nada pois a vida sexual de que cada um só diz respeito a si mesmo (desde que não envolva crimes contra terceiros, claro). Não sei do que você falando quando diz que essas mulheres se assumiram lésbicas. Quando foi isso? Porque eu ainda me lembro da célebre frase da Nicole Bahls, ao vivo na tv brasileira, "Eu gosto de piroca".
Impagável.

Anônimo disse...

Julia

Vamos esperar algo similar ao que a Ellen Páginas fez da parte da Maria Cadú.

Mas ela ainda vende bem seus discos e faz seus show, então por enquanto se "assumir" não é intere$$ante.

lola aronovich disse...

Nem acredito no que estou lendo. Não tenho tempo nenhum pra responder (aula daqui a pouco, e também preciso entregar um projeto hoje), mas os trolls (só pode ser troll pra ser tão ignorante) que estão dizendo que a Ellen Page é uma atriz medíocre que se assumiu lésbica pra conseguir holofotes -- vcs realmente não tem a menor ideia do que estão dizendo, né? Vcs pelo menos SABEM quem é Ellen Page? Acho que não, né? Ela é tida como uma das melhores atrizes de sua geração. Já foi indicada ao Oscar de melhor atriz por Juno, em 2008, que fez um grande sucesso na bilheteria (eu não gosto do filme, mas isso é outra história). Já participou de pelo menos dois blockbusters: Origem e X-Men. Agora vai sair um outro X-Men com ela. Mas pra mim e pra muita gente ela surgiu em 2005, com sua interpretação impressionante em HARD CANDY - Menina Má(filme que mascus sem dúvida considerariam misândrico, se tivessem ouvido falar nele). Ellen tem apenas 26 anos e já é uma atriz consagrada, tanto de crítica quanto de bilheteria. E agora ela está se assumindo gay (que quase nunca é bom pra carreira de ninguém) pra que jovens como ela não sofram tanto bullying e possam se assumir também.
Vcs realmente vivem em outro mundo se pensam que 1) é bom pra carreira de alguém ser gay, 2) Ellen é uma fracassada (não sei qual a definição de sucesso pra vcs, mas...), 3) Ellen é medíocre, 4) Ellen se assumiu pra ganhar fama.
Mas, né, nem sei o que deveria esperar dos carinhas misóginos que disseram que a Gisele Bundchen se casou com o Brady pra ganhar um greencard...

Carol disse...

Muita gente me mandou o link do Free Bleeding perguntando se era verdade e como eu poderia apoiar um radicalismo desses (RISOS). Eu já sabia que era fake porque tinha visto no youpix.

Fiquei feliz com a declaração da Ellen. Ela é uma das minhas atrizes favoritas e de fato sempre teve uma imagem querida entre o público mais jovem principalmente pela postura mais "esporte" dela, não ser a princesinha arrumadinha toda cor-de-rosa, rs. A declaração dela sem dúvidas vai ajudar muita gente.

Em tempo: em que mundo vive alguém que não conhece ela ou pior, a considera uma atriz medíocre?

Anna Clara disse...

Ah Ellen é incrível! Sempre acompanhei os trabalhos dela no cinema e agora ela também interpretou uma personagem no game Beyond Two Souls e eu achei o jogo muito bom! Ela tá demais!

*________________*

Sara disse...

anon das 13.06hs quero morrer oprimida dessa maneira , te garanto...

Anônimo disse...

Direito seu, Sara. Só achei importante colocar que não é uma piada e eu, particularmente, prefiro não tratar como "besteira". Acho um ponto que promove discussão e reflexão válidas.

Sara disse...

Desculpa ae anon 16.39hs, mas pra que ia servir o pau do meu companheiro???
Em todas as espécies, inclusa ai a humana o pênis do macho tem essa nobre missão, penetrar, alem de algumas outras, um movimento feminista que prega, q penetração é opressão, absolutamente não me representa.
Não me sinto nem um pouco oprimida nesse ato, muito pelo contrário, eu adoro, tenho muito prazer, e pra mim soa a brincadeira ou "besteira" esse tipo de questionamento.
Alem do mais , acho o fim da picada querer regular ou normatizar como alguém sente prazer, isso é tão ofensivo , quanto criticar quem é homossexual.
Cada um encontra o prazer da sua maneira, e dar palpites nesse assunto, pra mim é sim desrespeito e grande estupidez.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Lembro de quando surgiu esse boato da feminista no Jô. Mas sabe quem realmente tinha ido ao Jô no dia anterior ao boato? A Marta Rocha, chefe de polícia no Rio, que havia dado uma ótima entrevista e dito coisas bem feministas.
Acho que esses boatos ocorrem quando acontece alguma coisa legal em relação à mulheres ou feminismo e aí os reaças se incomodam e inventam alguma coisa pra atrapalhar.

AnônimA disse...

Realmente é uma discussão importante falar sobre a obrigatoriedade da penetração e do falocentrismo em que vivemos. Inclusive foi num texto publicado aqui que me dei conta de como o conceito de "preliminares" era machista. Pra muita gente ao final das contas sexo é penetração. Mas ao dizer que "toda penetração heterossexual é estupro" elas me perdem. Deturpar o conceito de estupro assim é desonesto.

Wellington Fernando disse...

Vendo esses hoax por aí e algumas frases do tal Pondé, eu me lembrei de uma frase que era algo do tipo: "Quanto mais batem no feminismo, mais ele se fortalece." Ou seja: quanto mais tentam difamar o movimento, mas ele ganha força, porque isso ajuda a divulgá-lo e a fazer as pessoas descobrirem do que ele realmente se trata. Sei que não podemos mudar o que passou, mas podemos mudar o que vai acontecer. E é por isso que eu acredito que a luta pela igualdade nunca será em vão.
PS: o curta Love is All You Need está legendado em português neste link aqui

Anônimo disse...

Mais uma besteira q estão espalhando na internet sofre o feminismo.
"MANIFESTO CONTRA A PENETRAÇÃO"

Você está por fora então querida. Nunca ouviu falar de lésbicas políticas? Nunca ouviu falar de Radfem? Não sabia que existem feministas que adoram a Valerie Solanas? Claro que é uma minoria, mas essas feministas existem sim, e a Lola inclusive fez uma matéria, discutindo o fato da transfobia praticado por esses grupos.

Quando a inversão, assisti também um muito interessante, que mostra um fictício mundo heterofóbico:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=YQewUi4dz5s

@dddrocha disse...

É tanta notícia falsa cabeluda e a grande maioria das pessoas acredita MESMO nelas.

Anônimo disse...

Pegaram uma pesquisa real e deturparam-a. Considero uma hoax. Tem algumas pessoas que PRECISAM se posicionar contra o movimento. Pena que nunca dá resultados :/